Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

GabrielCamarhoHenrique

Membros
  • Total de itens

    4
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

5 Neutra

Últimos Visitantes

260 visualizações
  1. O preço do minitrekking é fixo, porque só uma empresa é autorizada a fazer Ele está disponível nesse site: http://www.hieloyaventura.com/HIELO2015/minitrekking-port.html
  2. Eu fiz as trilhas menores: Mirador de los Condores & Mirador de Las Aguilas, Chorrillo del Salto, Canyon do Rio das Voltas, Laguna capri. Cada uma dessas demora cerca de 1 hora no total (ida e volta) E uma uma maior: Laguna de los Tres / Monte Fitz Roy @thattsz @luizh91
  3. Olá! Aqui apresento um relato de minha viagem de 10 dias por Buenos Aires e por trechos da Patagônia Argentina. Esse foi meu terceiro mochilão, mas foi o primeiro que fiz sozinho, então decidi compartilhar um pouco dessa experiência! Vou dividir esse relato em seções. Assim, se você estiver interessado em um assunto específico pode ler só a seção de interesse! No fim eu discuto um pouco sobre como foi viajar sozinho! 1. ITINERÁRIO Buenos Aires: 2 dias (Casa Rosada, praça de maio, museu de arte latina – americana) El Calafate: 5 dias (Geleira Perito Moreno, Minitrekking na Geleira, Museu centro de interpretação histórica, Lago Argentino, Laguna Nimez) El Chalten: 3 dias (É um lugar para se fazer trilhas) Fiz o mochilão entre 5 e 10 de janeiro. O clima nessa época é mais agradável na Patagônia, já que é verão. No inverno grande parte dos passeios não podem ser realizados por conta do frio. Então escolha dias entre os meses de janeiro, fevereiro ou março. Adicional (informações sobre o clima de El Calafate): https://www.queroviajarmais.com/quando-ir-el-calafate-clima-temperatura/ 2. DINHEIRO Não sou um modelo de organização quando se trata de dinheiro, então vou apresentar somente os valores dos quais tenho certeza. Gastei em torno de 3500 reais no total (com a passagem aérea) Passagem aérea: 1500 reais (São Paulo – Buenos Aires/ Buenos Aires – El Calafate/ El Calafate – Buenos Aires/ Buenos Aires – São Paulo) Comprei pela Aerolineas Argentinas. Vários relatos que eu li apresentam uma opinião não muito boa dessa companhia, mas eu não tive nenhum grande problema. Minha única critica é que os horários dos voos foram modificados várias vezes antes da data de embarque. Eram questão de horas ou minutos, mas eu tive que ficar atento às mudanças. Hostel: 512 reais* (Total para 8 dias) Fiquei em dois Hostels em El Calafate: O Calafate Hostel e o Bla GuestHouse. Gostei bastante do Calafate Hostel, ele tem uma aura de casa antiga e é bem espaçoso. A atendente foi sempre muito gentil. O Bla GuestHouse também é um bom Hostel, mas nele há somente dois banheiros para todos os hospedes, o que faz com que você tenha que grudar na porta e esperar alguém sair para poder usar. Agendei pelo aplicativo HostelWorld, sempre uso ele em minhas viagens e sempre foi sucesso. *Já estive em outros países da América do Sul (Peru, Chile e Bolívia) e os Hostels da Argentina são os mais caros que vi por aqui. Esses são os preços que posso dar com total certeza, mas vou tentar dar mais algumas dicas relacionadas a questões que envolvem dinheiro: Que moeda levar: Levei uma pequena parte em peso Argentino. Só o suficiente para que pudesse pagar um táxi se eu me perdesse em Buenos Aires (me perdi) e para pagar o translado entre o Aeroporto de El Calafate e a cidade (falo mais sobre isso quando descrevo minha experiência lá) De resto, seguindo o conselho de um amigo que fez uma viagem semelhante, levei somente Real evitando fazer câmbio duas vezes (o que teria acontecido se tivesse levado Dólar) e cartão de crédito. Cartão: Em Buenos Aires praticamente qualquer lugar aceita. Em El Calafate consegui usar sem problemas no supermercado (só tem um), mas tive problemas em lojas menores. Em El Chalten, não tentei. Não esquece de habilitar para viagem internacional!! Dá para fazer pelo aplicativo do banco para celular Câmbio: Em Buenos Aires existem vários locais oficiais para fazer Câmbio (só dar uma olhada no google). Em El Calafate não há nenhum local oficial, mas existem dois comércios que fazem (pergunta para o atendente do Hostel). Em El Chalten não tentei. Comidas e Bebidas: Bebidas alcoólicas são muito baratas!!! Mas o preço das outras comidas é mais caro que no Brasil (viver de vinho é uma opção a ser pensada).Eu optei por comprar no supermercado e cozinhar no Hostel (e viver de vinho). Adicional: HostelWorld (aplicativo para agendar Hostels): https://www.hostelworld.com/ Preços das excursões em El Calafate (os preços estão no fim do relato do Link e acredito que estejam atualizados, já que ele foi escrito em 2018): https://www.queroviajarmais.com/quando-ir-el-calafate-clima-temperatura/ 3. O QUE LEVEI Vou apresentar uma lista das coisas que levei. Não é preciso se preocupar em levar muitos agasalhos, porque no verão não faz muito frio (passei calor andando na geleira haha). Mas uma jaqueta corta vento é importante, porque em El Calafate e em El Chalten venta bastante (mesmo). 9 camisas 1 Toalha 3 Shorts Óculos de sol 4 Calças 2 Jaquetas corta – vento 1 Segunda pele Cadeado (para o Locker do Hostel) 3 Livros (Se você se interessa por biologia ou história natural, vale muito a pena levar o livro “Viagem de um naturalista ao redor do mundo”. Ele foi escrito por Charles Darwin e narra sua passagem pela Patagônia, Brasil e pelas ilhas. É bem fácil de ler e ele também aborda questões sociais da época). Luva (É útil se você for fazer o Minitrekking, senão é desnecessário) Escova de dente Chinelos Bota para trekking (Muito útil em El Chalten) 2 Jaquetas Desodorante Kindle Touca (É importante por causa do vento) Adaptador de tomada (Não levei haha, mas teria sido útil. O padrão de tomadas da Argentina é diferente do nosso. Em El Calafate não tive problemas, mas em Buenos Aires (no aeroporto) tive dificuldade de encontrar tomadas em que eu pudesse recarregar meu celular. Elas existem, mas são raras, algumas não funcionavam (muitas esperanças frustradas) e concorridas) 4. BUENOS AIRES Quando comprei as passagens escolhi as que tinham maiores tempos de escala. Assim, visitei Buenos Aires durante o primeiro e o último dia da viagem (e não tive que gastar com Hostel haha). Em minha primeira passagem pela cidade tive 8 horas e na segunda tive 10 horas. O único inconveniente desse planejamento é que eu contava que o mochilão seria despachado diretamente para El Calafate no primeiro dia. Não rolou. Eu tive que fazer meus passeios com ele nas costas, mas como não tinha levado muitas coisas, deu tudo certo. Na escala da volta, minha bagagem foi direto para São Paulo (vai entender) e tive mais liberdade para conhecer a cidade. Optei por utilizar Taxi/Uber, porque não tinha pesquisado muito sobre a cidade antes de chegar lá (haha) e porque tinha que voltar ao aeroporto ainda no mesmo dia, mas metrô e ônibus são opções bem mais em conta. A CIDADE Buenos Aires me surpreendeu. A cidade é bastante bonita, em muitos momentos me senti em uma cidade europeia pela quantidade de monumentos e pelo estilo clássico da arquitetura. No entanto, eu só visitei regiões centrais, então imagino que a cidade como um todo seja bastante diversa em termos de arquitetura e de padrão de urbanização. Se você decidir seguir minha dica e levar o livro “Viagem de um naturalista ao redor do mundo”, Darwin faz uma descrição de Buenos Aires no século XIX. A diferença é enorme! (Não é propaganda haha) Mais informações sobre Buenos Aires: https://pt.wikipedia.org/wiki/Buenos_Aires (Wikipédia é meio óbvio, mas é bom para informações mais gerais haha). A CASA ROSADA E A PRAÇA DE MAIO A casa rosada (Figura 1) foi meu primeiro destino. Logo que passei pela imigração, fui até o centro de informações do aeroporto e peguei um mapa da cidade (é de graça!) e tirei algumas dúvidas com a atendente. Ela falava português, então não tive que arriscar minhas habilidades em espanhol (que são vergonhosas). Ponderei minhas opções e decidi pegar um Uber (sim, eles existem lá e o aplicativo funciona normalmente! Desde que você tenha habilitado seu cartão de crédito) para a casa rosada com medo de me perder caso pegasse ônibus ou metrô (me perdi mesmo assim). A viagem durou cerca de 30 minutos. Sempre quis conhecer o lugar e não fiquei decepcionado! A casa em si é bastante interessante e a praça de maio (que a circunda) (Figura 1 ) é muito bonita e tem uma história fascinante. Se você quiser saber mais sobre a história antes de ir até lá, recomendo esse artigo sobre as mães da praça de maio (só copiar o link): http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num6/estudos/MariaFernandaPonzio-A praca da memoria.pdf Na hora de voltar para o aeroporto meu plano era almoçar em algum lugar próximo e pedir a senha do Wifi (haha) para chamar um Uber. Não deu certo. Nenhum lugar queria me passar a senha. Então me afastei um pouco da região central procurando algum outro restaurante. Em algum momento percebi que tinha me perdido. Foi uma das etapas desesperadoras da viagem, porque eu tinha que voltar para o aeroporto em pouco tempo, mas no fim encontrei um taxi e consegui pegar meu voo para El Calafate. Adicional: Existe a opção de se fazer uma visita guiada por dentro da casa rosada (gratuita!!), mas ela precisa ser agendada com antecedência neste site:https://visitas.casarosada.gob.ar/ Figura 1. Casa Rosada e Praça de Maio O MUSEU DE ARTE LATINA – AMERICANA (MALBA) Visitei o museu em minha segunda parada por Buenos Aires. Dessa vez decidi não apostar na chance de encontrar um Wifi e fiz um acordo com um taxista. Ele me levou até lá e agendamos um horário para ele me buscar. A entrada do museu é paga e custa 90 pesos argentinos (15 reais), mas consegui pagar metade desse valor, porque eles aceitaram minha carteira de estudante da universidade. No museu fiz uma visita autoguiada (sem um mediador). O acervo não é extenso, mas tem uma boa seleção de obras do século XX. Foi bastante emocionante ver a obra Abapuru de Tarsila do Amaral (já vale a visita). A exposição também possui obras de Frida Kahlo, Di Cavalcanti e Portinari. Adicional: Site oficial do museu: http://www.malba.org.ar/ Relato sobe o museu: https://www.360meridianos.com/2016/01/visita-ao-malba-o-museu-de-arte-latino-americana-de-buenos-aires.html 5. EL CALAFATE O aeroporto de El Calafate é bastante bonito (Figura 2), mas fica MUITO distante da cidade. Para chegar até ela existem quatro opções: (1) contratar um transfer no aeroporto (2) contratar um taxi no aeroporto (3) agendar o transfer com o Hostel (é só enviar um e-mail para eles pedindo o agendamento) (4) alugar um carro. Optei pela terceira opção (a mais barata). Quando cheguei no aeroporto o transfer já estava me esperando e me levou direto para meu Hostel. Se você precisar ir da cidade até o aeroporto, as opções (2) e (3) também são validas. Figura 2. Aeroporto de El Calafate A CIDADE E O CENTRO DE VISITANTES El Calafate é uma cidade bem pequena, mas bastante bonita e aconchegante. Os comércios ficam todos concentrados em uma única rua central. Lá é possível encontrar lugares para cambiar dinheiro (discuti isso no tópico 2), um supermercado grande, restaurantes, agências de viagens e lojas de lembranças. Não existem muitos locais de venda de artesanatos e outros artefatos culturais como você encontraria em outros países da América do Sul. Os povos indígenas da Patagônia sofreram bastante com a colonização espanhola, então muito da cultura deles se perdeu (embora hoje exista um forte movimento de resgate dessa cultura). É possível encontrar bebidas e doces feitos com o fruto da planta que dá nome para a cidade (calafate) (diz a lenda que quando você como esse fruto, você está destinado a voltar para a Patagônia em algum momento da vida) e lembranças como cartões postais e chaveiros (é ...). Se você estiver um dia sem nenhum passeio agendado, sugiro uma visita ao centro de visitantes que fica na rua central da cidade. Além de conseguir um mapa de El Calafate (gosto de mapas haha), lá existem vários exemplares da flora patagônica (com placas explicativas!) e uma pequena exposição das figuras históricas que estiveram na região (Figura 3). Há estátuas de Charles Darwin e do historiador natural que deu nome ao Glaciar Perito Moreno (Francisco Pascasio Moreno) Mais uma vez indico o livro “Viagem de um naturalista ao redor do mundo”. Eles valorizam muito a passagem da expedição da qual Darwin fez parte pela região. Existem referências sobre ela aonde quer que você vá (mesmo). Figura 3. Estátua de Darwin - Centro de visitantes de El Calafate LAGO ARGENTINO E LAGUNA NIMEZ Descendo a rua central de El Calafate, você já encontra o Lago Argentino. É super perto. Lá existe uma pista para caminhar. Pelo que o atendente do Hostel me disse, ele é um dos maiores lagos da Argentina e tem origem glacial (mas eu admito não ter conferido essa informação haha). O lago é muito bonito (Figura 4) e se você der sorte flamingos podem chegar bem perto da margem. Também é um bom lugar para sentar e ler um livro. A conformação do lago forma uma laguna: a Laguna Nimez. Ela é uma área de proteção ambiental, mas pode ser visitada ao se pagar uma taxa (que é destinada para conservar o local, o que faz valer a pena). Lá é possível ver várias espécies de aves, incluindo flamingos (não precisa ter sorte nesse caso, eles se alimentam de crustáceos da laguna, então estão sempre por lá) Figura 4. Lago Argentino Adicional: Laguna Nimez (tripadvisor): https://www.tripadvisor.com.br/Attraction_Review-g312851-d1368446-Reviews-Laguna_Nimez_Reserve-El_Calafate_Province_of_Santa_Cruz_Patagonia.html MUSEU: CENTRO DE INTERPRETAÇÃO HISTÓRICA Esse museu fica a dez minutos a pé da rua central de El Calafate. Eu fiz uma rota no google maps e cheguei lá bem fácil. Para entrar é necessário pagar uma taxa, mas em minha opinião vale a pena (caso você tenha tempo em El Calafate). O museu busca contemplar diferentes períodos da história da região. Assim, a exposição é dividida temporalmente. Ela tem início com os registros fósseis do Triássico (eles têm impressões de folhas, réplicas e fósseis reais de dinossauros), depois é mostrada a irradiação de mamíferos após o período da extinção em massa (Figura 5), a seguir os primeiros povos humanos que habitaram a região são apresentados, seguidos pelo período da invasão espanhola ( e suas consequências para os povos da região) e da criação do parque Perito Moreno. Eu gostei bastante da exposição, todas as placas explicativas possuem as fontes de onde as informações foram retiradas e elas são confiáveis. Minha única crítica é que embora seja permitido tirar fotos, as luzes atrapalham bastante o processo. Não consegui nenhuma muito boa. Figura 5. Réplica de Megaterium presente no museu GLACIAR PERITO MORENO E MINI TREKKING Logo que cheguei no Hostel agendei o mini trekking pela geleira (que era uma coisa que eu queria muito fazer!) com o próprio pessoal de lá. Em alguns relatos li que era necessário agendar o passeio com grande antecedência, mas não é não haha (só se você for ficar em El Calafate 1 dia, aí é bom já ter agendado mesmo). Esse passeio vale muito a pena por dois motivos (1) você anda em uma geleira! (2) Ele já inclui a visita pela murada do parque Perito Moreno e a viagem de barco (não é o mesmo trajeto que outro passeio oferece, mas barco é barco). Vou tentar descrever como foi. A empresa me buscou de manhã no Hostel (eles atrasaram bastante, mas como só existe uma empresa que faz esse passeio (Hielo y Aventura), não posso indicar outra). Durante a viagem para o parque nacional dos glaciares, a guia nos explicou a formação geológica do parque, a dinâmica das geleiras e um pouco sobre a fisionomia da vegetação. Foi bem legal, mas ela fez toda a apresentação em espanhol e não traduziu para o inglês, então eu perdi várias informações (mas como só tinham brasileiros e argentinos no ônibus, eu entendo). Na entrada do parque eles recolheram o dinheiro da entrada (100 reais) e o ônibus nos levou até perto das muradas que permitem ver a geleira (Figura 6). É muito bonito! É incrível pensar como a natureza pode construir monumentos tão colossais! E o quanto nós somos pequenos perto dessa imensidão. O som de pedaços de gelo se desprendendo também é sensacional. Nós ficamos lá por 1 hora. Depois desse tempo, o ônibus nos levou até o barco que nos levaria até o local do Minitrekking. A viagem de barco também é muito bonita. Além de ser possível ver o outro lado da geleira, existem vários pedaços de gelo flutuante que são bem bonitos de se ver. Para fazer o Minitrekking eles fornecem grampos para os calçados (não é preciso nenhum tênis especial). A experiência de andar em uma geleira (Figura 6) é diferente de tudo o que eu tinha feito. Os tons de azul da geleira (causados pela forma como o gelo absorve os raios solares) também são muitos bonitos. Minhas únicas críticas negativas quanto a esse passeio são que (1) a comida não está inclusa (2) o tempo em que andamos na geleira é bem curto (uns 35 minutos). Fora isso, é uma ótima experiência. Figura 6. Visão da murada do glaciar e imagem do final do Minitrekking 6. EL CHALTEN El Chalten é uma cidade próxima à El Calafate (2h30min) e é conhecida como a “capital do trekking na Argentina”. É possível pegar um ônibus da rodoviária de El Calafate até El Chalten (foi o que eu fiz). Para chegar até a rodoviária de El Calafate fiz uma rota no google maps (fica uns 15 minutos do centro). Tomei uma decisão bem ruim de ir e voltar entre as duas cidades, porque fiquei com medo de não conseguir Hostel em El Chalten (era alta temporada), mas mesmo a cidade sendo pequena, tem vários Hosteis, então compensa ficar lá. A primeira coisa a se fazer quando chegar é ir no centro de visitantes (fica perto da rodoviária – perguntando para qualquer pessoa você acha bem fácil) em que funcionários do parque explicam as trilhas disponíveis e dão informações sobre elas. Lá você também consegue mapas das trilhas (mais mapas!) El Chalten foi definitivamente o que eu mais gostei desse mochilão (Figura 7). Foi um momento em que senti uma grande sensação de liberdade. As trilhas são muito bem demarcadas e bem cuidadas (fui sozinho e não sou acostumado a fazer trilhas). Todas as trilhas são de graça Vou colocar links com as trilhas disponíveis, eles explicam muito melhor do que eu poderia fazer: (1) http://www.daytours4u.com/pt/argentina4u/melhores-trilhas-em-el-chalten/ (2)http://apureguria.com/america-do-sul/el-chalten-fitz-roy/ (3) https://conhecendolugares.com/tag/melhores-trilhas-em-el-chalten/ Figura 7. Centro de visitantes de El Chalten e imagem do início de uma das Trilhas 7.VIAJAR SOZINHO Esse mochilão marcou a primeira vez que eu viajei sozinho. Durante a viagem confesso que evitei o contato com outras pessoas (mesmo sendo totalmente possível fazer amigos viajando sozinho), porque queria aproveitar o máximo possível o tempo que eu tinha comigo mesmo e com o ambiente natural que me cercava. Considero que tive mais oportunidade de me relacionar com os locais que visitei e aprender mais sobre eles. Meu senso de responsabilidade também se beneficiou, porque eu tinha que tomar todas as decisões e resolver todos os problemas que aconteceram durante a viagem. É claro que viajar com amigos é bem legal, mas viajar sozinho é libertador. OUTRAS FOTOS
×
×
  • Criar Novo...