Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Alexander Supertramp

Membros
  • Total de itens

    22
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

5 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Alexander Supertramp

    Como funciona o visto de trânsito para a China

    ...
  2. Alexander Supertramp

    Mochilas TRILHAS & RUMOS

    Eu definitivamente não recomendo a T&R Crampon  Tech 77 e nem a Trilhas em Rumos em si para viagens longas internacionais. A minha T&R Crampon Tech 77l abriu o bico logo no começo da minha viagem. Eu estava na Grécia a 2 dias tentando pegar carona na E75 passando todos os perrengues normais que um mochileiro roots conhece, quando a mochila resolveu me deixar carregando o peso todo da carga nos ombros pois a presilha de regulagem da barrigueira quebrou. Além disso ela já descosturou em umas 7 partes diferentes. Não recomendo nem no Brasil, imagina fora do brasil onde n tem como buscar assistência. O material bem fraquinho também, qualquer galhinho q raspar pode rasgar.
  3. Alexander Supertramp

    Roots Israel, Europa e UK

    te mandei inbox
  4. Alexander Supertramp

    Grécia rumo a Santiago de carona.

    Resumo do mochilão ROOTS em Atenas na Grécia. Ao realizar o Check out no hostel, como eu não havia feito reserva, fui informado de que possivelmente não teria uma cama disponível no dia. Fui explorar a cidade em busca de um local para expor meus artesanatos. No caminho, enquanto tirava fotos da biblioteca de Atenas, uma moça muito simpática me pediu para tirar uma foto dela tendo como fundo a biblioteca. (Biblioteca de Atenas) Depois de alguns minutos de uma boa conversa em portuinglês com turkinglês (ela é da Turkia), em que contei a ela que tinha acabado de chegar de Israel, e estava planejando seguir em direção a Santiago de Compostela de carona passando ou pelos países ao norte da Grécia, ou de ferry até a Itália, e que a grana da minha viagem seria adquirida com a venda dos artesanatos que eu estava fazendo, e ainda, que naquele exato momento eu procurava um lugar para expor os meus trampos, ela me perguntou se eu havia visitado o templo de Zeus. Eu disse que não, e ela gentilmente se ofereceu a ser minha "guia" até o local. (Templo de Zeus) Após a visita ao templo, ela me perguntou se eu queria tomar um café, e eu com aquele jeito sem graça que só mochileiro ROOTS quebrado na estrada sabe como é, fiquei uns 4 segundos sem saber como responder, até o momento em que eu realmente nao pude mais resistir a doçura levemente desajeitada daquela linda pessoa. Escolhido o local e a mesa sentamos. O garçom ao ver meu canudo de artesanatos, se mostrou um tanto resistente em atender a mesa, o que a deixou levemente incomodada. Não era constrangimento, mas uma forma quase tangível de indignação com a situação. Ao ler o menu na parede, percebi que o item mais barato era um sorvete. Na boa, eu sei que o convite foi pra um café, mas pagar 2 euros a mais para tomar um café no lugar de um sorvete naquele calor pra mim era uma imposição que eu não estava disposto a ceder. Depois de uma agradável conversa em que ela me explicou como a situação na Turkia estava se tornando muito desagradável para as mulheres, pois seu presidente está tentando aprovar uma lei que obriga as mulheres a cobrir o rosto seguindo alguns preceitos do alcorão, eu nem havia terminado de tomar meu sorvete quando ela se levantou e foi pagar a conta. Ela estava na cidade com um grupo de turistas da Turquia, e tinha que se encontrar com o grupo em um local e horário específico. Nos despedimos e eu segui meu caminho em busca de um local para expor minhas pulseiras. Infelizmente como eu sou meio desligado, (quem me conhece sabe) acabei nem trocando contato com a Mervia para continuarmos nos falando. Uma pena. Bola que segue. Na minha busca por um local, cheguei em um comércio em que a proprietária (Claudia) foi um amor de pessoa. Perguntei se teria algum problema em expor meus trabalhos próximo ao seu comércio e ela até me mostrou um lugar legal. Ainda me deu uma sugestão (e essa foi a sacada do dia), disse que próximo a Acrópole, existia um número considerável de pessoas fazendo o a mesma coisa que eu pretendia fazer naquele local devido ao grande fluxo de pessoas, e me explicou como eu poderia chegar lá. Consegui chegar lá em torno das 15:00 o problema é que eu demorei um pouquinho até conseguir entender como funciona a dinâmica da coisa. (Meu escritório ao lado da Acrópolis) (Minha vista para a Acrópole de onde eu estava expondo os artesanatos) Mas tudo bem, depois de aproximadamente 3 horas (saí de lá bem antes das 19) consegui atender dois casais muito simpáticos, um dos USA e outro da Bélgica, vendendo 5 pulseiras pelo total de €14,50 (eu poderia ter cobrado mais, mas minha inexperiência falou mais alto no momento e eu acabei cedendo a tentação de acreditar que poderia perder a venda por escolher um preço mais justo. (Casal norte americano) (Casal belga) Até aqui tudo bem, vocês se lembram que eu não tinha um lugar pra ficar? Quando eu estava voltando para o hostel para pegar minha mochila (alguns hostels permitem que os hóspedes deixem as mochilas no local mesmo após o check out), me deparei com uma construção linda. Perguntei a duas pessoas que passavam pela rua do que se tratava, e eles me disseram que aquela era a Saint Dionysios Cathedral, se tratava portanto, de uma igreja católica apostólica romana. Ambos frequentavam aquela igreja, Isarel como membro do coral e Benjamim como mestre regente do coral. Naquele momento eu me lembrei que possivelmente estaria sem lugar para passar a noite. Falei sobre a minha viagem, perguntei se eles saberiam informar sobre a possibilidade de eu acampar nas dependências da igreja. Eles me disseram que provavelmente não. Israel me perguntou por quanto tempo pretendia ficar, respondi que por uns 3 dias. Ele imediatamente me ofereceu sua casa para que eu tivesse um lugar para ficar. (Irael, nigeriano refugiado que vive em Atenas tentando obter residência legal, me ofereceu sua casa por uns dias) Dá pra acreditar numa coisa dessas? Pra finalizar, chegando no hostel pra pegar minha mochila, ainda ganhei uma prancheta (ela serve de base para fazer as pulseiras) de uma alemã muito gente fina que estava no hostel comigo, inacreditável. Quando eu disse a ela sobre o meu dia, ela ficou super feliz e disse que eu poderia fazer uma boa grana se conseguisse fazer várias pulseiras por hora. Eu disse a ela que até sou rápido, mas que estava sem uma prancheta, e isso dificultava um pouco. Ela na hora sacou uma lá das profundezas da sua cargueira e me deu. Haha! Só pode ser uma conspiração universal a meu favor. Nunca me esquecerei desse povo amigável, sempre com um sorriso fácil no rosto, que luta contra a pobreza e a indigência, mas que sabendo de sua história, deve sempre ter em mente que nada jamais vai abalar a beleza de sua majestosa cidade se continuarem a manter o foco nas relações humanas como bem experimentei. Atenas obrigado!
  5. Alexander Supertramp

    Roots Israel, Europa e UK

    Olá galera! A aproximadamente 4 meses atrás decidi que faria um mochilão roots com alguns objetivos e roteiros definidos, mas sempre me mantendo aberto a mudanças que eventualmente pudessem ocorrer. Fui para Israel onde tive uma experiência fascinante com pessoas e lugares fantásticos, e pude ainda aprender a fazer pulseiras de macramê que me auxiliaram com os custos da viagem. (A vista em algum ponto do Tedy Park da cidade velha de Jerusalém em Israel) (Israel, próximo a fronteira com a Jordânia) (Próximo a cidade velha de Jerusalém) Decidi entrar na Europa por Atenas na Grécia e seguir de lá de carona e acampando até Saint Jean Piet de Port na França onde eu começaria a fazer o caminho de Santiago de Compostela. (meu escritório em Atenas com vista para a Acrópolis) Cruzei a Europa de Atenas até Saint Jean (mais de 3000km) de carona, passando por Macedônia, Sérvia, Croácia, Eslovênia, Áustria, Alemanha e Suíça até chegar em Saint Jean na França. (Nadia, Delyan e Birgit. Dois búlgaros e uma estoniana em uma aventura de 1000km pela Europa) (Delyan e eu com o catelo de neuschwanstein na Alemanha ao fundo). (Local que escolhi para expor os braceletes em chamonix na frança) (Minha vista da barraca aos pés do Mont Blanc em Chamonix) Comecei o caminho, mas quando cheguei em Pamplona na Espanha, por estar carregando mais do que o dobro do peso recomendado, acabei machucando minha panturrilha e meu tornozelo. Ainda consegui andar até Puente la Reina, mas decidi interromper o caminho por dois motivos; o primeiro por conta das lesões, e o segundo por ter recebido uma proposta de trabalho em Londres. (Fim de tarde em Saint Jean na França) (Bifurcação em Saint Jean onde o peregrino precisa decidir se vai seguir pelas montanhas, ou pelo vale) Fui (novamente de carona) de Puente la Reina até Paris, e de Paris peguei um ônibus para cruzar o canal até a Inglaterra. Durante essa aventura toda (que eu sintetizei ao máximo evitando contar as experiências para que o texto não se alongasse), o que mais me marcou é o fato de que quando você se propõe a fazer esse tipo de "loucura", parece que você passa a se conectar com uma outra categoria de pessoas, não aquelas normais que você está acostumado a encontrar no dia a dia, e sim pessoas com um nível humano diferenciado. Eu relatei boa parte das experiências que vivi durante a viagem em meu face, quem estiver afim de dar uma olhada é só mandarum inbox que eu passo o endereço sem problemas.
  6. Alexander Supertramp

    Companhias para fazer um mochilão pelo nordeste 2019. E viajar sempre que der!!

    Olá td bem? Dá uma lida nesse tópico, qualquer coisa mandaum inbox.
  7. Alexander Supertramp

    ...

    Olá galera! A aproximadamente 4 meses atrás decidi que faria um mochilão roots com alguns objetivos e roteiros definidos, mas sempre me mantendo aberto a mudanças que eventualmente pudessem ocorrer. Fui para Israel onde tive uma experiência fascinante com pessoas e lugares fantásticos, e pude ainda aprender a fazer pulseiras de macramê que me auxiliaram com os custos da viagem. (A vista em algum ponto do Tedy Park da cidade velha de Jerusalém em Israel) (Israel, próximo a fronteira com a Jordânia) (Próximo a cidade velha de Jerusalém) Decidi entrar na Europa por Atenas na Grécia e seguir de lá de carona e acampando até Saint Jean Piet de Port na França onde eu começaria a fazer o caminho de Santiago de Compostela. (meu escritório em Atenas com vista para a Acrópolis) Cruzei a Europa de Atenas até Saint Jean (mais de 3000km) de carona, passando por Macedônia, Sérvia, Croácia, Eslovênia, Áustria, Alemanha e Suíça até chegar em Saint Jean na França. (Nadia, Delyan e Birgit. Dois búlgaros e uma estoniana em uma aventura de 1000km pela Europa) (Delyan e eu com o catelo de neuschwanstein na Alemanha ao fundo). (Local que escolhi para expor os braceletes em chamonix na frança) (Minha vista da barraca aos pés do Mont Blanc em Chamonix) Comecei o caminho, mas quando cheguei em Pamplona na Espanha, por estar carregando mais do que o dobro do peso recomendado, acabei machucando minha panturrilha e meu tornozelo. Ainda consegui andar até Puente la Reina, mas decidi interromper o caminho por dois motivos; o primeiro por conta das lesões, e o segundo por ter recebido uma proposta de trabalho em Londres. (Fim de tarde em Saint Jean na França) (Bifurcação em Saint Jean onde o peregrino precisa decidir se vai seguir pelas montanhas, ou pelo vale) Fui (novamente de carona) de Puente la Reina até Paris, e de Paris peguei um ônibus para cruzar o canal até a Inglaterra. Durante essa aventura toda (que eu sintetizei ao máximo evitando contar as experiências para que o texto não se alongasse), o que mais me marcou é o fato de que quando você se propõe a fazer esse tipo de "loucura", parece que você passa a se conectar com uma outra categoria de pessoas, não aquelas normais que você está acostumado a encontrar no dia a dia, e sim pessoas com um nível humano diferenciado. Eu relatei boa parte das experiências que vivi durante a viagem em meu face, quem estiver afim de dar uma olhada é só mandarum inbox que eu passo o endereço sem problemas. Atualmente estou planejando ir para para o Brasil para fazer o nordeste, e de lá começar a fazer a América do Sul ou vice versa. Se alguém estiver interessado(a) em fazer parte da trip por favor mande um inbox. Pretendo começar a trip em no máximo 3 semanas. Obs: Estou aberto a discutir roteiros.
  8. Alexander Supertramp

    Mover tópico

    Como eu faço para mover um tópico que está em GRÉCIA para RELATOS DE VIAGEM ? O tópico é esse aue está abaixo (obrigado)
  9. Alexander Supertramp

    Grécia rumo a Santiago de carona.

    Resumo do mochilão ROOTS em Atenas Grécia. Ao realizar o Check out no hostel, como eu não havia feito reserva, fui informado de que possivelmente não teria uma cama disponível no dia. Fui explorar a cidade em busca de um local para expor meus artesanatos. No caminho, enquanto tirava fotos da biblioteca de Atenas, uma moça muito simpática me pediu para tirar uma foto dela tendo como fundo a biblioteca. (Biblioteca de Atenas) Depois de alguns minutos de uma boa conversa em portuinglês com turkinglês (ela é da Turkia), em que contei a ela que tinha acabado de chegar de Israel, e estava planejando seguir em direção a Santiago de Compostela de carona passando ou pelos países ao norte da Grécia, ou de ferry até a Itália, e que a grana da minha viagem seria adquirida com a venda dos artesanatos que eu estava fazendo, e ainda, que naquele exato momento eu procurava um lugar para expor os meus trampos, ela me perguntou se eu havia visitado o templo de Zeus. Eu disse que não, e ela gentilmente se ofereceu a ser minha "guia" até o local. (Templo de Zeus) Após a visita ao templo, ela me perguntou se eu queria tomar um café, e eu com aquele jeito sem graça que só mochileiro ROOTS quebrado na estrada sabe como é, fiquei uns 4 segundos sem saber como responder, até o momento em que eu realmente nao pude mais resistir a doçura levemente desajeitada daquela linda pessoa. Escolhido o local e a mesa sentamos. O garçom ao ver meu canudo de artesanatos, se mostrou um tanto resistente em atender a mesa, o que a deixou levemente incomodada. Não era constrangimento, mas uma forma quase tangível de indignação com a situação. Ao ler o menu na parede, percebi que o item mais barato era um sorvete. Na boa, eu sei que o convite foi pra um café, mas pagar 2 euros a mais para tomar um café no lugar de um sorvete naquele calor pra mim era uma imposição que eu não estava disposto a ceder. Depois de uma agradável conversa em que ela me explicou como a situação na Turkia estava se tornando muito desagradável para as mulheres, pois seu presidente está tentando aprovar uma lei que obriga as mulheres a cobrir o rosto seguindo alguns preceitos do alcorão, eu nem havia terminado de tomar meu sorvete quando ela se levantou e foi pagar a conta. Ela estava na cidade com um grupo de turistas da Turquia, e tinha que se encontrar com o grupo em um local e horário específico. Nos despedimos e eu segui meu caminho em busca de um local para expor minhas pulseiras. Infelizmente como eu sou meio desligado, (quem me conhece sabe) acabei nem trocando contato com a Mervia para continuarmos nos falando. Uma pena. Bola que segue. Na minha busca por um local, cheguei em um comércio em que a proprietária (Claudia) foi um amor de pessoa. Perguntei se teria algum problema em expor meus trabalhos próximo ao seu comércio e ela até me mostrou um lugar legal. Ainda me deu uma sugestão (e essa foi a sacada do dia), disse que próximo a Acrópole, existia um número considerável de pessoas fazendo o a mesma coisa que eu pretendia fazer naquele local devido ao grande fluxo de pessoas, e me explicou como eu poderia chegar lá. Consegui chegar lá em torno das 15:00 o problema é que eu demorei um pouquinho até conseguir entender como funciona a dinâmica da coisa. (Meu escritório ao lado da Acrópolis) (Minha vista para a Acrópole de onde eu estava expondo os artesanatos) Mas tudo bem, depois de aproximadamente 3 horas (saí de lá bem antes das 19) consegui atender dois casais muito simpáticos, um dos USA e outro da Bélgica, vendendo 5 pulseiras pelo total de €14,50 (eu poderia ter cobrado mais, mas minha inexperiência falou mais alto no momento e eu acabei cedendo a tentação de acreditar que poderia perder a venda por escolher um preço mais justo. (Casal norte americano) (Casal belga) Até aqui tudo bem, vocês se lembram que eu não tinha um lugar pra ficar? Quando eu estava voltando para o hostel para pegar minha mochila (alguns hostels permitem que os hóspedes deixem as mochilas no local mesmo após o check out), me deparei com uma construção linda. Perguntei a duas pessoas que passavam pela rua do que se tratava, e eles me disseram que aquela era a Saint Dionysios Cathedral, se tratava portanto, de uma igreja católica apostólica romana. Ambos frequentavam aquela igreja, Isarel como membro do coral e Benjamim como mestre regente do coral. Naquele momento eu me lembrei que possivelmente estaria sem lugar para passar a noite. Falei sobre a minha viagem, perguntei se eles saberiam informar sobre a possibilidade de eu acampar nas dependências da igreja. Eles me disseram que provavelmente não. Israel me perguntou por quanto tempo pretendia ficar, respondi que por uns 3 dias. Ele imediatamente me ofereceu sua casa para que eu tivesse um lugar para ficar. (Irael, nigeriano refugiado que vive em Atenas tentando obter residência legal, me ofereceu sua casa por uns dias) Dá pra acreditar numa coisa dessas? Pra finalizar, chegando no hostel pra pegar minha mochila, ainda ganhei uma prancheta (ela serve de base para fazer as pulseiras) de uma alemã muito gente fina que estava no hostel comigo, inacreditável. Quando eu disse a ela sobre o meu dia, ela ficou super feliz e disse que eu poderia fazer uma boa grana se conseguisse fazer várias pulseiras por hora. Eu disse a ela que até sou rápido, mas que estava sem uma prancheta, e isso dificultava um pouco. Ela na hora sacou uma lá das profundezas da sua cargueira e me deu. Haha! Só pode ser uma conspiração universal a meu favor. Nunca me esquecerei desse povo amigável, sempre com um sorriso fácil no rosto, que luta contra a pobreza e a indigência, mas que sabendo de sua história, deve sempre ter em mente que nada jamais vai abalar a beleza de sua majestosa cidade se continuarem a manter o foco nas relações humanas como bem experimentei. Atenas obrigado!
  10. Alexander Supertramp

    Apaguem tópico por favor

    Apaguem
  11. Alexander Supertramp

    Apaguem tópico

    Apaguem
  12. Alexander Supertramp

    Apagar postagens

    se for possível, eu gostaria que apagassem o tópico a seguir também!
  13. Alexander Supertramp

    Apagar postagens

    olá bom dia! poderiam apagar o tópico do link por favor?
  14. Alexander Supertramp

    Cia para viagem Peru- Cusco e Machu Picchu Junho/2018

    massa !!!
  15. Alexander Supertramp

    Cia para viagem Peru- Cusco e Machu Picchu Junho/2018

    Galera eu estou indo em junho com um amigo que conheci aqui no mochileiros, se alguém criou um grupo e puder me add eu agradeço. 69 99233 0301 Alguém sabe dizer qual a melhor opção de moeda p levar?
×