Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

OFudouMyou

Membros
  • Total de itens

    8
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Outras informações

  • Ocupação
    no
  1. Madri: campo del moro e museu do prado BCN: sagrada família e, na volta, anda pelo bairro gótico como é só realmente um dia, fica bem difícil, depende de gosto pessoal. para a sagrada família, compra ingresso online antes ou vai perder mais tempo ainda na fila. abs,
  2. OFudouMyou

    Lisboa

    Obrigado pelo post. Para ajudar a todos buscando informações, por favor, especifique pelo menos o nome do hotel/albergue onde ficou, ou alguma informação extra.
  3. acabei de fechar com o alberguinn mesmo. o preço para dormitório c 6 camas é eur21,50 por noite. tb há ainda disponível quartos c 8 e 12 pessoas por 18, 19 euros direto pelo site deles n da p reservar, é preciso enviar por email todos os dados do cartão de crédito, então preferi fazer pelo site hostelworld mesmo pagando uns 5 euros a mais no total da reserva, acho menos arriscado do que enviar informação do cartão por email . 10% agora e o restante na chegada que tb pode ser em cartão . eu tb vou p Lisboa, mas so 1 dia. depois trocamos as dicas . se até o dia 7 vc n tiver fechado o albergue em Barcelona, me responde por aqui que te digo as minhas impressões do alberguinn e se vale a pena abs e boa viagem
  4. eu pedi reserva no alberguinn, estou esperando eles me responderem se há disponibilidade: http://www.alberguinn.com/en/ gostei muito das avaliações, a localização parece ser muito boa, e os preços foram os melhores até agora, você já tentou por lá? seguinte, eu estou em madri de 3 a 7 de outubro, daí sigo pra barcelona onde ficou de 7 a 11. Daí 11 vou encontrar minha namorada em paris onde ficamos até 15. de 15 a 19/20 vamos decidir esta semana. durante esses dias em barcelona, se você estiver sozinho por lá e também não encontrar preço bom, podemos rachar um quarto two beds privativo por menos 60 euros. ainda não organizei nada do que farei sozinho em madri e barcelona além do básico (museu do prado, campo del moro, sagrada família, etc.) se tiver a fim e coincidir, nos encontramos por lá. estava vendo alguma coisa nos pirineus do lado espanhol. abs,
  5. e aí, joão, você decidiu o albergue em barcelona? estou procurando também, não tô achando com preço abaixo de 30 euros a diária abs
  6. Antes de tudo gostaria de pedir desculpas aos usuários que me enviaram mensagens privadas quanto ao assunto deste tópico. Eu me prontifiquei a receber as mensagens e acabei demorando para responder. Tive uns problemas pessoais que me atropelaram a semana, além do meu trabalho que exige muito (demais, eu diria). Há um tópico ativo nesta seção do fórum que trata da questão ser possível viver como mochileiro. Lá alguns usuários levantaram umas questões sobre organizações internacionais de ajuda humanitária e voluntariados internacionais. Estou criando este novo tópico para tratar deste assunto e possibilitar a troca de idéias e experiências. Antes de tudo, como já havia dito na discussão acima, acho que é importante separar a idéia de ser voluntariado da vontade de simplesmente viajar para fora do país e então fazer-se valor do compromisso de entrar em um programa de ajuda mais para manter-se lá fora do que pelo desejo de simplesmente ajudar. As exigências dos programas variam bastante de acordo com o organismo em que se pretenda voluntariar-se, mas basicamente é preciso esclarecer que nem todas as vagas são para aquela primeira imagem que temos de um campo de refugiados em que você se vê no meio do cenário inóspito dormindo em barracas empoeiradas e correndo risco de levar um tiro. Na verdade, há uma carência grande de voluntários que cuidem muito mais das áreas administrativas. Eu sou formado em tradução e, apesar de hoje trabalhar permanentemente em outra área, fazendo traduções esporadicamente, posso dizer, por exemplo, que sempre haverá muitas vagas para dar aulas e fazer traduções de materiais didáticos ou ofícios a serem utilizados. Quando digo isto, não é raro sentir uma certa decepção no expressão dos outros. Cadê a emoção da coisa? Por isto que é preciso realmente definir o que você, como voluntariado, deseja! De cara, o primeiro passo é: informe-se. Leia e leia muito sobre o organismo onde pretende atuar. ONU, UNESCO, UNICEF, Cruz Vermelha, não importa. Eu encontro muitas pessoas que desejam voluntariar-se na ONU, mas que não sabem responder a primeira pergunta que faço: você sabe o que exatamente é a ONU e onde ela atua? O que ela faz? Até onde ela tem poderes? Em quais esferas? Vou tentar separar aqui os principais organismos para quem pretende começar a informar-se sobre o assunto. - ONU (UN em Inglês) (http://www.onu-brasil.org.br/ http://www.un.org/ ) : O programa de voluntariados da ONU possui um destacamento em separado. Se você pretende voluntariar-se na ONU, seu site não é o acima que deve ser visitado para conhecer melhor o organismo, mas sim o UNV (http://www.unv.org/). Aqui está o Faq: http://www.unv.org/about-us/faqs.html (inglês) : uma coisa é trabalhar na ONU, outra coisa é voluntariar-se na ONU. Uma coisa é trabalhar na UNV, outra coisa é voluntariar-se na UNV. Ou seja, outro comum erro é confundir vagas divulgadas pela ONU, que são oportunidades de trabalho remuneradas e que exigem uma seleção como qualquer outra candidatura a uma empresa (ainda que o propósito seja bem diferente), com as vagas para voluntariados. A mesma coisa acontece com a UNV: você pode trabalhar na UNV. : Para TRABALHAR na UNV, por exemplo, você precisa enviar currículo e atender aos requisitos da vaga. Neste link você encontra vagas em aberto e instruções de como proceder para candidatar-se à vaga: http://www.unv.org/en/about-us/employment/vacancies.html. Se você deseja trabalhar na UNV, então grande parte das vagas serão para atuar na sede que fica na Alemanha. Por isto as exigências de língua, visto e mesmo de que o candidato resida no local são diferentes das exigências aos voluntários. : Há 2 vertentes básicas nos trabalhos de voluntariado e da ONU em geral. Uma se refere à manutenção da paz enquanto outra ao desenvolvimento e toda a assistência necessária após os conflitos. Se no primeiro caso o voluntário se ocupa da ajuda na solução de conflitos, no segundo há um foco especial na carência das necessidades básicas de uma região, seja ela especificamente após um conflito ou mesmo após um desastre natural. : Você não precisa NECESSARIAMENTE recrutar-se para uma seleção em outro país. Esta opção aqui é a exposta devido ao teor do fórum. Para ajudar em um órgão estabelecido no Brasil e gerenciado pela ONU no próprio Brasil, entre em http://www.pnud.org.br/home/ : Se você não está planejando viajar com este intuito, mas na verdade já está fora do país e deseja informações sobre como atuar como voluntário no país onde está atualmente, entre em http://www.undp.org/countries/ e contate diretamente o escritório do programa do seu local. : Se você deseja realmente entrar em um banco de dados para participar de seleções e atuar em outros países, note que não é qualquer um que pode voluntariar-se nos recrutamentos internacionais. Alguns requisitos são exigidos. Por exemplo: - É exigido um diploma ou certificação técnica da área para a qual está se alistando. - É preciso ter pelo menos 25 anos. - A ONU embasa todos os seus programas (não só o voluntariado, mas os de empregos e tudo o mais) em 3 línguas oficiais: Inglês, Francês e Espanhol. Dificilmente você conseguirá uma vaga sem um bom conhecimento de algum dos três idiomas. Claro, existem casos específicos em que o se busca o contrário, ter o conhecimento em uma língua que pouca gente conhece e de um local onde a ONU esteja atuando. Mas não é a regra. - Voluntário NÃO recebe salário. Se você quer receber um salário, você quer trabalhar na ONU e não ser voluntário! Conforme exposto acima, há uma grande diferença! Mas é claro que esta é uma das grandes dúvidas: não se ganha nada? Sim, há uma ajuda. Mas é uma ajuda de custo. Os valores são muito variáveis e a sugestão é primeiro conhecer o programa, ler no site, ver os requisitos, o que há e onde há oportunidades com as quais você se identifique para então, após seleção, pesar as ajudas de custo. No site abaixo (em inglês), há mais menções: http://www.unv.org/en/how-to-volunteer/apply-to-be-a-unv-volunteer/qualifications-and-conditions-of-service.html : Você só pode ser voluntário SOZINHO. Não há como se alistar e levar consigo a esposa, por exemplo. Ou filhos. : este é um site só de vagas de EMPREGOS no programa de desenvolvimento da ONU: (inglês) http://jobs.undp.org/ : Se após tudo isto, você decidir realmente por se registrar para o programa de voluntariado, o site direto do registro é: https://one.unv.org/main/?Lang=en Basta seguir as instruções dos e-mails ao final do registro para candidatar-se às vagas. Na verdade, é um banco de dados e você é quem é contatado pela ONU. Mas há sempre nos sites há opção de definir bem sua área de atuação e com isto ser indicado onde é encontrado o maior número de vagas. : Se você quer ajudar, mas não pensa em viajar agora, há uma modalidade muito útil que é o voluntariado online. De casa mesmo você ajuda com trabalhos feitos virtualmente. Na área com a qual tive mais contato, posso garantir que há muitas vagas para a área de línguas/tradução e ensino. Este é o link do banco de dados onde você mesmo pode filtrar por área de atuação onde mais se encaixa o seu perfil: http://www.onlinevolunteering.org/en/index.html : Este é o link para um site sobre as experiência vividas na vida do voluntariado: (inglês) http://www.unspecial.org/UNS697/t63.html - UNESCO : O mesmo mencionado anteriormente quanto à necessidade de informar-se bastante sobre o órgão em que pretende atuar é válido aqui. Site da Unesco Brasil: http://www.unesco.org/pt/brasilia Unesco (inglês): http://www.unesco.org/new/en/unesco/ : Vagas abertas hoje na UNESCO para candidatar-se diretamente: https://recrutweb.unesco.org/postes/postes_visualisation.asp?AffLangue=gb&CATPOSTE=1 É preciso registrar-se antes de submeter-se à vaga: https://recrutweb.unesco.org/postes/cv_ouvrirprofil.asp : A UNESCO especificamente exige um pouco mais da formação dos funcionários. Não é raro ver gente com PhD trabalhando na UNESCO. Mas há vagas para todos os tipos de carreira. De saído da Universidade a diretor de programas de implementação internacional das políticas da UNESCO. Para entrar no banco de dados para tentar ser chamado – diferentemente da busca por vagas já anunciadas conforme o link acima, é preciso contatar diretamente a UNESCO do Brasil. O grosso das vagas fica para a França e é preciso residir lá. Mas, neste caso, há vagas para realmente todo tipo de instrução e área. Há outros sites e órgãos que vou postando aqui. Mas acho que para iniciar, já dá para ter uma idéia. É preciso tomar cuidado também com avisos e spams (apesar de que acho não ser tão comum este teor de spams) ou mesmo scams em que enviam e-mails sobre um falso recrutamento. Neste caso, é sempre bom confirmar diretamente no site da instituição ou através dos formulários de contato a veracidade da proposta. Abs, Henrique Silva [email protected]
  7. O post já tem um tempo desde a primeira mensagem, o Maya retornou? Só para adicionar, vi mais de uma vez um pessoal comentando sobre a possibilidade de unir as viagens "sem rumo" à necessidade de ganhar algum dinheiro e se manter com algo para a próxima parada através da ONU, OEA, etc. Há uns dois anos atrás passei por algumas coisas ruins e tinha a mesma perspectiva do Maya. Já tinha entrado antes em algumas roubadas nessa história de nômade caindo no mundo, então fiquei calejado. No final, busquei a mesma possibilidade levantada pelo pessoal e que comentei acima. Eu me alistei para Darfur e Serra Leoa como voluntário. Na época tinha 24 anos e há uma série de exigências sobre as quais eu só tive informações depois de já ter me inscrito! Por exemplo, uma delas, era ter pelo menos 25 anos. Só ano passado (hoje tenho 26) entrei na fila de espera. E, caramba, já mudei muitas coisas no peito desde então. Tanto que estou revendo o projeto. No entanto, eu serei voluntariado lá fora. É algo que farei. Ponto final. Amigos próximos ficaram bastante preocupados. Voluntários MORREM em Darfur. É um risco sério. Nossa, Serra Leoa tem melhorado, mas a coisa ainda é perigosa. Voluntariar-se lá fora e adotar um guri aqui. Tirar da rua! São dois planos que realmente coloco como meta. Eu cheguei a passar no IRBR para diplomacia e na última fase... medrei. Queria pôr a mão na massa! Também tenho sérios problemas com a vida no escritório. Mas para não desviar muito da razão da minha postagem, eu só queria mesmo avisar ao pessoal que tenho algumas informações sobre o assunto e posso repassar alguns links. Dei uma buscada rápida (estou atrasado pro trampo!) e não encontrei um tópico atual sobre o assunto. Fica aí a dica. Para pessoas com espírito de aventura e querendo conhecer muitos lugares diferentes, não ligam para o desconforto e possuem, acima de tudo, uma vontade de ajudar os outros (porque a gente sabe o quão ruim as coisas são aqui, mas pessoal, de verdade, lá fora tem coisa que só vendo de perto), os organismos internacionais são realmente uma boa opção. Mas, como disse, é preciso informar-se. E muito. Por exemplo, há cargos para a UNESCO em que você ganha razoavelmente bem para os padrões Europeus - o que significa muito bem para os nossos padrões! E você ainda vai estar lá fora. E não é campo de refugiado! É com burocracia. Mas é fazendo algo que você sente ser a diferença para muita gente. Hoje trabalho com comércio exterior, mas minha graduação é em tradução. Há excelentes oportunidades para tradutores nos organismos internacionais. Há vagas para ser simplesmente assistente nos campos. Ajudando a dar aulas de inglês. Às vezes você vai só limpar crianças! Mas crianças que tiveram partes do corpo amputadas, que os pais foram mortos na sua frente quando ainda mal andavam. Crianças de 14 anos que desde os 8 pegavam em fuzis para matar treinados como soldados de guerrilha, roubados da família ainda bebês... Por isto que, é importante dizer, não basta querer viajar. Às vezes não basta nem só querer ajudar. É preciso saber se realmente suporta o tranco. Muitos dos cargos dos organismos internacionais de ajuda exigem que você tenha pós-graduação, experiência na área, algum dinheiro inicial para o início da viagem. Você recebe remuneração, mas eles não pagam sua passagem, por exemplo. Pelo menos não na maioria das vezes, o que é outro erro cometido pelo pessoal, o de achar que é a legião estrangeira e eles te colocam no avião até onde você queira ir para virar militar. Aliás, nem a Legião Estrangeira faz isto. Tenho dois amigos que pensaram na Legião. Um era só fogo de palha. O outro, entrou. E passou maus bocados. Mas hoje ele tem entrada garantida na Europa e ainda mudou de nome (!!!) graças à Legião. Enfim, é preciso separar (e os próprios organismos filtram isto quando você peleja pela oportunidade de se alistar) o desejo de viajar do de ajudar. É uma boa combinação, mas é preciso ir porque se deseja ir! E há riscos. Mas há um bom suporte também. Quem se interessar pode me mandar uma PM. E se houver um tópico específico sobre o assunto, editor, favor mover a postagem. De resto, espero que todos nós nunca deixemos de ir atrás. Mais do que conseguir, ir buscar! O espírito da viagem para o outro lado do mundo precisa ser o mesmo para ir até a padaria da esquina: coração aberto para receber o inesperado! Que venha para se aprender, arrepender ou regozijar! Aloha! Henrique Silva
×
×
  • Criar Novo...