Ir para conteúdo

234234

Membros
  • Total de itens

    355
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    13

Tudo que 234234 postou

  1. Tem eleições no Brasil, que sempre geram um monte de incertezas, pois vai saber qual dos malucos que estão liderando as pesquisas ganha a eleição, tem a briga comercial do Trump com a China, tem a briga do Trump com a Turquia, tem a briga do Erdogam(Turquia) com a Alemanha, tem a briga do Trump com a outra metade do mundo, tem os populistas de extrema direita ganhando eleições em vários país, e sempre que um populista seja de extrema direita ou esquerda chega ao poder é um desastre para a economia, tem os árabes da OPEP forçando o aumento do preço do petróleo pois eles não estão mais conseguindo bancar todas as extravagâncias deles, tem a Itália, Espanha, Grécia e Portugal que continuam a beira do precipício, podendo falir a qualquer momento, etc... Em resumo está se gestando uma possível "tempestade perfeita", um termo muito usado na economia, que se evoluir, pode mergulhar o mundo numa espiral de incerteza, recessão e moedas de países como Brasil derretendo... Se nada disto se confirmar nos próximos 1 ou 2 anos, o Real pode se valorizar bastante, mas se continuar nesta incerteza, o dólar/Euro provavelmente continue a oscilar nos valores atuais. Mas como ninguém tem bola de cristal para adivinhar o futuro, e o mercado financeiro vive muito de expectativas e especulações, nos próximos meses vai ser esta montanha russa que estamos vivendo nos últimos anos.
  2. Tem duas estratégias que podem ser usadas para este caso, uma mais conservadora e outra de risco maior. A estratégia mais conservadora é ir comprando aos poucos, todo mês comprar uns 100 ou 200 dólares/euros, assim você garante um bom valor médio, pois não terá comprado tudo quando estava caro, e nem terá comprado tudo quando estava barato. Esta é a opção mais adequada para quem tem orçamento apertado, e não tem orçamento para aguentar uma eventual alta de 20% a 30% no cambio nos 6 ou 9 meses até chegar a data da viagem. A outra estratégia de risco maior é partir para o "tudo ou nada" e deixar para comprar nas vésperas da viagem. Mas esta é uma estratégia que apresenta elevados riscos, a cotação do euro/dólar podem ter baixado e você se dar bem, mas o contrário também pode acontecer, a cotação do euro/dólar podem ter subido 30% em 6 ou 9 meses, e arruinar completamente a sua viagem, por que agora aquela viagem de R$ 10.000 que você tinha orçado está custando R$ 13.000 e você não tem de onde tirar outros 3 mil reais em cima da hora. Ou seja, esperar e torcer para a cotação baixar é só para quem gosta de correr riscos, e tem um orçamento bem folgado, é para aquelas pessoas que uma alta de 30% na cotação do Euro/Dólar não vai deixa-las em apuros e sem dinheiro para viajar. Mas aquela pessoa que tem orçamento apertado, que está espremendo cada Real ao máximo para que a viagem caiba no orçamento, é recomendável não arriscar e esperar para comprar tudo nas vésperas, pois os riscos de isto dar errado e a viagem ser arruinada são bem grandes.
  3. Para não ter risco de ser barrada no embarque, a sua mochila pode ter no máximo 45 L de capacidade. O problema, é que mesmo tendo 45 L de capacidade, a maioria das mochilas não fica dentro dos limites de tamanho aceitas, ou seja, não cabe dentro do gabarito (caixinha com as medidas máximas permitas) que as companhias aéreas costumam usar para medir as bagagens, pois as mochilas de 45L costumam ser muito altas e finas, até parece que os fabricantes de mochilas vive no mundo da lua e não se ligou que atualmente existe esta demanda enorme de mochilas que fiquem dentro dos limites das low-cost. Alem disto, uma mochila de 45 L costuma ser meio pequena para uma viagem de 30 ou 45 dias, e no inverno, quando você tem que levar muito mais roupas, e elas são muito mais volumosas e pesadas. Pessoalmente eu acho que se fosse no verão, você não teria maiores problemas em viajar só com uma mochila de 45 L, mas durante o inverno, pode ficar complicado colocar tudo o que você precisa dentro de uma mochila de somente 45 L, e se couber, não vai sobrar nenhum espacinho para alguma lembrancinha que você resolva comprar durante a viagem. Uma perguntas, quantos voos low-cost você vai ou pretende fazer? Dependendo de quantos voos você for fazer, simplesmente incluir bagagem despachada já no momento da compra das passagens é mais barato ou custa praticamente o mesmo que gastar um monte de dinheiro numa mochila MLC, e ainda tem a vantagem de você ter espaço suficiente para levar tudo o que vai precisar para uma viagem durante o inverno, quando você pode encontrar temperaturas na casa dos -10ºC em algumas cidades, e que exigem um monte de roupas volumosa, e 20ºC em outras...
  4. Sei que é algo bem pessoal, e que depende dos interesses de cada pessoa, mas sinceramente, em Budapeste eu nunca achei atrações e atividades interessantes e que pessoalmente me agradassem que justificassem mais que 2 ou 3 dias em Budapeste, e olha que morando na Alemanha já fui 2 vezes a Budapeste, a primeira vez a uns 11 ou 12 anos atrás e a segunda vez a uns 2 anos atras, fui de novo para ver se não mudava de opinião, rs.... Então antes de colocar 5 dias em Budapeste, dê uma boa pesquisada a respeito do que ver e fazer por lá com crianças, para ver se realmente vale a pena ficar 5 dias lá. Ambos os roteiros são bons, e pessoalmente eu não saberia dizer qual é melhor. Somente no roteiro 1 é que eu faria algo um pouco diferente: Com somente 2 ou 3 dias na Croácia você não vai ter tempo de visitar a melhor parte da Croácia, que é o litoral Croata. Zagreb e o resto do interior Croata não passa de uma versão em menor escala e mais simples de Viena e Budapeste, não tem nada da muito diferente do que você vai na Áustria, Rep. Tcheca e Hungria. A parte interessante da Croácia é o litoral, em Dubrovnik, Hvar, Split, Zadar, Plitvice, etc, esta parte é realmente espetacular, mas para ir até lá você precisaria de pelo menos uns 7 ou 8 dias só para a Croácia. Se optar pelo roteiro 1 neste formato, troque a Croácia pela Eslovênia, passando por Ljubljana e Bled e retornando por Trieste e Veneza para a Itália. O lago Bled, é uma das paisagens mais bonitas que eu já vi em todas as minhas viagens! Ljubljana, Bled e Trieste cabem perfeitamente em 3 ou 4 dias entre Budapeste e Veneza.
  5. 234234

    Gante

    Por questões logísticas de transporte e facilidade de locomoção, ficar em Bruxelas é muito melhor. Pois em Bruxelas você tem trens diretos para Paris, Londres, Amsterdam, Luxemburgo, Bruges, Ghent, Antuérpia, Colônia, etc, alem de ter 2 aeroportos com voo para toda a Europa, o que pode facilitar muito os seus deslocamentos para chegar e sair da Bélgica. Em Ghent, você só tem trens para Bruxelas e Antuérpia (esta com bem poucos horários e geralmente meio ruins), ou seja, na prática, você vai acabar tendo que passar por Bruxelas 2 ou 3 vezes, uma na chegada, uma na hora de ir embora, e outra se resolver visitar a cidade num bate-volta. Então se você resolver escolher Ghent como base, escolha por motivos pessoais, pelas atrações da cidade, por que você gostou mais da cidade, etc, , e não pela logística facilitada, não tem nenhum problema nisto, eu mesmo faço isto as vezes por que gostei mais de um lugar que outro, mas tem que assumir os custos e complicações adicionais que isto lhe causará, pois a logística de transporte ficando em Ghent é um pouco mais complicada e mais cara do que ficando em Bruxelas.
  6. Sempre tem aquela exceção de alguém que realmente quer ir vendo o caminho pela terra, mas eles são bem raros, pela minha experiência pessoal de vários anos aqui no fórum, a grande maioria das pessoas que pensa em encarrar longas viagens de ônibus não faz o mínimo de pesquisa, não se dá nem ao trabalho de olhar os preços de uma passagem de avião, ou fazer algumas continhas básicas de quanto dinheiro vão gastar com passagens + comida nestes 10 dias de tortura dentro do ônibus. Simplesmente pensam: "avião é caro, então vou de ônibus" sem nem conferir os preços, mas na maioria das vezes para distância longas, uma passagem aérea comprada com alguma antecedência e planejamento acaba sendo bem mais barata do que encarrar vários dias de ônibus, e estas pessoas acabam se enfiando num ônibus, perdendo vários dias de viagem do muitas vezes curto tempo que tem disponível, sem fazer ou ver nada de muito interessante, ai depois não querem assumir o erro, e ficam se enganando que ir "curtindo" a paisagem por terra foi interessante.
  7. Sugestão de leitura sobre os "melhores seguros": http://www.melhoresdestinos.com.br/melhores-seguros-viagem.html Aparelho odontológico não é coberto por nenhum seguro, e nenhum outro dentista vai querer colocar a mão nele sem uma série exaustiva de exames caros, o máximo que vão fazer é se oferecer e tirar ele caso esteja lhe machucando. Então se for ficar um período um pouco maior longe de casa, combine com o seu dentista antes de viajar, para ele "reforçar" o seu aparelho antes da viagem e "pausar" o tratamento durante a viagem.
  8. Tudo é viável se você tiver tempo e dinheiro suficientes, mesmo sendo o primeiro mochilão, mas tem cidades demais para caber em 20 a 25 dias, se for apertar e diminuir a quantidade de dias nas cidades para toas caberem nos 20 ou 25 dias, pode não ficar bom, e você gastar um monte de dinheiro e voltar meio frustrado para casa por não ter conseguido fazer ou ver o que gostaria de ter feito ou visto. Não esqueça que você perde 3 dias só para chegar lá na Europa e para voltar, você perde o dia 1, que é o dia de saída do Brasil, o dia 2 você geralmente também perde, pois a maioria dos voos chega lá depois do almoço, e até você se livrar da burocracia do aeroporto, ir até o centro que fica super longe, achar o hostel, fazer check-in, etc geralmente já é final da tarde ou mesmo noite. E o dia volta também pode ser um dia meio perdido dependendo do horário do seu voo, pois 4 horas antes do horário do voo, você tem que largar o que estava fazendo e começar a se mexer para ir ao aeroporto. Uma coisa que os mochileiros de primeira viagem quase sempre sofrem um pouco no inicio, é a questão do transporte, troca de cidade, achar o hostel, etc... Eles não estão acostumados com toda a dinâmica e funcionamento das estações de trens, ônibus e aeroportos, como se locomover na cidade, etc, e muitas vezes acabam perdendo um pouco de tempo nestas questões. Nada que seja complicado ou impossível de resolver, mas eu recomendaria ir com um pouco mais de calma no primeiro mochilão, até você pegar o jeito da coisa, e descobrir o seu próprio ritmo de viagem, ai nas próximas viagens você aperta ou afrouxa um pouco o ritmo de acordo com o que você viveu neste primeiro mochilão. Não escolha as cidades só por ouvir falar, antes de fechar um roteiro com estas cidades, faça uma boa pesquisa a respeito do que ver e fazer em cada uma destas cidades, você pode por exemplo acabar descobrindo que Viena não tem lá muita coisa que lhe interessa, ou então chegar a conclusão que as baladas e festas de Budapeste e Praga não são muito a sua praia, que Milão não tem nada de muito interessante, e assim por diante... Você ainda tem bastante tempo até maio de 2019, então pesquise com calma o que fazer e ver em cada local antes de decidir. Entre no google e pesquise por "Roteiro Paris 4 dias", "Roteiro Amsterdam 3 dias", "Roteiro Praga 3 dias", e assim por diante, vão aparecer literalmente centenas de roteiros. Leia uma meia-duzia de cada cidade, e você já vai saber quais as principais atrações de cada cidade, e ter uma ideia do que lhe agrada ou não em cada uma delas. Isto depende muito do preço das passagens que você conseguir comprar e do que escolher lá para hospedagem, alimentação e passeios, mas numa conta bem grosseira, arredondando os valores para cima, afinal é melhor sobrar dinheiro do que faltar: - R$ 3.000 de passagens Brasil x Europa x Brasil - 150 a 200 Euros em passagens locais lá na Europa, o que daria em torno de R$ 750 a R$ 1.000 pelo câmbio de hoje. - 20 dias de hostel, alimentação, passeios e metrô por 60 Euros (você sendo bem econômico e sem baladas), daria em torno de 1.200 Euros (R$ 6.000), uu R$ 7.500 se forem 25 dias... Somando tudo, para 20 dias: R$ 10.000, ou para 25 dias: R$ 11.500 Claro isto é só uma estimativa, o valor exato vai depender das passagens que você comprar, dos hosteis que escolher, do que for comer, e dos passeios que fizer, mas o valor é nesta faixa, talvez um pouco mais ou menos dependendo das suas escolhas, mas não muda muito disto ai não. E claro, é baseado no câmbio de hoje, com o Euro custando R$ 4.90 depois das taxas e impostos, daqui a um ano, dependendo de quem ganhar a eleição, o Euro por estar custando R$ 4.00 e ser ótimo para você, mas também pode estar custando R$ 5.50 e ferrar os seus planos. Então para uma viagem com tanta antecedência assim, é bom você ser precavido, fazer um orçamento prévio, e colocar uns 15% a 20% em cima deste valor, para acomodar eventuais flutuações do câmbio, para não chegar 3 meses antes da viagem com o Euro custando R$ 5.50 e você descobrir que o seu dinheiro não dá para 25 dias, e você não ter de onde tirar outros 2 ou 3 mil reais em pouco tempo....
  9. Quanto tempo em cada local depende muito dos seus interesses em cada um destes locais, mas para não virar uma correria só do começo ao fim, e para que vc possa visitar as principais atrações de cada cidade com alguma calma, pessoalmente eu recomendaria a seguinte quantidade de dias em cada local: - Paris: 4 ou 5 dias - Amsterdã: 3 dias - Berlim: 4 dias - Praga: 3 dias - Viena 3 dias - Cracóvia (Auschwitz): 3 ou 4 dias, este é o mais complicado, dependendo dos horários dos ônibus que você comprar, você perde um dia inteiro para chegar lá, e outro para ir embora. - Budapeste: 3 dias - Roma : 3 ou 4 dias - Milão.: 1 ou 2 dias. Brasil > Paris > Amsterdam > Berlin > Cracóvia > Praga > Viena > Budapeste > Roma > Brasil
  10. Sugestão: 4 dias em Barcelona Fica mais ou menos no meio do caminho entre Lisboa e Paris, não é muito frio, final de outubro as temperaturas devem estar entre 15ºC e 20ºC, e costuma ter passagem de avião relativamente baratas entre Lisboa e Barcelona e entre Barcelona e Paris.
  11. Exato, tem algumas raras exceções, mas quase todas histórias de pessoas que conseguiram viajar com sucesso "sem dinheiro", são casos de pessoas que tinham uma boa reserva financeira no banco, mas que optaram por não usar ela, usando o dinheiro da reserva só mesmo em casos de emergência, ou quando a coisa realmente apertava e não conseguiram achar um bico, local para dormir ou comer...
  12. Para encarrar uma viagem destas "sem dinheiro", você precisar saber fazer algo, que lhe permita arranjar alguns bicos, empregos ou trabalhos temporários, que lhe dêem algum dinheiro para o básico, e o mais importante, ter uma reserva mínima para as despesas do começo, para não ter que mendigar um prato de comida ou dormir na rua já na primeira semana, ou quando a coisa apertar. Dá para viajar sem dinheiro, mas não pense que é mil maravilhas, você tem que estar disposto a encarrar algumas coisas que a maioria das pessoas não está disposta a encarrar, como por exemplo, dormir na rua se não achar um lugar abrigado para colocar o seu saco de dormir, mendigar um prato de comida na porta de um restaurante ou um pão velho numa padaria, etc... A maioria das pessoas simplesmente não aguenta uma vida destas, e acaba se entregando, e acaba numa sarjeta, morando na rua, viciado em drogas, se envolvendo em crimes, as ruas das grandes cidades brasileiras estão cheias de gente dormindo embaixo das marquises, gente que só queria sair por ai sem compromisso, sem trabalho, sem trabalho, sem saber fazer nada, etc... Então você tem que ter uma cabeça muito "boa" e "no lugar" para encarrar uma viagem destas, pois a grande maioria das pessoas que sai numa aventura destas, acaba na verdade numa sarjeta qualquer, isto ninguém conta ou quer ouvir, só contam a história daqueles 3% ou 5% de pessoas com cabeça "boa" que conseguiram, mas esquecem que a grande maioria acabou ferrada, morando na rua, mendicância, envolvida com drogas e crimes. Então se aceitar um conselho, arrume um emprego antes, trabalhe uns 6 meses, junte o máximo de dinheiro que você conseguir, e só então se jogue numa viagem destas, pois se você for começar isto tudo sem dinheiro nenhum, na primeira ou segunda semana você já estará morando e dormindo na rua, mendigando nos cruzamentos ou portas de restaurantes por um prato de comida.
  13. E ainda tem o teleférico do parque/ressort de Ski Pila, onde você pode subir e as crianças brincarem na neve, final de novembro geralmente já tem neve suficiente para esquiar ou ao menos fazer uns bonecos de neve, e se tempo estiver aberto, dá para ver o Mont Blanc, e não costuma ser tão caro a ponto de lhe custar um rim, como na Suíça... kkkk
  14. Com as passagens de avião para Lima e Cusco na maior parte do tempo custando entre 600 e 700 Reais cada trecho quando compradas com uns 2 ou 3 meses de antecedência, por que alguém se sujeitaria a uma tortura destas, 5 dias dias dentro de um ônibus e o mesmo tanto para voltar? Só o dinheiro que a pessoa gasta com comida e banho nas paradas de beira de estrada nestes 10 dias de ônibus (R$ 300 a R$ 400) dá quase metade de uma passagem de avião! Então a menos que você precise desesperadamente viajar naquela semana específica em que as passagens aéreas estão caras, não vale a pena encarrar esta tortura. Se organize uns 2 ou 3 meses antes e compre uma passagem de avião, provavelmente será mais barato no custo total final, e você não perde metade das suas férias/viagem dentro de um ônibus. Tenha alguma flexibilidade nas datas da viagem, não queira viajar a qualquer custo no dia X, num sábado por exemplo, muitas vezes as passagens para viajar 2 ou 3 dias depois, numa segunda ou terça, custam metade do preço!
  15. acredito que não, pois o nome está correto, sem nenhum erro de grafia, só a divisão dos sobrenomes.
  16. Dá para ir caminhando sem problema como falaram, em uns 45 você chega no estádio, coloque o google maps do celular e vá caminhando. Mas se não quiser caminhar os 3 Km, a melhor forma de chegar lá é de trem, acho que não tem ônibus direto, só trem e metrô. Há vários trens diferentes saindo a cada 15 minutos da estação central (Dortmund Hbf) e que param na estação Dortmund Signal Iduna Park, não dá nem 4 minutos de trem, você nem consegue sentar direto, é a primeira parada depois de sair da estação central. Compre a passagem nas máquina de auto-atendimento e e pegue o primeiro trem e direção a Soest, Iserlohn ou Lüdenscheid que passar, custa 2.80 Euros por pessoal, tenha moedas e notas pequenas, as máquinas geralmente não tem troco para notas de 20 em diante, e nem todas aceitam cartão, se não tiver, tem que ir no guichê. No geral é uma cidade bem segura, tem alguns bairros na periferia que são meio problemáticos, como toda cidade grande, mas você não vai andar para aqueles lados. Você tem que ter os mesmos cuidados básicos que tem que ter em qualquer cidade grande(Berlin, Paris, Londres, Tóquio, New York, São Paulo, Rio, Curitiba, Fortaleza, Recife, etc...), ou seja, ficar atenta a carteira, bolsa, celular, etc em locais muito movimentados, como estações de trem, trens, ruas muito movimentadas, pois estes locais são o paraíso dos batedores de carteira, e num momento de descuido a sua carteira/celular sumiu e você nem percebeu quando ocorreu.
  17. Não é possível fazer isto. Se você não embarcar no Rio De Janeiro, todos os demais trechos são automaticamente cancelados por no-show, e você tem que pagar uma multa/taxa e a diferença de preço entre o que você pagou originalmente e o valor atual lá na hora para reativar as passagens canceladas, e isto pode custar 2 ou 3 mil Reais alem do que você pagou inicialmente.
  18. Copenhagen é um local caro para caramba, então é bom você estar ciente de que não será um local muito barato, e em janeiro, durante o inverno, Copenhagen perde grande parte do seu charme e interesse devido ao clima horrível que costuma fazer por lá. Mas se é seu sonho de infância, vá fundo e tente aproveitar o que for possível, só não criei e vá com expectativas demais, pode não ser tudo aquilo que você está imaginando. Se você ficar uns 3 dias em Amsterdam, uns 4 em Berlin, uns 3 em Copenhagen por que é um local caro pra caramba, sobram uns 8 dias, o que pessoalmente eu acho que é meio exagerado para Bruxelas, que também não é dos locais mais baratos. 8 Dias em Praga eu também acho meio exagerado, mas ao menos é um pouco mais barato, mas nem tanto, do que Bruxelas e Copenhagen... O que eu faria, seria ficar 3 dias em Amsterdam, depois ir de Amsterdam para Copenhagen, ficar 3 dias, depois ir a Berlin, ficar 4 dias, depois a Praga, ficando 5 dias, e pegar um voo para Bruxelas, fica os 2 ou 3 dias restantes até a véspera de voltar ao Brasil via Amsterdam
  19. Complementando: Leia por favor esta mensagem: https://www.mochileiros.com/topic/75791-qual-melhor-plano-pré-pago-para-dados-móveis-na-europa/?do=findComment&comment=742296
  20. Por enquanto a Inglaterra ainda faz parte sim da UE, o Brexit ainda não foi colocado em prática, e então por enquanto continua tudo igual, e você pode usa-lo na Inglaterra sem problemas. Na hora de adquirir o sim card, informe ao vendedor de que você pretende usa-lo em outros países da Europa, pois alguns dos planos pré-pagos mais baratos não permitem roaming internacional mesmo dentro da Europa. A Vodafone, que eu tenho, em alguns países não está mais vendendo novos pacotes de internet para Roaming em simcard pré-pagos, e o pacote agora é fixo em 30 GB por mês, mas tem limite de horas de utilização. Então mais um motivo para você ir numa loja física, conversar com o vendedor, explicar o que você precisa, e comprar um pacote que atenda as suas necessidades, e se uma operadora não tem a opção que lhe agrade, vá na loja da outra operadora. Pode sim, não tem nenhum problema nisto, alem de eles consumirem todo o pacote de dados e não sobrar nada para você usar..
  21. Só fique atento aos horários dos voos! Aqueles voos saindo as 06:00 ou 07:00 da manhã, ou então chegando no destino depois das 22:30 não são baratos sem motivo, estes voos costumam ser uma furada que ninguém quer encarrar, por que podem ser um tiro pela culatra. Pois para pegar um voo as 07:00 da manhã você tem que estar lá no aeroporto as 05:00 da manhã, o que significa acordar as 03:30 da manhã e as 04:00 ou 4:30 no máximo já estar a caminho do aeroporto. O grande problema é que não costuma haver metrô e nem ônibus antes das 06:00 da manhã na maioria das cidades, e você pode se ver obrigado a pagar um táxi caro para o aeroporto de madrugada, ou seja, muitas vezes você pagou 20 Euros nas passagens, mas o táxi até o aeroporto de madrugada lhe custa 40 ou 50 Euros. O mesmo se aplica as voos chegando depois das 22:30 ou 23:00, até você se ver livre para ir ao centro, já é tarde demais e não tem mais metrô e ônibus para o centro, sobrando novamente o táxi caro..
  22. Portugal fica muito longe e muito fora de mão de quase tudo lá na Europa, tem quase nada que seja realmente interessante perto de Portugal e que dê para ir rapidamente via terrestre. Mas para a sua sorte, tanto Lisboa como Porto são muito bem servidas de voos low-cost para vários países europeus, e comprando antecipado, com um pouco de sorte, você consegue passagem para Madrid, Barcelona, Paris, Londres, Amsterdam, Alemanha, Itália, etc por 20 ou 30 Euros, o que convenhamos, é super barato, e provavelmente mais barato do que um ônibus para Sevilha ou Santiago de Compostela na Espanha, que são os destinos turísticos mais próximos de Portugal e que dá para ir por via terrestre. Entre no www.skyscanner.com.br, no campo "Dê" digite Lisboa, deixe em branco o campo "Para", selecione "Só ida", "Apenas voos diretos", preencha a data que você deseja viajar, e o Skyscanner vai lhe trazer a relação completa de cidades com passagens baratas saindo de Lisboa neste dia. Ai é só você escolher uma cidade que lhe agrade para começar o mochilão, e escolher outra para terminar o mochilão, e desta segunda você pega um voo de volta a Lisboa um dia antes do seu voo de volta ao Brasil, para que um atraso ou voo cancelado não ferre o seu voo de volta ao Brasil
  23. Voos diretos quase sempre são mais caros que voos de conexão. Então mesmo tendo voos direto para Londres, Paris e Amsterdam, muito provavelmente será bem mais barato comprar uma passagem que faça conexão em algum outro local como Lisboa, Madrid, Zurich, Roma, etc... Um voo para Londres com conexão em Madrid as vezes é R$ 2.000 mais barato do que um voo direto no mesmo dia. Ou seja, se você pretende economizar com as passagens, não se limite a pegar somente voos diretos, voos de conexão podem ser muito mais baratos. Mas agora se você não gosta de avião, tem pavor de aeroporto e não pegar conexão de jeito nenhum, está com pressa de chegar no destino, só resta como alternativa assumir os custos geralmente mais altos de um voo direto. E se você for pegar conexão, não importa muito por onde você vai começar, pode ser por qualquer uma destas cidades que esteja com passagens mais baratas, e que não complique o resto do roteiro. Mas adiantando, Agosto é um mês de passagens bem caras, e Dublin é um local que dificilmente tem passagens baratas, e Londres tem taxas de embarque bem caras como já falaram, então começar por Dublin e terminar por Londres quase sempre é um pouco mais caro do que começar e terminar por outras cidades. Mas tudo isto é só teoria, como os preços das passagens mudam toda semana, pode ser bem diferente no momento em que você for comprar as passagens, e você tem que se ajustar de acordo com as passagens que você conseguir comprar. Em algumas companhias aérea existe a possibilidade de você fazer um stop-over na cidade de conexão. Por exemplo se você comprar São Paulo x Londres - Amsterdam x São Paulo com a Air France que faz conexão em Paris, você pode incluir um stop-over ficar 3 ou 4 dias em Paris antes de seguir para Londres, tudo na mesma passagem. As vezes o preço fica igual após incluir este stop-over, mas muitas vezes também fica bem mais caro, então é uma coisa que vale a pena olhar na hora de comprar as passagens, para ver se não se consegue encaixar um stop-over no local da conexão sem aumentar o custo das passagens.
×
×
  • Criar Novo...