Ir para conteúdo

poiuy

Membros
  • Total de itens

    1.363
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    25

Tudo que poiuy postou

  1. poiuy

    conexão

    Você vai pegar o horário de pico das 7:00 da manhã para ir até o centro/sul da cidade, que é onde ficam as atrações turísticas, então o deslocamento de taxi/uber até Copacabana por exemplo, provavelmente vai levar algo próximo a 1h devido ao transito. Até você desembarcar do avião, e se ver livre para pegar um táxi/uber, etc vai uns 20 a 30 minutos, então chegando as 06:40, até conseguir pegar um táxi/uber e chegar em Copacaba seriam umas 08:00. Mesmo não tendo que fazer um novo check-in, é muito recomendável que você se planeje para estar de volta no aeroporto no mínimo 1h30 antes da partida do próximo voo, para ter o mínimo de folga para o caso de atrasos, então para um voo as 11:00, seria recomendável que você estivesse de volta no aeroporto lá pelas 09:30 No meio da manhã o transito sentido aeroporto é menor, então em uns 45 minutos de táxi/uber você chega no Galeão, então você teria que sair de Copacabana lá pelas 08:45 ou 09:00 no máximo para chegar de volta no aeroporto as 09:30 ou 09:45. Ou seja, você chegar em Copacabana as 08:00 e as 08:45 já teria que pegar o táxi/uber de volta ao aeroporto, é muito pouco tempo, para você correr o risco de ainda pegar um congestionamento e acabar perdendo o voo.
  2. Não tem como saber quanto tempo leva a imigração em Heathrow, já teve vez que eu levei uns 30 minutos desde o momento em que o avião pousou, até estar na porta de saída do aeroporto para pegar o metrô/uber/taxi, mas também teve vez em que levei uns 60 minutos até estar livre... A imigração de saída em Gatwick é o menor dos seus problemas, pois costuma ser rápido, não leva nem 5 minutos, o problema é passar pelo raio-x, as vezes a fila do raio-x leva 30 ou 40 minutos nos horários de pico, mas o embarque finaliza 30 minutos antes do horário de partida do voo, então você precisa estar lá em Gatwick no mínimo uns 120 minutos antes do horário de partida do seu voo, para poder passar por todos os procedimentos de segurança, imigração e ainda chegar no portão de embarque antes de ele fechar. 45 minutos, você está sendo otimista, até pode ser se não tiver transito, mas de táxi/uber a estimativa é de 1h a 1h20 de transito, mas prepare o bolso a corrida de táxi/uber vai lhe custar umas 70 Libras (R$ 450) Mas para sua sorte, os seus horários não são horários de pico, então deve ir um pouco mais rápido... Pode ser um pouco mais rápido, mas eu estimaria uns 45 minutos para se livrar da burocracia em Heatrhow, uns 60 minutos de uber/táxi até Gatwick, o que em teoria lhe consumiria algo entre 1h30 e 2h só para chegar em Gatwick. Ou seja, você chegaria em Gatwick entre 1h30 a 2h antes da partida do seu voo, no limite para conseguir passar por todos os procedimentos de segurança e imigração. Em resumo, se tudo der certo, o seu voo não tiver atraso na chegada em Londres, se não tiver enrosco na imigração, se o transito estiver fluindo bem, dá tempo, mas é bem apertado, qualquer imprevisto ou atraso em uma parte, pode fazer você perder a conexão.
  3. 3 dias em cidades como Berlin é pouco tempo, mas em cidades como Bucareste, Dresden, Zagreb e Varsóvia, pode ser tempo depois. Então você tem que alocar uma quantidade de tempo para cada cidade de acordo com o que a cidade oferece, para não acabar com pouco tempo em locais que tem bastante atrações turísticas e ficar com tempo sobrando em cidades sem muita coisa para você ver. Quanto tempo exatamente em cada cidade, vai depender dos seus interesses pessoais, e do seu ritmo de viagem, mas para fazer as coisas com o mínimo de calma e sem que a viagem vire uma correria insana, pessoalmente eu recomendaria pelo menos a seguinte quantidade de dias em cada local: - Berlin: É uma cidade grande, e que divide opiniões, algumas pessoas gostam muito e acham que precisa de 5 ou 6 dias só para Berlin, mas outras pessoas não gostam tanto assim, e acham que 3 dias é mais que suficiente. Pessoalmente eu ficaria no meio termo, com 4 dias em Berlin. - Praga, Viena, Budapeste e Cracóvia: São um pouco menores que Berlin, então na minha opinião, 3 dias inteiros em cada uma destas cidades seria um tempo aceitável. - Dresden: Se você só for ficar na cidade de Dresden, e visitar só as atrações que ficam dentro da cidade, não precisa mais que 1 dia, dá para sair de Berlin cedo, passar o dia em Dresden, e a noitinha pegar o ônibus/trem para Praga e dormir em Praga. Mas se você quiser visitar Bastei e a Fortaleza de Königstein, precisa de pelo menos 2 dias. - Varsóvia: Não tem lá muita atração turística para você visitar e conhecer, na verdade comparado as demais cidades que você vai visitar, é bem sem graça. Então 1 dia inteiro na cidade, é mais que suficiente para você visitar todas as atrações turísticas da cidades, mas como fica meio fora de mão, pessoalmente eu nem visitaria Varsóvia, ainda mais por que você tem pouco tempo. - Zagreb: É a mesma história de Varsóvia, nada de muito relevante em termos de turismo, 1 dia é mais que suficiente. Mas diferente de Varsóvia, para ir a litoral Crota (Dubronnik), você obrigatoriamente vai acabar passando por Zagreb, então como já vai passar por lá mesmo, fique 1 dia na cidade. - Dubrovnik: Pessoalmente eu acho precisa de uns 3 dias lá. Mas é um pecado encarrar toda a complicação de chegar em Dubrovnik e não aproveitar para visitar Hvar, que também precisa de uns 2 ou 3 dias... - Bucareste: É a parte mais sem graça da Romênia, a parte interessante da Romênia fica no interior, em Brasov, Sinaia, Bran, Sibiu, etc... Precisa de uns 5 ou 7 dias para visitar tudo isto. Isto só os dias livres nas cidades, mas você tem um monte de deslocamentos demorados e complicados, onde você perde praticamente um dia inteiro para ir de uma cidade até a outra, então precisaria acrescentar uns 4 ou 5 dias perdidos em deslocamentos. Ou seja, somando tudo, precisaria de pelo menos uns 40 dias para visitar tudo com calma!! Então visitar tudo isto em somente 15 ou 20 dias, sem a menor chance de dar certo! O que cortar e manter, é decisão pessoal de cada pessoa, mas pensando só na parte da logística de deslocamento e nas complicações que isto envolve, eu começaria cortando Bucareste, Dubrovnik, Varsóvia, Zagreb e Cracóvia, de que são os locais mais complicados e fora de mão da sua viagem. Mas você tem que avaliar os locais que são prioridade para vocês, se algum dos que eu citei acima for prioridade para vocês, mantenha ele e corte outro local. Também não esqueça de avaliar se o clima nas cidades na época da sua viagem é adequado para o que você quer fazer. Por exemplo, Polônia e Romênia no inverno Europeu não são muito recomendáveis, pois é muito frio demais, e o litoral da Croácia perde grande parte do seu charme no inverno... Não vou nem dar uma opinião neste assunto, pois primeiro você precisaria cortar a quantidade de locais pela metade para que a viagem seja viável. E dependendo de quais cidades você corte ou mantenha, o ponto de começo ou final e a sequencia de cidades será completamente diferente. Só lhe adianto uma coisa, Cracóvia é um dos piores locais para você terminar a sua viagem, pois tudo é meio complicado envolvendo Cracóvia, não há voos de lá para o Brasil e os voos com conexão costumam ser bem caros sempre que envolve Cracóvia. O que eu achar interessante, você pode achar a maior chatice do mundo, e vice-versa, então o ideal é você ler pelo menos uma meia-duzia de relatos e roteiros de viagem sobre cada cidade, assim você mesmo pode escolher o que visitar e fazer, ou mesmo cortar a cidade do seu roteiro se não achar que tenha muita coisa que lhe interesse. Entre no google e pesquise por: "Roteiro 4 dias em Berlin", "Roteiro 3 dias em Praga", "Roteiro 3 dias em Cracóvia", etc..., vão aparecer centenas de roteiros bem completos e detalhados de cada cidade, leia pelo menos meia-duzia de cada cidade. Mas eu acho que você deveria ter pesquisado a respeito disto antes de colocar as cidades no seu roteiro, e não colocar as cidades no roteiro só por que achou o nome bonito ou por que ouviu falar que é interessante, pois como falei, cada pessoa tem preferencia próprias. Por exemplo, algumas pessoas vão falar que não gostaram nem pouco de Berlin, outras vão falar que amaram! Então você mesmo tem que ler e pesquisar a respeito de cada local, para formar uma opinião e você mesmo decidir o que visitar. Mesma resposta da pergunta 2, você precisa enxugar bastante o seu roteiro para ele ser viável, e isto pode mudar tudo.
  4. Em Casablanca você não passará pela imigração, sera somente uma conexão de transito. Mas devido ao Marrocos ser uma área sujeita a atentados terroristas, eles costumam ser um pouco mais rígidos, mesmo que você esteja só fazendo conexão, obrigando você a passar no raio-x e eventualmente uma revista pessoal e uma curta entrevista para conferir algumas informações. O que você pode fazer para se ajudar a si próprio quando tem conexões curtas, é não ficar enrolando na hora de desembarcar, ser um dos primeiros a desembarcar, e ir direto para os procedimentos de segurança e portão de embarque, deixando para ir no banheiro ou comprar alguma coisa só depois que já esteja lá no portão de embarque. Ou seja, vá no banheiro antes do pouso, para não ter que sair da fila do raio-x por que você está apertado... rsss Outra dica, evite usar muitos acessórios que você precise tirar na hora do raio-x, não vá com os bolsos cheios de trecos que você tenha que tirar, use calçados que você possa tirar e por facilmente, etc...
  5. Não tem como saber o caminho exato que você vai fazer dentro do aeroporto, pois o aeroporto é imenso, e dependendo das condições operacionais do dia, o seu avião pode estacionar num portão diferente e o caminho ser diferente, avião pode estacionar numa posição remota onde você tenha que pegar um ônibus do aeroporto até o prédio principal e você entre no aeroporto por um andar diferente... Nos momentos de muito movimento a administração do aeroporto direciona o fluxo de pessoas por caminhos diferentes, por exemplo, se a fila do raio-x num andar estiver muito grande, eles direcionam as pessoas para o andar de baixo, onde a fila pode estar menor... Ou seja, não tem como saber o caminho exato, mas não se preocupe, é tudo muito bem sinalizado, é só prestar atenção nas placas de sinalização e telas de informação dos voos, e se mesmo assim você não souber para onde ir, é só perguntar para algum funcionário do aeroporto, está cheio de funcionários por todos os lados cuja função é justamente auxiliar pessoas que eventualmente estejam perdidas.
  6. Quase todas as companhias aéreas tem preços promocionais diferentes de acordo com o país onde você está comprando a passagem, e não costuma haver taxas adicionais a serem pagas. Mas muitas vezes este preço promocional mais barato é restrito somente para quem tem cartão emitido no país em questão. Ou seja, na hora de finalizar a compra, quando você informa os dados do seu cartão de crédito, a compra pode simplesmente não ser aprovada, pois a empresa pode ter colocada uma restrição para permitir finalizar a compra somente com cartão emitido na Argentina. Mas isto e algo que não tem como saber antecipadamente, você vai ter que tentar comprar e ver se a compra aprova.
  7. Eles não entrevistam todo mundo, a maioria das pessoas só passa pelo raio-x e uma conferencia simples de passaporte, mas quando eles entrevistam, a entrevista é inglês, com sorte, com algum policial que arranha um espanhol meio ruim. Mal entendidos e respostas erradas na hora da entrevista são uma das coisas que mais causam problema e demora na imigração ou na conexão, então, se você não se garante no inglês, tente pegar voos onde você faça imigração em locais onde eles falam português ou ao menos espanhol, para não estragar a sua viagem por que você entendeu errado uma pergunta e respondeu com algo que foi mal interpretado.
  8. 2 dias para visitar Praga ou Viena eu acho bastante puxado, e acabaria deixando a viagem de você bastante corrida. Eu deixaria Praga e Viena para uma outra oportunidade, quando você aproveitaria para fazer o roteiro clássico do "leste europeu", que inclui Budapeste, Viena, Praga e Cracóvia. Colmar eu acho que fica meio fora de mão de mão no seu roteiro. Se tivesse uns 2 ou 3 dias sobrando, até daria para pensar em incluir Colmar e Estrasburgo, mas como fica meio fora de mão, tem que ter cuidado para não acabar deixando o roteiro muito corrido.
  9. Esta parte é complicada, pois vai depender muito dos seus interesses pessoais e ritmo de viagem... Ficando só com as atrações principais de Munich: Se você pegar um dia de sol e tempo bom, num final de semana de preferência, dá para você passar o dia inteiro no Englischer Garten, que é um parque bem grande, com restaurante, bier garten, etc.. Mas mesmo que não fique o dia inteiro lá, vai pelo uma manhã ou tarde para visitar o Englischer Garten. Visitar o palácio Residenz consome uma manhã ou uma tarde. Visitar o centro histórico, que inclui a Marienplatz, Viktualienmarkt, Frauenkirche, Odeonsplatz, Hofgarten, Asamkirche, Sendlinger Tor, etc vai pelo menos uma manhã ou tarde. Visitar o Deutsches Museum vai uma manhã ou uma tarde. Visitar a Alte Pinakothek, Pinakothek der Moderne e Neue Pinakothek vai metade de um dia ou um dia inteiro se for visitar os três. Visitar o Olympiapark vai metade de uma dia Visitar o BMW Museum vai metade de um dia Visitar o palácio Nymphenburg vai metade de um dia Visitar o campo de concentração de Dachau vai metade de um dia Visitar algum outro biergarten, a cervejaria Hofbräuhaus e mais alguma outra coisinha perdida aqui e ali, vai metade de um dia... Tem opção de programa para uns 5 ou 6 dias em Munich, agora se todos os programas e atividades lhe interessam, isto é outra história... Principais atrações de Nürnberg: Visitar o castelo Kaiserburg leva uma manhã ou tarde Visitar as principais igrejas e pontes medievais do centro, bem como dar uma olhada na muralha leva metade de um dia. Museu do brinquedo (Spielzeugmuseum), passear no centro, comprar lembrancinhas de Natal, Lebkuchen (pão de gengibre), etc vai metade de um dia. Visitar o tribunal de Nürnberg, onde os nazistas foram julgados após a 2ª Guerra Mundial leva metade de um dia. Novamente, você pode não ter interesse em visitar tudo isto, mas 3 dias inteiros em Nürnberg está relativamente folgado, se precisar tirar um dia de alguma delas, pessoalmente eu tiraria de Nürnberg
  10. poiuy

    Dica de melhor roteiro

    Os trens acho que você não vai conseguir comprar tão cedo, a maioria dos trens só abre pra venda 90 ou 120 dias antes. Mas em todo caso, fique de olho e confira de vez em quando se já abriu, e tente comprar as passagens logo nos primeiros dias que abrir para compra.
  11. poiuy

    Dica de melhor roteiro

    O festival Tomorrowland acontece em Boom, uma pequena cidade do interior da Bélgica, e fica relativamente longe de Bruxelas, fica mais próximo de Antuérpia do que de Bruxelas. Pra quem está vindo de Amsterdam, é melhor ir via Antuérpia, e nem ir para Bruxelas. Você pega o trem da Thalys ou o NS.nl ou um ônibus da Flixbus até Antuérpia, e depois pega um trem regional até Boom. E na ida a Paris, você pode voltar a Antuérpia e pegar o trem da Thalys ou ônibus da Flixbus direto até Paris, ou então ir até Bruxelas com um trem regional, e pegar o trem da Thalys ou ônibus da Flixbus até Paris. Mas prepare o bolso e compre as passagens de ônibus e trem até Paris com bastante antecedência, pois nos dias de encerramento e abertura do festival os preços disparam e é bem comum estar tudo lotado já meses antes...
  12. Eu jé fiz e foi bem simples! É bem simples alterar os dados do passaporte direto no site da Air China, é só informar o código da sua reserva e lá vai ter uma opção para alterar os dados do passaporte. Todas as empresas tem a opção de alterar os dados do passaporte sem custo e sem complicação, pois passaporte vencem, e nem sempre o passageiro consegue emitir um novo passaporte antes de comprar a passagem, então as companhias aérea não criam caso em relação a isto. Na maioria das empresas você altera diretamente no site deles, basta informar o código da reserva ou fazer login e vai ter uma opção para alterar os dados do passaporte, e se não der certo pelo site, é só pegar o telefone e ligar na central de atendimento deles e pedir para alterar o número do passaporte, não tem custo nenhum alem do custo da ligação, se não gosta de falar no telefone, entre em contato com a empresa por qualquer outro meio de contato que eles tenham e peça para alterar. Só não deixe para fazer esta alteração no último dia, as vésperas da viagem, pois as empresas precisam informar os dados dos passageiros para a Policia Federal do Brasil e da Espanha/China antes da viagem, e neste caso eles podem reclamar um pouco, mas não vão se negar a alterar os dados
  13. Viajar no inverno é quase que uma questão de sorte, você pode ter sorte e pegar dias com tempo aberto e sol, mas também pode ter azar e pegar 3 ou 4 dias seguidos de chuva e nevascas... Por muito tempo eu só conseguia viajar em Dezembro e Janeiro, então se quisesse viajar, tinha que encarar o clima que estivesse fazendo. Lembro de uma viagem em especial, onde eu visitei Amsterdam, Berlin, Praga e Viena na mesma viagem no final de dezembro. Cheguei em Amsterdam de manhã cedo, debaixo de uma nevasca, que virou chuva congelada perto do almoço. Neste dia não consegui fazer quase nada, por que era praticamente impossível sair para rua, a única coisa que eu fiz neste dia foi visitar o Rijksmuseum, mas isto também só foi possível por que o bonde parava bem na porta do meu hotel e a poucos metros da entrada do Rijksmuseum, mas mesmo assim me molhei todo e resolvi ir para o hotel as 14:00 trocar de roupa e não tive coragem de sair novamente... Nos quatro dias seguintes, apesar do frio de -5ºC, o clima estava bom, e consegui fazer muita coisa, mas depois, emendou 3 dias seguidos de chuva fina intermitente, onde era horrível fazer qualquer coisa na rua, e "estragou" 2 dos 4 dias que eu tinha alocado em Berlin, pois sempre que saia para ir a algum lugar, acaba me molhando e passando frio depois... Em Praga e Viena eu tive sorte, apesar do frio, o clima estava bom, sem chuva e neve, então deu para fazer bastante passeios na rua. Mas assim que o sol se põe o frio aperta e as ruas começam a ficar desertas, ninguém quer ficar na rua com um frio destes... No verão, até daria para pensar em ficar só 2 dias em cada local, pois os dias são longos, e quando chove, geralmente são chuvas rápidas e 30 minutos depois já tem sol, mas viajando no inverno, é muito recomendável ficar mais tempo em cada local, para que 1 ou 2 dias de chuva ou nevascas não estraguem tudo.
  14. Olá, Alem das perguntas que você fez, eu vejo alguns problemas bem graves no seu roteiro: 1 dia é meio em Amsterdam, durante o inverno, quando os dias são bem curtos, as 16:00 já está completamente escuro, e o clima costuma ser bem ruim, é pouco tempo! Se você tiver o azar de pegar 1 dia de chuva ou neve, que são bem comuns em Amsterdam em janeiro, ferrou, você não vai conseguir fazer quase nada na rua! Então eu colocaria pelo menos mais 1 dia em Amsterdam, deixando Amsterdam com 2 dias e meio, assim aumentam muito as chances de você pegar ao menos 1 dia de clima favorável para passear pela cidade sem se molhar todo e congelar até os ossos. Bruges é uma cidade pequena, e com relativamente pouca atividade indoor para você fazer num dia de chuva e neve, pois a maioria das coisas que você vai fazer lá é na rua, e se o clima estiver ruim, pode arruinar a sua visita, em compensação, Bruxelas tem bem mais opções de atividades para você fazer num dia de clima desfavorável. Então viajando no inverno, pessoalmente eu recomendaria a você ficar hospedado em Bruxelas por uns 3 dias, e visitar Bruges e/ ou Gent como um bate-volta de trem num dia em que o clima estiver bom e favorável para você ficar batendo perna na rua, e nos dias que o clima não estiver muito bom, você procura uma atividade indoor em Bruxelas. Pessoalmente eu não iria a Cracóvia no inverno, é frio demais para você conseguir aproveitar algo da viagem, a previsão para metade de janeiro é de -10ºC a -15ºC em Cracóvia! E com uma temperatura destas, você não vai querer nem sair do hotel. Sem contar que Cracóvia fica meio longe e fora de mão, com deslocamentos complicados e demorados, que vão lhe consumir praticamente um dia inteiro para chegar e sair de lá caso você não quira viajar a noite toda, indo pegar um ônibus as 22:00 com -5ºC e chegar no destino as 05:00 com uma temperatura de -5ºC ou -10ºC. Como você perde muito tempo nos deslocamentos, os dias são muito curtos, por anoitecer super cedo nesta época do ano, e o clima poder ser bem desfavorável, 2 dias em Cracóvia, 2 dias em Budapeste e 1 dia em Viena está longe de ser um tempo adequado para quem viaja no inverno. Então eu começaria cortando pelo menos 2 destas cidades, na minha opinião Viena e Cracóvia, e distribuir estes 3 dias entre Budapeste, Berlin e Amsterdam, 1 dia em cada uma. Esta é a pergunta de 1 milhão de dólares! rsss Impossível saber quanto você vai precisar, pois vai depender das suas escolhas lá na hora, por exemplo, na hora de comer, você pode ir num Mac Donalds e pedir 2 big mac e fazer uma refeição por 5 euros, pode sentar num restaurante simples e barato, pedir uma entrada e um prato principal e algo para beber e gastar 15 ou 20 euros, pode ir num restaurante melhor e gastar 50 euros por refeição... Você pode ser aquele tipo de mochileiro super pão-duro que não visita nenhuma atração turística que cobre 1 euro de ingresso, ou pode ser daquele tipo que entra em todo lugar, e gasta 30 ou 50 euros só com passeios e ingressos todo dia... Os seus amigos podem ser pão-duros e não gostar de sair, e você não gastar quase nada enquanto estiver hospedado na casa deles, mas eles também podem ser daquele tipo festeiro, que gosta de sair todo dia para comer fora, beber algo, ir numa balada, etc, e arrastar você junto e você acabar gastando um monte de dinheiro com comida, bebida ou festas... Ou seja, varia muito, mas o minimo que eu recomendaria para não precisar aperto ou ficar passando vontade de fazer algum passeio legal que cobre ingresso, seria de uns 40 ou 50 euros por dia, fora os custos de hospedagem e passagens entre as cidades. O que eu achar super interessante, você pode achar a maior chatice do mundo, e vicê-versa, então o ideal é você ler pelo menos uma meia-duzia de relatos sobre cada cidade para você mesmo decidir e escolher aquilo que mais lhe agrada. Entre no google e pesquise por "Roteiro Paris", "Roteiro Amsterdam", "Roteiro Praga", etc... Vão aparecer literalmente centenas de roteiros e relatos de viagem bem completos de cada cidade, leia pelo menos uma meia duzia de cada um, assim você terá uma boa noção do ver e fazer em cada um destes locais. Só fique atento ao fato de que a sua viagem vai ser na pior parte de inverno, e que muitas das atividades que as pessoas colocam nestes relatos e roteiros de viagem podem não ser viáveis durante o inverno, pois os relatos são do verão, quando o clima é bem melhor e os dias bem mais longos, anoitecendo as 20:00 e não as 16:00...
  15. Negociando direto com as escolas, você até pode conseguir baixar um pouco o preço, mas não costuma dar tanta diferença. Uma das coisas que mais pesa no preço do intercâmbio é o custo da hospedagem, e dependendo da cidade que você escolher para o intercâmbio, o custo da hospedagem pode significar até 70% do custo total. Você não comentou em qual cidade seria o seu intercâmbio, mas uma das melhores formas de baixar os custos de um intercâmbio é escolher cidades menores e fugir das grandes capitais, onde o custo da hospedagem costuma ser bem mais caro.
  16. Apesar de toda pompa e imponência do exterior dos castelos, o interior é relativamente espartano, sem muitos exageros e luxos que se vê em outros castelos ou palácios europeus. A visita ao interior dos castelos é relativamente rápida, se não me engano, Hohenschwangau leva uns 40 minutos e Neuschwanstein em torno de 1h30, o problema é que é tudo meio longe e uma ladeira bem grande e puxada para você subir. Agora sobre visitar o interior dos castelos, isto é questão pessoal de cada pessoa, mas pessoalmente eu sou da opinião, de que se você vai se abalar lá de longe, gastando um monte de tempo e dinheiro no deslocamento de Munich até Füssen, faça e visite o máximo de coisas que conseguir, sem exagerar na quantidade de passeios, para fazer valer o tempo e dinheiro gasto no deslocamento. Mas em fim, esta é só minha opinião pessoal, vocês devem fazer o que vocês acharem melhor para vocês. Qual o melhor entre Füssen e Garmisch-Partenkirchen? Depende.... Ambas as cidades são pequenas e não tem lá tanta coisa assim para você ver na cidade, a maioria dos passeios o atividades ficam fora da cidade. Garmisch-Partenkirchen é melhor para quem quer fazer atividades na natureza, subir o monte Zugspitze de teleférico por exemplo, mas não sei se a bebê não pode ter um pouco de desconforto pela altitude lá em cima... Mesmo que não entre nos castelos, eu continuo achando que sair de Munich, passar em Füssen ou Garmisch-Partenkirschen, e dormir em Rothenburg ob der Tauber ainda é bem puxado... Como você comentou na possibilidade de cortar a visita ao parque Playmobil, vocês em teoria teriam um dia livre, eu teria uma outra sugestão: Saiam de manhã de cedo de Munich, passem o Füssen ou Garmisch-Partenkirschen, pernoitando lá, e no outro dia, vocês saem cedo rumo a Rothenburg ob der Tauber com toda calma, passando em Landsberg am Lech, Nördlingen e Dinkelsbühl
  17. De forma bem resumida, tem 3 maneiras de você chegar em Águas Calientes/Machu Picchu: - Ir de ônibus ou van até a cidade de Ollantaytambo ou Poroy e lá pegar o trem que vai lhe deixar em Águas Calientes. As estradas são pavimentadas e seguras. - Pegar uma van até um lugar chamado Hidroeléctrica e seguir a pé pelo trilho do trem até Águas Caliente, esta é a parte perigosa, pois as estradas até o tal Hidroeléctrica são precárias, são estradas de terra, a beira do precipício, etc... - Fazer a trilha Inca a pé, onde você pega uma van até metade do caminho, e depois segue a pé pelas trilhas por uns 4 ou 5 dias até chegar em Águas Calientes. Se você não está disposta a encarar a caminhada a pé no meio da mata, eu recomendo ir de trem com a IncaRail (https://incarail.com/), eles tem um serviço que inclui translado de ônibus confortável por estradas seguras saindo do centro de Cusco até Ollantaytambo, e lá em Ollantaytambo você desce do ônibus e já embarca no trem até Águas Calientes que já vai estar esperando na plataforma. E na volta, é a mesma coisa, trem até Ollantaytambo, onde já vai ter um ônibus esperando no lado de fora da estação de trem que vai levar você de volta ao centro de Cusco. E o preço deste pacote não é muito barato, mas contratando uma van lá na hora até Ollantaytambo, a diferença também não é tão grande assim. Uma outra alternativa, que foi que eu fiz, foi contratar um tour de van de 1 dia pelo Vale Sagrado, que passa por alguns pontos de interesse nas cidades e vilas vizinhas a Cusco, em estradas pavimentadas e seguras, e lhe deixa na metade da tarde em Ollantaytambo, onde você pega o trem até Águas Calientes
  18. Você está ciente de que será inverno? E que as condições climáticas podem ser extremas em Ushuaia? Julho é altíssima temporada em Bariloche, por causa da neve e dois esportes de inverno, e vai estar tudo bem caro e lotado por lá. Pessoalmente eu não iria para Ushuaia em Julho, é muito frio e o clima muito ruim, o que vai impedir você de realizar a maioria dos passeios e atividades. Eu daria preferência por Bariloche, onde também vai ser beeem frio, mas ao menos é um local mais preparado para receber turistas durante o inverno, e tem uma infraestrutura mais adequada para receber crianças e idosos.
  19. poiuy

    Maceió pacotes

    Os preços dos pacotes de viagem e passagem, seguem um padrão, começam caros, entre 7 e 4 meses antes da data os preços baixam um pouco, e nos últimos 3 meses aumentam de preços novamente. Mas como já falaram, não dá para afirmar nada neste sentido, pois os preços dependem muito da demanda, se está vendendo bem, e a ocupação está alta, os preços sobem, mas se estiver vendendo mal, e a ocupação ainda estiver baixa as vésperas, eventualmente podem surgir promoções de última hora. Ou seja, até pode aparecer alguma promoção de última hora, mas é uma coisa que você não poderá contar como certa.
  20. Os preços dos pacotes de viagem e passagem, seguem um padrão, começam caros, entre 7 e 4 meses antes da data os preços baixam um pouco, e nos últimos 3 meses aumentam de preços novamente. Mas como já falaram, não dá para afirmar nada neste sentido, pois os preços dependem muito da demanda, se está vendendo bem, e a ocupação está alta, os preços sobem, mas se estiver vendendo mal, e a ocupação ainda estiver baixa as vésperas, eventualmente podem surgir promoções de última hora. Ou seja, até pode aparecer alguma promoção de última hora, mas é uma coisa que você não poderá contar como certa.
  21. Os ônibus hop-on hop off não passam em Sandton, pois é muito longe e fora de mão de todas as atrações turísticas de Johannesburg. Mas há metrô direto de Sandton até Rosenberg e Constitution Hill, o que pode facilitar o seu deslocamento até o ponto onde pode pegar o ônibus hop-on hop-off. O melhor lugar para se hospedar e passear com o ônibus hop-on hop-off é na região de Rosenbank, pois é de lá que os ônibus hop-on hop-off saem, e ainda é uma região nobre da cidade, bastante segura. O pessoal recomenda Sandton, por que é onde ficam os hotéis de luxo, e por ser uma região bastante segura da cidade, pois é onde residem os ricos, em Sandton só tem mansões e é cheio de seguranças particulares em cada esquina cuidando das mansões. Mas nem Sandton e nem Rosenberg são locais baratos para você se hospedar, só tem hotel de luxo e um ou outro hotel médio um pouco menos caro. Se o seu orçamento estiver apertado, você pode ter que escolher alguma outra região, um pouco mais barata. Neste caso, dê uma olhada no mapa do õnibus hop-on hop-off para escolher uma região próxima a algum ponto onde eles parem: https://www.citysightseeing.co.za/en/joburg/map-joburg
  22. Eu não gosto muito de usar Uber em aeroporto, pois geralmente é caro, é sempre uma surpresa na hora que você vai pedir lá no aeroporto, você nunca sabe o preço, muitas vezes fica mais caro do que um táxi comum do aeroporto Já o taxi costuma ter preço tabelado, e você sabe de antemão quanto que vai pagar, e por ser tabelado, você consegue evitar o golpe de o motorista ficar dando voltas ou pegar o caminho mais longo só para cobrar mais caro, coisa que no Uber você não consegue evitar. Mas tem que contratar o taxi no guichê dentro do aeroporto, e na hora de embarcar, reforçar com o motorista que é pelo preço fechado lá no guichê... http://www.lanseriataxis.com/wp-content/uploads/2019/09/LANSERIA-TAXIS-RATES-2019.pdf Parece que há um ônibus executivo do aeroporto de Lanseria até Sandton Gautrain Station, que pode ser uma opção caso o seu hotel fique na região da Nelson Mandela Square e o seu voo não chegue muito tarde. https://lanseria.co.za/pages/taxis-and-transfers Eu não sou muito fã de transfer privado, o costuma ser caro , e independente do local no mundo, o pessoal do transfer tem costume de lhe deixar na mão, e ficar horas esperando o transfer aparecer, então pessoalmente eu só uso transfer privado se realmente não tiver outra opção.
  23. Você está colocando muito coisa na Toscana, não vai dar para fazer tudo isto em 4 dias, mesmo de carro. Então, ou você aumenta a duração da viagem, e os custos, ou corta de algum outro local.
  24. Onibus até Praga, pela Flixbus Depois de Praga vai para Viena e termina em Budapeste, esta última parte pode fazer tanto de trem como de ônibus.
  25. Quanto tempo em cada local depende muito dos interesses de cada pessoa, mas algumas considerações: 5 dias em Paris, é um tempo adequado, dá para ver as principais coisas com relativa calma. 5 dias para dividir entre Roma e Veneza já é meio aperto, principalmente considerando que cada vez que você troca de cidade, na melhor das hipóteses você perde metade de um dia em função de ir de uma cidade para a outra e se acomodar na nova cidade, e neste caso, seria recomendável ficar uns 4 dias em Roma e uns 2 dias em Veneza. Zurich é um lugar bem sem graça, sem anda de muito interessante para você ver ou fazer, em uma manhã ou uma tarde você visitou tudo o que interessa em Zurich. O interessante na Suíça não é Zurich, mas sim os lagos, as montanhas, as vilas alpinas, mas elas não ficam em Zurich, mas sim em Lucerna, Interlaken, Montreux, Zermatt, Berna, etc... 3 dias para visitar estes locais é bem apertado, pois tudo é longe e meio complicado por aqueles lados. Sem contar que o clima é muito imprevisível na Suíça, o ideal é ficar um pouco mais de tempo lá, para ter maiores chances de pegar ao menos 1 ou 2 dias de tempo bom. Mas o custo destes passeios na Suíça são absurdamente caros, 4 dias na Suiça custam o mesmo que 10 dias na Itália. Londres é uma cidade imensa, maior e com mais coisas para você e fazer do que Paris, então 2 dias em Londres, sendo que você ainda vai perder 1 dia inteiro só para chegar lá, é muito pouco tempo!! Serviria só para vocês desperdiçarem tempo e dinheiro. Barcelona é menor que Paris e Londres, mas 2 dias também será bem apertado, pois novamente você vai perder metade ou um dia inteiro só para chegar lá. Ou seja, para que seja uma viagem viável, precisaria cortar pelo menos uma ou duas cidades e redistribuir este tempo entre as demais. O que cortar e manter é decisão pessoal, mas pessoalmente eu começaria cortando Zurich, é o local mais sem graça, mais complicado, e caro da viagem, passando estes 3 dias para Londres, ou então passar 2 dias para Barcelona e 1 dia para Roma/Veneza.
×
×
  • Criar Novo...