Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

poiuy

Membros
  • Total de itens

    429
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    7

Tudo que poiuy postou

  1. Algumas sugestões de leitura para você se inspirar e decidir o que fazer nestes 10 dias: https://www.google.com/search?ei=1wnqXKOtNtey5OUPteGV-AI&q=roteiro+10+dias+portugal
  2. Olá, seja bem vindo. Já pensou que pode chover neste dia? E vocês gastarem um monte de dinheiro indo a Bruxelas para ter um dia horrível, debaixo de frio e chuva? Bate-volta é uma coisa que você escolhe o melhor dia para fazer lá na hora, de acordo com o clima, pois num bate-volta a grande atração é a cidade em si, com você passeando pela cidade, e não ficar enfurnado dentro de um museu, palácio ou igreja se escondendo da chuva ou frio. O grande problema de fazer um bate-volta até Bruxelas saindo de Paris, é que é longe pra caramba!! Para ser viável, você tem que ir no trem de alta-velocidade, mas é justo ai que está o grande problema, passagens no trem de alta-velocidade são bem caras se compradas no dia, você tem que comprar elas 3 meses antes para que não custem uma fortuna. Mas comprando 2 ou 3 meses antes, você fica refém daquele dia, não pode mudar os planos e ir em outro dia, por a passagem vale só para aquele dia e horário comprados. Então se realmente quiser fazer este bate-volta, sem problema, só torça para que seja um dia de clima bom, por que se for um dia chuvoso, o bate-volta poderá ser uma m..., e teria sido melhor ter ficado em Paris e ter visitado o Museu Louvre com calma do que ficar tomando chuva e passando frio em Bruxelas... Trem entre Paris e Bruxelas você compra no site da Thalys (www.thalys.com), a venda abre 90 dias antes, e depois que abriu, a cada semana que passar, mais caras as passagens. Trem entre Paris e Londres ou entre Bruxelas e Londres você compra na www.eurostar.com, as vendas iniciam 120 dias antes, e os preços também aumentam a cada semana que passar. Nos trens não há limite de bagagem, o limite é o que voce conseguir carregar sozinho por 2 andares de escada acima. De Londres para Madrid, e de Madrid para Lisboa é longe demais para se ir de trem, tem que ir de avião, procure um voo que lhe agrade no www.skyscanner.com, só não esqueça de incluir a bagagem despachada, por que se for deixar para comprar bagagem despachada lá no aeroporto, vai lhe custar um rim! Também não esqueça de imprimir o cartão de embarque antes de ir para o aeroporto por que se for deixar para fazer o check-in e imprimir o cartão de embarque lá no aeroporto, vai lhe custar o outro rim! rsss
  3. poiuy

    Colônia - Alemanha

    Meu roteiro de passeio em Colônia: Descer do trem as 10 da manhã, visitar catedral que fica do lado da estação de trem, depois de visitar a catedral, dar um passeio pelo centrinho histórico que fica do lado da catedral, aproveitar para almoçar e tomar umas cervejas Kolsch num dos inúmeros restaurantes que tem por lá, depois do almoço, atravessar a ponte, para ver a paisagem com a catedral e ponte no mesmo quadro, voltar para a estação de trem, e pegar o trem das 17:00 para ir embora. Depende muito dos seus interesses, mas em resumo, tirando um ou outro museu, que não agradam a muitas pessoas, o que tem para fazer em Colônia é basicamente isto, não foge muito disto. Pessoalmente eu acho colônia um desvio muito grande da rota entre Paris e Amsterdam para pouca coisa interessante, se quer conhecer a Alemanha melhor, e se tiver mais tempo, eu sugeria Munich. Fique uns 4 ou 5 dias em Munich, 2 ou 3 dias para a cidade de Munich, 1 dia para fazer um bate-volta a Neuschwanstein, 1 dia para um bate-volta até Nürnberg e se ainda tiver tempo sobrando, mais 1 dia para um bate-volta até Salzburg. Ou se você for do tipo mais urbano ou hipster, ficar 4 dias em Berlin....
  4. Aqui na Alemanha, Innsbruck tem a fama de ser um local caro, só frequentado pelos ricos e famosos. Eu não sei os preços de Innsbruck, mas ano passado fomos esquiar num final de semana em Feldberg na Alemanha, e a conta ficou em torno de 320 Euros para um casal, fora o gasto da gasolina para chegar lá. Foram uns 170 euros por duas diárias de hotel, 30 Euros no passe de acesso aos teleféricos e pistas para o casal, e 120 euros de aluguel de equipamentos para um casal, sem aulas de esqui, por que já tínhamos feito no passado aulas, o preço das aulas custam em torno de uns 80 Euros por uma hora de curso se for aula privada e particular.
  5. A propósito, vi você preocupados com os custos, posso te falar uma coisa: Locais caros: Suécia, Noruega, Dinamarca, Holanda, Austria, Suíça, Luxemburgo, Londres, etc Locais baratos: Portugal, Espanha, Itália, Hungria, Rep Tcheca, Polônia, etc...
  6. Olá, seja bem vindo. Percebi um certo padrão nas suas perguntas, é sempre algo do tipo 7 dias em Viena, 7 dias em Estocolmo, 7 dias em Londres, etc... Tenho a impressão de que você não pesquisou muito a respeito destes destinos. Por exemplo, 7 dias para ficar só em Viena ou Estocolmo é muuuuuito tempo, é capital de um país, e a cidade é relativamente grande, mas sinceramente, não justifica você ficar 7 dias só em Viena ou Estocolmo, nos 2 ou 3 primeiros dias você terá visto tudo, e depois nos últimos 3 ou 4 dias não terá mais muito o que ver e fazer na cidade. Como o nosso tempo e dinheiro é curto, a maioria das pessoas opta por aproveitar melhor o pouco tempo que tem disponível, aproveitando o fato de já gastar um monte de dinheiro com passagens até a europa, para conhecer mais locais, como por exemplo aproveitar para conhecer Viena e Praga, ou Viena e Budapeste, que são cidades próximas e onde você consegue achar passagens de ônibus entre elas custando a partir de 10 euros. só tem que cuidar para não cair na tentação de querer colocar coisa demais na viagem e depois acabar não aproveitando direito nada de nenhum local, mas no no caso de Viena, 3 dias em Viena, mais 3 dias em Praga ou Budapeste e mais 1 dia de deslocamento entre as cidades é uma boa pedida e costuma agradar a maioria das pessoas, sem deixar a viagem corrida demais, e também não monótona demais, com muito tempo num local sem muito o que ver e fazer nos últimos dias.
  7. Este tipo de informação é muito específica, não sei você vai conseguir esta informação aqui, acho que a melhor pessoa para lhe responder isto é o próprio anfitrião que vai lhe receber, ele pode conseguir em detalhes o que é necessário diretamente com o órgão responsável pela emissão das cartas-convite na cidade onde ele reside.
  8. A imigração da Croácia é uma das mais chatas que eu já peguei, sempre conferiram tudo, data de entrada e saída e várias perguntas, pessoalmente eu não arriscaria ir com uma passagem voltando depois dos 90 dias, eu alteraria a data da volta. Eles são especialmente rigorosos com brasileiros devido a estes jogadores de futebol brasileiros, a Croácia está cheia de jovens jogadores de futebol brasileiros iludidos e enganados por golpistas, que levam todo o dinheiro deles com uma promessa de jogarem num time amador da quinta divisão croata, e a maioria destes jogadores acaba sem dinheiro, sem casa, sem comida, passando fome e dependendo do governo croata para comer e voltar para casa. Quando eu estive na Croácia, encontrei também encontrei um jovem jogador de futebol brasileiro por lá, ele falou que não tinha casa e nem o que comer, estava dependendo de caridade para achar um lugar onde dormir e o que comer, estava só esperando a família dele conseguir juntar dinheiro para comprar uma passagem de volta para Brasil, por que ele não queria ser deportado e estragar as chances de algum dia poder voltar...
  9. Dica que eu daria, dê uma boa olhada nos horários destes ônibus, pois quando eu fui tentar fazer algo parecido com isto, a uns 2 anos atras, os horários simplesmente não encaixavam, ou ficava com muito pouco tempo em Plitvice, ou então ficava com tempo demais em Plitivice, um lugar literalmente no meio do mato, longe de qualquer cidade ou civilização, e eu não achei que precisasse de um segundo dia para ver as cacheiras... Eu tive que incluir uma parada em Zadar antes de Split para conseguir fazer os horários dos ônibus encaixar.
  10. Não me hospedei nele, mas a localização é boa, próximo de vários locais interessantes de Madrid, e também tem uma avaliação relativamente boa. Mas você sabe o que é um "hostal"? As vezes as pessoas tem uma ideia errada do que seja, e acabam frustradas por que estavam esperando outra coisa. Hostal é uma pousada, geralmente num imóvel com meia duzia de quartos, por um lado é bom, devido a ser um atendimento mais pessoal, mas geralmente não tem toda a infraestrutura de um hotel convencional.
  11. Praticamente todas as cidades europeias tem serviços parecidos com estes, os primeiros 15 ou 30 minutos são grátis e depois paga uma taxa de 2 libras ou Euros a cada hora, ou variações parecidas com isto. A pegadinha neste serviço geralmente é o valor da caução/garantia que fica bloqueado no seu cartão de credito por até 30 dias. Na última vez que usei um serviço destes, tinha que informar os dados do cartão de crédito para locar a bike, eles cobravam os 2 Euros da locação na hora, e alem disto, bloqueavam 200 Euros do saldo do cartão de crédito como garantia pela bike, para garantir que você não vai roubar ou destruir bike. Se devolver a bike, eles liberam este valor do cartão e não cobram nada alem dos 2 euros, mas se não devolver a bike, eles efetivam a caução de 200 euros./libras... O prolema é que este saldo bloqueado pela caução as vezes não é liberado na hora, dependendo do banco, pode levar até 7 ou 30 dias para este valor ser liberado e você pode acabar com todo o seu saldo do cartão de crédito ou cartão pré-pago bloqueado e sem poder usar devido a estes valores de caução bloqueando o saldo/dinheiro do seu cartão.
  12. O que você acha que tem mais peso, uma passagem de volta para o Brasil que você pagou 400 euros, ou uma passagem de 19 euros para o Reino Unido? Uma passagem cara de volta para o Brasil, que vai pesar no seu bolso caso você "perca" o voo de volta ao Brasil, tem peso muito maior do que aquela passagem baratinha para o Reino Unido, que não interfere no seu bolso caso você "perder" o voo para o Reino Unido...
  13. comprar passe de trem é o pior negócio que você pode fazer, estes passes atualmente maior furada que um turista pode fazer, pois eles dão direito a viajar de graça somente em lentos e demorados trens regionais dentro de mesmo país, qualquer trem internacional ou de alta-velocidade que você for pegar, terá que pagar uma taxa adicional de reserva de assento obrigatória que muitas vezes é mais cara do que uma passagem avulsa compradas 90 dias antes. Faz muitos anos que não existem mais "trenhotel" e trens noturnos entre Barcelona e Paris, o rota já foi cancelada a muito tempo por que estes trens são desconfortáveis e caros, com o que você pagaria num leito num trem hotel, na maioria dos casos dá para pagar uma passagem num voo low-cost + uma diária de hostel e ainda sobra dinheiro. Pessoalmente eu iria de avião, com alguma low-cost, se você escolher um horário adequado, consegue "salvar" praticamente o dia inteiro em Barcelona. Por exemplo, se pegar o voo das 18:00 em Barcelona, você tem a manhã toda e parte da tarde livre em Barcelona para algum último passeio, ver ou fazer aquela coisa que não deu tempo, comprar algumas lembrancinhas, e depois do almoço, lá pelas 15:00 vai para o aeroporto, e chega em Paris cedo, a tempo de ir de metrô para o seu hotel gastando pouco, dormir bem, e acordar cedo e descansado e disposto para um dia cheio de coisas legais em Paris.
  14. Na verdade há uma lei que obriga todos os hotéis a manterem um registro detalhado de todos os hospedes, com nome, data de nascimento, identidade, endereço, motivo da viagem, etc... Quando você chega no hotel, você tem que preencher uma ficha com estes dados, alguns para agilizar o check-in, já lhe entregam esta ficha preenchida com os seus dados que você informou no momento da reserva. Agora sobre eles exigirem estes dados 15 dias antes, isto é politica de cada hotel, eles podem estar solicitando estes dados com antecedência para confirmar que você não vai dar um cano neles, não aparecer e não cancelar a reserva, deixando eles com o quarto vazio esperando você nunca chegar....
  15. Ao passar na imigração os agentes costumam dar uma olhada nos outros carimbos que tem no seu passaporte, e sempre que há um carimbo de "negação" no seu passaporte, o agente de imigração vai ser bem mais rigoroso no processo, e vai querer conferir tudo em detalhes, então é bom ir bem preparado, com passagens de volta compradas e marcadas, reservas de hospedagem, dinheiro suficiente, e principalmente saber explicar o que vai fazer lá, o que pretende visitar, quais os pontos turísticos que vai visitar, etc... Pois convenhamos, soa muito estranho alguém chegar lá na imigração em Amsterdam, o agente perguntar o que você vai fazer ou visitar, e você não saber explicar ou citar nada, ninguém faz uma viagem destas de turismo, mesmo que seja de última hora, sem se preparar ou pesquisar ao menos o básico sobre o destino que vai visitar. Os agentes veem este tipo de situação todos os dias, mas não com turistas, mas sim geralmente com pessoas tentando entrar ilegalmente ou vítimas de tráfico internacional de seres humanos... Ou seja, mesmo que você não tenha nada a ver com este tipo de coisa, é algo muito suspeito do ponto de vista deles. Se você só tiver um carimbo de entrada negada, sem deportação, nada impede você de retornar, desde que você tenha os comprovantes necessários, dinheiro suficiente, e que desta vez saiba explicar o que pretende fazer por lá. Mas em todo caso, como no fim da história, sempre é uma decisão meio subjetiva do agente que lhe atender, se ele não se se sentir seguro das suas intenções, ele pode negar novamente a sua entrada mesmo você estando com tudo certo e sabendo explicar o que vai fazer desta vez, ou seja, nunca dá para dar certeza de nada numa situação destas. Então só tentando de novo para ver o que acontece.
  16. como já responderam, sim, ficam um pouco mais caros, e você corre o risco de ficar gastando sola de sapato ou um monte de dinheiro com taxi andando o dia inteiro com uma mochila pesada nas costas atrás de um local com vagas, principalmente em locais muito procurados e nos finais de semana, e você ainda corre o risco de só achar locais ruins e caros. Mesmo que ideia seja reservar de última hora, não deixe para procurar hostel só quando chegar na cidade, faça as reservas com antecedência de alguns dias, uma antecedência mínima de uns 2 ou 3 dias na hora de fazer as reservas, vai lhe evitar um monte de dor de cabeça e stresse e ainda mantem o seu roteiro bem flexível. Ou seja, assim que chegar numa cidade, já no primeiro dia faça as reservas para a próxima cidade. Outra dica, mesmo que o plano seja reservar na hora, ou com antecedência de 2 ou 3 dias, acredito que você já tenha uma noção de quais cidades vai passar, então já dê uma olhada nas opções de hosteis em cada um destes locais, e anote 2 ou 3 da sua preferência, ai quando chegar na hora de fazer a reserva, você pode tentar reservar direto nestes, sem precisar gastar horas e horas procurando um lugar que lhe agrade.
  17. A conexão em Casablanca não costuma ser das mais amigáveis, por ser um país com atividade de terroristas e rota do tráfico de entorpecentes, eles costumam fazer uma revista rigorosa e as vezes até um "interrogatório" até mesmo em quem só está em conexão via Casablanca. Então não se assuste se o tratamento dos agentes de segurança em Casablanca parecer um pouco rude, isto é meio normal por lá. A vantagem, é que o aeroporto é relativamente pequeno comparado a outros aeroportos gigantescos que tem por ai, e eu achei fácil me localizar nele. Mas se você não estiver fazendo nada de errado, não deve ter maiores problemas, só não fique se enrolando para desembarcar do voo, assim que o avião pousar, se mecha para conseguir desembarcar logo. Uma coisa que eu faço quando tenho estas conexões apertadas, é se possível, pegar um assento o mais na frente do avião que conseguir e de preferência no corredor pra agilizar o desembarque, e não ficar lá no fundão do avião atras de outros 200 passageiros desembarcando, ou então preso atras de um passageiro sem a menor pressa de levantar do assento. rsss
  18. Não tem como saber se será sabatinada ou não na imigração, para voce ter uma ideia do quanto isto varia, da última vez que passei na imigração em Zurich, eles estavam "sabatinando" todo mundo, a fila não andava por que todo mundo ficava uns 5 minutos sendo sabatinado pelo agente. Quando chegou minha vez, eu já esperando um interrogatório, a agente só perguntou: Vai ficar quanto tempo na Suíça? Eu respondi: Estou indo para Düseldorf na Alemanha numa conexão daqui a 5 horas, ela só deu uma olhada no passaporte, não perguntou mais nada e carimbou o passaporte. No seu caso, como vai carta-convite, não esqueça de anexar na carta-convite uma cópia do documento de identificação da sua irmã e do comprovante que prove que ela está legalmente na Itália
  19. Você não pode se basear nos preços que as pessoas residentes no local pagam, um turista via de regra acaba pagando mais caro que um residente local. Como turista, você vai estar na correria, sem muito tempo para perder procurando lugar barato para comer, você acaba comendo quase sempre nos locais mais práticos e convenientes para um turista, geralmente próximo de alguma atração turística, e estes locais sempre são um pouco mais caros. Também leva alguns dias para você achar os locais bons e baratos, e quando você estiver começando a achar os locais bons e baratos, vai ser hora de trocar de cidade e começar tudo do zero numa cidade nova. Posso citar um exemplo bem prático disto e que aconteceu comigo nas últimas férias este ano em Dublin: No primeiro dia fomos comer lanche na rua, procuramos um monte e achamos uns Kebap por 5 Euros. No segundo dia descobrimos que os supermercados Carrefour vendiam sanduíche pronto por 3 euros, no terceiro dia, descobrimos por acaso que o mesmo sanduba de 2 euros do Carrefour custava 1 Euro no Dealz , a 1 quarteirão de distancia, só que no quarto dia nós estávamos indo embora de Dublin... A mesma coisa aconteceu quando me mudei para Düsseldorf, nas primeiras semanas estava pagando 15 euros para almoçar ou jantar num restaurante simples aqui perto de casa, mas agora que eu já conheço bem a vizinhança, consigo almoçar ou jantar bem num restaurante simples gastando 8 ou 10 euros. Um nativo geralmente conhece bem a vizinhança, teve tempo de descobrir os locais bons e baratos, mas um turista, não tem tempo de descobrir isto, quando estiver pegando os "segredos" e manhas, já vai ser hora de trocar de cidade e tem que aprender tudo de novo Ou seja, um nativo sempre vai lhe passar um valor menor do que aquilo que você como turista vai conseguir achar, então estes valores que nativos lhe passam servem como uma referência, mas você sendo turista, sempre acrescente uns 30% a 40% em cima deste valor, por que você geralmente não consegue achar estes locais baratos e bons onde os nativos e locais costumam jantar ou almoçar.
  20. estive em Florença este mês, e se for provar a culinária local, estes seus 20 euros podem ficar apertados. eu queria provar a tal famosa "Bisteca Fiorentina", rodei todo o centro, e em todos o restaurantes que eu olhei estava custando 25 euros, estava quase desistindo, mas acabei achando um restaurante numa rua mais afastada do centro que servia a bisteca fiorentina por 17 euros, ai pedindo mais uma taça de vinho para acompanhar, a conta fechou em 20 Euros. Mas no dia seguinte, comi um Fettuccine Alfredo razoavelmente bom por 10 euros no centro de Veneza. Em Viena eu lembro de ter pago 14 euros num wiener schnitzel + uma cerveja num restaurante do centro. se for provar a outra especialidade vienense, um pedaço de Sachertorte + um café custa uns 10 euros... Pela minha experiência, 20 euros dá se você priorizar mais fast food, comida industrializada, e pratos básicos(pasta, risotos, steaks, etc), que são iguais em todas cidades do mundos, mas se for querer provar as especialidades da cozinha local, você acaba gastando um pouco mais que isto.
  21. Quanto tempo ficar na Polônia depende muito dos seus interesses, mas Varsóvia não é uma cidade com muitos atrativos turísticos, em 1 dia você visitou praticamente tudo o que há de interessante para se ver por lá, no segundo dia você já tem que começar a pensar e procurar para achar algo de interessante para ver e fazer. Cracóvia é o principal destino turístico na Polônia, 3 dias inteiros é um tempo bom para conseguir ir visitar o principal, mas tem que ser 3 dias inteiros e não só 3 noites, com você chegando no meio do primeiro dia e indo embora no meio do terceiro dia, isto na prática lhe deixa só com 1 dia realmente aproveitável. O campo de concentração de Auschwitz consome um dia inteiro para você visitar,  a Mina de Sal de Wieliczka consome uma manhã ou uma tarde, e o centro de Cracóvia consome outro dia, ficando meio dia de "folga" para você fazer algo não previsto ou relaxar. A terceira cidade mais visitada por turistas na Polônia é Wrocław ou Breslavia em português, não é uma cidade grande, em 1 ou 2 dias no máximo você visitou tudo. A menos que você seja do tipo que gosta de fazer treking nas montanhas e mata, Zakopane não vale muito a pena fora do inverno. Então somando uns 2 ou 3 dias em Zielonka/Varsóvia, aproveitando a estadia na casa da sua amiga, mais uns 3 dias em Cracóvia, mais 1 dia em Wrocław, mais 2 ou 3 dias de deslocamento entre as cidades, totaliza uns 10 dias na Polônia, é o suficiente para você ver o básico das 3 principais cidades do país. Ai somando mais uns 3 ou 4 dias na cidade por onde o seu voo chegar, afinal de contas seria um pecado estar em Madrid, Paris, Roma, Frankfurt etc e perder a chance de visitar a cidade, mais o dia de chegada e o da volta que costumam ser dias meio perdidos onde não se consegue aproveitar muita coisa, totaliza uns 15 dias de viagem.
  22. Eu evitaria ao máximo ir no inverno, entre novembro e março, é frio demais, a ponto de atrapalhar um monte qualquer passeio que você queira fazer. Este ano nevou e fez -5ºC aqui na Alemanha em Janeiro e já foi um caos, não dava para fazer nada na rua nestes dias, e na Polônia é muito mais frio, custuma fazer -10ºC ou mesmo -15ºC durante o inverno, o que deixa praticamente impossível qualquer atividade na rua. Eu tentaria programar esta viagem para a meia temporada, entre maio e junho e entre setembro e Outubro, são meses onde os dias já são bem longos, não escurece mais as 3 da tarde, as temperaturas são agradáveis, variando de 10ºC a 25ºC, o que é uma temperatura boa para fazer passeios sem morrer de frio ou calor. E o melhor, as passagens aéreas costumam ser bem mais baratas nestes meses do que no auge do verão europeu em julho e agosto e no final final do ano. Em relação a comprar passagens direto para a Polônia, elas são bem caras mesmo, e 8 mil não é um valor fora da realidade não para uma passagem "direto" pra Polônia. O que muita gente faz, é comprar passagens para algum outro destino que tenha promoções frequentes, como por exemplo para Madrid, Paris, Frankfurt, ficar alguns dias nesta cidade para conhecer a cidade, e depois pegar um outro voo numa low-cost até a Polônia, e no final da viagem, pega um voo de volta a cidade por onde você chegou 1 dia antes, para pegar o voo de volta ao Brasil. Mas isto é uma coisa que você tem que pesquisar bem e conferir direitinho os custos, pois de nada adianta você conseguir comprar uma passagem de R$ 1.800 para Frankfurt na Alemanha e depois descobrir que para chegar na Polônia você terá que pegar outro voo que custa 400 Euros (R$ 2.000) ida e volta. Neste caso poderia ser melhor pegar um voo de R$ 2.200 para Madrid, de onde você consegue achar voos para Polônia por 15 ou 20 euros (R$ 100). Ou seja, exige bastante paciência, pesquisa e simulação de várias opções para achar o que fica mais em conta.
  23. Não sei se você está sabendo, mas depois de ter usado os seus 90 dias, você tem que ficar no mínimo 90 dias fora do espaço Schengen para poder retornar ao espaço Schengen, não basta só sair e voltar uma semana depois. E mesmo que você fique 90 dias fora, o policial da imigração pode querer saber como você está pagando por tudo isto sem trabalhar, e ai é bom ter uma história convincente para contar, e que não envolva estar trabalhando lá... Pelo que entendi, o que você quer fazer, apesar de em teoria não ser tecnicamente ilegal, Eu iria na opção 1, mas esteja ciente de que o seu plano, apesar de tecnicamente não ser ilegal, pode impedir a sua entrada, pois você estaria usando de subterfúgios questionáveis para tentar burlar a regra de permanência, e isto pode ser suficiente para impedirem a sua entrada caso desconfiem de algo. E ai se você for flagrado ilegalmente lá na Europa, ferrou, com todo xenofobismo que está rolando atualmente, as chances de você ser expulso e impedido de retornar por muitos anos são bem grandes.
  24. Olá. você está completamente equivocado em relação a suécia ser mais barata, a Suécia é um destinos mais caros de toda Europa, tudo lá é muito mais caro do que na Itália, Espanha, Portugal e Portugal que usam euros. Você não pode olhar só o valor da moeda, tem que ver quanto que efetivamente vai pagar, por exemplo, uma diária de hostel em Estocolmo custa pelo menos umas 200 Corroas Suecas, e quando você for converter estas 200 coroas para euros, vai ver que dá quase 20 euros, mais caro do que você pagaria num hostel em Lisboa, Madrid, Praga, Budapeste, Roma, etc... Numa pesquisa rápida, uma semana no hostel mais baratinho próximo do centro de Estocolmo e que tenha uma qualidade aceitável, custa 1.600 Coroas Suecas , o que dá 150 Euros. Uma semana nas mesmas datas num hostel em Lisboa custa 80 euros, uma semana num hostel em Barcelona custa uns 120 euros, uma semana num hostel em Roma custa uns 120 euros, em Berlin custa uns 120 euros, em Praga e Budapeste uns 80 Euros... Alem disto, o custo de vida é bem mais caro na Suécia, comida é cara, supermercado é caro, transporte é caro, bebida e baladas são caras, etc... Tudo isto ajuda a levar o custo lá para cima.
  25. Passe de metrô para andar dentro da cidade? Se for este, deixe para comprar lá mesmo, na maioria das cidades nem dá para comprar pela internet, ou se tiver, o custo do frete do cartão do metrô até o brasil geralmente é mais caro do que tudo o que você gastaria de metro. Algumas empresas pedem para apresentar o cartão usado na compra e outras não. Faz tempinho que não viajo com a Thalys, mas a última vez, a 2 anos atrás não precisava apresentar o cartão usado na compra. Mas isto é uma coisa que você deve evitar de fazer, em caso de suspeita de fraude eles podem pedir para você apresentar o cartão usado na compra, e ai se o cartão não estiver no seu nome, pode acabar até envolvendo polícia... Se você comprou direto no site da Thalys ou eurostar, o valor pago já inclui assento reservado, e é aquele que consta no seu ticket/bilhete. Somente quem vai viajar usando passes de trem como o Eurail é que precisa reservar assento, mas compras direto no site da empresa já incluem assento reservado. O bilhete/ticket impresso que você recebeu no e-mail + passaporte, e cartão de crédito usado na compra quando solicitado, é tudo o que você precisa para embarcar, não precisa retirar nada na bilheteria. Não precisa carregar em euro, se o seu cartão pré-pago for em Reais, ele converte automaticamente o valor para Reais. se não conseguir comprar no site da eurostar, tente comprar no site da SNCB ( www.b-europe.com/EN) que é uma das sócias do Eurostar, as vezes não dá certo num site, mas dá certo no outro. Apesar de o cartão ser internacional, geralmente as compras internacionais vem bloqueadas por questão de segurança, antes de usar o cartão no exterior ou fazer alguma compra internacional em muitos casos é necessário entrar no site do banco emissor do cartão e cadastrar um "Aviso de Viagem" para o período em que você vai usar o cartão ou fazer as compras. A maioria dos sites da Europa usa um mecanismo de segurança adicional chamado "Verified by Visa" ou "Mastercard Secure Code", que nada mais é do que uma tela adicional onde são solicitadas algumas informações pessoais suas ou alguma "chave de segurança" fornecida pelo seu banco. O problema é que alguns cartões pré-pagos não implementaram estes mecanismos de segurança, e se o seu cartão não tiver "Verified by Visa" ou "Mastercard Secure Code", não vai ser possível usar ele em sites que requerem este mecanismo de segurança. Tente descobrir no site do cartão se eles tem este serviço, e se precisa ativar ele ou não. Alguns sites oferecem a opção de converter a compra para Reais direto no site, recuse esta opção, pois pela legislação brasileira, compras realizadas com cartão no exterior devem ser sempre realizadas na moeda local do pais onde você fez a compra, se o site estrangeiro tentar cobrar o valor em Reais, a compra será negada. E confira se tem saldo suficiente, pois alem do valor da passagem convertida para Reais será cobrado mais o IOF, e pode acontecer de isto estar ultrapassando o saldo que você tem no cartão. Estes são os problemas mais comuns relacionados a compras com cartão em sites do exterior. Se mesmo assim você não conseguir comprar, você pode ir numa casa de câmbio e fazer um outro cartão pré-pago em Euros, carregar ele com alguns Euros e tentar fazer a compra com este outro cartão que já vai estar em euros e não precisa mais converter os valores no momento da compra, pois os valores já foram convertidos no momento em que você carregou o cartão. E por fim, se nada disto der certo, você pode tentar comprar no site da www.raileurope.com.br, eles cobram uma taxa adicional, mas se não tiver jeito de funcionar das outras formas, fazer o que...
×
×
  • Criar Novo...