Ir para conteúdo

poiuy

Membros
  • Total de itens

    1.841
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    35

Respostas postados por poiuy


  1. 8 horas atrás, Ucolombini disse:

    Estou com um projeto para ir de kombi da america do Sul até o Alaska... alguém já viu a possibilidade de atravessar de barco?

    Atravessar o que? O estreito de Bering?

    O pessoal que faz volta ao mundo de carro ou moto costuma despachar de navio ou avião entre Anchorage  e  Vladivostok.

    Existem algumas empresas de frete marítimo ligando Anchorage no Alaska e Vladivostok na Russia, é só você contratar uma, colocar a sua kombi num conteiner e despachar pelo navio como frete, ir para Vladivostok  de avião e esperar a kombi chegar 5 ou 7 dias depois...

     


  2. 10 horas atrás, Fernando Nunes disse:

    Pessoal seguinte, estou a procura de um pais pra fazer trabalho voluntario. Tenho pouca grana, no caso nao tenho como fazer a comprovação de renda exigida para estadia. Apesar de ter acomodação com alimentação, existe alguma forma alternativa comprobatória?

    Alguma sugestão  de paises desenvolvidos que seja bom pra trabalhos informais? Tirando Australia e Nova zelandia. Obrigado

    Trabalho informal é ilegal, e você está sujeito a ser deportado, ficar com "ficha suja" e ser impedido de entrar na Europa por muitos e muitos anos!

    Na Europa, os únicos locais onde brasileiros podem fazer trabalho voluntário legalmente são em organizações que fazem trabalho social, e que são devidamente autorizados e reconhecidos assim pelo governo local, brasileiros fazendo trabalho "voluntário" em hosteis, restaurantes, bares, fazendas, etc, é considerado trabalho ilegal, e sujeito a deportação e expulsão caso você seja flagrado em alguma fiscalização.

    No Reino Unido, você precisa de um Visto Tier 5 para fazer trabalho voluntário, mas brasileiros não são qualificáveis para este visto.

    Nos países do Espaço Schengen, brasileiros até podem fazer trabalho voluntário, desde que seja em uma organização de cunho social, precisa de uma carta de aceitação do local,  mas isto não elimina a necessidade de você comprovar que possui recursos suficientes para a estadia, o policial da imigração muito provavelmente vai querer saber como você vai fazer para se sustentar.

    Você já pensou se você chega lá, e não se adapta no lugar onde conseguiu um trabalho e é "demitido" ou "pede demissão" na segunda semana? Sem dinheiro para se sustentar, você vai acabar dormindo na rua caso não arranje um outro local logo!

    A forma mais "fácil" de conseguir um trabalho no exterior sem apelar para trabalho ilegal sujeito a deportação e expulsão, é através de um visto de estudante, alguns países permitem que pessoas com visto de estudante trabalhem legalmente meio-período ou nos finais de semana/férias.

    Mas um visto de estudante é caro! Geralmente você precisa contratar e pagar antecipado pelo menos 6 meses de curso, e comprovar que possui dinheiro suficiente para se sustentar por pelo menos 6 meses.

     

    Em resumo, trabalho voluntário legalizado em países desenvolvidos sem você ter dinheiro suficiente para a estadia, é virtualmente impossível para brasileiros.


  3. Eu fiquei com a mesma curiosidade do FRCO, também nunca tinha ouvido falar da existência deste lugar, e estendi um pouco mais a pesquisa:

    Varela - Guine Bissau, é um povoado minusculo,  com menos de 700 habitantes, fica nos limites de um parque nacional, numa região muito pouco povoada e sem infraestrura.

    Então acho que vai ser difícil você encontrar alguém que tenha ido para lá, ou que pelo menos tenha ouvido falar de lá...

    O que me leva a perguntar, como que você chegou na ideia de escolher este local em específico?


  4. A mesma coisa acontece na Dinamarca.

    Na Dinamarca a maioria dos locais continua a aceitar dinheiro em espécie, mas volta e meia tem problema com o troco, pois como quase não circula dinheiro em espécie, frequentemente eles não tem troco para lhe devolver, então se for pagar com dinheiro em espécie, é bom ter o valor exato, ou já estar ciente que pode ter que dar uma gorjeta maior que o desejado.

    Quando estive lá, no primeiro dia fui pagar um café com dinheiro, já perdi 1,80 kr por que o caixa não tinha trocado suficiente, na hora do almoço de novo a mesma coisa, o caixa não tinha trocado, e tive que deixar uma gorjeta bem maior que o desejado! A conta tinha dado algo como 79 kr, mas tive que arredondar para 100 kr.

    Depois disto, a menos que eu tivesse o valor exato da conta em dinheiro, eu pagava com cartão.


  5. Em 30/05/2020 em 19:30, [email protected] disse:

    Pessoal, alguem pode me indicar lugares que aceitam trabalhos voluntários no Reino Unido em troca de hospedagem e alimentação?

    Já verifiquei a lista no site do governo, porém é muito grande. Então queria indicação de lugares de quem já fez. Podem me indicar?

    Watsapp: 34988001666

     

    11 horas atrás, LucasGBrito disse:

    Também gostaria de saber

    Mesmo o Reino Unido não fazendo mais parte da UE (União Europeia), o Davi está correto.

    Para fazer trabalho voluntário no Reino Unido você precisa de um Visto Tier 5, mas tem um problema, a menos que tenha mudado recentemente, o que acredito que não tenha ocorrido, brasileiros não são qualificáveis para tirar visto Tier 5.

    Então legalmente, brasileiros não podem fazer trabalho voluntário no Reino Unido e nem no resto da Europa, mas isto não quer dizer que não tenha várias brasileiros trabalhando ilegalmente e sem registro.

    Mas ai é uma questão de você avaliar se vale a pena o risco de ser barrado na imigração por não saber explicar o que vai fazer lá e perder o monte de dinheiro investido nas passagens, viver o tempo todo com medo, se escondendo das autoridades, para não acabar sendo flagrado numa fiscalização e ser deportado, sujando a sua ficha e ficando impedido de retornar para lá por muitos e muitos anos.


  6. Opinião pessoal, nenhuma delas!!

    São mochilas caras demais para o estilo e propósito da sua viagem, para o tanto de espaço que você vai desperdiçar com estas mochilas, e para o fato de você não saber quando vai usar ela novamente.

    Alem de serem super caras, custam mais de R$ 1.000, estas mochilas são altas demais, tem 70 cm de altura, e para caber no limite de 40 cm das low-cost, você teria que deixar que quase metade vazia.

    Sendo sincero, gastar mais de 1.000 Reais para uma mochila que você vai deixar meio vazia na maior parte do tempo, é um grande desperdício de dinheiro, este monte de dinheiro seria melhor usado fazendo passeios e atividades interessantes durante o seu mochilão, e não investindo numa mochila super cara que vai ser sub-utilizada durante a maior parte da viagem.

    Para um primeiro mochilão, eu compraria uma mochila mais barata, existem boas mochilas com capacidade de 40 L, e com um custo benefício bem melhor para quem está começando, eu só investiria dinheiro numa mochila cara destas, depois que já tiver certeza de que vou usar ela muitas vezes depois.

    Falo isto, por que aparentemente esta será a sua primeira viagem, e como você não tem experiência em fazer mochilão, você pode chegar a conclusão que viajar com um uma mochila de 30 Litros é suficiente, mas também pode chegar a conclusão de que é a capacidade máxima pelas low-cost é muito pouco para você, que você precisa de uma mochila maior.

    Também tem que levar em conta a época da sua viagem, se for durante o inverno, você leva mais roupa, e elas são mais volumosas do que roupas de verão, e ai os 30 litros de capacidade das low-cost pode se pouco, e você precisa levar uma mochila maior e pagar para levar uma bagagem maior 

    Mas ai vem a questão de que estas mochilas são muito finas e altas, mesmo pagando a taxa adicional, estas mochilas ficariam fora dos limites máximos, que é 55 cm de altura, e mesmo pagando a taxa extra, você ainda teria que viajar com ela meio vazia para conseguir fazer ela caber dentro do gabarito medidor de bagagens.

    E por fim, tem a questão de quando que você vai usar novamente uma mochila destas, para alguém que viaja ou acampa frequentemente, pode valer a pena investir numa mochila tão cara, mas para alguém que não sabe quando vai viajar ou acampar novamente, é muito dinheiro investido correndo o risco de ficar juntando pó no armário por vários anos.

    E mesmo que as mochilas mais baratas não sejam tão duráveis, com o preço que você pagaria nestas mochilas, com este dinheiro daria para comprar 5 ou 6 mochilas de outras marcas mais em conta, ou seja, daria para você comprar uma mochila nova a cada 15 dias da sua viagem, e ainda sobraria dinheiro...

    Já que você vai viajar de avião low-cost, eu sugeriria que você procurasse uma mochila que não seja tão alta, com 70 cm de altura, estas mochilas são altas demais, e você perde muito espaço se precisar deixar ela meio vazio para caber nos limites das low-cost. procure um modelo que seja um pouco mais largo ou profundo e não tão alto, é mais fácil de conseguir fazer passar nos medidores de bagagem do que um salsichão comprido e fino que são estas mochilas..

     

     

     

     

    • Gostei! 1

  7. Já que a ideia seria fazer de carona, o ideal seria você começar pelo sul da America do Sul (Uruguai, Argentina, Chile) e ir "subindo" passando por Bolívia, Peru, Colômbia, etc... 

    Mas ai começam a aparecer algumas questões, que talvez você não tenha pensado, e que podem complicar e mudar completamente os seus planos.

    Até a Colômbia, você consegue ir por via terrestre, e pegar carona se for o caso, mas para sair da Colômbia só de avião, pois entre a Colômbia e Panamá há o famoso Darién Gap, uma faixa de 160 Km de mata, onde não há estradas, e é uma região dominada por traficantes e paramilitares, onde até o exército tem receio em entrar...

    Do Panamá em diante, daria para ir por terra novamente e de carona, mas as estradas do interior da América Central não são exatamente um lugar muito seguro para alguém ficar pedindo carona sozinho na beira da estrada, é uma região com criminalidade muito alta.  

    Depois do Mexico, tem a questão dos vistos para os EUA e Canada, que você precisa solicitar antecipadamente, e que podem levar semanas ou mesmo meses para sair.

    Imaginemos que você conseguiu chegar até os EUA ou Canada, como você vai fazer para sair de lá para ir para continuar a sua volta ao mundo? Vai cruzar o Oceano Atlântico ou Pacífico a nado? Ou pegar carona num navio de carga?

    Até dá para pegar carona em navios, mas não é algo fácil de conseguir, demora meses para conseguir uma carona, e quando consegue uma carona, as vezes é para daqui a várias semanas ou meses, então a melhor forma de continuar a viagem seria de avião, e passagem de avião pode custar bastante dinheiro caso você não se planeje e compre as passagens com vários meses de antecedência...

    Na America e Europa, é relativamente fácil de se comunicar se você falar inglês ou arranhar algum espanhol, mas e depois? Quando você chegar naqueles países onde quase ninguém fala português, inglês ou espanhol, como que você vai fazer para se virar e pedir carona, se nem conseguir pronunciar direito o nome da cidade para onde quer ir?

    Ou seja, amadureça mais esta ideia, não fique achando que é só jogar a mochila nas costas e ir para a beira da rodovia pedir carona, uma viagem de volta ao mundo mesmo que seja de carona exige bastante planejamento e preparação, e principalmente um bom planejamento financeiro, para que você não acabe sem dinheiro já no segundo ou terceiro mês, dormindo na rua e mendigando por um prato de comida, sem dinheiro nem para voltar para casa.

    O pessoal que faz uma volta ao mundo, geralmente passa meses ou mesmo anos pesquisando e planejando a viagem, não é algo que se faça sem planejamento e sem uma boa preparação para a viagem.

    Comece lendo relatos e roteiros de outros mochileiros, assim você vai se familiarizando com a ideia, vai descobrindo locais interessantes para passar, e pode ir definindo o roteiro de acordo com os seus interesses e gostos pessoais, pois cada pessoa tem preferências e gostos diferentes, o que eu achar legal, você pode achar uma chatice, e vice-versa.

    Aqui mesmo no site tem milhares de relatos bem completos, e se for no google, vai achar muitos mais, já que aparentemente viagens internacionais vão ser algo para se fazer só depois de 2021, aproveite este momento de pandemia, para ler ver o máximo de roteiros e relatos de viagem de todos os continentes, assim você já vai ter uma boa ideia de por onde começar e como funciona a coisa...


  8. Já que a ideia seria fazer de carona, o ideal seria você começar pelo sul da America do Sul (Uruguai, Argentina, Chile) e ir "subindo" passando por Bolívia, Peru, Colômbia, etc... 

    Mas ai começam a aparecer algumas questões, que talvez você não tenha pensado, e que podem mudar completamente os seus planos.

    Até a Colômbia, você consegue ir por via terrestre, e pegar carona se for o caso, mas para sair da Colômbia só de avião, pois entre a Colômbia e Panamá há o famoso Darién Gap, uma faixa de 160 Km de mata, onde não há estradas, e é uma região dominada por traficantes e paramilitares, onde até o exército tem receio em entrar...

    Do Panamá em diante, daria para ir por terra novamente e de carona, mas as estradas do interior da América Central não são exatamente um lugar muito seguro para alguém ficar pedindo carona sozinho na beira da estrada, é uma região com criminalidade muito alta.  

    Depois do Mexico, tem a questão dos vistos para os EUA e Canada, que você precisa solicitar antecipadamente, e que podem levar semanas ou mesmo meses para sair.

    Imaginemos que você conseguiu chegar até os EUA ou Canada, como você vai fazer para sair de lá para ir para continuar a sua volta ao mundo? Vai cruzar o Oceano Atlântico ou Pacífico a nado? Ou pegar carona num navio de carga?

    Até dá para pegar carona em navios, mas não é algo fácil de conseguir, demora meses para conseguir uma carona, e quando consegue uma carona, as vezes é para daqui a várias semanas ou meses, então a melhor forma de continuar a viagem seria de avião, e passagem de avião pode custar bastante dinheiro caso você não se planeje e compre as passagens com vários meses de antecedência...

    Na America e Europa, é relativamente fácil de se comunicar se você falar inglês ou arranhar algum espanhol, mas e depois? Quando você chegar naqueles países onde quase ninguém fala português, inglês ou espanhol, como que você vai fazer para se virar e pedir carona, se nem conseguir pronunciar direito o nome da cidade para onde quer ir?

    Ou seja, amadureça mais esta ideia, não fique achando que é só jogar a mochila nas costas e ir para a beira da rodovia pedir carona, uma viagem de volta ao mundo mesmo que seja de carona exige bastante planejamento e preparação, e principalmente um bom planejamento financeiro, para que você não acabe sem dinheiro já no segundo ou terceiro mês, dormindo na rua e mendigando por um prato de comida, sem dinheiro nem para voltar para casa.

    O pessoal que faz uma volta ao mundo, geralmente passa meses ou mesmo anos pesquisando e planejando a viagem, não é algo que se faça sem planejamento e sem uma boa preparação para a viagem.

    Comece lendo relatos e roteiros de outros mochileiros, assim você vai se familiarizando com a ideia, vai descobrindo locais interessantes para passar, e pode ir definindo o roteiro de acordo com os seus interesses e gostos pessoais, pois cada pessoa tem preferências e gostos diferentes, o que eu achar legal, você pode achar uma chatice, e vice-versa.

    Aqui mesmo no site tem milhares de relatos bem completos, e se for no google, vai achar muitos mais, já que aparentemente viagens internacionais vão ser algo para se fazer só depois de 2021, aproveite este momento de pandemia, para ler ver o máximo de roteiros e relatos de viagem de todos os continentes, assim você já vai ter uma boa ideia de por onde começar e como funciona a coisa...


  9. Complementando, a forma mais eficiente de seus pais "pararem de encher o seu saco" a respeito do assunto, é você conquistar a confiança deles, e provar que você está bem preparado para uma aventura destas.

    Agora como conquistar a confiança deles, tem várias formas, vai deste o seu comportamento do dia-a-dia, até questões financeiras, eu poderia citar alguns exemplos de coisas que você poderia fazer provar que está preparado:

    Por exemplo, você já viajou sozinho, e já ficou totalmente por conta própria em outra cidade por uns 4 ou 5 dias?  Se nunca viajou sozinho ou ficou por conta própria por mais que 2 ou 3 dias, nas próximas férias, faça algumas viagens mais curtas, de uma semana por exemplo, e para locais próximos, algo como ir passar o final de semana numa cidade próxima, fazer uma viagem de uma semana para um local próximo, etc.

    É mais fácil convencer o país a permitirem você a fazer viagens curtas, e depois que você tiver feito algumas, e não tiver tido problemas, os seus pais terão mais confiança em você, pois saberão que você é responsável e que sabe se virar sozinho.

    Você tem alguma reserva de dinheiro para começar a viagem? Se você cair na estrada com a mochila e violão nas costas, sem um tostão furado no bolso, já na primeira semana você estará passando fome mendigando por um prato de comida, pois leva um tempinho até você conseguir "pegar o jeito da coisa", descobrir onde pode conseguir algum dinheiro, comida e um local para dormir, onde tocar violão funciona ou não funciona, etc...

    E mesmo quando você já tiver "pego o jeito da coisa", sempre tem aqueles dias onde nada dá certo, onde você não consegue carona, não consegue achar um couchsurf, não consegue arranjar comida, não consegue nenhum dinheiro, etc... E se não tiver nenhuma reserva para estes dias, você com certeza vai passar fome ou ter que dormir na rua.

    Uma reserva de emergência serve para estes momentos onde tudo dá errado, e se você tiver uma reserva de emergência, os seus país ficarão mais tranquilos, pois saberão que se a coisa apertar, você terá algum dinheiro para estes momentos e não vai passar fome ou ter que dormir na rua.

    Para viagens mais longas, caso você não tenha dinheiro suficiente para bancar toda a viagem, ter um plano bem concreto e viável de como conseguir ganhar algum dinheiro durante a viagem, e provar que você é capaz de colocar isto em prática, também trará confiança para seus pais.

    Por exemplo, você falou que sabe tocar violão, mas já tentou se apresentar na praça ou na rua aí da sua cidade, para ver se você tem jeito para apresentações em público e consegue algum dinheiro?  Pois tocar em casa, no seu quarto, ou para meia duzia de amigos é bem diferente do que se apresentar para o público.

    Estes são só alguns exemplos de coisas que você fazer para conquistar a confiança dos seus pais, e se você for bem sucedido nestes exemplos, irá ganhando a confiança dos seus pais, e eles não estarão mais tão preocupados, pois saberão que você é responsável e que sabe se virar por conta própria, e que está preparado para esta aventura. 

     

       

    • Gostei! 1

  10. Com tudo o que está acontecendo, você tem certeza de que é um bom momento para você ficar viajando por aí, passando por um monte de locais diferentes, expondo a si próprio e a centenas de outras pessoas ao risco de serem contaminadas?

    • Vou acompanhar! 1

  11. Cara na real, morrer de fome você não vai, mas acabar morando na rua, mendigando por uns trocados ou por um prato de comida, isto tem grande chance sim de acontecer se você simplesmente resolver sair de casa sem dinheiro e sem um plano bem definido do que fazer.

    As histórias que você vê na internet, de pessoas que saíram por ai fazendo mochilão roots, sem dinheiro e sem planos, são só os menos de 1% de pessoas que tiveram sucesso no projeto, o que você não vê por aí, são os outros mais 99% de mochileiros roots que fracassaram e acabaram morando na rua, mendigando, envolvidos com tráfico ou crime, ou que tiveram que ligar para a mamãe já na segunda semana de estrada, pedindo dinheiro para comprar comida quando a fome apertar...

    Toda noite as marquises de qualquer cidade grande ficam cheias de pessoas, muitos delas são pessoas que saíram de casa para rodar o mundo sem rumo e compromisso...

    Pessoalmente eu conheço algumas pessoas que saíram para fazer mochilão mais roots sem grana e por tempo indeterminado, dos que eu conheço:

    Um deles está preso por tráfico de drogas na Bolívia, outro estava morando na rua na última notícia que eu tive dele, um deles estava internado numa clima de reabilitação, pois acabou se viciando em drogas, e uns 2 ou 3 eu nunca mais tive nenhuma notícia, nunca mais conversei com eles e faz anos que não dão sinal de vida nas redes sociais...

    Dos meus conhecidos que saíram para fazer mochilão mais roots por tempo indeterminado, somente dois estão sendo relativamente bem sucedidos:

    Um deles se sustentava fazendo malabarismo nos cruzamentos, segundo o que ele contava, ele trabalhava 5 ou 6 horas por dia, 7 dias por semana, fazendo malabarismo, e conseguia juntar uma boa grana, o suficiente para pagar hostel, alimentação e outras necessidades básicas, mas ele também conta que faz um boa reserva de dinheiro antes de cair na estrada, para não ter que dormir na rua e mendigar por um prato de comida já na segunda semana que não conseguir ganhar dinheiro suficiente para pagar um hostel e um prato de comida...

    O outro, estava rodando a América do Sul trabalhando em restaurantes, ele trabalha 2 ou 3 meses num local, depois seguia para outra cidade, arranjava outro emprego como garçom ou lavador de pratos,  trabalhava mais 2 ou 3 meses, mudava de cidade novamente...

    Ou seja, um mochilão roots, sem grana e sem saber fazer nada não é fácil, a grande maioria das pessoas que tenta isto acaba em condição de rua em poucas semanas, somente muitos poucos conseguem ter sucesso.

    Então pense bem se você está disposto a passar por isto, se não estiver, tenha um plano muito bom em como onde arranjar o comer e onde dormir depois que o seu dinheiro acabar na segunda semana de estrada...

    • Gostei! 3

  12. 3 horas atrás, Caio colombi disse:

    Bom dia pessoal,

    Este ano estou com esse problemão também, porém creio que piorado rs. Comprei o pacote todo com a Decolar, hotel e passagens, e até o momento não consegui retorno ou informações realmente esclarecedoras por parte deles. Já fiz algumas viagens e sempre compro tudo a parte, porém para Cancún saia tudo mais caro. ( Imagino que por ser muito turístico tenham muitas parcerias com agencias de viagens.

    Problema a principio é que eles me dão uma condição pra passagem, mas pro hotel dizem que tem que alterar diretamente com o hotel. Não quero fechar algo com o hotel e depois ficar quebrando a cabeça se vou e quando vou conseguir voos disponíveis na mesma data para que não haja um desencontro. Nem me responsabilizar por isto caso haja falhas no sistema.

    Já que fechei um pacote seria obrigação deles me oferecerem uma condição casada certo? assim como fizeram da primeira vez?

    só pra piorar, são reservas pra 6 pessoas. 

    Diferentemente das passagens aéreas que tem uma legislação clara e definitiva tratando os problemas causados em relação ao COVID, a legislação em relação a pacotes de viagem não é muito clara.

    A Media Provisoria Nº 948 que trata do assunto é meio vaga, e na verdade sugere que tente-se chegar a um acordo entre as partes para a solução do problema.

    Segundo o entendimento jurídico que está sendo adotado pelo PROCOM em muitos casos relacionados a pacotes de viagem:

    "Trata-se de caso fortuito externo, isto é, evento imprevisível fora dos riscos normais do negócio (catástrofe natural). Caracteriza também força maior, tendo em vista sua irresistibilidade, excluindo o dever de indenizar de ambas as partes. Ninguém teve culpa e nem deu causa ao cancelamento."

    Ou seja, é uma situação totalmente excepcional, onde a princípio não se aplica a legislação existente, e o que os PROCONS estão orientando nestes casos é que a solução para o caso seja conseguida através de acordo entre as partes, com cada uma das partes cedendo um pouco para chegar a um acordo que minimize os danos para ambas as partes.

     

     

    Pessoalmente, se eu estivesse na sua situação, eu não escolheria datas agora, eu tentaria insistir em negociar para receber créditos do valor integral do pacote, para utilização futura, pois marcar qualquer coisa neste momento é muito arriscado.

    Mas como citei acima, é uma situação totalmente excepcional, e fora do que a legislação estabelece, onde a única solução é a negociação entre as partes para chegar num acordo que prejudique o menos possível ambas as partes. 

     

     

     


  13. 2 horas atrás, Fabrício Zílio de Souza disse:


    É o negócio será aguardar... Já estou dando como perdido pra falar a verdade!emoji20.png

    O negócio é ter paciência e não ficar desesperado agora, aceitando qualquer tipo de acordo, ou querer viajar desesperadamente nos próximos meses, sendo que a viagem pode ser bem prejudicada.

    No caso das passagens aéreas, há uma legislação especifica tratando sobre a questão o COVID, a Medida Provisória nº 925 diz o seguinte:

    Citar

    Art. 3º  O prazo para o reembolso do valor relativo à compra de passagens aéreas será de doze meses, observadas as regras do serviço contratado e mantida a assistência material, nos termos da regulamentação vigente.

    § 1º  Os consumidores ficarão isentos das penalidades contratuais, por meio da aceitação de crédito para utilização no prazo de doze meses, contado da data do voo contratado.

    Ou seja, como a sua viagem era no começo de maio de 2020, o crédito que eles lhe oferecem deve valer no mínimo até maio de 2021.

    Se optar por receber créditos e lhe oferecerem credito com validade menor, não aceite, e cite que a Medida Provisória nº 925 estabelece claramente a validade do crédito, insista para conseguir créditos com esta validade.

    Já em relação aos reembolsos, a MP nº 925 fala que continuam a valer as regras de antes, ou seja, se o cancelamento for solicitado pelo consumidor, a companhia aérea pode descontar a multa contratual do valor a ser devolvido, mas se o cancelamento for por parte da companhia aérea, é obrigatório devolver o valor integral dentro do novo prazo de 12 meses.

    Caso queira tentar o reembolso, você pode insistir nisto, que o cancelamento partiu da companhia aérea, e que você teria direito a reembolso integral.

    Mas o negócio é ter paciência e negociar, não aceitar logo de cara condições muito ruins para você, e continuar a insistir em tentar receber compensações o mais próximo possível do que estabelece a legislação especifica para este caso estabelece.

     


  14. 18 horas atrás, Fabrício Zílio de Souza disse:

    Como eu não optei em tempo expirou a indagação sobre se eu queria o irrisório ressarcimento ou não. Assim, reabrir a opção de remarque. Tentei o remarque para setembro, outubro, mas deu como não disponível. Creio que seja pelo fato de que não está aberta a fronteira. Assim que abrir a Espanha, deverá ter a opção para remarcar.

    O governo da China publicou uma norma esta semana, suspendendo a grande maioria dos voos internacionais até o final de outubro, somente alguns poucos voos internacionais estarão autorizados a operar, e o voo Pequim x Madrid e a continuação dele até São Paulo foi um dos voos que estão cancelados completamente até final de Outubro, inclusive não estão disponíveis no site da Air China.

    No seu caso, o problema é dobrado, pois não basta a Espanha reabrir as fronteiras, tem que esperar a China também reabrir as fronteiras, enquanto uma delas estiver com as fronteiras fechadas, o voo não vai acontecer, pois mesmo com a fronteira da Espanha aberta, se a fronteira da China estiver fechada, o primeiro trecho do voo de Pequim até Madrid não vai ocorrer, e aí naturalmente o trecho até São Paulo também não vai ocorrer, e o contrário também, mesmo que a fronteira da China esteja aberta, se a da Espanha estiver fechada, o voo também não ocorre.

    E com o foco do COVID-19 se deslocando para o Brasil agora e aparentemente fora de controle, eu não ficaria surpreso se nas próximas semanas os outros países começarem a proibir a entrada de brasileiros....

    E com toda esta incerteza, com a suspensão dos voos podendo ser estendida a qualquer momento, as agências e sites estão sendo, e vão continuar sendo bem cautelosos e conservadores em permitir remarcar viagens nos próximos meses, pois se remarcar agora, e daqui a algumas semanas o voo for cancelado novamente, ou se brasileiros forem impedidos de entrar, volta a mesma dor de cabeça de antes.

    Opinião pessoal minha, eu desistiria de viajar este ano, ou ao menos faria planos só para Novembro/Dezembro em diante, já sabendo que podem ser cancelados, pois até o final deste ano não vai dar para ter certeza de nada em relação ao status dos voos, certeza mesmo de que o voo vai sair, você só vai ter mesmo só uma semana antes, então qualquer programação agendamento de viagens provavelmente vai ter que ser feito meio em cima da hora, ou então se conseguir agendar com mais antecedência, já estar bem ciente de que há grandes riscos de o voo ser cancelado ou ter a data alterada. 

    • Gostei! 1

  15. Pelo que alguns parentes meus que trabalham com frete no sul do Brasil comentaram, aparentemente não existem bloqueios nas rodovias, mas sim alguns bloqueios nas entradas de algumas cidades.

    Então se você se mantiver nas principais rodoviais e não entrar nas cidades, em teoria não deve pegar bloqueios, mas isto é só teoria, nenhum deles efetivamente andou por todas as rodoviais da região, e você teria que ver se a cidade da sua mãe não tem algum tipo de bloqueio.

    Um detalhe, a quantidade de postos de gasolina, hotel e restaurante de beira de estrada abertos está menor, então é bom se precaver em relação a isto...

    Alem disto, RJ é bem longe do RS, é um trecho bem longo para fazer num dia só, são umas 20 horas de estrada dirigindo sem parar!!   

    O ideal seria dormir em algum lugar no meio do caminho, provavelmente na região metropolitana de Curitiba, que é até onde dá para chegar tranquilamente e de forma segura em um dia (10 ou 12 horas dirigindo), por que dirigir 20 horas sem parar é perigoso até mesmo para quem está acostumado a dirigir várias horas por dia, e para quem não está acostumado a dirigir várias horas seguidas, é mais perigoso ainda!!!

    Mas como a maioria dos hotéis está fechada, vocês podem ter dificuldades em achar um hotel aberto na beira da estrada, seria bom você ter um plano B para isto, ou já procurar um hotel que esteja aberto antes de sair para a estrada.

    Mas se for viajar, é bom você ter um bom motivo para justificar a real necessidade de viajar, para o caso de eventualmente ser parada em alguma fiscalização na estrada.

    E se realmente precisar viajar, viajar o menor número possível de pessoas, para diminuir os riscos que todos estarão expostos na viagem, tanto para vocês que estarão se expondo em vários locais onde circulam muitas pessoas, bem como os riscos que seus familiares estarão expostos com um monte de gente vindo de longe, que passou em um monte de locais diferentes e que podem estar contaminados e assintomáticos...


  16. Como já falaram, a alta do dólar é algo meio relativo, pois da mesma forma que o Real se desvalorizou em relação ao dólar, a moeda de muitos outros países também se desvalorizaram em relação ao dólar, o que anula grande parte do problema do dólar caro, desde que você escolha um destes países cuja moeda também se desvalorizou.

    Mas mesmo que você escolha um destes países que também tiveram a moeda desvalorizada, e os Reais valham bastante para as despesas do dia-a-dia neste país (hospedagem, alimentação, passeios, etc), o dólar ainda vai lhe afetar, pois as passagens internacionais costumam ser cotadas em dólar, e uma passagem para a Tailândia que fora de temporada custa em media 1.500 dólares, vai ficar bem mais cara em Reais...

    Quando eu ainda residia no Brasil, eu não deixava de viajar para o exterior com o dólar alto, o que eu fazia era escolher locais mais baratos e ajustar a duração da viagem, ao invés de viajar para países caros, eu viajava para países mais baratos, onde meu dinheiro rendia mais. Por exemplo, em 2015 eu queria ir para a Austrália, mas o dólar americano e australiano estavam caros demais, mudei de planos e viajei para o Peru. 

    Ou então fazia viagens mais curtas, em 2016 eu queria fazer uma viagem de 30 dias de costa a costa pelos EUA, mas como estava caro demais, virou uma viagem de 15 dias só na costa oeste...

    Ou seja, é mais uma questão de adaptação, você adaptar os seus planos à realidade do momento, mas se você tiver um destino e duração fixos e imutáveis, e você nem cogita em mudar os planos, infelizmente pode ter que esperar bastante tempo para poder viajar...

    Mas se eu fosse esperar o dólar baixar um pouco para viajar, pessoalmente eu esperaria ele voltar a ficar abaixo de R$ 5.00, coisa que os economistas hoje estão prevendo que ocorra somente em 2022, mas como é tudo previsão, tudo pode mudar e já em 2021 pode voltar a ficar abaixo de R$ 5, mas também pode nunca mais ficar abaixo de R$ 5... 

    Então o negócio é já ir ajustando os planos e projetos para esta nova realidade de dólar caro, se baixar, ótimo, dá para fazer uma viagem mais longa ou com mais conforto, mas se não baixar, você já tem um plano pronto para isto...


  17. 14 horas atrás, LisTrancoso disse:

    Muito obrigada pela dica. A minha companhia aérea é a Latam e a volta seria 23 de julho. Até o momento ela está confirmado e eu nem consigo fazer alterações. Inclusive de cidade. Por isso estou tendo que ver essa possibilidade de ir pra Cancún e região. Adorei as dicas de Playa del Carmen. Realmente fazem mais sentido. Obrigada a todo. Vocês são sensacionais. 

    Apesar de a passagem ainda estar confirmada, fique de olho no status do voo, pois as companhias estão mudando e estendendo a suspensão de voos por mais tempo que o previsto.

    Alem disto, a Latam anunciou na sexta-feira passada um grande corte de funcionários no Peru, Colombia, Chile e Equador, e também um grande corte nas rotas operadas a partir destes países.

    As rotas que vão sofrer cortes ainda não foram definidas, mas fique atenta, acompanhando toda semana o status do seu voo. 

     


  18. Como nas vizinhanças do Brasil não temos problemas com guerras ou terrorismo, e como o que acontece na Africa ou Ásia não costuma aparecer na mídia brasileira, muitos brasileiros aparecem com planos ousados de viagem sem ter a menor ideia do tamanho da encrenca onde podem acabar se enfiando com roteiros passando por países em situação politica ou de segurança complicadas.  

    Tem uma situação meio complicado no meio do seu caminho, que pode complicar ou deixar a sua viagem perigosa.

    Vários países da Africa central, entre eles, Niger,  Mali, Buquina Faso, partes da Nigéria, Chade, Líbia, Congo, Republica Centro Africana, Sudão do Sul, Sudão, Somália, Eritreia, Peninsula do Sinai, partes da Etiópia, etc estão literalmente em guerra cível ou com muitos problemas com terroristas, e muitos destes países ficariam na sua rota.

    Então se esta viagem sair do papel, escolha muito bem a rota, para não acabar se enfiando no meio de uma guerra ou acabar sendo sequestrado por algum grupo terrorista.

     

     


  19. Uma observação adicional, você não comentou por qual companhia aérea comprou as passagens de volta, mas a maioria dos voos internacionais atualmente está suspensa, e muitos dos voos existentes antes da crise não irão voltar antes de 2021 ou 2022, e mesmo os poucos voos internacionais que vão voltar até julho/agosto provavelmente vão voltar com frequências bem reduzidas, com no máximo 2 ou 3 voos por semana, e provavelmente só para as capitais, cidades secundárias como Cancun, podem ficar um bom tempo sem a maioria dos voos internacionais que existiam antes do COVID.

    Ou seja, fique de olho no status do seu voo e tente se antecipar em relação aos problemas que quase certamente você terá com ele, para não acontecer de descobrir só 2 dia antes que o seu voo foi cancelado indefinidamente, e que não tem previsão de quando vai haver outro voo para Cancun pela companhia aérea onde você comprou a passagem, e você está "presa" no Mexico sem conseguir voltar para casa.

    Ou então descobrir só 1 ou 2  dia antes que o seu voo mudou de data, ou que a  única opção que companhia aérea tem para você voltar ao Brasil é a partir da Cidade do México, mas que pode ser complicado ou super caro você conseguir voltar a Cidade do México em cima da hora com as restrições de transporte que podem existir...

    Quem tem voo internacional nos próximos 2 ou 3 meses deve redobrar a atenção em relação a situação dos voos, e caso necessário, já tomar as ações necessárias a tempo hábil, para não acabar "preso" no país, sem conseguir voltar para casa.

    Ou seja, toda semana entre no site da companhia aérea e dê uma olhada no status do seu voo, assim você conseguirá se antecipar a algum problema ou mudança que possa ocorrer.


  20. As praias de Cancun ficam num bairro mais afastado, na zona hoteleira, num lugar onde basicamente só tem hotel/hostel, restaurantes e locais focados no turismo, quase ninguém mora nesta região.

    Se a ideia for pegar um quarto numa casa ou apartamento, provavelmente você teria que pegar no centro, mas ai fica longe da praia, são uns 15 ou 20 km até a praia e você dependeria de transporte público lotado ou táxi/uber caro para ir a praia.  

    Ou então pegar um hostel na Zona Hoteleira, mas não sei como estaria a infraestrutura no local, provavelmente bem deserta e sem turistas...

    Se a ideia for evitar aglomerações no dia-a-dia e facilitar o seu dia-a-dia, Playa del Carmen acho que seria mais interessante, é uma cidade menor, e cujo centro fica literalmente em frente a praia, não teria as aglomerações que uma cidade grande como Cancun tem.


  21. Em 15/05/2020 em 03:26, Rafael_Salvador disse:

    Complementando, percebeu comportamento racista nessa região?

    Os países nórdicos no geral são mais tolerantes quanto a estrangeiros e menos racistas, ou ao menos disfarçam melhor  a ponto de você não perceber tão facilmente.

    No geral, na Europa o racismo e xenofobia são mais fortes nos países do Leste Europeu, nos membros do antigo bloco comunista, aqui mesmo na Alemanha onde eu resido, quanto mais para o leste e para o interior você for, mais forte o racismo e a xenofobia.

    Muitos países do leste europeu passaram de um extremo para o outro em 30 anos, passaram de um sistema de extrema esquerda, para um de estrema direta, e extremismo sempre é receita perfeita para o desastre! Em muitos destes países tem surgido movimentos nacionalistas e xenófobos e que vem sendo apoiados informalmente por atitudes e declarações dos governantes de plantão, tanto os nacionalistas extremos de esquerda como os de direta.

    E para este povo, não importa se você é preto, branco, amarelo, eles simplesmente não gostam de estrangeiros, não importa a cor deles.

    Alguns historiadores dizem  que a origem deste comportamente está nos expurgos, assassinatos e deportações em massa de de estrangeiros promovidos pelo regime soviético no inicio do século passado, e depois repetido pelos nazistas durante a 2ª Guerra mundial,  e repetido novamente pelos regimes comunistas pós guerra.

    Mas nas capitais e grande cidades turísticas, o pessoal disfarça melhor, e geralmente você não percebe muita coisa, isto é mais forte no interior e cidades menos turísticas.


  22. 23 horas atrás, Fabrício Zílio de Souza disse:


    Eu quero conseguir só o reembolso, simples assim!

    20 horas atrás, Torres Rafa disse:

    tem que brigar, cara. essas empresas que são terceirizadas tiram o seu da reta quando a questão é reembolso, o consumidor quase não tem direitos quando compra nesses sites, tipo o barato que pode sair caro. mas se eu fosse você, iria pra luta, cobra uma posição dos caras, fica em cima, escreve no reclame aqui e consulte um advogado.

     

    Pessoal, vocês esqueceram que o Bolsonaro mudou a lei no mês passado?

    https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-03/confira-novas-regras-para-alteracao-e-reembolso-de-passagens-aereas

     

    As companhias aéreas a agências de viagens agora tem prazo  de 12 meses para processar e fazer os reembolsos de passagens canceladas, e você ficar brigando e colocando advogado na história só vai fazer você se estressar, perder tempo, e gastar dinheiro a toa.

    Isto não quer dizer que você deve dar este dinheiro por perdido, continue a entrar em contato a cada 3 ou 4 semanas com quem lhe vendeu a passagem para cobrar uma posição, mas muito mais do que isto, não adianta você fazer agora, pois as companhias aéreas e agências infelizmente estão amparadas e totalmente dentro do que a legislação atual estabelece.


  23. 23 horas atrás, Luka Izzo disse:

    Gente, dá uma apertadinha que cabe!

    Apenas colocando no medidor pode não caber mesmo, mas as mochilas são maleáveis e se moldam no medidor. 

    Aperta que cabe!!!!!  

    Se a pessoa já tiver uma mochila de 50 Litros já estourando de cheia, não tem mais o que conseguir apertar!

    Se estiver meio vazia, sempre dá para apertar e fazer caber dentro do medidor, o problema é você conseguir se policiar para não encher a mochila com coisas inúteis, temos a tendencia de sempre achar que por que tem espaço, dá para levar mais uma coisinha.... rsss

     


  24. As low-cost argentinas e chilenas tem limites de bagagem bem menores que as companhias aéreas brasileiras, então uma mochila que passa sem problemas no Brasil, pode não passar nas low-cost argentinas e chilenas.

    Quanto estive na Argentina no começo do ano, voei com a JetSmart, uma outra low-cost, e eles estavam sendo bem rígidos com as mochilas, vi várias pessoas sendo barradas no embarque por causa de malas e mochilas fora do limite.

    Mas como o Luka falou, na verdade, o que vai importar mesmo é o quanto de coisa você colocar dentro dele e se você vai conseguir colocar ela inteira dentro do gabarito que eles tem no aeroporto.

    Mesmo que seja uma mochila com capacidade maior, mas se ela estiver meio vazia e você conseguir colocar ela inteiro dentro do gabarito, não teria problemas.

    Mas o problema é que se você viajar com mochila de 30 litros, você vai encher ela, se viajar com uma de 50 litros, vai encher ela, se viajar com uma de 90 litros, vai encher ela...

     

    img_20190120_161930.jpg

    • Gostei! 1

  25. Acampar na rua, numa praça ou na praia não costuma ser uma das opções mais seguras, e tem todos os problemas da infraestrutura, como banheiros, chuveiro, eletricidade, etc...  Então a opção mais segura costuma ser os camping, mas nem sempre eles ficam próximos das cidades, o que não deve ser um grande problema, já que você estaria de carro, e poderia ir de carro para a cidade...

    Entre no Google Maps, posicione sobre a cidade desejada, e pesquise por camping, vão aparecer as opções disponíveis.

     

     

    image.thumb.png.f1d0a56881ffd1fbf843f7fc8bb76e6b.png

×
×
  • Criar Novo...