Ir para conteúdo

poiuy

Membros
  • Total de itens

    1.831
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    34

Tudo que poiuy postou

  1. Eu tinha esquecido da vez que ficamos mais de uma hora dando explicação para o exército chinês, pois o nosso guia se perdeu, e acabamos dentro de uma área restrita do exército.
  2. Uma coisa para você pensar: Como que você controla o problema da superlotação sem colocar catracas na entrada e limitar a quantidade de pessoas? Lembrando que quanto mais restrita e difícil de conseguir alguma coisa for, mais as pessoas estarão dispostas a pagar, o que leva a outro problema, começa a surgir um mercado paralelo e muitas vezes criminoso, e tudo isto faz o preço subir naturalmente, devido a oferta ser muito menor que a demanda. Investir e infraestrutura, para facilitar o acesso a outros locais menos visitados, e assim diluir a quantidade de turistas entre os vários locais, seria uma opção, mas a maioria dos governos não tem dinheiro nem para o básico do dia-a-dia, muito menos para investir em projetos caros de infra-estrutura. E ainda tem que ver se as pessoas vão querer ir para estes outros locais alternativos, a grande maioria das pessoas que é mesmo ver e visitar os clichês de sempre, e uma grande parte das pessoas procura justamente os locais mais movimentados, por que simplesmente gosta de toda esta muvuca, ou seja, não é algo que tenha uma solução fácil. Provavelmente não seja, a melhor solução ou exemplo, mas o que o pessoal tem olhada como exemplo, são locais como Suíça e Fernando de Noronha, que tem conseguido manter um nível de turismo sustentável, pois são locais mais exclusivos, para onde é caro viajar devido ao custo e taxas altas, e lá também se vende uma "experiência de viver o local", e não só tirar algumas fotos, encher a cara e seguir adiante... Uma coisa que parece ser uma tendência mundial, é tentar desincentivar o turismo de bate-volta, o turismo de final de semana ou feriados. Pois até mesmo os locais mais lotados, tem um volume aceitável nos demais dias, a coisa só fica feia e incontrolável mesmo nos finais de semana e feriados. Em geral o pessoal do turismo de bate-volta ou de final de semana não costuma gastar nada ou gastar muito pouco nos locais que visita, só vai lá tirar algumas fotos, encher a cara de bebida barata, mas em compensação sobrecarregam a infraestrutura local, vide exemplo de várias cidades que vivem cheias de turistas de bate-volta ou final de semana, mas tem finanças péssimas, sem dinheiro para nada. Já um turista que fica mais tempo no local para "viver a experiência local" costuma gastar mais no comércio local, o que por sua vez, financia a infraestrutura necessária para atender todo mundo. Mas como que você faz para incentivar as pessoas a ficarem mais tempo no local e desincentivar o turismo de bate-volta ou final de semana? Uma das coisas que está sendo testada para ver se tem algum efeito, é cobrar taxas caras para quem ficar 1 dia ou uma noite, mas oferecer descontos ou isenção de taxas para quem ficar 3 ou 4 noites.... Não sei se é a melhor solução, mas é uma coisa que está sendo pensada e que provavelmente vai ser testada em vários locais, para ver se tem algum efeito.
  3. Brasil com toda certeza!!! Eu sempre viajei muito, já estive em 20 dos 27 estados do Brasil e em mais de 30 países diferentes, mas o local que mais passei perrengues foi no Brasil, algumas vezes por falha minha, outras por problemas climáticos ou de infra-estrutura. Alguns dos perrengues que eu já passei: Lá nos meus 18 anos, quando eu ainda era um estudante universitário inexperiente e sem dinheiro para nada, eu estudava em Curitiba, mas minha família morava em Foz do Iguaçu , e para economizar algum dinheiro, viajava de carona para ir visitar meus pais. Já tinha feito o trecho Curitiba x Foz de carona várias vezes sem problema, e também tinha um plano B para o caso de não conseguir chegar em Foz no mesmo dia, ficar na casa de uma tia minha que morava numa cidade no meio do caminho. Mas uma vez deu errado, não consegui caronas boas, e acabou anoitecendo e fiquei encalhado no meio do caminho, sem conseguir chegar em Foz e nem na casa da minha tia, e sem dinheiro pra pagar um hotel e nem uma passagem de ônibus, pois mal e mal tinha dinheiro comigo para comprar comida. Tive que passar a noite num restaurante 24 horas de beira de estrada, cochilando numa mesa, e prosseguir a viagem na manhã seguinte. Uma vez, em Recife, perdi o voo devido a uma chuva muito forte, que interditou os acessos ao aeroporto e não consegui chegar no aeroporto, eu não tinha direito a compensação, pois o voo apesar da chuva saiu no horário, e eu também não tinha dinheiro para comprar outra passagem de avião, pois os preços para os dias próximos estavam custando o olho da cara! Com o pouco dinheiro que restava no final da viagem, comprei uma passagem de ônibus até São Paulo, e outra de São Paulo a Curitiba, e com os poucos trocados que restaram depois de comprar as passagens, fui no supermercado, e comprei algumas coisas para comer, pois o que sobrou de dinheiro, não dava para comer nos restaurantes caros de beira de estrada. Noutra vez, estava no interior do Mato Grosso a trabalho na temporada de chuva, tínhamos um trecho de 400 Km para fazer de carro naquele dia, mas começou uma chuva torrencial, que destruiu algumas pontes, e nos acabamos presos no meio da estrada por 2 dias, sem conseguir prosseguir e nem voltar. A cidade mais próxima ficava a uns 30 km de onde estávamos, mas não era possível chegar lá, passamos os dois dias dormindo no carro, por sorte tinha alguns caminhoneiros também presos e que dividiram comida e água conosco. Outra vez, foi no Rio de Janeiro, estávamos atravessando o túnel André Rebouças, quando um bando armado com fuzis fechou o túnel e começou a assaltar os carros, mas por azar tinha um carro de polícia cruzando o túnel, e os policias inconsequentes, sem pensar no risco que colocaram todo mundo, reagiram atirando, e começou um tiroteio dentro do túnel. Foi o dia que eu mais passei medo na minha vida. No exterior, tive problemas com o idioma na Russia e na China, o idioma é inteligível para nós, na época que eu fui, antes da copa do mundo e das olimpíadas, quase nada estava sinalizado em inglês, e praticamente impossível achar alguém que falasse inglês. Como nesta época eu já era um viajante mais experiente e calejado, consegui me virar sem maiores problemas, mas tinha dias que eu pensava, onde eu fui me enfiar!!! Em New York, tive um perrengue enorme por causa do clima extremo, teve uma nevasca muito forte, e fiquei 5 dias praticamente sem poder sair do hotel, e era um hotel sem café da manhã e restaurante, ou seja, pra não passar fome, tinha que encarrar a rua, com mais de 1 metro de neve nas calçadas, frio e vento insuportável, e tentar achar algum lugar aberto que estivesse vendendo algum tipo de comida. Estes são só os que mais me causaram transtorno, teve vários outros que eu consegui enfrentar sem maiores complicações, pois estava preparado para imprevistos. Como dá para perceber, a maioria dos os meus perrengues foram causados ou por que eu planejei errado, e viajei com pouco dinheiro, não prevendo que podem acontecer imprevistos, ou então por questões climáticas. E por causa de todos os perrengues que eu já passei, tem duas coisas que eu sempre recomendo, nunca viaje com pouco dinheiro, onde o dinheiro está contado até os últimos centavos, pois qualquer imprevisto que aconteça, você estará em apuros! E a outra coisa que eu sempre recomendo é, preste atenção no clima no destino na época da sua viagem, tem épocas onde simplesmente não é recomendável viajar para alguns locais, pois o clima é extremo, e as chances de arruinar a sua viagem são grandes!
  4. Pode não parecer, e a iniciativa de controlar o turismo em massa não partiu do governo peruano, mas sim foi resultado de pressão da Unesco, mas o governo do Peru ainda é um dos que mais está se mexendo para tentar controlar o numero exagerado de turistas, a alguns anos atrás eles já tinham limitado a quantidade de pessoas em Machu Picchu, e no ano passado limitaram ainda mais a quantidade de turistas e estipularam horários e rotas rígidas dentro do site arqueológico para melhor distribuir a quantidade de pessoas durante o dia, e evitar que as pessoas circulem por áreas em risco. Sem estas restrições, a situação em Macchu Picchu estaria muito pior e uma parte significativa do sítio arqueológico já teria sido destruída, mas concordo, que deveriam restringir ainda mais, pois a quantidade de turistas na alta temporada ainda é alta demais para não prejudicar o site arqueológico.
  5. Passagem de trem é igual a passagem de avião, ou seja, possui preço dinâmico e que varia conforme a proximidade da data da viagem e da quantidade de pessoas comprando passagens para aquele horário. Ou seja, de forma resumida, quanto mais perto da data da viagem, mais caras as passagens, num determinado trecho elas podem começar custando 20 euros se você comprar com antecedência de 90 dias, mas se deixar para comprar na véspera ou no dia da viagem, a mesma passagem pode custar 80 ou 100 Euros. O preço também varia de acordo com a distância que você for viajar, por exemplo, uma passagem de Paris a Bruxelas custa a partir de 30 euros, mas uma passagem de Paris a Amsterdam, começa a partir de 40 Euros... A maioria dos trens também tem assentos divididos em 1ª e 2ª classe, os da 1ª classe são mais espaçosos, confortáveis e vem com vários mimos e atendimento personalizado, mas custam quase o dobro dos da 2ª classe, que também são bons. Os preços também variam de um país para o outro, os trens na Suíça, Espanha e Inglaterra costumam ser significativamente mais caros que os trens Italianos, Alemães e Franceses para trechos com distâncias semelhantes. Ou seja, o preço depende de vários fatores, mas se você comprar uns 90 dias antecipado, você consegue alguns trechos por 20 ou 30 euros, e dificilmente pagar mais que 40 ou 50 euros, mas se deixar para comprar em cima da hora, irá lhe custar mais de 100 euros por trecho. Agora você pode falar, mas eu vi na Ryanair uma passagem aérea por 10 euros, bem mais barata que o trem. Mas você tem que lembrar que os aeroportos ficam longe da cidade, em muitas cidades você gasta 10 ou 20 Euros de metrô ou ônibus só para chegar no aeroporto, ou seja, se for contar a ida e a volta ao aeroporto, dependendo das cidades envolvidas, você pode gastar 20 ou 30 euros só para sair e chegar do aeroporto, fora o preço das passagens de avião e o preço da bagagem, pois nas low-cost atualmente nem bagagem de mão é gratuita. Isto sem falar que por o aeroporto ser longe, você gasta 1h para chegar no aeroporto, tem que estar lá no aeroporto 2h antes do horário para passar pelos procedimentos de segurança, leva 1h para chegar no centro na cidade de destino, e ai somando mais 1 ou 2 horas de voo propriamente dito, você perder 5 ou 6 horas indo de avião, sendo que o trem levaria 3h ou 4h e você pega ele no centro da cidade, e ele lhe deixa no centro da cidade. Mas apesar destas vantagens todas, nem sempre o trem é a melhor opção! Se por exemplo você estiver comprando em cima da hora as passagens de trem costumam ser bem caras, e as vezes você pode achar uma promoção de passagem aérea de última hora barata, onde mesmo incluindo o custo de ir e voltar ao aeroporto e da bagagem, acabe sendo mais barato que o trem. E principalmente trem não é a melhor opção para viagens longas e demoradas, nestes casos a passagem de avião será mais barata. Tem uma regrinha prática que se usa, se a viagem de trem levar mais que 5h, não vale a pena, será mais barato e rápido ir de avião. Então resumindo toda a história, trem é barato para distâncias curtas e médias, e quando comprado antecipadamente, mas pode ser bem caro se comprar em cima da hora e para longas distâncias. Então um viajante racional e que queira ter o melhor custo benefício, nunca deve se focar num único meio de transporte, ele deve avaliar a melhor opção em cada trecho individual, pois vai ter trechos onde é melhor ir de avião, outros onde trem é a melhor opção, alguns onde ônibus é a melhor opção, e finalmente vai ter trechos onde alugar um carro é a única opção viável.
  6. Olá, Acho que você já perguntou a mesma coisa em outro tópico e o pessoal já lhe respondeu. Mas repetindo novamente, a polícia Argentina não é mais e nem menos corrupta do que a policia brasileira, na verdade, acho que é possível de polícia brasileira ser mais corrupta que a argentina. Se você se mantiver atento a sinalização, limites de velocidades, documentação e equipamentos obrigatórios em ordem, e saber dos itens que carros estrangeiros são dispensados, dificilmente terá problemas. Ou seja, geralmente as pessoas só tem problema com policiais corruptos quando estão fazendo alguma coisa errada, ou estão desinformadas e não podem questionar algum mau entendido.
  7. Continuando o off-topic. Eu também não acredito numa mudança do turismo de massa no longo prazo, pois lá no fundo todos nós, alguns mais outros um pouco menos, somos egoístas e temos memória curta. Daqui a alguns meses, esta pandemia é controlada e 1 ou 2 anos depois o assunto cai no esquecimento, e todo mundo que tiver condições vai querer viajar, e em poucos anos o turismo de massa vai voltar ao que era antes. A única ação prática em relação ao turismo que eu acredito que vá sair desta crise, é que locais que atualmente estão sofrendo com o excesso de turistas, como Veneza, Amsterdam, Dubrovnik, Barcelona, Praga, Machu Picchu, etc, aproveitem a oportunidade e implementem algum tipo mais rígido de controle de numero de visitantes ou taxa extra cara para você acessar ou se hospedar na cidade durante os meses de alta temporada. Por exemplo, Machu Picchu pensa em reduzir a quantidade de ingressos a venda em 30% ou 40%, e como forma de controlar a quantidade de turistas, Veneza pretende implantar catracas nas entradas da cidade e limitar a quantidade de turistas que podem entrar na cidade e cobrar uma taxa de 10 euros por dia para você entrar na cidade durante a alta-temporada, Amsterdam pretende aumentar a taxa de turismo cobrada nas hospedagens para 20 Euros por dia e proibir a realização de eventos durante a alta-temporada, como forma de tentar desencorajar as pessoas a ir para a cidade na alta-temporada. Estas medidas antes da crise teriam bastante resistência para passar e serem aprovadas, mas agora acho que passam mais facilmente e vão acabar sendo implementadas.
  8. Olá, Você precisaria ser um pouco mais específico, pois o custo de uma viagem depende muito do estilo, duração da viagem e datas da sua viagem. Viajar no verão, faz o preço das passagens aéreas ser muito alto podendo chegar perto de 10 Mil reais só e passagens, viajar no inverno tem passagens mais baratas, as vezes por menos da metade do preço de janeiro e fevereiro, mas em compensação o clima pode não ser o mais adequado para os passeios que você gostaria de fazer. O estilo da viagem influência também muito no custo, tem mochileiro que é super pão-duro e faz o mochilão todo ficando em quarto compartilhado do hostel mais vagabundo e barato que achar, come a coisa mais barata que achar pra comprar, independente da qualidade, não faz nenhum passeio que custe um dólar de ingresso, etc... Mas também tem pessoas que gostam de ficar em hotel convencional, em quarto privativo, comer bem em bons restaurantes, apreciar os vinhos locais, contratar guia, alugar carro, etc... E a diferença de preço de um estilo de viagem para o outro é gritante, podendo custar o dobro ou triplo de um mochilão pão duro... Ou seja, o custo vai depender basicamente da duração da sua viagem, e do nível de conforto ou luxo que você quiser ter ou estiver disposto a abrir mão durante o mochilão. Mas atualmente, com só as passagens custando pelo menos uns R$ 4 mil fora de temporada, com menos de 10 Mil reais não dá para fazer praticamente nada na Austrália, mesmo fora da alta-temporada.
  9. Olá, seja bem vindo. É um assunto muito vasto, e impossível de lhe ajudar se você não for mais específico nos seus questionamentos, pois até mesmo a questão de locais bons para passeios é algo muito relativa, pois cada pessoa tem os seus gostos e interesses pessoais, e um lugar bom para mim, pode não ser bom para você e vice-versa. Então a primeira coisa que você deve fazer é começar a ler alguns relatos de viagem, lendo alguns relatos de viagem você já vai conseguir ter uma ideia mais clara do que visitar e de como as coisas funcionam, e grande parte das duas dúvidas já vão ser respondidas nos relatos. Invista algum tempo na leitura de relatos de viagem, aqui mesmo no site tem vários, e depois, se ainda tiver alguma dúvida mais pontual, pode perguntar aqui, se alguém souber, vai lhe ajudar. https://www.mochileiros.com/forum/574-nordeste-relatos-de-viagem/
  10. A Almundo foi comprada pela CVC no final do ano passado, e agora estava bem no meio do processo de ser incorporada pela Submarino Viagens que também é do grupo CVC, então como esta crise toda aconteceu bem no meio do processo de incorporação, da troca de sede, troca de chefia, de sistemas, etc, é de se esperar que as coisas estejam um pouco confusas e demoradas na Almundo. Em todo caso boa sorte, mantenha a calma e a esperança de conseguir resolver as coisas.
  11. Pensando em evitar o back-track, onde você faz o caminho de volta por onde já passou, o ideal seria comprar uma passagem "Múltiplas Cidades" começando por Santiago no Chile e terminar em Lima no Peru, dois locais onde há voos diretos para o Brasil e as passagens costumam ser mais baratas, e visitar a Bolívia no meio. Ou então ao contrário, começar por Lima e terminar em Santiago Mas passagens de avião variam muito de preço de acordo a procura, então pode ser que numa semana seja mais barato começar por Lima e terminar em Santiago, mas na semana seguinte, seja mais barato fazer ao contrário. É mais raro de acontecer, mas as vezes mesmo com o custo adicional de fazer o back-track de volta a cidade de chegada, eventualmente pode ser mais barato chegar e voltar pela mesma cidade, por exemplo algo como: Brasil - Santiago - Atacama - Bolivia - Cusco - Lima - Santiago - Brasil... Ou seja, como o preço varia muito de um dia para o outro, você vai ter que investir e gastar algum tempo pesquisando e cotando voos, até achar a melhor sequencia para os dias exatos da sua viagem. Se possível, também tente ter pelo menos um mínimo de flexibilidade nas datas, pois as vezes viajar uma semana antes ou depois, ou mesmo 2 ou 3 dias antes ou depois pode fazer o preço das passagens cair pela metade.
  12. https://www.rome2rio.com/pt/map/La-Paz/Cusco Utilize o Rome2Rio para estimar os custos, ele lhe mostra o custo aproximado dos diferentes meios de transporte, e também mostra quais empresas operam cada trecho, e assim você pode ir no site da empresa dar uma conferida nos horários e no preço realmente práticado.
  13. É longe, demorado e caro demais para se ir de trem, é muito mais rápido e barato ir de avião. O problema de ir de trem começa já em Portugal, pois Portugal não tem uma ligação decente de trem com o resto dos países, existe ou existia antes da crise do covid, um único trem noturno entre Lisboa e Madrid, mas era uma viagem muito demorada, levava umas 12 horas e com passagens caras, comprando antecipado, você conseguia passagem de avião pela metade do preço do trem. Em Madrid você teria que trocar de trem, pegar um outro trem até Barcelona, são outras 3 ou 4 horas de trem, mas os trens espanhóis são alguns dos mais caros da Europa. Em Barcelona, você teria que pegar outro trem, desta vez até Paris, são 7 horas de viagem, e em Paris você teria que pegar um outro trem até Basel ou Genebra na Suíça, são mais umas 4 horas de trem. Mas como Basel ou Genebra não costumam ser o destino final de 99% dos turistas que vão para a Suíça, provavelmente você tenha que pegar mais um ou dois trens dentro da Suíça até chegar no seu destino final, que para a maioria dos turistas costuma ser Interlaken, Lucerna ou Berna, e lá se vão mais 2 ou 3 horas de trem Ou seja, seriam pelo menos umas 5 ou 6 baldeações, cujos horários horários nunca encaixam direito, gerando longas esperas para o trem chegar, e com isto levaria uns 2 ou 3 dias de viagem para chegar na Suíça de trem saindo de Portuga! Então a menos que a sua ideia seja parar em Madrid, Barcelona e Paris no meio do caminho, é melhor ir de avião. E mesmo que você queira parar nestas outras cidades, eu ainda avaliaria fazer alguns trechos mais demorados de avião, para não perder tempo demais dentro de um trem. Um comentário final, Suíça é um local muito bonito, um dos mais bonitos que já visitei, mas é um local absurdamente caro!!! Tudo é absurdamente caro na Suíça, a comida é cara, a hospedagem é cara, a gasolina é cara, as passagens de trens são caras, os passeios são caros, etc... Por exemplo, com o que você gasta ficando 4 dias na Suíça, dá para pagar 12 dias em Portugal e é capaz de ainda sobrar uns trocados! Ou seja, é super bonito, mas você tem que estar com o orçamento bem folgado, para não acabar voltando frustrado para casa por não ter conseguido fazer praticamente nenhum passeio devido a tudo ser absurdamente caro na Suíça.
  14. Quem decide sobre a abertura ou fechamento do comércio local, inclusive hotéis e pousadas, é o governo estadual e municipal, então você teria que verificar isto em cada um dos municípios que vai passar, pois cada um deles pode ter leis diferentes sobre a abertura ou fechamento de hotéis e pousadas. Hotéis e pousadas também serão alguns dos últimos comércios a serem permitidos a reabrir, pois o fechamento de hotéis e pousadas tem como objetivo principal evitar que as pessoas fiquem circulando por aí sem uma real necessidade, e espalhando o covid por locais onde ele não tinha chegado ainda. Uma pessoa contaminada pelo covid, pode ficar 7 ou 10 dias sem apresentar sintomas, mas durante este tempo ela transmite o covid as pessoas próximas. Me desculpe pela sinceridade, e não se sinta ofendido, sair pra viajar agora, com um plano destes, é uma das coisas mais idiotas e estupidas que você pode fazer na sua vida, pois além de correr o risco de ter que dormir na rua devido as pousadas estarem fechadas, você estará colocando em risco a sua vida e a de milhares de outras pessoas, pois vai que você acaba se contaminando numa cidade, até começar a apresentar sintomas, 7 ou 10 dias depois, você terá passado por 7 ou 10 cidades, e contaminado várias pessoas em cada uma das cidades, e estas pessoas que você pode contaminou, podem contaminar várias outras pessoas. Ou seja, neste momento não é hora de você sair por ai viajando a menos que tenha uma necessidade muito urgente, todos estamos locos por sair, viajar e relaxar, mas neste momento temos que fazer um sacrifício para que a situação volte a normalidade o mais breve possível.
  15. A crise nas empresas do setor de turismo está tão grande, que até a gigantesca Booking.com, com mais de 25 mil funcionários espalhados pelo mundo, e com faturamento anual de vários bilhões de dólares precisou pegar dinheiro com o governo holandês para pagar os salários deste mês, se a situação está complicada para os grandes, imagina então para as empresas menores... Na minha opinião, comprar um pacote destes neste momento é uma aposta de risco, você tem que estar bem ciente de que pode se dar bem, e conseguir fazer uma viagem super barata, mas que também pode se dar mal, e acabar perdendo o dinheiro se algum dos envolvidos nestes pacotes acabar falindo devido a crise. A cada pessoa deve avaliar muito bem qual risco está disposta a correr neste momento, pois alem de correr o risco de perder o dinheiro do pacote, ninguém sabe exatamente como a economia vai reagir após a crise, a maioria dos economistas está avaliando que pode acontecer uma recessão global, com aumento significativo do desemprego, e este dinheiro preso num pacote de viagem para 2021, pode acabar sendo necessário para outras coisas mais importantes.
  16. Myanmar é um local meio complicado, por muito tempo Myanmar foi tipo uma Correia do Norte, extremamente fechada para o mundo exterior, faz poucos anos que Myanmar começou a ser um pouco mais aberta ao exterior e permitir e incentivar o turismo. Myanmar foi governada por muitas décadas por uma ditadura sanguinária, que só saiu do poder a poucos anos, e por causa disto foi alvo de vários embargos econômicos e de viagem, também é um país que viveu várias guerras civis e revoltas armadas nas últimas décadas, a última revolta armada ocorreu em 2015... Com um histórico tão complicado, Myanmar sempre foi um local para você passar longe, um local a ser evitado a menos que você alguma necessidade real de ir para lá. Somente nos últimos 5 anos é que a situação deu uma acalmada por lá, e alguns turistas mais corajosos começaram a desbravar Myanmar, mas como o turismo ainda é um negócio muito recente por lá, Myanmar ainda é um lugar pouco conhecido e com infraestrutura turística e de transporte bastante ruim. Atualmente ainda recomenda-se concentrar nas cidades turísticas do litoral sul, e evitar a região norte de Myanmar e as regiões de fronteira, são locais onde ainda estão ocorrendo conflitos com grupos rebeldes e atentados terroristas, e mesmo assim, nem todas as regiões estão liberadas para turistas estrangeiros, é bom você conferir se a região de Myeik é uma das regiões liberadas. Ou seja, tenha um pouco de cuidado ao viajar por estes países complicados, e tem vários assim pela Ásia, para não acabar se enfiando numa encrenca sem fim. Antes de viajar para estes países complicados da Ásia, pesquise pelos "Travel advice" do governo britânico ou australiano (https://www.gov.uk/foreign-travel-advice/myanmar), eles não bastante atualizados e podem lhe indicar os riscos e regiões a serem evitados.
  17. O sul da França tem algumas praias bem famosas, mas é um local bastante caro. A costa do Adriático é bastante rochosa, então a grande maioria das praias é pequena, e fica em locais com acesso um pouco mais complicado, é longe, tem que ir de avião, mas há poucos voos diretos. Na Espanha, as melhores praias se concentram próximo a Barcelona, Valência, e Málaga, mas são locais bastante lotados. O destino de praia que está na moda atualmente é a região de Algarve no litoral sul de Portugal, pois ainda não está tão lotado quanto a Espanha e ainda tem um custo um pouco mais acessível do que outros destinos de praia europeus. Mas antes de pensar em incluir algum outro local, você precisaria saber quanto tempo realmente terá livre. Você falou que precisará passar 2 vezes em Barcelona? Tem algum motivo especial para isto? Por que isto só vai fazer aumentar os gastos e muito provavelmente complicar a sua viagem, não teria como você programar somente uma parada lá? Também não ficou claro se seriam 2 paradas de 5 dias cada em Barcelona, ou se seriam 5 dias em Barcelona somando as 2 paradas. Paris fica longe, teria que ir avião, visitar a Disney consome no mínimo um dia inteiro, ou 2 dias se quiser aproveitar o parque com mais calma, mas ai considerando mais uns 3 ou 4 dias para o restante das coisas de Paris, mais um dia de deslocamento até Paris, dá uns 5 ou 6 dias só para Paris. Tem que considerar o tempo perdido na ida e na volta, na melhor das hipóteses você perde 2 dias, mas dependendo de qual cidade você saia do Brasil, e por qual cidade você chegue ou volte de Europa, você pode perder 2 dias só para chegar lá na Europa, e perder novamente 2 dias na volta, até finalmente chegar em casa, perdendo 4 dias no total... E se forem 2 paradas de 5 dias cada em Barcelona, mais uns 5 ou 6 dias em Paris, já dá uns 15 dias de viagem, mais os dias perdidos no deslocamento, já pode fechar uns 20 dias de viagens, e não ter tempo para incluir mais nada alem de Barcelona e Paris, ou no máximo incluir mais um único local se forem 25 dias... Mas se forem menos dias em Barcelona, já sobraria mais tempo...
  18. Quando eu comprei, também foi com a minha noiva, então já atendíamos a condições de ter que comprar 2 pacotes. Nós tínhamos bastante flexibilidade nas datas, mas mesmo assim, a primeira data que eles sugeriram, para viajar uns 45 dias depois, caiu bem numa das poucas semanas onde não podíamos viajar, pedimos outra data, eles sugeriram uma nova data, duas semanas depois da primeira, e desta vez deu certo. O destino escolhido, Jamaica, também não tinha lá muitas restrições quanto a época da viagem, sempre é quente, perfeito para o que era o objetivo da viagem, que era tirar uma semana de folga, num hotel all-inclusive, só relaxando, sem fazer nada, sem se preocupar nem onde ir comer.. rsss
  19. "Engraçado" é que os argentinos pensam e reclamam da mesma coisa em relação a polícia brasileira, que só tem policial corrupto nas estradas brasileiras... Mas a polícia argentina não é diferente da brasileira, a maior parte é honesta, mas sempre tem uma parcela de policiais corruptos no meio. Mas, se você for com tudo certo, com toda documentação correta, com todos os itens de segurança obrigatórios, que são diferentes dos brasileiros, e respeitar a sinalização e limites de velocidade, muito dificilmente voce terá problemas. Na verdade, em todos os relatos que eu ouvi até agora sobre corrupção de policias nas estradas, seja no Brasil, Argentina, Paraguai, EUA, Alemanha, Itália, etc, o motorista sempre tinha cometido alguma infração, estava sem algum item da documentação exigida ou sem algum dos itens de segurança obrigatórios, e nestes casos, a chance de você achar um policial corrupto que queira dinheiro para lhe liberar sem multa é igual a do Brasil. Então o negócio é resistir a tentação de pisar fundo no acelerador naquelas retas imensas e desertas do interior da Argentina, prestar atenção na sinalização para tentar não cometer infrações, ir com toda documentação correta e providenciar os itens de segurança exigidos, assim você não vai ficar dando motivo para algum policial corrupto lhe extorquir dinheiro.
  20. Não posso lhe ajudar, só posso lhe desejar boa sorte nas suas pesquisas. Mas uma coisa para você pensar... Se Myeik é realmente "último paraíso ainda não explorado no sudeste asiático", não seria este o motivo de você não estar nada concreto na internet? Por que realmente quase ninguém foi até lá! Então se você resolver ir para lá, acho que vai ter que encarar isto como uma aposta, e esperar que tenha acertado na aposta e o lugar realmente seja bom, mas já sabendo que por ser uma aposta meio as cegas, também pode não ser tudo aquilo que você imaginou.
  21. Eu não comprei do Hurb, mas já usei outro site que oferece o mesmo tipo de pacote, foi a uns 2 anos atrás, e no nosso caso deu tudo certo, e foi super barato. Lembre que você precisa comprar 2 pacotes para a promoção ser válida, ou então achar uma outra pessoa que tenha comprado o mesmo pacote para viajar junto com você e dividir o quarto com você. Pegando o que se paga nos dois pacotes, dá mais ou menos o custo que o Hurb terá com o pacotes, ou seja, estes pacotes promocionais que eles estão vendendo agora, a maioria é a preço de custo. O problema é você achar outra pessoa para viajar junto com você se tiver comprado só um pacote, e não poder escolher as datas da viagem, você vai ter que viajar na data escolhida pelo HURB, que pode acabar sendo justo quando você não pode viajar, e ai você ficar adiando e adiando a viagem, sem que lhe ofereçam uma data em que você pode viajar... E é ai que começam as reclamações, o pessoal compra sem saber como funciona, e depois quando são contrariadas por não conseguir viajar nas datas que gostariam, ou quando descobrem as multas e taxas contratuais por cancelamento com as quais concordaram ser ler, ficam criando caso nos sites de reclamações. Pessoalmente eu sempre vejo com bastante ceticismo as reclamações em site como ReclameAqui e similares, tem um pequeno numero de reclamações procedentes, mas a grande maioria absoluta das reclamações que aparecem nestes sites é sem razão nenhuma, simplesmente a pessoa não entendeu as regras ou não prestou atenção nas regras quando comprou, e depois quando é confrontada com a realidade, fica dando piti na internet. Neste momento também tem que dar um "desconto" com as reclamações relacionadas aos cancelamentos causados pelo COVID, todo mundo que trabalha com viagens está super sobrecarregado com um volume gigantesco de atendimentos pedindo adiamento ou cancelamento, e as empresas não estão dando conta de atender todo mundo com agilidade, e provavelmente também não vão ter dinheiro para fazer todas as devoluções rapidamente, pode ser que leve alguns meses até conseguir devolver tudo, isto se não acabarem falindo antes devido a crise... Mas eu também tenho o mesmo receio da Nani84, mesmo que eles estejam vendendo estes pacotes a preço de custo sem prejuízo, eles podem acabar precisando deste dinheiro para cobrir o caixa de agora, e lá no ano que vem, que é quando você viajaria, eles não terem condições de honrar todos os pacotes vendidos, ou acabarem falindo devido a crise sem precedentes que o COVID causou. Pessoalmente, neste momento eu não compraria nada para uma data tão longa, não tem como saber como as empresas do setor de turismo vão sobreviver a esta crise, uma boa parte delas infelizmente vai acabar falindo e desaparecendo nos próximos meses. Mas em fim, se já comprou, só podemos desejar boa sorte, e esperar que você tenha entendido como funciona antes de comprar, para não ser mais um a reclamar sem razão nos sites de reclamações caso não consiga viajar nas datas que deseja, lhe colocarem num hotel ruim, ou cobrarem uma multa salgada pelo cancelamento...
  22. Ao pedir estorno, você tem que apresentar um motivo válido e aceito pela operadora de cartão, não é só pedir o estorno por que você quer estornar, eles analisam o motivo apresentado, e somente se avaliarem que é um motivo válido, ou se tem indício de fraude, é que eles fazem o estorno, e eu tenho grandes dúvidas de que o cancelamento do voo pela epidemia de covid-19 seria um motivo válido para eles aprovarem o estorno, pois esta situação já está coberta por outra legislação, que dá 12 meses para a companhia fazer a devolução em dinheiro ou créditos para outro voo.
  23. O problema é você conseguir comprar peso mexicano com uma cotação decente no Brasil, como é uma moeda "exótica", pouco negociada, a maioria das casas de câmbio nem tem Pesos Mexicanos para vender, e as que tem, praticam uma taxa bem ruim, com ágio de 30% ou 40%, a título de comparação o ágio no dólar costuma ser de 3%. Ou seja, qualquer ganho que você teria comprando pesos ao invés de dólares, você vai perder no ágio de 30% ou 40% que as casas de câmbio cobram sobre os pesos mexicanos. Também tem que levar em conta que o mesmo que aconteceu com o Real em relação ao dólar, também aconteceu com o peso mexicano em relação ao dólar, o peso mexicano também se desvalorizou em relação ao dólar. Ou seja, hoje com os seus Reais você passou a conseguir comprar menos dólares, mas em compensação estes dólares compram muito mais pesos mexicanos, por que peso mexicano também se desvalorizou um monte em relação ao dólar, o que acaba compensando a desvalorização do Real perante o Dólar. Claro que a crise tem uma forte contribuição na alta do dólar, e o dólar pode voltar a ficar abaixo do R$ 5 daqui a alguns meses, mas questão do ágio de 30% ou 40% do peso mexicano sempre existiu e vai continuar a existir, e isso vai continuar fazendo com que comprar diretamente pesos mexicanos ou qualquer moeda "exótica" no Brasil sempre seja um péssimo negócio.
  24. Se você se preparar bem, e viajar ciente do frio e das limitações que o inverno impõe no seu roteiro, e fizer um roteiro adequado ao frio, dá para aproveitar e se divertir bastante também no inverno. Mas pessoalmente eu tentaria deixar as passagens em aberto, sem marcar uma data agora e nem nos próximos 2 ou 3 meses, pois por mais que a pior fase tiver passado, mesmo lá por novembro/dezembro, ainda pode existir algum tipo de restrição ou quarentena obrigatória para estrangeiros. Pessoalmente eu deixaria a data da viagem em aberto neste momento, e deixaria para marcar uma data lá por agosto ou setembro, quando acredito que já teremos uma definição melhor de como estarão as coisas em novembro ou dezembro.
  25. Desde 2006 eu tenho uns R$ 500 a receber da Varig, corrigidos hoje daria quase 2 mil Reais, também tenho uns 50 Euros da receber da Air Berlin desde 2017, referente a voos cancelados, mas como ambas as empresas faliram logo depois de cancelarem os voos, este é um dinheiro que nunca vou receber de volta, e agora tenho estes 3 mil da American Airlines que não sei quando vou receber... Então infelizmente neste momento, a única coisa que podemos fazer é torcer para as empresas não falirem, e que em algum momento no futuro elas consigam fazer algum reembolso ou oferecer crédito para outros voos, ou seja, o que vier será lucro.
×
×
  • Criar Novo...