Ir para conteúdo
  • Total de itens

    4
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

7 Neutra

Últimos Visitantes

152 visualizações
  1. O finzinho da trilha do Fitz Roy é bastaaaaaaaante cansativo (mas muito recompensador), leva um tempinho. E é uma trilha que pede pausas pra apreciar a paisagem, explorar um pouco as áreas de camping (e o lindo lago) e os riachos, fazer umas fotos mais trabalhadas etc. Assim, é bom ir com tempo. Por outro lado, em novembro, a duração do dia já será bem significativa, provavelmente haverá luz natural até lá pelas 20:30 ou até mais um pouco que isso. Eu, se fosse você, faria nesse dia a trilha da Laguna Torre, que é mais tranquila. Menos impactante que a do Fitz Roy, mas vale a pena com certeza. Na verdade, foi o que fiz quando lá estive. Ônibus de manhã e, em seguida, trilha. Mas peguei o trecho final no escuro (cheguei em El Chaltén lá pelas 23:00, e olha que foi em janeiro com o dia se encerrando às 21:30). Então, não esqueça a LANTERNA. Será ultra-útil.
  2. Olá, Filiperocha! Estive na Patagônia Chilena em 2010 e na Patagônia Argentina também em 2010 (na mesma viagem) e depois novamente em 2015. Assim, vou dar uns pitacos. Fui à Torres Del Paine tentar fazer o "W" mas no primeiro dia o vento destruiu minha barraca, assim, como não havia vagas nos refúgios e nem todos os campings disponibilizavam barracas para alugar, tive que voltar a Puerto Natales sem completar o percurso. Mas foi suficiente para chegar à base das montanhas, como você pretende fazer. E fiz também o mini treckking do Perito Moreno (de fato, eles disponibilizam um tempo também pra explorar as passarelas) assim como as trilhas de El Chalten (tanto a Laguna de Los Três quanto a do Fitz Roy). Vamos lá: 1. Eu trocaria o dia livre em El Calatafe por um dia livre em El Chaltén. Como você já passará o dia de chegada em El Calafate, e é uma cidade simpática mas muito pequena e fácil de explorar em poucas horas, aproveitaria mais El Chaltén que possui muitas trilhas incríveis, principalmente a do Fitz Roy, que eu gostei bem mais do que a Laguna de Los Três, aliás, acho que foi a trilha mais incrível que eu conheci na vida toda, vai valer a pena. Isso se o clima ajudar, pois com tempo nublado, compromete a paisagem. Mas isso vale pra qualquer trilha. 2. Nas duas vezes em que fui pra lá fui desaconselhado fortemente a não levar reais; não sei se mudou alguma coisa, mas é muito diferente de Buenos Aires, onde essa transação é tranquila. Puerto Natales então, nem se fala. Ali, nem usar cartão de crédito (nem de débito) foi possível. Presenciei altos perrengues de quem estava desprevenido. Já El Calafate tem um banco apenas em que conseguia sacar a grana do cartão (acho que era o Banco de La Nacion, na avenida Del Libertador, ou próximo a ele). Mas o melhor é levar dólar em espécie (em 2015 valia muito a pena pois havia uma carência de dólares na Argentina, os caras te pagavam até 70 por cento a mais do que o câmbio oficial). 3. A época, eu não tinha celular, assim, não sei informar nada sobre isso. 4. Não conheço estes hostels, mas acho que nesse período haverá bastante oferta. Mesmo em janeiro consegui hospedagem em Puerto Natales, El Calafate e El Chaltén apenas ao chegar lá. Mas, se for hostel de muita qualidade, estes dificilmente tem vaga no improviso. Tem que reservar. 5. Passagens de ônibus era algo bem complicado de se conseguir para trechos longos, ao menos na altíssima temporada (em ambas viagens fui em janeiro). É provável que, indo em novembro, seja mais sossegado. Isso em relação ao trajeto El Calafate-Puerto Natales (se for possível adquirir as passagens pela internet ainda aqui no Brasil, faça isso), pois El Calafate-El Chaltén são mais próximas e não necessita atravessar a fronteira, então, com até um dia de antecedência acredito que você consegue se programar. Mas, chegando lá, já adquira tudo pra não ter imprevistos. Uma opção seria assim: chega em El Calafate sem reservar as passagens de ônibus nem os passeios. Assim, você reserva as passagens pra Puerto Natales pra metade final da sua viagem (aqui, diferentemente de El Calafate, é mais fácil agendar o day tour) e vai primeiro pra El Chaltén, que é mais tranquilo nesse sentido, depois o Perito Moreno e finaliza no Chile. 6. Tranquilíssimo viajar por ali. É praticamente uma "Europa". 7. De fato eu trocaria um dia free em El Calafate por um dia free em El Chaltén (de todos esses destinos, foi o que mais gostei). Manteria Puerto Natales e Torres Del Paine do jeito que está, pois dizem que esse day tour por TDP é bem satisfatório, eu não fiz mas todos elogiam. Só iria à base das Torres se o tempo estivesse aberto ou quase isso (do contrário, não será possível avistá-las bem). Caso você insista em manter-se em El Calafate no dia free, ali tem vasta programação. Entretanto, ao contrário das trilhas de El Chaltén que são lindas, muito acessíveis (basta sair da cidade caminhando e acompanhar as setas), sinalizadíssimas e grátis, os programas de El Calafate são caríssimos (visitar geleiras, fazendas de criação de ovelhas, churrascos tradicionais etc.). Pressinto que seu espírito aventureiro se realizará em El Chaltén (além das trilhas grátis, você pode alugar uma bike e pedalar longamente, mas, insisto, NÃO DEIXE DE CONHECER A INENARRÁVEL TRILHA DO FITZ ROY, uma das mais lindas do mundo). 8. Por tudo isso, insira mais um dia em El Chaltén, você não se arrependerá. Espero ter ajudado. Um abração!
  3. Olá, Júlia! Então, estive na Suíça em setembro de 2017 e acho que posso colaborar com alguns pitacos. Tem um relato meu aqui no mochileiros Era outono e acredito que com temperaturas parecidas com as que você deverá encontrar em maio (primavera), ou seja, tempo muito agradável, com neve no alto das montanhas. Foram 8 noites e 9 dias (pernoitei 4 dias em Interlaken, 2 em Zermatt e 2 em Lucerna). Sobre suas dúvidas: - Sim, em Zermatt tem muitas trilhas bacanas pelas montanhas e grau de dificuldade variável. Fiz uma bem tranquila, a chamada “Matterhorn Trail” (há muitas outras opções) e que passa por Zmut, um vilarejo próximo. Pra quem estiver na cidade voltado para o Matterhorn, o início dela fica a direita do rio que atravessa a cidade, ao final da zona urbana. É trilha padrão Suíça de qualidade, toda assentada, sinalizada e larga. Algumas fotos pra você ter uma noção: Fiz também os dois principais passeios de Zermatt. De trem até o Gronegrat, plataforma com vista panorâmica para geleiras e picos. 28 francos suíços pra quem tem Swiss Travel Pass. E foi um passeio bem legal, a vista é incrível, vale a pena. Dali se avista o Matterhorn bem de longe. O outro passeio foi ao Matterhorn Glaciar Paradise, o local onde o ano todo pratica-se esqui em Zermatt, sempre com neve abundante. Com o passe, consegui o ingresso por 50 francos suíços (50% de desconto).Subindo os “cable cars”, se fica de frente pro Matterhon no seu melhor ângulo, aquele da embalagem do Toblerone, até porque na trilha é possível se aproximar mais, mas para uma face bem menos fotogênica. Assim, após mais dois “cable cars” finalmente se chega à plataforma, a 3.883 m. Achei os passeios e as trilhas de Zermatt super válidos, mas as paisagens de Lauterbrunen e região são mais impactantes, mas muuuito mais mesmo. As vistas panorâmicas dos arredores de Lauterbrunen, em Interlaken, mesmo sem neve, são realmente imbatíveis. Estando lá, eu desisti de visitar o Jungfrau, tanto pelo valor exorbitante e meio que por saber que viria o Matterhorn pela frente, quanto pelo absurdo que foi a visita aos arredores de Lauterbrunen. Eu tinha decidido ir de trem até Murren, depois Grimewald e, finalmente, de “cable car” até a montanha do 007 (Schiltorn), onde um dos filmes dele foi filmado, por 82,20 francos suíços (com 50% de desconto pro Swiss Travel Pass). O transporte todo (trem e cable cars, tanto pro Schiltorn – menos o último cable car - quanto pros arredores) está incluído no Swiss Travel Pass. Lá na montanha havia muito nevoeiro e não deu pra aproveitar muito, apesar de ter por ali uma espécie de museu e algumas atrações "in door". Mas o caminho valeu tanto a pena que ainda acho que nada pode ser mais interessante. Veja: É esse o padrão de paisagens que você encontrará por lá. E, na volta pra Interlaken, vale a pena descer a pé as trilhas que ligam alguns desses vilarejos. Eu, mesmo tendo saído de Interlaken às 12:00 e tendo portanto pouco tempo, fui de Grimewold até Schelker a pé e o caminho é bem sinalizado, não tem como se perder, mas prepondera a lógica: basta ir descendo. Faltou tempo pra chegar até Lauterbrunen, mas teria com certeza sido incrível. Enfim, acho que esse é o melhor programa possível na Suíça. - Um local que vejo pouca gente abordando mas que foi uma grata surpresa foi a visita ao Schynige Platte (trem de Interlaken para Wilderswill, dali outro trem até o topo da montanha, a quase 2.000 metros). Sei que não é um programa tão conhecido, mas eu adorei. E, comparando, a não ser que o objetivo seja ver muuuita neve, muito melhor do que a visita ao Matterhorn, que fiz alguns dias depois. E dá pra fazer zilhões de trilhas lá em cima. Com Swiss Travel Pass é free. Olha as vistas de lá: Ninguém havia dito nada dali e foi uma gratíssima surpresa. O único detalhe que vale pra toda e qualquer montanha é que só se deve ir se o tempo estiver realmente bom, caso contrário, muuuita nuvem e nevoeiro atrapalhando a visão panorâmica. - Eu, se fosse vocês, adquiriria o Swiss Travel Pass pra quatro dias alternados, já que vocês já tem garantido passagens para alguns dias da viagem. Daí, você usa ao menos um dia em Zermatt, outro em Interlaken e região, e quem sabe, um pulinho até Zurique e Lucerna, ambas muito lindas e em um dia cada você consegue explorá-las bem, aliás, a ferrovia entre Interlaken e Lucerna é um dos caminhos mais lindos que vi na vida. Aproveitem. - Nunca, jamais, por nada no mundo deixe de comprar os chocolates vendidos a granel, bem melhores do que os embalados, não faço a mínima ideia do porquê (talvez por serem "mais artesanais") . Eu dei muita sorte com os que comprei numa loja da estação ferroviária de Lucerna (não me lembro o nome mas creio que é a única que ali vende a granel). - Se tiver tempo de sobra, outro lugar bem legal perto de Interlaken é Grindelwald. Ali, só fiz uma trilha, mas há muuito mais por perto (visitas a montanhas, geleiras, acesso ao Jungfrau etc.). Vai uma foto de umas paisagens na trilha: Espero ter ajudado. Uma ótima viagem pra vocês!
×
×
  • Criar Novo...