Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Mari Moraes

Membros
  • Total de itens

    15
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    2

Mari Moraes venceu a última vez em Maio 23

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

28 Excelente

Últimos Visitantes

104 visualizações
  1. 20/04 - Dia 1 PADI Open Water - Utila Dive Center - Teoria pra sorte de quem tá lendo, esse dia é bem curto. 😂 acordamos as 6h da manhã na exata posição que tínhamos apagado na noite anterior. nem um centímetro a mais ou a menos. a janela do quarto é fechada com uma cortininha bem vagabunda que seria equivalente ao papel higiênico folha única que minha vó gostava de comprar. ô ódio! por isso, todos os dias acordávamos junto com o sol nesse quarto do mango inn. aproveitando a deixa, vou comentar minhas impressões sobre o lugar. primeiro, as expectativas eu tinha pesquisado bastante antes de fechar o curso com o udc, e um dos motivos que me levou a isso era que em todos os lugares que eu lia, eram só elogios ao mango inn resort convenhamos que resort eles tão forçando beeeeeem a barra, lugar que os estudantes do udc se hospedam de graça em dormitórios compartilhados de no max 4 pessoas. a localização a maior parte dos elogios era justamente sobre a localização. por não ser na rua principal, teoricamente daria pra dormir tranquilo, longe da bagunça. teoricamente porque apesar de não ficar na zuera da rua principal, tem um restaurante/bar que fica aberto até 2h da manhã e toooooodo dia rolava um furdúncio. nosso quarto era bem na boca do bar. outra coisa que não é positiva pra não dizer que é uma merda é que quando você esquece qualquer coisa, perde pelo menos 20 min pra ir até lá pegar, não é prático de novo, é uma merda. o quarto a cama é confortável e tem ventilador que dá conta do recado. nossos companheiros de quarto eram um sueco e um canadense que estavam no curso de divemaster. o sueco era bem na dele e o canadense conversava com a gente. tem cofre no quarto (levem cadeado) mas não me senti insegura em nenhum momento e acabamos deixando camera/celular pra fora do cofre várias vezes e não aconteceu nada. antes de chegar lá, li que pagando $16 dolares por dia você poderia se mudar pra um quarto privado. os gauchos que estavam com a gente fizeram isso mas tiveram que pagar não $16 mas $40 (!) por dia. já falei que a cortina era só decorativa, o quarto fica completamente claro a partir das 6h da manhã. o nosso quarto (esse da porta debaixo) tinha um problema com a fechadura. no primeiro dia foi só chato, nos seguintes ficou insuportável. tivemos que chamar a recepcionista, que não conseguiu, aí chamou o zelador, que ficou uns 10 min intercalando com o thomas, até que um dos dois conseguiu. eu já ficava agoniada voltando da aula cansada porque sabia que se a porta tivesse trancada, ia ser aquele auê pra conseguir entrar. os banheiros não fui nenhuma vez no banheiro que não tivesse uma moça limpando lá. eles tem bastante cuidado com isso mas, apesar do cuidado, o banheiro tava SEMPRE entupido ou sem tampa e um chuveiro tava sempre estragado. mensagem pro thomas de demonstração diária de amor por esse hotel que conheço bem e ja odeio pakas o restaurante tinha lido que aquele restaurante tinha a melhor pizza de roatan, já tava animada pra chegar lá e dar aquela arrastada. custa 400 lempiras a pizza. vinte dolares! passamos. voltando a programação normal terminamos de assistir o 3o vídeo do curso tomando café da manhã (doritos com coca, férias né gente ¯\_(ツ)_/¯) e fomos pro udc. conhecemos nossa sala (eu, thomas, os gauchos, uma canadense e uma havaiana) e nossos intrutores (cali e constantin). meu erro épico lá pra 100a questão, os neurônios já tavam operando no modo avião estava chovendo e passamos o dia fazendo provinhas do padi numa sala. a parte mais legal foiquando o cali ensinou a montar todas as partes do equipamento e fez a gente repetir duas vezes sozinhos pra ver nossa evolução. terminamos com um um recado: se continuasse chovendo amanhã, teríamos que fazer nossa primeira aula prática confinada na piscina do mango inn. ah pronto, era só o que faltava! se fosse pra fazer em piscina, me avisava que eu fazia o curso aqui em belford roxo.
  2. @StanlleySantos HAHAHA olha, confesso que fico com muito mau humor em trilha, nessa aí do cerro negro eu paguei $5 pra uma pessoa me ajudar a carregar o board (pesa uns 10kg com tudo) até o cume pq sabia que as chances de eu ficar irritada com subida+peso era bem alta, mas a galera mais raíz levou sozinha. boa sorte pra sua namorada!! quero ver o relato aqui depois hahaha chorei com o relato de foz!! obrigada por compartilhar!! e nunca fui pra lá e além de engraçado, achei útil pra krl!! @Rezzende pqp imagino o que vc passou! ficou um tempão com a ferida toda aberta pra conseguir ser atendido, isso pq santiago é uma cidade desenvolvida né? pensa se vc tivesse num buraco de fim de mundo... vc chegou a entrar em contato com o seguro antes de ir pra clinica? se importa de falar qual foi e se recomenda ou não? é sempre bom saber qual seguro não vai te deixar na mão numa situação dessa... e eu já tinha lido vários relatos seus por aqui, inclusive o da colombia me ajudou muito quando eu fui! são ótimos! eu tava aqui na moita do mochileiros há anos 😂
  3. DIA 2 - 19/04 - VOO BOG - SAL - RTB + Ferry Utila + Inicio Curso de Mergulho depois de todas as desventuras, já tinha desistido das férias, queria pegar o primeiro voo de volta pro brasil e passar 7 dias dormindo. isso que é vida. banhozinho quente, passar produto na cara, estourar uma pipoquinha, colocar aquela série lixo e assistir com a toalha na cabeça, checando o celular a cada 5 minutos. meu devaneio foi interrompido por um sacolejo do tipo RECEEEBA. bati com a cabeça na janela. era o avião chegando em el salvador. agora eu tinha motivos pra me animar. a imagem que eu tinha de el salvador era mais ou menos assim a realidade é que aquele lugar parece o quintal do snoop dogg. a massa de nuvem concretada em cima do aeroporto é tão grossa que só pode ser ali o lugar que sustenta o Céu. tirei diploma de phd em turbulência depois de voo. as notícias não pareciam muito animadoras e chegavam em avalanche. nosso voo dividiu o portão com outro a caminho de cancun. muitos adolescentes americanos se estapeando na fila. parecia o retrato das férias no inferno. o alívio veio quando nos dividimos dentro do finger e o grupo que apelidei de saudades-nenhuma-da-época-que-eu-era-idiota foi pra um lado e nós pro outro. dentro do voo a paz reinava, mesmo em uma situação delicada com muitas crianças em volta de nós: no banco da frente, dos lados e atrás. fiz amizade com o menino da nossa frente pela frestinha da poltrona. se não pode vence-los, junte-se a eles. eu particularmente amo crianças e tenho uma espécie de magnetismo que funciona bem com a classe mas foi nesse voo que eu tive a certeza de que elas são muito mais educadas que adolescentes. espero ter condições de mandar meus filhos adolescentes pra algum intercâmbio bem longe quando chegar a hora kkk. aterrissamos em roatan num dos voos mais cinematográficos que eu já fiz, sem nenhum incidente infantil e eu me despedi do meu melhor amigo salvadorenho com o coração na boca de alegria por finalmente ter chegado (ou quase). thomas metaleiro fazendo mala pras férias na praia a imigração do aeroporto de roatan é tão simpática que parece recepção de hotel 5 estrelas. os agentes com sorrisão no rosto desejando boa viagem, senti que vinha coisa boa por aí. fechamos um taxi pro porto do ferry por $5 cada. dava pra ter negociado e chegado nos $3 que o agente da imigração nos contou que era o preço certo, mas estávamos tão exaustos, que só concordamos e entramos no carro. nos meus áureos tempos mochilão-perrengue eu teria feito esse percurso a pé e teria mais história pra contar, mas de umas viagens pra cá tenho me nuttelizado e optado pelo mais garantido. utilidade: os preços (dá $33 dolares) e horários do ferry a recepção do utila dream tem ar condicionado, aceita cartão e todo mundo é simpaticíssimo. o cara que guardou nossa mala se ofereceu pra nos levar em um lugar pra almoçar. a gente se ilude muito quando tá tudo bom demais e esquece que a vida é aquele ditado né: dias de luta, dias de luta de novo. não foi culpa dele, mas fomos pegos no famoso almoço-cilada. ele deve estar acostumado com padrão europeu/americano e achar aquele lugar ok. escolhemos o mais barato do cardápio: um sanduíche triste de frango com fritas por 13 dolares + uma coca por mais 2. 15 DOLARES, CINQUENTA REAIS por uma refeição nível excursão da escola quando o pai não tá olhando. mas a maior surpresa nem foi essa. na hora de pagar a conta, nos cobraram 25% de taxas VINTE E CINCO PORCENTO. disseram que era 10% de serviço, mais 15% de imposto. dica valiosíssima de honduras: pergunte sempre quanto é a taxa antes de sentar, porque cada restaurante inventa o seu e o mais engraçado é que até o imposto muda. fizeram curso de administração ali em brasília, com certeza. voltamos pra recepção as 13h e ouvi um: "escuta, você não tava no nosso voo de el salvador?" em sonoro e bom português. era um casal de gauchos que estavam indo pra utila sem saber que curso fazer. passei pra eles o whatsapp do udc (lembra que o atendimento deles era o melhor?) e ali mesmo eles já fecharam o curso. as 13h30 começa o embarque e achamos estranho que ninguém ficava no deck lado de fora. podia ser pelo calor lá fora? podia. mas a balsa de são sebastião também é quente pra kct e amontoa de gente pra fora dos carros pra tomar um arzinho. ficamos do lado de dentro também e confesso que não esperava que o esquema fosse tão chic. tomadas e tvs por todos os lados, ar condicionado estalando e tudo novinho. dica: leve casaco pro ferry, aquele mesmo de bogotá sabe? lá pros 20 min de viagem, resolvemos sair pra ver a paisagem. mais uma dica: não faça isso. por que? descubra nos vídeos. o percurso demora 40 min e a escola (udc) vai pegar na chegada do ferry com carro, plaquinha e tudo, mas não se acostume, eles só fazem isso pra te impressionar. depois do primeiro dia você tem que camelar sozinho do mango inn até lá sozinho (vou falar mais sobre isso no proximo episódio). no primeiro momento tivemos que preencher o formulário medico com a mentira mais contada de todos os tempos em formulários e nos disseram que uma das pessoas da turma precisaria de um medico pra liberar, por isso só começaríamos de verdade as 8h da manhã seguinte. tiramos a foto pra nossa carteirinha (SIM. depois de 40h sem dormir. mas não se preocupe, porque a carteirinha vale só pela vida inteira) e nos deram tablet - tem que deixar um documento lá pra retirar, eu deixei cartão de credito - com os vídeos das aulas. são 5 vídeos, os 3 primeiros, que deveríamos assistir pras aulas do dia seguinte tem duração de 1h e os dois últimos são mais curtos. voltamos pro mango inn, e o tempo estava bem nublado, perfeito pra assistir os benditos dos vídeos. pensei que fosse ser bem chato, mas a real é que são até interessantes. jantamos doritos e lembro que até a hora do meu blackout total, vimos 2 completos. ali mesmo, num quarto compartilhado, dividindo uma cama de beliche com um tablet tocando alto em cima do meu peito, inteira coberta de doritos, tive a melhor noite de sono da minha vida.
  4. @Caroline Hersbach oi pra ir de cartagena pra san bernardo tem um barco que chama TRANQ IT EASY, custa 100 mil COP por pessoa, se quiser te passo o numero deles pra reservar. lá fiquei no isla roots e foi infinitamente melhor que o casa en el agua (acabei tendo que passar um dia lá na volta). achei o casa legal pra passar algumas horas, mas ele é pequeno e ficou muito "famosinho" então as pessoas mais c* tavam lá quando eu fui. já no isla roots, que é do lado, tem um espaço enorme (até quadra tem), as camas são confortáveis (e pelo preço de dormir em rede no casa), tem uma prainha atrás (no casa não tem areia) e a galera era beeeem mais suave, parecia uma familia mesmo. eu queria muito conhecer o casa quando eu fui, mas vc acaba ficando um tempo lá de qualquer jeito pq o barco que te pega pra ir pro isla roots sai de lá sobre as praias que você falou, talvez eu pularia pq vc já vai pro arquipélago, valeria a pena trocar um dia de praia perto de cartagena por um dia a mais nas ilhas, pq a viagem de barco é longa...
  5. @StanlleySantos @Rezzende gente eu não posso ver um perrengue!! é cada história kkk mas eu amo o lado real das viagens, o que vai pra foto do instagram é só o por do sol, ninguém vê a suadeira colando a blusa nas costas, as pernas empelotadas de picada de mosquito que parece que o joelho fundiu com o calcanhar, e os chicken bus que vc pegou pra chegar ali. e no fim acho que o que fica mais marcado em você é isso, o por do sol todo mundo vê igual, sabe? vcs tem alguma história boa de perrengue em viagem também?
  6. @Claudia Severo vou começar a parte de honduras amanhã com direito a muita foto!! eu achei pouquíssima coisa pesquisando antes da viagem e o que encontrei aqui me ajudou muito, por isso decidi escrever! (só que eu escrevo demais kkk tem que ter um pouquinho de paciencia)
  7. DIA 1 - 18/04 - VOO GRU - BOG NUNCA DIGA QUE DESSE ERRO NAO REPETIREIS, PORQUE VAI QUE REPETIREIS ¯\_(ツ)_/¯ se foi por sorte ou azar que nosso voo da avianca passou de 16:55 pras 06:55 da manhã e nos obrigou a passar uma """noite""" em bogotá, ainda não descobri. só sei que a privação de sono é mais prejudicial pro corpo que um porre de corote, entenda: dia 18: 06:55 Guarulhos - Bogotá 11:55 dia 19: 04:59 Bogotá - São Salvador 07:00 08:25 São Salvador - Roatan 09:55 detalhe: o nosso curso de mergulho começava no dia 19 mesmo, só que em utila a gente trabalhou quarta o dia todo, fizemos mala a noite e partimos pro aeroporto as 3 da manhã, direto sem dormir. então, chegamos em bogotá com quase 30h de sono acumulado. pegamos um uber (aqui vale a pena falar que uber lá ainda não é regulamentado, então conecta no wifi do aeroporto e tira todassss as dúvidas com o motorista antes de ir pro estacionamento esperar - 45 min de corrida e só R$28 reais - vale muito a pena uber, cabify e easy taxi na colombia, mais seguro e garantido) pro hostel e... qual a decisão mais sábia nessa hora? isso mesmo, fomos fazer o free walking tour do centro. eu sou suspeita pra falar de walking tour, mas esse de bogotá e o de medellin são fora da curva de excelentes! você nem vê as mais de 3h passarem!! quer dizer... tinha feito esse mesmo tour em outra oportunidade mais ou menos 1 ano antes (vou me organizar pra rolar um relato dessa também) mas quem aprende com os erros é sábio, e eu sou no máximo teimosa. bogotá é uma cidade FRIA, que fica bem no meio do caminho pras viagens de praia e agua de coco. difícil lembrar de levar aquele casaquinho que ocupa meia mala quando a outra metade tá só biquini e pós sol pra aliviar as queimaduras de quem não ouviu pedro bial né? museu do fernando botero foi a melhor parada do tour. fechado toda terça, bem o dia que eu tinha ido da outra vez. pelo menos com esse erro eu aprendi. no final do tour eles entregam o jabazinho, mas não menospreze! no meio dos pega-turista, tinha uma barbada: degustação de cerveja no Bogota Beer Company DE GRAÇA. a gente até podia ter voltado pro hostel, mas essa foi difícil de recusar. a degustaçao inclui 6 copos de cerveja pra cada um. mas uma dica: não vá em grupo como a gente foi, pq eles começam a regular a cervejinha lá pela quarta pessoa. entre uma cerveja e outra, decidimos jantar no andres carne de res com uma menina que conhecemos no dia. apesar de ser imperdivel, o restaurante fica em outra cidade!!! parecia uma boa ideia entre a quarta e a quinta cerveja mas agora estávamos em um uber há 40 minutos, no meio da estrada a mais de 100km/h, com o álcool evaporando e o sono batendo. estávamos tão exaustos e humilhados que nem fome eu tinha mais. chegamos no restaurante já procurando um canto pra escorar. fomos surpreendidos com a maior explosão de informação que eu já vi na minha vida. CORES, MUSICA NA CAIXA DE SOM, BANDA AO VIVO, CHEIRO DE CARNE, RISADAS, FANTASIAS, GENTE PASSANDO, PRATOS NA PAREDE, COMI O C DE QUEM TA LENDO, PLACAS NO TETO, GENTE PASSANDO EM TODAS AS DIREÇÕES. depois de tantas horas sem dormir, seria uma alucinação? eu não sei o que aconteceu mas entrei na alucinação coletiva e acho que não. tem. como. não. amar. esse. lugar. eu, que estava no maior mau humor, me vi sorrindo e cantando musicas em portunhol com a alegria de quem não tem voo daqui 4h pra pegar. com tanta alegoria no lugar, pensei que a comida ia ser só mediana, uma desculpa pras pessoas irem até lá, tipo filme com muito efeito especial mas errei. errei rude, errei feio. pedimos 3 pratos de carne com acompanhamentos e drinks e era tudo maravilhoso, comi até os temperos de decoração com gosto. dá vontade de sair pedindo tudo só pra ver como vai ser a próxima apresentação. tudo é autêntico e pensado nos detalhes. nunca fui num lugar com tanta personalidade. sobre o preço: é caro pro que a gente está acostumado a gastar em viagem, deu 90 mil COP pra cada (R$120) mas, pelo menos aqui em são paulo você não sai pra jantar com bebidas por muito menos que isso não. o uber deu (ida e volta) R$35 pra cada. eu achei que valeu. mas eu não tava em condição de achar nada que não tivesse a forma de um travesseiro chegamos no hostel meia noite e quarenta. fundi com a cama. como num pesadelo, o despertador tocou. acordei só o corpo as 2h da manhã, o espírito continuou na cama. pegamos um uber e chegamos com antecedencia de meia hora. cada minuto na madrugada silenciosa parecem 10. olhando a hora na placa do embarque, ela olhava de volta com um sorriso debochado, eu conseguia ver os minutos de sono que ela tinha me roubado. me perguntava por queeeee? e lembrei de tantas vezes que já me fiz essa promessa de não correr, ter sempre um dia pra descansar da viagem. mas não posso ver um diazinho sobrando que já fico que dormir o queeeee, deixa pra dormir em são paulo, aqui eu quero é aproveitar. todas as férias eu volto parecendo que fui cobaia em test crash de automovel. mas nesse dia, com o olho ardendo que nem conjuntivite e os sentidos se desfalecendo, disse pra mim mesma que nunca mais ia repetir esse erro. é sério. DIA_18_DE_ABRIL_DE_2019_DIA_QUE_EU_APRENDI_QUE_FERIAS_TEM_QUE_SERVIR_PRA_DESCANSAR_VERSAOFINAL_FINALISSIMA_OFICIAL_SEDEUSQUISER_AGORAVAI3.PDF HOSPEDAGEM urbana hostel: R$35 a diária. segunda vez que fiquei lá, a primeira foi no dormitório e agora, num quarto privado. esse hostel é imbatível. tá na melhor região de bogotá com um preço justíssimo. no mesmo quarteirão tem muitos restaurantes, lojas de departamento, casas de cambio e tem uma loja de conveniencia 24h bem na esquina. a cama é muito confortável (no quarto compartilhado de 3 pessoas uma das cama é de casal até), o chuveiro é quente e o café da manhã é simples mas suficiente (pão, suco, cereal).
  8. @Gustavo Leonel tranquilo, se tiver mais alguma duvida, manda aqui. comecei o relato 😂
  9. como muitos aqui, uso o mochileiros desde 2012 mas nunca tinha feito um relato. vergonhaaaa. esse forum já me ajudou demais e espero contribuir. obs: escrevo tudo em minusculo porque estou acostumada a fazer assim no trabalho, se tiver ruim de ler, avisem que eu tento melhorar. SOBRE A VIAGEM fui só pras ilhas de honduras. gostaria de ter conhecido copan, mas era muito fora de mão. não sei muito bem se posso dizer que "conheci" o país porque a realidade do continente é bem diferente do que você vai ver nas ilhas. a moeda oficial é a lempira mas todos os lugares aceitam dolar na cotação $1 = 24 lempiras (em maio/2019) baleadas. baleada é barata ($1) baleada é bem servida. comam baleadas o jeito mais barato de chegar é pela avianca, e é o mais longo também: são pelo menos duas conexões. uma em algum país da américa do sul e outra obrigatoriamente em são salvador. minha viagem era bem no meio da falência da avianca brasil e mudaram meu voo no trecho GRU-BOG pra mais cedo pq cancelaram todos os outros horários, e acabei tendo que passar um dia na colômbia. SOBRE UTILA apesar de ter lido em muitos lugares que utila só serve pra quem vai mergulhar, discordo. vou colocar no relato (dia 24/4) as praias incríveis que tem por lá também. mas, fora isso, a cidade respira mergulho. você vai dormir e acordar falando sobre o último e o próximo, vai fazer amigos em lugares improváveis só de ouvir eles contarem alguma história, vai ter invejinha de algumas e vai se orgulhar de outras próprias < 3 então, estando lá, por que não fazer? importante: todas as escolas em utila dão dois fun dives de presente pra quem faz o curso, em roatan não SOBRE CAYOS COCHINOS quase todas as ilhas lá são privadas, pelo que entendi conversando com o pessoal local, só existe uma ilha pública (minuscula) que é onde toda a população mora. elas ficam bem próximas do continente e longe das outras ilhas maiores. tem pouquíssimas informações sobre lá e isso foi o que mais me motivou a escrever o relato. tudo que encontrei era day tour. de roatan custa $180 (!!!) e nunca é garantido, por causa da distancia e do mar bravo, a viagem pode ser cancelada a qualquer minuto. de sambo creek, $39, é mais garantido mas pra ir e voltar de lá, você precisa estar no continente e cada perna do ferry das ilhas pra la ceiba custa $30. o day tour sai as 8h da manhã, volta as 15h e visita a ilha pública. a alternativa que encontrei foi me hospedar em uma das ilhas privadas, por incríveis $50 a diária, pra duas pessoas, em um bungalow por cima das águas (!!!). conversei com o proprietário da ilha e, com os contatos dele, conseguimos organizar toda a logística pra chegar lá. adianto: é puxado (literalmente - tivemos que desencalhar o barco da areia no meio do caminho). precisa ter disposição pra perrengue & grana. nunca paguei tão caro por um perrengue. mas quando você chega lá, esquece de tudo, prometo. só lembrei agora pra contar pra vocês 😂 ao todo gastamos, por pessoa pra ficar lá: hospedagem 2 noites: $50 ferry ida e volta: $64 taxi la ceiba: $37 barco cayos cochinos ida e volta: $80 passei duas noites e três dias. pensei que ia ser o lugar pra relaxar e que ficaria até entediada depois de tanto tempo sem "fazer nada". mas estava enganada, passaria mais uns dias lá tranquilamente. até porque se soubesse que gastaria tanto de transporte só pra chegar, teria estendido a estadia com certeza. SOBRE ROATAN igual que nem uma ilha na flórida 😂 tem muito gringo e é uma das maiores cidades do país cerca de 10% da população mora lá mas ainda tem a vibe tranquila de ilha (antes das 10h da manhã as ruas ficam praticamente vazias). ficamos em west end depois de pesquisar bastante, chegando lá tive certeza que escolhi certo (pelo menos, pra mim). tem tudo bem pertinho: restaurantes, dive shops, bares, mercados e farmácias. as distancias em roatan são graaaaaandes, então o lugar que você se hospeda vai otimizar o tempo que você estaria no transporte ao invés de curtir a praia, acredite! SOBRE O CURSO DE MERGULHO vou contar mais detalhado no relato diário, mas já pra adiantar: optei pela utila dive center ($350 - transferência de $200 pra garantir sua vaga antes e $150 em dinheiro quando chega lá), que é um pouco mais cara que as outras da ilha ($300) pelo nível de profissionalismo deles. sério, experimenta fazer uma cotação pelo site. respondem rápido e detalhadamente todas as duvidas mais esdruxulas. além disso, a hospedagem deles é no mango inn, tipo um resort com piscina (tenho um sentimento meio contraditório sobre o hotel), a estrutura deles é a melhor da ilha: tem 4 barcos e isso faz toda diferença na hora de agendar os seus fun dives, sempre tem espaço pra você. a localização também é excelente, bem no meio da rua principal de utila. acabei de tirar minha carteirinha padi então não sou nenhuma profissional kkk mas a impressão geral que eu tive, é que o utila dive center é o lugar mais respeitado, com os instrutores mais qualificados (meu instrutor era um biólogo marinho que já tinha morado desde as maldivas, até na antártica!!), e as outras são boas, mas é meio pra americano no spring break. uma opção boa se não couber no orçamento os $50 mais caro que o udc cobra, seria o underwater vision, que fica literalmente colado na parede do udc. mas enfim, como eu disse, só passei nas outras, não fiz o curso lá, então vou parar de opinar. ROTEIRO 18/04 - VOO GRU - BOG 19/04 - VOO BOG - SAL - RTB + Ferry Utila + Inicio Curso de Mergulho 20/04 - Dia 1 PADI Open Water - Utila Dive Center - Teoria 21/04 - Dia 2 PADI Open Water - Utila Dive Center - Prática + Bando Beach Game of Thrones 22/04 - Dia 3 PADI Open Water - Utila Dive Center - prova física + Mergulhos Treinamento 23/04 - Dia 4 PADI Open Water - Utila Dive Center - Mergulhos Treinamento Fun Dive 24/04 - Praia Pública + Neptunes Coral Beach + Fun Dives Extra 25/04 - Ferry La Ceiba + Taxi Nueva Armenia + Barco Cayos Cochinos + Cayo Chachahuate 26/04 - Mergulho El Avion e Pelican Town 27/04 - Barco Sambo Creek + Taxi La Ceiba + Ferry Roatan 28/04 - Snorkel Half Moon Bay em West End + Lands End + Sundowners Game of Thrones 29/04 - Mergulho + Festa Coconut Tree Divers West Bay 30/04 - Ressaca + Teste de Subblue + Roatan Chocolate Factory 01/05 - Voo RTB - SAL - LIM - GRU
  10. Tá otimo seu roteiro! Trocaria alguns dias de Roatan por Utila (e aproveitaria pra tirar o PADI hehe) como vc falou no inicio. Tem ferry que sai todo dia pra lá http://www.utilaferry.com/ ($30). Sobre chicken bus, com tempo e orçamento bem apertado vale muito a pena, mas hoje em dia estou me nutellizando e preferindo os shuttles sempre hehe : P Ah, e se for mergulhar em Roatan, procura a Coconut Tree Divers! Tive uma experiência surreal com eles, vou fazer um relato aqui depois
  11. @Gustavo Leonel sua ideia é desembarcar na Guatemala e voltar por Honduras? Talvez uma boa opção seja chegar em Flores, na Guatemala, perto de Tikal e ir descendo até Honduras pra finalizar a viagem em Roatan. A não ser que queira muito conhecer Tegucicalpa. Fui pra Honduras agora e a passagem custava o mesmo preço voltando de Roatan ou Tegucigalpa. Acabei optando por Roatan mesmo
  12. @ricardo.barros fui pra honduras agora, tenho pelo menos mais umas 10 dicas do que não fazer 😂
  13. ...ou as 5 coisas mais estúpidas que eu fiz em 5 dias na Nicaragua. porque dica do que fazer todo mundo dá. tudo é lindo nas fotos, nos textão. quero ver compartilhar as cagadas. só vou relembrar porque eu me prometo e tá escrito: NUNCA mais fazer umas cagadas dessas. (((até a proxima viagem))) 1. Naufragar de Kayak i love the smell of vai dar ruim in the morning. na minha última manhã em granada acordei cedo com siricutico e fui pro centro da cidade procurar um passeio pra ser o gran finale da estadia. já não bastava ter nadado em cratera de vulcão e cheirado enxofre do outro cuspindo lava, não. tinha que ter mais emoção, isso, tinha que ter mais aventura. tinha mesmo é que ter ficado quieta no meu canto mas... cheguei no centrinho e tava tudo fechado, a cidade só acorda 8h30. povo esperto esse povo da nicaragua, temos muito a aprender com eles. tudo aquilo que o sol toca, simba, é menos trouxa que você e só acorda as 8h30 da manhã bom, não vou esperar 1h sentada aqui no banco da praça né? volto pro hostel e arrumo as coisas, afinal, tenho que pegar um ônibus meio dia pra outra cidade. o universo sempre se comunica comigo. e eu devo falar aramaico. aproveitei o tempo ocioso pra conversar com a familia e tirar fotos da cidade vazia. tava tão vazia que rolou até um pau de selfie sem walk of shame. fechei um passeio de kayak pelas isletas e, como eu não sabia que ia andar de kayak quando acordei, tava com a minha sandalia que ocupa + espaço na mala, aquelas de gladiador romano. vocês acharem cafona é problema de vocês. na nicaragua faz sucesso. o motorista se ofereceu pra passar no meu hostel pra trocar. mas eu não queria fazer as outras 4 pessoas me esperarem. fora que minha malinha é organizada com o método tetris, se abrir tem que chamar esquadrão anti bomba pq pula roupa pelo quarto inteiro. então recusei. já que ia ficar dentro do kayak, não tinha pq me preocupar com sapato. (((nessa hora consigo mentalizar o universo, lá de longe, acenando negativamente em um facepalm))) o briefing antes de sairmos pro mar incluiu uma pergunta importantíssima de um alemão: "pq colete salva vidas? algum kayak já virou?" a resposta ficou marcada pra sempre em mim "apenas procedimento padrão de segurança pra não sermos multados. olha, posso te garantir, fizemos cerca de 600 tours e nunca aconteceu nada" tinhamos duas opções de kayak: duplo e individual. obviamente os 4 pegaram os duplos e eu sobrei ¯\_(ツ)_/¯ o kayak individual é bem mais punk que o duplo, ele é pesado e ruim de jogo, além de ser todo fechado. enquanto o duplo é aberto e de plastico (olha eu tentando dar desculpinha pra tentar justificar a cena rrrrrrridicula que vai se passar comigo alguns paragrafos abaixo) kayak nutella. duplo. molezinha. pra americano no spring break kayak raiz. individual. senhor com 35 anos de experiencia em alpinismo e sobrevivente de ataque de tubarão em moçambique além disso, começávamos o percurso na areia e pra chegar nas isletas, precisava passar a rebentação. isso ninguém te avisa antes de pegar seus dolares suadinhos. estava ventando. bastante. isso quer dizer que as ondas tavam boas. não pra nós,claramente. mas tinha gente surfando no lago. eu podia ter desistido nessa hora. mas não. a certeza que ia dar ruim eu já tinha, agora eu ia atrás da humilação REAL. e fui. o programa que acontece todos os dias nos mais de 600 tours é mais ou menos o seguinte: 9h - chegada na marina e briefing 9h15 - todo mundo com o kayak na areia rumo as isletas 9h50 - chegada as isletas 10h40 - visita ao forte 11h - retorno pra marina 11h30 - fim e agora uma imagem aérea de onde eu estava as 10:00 eu não conseguia, de jeito nenhum, quebrar as ondas e tava sendo jogada pras pedras. a cada estourada, entrava mais água no kayak (lembra que era fechadão? pois é). eu já tava com os braços e as pernas doloridas e o sol tava ardendo. tinha esquecido capa a prova dágua e meu celular tava em um ziplock de pão, agarrado no meu colete sendo submerso. olhei pro céu. alguém devia tá rindo de mim. lembrei dos mais de 3 mil kayaks que já tinham passado por ali e nunca tinham afundado, enquanto ia sentindo o meu ficando cada vez mais pesado, no nivel da água.tava a poucos minutos de virar estatística, podia sentir. eu ia mudar o curso da resposta pra pergunta do colete. parece triste, mas o pessoal do meu grupo que já tava no rio calmo, ria com respeito de mim e tentava gritar alguma coisa pra me ajudar. o guia, um nicaraguense de 19 anos, só falava frases de motivação tipo treinador de crossfit. as ondas vinham rasgando pra cima de mim. até que eu vi ela, e ela me viu. a onda veio e eu nem tentei lutar. o kayak virou, e eu, em câmera lenta com as duas perninhas arreganhadas pra cima, tentando segurar o celular com a boca tomei um caldo épico. se tivesse trilha sonora, seria a nona de beethoven (6:46 do video, mais precisamente), mas como não tinha, foi um grunhido sem graça e um "fuck i think i sank". o guia explodiu de rir. boiei até chegar o resgate. me trouxeram um novo kayak. um de criança. se fosse poesia terminaria com a foto do inicio do post como não é, termina com uma queimadura de sol de primeiro grau nas canelas com a silhueta da danada da sandalia de gladiador que eu não quis trocar amaldiçoados sejam os romanos. 2. Descer um vulcão a 75km/h... e quase morrer por isso Na lista das coisas que eu deixei nesse país, além de um pedaço do meu coração e da dignidade pós naufrágio de kayak, está um estão alguns tecos da minha perna e, surpreendentemente, nada além disso. A CNN colocou a descida do Cerro Negro na lista das 50 Coisas Mais Desafiadoras Que Você Pode Fazer Viajando. Está em segundo lugar, atrás apenas de pilotar um avião caça. Só pra entender, muito atrás, lá em oitavo lugar está pular de paraquedas no Everest.Achei bonito pra por no currículo. Fui. Depois de sobreviver a um rola que a minha cabeça quicou 7 vezes a 75km/h, olhando pro céu com medo de me mexer, ter fraturado alguma coisa (provavelmente tudo) e na tentativa de levantar, simplesmente me desmontar, decidi ficar afundadinha ali nas cinzas do vulcão por algum tempo agradecendo por estar viva. Será que eu tava viva mesmo??? Dos meus últimos momentos, lembrava de ter descido sem afobação, ganhando velocidade aos poucos até que sim, drummond, porra, tinha um caralho de uma pedra no meio do caminho. Que fez meu board voar. Interrompendo meu devaneio, surgiu uma cabeça entre o meu rosto e o sol: era o médico da cruz vermelha querendo falar comigo. Com aquela cara coberta de guerrilheiro, definitivamente não era São Pedro. Já que não tava no céu, resolvi levantar. O homem ficou assustado, como se tivesse vendo defunto ressuscitando. Queria saber se eu queria ajuda, falei que não uuuu ariana forte independente e logo me arrependi. Vi meu board a uns 5m ladeira acima e lembrei da regra suprema que o guia tinha frisado: "não importa o que aconteça, seu board é sua responsabilidade". No topo do vulcão é tranquilo andar, mas ali no meio a parada fica sinistra, a cada passo, a perna afunda até o joelho de pedra e cinza QUENTE. Num sol de 35º com um macacão de sarja de manga comprida do pescoço até o pé. tá feito o cozido de Mari al Bafo. no tutorial de make de hoje vamo ensinar a nunca arrastar a cara em cinza de vulcão Nessas horas lembrei da minha mãe falando pra eu não me meter em roubada que o seguro saúde não cobria. PQP mãe, eu sei que você avisou. Pra não dar o braço a torcer, apesar da vontade de ligar pra mamai e chorar, me prometi que só ia contar a história depois de ter ido embora de Leon. Quando cheguei no pé do vulcão tava geral incrédulo me cumprimentando, querendo saber se eu tava bem. Eu falava que sim, fingindo costume de aventureira, mas por dentro tava toda estrupiada. vocês tem apenas uma tentativa pra localizar o irlandês marrento Tinha um irlandês marrentinho que tava enchendo o saco desde o início do krl do tour que seria o mais rápido. O tempo dele tinha sido 72 km/h. Eu tava tão zureta que nem perguntei o meu. Na verdade, eu sentia que nem tinha ido tão rápido assim. Me falaram que fizeram um bolão porque acharam que eu tinha sido mais rápida. Hm, interessante... Perguntei. O cara com o velocímetro "You?" com o zoião e um sorrisão no rosto "Look - apontou pro tempo - 75, mas rapida" Senti aquele orgulho alheio. Só que era eu mesma. Krl como assim, tudo isso? E o pessoal que tava em volta ainda adicionou que os 75km foram graças a esse rola que me impediu de acelerar mais, porque ia passar de 80km/h tranquilo. imagina a merda que ia dar. #semfreio #quasesemfreio #cabeçaABS agora, papo sério: adrenalina é muito maneiro. me amarro, mas ser inconsequente não é legal. nós não somos intocáveis. não acontece só com os outros. E se serviu de alguma coisa essa história? Além de ter virado lenda na cidade por um dia e bio do tinder (é de cair o c da bunda o tanto de homem que prefere uma boa história no lugar de umas boas fotos) eu que antes não tinha medo de nada, comecei a ser mais consciente dos piriiigos que a gente se mete sem pensar duas vezes, o "só se vive uma vez". Agora até pra pular trampolim fico calculando onde que minha cabeça pode bater e dar ruim. Traumatico, não recomendo. cheia de bolha do remo do dia anterior, imagina como não ficou inflamadinho cheio de cinzas 😇 Apesar de tudo, a frase que encerra o artigo da CNN sobre o Cerro Negro consegue me levar de volta praquela boleia do caminhão na estrada rumo a Leon, a 5 mil km de casa, na selva, bebendo cerveja, cantando a todo pulmão as musicas do rádio com 30 estranhos que já tinham virado meus melhores amigos. sangrando, toda suja de terra e cinzas, eu só tinha a agradecer. "On the ride back to Leon I give silent thanks to the inspired people of the world: the ones whose minds run off on all manner of daring tangents, like the flanks of Cerro Negro. The ones who admire not just the aesthetics of the wilds, but the possibilities too. And most of all the ones who stare up at active volcanoes and think: "I wonder if I could ride my fridge down that?" e dá pra reclamar? 3. Fazer happy hour de rum... ...e conhecer a famigerada invalidez. na sexta, cheguei no hostel depois do vulcão e fui pesquisar sintomas de traumatismo craniano. Tinha que ir pra outra cidade no dia seguinte - san juan del sur - mais ""rústica"" fodida ainda, mas enjoada e com dor de cabeça, boa coisa essa viagem não ia dar. achei um artigo médico que descrevia o seguinte: Se a resposta for "sim" para alguma dessa questões, é necessário levar a vítima da batida ao pronto-atendimento. a minha era positiva pras perguntas 2 e 3. a 4 já veio de nascença. o pessoal tava preocupado, mas a real é que eu tinha duas opções: - passar a noite num hospital duvidoso na nicaragua e muito provavelmente voltar pra casa com diagnostico de virose. - aproveitar o happy hour e encher a a cara de cachaça pra esquecer a dor de cabeça. quantas doses de rum o corpo humano consegue aguentar? multiplica por 2. resumindo, ia rolar uma festa na praia las peñitas que foi cancelada, o gerente ficou maluco e resolveu compensar em león mesmo. 2 copos de rum com coca pelo preço de um. as vezes três copos, dependendo do humor do bar. (recomendações: fique o mais longe possivel de drinks que contenham as letras R U M, especialmente se do lado você encontrar essa formula matemática 2 X 1) como você tem que pegar todos os copos de uma vez, pra socializar pra não esquentar, muita gente te oferece o segundo. acabei ganhando alguns da carmelita*, minha amiga de quarto, outros muitos dos irlandeses malucos, algum por sobreviver ao capote, outro on the bar........... qualquer motivo era motivo. mas, se ainda faltava alguma desculpa: TOMA. lá pra algumas muitas da noite começou a final de rugby entre lions (da irlanda) e all blacks. É A FINAL DA COPA DO MUNDO ENTRE BRASIL E ARGENTINA. o hostel foi abaixo. eram cerca de 40 irlandeses. muitos litros de cerveja e rum foram misturados nesse intervalo de tempo e você não precisa ser professor de química pra saber que essa mistura heterogênea é mais danosa pro fígado e pra cabeça que ingerir ácido. não sei quem ganhou, mas lembro que nas comemorações, tinha uma menina pelada dançando em cima do balcão do bar. nada mais fazia sentido. resolvi deitar pra dormir. tava muito difícil sair da cadeira do balcão. era daquelas altas, sabe? nesse momento da noite, olhando pra baixo, parecia que eu tava a uns 2 metros do chão. blackout. evidências da noite anterior no rolo da câmera acordei 2 da tarde no dia seguinte, hora que o pessoal que foi descer o cerro negro no sábado tava voltando e fazendo festa. mal imaginam o que vai acontecer daqui umas horas. brace yourselves kids. tradição depois do vulcão é tomar um shot de pimenta. acordei no sábado com uma situação parecida com essa. pelo menos eu tava sem dor de cabeça, o que não fazia sentido nenhum. olhei pro lado e vi a carmelita na outra cama em estado de putrefação também. depois que eu fui dormir, ela emendou uma balada. evidências da noite anterior no instagram lembrando dos arrependimentos acontecimentos da noite com a carmelita, ela me fez reviver meus últimos momentos acordada da madrugada de sexta pra sábado.começava comigo tentando sair da cadeira. na primeira tentativa de levantar, o juan* um anjo que deus o abençoe e o tenha por me aguentar perguntou se eu precisava de ajuda. respondi queclaramente pfvr mim ajude não, conseguia me virar sozinha. na segunda, o gerente do hostel, o pablo*, pediu pro juan me acompanhar, porque eu já não sabia o que tava falando. pablo já tinha tomado pelo menos uns 20 copos de rum e tava se achando com moral. pablito ensinando irlandês beber na terceira eu decidi que ia, era meu momento, ia provar que tava certa caminhando sobriamente pra ir pro quarto. já tinha até ensaiado a cara de turn down for what. apoiei as duas palmas da mão nos cantos redondos do banco e fiz pressão pra dar equilíbrio pra tomar o impulso e sair. a pressão foi tanta que acabei fazendo peso na parte da frente do banco. se eu tivesse numa sala de primeira série, tinham gritado madeeeeeira. caí que nem bosta, de cara no chão. segurando os lados do banquinho com força. apaguei. a pancada deve ter sido exatamente do lado contrário da batida do vulcão pra equilibrar os chakras da cabeça. por isso que eu tava sem dor. pablo, juan e carmelita me ajudaram a ir pro quarto. ainda bem que eu não vou ver ninguém nunca mais. volta pra 2 da tarde de sábado porque eu e carmelita estamos famintas e precisamos procurar comida. primeira pessoa que encontro saindo do quarto, sentado lendo: juaniiito. "e aí bela adormecida, pensei que ia pra san juan hoje" EU TINHA ESQUECIDO DO KRL DA VIAGEM trajeto que eu tinha que fazer perguntei se eu ainda conseguia pegar um chicken bus a tempo. "esquece, 6h de até lá e vai ter que fazer baldeação sozinha a noite" bugou tudo. não sei direito o que aconteceu mas começamos a caminhar sem rumo pra achar comida e, por inércia, entramos na principal atração turística da cidade: A Catedral de Leon. eu tava sem celular. saí só com a roupa do corpo. tava num estado parecia que tinha tomado chá de fita cassete. triste, vendo scar matar mufasa num looping eterno. escorando em qualquer canto e pensando q q to fazendo com a minha vida na volta, experimentei a sensação de falência múltipla em vida: corpo, mente e bolso em estado irrecuperável. deitei no sofá e encarei o teto por tanto tempo, mas não vi passar. sabe quando a gente se irrita porque quer descansar e a cabeça não para de pensar? nesse momento eu não. eu só existia. eu o teto e mais nada. agora sei como vivem as amebas. a diferença é dentro do protoplasma delas você consegue encontrar o núcleo, dentro de mim, o cérebro tava boiando no rum. morri mas passo bem mal a pessoa que tá de ressaca, descalça, sem pentear o cabelo há 10 dias não quer guerra com ninguém * o nomes na história foram trocados pra preservar a integridade e dignidade de todos os envolvidos kkk menos a minha 4. Chegar em San Juan no domingo direto pro Sunday Funday... ...e quase perder a festa. por causa da lástima do item anterior, resolvi que ia pra san juan no domingo no shuttle do hostel - pra não ter nenhum problema com chicken bus e chegar a tempo. chicken bus são esses ônibus iradíssimos com tecnologia de primeira classe que garante que cinco corpos ocupem o mesmo lugar. sempre custam alguns centavos de dolar, e pelo que oferecem, posso te garantir que ainda tá caro minha ideia inicial era ficar no pachamama em san juan, onde começa o sunday funday ou no naked tiger, onde termina, mas obviamente eles tavam esgotados. os amigo do bigfoot, hostel que eu tava em leon, ficaram tudo compadecido com a minha situação e ligaram pro casa de olas, que é do lado do naked tiger, onde eles tinham ficado por duas semanas e acharam 10 x melhor. pelo menos lugar pra dormir e como chegar eu tinha agora. atualização: é mesmo 10 x melhor. tinha só um porém: o shuttle estava programado pra chegar as 3:30 em sjds.exatamente o mesmo horário que sai o ultimo carro pro sunday funday. já que o shuttle deixa na porta do hostel, é fazível né? antes de entrar no shuttle, o motorista pergunta a cidade e o hostel de destino de cada um. finalmente podia descansar antes do furacão em san juan. a viagem foi tranquila, fui vegetando. ressaca de 2 dias, já teve? já ouviu falar? paramos em todos esses lugares que fala aí no mapa de cima e eu não lembro de nada. só lembro do motorista encostando no meio da estrada e "NAKED TIGER, CASA DE OLAS" olhei pros lados, só mato. o motorista deve ter se confundido. continuei deitada fingindo que não era comigo. ele abriu a porta da van. "você! chegou! tem mala?" antes de achar que é tranquilo, lembre-se jove, olhe o tamaninho do ponto brancoque podia ser meu carro, pra comparação. depois entenda que o google maps da nicaragua tá em 2d ainda, essa estradinha que liga onde eu tava e o lugar que eu tinha que tá sobe uns 458 mil metros acima do mar. é um morrão, que no estado que eu tava, parecia o kilimanjaro pois é... tá vendo aquele asterisco ali embaixo de san juan del sur no roteiro do shuttle?"AT ANY HOSTEL*" eu era o asterisco. o motorista me explicou que como esses dois hostels estão fora de san juan e em cima de uma montanha com uma estradinha de terra, a van não passava. aquele era o lugar mais perto que ele conseguiria me deixar. já que não tinha alternativa, catei minha mochila e comecei a peregrinação morro acima. no pasa nada. literalmente nada passa nessa estrada. Deus me proteja. dava pra ouvir os grilinhos na mata. espero eu que sejam os grilos. depois de uns 10 min começo a ouvir um barulho de carro vindo. gelo. o barulho vai se aproximando e ficando muito mais alto. o carro para do meu lado. uma caminhonete com dois caras no banco da frente me oferece carona. já vi filmes de terror o suficiente pra saber onde isso ia acabar. recuso, fico em pânico e eles arrancam. um alívio. continuo subindo. nem sei quanto tempo se passa, e em alguns momentos da subida eu começo a duvidar que to no caminho certo. quando eu chego no meu limite do cansaço com a mochila nas costas, vejo o naked tiger. ALELUIA. procurando imagens da estradinha de terra pra escrever esse monte de bobagem, achei essa recomendação no site oficial do naked tiger. DO NOT WALK UP THE ROAD. kkkkk -rindo de nervoso cheguei finalmente no casa. estava estranhamente silencioso e só tinham três pessoas em volta da piscina. três hippies chapados. com cara de quem vai te dar um golpinho. a menina levanta e pergunta se eu quero fazer check in. ela explica que é voluntária no hostel. acho suspeito. falo que sim e que to atrasada pro sunday funday. ela muda de expressão na hora e começa a dizer pra eu deixar meu passaporte, meus cartões e minha mochila com ela e CORRER pro naked tiger porque eu não tenho mais tempo. eu entro num estado de pânico e não sei se devo confiar todas as minhas coisas nessa mina chapada. começo a tatear meus cartões e coloco na minha doleira pra levar comigo. ela se irrita a cada coisa que eu tento pegar e fica repetindo pra eu deixar com ela que ela vai cuidar. "YOU WONT NEED IT, GO". a tentação de não ir pro sunday funday e ficar no casa é grande apesar das suspeitas, deixei meu passaporte válido com ela, mas levei meu antigo comigo e todo meu dinheiro. fui pro naked tiger pagar o ticket. um dos donos do sunday funday tava lá, já travado. e aposto bastante que não tinha nem bebido ainda. ele falou que eu tinha muita sorte porque todos os carros já tinham saído, mas um voltou pra buscar uns israelenses e tava só me esperando agora. saí da recepção e vi a caminhonete que tinha passado por mim na estrada, com os dois caras no banco da frete. e os israelenses na caçamba. andei meia hora com peso nas costas a toa. agora eu precisava dos caras que poucos minutos antes me apavoraram sem intenção na estrada. eles só queriam ajudar. olhei pro céu. ri de nervoso. eles acabaram de salvar meu dia. irônica a vida. 5. Ficar sem dinheiro... ...e quase não conseguir voltar pra casa. precisei de um dia inteiro pra me recuperar do sunday funday. piscina do casa: dependendo do ângulo parece que você tá num barco em alto mar. não é exatamente o que o homem de ressaca procura, então fiquei nesse ângulo seguro aqui até que no casa, não é muito difícil a missão de caminhar de volta pro seu estado humano. o dono do lugar, um australiano que vive na nicaragua há uns 7 anos, parece o pai de todos. fred acorda cedo tomando umas pra ficar rindo da cara dos marmanjo jogado pelos cantos. conversa com todo mundo. todo mundo quer falar com ele. o cara tem muita história. e de quebra coleciona histórias de outros que passaram por lá. alguns highlander acordam 7 da manhã pra beber na piscina. na verdade, não sei nem se dormem. fui conferir minhas finanças na doleira. um susto. só sobraram 20 dolares e o hostel não aceita cartão. preciso ir pra cidade sacar dinheiro e comer. casa de olas, segunda, 7am. esse sujeito na piscina é um dos que passaram super bonder na mão e grudaram na latinha de cerveja. enquanto to me arrumando, alguém gira a roleta e ganha um drink. o fred avisa que vai fazer almoço pra todo mundo por conta da casa. SERIA UM SONHO??????? o café da manhã eu já tinha garantido, agora o almoço. Deus realmente abençoa os mochileiros depois de me entupir de comida, lá pras 3 da tarde desci pra cidade. parecia outra. o furacão insano de lotado do dia anterior, agora era uma silenciosa vila de pescador. ainda tem um ou outro gringo bêbado nas sarjetas. fico pensando no mal que o sunday funday causa pra quem mora lá. todo domingo a mesma história. vejo as lojinhas na rua e penso que talvez, no fim, seja bom. talvez eu esteja me enganando pra justificar. tem 3 caixas eletrônicos na cidade. vou que nem barata tonta de um pro outro. tão sem dinheiro. chamo um policial que tá sentado numa cadeira de plástico cochilando perto do banco. ele explica que é normal, as pessoas sacam muito dinheiro no domingo e geralmente segunda as máquinas ficam sem. memes brasileiro: maior produto de exportação. enzo já chegou na nicaragua me fodi. meu voo pro brasil é as 14h do dia seguinte saindo de managua e não apresento nenhuma condição de pegar chicken bus pra lá. alguns lugares oferecem shuttle por $25 pro aeroporto mas nenhum aceita cartão. fico desnorteada entrando de vendinha em vendinha perguntando, até que eu acho um surfshop de um francês, que cobra 10% pra passar cartão. a shuttle sai as 9:30 de san juan e a previsão de chegada é 13:00 no aeroporto internacional de managua. com a graça de Deus espero que dê tempo. não tenho outra opção. surfshop do francês amor que aceita cartão volto pro casa cabisbaixa e conto pro fred sobre os caixas eletrônicos. faltam $10 em dinheiro pra eu conseguir pagar minhas diárias. digo que posso transferir na hora via paypal, com juros. história do casa: and a lot of times a lot of guidance 😂 ele não quer. diz que eu sou a primeira brasileira que passa no casa e que eu era uma "menina boa" - vulgo não corri pelada em volta da piscina no dia anterior com as australianas - e me pede um favor em troca dos 10 dólares: que eu volte pra lá outra vez e traga mais amigos do brasil pra "pagar minha dívida". quando eu cheguei não entendi o social media free zone depois das 5:30. depois que vi o bicho pegando quando o sol baixa, fiz um ATA quase choro. agora que já passei por tanto nervoso pra conseguir o bendito do shuttle,não quero mais ir embora. outra regra que esqueceram de escrever nesse quadro é não se apegar. tem gente que vai passar 2 dias no casa, como eu, e fica dois meses. mas a maior regra de todas: não depender do krl do capitalismo eletrônico nas segundas. marx tava certo: ele vai te decepcionar. ---- é isso pessoal. se você tiver um pouquinho de noção que seja, não faça essas coisas todas aí quando chegar na nicaragua. se fizer, escreve uns post bem grandão pra gente dar risada de você... ...antes de ir pra lá e querer repetir mais uma vez as mesmas cagadas.
×
×
  • Criar Novo...