Ir para conteúdo

Fabio Pra

Membros
  • Total de itens

    4
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

5 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Era pra ser uma aventura incrível... E foi! Aviso: este relato trata-se de uma visita guiada ao Pico Paraná e não constitui qualquer tipo de propaganda, apenas um relato sincero dos acontecimentos. Após assistir/ler dezenas de vídeos e relatos sobre o Pico Paraná, finalmente tive a oportunidade de subir a montanha mais alta do Sul do Brasil. Apesar de possui experiência em camping e trilhas, tratava-se de minha primeira montanha de verdade em um local que nunca havia estado, por isso optei por uma visita guiada pelo Gente de Montanha. Dadas essas condições, eu estava certo em fazê-lo, como ficará mais evidente adiante. No fim de semana de 6 e 7 de julho de 2019 a previsão do tempo indicava temperatura mínima de 6 °C em Antonina, então estávamos esperando algo em torno de -5 °C no acampamento, no alto do Itapiroca. A estratégia era simples e eficiente: fazer uma aproximação acampando no alto do Itapiroca e no dia seguindo fazer o cume só com mochilas de ataque. Mapa do local No dia 6 pela manhã o grupo se reuniu para um café da manhã reforçado em um hotel de Curitiba, conferência de equipamentos, distribuição de comidas nas mochilas e logo estávamos na estrada rumo à Fazenda Pico Paraná, o local de início da subida. O grupo era de aproximadamente 10 pessoas, quase todas desconhecidas, mas é incrível como um objetivo em comum é capaz de criar empatia imediata. Éramos todos só sorrisos. Além dos participantes, haviam 4 guias e mais duas pessoas responsáveis pelo jantar no acampamento (mãe e filho montanhistas, incrível). O tempo colaborou com um frio gostoso de caminhar e a subida do Getúlio fizemos todos bem rápido. Eu, empolgado, já fui no grupo da frente, zero de cansaço. Se tem algo que já aprendi é a de levar o menor peso possível, viaje leve e viaje fácil. Já do alto de Getúlio foi possível ter uma ideia da beleza do local. Deste ponto já é possível ver o Itapiroca e o Caratuva bem de perto e os olhos já se enchem de gostosura. Panorâmica do alto do Getúlio Após um bom lanche de trilha no Getúlio, já nos encaminhamos mata adentro, em uma trilha bastante fechada, com raízes, pedras e muito sobe e desce. Nenhum relato que li tinha me dado a exata percepção de como é essa parte da trilha, e eu achei cansativo. Adiante, passamos a bifurcação do Caratuva e logo após há um excelente ponto de água, de onde nos abastecemos para o acampamento. E em seguida já estavamos na bifurcação para o Itapiroca, com um trecho final mais inclinado. Mais uns pulos e após 5h de caminhada estávamos todos no alto do Itapiroca, às 15h30min. Chegada ao Itapiroca, Pico Paraná ao fundo Em meia hora o frio já começou a apertar, então é hora de montar as barracas e se agasalhar. Mas é tão difícil se concentrar com tanta beleza ao redor. O por do Sol é I N C R Í V E L. Por do Sol A noite foi difícil pra mim, às 22h já formava gelo no sobreteto das barracas. Apesar de levar isolante e saco de dormir adequados, passei frio. Preciso esclarecer: foi a primeira vez que peguei negativo em acampamento, então eu já sabia que algum aperto eu iria passar, pois o objetivo era principalmente o de aprender a lidar com o clima e frio de montanha (muito diferente de um frio intenso urbano). Mesmo com um liner e uma meia quente, meus pés ficaram muito gelados à noite. Pés gelados implicam em constrição dos vasos e naturalmente dificuldade de dormir. Acordei às 4h da madrugava e não preguei mais o olho. Às 6h fui o primeiro a sair da barraca, pois a natureza estava chamando (e claro tinha que ser o mais difícil). Usamos shit tube. As brumas do Pico Paraná Apos poucos todos foram levantando e curtindo o nascer do Sol. Aquele café reforçado, barracas desmontadas, e às 9h (um pouco tarde) estávamos em direção ao cume com mochilas de ataque. Voltamos à bifurcação do dia anterior e seguimos ao Pico Paraná, em uma descida com muitas raízes e pedras novamente. Aqui vem o aprendizado: o frio da noite me debilitou e as pernas não descansaram. Um pouco antes do A1 há um bom ponto de água, nos abastecemos. Mas eu fui ficando pra trás. Ao final da descida começam os paredões com grampos, se me recordo são dois grandes lances. A ajuda dos guias foi fundamental para transpor com segurança essa parte, pois eu tinha nenhuma experiência nesse tipo de obstáculo. Uma queda nesse local e a pessoa tem que retirada por maca, helicóptero não pousa ali perto. Após os grampos as minhas pernas cansaram de vez e fiquei por último, sendo conduzido por uma das guias até o cume, chegando meia hora depois do grupo, às 14h (tarde). Poderia ter parado antes, talvez fosse o melhor a ser feito, mas continuei porque estava ali tão pertinho. Estava tão cansado que quase esqueci de assinar o livro do cume. Assinando o livro do cume Não é bem assim que morro abaixo todo santo ajuda. A volta do cume até a Fazenda Pico Paraná são 8 kilômetros que são percorridos geralmente em 5-6h em um ritmo confortável, e inclui a subida até a sela entre Itapiroca e Caratuva. Eu precisei de 9h pra conseguir retornar, sendo fundamental o auxílio dos guias, que tiveram paciência e profissionalismo em me conduzir em segurança, chegando às 23h30min na fazenda. Apesar da exaustão nas pernas, não tive qualquer tipo de lesão, queda ou outro empecilho. Foi passinho de montanha, mas na descida. Cheguei 1h30min após o grupo e não pude me despedir da galera. Tive que passar mais uma noite em Curitiba antes de retornar à Florianópolis, onde resido. Dos erros e acertos, é obvio que o maior acerto foi ter feito a visita guiada, pois não tinha qualquer experiência real em montanha. O erro foi subestimar o frio nos pés, nunca havia sentido dor de frio. Já providenciei meias quentes, mas aceito sugestões. Não importa o quanto se estude, na teoria é uma coisa mas na montanha é outra. Vá para a montanha. Meus sinceros agradecimentos à equipe do Gente de Montanha e aos amigos que fiz durante a expedição. Em especial aos guias Irys e ao Gustavo, que passaram o perrengue comigo até o fim, e à Camila, que fez algumas das fotos que estão neste relato. Foi uma baita experiência e pretendo voltar.
  2. Só pra complementar, esse modelo aqui parece bem simples de fazer. Pega aquele isolante de EVA velho ou mesmo compra uma folha de EVA grossa ou polietileno.
  3. Baita relato. Como sou de SC estava pensando justamente em fazer essa travessia nesse sentido, mas acho que andaria mais devagar e gastaria um dia a mais.
×
×
  • Criar Novo...