Ir para conteúdo

Margot Ramalhete

Membros
  • Total de itens

    9
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

3 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. To saindo 11/12 por Corumbá sem data de retorno 24999547923
  2. Saindo dia 11/12 por Corumbá, não tenho data para voltar. Pretendo passar Natal e Ano Novo por lá. Fiz uma entrevista para uma ONG em Lima para fechar depois de 15/01 se rolar se volto em Março. Podíamos montar um grupo de whats Bolívia a partir de 12/2019. 24999547923
  3. Vou ficar dois dias em Campo Grande, procurando o que fazer, pode me ajudar?
  4. Saio 11/12 rumo a Bolívia, sozinha. Não tenho data para retorno. Vou de ônibus para Campo Grande 11/12 saindo do Barra Mansa/RJ
  5. Obrigada, Ricardo, Fiquei mais animada ainda, não tenho data para voltar. Quanto mais puder ficar melhor. Não pensei em ir até Lima, porque se der tudo certo farei a Transoceânica até Bogotá num outro momento.
  6. Então se eu deixar dinheiro na minha conta BB, ou assim que o meu pagto cair na conta posso sacar ou transferir pelo por exemplo?
  7. Olá Pessoal. Sou Margot Ramalhete, aposentada, mãe, avó e mochileira extraoficial. Depois de conhecer vocês uma Mochileira quase oficial. Vamos lá entender a bagaça toda. Mochilei a primeira vez aos 17, uma trip pelo Sul de Minas, numa DT 125 (ERA TOP HEM,kk), fizemos 25 cidades, saindo por Mauá, um dia de cachoeira para levar as zicas de um ano difícil no trampo, sim eu já tinha carteira assinada, já era escrava do sistema. Pegamos muitas estradas de terra, passamos pela Zona da Mata Mineira e voltamos por Itajubá, saindo em Campinas pegamos a Dutra, 28 dias. Fim das Férias. Depois, no ano seguinte, fizemos uma mochilão litorâneo numa DT180, saímos de Trindade, quando ainda se acampava e era uma praia de nudismo, sim, não era naturismo que falava não. Fomos de lá para a região dos lagos e fomos subindo até Salvador pelo litoral, foi lindo. De barraca tah, porque era mochilão raiz. Nem sei em quantas cidades paramos. 34 dias na estrada, emendando com as folgas de hora extra. Ano seguinte Sul do Brasil, até Buenos Aires, numa CB400. Melhorou neh? Nada, moto era dura pra caramba, nova, rodávamos pouco e cansávamos muito, enfim. Valeu a lição as dtzinhas que eram boas mesmo. Viagem linda, romântica, inverno chegando, voltei gravida do segundo filho. Três anos depois, saideira. Saímos de Bauru, interior de São Paulo, até Santa Cruz de La Sierra. Sabe o mochilão rosts? Esse era o bisavô dele. Era pauleira gente, dor no corpo, cheguei morta, mas a viagem era a coisa mais divertida do mundo, ficamos com a promessa de voltar de ônibus ou de moto e fazer a Bolívia, nunca voltamos. Retornamos para casa de Santa Cruz porque as crianças eram pequenas e era difícil ficar longe. Dois anos depois nos separamos e seguimos caminhos diferentes. Enfim, já se vão 34 anos, vou fazer a viagem sozinha e conto com a ajuda dessa juventude aqui. Porque decidi isso? Primeiro: Como não tinha celular e câmera era um luxo e um peso, essas imagens estão na minha alma. Acho que vale um registro agora feito para a posteridade. Segundo: Ano passado jurei que seria o ultimo Natal que veria a família chegar arrumada para a ceia e eu fedendo alho e cebola na cozinha. Aposentei a cozinheira de Natal e Ano Novo, e terceiro, e mais importante, visitei muitos locais na rede e só acho histórias de mochileiras, que são jovens a muito tempo, contadas na terceira pessoa, parece que ninguém vive isso. Somos milhões de mulheres aposentadas, com filhos casados, solteiras e não tem ninguém na estrada? Claro que tem, mas acredito que devido a dificuldade com as tecnologias essas mulheres não contam suas histórias e não libertam outras cozinheiras oficias. Temos aqui a dificuldade do recurso financeiro que para estas mulheres, mas nem é tão impossível assim, a maioria paga uma fortuna em pacotes com passeios engessados e caros. Detesto agencia por causa de ter que ir para um Resort acordar as 6 da manhã por 10 dias pra passear, Tô fora. Enfim, aceito sugestões, orientações, apoio, pitaco e até dinheiro. Pretendo sair de Barra Mansa/RJ 11/12 para Campo Grande de ônibus, tenho limitações por causa da coluna, sou portadora de Artrite Reumatoide, mas se é para sentir dor vou sentir dor na estrada. Pretendo passar o Natal em Paz ou melhor em La Paz. Decidi ir de ônibus porque muitas mulheres na minha idade não viajam de avião, então vou mostrar que da para ir de ônibus e trem tbm. Não vou direto porque precisamos descansar a coluna no minimo um dia e lembrar que muitas como eu precisam da aclimatação por causa da hipertensão. Pensem em rotas para pessoas acima de 50 anos, mas com disposição por favor,kkk. Já experimentaram buscar pacotes para a terceira idade, parece coisa de gente incapaz. Se você tem uma mãe, uma avó, uma tia velha, uma prima encalhada que quer se livrar dela no final do ano pode chamar. Aceito companhia, de jovens a pouco tempo, tbm. Orçamento 8 k, com tudo. Aceito ajuda para conseguir trabalho voluntario no caminho sou enfermeira, pedagoga e administradora, faço artesanato afro e vendo turbantes, sou ativista social. Não tenho data pra voltar. Bora pensar? PS: Estou fazendo uma preparação física.
  8. Também vou sair em Março para o primeiro, como sera o primeiro queria companhia também. Na verdade queria sair 26/12, mas ainda não achei ngm disposto.
×
×
  • Criar Novo...