Ir para conteúdo

VoandoAltoFH

Membros
  • Total de itens

    56
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

27 Excelente

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Video - Pinacoteca do Estado de São Paulo Vou mostrar um passeio bom e barato feito na Pinacoteca do Estado de São Paulo, que fica bem lado da estação Luz do metrô ou do trem da CPTM. Quem for vir de carro, também é fácil vir já que fica bem ao lado da Avenida Tiradentes ou colado ao Parque da Luz, no Centro de São Paulo. Ele funciona de Quarta a Segunda, das 10:00 às 17:30, com permanência até as 18:00 horas. O valor do ingresso é de R$ 10,00. Estudantes pagam a metade, mediante apresentação da carteirinha escolar. Menores de 10 anos ou maiores de 60 anos são isentos de pagamento. Lembrando que aos Sábados a entrada é gratuita. Então aproveitei um Sábado de manhã para visitar. O bom deste local é que eles permitem o registro de imagens, sem flash para não estragar as pinturas. Pode gravar videos também. Além de ver as belas pinturas expostas na pinacoteca, é também uma aula de história, em que podemos ver os quadros com os imperadores que passaram pelo Brasil, como o Dom Pedro I e o Dom Pedro II, com o qual mostrarei logo a seguir. Sobre a Pinacoteca, ele foi fundada em 1905, considerado o museu de arte mais antigo da cidade. Passou por uma ampla reforma no final da década de 1990 pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha. O acervo original da Pinacoteca foi formado com a transferência de 20 obras do Museu Paulista da Universidade de São Paulo. Com o passar dos anos formou um significativo acervo com quase 10 mil obras. Posso dizer que é um ótimo passeio, ideal também para tirar fotos da arquitetura local, que mantém um belo charme da antiguidade. Possuem ambientes externos com o qual é possível relaxar vendo a movimentada Avenida Tiradentes, foi frente a paisagem do parque da Luz. Possui uma cafeteria no sub-solo do local, com o qual é possível tomar um café, uma bebida quente, sucos, lanches e até mesmo bolos. Mas os preços do local são um pouco caros. Uma pena é que o acesso a cafeteria é somente através da Pinacoteca, não sendo permitido a entrada através do Parque da Luz. Aproveite depois para visitar e conhecer o Parque da Luz, mas tenha cuidado com seus pertences já que tem alguns casos de furtos ou roubos no parque, além de que em algumas áreas têm algumas garotas de programa perambulando na rua principal do local. No geral, recomendo muito este passeios. Espero que gostem do video, das informações, curta, compartilhe e se inscreva no canal! * Links - Pinacoteca do Estado de São Paulo http://pinacoteca.org.br/ - Endereço, horários de funcionamento e valores dos ingressos https://pinacoteca.org.br/visite/pina_luz/
  2. Video - CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil) Vou comentar sobre o CCBB, que é o Centro Cultural Banco do Brasil. O prédio foi construído em 1901 na Rua Álvares Penteado, 112, esquina com a Rua da Quitanda. Está localizado no centro histórico de São Paulo, próximo a estação São Bento do metrô. Foi comprado em 1923 pelo Banco do Brasil, chegou a funcionar como agência bancária até 1996, onde tornou-se o primeiro prédio próprio do Banco em São Paulo. Somente em 21 de Abril de 2001 foi inaugurado como Centro Cultural, com o objetivo de disseminar a cultural pela população. Além de São Paulo, existem outros espaços nas principais capitais brasileiras, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília. Aqui temos já o interior do local, na parte direita temos a bilheteria, em que a entrada é franca, ou seja, gratuita. Basta apresentar a sua identidade, para ter acesso à exposição. Os temas ou os artistas da exposição vão mudando entre 2 a 3 meses. Então vale a pena voltar após esse período. Lembrando que o espaço fica fechado nas terças-feiras, os detalhes estarão na descrição. Após a entrada, terá que subir pelo elevador até o último andar. Que é onde começa a exposição e você vai descendo as escadas, conforme termina de ver todas as salas disponíveis. Aproveite também para apreciar a arquitetura local, que é surpreendente. Na época que fui, em Janeiro de 2019, estava passando a exposição "50 anos de realismo", mostrou a arte contemporânea desse período. Partindo do fotorrealismo, sendo este aprimorado através do hiper-realismo, seguido da perspectiva da expansao futura pelas novas mídias até a realidade virtual. Não vou entrar muito em detalhe, mas me surpreendeu positivamente pela riqueza de detalhes, realmente parecia que estava vendo uma foto. Foi bem incrível. Digamos que é um prato cheio, para aqueles que curtem arte. Conforme comentei anteriormente, após ver tudo que está no andar, deverá descer pelas escadas. Fique com um pequeno resumo dessa exposição. Visite outros eventos ou espaços culturais, como o teatro e o cinema. Mas eles serão cobrados. Os horários estarão no site do Centro Cultural, nos links da descrição. Não esqueça de descer no subsolo e ver o antigo cofre do Banco, que é também uma continuação da exposição. Após tudo isso, aproveite para tomar um bom café, na cafeteria do Centro Cultural. Espero que goste dessa dica de passeio bom e barato, pelo centro da cidade. Curta o vídeo e inscreva-se no canal. Valeu!! * Informações úteis Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo Rua Álvares Penteado, 112 - Centro - São Paulo-SP. Próximo à estação São Bento do metrô CEP: 01012-000 | São Paulo (SP) (11) 3113-3651 [email protected] Funcionamento: de quarta a segunda, das 9h às 21 horas * Links http://culturabancodobrasil.com.br/portal/sao-paulo/ http://culturabancodobrasil.com.br/portal/categoria/eventos/teatro/?ccbb=SP http://culturabancodobrasil.com.br/portal/categoria/eventos/cinema/?ccbb=SP
  3. Video - O que fazer em Paranapiacaba? Vou comentar sobre "O que fazer em Paranapiacaba". Os pontos que visitei nesse passeio. Como vocês sabem essa vila inglesa, nasceu como acampamento e chegou a abrigar 5.000 operários envolvidos na construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí. Teve o nome alterado de estação Alto da Serra para Paranapiacaba, em 15 de julho de 1945. Paranapiacaba, segundo a língua Tupi, significa lugar da visão do mar ou lugar de se ver o mar. Digamos que o local foi moradia dos engenheiros e trabalhadores que enfrentaram o desafio de vencer as quase intransponíveis escarpas da Serra do Mar, para instalar sistema de transporte capaz de levar ao Porto de Santos o café produzido no interior de São Paulo. No vídeo anterior, mencionei as formas de se visitar esta cidade. Se você optou pela segunda opção, após descer do ônibus, deverá seguir por esta rua. Ao caminhar um pouco mais, terá a visão da passarela que dá acesso à Paranapiacaba. Aproveite para tirar boas fotos. Logo que chegar na cidade, verá muitos restaurantes, mas conforme você for entrar um pouco mais para o interior, os preços ficarão um pouco mais barato. Em média a refeição por pessoa está em torno de R$ 15,00 a 25,00, sendo comida à vontade, com bebida. É lógico que existem opções mais caras, que seriam os estabelecimentos próximos à passarela. Vale a pena passar no Antigo Mercado para comprar iguarias feitas com o Cambuci, um fruto típico da vila, que também está fortemente presente na culinária dos restaurantes locais. No local vendem cachaça, licor, geleia, bolo, doces e sorvetes derivados do Cambuci. que possui um sabor ácido e, ao mesmo tempo, refrescante. Ótimo para comer uma boa sobremesa. Experimente principalmente o sorvete de Cambuci. Aprecie a paisagem local, as antigas construções e a arquitura local. No topo, que está escondido pelas árvores está o Museu Castelo, em que a entrada está custando R$ 3,00. Mas quando eu fui, ele estava em reforma, sem previsão de quando vai abrir novamente. Visite o Clube União Lyra Serrano, a entrada foi gratuita. O local doi a sede de dois clubes da época, a Sociedade Recreativa da Lyra e o Serrano Football Club, unificados em 1936. Aqui temos o hall com a sala de troféus. Na Casa Fox, cobra-se a entrada de R$ 3,00 podendo observar os traços da arquitetura do século 19. A estação Trem Turística seria o local onde vão desembarcar, aqueles que escolheram a opção 1, via Expresso Turístico. Vale a pena visitar o local. Uma breve explicaçao do Locobreque, e ao fundo um trem antigo todo enferrujado, como o qual valeu a pena ter tirado as fotos. Foi muito legal. Esqueci de mencionar que existem opções de trilhas, com 6 passeios, variando em diferentes dificuldades entre fácil, médio e difícil. O tempo pode ser de 1 a até 5 horas, dependendo da trilha. Importante destacar que os trajetos só podem ser feitos com acompanhamento de monitores credenciados e custa a partir de R$ 25,00 por pessoa. Altamente recomendado para não se perder na trilha, é uma questão de segurança. Em frente temos o acesso ao Museo Funicular, a entrada custa R$ 5,00. Lá retrata a história da ferrovia, interessante visitar. Na hora de voltar, ao sair da passarela, vire a direita e vá para um outro caminho. É possível ver a torre do relógio de perto, que é uma réplica do Big Ben de Londres. Tem 20 metros de altura. Assim termina o passeio. Espero gostem as informações, curta o vídeo e inscreva-se no canal. Valeu!!
  4. Video - Como ir à Paranapiacaba? Passo a passo Como ir à Paranapiacaba? Opção Nutella ou Raiz? Vou comentar sobre as 2 formas de se visitar Paranapiacaba. A primeira, é a opção mais cara, confortável, mas limitada. Que vou expor daqui a pouco. A segunda, é mais barata, um pouco trabalhosa, mas com uma flexibilidade de horários. Vamos então para a primeira opção: * Opção 1: Expresso Turístico. A vantagem é que você pega ela na estação Luz e vai direto até Paranapiacaba, assim é bem mais prático e rápido. A desvantagem é que funciona só de Domingos. O preço da passagem é caro, atualmente o preço da passagem (ida e volta) está em torno de R$ 50,00. Há desconto se for 2 ou mais acompanhantes, mesmo assim acho que ela está cara. A outra desvantagem é que existem horários fixos de ida e de volta. A ida ocorre às 08:30 da manhã, na estação Luz. O retorno ocorre às 16:30. Então você meio que fica preso a esses horários pré-estabelecidos. * Opção 2: Via transporte público (Metrô/Trem/Ônibus). A vantagem é que é mais barata, aproximadamente uns R$ 18,00 (ida e volta). Você tem uma flexibilidade maior de horários, bem como pode ir e voltar quando quiser. Inclusive dias de semana, Sábados ou feriados. A desvantagem é que demora um pouco mais e é mais trabalhosa. Pois você tem que utilizar o Metrô, alternar para o trem da CPTM e depois pegar um ônibus. Conforme mostrei anteriormente, você deve chegar na estação Sé do metrô. Pegar a linha 3 vermelha, sentido Corinthians-Itaquera e descer na estação Brás. Na estação Brás, deve fazer a interligaçao do Metrô com a CPTM para a Linha 10 Turquesa, sentido Rio Grande da Serra, que é a última estação. No vídeo aparece que deve ir para a plataforma 2. Se não me engano, o trajeto do trem leva em torno de 1 hora. Então aproveite a viagem. Interessante perceber a mudança da paisagem urbana, na medida que se chega ao interior. As estações vão ficando menores e bem simples, você começa a ver mais área verde, de matas e florestas. Chegando no ponto final, na estação Rio Grande da Serra, aproveite o banheiro disponível, senão será só em Paranapiacaba. Saindo da catraca, vire à esquerda e atravesse a linha férrea. Após atravessar, vire à direita e siga a rua, até encontrar o ponto de ônibus, é bem pertinho. O número do ônibus ou da linha é 424 e sai de hora em hora, o trajeto leva em torno de 25 a 30 minutos. O valor da passagem é de R$ 4,55. Eles não aceitam o bilhete único, somente o cartão BOM ou dinheiro. A retorno é só voltar ao mesmo lugar, é bem simples. As informações detalhadas estão na descrição. Curtam o vídeo e inscrevam-se no canal! Valeu! * Links https://www.cptm.sp.gov.br/sua-viagem/ExpressoTuristico/Pages/Tarifas.aspx https://www.cptm.sp.gov.br/sua-viagem/ExpressoTuristico/Trajetos/Paginas/Trem-Expresso-Paranapiacaba.aspx http://www.emtu.sp.gov.br/sistemas/linha/resultado1.htm?pag=buscadenominacao.htm&numlinha=19080 http://www.metro.sp.gov.br/pdf/mapa-da-rede-metro.pdf
  5. Eu fiquei num hostel bem barato chamado "Aji Verde", era o mais barato da região, mas não gostei muito dos quartos e os cobertores meio que cheiravam a chulé. A cozinha era apertada e não tinha os utensílios básicos para preparar a sua comida. Apesar deles estarem um pouco próximo do terminal de ônibus, ficava afastado do centro da cidade, o que incomodava um pouco. No geral, não recomendo o local. O relato detalhado está no tópico geral da América do Sul, veja no link abaixo: Flws!!
  6. Considerações finais sobre a viagem. - Altitude: não cheguei a sentir muito os efeitos da altitude, ouvi relatos de pessoas que passavam mal ou que tinham dores de cabeça, tanto é que tomavam o chá de coca para amenizar. No meu caso acho que me acostumei de pouco em pouco, uma vez que passei 1 semana em Atacama, então comecei meio que a treinar o corpo para acostumar com a altitude local (que era de 2.408 m). Em Arequipa também que era alto (2.335 m), então em Cusco foi até que tranquilo (3.399 m). É lógico que qualquer atividade física, principalmente na hora de subir uma montanha, cansava bem mais do que se estivesse no Brasil, mas o que estou falando é que não cheguei a ter dores de cabeça ou tonturas com o qual as pessoas comentavam, e o mesmo foi também para o meu acompanhante. - Custos: recomendo sempre anotar os seus gastos diários, senão será difícil controlar o seu orçamento. Sempre anotei na planilha, todos os gastos com a viagem e me surpreendi com as informações compiladas. 30% Passagem Aérea 28% Transporte (taxi, ônibus, metrô, trem) 17% Hospedagem (hostel, hotel) 10% Passeios (entrada de parques, museu, pacote turístico) 7% Alimentação (lanches, restaurante): gasto com a alimentação fora do hostel 4% Mercado (água, bebida, frutas, verduras, alimentos): alimentação dentro do hostel, preparo na cozinha 4% Seguro Viagem É possível perceber que mais do que a metade dos custos foram gastos no transporte e foi o que realmente pesou no orçamento. Os detalhes estarão na planilha abaixo para DOWNLOAD: https://drive.google.com/open?id=18zlDHuFvZMihpBAYtJ9PZGy0ABn_3MmN Lembrando que na planilha são todos os custos da viagem realizado para 2 pessoas. Na planilha estará separado em duas abas. A primeira, com o "gráfico" estará demonstrando os dados compilados da viagem conforme citei acima. A segunda, com a aba "detalhado" terão os gastos que foram realizados diariamente, separado em categoria, valores, tipo de pagamento e a conversão em reais. No geral, vejo como positivo o mochilão. Sempre quis realizar este tipo de viagem desde aos meus 20 e poucos anos, mas na época achava que precisava de rios de dinheiro para isso, que era perigoso, dava desculpas de que faltava tempo e só de pensar nisso me dava calafrios. Pra piorar, minhas amizades na época, não eram de pessoas muito "aventureiras". Só aos 30 e poucos anos tive tempo, coragem e disposição para isso. E a tecnologia ajudou e MUITO na viagem. Realmente tiro o chapéu para os mochileiros do passado que dependiam apenas de mapas de papel, livros de viagem e tudo isso sem internet. Se for considerar os passeios que não pude realizar em Atacama, talvez o valor total subiria de R$ 700,00 a R$ 1.200,00 por pessoa. Resumindo, estou satisfeito com a viagem e os valores gastos. É lógico que dava para economizar bem mais, principalmente em Machu Picchu, só que se fizesse no modo HARD ou bem mais econômico, talvez ao invés de curtir a viagem, teria ficado mais estressado e com raiva. E isso não era o meu objetivo. Creio que se fosse num pacote de viagem (ex. um CVC da vida) não teria viajado nem mais que 2 cidade e o período não passaria de 1 semana. Não posso me esquecer e agradecer a Deus por ter me dado essa oportunidade e por ter nos protegido durante toda a viagem. Engraçado é que não sentimos nenhum tremor de terremoto durante todo o período (vide Argentina em Mendoza, Chile e Peru). Espero que essas informações possam ser úteis e que possa ajudar a cada um de vocês. Então, nunca é tarde para viajar. E não é caro viajar, apenas é necessário ter um bom planejamento, coragem e disposição. Se possível, deixe um "Like" ou "Gostei" nos videos do Youtube. Se for "Inscrever" seria melhor ainda rs... Dúvidas, pergunte no próprio fórum ou comente no canal do Youtube, que responderei assim que possível. Um grande abraço a todos! Voando Alto Sempre!!!
  7. 16/02/2019 - Cusco / Lima / São Paulo. Já há umas 2 semana antes de sair do país, estava pensando em alternativas para retornar para São Paulo. Sempre ouvi falar da famosa rota Peru via Acre, cheguei a pesquisar essa opção. O planejamento consistia em pegar um ônibus em Cusco que me levasse até a cidade de Rio Branco no Acre, de lá talvez tentar pegar um avião para São Paulo. Mas vi que não tinha tanta diferença no preço da passagem aérea, se eu estivesse saindo de Cusco. Como a passagem aérea que estava pesquisando era somente de ida e havia pesquisado há poucos dias antes da viagem, o valor realmente saiu caro. A média praticada na época estava de R$ 2.000,00 a R$ 3.000,00 por pessoa, era um absurdo. Por sorte, pesquisei pela Max Milhas e vi que havia um preço até que justo. Saindo de Cusco (CUZ) até São Paulo (GRU) pela LATAM, com conexão em Lima (LIM) no Peru, estava saindo por volta de R$ 1.294,00 por pessoa. Era a primeira vez que utilizava deste serviço, de compra de passagens através de milhas de outras pessoas. Vi no site do "Reclame Aqui" que a empresa Max Milhas possuía uma boa avaliação e resolução de problemas, comparado ao seu concorrente (123 Milhas). Efetuei a compra pelo site da empresa e paguei via cartão de crédito. Eles pedem de 2 a 3 dias úteis para o recebimento da passagem aérea, mas no meu caso, bem no dia seguinte já havia recebido por e-mail. Devo lembrar para que durante o preenchimento dos dados, é necessário revisar 2 ou 3 vezes as informações, principalmente em relação aos nomes, pois por ser emissão de passagem por milhas, qualquer correção ou alteração, será uma dor de cabeça. E você terá que ter a certeza de estar realizando o vôo na data marcada, senão irá perder seu dinheiro. Não há reembolso caso ocorra qualquer imprevisto. O bom é que foi possível parcelar a passagem pelo cartão, acho que fiz em 3 vezes sem juros. No caso de pesquisa de preços de passagens aérea, recomendo muito o site ou aplicativo do Skyscanner. Pois sempre comparava entre ir de ônibus ou avião, se a diferença era mínima, sempre escolhia ir de avião, principalmente em rota mais longas. https://www.skyscanner.com.br/ E recomendo a empresa Max Milhas, pois você poderá encontrar preços de 30 a 40% mais baratos que a média praticada, segue o site deles: https://www.maxmilhas.com.br/ Sobre a decolagem no Aeroporto Internacional Alejandro Velasco Astete em Cusco, está registrado abaixo: Video - Aeroporto Cusco Abaixo a avaliação do serviço de bordo da LATAM e dos preços dos lanches, nos vôos doméstico: Video - Avaliação LATAM (Cusco à Lima) Pouso no Aeroporto Internacional Jorge Chávez em Lima: Video - Pouso em Lima Por fim, não tinha gostado muito dos serviços de bordo da LATAM neste vôo doméstico, uma vez que quase tudo era cobrado. Ao menos não chegaram a ser tão muquiranas a ponto de cobrar pela água. Pensei que o vôo internacional seria a mesma coisa, mas me enganei nesse ponto. Posso dizer que parecia uma outra empresa, pois tive um ótimo atendimento, eles serviam refeições e tinha até tela de entretenimento à bordo, o avião era novo. E tinha sido a primeira vez que voava dentro de um Airbus A350 XWB da LATAM. A avaliação está no video abaixo: Video - Avaliação LATAM Airbus A350 XWB (Lima à São Paulo) Assim termina o relato de viagem, se der no próximo tópico listarei todos os custos bem detalhado, junto com a planilha de gastos. Valeu!
  8. Como foi no começo do ano, acabei jogando fora os papéis com os preços. Mas já dá para ter uma noção média do que é cobrado nos passeios. Não tenho também como indicar qualquer agência de turismo, pois por conta das chuvas, não consegui realizar nenhum tour.
  9. 13/02/2019 a 14/02/2019 - Machu Picchu Pueblo ou Aguas Calientes / Machu Picchu. No tópico anterior foquei mais em detalhar os preparativos em Cusco para vir ao Machu Picchu. Aqui falarei sobre a ida ao Machu Picchu, mas para poder visitar a este sítio arqueológico é necessário passar pela cidade Machu Picchu Pueblo (ou Aguas Calientes). Para chegar a essa cidade o único acesso é por trem. Existe a possibilidade de chegar de Van até a Hidroelétrica e de lá fazer uma trilha a pé, mas conforme mencionei anteriormente, na minha opinião, não vale a pena. Posso dizer que a viagem de trem é a que mais pesa no orçamento e existem 2 empresas que operam esse trecho sendo a Peru Rail e a Inca Rail. - Peru Rail (cotação, reserva e compra de passagem): idiomas inglês e espanhol https://www.perurail.com/ - Inca Rail (cotação, reserva e compra de passagem): idiomas inglês, espanhol e português https://www.incarail.com/ No meu caso optei pela Peru Rail, já que naquele momento tinha os preços um pouco mais barato que a concorrente, além de ter uma maior disponibilidade de horários. Geralmente as pessoas optam por reservar pacotes turístico, mas eu acabei indo por conta própria, o que não é tão difícil fazer. Tive alguns contratempos, pois estorou uma greve na cidade de Ollantaytambo e as estradas e as vias de trem estavam fechados. Mas consegui alterar as datas facilmente, ainda bem que tinha 3 dias sobrando, antes de sair do país (já tinha comprado a passagem aérea). Na ida escolhi a classe intermediária a Vistadome e na volta a mais barata a Expedition. As informações detalhadas sobre a viagem de trem, os custos, categoria de vagões, estarão relatados no video abaixo: Video - Trem PeruRail Vistadome (Cusco à Machu Picchu Pueblo) Chegando em Machu Picchu Pueblo (ou Aguas Calientes), fiz o check-in e fiquei num hotel chamado Illary Inn, para 1 quarto duplo paguei a diária de R$ 80,00. Mas fui enganado aqui porque na hora de pagar eles informam sobre uma taxa de serviço que era de US$ 10,00 isso através da reserva que fiz pelo Booking. Fiquem atento a esse detalhe na hora de reservar! Então o total acabou saindo R$ 115,00. Se for considerar o valor por pessoa ficaria R$ 57,50 o que achei razoável para um hotel. Dentro do preço estava incluído o café da manhã com uma boa variedade de produtos (cereais, café, frutas, pães, iogurte, ovos mexidos). Por ser hotel, tinha uma maior privacidade, além de ter um banheiro privativo no quarto. Eles não ficavam muito afastados do centro da cidade, estava de 5 a 10 minutos da estação de trem. Recomendo o local, tinha um bom custo x benefício, mas só não gostei de saber dessa taxa extra. Segue o link: https://www.booking.com/hotel/pe/illary-inn-cusco.pt-br.html Lembrando que o check-out nesta cidade é bem cedo e ocorre às 09:00. Verifique se na hospedagem eles guardam as suas malas, quando for realizar o passeio pelo sítio arqueológico, senão você terá que levar até lá e utilizar do guarda volume. Após isso não esqueça de reservar a Van que irá te levar da cidade até o sítio arqueológico (Machu Picchu), pois é uma subida bem íngreme que vai durar de 2 a 3 horas a pé. Na hora da descida até que é mais rápido podendo ser em 1 a 1 hora e meia de trajeto, a pé. Indo de micro ônibus, o trajeto não dura mais do que 20 a 30 minutos o que é bem rápido. Para quem já tem o trem marcado para o dia seguinte, recomendo que vá de ônibus, senão não conseguirá ter tempo o suficiente para ver com tranquilidade o Machu Picchu. Caso tenha tempo sobrando na cidade ou esteja planejando em passar mais dias no local, subir a pé a montanha, não é uma má idéia. O preço do ônibus é caro (meio que rola um monopólio), para estrangeiro, está custando US$ 12,00 por trecho. Assim a ida e volta será US$ 24,00. - Consettur: Ônibus para subir ou descer de Machu Picchu (tarifas e reservas). http://consettur.com/ Depois disso, aproveite o final do dia para conhecer a cidade e os restaurantes locais (que é bem caro). Caso ainda não tenha comprado o boleto para Machu Picchu (geralmente as pessoas já compram em Cusco) ainda dará para comprar no centro da cidade, que está custando 152 soles ou R$ 175,00. É necessário levar o seu passaporte ou documento de identidade original para fazer a compra, além de informar o horário que irá visitar o sítio arqueológico. Os detalhes do que deve fazer na cidade, estão relatados abaixo: Video - O que fazer em Machu Picchu Pueblo ou Aguas Calientes? No dia seguinte que será a visita ao parque, no meu caso que já tinha reservado o ônibus cheguei no horário combinado e as filas já se formam desde a madrugada. Sobre a visita ao Machu Picchu, ida de Van até o parque, os detalhes do Circuito 1 e a Puente Inca estarão relatados abaixo: Video - Machu Picchu com Puente Inca (Circuito 1) Escolha ir entre 8 a 9 horas da manhã, pois se for muito cedo, terá risco de pegar névoa na montanha e não poderá ver quase nada. Se escolher ir muito tarde, o parque ficará lotado e difícil de transitar, além de ter pouco tempo para pegar o trem da tarde (volta para Cusco). Caso tenha tempo sobrando ou tenha planos de ficar mais alguns dias na cidade, algumas pessoas optam por realizar passeios adicionais na "Montanha" ou o "Waynapicchu", mas para isso terá que pagar um valor adicional, os preços e detalhes estão no site abaixo: - Boleto para Machu Picchu (Site oficial). Poderá comprar na própria loja física, próximo ao Museo Historico Regional (em Cusco). Necessário levar o passaporte original. https://www.machupicchu.gob.pe/inicio Após visitar ao Machu Picchu, desci à cidade por volta das 13:30, aproveitei para almoçar e sobrou um pouco de tempo para conhecer a feirinha que fica frente à estação. O trem partia por volta das 15:30 e chegaria em Cusco lá para final da noite. Na estação aproveitei para ver um pequeno show que passaram dentro da estação, os artistas estavam vendendo o CD com as músicas deles, foi interessante: Video - Cheyanne Cover (Estação Machu Picchu) Caso pegue o trem na noite, talvez você chegue em Cusco na madrugada, o que não recomendo muito. Na volta, escolhi o trem de categoria básica, a classe Expedition, veja a diferença: Video - Trem PeruRail Expedition (Machu Picchu Pueblo à Cusco) Cheguei em Cusco por volta das 21:30 a 22:00 horas e fui direto para o hostel e capotei de sono. Realmente é bem cansativo, pois terá que andar um bocado. Mas recomendo muito o passeio. Em suma, só a visita ao Machu Picchu não é nada barato, tenha em mente que irá gastar em torno de US$ 300 a 400,00 (dólares americano) por pessoa, considerando TUDO (hospedagem, trem, entrada ao parque, refeição, água, lanches) e indo com conforto. É lógico que dá para gastar menos, mas terá que fazer trilhas, caminhar à beça, ficar em hostel, economizar na comida e ir de Van até a cidade (e não de trem). Apesar do trem estar muito, mas muito caro, creio que é um experiência que vale a pena ser feita, pelo menos 1 vez na vida. Pois pelos custos da viagem, não pretendo voltar novamente aqui em Machu Picchu. Assim meio que termina a saga do mochilão e o próximo tópico apenas finalizarei os detalhes da viagem e os custos com a passagem aérea. Valeu!
  10. 09/02/2019 a 16/02/2019 - Cusco / Machu Picchu Pueblo ou Aguas Calientes. Conforme o último relato, acabei passando 1 noite dentro do ônibus, já que saí de noite em Arequipa. Quando uma viagem de ônibus for acima de 7 horas de percurso, compensa pegar um horário noturno, pois irá economizar em hospedagem, fica a dica! Na manhã seguinte cheguei no Terminal Rodoviário em Cusco, lá novamente não tivemos acesso à internet (diga-se Wi-Fi), então não deu pra chamar um Uber e acabei indo de taxi até o hostel. Foi no mesmo esquema de informar o destino e negociar o valor da viagem, graças a Deus não tive problemas com o taxista. Fiquei num hostel chamado Barrio Inka, um pouco afastado do centro da cidade, ou seja, da Plaza de Armas. Hospedagens próximas ao centro sairão um pouco mais caro, então fica a seu critério. O bom daqui é que tinham quartos individuais, o que proporciona um pouco mais de privacidade. Mas em contrapartida o banheiro era compartilhado. Escolhi 1 quarto duplo e fiquei por 2 noites no local, saiu em torno de R$ 112,00. Se considerar o valor por diária e por pessoa, saiu R$ 28,00. Posso dizer que foi um ótimo custo x benefício. Aqui tinha cozinha e chá à vontade, mas não tinha geladeira para guardar seus alimentos. Em suma, não dava assim para preparar seus alimentos. Eles ofereciam um café da manhã simples, tendo pães, manteiga, geleira, café e ovos. Bem básico. Tive um bom atendimento, do proprietário chamado Sergio. Os quartos eram aconchegantes, mas em dias frios você sentia um pouco a temperatura externa (frio). No geral, recomendo o local, segue o contato deles: https://www.booking.com/hotel/pe/barrio-inka.pt-br.html Após esse período, queria variar um pouco de hospedagem e acabei escolhendo um outro hostel chamado "El Corazón del Cusco" e lá passei 5 noites. Fiz a pior besteira do mundo por ter trocado de hostel, pois ele ficava na parte elevada de Cusco. Então para voltar do centro da cidade, tive que enfrentar uma subidona bem íngreme. Ficava bem próximo a Plaza Santa Ana. Lá também escolhi um quarto individual, ao menos não sentia tanto frio no local. O quarto era bem aconchegante. Paguei no total R$ 226,00 para um quarto individual duplo (2 camas), a diária então ficaria R$ 45,20. Se for considerar o valor por pessoa, sairia R$ 22,60 o que é um bom custo x benefício. MAS não recomendo o local, porque eles tinham apenas 1 banheiro para atender a TODO o hostel. Então pela matemática as coisas não dariam certo, a espera seria muito grande, tanto para tomar banho, escovar os dentes, fazer o número 1 ou 2. Foi um sacrifício e desconforto para todos. Os donos moram no hostel, ou seja, se todos os quartos ficam ocupados, eles dormem meio que na sala de estar, eles utilizam da cozinha e se servem junto com os hóspedes. Isso achei meio estranho e falta de profissionalismo. Sei que cada um possui as suas necessidades, mas é meio bizarro. No banheiro ou na pia, era comum ver as roupas a serem lavadas do casal de proprietários. O café da manhã apesar de estar incluso, tinha um horário bem limitado e a proprietária fazia meio sem vontade. Tinha uma vez que ela esqueceu de comprar os pães e tive que esperar 30 minutos para ter o café da manhã pronto. Não vou nem indicar o hostel, pra vocês não passarem o sufoco ou raiva, EVITEM "El Corazón del Cusco". Engraçado que em Cusco, assim como no Chile, tem muito cachorro vira-lata na rua, então é muito comum ter um fedor de coco ou urina de cachorro, bem desagradável. Creio que assim como eu fiz, 7 dias são mais do que suficiente para visitar bem a cidade de Cusco, Vale Sagrado e o Machu Picchu. Mas aviso que a ida ao Machu Picchu poderá ser feito por você, pois é só agendar o trem, reservar o hotel pela internet, comprar o boleto para Machu Picchu e tudo estará pronto. Não é difícil, basta ter um cartão de crédito internacional. O resumo geral de todos os pontos turísticos visitados, está registrado no video abaixo: Video - Cusco, Valle Sagrado e Machu Picchu em 5 dias Os primeiros 1 a 2 dias em Cusco serão gastos com os preparativos para ir ao Machu Picchu, comprar o boleto turístico, entrada ao sítio arqueológico Machu Picchu e fechar os pacotes turísticos. O detalhado estará no video abaixo: Video - O que fazer em Cusco? Detalhado! Não esqueça de comprar o Boleto Turístico que é um pacote fechado com entrada de vários sítios arqueológico e museus em Cusco. Caso vá realizar o passeio ao Valle Sagrado é necessário ter este boleto, senão pagará muito caro para entrar. Ele custa 130 soles, em torno de R$ 150,00 por pessoa, poderá ser adquirido abaixo: - Museo de Arte Popular (Boleto Turístico - COSITUC) Endereço: Av. El Sol 103, no subsolo. Horários: Seg-Sab - 08:30 ~ 18:00 / Dom e Feriado - 08:00 ~ 13:00 http://cosituc.gob.pe/ Esqueci de mencionar que existem 2 tipos de boletos turístico, a mais completa que citei anteriormente e uma mais básica que tem como foco algumas entradas para o tour ao Valle Sagrado. Se a sua inteção é ficar quase 1 semana na cidade e conhecer bem a cidade de Cusco, recomendo comprar o boleto turístico completo. Caso haja a necessidade de realizar o câmbio de moedas em Cusco, recomendo a casa de câmbio abaixo: - LAC Dolar: câmbio de moedas. Endereço: Av. El Sol 150 - Cusco Tel: +51 84 257 762 Geralmente próximo a Plaza de Armas, se concentram as agências de turismo que vendem os pacotes de viagem, MAS geralmente eles cobram valores um pouco acima da média. Recomendo escolher aquelas um pouco afastadas do centro. Utilizei a agência de turismo abaixo para o pacote ao Valle Sagrado, que recomendo muito. Mas não cheguei a utilizar eles para o Machu Picchu, uma vez que foi tudo realizado por mim. - Andean Flicker Adventure (Pacote Vale Sagrado) Endereço: Calle Educandas, 375 - Cusco Whats (Yessica): +51 984 982 013 Tel: +51 084 599 832 E-Mail: [email protected] Os pacotes para o Machu Picchu geralmente custam de US$ 220 a 250,00 (dólares americano) por pessoa. E nele está incluído o transfer de Van até a cidade de Ollantaytambo, ida e volta de trem na classe mais barata para a cidade de Machu Picchu Pueblo (ou Aguas Calientes), 1 noite de hospedagem, entrada para o sítio arqueológico Machu Picchu, subida de Van até sítio arqueológico e o transfer de Van de Ollantaytambo até Cusco. Em alguns casos podem variar de incluir visita aos termas em Aguas Calientes, a descida de Van do sítio arqueológico (geralmente no pacote tem somente a subida, a descida teria que realizar a pé) ou ter almoço em algum restaurante. Existe também a opção mais barata de todas, em que descartam a parte mais cara da viagem, que é o trem. Nesse caso os pacotes custam em torno de US$ 120 a 150,00. Só que todo o trajeto é realizado de Van até um ponto mais próximo da cidade de Machu Picchu Pueblo (ou Aguas Calientes) que geralmente as pessoas falam que é a Hidroelétrica. De lá teria que fazer um percurso a pé. O restante seria tudo igual ao pacote anterior, tirando o trem na jogada. Esse pacote não recomendo muito. Sobre o passeio ao Valle Sagrado VIP leva 1 dia inteiro e paguei em torno de 50 soles por pessoa, incluso almoço, que dá em R$ 58,00 isso porque consegui um desconto por estar com mais pessoas. O detalhes estão registrados nos videos abaixo: Video - Valle Sagrado (Chinchero) Video - Valle Sagrado (Moray) Video - Valle Sagrado (Salineras de Maras) Video - Valle Sagrado (Ollantaytambo) Video - Valle Sagrado (Pisaq) Uma outra dica é não deixar para última hora ou últimos dias, a viagem ao Machu Picchu, pois imprevistos podem ocorrer. No meu caso, tive a infeliz notícia que os trens não iriam circular bem na data marcada, já que havia estourado uma greve em Ollantaytambo. Nisso eles tinham fechado as estradas e as vias de trem. Sorte que tinha mais 3 a 4 dias sobrando, então puder realocar as datas e postergar as reservas de hotel. Após realizar os passeios em Machu Picchu e Valle Sagrado, aproveite o restante dos dias para conhecer os museus da cidade, outros pontos turísticos listados no tal Boleto Turístico de Cusco e o sítio arqueológico Sacsayhuaman. É um local grande e que vale a pena o passeio, está registrado abaixo: Video - Sacsayhuaman (Cusco) Farei um tópico um separado falando especificamente de Machu Picchu. Então aguardem!
  11. 06/02/2019 a 08/02/2019 - Arequipa. Chegamos bem no fim de noite em Arequipa, foi bom ter vindo nesta cidade, já que não aguentaria uma longa viagem até Cusco. Optei por conhecer a cidade e aproveitar para descansar. Após desembarcar no terminal rodoviário, no local não havia sinal de Wi-Fi, então pela primeira em todo o mochilão que tive que utilizar de taxi. Pois é, até o momento só tinha usado o Uber, mais por conta da praticidade (já que é debitado direto do cartão de crédito), do valor ser fixo e não variável, e por conta da confiabilidade e segurança. Sempre li relatos de vários taxistas no Peru ou em outras cidades em que dizia um valor X, e na hora de pagar cobravam 2X ou 3X. Para aqueles que não sabem, aqui no Peru você tem que negociar o valor antecipadamente, não existe taxímetro. Você fala o destino ou o endereço, o taxista passa o valor e você aceita ou não. Para evitar de ser prejudicado, gravei pelo celular a negociação, para depois ele não falar outra coisa. Mas ainda bem que não precisei utilizar da gravação, porque o motorista foi justo e confiável. Os taxis aqui no Peru são muito baratos, mas sempre tomem cuidado na hora da negociação. Eu sempre recomendo usar o Uber, em Arequipa funcionava muito bem. Do terminal de ônibus até o hostel que ficava no centro da cidade acabei pagando uns 10 soles, que dá em torno de R$ 11,50. Sobre a hospedagem fiquei num hostel chamado "Haku Hostel" que ficava até que próximo do centro da cidade, uns 4 quarteirões da Plaza de Armas. Quase todas as cidades do Peru possui a tal Plaza de Armas, que seria o centro da cidade. Voltando pra o hostel, o diferencial daqui é que eles possuíam quartos privativos, mas que os banheiros eram compartilhados. Paguei pelo quarto privativo com 2 camas, o valor de R$ 53,00 a diária, então o valor era muito bom, se for considerar por pessoa sairia em torno de R$ 26,50. Fantástico! Eles ofereciam café da manhã, era bem simples, pães, manteiga, geléia, café e ovos. Estava bom, melhor do que nada rs. O ruim é que a cozinha era bem pequena e limitada, além deles não possuírem geladeira para armazenar os alimentos, então praticamente que não dava para cozinhar. No geral, recomendo o hostel, pois era bem limpo, tinha ótimo custo x benefício e tive um ótimo atendimento. https://www.booking.com/hotel/pe/oui-arequipa-hostel.pt-br.html Para quem for hospedar nesse hostel, bem na frente deles existe uma hamburgueria que fazem ótimos lanches a preços competitivos, chamada "Juega Bonito". O local é bem pequeno, mas fazem lanches deliciosos, tive um ótimo atendimento. Eu pedi um hamburguer que vinha com batata fritas dentro do próprio lanche, é bem diferente, recomendo! Além do mais os proprietários me ajudaram quando estava bem de noite, ruas desertas e o hostel não estava abrindo as portas. Meio que ligaram para eles e conseguiram me ajudar no dia que cheguei, são bem gente boas. Sobre os preços no Peru, uma coisa foi bem positiva, o custo de vida no país é baixo, creio que os preços em geral estavam entre 10 a 20% mais baratos que o Brasil. Então aqui dava para fazer as refeições em restaurantes locais. É lógico que existem opções caras e que devem ser evitados caso seu objetivo é economizar. Não pude visitar o famoso Valle del Colca, porque para fazer um bate-volta seria muito cansativo e eu realmente precisava descansar. Descartei essa possibilidade. Aproveitei para realizar um Walking Tour pela cidade, recomendo o contato abaixo: - Free Walking Tour Horários: 10h / 15h Endereço: Calle Santa Catalina, 204 - dentro do Chaqchao Choco Museo. https://www.freewalkingtoursperu.com/arequipa/ Você estará bem servido pelos museus disponíveis no centro da cidade. Existe aquela que tem a famosa múmia Juanita, uma criança humana que esteve congelada numa montanha sagrada, a 80 km de Arequipa. Era um ritual ou oferenda trazida aos seus deuses. Mas na época que estive, não estava disponível, pois a apresentação ocorre entre os meses de Maio a Dezembro, fora disso fica guardada numa sala escura para a sua preservação. É exposta no Museo Santuarios Andinos. Existe uma outra opção de museu que também expõem 3 múmias intactas e era bem mais barato, em torno de 5 soles que dá em torno de R$ 6,00. Era o Museu Unsa. Os detalhes estão relatados no video abaixo, com os pontos turísticos visitados: Video - Arequipa Uma outra coisa que não consegui realizar e me arrependo muito, é de não poder ter visitado as "Picanterias", com o qual recomendo muito. São restaurantes que funcionam no horário do almoço, que servem a comida tradicional peruana, geralmente picantes, bem como fazem a melhor chicha, que é uma bebida local feita à base de milho. Apesar de ter em Cusco, acredito que de Arequipa é bem melhor, segundo os relatos que ouvi de pessoas. Caso necessite realizar compras no mercado, existe um na Plaza de Armas, chamado "El Super". Possuía uma boa variedade de produtos, associado a um bom preço, recomendo! Depois de descansar na cidade, comprei a passagem de ônibus pela empresa Romenliza. Creio que paguei caro, pois de Arequipa até Cusco, por pessoa estava R$ 68,00. Fiz a besteira de comprar através de uma agência de turismo em Arequipa que ficava na Plaza de Armas, pois acabei pagando em torno de 50% a mais por causa da intermediação. Teve a conveniência porque não precisei ir até o terminal de ônibus, para comprar a passagem, mas isso me custou $$$. A minha dica é, SEMPRE COMPRE PASSAGENS DIRETO NO TERMINAL RODOVIÁRIO. Pois quando cheguei no terminal de ônibus no dia do embarque, vi que tinha pagado o dobro do preço, já que haviam opções bem mais baratas. Serve como aprendizado. Não fique preocupado em não ter vagas e tal, SEMPRE existem vagas de ônibus e vários horários disponíveis. Ao menos não paguei muito caro comparado a empresa CRUZ DEL SUR, apesar dessa empresa ser bem conhecida e ser uma das mais bem avaliadas no Peru, os preços dela são bem caros. O mesmo trajeto de Arequipa até Cusco estavam todos acima de R$ 100,00 então não recomendo. Não esqueça de reservar um trocado para pagar a taxa do terminal que é de 2 soles por pessoa, que dá em torno de R$ 2,50. A avaliação e os detalhes desta viagem estão no link abaixo: Video - Ônibus Romenliza (Arequipa à Cusco) O próximo relato será de Cusco. Aguardem!
  12. 05/02/2019 a 06/02/2019 - San Pedro de Atacama / Calama / Iquique / Arica / Tacna / Arequipa. Conforme o último post, não pude fazer quase nada em Atacama, por conta das chuvas que castigaram a região. Apesar de ser um deserto, no verão chove bastante a ponto de inundar as estradas. Vocês podem pensar que estou exagerando, mas vejam os videos dos noticiários na época: Video - Noticiário Chuva 1 Video - Noticiário Chuva 2 Video - Chuva nas estradas no Norte do Chile Todos os parques onde estão localizados os passeios ficam fechados em dias de chuvas, por conta das estradas fechadas e também pelo risco dos veículos ficarem atolados. Consequentemente as agências de turismo ficam fechadas, já que não conseguem vender os seus pacotes de viagem. Vi muitas pessoas terem dores de cabeça na hora do reembolso dos pacotes já fechados, então recomendo que sigam as dicas passadas anteriormente. Voltando, o único passeio que ainda estavam vendendo era para o Salar de Uyuni, mesmo com as chuvas. Isso acontece porque os veículos que irão atravessar o deserto de sal, são todos 4x4, ou seja, com tração nas 4 rodas. Então não havia nenhum impeditivo para o passeio. Mas lembra no primeiro post do planejamento da viagem? Pois é, a pessoa que estava me acompanhando não era brasileiro, assim precisava de visto para entrar na Bolívia. E como não consegui obter o visto antecipadamente, não foi possível tentar o plano B via Bolívia. Havia a possibilidade de conseguir um visto avulso de 1 entrada, na própria fronteira. Mas ouvi relatos de que eles cobravam em torno de uns US$ 100,00. E tinha me desanimado em saber que muitas pessoas meio que foram extorquidos pelos oficiais da imigração, em que pediam "propina" para suavizar na entrada ou na saída do país. Pois não carimbavam a entrada do país (no passaporte), e você enfrentava problemas na hora de sair, em que tentavam arbitrar uma multa pesada, mas isso por conta de falhas dos próprios oficiais. São inúmeros relatos que ouvi, que me fez desistir de vez da Bolívia. Então acabei comprando a passagem para Arica, uma cidade bem ao norte do Chile, que faz fronteira com o Peru. Escolhi a empresa de ônibus Turbus, que seria uma das mais conhecidas do Chile e a que possuia uma ampla disponibilidade de horários. Em relação aos preços, de San Pedro de Atacama até Arica, custa 16.600 pesos chilenos para semi-cama e 27.900 pesos para cama. Em reais dá em torno de R$ 100,00 e R$ 165,00 por pessoa respectivamente. MAS no horário da partida, o ônibus não chegou porque a estrada estava fechada, isso mesmo por conta das chuvas que inundaram a estrada. Tivemos uma demora de 3 horas, pois a empresa conseguiu realocar um ônibus que tinha vindo da Bolivia e iria nos levar até a cidade de Calama. Foi orientado de que deveria pegar o ônibus, descer em Calama e pegar um outro ônibus que iria nos levar até Arica. Até aqui tudo bem, pois já não aguentava ouvir falar de chuvas, de estradas fechadas e tal. O meu objetivo era sair de Atacama o mais rápido possível. O trajeto dessa viagem está no link abaixo: Video - Onibus Turbus (San Pedro de Atacam à Iquique) Chegando em Calama, conforme orientado inicialmente me dirigi ao outro ônibus e tive uma surpresa desagradável. O motorista simplesmente diz que não vai para Arica e sim para Iquique, que é uma cidade litorânea que ficava um pouco abaixo de Arica, a uns 310 km, ou seja, 4 horas de viagem de carro (entre Iquique e Arica). Fiquei revoltado e cobrei explicações, o motorista todo mau humorado disse que essa era a orientação recebida, que não sabe de nada e se quiser para que eu vá no balcão da empresa verificar, não era a obrigação dele explicar. Nesse meio tempo, fui ao balcão tentar buscar as informações e me falam que novamente a estrada que liga até a cidade de Arica estava fechada, pois foram destruídas pelas chuvas. Assim o ônibus levaria até Iquique. Quando fui voltar ao ônibus, cadê ele??? No intervalo de uns 10 minutos que fui em busca de informações, o motorista vazou e perdi a viagem. Nesse meio tempo tive que decidir se passo alguns dias em Calama ou em Iquique, que ao menos ficava um pouco mais próxima da fronteira, assim aguardaria até a abertura da estrada Panamericana Norte. Decidi então ir até Iquique e aguardar as coisas melhorarem, mas tive algumas consequências em relação a isso, com o qual vou falar posteriormente. Em relação a viagem perdida, avisei ao balcão da empresa que o motorista havia sumido, então eles emitiram uma nova passagem para o próximo horário e tive que aguardar em torno de 4 horas para a chegada no novo ônibus. Lembrando que comprei a passagem para a categoria semi-cama, que era um pouco mais caro, MAS o ônibus que veio era um COMUM. Ou seja, acabei pagando mais do que deveria, o motorista disse que não era possível o reembolso e teria que desistir da viagem. Todas as pessoas ficaram revoltadas e falaram que tanto faz pagar mais e levar menos, mas que pelo menos queriam chegar em Iquique, e embacaram assim mesmo no ônibus. Nessa a empresa meio que se deu bem da situação. Sobre a Turbus, os pontos positivos dela é que possui uma grande disponibilidade de horários e de cidades atendidas. A frota até que é recente, os ônibus são novos e limpos. Os pontos negativos, foram o mau atendimento, falta de informação, confusão na emissão de passagens, péssima política de reembolso, etc. É comum sempre no verão acontecerem estes problemas de fechar a estrada (acontece TODO ANO), mas pelo visto não sabem lidar nessa situação. Isso achei meio que vergonhoso. E por ter o próprio teminal de ônibus da empresa, você fica refém dela, pois não existem alternativas ou qualquer plano B. Então pensem bem nisso e evitem ATACAMA ou essa região no período de verão, vai por mim. Após chegar em Iquique bem no final da noite, tentei buscar por hospedagem e adivinha o que aconteceu? Todos os hostel da cidade ou a grande maioria estava LOTADO, muitas pessoas tiveram a mesma idéia que eu, de ficar aguardando na cidade até abrirem as estradas. As poucas que estavam disponíveis cobraram o olho da cara, ou tive que pagar por 1 quarto inteiro que custava quase de 3 a 4 vezes o preço. O local onde ficava o terminal de ônibus da Turbus em Iquique ficava próximo a "Zona Roja", ou seja, zona vermelha (onde ficam várias boates e essas casas da vida). Então meio que era perigoso ficar perambulando pela região. Havia conseguido encontrar um hotel, mas que mais parecia um hostel de quinta categoria. Mas não era seguro andar até lá, uma vez que se fosse assaltado, iria perder tudo, documentos, passaportes, todo o dinheiro, notebook, celular, etc. Era um risco que não queria correr, então o que eu fiz? Acabei dormindo no próprio terminal, arranjei uma caixa de papelão na rua, coloquei no chão num cantinho meio que vazio e dormi com se fosse um "sem teto". E olha que não dava pra dormir bem, pois a todo momento de madrugada chegavam vários ônibus. Foi uma experiência e tanto. A pior coisa é que o banheiro era cobrado, isso é uma das coisas que odiei no Chile, pois a cada vez que você utilizava dele, teria que pagar 500 pesos chilenos, que dá em torno de uns R$ 2,50. Cheguei a segurar tanto, que a minha urina chegou a sair marrom, isso foi chocante. Nunca mais vou fazer isso, demorou uns 2 dias para normalizar rs... Como todas as bagagens estavam comigo, não podia nem sair para conhecer a cidade, além disso não estava com cabeça para isso. Não tinha previsão de quando a estrada iria abrir, pois os noticiários (tinha uma TV no terminal de ônibus) viviam mostrando cenas de cidades devastadas pelas chuvas, e a própria estrada destruída, então os dados não eram tão animadores. Ouvi dizer que isso estava perdurando por mais de 4 dias, vários tratores e operários estavam por dias tentando reformar as estradas. Muita coisa se passou pela minha cabeça, pesquisei passagem de avião (Iquique possui um aeroporto), mas estavam muito caros (em torno de R$ 2 a 3 mil por pessoa), era uma opção inviável. Bolivia estava fora de cogitação, por conta do visto. Algumas das pessoas que encontrei no terminal e que ficaram por dias na cidade, decidiram voltar para Santiago ou ir para Atacama, avisei que San Pedro de Atacama estava pior que iria perder dinheiro, mas cada um faz o que achar melhor. Nunca orei tanto na minha vida, para que as coisas ou a situação melhorasse. No dia seguinte (06/02/2019), após tomar um café da manhã simples, Deus ouviu minhas preces e por um curto espaço de tempo os "Carabineiros" ou a polícia local tinham aberto as estradas para Arica. Fiquei todo animado, mas quando fui tentar comprar a passagem, a Turbus disse que iriam focar somente naqueles passageiros de remarcação. Para aqueles que compraram a passagem para Arica, mas chegaram em Iquique. Eu não estava contemplado, porque lembra que perdi o ônibus em Calama, por causa do motorista? Pois é, por conta da emissão de um nova passagem, que estava com destino final Iquique, não poderia comprar. Somente poderia adquirir, após TODOS outros passageiros terem sido acomodados. Fiquei doido quando ouvi isso, nunca odiei tanto essa empresa, TURBUS #$%#$%#$¨%$&*%¨. Fui vasculhando o mapa da cidade (que já tinha baixado previamente para o celular - MAPS.ME ou Google Maps - ambos Offline), apareceu que a uns 3 quarteirões havia um terminal de ônibus e fui dar uma conferida. E PUMBA! Descobri que tinha um terminal rodoviário da cidade, que atendia todas as empresas de ônibus. Colei numa empresa que partia de imediato (ou o mais próximo disso) e que tinha preços baixos, pois havia o risco da estrada fechar novamente. Estava ansioso para sair da cidade ou o norte do Chile o mais rápido possível. A empresa escolhida foi a Pullman Carmelita, era um ônibus bem antigo, o toalete a bordo era aqueles banheiros químicos e fedia bastante, mas ao menos o ar condicionado estava funcionando. Posso dizer que na situação que estava, era bem melhor do que qualquer coisa. Em relação aos preços, saiu por 10.000 pesos chilenos, que dá em torno de R$ 60,00 por pessoa. Ao longo do trajeto foi possível ver o estrago feito na estrada e isso é bem comum, porque quando vocês forem assistir ao video, vão perceber que a rodovia fica no meio de duas montanhas, que funciona como se fosse um funil. Se chover, toda a água vai para o meio e acaba destruindo pontes e estradas, vejam abaixo: Video - Ônibus Pullman Carmelita (Iquique à Arica) Ao menos, o trajeto do viagem foi bem bonita, já que haviam momentos que o ônibus transitava na parte alta da montanha, então parecia que estávamos voando. É um trajeto que também recomendo a visita por ônibus ou carro. Após 4 a 5 horas de viagem chegamos no terminal doméstico de Arica, teríamos que nos dirigir ao terminal internacional de Arica, para poder atravessar a fronteira para o Peru. Eles ficam bem ao lado. De lá deverá pagar a taxa do terminal que fica bem à direita logo após a entrada. É obrigatória o pagamento dela, está em torno de 700 pesos chilenos que dá em torno de R$ 4,00. Após o pagamento dessa taxa, terá 2 opções de ida, via micro-ônibus à esquerda ou taxi à direita. Preço de micro-ônibus é em torno de 2.000 pesos chilenos, enquanto que de ônibus é 4.000 pesos chilenos. Dá respectivamente R$ 12,00 e R$ 24,00. Vale a pena pagar um pouco mais e ir de taxi, já que é bem mais rápido do que ônibus. Pois não será necessário aguardar as outras pessoas passarem pela imigração, realmente vale a pena ir de taxi. As informações estão no video abaixo: Video - Travessia de Taxi Arica (Chile) à Tacna (Peru) O motorista de taxi irá te deixar no terminal rodoviário internacional de Tacna, aproveite para realizar o câmbio de moedas. Eu acabei trocando todos os meus pesos chilenos para soles peruano, já que não realizei nenhum passeio em Atacama, a cotação até que estava condizente, nada desfavorável. De Tacna queria ir para Arequipa, passar uns de 1 a 2 dias para descansar, pois se for direto para Cusco seria muito cansativo, já que praticamente varei a noite e não pude dormir quase nada. Então do Terminal Internacional, me dirigi ao Terminal Rodoviário Doméstico, que ficava ao lado um do outro, em Tacna. Escolhi a empresa Flores Hermanos que também é bem conhecida no país. E o ônibus já estava quase de partindo para Arequipa. Lembrando que você sempre deverá pagar a taxa do terminal que eram 2 soles, mais ou menos R$ 2,20. A passagem para ônibus comum custou 20 soles, que dá em torno de R$ 23,00 por pessoa de Tacna até Arequipa. A duração da viagem era em torno de 6 a 7 horase vocês poderão cotar direto no site deles: - Flores Hermanos (cotar preço de passagens) http://floreshnos.pe/ O trajeto de ônibus até Arequipa está registrado no video abaixo: Video - Ônibus Flores Hermanos (Tacna à Arequipa) No próximo post, falarei da minha chegada e visita na cidade de Arequipa. Valeu!
  13. Video - Trem Peru Rail (de Machu Picchu à Cusco) Um video rápido mostrando a viagem de trem que fiz, trajeto de Machu Picchu até a cidade de Cusco. Peguei o trem na parte da tarde depois que visitei o sítio arqueológico Machu Picchu pela manhã. Caso queira saber sobre os preços, reservas, categorias de trem, veja no meu video anterior que fiz no trajeto Cusco para Machu Picchu. Conforme comentei anteriormente, na volta escolhi a opção mais barata sendo a categoria Expedition. Se vocês ainda não viram o video anterior, havia vindo para Machu Picchu na classe intermediária, a Vistadome. A diferença entre as duas é que na Expedition, a mais barata, não possui ar condicionado. Somente a ventilação das janelas, eles não oferecem lanches ou bebidas, você terá que comprar dentro dos vagões. Mas recomendo antes de embarcar, passar num mercado e comprar lanches e bebidas para consumir dentro do trem, sai mais barato. Outro detalhe é que a área envidraçada é um pouco menor, pois as colunas do trem, ao invés de terem janelas, é apenas forrado em madeira. A Expedition pelo menos possuía o teto envidraçado, o que não prejudica em nada a visibilidade. Um outra dica que esqueci de comentar no meu video anterior, é que na ida para Machu Picchu, recomento escolher os assentos do lado esquerdo do trem. E na volta para Cusco, escolha os assentos do lado direito. Assim terá uma melhor vista durante a viagem, contornando o trem. No geral, achei o espaço um pouco melhor e maior do que a classe intermediária Vistadome, apenas a minha impressão. Gostei do atendimento da cabine, no vagões. Mas o único porém são preços elevados do trem, mas vale a pena a experiência. Fique com o restinho do video. Espero que gostem do video, curta e se inscreva no canal. Valeu!
  14. Video - Trem Peru Rail (de Cusco até Machu Picchu) Estarei mostrando sobre a viagem de trem que fiz para o Machu Picchu pela empresa Peru Rail. Atualmente 2 empresas operam esses trechos entre Cusco até Machu Picchu Pueblo ou Aguas Calientes, que é o nome da cidade. Elas são a Peru Rail e a Inca Rail. A primeira é bem antiga. A segunda, a Inca Rail é mais nova e moderna. Acabei escolhendo a Peru Rail por ter uma disponibilidade maior de horários. Dependendo de alguns casos um pouco mais barato que a Inca Rail. Isso não é sempre, portanto recomendo pesquisar nas duas empresas, os preços estarão em dólares americanos. A opção que fui na época foi a bimodal, que é um trecho feito de Van entre as cidade de Cusco até Ollantaytambo. De Ollantaytambo até Machu Picchu de trem. A Van era um pouco apertado, tanto é que tinha apenas um dedo de espaço entre os banco, isso para alguém com 1,85 m de altura. No caminho eles fazem uma pausa em um ponto do Valle Sagrado, para quem quiser passar no banheiro ou fazer compra de produtos peruanos, bem como apreciar uma vista fantástica do local. A opção de transporte Bi-Modal, ou seja, de Van e Trem não existe mais, pois na época eles fizeram temporariamente essa opção até a reforma de uma das estações de trem em Cusco. Mas a sua concorrente a Inca Rail, ainda possui essa opção Bi-Modal. Eles também possuem 3 classes ou categorias, a primeira classe, a intermediária e a econômica. - A primeira classe ou a mais top, muda de nome de acordo com o local em que se pega, ou da estação que você entra, se chama Hiram Bingham ou Peru Rail Sacred Valley Não recomendo porque custa de 4 a 5 vezes o preço da econômica. Não tenho imagens deste vagão, mas vocês poderão ver as fotos no site da empresa. - A intermediária, chamada de Vistadome, que é a que fui na ida, que estou mostrando a vocês, custa geralmente de 20 a 30 dólares a mais do que a econômica. A diferença é que as janelas são um pouco maiores, ou seja, possui uma área maior envidraçada, então permite ter uma visibilidade maior da paisagem. Tanto no teto como nas colunas. E eles servem bebidas, um pequeno sanduíches e frutas da região. E as mesas são um pouco maiores. Mas na verdade achei essa categoria uma pouco mais apertada do que a econômica, com o qual irei comentar nos próximos videos. - Na volta, recomendo escolher a Expedition, ou seja, a mais econômica. Não compensa pagar mais por algo que você já viu na ida. A contrapartida é que na versão mais básica ou mais barata, você terá que pagar pela bebida ou lanches, que são vendidos nos vagões. Os preços variam de acordo com a demanda e os horários escolhidos. Saindo de Custo até Machu Pichu, a econômica ou Expedition fica entre US$ 68,00. A intermediária ou Vistadome, fica entre US$ 95,00 a 115,00. A mais cara parte de US$ 480,00 a US$ 530,00. Surreal, não vale a pena. Quem for fechar um pacote turístico, geralmente fará a opção Bimodal, sendo um trecho de Van e Trem. Custa em torno de USS 220,00 a 250,00. Incluído o transporte Bimodal, tendo Van e Trem, entrada para Machu Picchu, Hostel, subida de Van até o Sitio Arqueológico e dependendo de alguns casos incluem as Termas em Aguas Calientes. Se você escolheu montar o seu próprio pacote por sua conta. Fique ciente em saber onde será o seu embarque, ou a estação de embarque em Cusco. Porque se for a estação San Pedro, ele fica próximo do centro da cidade de Cusco. No entanto, se o embarque for na estação Poroy, você terá que ir de taxi até lá, que fica uns 16 km do centro de Cusco, dá em torno de 30 a 40 minutos de carro. Se bobear, acho que vai pagar em torno de 30 a 40 soles de taxi. Fique ciente também do desembarque, pois ele muda de acordo com a categoria escolhida. Isso estou falando na Peru Rail. Conforme chega mais próximo de Machu Picchu, a paisagem começa a ficar interessante, realmente vale a pena fazer esse trajeto de trem. Algumas pessoas pra economizar, fazem o trajeto de Van de Cusco até a parte mais próxima de Machu Picchu, que é a Hidroelétrica, que leva de 6 a 7 horas de carro. Depois terão que caminhar da hidroelétrica a pé até a cidade de Machu Pichu, que seria de 1:30 a 2 horas de caminhada. Mas essa opção é bem cansativa e não recomendo muito em época de chuvas, já que o caminho de carro é bem perigoso e fica bem próximo ao precipício. Fique por sua conta risco. Essa opção de Van, geralmente as agências vendiam por US$ 150,00. Incluído o tranporte de Van, Hostel, Entrada para Machu Picchu e subida de Van até o Sitio Arqueológico. Se quiser poderá fazer por conta própria, que é bem no modo Hard. Eu não faria isso, porque seria mais stress do que curtir a viagem. Espero que gostem do video, das informações, curta, compartilhe e se inscreva no canal. * Links - Peru Rail (cotação, reserva e compra de passagem): idiomas inglês e espanhol https://www.perurail.com/ - Inca Rail (cotação, reserva e compra de passagem): idiomas inglês, espanhol e português https://www.incarail.com/
  15. 31/01/2019 a 05/02/2019 - San Pedro de Atacama. Apenas relembrando que o aeroporto mais próximo de San Pedro de Atacama, fica na cidade de Calama distante 100 km um do outro, dá mais ou menos 1 hora e 30 minutos de carro. Após desembarcar no aeroporto em Calama, você é surpreedido por várias agências de turismo que realizam o transfer entre as cidades que mencionei anteriormente. Os preços não são caros e nem baratos. Acho que vale a pena por conta da praticidade, pois eles vão te deixar bem na frente do hostel, caso você já tenha realizado a reserva anteriormente. Eles cobravam 12.000 pesos chilenos apenas para ida, que dá em torno de R$ 70,00 e 20.000 pesos com ida e volta que vai dar uns R$ 120,00. De ônibus não compensa porque é um pouco mais trabalhoso, já que você tem que ir até o Terminal de ônibus no centro da cidade de Calama, que fica a uns 7 km do aeroporto, com todas as suas malas. De lá vai ter que combinar com os horários de saída desses ônibus e também a disponibilidade. Chegando em San Pedro de Atacama, terá que caminhar até a sua hospedagem. E a economia não é tão considerável. Então recomendo utilizar do serviço de Van, os detalhes estão no video abaixo: Video - Transfer Van Calama à San Pedro de Atacama Em San Pedro de Atacama, fiquei num hostel chamado Aji Verde. Apesar deles terem preços baixos comparado a média da cidade, o ruim é que ficava um pouco afastada do centro, o que era um incômodo quando as ruas ficam cheias de lama ou quando se tem um calor infernal. Não gostei muito do local, porque geralmente ocorriam blecautes, haviam vazamentos em dias de chuva e os quartos meio que tinham um cheiro peculiar. Mas não espere muito das hospedagem em geral da cidade, porque a grande maioria são assim. Caso queira um lugar decente, vai pagar muito caro por isso. Fiz a besteira de reservar e pagar antecipadamente (no momento do check-in) todos os 5 dias de estadia e isso me prejudicou bastante, pois fui na época do tal "Inverno Altiplânico", que geralmente ocorre durante o Verão nos meses de Dezembro à Março. Com isso temos o alto índice de chuvas na região que acabam alagando toda a cidade e os demais pontos turísticos ou passeios. Então você acaba ficando ilhado em alguns dias, sem poder fazer NADA, tampouco entrar ou sair da cidade. Como não queria perder o valor da hospedagem, acabei ficando os 5 dias em Atacama, esperando as chuvas secarem, sem poder fazer um plano B, que era talvez sair da cidade. Paguei em torno de 86.500 pesos chilenos para 5 noites e 2 camas, não ofereciam café da manhã. Então a diária por cama estava saindo por R$ 48,00 o que estava um pouco acima do que havia pagado em todas as viagens até agora. E foi o primeiro hostel em que tivemos a nossa comida furtada dentro da geladeira, o que achei bem desagradável, realmente presenciei os "ratos de geladeira". Não recomendo o local, acredito que existem opções melhores e mais próximo ao centro da cidade. Os videos do local estão no video abaixo: Video - Hostel em Atacama (Aji Verde) Como estava em época de chuvas, todos os parques e os passeios estavam fechados durante os 5 dias que fiquei na cidade. Teve dias em que a estrada principal estava fechada por conta das chuvas. Lembrando que nesse período é arriscado até para as pessoas que planejam atravessar do Chile até o Peru via as cidades de Arica e Tacna, porque as inundações destruíam pontes e rodovias. Sempre digo uma coisa EVITEM ATACAMA NO VERÃO, entre os meses de Dezembro à Março. É caro e tem um grande risco de jogar dinheiro fora, talvez não consiga nem sair da cidade. Os poucos pontos turísticos que visitei em Atacama estão registrados no video abaixo: Video - Atacama em 5 dias Segue algumas dicas antes de chegar em Atacama: 1. Evite vir para San Pedro de Atacama no verão entre os meses de Dezembro à Março, por conta das chuvas que impossibilitam os passeios. Prefira o Outono ou Primavera. 2. Já efetue o câmbio de moedas, se possível em Santiago, pois as cotações em San Pedro de Atacama é bem desfavorável. 3. Quando for negociar os passeios, negocie ou pague em pesos chilenos, pois em dólares acaba meio que perdendo um pouco na conversão dos valores. 4. Sempre pense em alternativas como por exemplo ir para Bolivia e visitar o Salar de Uyuni. Os veículos que realizam esse passeio são 4x4 (tração nas quatro rodas). 5. Antes de vir para a cidade, veja a previsão do tempo para os próximos 5 a 10 dias. 6. Reserve no mínimo 1 a 2 dias de hospedagem, não o período todo, para o caso de ter que alterar os planos tipo sair da cidade ou mudar de hostel. 7. Evite fechar todos os passeios e pagá-los antecipadamente, pois dependendo das condições climáticas, terá dor de cabeça para ser reembolsado. 8. Escolha hostel que esteja mais próximo ao centro da cidade, ou seja, da Praza San Pedro de Atacama ou dos Caracoles. 9. Tenha roupas para o frio e calor. Há uma grande variação de temperaturas, inclusive valores negativos. Segue abaixo a média praticada dos passeios em Atacama, que compilei de 3 a 4 agências de turismo da região: * Média de preço dos passeios (em peso chileno): Nome do Passeio / Horas / Valor do Passeios / Valor da entrada / Total. Valle de la Luna (meio período): 15.000 / 3.000 = Total: 18.000 pesos Termas Puritama (meio período): 15.000 / 15.000 = Total: 30.000 pesos Geysers del Tatio (meio período manhã, incluso café da manhã): 30.000 / 10.000 = Total: 40.000 pesos Laguna Cejar (meio período tarde): 18.000 / 17.000 = Total: 35.000 pesos Lagunas Altiplânicas (meio período manhã, incluso café da manhã): 28.000 / 5.500 = Total: 33.500 pesos Valle del Arcoiris (meio período manhã, incluso lanche): 25.000 / 3.000 = Total: 28.000 pesos Salar de Tara (integral, incluso café e almoço): 50.000 pesos Stargazing ou Tour astronômico (noite ou madrugada, alguns oferecem lanches): 20.000 pesos Mirador de Piedras Rojas (integral, incluso café e almoço): 50.000 / 5.500 = Total: 55.500 pesos Pukará de Quitor: 3.000 pesos * Bolivia Salar de Uyuni (3 dias, com hospedagem e alimentação): 130.000 pesos chilenos / 250 pesos boliviano (entrada) Salar de Uyuni (4 dias, com hospedagem e alimentação): 150.000 pesos chilenos / 250 pesos boliviano (entrada) Passados os 5 dias na cidade, em que fiquei somente no centro da cidade ou no hostel, estava doido para sair de Atacama. Comprei a passagem para ir de San Pedro de Atacama até Arica. De Arica estava planejando em atravessar a fronteira até a cidade de Tacna no Peru, MAS por conta dessas malditas chuvas as estradas estavam todas fechadas o que afetou e muito o meu planejamento e vários perrengues que passei na viagem. Os detalhes relatarei no próximo post. Valeu!
×
×
  • Criar Novo...