Ir para conteúdo

Demilson Souza

Membros
  • Total de itens

    3
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra
  1. Quando viajei pela primeira vez com carro à gás tive que encontrar alguém que vendesse a válvula com o bico deles. Como fui para o interior foi mais complicado. Encontrei uma loja que instalava GNC, comprei a válvula e eles instalaram. Paguei na época 150 Reais. Nessa viagem recente, quando fui abastecer em Paso de Los Libres, o frentista tinha um adaptador da mangueira para o bico da válvula brasileira. Como eu já tinha a válvula instalada não foi necessário. Perguntei se ele vendia, disse que sim mas estava em falta naquele momento. Meu carro tem abastecimento na frente e atrás na entrada da gasolina. Antes de sair de casa eu instalo a válvula com o bico argentino na frente e vou abastecendo no Brasil somente atrás. Também colo no parabrisa lado direito o selo do Inmetro, que eles lá chamam de OBLEA. Com isso eles olham o selo se está dentro da validade e abastecem. As vezes encontramos um "pelotudo" que encrenca por não saber do acordo Brasil Argentina GNV/GNC. É bom levar impresso este acordo.
  2. Quando viajei pela primeira vez com carro à gás tive que encontrar alguém que vendesse a válvula com o bico deles. Como fui para o interior foi mais complicado. Encontrei uma loja que instalava GNC, comprei a válvula e eles instalaram. Paguei na época 150 Reais. Nessa viagem recente, quando fui abastecer em Paso de Los Libres, o frentista tinha um adaptador da mangueira para o bico da válvula brasileira. Como eu já tinha a válvula instalada não foi necessário. Perguntei se ele vendia, disse que sim mas estava em falta naquele momento. Meu carro tem abastecimento na frente e atrás na entrada da gasolina. Antes de sair de casa eu instalo a válvula com o bico argentino na frente e vou abastecendo no Brasil somente atrás. Também colo no parabrisa lado direito o selo do Inmetro, que eles lá chamam de OBLEA. Com isso eles olham o selo se está dentro da validade e abastecem. As vezes encontramos um "pelotudo" que encrenca por não saber do acordo Brasil Argentina GNV/GNC. É bom levar impresso este acordo.
  3. Como fazemos todos os anos, fomos passar nossas férias de final de ano e Janeiro na Argentina, mais precisamente na Cidade de San Miguel de Tucumán. Fomos em 7 adultos. Preparamos nosso Mohave, movido gasolina e GNV, pusemos bagageiro no teto e no sábado dia 21 de Dezembro de 2019, tomamos a estrada. Teríamos que viajar 3 mil Km e chegar para passar o Natal lá na casa da sogra. Então o tempo estava um pouco apertado. Era um sábado e já era 11 e meia da manhã, devido a um atraso na minha saída do trabalho. A família veio da Região dos Lagos e me esperava num posto de gasolina na intersecção da Av. Brasil com a Linha Amarela. Perdemos 1 hora a mais em engarrafamento para conseguir atravessar a Linha Amarela e a Baixada Fluminense pela Dutra. Estávamos com um dia de atraso e acrescido de algumas horas, então decidimos viajar até Foz do Iguaçu sem parar para dormir. Abastecemos por última vez com GNV na cidade de Boituva, pela rodovia Castelo Branco. Depois só teria GNV em Londrina, mas como o posto só fica aberto até às 22 horas, não foi possível abastecer por lá. Terminada a Rodovia Castello Branco, a SP280/374, seguimos em direção à Ourinhos e de lá tomamos a 369 em direção à Londrina. Embaixo de forte neblina em quase todo o trajeto de Londrina até Foz, passando por Maringá e Cascavel. Chegamos a Foz às 7 da manhã de domingo. O proprietário do lindo apartamento que alugamos através de um site por 2 dias no centro de Foz, nos esperava. Mesmo cansados cruzamos de carro a fronteira com o Paraguai e fomos de compras no Shopping Paris em Ciudade Del Este. Na segunda feira, depois de uma peregrinação para cambiar Real em dólares e pesos argentinos (necessários para abastecer, comer e pagar pedágios), cruzamos a fronteira entrando na cidade de Puerto Iguazu por volta das 11 horas. Duas horas de viagem depois encontramos um restaurante na RN12 (por Eldorado, Wanda e outras cidadezinhas, tem restaurantes com comida brasileira) que tinha churrasco, feijão preto e guaraná, a um preço de 300 Pesos (20 Reias) por pessoa sem as bebidas. Usando somente gasolina, pois GNV (GNC na Argentina) só tem em Santiago Del Estero a um custo de 60 Pesos por litro de gasolina Super (4 Reias), cruzamos pelas cidades de Posadas e Corrientes pela Ruta 12 e em Resistência, depois de cruzar o rio Paraná entramos na Ruta 16. Seguimos pela RN16 por mais 2 horas e encontramos um hotel dentro da cidade de Roque Sáenz Peña. Comemos milanesas à napolitana no jantar, descansamos e pela manhã cedo depois do café, voltamos a 16 rumo a Santiago Del Estero, quando saímos da RN16 (que vai para Salta) e tomamos a RN89. Terminada a 89 entramos na RN34 e 4 Km depois encontramos um posto com GNC. Cruzamos a cidade de Santiago e tomamos a RN09 que nos levaria à Tucumán. Abastecemos mais uma vez em Termas do Rio Honda, cidade turística termal e com cassinos. Finalmente chegamos à capital de San Miguel de Tucumán às 16 horas.
×
×
  • Criar Novo...