Ir para conteúdo

Sandro

Membros de Honra
  • Total de itens

    806
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Sandro postou

  1. Ótimo relato, parabéns e obrigado Janice! Em 2011 fiz o mesmo caminho com um grupo de amigos aqui do fórum e pretendo voltar ano que vem pra fazer a travessia até Machu Picchu. Foi uma grata surpresa encontrar seu relato de ida recente e confirmar que quase nada mudou nesse tempo. Relato do amigo Rafael da nossa ida: https://www.mochileiros.com/topic/12949-trilha-para-choquequirao-em-4-dias-peru-sem-agência
  2. Só passei pra deixar um anúncio raro que acabei de ver: https://www.facebook.com/groups/mercadaodamontanha/permalink/1527249674023864/?sale_post_id=1527249674023864
  3. Ótimo relato Maria Emília, só senti falta das legendas nas fotos. Abraço.
  4. - Cinto para o carrinho https://goo.gl/HqTTgM https://goo.gl/kvzwy7 https://goo.gl/SCHqvm https://goo.gl/onMFkh https://goo.gl/u1E9d5
  5. Em minha mente há muitas perguntas para suas respostas...

  6. Saudações Casal 100, já li alguns relatos de vocês e me tornei admirador, portanto é uma satisfação poder contribuir com algumas sugestões para esse projeto, espero poder ajudar. - Purificação da água Uma alternativa mais econômica aos filtros de carvão importados é adquirir uma ou duas garrafas com filtro de carvão ativado deste fabricante: http://www.cadence.com.br/squeeze-cadence-purificador-de-agua-light-life/p?idsku=71&gclid=EAIaIQobChMI1OS4pbu51QIVUASRCh10xgXqEAQYASABEgITcPD_BwE Junto adquiram um refil extra do filtro e comprem também Hidrosteril. Em condições extremas em que a água esteja muito suja vocês podem fazer uma pré filtragem com um tecido ou um coador de papel para café, ferver a água e colocar Hidrosteril ou não ferver e só colocar o Hidrosteril e depois beber na garrafinha com filtro de carvão, os processos vão depender das condições da água e do quanto vocês julgarem estar seguramente potável. Lembrando que em uma água consideravelmente limpa são necessárias 2 ou 3 gotas de Hidrosteril por litro e tempo de 15 minutos para a esterilização, a água estando turva são necessárias mais gotas, entre 10 e 15 com tempo de 15 minutos para uma ação efetiva. Hidrosteril: http://ultrafarma.com.br/produto/detalhes-4070/hidrosteril_gotas_com_50_ml.html. - Carrinho para transporte Em inglês são chamados de: "Monowalker, Hiking Trailer ou Hiking Trolley" (não mudam na função, apenas nomes diferentes para o mesmo equipamento); alguns são feitos adaptando-se estruturas de bicicletas ou cadeira de rodas, outros são construidos com materiais encontrados numa boa serralheria, também são feitos em madeira, tubo de PVC e bambu. Há até quem tenha improvisado com uma lixeira com rodinhas (https://images-americanas.b2w.io/produtos/01/00/sku/10703/4/10703467SZ.jpg)... Só que não deu muito certo. Aliás o Mochila Brasil publicou alguns meses atrás uma matéria desse caminhante de longa distância que utilizou a lixeira e seus percalços. Além da estrutura do carrinho muitos utilizam uma alça de quadril para rebocar, normalmente se utiliza uma alça de quadril (barrigueira) de mochila, infelizmente no Brasil não é vendido somente a alça de quadril como ocorre na América do Norte e Europa, pois não temos aqui marcas que trabalham com alças de quadril removíveis e vendidas separadamente como tratei neste tópico: https://www.mochileiros.com/topic/22028-sistemas-de-ajustes-de-torso-alças-de-ombros-e-barrigueira/ Neste link separei algumas imagens de Monowalkers, Hiking Trailers e Hiking Trolleys para te inspirar algumas idéias: https://1drv.ms/f/s!Aqz1POl-eDybiHSOm3cy0_umePal - Barraca Compre uma Doite, TNF, ou qualquer outra marca consagrada em resistência. Para uma empreitada desta que talvez seja "a grande caminhada de suas vidas" não vale o risco de se aventurar com um modelo ou marca de segunda linha que pode te deixar na mão no meio de uma tempestade, no deserto ou região montanhosa. Se de repente dinheiro não fosse problema para investir neste ítem eu recomendaria uma Discovery Light Manaslu: http://manaslu.com.br/barracas.htm (única marca nacional que faz barracas para expedições e sob encomenda, equipamentos consagrados pela qualidade em condições de alta montanha e nos desertos da Patagônia e Atacama). - Saco de dormir Se puderem adquiram dois de penas de ganso. - Mochilas As que vocês têm são ótimas e dão conta da empreitada, se fizerem o carrinho então vai ser tranquilo resolver o dilema da quantidade e pesos dos alimentos e água. - Navegação Um GPS Garmin seria muito útil com tracklogs baixados para os trechos mais remotos ou mesmo para inserirem coordenadas de um destino previamente verificadas no Google Maps por exemplo e seguirem para o ponto ou pontos desejados. Afinal nem sempre é fácil imprimir mapas, quando os encontramos digitalizados. - Isolante Térmico Inflável sem dúvida, não apenas pela isolação, mas pelo conforto, nada como uma noite bem dormida após um dia cansativo de caminhada. Não esqueçam também do conjunto de Segunda Pele (primeira camada de isolação para tronco e pernas). - Cozinha A vida toda eu tenho me virado bem com duas marmitas que custaram 5 reais cada, um prato de plástico e fogareiro compacto a gás, mas meu sonho de consumo é um trem desse: https://www.youtube.com/watch?v=dCAnoPSxiQQ&feature=youtu.be - Alimentação Esta deixarei para palpitar numa outra postagem...
  7. Relato muito bacana Ikaro. Aproveito para deixar algumas impressões que tive ao passar por alguns dos mesmos lugares e outras dicas... A praia urbana de Ponta Negra em Manaus é interessante, mas não deixem de conhecer a Praia Dourada que fica no Igarapé Tarumã, um braço do Rio Negro. Tem uns flutuantes lá que servem ótimos pratos a bom preço. Outra praia fantástica é a de Açutuba, mas é preciso estar com carro, pois fica a 40 Km de Manaus sentido Manacapuru, Açutuba tem uma extensa faixa de areia adentrando o Rio Negro durante os meses de seca e é tão interessante quanto a Ilha do Amor em Alter do Chão, os botos também fazem presença lá e interagem com a gente naturalmente sem nenhuma intervenção humana voltada ao turismo. De Manaus para Santarém e de Santarém para Belém também tem outra opção de embarcação além dos Regionais que é o Expresso Golfinho (tem vídeo no youtube), também chamado de "a jato", em dezembro de 2016 saí de Manaus ás 6h. e cheguei em Santarém 21h. A passagem estava R$ 360,00, com um café simples incluso, almoço é pago a parte . A embarcação é toda fechada, com ar condicionado, poltronas confortáveis e mais espaçosas que classe econômica de avião, viagem muito tranquila e segura. Ah... E tem embarcações que fazem Belém/Ilha de Marajó/Belém iguais que custam R$ 48,00. Abraços.
  8. Ótimo relato Silvio, que divertida aventura. Agora quando for para Porto Alegre terei que experimentar essa iguaria riograndense que é Pastelina.
  9. Sandro

    Mochilas CURTLO

    Modelo antigo rrguima91. A Highlander era assim: Ficou assim: E agora esta assim:
  10. Infelizmente viajar tem disso também, principalmente nos centros urbanos mais turísticos e de fronteiras movimentadas. São os locais que não podemos descuidar e manter todos os sentidos alertas. E manter a carteira no bolso da frente ainda é menos vulnerável que atras. Eu também tive minha dose de amor e ódio pela Bolívia por outros motivos... Acho que poucos escapam desse tipo de relação com ela. Bom... Mas o que nos move é a necessidade de experiências e emoções não é? Parabéns pelo relato.
  11. Ah vaí! Foi suave. Agora imagine como é atravessar o Estreito de Tiquina já no escuro? Mas que dá um medo do busão afundar com todas as nossas coisas dá. Bolívia... Sempre garantia de fortes emoções.
  12. Adorando seu relato até aqui Maria. Parabéns! Isso de fazer reservas de hospedagens e passeios no Brasil antes de partir não compensa mesmo. Pegar indicações como referências aqui é importante, mas chegando lá e negociando pessoalmente sempre foi melhor; pela variedade para se comparar e pelo poder de barganha pessoalmente. Quando estive em Cuzco negociei também com umas três agências: (ingresso em Machu Picchu, passagens de trem ida e volta Ollanta/Águas Calientes e transporte ida e volta Ollanta/Cuzco) em todas a hospedagem em Águas Calientes estava inclusa com café da manhã e não tenho do que me queixar pela qual escolhi (não escolhi pela proposta mais barata, mas pela qual senti maior confiança no cumprimento do que estava sendo oferecido). O hostel que pernoitei em Águas era simples, bem organizado, limpo e tranqüilo, um ambiente familiar, bem o que estava querendo e recebi um quarto privativo com duas camas de casal e banheiro, o qual dividi apenas com um amigo que estava me acompanhando nesse trecho do mochilão. -> Vômito no beliche... Essa é só uma das razões do porque nunca fico em hostels/party. E concordo plenamente contigo que um guia em “Machu Pinto” faz todo o diferencial. Ansioso pela sequência. :'>
  13. Na impossibilidade de colocar sua barraca e isolante dentro da mochila nunca despache-os desta forma, ou vão separados da mochila ou leve-os como bagagem de mão. Atente para as diferenças entre mochilas travelers e de trekking que eu mencionei algumas mensagens atrás. A Itupava tem esse peso reduzido devido sua concepção de mochila para escaladores de alta montanha (perfil longilíneo, lisa, poucos bolsos e apenas uma abertura superior). :'>
  14. Emmanuel... Osprey, Deuter e Curtlo pra mim estão no mesmo patamar de qualidade, Osprey um pouco melhor no quesito precisão de ajuste as medidas do seu corpo. Kelty, Lowe Alpine, Osprey e Mountain Hardwear pra mim são as melhores mochilas para montanhismo no mundo, já experimentei alguns modelos em campo e são sonhos de consumo, só não compro nenhuma por enquanto porque minha Curtlo 60+15 que tenho a 10 anos me atende bem em todas as minhas atividades e está em perfeitas condições de uso. Como o Otávio disse “medida coringa”, faço desde um acampamento na mata de final de semana com toda a tralha necessária, escalada de alta montanha até um mochilão fora do país por mais de mês. As Aircontact Pro da Deuter também são excepcionais, porém absurdamente caras no Brasil, pela faixa de preço praticado aqui compram-se quase três fora. Júlia... As Easyfit tem boa qualidade e um preço justo aqui. Comprei uma desta de 50 litros (a uva) pra uma das minhas irmãs há quase um ano e ela está bastante satisfeita. Gabriel Pimenta... Sugiro dar uma boa lida em páginas anteriores e em alguns tópicos relacionados á: Trilhas e Rumos, Deuter, Quechua, ..., Pois tem toneladas de ótimas informações. Pessoalmente eu classificaria estas que vc mencionou da seguinte forma em termos de qualidade: Em um primeiro patamar estariam Deuter e TNF, num segundo Trilhas e Rumos e num quinto ou sexto Nautika... Montagne não posso opinar porque não conheço e nunca li nada a respeito. Pra quem ta começando e não quer ou pode investir nas marcas mais caras eu sugiro sempre uma Quechua ou Trilhas e Rumos. Investir em marcas mais caras sempre vale a pena se você está mesmo decidido a praticar com freqüência viagens no estilo mochileiro, o alto custo inicial do investimento retorna imediatamente (e a longo prazo) na forma de conforto, segurança, saúde e durabilidade da mochila.
  15. Olá Emmanuel. Mochilas do tipo “traveler” são concebidas para percursos urbanos, onde o viajante se utiliza muito dos veículos de transporte e hospedagens estruturadas, para esse tipo de viajem elas são excelentes. Comparando-as com mochilas para hiking/trekking você notará que as travelers não possuem fitas de compressão ou elásticos para prender barraca, isolante, bastões de caminhada, e outros equipamentos... Outro ponto é o conforto em longos percursos em que você irá passar horas com a mochila nas costas sobre terrenos irregulares, nisso as mochilas para hiking/trekking de marcas conceituadas são superiores devido a um maior acolchoamento nas alças e costado. Estas também possuem sistemas de ventilação melhorados nas alças e costado. Além disso mochilas para hiking/trekking possuem costuras mais reforçadas para aguentarem as forças sofridas nas trilhas como maior peso carregado, atritos, arrasto e torções do tecido. Para transportar notebook as travelers são melhores, pelo formato as hiking/trekking não são muito “amigáveis”. E por experiência, em aviões, ônibus, barcos e trens leve-o sempre como bagagem de mão, pois mochilas são manejadas como sacos de batata pelos operadores de carga, além de muitas vezes ficarem sob o peso de dezenas de outras bagagens. :'>
  16. Uma sugestão dentro do limite de gasto de R$ 300,00... Junto com a Forclaz 50 compre uma Arpenaz 18 litros (R$ 40,00) com isso você terá a mesma capacidade de volume da Crampon. A Arpenaz além de bagagem de mão em viagens aéreas e rodoviárias poderá ser sua mochila de passeio diário e quando não utilizada pode ser enrolada e colocada dentro da cargueira ou presa pelas fitas de compactação laterais.
  17. Aqui nunca vi venda de sobressalente, mas já vi "Straps", que você pode usar como alternativa. Procure por "arno straps"... Você também pode adaptar com fita de compactação (ou fita tubular usada por escaladores) e uma fivela de engate rápido.
  18. Se você for minimalista com a barraca, isolante, saco de dormir, roupa e quantidade de alimento pode utilizar uma mochila de ataque de 30 ou até 25 litros para esta finalidade... Mas sendo seu primeiro acampamento seria um pouco difícil ajustar sua carga em uma mochila "pequena". Uma mochila cargueira média de 40, 45 litros poderá ser utilizada também em travessias e/ou acampamentos com maior duração. As cargueiras para hiking/trekking com faixa de litragem de 50 a 65 litros são as mais versáteis para diferentes tipos de projetos que também podem te atender neste caso. Com base no que você planeja fazer futuramente escolha o tamanho (ou tamanhos). Relação custo/benefício com preço “em conta”... No Brasil eu te recomendo nesta ordem: Quechua, Trilhas e Rumos. Mochilas mais baratas que estas são muito, muito ruins para a finalidade que você vai usar se deseja um mínimo de conforto e durabilidade. Não existem mochilas industrializadas com espaço específico para acomodar facão. Estando em uma bainha ele pode ser preso pelas fitas de compressão laterais (posição vertical) ou na parte debaixo da mochila (posição horizontal) para fácil acesso de forma segura sem necessidade de tirar a mochila. :'>
  19. Este ainda não estreou, mas aguardo ansioso desde que soube. Wild conta a história de Cheryl Strayed, interpretada por Reese Witherspoon, que depois de perder a mãe, viciar-se em heroína e se separar do marido, decide fazer uma caminhada de 1.770 quilômetros pela Pacific Crest Trail, na costa oeste norte-americana em busca de auto-conhecimento. O filme é baseado no livro de 2012 “Wild: From Lost to Found on the Pacific Crest Trail” (“Wild”: uma perdida se encontrando na Pacific Crest Trail” em tradução livre), escrito por Cheryl. O elenco do filme conta ainda com Gaby Hoffmann, Laura Dern, Michiel Huisman, Charles Baker, Kevin Rankin e Thomas Sadoski. [align=center][/align] Atuando sem qualquer tipo de maquiagem e totalmente imersa na personagem está sendo considerado pela crítica uma das interpretações mais intensas de Witherspoon e digna de ser indicada ao Oscar na edição a se realizar em 2015. O diretor além de fazer Reese Witherspoon atuar sem maquiagem (chegando a banir espelhos de seu trailer), também realizou as filmagens na própria trilha, e em ordem cronológica da história, usando luz natural. Fez parte dos esforços filmar desde as primeiras horas do dia, até o por do sol durante os 35 dias de filmagens que exigiram muito do físico da artista de 37 anos. No Brasil o livro foi traduzido em 2013 como “Livre - A Jornada de Uma Mulher Em Busca do Recomeço” pela Editora Objetiva, com tradução de Débora Chaves. - A Pacific Crest Trail é uma trilha que se estende da fronteira dos Estados Unidos com o México até a fronteira com o Canadá. “Wild” estreou dia 05 de dezembro nos EUA e entrará em cartaz no Brasil dia 15 de janeiro. [align=center] [/align]
  20. [t1]O Céu Que Nos Protege (Reino Unido / Itália - 1990)[/t1] [col]|Kit (Debra Winger) e Port Moresby (John Malkovich) são dois intelectuais americanos – ela, escritora; ele, compositor – que decidem trocar a vida artificial de Nova York de 1947 por uma viagem em busca de aventuras no norte da África e tentar reacender a antiga paixão, esperando que novas experiências lhes dê um novo rumo na vida, reconstrua o amor e preencha suas vidas vazias, pois a relação está em crise e se algo não acontecer o casamento tende a acabar. Eles não se consideram turistas, mas viajantes, pois o turista quando chega já pensa em voltar, enquanto o viajante pode nem voltar. Juntos com o amigo (e turista) Tunner (Campbell Scott), eles partem em uma jornada por bordéis, desertos e casbahs desoladores. Mas os percalços da viagem, a presença do amigo Tunner e a própria relação do casal, dilacerada pelo tempo e por desgastes, impede qualquer tentativa de reaproximação.[/col] [align=center]http://youtu.be/d04GvfF0TKQ [/align] [align=center]------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------[/align] [t1]Tracks (Austrália - 2014)[/t1] [col]|A trama é baseada na história real de Robyn Davidson (Mia Wasikowska), que em 1977 partiu de Alice Springs na Austrália e percorreu 2.700 quilômetros através do deserto até o Oceano Índico acompanhada por quatro camelos, sua cadela e de tempos em tempos por um fotógrafo da National Geographic, Rick Smolan (Adam Driver), que documentou sua épica e fantástica jornada por uma das últimas grandes áreas selvagens do mundo. Robyn relutantemente concordou com a presença do fotógrafo tendo que aceita-lo em troca de financiamento para sua viagem, ela apenas conseguia ver as visitas de Rick como uma incômoda intromissão em sua desejada solidão e comprometia tudo o que a viagem significava para ela. No entanto, essa relação difícil entre duas pessoas muito diferentes se desenvolve lentamente em uma forte amizade. Esta viagem sem precedentes por um dos lugares mais selvagens, perigosos e exuberantes do planeta acabou levando Robyn á seus limites físicos e emocionais e a ensinou que as vezes temos que nos distanciar do mundo para se sentir conectado a ele.[/col] [align=center] [/align]
  21. Bruninha, sua programação é boa, mas a não ser que você seja uma montanhista bastante experiente vai pela orientação do MCM, pois ela é bem ponderada e sensata. :'> Abraços.
  22. Augusto, no PNI é permitido o acesso de bicicleta. Antigamente somente na parte baixa, mas atualmente na parte alta também, até o final da estrada onde começam as trilhas Ruy Braga e Prateleiras.
  23. Olá Caio. O Abrigo Água Branca ocupa a antiga instalação de uma Estação Meteorológica e repetidora de rádio e TV utilizada pela Petrobrás e Rede Globo até 2005. Localização do abrigo no mapa do relato: Localização no Google Maps: http://goo.gl/maps/KwJtO Boa trilha.
  24. Parabéns! Gostei muito do relato. :'> As trilhas são para todos, cada qual no seu ritmo.
×
×
  • Criar Novo...