Ir para conteúdo

rafael_santiago

Membros de Honra
  • Total de itens

    303
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

Tudo que rafael_santiago postou

  1. Cânion da Garganta del Collado de las Yeguas 10º DIA - 04/07/19 - de Jarandilla de la Vera à Garganta de los 3 Cerros (ou quase) Duração: 6h15 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 1476m em Collado de las Yeguas Menor altitude: 611m em Jarandilla de la Vera Resumo: primeiro dia da Ruta de Carlos V com início em Jarandilla de la Vera, subida de 865m e descida de 435m até o local de acampamento Jarandilla de la Vera é a primeira cidade desse trekking que tem supermercado (Carrefour Express, Dia e Coviran). Saí do Camping Jaranda às 10h45 e fui ao centro para duas coisas: comprar mais comida e pegar informações sobre a Ruta de Carlos V (PR-1 ou PR CC 1), que liga Jarandilla de la Vera a Tornavacas. Porém no posto de informação turística o sujeito não quis nem me dizer onde iniciava essa trilha, alegando que ela não estava em boas condições e que eu iria me perder. Aquela conversa mole de sempre. Saindo do posto de informação às 11h52 tomei a direção do Camping Jaranda (norte) e logo após o Hotel Rural Robles entrei à direita na rua com marco de madeira com plaquinha PR-CC 1 (e faixas branca e amarela de PR). Depois novamente na primeira rua à direita, com placa "GR 111 - A Guijo de Santa Bárbara 1 hora" e as faixas branca e vermelha de GR. Após uma curva para a esquerda uma bifurcação: tomei a esquerda e o calçamento dá lugar a uma rua de terra (a direita sobe a Guijo de Santa Bárbara em 2,5km). Uma placa informa que estou na Ruta de los Puentes, sinalizada com faixas branca e verde de trilha local. A rua termina no portão de uma cerca à esquerda e ali nasce a trilha, às 12h13. Tomo o rumo norte por dentro da mata e 120m depois vejo o Camping Jaranda entre as árvores à esquerda. Às 12h30 cruzo a Puente de Palo (de madeira e pilares de pedras) sobre a Garganta de Jaranda e encontro a primeira placa da Ruta de Carlos V para confirmar que estou no caminho certo. Cerca de 110m depois chego a uma estrada de terra e vou para a esquerda por 160m, onde tomo a estradinha à direita numa curva bem fechada. Cruzo um pomar com cerejas maduras e aproveito para me deliciar. Subindo ainda por estradinha chego a uma rodovia (que vem de Guijo de Santa Bárbara, à direita). Vou para a esquerda por 110m e entro na trilha à direita para dentro da mata com sinalização de PR-CC 1. Às 13h04 chego a uma bifurcação em T e vou à direita, mas por apenas 20m, entrando numa trilha que sobe à esquerda com sinalização PR. Às 13h14 vou à esquerda em nova bifurcação e 4 minutos depois, antes de sair da sombra da mata, paro por causa do calor. Continuo às 13h35. Na subida avisto a cidade de Jarandilla ficando para trás, bem como Guijo de Santa Bárbara e a Capela-Refúgio de Nuestra Señora de las Nieves. Às 13h54 encontro uma estrada de terra onde devo ir para a esquerda (oeste), mas antes vou conferir a tal Fuente de los Pilones que a placa indica. O que encontro é um cocho de concreto com água parada e cheio de abelhas. Mesmo sem pegar água paro na sombra de um carvalho centenário para um lanche. Voltando à estrada de terra às 14h31 vou à esquerda (oeste) e em 250m ela termina numa bifurcação de trilhas - vou para a direita reentrando na mata. Segui a sinalização PR e ao sair da mata há uma casa de pedra no alto à direita. Mais 160m e alcanço às 15h uma casa de pedras abandonada com placa de Senda de las Culatas, o início de uma trilha que desce à cidade de Aldeanueva de la Vera, que avistaria daí a alguns minutos. Numa bifurcação 60m depois da casa abandonada vou à direita e cruzo uma cerca aberta. A partir daí já visualizo a crista de serra que terei de transpor em meu caminho para Tornavacas e logo entro no grande vale da Garganta (rio) del Yedrón. Cruzo uma ponte de madeira sobre esse rio às 16h10, após um lanche junto a um lindo poço de águas transparentes e fundo de pedras (essa foi a primeira água do dia). Agora pela margem direita verdadeira do rio a subida se dá em zigue-zague. Às 17h08 alcanço uma bifurcação em T e subo para a direita; à esquerda desce a Senda de los Arrieros, outro caminho para Aldeanueva de la Vera. Com mais 140m, às 17h12, chego ao Collado de las Yeguas, ponto mais alto da Ruta de Carlos V (1476m). Aqui entro na Reserva Natural Garganta de los Infiernos, aquela que apenas "toquei" nas proximidades de Cuerda Mala no dia anterior. Uma placa me informa que tenho mais 4h30 até Tornavacas. A quantidade de lixo na trilha foi a maior até agora em toda essa travessia. Isso ajuda a explicar a proibição do camping selvagem nos parques da Espanha. Parei para descansar e retomei a caminhada apenas às 18h24, descendo no sentido norte-noroeste com todo visual da reserva natural à minha frente. Logo estou caminhando na encosta da margem esquerda da Garganta del Hornillo, rio ao qual desço para cruzar por uma ponte. Ali descanso por 24 minutos. Na clareira 110m depois da ponte vou à esquerda às 19h19 seguindo as placas. Dez minutos depois vou à esquerda na bifurcação e aparece um calçamento de pedras na trilha. Às 19h38 cruzo a ponte sobre o Arroyo de Colmenillas, que se junta à Garganta del Hornillo formando a Garganta del Collado de las Yeguas, a qual mais abaixo se afunila num profundo cânion. Às 19h56 entro na floresta de carvalhos e logo passo pelos Escalerones, uma clareira à esquerda com degraus de pedra que dão vista para o cânion. Às 20h22 passo por uma fonte de água (Fuente Peñalozana, a última do dia). A partir do Collado (selado) de la Encinilla, às 20h52, inicia uma descida em zigue-zague pela mata. Comecei a procurar algum lugar onde pudesse montar a barraca pois já avistava casas à frente e ouvia latidos ao longe. Na descida estava difícil encontrar um lugar plano, então tratei de parar num que achei às 21h13 mesmo sendo um pouco cedo ainda. Altitude de 1041m. Garganta de los 3 Cerros e a Ponte Nova 11º DIA - 05/07/19 - da Garganta de los 3 Cerros a Tornavacas Duração: 3h45 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 1041m no local de acampamento Menor altitude: 716m Resumo: segundo dia da Ruta de Carlos V com descida de 325m e chegada a Tornavacas. Nesse dia pretendia ainda subir o Pico Calvitero para encerrar a caminhada na cidade de Candelário, porém o calor terrível que fazia diariamente alterou os meus planos. Deixei o local de acampamento às 9h33 e continuei descendo. Em 5 minutos cheguei a uma bifurcação em T com a trilha mais marcada e placas informando as distâncias a Jarandilla (17,5km) e Tornavacas (9,5km). Desci à direita e uns 80m depois vi que a fonte de Robledo Hermoso secou completamente. Aos poucos a visão vai se ampliando para os vales dos rios Garganta de los 3 Cerros e Garganta de los Infiernos. Depois avisto a Ponte Nova, para onde devo descer. Às 10h18 nova bifurcação com placas. Uma delas aponta Pilones 1 hora para a esquerda, este um dos mais bonitos atrativos da Reserva Natural Garganta de los Infiernos, porém não estava no meu roteiro. Continuei para a direita e em 4 minutos cheguei à Ponte Nova (ou Ponte de Carlos V), que de nova não tem nada pois tem origem medieval. Ela cruza a Garganta de los 3 Cerros, que mais abaixo se junta à Garganta del Collado de las Yeguas para formar a Garganta de los Infiernos. Essa foi a única água da trilha desse dia (a próxima só em Tornavacas). Subindo, às 11h02 entrei na floresta de carvalhos e 240m depois cheguei a uma estradinha de terra, onde aproveitei a sombra para descansar. Fui para a esquerda. Às 11h37 entroncou uma outra estradinha vindo da esquerda e eu saio da mata para a direita. Às 11h45 chego ao Collado de las Losas, um cruzamento de muitos caminhos (com placas): primeiro vou à direita numa estrada de terra, mas 25m depois entro à esquerda numa trilha com placa de Ruta de Carlos V. Desço pela sombra da mata de novo e assim passo para a outra vertente dessa pequena serra, entrando no vale de Jerte. Uns 130m abaixo vou em frente num cruzamento em que à esquerda se desce à cidade de Jerte, visível lá embaixo no vale. Às 12h16 aparece a primeira plantação de cerejas e eu não resisto a roubar algumas. Às 12h24 a trilha termina numa estrada de terra e vou para a direita. À esquerda da estrada outra plantação enorme de cerejas. Dali já visualizo a Serra de Candelário, meu suposto destino nesse dia. Nas duas bifurcações seguintes vou à esquerda e na trifurcação às 12h40 sigo pelo caminho do meio. Às 12h52 vou à direita numa bifurcação em T e 4 minutos depois vou à esquerda, descendo e quase voltando. Às 13h01 chego a uma estrada e vou para a esquerda. Quatro minutos depois vou à direita e saio da Reserva Natural Garganta de los Infiernos. A partir daqui a Ruta de Carlos V coincide com uma etapa da famosa e longa trilha GR 10, que vai de Valência a Lisboa. Os pés de cereja são milhares, o Vale de Jerte é um dos maiores produtores dessa fruta na Espanha, e eu não resisto a comer punhados delas, mesmo quentes do sol (as consequências disso viriam rapidinho...). A estradinha se torna concretada e às 13h58 tomo o caminho à esquerda, de terra, entrando na trilha à direita 30m depois. Ela parece terminar num portão de ferro mas continua à direita dele. Às 14h17 a Ruta de Carlos V continua pelo asfalto. Uns 190m depois vou à esquerda na bifurcação e cruzo a ponte sobre o Rio Jerte. A GR 10 continua à direita em direção a Puerto de Tornavacas. Subo 200m e tomo à direita a rua principal da cidade de Tornavacas. A caminho do centro parei para descansar junto a uma fonte de água potável com banco às 14h33. Ali decidi abortar a continuação da travessia em direção à cidade de Candelário porque o calor estava realmente insuportável (além do ar seco) e eu teria um desnível de 1498m a enfrentar até o Pico Calvitero ainda nesse dia. A escassez de fontes de água era um grande problema nesse calor todo. Dei por encerrada a caminhada e esperei o próximo ônibus para Salamanca, que só passou às 19h16 (ônibus para Plasencia para no dia seguinte tomar outro para Salamanca). Em Salamanca vi um termômetro de rua marcar 37ºC. Altitude em Tornavacas: 902m (no ponto de ônibus da rodovia) Informações adicionais: . Refúgio Elola: pernoite 10 euros, almoço/jantar menu do dia 12,50 euros, café da manhã 5 euros, meia pensão 25,50 euros, pensão completa 31 euros. Reserva obrigatória pelo site www.refugiolagunagrandegredos.es. . Camping Jaranda: barraca 10 euros (para 1 pessoa), jantar a la carte com preços em torno de 10 euros. Wifi grátis. Site: campingjaranda.es . ônibus Madri-Cuevas del Valle: samar.es . ônibus Madri-Bohoyo: www.cevesa.es . ônibus Madri-Jarandilla de la Vera: samar.es . ônibus Madri-Tornavacas: www.cevesa.es . roteiro adaptado a partir das informações do guia Lonely Planet Walking in Spain, 3ª edição, 2003 Rafael Santiago junho-julho/2019 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  2. Garganta de Bohoyo 7º DIA - 01/07/19 - do Refugio El Lanchón à serra entre Bohoyo e Navalonguilla Duração: 7h20 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 1966m no alto da serra entre Bohoyo e Navalonguilla Menor altitude: 1132m no restaurante El Vergel de Gredos, em Bohoyo Resumo: o trajeto desse dia é uma ferradura que vai para o norte e volta para o sul, um grande arco, mas o único caminho viável entre a Garganta de Bohoyo e Navalonguilla. Desnível de 818m entre a cidade de Bohoyo e a serra entre Bohoyo e Navalonguilla Comecei a caminhar às 8h19 ainda pela margem direita da Garganta de Bohoyo. Às 9h31 fui à direita na bifurcação para conhecer o Refugio La Longuilla. Uma plaquinha com as faixas branca e amarela indica ser esta trilha a PR-AV 16. O refúgio é todo de pedras com telhas, tem bancos-camas e lareira. Estava cheio de vacas ao redor. Continuei para oeste por trilhas de vaca e cheguei a uma ladeira calçada, que desci e tomei a direita na bifurcação (com um X branco e amarelo à esquerda, sinalização PR). Às 10h32 cheguei ao Refugio La Redonda, também todo de pedras com telhas, bancos-camas e lareira. Uns 90m depois cruzei um portão de ferro. Às 10h56 outro refúgio nos mesmos moldes dos dois últimos: Refugio La Secá. As árvores vão reaparecendo e a trilha quebra de noroeste para norte. Às 11h37 entro na sombra rala da mata. O que incomoda mesmo são as moscas na cara. Às 11h51 a trilha é dupla e a floresta é de carvalhos (robles). Às 12h33 chego a um pasto com vacas e uma estrada de terra para a direita. Uma placa indica uma fonte 100m para a esquerda mas não fui até lá. Seguindo pela estrada cruzei uma porteira de ferro, segui em frente num cruzamento de caminhos e cheguei a um estacionamento às 13h05. Havia um painel informativo sobre a Senda de la Garganta de Bohoyo com mapa. Continuando pela estrada de cascalho para o norte passei pela entrada do Camping Los Chozos de Gredos e atingi às 13h22 o asfalto da rodovia AV-P-539. Fui para a esquerda e em 7 minutos cruzava a ponte sobre a Garganta de Bohoyo. Ao lado do rio está o restaurante El Vergel de Gredos. Era hora do almoço e o sol estava fritando, para variar. Parei para descansar, beber água gelada e comer. Menu do dia a 10 euros. Continuei às 14h27 pelo asfalto e uma placa me diz que estou na etapa 20 da GR 293 (a mesma da Calzada Romana e que é chamada de "A Vueltas con Gredos" por dar uma volta quase completa ao redor da serra). Cheguei às 14h37 à pequena cidade de Bohoyo e um painel agora me informa que a caminhada dali até a cidade de Navalonguilla será a etapa 21 da GR 293. Há uma fonte de água ao lado. Altitude de 1148m. Um outro painel, no outro lado da praça, mostra um mapa do Parque Regional de la Sierra de Gredos com todo o trajeto que fiz desde Cuevas del Valle. Dentro do meu percurso planejado, o limite do parque será no Pico Covacha, por onde passarei no 9º dia. O caminho para Navalonguilla estava diretamente para o sul a partir dali mas quis dar um giro pela cidade para conhecer, apesar do calor terrível. Essas pequenas cidades da Espanha são sempre uma linda surpresa, cheias de detalhes arquitetônicos e muita história. Há várias casas de pedra com sacadas de ferro fundido e algumas fontes de pedra também. Cegonhas sem nenhum pudor fazem enormes ninhos nas cumeeiras e até na torre do sino da igreja. Um bar parecia estar aberto, embora fosse hora da siesta. Feito o reconhecimento, tomei a direção sul pela Calle de las Escuelas e saí da cidade às 15h14. Um outro painel informa que a Ruta Bohoyo-Navalonguilla é também a PR-AV 57 - Senda Camino del Piesnillo (além de ser a GR 293). Subi por um caminho concretado, passei por uma quadra de esporte e às 15h28 subi à esquerda pois a direita levava a um galpão, mas 35m depois fui à esquerda de novo pois à direita havia um sinal de X (caminho errado). Bohoyo vai ficando lá embaixo à esquerda. Mas tive de parar numa sombra por 37 minutos pois não aguentava mais o calor. Às 16h27 cruzei uma porteira de ferro e a estradinha de terra vira trilha. Em 4 minutos já avisto a Garganta de Bohoyo, onde passei esta noite. Às 17h02 cruzo um muro de pedras e paro numa grande sombra, mas a trilha quase desaparece e gastei um tempo procurando-a (após o muro de pedras deve-se subir um pouco à direita, mesmo sem trilha no início, e tomar a direção sul). Às 17h51 alcanço uma estradinha de terra que tomo para a esquerda (X à direita). À frente (sul) já avisto a colina que devo subir, com a trilha bem marcada. Em 7 minutos tomo a direita na bifurcação (X à esquerda) e subo a um portão com pasto e vacas logo depois. Ali há uma fonte de água mas com pouca vazão. Melhor caminhar mais 150m para encontrar uma boa fonte acima do pasto e do muro de pedras (mesmo assim filtrei com o filtro Sawyer Squeeze). Essa é a última água do dia. Voltei a caminhar às 18h48 e aí o bicho pega. Só subida. Às 18h58 fui à direita numa bifurcação. E dá-lhe ladeira em zigue-zague! A vista para a Garganta de Bohoyo é cada vez mais ampla. Às 20h26 avisto o chapadão no alto e com mais 12 minutos vou à esquerda numa bifurcação em T. Às 20h53, antes de um refúgio no meio do campo de piornos, cruzo o longo muro de pedras que aparece à direita (com placa apontando Navalonguilla). A partir dali a trilha começa a descer, então procurei um lugar plano perto do muro (abrigo do vento) para montar a barraca. Esse é o ponto mais alto do dia, 1966m, com desnível de 818m desde a cidade de Bohoyo. Garganta de los Caballeros 8º DIA - 02/07/19 - da serra entre Bohoyo e Navalonguilla à Laguna de los Caballeros Duração: 9h (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2021m em Laguna de los Caballeros Menor altitude: 1134m em Camping Restaurante La Guilera Resumo: nesse dia passei pela cidade de Navalonguilla e a vila de Navalguijo para em seguida me distanciar de tudo novamente ao percorrer a Garganta de los Caballeros e subir à laguna de mesmo nome, num desnível de 887m desde o Camping Restaurante La Guilera Comecei a caminhar às 8h52 descendo na direção oeste. Às 9h14 passei por uma fonte quase seca na descida. Às 9h33 chego a um amplo espaço bom para acampar e bivacar protegido pelas grandes pedras. Dali já é possível avistar a cidade de Navalonguilla. Encontrei um portão de ferro todo amarrado, foi mais fácil pular o muro de pedras. A descida continua em zigue-zagues por uma crista. Às 10h27 cheguei a um cocho com água corrente e parei para me refrescar por 30 minutos. Às 11h04 cruzo uma porteira de ferro e a trilha vai virando uma estrada precária. Passo por mais um cocho, porém este está seco. Cruzo outra porteira de ferro e a estrada passa a ser concretada. Onde entronca um outro caminho vindo da esquerda há um painel informativo sobre a Ruta Navalonguilla-Bohoyo semelhante ao da saída de Bohoyo. Às 11h41 alcanço a Ermita de Nuestra Señora de los Leones com uma fonte de pedra com água corrente em frente. Com mais 15 minutos pelo asfalto chego à igreja de pedra de Navalonguilla. Altitude de 1199m. Passeei pelas ruas estreitas da pequena cidade e vi pela primeira vez a fachada das casas recobertas por telhas. Fui até o Museo de la Transhumancia, mas funciona só de sábado, domingo e feriado. Transumância é o deslocamento de rebanhos para locais que oferecem melhores condições de clima durante certa época do ano. Como sempre, era hora da siesta e até o Bar Pedro estava fechado. A única fonte de água que encontrei na cidade (em frente à igreja) estava seca. Segui a placa de Navalguijo, meu próximo destino, e às 12h16 deixei Navalonguilla tomando a rodovia AV-P-537. Uma placa me informa que o percurso dali até a cidade de Nava del Barco é a etapa 22 da GR 293, mas na ponte da Garganta de los Caballeros irei à esquerda, deixando essa GR. Às 12h36 passei em frente ao Camping Restaurante La Guilera, que espantosamente estava aberto e funcionando, mas não parei. Menu do dia por 9 euros. Ali também fica o Hostal Rural Los Alisos. Às 12h48 cruzei a ponte sobre o verdíssimo e transparente rio Garganta de los Caballeros e parei para descansar e me refugiar do sol forte. Algumas pessoas nadavam no rio. Fiz meu almoço nas mesinhas de piquenique sob as árvores. Às 13h13 encarei a subida de asfalto onde dava pra fazer ovos mexidos de tão quente. Compensava a bonita vista à esquerda para o selado onde acampei esta noite. Passei pela Ermita de San Miguel e às 13h31 alcancei a minúscula Navalguijo, completamente deserta, uma vila-fantasma. Numa bifurcação com casa de pedras e fonte de água não havia placa - fui à esquerda. Há fachadas recobertas por telhas aqui também, além de lindas casas de pedras. Às 13h39, numa outra bifurcação com fonte, a placa indica Laguna de los Caballeros a 5h de caminhada pela PR-AV 40, à esquerda. A civilização fica para trás de novo. Às 13h47 vou à direita numa bifurcação sem placa e cruzo a Puente de Arguijo. Mais 4 minutos e paro para ler o painel informativo sobre a Laguna de los Caballeros. Fim da estrada concretada, agora estradinha de terra. Vou à esquerda na bifurcação e às 14h09 cruzo um riacho e uma porteira de ferro verde. A estradinha vira trilha. Às 14h22 a visão se abre à esquerda para o amplo vale da Garganta de los Caballeros e montanhas ao fundo. Cruzo um riacho pelas pedras e aparece um calçamento na trilha. Olhando para trás identifico ainda o selado onde dormi esta noite. Às 15h13 chego à cachoeira Chorrera del Lanchón, um dos principais atrativos dessa trilha. Ela despenca numa fenda do paredão rochoso e estava com bem pouca água. Tentei me aproximar mas não cheguei à queda pois a vegetação dificultava bastante. Me escondi do sol forte por um bom tempo e só saí às 16h43. Subindo, cruzei uma tronqueira, um riacho e caminhei por uma ladeira com calçamento e lindas lagoas verdes transparentes ao longo do rio à esquerda. Às 17h50 passei pelo Refugio de las LLanaíllas, mas ficava fora da trilha principal e não procurei caminho até ele. Parei 8 minutos depois num pequeno abrigo de pedra coberto de palha e com banco-cama. Continuei às 18h14 e às 18h42 cheguei à Antigua Mina de Blenda, que se resume hoje a ruínas de casas de pedra e peças de ferro espalhadas pelo chão. Às 18h54 cruzei pelas pedras a Garganta (rio) de los Caballeros para a margem direita verdadeira e encontrei a Fuente de Majá Baera com água corrente. Às 19h20 cheguei ao Refugio de Malacantones, de pedras e telhas com bancos-camas e lareira. Às 19h58 cruzo novamente a Garganta de los Caballeros. O lugar é bastante distante e isolado e começo a ter a impressão de que poderia encontrar ou avistar algum animal selvagem, mas em vez disso me deparo com vacas pastando (por enquanto...). Depois de cruzar moitas de piornos, às 21h06 chego enfim à Laguna de los Caballeros e seu circo glacial. Procuro um lugar abrigado do vento e monto a barraca num espaço pequeno entre moitas de piorno. Altitude de 2021m. Pego as garrafas para coletar água da laguna e quando olho para a encosta da montanha ao norte vejo um animal grande passando. Era um javali! E tinha um filhote o seguindo. Como não sei sobre a reação desses animais, e por ela (devia ser uma fêmea) ter uma cria, tratei rapidamente de me enfiar na barraca e fazer o mínimo de sinal de vida. Fiquei de ouvidos alertas e num momento ouvi o ronco do bicho próximo da barraca. Mas depois não ouvi mais nada e pude relaxar e dormir. Pico Las Azagayas 9º DIA - 03/07/19 - de Laguna de los Caballeros a Jarandilla de la Vera Duração: 9h10 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2394m em Pico La Covacha Menor altitude: 611m em Jarandilla de la Vera Resumo: um dia longo e difícil percorrendo inicialmente alguns dos cumes mais altos da Serra de Gredos para em seguida descer 1783m até a cidade de Jarandilla de la Vera Quando comecei a caminhar nesse dia não tinha idéia de quão extenuante ele seria. A travessia da crista rochosa dos picos La Covacha e Las Azagayas foi o trecho mais exigente de todo esse trekking. Deixei o acampamento da Laguna de los Caballeros às 9h44 felizmente sem sinal do javali e seu filhote. Em vez disso eram as vacas que visitavam a laguna nessa hora. Contornei a lagoa pela margem esquerda (sul) e tomei a trilha de subida da encosta. É uma subida por canchal (ladeira de pedras desmoronadas) também mas a trilha está definida e sinalizada por totens. Às 10h20 atingi a crista e pude visualizar o outro lado (sul) mas estava mesmo é num selado, ou seja, tinha de subir bastante ainda. Às 10h38 fui para a direita (noroeste) na crista e subi por caminho praticamente só de pedras. Escalaminhei uma parede, subi por lajes e segui os totens. Às 11h31 atinjo o cume do Pico La Covacha (2394m), ponto mais alto de todo esse trekking, com coluna de concreto e vértice geodésico. A visão é de 360º. A longa crista que se estende para oeste é o limite entre as comunidades autônomas de Castela e Leão (ao norte, província de Ávila) e Extremadura (ao sul, província de Cáceres). Dali observo que a face esquerda (sul) dessa crista é recoberta de piornos, enquanto a cumeeira e a face direita (norte) são de pura pedra. Continuando às 11h56, avisto dois lagos bem distantes ao norte e um deles tem uma barragem (a maior com barragem é a Laguna del Barco ou Laguna de Galin Gómez e a menor é a Laguna Cuadrada). O caminho pela crista é um sobe-e-desce por pedras e a dificuldade vai aumentando. Às 12h17, junto ao marco de granito do Pico El Poyo, fui alcançado por um casal (que surpresa!) que subiu de uma cidade próxima só para percorrer essa crista. Dali já avisto uma outra crista para o sul que descerei após terminar essa de cumes em que estou. Porém dali em diante a dificuldade foi ainda maior, as ladeiras de pedras se tornaram bastante íngremes. O trecho próximo ao Pico Las Azagayas (2367m), aonde cheguei às 12h47, foi o mais difícil. Continuo mais 240m para oeste de Azagayas e finalmente termina essa crista rochosa. Ufa! Alcanço assim às 13h24 a outra crista que avistei e ali há caminhos para a direita (noroeste) e esquerda (sul), dependendo do roteiro que se quer fazer. O meu destino era para o sul. Uma placa ali aponta para os picos Covacha e Azagayas e diz "Ruta Travesía de la Alta Extremadura". Nesse local estou saindo do Parque Regional de la Sierra de Gredos e estou nos limites da Reserva Natural Garganta de los Infiernos, mas não entro nela nesse dia (só no dia seguinte). Também estou deixando a comunidade autônoma de Castela e Leão e entrando na de Extremadura. Isso corresponde (mais ou menos) a sair de um estado e entrar em outro no Brasil. Às 13h58 inicio a descida da crista entre piornos floridos, porém na parte mais baixa dela (selado) um impasse: à minha frente (sudoeste) ela sobe para uma sucessão de cumes rochosos (Cerro Estecillo) que eu temia que fossem tão difíceis quanto os anteriores. O próprio nome não é animador: Cuerda Mala. E eu precisava descer e não subir mais. Que alternativas tenho? À minha direita (oeste) se abriu um amplo vale e tento descer a ele, mas a trilha e os totens vão sumindo e resolvo voltar à crista para tentar o outro lado (leste) às 14h43. Inicialmente há uma trilha descendo mas ela desaparece e continuo na direção de totens, porém num caminho complicado entre pedras e moitas duras de piorno. Às 15h55 cruzo uma riacho pelas pedras (primeira água desde a Laguna de los Caballeros) e o acompanho na sua descida pela encosta pois avisto trilha abaixo na direção que eu preciso (sul). Uma vez na trilha bem marcada às 16h24, passo por campos de piorno, mais pontos de água e por vacas pastando. Às 17h44 cruzo um muro de pedras por um portão de ferro caído e encontro caminhos para o norte, sul e oeste, com muitos totens. O caminho que chega do norte vem do Cerro Estecillo e é a alternativa que rejeitei lá no alto 3 horas antes, mas deve ser a trilha mais usada. Se é pior ou melhor do que a opção que fiz só saberei quando um dia repetir essa travessia. Avisto dali uma grande clareira na crista a sudoeste com a Capela-Refúgio de Nuestra Señora de las Nieves e é para lá que devo seguir. Às 18h05 desço para oeste mas a trilha vai girando para o sul. Passo por uma choupana redonda de pedras, coberta de palha e quase desabando. Bem abaixo cruzo às 18h48 um riacho pelas pedras e paro por 17 minutos. Na encosta oposta passo a seguir um canal de água e depois uma trilha. Às 19h34 chego à Capela-Refúgio de Nuestra Señora de las Nieves e de lá avisto a pequena cidade de Guijo de Santa Bárbara. Na descida para a cidade há um trecho inclinado com pedras soltas meio complicado. Tomo a direita numa bifurcação, cruzo uma pequena ponte de madeira e atravesso uma mata de carvalhos (robles). No cruzamento de caminhos com painel sobre a fauna sigo em frente. Saio numa estrada às 20h29 e vou para a esquerda. Após uma longa curva para a esquerda essa estrada desemboca em outra e vou para a direita. Na bifurcação seguinte desço à esquerda na direção da cidade, mas estava errado, a rua termina numa casa. Voltei e tomei a direita. Algumas curvas depois já estou entrando na cidade de Guijo de Santa Bárbara, às 21h06. Numa bifurcação em que há um painel da Reserva Natural Garganta de los Infiernos vou para a esquerda seguindo a placa de Jarandilla (se tivesse tomado a direita teria conhecido o centro e suas casas mais antigas). Às 21h20 saio da cidade e a placa na estrada indica Jarandilla de la Vera a 3,5km (o gps mediu 4,5km). Mesmo tarde resolvi ir para Jarandilla porque lá há um camping e porque esse trecho de asfalto seria melhor fazer nesse horário mais fresco, sem o forte calor que começa logo cedo. Há um caminho mais curto entre as duas cidades, mas naquele momento não tinha essa informação como certa. Cheguei ao centro de Jarandilla de la Vera às 22h18, já de noite, e me surpreendi com a agitação da pequena cidade. A rua principal tem bares e restaurantes com mesas na calçada e o movimento era grande. Procurei pelo Hostal Marbella mas ele fechou já há alguns anos. A partir do centro caminhei mais 1,3km para o norte (parte pela rodovia, no escuro) até o Camping Jaranda, aonde cheguei às 22h42, a tempo ainda de jantar. Altitude de 616m.
  3. Laguna Bajera, uma das 5 Lagunas 4º DIA - 28/06/19 - do Refúgio Elola às imediações de 5 Lagunas Duração: 5h10 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2367m em Portilla del Rey Menor altitude: 1896m Resumo: caminhada de Laguna Grande a 5 Lagunas através do passo Portilla del Rey. Quis evitar a subida direta de 5 Lagunas a Portilla de las 5 Lagunas para chegar à Garganta de Bohoyo, então tive de procurar um caminho alternativo (o que me tomou mais dois dias - sim, exagerei nas paradas por causa do calor) Saí do refúgio às 9h58 na direção norte pela margem oeste da Laguna Grande. Na sua extremidade norte fui à esquerda na bifurcação e comecei a subir a encosta pedregosa da montanha em zigue-zagues. Subi até os 2066m e logo iniciei a descida, às 11h07. A descida dessa encosta terminou às 11h28, cruzei um riacho pelas pedras no meio de um campo chamado Pradera del Gargantón e voltei a subir em zigue-zagues. Às 13h31 cheguei a Portilla del Rey, um passo de montanha que foi o ponto mais alto do dia (2367m), e o lance final foi uma escalaminhada por um canchal (em espanhol) ou scree (em inglês), uma ladeira de pedras desmoronadas. Mas não gostei do que vi lá do alto. Gostei sim da visão espetacular do Circo de 5 Lagunas e da verdíssima Laguna Cimera bem abaixo, porém a continuação do meu caminho em direção à Garganta de Bohoyo seria por uma ladeira de pedras enorme e bem íngreme a sudoeste da Laguna Cimera. Ladeira que atinge a chamada Portilla de las 5 Lagunas, de altitude semelhante à de Portilla del Rey, onde eu estava. Aquele caminho me pareceu arriscado. Havia alcançado um grupo que avistara pela primeira vez na Laguna Grande e conversei com o líder para confirmar se seria aquele mesmo o meu caminho. Ele disse que seria um pouco arriscado ir por ali e que deveria haver um outro caminho mais abaixo nas 5 Lagunas. Deixei o grupo todo sair primeiro pois aquela descida inclinada à Laguna Cimera, por pedras soltas e sem um caminho marcado, eu preferi fazer devagar e com cuidado. Saí de Portilla del Rey às 14h13 e cheguei próximo da Laguna Cimera às 14h56. Não desci até a margem, girei à direita (norte) e me dirigi à segunda lagoa, a Laguna Galana. O grupo parou nessa lagoa e eu continuei descendo, passando pelas lagunas Mediana, Brincalobitos e Bajera. Uma plaquinha me diz que estou na PR-AV 35. O caminho de pedras que desce dessas lagunas não é fácil, levei 1h30 para chegar ao final da ladeira desde a Laguna Cimera. Continuei descendo para o norte, mas parei depois de 300m para explorar alguns caminhos que eu tinha gravado no gps e que poderiam ser alternativas àquela ladeira que eu evitei. Porém não encontrei nenhum deles e resolvi acampar no lugar mais discreto que havia (embora fosse um campo aberto) para resolver o que fazer no dia seguinte. Altitude de 1907m. Laguna de Majalaescoba 5º DIA - 29/06/19 - das imediações de 5 Lagunas a Las Lagunillas Duração: 4h40 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 1950m em Las Lagunillas Menor altitude: 1525m na Garganta del Pinar Resumo: continuação da procura por um caminho para chegar à Garganta de Bohoyo, uma alternativa à subida direta de 5 Lagunas a Portilla de las 5 Lagunas Comecei a caminhar às 9h17 ainda com a idéia de que encontraria uma trilha alternativa. Continuei descendo para o norte (como se fosse para a cidade de Navalperal de Tormes) pela margem direita da Garganta (rio) del Pinar, que se origina das 5 Lagunas, e passei pela Laguna de Majalaescoba. Por ser um sábado comecei a encontrar gente subindo para as 5 Lagunas e resolvi perguntar. As respostas contradiziam o que o líder do grupo havia me falado no dia anterior: o caminho era mesmo por aquela ladeira enorme de pedras, não era tão ruim quanto parecia e não havia outro caminho conhecido. Essas informações me deixaram numa sinuca pois eu já havia descido muito desde a Laguna Cimera e o caminho a partir dela também foi bastante difícil. Para completar, o calor estava de rachar. Continuei descendo. Às 12h14, 2,3km depois do abrigo Chozo de la Barranca, parei numa sombra à margem do rio (Garganta del Pinar) pois não estava aguentando o calor. Resolvi explorar uma trilha que aparecia no gps e estava do outro lado do rio. Realmente ela existia e poderia ser a alternativa que eu procurava. Porém só consegui ter coragem para voltar a caminhar depois das 16h, quando o calor já não era tão forte. Continuei então para o norte, agora pela margem esquerda da Garganta del Pinar por 1,1km e comecei a subir a colina. Encontrei uma fonte de água na subida. Às 16h40 cruzei uma porteira de arame num muro de pedras. Alcancei uma clareira onde deveria haver uma trilha voltando para o sul, mas apesar dos totens não a encontrava. Depois de muita procura (e outra pausa na sombra) finalmente a achei às 18h34. Segui por ela para o sul e sudoeste e encontrei às 19h54 o Refugio de Los Barquillos, refúgio livre (não guardado) com banco-cama e lareira, construído em pedra e coberto com telhas. Nele chegava uma outra trilha vindo do norte. A vista para o Circo de 5 Lagunas era privilegiada. Às 20h13, continuei para sudoeste e na bifurcação 220m depois do refúgio fui à direita pois a esquerda desce a encosta. Às 20h44 alcancei uma grande clareira forrada de capim que cruzei para a direita para tomar a trilha que subia para oeste entre moitas de piorno. Mas na primeira bifurcação, 110m depois, fui à esquerda (sul). Ao chegar a uma amplo circo glacial (com uma lagoa) às 21h08 a trilha pareceu sumir, mas mantendo a direção sudoeste ela reapareceu. Desci até um riacho seco, cruzei-o e encontrei um bom lugar para acampar às 21h35. Esse local é referenciado nos mapas com o nome genérico de Las Lagunillas. Altitude de 1940m. Água corrente havia a 300m dali, além da lagoa, mas era pouca. Estava num caminho muito promissor, mas ainda pairava a dúvida se conseguiria chegar por ele à Garganta de Bohoyo. Las Lagunillas 6º DIA - 30/06/19 - de Las Lagunillas ao Refugio El Lanchón Duração: 5h15 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2390m próximo ao Pico Meapoco Menor altitude: 1726m em Refugio El Lanchón Resumo: nesse dia encontrei finalmente um caminho alternativo para chegar à Garganta de Bohoyo. Subi 450m e desci 664m. Desmontado o acampamento, saí às 9h47 para explorar a trilha marcada no gps que subiria as encostas rochosas do circo glacial e quem sabe me levaria à Garganta de Bohoyo. Porém ela não existia - mais um balde de água fria... Fui pegar água perto da lagoa e já estava tomando o caminho de volta à Garganta del Pinar às 11h33 quando olhei para o fundo do vale e vi um totem. Uma esperança! Segui-o e encontrei finalmente uma trilha para o fundo que, após cruzar grandes blocos de pedra, continuou e subiu a encosta de pedras até o alto! Agora estava bem mais fácil atingir o meu objetivo. No alto às 13h32 encontrei vários caminhos para o sul e para oeste. Cruzei um muro de pedras que corria de norte a sul e parei para estudar qual seria o melhor caminho. Avistei uma casa 280m a noroeste, no meio das moitas de piorno, e fui até lá para ver. Era o Refúgio de Regajo Largo, livre também (como todos os seguintes), com bancos-camas e lareira, construído em pedra e coberto com telhas. Mas estava cheio de vespas. E o percurso de ida e volta até ele foi meio varação de mato pois não havia um caminho aberto no meio do piorno. Cruzei às 15h22 o muro de pedras de volta e 60m a leste dele entrei numa trilha que apontava para o sul com totens. A trilha foi girando para sudeste e logo sumiu entre as moitas floridas de piorno. Continuei para sudeste, mas logo quebrei para a direita (sul) seguindo os totens nas lajes de pedra e depois na subida de pedras soltas. Às 16h19 alcancei outro muro de pedras que corria na direção noroeste-sudeste, cruzei-o e fui para a esquerda (sudeste). Esse muro terminou numa encosta rochosa íngreme que subi às 17h por indicação de um grande totem no alto. Cruzei um chapadão (maior altitude do dia, 2390m) nas proximidades do Pico Meapoco e desci na direção sul até outra encosta rochosa, mas desta vez quebrei para a direita (sudoeste) e comecei a descer às 17h37 em direção à tão esperada Garganta de Bohoyo. Objetivo alcançado! Às 19h29 passei pelo Refúgio El Belesar mas não fui até ele pois vi um sujeito entrar nele assim que me viu. Às 20h25 o Rio Bohoyo se estreita num cânion e logo abaixo cruzo o rio para a margem esquerda. Parte do caminho é por grandes lajes de pedra. Às 20h58 cruzei novamente o Rio Bohoyo exatamente onde há um poço à direita chamado Baños de las Sirenas (sereias). Às 21h43 cheguei ao meu objetivo do dia, o Refúgio El Lanchón, todo de pedras também. Poderia ter dormido dentro dele, na plataforma que serve como cama, mas estava muito sujo lá dentro, então dormi na barraca mesmo. Aliás foi um dos refúgios mais precários que conheci, melhor evitá-lo. O Rio Bohoyo corre a poucos metros e é fácil coletar água. Altitude de 1726m.
  4. Laguna de los Caballeros Início: Cuevas del Valle Final: Tornavacas Duração: 11 dias Maior altitude: 2394m em Pico La Covacha Menor altitude: 611m em Jarandilla de la Vera Dificuldade: média para quem está acostumado a longas travessias com mochila cargueira. Há grandes subidas e descidas quase todos os dias, com desníveis positivos (subidas) que chegam a 995m. A Serra de Gredos se estende no sentido leste-oeste cerca de 130km a oeste de Madri e está inserida nas comunidades autônomas de Castela e Leão e Extremadura (comunidades autônomas na Espanha são mais ou menos como estados no Brasil). Ela está dividida em Maciço Oriental, Maciço Central e Maciço Ocidental. Nesse trekking eu percorri de ponta a ponta o Maciço Central, que vai de Puerto del Pico a Tornavacas. Do 1º ao 9º dia eu caminhei dentro dos limites do Parque Regional de la Sierra de Gredos. O único problema dessa caminhada foi a época escolhida. Em final de junho e início de julho o calor chega próximo dos 40ºC, o que é bastante desgastante e inapropriado para o trekking. No início de junho há o risco de ainda haver bastante neve nos picos mais altos. Creio que a melhor época seja o outono (set, out), antes das neves do final do ano. É bom lembrar que o acampamento selvagem nos parques da Espanha é proibido, mas em todo o percurso eu montei a barraca no cair da noite (ou quase), desmontei logo cedo e não deixei nenhum vestígio do meu pernoite no local. Serra de Gredos 1º DIA - 25/06/19 - de Cuevas del Valle à crista da Serra de Gredos Duração: 4h (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 1839m na crista da Serra de Gredos Menor altitude: 844m em Cuevas del Valle Resumo: nesse dia encarei a subida inicial da Serra de Gredos a partir da cidade de Cuevas del Valle, com desnível de 995m desde essa cidade à crista da serra Na Estacion Sur em Madri tomei o ônibus da empresa Samar às 11h para a cidade de Cuevas Del Valle. Desci do ônibus às 13h52 e aproveitei que havia um restaurante a poucos metros para uma última refeição decente antes de entrar na trilha. Altitude de 844m. Iniciei a caminhada às 15h05 cruzando o asfalto da N-502 e depois a cidadezinha de Cuevas del Valle no sentido norte. Como era hora da siesta, o lugar estava completamente deserto. O calor ajudava a manter as pessoas dentro de casa, longe daquele sol forte. Há uma bica de água fresca num largo logo à entrada da cidade para abastecer os cantis já que não haverá muitas fontes nesse dia. Passei à direita da Capela de Nossa Senhora das Angústias e na bifurcação seguinte tomei a direita, subindo e seguindo a sinalização da GR 293 em direção a Puerto del Pico (para mais informações sobre as trilhas GR: es.wikipedia.org/wiki/Sendero_de_Gran_Recorrido). Esse caminho é chamado de Calzada Romana. Mas logo tive de fazer a primeira parada na sombra, por 30 minutos, pois o sol estava fritando. Continuando a subida, fui à direita na bifurcação e encontrei um cocho com água corrente, mas cheio de lama ao redor. Às 16h08 cruzei a N-502 e continuei subindo pelo calçamento de pedras da Calzada Romana. Parei mais três vezes na sombra. Às 17h34 cruzei mais uma vez a N-502 e 17 minutos depois parei na última água do dia para completar todos os cantis. O caminho faz um zigue-zague e já se avista Cuevas del Valle bem abaixo. Passo pelas ruínas do Portazgo (posto de pedágio do século 13) às 18h07 e 10 minutos depois termina a Calzada Romana junto à rodovia (altitude de 1371m). Esse lugar se chama Puerto del Pico (puerto em espanhol significa passo entre montanhas) e aqui entro nos limites do Parque Regional de la Sierra de Gredos. Puerto del Pico é o limite natural entre os maciços central e oriental da Serra de Gredos. Continuo por caminho paralelo à N-502 com a extremidade oriental do Maciço Central da Serra de Gredos à minha esquerda esperando para ser "escalada". Entrei no primeiro asfalto à esquerda e caminhei apenas 70m até um portão de ferro com mata-burro ao lado. Não cruzei o portão, entrei na trilha à esquerda antes dele às 18h25. Uns 170m depois entroncou uma outra trilha vindo da esquerda e a segui até encontrar uma cerca. Acompanhei a cerca subindo para a esquerda e ao final dela a trilha desapareceu por alguns metros. Segui os totens e a reencontrei. Já estava subindo a encosta da Serra de Gredos. Do outro lado de Puerto del Pico, a leste, avisto bem marcada a trilha de ascensão ao Pico Torozo, este já pertencente ao Maciço Oriental da Serra de Gredos. A subida pareceu ter fim aos 1622m, às 19h28, mas continuou. Procurei me manter à direita para chegar logo à crista. Novamente a subida pareceu ter fim aos 1749m, às 20h19, porém só atingi mesmo a crista da Serra de Gredos às 20h43, aos 1839m. Logo surgiu um aceiro vindo da direita e o tomei para a esquerda. Em 200m cheguei a uma estrada de terra bem no alto da serra (!?) e resolvi parar às 21h17 num lugar plano, abrigado do vento e sem tantas pedrinhas para montar a barraca. A primeira impressão da Serra de Gredos foi empolgante, com ampla visão em 360º. Há muitas formações rochosas de formatos curiosos, com grandes pedras equilibradas umas sobre as outras. Dali do alto também pude contemplar um belo pôr-do-sol às 21h45. Altitude de 1814m. Serra de Gredos 2º DIA - 26/06/19 - pela crista da Serra de Gredos até o Pico Peña del Mediodía Duração: 6h35 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2221m em Peña del Mediodía Menor altitude: 1810m Resumo: caminhada para oeste pela crista da Serra de Gredos, porém quase não há trilha definida. Procurar o caminho (ou abrir caminho) entre as moitas de piorno foi cansativo. Do local onde acampei na crista podia avistar toda a paisagem dos vales ao norte da Serra de Gredos e a continuação da serra para oeste, meu destino nos próximos dias. Deixei o acampamento às 10h42 e voltei a caminhar pela estrada no sentido oeste, mas quando ela fez uma curva para a direita (norte) subi à esquerda sem trilha seguindo totens para me manter na crista da serra. Às 11h39 um amontoado de rochas com uma coluna no topo me chamou a atenção e subi para conferir o que havia ali. Trata-se do cume La Fría, onde foi instalado um vértice geodésico. A visão para oeste se amplia bastante. Na continuação, me deparei com um grupo de cabras montesas que imediatamente fugiu, porém um filhote ficou para trás, no alto de uma pedra, apavorado com a minha presença. Ele saiu bem na foto, rs. A encosta norte da serra nesse ponto tem várias estradas de terra e há mais em construção, o que tira todo o "clima" de montanha do lugar. Às 12h25 cruzei uma fileira de mourões sem cerca (ainda) e 32 minutos depois encontrei uma bica de água quase seca, apenas um fio escorria, mas consegui coletar mais abaixo e bebi o máximo que pude pois as fontes são muito raras nessa serra (essa foi a única água desse dia). Um marco de madeira fincado tem uma plaquinha "Senda Puerto del Arenal". Continuei às 13h55 e 190m depois cheguei a uma placa em que se lê: Puerto del Arenal - Ruta Navarredonda-Puerto del Arenal PR-AV 45 (mais informações sobre as trilhas PR em es.wikipedia.org/wiki/Peque%C3%B1o_Recorrido). Nesse ponto chega uma trilha que vem da localidade de El Arenal pela vertente sul da Serra de Gredos e que serve como rota de fuga ou início alternativo a esse trekking. Já vinha avistando El Arenal lá embaixo no vale desde o Pico La Fría. Às 16h11 outra placa: Puerto de La Cabrilla - PR-AV 44, que é outro caminho de El Arenal a Navarredonda de Gredos. A partir daqui a serra começa a se mostrar mais florida pois surgem os grandes campos de piorno, que dá flores amarelas em abundância. A dificuldade era abrir caminho entre os piornos já que não encontrava trilha definida e contínua. Às 20h05 alcanço a maior altitude do dia no Pico Peña del Mediodía, de 2221m, também com uma coluna e um vértice geodésico. A partir desse pico aparece uma trilha ininterrupta, antes só pedaços de trilhas. Continuando para oeste, 400m depois do pico desvio alguns metros à direita até um marco de granito para fotos. A partir do marco a trilha inicia uma longa descida a um outro "puerto". Desconfiei que seria difícil encontrar um lugar plano para a barraca, então procurei nas imediações do marco, onde o terreno era plano e as moitas de piorno me davam alguma proteção contra o vento. Altitude de 2211m. Cabra montesa e ao fundo os picos Almanzor e La Galana 3º DIA - 27/06/19 - do Pico Peña del Mediodía ao Refúgio Elola Duração: 8h30 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2262m Menor altitude: 1948m na Laguna Grande Resumo: continuação pela crista da Serra de Gredos passando por dois refúgios em ruínas e descida ao Circo de Gredos, com a Laguna Grande e o Refúgio Elola Iniciei a caminhada do dia às 9h10, passei pelo marco de granito e comecei a descer ao Puerto del Peón. A decisão de acampar lá no alto se mostrou muito acertada pois encontrei um grupo enorme de jovens bivacando cerca de 300m antes do puerto. Como é proibido montar barraca eu teria no dia anterior que caminhar bem mais e me afastar deles para poder acampar. Às 9h42 passei pela placa que indica o Puerto del Peón, local que marca uma travessia no sentido sudeste-noroeste da Serra de Gredos e que provavelmente era o roteiro daquele grupo pois não os vi mais. Na continuação para sudoeste, a trilha cai por algum tempo para a vertente norte da serra e depois obriga a subir à crista outra vez. Cruzo mais campos de piornos floridos mas em seguida chego a uma região mais árida da serra, um local praticamente só de pedras, e ali, às 11h14, me deparo com as ruínas do Refúgio Los Pelaos, todo de pedras. Há bons espaços para pernoitar protegido do vento desde que você não se impressione com as paredes prestes a desabar. O local também é rota de uma travessia no sentido norte-sul da Serra de Gredos. Uma caminhada alternativa seria subir ao Pico La Mira, de 2343m (desnível de apenas 91m desde as ruínas), mas não encarei. O mais importante: tem água. Às 12h33 prossegui na trilha para oeste e 190m após as ruínas atinjo a maior altitude do dia, 2262m (alcançarei outra altitude igual ainda nesse dia). No horizonte a oeste já avisto uma cordilheira com os picos Almanzor, La Galana e o passo Portilla del Rey, pelo qual passarei entre a Laguna Grande e as 5 Lagunas. A trilha volta a cruzar o tapete amarelo de flores e a crista continua o seu sobe-e-desce. Caminho por alguns trechos com calçamento de pedras. Às 15h05 fui à esquerda (sudoeste) numa bifurcação seguindo os totens, sem trilha definida (à direita teria descido a um estacionamento chamado La Plataforma). Às 15h21 avistei a oeste o Refúgio del Rey, ainda bem distante. Desci e ao subir ao topo da colina seguinte visualizei a trilha à frente e abaixo. Desci novamente e a encontrei às 16h29. Com mais 8 minutos cheguei ao Puerto de Candeleda (com placas indicando ser a PR-AV 46), outra rota que cruza a serra de norte a sul. Parei para descansar e comer, e para meu espanto apareceu um outro louco solitário fazendo a travessia da serra com um enorme mochilão com não-sei-quantos litros de água. Conversamos um pouco e ele seguiu na frente. Às 17h22 continuei na direção oeste numa longa subida, percorrendo depois uma crista para o norte. Às 18h06 fui à direita numa bifurcação para ver de perto as ruínas do Refúgio del Rey. Ao lado fizeram um cercado com as pedras desabadas que serve como abrigo do vento para um bivaque. Perto do refúgio encontrei água quase parada mas 80m à frente (norte) havia uma ótima bica. Continuei para o norte por uma trilha larga às 18h55. Às 19h17 cheguei a uma cabeceira de vale com capim bem verde e bastante água, ao contrário da secura que vinha enfrentando até aqui. Seguindo os totens cruzei o riacho e subi por um caminho construído com pedras, passando por pequenas lagoas. Às 19h52 uma bonita visão para a esquerda (oeste) das montanhas pontiagudas próximas à Laguna Grande, meu destino nesse dia. Porém a laguna estava bem longe ainda e a descida direta para oeste não se mostrou animadora pela inclinação e ausência de trilha. O jeito foi continuar para o norte, dando uma volta bem grande, mas por trilha bem marcada e segura. Aqui atinjo também a maior altitude do dia, 2262m. Fui à esquerda na bifurcação e comecei a descer. Às 20h33 cheguei a uma bifurcação em T e continuei descendo para a esquerda. À direita se vai à Plataforma e esse é um caminho bastante usado para chegar ao Refúgio Elola. Passei por uma fonte de água e continuei no rumo sudoeste até as margens da Laguna Grande. Contornei toda sua margem leste e sul para enfim chegar ao Refúgio Elola às 21h36, quase no pôr do sol. Esse local é conhecido como Circo de Gredos. Este refúgio foi o único que encontrei guardado, ou seja, com guardas, que aliás estavam jantando e por sorte sobrou alguma janta para mim também. Dentro do refúgio deve-se usar apenas chinelos ou crocs, disponíveis em prateleiras na entrada. Há armários com chave. Os quartos são coletivos e têm beliches bem largas onde dormem muitas pessoas uma ao lado da outra, por sorte havia pouca gente e não precisei dormir espremido. A reserva costuma ser obrigatória mas pelo número pequeno de hóspedes não houve problema em não tê-la feito. O banheiro não tem vaso sanitário e sim uma peça de metal com buraco no chão, como no Nepal. Altitude de 1958m. Talvez o principal destino dos montanhistas que procuram esse refúgio seja o Pico Almanzor, o mais alto da Serra de Gredos, com 2591m.
  5. Siete Picos Início: Cercedilla Final: Cercedilla Duração: 5 dias Maior altitude: 2427m no Pico Peñalara Menor altitude: 1027m na ponte sobre o Rio Manzanares Dificuldade: média para quem está acostumado a trilhar com mochila cargueira. Há muita subida e muita descida todos os dias, com desníveis positivos (subidas) que chegam a 1227m (4º dia) e 1435m (1º dia). A Serra de Guadarrama se localiza a cerca de 70km a norte-noroeste de Madri e é avistada tanto dessa cidade quanto da cidade de Segóvia. Há vários roteiros possíveis de caminhada pela serra, com durações que vão de um a vários dias, porém o acampamento selvagem é proibido no parque (bem como em toda a Espanha), sendo permitido apenas o bivaque acima dos 2100m e somente por uma noite. Eu escolhi fazer um trajeto de forma circular a partir da cidade de Cercedilla que percorresse seis dos cumes mais altos dessa serra: Peñalara (2427m), Cabeza de Hierro Mayor (2376m), Bola del Mundo ou Alto de las Guarramillas (2254m), La Maliciosa (2219m), Siete Picos (2117m) e Peña Águila (2011m). Essas altitudes parecem bastante modestas, inclusive se comparadas às montanhas mais altas do Brasil, porém todas ficam cobertas de neve no inverno, o que obriga ao uso de equipamentos apropriados. Vista do Pico Peña Águila 1º DIA - 17/06/19 - de Cercedilla a Puerto de Cotos com subida do Pico Peña Águila Duração: 8h05 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2011m no Pico Peña Águila Menor altitude: 1140m na ponte do Rio de la Venta, em Cercedilla Resumo: nesse dia encarei as primeiras subidas da caminhada com desníveis de 871m desde Cercedilla ao Pico Peña Águila, depois 149m até Puerto de la Fuenfría e 415m da rodovia CL-601 até Puerto de Cotos Na estação Chamartín, em Madri, tomei às 8h10 o trem Renfe com destino à pequena cidade de Cercedilla, aonde cheguei às 9h20. Demorei algum tempo para encontrar o início da trilha para o Pico Peña Águila pois não havia indicação e a trilha não era nada óbvia. O trajeto é o seguinte: saindo da estação do trem deve-se descer a rua à esquerda por 100m até sua guinada para a esquerda, onde passa num túnel por baixo da linha férrea - exatamente na guinada deve-se cruzar a ponte (Rio de la Venta) e o estacionamento em frente para encontrar sob as árvores a trilha com placas de Sendero Ródenas (toda pichada) e Camino Puricelli (com mapa). Outra alternativa é caminhar a partir da plataforma da estação ao longo da linha férrea para oeste e encontrar a mesma trilha num ponto acima das citadas placas. A partir das placas a trilha sobe em zigue-zague até uma rua de terra que deve ser tomada para a direita, subindo (a trilha que sai à direita antes da rua não serve). O casarão bem em frente à trilha funcionava como Albergue El Colladito, mas agora é uma escola infantil. Dali já avistei os Siete Picos, o Pico Bola del Mundo (Alto de las Guarramillas é o nome verdadeiro) e Pico La Maliciosa, meus objetivos para os próximos dias nesse trekking, todos a nordeste. Eram 10h20. Caminhei 640m por essa rua de terra (ignorando um caminho que sai para a direita logo no início dela) e às 10h32 entrei numa trilha à direita onde há uma placa de Parque Regional de la Cuenca Alta del Manzanares. É um atalho que me levou a caminhar entre muros de pedra e subir a uma clareira alta com a primeira visão ampla para as serras, com destaque para os Siete Picos. Caminhando na direção de uma casa vazia à esquerda reencontrei a estrada de terra e segui nela para a direita, mas por apenas 200m pois entrei na trilha à esquerda, subindo entre pinheiros. Ali há um cocho de pedra com água corrente. Nas árvores há marcações de PR (Pequeño Recorrido = Percurso Pequeno), que são duas faixas horizontais, uma branca acima e outra amarela abaixo. Para mais informações: es.wikipedia.org/wiki/Pequeño_Recorrido. Às 11h55 cruzei uma estrada de terra (com círculos vermelhos pintados nas árvores) e continuei subindo pela trilha. Alcancei enfim às 12h09 a crista da serra e nela uma bifurcação em T, onde fui para a direita (norte). Nesse ponto estou entrando na famosa e longa trilha GR 10, que vai de Valência a Lisboa (as marcações em tinta branca e vermelha vão aparecer mais acima). Não cruzo o muro de pedra da crista por enquanto. Deixo para trás a floresta de pinheiros e continuo paralelamente ao extenso muro de pedras. Já avisto o cume do Pico Peña Águila, com as encostadas tomadas pelo tapete amarelo das flores piorno. A trilha cruza finalmente o muro de pedras apenas 140m antes do cume, aonde cheguei às 13h17. Visão espetacular num dia de céu limpíssimo: La Pinareja e Montón de Trigo ao norte (cumes da Serra Mujer Muerta); Peñalara a nordeste; Siete Picos, Cabeza de Hierro Mayor, Cabeza de Hierro Menor, Bola del Mundo (esses três em Cuerda Larga) e La Maliciosa a leste. Altitude de 2011m e desnível de 871m desde Cercedilla. O vento estava forte e bem frio e usei o muro de pedra como proteção para tomar meu lanche. Pico Peña Águila com piornos floridos Às 14h iniciei a descida no sentido oposto ao que cheguei (nordeste) e em 12 minutos caí numa estradinha de terra muito chata. Caminhei por ela até um portão de ferro que cruzei às 14h42 e fechei com atenção seguindo a recomendação da placa (para o gado não fugir). Ali passava uma estrada tediosa de terra, mas procurei por trilha e encontrei uma no sentido nordeste, não muito óbvia no começo. A ela entroncou uma outra vindo da direita chamada Camino Viejo de Segovia. Atravessei uma ponte de madeira (água boa), outra ponte (quase sem água) e à direita surgiu a trilha conhecida como Calzada Romana. A Calzada Romana faz uma curva para a direita e eu preferi me manter no Camino Viejo de Segovia por ser mais direto, por isso segui à esquerda. Porém 190m depois fui à direita e passei a caminhar pela larga Calzada Romana, mas por menos de 100m pois alcancei uma estrada de terra às 16h06. Esse é um importante cruzamento de caminhos, inclusive de uma das rotas do Caminho de Santiago: Puerto de la Fuenfría. Observação: se tivesse caminhado à esquerda na estrada tediosa teria continuado na GR 10 e chegado a esse mesmo lugar. A partir dali a GR 10 toma a direção sul. Um dos significados da palavra puerto em espanhol é "paso entre montañas" ou "collado de montaña", portanto os puertos costumam ser lugares altos que dão passagem de uma vertente a outra da serra/montanha. Após a subida até esse puerto iniciaria uma suave descida. Há diversas placas nesse local indicando e explicando os muitos caminhos que por ali passam. Tantas placas que levei algum tempo para encontrar qual seria a continuação do meu caminho em direção a Puerto de Cotos. Mas era só continuar no meu sentido nordeste por uma estradinha de terra entre pinheiros. Um cocho de pedra tinha água corrente. Na primeira bifurcação fui à direita e na segunda, à esquerda. Às 16h44 a estradinha vira trilha e passo a caminhar pelo Carril del Gallo (sem placa mostrando essa informação). Às 17h41 cheguei a uma grande clareira usada como pasto e parei para descansar por 17 minutos com uma vista bastante ampla e bonita. Continuei no sentido sul (e depois leste) e reentrei na mata de pinheiros. Cruzei uma ponte de troncos e 130m depois alcancei uma estrada de terra, que tomei para a esquerda (norte) (aqui fui explorar uma alternativa à estrada mas não deu em nada, a trilha fechou; gastei 40min nisso). Desprezando as trilhas que nasciam dessa estradinha, às 19h11 cheguei ao asfalto da CL-601, exatamente num local chamado Las 7 Revueltas. Cruzei a cancela e desci à esquerda até uma cancela igual (à direita), onde tomei a estradinha de asfalto entre pinheiros. Altitude de 1409m. Parei para descansar por 22 minutos. Nas bifurcações continuei no asfalto até encontrar às 20h35 uma estradinha de terra à direita com placa de Puerto de Cotos a 3,2km. Passei por quatro riachos e alcancei as casas de Puerto de Cotos às 21h33, ainda com luz do dia (o sol estava se pondo às 21h45). Altitude de 1824m (desnível de 415m desde o asfalto da CL-601). Puerto de Cotos não chega nem a ser uma vila, o lugar se resume a uma estação de trem onde funciona um refúgio de montanha (El Refugio de Cotos), o Centro de Visitantes do Parque Nacional Sierra de Guadarrama e um bar-restaurante (Venta Marcelino). Como é proibido acampar de forma livre e não há camping pago busquei hospedagem no refúgio, onde fui o único hóspede da noite já que era uma segunda-feira (no final de semana estava lotado). Lá fui atendido pelo Carlos, que me preparou um saboroso jantar. O único problema ali foi o banho pois a água não esquentava de jeito nenhum. Além do trem há ônibus ligando Puerto de Cotos a Madri (veja nas informações adicionais). Laguna de los Pájaros 2º DIA - 18/06/19 - Pico Peñalara Duração: 5h20 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2427m no Pico Peñalara Menor altitude: 1816m na estação de trem de Puerto de Cotos Resumo: circuito passando pelo cume do Pico Peñalara a partir de Puerto de Cotos num desnível de 611m Após o café da manhã no Refugio de Cotos e uma boa enrolação saí às 11h36 para subir o Pico Peñalara com mochila de ataque apenas. Meu plano era subir pela crista do lado sul-sudoeste e descer pelo lado norte-nordeste, retornando pela face leste do pico. Passei pelo Centro de Visitantes Peñalara do Parque Nacional Sierra de Guadarrama para pegar informações e continuei no sentido nordeste por 370m. Logo após a curva do Mirador de la Gitana continuei pela trilha principal, a RV2, à esquerda (voltaria pela trilha da direita, a RV8). Após vencer um desnível de 611m desde o refúgio, com trechos em zigue-zague e grandes manchas de neve próximas ao caminho, alcancei o cume do Pico Peñalara às 13h34. Ele é o ponto mais alto da Serra de Guadarrama e das províncias de Madri e Segóvia. Dali se avistam Cabeza de Hierro Mayor, Cabeza de Hierro Menor, La Maliciosa e Bola del Mundo ao sul; Siete Picos, Peña Águila, Montón de Trigo e La Pinareja a sudoeste; Segóvia a noroeste. Iniciei o retorno às 14h46 seguindo a crista no sentido norte-nordeste. Cerca de 540m depois, num trecho com grandes blocos de pedra, desci pela face direita da crista, mas estava errado, o caminho foi sumindo e a descida se complicando. Voltei e desci pelo lado oposto, à esquerda da crista, onde havia uma trilha mais fácil. Observei depois que algumas pessoas continuavam pelo alto da crista, mas pelo que vi é preciso saltar grandes blocos de pedra bastante expostos. Desci por trilha bem marcada e alcancei às 16h45 a Laguna de los Pájaros, onde uma placa alerta para a proibição de banho e a permanência a menos de 3m da margem para evitar a mortalidade de anfíbios, entre outros motivos (porém poucos minutos depois encontrei vacas pastando livremente às margens de outras lagoas). Ali tomei a trilha da direita (sul) e efetivamente iniciei o retorno a Cotos. Cruzei com um grupo grande com mochilas cargueiras que pretendia bivacar no Peñalara sem nenhum medo do vento frio da noite. Às 18h13 parei para fotos no Mirador de Javier e tomei o atalho que sai à direita dele para alcançar em 12 minutos a Laguna Grande de Peñalara, que é cercada com um cabo de aço para evitar a aproximação. Saindo da Laguna Grande às 18h54 desci por uma passarela de madeira e depois trilha até a casinha de vigilância e continuei na trilha em frente (ignorando as trilhas da direita e da esquerda). Reentrei na mata, passei por uma bica e reencontrei a trilha da ida (RV2) às 19h38. Passei pelo Centro de Visitantes, pela Venta Marcelino (fechada) e estava de volta ao refúgio às 20h10. La Pedriza 3º DIA - 19/06/19 - de Puerto de Cotos a La Pedriza Duração: 7h50 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2376m no Pico Cabeza de Hierro Mayor Menor altitude: 1478m no acampamento em La Pedriza Resumo: subida de Puerto de Cotos ao cordão montanhoso Cuerda Larga num desnível de 560m e descida ao "parque" rochoso de La Pedriza num desnível de 898m Há dois caminhos possíveis para subir à crista de Cuerda Larga a partir de Puerto de Cotos. Um deles sai diretamente para o sul e passa próximo ao Albergue El Pingarron, o outro sai para leste e é 1,3km mais longo, porém foi o que escolhi (talvez tenha menos sobe-e-desce). Saí do refúgio às 10h53 no sentido leste e atravessei todo o estacionamento que fica ao longo da rodovia M-604. No final do estacionamento desci uma escada de madeira e encontrei na mata a trilha que me levaria a Cuerda Larga. Porém ao sair da mata, apenas 170m depois, a trilha sumiu. Cruzando o campo na direção sudeste, entrei em outra mata e reencontrei a trilha junto a uma pequena ponte de tábuas. Uma outra trilha entroncou nessa vindo da rodovia também. Um círculo amarelo pintado nas árvores confirma o caminho. Tomo o rumo sul e depois sudeste, direções que manterei por algum tempo. Cruzo um riacho pelas pedras e desemboco numa estrada, na qual vou para a esquerda, descendo. Atravesso a ponte sobre o Arroyo de las Cerradillas. Encontro outra estrada às 12h01 e desta vez vou para a direita, subindo por um vale com o Arroyo de las Cerradillas à direita. Surgem caminhos à esquerda que exploro tentando evitar a monotonia da estrada, mas foi só perda de tempo (apesar dos sinais vermelhos pintados nas árvores). Felizmente logo a estrada vira trilha (na bifurcação vou à direita), cruzo três pontes, a trilha dá uma guinada para o norte e chego a uma bifurcação com placas às 14h34. Da direita vem a trilha do Albergue El Pingarron, o outro caminho de Cotos. Eu sigo para a esquerda retomando o rumo sul. Cruzo quatro riachos em sequência, formadores do Arroyo de las Cerradillas. Alcanço o limite das árvores (1825m) e passo a subir por entre moitas de piornos floridos. Depois vem a parte mais inclinada da encosta da serra com a dificuldade de caminhar por um terreno chamado de canchal (em espanhol) ou scree (em inglês), uma ladeira de pedras desmoronadas. Cruzo um riacho para a direita às 15h26 e essa será a última água até descer para a outra vertente no final do dia. La Pedriza Às 16h40 alcanço enfim a crista de serra conhecida como Cuerda Larga. Desnível de 505m desde as placas. Dali avisto as formações rochosas de La Pedriza, a cidade de Manzanares El Real, meu objetivo deste dia, e bem distante no horizonte a capital Madri. Sigo para a esquerda (nordeste) na bifurcação em T às 17h02. O Pico Cabeza de Hierro Menor (2374m segundo a Wikipedia), segundo mais alto de Cuerda Larga, fica apenas 300m à direita dessa bifurcação, mas não fui até ele. Seguindo pela crista (PR-M 11), um desvio de apenas 40m à esquerda me leva ao cume mais alto de Cuerda Larga, o Pico Cabeza de Hierro Mayor, com 2376m de altitude pelo meu gps. Ele é o segundo em altitude da Serra de Guadarrama, perdendo apenas para o Peñalara. Avisto lá do alto o estacionamento de Puerto de Cotos onde iniciei a caminhada desse dia e também as montanhas: Peñalara ao norte; La Pinareja, Montón de Trigo, Siete Picos, Peña Águila e Bola del Mundo a oeste; La Maliciosa a sudoeste; La Pedriza e Manzanares El Real a sudeste; e ao sul-sudeste os prédios de Madri. Desnível de 560m desde o refúgio em Puerto de Cotos. Continuando pelo sobe-e-desce da crista no sentido leste passo pelos outros cumes de Cuerda Larga: às 18h08 pela Loma de Pandasco (2247m, segundo a Wikipedia, não fui medir cada um), às 19h06 por Navahondilla (2234m) e às 19h15 por Asómate de Hoyos (2242m). Nesse trajeto tive o primeiro contato com as cabras montesas e estavam em grande número, mas são mansas e ariscas. Cerca de 310m após o último cume sigo os totens e faixas pintadas à direita e abandono a crista de Cuerda Larga, que segue para nordeste, em favor de uma crista secundária a sudeste que me leva ao "parque" rochoso de La Pedriza. O lugar é incrível, com formações fantásticas de granito, algumas lembrando o nosso Parque Nacional de Itatiaia. Há inúmeros caminhos em La Pedriza, muitos deles usados por escaladores para acesso às pedras e suas vias. Vários outros levam ao vale do Rio Manzanares, o qual eu deveria percorrer para alcançar o Camping El Ortigal, a caminho da cidade de Manzanares El Real. Dos muitos caminhos ao Rio Manzanares optei pelo mais direto, passando pelo Refugio Giner de los Rios (PR-M 2). Após descer 330m (de altura) desde a crista de Cuerda Larga pela PR-M 2, às 21h02 chego a uma bifurcação em T em Collado del Miradero e vou para a esquerda (ainda PR-M 2), reentrando no bosque de pinheiros cerca de 100m depois. Voltam a aparecer as fontes de água e com elas os locais propícios para o bivaque para quem se aventura escalando as muitas pedras do entorno. Já estava começando a anoitecer (quase 22h) e o camping ainda estava muito longe, então parei no primeiro local plano que encontrei, na altitude de 1478m, para pernoitar. Sierra de los Porrones 4º DIA - 20/06/19 - de La Pedriza a Puerto de Navacerrada Duração: 8h10 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2254m no Pico Bola del Mundo Menor altitude: 1027m na ponte sobre o Rio Manzanares Resumo: descida de La Pedriza ao Rio Manzanares, em seguida subida aos picos La Maliciosa e Bola del Mundo e descida a Puerto de Navacerrada. Diferença de 1227m entre os pontos mais alto e mais baixo do dia. Esse dia e o dia seguinte são de escassez de água. É preciso reabastecer os cantis nas poucas fontes encontradas no começo desse dia para durarem até a tarde do dia seguinte (a menos que se consiga água em Puerto de Navacerrada, que não foi o meu caso). De manhã fui explorar o entorno do local onde acampei e encontrei um lajedo com pedras de diversos formatos e tamanhos, uma miniatura do Lajedo do Pai Mateus de Cabaceiras(PB). É bom lembrar que o acampamento selvagem nos parques da Espanha é proibido, mas eu montei a barraca já à noite, desmontei logo cedo e não deixei nenhum vestígio do meu pernoite no local. Comecei a caminhar às 8h18 ainda descendo. Apenas 340m depois do local de pernoite, aos 1433m de altitude, encontrei um cruzamento de trilhas mas fui em frente pois era o caminho mais rápido ao Refugio Giner de los Rios e depois ao Rio Manzanares. Continuo na PR-M 2. Aos 1256m encontrei a primeira água do dia. Às 9h28, na altitude de 1179m, uma placa aponta para o refúgio à esquerda, num desvio de 150m da trilha principal. Cruzei uma pequena ponte e depois uma clareira para subir ao refúgio, que encontrei em bom estado porém trancado. A bica ao lado estava quase seca. A clareira tem espaço de sobra para acampar porém logo cedo já começam a passar os trilheiros e escaladores uma vez que há um estacionamento a 2km dali. Voltei à trilha principal às 10h08. Às 10h39 cheguei ao Punto de Información Canto Cochino, mas estava fechado (só abre de sábado, domingo e feriado das 9h às 17h). Esse é o ponto de convergência de pelo menos quatro trilhas que descem de La Pedriza e as placas indicam esses caminhos. Foi também o local onde vi mais gente. Dali tomei a direção sul por um calçamento e cruzei às 10h58 a ponte sobre o Rio Manzanares, encontrando do outro lado uma estrada e um pequeno estacionamento. Essa ponte é o ponto de menor altitude do dia e de todo o trekking (1027m) e a última água do dia. A estrada quebra para a direita e ao fazer uma curva para a esquerda encontro dois grandes estacionamentos e um ou dois bares (se fosse ao Camping El Ortigal teria que tomar a direção sul aqui). Ao final dos estacionamentos cruzo o asfalto e entro na trilha em frente (oeste). Na bifurcação uns 35m depois vou à esquerda (pois a direita morre no asfalto mais à frente). Cerca de 1,1km depois da bifurcação chego às 11h31 a um cruzamento de trilhas, onde vou para a esquerda, quase voltando. Meu objetivo é subir à crista da Sierra de los Porrones e descer à cidade de Puerto de Navacerrada para pernoite. Sierra de los Porrones Não percebi uma trilha saindo para a direita e subi até um muro de pedras que fui contornando para a direita até reencontrar a trilha no sentido oeste novamente. Às 12h21 cruzei uma estrada de terra e parei para descansar e me refrescar do forte calor. Os insetos também estavam incomodando um bocado. Nesse ponto há algumas placas e uma delas apontava para o Pico La Maliciosa, meu destino. Faixas amarelas e brancas pintadas indicam ser uma rota de Pequeño Recorrido, nesse caso a PR-M 16. Havia um cocho de pedras mas as bicas estavam secas. Às 13h05 retomei a caminhada agora subindo bastante. Nessa subida pela encosta norte da Sierra de los Porrones tive de fazer mais algumas paradas longas porque o calor estava me tirando a energia. Às 15h53 atingi a crista da serra e fui à direita na bifurcação, subindo, pois a trilha da esquerda desce pela vertente sul da serra. Às 17h22 avistei uma grande formação rochosa à frente e uma nítida trilha subindo ao seu cume: era o Pico La Maliciosa, uma dura subida ainda a enfrentar. As árvores desaparecem. Alcancei o cume de La Maliciosa às 18h57 e havia mais duas ou três pessoas. Conversei com um rapaz de Madri que veio fazer um bate-e-volta desde a capital até esse pico e já ia retornar! La Maliciosa é o pico mais alto da Sierra de los Porrones, com 2219m, e dali se avistam: Bola del Mundo e Pico Peñalara ao norte; Cabeza de Hierro Mayor e Cabeza de Hierro Menor a nordeste; La Pedriza a leste; Manzanares El Real e o reservatório Embalse de Santillana a sudeste; Madri ao sul-sudeste; Navacerrada a sudoeste (não é Puerto de Navacerrada, que fica mais acima e não se vê dali); Peña Águila e Siete Picos a oeste. Retomei a caminhada às 19h18 em direção a Bola del Mundo e suas horríveis antenas parecendo três foguetes prestes a ser lançados. Continuei pela crista da serra por mais 520m no sentido noroeste e tomei a direita (norte) na bifurcação onde a esquerda desce a vertente sul em direção à cidade de Navacerrada. Desci por um caminho de pedras com bifurcações mantendo a direita e cruzei na parte mais baixa uma outra trilha que corria no sentido leste-oeste. Subi a encosta oposta por caminho largo e cheguei a Bola del Mundo, ou Alto de las Guarramillas, às 20h32. Aqui retorno ao cordão montanhoso Cuerda Larga já que esse pico é o mais ocidental dele, com altitude de 2254m. Mas aquelas antenas causam tanto incômodo que não parei, segui para oeste, agora por estradinha concretada (350m a leste de Bola del Mundo se situa o Ventisquero de la Condesa, local onde nasce o Rio Manzanares, mas não fui até lá para conferir se seria fácil coletar água abaixo do nevado). Desci 850m pela estradinha e cheguei a um bar-restaurante que deve funcionar somente no inverno, quando a pista de esqui da face oeste da montanha entra em atividade. Ao lado do bar-restaurante fica a chegada do teleférico que parte de Puerto de Navacerrada, mas a inclinação e o terreno de pedras soltas dificultam a descida direta por ali. Tive de descer pela estradinha de concreto mesmo, com todas as suas curvas e zigue-zagues. Às 21h35 cruzei a cancela ao lado do ponto de partida do teleférico e com mais 5 minutos cheguei a Puerto de Navacerrada, cortada pela rodovia M-601. Altitude de 1862m. Procurei hospedagem no Albergue Peñalara, mas estava fechado. O único lugar aberto e funcionando era o Hotel Residência Navacerrada, porém a mulher fez uma cara de assustada quando me viu entrar de mochila cargueira nas costas e foi logo dizendo que o hotel estava lotado. Já era noite. A única saída era acampar. Procurei o início da trilha do dia seguinte, desviei para dentro da mata com lanterna e encontrei um lugar plano, espaçoso e muito discreto para montar a barraca a menos de 300m da rodovia. Há trem e ônibus ligando Puerto de Navacerrada a Madri (veja nas informações adicionais). Siete Picos 5º DIA - 21/06/19 - de Puerto de Navacerrada a Cercedilla Duração: 6h05 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2117m no Pico Somontano, em Siete Picos Menor altitude: 1149m na ponte do Rio de la Venta, em Cercedilla Resumo: subida de Puerto de Navacerrada aos Siete Picos num desnível de 255m e descida a Cercedilla num desnível de 968m Desmontei acampamento e voltei à rodovia para ver se havia algum lugar aberto para tomar um café da manhã, mas continuava tudo fechado. Iniciei a caminhada do dia às 8h45 entrando na trilha sinalizada como "Sendero Arias" e "Estacion Ferrocarril" localizada entre o Hotel Residência Navacerrada e o estacionamento dos restaurantes/cafeterias mais acima. Após uma plataforma de teleférico à esquerda o caminho trifurca e fui para a direita. Cruzei uma cancela de ferro e subi à direita e depois esquerda na bifurcação. Cheguei a uma cerca de troncos finos que delimita uma pista de esqui pequena (talvez para iniciantes) e parei para tomar meu desjejum. Às 9h41 continuei subindo pela floresta de pinheiros e alcancei uma grande clareira com outro teleférico. À frente (oeste) já avisto toda a extensão dos Siete Picos. Percorro no sentido sudoeste por 230m um caminho largo que vem do teleférico mas o abandono para tomar um outro um pouco mais estreito à esquerda que me leva à formação rochosa com a pequena estátua da Virgen de las Nieves. Dali se avistam o Pico Peñalara, Bola del Mundo, Puerto de Navacerrada e La Maliciosa. A trilha continua a partir dali e corre paralela ao caminho largo que abandonei. Às 10h48 chego a uma grande clareira gramada onde caberiam muitas barracas, ainda com um lindo mirante uns 100m depois (porém não há água). Retomo às 11h07 o caminho largo que havia abandonado e ele começa a se estreitar ao cruzar uma outra trilha - continuo em frente (noroeste) e tomo a esquerda na bifurcação 45m depois. Começo a subir em direção aos cumes de Siete Picos. Nos 2109m de altitude vou à esquerda numa bifurcação em T e 165m depois já estou no ponto mais alto, o pico conhecido como Somontano, de 2117m, às 11h44. Desnível de 255m desde Puerto de Navacerrada. Porém uma forte neblina havia tomado conta do lugar, mal me deixando ver a formação rochosa do pico, o mais oriental do conjunto. Piornos floridos Às 12h12 continuo pela trilha da crista, que se divide em várias, mas tento sempre me manter na mais alta. Passo por mais um dos cumes, ainda com muita neblina, e às 12h38 surge uma bifurcação em que se deve continuar à esquerda pois a direita desce a vertente norte da montanha. Na bifurcação seguinte vou para a esquerda e passo por mais um dos cumes. A neblina começa a se dissipar e o dia volta a ficar perfeito para fotos. Paro por 46 minutos para almoçar e curtir o visual. Antes de descer a encosta sul da montanha faço um desvio de uns 50m para alcançar mais um dos cumes às 14h37. A partir desse ponto inicio a descida e aos poucos reentro na mata de pinheiros. Na altitude de 1906m saio da trilha principal para subir (escalaminhar) o Pico de Majalasna (1935m), o mais ocidental dos cumes de Siete Picos e um tanto afastado dos outros que se encontram na crista. Do seu alto, às 15h36, avisto La Maliciosa e Peña Águila (as nuvens não me deixam ver mais que isso). Só retomo a caminhada às 16h33. Continuando a descida passo por duas fontes de água mas com muito pouca vazão. Essas fontes são a primeira água que encontro desde o Rio Manzanares, na manhã do dia anterior. Às 17h46 cruzei uma estrada de terra com diversas placas e seguindo 120m para oeste encontrei uma bica com mais água sob um abrigo de pedras (Refúgio del Aurrulaque). Parei para descansar e beber bastante água. Ao cruzar essa estrada de terra estou cruzando novamente a GR 10. A partir do abrigo tomei às 18h35 a Vereda Alta: desci no rumo noroeste, cruzei outra estrada de terra e na bifurcação abaixo fui à direita (à esquerda um X pintado numa árvore). Às 18h59 parei em mais uma fonte de água. Surgem trilhas vindo da direita e sigo por 115m um muro de pedras, mas ele continua à direita numa bifurcação em que vou para a esquerda. Às 19h41 chego a uma clareira com muitos caminhos para todos os lados. Fica até difícil descrever em detalhe o que fiz, para resumir tomei a direção sudoeste e alcancei o Caminho del Agua, uma trilha bem larga em que há um cano semi-enterrado. Às 20h13 vou à direita numa bifurcação e já começo a marcar algum lugar discreto para acampar em caso de necessidade, porém logo encontro um portão de ferro e depois algumas casas. Às 20h30 chego à periferia de Cercedilla. Primeiro cruzo uma rua e continuo na trilha em frente. Mais abaixo a trilha termina no asfalto da M-966, onde vou para a esquerda. Com mais 290m, às 20h47, estou na estação ferroviária de Cercedilla, onde tudo começou cinco dias atrás. Ainda havia trens e ônibus para Madri mas eu não tinha reservado nenhum hostel lá e ia chegar muito tarde (o trem sairia 21h33 e deveria chegar a Madri às 22h37). Procurei hospedagem em Cercedilla mas só encontrei lugar caro. O jeito foi me meter na floresta de novo e encontrar um lugar afastado para montar a barraca. No dia seguinte peguei o trem das 8h30 e cheguei às 9h35 à estação de Chamartín, em Madri. Há opções de ônibus também (veja nas informações adicionais). Siete Picos Informações adicionais: . trens na Espanha: www.renfe.com . ônibus 680 - Madri-Cercedilla-Madri: www.crtm.es/tu-transporte-publico/autobuses-interurbanos/lineas/8__680___.aspx . ônibus 684 - Madri-Cercedilla-Madri: www.crtm.es/tu-transporte-publico/autobuses-interurbanos/lineas/8__684___.aspx?origen=2 . ônibus 691 - Madri a Puerto de Navacerrada e Puerto de Cotos www.crtm.es/tu-transporte-publico/autobuses-interurbanos/lineas/8__691___.aspx . Refúgio em Puerto de Cotos: 32 euros o quarto coletivo com café da manhã e jantar, banheiro no corredor. Mais preços no site elrefugiodecotos.com. . roteiro adaptado a partir das informações do guia Lonely Planet Walking in Spain, 3ª edição, 2003 Rafael Santiago junho/2019 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  6. Oi, Marcelo Desculpe a grande demora na resposta. A sua viagem está chegando, hein! Você consegue sim encontrar cartuchos em Lukla, Namche e até em vilas menores como Thame. Mas melhor garantir e comprar nas vilas principais mesmo. Espere pagar sempre um preço muito mais alto do que pagaria em Kathmandu, como qualquer outro produto, mas se você vai de avião a Lukla não tem outro jeito. Quanto ao seguro não sei te dizer. Viajei apenas com o seguro do cartão de crédito. Se você começar a se sentir mal por causa da altitude, desça imediatamente pois você deve melhorar (a pé mesmo). Não espere piorarem os sintomas. Hoje em dia existe uma "indústria do resgate de helicóptero" no Nepal. Qualquer problema se resolve com helicóptero. E não precisa chegar a esse ponto. Os guias forçam a barra na subida, não respeitam a aclimatação individual e depois se livram do "turista-problema" chamando o resgate. Não caia nessa! Ótima viagem pra você!
  7. Olá, Marcelo! Legal que você está curtindo os meus posts. Procuro recolher o máximo de informação pra deixar tudo bem fácil no planejamento dos outros trilheiros e também pra tentar estimular as pessoas a fazerem de forma independente pois, na minha opinião, é uma experiência muito mais enriquecedora. Vamos às suas dúvidas. Algumas respostas você encontra nos três relatos do Campo Base do Everest que eu publiquei aqui no Mochileiros (e no meu blog), então vou responder e colocar o link pra você buscar mais informações lá, blz? Perg: Vc saberia dizer se consigo retirar minhas permissões para trekking em Lukla? Resp: Quem fazia o trekking do Campo Base do Everest até outubro de 2017 tinha que pagar a permissão chamada TIMS Card em Kathmandu. Após essa data o TIMS foi substituído por uma "permissão local" que você paga em Lukla ou Monjo, e não mais em Kathmandu (eu paguei em Monjo já que não passei por Lukla na ida). A outra permissão é a entrada do Parque Nacional Sagarmatha que você paga em Monjo, um vilarejo no caminho. Para mais informações: www.mochileiros.com/topic/81821-pequeno-guia-de-trekking-independente-no-nepal Perg: Por ser o auge da temporada...mês de outubro, corro alguns risco de não encontrar lugar para passar a noite sem efetuar algum tipo de reserva ? Resp: Pela experiência que eu tive em Kathmandu em outubro/18 você encontra hospedagem sim, mesmo sem reserva. Pode não ser na primeira ou segunda tentativa, mas encontra. Há dezenas, centenas de hostels e hotéis, principalmente no Thamel. Mas uma reserva pela internet não vai sair mais caro e vai te dar a tranquilidade de sair do aeroporto e já ter um destino certo, sem precisar camelar com a mochila nas costas pelas ruas caóticas da cidade. Perg: Ao longo do trekking ...nas vilas ...todos os pagamentos foram efetuados em moeda local/em dólares ? Resp: pague sempre na moeda local (rupia nepalesa). Percorra as casas de câmbio do Thamel, encontre a melhor cotação e faça os seus dólares renderem. Nunca pensei em pagar nada durante o trekking com dólar pois mesmo que aceitassem o câmbio seria desfavorável. Pelo horário que você vai chegar a Kathmandu ainda dá tempo de encontrar as casas de câmbio do Thamel abertas. Dica quente: eu encontrava as melhores cotações numa "portinha" na Rua Thamel Marg quase esquina com a JP Marg (veja no Google Maps). Numa emergência você pode fazer câmbio em Lukla ou Namche Bazar, porém com taxas mais baixas em relação a Kathmandu. Perg: Existe algum diferencial ao comprar as passagens ida + volta (Kathmandu x Lukla X Kathmandu), tipo ...caso termine o trekking antes do planejado poderia trocar a data do retorno sem custo ? Saberia dizer algo ? Geralmente as pessoas compram o retorno pra Kathmandu qdo terminam o trekking diretamente no aeroporto de Lukla ? Resp: Todos compram o retorno Lukla-Kathmandu em Kathmandu mesmo para se garantir pois na alta temporada esses voos lotam com vários dias de antecedência. Se precisar alterar a data do voo, entre em contato com a agência que te vendeu a passagem (pegue o whatsapp deles) e peça a alteração durante o trekking com a maior antecedência possível para que eles consigam te encaixar em outro voo. Se você comprar a passagem diretamente no site das cias aéreas deve pagar alguns dólares mais barato porém a alteração talvez seja mais complicada pela dificuldade de se comunicar com a cia. Eu comprei a minha passagem na agência Info Nepal Treks & Expedition, que pertence ao Hotel Lily (www.infonepaltrekking.com), e fiquei muito satisfeito com o serviço. Quando eu pedi por whatsapp a alteração de data o Raju foi muito atencioso e me fez a alteração em questão de minutos, sem nenhum custo. Paguei US$175 pela passagem Lukla-Kathmandu (paguei em dólar porque era mais barato do que em rupia pela cotação que eles fizeram). Mas você pode (e deve) pesquisar os preços, há muitas agências no Thamel. Os sites das companhias aéreas que fazem o trajeto Kathmandu-Lukla eu atualizei no Pequeno guia (www.mochileiros.com/topic/81821-pequeno-guia-de-trekking-independente-no-nepal) e no relato www.mochileiros.com/topic/83278-trekking-pheriche-lukla-nepal-nov18. Se tiver mais dúvidas é só mandar. Um abraço e ótima viagem pra você! Vai ser a viagem mais marcante da sua vida, como foi pra mim! Rafael
  8. Pico Moditse visto do Campo Base do Annapurna ao amanhecer Início: Kande Final: Nayapul Duração: 12 dias Maior altitude: 4121m no Campo Base do Annapurna Menor altitude: 1004m entre Birethanti e Nayapul junto ao Rio Modi Dificuldade: alta. Muita subida e muita descida todos os dias, com desníveis de 340m a 1680m diários, ultrapassando os 3000m, o que exige cuidado com a aclimatação Permissões: permissão ACAP (Rs 3000 = US$ 26,04) e TIMS card (Rs 2000 = US$17,36), ambos obtidos no Tourist Service Center em Kathmandu Obs.: antes de ler este relato sugiro a leitura do meu "Pequeno guia de trekking independente no Nepal" para ter as informações básicas para as caminhadas naquele país. Este trekking foi uma combinação de dois roteiros a partir da cidade de Pokhara, a noroeste de Kathmandu: Campo Base do Annapurna e Poon Hill. Os dois roteiros são extremamente populares e lotam completamente na alta temporada de outubro e novembro, por isso deixei para fazê-los na virada de novembro para dezembro. O trekking do Campo Base do Annapurna (ABC, na sigla em inglês), ou Santuário Annapurna, sai de uma altitude de 1710m em Kande e percorre florestas de rododendros e muitos vilarejos antigos com suas plantações em terraços para somente no 5º dia entrar numa paisagem de alta montanha onde se encontram os campos base das montanhas Machapuchare e Annapurna, numa altitude máxima de 4121m. Este trekking percorre altitudes bem mais modestas que o trekking do Campo Base do Everest e por isso é uma boa opção para o início de dezembro, quando as temperaturas já caíram bastante em relação a outubro e novembro. Outro fator que me levou a fazer esse trekking em dezembro, como disse, foi fugir da lotação da alta temporada. Algumas vilas do caminho têm uma oferta bem pequena de hospedagem e mesmo em dezembro tive que dividir o quarto com outras pessoas pois alguns lodges estavam lotados. O trekking Poon Hill sai de uma altitude de 1022m em Nayapul e percorre também muitos vilarejos e infinitas escadarias de pedras para alcançar a vila de Ghorepani (2874m) e sua famosa atração, a colina Poon Hill, de onde se tem uma das vistas mais espetaculares de toda a região do Annapurna e do Himalaia. Há uma conexão por trilhas entre esses dois bonitos trekkings, Campo Base do Annapurna (ABC) e Poon Hill, e nessa conexão eu fiz o trekking Poon Hill ao contrário do descrito acima (de Ghorepani a Nayapul). Para quem dispõe de tempo para combinar os dois roteiros e não quer se arriscar caminhando muitos dias numa altitude acima dos 4000m no Everest essa é uma excelente opção. Toda a região abrangida por esses dois trekkings é uma área de proteção e está sob a administração do ACAP (Annapurna Conservation Area Project). Ao longo do relato colocarei o nome das vilas com as variações de escrita mais frequentes e também pelos diferentes nomes que constam nos mapas e nas placas. No percurso desse trekking há muitas fontes de água, como riachos no meio da trilha e torneiras ou bicas nas vilas. Não cito todas no relato porque são muitas. A água deve sempre ser tratada, conforme explico no "Pequeno guia de trekking independente no Nepal". As operadoras de celular que funcionam em alguns dos povoados ao longo deste trekking são: . Australian Camp: NCell . New Bridge: NCell . Chomrong: NCell só na parte alta da vila . Sinuwa: NCell . Bamboo: NCell . Dovan: Sky Cdma . Himalaya: Sky Cdma . Deurali: Sky Cdma . Campo Base do Machapuchare: Sky Cdma . Campo Base do Annapurna: Sky Cdma . Ghandruk: NCell (internet muito lenta) . Tikhedhunga: NCell Todos os preços abaixo estão na moeda do Nepal (rupia nepalesa) e convertidos para dólar pela média dos câmbios que encontrei em Kathmandu entre outubro e dezembro de 2018 (US$ 1 = Rs 115,20). Para mostrar a variação de preço das refeições em cada povoado ao longo do trekking coloco ao final de cada dia o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Cânion do Rio Modi 23/11/18 - ônibus de Kathmandu a Pokhara No dia anterior (22/11) eu havia comprado a passagem de ônibus para Pokhara numa agência da IME Travels, na Avenida Kantipath, bem perto do bairro do Thamel onde eu estava hospedado, com a doce ilusão de que o ônibus sairia dali mesmo (saíam até julho de 2018). Mas depois a atendente me falou que ali agora era só um escritório, os ônibus saem mesmo de um lugar chamado Sorhakhutte. Felizmente não é longe do Thamel também, dá para ir a pé em cerca de 15 minutos (a partir do Hotel Discovery Inn onde eu estava). Ela me vendeu uma passagem da empresa Reed Travels & Tours. Esse é um ônibus "turístico", não é um ônibus local. O ônibus local não me foi recomendado pois trafega em alta velocidade pelas estradas e os motoristas são muito imprudentes. Ele é mais barato, mas a diferença de preço é pequena e não compensa o risco. Nesse dia 23/11 cheguei ao Sorhakhutte e me deparei com uma fila enorme de ônibus estacionados na calçada da Rua Swayambhu Marg. São muitas empresas diferentes fazendo esse trajeto a Pokhara. Tive que perguntar para várias pessoas e o ônibus da empresa Reed era um dos últimos. Foi o primeiro ônibus grande em que viajei no Nepal (por ser um ônibus "turístico"). Todos partiram às 7h. Felizmente o percurso é todo em asfalto, sem aquele terror de ficar pulando e chacoalhando dentro de um ônibus minúsculo, como foi no Langtang e em Shivalaya. A passagem que comprei de Rs700 (US$6,08) era num ônibus sem banheiro, mas há ônibus com banheiro também. São feitas duas paradas no caminho, com banheiros e fartura de comida para quem quiser almoçar. Esse que peguei oferecia uma garrafa de água mineral aos passageiros. Chegamos a Pokhara às 15h, no terminal Tourist Bus Park. Como Pokhara é uma cidade grande (a segunda maior do Nepal), pesquisei antes pela internet alguma hospedagem para ir direto e não ficar procurando hotel com a cargueira nas costas. Optei pelo Harry Guest House. O quarto com banheiro privativo saía por apenas Rs700 (US$6,08). Seguindo o gps caminhei do terminal até o Harry em 27 minutos (1,9km). A localização é muito boa, numa avenida central do bairro Nareshwor com várias opções de restaurante e bastante comércio. O centro de Lakeside Norte, o bairro mais turístico, com restaurantes, cafés, livrarias e mercadinhos fica a 550m do hotel. O Harry dá toda a informação necessária sobre trilhas na região do Annapurna e passeios na cidade. Ele me sugeriu que iniciasse o trekking do Campo Base do Annapurna por Kande e não por Phedi pois teria um visual muito bonito das montanhas em Australian Camp. Pokhara, mesmo sendo a segunda mais populosa do Nepal, é uma cidade bem mais simpática e tranquila que a caótica e poluída Kathmandu. O Lago Phewa dá um clima mais gostoso à cidade, que é frequentada por muitas "tribos" diferentes. Algumas das montanhas vistas a partir de Australian Camp: Annapurna Dakshin (Annapurna Sul), Moditse, Hiunchuli, Tarke Kang (Glacier Dome), Asapurna II e Asapurna 1º DIA - 24/11/18 - de Kande a Australian Camp Duração: 1h10 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2046m Menor altitude: 1706m Resumo: nesse dia encarei a primeira subida da caminhada, mas num desnível de apenas 340m pois parei na vila Australian Camp para ter pela manhã a bonita vista das montanhas Annapurna e Machapuchare. À tarde as nuvens já não deixavam ver nada. Saí do Harry Guest House às 8h10 na direção leste pela Avenida Phewa Marg. Caminhei 21 minutos até um local chamado Zero Kilometer. Ali esperei o ônibus para Kande (eles pronunciam káre) na calçada da esquerda (lembrando que no Nepal a mão é inglesa) da Avenida Pokhara-Baglung. Como os ônibus têm as placas escritas somente em nepalês pedi ajuda a alguns homens que estavam ali conversando. Esperei 24 minutos e às 8h55 eles pararam o ônibus certo para mim, que já veio lotado, mas depois foi esvaziando e pude sentar. O ônibus, após deixar a cidade, sobe bastante por estradas ruins de asfalto. Saltei em Kande às 10h33 e era o ponto final desse ônibus (há outros que continuam para outros vilarejos à frente). Logo fui abordado por algumas mulheres dizendo serem refugiadas tibetanas, contando histórias, para depois oferecerem (e insistirem para comprar) o artesanato que faziam. Aproveitei para comer alguma coisa ali mesmo pois há alguns restaurantes e a comida dali para a frente na trilha só iria aumentar de preço. De Kande já é possível avistar no alto de uma serra ao norte-nordeste um dos lodges e algumas barracas de Australian Camp. Coloquei o pé na trilha às 11h10. O início, no meio dos casebres da estrada, está sinalizado com uma placa do ACAP. Altitude de 1710m. Segui na direção norte e noroeste por trilha que aos poucos foi se transformando numa estradinha de terra. Na primeira bifurcação havia placa apontando para a esquerda, mas na segunda não havia placa apontando para a trilha à direita da estrada, que é um atalho. Na subida pela trilha quem eu encontro? O casal húngaro Zita e Daniel, que conheci em Bhandar e reencontrei várias vezes no trekking do Everest. Eles não haviam pago as permissões para o trekking do Annapurna pois não tinham intenção de fazê-lo completo, foram apenas até Pothana, onde está o primeiro check post do ACAP. Ao final dessa trilha-atalho entronca à esquerda a estrada que abandonei alguns minutos antes. Uns 150m acima a estrada vira trilha. Esse trekking será repleto de escadarias de pedra e elas começaram a aparecer já nesse primeiro dia. Apareceu também pintada nas árvores uma sinalização de duas faixas horizontais em branco e vermelho, como nas trilhas GR da França, mas ela seria bastante esporádica nesse trekking. Às 12h31 fui à esquerda numa bifurcação com placa e cheguei a Australian Camp às 12h47. Apesar de muito cedo, resolvi parar para dormir ali pois diziam que o visual das montanhas era incrível e naquele horário as nuvens já não deixavam ver nada. Percorri os quatro lodges do vilarejo e só o Machapuchare Lodge tinha vaga. Era um sábado e dezenas de adolescentes nepaleses lotavam os lodges. Algumas pessoas estavam acampadas também. Como estava tudo cheio não tive muita margem de negociação no preço do quarto, que saiu por Rs250 (US$2,17). O banheiro ficava numa varanda nos fundos, exposto ao frio à noite. Tinha ducha a gás, vaso sanitário com descarga acoplada e lavatório sem torneira. Nessa noite comecei a minha rotina noturna diária de filtrar pelo menos 1,5 litro de água com o filtro Sawyer e depois ferver com o meu fogareiro para beber no dia seguinte. Altitude em Australian Camp: 2046m Preço do dal bhat: Rs 500 (o dobro do preço de Pokhara já no primeiro vilarejo) Preço do veg chowmein: Rs 350 Pico Machapuchare (Fish Tail) visto de Australian Camp 2º DIA - 25/11/18 - de Australian Camp a New Bridge Duração: 5h40 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2150m Menor altitude: 1378m Resumo: nesse dia subi por bosques até a vila de Pitam Deurali (desnível de 104m) e desci por trilhas e estradas de terra toda a encosta da margem esquerda do Rio Modi até cruzá-lo (desnível de 772m) A mínima durante a noite dentro do quarto foi 10,1ºC. Às 7h50 da manhã estava 11,8ºC. De manhã vi que valeu a pena ter parado em Australian Camp. O visual dos grandes picos do Himalaia é realmente fantástico. De norte para nordeste: Annapurna Dakshin (Annapurna Sul), Moditse, Hiunchuli, Tarke Kang (Glacier Dome), Asapurna II, Asapurna, Gangapurna, Machapuchare (Fish Tail), Annapurna IV, Annapurna II (16º mais alto do mundo) e Lamjung Himal. Saí do lodge às 9h27 na direção norte e às 9h40 fui à esquerda na bifurcação, subindo. Apenas 4 minutos depois entroncou à direita a trilha que vem de Dhampus e Phedi, rota que eu originalmente ia fazer. Ali apareceu a sinalização do ACAP em forma de um poste metálico com placas dando as boas-vindas ao vilarejo e apontando os seguintes com o tempo de percurso. Às 9h54 cheguei à vila de Pothana, com lodges também, e fui parado no check post do ACAP para mostrar as permissões obtidas em Kathmandu (permissão ACAP e TIMS card). Um cartaz ali informa todos os tempos de caminhada entre os vilarejos e isso foi bastante útil para eu planejar a caminhada de cada dia. Há painéis sobre a trilha da montanha Mardi Himal também. Na saída de Pothana uma linda vista das montanhas, muito parecida com a de Australian Camp mas agora um pouco obstruída pela vegetação. Às 10h21 fui à direita numa bifurcação com placa apontando Pitam Deurali e desci, cruzando uma estrada de terra. Subi um pouco por uma mata e uma segunda placa causou alguma dúvida pois apontava Landruk tanto em frente quanto à esquerda. Fui em frente (parece que à esquerda se chega a Landruk por estrada). Tangenciei uma estrada duas vezes, passei pelo ponto mais alto do dia (2150m) e cheguei a Pitam Deurali às 11h05, parando para muitas fotos pois o vilarejo fica numa crista com linda vista para Annapurna Dakshin (Annapurna Sul), Moditse, Hiunchuli, Asapurna II, Asapurna, Gangapurna e Machapuchare (de norte para nordeste). Avistei pela primeira vez também o pico Dhaulagiri, 7º mais alto do mundo, que só voltaria a ver em Poon Hill, nos últimos dias desse trekking. E tive a primeira visão do vale do Rio Modi, bastante profundo, com o rio correndo cerca de 900m abaixo desse vilarejo. De Pitam Deurali sai a trilha para o campo base da montanha Mardi Himal, mas é preciso aclimatar ou já estar aclimatado pois ele está a 4500m de altitude. Num dos lodges vi pela primeira vez um dos painéis pintados a mão com um croqui da região e o tempo de percurso entre um vilarejo e outro. Esse tipo de painel de orientação aos trilheiros se tornaria muito comum dali em diante. A verdade é que não são muito precisos e os tempos variam de um para o outro. Seguiu-se uma longa e íngreme descida por escadarias de pedra que terminou às 12h05 numa estrada de terra, onde fui para a direita seguindo a placa de Tolka e Landruk. Passei pela minúscula Bherikharka, desci até uma ponte suspensa com piso de tábuas e subi à vila de Tolka, onde parei num dos primeiros lodges às 12h28 para almoçar um veg egg fried noodles no Popular Tourist Guest House com uma bonita vista do vale do Rio Modi. Retomei a caminhada às 13h10 pela estrada ainda (logo passou um jipe) e passei por mais casas e lodges do vilarejo. Às 13h24 fui à direita na bifurcação da estrada e 5 minutos depois subi numa trilha à direita com placa apontando Landruk. Passei pelo Ram Lodge e desemboquei na estrada de novo, indo para a direita e passando por mais um núcleo de casas da vila de Tolka. Cerca de 160m após essas casas desci uma escadaria à esquerda na direção do Lodge Sanctuary, abandonando por ora a estrada e tomando um atalho. Na descida em direção a um rio passei por uma sequência de lodges e fui à esquerda na bifurcação em T para evitar caminhar pela estrada. Cruzei a ponte suspensa com piso de tábuas às 14h06 e subi à esquerda até a estrada, onde fui para a esquerda. Passei por uma cachoeira à direita e depois por várias casas espalhadas pela estrada, com muitas plantações em terraços na encosta da margem esquerda (verdadeira) do Rio Modi. Às 14h41 desprezei uma placa apontando Chomrong e ABC à esquerda e continuei na estrada, mas 8 minutos depois subi uma escadaria de pedra à direita com placa "way to Landruk ABC", que me levou a uma ponte de concreto e uma trilha acima da estrada. Cheguei a Landruk às 14h55. Há muitos lodges ali e todos os donos/donas oferecem hospedagem, mas eu passei direto pois queria caminhar até o fim do dia. Cruzei o final da estrada por onde vinha caminhando e vi ali alguns jipes estacionados que devem ser jipes compartilhados com destino a Pokhara. A vila se espalha pela encosta da montanha e desci bastante por escadarias de pedra entre lodges. Às 15h10 fui à direita numa bifurcação com placa onde à esquerda se vai a Ghandruk (Ghandrung). Em 6 minutos desci a uma ponte suspensa de tábuas, mas ali tive uma emergência intestinal. Não sei se pela água estranha desse lugar, pelo óleo usado para cozinhar ou se comi algo estragado, mas a diarréia veio com tudo e tive que correr para o mato - felizmente havia mato... A água nesse trekking tem uma camada de óleo quando colocada na caneca para ferver, algo bem suspeito. Refeito da correria parei no riacho para comer alguma coisa. Continuei descendo às 15h39 e fui à direita numa bifurcação sem placa, passando por baixo de uma tubulação e entrando na mata ciliar do Rio Modi. Às 16h07 cruzei uma ponte suspensa mas antes desviei alguns metros à direita para fotografar uma bonita cachoeira no meio da mata. Descendo mais me aproximei da margem esquerda do Rio Modi, cujo vale era tão profundo quando o avistei pela primeira vez em Pitam Deurali. Ele é um importante rio da região e o seguirei até próximo de suas nascentes nos glaciares do maciço do Annapurna (Annapurna Himal). Ali a menor altitude do dia, 1378m. Atravessei sua mata ciliar, cada vez mais exuberante. Às 16h36 passei pela pequena vila de Himal Pani (com uma cachoeira) e cruzei a grande ponte suspensa sobre o Rio Modi, passando definitivamente para sua margem direita. Fui à direita ao final da ponte e à direita na bifurcação seguinte onde à esquerda se vai a Sewai, segundo a placa caída. Passei rapidamente por um deslizamento na encosta íngreme e cheguei à vila de New Bridge às 16h58. Perguntei nos três lodges que há ali e o melhor preço que consegui foi Rs100 (US$0,87) pelo quarto, no New Bridge Guest House. O banheiro ficava fora da casa e era no estilo oriental: uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. Um tambor com água e uma caneca servem para dar a descarga e para a higiene dos nepaleses já que eles não usam papel higiênico. A ducha a gás custava Rs100 (US$0,87). Para escovar os dentes havia torneiras na frente e nos fundos do lodge. Havia tomada no quarto, algo que eu só iria encontrar de novo em Ghandruk, no 8º dia da caminhada. Altitude em New Bridge: 1465m Preço do dal bhat: Rs 480 Preço do veg chowmein: Rs 350 A mais longa ponte suspensa que cruzei numa trilha no Nepal (em Samrung, entre New Bridge e Jhinu) 3º DIA - 26/11/18 - de New Bridge a Sinuwa Alta Duração: 4h45 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2328m Menor altitude: 1465m Resumo: nesse dia comecei a percorrer a encosta da margem direita do Rio Modi, como faria nos quatro dias seguintes. Subi até a vila de Chomrong (desnível de 763m), desci ao Rio Chomrong (desnível de 346m) e subi de novo a Sinuwa Alta (desnível de 446m) A mínima durante a noite dentro do quarto foi 12,3ºC. Às 7h50 da manhã estava 12,9ºC. De manhã com o céu limpo, da frente do lodge podia avistar as montanhas Annapurna Dakshin (Annapurna Sul), Moditse e Hiunchuli ao norte. Saí do lodge às 8h56 subindo na direção noroeste. Aos poucos fui passando temporariamente do vale do Rio Modi para o do Rio Kimrong, afluente da margem direita do Rio Modi. Às 9h23 avistei uma ponte suspensa enorme, a mais longa de todas que já tinha visto no Nepal. Era tão alta que torci para não ter que cruzá-la. Em 3 minutos cheguei à minúscula vila de Samrung, com poucas casas, nenhum lodge e muitas plantações em terraço. Ao passar por baixo da longa ponte vi uma placa apontando Jhinu, meu próximo destino, na direção da cabeceira do vale do Rio Kimrong e fiquei aliviado. Mas quis confirmar o trajeto com um rapaz carregador que estava ali perto e ele disse que Jhinu estava logo após a ponte, a placa apontava um caminho antigo. Não teve jeito, tive que enfrentar o medo de altura e cruzar a tal ponte, que devia ter mais de 250m de comprimento, com o Rio Kimrong láááá embaixo. Do outro lado subi à vila de Jhinu, aonde cheguei às 10h12. Há seis lodges. Não me interessei em descer até as águas termais porque seria uma penosa subida de volta. Na saída da vila passei por uma placa de "safe drinking water", que é um programa do ACAP de disponibilizar água tratada para os trilheiros e diminuir assim a poluição ambiental com garrafas plásticas, porém o preço do litro não é um grande incentivo (entre Rs100 e Rs130 = US$0,87 e US$1,13). De Jhinu a Chomrong as escadarias de pedra vieram com tudo e para quebrar os joelhos mesmo. De tantos relatos que eu li antes dessa viagem nenhum enfatizava isso: as escadarias de pedra são de matar! Um ou dois bastões são imprescindíveis para distribuir o peso e não arrebentar os joelhos. Cheguei às primeiras casas de Chomrong às 11h26 e parei para descansar por meia hora. Dali se avistava a nordeste o Hiunchuli, Annapurna III (42º mais alto do mundo), Gandharwa Chuli, Machapuchare e Mardi Himal. Nesse local há uma bifurcação, onde fui para a direita nesse dia (para Sinuwa); na volta eu tomaria a direção de Ghandruk, que é a trilha da esquerda nesse momento. Retomando a caminhada, subi mais escadarias e a visão se abriu também para o pico Annapurna Dakshin (Annapurna Sul) ao norte. Atravessei mais um grupo de lodges, depois uma pequena mata e cheguei à parte mais alta de Chomrong. A partir daí é uma descida beeem longa passando por muitos lodges e com uma paisagem estonteante do vale e das montanhas mencionadas. Chomrong tem um total de 14 lodges! Parei às 12h33 para almoçar no Lucky Guest House e o veg egg fried noodles estava salgado demais. Voltei à caminhada às 13h13 e continuei descendo. Passei direto pelo check post do ACAP porque não estava com paciência de tirar as permissões de dentro da mochila. Às 13h37 passei por uma vendinha que se autointitula trekkers wholesale store e existe desde 1981, mas com preços caros como qualquer outra da região. Por ali deu para notar a grande extensão dos campos cultivados em terraços desse vilarejo. Às 13h44 fui à direita numa bifurcação e 2 minutos depois à esquerda em outra bifurcação, ambas com placa "ABC". As últimas casas de Chomrong foram ficando para trás e às 14h02 a descida terminou na ponte suspensa sobre o Rio Chomrong, outro afluente da margem direita do Rio Modi. A má notícia é que agora começava uma outra escadaria sem fim, desta vez para cima. Subi feito um pagador de promessa, passei pela minúscula Tilche com suas plantações em terraços e parei às 14h40 na frente de um lodge em Sinuwa Baixa (Bhanuwa) para descansar por 12 minutos. Continuei a subida e a escadaria só terminou em Sinuwa Alta às 15h38. A vila de Bamboo ainda estava 1h30 à frente e resolvi parar ali mesmo. Há apenas três lodges em Sinuwa Alta. Perguntei no Sinuwa Lodge e a dona me fez o quarto de graça desde que eu fizesse as refeições ali. O banheiro era no estilo oriental e fora da casa, exposto ao frio. Havia uma torneira na frente do banheiro para escovar os dentes e se lavar. A ducha a gás custava Rs200 (US$1,74) e a carga de baterias Rs100 (US$0,87). Para meu espanto havia ao lado do banheiro uma lavadora de roupa LG - como aquilo foi carregado até aquela lonjura? Num dos outros lodges de Sinuwa Alta vi pela primeira vez um dos purificadores de água de osmose reversa doados por uma empresa do Texas, também na tentativa de diminuir o lixo plástico nas trilhas e povoados. O litro custava Rs100 (US$0,87). Na hora do jantar conheci dois holandeses que estavam caminhando com uma espanhola e também um casal chinês. Todos eu iria reencontrar nos lodges dali em diante. Mas o que me chamou a atenção mesmo foi a quantidade de coreanos na trilha. Muitos lodges têm inclusive pratos coreanos no cardápio, ou seja, eles devem ser habitués mesmo nesse trekking. Altitude em Sinuwa Alta: 2328m Preço do dal bhat: Rs 540 Preço do veg chowmein: Rs 450 Macaco langur na trilha 4º DIA - 27/11/18 - de Sinuwa Alta a Deurali Duração: 5h40 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3195m Menor altitude: 2281m Resumo: nesse dia continuei a subir pela encosta da margem direita do Rio Modi, porém agora por agradáveis bosques. Na vila de Deurali, acima dos 3000m de altitude, começou a aparecer a neve. A mínima durante a noite dentro do quarto foi 12,4ºC. Às 6h45 da manhã estava 13,5ºC. De manhã com o céu limpo, da frente do lodge podia avistar as montanhas Annapurna III (42º mais alto do mundo), Gandharwa Chuli e Machapuchare a nordeste. Saí do lodge às 8h35 na direção nordeste ainda pela encosta da margem direita (verdadeira) do Rio Modi. As plantações em terraço de agora em diante dão lugar à mata nativa e a caminhada se torna bastante prazerosa, com algumas fontes de água pelo caminho (que deve sempre ser tratada, conforme explico no "Pequeno guia"). Despontam no meio do bosque os rododendros, porém sua bonita floração só acontece em março e abril. O rododendro é a flor nacional do Nepal e aparece até como marca-d'água das cédulas de rupia. Mas para desespero geral as longuíssimas escadarias de pedra voltam à cena, neste momento descendo (e já penso como será a volta...). Pouco antes da vila de Bamboo há um pequeno templo de pedra com bandeirinhas de oração budistas e lenços cerimoniais. Um fato curioso: ali duas grandes placas advertem para que os caminhantes não carreguem carne nessa área de Sinuwa a ABC por ser um lugar sagrado, chamado por isso de Santuário Annapurna (mais curioso é que carne de bode e de carneiro pode...). Caso contrário calamidades naturais e acidentes pessoais podem ocorrer! Nessas placas a menor altitude do dia, 2281m. Passei por Bamboo às 10h, com cinco lodges. A trilha percorre a sombra da mata novamente. Cruzei uma ponte de troncos e na segunda ponte de troncos, às 10h27, parei por meia hora para descansar e comer alguma coisa. O trecho seguinte tem mais fontes de água. Cheguei a Dovan às 11h35 e a primeira vista da vila com o cume nevado do Machapuchare ao fundo lembrava uma bela paisagem dos Alpes. Passei pelos três lodges de Dovan e após cruzar mais alguns riachos parei em Dovan Alto às 11h58 para almoçar um egg veg fried noodles. Continuei pela mata às 12h41. Vários riachos depois parei para fotografar um grupo de macacos langur que estava bem à vontade mesmo com a presença de um grande grupo de trilheiros que parou para observá-los. Exatamente no local onde eles estavam ficava outro pequeno templo de pedra repleto de lenços cerimoniais bem no meio da floresta. A placa na entrada da vila de Dovan alertava para não cuspir ou deixar lixo próximo a esse templo. Cerca de 170m após o templo a trilha bifurca e tanto faz o lado que se tome pois se encontram mais à frente, porém o lado da esquerda é uma escadaria que se pode evitar. Aliás a última das intermináveis escadarias! Ao sair da mata se tem uma bonita vista do Rio Modi com a vila de Himalaya pendurada na encosta à sua esquerda. Cheguei a Himalaya às 13h54 e há apenas dois lodges ali. Descansei por 15 minutos e continuei, agora por uma mata menos densa que permite ver enormes cachoeiras despencando do paredão na outra margem do Rio Modi. Numa bifurcação às 14h27 subi à esquerda pois a direita leva a uma casa logo abaixo. A mata vai ficando cada vez mais rala nesta altitude já passando dos 2900m e a vegetação passa a ser predominantemente de bambus. Às 15h15 cheguei à Gruta Hinku, na verdade apenas um abrigo rochoso, de onde se avista a vila de Deurali. No caminho adiante duas grandes cachoeiras despencam do paredão à esquerda. A primeira enche de lama um deslizamento de pedras, a segunda forma um rio que se cruza através de alguns bambus que servem como ponte, mas com muito cuidado pois logo à direita há uma queda-d'água. Após uma bonita cachoeira em degraus à esquerda da trilha, cheguei a Deurali às 16h, porém continuei até a parte mais alta da vila, onde está o Deurali Guest House, o último dos quatro lodges. Busco sempre os últimos lodges do vilarejo pois costumam ser mais vazios, a maioria dos trilheiros chegam cansados e param no primeiro lodge onde encontram vaga. No Deurali Guest House negociei o quarto de graça, mas o dono me avisou que eu talvez tivesse que dividir com alguém que chegasse mais tarde. O banheiro ficava fora e era no estilo oriental. Para escovar os dentes havia uma mangueira na frente do lodge, onde todo mundo passa. A ducha quente custava Rs250 (US$2,17) e a carga de baterias Rs200 (US$1,74). Um rolo de papel higiênico custava "só" Rs300 (US$2,60). Estavam hospedados ali também o casal holandês e a espanhola que conheci na noite anterior. Quando já caía a noite apareceu o chinês, mas estava sem a namorada. O dono do lodge mandou-o para o quarto onde eu estava. Ele se chamava Fei. Sua namorada voltou de Sinuwa para Bamboo pois as intermináveis escadarias fizeram estrago em seu joelho e ela não quis ir adiante. Foi a primeira vez que dividi o quarto com um total desconhecido durante as caminhadas no Nepal, mas isso iria se repetir nas noites seguintes. Imagino que durante a alta temporada (outubro) muita gente deve dormir no refeitório por falta de quarto. Nesse dia fiquei na expectativa de que o dono do lodge me procurasse no quarto a qualquer momento e não fervi o meu 1,5 litro de água para o dia seguinte (eles proíbem o uso de fogareiro no quarto porque tudo é de madeira, inclusive paredes e teto). Tive de usar o Micropur, que deixa gosto muito ruim na água. Nesse trekking do Annapurna e Poon Hill não me hospedei em nenhum lodge que tivesse o aquecedor a lenha ou esterco de iaque no centro do refeitório como nos trekkings do Everest e Langtang. O uso de lenha é proibido acima de Chomrong e iaques não há (eu não vi, pelo menos). O que se usa é um aquecedor a querosene embaixo da mesa comprida do refeitório, mas que só é aceso no inverno (a um custo de Rs200 = US$1,74 este de Deurali), ou seja, muito frio na hora do nosso jantar. Em Deurali havia bastante neve acumulada em alguns pontos, e até um pouco antes na trilha já havia manchas de neve também. Era possível ver também uma enorme área de neve na encosta deste lado do rio na direção do ABC e já fiquei pensando como seria atravessá-la no dia seguinte. Altitude em Deurali: 3195m Preço do dal bhat: Rs 620 Preço do veg chowmein: Rs 480 Campo Base do Annapurna e as montanhas Annapurna III (42º mais alto do mundo) e Gandharwa Chuli 5º DIA - 28/11/18 - de Deurali ao Campo Base do Annapurna (ABC) Duração: 4h (descontadas as paradas) Maior altitude: 4121m Menor altitude: 3179m Resumo: nesse dia o vale do Rio Modi afunila bastante e com isso passo a caminhar mais próximo dele, subindo (um desnível de 942m) entre altos paredões com risco de avalanche. No Campo Base do Machapuchare a trilha dá uma guinada de norte para oeste e já se entra numa paisagem de alta montanha, acima dos 4000m de altitude. A mínima durante a noite dentro do quarto foi 7,2ºC. Às 6h55 da manhã estava 8,7ºC. Fei saiu bem cedo pois pretendia ir ao ABC e voltar a Bamboo, onde estava sua namorada, no mesmo dia. Calculou mal as distâncias e não conseguiu fazer tudo isso num dia só. Encontrei-o no meio do caminho para o Campo Base do Machapuchare (MBC, na sigla em inglês) já voltando, não chegou até o ABC. Saí do lodge às 8h40 na direção nordeste e desci até próximo da margem direita do Rio Modi. Aqui a trilha se aproxima do rio pois os altos paredões estão cada vez mais próximos e mais verticais, formando quase um cânion. Uma placa logo no início alerta para o risco de avalanches. O perigo é real, alguns trilheiros e guias já morreram vitimados pela neve que desceu da montanha Hiunchuli, invisível deste ponto profundo do vale. O risco é maior após nevascas e fortes chuvas. Ali a menor altitude do dia, 3179m. Havia várias manchas de neve ao lado da trilha e logo cheguei àquela grande área de neve que avistava do lodge (talvez restos de alguma avalanche). Apesar de haver um caminho bem marcado na neve algumas pessoas estavam passando com dificuldade, mas não achei tão complicado. O bastão ajuda a manter o equilíbrio pois pode-se escorregar na neve ou nas pedras molhadas embaixo dela. A primeira grande faixa de neve tinha cerca de 55m de comprimento, logo em seguida vinha outra de 30m, depois uma curtinha de 10m e mais à frente mais uma de 30m. Nesse trecho se avista o cume do Machapuchare à direita, numa fresta dos paredões, e é o ponto onde o trekking mais se aproxima dele. Na cabeceira do vale se destaca o Pico Asapurna. Às 9h53 cruzei mais uma faixa de neve, mas logo depois alcancei uma área ensolarada e tive de tirar todas as roupas quentes que vestia. Seguiu-se uma longa ladeira onde as poucas árvores que ainda havia desaparecem de vez pela altitude acima dos 3600m. No alto avistei o primeiro lodge do Campo Base do Machapuchare (MBC) com os picos Asapurna e Gangapurna à direita. Às 10h57 passei pela escadaria que dá acesso a esse lodge, Gangapurna Guest House, mas em vez de subi-la continuei pela trilha à esquerda. Esse lodge fica separado dos outros quatro desse vilarejo, que se encontram mais acima, numa altitude de 3697m. Passei por eles 12 minutos depois a caminho do ABC. A quantidade de neve acumulada aqui já é bem grande e na horta nem os repolhos resistiram ao frio. Nas montanhas ao fundo (nordeste) dos lodges do MBC ainda se avista o Gangapurna e agora já se vê à sua direita o Pico Annapurna III (42º mais alto do mundo). A sudeste começa a se destacar o Machapuchare. À frente já se veem Hiunchuli (sudoeste), Moditse (oeste) e Annapurna Fang (Bharha Chuli)(noroeste). Todo o ambiente ao redor agora é de alta montanha, com vegetação rasteira e nenhuma árvore. A altitude de 3697m do MBC e a elevação de mais 424m até o ABC levam muita gente a optar por passar a noite no MBC e ir ao ABC na manhã seguinte bem cedo, evitando assim eventuais problemas com a altitude. Eu já vinha de outros trekkings de maior altitude por isso não me preocupei tanto com a aclimatação neste. Para saber mais sobre a importância da aclimatação e os riscos de não fazê-la sugiro ler este tópico no "Pequeno guia". O nome Campo Base do Machapuchare faz crer que há expedições de ascensão a essa montanha, porém ela foi escalada apenas uma vez em 1957 e os escaladores não chegaram a pisar no cume. Depois disso ela foi fechada pois é considerada sagrada para os hindus, associada com o deus Shiva. A subida em direção ao ABC continuou pela moraina lateral do Glaciar Annapurna Sul, um dos formadores do Rio Modi. Entre o Annapurna III e o Machapuchare foi aparecendo o Pico Gandharwa Chuli a leste-nordeste. O Annapurna I começou a ficar visível a noroeste à medida que eu subia mas com o cume um pouco encoberto pelas nuvens. Ele é o 10º mais alto do mundo e estatisticamente a montanha mais perigosa que existe, mas continua sendo escalado. Às 12h39 alcancei finalmente as três placas que saúdam e parabenizam pela chegada ao Campo Base do Annapurna! Dali foi subir mais 5 minutos para chegar aos 4 lodges do ABC. Altitude de 4121m. Havia muita neve já endurecida acumulada aos redor dos lodges. Iacof, um dos holandeses, já estava hospedado no Snow Land Lodge e dividi o quarto com ele. O quarto saiu a Rs100 (US$0,87) para cada um. Os banheiros ficavam no fim da varanda aberta ao frio, estilo oriental os dois. Não havia uma torneira fora para escovar os dentes. Ducha a gás ou banho quente de balde por Rs350 (US$3,04). Embaixo da mesa comprida do refeitório também havia um aquecedor a querosene, mas usado só no inverno (taxa de Rs250=US$2,17). Almocei um dal bhat e à tarde fui ao mirante a 130m do lodge de onde se avista bem abaixo o enorme Glaciar Annapurna Sul, todo coberto de pedras, e onde há diversos memoriais a escaladores mortos naquelas montanhas, sendo talvez o mais famoso o do russo Anatoli Boukreev, falecido em 1997. Iacof não se importou que eu usasse o fogareiro dentro do quarto para ferver a minha água do dia seguinte. Pelo contrário, ele aceitou a minha oferta e encheu suas garrafinhas também. Afinal água quente naquele frio todo não era algo para se recusar. Às 17h30 estava 1,9ºC fora do lodge. Altitude no Campo Base do Annapurna: 4121m Preço do dal bhat: Rs 670 Preço do veg chowmein: Rs 580 Picos Gandharwa Chuli e Machapuchare com o pequeno Campo Base do Machapuchare abaixo 6º DIA - 29/11/18 - do Campo Base do Annapurna a Himalaya Duração: 4h (descontadas as paradas) Maior altitude: 4121m Menor altitude: 2847m Resumo: nesse dia iniciei a descida de volta a Chomrong para dali seguir para Ghandruk. De ABC a Himalaya o desnível foi de 1274m. A mínima durante a noite dentro do quarto foi 1,9ºC. Às 7h da manhã estava 3,7ºC. Às 7h15 fora do quarto estava 1,1ºC. O meu problema de insônia acima dos 4000m de altitude voltou e passei horas acordado esta noite. Esse é o único sintoma que tenho do Mal de Altitude (AMS, em inglês). Todos que estavam hospedados no Campo Base do Annapurna esperavam por esse momento. Todo mundo saiu no frio de quase 0ºC às 6h30 da manhã para fotografar e admirar os primeiros raios do sol iluminando os picos do maciço do Annapurna (Annapurna Himal). O dia amanheceu com céu limpo e o espetáculo foi incrível, a recompensa depois de 5 dias de caminhada subindo e descendo escadarias sem fim. Mesmo com o céu quase todo limpo o cume do Annapurna I (10º mais alto do mundo) não deu as caras essa manhã, escondido atrás de nuvens que não dissipavam. O panorama a partir do ABC era: Hiunchuli a sudoeste, Moditse a oeste, Annapurna Fang (Bharha Chuli) e Annapurna I a noroeste, Kangshar Kang (Roc Noir), Singu Chuli (Fluted Peak), Tarke Kang (Glacier Dome) e Tharpu Chuli (Tent Peak) ao norte, Annapurna III (42º mais alto do mundo) e Gandharwa Chuli a nordeste e Machapuchare (Fish Tail) a sudeste. O profundo Glaciar Annapurna Sul parecia uma grande cicatriz interligando essas imensas montanhas. Além dos memoriais visitados no dia anterior, nesse dia encontrei um outro em homenagem a três coreanos mortos numa expedição em 2011. Depois me disseram que esse era o motivo de haver tantos coreanos percorrendo essa trilha. Talvez... Por volta de 10h começou o festival de helicópteros pousando na vila para os passageiros endinheirados fotografarem aquelas montanhas sem ter que dar nem um passo. E adivinha de onde era a maioria? Às 12h26 peguei minha mochila no lodge e iniciei a caminhada de volta a Chomrong e de lá rumo a Ghandruk, aonde chegaria dois dias depois. Desci pela moraina lateral do Glaciar Annapurna Sul parando muitas vezes para fotos, passei por MBC às 14h02, voltei ao cânion do Rio Modi, passei novamente por aquelas cinco línguas de neve e alcancei Deurali às 15h53. A neblina chegou. Passei pela Gruta Hinku às 16h25, reentrei na mata de bambus e cheguei à vila de Himalaya às 17h. Dovan Alto ainda estava a 1h dali e tive de parar pois não daria tempo de chegar com luz do dia. O problema é que Himalaya tem apenas dois lodges e estavam quase lotados. Consegui um quarto sozinho por Rs200 (US$1,74) no Himalaya Guest House mas logo chegou um casal (ela francesa e ele italiano) e tive que dividir pela terceira noite seguida. Mas eles não se importaram de eu acender o fogareiro no quarto para ferver a água do dia seguinte. O banheiro ficava fora do lodge, no estilo oriental e com ducha a gás por Rs200 (US$1,74). Não havia torneira no quintal para escovar os dentes. A carga de baterias custava Rs100 (US$0,87) e o wifi Rs300 (US$2,60), mas o italiano disse que não funcionou nem à noite nem de manhã. O outro lodge se chama Himalaya Hotel, nomes bem criativos. Ali se dorme ouvindo o barulho forte do Rio Modi logo abaixo. Altitude em Himalaya: 2847m Preço do dal bhat: Rs 620 Preço do veg chowmein: Rs 480 Vila de Dovan com o Pico Machapuchare ao fundo 7º DIA - 30/11/18 - de Himalaya a Chomrong Duração: 5h40 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2847m Menor altitude: 1888m Resumo: nesse dia continuei o retorno descendo pela margem direita do Rio Modi até o Rio Chomrong e subindo até a vila homônima Às 7h45 da manhã estava 10,5ºC dentro do quarto. Apesar de já ter baixado 1274m desde o ABC, não dormi bem de novo. Passei horas acordado esta noite também. Saí do lodge às 9h16 na direção sudoeste ainda refazendo meus passos pela margem direita do Rio Modi. Reentrei na mata e reencontrei as escadarias. Passei por Dovan Alto às 10h23, por Dovan às 10h55 (com bonita vista do Machapuchare para trás) e parei às 11h56 nos primeiros lodges de Bamboo pois ali há sinal da NCell e eu precisava mandar mensagens para a família de que estava vivo. Por 44 minutos descansei e comi as bolachas que tinha na mochila (meu intestino ainda não estava bom). Continuei às 12h40. Após Bamboo vêm as piores escadarias. Na primeira, logo depois da vila, se sobe tanto que o Rio Modi acaba ficando bem distante, muito abaixo. Saí definitivamente da mata ao chegar a Sinuwa Alta às 14h28. Descansei por 8 minutos para enfrentar a interminável escadaria até o Rio Chomrong. Passei por Sinuwa Baixa (Bhanuwa) às 15h05 e às 15h31 a longa escadaria terminou na ponte suspensa do Rio Chomrong. Ali a menor altitude do dia, 1888m. Agora vinha a enorme subida para a vila de Chomrong, minha parada nesse dia. A vantagem de dormir ali é a farta quantidade de lodges, são 14. Cruzei com uma tropa de mulas pela primeira vez nesse trekking (no trekking Shivalaya-Namche elas eram um terror na trilha), mas iaque não vi nenhum. Subi bastante e ia passar direto pelo check post do ACAP às 16h14, mas um guia me chamou insistentemente para fazer o checkout. O guardinha não conferiu no livro se eu havia me registrado na ida. De tantos lodges quase vazios em Chomrong escolhi o Chhomrong Cottage, 3 minutos após o check post, e quem eu encontro hospedado lá? Fei, o chinês, agora com a namorada. Porém estava bem mal, com febre e diarréia líquida. Dei-lhe um Imosec e sais de reidratação oral que tinha na minha farmacinha, ele ficou muito agradecido. Negociei com a simpática dona do lodge o quarto por Rs100 (US$0,87) e ela ofereceu de graça a ducha quente, da qual eu necessitava muito. O banheiro era no estilo oriental no térreo e com vaso sanitário no primeiro andar, onde eu fiquei. Porém ambos no corredor aberto ao frio. Junto a eles um lavatório para escovar os dentes, coisa rara. A carga de baterias custava Rs100 (US$0,87) e o wifi Rs200 (US$1,74). Altitude em Chomrong: 2159m Preço do dal bhat: Rs 520 Preço do veg chowmein: Rs 400 Picos Annapurna Dakshin (Annapurna Sul) e Hiunchuli ao amanhecer em Chomrong 8º DIA - 01/12/18 - de Chomrong a Ghandruk Duração: 4h20 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2261m Menor altitude: 1791m Resumo: nesse dia abandonei o trekking ABC e iniciei uma conexão por trilhas para o trekking Poon Hill. Essa conexão durou três dias e nesse primeiro dia fiz um desvio para o sul para conhecer a vila de Ghandruk. De Chomrong desci ao Rio Kimrong (desnível de 470m), subi até a vila de Komrong Danda (desnível de 430m) e desci novamente até Ghandruk (desnível de 224m) A mínima durante a noite dentro do quarto foi 10,9ºC. Às 7h10 da manhã estava 11ºC. Às 6h50 os primeiros raios de sol iluminavam os picos Annapurna Dakshin (Annapurna Sul) e Hiunchuli, num lindo espetáculo. Me despedi do Fei e sua namorada pois iam até a vila de Matkyu tomar o ônibus para Pokhara. Saí do lodge às 9h28 na direção sul, subindo o restante das escadarias até a parte mais alta de Chomrong, onde consegui sinal da NCell para poder trocar mensagens. Desci em seguida passando pelos outros lodges da vila e cheguei às 9h50 à bifurcação para Ghurjung, Kimrong Khola (Kimrung Khola), Tadapani e Ghandruk à direita, com Jhinu à esquerda (de onde vim no 3º dia). Parei para tirar a roupa mais quente e segui à direita nessa bifurcação (rumo noroeste) cruzando muitos campos cultivados em forma de terraço. Uma outra alternativa para ir a Ghandruk seria tomar a esquerda na bifurcação, descer àquela ponte enorme do 3º dia, cruzá-la e tomar a trilha que sobe em frente e à esquerda, mas desconfio que esse caminho tem estradas (e eu odeio andar em estrada!) Num suave sobe-e-desce para oeste passei por duas fontes de água e às 10h54 subi uma escadaria (de novo não...) que terminou na frente de um lodge, iniciando logo a longa descida ao Rio Kimrong. Ali a maior altitude do dia, 2261m. Às 11h04 me deparei com uma bifurcação sem placa e fui para a direita, evitando a escadaria de pedras que descia à esquerda. Uns 50m depois outra trilha descendo à esquerda. Pensei em continuar à direita mas esperei um grupo que vinha na direção contrária chegar para perguntar. Me disseram que aquele caminho à direita ia para Ghurjung e depois Tadapani. Mas eu queria ir para Ghandruk primeiro, então deveria descer a escadaria da primeira bifurcação ou a trilha da segunda. Optei pela escadaria e voltei até ela, tomando-a para a direita. Mas logo os degraus acabaram e a trilha a seguir era de terra fina solta, uma poeira só! E claro que nessa hora surgiu do nada uma tropa de mulas para me atazanar. Não podia deixá-las passar pois iam me fazer comer muita poeira, então tive de acelerar a descida. Numa bifurcação mais abaixo fui à esquerda mas tanto faz pois logo se fundem os dois caminhos de novo. Avistei lá embaixo no Rio Kimrong a ponte suspensa que teria de cruzar para subir a Komrong Danda e depois descer a Ghandruk. A descida continuou por escadarias e as mulas atrás. Às 11h43 apareceu uma outra escadaria à esquerda, mas era estreita e não estava sinalizada, então continuei descendo pela trilha principal mesmo. Mas depois de 200m vi que estava me distanciando da ponte e a trilha não dava sinais de que ia quebrar para a esquerda na sua direção. Resolvi voltar. Deixei as mulas passarem e subi um pouco de volta, tomei a estreita e íngreme escadaria (à direita agora) e desci rapidamente à vila de Kimrung Khola, com suas plantações em terraços. Parei ali às 12h04 para almoçar um veg egg fried noodles na Kimrung Guest House. O cozinheiro era muito atencioso e conversamos sobre a bonita horta que ele tinha nos fundos do lodge. Saí às 12h50 e terminei de descer até a ponte suspensa com piso de tábuas sobre o Rio Kimrong. Ali a menor altitude do dia, 1791m. Ao final dela fui para a esquerda e logo começou uma longuíssima subida até a vila de Komrong Danda, inicialmente por uma escadaria mas depois felizmente por trilha mesmo. Às 13h13 cruzei uma porteira de varas (coisa muito rara hoje no Brasil) com uma placa "way to Ghandruk" torta, depois atravessei um riacho por troncos. Na bifurcação às 13h38 uma placa apontava Ghandruk para a direita. E dá-lhe subida! Alcancei Komrong Danda às 14h24 e avistei Ghandruk pela primeira vez. Há 4 lodges nessa vila e a altitude é de 2221m. Logo iniciei a longa descida em direção a Ghandruk, em parte por escadarias de pedras até com corrimão. Às 15h06 entrei numa mata e 5 minutos depois cruzei uma ponte suspensa (com a antiga ponte de troncos ao lado). A trilha dá uma guinada para a esquerda (leste) e às 15h23 notei uma longuíssima escadaria subindo à direita ao lado de uma pequena stupa. A trilha dali em diante estava interrompida por uma obra então subi pelo desvio à direita. Logo apareceu uma escadaria à direita e subi por ela, chegando aos primeiros lodges de Ghandruk às 15h29. Parei no Bishow Guest House pois achei um lugar bem tranquilo e não me arrependi. Depois descobri que a grande maioria dos lodges se concentrava no centro da vila, que fica mais ao sul, mas talvez por ser um sábado havia muitos grupos de adolescentes fazendo festas por ali, e eu queria sossego. Alguém me disse que havia cerca de 40 lodges em Ghandruk. O Bishow Guest House fica perto da parte mais antiga do vilarejo, onde as casas têm uma linda arquitetura muito característica, com varandas na frente, janelas trabalhadas e telhados de pedra. A visão desse conjunto de casas de cima lembra uma cidade medieval, muito bonito, uma das melhores surpresas dessa caminhada. Valeu muito a pena o grande desvio que fiz para conhecer Ghandruk. Pena que a neblina não me deixava ver as montanhas, mas dali se avistam (de norte para nordeste) Annapurna Dakshin (Annapurna Sul), Moditse, Hiunchuli, Gangapurna, Annapurna III (42º mais alto do mundo) e Machapuchare. Esse lodge já era praticamente um hotel, dispondo de quartos com banheiro privativo. Eu negociei o preço do quarto de graça fazendo as refeições ali e o rapaz me ofereceu um quarto com banheiro compartilhado. Eu era o único hóspede. O banheiro tinha vaso sanitário com descarga acoplada (mas não funcionava), lavatório com espelho e ducha a gás grátis. Tomada no quarto e wifi por Rs100 (US$0,87). Dei um giro pelo centrinho do lugar e visitei o Museu Old Gurung (Rs75 = US$0,65), bem pequeno mas interessante, com utensílios, instrumentos musicais e roupas do grupo étnico que habita essas montanhas, os gurungs. Ghandruk é o segundo maior povoado gurung no Nepal. Ao ferver a água que peguei da torneira do banheiro apareceu uma sujeira estranha, pedacinhos brancos esquisitos por cima da água. Não quis filtrar aquilo. Pedi a água da cozinha, fervi e estava um pouco melhor, mas continuava turva e tive de filtrar depois. Altitude em Ghandruk: 1997m Preço do dal bhat: Rs 450 Preço do veg chowmein: Rs 400 A incrível vila de Ghandruk 9º DIA - 02/12/18 - de Ghandruk a Tadapani Duração: 3h (descontadas as paradas) Maior altitude: 2684m Menor altitude: 1967m Resumo: nesse dia continuei a conexão entre os trekkings ABC e Poon Hill encarando uma subida longa e constante por florestas de rododendros até Tadapani, num desnível de 717m Às 7h25 da manhã estava 11,9ºC. De manhã a neblina continuava e nada de montanhas. Dei mais uma passeada pelo centro de Ghandruk antes de iniciar a caminhada do dia. Fui conhecer o Centro de Artesanato, onde uma simpática moça me mostrou seus bonitos trabalhos no tear - roupas e tecidos confeccionados na mais pura tradição gurung. No caminho passei por uma bifurcação com placa em que à direita se vai a Tadapani, meu destino nesse dia. Depois fui ao German Bakery tomar um café e beliscar alguma coisa, mas tudo o que eu pedi estava ruim: café aguado, rolinho de canela seco e torta de maçã com gosto esquisito. Depois pensei em ir ao Templo Meshram Barah, mas quando vi a enorme escadaria que teria de subir questionei se valia a pena (mais tarde descobri que há três templos com esse nome no vilarejo). Em vez disso fui ao Museu Gurung and Old Gurung Culture (Rs75 = US$0,65 de entrada também), menos interessante que o Museu Old Gurung que havia visitado no dia anterior. Já estava voltando ao lodge quando vi alguns ônibus estacionados num descampado logo abaixo da vila e enfim descobri onde era o ponto final deles. Havia perguntado a duas pessoas onde era, mas eles são extremamente confusos para explicar e me disseram que eu teria que andar muito... Fui até lá perguntar os horários (só por curiosidade) e vi que no caminho eles passam por Birethanti e Nayapul, onde eu vou terminar esse trekking. Depois saí procurando o Centro de Visitantes do ACAP e acabei descobrindo onde era. O mais interessante ali é o filme que eles projetam três vezes ao dia (11h, 13h e 15h) de domingo a sexta-feira, mas eu não pude esperar porque tive receio de não dar tempo de chegar a Tadapani (teria dado). Em frente há um posto de saúde, informação importante para quem possa estar com algum problema de saúde, embora Pokhara esteja há poucas horas de ônibus dali e tem bons hospitais e clínicas. Na volta ao lodge ainda caminhei pelas ruelas da parte antiga da cidade, aquela que parece medieval, e realmente é um lugar muito especial. Voltei ao lodge para pegar a mochila e o rapaz me disse que eu poderia tomar outro caminho a Tadapani, voltando por onde cheguei no dia anterior e subindo a longuíssima escadaria ao lado da pequena stupa, e foi o que fiz. Saí do lodge às 12h13 na direção noroeste. Passei pelo desvio da trilha interrompida e cheguei à escadaria. Ali a menor altitude do dia, 1967m. Respirei fundo porque seriam centenas de degraus morro acima. Cruzei uma bonita plantação de chá e às 12h50 cheguei ao topo, onde está um dos três templos Meshram Barah e uma torneira com água. O caminho continuava à esquerda e voltava a sinalização de duas faixas horizontais branca e vermelha. A escadaria termina ali e a subida continua por uma trilha. Às 13h09 cheguei a uma bifurcação em frente ao Jungle Paradise Guest House, um lodge isolado: à esquerda se volta à vila de Ghandruk, exatamente naquela bifurcação com placa que vi de manhã, à direita se vai a Tadapani, minha meta desse dia. A trilha nivela. Cruzei uma ponte de madeira, passei pelo lodge Lonely Planet (também isolado) e a vegetação vai ficando mais densa. Às 14h14 cruzei uma ponte de concreto e subi uma escadaria de pedra com corrimão. Passei por uma cachoeira à esquerda da trilha e subi uma longa escadaria com outra cachoeira à direita. Às 14h56 passei pelo minúsculo vilarejo de Bhaisi Kharka, com dois lodges. A subida continua e entro numa extensa floresta de rododendros, a primeira mata só de rododendros desse trekking. Esse lugar deve ficar incrivelmente bonito na floração dessa árvore em março e abril. Avisto alguns macacos no alto. Às 15h34 entronca uma trilha que sobe da direita vindo de Komrong Danda, segundo a plaquinha amassada com um croqui. Ela tem uma sinalização pintada nos troncos de duas faixas também, porém branca e azul. Subi mais um pouco e às 15h51 alcancei o vilarejo de Tadapani, com 10 lodges. Ia passando direto pelo primeiro lodge, Himalaya Tourist Guest House, mas a garota me chamou. Perguntei-lhe se faria o quarto de graça se eu fizesse as refeições ali e ela aceitou (mas depois sua mãe veio me pedir para não comentar isso com ninguém, como eles sempre fazem). Os banheiros ficavam no corredor aberto ao frio: um com vaso sanitário com descarga acoplada e outro no estilo oriental. Lavatório no corredor. Ducha quente por Rs200 (US$1,74), wifi por Rs200 (US$1,74) e carga de baterias por Rs100 (US$0,87) (mas deixaram de graça). Dei uma passeio pela vila para ver os outros lodges. Há uma estação de água potável e muito artesanato à venda, mas quase ninguém para comprar... Altitude em Tadapani: 2684m Preço do dal bhat: Rs 600 Preço do veg chowmein: Rs 400 Vista do mirante Poon Hill ao amanhecer: Gurja Peak, Dhaulagiri VI, Dhaulagiri IV, Dhaulagiri V, Dhaulagiri III, Dhaulagiri II, Dhaulagiri I (7º mais alto do mundo) e Tukuche 10º DIA - 03/12/18 - de Tadapani a Ghorepani Duração: 4h20 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3201m Menor altitude: 2504m Resumo: nesse dia alcancei a vila de Ghorepani e concluí a conexão entre os trekkings ABC e Poon Hill. Saindo de Tadapani desci a um rio e encarei mais uma longa subida até Deurali (desnível de 697m) pela mata junto a outro rio. Após Deurali percorri uma crista com neblina (perdi o visual) e desci a Ghorepani (desnível de 397m) A mínima durante a noite dentro do quarto foi 5,5ºC. Às 8h da manhã estava 7ºC. De manhã, com muitas nuvens, da frente do lodge se avistava com dificuldade o Annapurna III (42º mais alto do mundo), Gandharwa Chuli e Machapuchare a nordeste. Saí do lodge às 9h23 na direção oeste, seguindo a placa de Ghorepani e descendo por uma trilha calçada. Parei para colocar mais roupas porque dentro da floresta de rododendros estava muito frio. A descida se transformou numa escadaria e às 9h50 cruzei uma ponte de concreto. Logo depois dela a menor altitude do dia, 2504m, e em seguida a escadaria de pedras que inicia a exaustiva subida para Deurali. Às 10h16 alcancei o primeiro lodge da vila de Banthanti, que é dividida em três núcleos. Parei por 9 minutos para descansar da subida. Cerca de 280m adiante passei pelo segundo núcleo, cruzei uma ponte de concreto sobre um riacho e depois uma de madeira no terceiro núcleo de Banthanti. No total são 6 lodges nessa vila. A trilha sobe pela margem esquerda (verdadeira) desse riacho, mas após outra ponte de concreto às 11h06 volto à sua margem direita. Nesse trecho começou a aparecer muita gente no sentido contrário e resolvi parar por 13 minutos para um lanche. Às 11h54 subi uma longa escadaria com corrimão, desci um pouco, cruzei uma ponte de madeira e subi por outra longa escadaria. Passei pelo primeiro lodge de Deurali às 12h20 (essa é a terceira vila com esse nome nesse trekking) e resolvi parar no próximo, 10 minutos depois, para almoçar um veg fried noodle no Deurali Yak Hotel. Enquanto esperava tive uma surpresa. Vi um casal chegando no lodge ao lado e, conversando com a dona, disseram que eram do Brasil! O terceiro casal brasileiro que encontrei no Nepal em dois meses! Moravam no Acre e estavam indo de Ghorepani para Ghandruk nesse dia. A pequena Deurali tem também várias bancas de artesanato e da frente do Yak Hotel sai a trilha que sobe para Gurung Hill, mas naquele horário as nuvens já não permitiam apreciar o visual desse mirante. Voltei à trilha às 13h30. Em 20 minutos caminhando pela mata de rododendros atinjo uma crista. Mais 10 minutos e passei pelo ponto de maior altitude do dia, 3201m. Às 14h15 alcancei o mirante Thapla (Thabala), que dizem ter uma vista similar à de Poon Hill, mas sem as multidões e de graça, porém a neblina já havia chegado e não pude fazer essa comparação. Há ali um bar rústico e uma chautara (descanso dos carregadores) com bandeirinhas de oração budistas. Comecei a descer e logo cruzei outra mata de rododendros. Às 14h44 cheguei a uma bifurcação com outra chautara. Havia uma sinalização branca e vermelha apontando para a escadaria que desce à direita, mas eu decidi seguir pela trilha calçada em frente que desceu muito. Ao chegar a Ghorepani às 15h18 é que entendi que havia a vila baixa (onde chegam os trilheiros que vêm de Nayapul e onde eu cheguei) e a vila alta com muito mais opções de hospedagem. Decidi ir à vila alta e percebi que naquela bifurcação da sinalização branca e vermelha devia ter ido para a direita pois é um caminho mais direto à vila alta. Dali onde eu cheguei virei à direita e subi pela escadaria principal. Apenas 100m acima, numa bifurcação em que segui à direita, fui parado num checkpoint da polícia turística para mostrar as permissões. Nessa bifurcação, à esquerda se vai ao mirante Poon Hill. Continuei subindo à direita e cheguei a Ghorepani Alta (também chamada de Ghorepani Deurali... mais uma Deurali!) às 15h34, com muitos lodges mais. Apesar da baixa temporada havia muita gente ali, muitos nepaleses inclusive. Queria ficar num lodge bem tranquilo e fiz a escolha certa: Poon Hill Guest House. Negociei o quarto de graça e fui o único hóspede nessa noite. Atendimento muito simpático e comida deliciosa, fiz questão de elogiar o cozinheiro. O banheiro era dentro do lodge e tinha vaso sanitário com descarga acoplada. Lavatório no corredor e ducha quente por Rs100 (US$0,87). Tomada no quarto e wifi por Rs100 (US$0,87). Altitude em Ghorepani Alta: 2874m Preço do dal bhat: Rs 600 Preço do veg chowmein: Rs 450 Vista do mirante Poon Hill ao amanhecer: Nilgiri, Annapurna Fang (Bharha Chuli), Annapurna I (10º mais alto do mundo) e Annapurna Dakshin (Annapurna Sul) 11º DIA - 04/12/18 - de Ghorepani a Tikhedhunga Duração: 30 minutos (subida de Ghorepani a Poon Hill) e 4h (de Ghorepani a Tikhedhunga, descontadas as paradas) Maior altitude: 3185m em Poon Hill Menor altitude: 1503m Resumo: nesse dia desci de Ghorepani a Banthanti (desnível de 607m) pelo vale de um rio por dentro de bosques, depois baixei até Tikhedhunga pela encosta da margem direita do Rio Bhurungdi (desnível de 764m) A mínima durante a noite dentro do quarto foi 3,0ºC. Às 5h da manhã estava 3,6ºC. O melhor espetáculo no mirante Poon Hill seria o nascer do sol, então enfrentei o frio de quase 0ºC e saí às 6h06 do lodge com lanterna para não perder o show. Subi até o Hotel Hill Top e de lá tomei a trilha dentro da mata. Cheguei à portaria do mirante e paguei a taxa de Rs100 (US$0,87) no guichê. Continuei subindo por longuíssimas escadarias de pedras entre rododendros e alcancei o mirante às 6h35, a tempo de assistir ao nascer do sol junto com a multidão que já estava lá e o povo que ainda estava subindo. Os primeiros raios de sol vieram às 6h43. Dos 3185m de altitude de Poon Hill a visão do Himalaia realmente é de tirar o fôlego, a melhor de todo esse trekking. A lista de montanhas é extensa e pode ser dividida em dois grandes blocos. De noroeste para norte: Gurja Peak, Dhaulagiri VI, Dhaulagiri IV, Dhaulagiri V, Dhaulagiri III, Dhaulagiri II, Dhaulagiri I (7º mais alto do mundo), Tukuche e Dhampus. De norte para nordeste: Nilgiri, Annapurna Fang (Bharha Chuli), Annapurna I (10º mais alto do mundo), Annapurna Dakshin (Annapurna Sul), Hiunchuli, Annapurna III (42º mais alto do mundo), Gandharwa Chuli, Machapuchare e Annapurna II (16º mais alto do mundo). Há uma torre para tirar fotos ainda melhores de uma posição mais alta, banheiros e uma casinha onde se vendem café e chá a preços ainda mais caros que em Ghorepani. Poon Hill tem esse nome porque foi criada e divulgada como ponto turístico pelo major Tek Bahadur Pun, um apaixonado pelo lugar e pela vista que se tem dali. Iniciei a descida às 8h50, quando o mirante já estava praticamente vazio, e parei muitas vezes para tirar mais fotos. Ao passar pelo guichê (já fechado) notei à direita o caminho que desce para Ghorepani Baixa, mas eu tinha de passar pelo lodge primeiro. Cheguei ao Poon Hill Guest House às 10h21, tomei o café da manhã, arrumei a mochila e saí às 12h na direção sul. Desci até Ghorepani Baixa, passei pelo portal do vilarejo e tomei a trilha larga pela floresta descendo para a reta final desse trekking. Queria saber quanto de estrada eu teria de andar dali até Nayapul e se haveria algum caminho alternativo por trilha, mas novamente as informações do pessoal local foram muito confusas e até erradas. Me disseram que em Ulleri eu cairia numa estrada e não haveria alternativa por trilha, mas não foi nada disso. Passei pelos primeiros lodges de Nangethanti às 12h56, cruzei uma ponte de concreto e depois mais alguns lodges dessa vila. Reentrei na mata e às 13h22 cruzei para a direita outra ponte de concreto sobre um pequeno cânion e um rio de água transparente muito bonito. Esse rio forma logo abaixo uma bela cachoeira. Depois de mais duas pontes de concreto parei 16 minutos para comer alguma coisa que trazia na mochila. Logo a floresta daria lugar à vegetação mais baixa. Passei às 14h23 pela vila de Banthanti Alta (o mesmo nome de uma vila do dia anterior) e 7 minutos depois por Banthanti Baixa, com lodges. Reaparecem os campos cultivados em forma de terraço. Continuei descendo e às 15h05 cheguei à vila de Ulleri, onde há jipes para Pokhara pela bagatela de Rs6000 (US$52) para 5 pessoas. O ônibus de Nayapul estava bem longe ainda porém custava só Rs200 (US$1,74). Nessa vila inicia uma famosa escadaria que dizem ter mais de 3300 degraus (segundo o guia Lonely Planet) e lá fui eu, dando graças por ser descida e por não ter que caminhar na estrada de terra, como haviam me informado em Ghorepani. Odeio andar em estrada! Cruzei toda a vila de Ulleri descendo pela escadaria. Cruzei também com muita gente subindo e vários perguntavam se faltava muito para Ghorepani - muito! E eu lhes perguntava se teria que andar por estradas mais à frente pois já avistava muitas estradas de terra abaixo. Às 16h11 teve fim essa escadaria terrível e cruzei uma ponte suspensa com o Rio Bhurungdi (Baraudi) formando duas lindas cachoeiras, uma acima e outra abaixo da ponte. Ali a menor altitude do dia: 1503m. Ao final da ponte fui à direita e na bifurcação a seguir à esquerda seguindo as setas apontando Pokhara. Já estava chegando à vila de Tikhedhunga e seus primeiros lodges. Subi e cruzei outra ponte suspensa com outra bela cachoeira acima. Fui à direita e parei às 16h31 num dos primeiros lodges, Laxmi Guest House. A dona me fez o quarto de graça, só pagando as refeições. O banheiro ficava no fim do corredor aberto ao frio, com vaso sanitário com descarga acoplada (mas não funcionava). Para escovar os dentes havia uma pia na frente do lodge. O atendimento não foi dos melhores mas a localização era muito bonita, com muita vegetação ao redor. Só os primeiros lodges da vila têm essa vista para a mata e barulho do rio próximo. Altitude em Tikhedhunga: 1519m Preço do dal bhat: Rs 450 Preço do veg chowmein: Rs 350 Cachoeira no Rio Bhurungdi em Tikhedhunga 12º DIA - 05/12/18 - de Tikhedhunga a Nayapul Duração: 2h30 (descontadas as paradas) Maior altitude: 1519m Menor altitude: 1004m Resumo: nesse dia percorri o vale do Rio Bhurungdi (Baraudi) por sua margem esquerda por trilhas e estradas até o ponto do ônibus em Nayapul A mínima durante a noite dentro do quarto foi 9,9ºC. Às 6h35 da manhã estava 10,8ºC. Saí do lodge às 8h06 na direção sudoeste ainda pela margem esquerda do Rio Bhurungdi (Baraudi). Passei pelos outros lodges do vilarejo e continuei descendo. Às 8h20 cheguei aos primeiros lodges de Hille, atravessei todo o povoado e 10 minutos depois lá estava ela, a estrada de terra. Fui para a direita descendo e por enquanto não havia alternativa por trilha. Às 8h50 passei pela vila de Sudame. Ali, numa curva fechada para a direita peguei um curto atalho à esquerda e continuei descendo pela estrada. Às 9h15 passei por Ramghai (Lamdawali). Às 9h38 entrei num atalho à direita com placa "way to Birethati" e a sinalização de faixas branca e vermelha de novo. Cruzei a vila de Matathanti com casas bem antigas, atravessei uma ponte suspensa e voltei à estrada de terra às 9h50, seguindo para a direita. Numa bifurcação 4 minutos depois continuei à direita pela estrada. Às 10h07 entrei em outro atalho à direita com placa e logo comecei a cruzar o casario da extensa vila de Birethanti, onde o Rio Bhurungdi (Baraudi) deságua no Rio Modi. Às 10h16 cheguei a uma estrada e uma ponte de ferro sobre o Rio Modi. Ao lado há um check post do ACAP, mas passei direto. Me recomendaram caminhar até Nayapul pois lá os ônibus são mais frequentes, então cruzei a ponte de ferro e continuei pela estrada na margem esquerda do Rio Modi. Passei por um check post do TIMS card 80m após a ponte mas não parei e nem fui parado para fazer checkout. Nesse trecho registrei a menor altitude de todo o trekking: 1004m. Subi um pouco e nas primeiras casas de Nayapul entrei num caminho à direita da estrada, às 10h32. Não há nenhuma sinalização mas para chegar à parada dos ônibus para Pokhara tem que entrar mesmo nesse caminho. Na bifurcação 300m depois desci à direita, cruzei a ponte suspensa e na subida seguinte cheguei às 10h42 à estrada e ao centro de Nayapul, com bastante comércio. Altitude de 1022m. Consegui alcançar um ônibus que seguia bem devagar, confirmei se ia para Pokhara e entrei. Ele foi até o fim da rua e tomou a estrada de terra para a esquerda, perto de onde fica a parada de todos os ônibus. A estrada é parte asfalto e parte terra batida, mas não pula muito. Essa estrada é a mesma que me levou a Kande, no início do trekking, e passamos por essa vila às 11h40. Desci do ônibus em Pokhara às 12h48, porém em frente a um terminal chamado Baglung Bus Park, muito distante de Nareshwor ou Lakeside. Perguntei para algumas pessoas se havia ônibus para esses bairros mas não souberam dizer, então resolvi ir a pé mesmo. Levei 1 hora até o Harry Guest House, mas poderia ter tomado um ônibus para Zero Kilometer, o que teria me poupado 2,2km de caminhada. Informações adicionais: Eu sempre faço o possível para conseguir as informações mais precisas sobre horários, preços, etc, porém no Nepal isso é bastante complicado pelo problema da comunicação e da falta de organização geral das coisas. Assim, coloco aqui as informações obtidas mas com essa ressalva. . ônibus turístico Kathmandu-Pokhara: 7h (8h de viagem) Em Kathmandu os ônibus saem de um local chamado Sorhakhutte, 500m ao norte do Kathmandu Guest House, no Thamel Preço: Rs700 (US$6,08) o ônibus sem banheiro . ônibus turístico Pokhara-Kathmandu: de manhã entre 7h e 8h e mais 3 horários à noite (8h de viagem) Em Pokhara os ônibus saem do terminal Tourist Bus Park, a 2,5km do centro de Lakeside Norte, mas pode-se comprar a passagem no hotel e tomar o ônibus em Lakeside Preço: Rs700 (US$6,08) o ônibus sem banheiro . ônibus Pokhara-Kande: a cada 20 minutos segundo me disseram (esperei 24 minutos) (1h40 de viagem) Em Pokhara pode-se tomar o ônibus em Zero Kilometer ou no Baglung Bus Park Preço: Rs100 (US$0,87) . ônibus Ghandruk-Pokhara: de 8h30 a 14h, de hora em hora Preço: Rs500 (US$4,34) . ônibus Nayapul-Pokhara: a cada 15 minutos até 18h30 (2h de viagem) Preço: Rs200 (US$1,74) . Melhor mapa: Around Annapurna 70k, 1:70.000, editora Himalayan MapHouse/Nepa Maps, código NA524, encontrado facilmente nas livrarias de Kathmandu (Rs550 = US$4,77). Site: himalayan-maphouse.com. Rafael Santiago dezembro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  9. Gokyo e o o terceiro lago, Gokyo Tso Início: Pheriche Final: Lukla Duração: 7 dias Maior altitude: 5409m no Passo Renjo La Menor altitude: 2545m em Thadokoshi Dificuldade: alta. Muita subida e muita descida todos os dias, com desníveis de 380m a 1030m diários, sempre acima dos 3300m, o que exige aclimatação. O Passo Renjo La, de 5409m, impõe uma dificuldade a mais. Permissões: entrada do Parque Nacional Sagarmatha (Rs 3000 = US$ 26,04) e permissão local que substituiu o TIMS card para a região do Everest (Rs 2000 = US$ 17,36). Obs.: antes de ler este relato sugiro a leitura do meu "Pequeno guia de trekking independente no Nepal" para ter as informações básicas para as caminhadas naquele país. O trekking Pheriche-Lukla é a terceira parte de uma caminhada de 23 dias que foi de Shivalaya até o Campo Base e percorreu dois dos três passos de montanha que levam a Gokyo. A primeira parte está descrita aqui e a segunda parte aqui. Como esta etapa do trekking ocorre acima dos 3000m de altitude, foi preciso fazer previamente um processo de aclimatação. Para saber mais sobre a importância da aclimatação e os riscos de não fazê-la sugiro ler este tópico no "Pequeno guia". Ao longo do relato colocarei o nome das vilas com as variações de escrita mais frequentes e também pelos diferentes nomes que constam nos mapas e nas placas. No percurso desse trekking há muitas fontes de água, como riachos no meio da trilha e torneiras ou bicas nas vilas. Não cito todas no relato porque são muitas. A água deve sempre ser tratada, conforme explico no "Pequeno guia de trekking independente no Nepal". As operadoras de celular que funcionam em alguns dos povoados ao longo deste trekking são: . Pheriche: só Everest Link . Pangboche: NCell (somente em alguns lugares da vila) . Phortse: NCell . Gokyo: só Everest Link . Namche Bazar: NCell . Lukla: NCell O cartão pré-pago de wifi Everest Link promete funcionar em toda a região do Everest desde Lukla até o Campo Base. Não o testei porque não sabia da existência e já havia comprado o chip da operadora NCell em Kathmandu. Mais informações no "Pequeno guia". Todos os preços abaixo estão na moeda do Nepal (rupia nepalesa) e convertidos para dólar pela média dos câmbios que encontrei em Kathmandu entre outubro e dezembro de 2018 (US$ 1 = Rs 115,20). Para mostrar a variação de preços das refeições em cada povoado ao longo dos trekkings vou colocar ao final de cada dia o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Pangboche com o Ama Dablam ao fundo 17º DIA - 09/11/18 - de Pheriche a Phortse Duração: 4h30 (descontadas as paradas) Maior altitude: 4293m Menor altitude: 3795m Resumo: nesse dia percorri os vales dos rios Khumbu (ou Lobuche) e depois Imja até a confluência deste com o Rio Dudh Koshi e a vila de Phortse A mínima durante a noite dentro do quarto em Pheriche foi -3,4ºC. Às 7h30 da manhã estava -1,4ºC. Por causa da insônia que me deixou quatro noites seguidas sem dormir (efeito do Mal da Montanha, AMS em inglês), em Gorak Shep tomei a decisão de abortar o Passo Cho La e baixar de altitude para poder dormir e me recuperar. Por outro lado, não poderia deixar de conhecer os belos lagos sagrados de Gokyo, então faria um contorno bem grande descendo para o sul para em seguida subir até Gokyo, aonde chegaria no 19º dia de caminhada. De manhã com o céu limpo, da frente do lodge Thamserku podia avistar as montanhas na cabeceira do vale do Rio Khumbu (ou Lobuche) e também o Taboche e o Cholatse a noroeste. A sudeste o Ama Dablam e ao sul estavam Kangtega e Thamserku. Saí do lodge às 10h08 na direção sul ainda pela margem esquerda do Rio Khumbu (ou Rio Lobuche). Cerca de 600m após as últimas casas de Pheriche passei para a outra margem desse rio atravessando uma ponte de ferro e seguindo para a esquerda. Subi até um memorial a escaladores às 10h55 (4293m, maior altitude do dia) e logo desci até aquela bifurcação sem placa do 10º dia. Naquele dia fui para a direita (que agora é esquerda) na direção de Dingboche, hoje vou para a direita, voltando a percorrer o vale do Rio Imja. Desse ponto até Pangboche refaço o caminho da ida ao contrário, na direção sul, e volto a caminhar abaixo do limite das árvores. Passei por Somare às 11h51 e parei em Pangboche às 12h42 para almoçar no Himalayan Lodge, onde me hospedei no 9º dia. Ali conheci um polonês que estava bem perdido, dei umas informações pra ele e ele me deu boas dicas sobre as montanhas Tatras, na fronteira do seu país com a República Tcheca. Voltei a caminhar às 14h13 e subi à direita na bifurcação bem ao lado do lodge, na direção do monastério (gomba). Duas coisas me detiveram por algum tempo para fotos nessa subida: a linda vista de Pangboche com o Ama Dablam ao fundo e o longo muro de pedras mani na trilha. Cheguei ao monastério às 14h40 e o visitei só por fora (entrada de Rs250 = US$2,17). Ele é do século 17 e é o mais antigo monastério do Khumbu. Continuei pela trilha na direção sudoeste, fui à direita na primeira bifurcação (com placa indicando um posto de saúde à esquerda) e à esquerda na trifurcação (sem placa) logo a seguir. Nesse ponto um cachorro estressado não parava de me perseguir e ameaçava me morder, mesmo atirando pedras na sua direção. Por fim me livrei dele. Passei por mais um longo muro de pedras mani na saída da vila. Deixei para trás o vilarejo de Pangboche Alto e continuei pela trilha na encosta da margem direita do Rio Imja. Passei por três bicas de água e subi até os 4084m, onde, às 15h48, avistei a vila de Tengboche e seu grande monastério. Depois de várias subidas e descidas, até com escadarias de pedra, cheguei a Phortse às 16h58 com neblina. Nessa vila não há o esquema de cobrança de preço único do quarto, como já vigora de Tengboche a Gorak Shep, então volta o método anterior de negociar o quarto desde que se façam as refeições ali mesmo. Perguntei em alguns lodges e fiquei no Namaste Lodge, onde o dono me fez o quarto de graça. O banheiro foi o mais esquisito de todos: uma casinha com um buraco no piso de madeira (sem a peça de louça) e uma montanha de folhas ao lado para jogar um pouco no buraco depois de fazer o número dois. Para escovar os dentes havia uma pia no corredor dentro da casa. Havia tomada no quarto mas a recarga de baterias era paga. Barganhei o máximo que pude e chegamos a Rs500 (US$4,34) para recarregar todas as baterias durante a noite inteira. Pedi um cobertor pois não havia no quarto (não foi cobrado), mas não era tão grosso e achei melhor usar o meu saco de dormir (Marmot Helium, temperatura limite -9ºC). Nesta noite nesse lodge havia apenas um grupo de alemães, mas era um grupo tão grande que lotava o refeitório. Continuo na minha rotina noturna diária de filtrar pelo menos 1,5 litro de água com o filtro Sawyer e depois ferver com o meu fogareiro para beber no dia seguinte. Altitude em Phortse: 3795m Preço do dal bhat: Rs 500 Preço do veg chowmein: Rs 450 Vila de Machermo 18º DIA - 10/11/18 - de Phortse a Machermo Duração: 4h (descontadas as paradas) Maior altitude: 4446m Menor altitude: 3603m Resumo: nesse dia saio do vale do Rio Imja e volto ao vale do Rio Dudh Koshi iniciando a longa subida (de dois dias) a Gokyo pela margem direita verdadeira deste rio A mínima durante a noite dentro do quarto foi 5,2ºC, não tão frio quanto eu esperava. Como na noite anterior, meu sono foi bom, conseguindo me refazer do cansaço dos dias anteriores quando fiquei quatro noites seguidas sem dormir por causa da altitude. A partir de Phortse os mapas indicam dois caminhos a Gokyo, um pela margem direita do Rio Dudh Koshi e outro pela margem esquerda. O guia Lonely Planet sugere ir a Gokyo pela margem direita e voltar pela margem esquerda. Porém conversei com várias pessoas nos últimos dias e todos desaconselhavam tomar o caminho da margem esquerda pois nele há deslizamentos e pedras que caem. O caminho da margem direita é mais seguro e muito mais usado pelos trilheiros. O Rio Dudh Koshi é um dos principais rios da região. Acompanhei seu curso do 5º dia de caminhada, em Chhirdi, até o 9º dia em Phunki Thenga e agora vou segui-lo até Gokyo, onde estão suas nascentes. Saí do lodge às 9h22 descendo as escadarias da vila na direção sudoeste e quebrando à direita na direção do Everest Lodge. Ao lado desse lodge uma grande stupa com placa indica o caminho para Dole descendo a trilha para o norte, na direção do Rio Dudh Koshi. Cruzei uma matinha e desci bastante, atravessando a ponte metálica sobre o azulado Rio Dudh Koshi às 9h56 (3603m, menor altitude do dia). Seguiu-se uma subida por um bosque com a trilha bem mais estreita até que alcancei a principal mais acima, onde fui para a direita (noroeste). Daqui até próximo de Gokyo vou caminhar pelas encostas da margem direita verdadeira do Rio Dudh Koshi. Às 10h21 fui parado num checkpoint para mostrar as permissões pagas em Monjo no 7º dia (permissão local e entrada do Parque Nacional Sagarmatha) e a surpresa foi encontrar o casal húngaro Zita e Daniel, ele visivelmente mais magro. Eles já estavam descendo de volta a Namche, não tiveram problema com a altitude, passaram pelos passos Kongma La e Cho La mas não quiseram encarar o terceiro passo, o Renjo La. Continuei subindo e às 10h29 cruzei uma ponte de ferro com uma cachoeira congelada à esquerda. Mas essa foi só a primeira delas pois em seguida cruzei mais três pontes com cachoeiras congeladas ao lado. Esse foi o primeiro dia cinzento do trekking desde Shivalaya, sem nenhum sinal de sol, o que fazia o dia ficar muito frio. Essas águas congeladas só aumentavam a sensação de frio. As nuvens estavam bem baixas e caíram cristais de neve quase o dia todo. Às 11h51, depois de subir 445m desde a ponte do Rio Dudh Koshi, alcancei a vila de Dole e parei para almoçar um dal bhat no Namaste Lodge. Dole está a 4049m e as árvores já começam a desaparecer acima dessa altitude. Às 12h56 continuei na direção oeste e logo desci para cruzar o Rio Phule por uma ponte de troncos precária. Subi novamente e passei por um lodge em Lhafarma às 13h44. As nuvens baixaram de vez e a neblina tirava a visão do caminho. Às 14h27 cruzei um riacho e passei por um lodge no vilarejo de Luza. Na bifurcação 90m depois do lodge fui à direita, cruzei outro riacho e atravessei alguns cercados de pedra. Subi até os 4446m (maior altitude do dia) e desci à vila de Machermo, aonde cheguei às 15h com neblina. Me hospedei no Himalayan Lodge, um lodge menor e mais modesto que os outros. O primeiro em que perguntei, o Tashi Dele, estava lotado, apesar de bem grande, ao passo que o Himalayan Lodge só tinha carregadores, apenas eu de estrangeiro. Pude novamente negociar o preço do quarto e o dono fez de graça, só cobrando as refeições. O banheiro ficava dentro da casa e era no estilo oriental. Para escovar os dentes tinha que ser no quintal com uma caneca. A energia era solar e não havia luz nos quartos, banheiro e corredores, necessitando usar a lanterna. Altitude em Machermo: 4393m Preço do dal bhat: Rs 500 Preço do veg chowmein: Rs 400 Longpunga Tso, primeiro lago de Gokyo 19º DIA - 11/11/18 - de Machermo a Gokyo Duração: 3h (descontadas as paradas) Maior altitude: 4754m Menor altitude: 4377m Resumo: nesse dia continuei a subida pela margem direita do Rio Dudh Koshi até a vila de Gokyo e seus incríveis lagos sagrados A mínima durante a noite dentro do quarto foi -4,1ºC. Às 6h30 da manhã estava -3ºC. A minha água amanheceu congelada dentro da garrafa. Como não costumam acender o aquecedor do refeitório de manhã para economizar esterco de iaque, o dono do lodge foi muito gentil e serviu o meu café numa mesa do lado de fora, onde já batia o sol da manhã (mas ainda fazia muito frio). A vila de Machermo se espalha ao longo do vale do Rio Machermo, afluente da margem direita do Rio Dudh Koshi. Saí do lodge às 9h na direção noroeste e logo cruzei uma ponte de ferro sobre o Rio Machermo (4377m, menor altitude do dia). A partir dela há duas trilhas mais ou menos paralelas em direção a Gokyo: a da direita sobe menos, a da esquerda sobe mais e depois desce para encontrar a primeira. A da esquerda deve até ter uma vista mais panorâmica mas eu optei pela da direita. Ela sobe pela encosta, faz uma curva de mais de 90º para a esquerda e toma a direção noroeste, junto ao Rio Dudh Koshi, até se fundir com a outra trilha, que percorre até ali um nível mais alto na encosta. O Cho Oyu, 6ª montanha mais alta do mundo, já fica visível na cabeceira do vale. Ao me aproximar do povoado de Phanga tomei as trilhas da esquerda mas pode-se ir pela direita também. Cruzei essa vila às 9h53 e é muito bonita a visão das casas e muros de pedra com os picos Cholatse e Taboche ao fundo (leste). Após Phanga me aproximei um pouco mais do Rio Dudh Koshi e parei para fotos. Já podia avistar dali a longa subida que teria de encarar em seguida. Às 10h57 venci essa subida (cheia de gente) e cruzei a ponte de ferro sobre o rio que verte do primeiro dos lagos sagrados de Gokyo. Ufa, parece que estava quase no fim essa subida interminável desde o dia anterior, com desnível de mais de 1000m desde a ponte do Rio Dudh Koshi até aqui. Daqui até Gokyo à minha direita tenho a moraina lateral do Glaciar Ngozumba, que vem das montanhas Cho Oyu, Ngozumba Kang e Gyachung Kang. Parei no primeiro lago, Longpunga Tso, às 11h03 para fotos com o Cho Oyu ao fundo e segui com o riacho que faz a ligação entre os lagos à minha esquerda. Cerca de 970m depois parei no segundo lago, Taujung Tso, muito maior que o primeiro, para descansar e comer o lanche que tinha na mochila. Continuei às 12h e em 45 minutos (com paradas) alcancei o terceiro lago, Gokyo Tso, ainda maior e mais bonito. Tirei algumas fotos e segui, chegando a Gokyo às 13h10. O lugar é tão bonito que parece uma pintura! O vilarejo ao lado do lago de águas esverdeadas brilhantes e cercado de montanhas e picos nevados - nem parece real! Ao fundo, ao norte, está o Pico Cho Oyu, 6º mais alto do mundo. Os lagos de Gokyo são sagrados para budistas e hindus. Durante o festival Janai Purnima, em agosto, centenas de nepaleses vão em peregrinação a Gokyo para banhar-se em suas águas geladas. Os lagos também contribuem na formação do importante Rio Dudh Koshi, que conheci no 5º dia de caminhada, em Chhirdi. Percorri alguns lodges e optei pelo Ngawang Friendship. Negociei o quarto e ficou de graça novamente, mas se o lodge lotasse eu teria que dividir o quarto com outra pessoa pois me deram (na primeira noite apenas) um quarto com duas camas. Os banheiros ficavam dentro da casa e era um no estilo oriental e outro com vaso sanitário, descarga com caneca. Como em Machermo, a energia era solar e não havia luz nos quartos, banheiros e corredores. Perguntei por curiosidade o preço da água mineral de 1 litro e custava a bagatela de Rs450 (US$3,90)! Almocei no lodge e o passeio da tarde foi abortado pois as nuvens tomaram conta do lugar. A visão das nuvens sobre o lago era bonita também, mas a minha intenção de subir até os lagos mais acima (4º e 5º) foi adiada. Altitude em Gokyo: 4754m Preço do dal bhat: Rs 700 Preço do veg chowmein: Rs 700 Everest visto da montanha Gokyo Ri 20º DIA - 12/11/18 - de Gokyo a Gokyo Ri Duração (descontadas as paradas): 1h25 (subida ao Gokyo Ri), 1h05 (descida do Gokyo Ri), 48 min (de Gokyo ao 4º lago) Maior altitude: 5356m Menor altitude: 4754m Resumo: nesse dia subi a montanha Gokyo Ri num desnível de 600m desde a vila de Gokyo e visitei o Thonak Tso, o 4º lago A mínima durante a noite dentro do quarto foi -1,9ºC. Às 6h30 da manhã estava 0,3ºC. Meu sono foi bem ruim de novo. Por causa da altitude passei a maior parte da noite acordado. Saí do lodge às 7h42 na direção noroeste, cruzei pela "ponte" de pedras o riacho que se abre antes de desaguar no Lago Gokyo Tso e comecei a subir o Gokyo Ri por trilha bem marcada e muito pisada. Alcancei o cume de 5356m às 9h12 e a paisagem é espetacular. Dali se avistam Cho Oyu (6º mais alto do mundo), Ngozumba Kang e Gyachung Kang ao norte; Chumbu, Pumori e Changtse a nordeste; Everest, Nuptse (20º mais alto), Lhotse (4º mais alto) e Makalu (5º mais alto) a leste; Cholatse e Taboche a sudeste; Kangtega, Kyashar, Thamserku e Kusumkangaru (Kusum Kanguru) a sul-sudeste; Khumbila ao sul; Passo Renjo La a sudoeste. A visão de Gokyo com os lagos sagrados é uma das paisagens mais bonitas de todo esse trekking - realmente vale todo o esforço para chegar a esse lugar! Às 11h18 iniciei a descida e estava de volta à vila às 12h32. Saí 20 minutos depois para conhecer os lagos mais acima antes que as nuvens tomassem conta de tudo novamente. Caminhei pela trilha bem marcada até o 4º lago, Thonak Tso, aonde cheguei em 48 minutos, mas parei por ali pois o 5º lago estava 3,7km à frente por um caminho de pedras e se fosse "comum" como o 4º lago eu ia me arrepender de ter caminhado tanto. Se o 5º lago era bonito? Até hoje não sei. Talvez dependa da posição do sol para eles ficarem mais bonitos. Ali a altitude era de 4876m e eu tinha uma visão incrível do Cho Oyu, Ngozumba Kang e Gyachung Kang ao norte, na cabeceira do vale. Continuando ainda além do 5º lago estariam o 6º lago e o campo base do Cho Oyu. Voltei tomando uma trilha na crista da moraina do Glaciar Ngozumba, que passa bem ao lado da vila de Gokyo e é o último obstáculo para quem vem de Lobuche pelo Passo Cho La. O "mar" de pedras do glaciar é impressionante e quem já passou por um sabe a dificuldade que é. Descobri onde ficava o posto de saúde e fui lá pegar alguma informação mais confiável sobre como resolver o problema da minha insônia na altitude. Conversei com a médica sem ter que pagar a consulta e ela me disse que o Diamox é indicado para quem acorda no meio da noite com falta de ar. Não sei bem se era o meu caso, acordava espontaneamente, não necessariamente com falta de ar. Continua a dúvida se o Diamox me teria feito dormir. Passo Renjo La (5409m de altitude) 21º DIA - 13/11/18 - de Gokyo a Lungden Duração: 6h (descontadas as paradas) Maior altitude: 5409m Menor altitude: 4378m Resumo: nesse dia encarei o terceiro passo (para mim foi o segundo), o Renjo La, com 5409m de altitude e desnível de 655m desde a vila de Gokyo, para descer em seguida ao vilarejo de Lungden A mínima durante a noite dentro do quarto foi -0,5ºC. Às 6h10 da manhã estava 3,6ºC. Tive uma noite razoável de sono, não fiquei tantas horas acordado e consegui descansar para enfrentar esse dia bem puxado. Saí do lodge às 7h56 e tomei o mesmo caminho do dia anterior (noroeste), porém aos pés do Gokyo Ri peguei a trilha da esquerda (com placa apontando Renjo Pass), subindo suavemente a encosta e percorrendo a margem norte do Lago Gokyo Tso. Às 8h16 fui à direita numa bifurcação (a trilha da esquerda aparentemente vai até o final do lago). Às 9h cruzei um riacho e a subida se tornou bastante íngreme, em zigue-zague, com muitas pedras. Nessa ladeira havia pequenas quedas-d'água congeladas. Às 9h48 atingi um grande platô e olhando para trás vi que a neblina estava chegando bem mais cedo nesse dia. Numa bifurcação a 5261m fui à direita. Subi mais e alcancei o Passo Renjo La às 10h56, com muitas bandeirinhas de oração budistas e lenços cerimoniais. A altitude ali é 5409m e pode-se avistar as montanhas: Gyachung Kang a norte-nordeste; Chumbu, Pumori e Changtse a nordeste; vila de Gokyo, Everest, Nuptse, Lhotse e Makalu a leste; Cholatse e Taboche a sudeste. A neblina não foi tão forte quanto eu imaginava. Aos poucos foram chegando mais e mais trilheiros e reencontrei o russo que conheci em Pangboche. É muito legal reencontrar as pessoas depois de vários dias de caminhada e ver que continuamos "juntos", no mesmo ritmo. Comi alguma coisa (importante levar lanche e água por causa da distância entre as vilas - há uma pequena padaria em Gokyo) e às 13h38, quando quase todos já haviam saído, iniciei a descida para a vertente oeste do passo, em direção a Lungden. A trilha de descida do passo tem muitas pedras soltas e até escadas de pedra. Às 14h21 passei pelo Lago Angladumba Tso que já avistava desde o passo. A partir daí a neblina veio forte e começou a tirar a visão do caminho. Continuei descendo e às 14h57 passei à direita do Lago Relama Tso. Às 15h13 cometi um erro. Numa bifurcação sem placa e em meio à neblina olhei no gps e ele indicou o caminho da direita. A trilha era bem marcada e eu, acreditando que estava no caminho certo, não olhei mais o gps. Atrás de mim vinha um casal russo (Marina e Andrei). Eles confiaram na minha burrada e tomaram a direita também. Depois de descer muito por trilha marcada, começamos a ver que havia alguma coisa errada pois ela estava ficando indefinida, embora houvesse muitos totens (só para nos confundir). Vimos que o erro estava lá atrás e não quisemos subir tudo de novo. A neblina não deixava visualizar se aquele caminho também levaria a Lungden, talvez sim mas por um trajeto muito mais longo e difícil. Eles decidiram sair dessa trilha para a esquerda e caminhar pelas encostas sem trilha até reencontrar o trajeto correto. Dessa vez eu é que fui atrás deles para ver no que ia dar. O caminho foi bem ruim por deslizamentos cheios de pedras soltas e descidas muito íngremes. Conseguimos voltar à rota certa cerca de 800m antes da vila de Lungden, aonde chegamos às 16h51. Marina era quem espiava os lodges e conversava com os donos para decidir em qual ficar. Eles resolveram ficar no Lungden View Lodge e eu também pois o quarto não seria cobrado. Os banheiros desse lodge ficavam dentro da casa e era um no estilo oriental e outro com vaso sanitário. Descarga em ambos com caneca. Havia um grupo de franceses sem guia também e conversamos bastante no refeitório esperando pela janta. Perguntei a eles e ao dono do lodge sobre uma trilha alternativa a Lukla que sai de Thame e não passa em Namche Bazar, mas não recomendaram fazê-la porque há bem pouca hospedagem pelo caminho e um dos lodges é muito caro, sem outra opção próxima, segundo disseram. Marina também tinha pego a maldita tosse do Khumbu, como eu. Nós dois fazíamos uma sinfonia de tosses, principalmente à noite com o frio apertando. Altitude em Lungden: 4378m Preço do dal bhat: Rs 550 Preço do veg chowmein: Rs 450 Às 18h15 a temperatura fora do lodge era -3ºC. Stupa e roda mani na entrada da vila de Thameteng 22º DIA - 14/11/18 - de Lungden a Namche Bazar Duração: 6h20 (descontadas as paradas) Maior altitude: 4378m Menor altitude: 3415m Resumo: nesse dia percorri o vale do Rio Bhote Koshi baixando 948m de altitude de Lungden a Namche Bazar A mínima durante a noite dentro do quarto foi -0,3ºC. Às 7h50 da manhã estava 0,4ºC. Em Lungden tive meu primeiro contato maior com o Rio Bhote Koshi já que a vila fica em seu vale, na margem esquerda. Saí do lodge às 8h28 na direção sul percorrendo o restante do vilarejo. Cruzei um riacho congelado pelas pedras e às 9h11 passei pela vila de Maralung. Às 9h22 cruzei uma ponte metálica sobre o Rio Bhote Koshi, passando para sua margem direita. Fui à esquerda na bifurcação ao final da ponte. Ali fui alcançado por Marina e Andrei, que saíram depois de mim. A vila de Maralung continua depois da ponte e a trilha passa a percorrer a encosta da margem direita do Rio Bhote Koshi. Às 10h02 passei pelo povoado de Tarnga e seus inúmeros cercados de pedra. Cruzei às 10h29 a ponte de ferro sobre o Rio Langmuche. Às 10h53 fui à esquerda na bifurcação e logo cruzei um riacho pelas pedras. Cruzei mais dois riachos pelas pedras e no quarto riacho saía uma trilha à esquerda para o povoado de Yila Jung (essa bifurcação, apesar da placa, pode causar dúvida a quem está fazendo o percurso ao contrário). Às 11h20 passei por uma stupa com uma roda mani na entrada da vila de Thameteng. Ao final dessa vila há uma grande stupa à direita e uma infinidade de pedras mani à esquerda. Às 11h45 eu, Marina e Andrei chegamos a um mirante no alto da vila de Thame e resolvemos parar para almoçar. Descemos para procurar um lugar mas o vilarejo parecia fantasma, quase tudo fechado e deserto. Conseguimos almoço num lodge às 12h05. O banheiro desse lodge era diferente, era no estilo oriental mas com descarga. Nesse povoado de Thame, a 3792m, começam a reaparecer timidamente as árvores, mas elas voltam a ser mais frequentes mesmo só abaixo dos 3500m. Ao final do almoço o sol já havia sumido, encoberto pelas nuvens baixas. Saímos às 12h59 na direção sudeste pela encosta da margem esquerda do Rio Thame e descemos até uma ponte de ferro sobre um cânion formado pelo estreitamento do Rio Bhote Koshi. Após a ponte, no paredão rochoso há imagens pintadas de Tara Verde, Guru Rinpoche e Thangtong Gyalpo. Após essa ponte voltamos a caminhar pela encosta da margem esquerda do Rio Bhote Koshi e às 13h46 passamos pela vila de Samde. Na bifurcação ao final da vila fomos à direita, descendo. Às 14h11 alcançamos o monastério de Thamo, com o vilarejo logo abaixo. Bancas de artesanato demonstram que estamos voltando à zona mais "turística" do trekking. Passamos pelo povoado de Theso às 14h43 e cruzamos uma ponte de ferro sobre o Rio Thesebu (3415m, menor altitude do dia). Às 15h passamos pelo vilarejo de Samsing onde há uma imagem do Guru Rinpoche pintada numa grande rocha. A seguir cruzamos um bosque. Às 15h10 passamos pela vila de Phurte e paramos para descanso na stupa logo acima. Entramos na mata de pinheiros e às 15h36 fomos à direita numa bifurcação com placa indicando Khumjung e Khunde à esquerda. Cruzamos a mata e na descida já avistamos Namche Bazar e seu formato de anfiteatro mais abaixo. Passamos pelo monastério e chegamos a Namche às 16h10. Segui o casal russo de novo e fomos para o Family Lodge, que eles já conheciam. Na negociação, o quarto saiu por Rs100 (US$0,87). O banheiro ficava dentro da casa e tinha vaso sanitário com descarga acoplada e lavatório com espelho - muito luxo! O russo de Pangboche estava hospedado ali também com seus amigos. Eu precisava trocar mensagens com o dono da agência que me vendeu a passagem aérea Lukla-Kathmandu para adiantar a data do voo, mas a NCell não estava funcionando. Tive de ir a uma padaria consumir alguma coisa e usar o wifi gratuito. Consegui trocar a data para dia 16, às 9h, um pouco tarde (por causa das nuvens que costumam fechar o aeroporto) mas não havia horário vago mais cedo. Altitude em Namche Bazar: 3430m Preço do dal bhat: Rs 500 Preço do veg chowmein: Rs 500 Ponte Larja, a mais fotografada 23º DIA - 15/11/18 - de Namche Bazar a Lukla Duração: 6h25 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3430m Menor altitude: 2545m Resumo: nesse dia refiz ao contrário o percurso do 7º dia, percorrendo no sentido sul o vale do Rio Dudh Koshi e baixando 586m de altitude de Namche Bazar a Lukla, encerrando assim essa caminhada de 23 dias A mínima durante a noite dentro do quarto foi 2,2ºC. Às 7h30 da manhã estava 2,7ºC. Marina e Andrei resolveram ficar mais um dia em Namche. Saí do lodge às 8h50 na direção sul e parei na entrada de Namche para fotos da bonita stupa. Passei (sem parar) pelo checkpoint às 9h18 e 100m adiante entrei numa trilha à esquerda da principal. Essa trilha corre paralela à principal mas é bem mais estreita e mais vazia. Às 9h34 as duas se fundiram de novo e 240m depois passei pelos banheiros que há ao lado desse caminho. Às 9h58 cheguei à Ponte Larja, sobre o Rio Dudh Koshi. Parei um bom tempo para fotos. Continuei às 10h23 e tomei a direita na primeira bifurcação, descendo por uma trilha mais estreita com escadarias (o caminho em frente também serve mas aparentemente sobe para depois descer tudo de novo). Descendo na trilha à direita cheguei à margem do Rio Dudh Koshi e parei para mais fotos da Ponte Larja. Continuei descendo pela margem esquerda do Rio Dudh Koshi, cruzei a ponte suspensa Tawa sobre ele e passei por Jorsale às 11h19. Já era bem visível como a trilha estava mais vazia em relação ao dia em que passei na ida. Cruzei outra ponte suspensa voltando para a margem esquerda do Rio Dudh Koshi. Subi bastante e às 11h38 passei pela entrada do Parque Nacional Sagarmatha, onde tive de mostrar as permissões para registro da minha saída. Cruzando a vila de Monjo resolvi parar às 11h51 para almoçar no Mountain View Lodge. Atendimento muito simpático. Retomei a caminhada às 12h18 e parei no checkpoint da permissão local para carimbar a saída. Esses dois checkpoints estavam completamente vazios, ao contrário do dia em que passei na ida. Descendo cruzei a ponte de ferro sobre o transparente Rio Monjo e passei às 12h30 pela vila de Chumoa. Às 12h43 cruzei outra ponte suspensa sobre o Rio Dudh Koshi e passei pela vila de Benkar. Cruzei a ponte de concreto com a cachoeira dupla à direita. Às 13h22 passei pela cachoeira tripla e 230m à frente cruzei a vila de Toktok. Atravessei uma ponte de concreto sobre o Rio Ghatte (ou Rio Nagbuwa) e passei por Zamphute às 13h37. Cheguei à vila de Phakding e aqui é fácil errar se não estiver atento: deve-se tomar o caminho que sai em 90º à esquerda passando no meio dos lodges, e não seguir em frente (como fizeram Marina e Andrei). Indo à esquerda se cruza mais uma ponte suspensa sobre o Rio Dudh Koshi para em seguida passar pelo "centro" de Phakding. Uns 3 minutos após as últimas casas, deve-se desprezar uma nova ponte suspensa que vai para a direita e seguir em frente. Às 14h24 passei pela vila de Chhuthawa e 290m depois pelo povoado de Ghat (Yulning) com um bonito monastério de paredes vermelhas. Às 14h51 passei por Thadokoshi e cruzei a ponte metálica sobre o Rio Thado Koshi (2545m, menor altitude do dia). Estava difícil ultrapassar um grupo de iaques e aproveitei para parar e descansar um pouco. Às 15h15 passei por uma ponte suspensa sobre um deslizamento enorme. Às 15h46 cruzei uma ponte de concreto e passei pela vila de Cheplung, onde dormi na 6ª noite. Em seguida veio a longa e dura subida até Lukla, aonde cheguei às 16h36 com chuva fina. Cruzei toda a vila e fui diretamente ao aeroporto tentar adiantar o horário do voo do dia seguinte, mas os balcões estavam todos fechados (pura ingenuidade minha, mal sabia eu o caos que enfrentaria no dia seguinte). Voltei ao centro de Lukla e comecei a procurar hospedagem - todos os lodges estavam lotados por causa do mau tempo que obrigava muita gente a esperar o dia seguinte para embarcar. Finalmente consegui um quarto no Monte K2 Lodge por Rs200 (US$1,74). O banheiro ficava dentro da casa e era no estilo oriental, e não era um primor de limpeza. Altitude em Lukla: 2844m Preço do dal bhat: Rs 650 Preço do veg chowmein: Rs 400 A mínima durante a noite dentro do quarto foi 7,5ºC. Às 7h15 da manhã estava 7,8ºC. Pista curtinha do aeroporto de Lukla 16/11/18 - tentativa de embarque no voo Lukla-Kathmandu Meu voo estava marcado para 9h. Tomei o café da manhã e cheguei ao aeroporto às 7h50. O saguão do check in parecia o fim do mundo. A multidão se acumulava na frente dos pequenos guichês das companhias aéreas, que são Nepal Airlines, Tara Air (a minha), Sita Air e Summit Air. Porém os guichês não têm funcionário o tempo todo como nos outros aeroportos, eles só vêm quando vai ser aberto o check in do próximo voo, e nessa hora a confusão é total, com a multidão estendendo papéis e celulares mostrando a reserva, na esperança de embarcar no próximo voo pois todos já estão atrasados. O funcionário pega só algumas das reservas dos passageiros desesperados, confere numa listagem (não há computador), manda pesar a bagagem e em seguida desaparece. Mais meia hora ou uma hora ele reaparece e começa toda a balbúrdia de novo. Um espanhol com quem conversei no meio desse caos tinha passagem com a Tara Air também às 9h, como eu. Ele foi chamado, embarcou e eu fiquei. No entanto, duas garotas estavam nesse sufoco de não conseguir embarcar desde o dia anterior às 7h da manhã. Eles não seguem a ordem cronológica das reservas, é tudo aleatório. A cada vinda do funcionário para o guichê o tumulto e a correria se instalavam, isso em todos os guichês pois nas outras companhias era a mesma coisa. Conclusão: não fui chamado para os voos seguintes e por volta de 13h os funcionários não voltaram mais ao guichê, nem para avisar se haveria outros voos ou não naquele dia. Total falta de respeito! A essa altura já tinha feito amizade com algumas outras pessoas na mesma situação que eu. Concluímos que os voos haviam sido cancelados por causa da mudança do tempo. Descobrimos onde era o escritório da Tara Air (dentro do aeroporto mesmo, no corredor à esquerda de quem entra) e fomos confirmar isso e remarcar o voo para o dia seguinte. Voltei ao mesmo lodge, almocei um dal bhat e enrolei a tarde toda. A mínima durante a noite dentro do quarto foi 6,9ºC. Às 7h20 da manhã estava 7,4ºC. Himalaia visto do avião entre Lukla e Kathmandu 17/11/18 - finalmente sucesso no embarque no voo Lukla-Kathmandu Meu voo estava marcado para 9h. Cheguei ao aeroporto às 8h30. Mas nesse dia foi diferente pois na confusão do dia anterior eu e os parceiros na mesma situação aprendemos algumas coisas que vão como dica importante aqui para não passar por tanto sufoco. Pelo menos para a Tara Air isso é válido. Ao chegar ao aeroporto é importante ir ao escritório da companhia e pedir (ou mesmo exigir) que eles informem o número do voo em que está previsto o seu embarque. Não é o número do voo dado na hora da reserva, é um número sequencial que eles criam no dia do embarque. Sim, a coisa é pra lá de confusa! Com esse número na mão não é preciso correr para o guichê e se matar junto com os outros passageiros toda vez que o funcionário aparecer para fazer um check in. Basta perguntar a ele: qual é o número desse voo? Se for o seu, basta entregar a reserva e o passaporte, se não for espere a próxima aparição dele. Isso aprendemos a duras penas! E sempre torcer para as nuvens não chegarem e os voos serem todos cancelados. Nesse dia fiz o check in às 10h e consegui decolar de Lukla às 13h, chegando ao aeroporto de Kathmandu às 13h29. Algumas pessoas no avião estavam passando mal de tão nervosas mas o voo foi ótimo, sem nenhuma turbulência. O que assusta é o tamanho da aeronave, um Dornier 228 de apenas 12 lugares, e a pista curta e inclinada de Lukla que termina num precipício. Um alerta a quem pensa em comprar a passagem Lukla-Kathmandu com a empresa Summit Air: muitos voos dessa empresa não chegam a Kathmandu, embora os passageiros paguem o mesmo valor (ou mais) que os outros que desembarcam em Kathmandu. O avião pousa em algum aeroporto menor no caminho e o restante da viagem é feito de ônibus. Como as estradas no Nepal são péssimas soube de viagens que estavam levando de 4h a 7h!!! Quer dizer, você paga US$179 por uma passagem aérea para viajar 15 minutos num avião e depois 7h num ônibus! Informações adicionais: . Somente essas quatro companhias aéreas fazem o trajeto entre Kathmandu e Lukla: .. Nepal Airlines: www.nepalairlines.com.np (clique em Domestic Flight) .. Tara Air: www.yetiairlines.com .. Sita Air: sitaair.com.np .. Summit Air: www.summitair.com.np . O posto de saúde de Gokyo tem palestras diárias e gratuitas sobre aclimatação e Mal da Montanha às 15h . Melhor mapa: Jiri to Everest Base Camp, 1:50.000, editora Himalayan MapHouse/Nepa Maps, código NE521, encontrado facilmente nas livrarias de Kathmandu (Rs500 = US$4,34). Site: himalayan-maphouse.com. Rafael Santiago novembro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  10. Everest e Nuptse vistos do Kala Pattar Início: Namche Bazar Final: Pheriche Duração: 9 dias Maior altitude: 5643m no cume do Kala Pattar Menor altitude: 3313m na vila de Phunki Thenga Dificuldade: alta. Muita subida e muita descida quase todos os dias, com desníveis de 600m a 800m diários, sempre acima dos 3300m, o que exige aclimatação. O Passo Kongma La, de 5530m, impõe uma dificuldade a mais. Permissões: entrada do Parque Nacional Sagarmatha (Rs 3000 = US$ 26,04) e permissão local que substituiu o TIMS card para a região do Everest (Rs 2000 = US$17,36). Obs.: antes de ler este relato sugiro a leitura do meu "Pequeno guia de trekking independente no Nepal" para ter as informações básicas para as caminhadas naquele país. O trekking Namche Bazar-Campo Base do Everest é a segunda parte de uma caminhada de 23 dias que foi de Shivalaya até o Campo Base e percorreu dois dos três passos de montanha que levam a Gokyo. A primeira parte está descrita aqui e a terceira parte está descrita aqui . Como esta etapa do trekking ocorre acima dos 3000m de altitude, foi preciso dedicar alguns dias às caminhadas de aclimatação. Para saber mais sobre a importância da aclimatação e os riscos de não fazê-la sugiro ler este tópico no "Pequeno guia". Ao longo do relato colocarei o nome das vilas com as variações de escrita mais frequentes e também pelos diferentes nomes que constam nos mapas e nas placas. No percurso desse trekking há muitas fontes de água, como riachos no meio da trilha e torneiras ou bicas nas vilas. Não cito todas no relato porque são muitas. A água deve sempre ser tratada, conforme explico no "Pequeno guia de trekking independente no Nepal". As operadoras de celular que funcionam em alguns dos povoados ao longo deste trekking são: . Namche Bazar: NCell . Pangboche: NCell (somente em alguns lugares da vila) . Dingboche: só Everest Link . Chukhung: só Everest Link . Pheriche: só Everest Link . Lobuche: só Everest Link . Gorak Shep: Everest Link, NCell muito instável O cartão pré-pago de wifi Everest Link promete funcionar em toda a região do Everest desde Lukla até o Campo Base. Não o testei porque não sabia da existência e já havia comprado o chip da operadora NCell em Kathmandu. Mais informações no "Pequeno guia". Todos os preços abaixo estão na moeda do Nepal (rupia nepalesa) e convertidos para dólar pela média dos câmbios que encontrei em Kathmandu entre outubro e dezembro de 2018 (US$ 1 = Rs 115,20). Para mostrar a variação de preços das refeições em cada povoado ao longo dos trekkings vou colocar ao final de cada dia o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Mirante próximo ao Hotel Everest View (da esq para a dir): Cholatse, Taboche, Nuptse (20º mais alto do mundo), Everest, Lhotse (4º mais alto do mundo), Lhotse Shar e o magnífico Ama Dablam 8º DIA - 31/10/18 - de Namche Bazar a Khumjung e Khunde (aclimatação) Duração: 5h30 (descontadas as paradas) Maior altitude: 4050m Menor altitude: 3430m Resumo: como havia ultrapassado os 3000m de altitude, segui a recomendação de fazer caminhadas de aclimatação a partir de Namche Bazar. Nesse dia subi até o Hotel Everest View para fotos do Everest e outras montanhas em 360º, depois percorri as vilas de Khumjung e Khunde, e ainda subi ao mirante Gong Ri View Point (ou Hillary Memorial View Point). Voltei para dormir novamente em Namche. Saí do lodge às 7h03 e subi pela escadaria central da vila, passando à direita do Khumbu Resort. Mais acima a escada de pedra termina, o caminho quebra para a direita e se transforma numa ladeira com degraus espaçados. Na bifurcação sem placa fui à esquerda subindo. Mais acima fui à esquerda numa bifurcação com placa apontando Tyangbuche à esquerda e hotéis (e um museu) à direita. Cerca de 90m acima fui à esquerda na placa apontando Khumjung Khunde à esquerda e Tengboche Gokyo à direita (meu destino no dia seguinte). A subida continua por trilha estreita e em zigue-zague. Segui pela trilha principal até um hotel no alto, o Everest Sherpa Resort. Contornei-o pela direita e subi a um morrote às 7h59. Ali está a primeira visão do Everest para quem inicia a caminhada em Lukla (para mim a primeira visão do Everest foi em Phurtyang, no 4º dia de caminhada). Desse mirante se avistam muitas outras montanhas. Na sequência da esquerda para a direita a nordeste estão: Cholatse, Taboche, Nuptse (20º mais alto do mundo), Everest, Lhotse (4º mais alto do mundo), Lhotse Shar e o magnífico Ama Dablam. A leste estão o Kangtega e o Thamserku, a sudeste o Kusumkangaru (Kusum Kanguru) e ao norte o Khumbila. Dali poderia seguir pela trilha mais batida mas o Christopher (o austríaco) me sugeriu subir um pouco mais e caminhar por uma crista que dava visão para o outro lado, para a vila de Khumjung aos pés do Pico Khumbila. E foi o que fiz, saindo às 8h27. A trilha é estreita e pouco usada, mas se funde à principal ao descer da crista. Com mais 300m já estava no Hotel Everest View, às 9h05. Não se deve entrar no hotel pela escadaria (como eu fiz) para tentar acessar a frente dele e ter a melhor visão das montanhas, mas sim subir à sua direita até algumas antenas, onde a panorâmica de 360º é bastante parecida com a do mirante anterior. Porém a vista na direção do Everest é mais desimpedida e pode-se enxergar a vila de Phortse, por onde eu passaria no 17º dia, e a vila de Tengboche na crista de uma serrinha a 4,5km dali, com o caminho subindo até ela (passaria por ela no dia seguinte). Desse mirante das antenas, a 3886m de altitude, se avista também a Ponte Larja, a ponte dupla por onde havia passado no dia anterior. Parei para contemplar a paisagem mas quando começou a encher muito e ficar muito ruidoso o lugar, saí em direção a Khumjung, às 10h33. Os pousos e decolagens de helicópteros de voos panorâmicos ali são constantes (ou serão hóspedes vip chegando e saindo do hotel?). Caminhei de volta ao hotel, desci a escadaria por onde cheguei e entrei na trilha sinalizada com "way to Khumjung" à direita. A trilha atravessa uma pequena mata e na descida para Khumjung desviei à direita até uma stupa para mais fotos. Essa stupa tem uma placa de dedicatória a sir Edmund Hillary, primeiro homem (junto com Tenzing Norgay) a atingir o cume do Everest, em 1953, e que dedicou sua vida a ajudar o povo sherpa através da organização Himalayan Trust, que ele fundou em 1960. Retomei a trilha principal mais abaixo e desci à vila de Khumjung. Atravessei-a toda e ao chegar a uma praça central com mais stupas entrei à direita seguindo a placa "Khumjung Gomba". Segui pelos caminhos cercados por muros de pedras e alcancei a gomba (monastério) Samten Choling às 11h46. Tirei fotos externas apenas pois havia uma taxa para entrar e eu já havia entrado em vários monastérios budistas. Havia duas rodas mani enormes ao lado. Sentei por ali para comer alguma coisa que trazia de lanche e às 12h02 me encaminhei à vila de Khunde. Voltei apenas 70m pelo mesmo caminho e na primeira bifurcação entrei à direita seguindo a placa. Esse é um caminho secundário de ligação entre as duas vilas, o caminho principal sai da praça central das stupas. Alcancei a vila de Khunde às 12h23 e passei perto do Hospital Hillary, o único hospital do Khumbu (não espere um grande hospital, por fora parece mais um posto de saúde). Avistei o monastério de Khunde no alto, entre as árvores de uma colina, e fui na sua direção. Ao chegar ao pé da colina havia uma placa: Khunde Gomba (monastério) à direita e Gong Ri View Point à esquerda. Fui primeiro ao monastério e é linda a vista das duas vilas com seus telhados verdes e extensos muros de pedras contra as montanhas nevadas ao fundo. Desci de volta à placa e às 12h47 segui à direita para conhecer o Gong Ri View Point (ou Hillary Memorial View Point). Subi dos 3886m dessa placa até os 4050m do mirante em 24 minutos. Ao atingir a crista fui para a esquerda na bifurcação e cheguei a um mirante murado com vista para Namche Bazar bem abaixo, as vilas de Khunde e Khumjung a nordeste e o vale do Rio Bhote Koshi a oeste. As nuvens da tarde já estavam atrapalhando um pouco a visão das montanhas mais distantes, mas ainda estavam visíveis o Khumbila ao norte, o Ama Dablam a nordeste, o Kangtega e o Thamserku a leste, o Kusumkangaru (Kusum Kanguru) a sudeste. O Everest seria visível desse mirante também, não fossem as nuvens. Depois voltei à bifurcação e fui para o lado oposto, onde estão as três stupas brancas de pedra em homenagem a Sir Edmund Hillary, sua primeira esposa Louise e a filha do casal Belinda, ambas falecidas num acidente aéreo em Kathmandu em 1975. Ele faleceu em 2008 em Auckland, Nova Zelândia, sua cidade natal. O local para prestar essa homenagem a Edmund Hillary e família não poderia ser mais espetacular. Iniciei a descida de volta pelo mesmo caminho às 14h06 e em 17 minutos estava na placa próxima ao monastério. Dali voltei mais 130m pelo caminho da chegada e fui à direita na primeira bifurcação, depois caminhei na direção do portal da vila, ao sul. Na saída passei por uma grande stupa em reforma, atravessei o portal budista às 14h41, subi uma escadaria de pedras e iniciei a descida de volta a Namche Bazar. Às 15h06 entroncou à esquerda o caminho largo que vem da praça central de Khumjung. Passei pelo vilarejo de Syangboche (com uma pista de pouso de terra) e às 15h13 fui à esquerda numa bifurcação com placa apontando Thame e Thamo à direita. Às 15h28 tive uma bonita visão de Namche Bazar do alto, em forma de anfiteatro. Desci mais, passei pelo monastério (gompa) de Namche e às 15h49 estava de volta à vila. Tratei logo de encontrar outro lodge para ficar já que fui "expulso" do Shangri La esta manhã. Procurei algum outro em que o quarto saísse de graça também, mas não encontrei. Resolvi ficar no Valley View Lodge por Rs100 (US$0,87) o quarto. O banheiro ficava dentro do lodge e tinha vaso sanitário com descarga acoplada. Para escovar os dentes havia um lavatório no corredor. Saí para conhecer mais de Namche e comprar algumas coisas. Comprei por Rs1000 (US$8,68) um par de microspikes (pequenos crampons) para ter mais segurança na passagem pela geleira do Passo Cho La, no caminho entre o EBC (Campo Base do Everest) e Gokyo. Numa padaria tomei um chá de gengibre (Rs 150 = US$1,30) enquanto esperava recarregar o celular (de graça para quem consome alguma coisa). De volta ao lodge tomei um delicioso banho quente na ducha aquecida a gás por Rs300 (US$2,60). No refeitório fiz amizade com um francês e uma americana que falava um pouco de português por ter amigos no Brasil. Ambos muito simpáticos. Ao contrário do Lodge Shangri La, este tem mais trilheiros independentes e é mais fácil fazer amizade. A comida e o banho são mais baratos também. Continuo na minha rotina noturna diária de filtrar pelo menos 1,5 litro de água com o filtro Sawyer e depois ferver com o meu fogareiro para beber no dia seguinte. Altitude em Namche Bazar: 3430m Preço do dal bhat: Rs 490 Preço do veg chowmein: Rs 450 Monastério de Tengboche 9º DIA - 01/11/18 - de Namche Bazar a Pangboche Duração: 5h30 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3943m Menor altitude: 3313m Resumo: nesse dia percorri a vertente da margem oeste do Rio Dudh Koshi, cruzei esse rio para subir a Tengboche e em seguida passei a caminhar pelo vale do Rio Imja até a vila de Pangboche. Saí do lodge às 7h25 pelo mesmo caminho do dia anterior subindo a escadaria central e indo à esquerda na placa Tyangbuche, porém logo acima fui à direita na placa Tengboche Gokyo. Logo encontrei com grupos e mais grupos indo na mesma direção. O caminho pela encosta da margem oeste do Rio Dudh Koshi é bem largo para comportar tanta gente. O Rio Dudh Koshi é um dos principais rios da região. Venho acompanhando seu curso desde o 5º dia de caminhada, vou segui-lo nesse dia até o povoado de Phunki Thenga e depois no trajeto de Phortse a Gokyo, onde estão suas nascentes. Já era possível avistar a vila de Tengboche 4km à frente (em linha reta). Às 8h53 passei pelos lodges de Kyangjuma. Às 9h duas trilhas saem para a esquerda, mas em direções opostas. A da frente (nordeste) vai para Gokyo, subindo. A de trás (sudoeste) vai para Khumjung, também subindo. Eu fui em frente à direita, seguindo a placa de Tengboche. Às 9h04 passei pela vila de Sanasa e às 9h25 pelo povoado de Tashinga (Lawishasa, Laushasa). Às 9h50, ao cruzar a ponte suspensa após a vila de Phunki Thenga (Fungithang, Phungitanga), encontrei quem voltando? o Christopher, o austríaco ligeirinho. Porém não estava bem, seu joelho inchou e ele não podia seguir mais. Contratou um carregador para a sua mochila e ia voltar para casa. Uma pena... um amigo a menos para encontrar e reencontrar no caminho para o Everest. Atravessei a ponte (sobre o Rio Dudh Koshi) e tive uma surpresa não muito agradável: uma guarita ao lado da trilha onde se devia pagar a hospedagem nas próximas vilas (Tyangboche, Debuche e Pangboche) e no valor padrão de Rs500 (US$4,34). Ou seja, foi por água abaixo a negociação do quarto de graça se as refeições fossem feitas no próprio lodge, como tinha sido de Shivalaya até aqui (e foi no Langtang também). Após a ponte há mais lodges e restaurantes da vila de Phunki Thenga (Fungithang, Phungitanga). A altitude é a mais baixa do dia: 3313m. Parei ali na chautara (descanso dos carregadores) às 10h03 para comer alguma coisa que trazia na mochila. Ao sair sou logo parado no checkpoint na saída da vila para mostrar as permissões pagas em Monjo (permissão local e entrada do Parque Nacional Sagarmatha). Ali começa uma longa subida em direção a Tengboche, em parte à sombra da mata de rododendros e pinheiros. Às 10h23 desprezei uma trilha subindo à esquerda e continuei em frente, mas parece que as duas trilhas se encontram mais acima. Nos trechos fora da mata era possível ter uma bonita visão dos picos Kangtega e Thamserku a sudeste. Alcancei Tengboche às 11h35 depois de um desnível de 533m desde a ponte do Rio Dudh Koshi. Ali visitei o maior monastério do Khumbu, caprichosamente decorado desde seu belo portal. Da grande praça central de Tengboche se avistam Ama Dablam, Khumbila, Taboche, entre muitos outros picos nevados. Também seria possível ver o Everest se as nuvens já não o tivessem encoberto. Parei para almoçar um veg fried rice e às 12h51 prossegui descendo pela mata de pinheiros e rododendros. Passei pela vila de Debuche às 13h05 (não visitei o convento) e Milinggo às 13h25. Às 13h37 cruzei a ponte suspensa sobre o Rio Imja e continuei acompanhando esse rio subindo pela margem direita verdadeira. O Rio Imja será meu companheiro pelos próximos dias. Após um portal budista (kani), fui à direita na bifurcação descendo (a esquerda leva à parte alta de Pangboche, onde está o monastério). Alcancei Pangboche às 14h18 e me instalei no Himalayan Lodge. Entreguei uma via do recibo de pagamento do quarto. O banheiro ficava dentro da casa, tinha vaso sanitário mas a descarga era com balde. Havia uma pia no corredor para escovar os dentes e se lavar. Tentei sinal da NCell e consegui apenas um sinal fraco perto da Hermann Bakery. Mais tarde no refeitório conheci um casal muito simpático que seria minha companhia por muitos dias ainda: Lando e Rosanne, holandeses. Na chegada a Pangboche à tarde havia conhecido três amigos russos muito legais também (e com um deles eu cruzaria várias vezes ainda). Altitude em Pangboche: 3943m Preço do dal bhat: Rs 600 Preço do veg chowmein: Rs 450 Campo Base do Ama Dablam 10º DIA - 02/11/18 - de Pangboche a Dingboche Duração (descontadas as paradas): 2h (subida ao Campo Base do Ama Dablam), 1h20 (descida do Campo Base do Ama Dablam), 2h (de Pangboche a Dingboche) Maior altitude: 4596m no Campo Base do Ama Dablam Menor altitude: 3910m na ponte do Rio Imja Resumo: de manhã fiz uma espetacular caminhada de aclimatação até o Campo Base do Ama Dablam com um desnível de 680m de altitude e à tarde segui pelo vale do Rio Imja até Dingboche A temperatura mínima durante a noite dentro do quarto foi 7,2ºC. Saí do lodge às 6h52 na direção nordeste, cruzei uma ponte metálica, subi as escadarias e na trifurcação seguinte desci em frente junto ao muro de pedra de um lodge. Cruzei a ponte de ferro sobre o Rio Imja às 7h16 e comecei a longa subida em direção ao Campo Base do Ama Dablam. O caminho é bem marcado e fácil de navegar, sempre subindo em direção às duas incríveis montanhas que formam o Ama Dablam. Parei muitas vezes para fotos e para curtir o incrível visual das montanhas ao redor (antes que as nuvens chegassem): Karyolung, Khatang e Numbur a sudoeste; Taboche a noroeste; Khangri Shar e Pumori ao norte; Nuptse, Everest, Lhotse e Lhotse Shar a nordeste. A nordeste também se viam a vila de Dingboche e a subida para o mirante Nangkartshang. Cheguei ao campo base às 9h33. Altitude de 4596m. No caminho o casal holandês (Lando e Rosanne) havia me alcançado e ficamos um bom tempo ali curtindo o lugar. Foi a primeira vez que pisei num campo base com as barracas das expedições ali montadas, é muito bonito de se ver. Escaladores esperando o melhor tempo para subir e outros já se preparando para ir embora. Uns brincando de boulder, outros simplesmente tomando sol. Entre tantos escaladores encontrei dois brasileiros, ele de Campinas e ela de São Paulo. Conversando com eles e com outros por ali me contaram que apesar do dia lindo e sem nuvens os ventos no alto da montanha estavam muito fortes para tentar uma escalada. Dali se destacam na paisagem, além do próprio Ama Dablam a leste, o Kangtega ao sul, o Khumbila a oeste e o Taboche a noroeste. Às 11h22 iniciei o retorno pelo mesmo caminho porém ao cruzar a ponte sobre o Rio Imja tomei a trilha à esquerda que subiu e terminou na escadaria de pedra próxima à ponte metálica. Na ida não percebi que havia uma trilha ali saindo à direita no meio da escadaria. Às 12h43 estava de volta ao lodge para almoçar e pegar minha mochila. As nuvens chegaram por volta de 13h e até o fim do dia a neblina tomaria conta de tudo. Nessa altitude é bastante comum isso, sol e céu limpo de manhã, muitas nuvens e até neblina à tarde. Por isso é bom sair para caminhar e fotografar as montanhas bem cedo. Às 13h19 saí do lodge em direção a Dingboche. O caminho é o mesmo pela ponte metálica e a escadaria na direção nordeste porém na trifurcação toma-se a esquerda para percorrer a trilha na encosta da margem oeste do Rio Imja. Subindo passei pela vila de Somare às 14h e ali já fui parado numa guarita para pagar a hospedagem da próxima vila. De novo foram Rs500 (US$4,34) e a impossibilidade de negociar o valor do quarto diretamente com o dono/dona do lodge. Acredito que em breve toda a região do Khumbu (de Namche Bazar para o norte) deverá estar usando esse sistema de pagamento. A partir desse povoado, a 4056m de altitude, as árvores desaparecem e fica só a vegetação rasteira. Com a ausência de lenha os moradores passam a recolher, secar e estocar esterco de iaque para usar nos aquecedores. Às 14h34 cheguei a uma bifurcação bastante importante porém sem nenhuma placa. É pra isso que a gente paga Rs 3000 (US$ 26,04) de ingresso... para caminhar num parque sem sinalização. À direita é o caminho que leva a Dingboche e Chukhung, mais utilizado pelos trilheiros que vão fazer o trekking dos 3 Passos; à esquerda o início da subida para Pheriche e Lobuche para quem vai diretamente ao EBC. Meu caminho seria para a direita. Ali eu estava a 4172m de altitude e havia já um trilheiro vomitando muito e outro andando feito um zumbi apesar da mochila pequena. Consequências da falta de aclimatação! Desci até a ponte de ferro sobre o Rio Khumbu (ou Rio Lobuche), afluente do Rio Imja, e a cruzei às 14h45. Dali encarei a subida final pela encosta da margem oeste do Rio Imja até Dingboche, aonde cheguei às 15h17 com neblina. Como já havia pago a hospedagem podia escolher o lodge que quisesse, somente prestando atenção aos preços do menu. Escolhi o Moon Light Lodge e o atendimento era razoável (podia ser bem melhor). Um aviso no quarto alertava para fazer as refeições ali mesmo, caso contrário o quarto custaria Rs1000 (US$8,68). O banheiro ficava dentro da casa e era no estilo oriental, uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. Para escovar os dentes havia uma pia no corredor e sobre ela um tambor com torneira (e uma água bastante suspeita). Altitude em Dingboche: 4294m Preço do dal bhat: Rs 550 Preço do veg chowmein: Rs 500 Pico Taboche (dir) visto da montanha Nangkartshang 11º DIA - 03/11/18 - de Dingboche a Chukhung Duração (descontadas as paradas): 2h (subida ao Nangkartshang), 1h25 (descida do Nangkartshang), 2h (de Dingboche a Chukhung) Maior altitude: 5076m no Nangkartshang Menor altitude: 4294m Resumo: de manhã fiz uma bonita caminhada de aclimatação subindo a montanha Nangkartshang com um desnível de 780m de altitude e à tarde subi à vila de Chukhung pelo vale do Rio Imja A temperatura mínima durante a noite dentro do quarto foi -1,2ºC. Às 5h50 da manhã estava 5,3ºC. De manhã com o céu limpo é que pude ver as montanhas ao redor de Dingboche: Lhotse, Lhotse Shar e Island Peak (Imja Tse) a nordeste, Ama Dablam a sudeste, Kangtega e Thamserku ao sul, Taboche e Cholatse a oeste. Depois de tomar o café servido com o maior mau humor por causa do horário (6h) saí do lodge às 6h42. Voltei 120m na direção da entrada da vila e peguei a trilha à direita que leva a uma stupa, logo iniciando a subida à montanha Nangkartshang. Inicialmente aparecem várias trilhas pois é possível começar essa subida pela outra extremidade da vila (ao norte), mas é só subir e subir que não há erro. Alcancei o cume, de 5076m, às 9h09 e só havia mais uma pessoa, um australiano. Logo começaram a chegar mais montanhistas e bem depois apareceram Lando e Rosanne, que haviam dormido esta noite em Pangboche. Do cume se avistam: Taboche e Cholatse e o Lago Chola Tsho (Cholatse Tsho) a oeste; Cho Oyu (6º mais alto do mundo) a noroeste; Island Peak e Makalu (5º mais alto) a leste; Ama Dablam a sudeste; Kyashar, Kangtega e Thamserku ao sul; Karyolung, Khatang e Numbur a sudoeste. Logo abaixo a sudoeste estão as vilas de Pheriche e Dingboche. Iniciei a descida às 11h09 e às 12h38 já estava de volta ao lodge para almoçar e pegar a mochila. Parti às 13h19 em direção a Chukhung ainda pela margem direita verdadeira do Rio Imja. Passei por 4 pontos de água limpa, mas que ainda assim deve ser tratada (mais detalhes no "Pequeno guia"). Parei nesse trecho por 19 minutos para um lanche. Por volta de 15h o Rio Imja se afasta para leste e eu passo a acompanhar um afluente seu que tem origem no Glaciar Lhotse. Após cruzar duas pontes, uma de troncos e outra de madeira com gelo nas laterais do rio, cheguei às 15h39 a Chukhung. Na entrada da vila passei por uma barraca de camping montada onde seria feito o pagamento do quarto, como nas duas vilas anteriores, mas estava com o zíper fechado e não havia ninguém. Percorri todos os 5 ou 6 lodges da vila e resolvi ficar num grande desta vez para ver como é. Escolhi o Chukhung Resort, o maior de todos. Os banheiros ficavam dentro do lodge, todos no estilo oriental. Para escovar os dentes havia uma pia no corredor com um balde e uma torneira adaptada, mas eu preferia escovar os dentes com a água que eu pedia na cozinha. A cobrança das Rs500 (US$4,34) do quarto foi feita na hora da janta por uma pessoa da comunidade, não do lodge. Altitude em Chukhung: 4720m Preço do dal bhat: Rs 595 Preço do veg chowmein: Rs 595 Campo Base do Island Peak 12º DIA - 04/11/18 - de Chukhung ao Campo Base do Island Peak (aclimatação) Duração: 2h40 na ida e 2h25 na volta (descontadas as paradas) Maior altitude: 5105m Menor altitude: 4720m Resumo: nesse dia fiz uma caminhada de aclimatação subindo ao Campo Base do Island Peak (Imja Tse) com um desnível de 385m de altitude. A temperatura mínima durante a noite dentro do quarto foi -1,1ºC. Às 6h25 da manhã estava -0,4ºC. As montanhas que se vê da vila de Chukhung: Karyolung, Khatang e Numbur a sudoeste; Taboche a oeste; Nuptse, Lhotse e Lhotse Shar a nordeste; Ama Dablam ao sul. Saí do lodge às 6h57 tomando uma trilha na direção sudeste que em 4 minutos me levou a cruzar um riacho por uma ponte de madeira. Subi e passei a caminhar pela crista da moraina lateral sul do Glaciar Lhotse, mas não uma geleira branquinha de gelo puro e sim um vale cinzento coberto de pedras. Mais à frente, já na direção leste, desço pela vertente da moraina e reencontro o vale do Rio Imja, que acompanho de perto até uma bifurcação com placa, às 9h13. À direita o Passo Amphu Laptsa e à esquerda o Island Peak, para onde segui. O Lhotse, 4ª montanha mais alta do mundo, me acompanha o tempo todo, à minha esquerda. Numa curva para a direita já avisto as barracas do campo base, 1,6km distante ainda. Agora à minha esquerda deixo de ter o Glaciar Lhotse e passo a ter a encosta do Island Peak (Imja Tse). Alcancei o primeiro acampamento às 10h30. Demorei assim porque parei muitas vezes para fotos. O segundo acampamento estava 340m à frente, com altitude de 5105m. Ainda caminhei mais 300m para fotos do incrível Lago Imja Tsho, formado pela fusão de vários glaciares e que dá origem ao Rio Imja. A água não é tão bonita por ser leitosa e não cristalina, mas o lugar todo é impressionante pela grandiosidade. A montanha que se ergue ao norte é o próprio Island Peak (Imja Tse), os campos base estão exatamente aos seus pés. Parei para comer alguma coisa e ver o movimento de escaladores e carregadores chegando e saindo. Iniciei o retorno às 13h18 pelo mesmo caminho. Como sempre as nuvens vieram à tarde e nesse dia se formou de novo uma forte neblina. Cheguei ao lodge às 16h07. Cume do Chukhung Ri com o Cho Oyu (6º mais alto do mundo) à esquerda e Nuptse à direita 13º DIA - 05/11/18 - de Chukhung ao Pico Chukhung Ri (aclimatação) Duração: 2h20 para subir e 1h25 para descer (descontadas as paradas) Maior altitude: 5558m Menor altitude: 4720m Resumo: nesse dia fiz uma caminhada de aclimatação subindo a montanha Chukhung Ri com um desnível de 840m de altitude. A temperatura mínima durante a noite dentro do quarto foi -3,4ºC. Às 7h10 da manhã estava -1,9ºC. Havia gelo no vidro da janela, coloquei o termômetro lá fora e estava -6,4ºC às 7h25, pouco antes de eu sair para a caminhada do dia. Não dormi quase nada essa noite... insônia é um dos sintomas do Mal da Montanha (AMS, em inglês). Saí do lodge às 7h44, atravessei toda a vila e continuei pela trilha na direção nordeste. Cruzei uma ponte de madeira e comecei a subir a vertente leste da montanha Chukhung Ri. O caminho é bem batido. Ao atingir um primeiro platô é magnífica a vista para o conjunto Nuptse, Lhotse e Lhotse Shar a nordeste. Às 9h48 atingi um falso cume com dezenas de totens a 5375m de altitude. Continuei subindo, agora pela crista, e aos 5433m a trilha virou um trepa-pedras um pouco chato. Cruzei com o russo que conheci em Pangboche e ele me recomendou caminhar pela crista dessa montanha de pedras e não cair para a direita pois o caminho iria piorar mais à frente. Assim cheguei às 10h42 ao cume de 5558m de altitude do Chukhung Ri e a panorâmica era de cair o queixo: Nuptse ao norte; Lhotse e Lhotse Shar a nordeste; Island Peak e Makalu a leste; Ama Dablam ao sul; Thamserku a sul-sudoeste; Karyolung, Khatang e Numbur a sudoeste; Taboche, Cholatse e o Passo Kongma La a oeste; Kongma Tse (Mehra Peak), Cho Oyu, Chumbu, Khangri Shar e Pumori a noroeste. Havia só mais um trilheiro solitário quando cheguei mas logo apareceram outros. Novamente chegaram mais tarde Lando e Rosanne, acompanhados de um americano. Todos desceram e eu fiquei um pouco mais ainda. Estava difícil aguentar o vento gelado lá em cima mesmo com roupas impermeáveis (que servem como ótimo corta-vento), luvas, gorro, capuz e pescoceira de fleece cobrindo o nariz e a boca. Todo esse ar gelado teve consequências: à noite comecei a sentir a garganta estranha, depois veio a famosa Tosse do Khumbu (que durou até o final de dezembro!) e para piorar tive uma infecção na garganta que teve de ser tratada com antibiótico em Kathmandu. Iniciei a descida às 13h12 e parei por 20 minutos no falso cume para mais fotos. Às 15h04 estava de volta à vila de Chukhung. Mais tarde fui ao lodge Yak Land conversar com o casal holandês e combinamos de cruzar juntos o Passo Kongma La no dia seguinte. Lago visto do Passo Kongma La com o pico Makalu (5º mais alto do mundo) à esquerda 14º DIA - 06/11/18 - de Chukhung a Lobuche pelo Passo Kongma La Duração: 6h50 (descontadas as paradas) Maior altitude: 5530m Menor altitude: 4720m Resumo: nesse dia encarei o primeiro dos 3 Passos, o Kongma La, com 5530m de altitude, para descer em seguida à vila de Lobuche cruzando o Glaciar Khumbu, uma geleira coberta de pedras um pouco complicada. A temperatura mínima durante a noite dentro do quarto foi -1,3ºC. Às 7h da manhã estava 0ºC dentro do quarto e -4ºC fora, pouco antes de sair do lodge. De novo não dormi quase nada essa noite... apesar das muitas caminhadas de aclimatação meu organismo ainda não se adaptou completamente à altitude. Logo cedo fui ao lodge Yak Land para encontrar Lando, Rosanne e o americano para irmos juntos para o Passo Kongma La. Saímos às 7h24 na direção norte e logo cruzamos uma ponte de madeira, tomando aos poucos a direção oeste. Havia sinalização. Deu logo para perceber que nossos ritmos eram bem diferentes, eu caminho mais devagar e paro muitas vezes para fotos e registros no gps. Eles andavam mais rápido e tinham que parar para me esperar. Tentei acompanhar o ritmo deles durante a subida e consegui por bastante tempo, mas isso me desgastou muito (principalmente por estar já há duas noites sem dormir) e às 10h50, aos 5429m, tive de parar para descansar por meia hora. Não adianta, cada um tem seu ritmo e não dá para acompanhar o ritmo do outro, seja para mais ou para menos. Retomei a caminhada e em apenas 60m me deparei com um maravilhoso lago de águas verdes... se soubesse teria parado um pouquinho mais acima. Contornei-o pela direita e veio a subida final até o Passo Kongma La, de 5530m, aonde cheguei às 12h04. Os três ainda estavam me esperando lá, mas desceram logo. O passo é uma crista bem extensa e repleta de pedras soltas, onde não faltam totens, bandeirinhas de oração budistas e lenços cerimoniais, como nas outras montanhas que subi. Dali se avistam Nuptse, Lhotse e Lhotse Shar a nordeste, Island Peak e Makalu a leste, Ama Dablam ao sul-sudeste, Taboche e Cholatse a oeste, Cho Oyu e Chumbu a noroeste. Comi alguma coisa (importante levar lanche e água por causa da distância entre as vilas), tirei ainda muitas fotos e iniciei a descida às 12h55 primeiro por um caminho de pedras soltas, mais abaixo é que volta a ser trilha. Passei por uma cachoeira congelada à direita e logo o gelo estava tomando conta da trilha também, mas havia lugares seguros para pisar fora dele. Já desde o passo podia avistar a vila de Lobuche e o Glaciar Khumbu, um mar de pedras que teria que cruzar para chegar lá, e isso parece que me causava mais cansaço ainda. Parei para descansar e comer alguma coisa. Terminei a descida do passo e subi em seguida a moraina lateral da geleira. Ao chegar ao topo da moraina às 15h22 e ver de perto o que teria de enfrentar sentei para descansar um pouco mais. Dali em diante segui pegadas, parei para estudar o caminho em alguns pontos e segui na direção de outros trilheiros que já estavam mais à frente para vencer o enorme glaciar. Foi um sobe-e-desce terrível por pedras soltas e sem um caminho marcado, com pegadas para vários lados. Lembrando que esse tipo de formação tem a aparência de um "mar" de pedras soltas mas embaixo de tudo aquilo é puro gelo, então é preciso ter cuidado onde pisa e para que lado ir. Pelo movimento e derretimento do gelo não é possível existir um caminho fixo e bem definido. O local é impressionante mas ao mesmo tempo aterrador. Às 15h58 tive de cruzar o rio principal que corre no meio da geleira e fiz isso exatamente onde duas pessoas já estavam fazendo. O lago formado abaixo do rio estava com a superfície congelada e era uma camada tão grossa que resistia a pedradas. Depois de mais sobe-e-desce consegui chegar a Lobuche às 16h44 mais morto que vivo. Felizmente meus três amigos estavam me esperando e não precisei procurar hospedagem, eles já haviam feito isso e estavam instalados no Sherpa Lodge. Dividi o quarto com o americano. Não havia cobertor no quarto, tive de pedir mas não foi cobrado. O valor do quarto, que aqui é de Rs700 (US$6,08), o mais caro de todo o trekking, novamente foi cobrado mais tarde por uma pessoa da comunidade e não do lodge. Os banheiros ficavam dentro da casa e era um no estilo oriental e outro com vaso sanitário. Para escovar os dentes havia uma pia no corredor com um balde e uma torneira adaptada. Altitude em Lobuche: 4916m Preço do dal bhat: Rs 850 Preço do veg chowmein: Rs 700 Everest e Nuptse vistos do Kala Pattar 15º DIA - 07/11/18 - de Lobuche a Gorak Shep e Kala Pattar Duração (descontadas as paradas): 2h (de Lobuche a Gorak Shep), 1h10 (subida ao Kala Pattar), 1h05 (descida do Kala Pattar) Maior altitude: 5643m Menor altitude: 4916m Resumo: esse foi o grande e esperado dia de ver o Everest o mais próximo possível e em seu melhor ângulo, que é a partir da montanha Kala Pattar. De Lobuche a Gorak Shep o desnível foi de 245m e de Gorak Shep ao Kala Pattar de 480m. Dormi em Gorak Shep para ir ao Campo Base do Everest no dia seguinte. Às 7h da manhã a temperatura dentro do quarto era 3ºC. Não dormi quase nada pela terceira noite seguida, mas como não tinha nenhum outro sintoma de Mal da Montanha segui meu roteiro. Saí do lodge às 7h31 na direção nordeste e segui por trilha paralela ao Glaciar Khumbu. A visão dos picos Pumori, Lingtren, Khumbutse e Nuptse à frente é muito inspiradora e nos prepara para o grande momento que está chegando. Às 8h48 tive que cruzar o Glaciar Changri repleto de pedras também mas sem as dificuldades da geleira do dia anterior pois nessa pelo menos há um caminho bem marcado. Depois de algum sobe e desce por essa geleira alcancei Gorak Shep às 9h42 e de cara encontrei a guarita de cobrança do valor do quarto de Rs500 (US$4,34). Pago o quarto, fui percorrer os lodges da vila para escolher em qual ficar. Optei pelo Buddha Lodge. Fiz uma mochila de ataque rapidamente com roupa de frio e de chuva (nunca se sabe...) e saí para subir o Kala Pattar e ver o Everest de seu melhor mirante. Na saída encontrei Lando, Rosanne e o americano chegando. Eles continuavam hospedados em Lobuche e vieram somente para subir o Kala Pattar, não iam ao Campo Base. Precisavam abastecer as garrafas de água mas os lodges da vila não fornecem água da torneira por causa da escassez, é preciso coletar a água na base do Kala Pattar, que é o que eles fazem para abastecer o lodge. E foi o que nós fizemos, porém a água fica em poças, então tratá-la é primordial. Iniciei a subida na direção norte às 10h54 e não fiz nenhuma parada até o topo pois queria tirar fotos do Everest e seus vizinhos sem nenhuma nuvem, céu completamente azul. Alcancei o cume do Kala Pattar às 12h02 e tratei de tirar todas as fotos possíveis antes de as nuvens chegarem. A altitude é de 5643m, que passou a ser o meu recorde de altitude já atingida. O mirante Kala Pattar está numa crista que culmina no Pico Pumori. Dali se avista, entre outras montanhas: Ama Dablam, Kongma Tse (Mehra Peak), Kyashar, Kangtega e Thamserku ao sul; Taboche e Cholatse a sudoeste; Chumbu a noroeste; Khangri Shar e Pumori ao norte; Lingtren, Khumbutse, Changtse a nordeste; Everest e Nuptse a leste. Meus três amigos desceram primeiro pois não estavam aguentando o vento gelado mesmo se abrigando atrás das pedras. Eu ainda fiquei um tempo para ter uma boa conversa com as montanhas. Esse era o momento mais esperado da viagem de dois meses no Nepal e um dos momentos mais esperados de toda a minha vida. A emoção foi bastante grande. Iniciei a descida às 14h06 e via no rosto das pessoas que subiam o mesmo esforço e a mesma expectativa que eu tive minutos antes. Todos querem coroar sua longa jornada ao Himalaia com esse instante sublime de estar diante da maior montanha de todas. Às 15h14 estava de volta a Gorak Shep. No Buddha Lodge os banheiros ficavam dentro da casa e havia um no estilo oriental e outro com vaso sanitário, mas a descarga sempre com balde (com a água congelada de manhã). Para escovar os dentes havia uma pia no corredor com um balde e uma torneira adaptada. Nesse lodge havia quartos de solteiro, com apenas uma cama, porém claustrofóbicos de tão pequenos. Havia um só cobertor para cada hóspede e o extra custava Rs300 (US$2,60). Tive de usar o meu saco de dormir (Marmot Helium, temperatura limite -9ºC). Às 20h15 a temperatura dentro do quarto era 1,6ºC e fora era -8,6ºC. Altitude em Gorak Shep: 5160m Preço do dal bhat: Rs 850 Preço do veg chowmein: Rs 700 Picos Changtse, Nuptse e no meio só a pontinha do Everest 16º DIA - 08/11/18 - de Gorak Shep ao Campo Base do Everest e descida a Pheriche Duração (descontadas as paradas): 1h10 (ida ao EBC), 1h15 (volta do EBC), 4h15 (de Gorak Shep a Pheriche) Maior altitude: 5264m a caminho do EBC Menor altitude: 4265m Resumo: de manhã subi até o Campo Base do Everest e à tarde desci o máximo que pude (até Pheriche) para poder dormir novamente e descansar, abortando com muita dor no coração o Passo Cho La. A temperatura mínima durante a noite dentro do quarto foi -8,6ºC, a mais baixa que registrei. Às 6h da manhã estava 0ºC. Não dormi quase nada pela quarta noite seguida e decidi baixar de altitude para poder dormir e me recuperar. Com isso estava tomando a difícil decisão de abortar o Passo Cho La, o segundo dos 3 Passos, pois seguir para ele significava ficar mais algumas noites sem dormir. Mas não poderia deixar de conhecer Gokyo e seus incríveis lagos sagrados, por isso iria fazer um contorno enorme pelo sul, descendo muito para depois subir tudo de novo até Gokyo. Pelo menos nas duas noites em altitude mais baixa durante esse contorno eu poderia dormir e descansar para enfrentar possíveis novas noites de insônia. Se eu tivesse Diamox teria tomado para ver se me ajudaria na aclimatação e eu voltaria a dormir. Eu tinha Dramin mas não é nada recomendável tomar remédio que induz ao sono nessa situação de insônia por altitude. Saí do lodge às 7h48 na direção nordeste e a caminhada foi com pouco desnível até o Campo Base do Everest, de 5257m de altitude, aonde cheguei às 9h. Esse lugar eu só visitei por seu valor simbólico mas é um "ponto turístico" meio fake. O verdadeiro campo base se estende por uma área bem maior e não é fixo, muda de lugar a cada ano em consequência da movimentação da geleira que vem da Cascata do Khumbu. Outra: dali praticamente não se vê o Everest, apenas uma pontinha dele, o que frustra muita gente. Não havia nenhuma barraca pois a temporada de escalada da maior montanha do mundo ocorre em abril/maio. Iniciei o retorno às 9h47 pelo mesmo caminho e às 11h estava de volta ao lodge. Às 11h41 comecei a descer na direção de Lobuche e além. Cruzei todo o Glaciar Changri, parei no final dele por 22 minutos para comer e tentar sinal da NCell - consegui mandar algumas mensagens. Passei por Lobuche às 13h56 e às 14h16, logo antes de uma ponte, fui à esquerda na bifurcação em que à direita se vai ao Passo Cho La. Subi e passei por um conjunto de stupas que são memoriais aos que morreram nas montanhas da região. Dali seguiu-se uma longa descida pela moraina terminal que limita ao sul o Glaciar Khumbu. Alcancei a minúscula vila de Thukla às 15h15 e tive de perguntar pelo caminho para Pheriche pois não era evidente. Desci uma rampa à esquerda e 35m adiante entrei numa trilha à direita, descendo. Ao chegar à margem do rio formado pelo Glaciar Khumbu tive de subir pelas pedras até uma ponte precária de madeira uns 140m rio acima. Cruzei-a às 15h27 e segui primeiro pela margem esquerda pedregosa, depois por uma trilha batida na encosta. Às 15h34 fui à direita numa bifurcação com placa em que a trilha da esquerda vai para Dingboche. Desci bastante em direção ao vale do Rio Khumbu (ou Rio Lobuche) e passei por três pontos de água. Às 16h35 alcancei a vila de Pheriche e arrisquei dar uma olhada no primeiro lodge, de nome Thamserku. Negociei o preço de Rs300 (US$2,60) com as refeições ali mesmo. Estava cansado (quatro noites sem dormir...) e com muito frio para ir a outros lodges procurar por melhor preço. O banheiro ficava dentro da casa e era no estilo oriental. Nesta noite os hóspedes desse lodge eram apenas eu e um grupo de alemães com guias e carregadores, dois dos carregadores com 15 e 16 anos. Altitude em Pheriche: 4265m Preço do dal bhat: Rs 700 Preço do veg chowmein: Rs 450 Às 20h35 a temperatura dentro do quarto era 2,2ºC. A mínima durante a noite dentro do quarto foi -3,4ºC. Às 7h30 da manhã estava -1,4ºC. Informações adicionais: Melhor mapa: Jiri to Everest Base Camp, 1:50.000, editora Himalayan MapHouse/Nepa Maps, código NE521, encontrado facilmente nas livrarias de Kathmandu (Rs500 = US$4,34). Site: himalayan-maphouse.com. Rafael Santiago novembro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  11. Ponte Larja e o lindo Rio Dudh Koshi Início: Shivalaya Final: Namche Bazar Duração: 7 dias Maior altitude: 3536m no Passo Lamjura La Menor altitude: 1504m na ponte junto à confluência dos rios Dudh Koshi e Deku Dificuldade: alta. Muita subida e muita descida quase todos os dias, com desníveis de 600m a 1000m diários, ultrapassando os 3000m de altitude. Permissões: entrada do Gaurishankar Conservation Area Project (Rs 3000 = US$ 26,04), entrada do Parque Nacional Sagarmatha (Rs 3000 = US$ 26,04) e permissão local que substituiu o TIMS card para a região do Everest (Rs 2000 = US$17,36). Obs.: antes de ler este relato sugiro a leitura do meu "Pequeno guia de trekking independente no Nepal" para ter as informações básicas para as caminhadas naquele país. O trekking Shivalaya-Namche Bazar é a primeira parte de uma caminhada de 23 dias que foi de Shivalaya até o Campo Base do Everest e percorreu dois dos três passos de montanha que levam a Gokyo. A segunda parte está descrita aqui e a terceira parte aqui. A escolha de Shivalaya como ponto inicial teve vários motivos: 1. é o percurso histórico de conquista do Everest pelo neozelandês Edmund Hillary (1919-2008) e o nepalês Tenzing Norgay (1914-1986) em 1953, 2. para evitar o caro e arriscado voo Kathmandu-Lukla (além disso um voo que é cancelado frequentemente por causa do tempo instável em Lukla) 3. conhecer o lado menos turístico e mais autêntico do trekking do Everest. Ao longo do relato colocarei o nome das vilas com as variações de escrita mais frequentes e também pelos diferentes nomes que constam nos mapas e nas placas. No percurso desse trekking há muitas fontes de água, como riachos no meio da trilha e torneiras ou bicas nas vilas. Não cito todas no relato porque são muitas. A água deve sempre ser tratada, conforme explico no "Pequeno guia de trekking independente no Nepal". As operadoras de celular que funcionam em alguns dos povoados ao longo deste trekking são: . Shivalaya: NTC . Bhandar: NTC, NCell . Sete: NTC, NCell . Junbesi: NTC . Nunthala: NTC . Bupsa: NTC . Cheplung: NCell . Namche Bazar: NCell O cartão pré-pago de wifi Nepal Airlink funciona de Junbesi a Kharte, e em Phaplu. O cartão pré-pago Everest Link promete funcionar em toda a região do Everest desde Lukla até o Campo Base. Não testei nenhum dos dois porque não sabia da existência e já havia comprado o chip da operadora NCell em Kathmandu. Mais informações no "Pequeno guia". Todos os preços abaixo estão na moeda do Nepal (rupia nepalesa) e convertidos para dólar pela média dos câmbios que encontrei em Kathmandu entre outubro e dezembro de 2018 (US$ 1 = Rs 115,20). Para mostrar a variação de preços das refeições em cada povoado ao longo dos trekkings vou colocar ao final de cada dia o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Monastério Pema Namding, em Kharikhola 23/10/18 - ônibus de Kathmandu a Shivalaya No dia anterior (22/10) eu havia ido ao horrível e sujo terminal de ônibus do Ratna Park para comprar a passagem para Shivalaya. Na verdade havia tentado comprar com mais antecedência ainda mas não quiseram me vender, somente no dia anterior mesmo. Nesse dia o ônibus partiu às 8h com vários lugares vagos mas nas paradas seguintes já começou a encher e durante a longa viagem lotou e esvaziou muitas vezes. Por volta de 10h50 houve uma parada para almoço e a partir daí a estrada passou a ser de terra com muitos buracos, pedras e poeira. Felizmente a estrada não era tão estreita e com abismos como na viagem entre Kathmandu e Syabrubesi (relato aqui), mas o ônibus pulava do mesmo jeito e era preciso tomar cuidado para não bater a cabeça no teto. Foi uma viagem horrível também, muito cansativa pelas condições da "estrada" e pelo tempo muito longo chacoalhando dentro do ônibus: 11h20 para percorrer apenas 215km!!! O ônibus é pequeno e não tem banheiro. São feitas algumas paradas para todos se aliviarem, às vezes no mato da beira da estrada mesmo. Os únicos estrangeiros no ônibus além de mim foram um casal francês que subiu numa cidade do caminho e desceu em Jiri. Ele colocou tampões no ouvido para não escutar a trilha sonora nepalesa no último volume. Às 18h10 passamos por Jiri, já de noite (anoiteceu por volta de 17h40), e ainda rodamos mais 1h10 até Shivalaya no escuro, o que foi ainda mais emocionante pois o ônibus pulava o tempo todo e não era possível ver as ribanceiras onde a minha viagem poderia terminar. Às 19h20 saltei desse ônibus em Shivalaya, recoloquei minha coluna e minha bacia no lugar e saí procurando uma hospedagem. No Amadablam Lodge, um dos primeiros da vila, o dono estava na frente e me chamou. Pelo cansaço que eu estava aceitei os Rs200 (US$1,73) que ele pediu sem pensar em negociar o quarto de graça. Recomendo esse lodge pois toda a família era muito simpática. Conversei bastante com o dono (que fala bem inglês), que me disse que a vila foi arrasada nos terremotos de 2015 e eles tiveram de morar por 3 meses em barracas até a reconstrução do lugar. Quase todas as casas que eu estava vendo ali eram novas e todas reconstruídas em madeira. O banheiro ficava fora da casa e era no estilo oriental: uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. Um tambor com água e uma caneca servem para dar a descarga e para a higiene deles já que não usam papel higiênico. Altitude em Shivalaya: 1782m Preço do dal bhat: Rs 300 Vila de Shivalaya, início do trekking 1º DIA - 24/10/18 - de Shivalaya a Bhandar Duração: 4h50 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2709m Menor altitude: 1782m Resumo: nesse dia subi por uma serra alongada na direção leste-oeste, inicialmente pela crista e em seguida pela vertente sul até a cabeceira do vale na vila de Deurali (2709m). Em seguida desci a encosta oposta, a leste, até o povoado de Bhandar, a caminho do vale do Rio Likhu. Quando amanheceu é que pude ver melhor como era simpática a vila de Shivalaya. O lodge estava localizado num largo cercado de sobradinhos de madeira coloridos e com sacada. Saí do lodge às 8h56 subindo a rua de volta até a entrada do vilarejo. Ali continuei em frente (esquerda) pois à direita está a estrada por onde cheguei de ônibus na noite anterior. Porém dei poucos passos e fui parado pelo guarda do checkpoint do Gaurishankar Conservation Area Project. Eu não havia ido ao Tourist Service Center em Kathmandu para obter a permissão desse parque, então paguei ali na hora, aparentemente pelo mesmo preço (Rs 3000, US$ 26,04). Só mostrei o passaporte, não necessita foto. Às 9h10 continuei pela mesma rua, que fez uma curva para a esquerda. Logo após a ponte segui para a direita, mas poucos passos depois abandonei essa rua e entrei num beco à esquerda. Logo estava caminhando por uma trilha e iniciando meu longo percurso em direção ao Everest. E também já surgiram as primeiras escadarias. Parei alguns minutos para tirar a blusa e passar protetor solar. À medida que subia ia se ampliando a visão da vila de Shivalaya encaixada no vale do Rio Khimti e cercada de morros bem verdes. Às 10h13 a trilha cruzou uma estrada e segui a placa de Deurali, subindo mais degraus. Comecei a notar fitas cor-de-laranja sinalizando a trilha. Isso me ajudou bastante em alguns pontos de dúvida mas depois soube que eram para uma competição, não eram mantidas permanentemente. Ou seja, a gente paga US$26 para caminhar por um parque que só existe no papel e que praticamente não tem sinalização... Às 10h19 cruzei a estrada de novo com uma placa de Deurali apontando a trilha que subiu até uma antena. Logo cruzei a mesma estrada e continuei seguindo as fitas laranja e a placa de Deurali. Às 10h34 quis cruzar a estrada novamente e subir a trilha na encosta mas estava errado - dessa vez deveria tomar a estrada mesmo, subindo à direita por 215m para em seguida entrar numa outra trilha na encosta à esquerda. Mais acima segui as fitas e subi a trilha à direita na direção de uma casa no alto. Passei pelo Sushila Lodge e às 10h54 pela escola de Sangbadanda. Cruzei a mesma estrada mas 45m depois passei a caminhar por ela para a direita, com placa e fita sinalizando. Nesse momento estava deixando a crista dessa serra e passando a percorrer a vertente sul dela. Caminhei pela estrada por 745m e antes que ela fizesse uma curva fechada para a esquerda abandonei-a em favor de uma trilha descendo à direita junto a uma casa, às 11h13. Dali iria caminhar por trilha até Deurali, na cabeceira do vale, passando por cinco pontos de água (parei em um deles para comer alguma coisa). Na única bifurcação, às 11h48, fui à esquerda seguindo a fita laranja. Subi até cruzar uma estrada às 13h05 e cair nessa mesma estrada 4 minutos depois, indo para a esquerda e chegando à vila de Deurali (2709m). Fui à direita na bifurcação e passei pelas extensos muros de pedras mani no centro do vilarejo. Há três lodges ali e um deles anuncia "edifício resistente a terremoto". O Lama Guest House vende queijo de iaque: 100g por Rs 150 (US$1,30), o melhor preço que encontrei (o mesmo de Ringmo, três dias depois). Havia já muitas nuvens nessa hora, mas com céu limpo seria possível ver o Passo Lamjura La, 16km a leste (onde passaria no 3º dia). Cruzei a vila sem fazer nenhuma parada e imediatamente comecei a descer a encosta oposta, a leste, em direção ao povoado de Bhandar. A parte mais alta dessa encosta está toda rasgada por uma sinuosa e poeirenta estrada de terra, mas felizmente há uma trilha que desce mais diretamente. Nos primeiros 4 minutos de descida a partir da vila não notei uma trilha abaixo à esquerda e continuei em frente, mas vi que as fitas haviam sumido e na dúvida voltei. Só então vi que a outra trilha abaixo tinha fitas e a tomei. Pelos próximos 34 minutos cruzei a estrada sinuosa e caminhei por ela o mínimo possível, tomando todas as trilhas/atalhos que encontrei. Depois continuei descendo pela trilha, que passou por diversas casas aqui e ali. Às 14h39 cruzei duas vezes uma estrada que fazia uma curva fechada à minha esquerda. Às 14h45 a trilha terminou num final de estrada com um monastério à esquerda que parei para fotografar. Na estrada fui para a esquerda e passei pelo primeiro lodge de Bhandar, o Shobha Lodge, às 14h54. Ainda desci mais por uma trilha para ver se havia outras opções de hospedagem mas não encontrei. No caminho de volta ao primeiro lodge conheci um casal da Hungria, Zita e Daniel, e eles estavam indo procurar outro lodge ainda mais abaixo ou talvez seguir para a próxima vila (distante ainda 3h, onde deveriam chegar no começo da noite). Eu voltei ao Shobha Lodge e negociei com a dona o valor do quarto: acertamos por Rs100 (US$0,87) se eu fizesse as refeições ali mesmo. O banheiro ficava dentro da casa e era no estilo oriental. Havia uma torneira fora da casa para escovar os dentes e se lavar. No quarto havia tomada para carregar as baterias (as tomadas no Nepal costumam ter interruptor!?). Nessa noite comecei a minha rotina noturna diária de filtrar pelo menos 1,5 litro de água com o filtro Sawyer e depois ferver com o meu fogareiro para beber no dia seguinte. Nessa noite se hospedaram dois casais franceses muito simpáticos com seu guia, carregadores e até um professor de ioga. Eles não iam para o Everest, iam na verdade subir o Pikey Peak, uma montanha de 4065m de altitude de onde se avistam Everest, Lhotse, Thamserku, Kangtega e muitas outras montanhas. Essa vila de Bhandar é o ponto final de um ônibus que sai diariamente do terminal do Ratna Park em Kathmandu às 5h30. Altitude em Bhandar: 2204m Preço do dal bhat: Rs 400 Preço do veg chowmein: Rs 260 Um agricultor no meio da plantação de cardamomo 2º DIA - 25/10/18 - de Bhandar a Sete Duração: 5h45 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2516m Menor altitude: 1576m Resumo: nesse dia continuo a descida até o vale do Rio Likhu e inicio a subida pela vertente sul de uma serra alongada na direção leste-oeste que me levará ao Passo Lamjura La no dia seguinte. Minha direção foi basicamente leste. Depois da aula de ioga dos simpáticos franceses, saímos juntos do lodge às 8h45. Porém eles iam subir o Pikey Peak, então iríamos caminhar apenas algum tempo juntos. Mas valeu a pena pois eles eram muito curiosos e interessados em tudo o que viam, e perguntavam tudo ao guia. Eu aproveitei a oportunidade para aprender mais sobre plantas, construções budistas, etc. Saímos do lodge descendo na direção leste e cruzamos uma estrada de terra. Passamos por várias pequenas plantações, inclusive de chá, e por um muro de pedras mani. A tradição budista manda que se caminhe no lado esquerdo dos muros de pedras mani, assim como deve-se circundar as stupas e rodar as rodas mani sempre no sentido horário. Os muros de pedras mani são arranjos feitos com pedras planas em que foi esculpido o mantra "Om Mani Padme Hum". Cruzamos outra estrada, passamos pelas casas da parte baixa de Bhandar e fomos à direita numa bifurcação com placa apontando Kinza (Kinja). Descemos até uma ponte e a cruzamos às 9h20. Passamos a caminhar por uma encosta íngreme com o grande vale do Rio Likhu à nossa direita cada vez mais profundo. Às 9h54 passamos por uma pequena cachoeira à esquerda e 13 minutos depois paramos para fotos numa cachoeira ainda maior e mais bonita. Apenas 100m depois abandonamos o caminho mais largo e entramos numa trilha à direita, ainda sinalizada com as fitas laranja que havia seguido no dia anterior. Descemos bastante e às 10h39, numa outra bifurcação com placa apontando Kinza à esquerda, os franceses desceram à direita para ir ao Pikey Peak e eu fui à esquerda, seguindo as fitas laranja ainda. Passei por mais alguns pontos de água e às 11h43 a trilha terminou numa estrada de terra, onde fui para a esquerda (nordeste). Passei por um grupo de casas junto ao Rio Chari (menor altitude do dia: 1576m), atravessei esse rio e cruzei à direita a ponte suspensa sobre o Rio Likhu. Após essa ponte segui à esquerda acompanhando o rio e atravessei uma segunda ponte suspensa para a esquerda, mas desta vez sobre o Rio Kinja, um afluente do Likhu. Subi à direita e passei às 12h13 pelo portal de pedra da vila de Kinza (Kinja), com vários lodges. Parei no New Everest Guest House para almoçar. Às 13h retomei a caminhada, passei por mais alguns lodges e na bifurcação fui à esquerda. A trilha subiu bastante em zigue-zague com escadarias rústicas de pedra. Aqui inicio uma longa subida por uma serra alongada na direção leste-oeste que me levará ao Passo Lamjura La no dia seguinte. Às 13h44 subi à esquerda numa bifurcação sem fita (perguntei na casa para confirmar). Às 14h19 parei para descansar num gramado à esquerda da trilha e ao lado de uma casa, mas fui surpreendido por uma inusitada chuva, a única de todo esse trekking. E não foi fraca, tive que me abrigar junto à casa e esperar. Às 15h18 prossegui e a 70m dali fui à direita numa bifurcação sem fita laranja. Às 15h32 passei pela escola de Chimbu. Mais acima passei por algumas casas e uma mulher me ofereceu haxixe! Em Kathmandu isso é bem comum mas na trilha foi a única vez. Às 16h25 a trilha terminou numa estrada de terra e fui para a direita. Caminhei apenas 100m e parei no primeiro lodge da minúscula vila de Sete, chamado Sun Rise. A simpática garota (de nome Chhotin) concordou que eu pagasse apenas as refeições e me instalei ali. Saí para conhecer um pouco mais do lugar e encontrei o casal húngaro que conheci em Bhandar (Zita e Daniel) no outro lodge, Solukhumbu Sherpa Guide. Só dois lodges estavam funcionando no vilarejo. Nessa noite fui o único hóspede da Chhotin e sua mãe e elas fizeram questão que eu jantasse na cozinha com elas. Conversamos bastante e fiquei surpreso como a garota aprendeu inglês sem ter aulas, apenas conversando com os hóspedes. O banheiro ficava dentro da casa, tinha vaso sanitário mas a descarga era com caneca. Havia uma torneira fora da casa para escovar os dentes e se lavar. Altitude em Sete: 2516m Preço do dal bhat: Rs 495 Preço do veg chowmein: Rs 380 Casas acima da vila de Goyam 3º DIA - 26/10/18 - de Sete a Junbesi Duração: 7h15 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3536m Menor altitude: 2516m Resumo: nesse dia continuei a subida pela vertente sul de uma serra alongada na direção leste-oeste que me levou ao Passo Lamjura La, de 3536m de altitude, o qual cruzei para descer à vila de Junbesi no vale do rio homônimo. Minha direção foi basicamente leste. Saí do lodge às 8h40 continuando para leste. Passei pelo lodge Solukhumbu Sherpa Guide e em seguida subi à esquerda (à direita está o lodge Sherpa Guide). Subi bastante e às 10h cruzei uma estrada e continuei subindo pela trilha entre casas e plantações. Ali fui alcançado pelo Christopher, um austríaco que planejava fazer o mesmo roteiro que eu: Campo Base do Everest e Três Passos. Conversamos um pouco mas ele era bem mais rápido e logo sumiu na frente. Na bifurcação logo após as primeiras casas fui à direita seguindo a placa "way to Junbesi" e atravessei a vila de Dakchu. Havia atingido a crista dessa serra e agora a visão se ampliava para o norte também. Ao fim da vila a trilha sai numa estrada, na qual segui para a esquerda, mas apenas por 40m e entrei no caminho à esquerda que virou uma estrada também. Quando ela fez uma curva para a direita e outra para a esquerda, não notei mas havia uma trilha subindo a encosta à esquerda. Ia passando direto mas alguém me alertou. Subi a trilha e entrei na mata. Subindo, cruzei uma estrada. Com mais 50m a trilha desembocou na estrada, onde fui para a direita. Com 100m subi uma trilha na encosta à esquerda. Às 10h51 passei pelas primeiras casas de Goyam, com dois lodges. Cruzei a estrada mais três vezes, depois caminhei por ela por 50m e entrei em outra trilha à direita que subiu a mais casas da vila de Goyam, às 11h29, onde há um lugar que vende queijo. Na estrada acima fui à direita. Mais uma vez subi a trilha à esquerda na encosta (com fita verde dessa vez). De novo saí na estrada e segui por ela à esquerda. Mais 55m e subi na trilha à esquerda na encosta. Cruzei a estrada mais três vezes e parei por meia hora para comer alguma coisa que tinha na mochila. Passei pelas ruínas de um lodge às 12h45 e 80m depois caí de novo na estrada, indo para a direita. Na curva da estrada entrei na trilha à esquerda. Na bifurcação fui à esquerda pois à direita havia uma árvore caída, mas acho que foi o pior caminho para alcançar a estrada acima, aonde fui para a esquerda. Nesse trajeto desde Dakchu entrei e saí da mata diversas vezes. Às 13h11 finalmente a estrada terminou de vez, virou uma trilha e 500m depois cruzei um vilarejo com lodges. Subi passando por uma stupa e às 13h54 cheguei ao Passo Lamjura La, de 3536m de altitude, com muitas bandeirinhas de oração budistas. Era possível ver a vila de Deurali a oeste, onde passei no 1º dia, a 16km dali. Ao lado há um restaurante. Este é o ponto mais alto desse trekking de Shivalaya a Namche Bazar e os muitos aviões com destino a/partindo de Lukla passam numa altitude pouco acima. Às 14h15 iniciei a descida e em 6 minutos estava entrando numa floresta de rododendros que deve ficar repleta de flores nos meses de março e abril, num lindo espetáculo. O rododendro é a flor nacional do Nepal e aparece até como marca-d'água das cédulas de rupia. Na descida alternaram-se trechos com algumas casas e trechos de mata (com alguns pontos de água) ao percorrer o vale do Rio Taktor, afluente do Rio Junbesi. Passei por um monastério com stupa na vila de Taktor e a trilha virou uma estrada novamente às 16h16. Numa curva fechada da estrada para a esquerda entrei numa trilha à direita e desci, seguindo à esquerda na bifurcação 50m depois. A trilha acompanhou a curva da encosta para a esquerda e às 16h38 avistei Junbesi abaixo num bonito vale coberto de árvores com o Pico Numbur ao norte, na direção da cabeceira do vale. Nas bifurcações a seguir fui à direita e à esquerda. Desci por escadarias de pedra, passei por um primeiro lodge ainda na descida e parei no Sherpa Guide Lodge, o primeiro na entrada do vilarejo, às 17h10. Parei ali por sugestão da sra Maya, do Lodge Sun Rise da vila de Sete. Ela disse que esse lodge era da sua irmã, mas eles costumam falar isso e nem sempre é verdade. Conversei com as donas e aceitaram que eu pagasse apenas as refeições, mas "eu não devia contar isso pra ninguém". O banheiro ficava dentro da casa e tinha todos os confortos ocidentais: vaso sanitário com descarga acoplada e até lavatório, coisa muito rara! Em Junbesi é que soube da existência do cartão pré-pago Nepal Airlink, que dá acesso ao wifi dos lodges ali e em muitos outros vilarejos (mais informações no meu "Pequeno guia de trekking independente no Nepal"). Altitude em Junbesi: 2704m Preço do dal bhat: Rs 400 Preço do veg chowmein: Rs 360 Stupa em Junbesi 4º DIA - 27/10/18 - de Junbesi a Nunthala Duração: 7h25 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3058m Menor altitude: 2206m Resumo: nesse dia percorri, subindo e descendo de maneira mais suave, a extremidade sul de uma serra que se alonga na direção norte-sul. Após cruzar o Rio Dudhkund veio uma subida mais íngreme até o Passo Taksindu La (3058m) e depois a descida interminável até a vila de Nunthala. Junbesi foi talvez o vilarejo mais bonito e simpático desse trajeto de 7 dias até Namche Bazar. Sua localização no verdejante vale do Rio Junbesi é privilegiada. Há uma grande e bonita stupa na praça central que rende muito boas fotos. Para quem está com tempo sobrando há diversos monastérios para visitar nas redondezas. Se houver necessidade de saída pode-se fretar um jipe ($$$) na vila para ir a Phaplu ou Salleri, onde se pode tomar outro jipe, ônibus ou mesmo avião de volta a Kathmandu. Da porta do lodge via o cume do Pico Numbur ao norte, na direção da cabeceira do vale. Saí às 8h37 e enquanto fotografava a stupa no centro da vila apareceu o Christopher acompanhado do casal húngaro Zita e Daniel. Começamos a caminhar juntos mas na ponte metálica sobre o Rio Junbesi já nos distanciamos pois parei para tirar mais fotos. Ao cruzar a ponte, adornada com bandeirinhas de oração budistas, caminhei 60m à direita pela estrada e entrei na trilha subindo à esquerda, entrando na floresta de pinheiros. Com 50m cruzei uma estrada. Estava iniciando a subida pela vertente oeste de uma serra que se estende na direção norte-sul. Continuei subindo, saí da mata, passei por algumas casas e reentrei na mata de pinheiros. Às 9h45 saí da mata e logo era possível ver o Passo Lamjura La a oeste, bem longe, além do bonito vale do Rio Junbesi bem abaixo. Às 10h46 alcancei a crista dessa serra. Ali uma surpresa: a primeira visão do Everest na extremidade esquerda de uma linda cadeia de montanhas que incluía também Thamserku, Kangtega, Kusumkangaru (Kusum Kanguru), Kyashar e Mera Peak. Porém todos muito distantes ainda (o Everest estava a cerca de 58km em linha reta). Reencontrei meus três amigos e gastamos um tempo tirando fotos. O local se chama Phurtyang (Phurteng) e o lodge ali não poderia ter outro nome: Everest View. A senhora vendia queijo de iaque. Às 11h09 retomei sozinho a caminhada porque os apressados já haviam ido embora. Até ali já havia passado por três pontos de água, mas dali até Ringmo passaria por mais de dez - água não faltou nesse dia! Caminhando agora pela vertente leste da serra, às 11h28 alcancei uma stupa que me proporcionou uma visão ainda melhor do Everest. Ao sul era possível ver também a pista do aeroporto de Phaplu, além do bonito vale do Rio Solu. Passei pela vila de Salung às 11h56 e continuei descendo. Às 12h54, junto a uma ponte, parei para comer alguma coisa que trazia na mochila. Tive a sorte de avistar e fotografar alguns macacos próximos da trilha. Na ponte seguinte começaram a aparecer as pedras mani coloridas e até embaixo da ponte suspensa que veio a seguir havia várias pedras desse tipo ao lado do Rio Dudhkund. A partir do Rio Dudhkund (13h25) inicia a subida em direção ao Passo Taksindu La. A minha primeira parada nessa subida foi na vila de Ringmo, às 13h43, onde há uma fábrica de queijo de iaque com loja. O preço foi o melhor que encontrei (o mesmo de Deurali): Rs 150 (US$ 1,30) por 100g. Ali reencontrei Zita e Daniel. Há também um posto de saúde gratuito patrocinado por entidades da França e da Alemanha, informação importante a quem possa estar com algum problema de saúde durante o trekking. A trilha, que até então era vazia e tranquila, passou a ter um número crescente de pessoas. Muita gente chega de ônibus, jipe ou mesmo avião a Phaplu ou Salleri e inicia a caminhada por ali. Retomei a caminhada às 13h58 e na subida ao Passo Taksindu La cruzei seis vezes uma estrada em zigue-zague, subindo por um caminho calçado de pedras à sombra da mata. O passo tem uma stupa, um lodge e um portal de pedras com rodas mani no interior. Altitude de 3058m. Passei por ele às 15h rapidamente porque ainda queria visitar o monastério que há na descida para Nunthala. Desci 190m e caí numa estrada, onde fui para a direita, mas andei nela apenas 40m e entrei na trilha à direita. Cheguei às primeiras casas da vila de Taksindu, onde a trilha deu uma guinada de 90º para a direita, e às 15h15 cheguei ao Monastério Takgon Seddrub Tharling. O lugar é bem grande e bonito, numa posição privilegiada com vista para as montanhas. Havia muitos monges, todos muito jovens, com suas roupas cor de vinho. Retomei a caminhada às 15h31 saindo pelo mesmo portão por onde entrei (parece que há outras saídas). Na bifurcação fui à direita para descer por trilha (à esquerda caminharia pela estrada). Na bifurcação em T abaixo fui à direita e já pude ver Nunthala, porém muito abaixo ainda. Essa descida pareceu não ter fim, com pedras soltas e um pouco de lama, e havia bastante gente nela, inclusive três russos com quem conversei um pouco. Passei por três pontos de água e apareceu outra estrada, que primeiro tangenciei e depois cruzei, sempre procurando pelos caminhos por trilha e evitando andar na estrada. Às 16h40 cruzei uma ponte suspensa bem alta com vale bem estreito, quase um cânion, no fundo. Às 16h58 saí numa estrada, fui para a esquerda, fiz a curva para a direita e entrei noutra trilha à direita na próxima curva. Às 17h07 a trilha terminou numa estrada já na vila de Nunthala - fui para a direita e depois esquerda na bifurcação logo em seguida, descendo (havia placa de posto de saúde à direita). Para minha decepção havia carros trafegando ali. Parei num dos primeiros lodges pois meus três amigos estavam lá, mas era bem pequeno e parecia já estar lotado. E devia haver opções bem melhores no centro da vila, mais abaixo. E havia muitas, todas vazias. Escolhi um dos últimos, o Danfe Lodge, e dei sorte pois a família era muito simpática e por ser o único hóspede jantei com eles. Eles aceitaram que eu pagasse apenas as refeições, o quarto saiu de graça. O banheiro era no estilo oriental e ficava fora da casa, um problema para ir no meio da noite. Para escovar os dentes e se lavar não havia uma torneira fora da casa, como de costume, então era preciso usar a torneira do banheiro mesmo. Havia tomada (com interruptor) no quarto para carregar as baterias pela última vez nessa caminhada. Altitude em Nunthala: 2206m Preço do dal bhat: Rs 350 Preço do veg chowmein: Rs 350 Campos cultivados em Kharikhola 5º DIA - 28/10/18 - de Nunthala a Bupsa Duração: 5h (descontadas as paradas) Maior altitude: 2328m Menor altitude: 1504m Resumo: nesse dia a descida do Passo Taksindu La continua até o profundo vale do Rio Dudh Koshi, em seguida vem uma subida bastante desgastante até Kharikhola, uma descida bem suave até o Rio Khari e para encerrar uma subida dura até a vila de Bupsa. Logo cedo apareceram alguns personagens que iriam ser companhia constante (e irritante) nos próximos dias durante o trekking: as tropas de mulas, que podiam chegar a grupos de 20 ou 30, para desespero dos trilheiros. Elas ocupam todo o espaço da trilha e é difícil ultrapassar o grupo todo, enquanto isso você é obrigado a respirar a poeira que elas levantam e o próprio mau cheiro delas. O tropeiro que as conduz dá gritos muito estranhos. Por mais cedo que se comece a caminhar não se consegue escapar de tê-las à frente. Ao cruzar uma tropa a recomendação é sempre ficar do lado da encosta e não da ribanceira já que uma topada com a carga de uma mula pode jogar o caminhante morro abaixo. Com o céu limpo da manhã pude avistar da frente do lodge o Pico Kusumkangaru (Kusum Kanguru), muito bonito e imponente, a nordeste. Saí do lodge às 8h46 inicialmente na direção nordeste e continuei minha descida. Às 9h03 fui à esquerda na bifurcação em frente a uma casa, descendo. Às 9h19 fui à esquerda em outra bifurcação pois havia uma fita verde mas tanto faz. Cruzei três pontes de concreto e depois uma estrada junto a um lodge. Saí na mesma estrada, mas andei apenas 20m por ela para a direita e entrei na trilha à esquerda. Novamente cruzei a estrada. Às 10h23 entrei na mata e desci por ela até a ponte suspensa sobre o Rio Dudh Koshi, com a vila de Chhirdi cerca de 100m antes. A essa altura eu já havia reencontrado os três russos com quem conversara no dia anterior, mas caminhamos pouco tempo juntos. Tivemos que esperar as mulas passarem pela ponte para atravessá-la, às 11h01. Dela se avista a confluência dos rios Dudh Koshi e Deku do lado esquerdo. Esse foi meu primeiro contato com o Rio Dudh Koshi, um dos principais rios da região, que acompanharei durante todo o trekking a Namche Bazar e depois a Gokyo, onde ele se origina. A altitude aqui é a mais baixa de todo esse percurso de Shivalaya a Namche Bazar, 1504m. E logo em seguida inicia a longa e cansativa subida até Kharikhola e seu monastério. Nessa subida, às 11h19 alcancei a pequena vila de Juving, com vários lodges. Subi mais e logo após o Quiet View Lodge, num local chamado Chyokha, subi uma escadaria à direita seguindo a fita verde. Subi rápido tentando escapar das mulas que já se aproximavam. Mas ao cruzar com outra tropa, uma mula desembestada e desgarrada da fila esbarrou na minha mochila, sem eu ter por onde escapar, quase me jogando ao chão. Às 12h33 finalmente cheguei ao alto, ao pé da escadaria para o monastério Pema Namding. Ali estavam Zita e Daniel. Deixei a mochila no chautaara (local de descanso dos carregadores) e subi até a stupa e mais um pouco até o monastério. Dali se avista a vila de Kharikhola a leste. O casal húngaro preparou uma sopinha rápida com o fogareiro, eu preferi comer algo mais substancioso no Hill Top Guest House ali ao lado. Às 13h45, quando estava de saída, chegaram os três russos bastante cansados. Atravessei a vila de Kharikhola, bem extensa e com bastante comércio, com casas espalhadas desde o monastério até próximo da ponte suspensa sobre o Rio Khari. O Lodge Namaste oferece aulas de culinária e línguas (nepalês e sherpa). Fiquei interessado nas aulas de culinária... Cruzei a ponte suspensa do Rio Khari às 14h22 e veio a subida final até Bupsa, aonde cheguei às 15h18. Encontrei Zita e Daniel em frente ao Hotel Yellow Top e entrei para negociar o preço do quarto, que ficou de graça, só pagando as refeições. O banheiro ficava dentro da casa e tinha vaso sanitário com descarga acoplada. Para escovar os dentes havia uma torneira no quintal da frente. Já deu para perceber que escovar os dentes e se lavar é um ato público e não privado no Nepal. Saí para conhecer a vila e visitar a gompa (monastério) de 1892. Mais tarde, já anoitecendo, chegaram os três russos e se hospedaram ali também. Nessa noite Daniel tratou a minha água do dia seguinte com o Steripen dele - apenas 90 segundos para purificar 1 litro de água! Altitude em Bupsa: 2328m Preço do dal bhat: Rs 400 Preço do veg chowmein: Rs 330 Vale do Rio Dudh Koshi com Lukla à direita e o Pico Khumbila ao fundo 6º DIA - 29/10/18 - de Bupsa a Cheplung Duração: 7h20 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2876m Menor altitude: 2301m Resumo: nesse dia tomo finalmente a direção norte que me levará a Namche Bazar (no dia seguinte) pelo vale do Rio Dudh Koshi. Nesse dia caminho somente pela margem leste do vale (no dia seguinte cruzaria o rio quatro vezes), subindo até 2876m, descendo em seguida até 2301m na ponte de Surkhe e subindo novamente à vila de Cheplung (2687m). Saí do lodge às 7h inicialmente na direção nordeste seguindo o caminho pisoteado pelas mulas. Às 7h28 cruzei uma ponte de madeira sobre o Rio Kanre e às 7h41 alcancei a vila de Kanre (Kare), com lodges. Subindo mais, após o Sonam Lodge há bandeirinhas e lenços marcando o Passo Khari La, porém a medição do ponto mais alto do dia pelo meu gps foi quase 1km à frente, após a vila de Thamdada. Passei por Thamdada às 8h37 e pelo ponto mais alto, de 2876m, às 8h46. Dali a visão é espetacular nas direções noroeste e norte, onde estão diversas montanhas nevadas, entre elas o Karyolung (esq) e o Cho Oyu (dir). Às 9h30 cruzei uma ponte de madeira, em seguida uma ponte metálica sobre o Rio Paiya e logo cheguei à vila de Paiya (Puiya, Puyan, Poyan), com lodges e posto de saúde. Às 10h37 passei pela vila de Chhaubas, também com lodges, onde o Pico Karyolung domina a paisagem a noroeste. A visão do profundo vale do Rio Dudh Koshi à esquerda (sudoeste) vai ficando cada vez mais impressionante. Às 10h56, num mirante espetacular para a parte norte do Rio Dudh Koshi, tive a primeira visão de Lukla, com aviõezinhos pousando e decolando sem parar. Ao fundo, na direção de Namche Bazar, surge o imponente Pico Khumbila. A noroeste está o Karyolung e a nordeste se destaca o Kusumkangaru (Kusum Kanguru). Desci bastante e às 12h22 cruzei uma ponte de ferro sobre o azulado Rio Surkhe, chegando à vila de Surkhe, onde parei para almoçar. Às 13h12 retomei a caminhada e às 13h28 cheguei a uma bifurcação com um muro de pedras mani e placa: à direita a escadaria que sobe para Lukla, à esquerda o caminho para Namche Bazar, para onde segui, cruzando a ponte. Às 13h46 cruzei uma ponte suspensa muito alta com cachoeiras formadas pelo Rio Handi à direita. Às 14h04 cruzei outra ponte de ferro com várias pedras mani bem grandes. Nesse momento estava exatamente abaixo da pista do aeroporto de Lukla. Às 14h24, na pequena vila de Musey (Mushe) conheci os muros de pedras mani com uma cobertura de cor vermelha em forma de telhadinho. Às 14h41 alcancei a vila de Chaurikharka, com vários lodges, muitos muros de pedras mani e três grandes stupas. Ali comecei a notar construções mais bonitas e bem acabadas, sinal de que estava entrando numa zona mais "turística". Parei para descansar e às 15h03 voltei a caminhar. Ali havia sinal da NCell, depois de 3 dias tentando sem sucesso, e pude mandar notícias para casa. Às 15h28 alcancei enfim a vila de Cheplung e a trilha principal que vai de Lukla a Namche Bazar. E já me espantei com o intenso trânsito de trilheiros para cima e para baixo. Termina aqui a primeira etapa dessa caminhada. Fiz em seis dias o que 99% dos trilheiros faz em 30 minutos de avião, mas valeu a pena cada paisagem, cada ladeira, cada família nepalesa que conheci e cada amigo novo que fiz, mesmo sendo passageiro. A partir daqui entraria no comboio de caminhantes, mulas e iaques em direção a Namche Bazar e depois o Everest. Porém, para manter os relatos de forma mais organizada, vou relatar ainda aqui a chegada até Namche Bazar e aos 3000m de altitude. Exatamente na confluência das duas trilhas (a trilha pela qual cheguei e a trilha que vai de Lukla a Namche) simpatizei com o Lodge Sherpa Home & Kitchen. Conversei com a simpática garota e o quarto sairia de graça, bem como a carga das baterias. O banheiro era no estilo oriental, mas dentro da casa. Para escovar os dentes usava uma mangueira no quintal do fundo. Aproveitei ainda as duas horas de luz e fui conhecer o monastério da vila, bem no alto, incrustado no paredão de pedra. Saí do lodge na direção de Namche e logo após a ponte de concreto subi a escadaria de pedras à direita. Subi bastante e a trilha foi estreitando e sendo tomada pela vegetação, mas estava no caminho certo. Alcancei uma trilha mais larga acima e fui à direita na bifurcação já vendo o monastério logo acima. É impressionante a construção embutida numa enorme cavidade do grande paredão rochoso. Há ainda uma stupa, uma grande roda mani, todos os elementos de um monastério budista, além de uma bonita vista do vilarejo. Levei 14 minutos para subir a ele a partir do lodge e voltei por outro caminho, indo à direita na bifurcação logo abaixo, mas a trilha é mais confusa e mais longa. Mais tarde no lodge apareceram Zita e Daniel e resolveram se hospedar ali também. Só nós três de hóspedes nessa noite e pudemos conversar com a garota sobre muitos assuntos do cotidiano deles ali. Ela nos mostrou seus livros e cadernos escolares. Morava com a sua tia nesse lodge e nos contou histórias terríveis de rejeição e comércio de meninas pela família, além do problema sério do alcoolismo. Altitude em Cheplung: 2687m Preço do dal bhat: Rs 400 Preço do veg chowmein: Rs 300 Vila de Benkar com o Pico Thamserku ao fundo 7º DIA - 30/10/18 - de Cheplung a Namche Bazar Duração: 6h20 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3430m Menor altitude: 2551m Resumo: nesse dia continuei percorrendo o vale do Rio Dudh Koshi sem grandes desníveis, mas após atravessar a famosa Ponte Larja (onde o vale desse rio vira um cânion) a subida final até Namche Bazar é longa e cansativa. Saí do lodge às 7h12 no sentido nordeste e continuei no caminho principal após a ponte de concreto (à direita a trilha/escadaria sobe para o monastério). De cara já percebi duas coisas bem diferentes do trekking que vinha fazendo até aqui: o grande fluxo de pessoas (como já disse) e o caminho bem mais largo (para comportar o número de pessoas que passam). Cruzei uma ponte suspensa sobre um deslizamento enorme, a ponte metálica sobre o Rio Thado Koshi (menor altitude do dia: 2551m) e cheguei às 7h51 à vila de Thadokoshi. Às 8h05 passei pela vila de Ghat (Yulning) com um bonito monastério de paredes vermelhas (como a maioria deles) e várias pedras mani. Às 8h22 passei pela vila de Chhuthawa. Às 8h37 ignorei uma ponte suspensa à esquerda e continuei em frente, entrando na vila de Phakding 3 minutos depois. Às 8h52 cruzei a ponte suspensa sobre o Rio Dudh Koshi, que divide a vila de Phakding, contornei os lodges pela esquerda e fui à direita na bifurcação em T. Estava agora na margem oeste desse rio. Às 9h14 passei por Zamphute, com lodges. Em seguida cruzei uma ponte de concreto sobre o Rio Ghatte (ou Rio Nagbuwa) e às 9h26 passei pela vila de Toktok. Uns 5 minutos depois passei por uma cachoeira à esquerda com três quedas sucessivas. Às 9h39 subi à esquerda na bifurcação e logo avistava a vila de Benkar com o Pico Thamserku ao fundo, numa paisagem de cartão-postal. Às 9h55 cruzei uma ponte de concreto com uma cachoeira de duas quedas sucessivas à esquerda onde alguns iaques carregados queriam parar para beber água. Subi um pouco e na descida já estava entrando na vila de Benkar. Às 10h12 cruzei uma ponte suspensa sobre o Rio Dudh Koshi retornando à margem leste, onde volto a visualizar o Pico Khumbila ao norte. Às 10h30 passei pela vila de Chumoa. Cruzei a ponte de ferro do transparente Rio Monjo e subi cerca de 130m até um checkpoint na entrada da vila de Monjo. Parei ali às 10h40 para pagar a permissão local (substituto do TIMS card para o Everest) no valor de Rs 2000 (US$17,36). Cerca de 400m à frente, depois de cruzar toda a vila de Monjo (com diversos lodges), parei às 11h03 na entrada do Parque Nacional Sagarmatha para pagar a permissão. Entrei na fila demorada e paguei os Rs3000 (US$26,04). Essa permissão pode ser obtida no Tourist Service Center, em Kathmandu, e somente apresentada aqui, num procedimento bem mais rápido. Às 11h32 me livrei dos pagamentos e, ao cruzar um portal budista, pude enfim pôr os pés nesse lugar tão aguardado: o parque nacional que abriga as maiores montanhas do mundo! No horizonte ainda se destaca o Pico Khumbila. Desci bastante e às 11h42 cruzei uma ponte suspensa sobre o Rio Dudh Koshi, para a margem oeste de novo, e fui para a direita. Às 11h52 passei pela vila de Jorsale com os restaurantes todos lotados pois é o último vilarejo antes da longa subida a Namche Bazar. Mais à frente todos tivemos de esperar os iaques cruzarem a ponte suspensa Tawa sobre o Rio Dudh Koshi para poder atravessá-la. De volta à margem leste parei numa escadaria para comer alguma coisa que tinha na mochila e às 12h13 segui à esquerda pela trilha, acompanhando o rio, não subindo a escadaria. Às 12h47 parei próximo à confluência dos rios Dudh Koshi e Bhote Koshi, junto com muitas outras pessoas, para tirar fotos da famosa Ponte Larja, uma ponte dupla que aparece no filme Everest (de 2015). A ponte de baixo está desativada, todos passam pela ponte de cima, repleta de bandeirinhas de oração budistas. Ambas se estendem sobre o Rio Dudh Koshi, de águas azuladas. A linda cor do rio completava o cenário quase irreal das duas pontes muito altas na entrada do cânion. Um dos momentos mais emocionantes dessa caminhada! Dali da margem foi uma boa subida até a ponte de cima. Mas depois de cruzá-la, às 13h02, é que vem o aclive de verdade, saindo dos 2970m e subindo sem trégua até os 3430m do centro de Namche Bazar. No caminho há banheiros e um checkpoint pelo qual passei direto. Felizmente toda a subida é feita na sombra da floresta. Quando cruzei a Ponte Larja voltei à margem oeste do Rio Dudh Koshi e oficialmente entrei na região conhecida como Khumbu. Na chegada a Namche, às 14h03, me deparei com uma grande escadaria subindo à direita e a trilha continuando à esquerda. Na dúvida fui para a esquerda (cada caminho aqui leva a uma parte diferente da vila). Fiz uma curva para a direita e lá estava diante dos meus olhos um lugar quase mítico para mim: Namche Bazar, com suas casas de 3 ou 4 andares dispostas em forma de ferradura ao longo da encosta da montanha. Visão inacreditável, principalmente depois de 7 dias de caminhada. Parei para contemplar aquela visão, descansar um pouco e me emocionar com aquele momento. Passei pelo portal budista e comecei a subir pela ladeira de acesso ao centro, com várias rodas mani bem grandes à direita movidas a água. Uma vez no centro comecei a subir as ladeiras de pedra pensando para que lado procurar hospedagem quando ouvi alguém me chamar: era o Christopher, o austríaco. Ele me indicou o lodge onde estava, de nome Shangri La Guest House, e fui para lá. A dona aceitou que eu pagasse somente as refeições, o lugar era bom, mas depois não gostei de algumas coisas e não recomendo esse lodge. O banheiro ficava dentro da casa e tinha vaso sanitário com descarga acoplada, ainda lavatório com espelho, era muito luxo! Mas houve algumas decepções como: é um lodge que trabalha com grupos grandes e no refeitório só dão atenção para esses grupos; foi o único lugar no Nepal onde acrescentaram 13% de imposto à conta final. Para completar, somente no café da manhã do dia seguinte é que a dona me falou que eu não poderia dormir mais uma noite ali porque havia reservas de grupos. Tive de arrumar a mochila correndo e deixar guardada para procurar outro lugar para ficar quando voltasse da caminhada de aclimatação no final do dia. Altitude em Namche Bazar: 3430m Preço do dal bhat: Rs 650 Preço do veg chowmein: Rs 500 Cachoeira na entrada da vila de Benkar Informações adicionais: Eu sempre faço o possível para conseguir as informações mais precisas sobre horários, preços, etc, porém no Nepal isso é bastante complicado pelo problema da comunicação e da falta de organização geral das coisas. Assim, coloco aqui as informações obtidas mas com essa ressalva. Horários de ônibus: . Kathmandu-Jiri-Shivalaya: 6h e 8h São 10h10 de viagem (para 197km) até Jiri e 11h20 de viagem (para 215km) até Shivalaya Em Kathmandu os ônibus saem do imundo terminal do Ratna Park Preço: Rs760 (US$6,60) até Shivalaya . Kathmandu-Bhandar: 5h30 (único horário) Em Kathmandu os ônibus saem também do horroroso terminal do Ratna Park Melhor mapa: Jiri to Everest Base Camp, 1:50.000, editora Himalayan MapHouse/Nepa Maps, código NE521, encontrado facilmente nas livrarias de Kathmandu (Rs500 = US$4,34). Site: himalayan-maphouse.com. Rafael Santiago novembro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  12. Vale do Rio Langtang com as montanhas Penthang Karpo Ri, Langshisha Ri e Gangchenpo Início: Syabrubesi Final: Sundarijal Duração: 13 dias Maior altitude: 4651m no Passo Laurebina La (se não considerarmos o pico Tsergo Ri, que é uma caminhada opcional) Menor altitude: 1377m em Sundarijal Dificuldade: alta. Muita subida e muita descida quase todos os dias, com desníveis de até 1100m diários. Por ultrapassar os 3000m de altitude é necessário fazer aclimatação. O Passo Laurebina La, de 4651m, impõe uma dificuldade a mais. Permissões: TIMS Card (Rs 2000 = US$ 17,36), entrada do Parque Nacional Langtang (Rs 3400 = US$ 29,51) e entrada do Parque Nacional Shivapuri Nagarjun (Rs 1035 = US$ 8,98) Obs.: antes de ler este relato sugiro a leitura do meu "Pequeno guia de trekking independente no Nepal" para ter as informações básicas para as caminhadas naquele país. Os trekkings Langtang, Gosainkund e Helambu podem ser feitos separadamente com duração de 7, 8 e 6 dias, respectivamente, variando esse tempo de acordo com o ritmo e as caminhadas de bate-volta que se queira agregar à trilha principal. Porém, para quem dispõe de mais tempo, o melhor mesmo é combinar os três num único roteiro já que estão naturalmente interligados. E foi o que eu fiz na minha primeira experiência em trilhas no Nepal. Com as trilhas de bate-volta que fiz o roteiro totalizou 13 dias. Ao longo do relato colocarei o nome das vilas com as variações de escrita mais frequentes e também pelos diferentes nomes que constam nos mapas e nas placas. No percurso desse trekking há muitas fontes de água, como riachos no meio da trilha e torneiras ou bicas nas vilas. Não cito todas no relato porque são muitas. A água deve sempre ser tratada, conforme explico no "Pequeno guia de trekking independente no Nepal". As operadoras de celular que funcionam em alguns dos povoados durante os três trekkings são: . de Syabrubesi a Lama Hotel: NCell . de Lama Hotel a Kyanjin Gompa: Sky . Sing Gompa: NCell, NTC/Namaste . Gosainkund: nenhuma funciona . Ghopte: NCell, NTC/Namaste . Tharepati: NCell, NTC/Namaste Essas informações obtive com os moradores, eu mesmo não testei nenhuma operadora. Todos os preços abaixo estão na moeda do Nepal (rupia nepalesa) e convertidos para dólar pela média dos câmbios que encontrei em Kathmandu entre outubro e dezembro de 2018 (US$ 1 = Rs 115,20). Para mostrar a variação de preço das refeições em cada povoado ao longo do trekking coloco ao final de cada dia o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Rio Langtang e as montanhas Tsergo Ri e Gangchenpo ao fundo Trekking Langtang Início: Syabrubesi Final: entre Pairo e Domen eu saí da rota Langtang e passei para o trekking Gosainkund Duração: 8 dias Maior altitude: 3856m em Kyanjin Gompa (se não considerarmos as trilhas opcionais a partir de Kyanjin Gompa) Menor altitude: 1417m na ponte suspensa sobre o Rio Bhote Koshi Dificuldade: média (para quem está acostumado a caminhadas longas com mochila cargueira) Permissões: TIMS Card e entrada do Parque Nacional Langtang O trekking Langtang percorre em três dias o trajeto entre Syabrubesi (Syafrubesi) e Kyanjin Gompa (Kyanjin Gumba), saindo dos 1445m e chegando aos 3856m de altitude. Todo o percurso é feito pelo vale do Rio Langtang, que corre encaixado entre montanhas e picos nevados. No primeiro dia e meio a caminhada se dá por dentro de uma linda e exuberante floresta, depois a visão se amplia no trajeto a céu aberto com incrível visual das montanhas. A vila de Langtang foi quase toda destruída durante o terremoto de abril de 2015 por uma avalanche causada pelo desprendimento de uma geleira do pico Langtang Lirung, mas a parte mais alta da vila continua existindo e os familiares das vítimas seguem tocando a vida. 06/10/18 - ônibus de Kathmandu a Syabrubesi (Syafrubesi) No dia anterior (05/10) eu havia tentado ir a um local chamado Macha Pokhari em Kathmandu para saber horários e preços de ônibus para Syabrubesi, mas não tinha conseguido encontrar o tal lugar. Essa parada de ônibus fica junto ao anel viário da cidade, um lugar mais caótico, sujo e empoeirado que o padrão do resto da cidade. Perguntei para algumas pessoas mas ninguém me entendia. Depois descobri que era mais longe do que eu pensava, já próximo do Terminal Gongabu. Nesse dia resolvi pegar um táxi às 6h da manhã e o motorista ia se virar para encontrar o lugar de saída do ônibus. Ele também perguntou para algumas pessoas e finalmente entrei no ônibus para Syabrubesi, que partiu em seguida, às 6h25. Não existe um terminal em Macha Pokhari, o ônibus que tomei estava parado na rua mesmo (coordenadas 27.73568ºN 85.30517ºL). Havia alguns poucos estrangeiros (dois espanhóis e um indiano) e o ônibus, apesar de pequeno, não saiu lotado. Porém durante a longa viagem até Syabrubesi ele lotou e esvaziou diversas vezes. Mas uma coisa eu preciso enfatizar: essa viagem é HORRÍVEL. Assim, em maiúsculas mesmo. São apenas 126km que o ônibus faz em 8 horas e 45 minutos (!!!) pois a "estrada" (eles chamam aquilo de estrada) é um caminho de buracos, pedras e muita poeira, com lama às vezes. O caminho é estreito e beira abismos em muitos trechos, o que garante a emoção já que a qualquer momento a sua viagem pelo Nepal pode terminar no fundo de um rio centenas de metros abaixo. São quase 9 horas pulando e chacoalhando dentro desse ônibus, às vezes batendo a cabeça no teto e o ombro no vidro. Mas a "linda" trilha sonora nepalesa está garantida e no último volume. O ônibus é pequeno e não tem banheiro. São feitas algumas paradas para todos se aliviarem, às vezes no mato da beira da estrada mesmo. A parada para almoço foi às 10h e mais tarde houve outra parada para comer. Em dois checkpoints em Dhunche (por volta de 14h15) eu e os outros estrangeiros tivemos que descer para mostrar as permissões. O indiano não as tinha e teve que pagar ali na hora. No primeiro checkpoint também quiseram revistar as mochilas, mas no meu caso não pediram para tirar tudo de dentro, apenas algumas coisas, examinaram e liberaram. Procedimento ridículo sem a menor eficácia, só para cumprir ordens mesmo. No segundo checkpoint só anotaram os nossos dados num livro. Às 15h14 saltei desse ônibus em Syabrubesi remontando meu esqueleto e jurando nunca mais entrar nele. A volta não poderia ser por ali em hipótese alguma. A vila de Syabrubesi tem diversas hospedagens, perguntei o preço em algumas e optei pelo Hotel Lhasa, onde paguei Rs300 (US$2,60) pelo quarto com banheiro compartilhado. Ainda não foi possível entrar no esquema "quarto de graça se jantar e tomar café no local". Não recomendo esse hotel pois a dona não foi nada simpática e quase me deixou sem janta. O banheiro já era no estilo oriental: uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. Esse pelo menos tinha descarga de caixa acoplada, não era preciso usar a caneca com água. Havia lavatório para escovar os dentes. A vila tem como atrativo uma fonte de águas termais junto ao Rio Bhote Koshi, fui conhecer mas só havia água em um dos tanques (de cimento) e estava ocupado por várias pessoas naquele momento. O lugar é um pouco sujo também. Altitude em Syabrubesi: 1445m Preço do dal bhat: Rs 300 Preço do veg chowmein: Rs 250 Rio Langtang encachoeirado 1º DIA - 07/10/18 - de Syabrubesi a Lama Hotel (Changdam) Duração: 6h (descontada a parada) Maior altitude: 2473m Menor altitude: 1417m Resumo: nesse dia iniciei a caminhada pelo vale do Rio Langtang ainda num trecho rico em vegetação e matas. Apesar de caminhar sempre junto ao rio, sem subir pelas encostas, o desnível foi bastante grande (1056m de subida). Finalmente chegou o grande dia de colocar o pé numa trilha no Nepal. Fiquei até emocionado pois foi um momento muito esperado e planejado em todos os detalhes. Saí do lodge às 8h14 e continuei pela rua principal no sentido norte (mesmo sentido da chegada no dia anterior). Ao passar pelo checkpoint tive de mostrar as permissões. Passei direto pela trilha que desce para as águas termais e na bifurcação na saída da vila desci à direita. Não cruzei a primeira ponte, continuei em frente e entrei na trilha à direita seguindo a placa de Langtang. Atravessei a ponte suspensa sobre o Rio Bhote Koshi, adornada com bandeirinhas de oração budista, e fui para a esquerda e logo em seguida direita. Ao cruzar a vila seguinte (Old Syabrubesi) entro no vale do Rio Langtang (Langtang Khola), o qual seguirei até Kyanjin Gompa (e depois ainda até o campo-base Langshisha Kharka). Não cruzei a ponte à direita logo após a vila de Old Syabrubesi, segui em frente. Uma placa ali indica um caminho mais curto para Thulo Syafru à direita, cruzando a ponte. Thulo Syafru é a vila pela qual eu passaria 7 dias depois já no trekking Gosainkund. Seguindo pelo vale verdejante do Rio Langtang passei às 9h42 pela vila de Tibetan Camp (Tiwari) com ao menos dois lodges. A trilha terminou numa ponte suspensa que cruzei para chegar a uma estrada de terra do outro lado do Rio Langtang. Fui para a esquerda (a direita estava interditada por obras) e na bifurcação seguinte, 700m após a ponte, continuei pela estrada à esquerda, desprezando a trilha à direita. Porém estava errado e cheguei ao fim da estrada, num local sem saída. Voltei e peguei a trilha, agora à esquerda. Aí começaram as subidas, inclusive com escadarias rústicas de pedra. Às 10h33 cheguei à minúscula Domen, cuja ponte metálica de acesso estava parcialmente destruída, causando alguma tensão na travessia. O lugar se resume a 4 ou 5 casas e tem um lodge. Logo após, a subida continua. Às 10h48 cheguei a um local estratégico, a bifurcação entre os trekkings Langtang e Gosainkund, marcado por um mapa amarelo pintado num muro de concreto. Nesse momento segui para a esquerda, descendo, mas na volta, no oitavo dia de caminhada, tomaria o outro lado da bifurcação, numa subida bem longa para Thulo Syafru. A trilha desce bastante e se aproxima do Rio Langtang. Se aproxima tanto que é preciso andar por um caminho estreito construído com pedras entre a encosta íngreme e o rio. Dali se avista logo acima a vila de Pairo (ou Landslide ou Hot Spring), pela qual passei às 11h07. Há opções de refeição e hospedagem. A trilha continua pela sombra deliciosa da floresta com muitas fontes de água (parei por 15 minutos numa delas para um lanche) e alcança a vila de Bamboo às 12h25, também com lodges e refeição. Ao cruzar a vila é melhor tomar a trilha da direita na bifurcação para se manter na trilha principal ao entrar na mata que segue. Cruzei uma ponte de troncos e pedras e às 13h18 uma grande ponte suspensa à esquerda sobre o Rio Langtang. O rio neste ponto é encachoeirado e tem blocos enormes de pedra. Uma casa ao lado da ponte suspensa vende artesanato e algumas guloseimas. Passei pela vila de Rimche às 14h12 e ali entronca um caminho alternativo que vem de Syabrubesi via Sherpagaon. Rimche tem três lodges com restaurantes. Porém Lama Hotel (Changdam) está a apenas 20 minutos e tem muito mais opções. Cheguei a Lama Hotel às 14h32 e parei para almoçar no Tibet Guest House. Pretendia continuar a caminhada, mas o tempo mudou, começou a chover fraco e a temperatura despencou. Conversei com a simpática garota do lodge e ela me convenceu a dormir ali, principalmente porque seria de graça desde que eu fizesse as refeições. O banheiro era no estilo oriental e ao lado dos quartos. Um tambor com água e uma caneca servem para dar a descarga e para a higiene deles já que não usam papel higiênico. A ducha era com energia solar (pediam para deixar uma gorjeta pelo uso da ducha). Assim como em todos os outros lodges desse trekking, o refeitório tinha um aquecedor que é aceso no finalzinho da tarde. Ali todos se reúnem para jantar, conversar e trocar informações. Nessa noite fiz amizade com um casal francês que já havia viajado bastante pela Índia e conhecia inclusive o Himalaia indiano, um lugar onde eu nunca havia pensado em trilhar mas que me despertou a curiosidade. Altitude em Lama Hotel: 2473m Preço do dal bhat: Rs 600 (o dobro do preço de Syabrubesi já no primeiro povoado) Preço do veg chowmein: Rs 450 Vale do Rio Langtang 2º DIA - 08/10/18 - de Lama Hotel (Changdam) a Langtang Duração: 5h25 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3483m Menor altitude: 2473m Resumo: nesse dia continuei a caminhada pelo vale do Rio Langtang ainda por dentro da floresta para em seguida sair a céu aberto com visão dos nevados na cabeceira do vale. Apesar de caminhar sempre junto ao rio, sem subir pelas encostas, o desnível foi bastante grande (1010m de subida). Saí do lodge às 8h40 e continuei subindo pela trilha principal no sentido nordeste. A trilha se aproximou bastante do Rio Langtang novamente e às 10h04 passei pela vila de River Side (Gumnachowk) com um lodge de frente para o rio. Mais 10 minutos e passei pelo lodge de Woodland (Chunama). Às 10h43 uma ponte metálica à direita da trilha causou alguma dúvida mas o caminho era em frente mesmo, não pela ponte. Atravessei uma encosta com um grande deslizamento bem junto ao Rio Langtang, cruzei uma pequena ponte metálica e saí definitivamente da floresta às 11h24, tendo de agora em diante o belo visual dos picos nevados à frente. A nota triste foi ver a destruição em Ghoda Tabela causada pelos terremotos de 2015. Às 11h38 cheguei aos dois lodges que restaram no vilarejo e parei por 40 minutos para descansar, ver o movimento de trilheiros e carregadores e comer alguma coisa. Já se avista também a marca deixada na encosta da montanha pela enorme avalanche que destruiu a vila de Langtang. A altitude aqui já ultrapassa os 3000m e é preciso seguir a recomendação de não dormir mais que 500m acima da noite anterior e se possível fazer caminhadas de bate-volta a um local mais alto para ajudar na aclimatação. Às 13h04 alcancei a vila de Thangsyap (com lodges) e às 14h17 o povoado de Langtang Gumba, também com hospedagem e almoço. E às 14h38 cheguei ao local da enorme avalanche, uma paisagem aterradora por saber que há uma grande parte da vila de Langtang embaixo de todas aquelas pedras, com muitas pessoas soterradas. O que restou da vila de Langtang está logo depois. Cheguei a ela às 15h e enquanto fotografava a stupa na entrada do lugar o casal francês que conheci em Lama Hotel apareceu com uma moradora. Ela era dona de um lodge na parte mais alta e tinha ido esperá-los na trilha para oferecer hospedagem. É bastante comum os donos de lodges fazerem isso, oferecerem hospedagem, almoço, chá para os trilheiros que passam. Acabei indo para o mesmo lugar, Friendly Family Guest House. A dona, Sra Dawa, quase não falava nada de inglês mas era muito simpática e atenciosa. O quarto, com banheiro privativo (foi o único com banheiro privativo de todos os trekkings que fiz no Nepal), saiu de graça com as refeições feitas ali. A ducha quente também não teve custo adicional. Altitude em Langtang: 3483m Preço do dal bhat: Rs 600 Preço do veg chowmein: Rs 450 Muro de pedras mani na trilha e ao fundo o pico Gangchenpo 3º DIA - 09/10/18 - de Langtang a Kyanjin Gompa (Kyanjin Gumba) Duração: 2h40 Maior altitude: 3856m Menor altitude: 3483m Resumo: nesse dia continuei a caminhada pelo vale do Rio Langtang já acima dos 3000m de altitude subindo até a vila de Kyanjin Gompa, que usarei como base para três caminhadas de um dia Logo cedo desci ao centro da vila para tirar mais fotos e vi que atrás da stupa um mural tem gravados os nomes dos 175 moradores e dos 41 trilheiros que morreram em Langtang pelo terremoto e avalanche de abril de 2015. Deixei a vila às 9h48 continuando pelo caminho principal no sentido leste. O caminho se divide em dois por 300m (!!!) com um impressionante muro de pedras mani no meio. A tradição budista manda que se caminhe no lado esquerdo dos muros de pedras mani, assim como deve-se circundar as stupas sempre no sentido horário. Os muros de pedras mani são arranjos feitos com pedras planas em que foi esculpido o mantra "Om Mani Padme Hum". Encontrei muitos muros como esse em minhas caminhadas pelo Nepal mas esse de Langtang foi sem dúvida o maior e mais marcante. No conjunto de montanhas nevadas à frente (leste), no fundo do vale, já se avistam o Tsergo Ri à esquerda e o Gangchenpo à direita. Alcancei a vila de Mundu às 10h11 e depois Sindhum às 10h26, com seus lodges e restaurantes. E mais muros de pedras mani na sequência. Me aproximo do Rio Langtang novamente e às 11h48 chego a um grande bloco de pedra com uma stupa em cima. À direita há uma ponte mas uma placa aponta Kyanjin Gompa 30 minutos à esquerda. Porém o caminho mais curto é à direita pela ponte mesmo, isso eu só descobri na volta. Subi à esquerda, passei pela stupa maior para fotografar, pelas casas de uma usina hidrelétrica e em seguida uma grande ponte suspensa. Alcancei a vila de Kyanjin Gompa às 12h38 e me surpreendi com a arquitetura de prédios de 3 ou 4 andares. Já tinha uma indicação de onde me hospedar pois de manhã conheci um parente da Sra Dawa, um rapaz chamado Nawang, que me ofereceu hospedagem e me ensinou como chegar ao seu lodge em Kyanjin Gompa. A vila é até grande em comparação com as outras e as ruas são um emaranhado de becos, mas consegui encontrar o Lodge Ghangchempo mesmo sem placa (é um dos últimos, na saída para Tsergo Ri). Negociei com o Nawang a estadia de quatro noites sem pagamento do quarto, apenas das refeições. Depois do almoço, por volta de 14h, fui conhecer os lagos Tsona, que ficam do outro lado do Rio Langtang. Tomei uma trilha saindo para o sul da vila, bem na direção do rio, que corre bem abaixo. Cruzei-o por uma ponte metálica e fui encontrando os lagos um a um. São cinco pequenos lagos que refletem as montanhas nevadas, um lugar singelo e bonito. Na volta à vila fui comprar um pedaço de queijo de iaque diretamente na "loja da fábrica". Esse queijo não é muito barato (Rs 1700 o quilo = US$ 14,76) e lembra bastante um queijo parmesão de Minas Gerais pouco curado. Em Kyanjin Gompa, assim como nos outros vilarejos, cada morador tem um pedaço de terra onde cultiva alguns legumes para suprir a demanda do restaurante. Porém itens como ovos têm que vir de Syabrubesi nas costas de carregadores por dois dias (as galinhas não sobrevivem ao inverno). O lodge tinha um banheiro em cada andar e todos no estilo oriental, mas novos e limpíssimos. A ducha quente ficava no 1º andar e era gratuita. O quarto tinha tomada (as tomadas no Nepal costumam ter interruptor!?) para recarregar as baterias. Altitude em Kyanjin Gompa: 3856m Temperatura mínima durante a noite dentro do quarto: 2ºC Preço do dal bhat: Rs 650 Preço do veg chowmein: Rs 450 Bandeirinhas de oração budistas em Langshisha Kharka e as montanhas Urkinmang e Gangchenpo 4º DIA - 10/10/18 - de Kyanjin Gompa a Langshisha Kharka Duração: 4h50 (ida) e 3h40 (volta bem mais rápida sem tantas paradas para fotos) Maior altitude: 4138m Menor altitude: 3823m Resumo: nesse dia fiz uma subida suave e de pouco desnível (242m) pelo vale do Rio Langtang até o campo-base Langshisha Kharka Esse foi o primeiro dia de "passeio" a partir de Kyanjin Gompa, quer dizer, o primeiro dia em que troquei a cargueira por uma mochila de ataque. Como eu já estava a 3856m de altitude iniciei a série de caminhadas com uma de altitude mais moderada, que seria o campo-base chamado Langshisha Kharka, local de acampamento para escaladas à montanha Langshisha Ri. Esse lugar é mais isolado, não há vilarejos ou lodges em todo o percurso e se não houver expedições o campo-base deverá estar completamente deserto pois poucos trilheiros vão até lá. Deve-se levar lanche e água (ou tratar a água encontrada no caminho). Saí do lodge às 7h40 e tomei a direção sudeste. Em 6 minutos fui à direita na bifurcação com placa apontando Langshisa Kharka (à esquerda apontava Chergori, outra forma de escrever Tsergo Ri, que seria o meu destino dois dias depois). Às 8h22 tive de cruzar um deslizamento de pedras que vem das montanhas ao norte (esquerda) e também o ribeirão que desce junto. Para não tirar as botas gastei algum tempo procurando um local mais acima onde pudesse saltar pelas pedras. Logo após esse deslizamento há uma trilha que sobe a encosta à esquerda mas essa leva ao pico Tsergo Ri também. Em lugar de subir eu desci por uma trilha junto ao deslizamento até alcançar uma outra trilha bem marcada. Dali em diante bastou seguir essa trilha junto ao Rio Langtang com bela paisagem de campos e vales onde pastam muitos iaques. Limitando esse grande vale altas montanhas nevadas ao sul e ao norte. Para trás se destaca o grande Langtang Lirung, de 7230m de altitude, responsável pela destruição da vila de Langtang. À sua direita o Kimshung, de 6781m. Às 9h33 a visão dos picos nevados à frente (leste) se amplia e já visualizo o Langshisha Ri, uma montanha de dois cumes à esquerda do pico Gangchenpo. Às 10h55 encontro um grande deslizamento e fico em dúvida se devo caminhar junto ao rio ou acima do monte de pedras. Um grupo vindo no sentido contrário me dá a resposta: pelo alto. Às 11h42 cruzo uma ponte de troncos e a trilha sobe até um mirante incrível de onde se avista o campo-base Langshisha Kharka 1km à frente, bem ao lado do Rio Langtang. Ali a maior altitude do dia: 4138m. Na descida cruzei com os últimos integrantes de um grande grupo de escaladores que estava deixando o campo-base. Assim, encontrei-o completamente vazio às 12h30. Altitude de 4098m. Dali se avistam os picos Langshisha Ri a leste, Pemthang Karpo Ri a nordeste, Lingshing e Urkinmang a sudeste e Gangchenpo ao sul. Às 13h18 iniciei o retorno exatamente pelo mesmo caminho e às 17h já estava de volta a Kyanjin Gompa (anoitece por volta de 17h45 nessa época). Temperatura mínima durante a noite dentro do quarto: 4,1ºC Pico Naya Kanga visto do Kyanjin Ri 5º DIA - 11/10/18 - de Kyanjin Gompa a Kyanjin Ri Duração: 2h (subida) e 1h40 (descida) Maior altitude: 4610m Menor altitude: 3856m Resumo: nesse dia subi a montanha Kyanjin Ri num desnível de 754m Nesse segundo dia de explorações a partir da vila de Kyanjin Gompa foi a vez de subir a montanha Kyanjin Ri, de 4610m de altitude. Saí do lodge às 7h10 no sentido norte, onde alguns trilheiros já subiam a íngreme encosta bem junto ao vilarejo. Na primeira bifurcação logo no início da subida preferi tomar a direita e subir no sentido leste. Na segunda bifurcação, já nos 3985m de altitude, fui para a esquerda (a direita também é possível, é um outro caminho de subida). Na bifurcação seguinte, a 4096m, fui para a esquerda de novo (a direita encontra o outro caminho de subida). Aos poucos fui alcançando e ultrapassando diversos grupos mais lentos e às 8h20 atingi um primeiro cume com bandeirinhas de oração budista a 4300m de altitude. Mas a subida continua pela crista até os 4610m, aonde cheguei às 9h07. A visão é espetacular, de 360º, e se destacam as seguintes montanhas: ao norte Yubra e Kimshung, a nordeste Dagpache, a leste Yala Peak e Langshisha Ri, a sudeste Tsergo Ri e Gangchenpo, a sudoeste Naya Kanga, a noroeste Langtang Lirung. Dali foi possível avistar também diversas barracas no campo-base do Langtang Lirung. Às 11h30 deixei o cume e iniciei a descida por outro caminho, uma trilha bem marcada que se avista lá do alto e que percorre ainda por algum tempo a crista da montanha para leste para em seguida descer diretamente para o sul e sudoeste na direção de Kyanjin Gompa. Às 12h41 cruzei a trilha que percorri na subida exatamente naquela bifurcação dos 4096m de altitude e continuei para oeste. Nos 3967m aproveitei um desvio à direita para ir até uma pequena stupa a 120m da trilha principal. Fiquei 10 minutos ali e às 13h23 estava de volta ao vilarejo. Após o almoço caminhei pelo lugar e fui conhecer o monastério budista, que estava fechado (o gompa do nome da vila significa monastério). Temperatura mínima durante a noite dentro do quarto: 9,2ºC No cume do Tsergo Ri, de 4989m de altitude 6º DIA - 12/10/18 - de Kyanjin Gompa a Tsergo Ri Duração: 4h de subida normalmente (consegui fazer em 2h54) e 3h15 de descida por um caminho mais longo Maior altitude: 4989m Menor altitude: 3856m Resumo: nesse dia subi a montanha Tsergo Ri num desnível de 1133m Nesse terceiro dia de explorações a partir da vila de Kyanjin Gompa foi a vez de encarar a montanha Tsergo Ri, de 4989m de altitude. Pela dificuldade da subida, prevista para levar cerca de 4 horas, saí do lodge bem cedo, às 5h48, no sentido sudeste como se fosse para Langshisha Kharka. Levava lanche e água, como sempre faço. Em 6 minutos fui à esquerda na bifurcação seguindo a placa que aponta Chergori (Tsergo Ri). Cruzei aquele grande deslizamento e o ribeirão pelas pedras e tomei a trilha bem marcada que sobe a encosta. Já havia um outro grupo iniciando a subida mas eles ficaram bem para trás e chegaram ao cume mais de uma hora depois de mim. Às 6h52, na cota dos 4098m, fui à esquerda numa bifurcação com as placas Yala Kharka (Yala Peak) à direita e Chergori à esquerda. A subida continuou forte e cruzei com algumas pessoas já descendo! Iniciaram a subida ainda no escuro. Cruzei um trecho mais chato de pula-pedras e veio a subida final ao cume, aonde cheguei às 8h42. Só havia três pessoas nesse momento. Levei pouco menos de 3h para subir, o que pode ser considerado bem rápido. O cume tem vários mastros com bandeiras grandes e muitas bandeirinhas de oração budista. Dali a visão consegue ser ainda mais privilegiada do que no Kyanjin Ri. Destacam-se: Langtang Lirung a noroeste; Kimshung, Yubra e Dagpache ao norte; Yala Peak a nordeste; Pemthang Karpo Ri, Langshisha Ri, Loenpo Gang e Dorje Lhakpa a leste; Gangchenpo a sudeste; Naya Kanga a sudoeste. Aos poucos os aventureiros foram chegando e às 12h22 iniciei a descida por um outro caminho, uma trilha bem visível no sentido sudeste por onde vi algumas pessoas descerem. O caminho é bem marcado também mas é muito mais longo. Começa com uma inclinação moderada mas depois se torna bem mais íngreme. Volta a ser menos inclinado quando percorre a encosta do Tsergo Ri, porém há várias trilhas paralelas em níveis diferentes da encosta - tentei escolher a mais larga e batida. Às 13h32 continuei a descida por uma crista bem inclinada e cheguei a uma bifurcação em T, onde a trilha é mais larga, e fui para a direita (a esquerda é o caminho para o Yala Peak). Às 14h03 passei por um conjunto de 6 ou 7 casas em ruínas dispostas em degraus na encosta da montanha que lembram um pouco uma paisagem dos Andes. Com mais 15 minutos passei por dois pontos de água, os únicos do dia. Às 14h38 fui à esquerda na bifurcação e em 15 minutos reencontrei o caminho que fiz na subida junto às placas Yala Kharka e Chergori. Às 15h39 estava de volta a Kyanjin Gompa. Temperatura mínima durante a noite dentro do quarto: 9,5ºC Vila de Kyanjin Gompa e os picos Tsergo Ri e Gangchenpo 7º DIA - 13/10/18 - de Kyanjin Gompa a Lama Hotel (Changdam) Duração: 7h (descontada a parada) Maior altitude: 3856m Menor altitude: 2473m Resumo: nesse dia deixei a vila de Kyanjin Gompa e iniciei o retorno, descendo pelo vale do Rio Langtang, em direção à bifurcação entre Pairo e Domen que me levará (no dia seguinte) para o trekking Gosainkund. Nesse dia consegui chegar a Lama Hotel. Depois de me despedir do Nawang, seus familiares e dos amigos que conheci nestes quatro ótimos dias que passei no lodge, saí às 9h tomando a mesma trilha da chegada. Logo após o morrote que marca a entrada da vila peguei na descida a trilha da esquerda para alcançar o grande bloco de pedra com uma stupa em cima através da ponte que evitei no terceiro dia. Com isso não passei pela usina hidrelétrica pela qual passei naquele dia e fiz um caminho mais curto. Não resistia à tentação de olhar a todo momento para trás para contemplar e fotografar os picos por onde caminhei nesses lindos últimos dias. Passei por Langtang às 11h14, atravessei a grande avalanche de pedras, Thangsyap às 12h46, parei em Ghoda Tabela para comer das 13h25 às 14h10, reentrei na floresta às 14h26, passei por Woodland às 15h17, por River Side às 15h27 e Lama Hotel às 16h42. Fui até Rimche para tentar dormir lá e adiantar mais alguns minutos de caminhada porém os três lodges estavam lotados. Tive de voltar a Lama Hotel pois há bem mais opções e ali consegui um quarto no Friendly Guest House (negociei com o dono e só paguei as refeições). O banheiro ficava dentro da casa (ao lado dos quartos) e era no estilo oriental, porém velho e encardido. Para escovar os dentes e se lavar havia uma torneira no quintal. Altitude em Lama Hotel: 2473m Preço do dal bhat: Rs 550 Preço do veg chowmein: Rs 450 8º DIA - 14/10/18 - de Lama Hotel (Changdam) a Sing Gompa (Sing Gumba, Chandanbari) Duração: 8h (descontadas as paradas) Maior altitude: 3290m Menor altitude: 1678m Resumo: nesse dia retornei mais um pouco pelo vale do Rio Langtang para alcançar a bifurcação entre Pairo e Domen onde iniciei o trekking Gosainkund. Mas foi um dia bastante pesado que eu deveria ter quebrado em dois pois há muita descida (798m de desnível) e muita subida (1612m). Deixei Lama Hotel às 7h24, cruzei a ponte suspensa sobre o Rio Langtang às 8h20, passei por Bamboo às 8h46, por Pairo às 9h39 (parei por 15 minutos) e cheguei à bifurcação para Thulo Syafru às 10h09, marcada como já disse por um mapa amarelo pintado num muro de concreto. Altitude de 1730m. Nesse momento segui para a esquerda, subindo, e passando do trekking Langtang para o trekking Gosainkund. Lago Gosain Kund Trekking Gosainkund Início: entre Pairo e Domen eu saí da rota Langtang e passei para o trekking Gosainkund Final: em Tharepati eu finalizei a rota Gosainkund e passei para o trekking Helambu Duração: 4 dias Maior altitude: 4651m no Passo Laurebina La Menor altitude: 1730m (considerando o início deste trekking na bifurcação entre Pairo e Domen) Dificuldade: alta. Muita subida, com desníveis de até 1100m por dia. Por ultrapassar os 3000m de altitude é necessário fazer aclimatação. O Passo Laurebina La, de 4651m, impõe uma dificuldade a mais. Permissões: TIMS Card e entrada do Parque Nacional Langtang O trekking Gosainkund percorre altitudes bem mais elevadas que o trekking Langtang (sem considerar os picos opcionais de Kyanjin Gompa). Por isso os grandes atrativos dessa caminhada são a visão espetacular do Himalaia e os belos lagos de montanha da vila de Gosainkund. Os lagos são sagrados para hindus e budistas e atraem milhares de peregrinos durante o festival Janai Purnima em agosto. 8º DIA (cont.) - 14/10/18 - de Lama Hotel (Changdam) a Sing Gompa (Sing Gumba, Chandanbari) Foi uma longa e constante subida do Rio Langtang até Thulo Syafru, somente quebrada pela descida até a ponte suspensa sobre o Rio Chopche (Chopche Khola). Essa ponte é longa, muito alta e não está nas melhores condições, o que causou um friozinho na barriga. Cruzei-a às 11h15 e parei por 35 minutos para descansar e tirar a roupa mais quente. Logo após a ponte uma trilha à esquerda parece ser o caminho mais óbvio, mas está errado. As setas vermelhas mandam descer à esquerda para passar por baixo da ponte, esse é o caminho. E a subida volta com tudo. Alcancei os primeiros lodges de Thulo Syafru às 12h32, mas a vila é bastante extensa e cercada de plantações em forma de terraço. Todos me ofereciam almoço e até hospedagem, mas eu passei direto. Subi até o final da vila e cheguei a uma estradinha de terra, onde fui para a esquerda. Apenas 60m depois duas placas brancas mal colocadas apontam Gosaikund à esquerda e Dhunche à direita. Pela posição em que estava a placa de Gosaikund fiquei em dúvida se era para seguir pela estrada à esquerda ou subir a escadaria de concreto com uma stupa no alto. A resposta estava na parede da casa logo acima, onde estava pintado "way to Gosainkund" apontando para o alto da escadaria. Subi, passei pela stupa e vi que logo acima ficava a clínica do povoado, informação importante a quem possa estar com algum problema de saúde durante o trekking. Logo após a stupa inicia a trilha que segue pela mata sempre subindo. Em tempo: a placa que aponta Dhunche à direita indica um caminho que retorna à estrada principal pela qual cheguei de ônibus a Syabrubesi - essa pode ser uma rota de fuga. Passei por uma casa em construção às 13h23 e parei por 25 minutos para comer alguma coisa que levava na mochila. A trilha continua à esquerda e atrás da casa. Continuei subindo, passei por uma bica e às 14h02 uma bifurcação importante. Pintadas num muro branco de concreto duas setas indicam: à direita Sing Gompa e Dursagang, à esquerda Cholang Pati. Os dois caminhos levam às vilas de Cholang Pati e Gosainkund, então dois fatores devem ser levados em conta na escolha do trajeto: a rota à direita por Dursagang, Forpang Danda e Sing Gompa (Chandanbari) é 3,5km mais longa que a outra, mas tem muitas opções de lodges pelo caminho; a rota direta para Cholang Pati (esquerda) é bem mais curta, no entanto tem bem menos opções de hospedagem (segundo me disseram). Eu segui as sugestões que me deram e fui para a direita, sempre subindo. Saí da mata, passei às 14h43 pela minúscula Dursagang, aparentemente com apenas dois lodges, e alcancei um grupo de três espanhóis e uma francesa (que também falava espanhol). A trilha entrou na floresta e subiu muito. A francesa tinha pernas fortes e eu nunca conseguia alcançá-la. Às 15h20 passei por conjuntos de pedras mani muito antigas e cobertas de musgo no meio da mata e às 15h56 alcancei o único lodge de Forpang Danda, já fora da floresta e com visual magnífico das montanhas Langtang Lirung (nordeste) e Cordilheira Ganesh Himal (noroeste), porém um pouco prejudicado pelas nuvens que já se acumulavam naquele horário. Ali, numa parada de 20 minutos, pude conversar um pouco com os espanhóis e a francesa. A partir de Forpang Danda a inclinação passa a ser menor. Segui no sentido sudoeste e sul por dentro de uma linda e extensa mata de rododendros que deve ficar repleta de flores nos meses de março e abril, um lindo espetáculo deve ser. O rododendro é a flor nacional do Nepal e aparece até como marca-d'água das cédulas de rupia. Passei por três pontos de água. Alcancei finalmente o povoado de Sing Gompa (Chandanbari) às 17h, bastante cansado pelo grande desnível que enfrentei desde o Rio Langtang (1612m). Hospedei-me no Sherpa Hotel com quarto gratuito, só pagando as refeições. Havia um grupo de 9 nepaleses passando o final de semana ali e fazendo barulho por 50. Tentei um banho (gratuito) mas como era final de tarde e o aquecimento era solar a água estava de morna a fria, o que foi um sofrimento. O banheiro ficava fora da casa e tinha vaso sanitário e lavatório, mas este não funcionava. Para escovar os dentes e se lavar era necessário usar uma torneira no quintal, bem na saída do esgoto da cozinha... A partir de Sing Gompa há um caminho para Dhunche bem mais curto do que aquele de Thulo Syafru que pode servir como rota de fuga se necessário ou uma via de entrada para o trekking Gosainkund sem passar por Syabrubesi ou Thulo Syafru. Altitude em Sing Gompa: 3290m Preço do dal bhat: Rs 480 Preço do veg chowmein: Rs 400 Lago Bhairab Kund 9º DIA - 15/10/18 - de Sing Gompa (Sing Gumba, Chandanbari) a Gosainkund Duração: 4h25 (descontadas as paradas) Maior altitude: 4428m Menor altitude: 3290m Resumo: nesse dia ultrapassei a linha das árvores e entrei novamente em um ambiente de alta montanha ao alcançar a vila de Gosainkund, num desnível positivo de 1138m A temperatura mínima da noite foi abaixo de zero (não medi) pois o campo ao lado do lodge amanheceu coberto de gelo. Depois do café da manhã tentei comprar queijo de iaque na fábrica mas não consegui encontrar ninguém para me atender. Visitei o monastério budista (o gompa do nome da vila significa monastério) e às 8h57 deixei o povoado caminhando na direção de Cholang Pati (leste e sudeste). Já estava novamente acima dos 3000m de altitude, mas a aclimatação feita em Kyanjin Gompa me ajudou a não ter nenhum sintoma da altitude mesmo enfrentando um desnível de mais de 1100m num só dia (não recomendável). A trilha sai da vila e sobe ampliando a visão dos picos nevados para trás e do enorme e profundo vale à direita. Atravesso dois trechos de florestas de rododendros e pinheiros e ao sair no aberto novamente a visão dos nevados é ainda mais ampla e espetacular. Passo pelos dois lodges da minúscula Cholang Pati às 10h30 (onde entronca a outra trilha que vem de Thulo Syafru) e continuo subindo. Aqui estou caminhando por uma crista de montanha acima dos 3600m e já vou deixando para trás a linha das árvores. Às 11h22 me deparo com gelo na trilha (mesmo sob o sol), o que não surpreende pois já estou de novo nos 3900m de altitude, chegando ao povoado de Laurebina ou Lauribina Yak (ainda não é o Passo Laurebina La, ao qual eu chegaria só no dia seguinte). Os três lodges ali devem ter de suas janelas a vista mais bonita de todo esse trekking! Aproveitei para descansar um pouco e curtir o esplêndido visual do Himalaia. Destacam-se na paisagem a montanha Langtang Lirung a nordeste e a Cordilheira Ganesh Himal a noroeste. Ainda subi um pouco mais até a estátua do Buda sentado em posição de lótus esculpido em pedra negra (basalto?) na altitude de 4228m, aonde cheguei às 12h40. Parece que havia um templo ali mas agora só há escombros ao redor da estátua. Parei para comer o lanche que trazia na mochila (comer lanche em alguns dias em vez de almoçar foi uma opção minha, quase sempre há um lodge no caminho para comer comida de verdade). O caminho para Gosainkund continua e ainda sobe mais, porém agora deixa a crista e percorre a vertente sul da montanha, tão íngreme que em alguns trechos instalaram alambrados para evitar quedas e acidentes. Às 13h37 avisto o primeiro dos lagos, abaixo à direita, de nome Saraswati Kund, ainda pequeno em relação aos próximos mas com uma bonita cachoeira se formando a partir do seu vertedouro. Às 14h03 passo ao largo do segundo lago, este bem maior, de nome Bhairab Kund, e com mais 7 minutos chego ao povoado e ao terceiro lago, o próprio Gosain Kund. Percorri os 4 ou 5 lodges dali e optei pelo último (Hotel Lake Side) na esperança de ser um lodge mais vazio e silencioso e não ter de dividir o minúsculo quarto com outra pessoa, mas mesmo assim o dono me avisou que eu teria que dividir caso o lodge enchesse. Felizmente isso não aconteceu pois apenas uma alemã (com guia) e um francês (sozinho) se hospedaram ali. Por causa dessa condição acertamos o quarto sem custo, pagando apenas as refeições. O banheiro era no estilo oriental (havia um dentro da casa para a noite e outro fora da casa com cheiro horrível) e para escovar os dentes e se lavar havia uma torneira no quintal. Aproveitei a tarde para circundar o lago Gosain Kund por uma trilha e depois subir aos mirantes adornados por bandeirinhas budistas atrás do povoado. A subida levou 28 minutos e a altitude do mirante mais alto é de 4635m, quase a altura do Passo Laurebina La que eu cruzaria no dia seguinte. Dali avistei diversos lagos menores encaixados em vários níveis acima dos lagos maiores. Na descida assisti a um belo pôr-do-sol (às 17h35). Altitude em Gosainkund: 4428m Temperatura mínima durante a noite dentro do quarto: 3ºC Preço do dal bhat: Rs 650 Preço do veg chowmein: Rs 430 Passo Laurebina La, de 4651m de altitude 10º DIA - 16/10/18 - de Gosainkund a Phedi Duração: 4h Maior altitude: 4651m Menor altitude: 3771m Resumo: nesse dia cruzei o Passo Laurebina La, de 4651m de altitude, ponto mais elevado dos três trekkings (sem considerar o pico Tsergo Ri, que é uma caminhada opcional), para em seguida iniciar a descida para a região de Helambu. Saí do lodge às 8h40 e li numa placa na saída do povoado que há 17 lagos com nome nas proximidades, alguns bem pequenos, e outros 4 sem nome. Bem perto estava o pequeno santuário do deus Shiva. Continuei no sentido leste margeando o lago Gosain Kund e logo iniciei a subida. Havia gelo entre as pedras na subida, o que exigiu bastante cuidado. Passei por um primeiro lago à esquerda sem nome no mapa, depois pelo lago Ganesh Kund também à esquerda e alcancei o Passo Laurebina La às 10h22, com o lago Surya Kund à direita da trilha. Dos seus 4651m de altitude se avistam as cordilheiras Ganesh Himal, Manaslu e Annapurna a noroeste (mas a visão é até melhor na altura do lago Ganesh Kund). Já em dezembro deve haver neve nesse passo. Iniciei a descida às 10h33 e encontrei mais um pouco de gelo na trilha. Tentei visualizar algum caminho que subisse a montanha Surya Peak mas não encontrei. O dono do lodge me disse que não há trilha marcada e que é preciso caminhar por encostas de pedras soltas, sendo mais seguro ir com alguém que conheça. Às 11h39 passei por uma casa de pedra isolada e na bifurcação 70m depois desci à direita. Aos poucos fui reencontrando a vegetação arbustiva de novo, para cima desse ponto havia no máximo vegetação rasteira. Mas a neblina, que costuma dar as caras somente à tarde, hoje chegou antes do meio-dia para estragar todo o visual. E eu não fui até lá para caminhar sem curtir a paisagem. Somado a isso a descida íngreme de pedras estava me desgastando bastante. Ao chegar ao primeiro lodge de Phedi às 12h40 (há apenas dois lodges, mais nada) parei para resolver o que ia fazer. A francesa que falava espanhol havia parado ali pelo mesmo motivo, a falta de visual. Dei um tempo e a neblina não dava sinais de que ia embora. Resolvi ficar pois deu pra perceber que a paisagem dali era muito bonita e eu ia passar sem ver nada. Como não tinha nenhuma pressa podia deixar para prosseguir no dia seguinte. Negociei o preço do quarto ali no Hotel Dawababy e o dono fez por Rs100 (US$0,87). O restante do dia foi para descansar, conversar com a francesa (que estava viajando havia 8 meses, vindo do Sudeste Asiático) e aguardar tempo melhor no dia seguinte. Mais tarde chegou um grupo de seis franceses barulhentos e dois ingleses. Na frente desse lodge uma placa de mármore homenageia os mortos num acidente aéreo da empresa Thai ocorrido em 1992 nas proximidades. O banheiro ficava fora da casa, ou seja, era preciso encarar o frio para ir ao banheiro durante a noite. Era no estilo oriental. Para escovar os dentes e se lavar havia uma torneira no quintal. Altitude em Phedi: 3771m Preço do dal bhat: Rs 600 Preço do veg chowmein: Rs 450 Lodge em Tharepati e alguns nevados da região de Kyanjin Gompa ao fundo 11º DIA - 17/10/18 - de Phedi a Tharepati Duração: 5h (descontadas as paradas) Maior altitude: 3771m Menor altitude: 3310m Resumo: nesse dia deixei o ambiente de alta montanha e voltei a caminhar abaixo da linha das árvores, descendo (e depois subindo) até a vila de Tharepati, com um ótimo mirante para as montanhas já percorridas Felizmente valeu a pena a parada meio forçada em Phedi pois o dia amanheceu muito bonito. Só então pude ver a beleza e grandiosidade do lugar onde estava. Dali já é possível avistar os dois lodges de Tharepati e, mais próximo, o lodge isolado de Dhupi Chaur. Saí do lodge às 8h03 seguindo as placas de Ghopte e o caminho era pela encosta íngreme da montanha com pouco desnível. Pinheiros baixos foram aparecendo a partir dos 3700m para me lembrar que eu estava reentrando no limite das árvores. Cruzei 4 pontos de água. Passei pelo Himalay Sherpa Hotel, isolado num local chamado Dhupi Chaur (Dupcheswor), às 10h32 e cheguei a Ghopte com neblina às 11h24. Há dois lodges ali. Descansei um pouco e segui. Durante a passagem por uma floresta de rododendros parei para comer uns biscoitos que trazia na mochila. Ao final dessa mata, às 12h26, encontrei uma casa em ruínas. Logo cruzo outra floresta de rododendros e pinheiros. Às 13h22 avistei no alto à frente os dois lodges de Tharepati. Às 13h41 alcancei o povoado e me deparei com uma placa: à direita Kutumsang e Mangin Goth, à esquerda Melamchighyang e Helambu (porém não há um vilarejo com o nome Helambu, mas sim toda essa região onde eu estava entrando). Ambos os lados constam dos mapas como sendo do trekking Helambu, o qual descreve um grande arco com as extremidades voltadas para o sul. Se eu quisesse encerrar essa caminhada logo, tomaria a esquerda e desceria mais de 1000m (de desnível) em direção a Melamchighyang (Melanchigaon), onde poderia encontrar um ônibus para sair (ou talvez só em Timbu, 2000m abaixo). Mas o meu plano era fazer o trekking Helambu na sua maior extensão possível e por trilhas (não estradas), então o meu caminho seria para a direita. Porém uma coisa me atrapalhava de novo: a neblina. Tharepati fica no alto de uma crista e possui um dos mais bonitos visuais de montanha de todo o meu percurso. E eu não estava vendo nada, de novo... O jeito era dormir ali e torcer para a neblina dissipar na manhã seguinte. Escolhi o Sumcho Top Lodge para me hospedar pela posição mais alta e panorâmica, mas a negociação do quarto foi um pouco tensa. O dono parecia estar embriagado e se irritou com o meu pedido de pagar somente pela alimentação. Ele pediu Rs500 (US$4,34) pelo quarto e não queria ceder. Eu agradeci e saí para ir para o outro lodge. Aí ele mandou o menino me chamar dizendo que aceitava. Mas não falou mais comigo e a sua esposa, antes muito "simpática", também passou a me tratar muito mal. Me arrependi de ter ficado. Se era para me tratar desse jeito não deveria ter aceitado a minha proposta. Havia um grupo de 5 alemães e um casal francês ali, todos com seus guias e carregadores. Para nossa surpresa depois das 16h o tempo começou a abrir e pudemos tirar boas fotos das montanhas próximas e dos nevados da região de Kyanjin Gompa a nordeste: Gangchenpo, Urkinmang, Loenpo Gang e Dorje Lhakpa. Dali era possível avistar também os dois lodges de Phedi, o lodge isolado de Dhupi Chaur e ainda o Passo Laurebina La. O banheiro aqui também era no estilo oriental e fora da casa, muito frio à noite. Altitude em Tharepati: 3646m Temperatura mínima durante a noite dentro do quarto: 2,2ºC Preço do dal bhat: Rs 600 Preço do veg chowmein: Rs 450 Passo Laurebina La à direita da cadeia de montanhas vista de Tharepati Trekking Helambu Início: em Tharepati eu finalizei a rota Gosainkund e passei para o trekking Helambu Final: Sundarijal Duração: 2 dias Maior altitude: 3646m em Tharepati Menor altitude: 1377m em Sundarijal Dificuldade: média a difícil pois há muita subida e descida por degraus de pedra na passagem pelo Parque Nacional Shivapuri Nagarjun Permissões: TIMS Card e entrada do Parque Nacional Shivapuri Nagarjun O trekking Helambu, ao contrário dos outros dois, não é uma caminhada de alta montanha. A altitude é bem menor e a paisagem é basicamente de florestas nas partes mais altas e plantações em terraços nas partes mais baixas. A caminhada percorre muitos vilarejos e tem a desvantagem de ter muitos trechos em estrada. A travessia do Parque Nacional Shivapuri Nagarjun exige o pagamento da entrada (Rs 1035 = US$ 8,98) e a trilha que cruza o parque tem uma infinidade de escadarias de pedra tanto subindo quanto descendo. Por causa dessas escadarias meu joelho esquerdo começou a doer e para o trekking seguinte (Everest) tive que comprar e começar a usar um bastão de caminhada. 12º DIA - 18/10/18 - de Tharepati a Golphu Bhanjyang Duração: 6h30 (descontadas as paradas) Maior altitude: 3646m Menor altitude: 2135m Resumo: nesse primeiro dia do trekking Helambu desci um grande desnível (1511m) em direção sul para encontrar vilarejos ao longo de poeirentas estradas de terra Felizmente o dia amanheceu lindo novamente e pude apreciar e tirar muitas fotos de toda a incrível paisagem de Tharepati. Como eu era persona non grata naquele lodge tratei de tomar meu café e sair logo. Às 7h40 peguei a trilha bem em frente no sentido sul. Não é a mesma trilha por onde cheguei no dia anterior a partir da placa, é uma outra que entroncaria na principal uns 300m depois. Uma vez na trilha principal segui para a esquerda, no sentido sul que eu manteria o dia todo (com poucas variações). Mas fiquei ainda um bom tempo fotografando e só iniciei a caminhada realmente às 8h45. Às 9h53, num lugar chamado Dhobato, alcancei uma bifurcação com placas e segui à direita descendo na direção de Kutumsang. À esquerda iria para Timbu, onde provavelmente haveria ônibus, ou seja, é mais uma rota de fuga se houver necessidade. Às 10h31 passei por dois lodges em Magingoth/Mangin Goth (um parecia estar desativado) e subi até um terceiro lodge, 1km à frente, onde peguei água da torneira e tratei com Micropur. Na descida que se seguiu parei alguns minutos para comer alguma coisa que tinha na mochila. Às 11h50 tomei uma trilha à direita da principal e fui até um bonito mirante. Mas o que impressionou ali foi ver os escombros de uma grande casa de pedra que no gps consta como Red Panda Hotel. Atravessei outra floresta de rododendros e às 12h10 a visão se amplia, já podendo visualizar a vila de Kutumsang na encosta de uma montanha ao sul. A descida se torna mais inclinada, com troncos de contenção e trechos de pedras soltas. Mas antes de chegar a Kutumsang fui parado às 13h26 em um checkpoint (Kutumsang Army Camp) para mostrar as permissões. Quiseram revistar a mochila... foi um transtorno porque tive de tirar tudo de dentro para eles examinarem e apalparem. Depois tive que refazer a mochila inteira. Esse local é um final de estrada, mas caminhei apenas 50m por ela e retomei a trilha sinalizada por uma placa. Às 13h46 passei por uma stupa grande logo abaixo à direita mas não fui até ela. Na bifurcação seguinte tanto faz o lado, mas parece que o esquerdo é mais usado. Às 14h alcancei a vila de Kutumsang e seus primeiros lodges, reencontrando a estrada de terra que abandonara 23 minutos antes. Ali fotografei outra stupa ainda mais bonita que a anterior. Uma grande placa verde logo abaixo apontava os caminhos: Chanawate à esquerda, Dupchugyang à direita e Golphu Bhanjyang em frente, este último o meu destino nesse dia. Após a placa subi pela estrada de terra cruzando a vila e tendo o primeiro contato com carros e motos depois de 12 dias. Quando a estrada deixou a vila e começou a descer em direção a outro povoado achei que havia algo errado. Graças ao caminho gravado no gps encontrei a trilha para Golphu Bhanjyang saindo à esquerda da estrada, num local sem nenhuma placa ou indicação, exatamente na entrada do Hotel Mountain View. Entrei nela às 14h18 e parei num mirante à esquerda para comer alguma coisa. Às 15h18, junto a algumas ruínas, vou à esquerda numa bifurcação sem placa por ser a trilha mais larga. Com mais 7 minutos visualizo muito abaixo a vila de Golphu Bhanjyang. A trilha desembocou numa estrada de terra (continuação da anterior) às 15h51 onde há uma placa muito velha apontando os vilarejos próximos. Fui para a esquerda e Golphu Bhanjyang ainda estava bem abaixo. Numa curva da estrada tomei um atalho à esquerda e saí de novo nela já perto do povoado, onde efetivamente cheguei às 16h19. Ali mais carros e motos para minha decepção... não sabia que haveria tanta estrada nesse trajeto (algumas são bem recentes e não constam em nenhum mapa). Dei uma olhada num lodge ali e a senhora pediu Rs300 (US$2,60) pelo quarto. O outro lodge (Himalaya New Lodge) parecia fechado. Resolvi tentar alguns lodges mais à frente, já além do povoado, para adiantar a caminhada e quem sabe terminar a travessia no dia seguinte. Mas me arrependi muito pois os lodges indicados no gps não existiam, fui me afastando cada vez mais e por uma subida muito cansativa. Quando finalmente encontrei um lodge funcionando, o Thodong Top, ele estava lotado. Voltei 1,9km até a vila de Golphu Bhanjyang e encontrei o Himalaya New Lodge aberto. Fui atendido por um simpático casal e o preço do quarto era o mesmo, Rs300 (US$2,60). Havia tomada (com interruptor) no quarto e pude recarregar as baterias. Banheiro novamente no estilo oriental e fora da casa, mas aqui já não fazia tanto frio à noite. Para escovar os dentes e se lavar havia uma torneira no quintal. Não havia ducha, o banho era de balde e custava Rs200 (US$1,74). Esse foi o primeiro lodge em que fui o único hóspede. Altitude em Golphu Bhanjyang: 2135m Preço do dal bhat: Rs 350 Preço do veg chowmein: Rs 250 Stupa perto de Golphu Bhanjyang 13º DIA - 19/10/18 - de Golphu Bhanjyang a Sundarijal Duração: 9h20 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2464m Menor altitude: 1377m Resumo: nesse dia percorri muitas estradas na direção sul (sempre que possível fugindo delas pelas trilhas que encontrava), atravessei o Parque Nacional Shivapuri Nagarjun (com grande subida e depois descida por escadarias) e encerrei o trekking em Sundarijal A intenção era me aproximar o máximo possível de Sundarijal para no dia seguinte finalizar a caminhada e tomar o ônibus de volta a Kathmandu. Mas acelerei bastante o passo e consegui alcançar Sundarijal nesse mesmo dia. Finalizei o trekking mas Kathmandu ficou para o dia seguinte, como contarei abaixo. Também foi um dia bem diferente dos anteriores pois caminhei bastante por estradas e passei por muitos vilarejos com suas plantações em terraços. Alternaram-se trechos de estrada e trilha, com as trilhas sendo basicamente atalhos para poupar as muitas curvas das estradas. Em vários pontos tive de perguntar pelo melhor caminho aos moradores e aqui a descrição vai ficar bastante "carregada" por causa das inúmeras bifurcações. Saí do lodge às 7h50 ainda na direção sul pela estrada, subi e fui à direita na bifurcação no alto, subindo mais. A parte alta de Golphu Bhanjyang tem casas bem humildes feitas inteiramente com folhas metálicas. O panorama foi se alargando e gastei um bom tempo tirando fotos das montanhas na direção do Passo Laurebina La (norte). Mais acima, à esquerda, aparece uma casa de muro alto que deveria ser um lodge mas estava fechado. Passei junto ao muro do lado esquerdo dela e fui fotografar uma linda stupa que fica atrás. Às 8h38 subi à direita na bifurcação com placa seguindo a indicação de Chisopani (segundo a placa esse povoado se chama Thodong). Passei novamente pelo Hotel Thodong Top e, desprezando uma trilha à esquerda, continuei pela estrada, que ia ficando cada vez mais precária. Às 9h37 surge uma trilha subindo à esquerda com uma placa quebrada no chão onde mal se consegue ler Chipling. Entrei nela mas é somente um atalho (maior altitude do dia: 2464m) que tem no percurso uma stupa, uma casa e uma escadaria que desce e reencontra a estrada, onde fui para a esquerda (sul). Alguns metros antes das primeiras casas de Chipling um deslizamento na estrada interrompe o tráfego para carros, apenas motos conseguem passar. Alcanço o centro do povoado às 10h19 e a partir dali as plantações em terraços passam a ser comuns ao longo do caminho, o que garante uma paisagem bastante verde. Cruzei as poucas casas do lugar evitando os caminhos à direita e indo sempre para a esquerda. Caminhei cerca de 110m mais pela estradinha e fui à direita numa bifurcação, subindo. Nessa hora contei com a ajuda dos simpáticos moradores para encontrar o caminho por trilha pois não havia placa e as trilhas não eram evidentes. Se eu me mantivesse na estrada obviamente iria caminhar muito mais. Apenas 90m após a última bifurcação entrei numa trilha entre casas à esquerda (meio estranho pois parecia que eu ia entrar numa das casas), desci, tomei a esquerda numa rua com mais casas e apenas 30m depois tomei a trilha escondida descendo à direita, por indicação do pessoal local. Dali foi só descer bastante por entre plantações em terraços e trechos de mata. Encontrei alguns trilheiros subindo - fazer esse trekking ao contrário deve ser bastante cansativo por conta de tanta subida quase sem sombra. Nas bifurcações tomei a direita e depois a esquerda, caí na estrada de novo, fui para a esquerda fazendo a curva e logo entrei noutro atalho à esquerda que desembocou na mesma estrada numa trifurcação, num vilarejo chamado Thankuni Bhanjyang, onde há o lodge Lama Guest House. Na trifurcação, às 11h21, fui para a direita caminhando pela estrada. Parei por 20 minutos para comer um lanche que levava na mochila e às 12h17 tomei um atalho por trilha à direita da estrada. Mas logo caí na estrada de novo e fui para a direita, cruzando a vila de Patibhanjyang. Ali vi várias pessoas com uma "massinha" vermelha na testa e não sabia o que era, depois descobri que estavam comemorando o festival Dasain (pronuncia-se dasái), o maior festival do Nepal, e que aquela massinha vermelha feita com grãos de arroz se chama tika. Após a vila, na bifurcação, tomei a estrada da esquerda, subindo. Com mais 130m entrei num caminho largo à esquerda que serve como atalho. Caminhei só 70m e subi na trilha bem íngreme à direita. Reencontrei a estrada numa curva fechada e fui para a esquerda, passando por algumas casas. Subi apenas 100m e entrei numa trilha à direita com uma escadaria de pedras. Subi pela sombra da mata e quando saí no aberto a paisagem era bem mais ampla e bonita. Plantação em terraços na vila de Chipling Subi até cruzar a estrada de novo e continuei pela trilha em frente subindo. Passei por uma casa às 13h06 e a trilha continuava à direita dela. Reencontro a estrada e a tomo para a esquerda, porém a abandono de novo em favor de uma trilha à esquerda ao alcançar uma matinha de pinheiros (poucos metros à frente pela estrada fica o Hotel Everest View Tower). Reencontro a estrada numa curva bem fechada e vou para a direita. Desprezo uma outra entrada para o hotel à direita (com placa) e subo a escadaria 20m à frente também à direita. A trilha dá uma guinada de 90º para a direita (oeste) e cruza a mesma estrada. Acabo saindo nela 90m à frente e vou para a esquerda. Essa estrada encontra outra mais larga numa curva fechada e subo à esquerda. Alcanço a vila de Chisopani às 13h50 e após passar pelos dois primeiros lodges vou à esquerda na bifurcação. Após o lodge Dorje Lakpa vou à esquerda onde um prédio de 3 andares inclinado lembra a destruição causada pelos terremotos de 2015. Mais dois lodges, mais casas em ruínas e às 14h08 chego à portaria do Parque Nacional Shivapuri Nagarjun, onde sou recebido pelo guarda-parque e pago a taxa de entrada de Rs 1035 (US$8,98). Não acho esse valor exorbitante mas não me conformo em pagar uma taxa de entrada como essa e encontrar um parque sujo, com lixo por toda parte, sem sinalização, com quiosques abandonados, etc. Aliás o governo nepalês é craque em cobrar taxas altas dos visitantes e oferecer muito pouco em troca, e isso vale para todos os parques por onde caminhei. Ao sair da portaria às 14h23 abandonei a estrada (por um bom tempo, felizmente) e entrei no caminho descendo à direita que logo virou uma trilha. Fui à esquerda nas duas bifurcações e estava contente por voltar a caminhar por trilha e por pensar que agora seria só descida até Sundarijal. Porém havia me esquecido do passo em Borlang! Logo essa trilha começou a subir, subir... e por escadarias de pedra bastante cansativas. Por fim subi dos 2137m aos 2410m, tudo por escadarias, mas isso não significou uma bela paisagem para fotografar pois há muita vegetação obstruindo. O topo, aonde cheguei às 15h20, é marcado por bandeirinhas de oração budista. Cerca de 80m antes há uma bifurcação com uma placa indicando que ali é Borlang, com Sundarijal à esquerda, e à direita Shivapuri Peak (a 6,3km dali), Tinchule e Baghdwar (com um santuário). Ali eu já estava fazendo cálculos de distância e tempo para saber se conseguiria chegar com luz do dia ao ponto final do ônibus em Sundarijal. A descida por infindáveis escadarias foi tão cansativa quanto a subida e foi aí que comecei a sentir o joelho esquerdo. Na volta a Kathmandu tive que comprar um bastão de caminhada para poupar os joelhos nas caminhadas seguintes. Às 16h15 passei por uma "fortaleza" à direita, que devia ser do exército, com arames farpados, torre de vigilância, etc. e um portal com uma placa escrita somente em nepalês. Mais 7 minutos e chego às primeiras casas de Mulkharka, num final de estrada, e o ponto do ônibus estava ainda 3,6km à frente. Acelerei o passo. Às 16h30, onde há uma placa de Lumo Karmo, saio da estrada e desço pela escadaria à direita que serve como atalho. Ao reencontrar a estrada, cruzo-a e desço ainda por escadaria. Saindo na mesma estrada mais abaixo sigo por ela à esquerda e entro na primeira trilha à direita, 65m abaixo. Passo por uma escola, desço uma escadaria à direita e cruzo de novo a estrada junto ao Karma Guest House (onde perguntei sobre o melhor caminho). Continuando por trilha desci até uma barragem, aonde cheguei às 17h04. Cerca de 8 minutos depois passei por um posto do Parque Nacional Shivapuri Nagarjun mas não fui parado para mostrar o tíquete de entrada. Passei por uma cachoeira bem alta do lado direito com quedas menores do lado esquerdo. Ainda descendo, passei a acompanhar uma tubulação à minha esquerda. Às 17h28 passei por uma guarita e pelo portal do parque nacional, mas não havia ninguém naquele horário. Alcancei enfim o largo de onde saem os ônibus às 17h39, perguntei sobre o ônibus para Kathmandu mas não me respondiam. Um vendedor de frutas é que me disse que o último sai às 17h. Como um táxi ficaria caro o jeito era dormir ali e ele me ajudou a encontrar um lugar. Parece que havia uma só opção, o Side View Hotel. Deve ter sido o pior lugar que fiquei no Nepal: quarto sujo, com restos do hóspede anterior, banheiro privativo porém sem água. Reclamei duas vezes sobre a água mas mesmo assim só tive por um curto período. Preço do muquifo: Rs900 chorado para Rs800 (US$6,94)! Se soubesse do horário do ônibus teria escolhido um lodge decente para ficar no caminho. E assim encerrei essa caminhada incrível de 13 dias. No dia seguinte tomei às 6h45 o ônibus para Kathmandu. Os trekkings Langtang e Gosainkund na minha opinião foram muito mais bonitos e recompensadores que o Helambu, mas há quem faça somente este último. Altitude em Sundarijal: 1377m Informações adicionais: Eu sempre faço o possível para conseguir as informações mais precisas sobre horários, preços, etc, porém no Nepal isso é bastante complicado pelo problema da comunicação e da falta de organização geral das coisas. Assim, coloco aqui as informações obtidas mas com essa ressalva. Horários de ônibus: . Kathmandu-Syabrubesi: 6h30, 7h30 e 8h (9h de viagem para apenas 126km) Em Kathmandu os ônibus saem de um local chamado Macha Pokhari, uma rua próxima ao Terminal Gongabu, no anel viário da cidade Preço: Rs600 (US$5,21) Táxi do Thamel até Macha Pokhari: Rs350 (US$3,04) . Sundarijal-Kathmandu: roda entre 6h e 17h, não consegui saber a frequência (cerca de 1h de viagem) Em Kathmandu desci próximo ao terminal do Ratna Park Preço: Rs25 (US$0,22) Rafael Santiago outubro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  13. Estive lá no final de 2018. Percorri Langtang, EBC, 3 Passos e Campo Base do Annapurna. Publiquei muitas dicas de trekking independente no Nepal aqui:
  14. Oi, Carolina Os contatos do Cirilo estão no final do relato. O blog dele ainda está no ar, lá tem dois emails e o telefone. Boa trilha pra vocês!
  15. Campo Base do Everest Algumas dicas e orientações para planejar seu trekking solo no Nepal MELHOR ÉPOCA . Outubro e novembro são o pico da temporada de trekking no Nepal. As chuvas trazidas pelas monções terminam em setembro e o céu fica mais limpo nesse período seguinte. Porém espere por trilhas e lodges lotados nos trekkings do Everest e Annapurna, os mais populares. Em dezembro, já perto do inverno, é possível fazer caminhadas também mas é melhor escolher altitudes mais baixas como o trekking do campo base do Annapurna. . Março e abril são o segundo período mais procurado. A grande atração desses meses é caminhar pelas florestas de rododendros em época de floração, o que deve ser um lindo espetáculo. HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO DURANTE O TREKKING Não há nenhuma necessidade de levar barraca para a grande maioria dos trekkings no Nepal. Ao longo do caminho dezenas de lodges e guest houses oferecem hospedagem simples e alimentação completa (café da manhã, almoço e janta). Para os trilheiros independentes é usual negociar o preço do quarto desde que se façam as refeições (café da manhã e janta) no próprio lodge, que sempre tem refeitório. Na maioria das vezes o quarto acaba saindo de graça (dependendo da negociação) uma vez que a comida custa duas ou três vezes o preço pago nas cidades. E o preço aumenta junto com a altitude e a distância das cidades. Para mostrar a variação de preços das refeições em cada povoado ao longo dos trekkings vou colocar nos relatos, ao final de cada dia, o preço do dal bhat e do veg chowmein, dois pratos bastante pedidos. Como referência esses pratos em Kathmandu custam por volta de Rs 250 (US$2,17) e Rs 160 (US$1,39), respectivamente. Em quase todos os vilarejos os moradores têm um pedaço de terra para trabalhar e cultivar os legumes e verduras para seu consumo e para suprir a demanda do restaurante. A dieta deles é basicamente vegetariana, inclusive pela dificuldade de armazenamento de qualquer tipo de carne. E para o trilheiro é bastante recomendável seguir essa dieta pensando no seguinte: os legumes são sempre frescos, a carne não. E ninguém quer ter uma infecção intestinal ou uma diarréia num lugar tão distante. Todos os lodges têm um caderno onde são anotados (pelo dono ou pelo hóspede) os pedidos para o jantar e café da manhã. Para o jantar costumam pedir que se anote até as 17h para eles se organizarem. Para o café da manhã geralmente pedem que se escreva o pedido no dia anterior, principalmente se houver necessidade de tomar o café muito cedo. Mesmo havendo refeição em todas as vilas do caminho é preciso ter algum lanche de trilha para os dias em que se sobe alguma montanha mais demorada (como o Tsergo Ri) ou se atravessa um passo de montanha, algo que leva bastante tempo e onde a distância entre os vilarejos é grande. CUSTOS DURANTE O TREKKING Os custos durante as caminhadas dependem diretamente do que se consome nos lodges pois a comida é bastante cara em comparação com o preço pago nas cidades, ao passo que a hospedagem pode ser negociada. Se você for econômico e pedir veg chowmein no café da manhã (você acostuma...), veg fried rice no almoço e dal bhat na janta, o custo diário com comida vai ser de US$8 a US$20 (o preço aumenta com a distância). Se for possível negociar o quarto sem custo, o valor acima vai ser a sua despesa diária durante o trekking. Um café da manhã completo com pão, geléia, omelete e café/chá vai aumentar bastante essa despesa. No meu trekking de 23 dias de Shivalaya ao Campo Base do Everest e Gokyo o custo total, seguindo o menu econômico acima e sempre barganhando o preço do quarto, foi de US$345. A média foi de US$15 por dia. Lembrando que eu não contratei nenhum serviço de guia ou carregador. Nessa conta entram apenas alimentação e hospedagem, não entram as permissões e as passagens de ônibus e avião. HOSPEDAGEM EM KATHMANDU O bairro mais conveniente para se hospedar em Kathmandu é o Thamel pois concentra todos os serviços que um trilheiro necessita: hotéis para todos os bolsos e exigências, restaurantes variados, casas de câmbio, padarias, mercadinhos, livrarias, farmácias, lavanderias, agências de trekking, lojas de equipamentos e roupas técnicas, etc. Além disso muitos atrativos turísticos da cidade estão a curta distância a pé a partir do Thamel. Mas prepare-se para dividir as ruas estreitas e sem calçada com muitas motos e carros buzinando o tempo todo. Sim, o Thamel é uma ilha da fantasia para turistas, repleta de lojinhas de todo tipo, e para ter a experiência de uma Kathmandu mais real vai ser preciso caminhar fora dali. Isso é verdade, mas o Thamel não deixa de ser o bairro mais conveniente para as necessidades de um viajante. Rua no Thamel ROUPAS E FRIO A temperatura interna durante a noite medida pelo meu termômetro chegou à mínima de -8,6ºC. Isso foi dentro do quarto em Gorak Shep. Normalmente ela está entre -3ºC e 3ºC à noite e de manhã dentro do quarto. Por isso é preciso ter um saco de dormir sempre na mochila pois o cobertor do lodge pode não ser suficiente. Eu levei um saco Marmot Helium (temperatura limite -9ºC) e usei em algumas noites apenas. Os quartos costumam ter duas camas com um cobertor bem grosso parecido com um edredom em cada uma. Como eu dormia sozinho no quarto podia pegar o outro cobertor e não precisava usar o saco de dormir. Para vestir recomendável levar uma blusa grossa de fleece, uma jaqueta de pluma (a única blusa que realmente esquenta naquele frio todo) e uma jaqueta impermeável que serve como corta-vento durante as caminhadas. Para as pernas importante levar uma calça de fleece ou ceroula térmica pois com frio nas pernas não se consegue dormir. Uma calça impermeável serve como corta-vento e eu usei em vários dias mesmo caminhando sob o sol pois o vento é gelado. Uma faixa para o pescoço que possa ser esticada para a boca e nariz também é fundamental para não expor tanto a garganta ao vento frio. Mesmo com isso eu tive infecção na garganta, tive que ir ao médico em Kathmandu e tomar antibiótico por 3 dias. Os lodges costumam ter um aquecedor no refeitório e esse é o único lugar para se refugiar do frio. Mas ele fica aceso somente do início da noite até os últimos hóspedes saírem do refeitório. Não é aceso de manhã, quando faz muito frio também (entre -3ºC e 3ºC, como disse). Para acender o aquecedor se usa lenha onde há árvores e esterco de iaque onde não há. O QUE PODE SER COMPRADO EM KATHMANDU Kathmandu tem ótimas livrarias onde se pode comprar mapas e guias de todos os trekkings do Nepal. E tem dezenas de lojas de equipamentos e roupas técnicas onde se deve pesquisar os preços pois variam muito de uma loja para outra. Há lojas de marcas famosas como The North Face e Mountain Hardwear que vendem produtos originais. Nas outras mil lojas vale o preço e não necessariamente a qualidade. Mas pelo que já li nos relatos é possível encontrar bons produtos a preços bem atrativos. Na hora da compra vale pechinchar também, e comprar vários itens na mesma loja (ao invés de um item em várias lojas) ajuda na negociação do valor total. Muitos itens podem ser alugados também. MAPAS Nas livrarias há mapas para todos os trekkings do Nepal, porém eu e outras pessoas encontramos muitos erros na marcação das altitudes, o que atrapalha um pouco o planejamento. Para ser mais prático, uma idéia é fotografar o mapa todo com o celular para ter acesso rápido a ele durante a caminhada sem ter que ficar dobrando e desdobrando o original toda hora. Dal bhat ACLIMATAÇÃO O Mal Agudo da Montanha (em inglês AMS, Acute Mountain Sickness) é um problema muito sério que não deve ser ignorado. Durante a caminhada do Everest eu soube que um japonês morreu em Gorak Shep porque não queria descer mesmo se sentindo mal em consequência da altitude (matéria aqui). É preciso ficar atento aos sinais do corpo e a melhor solução sempre é descer. Aconteceu comigo também. Fiquei quatro noites praticamente sem dormir, apesar de não ter nenhum outro sintoma, e precisei baixar dos 5160m aos 3800m para poder dormir, me recuperar do cansaço e dar um tempo maior para o meu corpo se adaptar à altitude. O Mal Agudo da Montanha atinge tanto atletas e esportistas de condição física perfeita quanto trilheiros de primeira viagem. E pode atingir também trilheiros já acostumados a caminhar na altitude. O processo de aclimatação é condição necessária para todos. Os sintomas mais leves a partir dos 3000m de altitude são dor de cabeça, tontura, náusea, perda de apetite, falta de ar, cansaço, irritabilidade e dificuldade para dormir. Nesse caso o corpo está dando sinais que não devem ser ignorados e o melhor é parar de subir, subir mais devagar (dormindo mais noites na mesma altitude) ou descer se não houver melhora. Do contrário pode-se desenvolver os sintomas mais graves do AMS. Os sintomas mais graves são perda de coordenação enquanto caminha e falta de ar mesmo em repouso. O primeiro sintoma pode levar a um edema cerebral e o segundo a um edema pulmonar. Nesse caso é preciso descer imediatamente. As regras básicas para que o organismo se adapte gradativamente à altitude (leia-se: aclimatação) acima dos 3000m são: . não dormir 500m acima do local onde se dormiu na noite anterior . fazer caminhadas de bate-volta até uma altitude superior àquela em que vai dormir (walk high, sleep low) . de preferência dormir duas (ou mais) noites na mesma altitude e fazer caminhadas a pontos mais altos durante o dia . beber no mínimo 3 litros de água por dia Por fim, a polêmica do Diamox. Alguns médicos são contra o uso desse medicamento para reduzir os sintomas da altitude, mas no Nepal quase todo mundo tem na mochila e até o médico em Kathmandu me receitou na consulta que fiz (sem eu pedir). Mas mesmo usando Diamox deve-se seguir as regras de aclimatação acima para não desenvolver os sintomas mais graves do mal de altitude. Muita gente faz uso mas não posso falar dos efeitos e benefícios porque não tomei. Quando tive quatro noites de insônia não tinha Diamox para testar se resolveria o meu problema. O que é consenso entre os médicos no caso de insônia é não tomar remédios para dormir. Máscara para enfrentar a poluição e poeira de Kathmandu TRATAMENTO DA ÁGUA A água mineral é vendida no Nepal em garrafas de 1 litro ou menores. Essa água, que custa Rs20 ou Rs30 em Kathmandu, chega a custar Rs450 em Gokyo. Além desse preço absurdo, o grande problema é a acumulação de garrafas pet nos lixões dos vilarejos e ao longo das trilhas. Comprar água mineral é a pior das soluções para matar a sede. O que fazer? Tratar a água de torneira dos vilarejos ou a água dos riachos, ambas abundantes e de fácil acesso em todos os trekkings. Há várias maneiras: 1. ferver a água . vantagem: o gosto não é alterado, custo muito baixo . desvantagem: não é tão prático e rápido, a água demora a ferver e a esfriar para colocar nas garrafas pet; quanto maior a altitude, menor a temperatura de ebulição da água, por isso é preciso ferver por mais de 5 minutos em altitudes mais elevadas 2. filtro Sawyer ou LifeStraw . vantagem: o gosto não é alterado, muito mais prático que ferver . desvantagem: filtra bactérias e protozoários, mas os vírus passam; não pode ficar exposto a temperaturas muito baixas 3. pastilha de cloro (Clorin) ou dióxido de cloro (Micropur) . vantagem: muito mais prático que ferver . desvantagem: o gosto é horrível, demora de 30 minutos a 4 horas para purificar completamente dependendo do tipo de pastilha 4. Steripen . vantagem: método muito prático e rápido (leva apenas 90 segundos para purificar 1 litro de água), o gosto não é alterado . desvantagem: custo alto, a água deve ser cristalina, dependência de um aparelho eletrônico (que dá bastante problema segundo as críticas no site amazon.com) 5. pastilha de iodo: não acho esse método recomendável pois não é eficaz contra o protozoário Cryptosporidium, não pode ser usado por um longo período (mais que 6 semanas) e não pode ser usado por pessoas com problema de tireóide Minha experiência: eu não tenho Steripen, então usei os 3 primeiros métodos sempre combinando dois deles. Levei um fogareiro e comprei cartuchos de gás em Kathmandu. Toda noite eu filtrava a água, depois fervia e esperava esfriar durante a noite. Ou eu filtrava e usava a pastilha de dióxido de cloro (Micropur), mas isso apenas se eu não pudesse ferver pois o gosto final era de sabão. Levei um filtro Sawyer Squeeze e nos lodges onde a temperatura no quarto poderia ser abaixo de 0ºC eu dormia com ele junto ao corpo. Conheci trilheiros que estavam tratando a água apenas com filtro Sawyer ou LifeStraw e não tiveram problema. Geralmente as pessoas usavam apenas um dos métodos que mencionei. É possível também comprar água fervida nos lodges, mas o custo ainda é alto. Vaquinhas sagradas TELEFONIA E INTERNET Vou colocar em cada relato de trekking no Nepal o nome das operadoras de celular que funcionam na maioria dos vilarejos. As mais comuns são NCell (www.ncell.axiata.com), NTC/Namaste, Sky e Smart (www.smarttel.com.np). A NCell tem lojas próprias em Kathmandu onde se pode comprar o chip e fazer a carga pelos preços oficiais, bem mais baixos que nas lojas turísticas do Thamel. A loja que eu ia fica na Durbar Marg, mas há outra perto da Praça Durbar (segundo o site). Para comprar o chip é preciso levar passaporte, uma foto 3x4 e preencher um formulário na loja. Para fazer a recarga não necessita de nada disso. Eles mesmos configuram o celular, mas é bom conferir se o chip está funcionando antes de sair da loja. Eu paguei Rs 100 (US$ 0,87) pelo chip e Rs 355 (US$ 3,08) pelo pacote de 1,3 GB por 30 dias (há muitos outros pacotes). Para as outras operadoras não vi lojas próprias, mas segundo o site a Smart possui lojas (esta é uma operadora que funciona em pouquíssimos lugares). Muitos lodges e cafés ao longo dos trekkings têm wifi mas é sempre pago e vale a mesma regra: o preço sobe junto com a altitude e distância das cidades. Para recarregar as baterias, alguns poucos lodges têm tomada no quarto, na maioria deles é preciso pagar pela carga. Levar alguns power banks a mais é uma boa idéia para não gastar muito com recargas. Lembrando que o frio descarrega as baterias mais rápido do que o habitual, por isso eu costumava colocar o power bank dentro da blusa na hora de usá-lo para recarregar o celular. No trekking do Everest há dois serviços de cartão pré-pago que dão acesso ao wifi dos lodges em diversas vilas: 1. Everest Link (www.everestlink.com.np) - custa Rs 1999 (US$ 17,35) por 10GB em um período de 30 dias (há outros pacotes); segundo o site funciona nas principais localidades ao norte de Lukla, inclusive no Kala Pattar e no Campo Base do Everest 2. Nepal Airlink (www.nepalairlink.com.np) - custa Rs 1260 (US$ 10,94) por um período de 30 dias (há outros pacotes); o site estava fora do ar quando publiquei esse relato mas pelo que pude entender o Nepal Airlink funciona apenas no trekking Shivalaya-Lukla e só no trecho entre as vilas de Junbesi e Kharte, e também em Phaplu. Não cheguei a usar nenhum desses dois serviços porque não sabia da existência e já tinha comprado o chip da NCell. PERMISSÕES A seguintes permissões podem ser obtidas no Tourist Service Center, próximo ao Ratna Park, em Kathmandu: 1. TIMS card - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário (importante: segundo a funcionária desde 16/11/2018 é obrigatório ter seguro-viagem para obter o TIMS card e deve-se fornecer o número da apólice no formulário). Valor: Rs2000 (US$17,36). O TIMS card é necessário para todos os trekkings exceto para o Everest (desde outubro de 2017) e válido apenas para um trekking específico, ou seja, no meu caso tive de pagar o TIMS para Langtang e depois para o Annapurna, num total de Rs4000 (US$34,72). Para o Everest o TIMS card foi substituído em out/2017 por uma permissão local que pode ser obtida em Lukla ou Monjo (não em Kathmandu) pelo valor de Rs2000 (US$17,36) e sem foto. 2. permissão de entrada do Parque Nacional Langtang - levar somente passaporte. Valor: Rs3400 (US$29,51) 3. permissão ACAP para o Annapurna Conservation Area - levar passaporte, 2 fotos 3x4 e preencher um formulário. Valor: Rs3000 (US$26,04) 4. permissão de entrada do Parque Nacional Sagarmatha - eu obtive essa permissão em Monjo, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04) 5. permissão de entrada do Gaurishankar Conservation Area - eu obtive essa permissão em Shivalaya, durante o trekking do Everest, mas há um balcão no Tourist Service Center em Kathmandu que a emite. Pediram apenas passaporte, nenhuma foto.Valor: Rs3000 (US$26,04) Horário do Tourist Service Center em Kathmandu: . balcão Annapurna, Manaslu e Gaurishankar: diário das 9 às 13h e das 14h às 15h . balcão Everest e Langtang: de domingo a sexta-feira das 9h às 14h . balcão TIMS card: não havia horário afixado Esses horários mudam frequentemente. Banheiro ao estilo "limpo" (os outros melhor não publicar) BANHEIROS AO ESTILO OCIDENTAL E ORIENTAL Durante todos os trekkings é mais comum encontrar o banheiro ao estilo oriental, quer dizer, uma peça de louça no chão com um buraco no meio e lugares para colocar os pés nas laterais. A descarga quase sempre é com um balde ou caneca que fica ao lado. Quando raramente se encontra um vaso sanitário, a descarga normalmente é com o balde ou caneca mesmo. Nos lodges de maior altitude é preciso ter cuidado com a água congelada de manhã no piso do banheiro e ao redor do buraco. Vale dizer que durante todos os trekkings o banheiro é sempre compartilhado, não existe banheiro privativo, e costuma haver apenas um ou dois para todos os hóspedes. Papel higiênico deve ser comprado e levado sempre na mochila pois os nepaleses não usam e não se encontra em nenhum banheiro. Prefira comprar nas cidades pois nos lodges é bem mais caro. BANHO É possível tomar banho de ducha em muitos lodges durante os trekkings. Se não houver ducha eles preparam um banho de balde. Em ambos os casos é preciso pagar à parte e o preço aumenta à medida que se distancia mais das cidades. A água da ducha pode ser aquecida a gás ou por energia solar. Se for a gás o banho é ótimo, com a água bem quentinha. Se for com energia solar a água fica morna ou quase fria no fim da tarde ou em dias de céu encoberto. VACINAS Nenhuma vacina é obrigatória para entrar no Nepal porém é bastante recomendável tomar/atualizar as vacinas de febre tifóide e hepatite A pois a transmissão dessas doenças se dá por água e alimentos contaminados. Nenhuma das duas está disponível na rede pública no Brasil, é preciso pagar em uma clínica particular. Eu aproveitei para atualizar todas as outras vacinas recomendáveis: tétano, difteria, hepatite B, gripe, antirrábica e febre amarela. EMPRESAS AÉREAS QUE FAZEM O TRAJETO KATHMANDU-LUKLA PARA O TREKKING DO CAMPO BASE DO EVEREST Somente essas quatro companhias aéreas fazem o trajeto entre Kathmandu e Lukla: 1. Nepal Airlines: www.nepalairlines.com.np (clique em Domestic Flight) 2. Tara Air: www.yetiairlines.com 3. Sita Air: sitaair.com.np 4. Summit Air: www.summitair.com.np VIAJANDO DE ÔNIBUS NO NEPAL Os ônibus em que viajei no Nepal eram genericamente chamados de "local bus". Parece que há os tipos express, super express, mas não sei dizer a diferença. Todos eram muito lentos, apertados e sem banheiro. A dica que quero dar aqui é sempre pedir um assento no meio do ônibus. Os bancos do fundo pulam demais por conta das estradas de terra cheias de buracos e pedras. O último banco é muito mais desconfortável que qualquer outro - evite! Os bancos da frente não são muito convenientes porque é um entra-e-sai constante de pessoas, bagagens, sacos, etc. São feitas algumas paradas para banheiro durante as longas viagens, mas é bom não tomar muito líquido para não passar aperto. Em todas as viagens a mochila sempre ia comigo, o que era também um transtorno. Ônibus para Jiri e Shivalaya no terminal do Ratna Park PEDINDO INFORMAÇÃO DURANTE O TREKKING Não quero generalizar sobre esse assunto mas vou falar da minha experiência. Concluí que não é muito útil pedir informação aos nepaleses durante a caminhada. Ao necessitar de informação sobre o caminho o melhor é perguntar aos trilheiros, melhor ainda aos trilheiros independentes pois estes estudaram os mapas e sabem o nome das vilas de onde vieram e para onde estão indo. Trilheiros com guia muitas vezes não sabem nada também. Por que não perguntar aos nepaleses já que vivem ali? Em geral eles são bem confusos na explicação, alguns dão informação errada, muitos não entendem a pergunta e falam qualquer coisa. Geralmente eles sabem só o inglês necessário para falar sobre o quarto e a comida, ao serem questionados sobre as condições do caminho não entendem e não sabem explicar. Além disso, nepaleses têm a tendência de responder sim a tudo por cortesia (um não pode ser considerado indelicado), portanto não se deve perguntar: o caminho para a próxima vila é este? pois eles provavelmente vão responder sim. É melhor perguntar: qual é o caminho para a próxima vila? nesse caso eles não podem responder simplesmente sim. Depois confira a informação com outras pessoas, não confie na primeira informação que obtiver. CALENDÁRIO O Nepal usa um calendário diferente chamado Sambat. Neste ano de 2018 do calendário gregoriano eles estão no ano 2075. Em algumas situações eles podem usar a data do calendário Sambat em lugar do gregoriano. Comigo aconteceu de preencherem uma passagem de ônibus com essa data. NAMASTÊ O cumprimento habitual no Nepal é a palavra namastê. Questionei algumas pessoas sobre o significado dessa palavra e eles respondem que é somente um olá. Mas namastê tem um significado mais espiritual e literalmente quer dizer: Eu saúdo o divino dentro de você, Eu me curvo ao divino em você, O sagrado em mim reconhece o sagrado em você, O divino em mim se curva ao divino dentro de você, entre outros significados. RELATOS DO NEPAL PUBLICADOS AQUI NO MOCHILEIROS . Trekking Langtang-Gosainkund-Helambu (Nepal) - out/18 . Trekking do Campo Base do Everest desde Shivalaya em 3 partes: .. Trekking Shivalaya-Namche Bazar (Nepal) - out/18 .. Trekking Namche Bazar-Campo Base do Everest (Nepal) - nov/18 .. Trekking Pheriche-Lukla (Nepal) - nov/18 . Trekking do Campo Base do Annapurna e Poon Hill (Nepal) - dez/18 Rafael Santiago dezembro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  16. Travessão Essa longa travessia, a mais extensa que já realizei até hoje, nasceu do convite do Renato Romano que com seus amigos da Equipe Romoaldo de Trekking e Montanhismo elaboraram todo o planejamento, desde o roteiro até a organização das refeições e a divisão das barracas e outros equipamentos. Tudo muito bem planejado. A idéia inicial da equipe era fazer pela primeira vez uma travessia na Serra do Espinhaço com início próximo à cidade de Gouveia-MG e final na Lapinha da Serra, com duração de 6 dias, e possível continuação até a vila de Serra do Cipó (mais 2 dias). Eu topei a empreitada. Mas a minha intenção era continuar caminhando e explorando trilhas ainda desconhecidas (para mim) a partir da Lapinha e essa proposta, feita durante o trekking, despertou a curiosidade de alguns do grupo. Discutimos roteiros e o tempo disponível e cheguei à conclusão que estávamos preparados para empreender uma longa caminhada Trans Espinhaço com o roteiro incluindo uma travessia pelo ParNa Serra do Cipó, meu velho conhecido (e relatado aqui algumas vezes), porém um lugar ainda inédito para os membros do grupo. A nossa Trans Espinhaço portanto passava a ter uma previsão de 12 dias de caminhada. E, claro, de maneira autônoma, carregando tudo nas costas. Mas, como contarei em breve, para mim ela acabou sendo ainda mais longa... Córrego do Barbado DIA 0 - 23/07/18 - Rumo à Serra do Espinhaço No Terminal Tietê em São Paulo conheci os membros da Equipe Romoaldo que participariam da caminhada: João, Vitor Honda e Leonardo (Leo), além do Renato Romano que me fez o convite. A representante feminina do grupo era a Bruna. Embarcamos no Gontijo das 21h30 com destino a Diamantina-MG. Eu tomei um Dramin para dormir logo e não enjoar (viagem de ônibus muito longa assim não me faz bem ao estômago) e só despertei perto do local onde saltaríamos do ônibus, portanto não posso dizer em que cidades o busão parou pelo caminho. Rio Paraúna DIA 1 - 24/07/18 - da BR-259 à cachoeira do Córrego do Bicho Duração: 7h10 (com paradas) Maior altitude: 1240m Menor altitude: 906m Pela manhã já atravessávamos a paisagem característica do cerrado mineiro, aliás paisagem que fazia alguns anos que eu não via e da qual já sentia muita falta. Por volta de 9h30, entre as cidades de Curvelo e Gouveia, a pedido do Renato o motorista parou no acostamento de terra da BR-259 e ali saltamos. Jogamos as mochilas às costas e retornamos uns 600m até a placa do km 479, onde tomamos um atalho para baixar à estradinha de terra à esquerda. Ajeitamos a carga, mastigamos alguma coisa e demos início à pernada exatamente às 10h15. Altitude de 1237m. Essa localidade se chama Contagem e é marcada pela presença de torres eólicas de energia (do outro lado da rodovia). Até a hora do almoço iríamos caminhar junto ao curso do Córrego Contagem, à nossa direita. E até a chegada ao Rio Paraúna teríamos a imponente Serra do Indaial à nossa esquerda. Esse primeiro dia seria em grande parte caminhando por uma estradinha de terra e isso já havia sido discutido pelos integrantes da equipe na fase de elaboração do roteiro. Outras vias de entrada foram consideradas mas a facilidade de chegar a esse ponto de início com apenas um ônibus a partir de São Paulo foi decisiva (outros locais de acesso à travessia demandariam ônibus rurais infrequentes ou frete de carro particular). Portanto lá fomos nós pelas estradinhas, felizmente sem movimento algum de veículo. O papo e a curiosidade pela nova paisagem fizeram com que a caminhada fosse muito mais rápida e interessante do que se podia prever. Durante todo o percurso da nossa Trans Espinhaço o sentido geral percorrido foi de norte a sul. Nesse primeiro dia pela estradinha os pontos que vale destacar foram: às 10h56 cruzamos uma porteira de ferro e uma placa avisava "propriedade particular - entrada proibida", o que foi sumariamente ignorado. Às 11h04 aparece a primeira fonte de água corrente de fácil acesso (o próprio Córrego Contagem) porém deve ser tratada pela presença de gado por perto. Às 11h22 uma placa indica o Sítio Arqueológico Contagem, o que atiça a curiosidade do grupo por ver as pinturas rupestres. Esse é um local de acesso fácil e um patrimônio que precisa ser preservado, portanto tivemos o cuidado de apenas observar e fotografar, sem tocar em nada. Às 12h24 passamos por uma casa à nossa esquerda, uma das poucas vistas, mas estava vazia e em más condições. Paramos para almoçar logo depois à sombra de algumas árvores, com água corrente perto, junto a uma bifurcação onde seguiríamos à esquerda, subindo. A partir desse ponto nos distanciamos do Córrego Contagem. Mas às 14h16, numa outra bifurcação, tomamos a esquerda e logo depois a direita e chegamos à margem do Rio Paraúna, onde o Contagem deságua. Ali paramos mais tempo para curtir o bonito lugar. Estudando o percurso a seguir percebi que poderíamos cortar cerca de 2,2km do caminho pela estrada se cruzássemos o rio. O Renato experimentou a profundidade e correnteza (sem a mochila) e vimos que era viável. Então às 15h15 atravessamos o rio. É recomendável algum tipo de sandália ou crocs para não ferir os pés nas pedras do fundo e o uso de dois bastões ou cajados para se equilibrar na correnteza. Obviamente essa travessia não deve ser tentada em época de chuva pelo maior volume e correnteza do rio e risco de tromba-d'água. Só na outra margem é que pudemos ver que havia uma casa muito próxima, no lado em que chegamos. Assim tomamos a trilha na margem esquerda, inicialmente paralela ao rio, mas logo guinamos para uma subida à esquerda. Em 400m de subida atingimos a trilha principal, larga e toda de cascalho. Tomamos a esquerda, ainda subindo. A caminhada por estrada havia acabado, agora a enorme rede de trilhas da Serra do Espinhaço/Serra do Cipó vai nos levar para dentro dos belíssimos campos rupestres, com suas águas límpidas e flores abundantes. Com mais 100m, às 16h07, tomamos a direita na bifurcação. A visão se amplia para o vale do Rio Paraúna a leste. Na sequência eu aproveito para chamar a atenção do pessoal para a característica geológica própria da Serra do Espinhaço que é a disposição das pedras e lajes, desde as mais pequenas até as enormes que formam morros e montanhas, sempre em ângulo de cerca de 45º apontando invariavelmente para o oeste. Não sei qual é a explicação científica para isso mas essa imagem nos acompanhou durante toda a longa caminhada, sendo mais notada nas travessias de rios e na conformação em "degraus" das cachoeiras ao longo do caminho. Tivemos curiosidade de conhecer a Cachoeira do Apertado, mas não encontramos a trilha de acesso e o horário já não nos permitia procurá-la ainda nesse dia. Chegamos à área de acampamento junto ao Córrego do Bicho às 17h26 e estabelecemos nosso primeiro hotel-um-milhão-de-estrelas ali mesmo. Altitude de 1055m. Desde o Rio Paraúna passamos por mais dois pontos de água, afluentes do Córrego do Bicho. Honda, Renato, João, Leo e Bruna DIA 2 - 25/07/18 - da cachoeira do Córrego do Bicho a suas nascentes Duração: 7h10 (com paradas) Maior altitude: 1421m Menor altitude: 1055m Nessa manhã ocorreu um fato muito curioso e inédito para mim em tantos anos de trekking. Logo cedo, ao caminhar alguns metros a partir do acampamento encontrei uma tampa de panela. Perguntei se era do grupo e a resposta foi afirmativa. Porém cadê a respectiva panela? Havia sumido. Ela havia ficado de molho fora da barraca e algum bicho a havia surrupiado durante a noite bem embaixo dos nossos narizes! Vasculhamos os arredores e nada, nem pegadas. Desistimos da procura e tratamos de desarmar tudo para continuar a caminhada. Partimos às 9h20. Subimos na direção sudoeste (oposta ao Córrego do Bicho) e em 5 minutos encontramos a tal panela... toda mordida e até furada pelos dentes do animal. Não conseguimos identificar as pegadas que havia, mas a história já entrou para o anedotário dos nossos trekkings. E ainda tivemos que carregar uma panela inutilizada por mais 5 dias até a Lapinha... Às 9h36 cruzamos uma porteira e fomos à direita na bifurcação seguinte pois o caminho seria mais curto do que pela esquerda. Subimos pela trilha de pedras brancas soltas. Cruzamos uma tronqueira às 10h04, paramos para um pequeno descanso numa exígua sombra e às 11h23 cruzamos uma porteira velha com uma lacônica placa "proibido caçar"... então tá. Cerca de 400m depois outra formação rochosa nos atraiu para investigar se havia mais pinturas rupestres mas dessa vez só encontramos uma lapa, uma grande pedra formando um abrigo, onde quase pisei numa cobra sem ver. Às 12h36 pudemos visualizar no horizonte pela primeira vez a Serra da Lapinha/Serra do Breu com seus famosos picos nos dando a direção exata da vila de Lapinha da Serra. Na descida que se seguiu desviamos para o vale à direita para procurar um lugar com água para almoçar. E encontramos um ótimo local de sombra na mata de galeria do Córrego da Passagem. Retomamos a caminhada às 14h30 retornando à trilha principal exatamente onde havia uma tronqueira e se avistava uma casa no vale onde almoçamos, do Córrego da Passagem. Continuamos na direção sul. Às 15h16 cruzamos uma porteira junto a um riacho, afluente ainda do Córrego do Bicho, e paramos para descansar. A idéia inicial era acampar junto a essa água, mas continuamos pois ainda era cedo. Uns 450m após a porteira fomos à direita na bifurcação e com mais 300m abandonamos o caminho largo que fazia uma curva para a esquerda indo para leste - em vez disso cruzamos o capim no sentido sudeste até encontrar uma trilha na direção desejada. Cruzamos uma tronqueira às 16h09 e avistamos uma casa à esquerda junto a altos eucaliptos, porém ainda distante. Tanto a bifurcação anterior quanto o caminho que ia para leste levariam diretamente a essa casa. Às 16h30 percebemos que nosso caminho continuaria por uma crista onde seria improvável haver água, então decidimos nos abastecer no vale logo abaixo para passar a noite ali mesmo. Altitude de 1325m. Do alto onde acampamos se via ainda a casa, agora mais próxima, mas não fomos até ela na dúvida se havia gente ou não, ou se seríamos bem-vindos ou não. À noite vimos luz na casa, confirmando a presença de morador. Vale do Rio Preto DIA 3 - 26/07/18 - das nascentes do Córrego do Bicho ao Rio Preto Duração: 4h30 (com paradas) Maior altitude: 1363m Menor altitude: 1100m Nessa noite todas as panelas foram devidamente guardadas nas barracas e não perdemos mais nenhuma para o lobo-guará, jaguatirica, onça ou sei-lá-que-bicho. Partimos às 8h46 na direção sul-sudeste para reencontrar a trilha principal abandonada na tarde anterior. Às 9h10 cruzamos uma cerca por baixo e caminhamos por campos abertos com larga vista dos arredores. Para trás à esquerda logo foi possível ver o divisor de águas do Córrego do Bicho, que estávamos deixando, e do Córrego do Barbado, que passamos a percorrer. Às 10h paramos para descanso por 15 minutos. Na continuação o Córrego do Barbado faz uma curva para a direita (sudoeste) e a trilha o cruza, porém nessa travessia às 11h33 um pequeno acidente: o Leo escorregou nas pedras lisas do riacho e caiu, mas nada sério felizmente. A partir daí começamos a avistar na serrinha do outro lado do vale à nossa direita o caminho para a vila de Fechados, mais notadamente a trilha de pedras brancas que sobe essa serra e tem o nome de Subidão do Miltinho. Paramos às 11h55 na beira do penhasco para apreciar a belíssima e ampla paisagem dos vales do Córrego Samambaia e do Rio Preto, o qual cruzaríamos na sequência (já me disseram que Córrego Samambaia é uma denominação errada da carta do IBGE e que o nome correto é Córrego Andrequicé). Nessa descida ao Rio Preto avistamos uma casa isolada ao pé da serrinha à esquerda. Logo depois de um entroncamento a trilha se torna mais pisada dando clara indicação de que passamos a percorrer um caminho bastante usado em travessias com destino a Fechados. A travessia do Rio Preto às 13h15 não teve nenhuma dificuldade pois foi através das lajes pontudas típicas da região (mais abaixo o rio é largo e fundo). Paramos para o almoço mas o lugar é tão lindo e convidativo que resolvemos passar o restante da tarde e acampar ali mesmo. O encontro com algumas capivaras na chegada deixou o Leo meio preocupado, mas elas logo sumiram. Altitude de 1112m. Serra da Lapinha/Serra do Breu DIA 4 - 27/07/18 - do Rio Preto ao encontro com o seu Jair Duração: 8h25 (com paradas) Maior altitude: 1444m Menor altitude: 1100m A partir do Rio Preto evitamos o caminho mais fácil e direto ao Poço do Soberbo para não passar na sede de uma fazenda onde o dono já intimidou trilheiros com cachorro bravo e disparos de arma, segundo relato que lemos na internet. Por isso planejamos um caminho por uma região mais alta, longe da sede dessa fazenda. Partimos às 9h na direção sul subindo a encosta e logo notamos marcas de pneu no caminho (!?). Na descida que se seguiu fomos à direita na bifurcação pois o caminho pareceu mais usado e um pouco mais curto que à esquerda. Às 9h43 cruzamos um afluente do Córrego dos Piões, mas com muito pouca água, e apenas 400m adiante cruzamos uma porteira de arame aberta. Com mais 300m, às 10h, alcançamos o próprio Córrego dos Piões, com água corrente e fresca. Ele corre para o norte e deságua no Rio Preto bem próximo do local onde cruzamos este último na tarde anterior. Notamos uma plantação à esquerda, com pés de cana recém-cortados. Paramos numa sombra mais à frente junto ao Piões e degustamos alguns pedaços de cana antes de subir por um corredor entre cercas na direção da casa, onde cachorros nos denunciaram. Mas eles eram mansos e só queriam brincar. Cruzamos uma tronqueira e continuamos em frente sem ver ninguém da casa. Antes dela passamos pela cerca da direita e tomamos a trilha pelo pasto com vacas, mas de olho num touro quieto e desconfiado que havia ali. Na porteira seguinte vimos a placa de "Fazenda Pinhões da Serra". Essa porteira tinha um sistema curioso de fechamento automático por meio de uma pedra pendurada num fio - a engenhosidade das pessoas do campo sempre nos surpreendendo. Depois notei que havia uma estradinha chegando a essa casa pelo outro lado. E uma trilha bem marcada vai dessa casa para oeste à casa do seu Álvaro, com sua capela de pedra, que menciono no relato da travessia Lapinha-Fechados (www.mochileiros.com/topic/29430-travessia-lapinha-fechados-serra-do-cip%C3%B3-mg-mai2014). Apenas 200m separavam a porteira anterior (a da pedra) de outra e pela vegetação alta não pudemos notar que havia uma casa acima à esquerda. Cruzamos dois afluentes do Córrego dos Piões, o primeiro com escassa água. No segundo notei à esquerda a trilha que vem do povoado de Extrema, uma outra travessia bem interessante dessa região. Apenas 50m após a porteira seguinte, às 11h, abandonamos a trilha bem marcada que se dirigia a um casebre e começamos a subir a encosta à esquerda. Porém avistei um pé de fruta no quintal da casa e fui lá olhar. Era um pé carregado de deliciosas laranjas e colhi cerca de 30 delas, com fartura para todos terem sobremesa nesse dia e nos seguintes! Essa casa tem uma bica de água também. Com isso me atrasei um pouco em relação ao grupo, que já havia subido a encosta. Inicialmente sem trilha, subi e aos poucos encontrei o caminho marcado na direção sul, o qual adentrou uma mata densa que serve como galeria para o Córrego dos Piões, que cruzei num salto. Na subida que se seguiu reencontrei o pessoal às 11h52 preparando o almoço numa sombra junto a um dos riachos formadores do Piões. Partimos às 13h14 ainda na direção sul e na subida cruzamos uma porteira de arame. Cerca de 600m após essa porteira uma trilha atravessou o nosso caminho no sentido leste-oeste, mas nos mantivemos na direção sul-sudeste (praticamente sem trilha) até o ponto mais alto, às 13h50, com visão muito larga do horizonte em 360º e onde alguns integrantes até tentaram sinal de celular, mas sem sucesso. Esse caminho é povoado de canelas-de-ema-gigantes (planta típica dos campos rupestres) que formam verdadeiras árvores. Continuamos na direção sul pelo campo aberto e cruzamos às 14h52 um afluente alto do Córrego Cachoeira, o qual corre num degrau bem abaixo na Serra do Espinhaço e passa na sede da fazenda que evitamos. Essa travessia de rio aparenta ter de tirar as botas e entrar na água, mas há um ponto exato em que se cruza pelas pedras tranquilamente. Na subida seguinte havia diversas trilhas que tomamos e abandonamos, mas continuamos mantendo o rumo sul-sudeste para evitar os caminhos que descem à casa da fazenda. Às 16h22 cruzamos uma cerca sem porteira e logo avistamos um homem a cavalo reunindo o gado ainda um pouco distante. Nos escondemos porque não sabíamos a direção que ele iria tomar e não queríamos espantar o gado, deixando o homem furioso conosco. Quando ele se foi voltamos à trilha. Às 16h50 cruzamos um afluente do Córrego do Quartel e no alto tivemos uma espetacular visão da Serra da Lapinha/Serra do Breu. Às 17h25, faltando 15min para o sol se pôr, o Renato e o Honda, que estavam à frente, abandonaram a trilha e desceram a um vale à esquerda para procurar água e um possível local de acampamento. Por sorte encontraram os dois, um ao lado do outro, para passarmos a noite. Era um afluente do Ribeirão Soberbo. Altitude de 1244m. Nesse acampamento outro "causo" entrou para o rol de histórias da nossa travessia. Era noite de eclipse da lua cheia. Todos admirando o acontecimento quando surge do escuro um homem, acende uma lanterna ao nosso lado e começa a falar conosco. Todos paralisaram, eu não entendi o que estava acontecendo. Da minha barraca pensei que fosse algum integrante do grupo imitando a fala do povo do lugar. Mas não. Era o dono das terras, o mesmo que vimos reunindo o gado, que viu as luzes e veio ter um dedo de prosa conosco. Felizmente era muito simpático e não se importou nem um pouco com a nossa presença ali. Pelo contrário, foi buscar uma cachaça feita por ele mesmo para nos oferecer e ficar proseando. Seu nome: seu Jair. Poço do Soberbo e Cânion do Rio das Pedras DIA 5 - 28/07/18 - do encontro com o seu Jair ao Poço do Soberbo Duração: 7h15 (com paradas) Maior altitude: 1248m Menor altitude: 911m Desmontamos acampamento às 8h45 e, em lugar de voltar ao ponto onde abandonamos a trilha no dia anterior, seguimos o curso do riacho ao lado e encontramos um primeiro poço do Ribeirão Soberbo. Por votação não fomos a esse poço tomar banho, para frustração do Renato. Mas continuamos o curso desse rio e resolvemos cruzá-lo para a margem esquerda. Ali havia outro poço enorme e nesse paramos para um banho às 9h24. Depois seguimos menos de 200m rio abaixo e o cruzamos de novo às 10h34. Não estávamos encontrando uma trilha definida na direção que queríamos e nessa hora quem ressurge do nada? o seu Jair em seu cavalo. Ele nos levou até a beira de uma ribanceira e nos ensinou o caminho para encontrar a trilha principal que levaria ao Poço do Soberbo. Em seguida sumiu galopando. Essa descida foi um pouco demorada e ruim pois não havia trilha (só no alto) e alguns trechos eram muito íngremes em meio ao mato crescido e degraus altos de pedra. Enfim às 12h alcançamos novamente o Ribeirão Soberbo e paramos para o almoço. O sol já estava castigando e aproveitamos para nos refrescar, porém na quedinha d'água o Renato teve o cabelo tomado pelas larvinhas pretas que infestam o lugar. Retomamos a caminhada às 13h54 e cruzamos o rio mais abaixo, tomando a direção sul. Subimos pelo campo sem trilha e encontramos às 14h13 a trilha principal que vem da Cachoeira do Bicame e desce ao Poço do Soberbo. Ela segue em nível pela encosta da serra e desce pouco antes de cruzar o Rio das Pedras num local de fácil travessia pelas lajes pontudas, às 14h58. Já se avistam lá embaixo as três casinhas antigas de pedra construídas ao lado do Poço do Soberbo. Depois do Rio das Pedras seguimos por mais 80m em nível e começamos a descer, ou melhor despencar, paredes abaixo em direção ao Córrego Fundo. Fizemos a descida lentamente pois alguns "degraus" são bastante altos e é preciso cuidado. Chegamos enfim às margens do Córrego Fundo às 15h40 e procurei o ponto fácil de travessia que conhecia. Porém tivemos que varar um pouco de mato para encontrar a trilha. Na outra margem restos de acampamento. E alguns metros além o caminho largo de vem da Lapinha da Serra (esq) e leva ao Poço do Soberbo (dir). Seguimos para a direita, chegando ao poço às 16h. O resto de maquinário e caçambas usados na mineração antiga do lugar causou um pouco de decepção a quem não conhecia o poço. Altitude de 911m. Poço do Soberbo DIA 6 - 29/07/18 - do Poço do Soberbo à Lapinha da Serra Duração: 6h30 (com paradas) Maior altitude: 1222m Menor altitude: 881m Nesse dia o Leo resolveu partir mais cedo por compromissos que tinha em São Paulo. Depois soubemos que ele conseguiu uma série de caronas e à noite já estava em casa. Feito inédito: dormir uma noite junto ao Poço do Soberbo e na noite seguinte na cama de casa! Nós, que não tínhamos pressa, começamos o dia explorando o cânion do Soberbo e suas quedas-d'água (na verdade é o Rio das Pedras e não o Ribeirão Soberbo). Encontramos pegada grande de felino. Notamos diversos grampos nas paredes mais abaixo do cânion, indicando a prática de escalada/rapel. De volta, desmontamos acampamento e saímos às 9h57 na direção sul-sudeste ainda. Na areia do caminho para a Lapinha mais pegadas grandes de felino. Cruzamos o Córrego Fundo quatro vezes e na última às 11h40 passamos pelo gramado de uma casa vazia. Há também uma bica de água no terreno da casa e esses são os últimos pontos para abastecer os cantis com água boa até a chegada à Lapinha, distante ainda 14km. Menos de 50m depois do gramado da casa há uma bifurcação, na verdade uma trilha sai à direita do caminho largo. O gps indicava que a trilha da direita era mais curta, mas resolvemos nos manter no caminho principal. Subimos bastante e às 12h46 aquele caminho da trilha da direita reencontra o caminho mais largo - fomos para a esquerda então. Pelo calor e pela secura desse trecho apelidamos essa parte da caminhada de Trans Saara. Paramos numa rara sombra para descansar mas sem sinal de água por perto. Às 14h chegamos a duas porteiras lado a lado. Cruzamos e do outro lado uma placa adverte "propriedade particular - visitação controlada - entrada proibida". O povo aqui adora proibir tudo. Ali o caminho largo se converte numa estradinha de pedrinhas já em condições de tráfego. Uma outra estradinha desce à esquerda junto às porteiras e leva a uma casa na baixada. Mais à frente essa estradinha entronca à esquerda. Às 14h24 alcançamos uma porteira que dá para a estrada principal que vem da Lapinha. Estava com cadeado e passamos pela cerca de tábuas. Do outro lado da porteira outra placa "propriedade particular - visitação controlada". E na porteira ao lado uma placa muito velha e coberta de ferrugem da Fazenda Cachoeira. Tomamos a estrada de terra para a direita e entramos no vale do Córrego Lapinha, com uma bonita serra do outro lado à nossa esquerda. Às 14h54 cruzamos uma porteira com uma grande mangueira e casas ao lado. Às 15h mais uma porteira e paramos para descanso numa sombra. Às 15h44 chegamos à bifurcação que vai para a Lapinha à esquerda e para Santana do Riacho à direita. A quantidade de carros saindo da Lapinha era enorme e fomos comendo poeira até lá, sob os olhares incrédulos do povo que passava de carro e se espantava com um grupo de 5 mochileiros - ou seriam peregrinos, ou pagadores de promessa, ou extra-terrestres mesmo? Quilos de poeira depois, às 16h28 chegamos à Lapinha e parecia que não havia ninguém ali que não estivesse bêbado. Estava acontecendo o 19º "arraiá" da Lapinha, por isso a quantidade enorme de carros e a embriaguez geral. Procurei um lugar para comermos e passarmos a noite e encontrei boa comida (e camping totalmente vazio) no restaurante da Dona Lina, na saída para as cachoeiras. Conseguimos wifi também. Altitude de 1102m. E assim se encerrou a primeira etapa do nosso trekking Trans Espinhaço. Prontos para a segunda etapa? Alguma espécie de bromélia DIA 7 - 30/07/18 - da Lapinha da Serra à casa isolada no alto da serra Duração: 2h20 Maior altitude: 1262m Menor altitude: 1096m Nesse dia a Bruna e o João conseguiram um carro para Santana do Riacho (não há ônibus na Lapinha) e por volta de 13h eles zarparam, após almoçarmos. Antes disso, pela manhã, eu, Renato e Honda fomos à mercearia comprar pães, bolachas e lanchinhos para os próximos 6 dias previstos de caminhada. Procuramos um queijo meia cura para levar e encontramos na casa da Dona Maria. Nós 3 deixamos a Lapinha às 13h25 com um sol de rachar. Nosso objetivo era atingir o Alto do Palácio até o dia seguinte para na sequência fazer a travessia Alto do Palácio-Serra dos Alves com a devida autorização do parque nacional obtida naquela manhã mesmo. Mas depois alteramos um pouco esse roteiro para torná-lo mais interessante para os dois que estavam visitando o parque pela primeira vez. Tomando o caminho da Cachoeira do Lajeado pelo vale do Córrego Mata-Capim, ainda no nosso rumo sul-sudeste, cruzamos duas porteiras e desprezamos a subida desgastada da travessia Lapinha-Tabuleiro pois não seria a mais conveniente para o nosso roteiro. Atravessamos um riozinho fundo por uma pinguela mais à direita e cruzamos mais duas porteiras. Ao pararmos às 14h32 num riacho para tomar uns goles de água o Renato se lembrou de ter deixado o celular carregando no restaurante. Teve de voltar para buscar e isso retardou nossa pernada. Só retomamos a caminhada às 16h20. Cerca de 10 min depois entramos numa trilha à esquerda do caminho da Cachoeira do Lajeado e começamos a subir a serrinha. No alto atravessamos um lindo e enorme campo e cruzamos uma porteira e um riacho pelas pedras, um afluente do Córrego Mata-Capim. Alcançamos uma casa isolada com diversas portas fechadas a cadeado. Já eram 17h34, o sol estava quase se pondo, e resolvemos acampar no riacho um pouco além da casa, na baixada. Altitude de 1233m. Poço inferior da Cachoeira da Capivara DIA 8 - 31/07/18 - da casa isolada no alto da serra ao Alto do Palácio Duração: 9h47 (com paradas) Maior altitude: 1423m Menor altitude: 1110m Nesse dia nós três fizemos "pensamento positivo" para cruzar a área particular da empresa Cedro sem nenhum problema com os seguranças, porém no final foi muito mais tranquilo do que podíamos imaginar. Deixamos o acampamento às 8h13, cruzamos o riacho ao lado, uma porteira e continuamos no nosso infalível rumo sul-sudeste. Uma placa azul ao lado dessa porteira avisa "propriedade particular - proibido boi, cavalo, pesca - Sr Edo Poli". Às 8h48, quando a trilha se aproxima de uma estradinha que vem do norte, saímos dela para a esquerda pois eu estava curioso em saber se ainda existia uma casa abandonada em meio a alguns eucaliptos. Sim, a casa está em condições bem precárias mas ainda está lá em pé. Retomamos a caminhada pela estradinha (e não pela trilha de onde viemos) mas 500m à frente cruzamos uma porteira à direita para pegar uma trilha que logo derivou para a direita. Nessa porteira também uma placa de "propriedade particular - proibido...". Às 9h27 outra porteira e placa cheia de proibições citando o nome da Cedro, mas nenhuma delas diz que é proibido entrar ou passar. Cerca de 120m após essa porteira tomamos a esquerda na bifurcação para nos manter no alto da serra e evitar caminhar pelas estradas internas da Cedro. Na subida pelo campo ainda a linda visão dos picos da Lapinha e do Breu para trás. Às 10h07 cruzamos outra porteira e dispensamos a trilha à esquerda pelo motivo mencionado. Às 10h30 surge a primeira água desde o acampamento, porém estava quase parada e não coletamos. Uns 450m depois chegamos a uma porteira azul e ali sim começaríamos a descer à esquerda para a área central da Cedro, no vale do Rio Parauninha. Após um descanso e lanche numa rara sombra cruzamos a porteira azul às 11h22 e abandonamos por algum tempo a direção sul-sudeste para tomar o rumo leste a fim de cruzar o Rio Parauninha no local mais adequado, na chamada Ponte Molhada. Cerca de 1,4km após a porteira azul, ao encontrarmos uma tronqueira, não a cruzamos pois a trilha apontava para o norte - em vez disso acompanhamos a cerca para a direita (sudeste). Subimos na direção de uma linha de energia no alto, cruzamos uma cerca por baixo, continuamos para leste e chegamos às 12h09 a uma estradinha de terra, onde fomos para a esquerda, descendo. Apareceu um carro, mas passou por nós e apenas nos cumprimentou. Na curva para a esquerda tomamos um atalho por trilha à direita. Caindo de novo na estradinha fomos para a direita. Logo um caminhão de entrega passou por nós mas não parou. Chegamos às 12h42 à Ponte Molhada do Rio Parauninha, que tem esse nome porque em dia de chuva forte ela pode ficar coberta pela água. Paramos para pegar água e comer um sanduíche como almoço. Às 13h33 continuamos pela estradinha poeirenta num calor bem forte, mas logo aquele primeiro carro estava de volta e nos ofereceu carona na caçamba. E lá fomos nós, passamos pelas casas dos funcionários e cruzamos tudo rapidamente. Essa carona nos poupou 3,4km de pernada, cerca de 1h que aproveitamos depois num banho num poção do Ribeirão Capivara. Descemos na bifurcação para a Cachoeira da Capivara. Eles seguiram para a vila do Cipó à direita e nós rumamos para a cachoeira à esquerda, às 13h52. Mais placas de proibição e dessa vez restringindo mesmo a entrada e passagem, mas são placas muito antigas e o homem no carro disse que visitou a cachoeira recentemente sem problemas. Cerca de 300m depois surge uma bifurcação: à direita, segundo o gps (nunca fui conferir), se chega à estátua do Juquinha, mas eu preferi mostrar aos amigos a cachoeira, então seguimos para a esquerda, descendo. O caminho vai se estreitando e às 14h03 cruzamos por uma ponte um afluente do Ribeirão Capivara (água boa). Às 14h24 paramos no tal poção do Ribeirão Capivara para um banho. Dispensamos o banho na cachoeira para evitar problemas. Às 15h37 voltamos à trilha e mais uma placa de proibição aparece. Cruzamos dois riachos no fundo de valas através de pinguelas de madeira bem conservadas e às 15h50 alcançamos o poço inferior da Cachoeira da Capivara. Tiramos algumas fotos e partimos para a íngreme subida à parte alta. Ao nos aproximarmos da trilha principal que vem da rodovia MG-010 largamos as mochilas e fomos apenas com as garrafas de água até o poço da queda superior para coletar água para esta noite e metade do dia seguinte. Mais algumas fotos e não nos demoramos pois ainda tínhamos alguma distância até o local do acampamento. Subimos de volta até as mochilas e agora mais pesados continuamos ascendendo até a porteira da fazenda na rodovia MG-010. Nesse caminho vale destacar que a casa-sede se torna visível, ou seja, o pessoal da casa vê quem entra e quem sai da cachoeira. Bom registrar também que há um riacho de água até mais pura que a da cachoeira nesse trecho. Cruzamos uma cerca por baixo, subimos mais e alcançamos a porteira principal, saindo da fazenda exatamente na hora de um espetacular pôr-do-sol, às 17h27. As placas de cachoeira interditada e acesso proibido continuam lá. Estávamos no ponto mais alto da rodovia MG-010, local conhecido como Alto do Palácio. Cruzamos a pista e caminhamos para a esquerda por 250m entrando numa porteira de arame (aberta) à direita. Seguimos pelo caminho largo por 200m e entramos à direita na bifurcação. A noite já caía. Apressamos o passo até subirmos um morrote com uma torre de antena e uma estação meteorológica. Ali às 18h encontramos terreno plano e com capim mais baixo para acampar. Altitude de 1423m. Dali se avista a sede do Alto do Palácio do parque nacional a cerca de 900m, às margens da rodovia, e à noite uma luz acesa indicava haver algum funcionário presente. Travessão DIA 9 - 01/08/18 - do Alto do Palácio até (quase) a Casa de Tábuas Duração: 8h35 (com paradas) Maior altitude: 1488m Menor altitude: 1034m Ao amanhecer pudemos ver melhor quão bonito era o lugar que escolhemos para passar a noite. A visão se estendia até o horizonte muito distante e pude identificar facilmente lugares como Duas Pontes e o Cânion das Éguas, além da Serra da Lapinha/Serra do Breu que deixamos para trás. Levantamos acampamento às 8h20 na direção sul seguindo a cerca. O mais conveniente aqui é cruzar logo a cerca próximo à estação meteorológica e seguir pelo lado esquerdo dela, com trilha mais bem definida do que do lado direito. Na sequência de sobe-desce da crista encontramos às 9h38 a primeira marcação da trilha, uma estaca fina de madeira com a ponta pintada de amarelo. Lembrando que estávamos iniciando a travessia Alto do Palácio-Serra dos Alves, a única liberada pelo parque e com a devida autorização obtida pela internet. Muitas outras estacas amarelas ainda iriam aparecer mas percebemos que em lugares críticos de bifurcação ou ausência de trilha elas não estão colocadas para orientar. Ou seja, a sinalização é precária e não se pode fiar somente nela para empreender essa travessia. Às 9h45 chegamos a outro belíssimo mirante, desta vez com vista para a baixada onde se encontra o Travessão. No horizonte ao sul se avista o pico mais alto do parque nacional, com 1703m de altitude mas sem nome. A trilha bem marcada imediatamente inicia a descida em direção ao Travessão. Às 10h28 mostrei aos amigos as pinturas rupestres de uma lapa ao lado da trilha, felizmente ainda muito bem preservadas e sem sinais de depredação. Na bifurcação ao lado da lapa fomos para a esquerda, continuando para sul-sudeste (a direita sobe para Duas Pontes, na MG-010) e descendo mais. Me espantei com a escassez de água do dois riachos que cruzamos. O fluxo era tão baixo que preferimos não coletar a água, a primeira encontrada nesse dia. Descemos até o Travessão às 11h10, deixamos as mochilas e tomamos a trilha em direção ao poço próximo para ter água com um pouco mais de vazão. Assim mesmo tratamos a água antes de beber. Essas águas são todas formadoras do Córrego Capão da Mata. Além de toda beleza cênica inerente ao Travessão, expliquei a eles a importância geográfica daquele lugar, um grande divisor de bacias hidrográficas do Brasil. As águas que fluem para o leste formam o Rio do Peixe que deságua no Rio Preto do Itambé, depois no Rio Santo Antônio e no Rio Doce, que encontra o mar no estado do Espírito Santo. Já as águas que vertem para o oeste, a poucos metros, formam o Córrego Capão da Mata, que deságua no Rio da Bocaina, que se junta ao Rio Mascate formando o Rio Cipó, o qual deságua no Rio das Velhas e depois no Rio São Francisco, encontrando o mar entre Sergipe e Alagoas. Um lugar fascinante! Deixamos o Travessão às 12h24 subindo em direção sul por trilha bem marcada, cruzamos o Rio do Peixe uma vez e paramos ao encontrá-lo novamente mais acima, já no final da subida às 13h. Ali a água era abundante e de ótima qualidade. Paramos para o almoço. Retomamos a pernada às 15h ainda por trilha definida na direção leste, cruzamos uma valeta e 600m à frente a trilha se encaminhou para a direita (sul). Nessa hora resolvemos abandoná-la pois a minha idéia era caminhar sempre pelas cristas mais altas da porção leste do parque, com visual mais amplo e bonito. Voltamos a caminhar na direção leste e nordeste, sem trilha mas sem dificuldade e subimos a encosta no fundo do vale onde o Rio do Peixe se forma. Ali no alto às 15h40 o tempo começou a mudar e o sol forte que havia foi substituído por um céu encoberto, vento úmido e respingos. Já tinha visto esse filme antes no mesmo cinema. Essa região alta do parque é bastante sujeita a neblina e mau tempo, e isso se confirmaria no dia seguinte. Mas prosseguimos sem problema pois não passava (por enquanto) de alguns pingos de chuva bem ralos. Navegamos visualmente na direção sul-sudeste novamente escolhendo onde havia caminho mais desimpedido de vegetação e pedras, sempre tentando manter a altitude e não baixar ao vale à esquerda antes da hora. Para trás podíamos ver as montanhas até há pouco ensolaradas agora com um véu branco de chuva. Onde estávamos não nos molhamos e ainda ganhamos de brinde um lindo e completo arco-íris no céu. Passamos por poços de água parada e atingimos às 16h53 o mirante onde se avista o vale do Rio da Bocaina. Procuramos um lugar para acampar. Subindo um pouco mais à esquerda avistamos um foco de mata e logo abaixo um riacho (afluente do Rio da Bocaina), ao qual baixamos e estabelecemos nosso pernoite às 16h56. Altitude de 1420m. Algum tempo depois de dormirmos ouvi uma agitação na barraca ao lado: o Honda disse ter ouvido algo como um bicho rondando a barraca e ele e Renato saíram para ver o que era. Mas foi alarme falso. Acho que o trauma da panela do primeiro acampamento ainda paira sobre nós. Renato e Honda contra o pôr-do-sol DIA 10 - 02/08/18 - da (quase) Casa de Tábuas ao Córrego Mutuca com neblina total pela manhã Duração: 8h50 (com paradas) Maior altitude: 1675m Menor altitude: 1333m Amanhecemos dentro de uma nuvem... visão de 50m num dia em que navegaríamos totalmente pelo visual pois não havia trilha e não levamos os tracklogs (essa extensão da travessia, como disse, foi imaginada durante os primeiros dias do trekking). Mesmo assim tentamos. Levantamos acampamento às 8h50 e seguimos na direção sul-sudeste. Eu me lembrava que deveríamos tomar a direção oeste logo após cruzar uma faixa de mata (com água corrente) mas sem enxergar nada foi impossível saber o ponto exato. Encontramos uma trilha mas achei que ela ia na direção oposta, isso tudo com visibilidade de poucos metros. Discutimos novamente o que fazer e decidimos que não valia a pena bater cabeça na neblina para ir pelas partes altas que eu conhecia se não iríamos ver nada, então resolvemos descer daquele ponto à Casa de Tábuas, primeiro ponto de acampamento "oficial" da travessia autorizada e onde reencontraríamos a trilha batida e os tracklogs que levávamos. Dessa maneira traçamos uma reta na neblina e torcemos para que nada obstruísse o nosso caminho até a casa. Por sorte foi bem mais fácil do que pensávamos e às 9h55 chegamos à Casa de Tábuas. Ela tem fogão a lenha, panelas, 4 camas/tablados de madeira e bancos para sentar. Havia alguns alimentos deixados por trilheiros e também contribuímos com comida excedente para uso dos futuros excursionistas. Há uma bica do lado de fora, em frente à varanda. O Rio da Bocaina corre a poucos metros da casa. Deixamos o local às 10h35 ainda sob forte neblina e um pouco de garoa tomando a direção sudeste (depois sul) no canto posterior da casa. Seguimos pela trilha subindo muito e eu não tinha noção exata de onde estávamos pois não se via nada. Pegamos a esquerda nas duas bifurcações que surgiram. Logo após cruzarmos uma tronqueira às 11h24 avistamos muitos bois, o que não é permitido dentro de uma área de preservação pois é danoso à fauna e flora silvestres. Mais à frente paramos para lanchar quando a garoa deu uma trégua. A neblina começou a abrir e percebi que estávamos aos pés do pico mais alto do parque nacional, aquele de 1703m sem nome. Mas não valia a pena atacá-lo pois a neblina no alto dele ainda era forte. Apesar de não subir o pico vale registrar que esse foi o ponto mais alto de toda a travessia, com 1675m. Caminhamos ainda bastante tempo sem enxergar muito longe e seguindo a trilha ou, na ausência dela, o tracklog que tínhamos. Às 13h04 abandonamos o caminho que ia para sudeste e descemos à direita (sudoeste), cruzando uma cerca aberta. Logo a trilha voltou ao rumo sul. Somente por volta de 13h30 o tempo abriu de vez e o sol saiu. Tiramos as roupas de chuva e pudemos visualizar enfim tudo ao redor para nos localizar. Caminhamos na direção de uma mata à frente (um pouco à direita), cruzamos uma cerca, saltamos um charco e chegamos às 14h57 a uma porteira com uma plaquinha quebrada onde se lê com dificuldade "currais 1km". Cruzamos a porteira e continuamos (para oeste) pela trilha bem marcada que entrou na mata, onde o chão de barro estava bastante escorregadio. Ao sair da mata caminhamos mais 160m e alcançamos a Casa dos Currais às 15h14. Fomos alardeados pelos cachorros (cães dentro de um parque nacional... que lástima!) e em seguida recebidos pelos dois brigadistas que estavam ali naquele momento. Na temporada da seca, com maior risco de incêndios, eles ficam em sete homens na casa durante uma semana, depois revezam com outros sete. Os outros cinco haviam saído e não os conhecemos. Proseamos um pouco e nos ofereceram café, pão e bolachas. Contamos um pouco da nossa saga de 10 dias e eles nem conheciam os lugares por onde passamos. Essa casa é o segundo acampamento "oficial" da travessia autorizada pelo parque e o espaço para as barracas é nos currais (sem vacas, mas com cachorros) ao redor da casa. O Córrego Mutuca passa bem próximo da casa. Às 16h nos despedimos dos atenciosos brigadistas, cruzamos a porteira no canto sudoeste da casa e tomamos a trilha bem batida no rumo oeste para um final diferente e bem mais interessante que Serra dos Alves. Nesse caminho paramos por 35min para preparar uma refeição rápida pois estávamos com muita fome. Às 17h03 cruzamos o Córrego Mutuca pelas lajes pontudas e seguimos por sua margem direita por cerca de 800m. Esse lugar é muito bonito e o Mutuca despenca em graciosas e fotogênicas quedinhas. Ao nos afastarmos um pouco do rio a trilha tomou a direção sul e tivemos de abandoná-la, seguindo para oeste ainda. Descemos por um campo com trilhas mal definidas e reencontramos o Mutuca às 17h42. O sol já havia se posto e era hora de procurar um chão plano para as barracas. Cruzamos o rio pelas pedras e subimos pela trilha bem marcada por 200m, até um ponto em que o capim era baixo e pudemos armar acampamento. Altitude de 1343m. Planta abundante na Serra do Cipó DIA 11 - 03/08/18 - do Córrego Mutuca ao Ribeirão Bandeirinha Duração: 1h30 até a cachoeira, depois foram explorações sem sucesso Maior altitude: 1361m Menor altitude: 1132m Deixamos o acampamento às 8h42 e seguimos pela trilha bem marcada na direção noroeste (mas nosso sentido geral ainda seria oeste por quase 1h). Logo cruzamos uma estreita faixa de mata. Cerca de 800m depois dessa mata a trilha nos levou para dentro de outra matinha e desapareceu. Voltamos um pouco e tomamos uma trilha que cruzava o caminho na direção sudoeste. Logo entramos em outra mata que percorremos por 220m, porém os amigos cismaram que abelhas estavam nos perseguindo. Saindo da mata não paramos no primeiro riacho para pegar água (afluente do Córrego da Garça) por esse motivo. Mas depois vimos que eram as malditas mutucas que não paravam de nos rodear para dar suas doídas picadas. Às 9h16 passamos por um local com uma vegetação muito diferente e frondosa, com diversas palmeiras altas, sugerindo que ali tenha existido uma casa no passado. Subimos mais um pouco e às 9h30 alcançamos a trilha principal que vai do Ribeirão Bandeirinha (esquerda/sul) à Cachoeira da Braúna (direita/norte). Estava nos planos visitar a cachoeira e lá fomos nós para a direita. Avistamos a queda bem do alto e tivemos de descer muito para chegar ao seu poço às 10h12. Mas valeu a pena! Após o almoço decidimos que a continuação da caminhada por dentro do cânion do Córrego da Garça abaixo da cachoeira não seria muito seguro, apesar do tempo firme. Na verdade essa decisão foi minha pois eu nunca havia cruzado esse cânion, não sabia sua extensão e dificuldade, e na exploração rápida que fiz não encontrei trilhas nas encostas acima do rio. Por isso não achei seguro empreender um pula-pedra tão longo até o Ribeirão Bandeirinha com as cargueiras nas costas. Preferi subir de volta pelo mesmo caminho e descer ao Bandeirinha por um caminho mais seguro, procurando por lá uma trilha que nos levasse à Lagoa Dourada, coisa que eu já havia feito em 2012. O único porém é que eu não tinha o tracklog daquela caminhada e a memória não ajudou pois tudo parece igual no vale do Bandeirinha... Saímos da Braúna às 13h27 e subimos toda a ladeira de pedras brancas soltas embaixo de um sol escaldante. Esperei os amigos lá no alto e fomos analisar a Serra dos Confins do outro lado do Ribeirão Bandeirinha para tentar visualizar uma trilha na direção oeste, para a Lagoa Dourada. Não vimos nada óbvio e começamos a tentar diversos caminhos. Resumindo: terminamos o dia acampando às margens do Bandeirinha sem encontrar trilha ou caminho aberto para a lagoa, apesar das várias tentativas. Altitude de 1234m. Campos rupestres do vale do Ribeirão Bandeirinha DIA 12 - 04/08/18 - do Ribeirão Bandeirinha a (quase) Altamira Duração: 2h30 até o meu acampamento, antes disso foram explorações sem sucesso Maior altitude: 1461m Menor altitude: 1234m Choveu boa parte da noite e amanheceu chovendo. Demoramos um pouco para sair das barracas por conta disso. Numa trégua da chuva desmontamos as barracas e saímos às 8h45 para mais tentativas de encontrar alguma trilha ou caminho aberto para a Lagoa Dourada. Seguimos todos os tracklogs que levei mas todos davam em lugares de mato fechado, morros de pedras e nada de trilha. E a chuva não parava! Esgotadas todas as alternativas imaginadas, desistimos da Lagoa Dourada (em termos...) e traçamos nosso rumo para a vila de Altamira, para ali encerrar a nossa Trans Espinhaço. Das margens do Bandeirinha subimos cerca de 1100m na direção leste e tomamos às 13h a trilha bem marcada para a direita (sul). Nessa hora o tempo mudou e por incrível que pareça em poucos minutos estávamos tirando as roupas de chuva e passando protetor solar. O caminho dali em diante foi sem surpresas. Cruzamos às 14h03 o caudaloso Bandeirinha por um local bem estreito com apenas um salto e continuamos pela trilha óbvia, quase todo o tempo em subida. Passamos por 3 pontos de água (todos afluentes do Ribeirão Bandeirinha), o último deles com gado (necessário tratar a água para beber). Às 15h30 paramos diante da placa do limite do Parque Nacional Serra do Cipó. Ali voltamos a conversar e eu manifestei a vontade de continuar a caminhada. Renato e Honda já haviam ligado o modo "voltar para casa" e estavam firmes nessa intenção. Eu lhes passei os tracklogs de como chegar a Altamira apenas por segurança e às 16h50 eles partiram, após nos despedirmos e comemorarmos com muita felicidade o sucesso da nossa Trans Espinhaço de 12 dias, um recorde de resistência para todos nós. Eu acampei no capim já amassado a poucos metros da placa do parque. Altitude de 1461m. DIAS 13, 14 E 15 - 05 a 07/08/18 - de (quase) Altamira a São José da Serra Nessa terceira etapa do trekking portanto eu estava solo e aproveitei para fazer as explorações que ficaram pendentes. Devo detalhar essa etapa em outro relato mas já adianto as cenas dos próximos capítulos: de (quase) Altamira peguei a trilha para a Lagoa Dourada, mas na verdade fui explorar a ligação dela com o Ribeirão Bandeirinha, dessa vez ao contrário para ver se tinha sucesso. E consegui, porém o caminho tem trechos de trilha e trechos sem trilha, com algum vara-mato leve e descidas de encostas com pedras e arbustos. Da Lagoa Dourada encerrei os meus 15 dias de caminhada descendo para São José da Serra pela trilha bem óbvia e marcada. Passei uma noite nesse vilarejo no camping Muro de Pedra e no dia seguinte às 6h20 tomei o ônibus para São José do Almeida, em seguida Belo Horizonte e de volta a São Paulo. Mas não sem antes encher a mochila de deliciosos queijos comprados no Mercado Central de BH, afinal... estava em Minas, uai!!! Campos rupestres Informações adicionais: Horário do ônibus São Paulo-Diamantina (www.gontijo.com.br😞 diário às 21h30 Horário do ônibus de São José da Serra ao Hotel Veraneio, São José do Almeida e Jaboticatubas (desses locais há muitos ônibus diários a Belo Horizonte): seg a sex (exceto feriado): 6h20 Horário do ônibus de São José da Serra direto a Jaboticatubas: seg e qui: 7h50 A autorização para a travessia Alto do Palácio-Serra dos Alves atualmente é feita através do link: www.ecobooking.com.br/site3/destinoAtrativo.php?gHtY=ggyv4wahfnqunwgob2p0 O povoado de São José da Serra tem pelo menos 4 campings e algumas pousadas, porém agosto é baixa temporada e só consegui encontrar o Camping Muro de Pedra funcionando. O preço é R$25 por pessoa (negociável), com banho quente a R$2 a ficha que dá direito a apenas 6min. O uso do wifi custa R$5. Não havia onde jantar pois os restaurantes e bares estavam fechados, mas o dono do camping me ajudou nisso também. Repelente é um item essencial durante a caminhada, principalmente no final da tarde e na beira de rios e cachoeiras. Os borrachudos atacam sem dó. Carrapatos também marcam presença nessa época mais seca, por isso é bom se precaver e dar uma olhada pelo corpo se você já não está carregando alguns deles. Eu peguei seis carrapatos durante todo o trajeto. Retiro passando álcool gel e esperando 3 minutos antes de arrancá-los, mas para quem tem alergia é bem mais complicado. Cartas topográficas de: . Presidente Kubitschek - https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/mapas/GEBIS - RJ/SE-23-Z-A-VI.jpg . Baldim - http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/mapas/GEBIS - RJ/SE-23-Z-C-III.jpg . Conceição do Mato Dentro - http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/mapas/GEBIS - RJ/SF-23-Z-D-I.jpg As denominações de rios e serras usadas aqui foram extraídas das cartas topográficas do IBGE e podem não coincidir com as denominações dadas pelos moradores da região, ou podem mesmo estar erradas. Rafael Santiago agosto/2018 Percurso na carta topográfica:
  17. Grande Getúlio, meu mestre e amigo! Que bom ter notícias suas trilhando por aí! E que bom que esse meu relato continua inspirando os amigos e tantos outros a (re)fazerem essa linda travessia. Muito obrigado pela atualização das informações e aguardamos o seu sempre bem-vindo e bem escrito relato. Muito feliz em saber que de alguma maneira eu estava lá com vocês, nem que seja só através de um tracklog... rs. Grande abraço e boas trilhas!
  18. Coyhaique vista do Cerro Cinchao A Reserva Nacional Coyhaique foi criada em 1948 e é administrada pela Conaf, órgão florestal oficial do Chile. Situa-se na Patagônia chilena, mais exatamente na região de Aysén, de número XI (as regiões no Chile têm nome e número romano). O setor da reserva aberto a visitação possui basicamente dois grandes circuitos de trilhas que iniciam e findam na portaria e se sobrepõem em parte. O circuito mais curto passa por todas as lagunas e percorre somente as partes mais baixas, já o circuito mais longo sobe às partes mais altas e tem seu ponto máximo no Cerro Cinchao, de 1359m de altitude. Há também um circuito ainda menor por uma estrada de rípio que pode ser percorrido de carro ou bicicleta. Para completar, há trilhas transversais que conectam em diversos pontos o circuito mais curto e a estrada de rípio e são marcadas no mapa como trilhas para bicicletas. Eu planejei passar dois dias na reserva (acampando dentro dela) e fazer cada um dos dois circuitos de trilha em um dia. Pensei em caminhar pelo circuito mais curto no primeiro dia e deixar o mais longo para o segundo dia, mas durante o percurso mudei de idéia pois o dia estava ensolarado e perfeito para subir às partes mais altas. A visão seria total. No dia seguinte talvez o dia não estivesse tão bonito, afinal estava na Patagônia e lá o tempo é uma incógnita. Laguna Verde 04/02/18 - 1º DIA - circuito do Cerro Cinchao Início e final: portaria da Reserva Nacional Coyhaique Duração: 7h15 Distância: 17,9km Maior altitude: 1359m Menor altitude: 386m Dificuldade: média (muita subida e muita descida) Saí do Hostal Natti e passei pela Plaza de Armas de Coyhaique às 9h43. Tomei a Rua Condell no sentido nordeste e ao final dela a Avenida General Baquedano à esquerda, sentido norte. Na saída da cidade ela se transforma na rodovia 240 e há um regimento do exército à esquerda com um tanque de guerra exposto na calçada. A estrada desce e encontra com a Carretera Austral (Rota 7) num trevo, onde vou para a direita e cruzo a ponte sobre o Rio Coyhaique. Ali diversos mochileiros esperam por carona para o norte. Sigo à direita numa bifurcação e encontro a placa da Reserva Nacional Coyhaique às 10h14, uns 370m depois da ponte. A seta aponta para uma estrada de rípio que sobe à direita. Uma outra placa com horários e preços avisa "camping no habilitado"... só faltava essa! A reserva está a 1500m segundo outra placa (no meu gps deu 1,6km) e é só subida até lá. Nessa estradinha de rípio há muitas casas, algumas muito bonitas, e há até um aviso de que há câmeras de segurança, talvez para ninguém querer acampar clandestinamente por ali. Cheguei enfim à portaria da reserva às 10h38 e os atenciosos guardaparques confirmaram o que eu temia... por causa de gente teimosa que insiste em fazer fogueira quando acampa não é mais permitido acampar dentro da reserva. O fogo é um medo constante na Patagônia e já causou enormes desastres ambientais, com em Torres del Paine em 2005 e 2011. Pelo menos eles permitiram que eu deixasse a mochila cargueira ali na guarderia para resgatá-la no final do dia, no máximo até 18h45. Paguei a entrada de CLP 3000 (R$ 16), peguei o folheto com mapa e informações sobre as trilhas, tirei algumas dúvidas e parti às 11h10 pelo Sendero Los Leñeros, no sentido leste-nordeste. Altitude de 386m. Cerro Cinchao No início da trilha as árvores estão identificadas por plaquinhas, mas só no início. A trilha tem pontes, passarelas, corrimãos, escadas, toda a estrutura. Às 11h40 cheguei ao primeiro mirante com vista para a cidade de Coyhaique e os cerros Mackay e Divisadero ao fundo. Fiquei 10min ali e subindo mais 4min cheguei à Casa Bruja, que seria o primeiro local de acampamento (o outro seria a Laguna Verde). Quando vi a estrutura montada ali, com quincho e ótimos banheiros, fiquei mais p da vida com essa gente que faz fogueira em local proibido. Por causa deles não se pode usufruir de tudo isso num lugar tão incrível. O Museu Histórico estava fechado também. A estrada de rípio passa ao lado e algumas pessoas chegam de carro ali. Sentei numa grande sombra para almoçar e então resolvi que era melhor subir o Cerro Cinchao nesse dia. Voltei a caminhar às 12h36 e a trilha muda de nome para Los Carreros. Subo mais e às 12h58 alcanço o segundo mirante, este já próximo à Laguna Verde. Dele se avista novamente Coyhaique e os cerros Mackay e Divisadero de forma mais panorâmica. A trilha desse mirante até a Laguna Verde toma o rumo norte e está adaptada para cadeirantes, mas tem apenas 330m (pode-se chegar à Laguna Verde pela estrada de rípio da reserva). Há uma trilha que contorna a Laguna Verde mas com a decisão de subir o Cerro Cinchao deixei-a para o dia seguinte. Parti direto para o Sendero Los Troperos, ainda na direção norte, deixando a Laguna Verde às 13h14. Em apenas 7min surge uma outra trilha à direita, o Sendero Las Piedras, e aí saio do circuito curto das lagunas e começo a subida para o circuito longo do Cerro Cinchao. A subida é puxada e avança em zigue-zague. Os mirantes proporcionam uma visão ainda mais ampla de Coyhaique e dos cerros Mackay e Divisadero. Às 14h03 passo por uma fonte de água e 10min depois saio do bosque de lengas, passando a caminhar por pedras. Às 14h17 a última fonte de água da subida. Reentro no bosque de troncos curvados devido à camada de terra mais rasa e às 14h23 saio do limite das árvores, passando a caminhar pela areia. Cerro Cinchao Às 14h27 atinjo o platô e a trilha se encaminha para noroeste, em direção ao Cerro Cinchao, com visão espetacular de 360º. Dia perfeito! Contorno o Cerro Cinchao pela direita (norte) e ao percorrer a sua face oeste resolvi tentar a subida. Havia outras pessoas por ali mas não vi ninguém subindo. Não vi trilha inicialmente mas depois encontrei pegadas. E a subida foi muito fácil! Às 15h23 estava no cume, de altitude 1359m. Na mata logo abaixo se destacam as lagunas Verde e Los Mallines. Fiquei até 15h41 e iniciei a longa descida de volta à portaria. Desci pela trilha de areia e pedras e às 16h10 reentrei no bosque. Inicialmente as lengas são baixas e curvas pelo solo raso. Há alguns mirantes nessa descida. Às 17h07 o Sendero Las Piedras termina no Sendero Los Tejueleros, onde as placas indicam Laguna Vênus à esquerda e Coyhaique à direita. Fui para a direita, passei por uma fonte de água (a primeira desde a subida do Sendero Las Piedras) e cheguei à Laguna Los Sapos às 17h37. Ali a trilha muda de nome para Sendero El Chucao (nome de um pássaro) e toma o rumo sul de vez. Há uma porteira e um final de estrada do lado esquerdo mas a trilha continua mesmo à direita. A descida continua, passo por mais uma fonte de água e às 18h26 alcanço a portaria do parque a tempo de resgatar a mochila. Descansei um pouco e iniciei a descida pela estrada às 19h09. Às 19h33 estava de volta ao asfalto da Carretera Austral (Rota 7), fui para a direita apenas 40m e entrei no Camping Alborada, onde acampei num espaçoso gramado. Altitude de 230m. Laguna Vênus 05/02/18 - 2º DIA - circuito das lagunas Início e final: portaria da Reserva Nacional Coyhaique Duração: 7h25 Distância: 15,1km (com as explorações extras que fiz) Maior altitude: 754m Menor altitude: 386m Dificuldade: fácil Desmontei a barraca e deixei a mochila cargueira com a dona do camping para pegar mais tarde. Saí às 8h14 só com a mochila de ataque com roupa de frio, roupa de chuva, lanche e água. Subi toda a estrada de novo até a portaria da reserva, aonde cheguei às 8h38. Os guardaparques eram outros. Paguei de novo a entrada de CLP 3000 (R$ 16) e iniciei a caminhada às 8h47 no sentido contrário ao do dia anterior, pelo Sendero El Chucao. Passei pelo primeiro ponto de água às 8h58 e cheguei à Laguna Los Sapos às 9h53. A trilha muda de nome para Sendero Los Tejueleros e passei por outra fonte de água. Às 10h34 aparece o final do Sendero Las Piedras e daí em diante o caminho era novidade para mim. Visitei a Laguna Vênus às 10h42 e a trilha muda de nome para Los Carboneros. Às 11h07, num cruzamento de trilhas vou em frente. Às 11h20 subo a plataforma de madeira do Mirador Los Mallines para fotos da lagoa de mesmo nome, pequena e distante. Apenas 60m adiante alcanço uma bifurcação: em frente a trilha continua com o nome de Los Troperos, para a direita é um final de estradinha, marcado no mapa como trilha para bicicleta. Há uma fonte de água aí. Para esticar um pouco mais meu percurso vou para a direita e acabo me aproximando mais da Laguna Los Mallines. Essa estradinha encontra a estrada-circuito para carros e sigo para a direita. Mais um ponto de água. Com uns 630m nessa estrada principal entro noutra estradinha marcada como trilha de bicicleta à direita e retorno ao cruzamento por que passei às 11h07. Sigo em frente nesse cruzamento para conhecer outras trilhas. Pego a direita na bifurcação e vou em frente no cruzamento seguinte. Logo a trilha dá uma guinada para a direita, vai se tornando paralela ao Sendero Los Carboneros e acaba encontrando-o naquela confluência com a trilha Los Troperos (onde há água e um final de estradinha). Depois dessa exploração toda prossigo pela trilha Los Troperos às 13h24 e passo pela entrada da trilha Las Piedras, local conhecido no dia anterior. Chego à Laguna Verde às 13h53 e percorro o Sendero Laguna Verde, que dá uma volta completa na lagoa. Depois de um lanche, às 14h55, tomo a trilha adaptada a deficientes até o mirante e retorno à portaria descendo pelas trilhas Los Carreros e Los Leñeros, no sentido oposto ao do dia anterior. No caminho ainda saboreei cerejas diretamente do pé. Às 16h13 estou na portaria e logo pego a estradinha para descer ao camping. No caminho um carro para e me oferece carona. Poderia ter aproveitado essa gentileza até a cidade mas precisava pegar a mochila. Por sorte a dona do camping também estava saindo de carro e me deu carona até o centro de Coyhaique. Laguna Verde Informações adicionais: A entrada na reserva custa CLP 3000 (R$ 16). O camping está proibido há mais de um ano por conta dos campistas que não respeitam as regras e ainda insistem em fazer fogueira quando acampam. Por causa dessas pessoas ninguém mais pode usufruir da boa estrutura de camping que a reserva possui. O Camping Alborada é o mais próximo da reserva (1,6km de distância e 156m de desnível) e custa CLP 4500 (R$ 24) por pessoa por noite com banho quente. O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago fevereiro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  19. Laguna La Vaca Hundida Início: portaria Pichares do Santuário El Cañi Final: povoado de Coilaco Duração: 2 dias Distância: 22,9km Maior altitude: 1549m Menor altitude: 354m Dificuldade: fácil (para quem está acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira) A palavra cañi significa na língua dos mapuche "outro olho" ou "outra visão", ou num significado mais profundo "a visão que transforma". O Santuário El Cañi é um parque particular administrado pela Fundación Lahuén e foi criado em 1992 para proteger os bosques, lagunas e a biodiversidade de um local sagrado para a cultura mapuche-pehuenche. Situa-se na região da Araucanía, de número IX (as regiões no Chile têm nome e número romano), próximo à cidade de Pucón. 13/03/18 - 1º DIA - da portaria Pichares à Laguna Negra e subida ao Mirador Melidekiñ Duração: 4h à Laguna Negra + 46min ida e volta ao Mirador Melidekiñ + 1h15 do Circuito de las Lagunas Distância: 7,8km à Laguna Negra + 1,9km ida e volta ao Mirador Melidekiñ + 2,1km do Circuito de las Lagunas Maior altitude: 1549m Menor altitude: 354m Dificuldade: fácil (apesar do desnível de 1195m da portaria ao mirador não há nenhuma dificuldade) No terminal de ônibus Pullman em Pucón tomei o micro-ônibus das 8h50 para El Cañi, que saiu de verdade às 9h (ver horários abaixo em Informações Adicionais). Esse ônibus vai para diversas termas próximas à cidade e eu saltei na portaria do Santuário El Cañi às 9h28. Altitude de 354m. Ali fica a administração da reserva. Fui recebido pelos atenciosos guias/guardaparques que me passaram todas as informações sobre a travessia a Coilaco, caminhada que pouca gente faz. A grande maioria dos visitantes se limita a um bate-volta dessa portaria ao Mirador Melidekiñ. Eu não iria desperdiçar um contato maior com um lugar tão bonito, então fui com barraca e comida para passar uma noite ali e curtir a natureza ao máximo (acabei passando duas noites por causa do mau tempo, mas isso estava previsto). Vista do Mirador Melidekiñ para as lagunas Negra (dir) e Bella (esq) Na portaria paguei a tarifa de entrada de CLP 4000 (R$ 21) e de camping de CLP 3000 (R$ 16) por noite e recebi um folheto com mapa bastante detalhado e informações de fauna e flora. Esse folheto descreve 9 pontos de observação e é bastante interessante parar em cada um e ler o respectivo texto. Saí às 9h50. A caminhada começa por uma estrada de terra que passa logo atrás da administração, indo para a esquerda. Percorri esse trecho parando muitas vezes para saborear as amoras maduras que dão em arbustos espinhentos. Às 10h20 encontrei o estacionamento da reserva à esquerda e um caminho largo que sai à direita com uma seta. A sinalização aqui merece uma nota: é toda feita com placas de madeira com símbolos em lugar de palavras. A localização e explicação de cada símbolo estão no folheto. As setas são feitas de pedaços de bambu. O caminho largo da direita sobe e passa por uma guarita, que estava vazia. Subindo mais uns 4 minutos (desde a guarita) encontrei água e parei para um lanche. Voltei a caminhar às 10h47 e a subida é constante. Às 10h53 passei pelo Camping La Loma mas não vi ninguém. Uma torneira ali fornece água. Às 11h12 uma bifurcação com símbolos e setas de bambu: a caminhada continua para a esquerda, mas à direita vale a pena ir até o Mirador Kutralko (a apenas 25m) e ler o que o folheto do parque explica sobre a história da comunidade de Pichares. A visão é para o vale do Rio Liucura a oeste. Voltando à trilha principal, apenas 3min à frente vi o símbolo de água (uma gota azul) e entrei na mata para ver uma pequena e singela cachoeira. Às 11h49 alcancei o Mirador Mamüll, com vista também para o vale do Rio Liucura a oeste, além do Lago Caburgua a norte-noroeste. As rosas-mosquetas já perderam suas flores e estão com frutos crescidos porém ainda verdes. É uma planta muito abundante no Chile. Às 12h09, ainda subindo pelo caminho largo, cheguei ao Refúgio Aserradero (serraria, em espanhol). Ali há um quincho, uma construção de madeira bem grande com espaço para fazer fogo dentro. Neste havia uma plataforma elevada onde se pode pernoitar. Também se pode acampar nesta área e havia uma barraca apenas. Uma construção de madeira elevada mais abaixo deve ser o banheiro. Vulcão Villarrica Continuei a caminhada às 12h19 e o caminho largo se converte em trilha em meio a um bosque muito bonito. Às 12h49 passei pela Estação Silêncio. A leitura do folheto para este local convida a "tomar um minuto e escutar a vida destes bosques" repletos de grandes coigües e habitat de pássaros como o carpintero (pica-pau da Patagônia). Realmente vale a pena parar um pouco, ficar em silêncio e se integrar a essa natureza tão acolhedora. Às 13h02 cheguei à primeira das muitas lagunas, a Laguna Seca ou Laguna Las Totoras. Como os nomes já dizem, há muito mais capim (totora) do que água. E infelizmente há vacas pastando. Às 13h23 encontro uma bifurcação e vou para a esquerda (à direita é um dos caminhos para Coilaco, mas tomaria outro no dia seguinte que encontra esta trilha 1,1km adentro). Às 13h29 chego ao local denominado Pewen, território das lindas araucárias, árvore sagrada para os mapuche-pehuenche, que tinham o pinhão como base de sua alimentação. Para esses povos é importante pedir permissão às araucárias para entrar no bosque. Além dessas árvores quem me dá as boas-vindas é uma raposinha moradora do local. Às 13h47 alcanço enfim a Laguna Negra e sua área de acampamento. Antes de subir ao mirante já reservei o melhor lugar, um gramado plano e espaçoso perfeito para essa noite. Montei a barraca, fiz rapidamente uma mochila de ataque com roupa de frio, de chuva, lanche, água e comecei a subir ao mirante às 14h14. Muitos zigue-zagues para amenizar a inclinação e atinjo o Mirador Melidekiñ às 14h37. Visão espetacular, dia maravilhoso. Além de todos os lagos da reserva, do Lago Villarrica, do Lago Caburgua e das cidades de Pucón e Villarrica, o folheto me informa que vulcões avisto lá de cima: Villarrica a sudoeste, Quetrupillan ao sul, Lanin a sudeste e Llaima ao norte. Havia bastante gente no mirante, estava meio congestionado até... rs. Mas o pessoal do bate-volta logo começou a descer e restaram poucas pessoas admirando o lugar com mais calma. Uma brasileira apareceu por lá mas desceu logo também. Altitude de 1549m, desnível de 1195m desde a portaria. Iniciei a descida às 16h16 e havia várias pessoas subindo ainda ao mirante. Às 16h42 estava de volta à barraca e parti para o Circuito de las Lagunas, de 2,1km de extensão. Fiz no sentido horário, como sugerem as placas do caminho. Pela ordem passei pelas lagunas El Risco, La Vaca Hundida (a vaca afundada), Escondida e Bella. Completei o circuito todo em 1h10 tranquilamente. Todas lagunas muito bonitas em meio a bosques deliciosos de se caminhar. No mapinha do parque esse acampamento da Laguna Negra possui banheiros mas na realidade não há. Vi a base do que pode ter sido uma cabana ou um banheiro, mas não resta mais nada. Água se pode coletar da laguna (e tratar) ou de um fio d'água que corre ao lado do acampamento. Nessa noite havia mais 3 barracas e todas montadas na pura terra úmida para sujar bastante. Altitude de 1334m. Vista do Mirador Melidekiñ 14/03/18 - dia inteiro de chuva, granizo, ventos, neblina e muito frio. Saí da barraca após as 17h e os meus vizinhos haviam ido embora. Desmontaram acampamento embaixo de chuva e desceram com aquele tempo horrível. 15/03/18 - 2º DIA - da Laguna Negra a Coilaco Duração: 3h20 Distância: 11,1km Maior altitude: 1451m Menor altitude: 660m Dificuldade: fácil A temperatura mínima da noite foi 0,2ºC, mas saiu o sol como previu o site www.yr.no (os outros erraram). Logo cedo subi ao mirante de novo e consegui fotos bem melhores pois pela manhã o céu é muito mais limpo, à tarde as nuvens começam a se acumular. Na volta desmontei acampamento e comecei a caminhar às 13h28. O plano era atravessar o parque e sair por Coilaco, uma localidade ao sul da reserva onde há ônibus para voltar a Pucón. Água nesse dia só a das lagunas mesmo. Refiz uma parte do Circuito de las Lagunas porém no sentido anti-horário para alcançar mais rapidamente a saída para Coilaco a partir de uma bifurcação explorada no dia anterior. Essa bifurcação fica junto à Laguna Escondida. Ali tomei a direita, passei pela laguna e enfrentei uma longa subida. Na descida seguinte me vi entre dois lagos e tomei a trilha da direita na bifurcação às 14h27. Essas são as Lagunas Las Mellizas (última água do dia). Ao contornar uma delas surge uma bifurcação. Meu caminho é à direita mas subo à esquerda para visitar a Laguna del Cráter (cratera), porém chegando lá só se avista a laguna bem do alto, não encontrei trilha para descer a ela. Voltei à trilha principal, subi alguns poucos metros e atingi o ponto mais alto, daí em diante só descida pela mata. Às 15h02 saio da mata e encontro uma grande clareira com a Laguna El Carpintero, na realidade uma depressão sem uma gota d'água. A trilha continua reentrando na mata ao sul, logo à esquerda do local da chegada à laguna (há uma placa de madeira "Laguna Carpintero" sinalizando a trilha). Com 25m alcanço a trilha principal que vem daquela bifurcação citada no primeiro dia (entre a Laguna Seca e Pewen). Vulcão Lanin na fronteira com a Argentina Às 15h36 pulo uma porteira com cadeado e saio da reserva. Placas dão as boas-vindas a quem faz o caminho contrário e indicam que ali é a Entrada Coilaco. Mas não há guarita ou casa por perto para cobrar a entrada de quem chega. O caminho se alarga e vai se tornando uma estradinha à medida que sai do bosque. Sigo sempre descendo pela principal. Passo por pilhas de madeira extraída da mata, plantações cercadas e às 16h08 me deparo com um portão de ferro com cadeado, ao lado outro portão de ferro destrancado por onde pude passar. Cerca de 50m adiante entroncou uma outra estradinha à direita, fui para a esquerda. Cruzei uma porteira de arame bem no meio da estrada. A essa altura já estava caminhando bem rápido pois o ônibus saía de Coilaco às 17h e o caminho era mais longo do que eu previa. Consegui chegar à estrada de Coilaco às 17h em ponto, mas não havia ninguém para perguntar se o ônibus já havia passado (e era o último do dia). Altitude de 660m. Sentei para descansar e comecei a pedir carona para os poucos carros que passavam. Até que um sitiante parou a camionete e me deu carona até o asfalto entre Vila San Pedro e Pichares. Cruzamos com o ônibus ainda indo em direção a Coilaco, estava bem atrasado. Mas o sitiante me confirmou que esse ônibus é irregular, nem sempre passa nos horários marcados na tabela do terminal de Pucón. No local onde ele me deixou há ônibus mais frequentes, esperei cerca de 20 minutos me fartando com as amoras silvestres em pencas bem ao lado do ponto. Informações adicionais: Os horários de ônibus entre Pucón e El Cañi são: . saindo do Terminal Rural situado à Rua Uruguay, em frente ao Terminal JAC: Pucón-El Cañi-termas: seg a sáb - 7h, 10h30, 13h30, 15h40, 17h30 dom e feriado - 10h30, 13h30, 15h40, 17h30 termas-El Cañi-Pucón: seg a sáb - 8h10, 11h30, 14h30, 16h30, 18h30 dom e feriado - 11h30, 14h30, 16h30, 18h30 . saindo do Terminal Pullman situado à Rua Palguin: Pucón-El Cañi-termas: seg a sáb - 8h15, 8h50, 10h, 12h30, 14h30, 15h30, 17h, 18h30, 20h20 dom e feriado - 8h15, 10h, 12h30, 15h30, 19h termas-El Cañi-Pucón: seg a sáb - 9h10, 9h30, 11h, 13h30, 15h30, 17h, 19h30 dom e feriado - 9h10, 11h, 13h30, 17h Tarifa de CLP 1000 (R$ 5,35) Horários de ônibus entre Pucón e Coilaco (ônibus irregular segundo informaram, melhor confirmar com alguém do terminal ou algum motorista se o ônibus vai sair mesmo): Pucón-Coilaco: 11h30, 16h15, 18h45 Coilaco-Pucón: 7h, 12h30, 17h A entrada na reserva custa CLP 4000 (R$ 21) e o camping custa CLP 3000 (R$ 16) por pessoa por noite. Os locais permitidos para camping são Refúgio Aserradero e Laguna Negra. Para saber mais: www.santuariocani.cl O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago março/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  20. Laguna sem nome com o Cerro Tamanguito ao fundo Início e final: portaria da Reserva Nacional Tamango Duração: 4 dias Distância: 50,7km (incluída a subida ao Cerro Tamanguito) Maior altitude: 1501m no Cerro Tamanguito Menor altitude: 165m Dificuldade: fácil (para quem está acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira) A Reserva Nacional Tamango fica próxima à cidade de Cochrane e é um dos refúgios do huemul, cervo andino ameaçado de extinção. Situa-se na Patagônia chilena, mais exatamente na região de Aysén, de número XI (as regiões no Chile têm nome e número romano). É administrada pela Conaf, órgão florestal oficial do Chile. A Conaf mantém as trilhas, a sinalização e eventualmente fecha algumas delas se há incêndio florestal ou alto risco de haver algum. O Parque Patagônia faz parte do projeto do casal americano Douglas e Kristine Tompkins de adquirir grandes extensões de terras no Chile (e Argentina), transformá-los em parque particular e posteriormente doá-los ao Estado. Douglas Tompkins foi fundador da marca The North Face e faleceu enquanto remava no Lago General Carrera em 2015, mas Kristine continua com o projeto, que já gerou bastante polêmica no Chile. Os opositores, entre outras coisas, acusavam-nos de se apropriar de importantes reservas de água na Patagônia. Em janeiro deste ano (2018) Kristine Tompkins e a então presidente do Chile, Michelle Bachelet, assinaram a doação das terras do Parque Patagônia (e do Parque Pumalín) ao governo chileno. Com a união à Reserva Nacional Tamango ao sul e à Reserva Nacional Lago Jeinimeni ao norte, será criado um novo Parque Patagônia, um dos maiores das Américas. Laguna Cangrejo com o Cerro Tamanguito ao fundo 16/01/18 - 1º DIA - da portaria da Reserva Nacional Tamango à Laguna Cangrejo (ou quase) Duração: 4h50 Distância: 7,2km Maior altitude: 1028m Menor altitude: 172m Dificuldade: fácil (apesar do desnível de 856m não há nenhuma dificuldade) Saí da Plaza de Armas de Cochrane às 8h42 pela Rua Teniente Merino na direção leste. Uma quadra depois dobrei à esquerda na Rua Rio Colônia/Luis Baez. Entrei na segunda à direita, Rua Vicente Previske. Passei em frente ao mercado municipal e continuei por essa rua, que fez uma curva à esquerda e outra à direita. Na bifurcação sinalizada com "Embarcadero" à esquerda e "Lago Cochrane" à direita fui à esquerda. Uns 150m depois entrei na estradinha de rípio à esquerda, abandonando o asfalto. Segui primeiro as placas de Embarcadero porque a placa de Reserva Nacional Tamango só apareceu bem depois. Continuei sempre pela estradinha principal, às 9h26 cruzei o portão da reserva com placa de boas-vindas e 4 minutos depois estava na guarderia. Distância da Plaza de Armas até a guarderia: 3,8km. Altitude de 172m. Ali assinei uma declaração de ingresso especificando que trilhas iria percorrer e meu tempo de estadia. Paguei a taxa de entrada de CLP 5000 (R$ 27) mas meus campings seriam todos selvagens (gratuitos). O guardaparque me passou as orientações com base no mapa topográfico. Não há mapa para entregar aos visitantes, é preciso fotografar os mapas que eles têm ali. Às 10h06 comecei a caminhada entrando no Sendero Las Águilas (de nº 1), bem em frente à guarderia. E já começa com uma boa subida que logo amplia a visão para o Rio Cochrane, tão largo a leste da guarderia que parece um lago. Quando a visão se abre mais para oeste já se distingue a cidade de Cochrane com montanhas ao fundo. A direção geral nesse primeiro dia é noroeste e depois norte, com variações. Na mata de árvores baixas em que caminho vão aparecendo as rosas-mosquetas com suas flores chamativas e perfumadas. Ao atingir o ponto mais alto às 11h20 tenho à frente um vale e outra montanha a subir. Laguna sem nome na Reserva Nacional Tamango Na descida, às 11h33 esbarro numa estradinha. O 1-Sendero Las Águilas continua à esquerda. À direita é o 5-Sendero Los Huemules. Fui para a esquerda e com 40m encontro uma grande cabana à direita. A estradinha continua e logo sai da reserva em direção a Cochrane. A trilha 6-Sendero Las Lengas, que quero tomar, começa atrás da cabana. Ali é o Refúgio El Húngaro e havia na porta um aviso de "peligro - presencia de roedores" para alertar sobre o risco do contágio por hantavírus. O hantavírus é altamente mortal e há cartazes sobre o seu risco e prevenção por todo o sul do Chile. É transmitido pela urina e fezes dos roedores que se alojam em casas e galpões que ficam fechados por muito tempo. A recomendação é nunca dormir dentro de lugares fechados pelo risco de inalar o ar contaminado pelos dejetos com o vírus. Por isso não se deve trocar nunca a barraca por refúgios, casas e galpões fechados no meio da mata. Entrei no 6-Sendero Las Lengas às 12h02 e me deliciei com os calafates que ia encontrando pelo caminho, mas tomando cuidado com os espinhos que ferem os dedos. A subida continuou e resolvi parar para almoçar às 12h44. Olhei para trás e vi que vinha a maior chuva. Comi, vesti a roupa impermeável e continuei a subir às 13h32. Mais acima pude avistar Cochrane a partir de dois mirantes, mas a chuva foi piorando e no alto havia também vento frio e neblina. Cheguei a uma laguna sem nome às 14h57 e aquele lugar tão bonito era um cenário fantasmagórico. Fui até a Laguna Cangrejo (ou Tamanguito), 12min adiante, e ali o vento era ainda mais forte. Apesar de ter muitas horas de luz resolvi parar pois estava perdendo muito da linda paisagem daquele lugar. E eu fui lá para apreciar e fotografar, não para caminhar feito um louco e não ver beleza nenhuma. Voltei à laguna sem nome pois era mais protegida do vento. Acampei num gramadinho plano a poucos metros da margem. Mais tarde a chuvarada passou, o tempo melhorou e saiu um belo sol. Estamos mesmo na Patagônia! E então a beleza daquele lugar se revelou por inteiro. Dali podia avistar o Cerro Tamango com muitas manchas de neve. Não encontrei água corrente nesse dia, só a água das lagunas. O sol se pôs às 21h40. Altitude de 1002m. Vale Chacabuco 17/01/18 - 2º DIA - da Laguna Cangrejo às lagunas altas do Parque Patagônia Duração: 6h30 Distância: 11,6km Maior altitude: 1284m Menor altitude: 979m Dificuldade: fácil A temperatura mínima da noite foi -2,6ºC. Choveu pela manhã, mas depois melhorou e o sol saiu de novo. Desmontei a barraca só depois da chuva e acabei saindo só às 14h14. Direção norte. Às 14h30 estava de volta à Laguna Cangrejo (ou Tamanguito), agora exibindo toda sua beleza. Era o final do 6-Sendero Las Lengas e eu tinha uma bifurcação à frente: à direita o 7-Sendero Los Valles e à esquerda o 9-Sendero Los Condores. O 7-Sendero Los Valles será meu caminho de volta à portaria no último dia. Nesse momento fui para a esquerda parando muitas vezes para fotos da linda laguna. Contornei toda ela de sul a norte pelo lado oeste passando às 15h10 por uma mesa com bancos de madeira e espaço para acampar. Às 15h20 cheguei ao camping oficial pois havia um grande gramado com duas latrinas caindo aos pedaços, sem condições de uso pela sujeira e quantidade de moscas. A continuação da trilha ali no gramado não é muito clara mas um pau fincado me deu a direção. Caminhei junto aos arbustos e encontrei a trilha, que logo começa a subir e entra no bosque. A direção geral continua norte e depois noroeste. Três boas fontes de água havia nesse bosque, primeira água corrente desde o início da caminhada ontem. Às 16h20 saí definitivamente do bosque e continuei subindo por trilha entre pedras e capim. Havia alcançado o limite das árvores, a 1180m de altitude. Passei a seguir a sinalização com estacas laranja. Às 16h40 alcancei um bonito lago com o Cerro Tamango ao fundo. Tive de me abrigar do vento forte e frio para vestir a roupa impermeável, que também serve como ótimo corta-vento. Larguei ali a mochila, contornei a margem sul do lago e subi um pouco a um mirante para o Cerro Tamango, que também tem uma laguna a seus pés. A subida do cerro me pareceu bem demorada e não vi trilha marcada, pouca gente deve subir. Como estava bem atrasado no meu cronograma não tentei. Guanaco Voltei ao lago, peguei a mochila, cruzei um riacho ao lado dela às 18h06 (última água corrente do dia) e segui inicialmente no rumo norte, logo quebrando para nordeste. Caminhava agora por um ambiente e paisagem completamente diferentes do que caminhei até o limite das árvores. Antes eram bosques e muita vegetação, agora um panorama de colinas nuas, pedras e um pouco de capim. Às 18h19 uma surpresa: a paisagem se abre para um imenso vale ao norte com uma longa serra ao fundo. É o Vale Chacabuco, onde se localiza a sede do Parque Patagônia. A trilha continua para nordeste cortando as altas encostas cada vez mais íngremes. Atravessei uma área mais crítica, com muitas pedras que rolaram, torcendo para não rolar mais nenhuma naquele exato momento. Às 18h48 passei pelo início da subida do Cerro Tamanguito, mas ainda não sabia que seria exatamente ali, não há nenhuma sinalização. Tentaria essa subida na volta. Às 19h06, sem perceber pois não há nenhuma indicação, passo a caminhar pelo Sendero Lagunas Altas do Parque Patagônia. Mal notei que chegava uma trilha à minha esquerda. Notei mesmo a linda laguna abaixo e os guanacos que pastavam bem perto. Apareceu uma marcação "7k" feita em pedra, num padrão bem diferente da sinalização da Reserva Tamango. A partir daí e por algum tempo caminho pela beirada dessa serra e avisto lá embaixo no vale a sede do Parque Patagônia. Também o camping West Winds com várias barracas. Surge uma parede pequena para escalaminhar, depois outra, e após essa segunda há uma guinada para a direita fácil de passar batido pois o caminho em frente está bastante pisado. Nessa guinada para a direita às 19h43 a trilha sobe um pouco e depois desce bastante, passando por um lago à direita e depois contornando a margem sul da Laguna Norita. Aqui o ambiente já mudou de novo e caminho por bosques de lengas. Passo por mais dois lagos à esquerda e às 20h43 surge o último lago à direita. Último porque ele está na borda da serra. Depois dele a serra despenca para o imenso vale. E a panorâmica é espetacular, 180º de pura beleza. Há um gramado plano perfeito para acampar próximo a essa última laguna. Altitude de 996m. Laguna sem nome no Parque Patagônia 18/01/18 - 3º DIA - das lagunas altas do Parque Patagônia à Laguna Cangrejo com subida do Cerro Tamanguito (Dados abaixo já descontada a exploração da trilha alternativa de retorno à guarderia) Duração: 3h50 (mais 1h07 ida e volta ao Cerro Tamanguito) Distância: 9,7km (mais 1,8km ida e volta ao Cerro Tamanguito) Maior altitude: 1501m no Cerro Tamanguito Menor altitude: 982m Dificuldade: fácil A temperatura mínima da noite foi 5,2ºC, bem mais "quente" que a noite anterior. Para esse dia eu cheguei a pensar em descer até a sede do Parque Patagônia, visitar e em seguida subir de volta à laguna dos guanacos para fechar o circuito do Sendero Lagunas Altas. Mas no caminho vi que isso demandaria mais tempo do que eu dispunha, então desci apenas até um ponto onde exploraria uma trilha alternativa de retorno à guarderia passando pelo Lago Cochrane. Levantei acampamento às 10h49 e contornei a laguna desde a margem oeste até a leste pelo lado norte. Continuei pela trilha que sai da margem sul, desci e subi a um mirante que vale muito a pena visitar pois proporciona visão das lagunas altas e ainda dos cerros Tamango e Tamanguito. Desci para o outro lado (leste) e passei por outro lago às 11h45. Junto a ele há uma ponte e água corrente. A descida foi se acentuando, saio do bosque e cruzo mais dois riachos com ponte. Um pouco antes e um pouco depois dessas pontes procurei a tal trilha alternativa de retorno à guarderia passando pelo Lago Cochrane, mas não encontrei. Fui até próximo da marcação "16k". Lagunas altas do Parque Patagônia A sede do Parque Patagônia estava muito abaixo ainda. Se eu descesse tudo para subir de volta à laguna dos guanacos atrasaria meu retorno à cidade no dia seguinte, então resolvi voltar pelo mesmo caminho do dia anterior até a Laguna Cangrejo (ou Tamanguito) e acampar lá. Iniciei o retorno às 12h53, subindo. Ao reentrar no bosque cruzei com as primeiras pessoas nessa caminhada: três casais que estavam hospedados/acampados no Vale Chacabuco. Na passagem pela laguna com ponte parei para almoçar. Às 15h09 estava de volta à laguna onde acampei e em vez de contorná-la pelo norte busquei um caminho mais rápido pela margem sul. Uma vez na trilha principal fui para a esquerda (sul) às 15h27. Passei por quatro lagos já conhecidos e subi ao local onde é fácil passar batido. Ali desci à esquerda a primeira parede, depois a segunda parede, subi e desci à bifurcação da laguna dos guanacos às 17h25. Fui para a esquerda subindo. Estudei por onde seria a subida ao Cerro Tamanguito. Às 17h45 resolvi subir à esquerda mesmo sem trilha ou sinalização. Parecia ser o caminho mais direto e rápido, se não desse certo iria tentar subir em zigue-zague. Deixei a mochila no começo da subida. Não havia trilha realmente mas a subida não teve nenhuma dificuldade além das pedras soltas. No alto reencontrei os guanacos. De onde eles estavam já era possível ver as lagunas Cangrejo e Elefantita, mas o cume estava mais acima, à direita. Mais pedra solta e cheguei ao cume às 18h14. Altitude de 1501m e visão 360º dos dois parques, com as lagunas da reserva ao sul e sudeste, o Cerro Tamango a oeste, o Vale Chacabuco ao norte e as lagunas altas a nordeste. Foi mais fácil e rápido do que eu pensava e valeu muito a pena! Às 18h52 estava de volta à trilha principal, passei pela área de desmoronamento rapidamente e deixei a visão do Vale Chacabuco para trás ao descer pela trilha 9-Sendero Los Condores para a Laguna Cangrejo, aonde cheguei às 20h26. Na descida pelo bosque há três riachos para pegar água boa, como já mencionei. Acampei bem na chegada à laguna, no gramadão onde estão as latrinas (mas bem longe delas!). Altitude de 985m. Laguna sem nome no Parque Patagônia 19/01/18 - 4º DIA - da Laguna Cangrejo à portaria da Reserva Nacional Tamango com vista para o Lago Cochrane Duração: 8h30 Distância: 20,4km Maior altitude: 998m Menor altitude: 165m Dificuldade: fácil A temperatura mínima da noite foi 1,9ºC. Amanheceu um dia lindo. Comecei a caminhar às 9h47 contornando a Laguna Cangrejo pela margem oeste até o encontro das trilhas 6-Sendero Las Lengas (dir) e 7-Sendero Los Valles (esq). Eu cheguei ali no primeiro dia pela trilha 6-Las Lengas e agora desceria de volta à guarderia pelas trilhas 7-Los Valles, 8-Los Pumas, 5-Los Huemules, 10-Los Ñirres e 2-Los Carpinteros, num trajeto bem mais longo do que no primeiro dia. O dia estava perfeito para fotografar a Laguna Cangrejo com os cerros Tamango e Tamanguito ao fundo. Logo depois dela passei por outra laguna à minha esquerda, bem menor que a Cangrejo. Às 11h18 atravessei uma área plana um pouco alagada mas sem afundar a bota. Às 11h30 avisto a Laguna Elefantita e 8 minutos depois caminho por uma praia de pedrinhas às suas margens. Me afasto dessa laguna caminhando em meio às árvores mas menos de 10min depois a reencontro por sua outra ponta já que ela tem um formato aproximado de ferradura. Às 12h16 a trilha muda de nome de 7-Sendero Los Valles para 8-Sendero Los Pumas. Às 12h42 a paisagem se abre para vales e montanhas mais distantes a leste. A trilha corta uma encosta íngreme e bem abaixo à esquerda visualizo uma cachoeira, mas a descida até ela é arriscada pela inclinação. Mas logo à frente, quando a paisagem se abre mais e já vejo o Lago Cochrane, encontro um caminho mais seguro para descer à cachoeira (sem trilha). De volta à trilha principal é hora de fotografar o Lago Cochrane, enorme, de águas azuladas e salpicado de ilhas e ilhotas. Daí em diante a trilha vai descer constantemente em direção ao lago. Mas logo no início da descida aparecem outras cachoeiras à esquerda, uma delas muito alta, despencando de um paredão. Cerro Tamango visto do cume do Cerro Tamanguito A descida em direção ao lago continua e às 14h48 tenho uma bifurcação e o final da trilha 8-Sendero Los Pumas. À esquerda está a trilha 4-Sendero Los Ciruelillos e à direita 5-Sendero Los Huemules, que se dirige ao Refúgio El Húngaro, por onde passei no primeiro dia. Eu podia tomar qualquer um dos dois para voltar à guarderia. A diferença é que o primeiro desceria diretamente às margens do Lago Cochrane e o segundo se manteria na parte mais alta. Optei pelo segundo pela paisagem que me proporcionaria. Nessa bifurcação existia um refúgio segundo os relatos que li, mas encontrei apenas um espaço plano e limpo onde ele devia ficar. Continuando pela trilha 5-Los Huemules não me arrepndi da escolha (nem podia!) pois a paisagem do Lago Cochrane lá de cima é espetacular. Mais abaixo passo a ver o Rio Cochrane, desaguadouro do lago e que corre espremido entre altas paredes. Desde a bifurcação do antigo refúgio passei por duas fontes de água e às 16h28 a trilha vira um caminho duplo, uma estradinha. Nela, às 16h37, encontro uma placa à esquerda sinalizando a entrada da trilha 10-Sendero Los Ñirres. A trilha/estradinha 5-Los Huemules, como disse, continua até o Refúgio El Húngaro, mas eu optei por descer à guarderia pela trilha 10-Los Ñirres para conhecer outros caminhos. Entrei portanto à esquerda, passei por uma fonte de água e logo a trilha passou a descer bem forte. Às 17h32 a trilha 10-Sendero Los Ñirres desemboca na trilha 2-Sendero Los Carpinteros, a qual segui para a direita. Essa trilha é bem acidentada, cheia de sobes e desces, e tem inclusive escadarias de madeira com corrimão. Às 18h12 alcanço a área de camping pago da reserva, um lugar bastante agradável, com um grande gramado e até cabanas abertas onde o pessoal arma a barraca de maneira mais protegida. A trilha se converte numa estradinha e com mais 500m chego à guarderia, às 18h21. Altitude de 172m. Dei aviso aos guardaparques da minha saída e descansei um pouco pois a caminhada foi bem longa. Na parede li um informativo do parque dando as recomendações do que fazer em caso de encontrar um puma ou um huemul. Felizmente eu não dei de cara com nenhum puma mas o huemul eu queria muito ter visto já que é um bicho manso e a população é cada vez menor. Às 18h53, com pouca chance de carona, enfrentei a estrada para Cochrane. Às 19h40 estava de volta à Plaza de Armas. Altitude de 149m. Lago Cochrane Informações adicionais: A entrada na reserva custa CLP 5000 (R$27) mas os campings nas lagunas são gratuitos (camping selvagem ou com WCs inutilizáveis). Há um camping pago a 500m da guarderia. Ali foi o único lugar que encontrei guardaparque. Para quem quiser saber mais sobre as trilhas da reserva antes de partir para a caminhada há em Cochrane um escritório da Conaf que fornece todas as informações. Fica na Rua Rio Neff esquina com Doctor Steffens. Em Cochrane há pelo menos quatro mercados para compra dos mantimentos para a caminhada. Cartucho de gás não procurei mas deve haver. Há muitos hostais e também campings. O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago janeiro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  21. Laguna Cerro Castillo Início: Las Horquetas Grandes Final: Vila Cerro Castillo Duração: 4 dias Distância: 52,2km (mais 3,5km ida e volta ao Glaciar Peñón e 4,9km ida e volta à Laguna Duff) Maior altitude: 1694m Menor altitude: 311m Dificuldade: alta (o percurso é longo e há várias subidas e descidas por pedras soltas) A travessia do Parque Nacional Cerro Castillo é uma das caminhadas mais bonitas do Chile e está se tornando bastante popular entre chilenos e estrangeiros. Não só pelo incrível cenário que percorre mas também por ser uma travessia sem dificuldade técnica desde que feita no verão, quando a quantidade de neve é bem pequena, restrita ao Passo Peñón normalmente. Outro ponto a favor é a abundância de água em todo o percurso, não necessitando ter muita água pesando na mochila. E ainda pode ter seu trajeto encurtado para três dias se o aventureiro não dispuser de quatro dias. Claro que isso significa sacrificar algum local de grande beleza, como a Laguna Duff. Essa travessia é uma das 31 caminhadas descritas no guia Trekking in the Patagonian Andes da editora Lonely Planet, a bíblia do trekking na Patagônia chilena e argentina (bem como em regiões um pouco mais ao norte). No caso de Cerro Castillo a região é Aysén, de número XI (as regiões no Chile têm nome e número em romano). O leitor pode estranhar alguns horários tardios de saída e chegada aos locais de acampamento que coloquei nesse relato, mas é bom lembrar que eu estava na Patagônia em final de janeiro, quando o sol nasce às 6h40 e se põe às 21h20, portanto em nenhum dia caminhei no escuro. Estero Las Mulas 30/01/18 - 1º DIA - de Las Horquetas Grandes à entrada oficial do parque Duração: 5h20 Distância: 13,6km Maior altitude: 928m Menor altitude: 768m Dificuldade: fácil Saí do hostal em Vila Cerro Castillo às 11h50 e fui para a Carretera Austral (Rota 7) esperar um ônibus que subisse a rodovia em direção a Coyhaique ou Puerto Ibáñez e me deixasse em Las Horquetas Grandes. Saí tarde assim porque me disseram que haveria um ônibus por volta de meio-dia, antes disso só muito cedo, lá pelas 7h. Na verdade tive muita informação errada sobre horários de ônibus em Vila Cerro Castillo, só depois do trekking é que encontrei o posto de informação turística aberto e a moça me mostrou uma tabela com todos os horários (ver horários abaixo em Informações Adicionais). Às 12h em ponto passou um micro-ônibus da empresa Acuario 13 e todos os mochileiros do ponto subiram nele, inclusive os que estavam desde cedo "haciendo dedo" (pedindo carona) na estrada. O asfalto da Carretera Austral atualmente termina em Vila Cerro Castillo, portanto subimos rapidamente pela estrada em boas condições até o início da caminhada, em Las Horquetas Grandes, um lugar completamente desabitado. Saltei do coletivo às 12h57 junto com a moçada toda e entramos no caminho que fica à esquerda da rodovia, junto a uma placa do Sendero de Chile. Altitude de 791m. Sendero de Chile é um projeto que visa contribuir com a proteção da natureza do país através da criação/manutenção de trilhas e caminhos para que as pessoas possam conhecer e valorizar o patrimônio natural do Chile. Matéria em que o Brasil ainda está muito atrasado. A direção geral desse primeiro dia é para oeste e depois sudoeste, acompanhando principalmente o vale do Estero La Lima. Vale do Estero La Lima O caminho inicia como uma estrada de rípio, logo cruza uma porteira e depois o Estero Las Mulas através de uma ponte de troncos. O Estero Las Mulas logo deságua no Rio Blanco e o caminho segue pelo vale deste rio. Às 13h22, junto a uma segunda porteira, fica uma casinha de madeira onde o guardaparque cobra a entrada de CLP 5000 (R$27) mediante a assinatura de um termo de responsabilidade pela realização da travessia. A estradinha continua e logo sobe em direção a uma cerca de madeira e um bosque. A visão do vale do Rio Blanco se amplia e ao fundo da cerca se podem ver algumas casas e galpões. Esse primeiro dia de caminhada é todo feito por dentro de propriedades particulares, com criação de gado e várias porteiras. A trilha entra no bosque de lengas às 13h49 e se dirige ao vale de outro rio, o Estero La Lima. Às 15h15 cruzo o primeiro dos seus afluentes, o Estero Blanco Chico, sem dificuldade pelos troncos jogados. À frente já visualizo os nevados da Cordilheira Castillo. Às 15h37 passo por uma casa à esquerda e às 15h51 cruzo pelas pedras o próprio Estero La Lima, bastante largo. Daí em diante foram mais 6 rios e riachos, alguns um pouco mais chatos de atravessar pela largura. Não tirei as botas em nenhum deles mas numa bobeira minha entrou água na bota direita ao cruzar um mais fundo. Às 18h o tempo fechou, nevou um pouquinho e a temperatura caiu muito. Às 18h17 uma bifurcação com uma seta apontando para a esquerda. O caminho da direita segundo o mapa é o Sendero Rio Turbio e segundo o gps leva a uma estrada entre os lagos La Paloma e Monreal, ao norte. Com apenas mais 80m para a esquerda alcanço enfim a entrada oficial do parque nacional, com um grande mapa, placa de bienvenido e uma porteira destruída por uma árvore caída. Cerca de 140m após a porteira encontrei a Guarderia Rio Turbio, uma cabana bastante revirada por dentro mas toda equipada com fogão, panelas e pia. Mas é sempre bom lembrar da recomendação quanto ao perigo do hantavírus. Estero La Lima O hantavírus é altamente mortal e há cartazes sobre o seu risco e prevenção por todo o sul do Chile. É transmitido pela urina e fezes dos roedores que se alojam em casas e galpões que ficam fechados por muito tempo. A recomendação é nunca dormir dentro de lugares fechados pelo risco de inalar o ar contaminado pelos dejetos com o vírus. Por isso não se deve trocar nunca a barraca por refúgios, casas e galpões fechados no meio da mata. Ao lado da guarderia fica a área de camping, ambos protegidos pelo bosque de lengas e outras espécies. O chão é quase todo de terra (para sujar bastante a barraca) com um pouquinho de grama em algumas partes. Procurei um lugar gramado para acampar mais à frente. Até encontrei mas tinha receio de que algum guardaparque aparecesse e me mandasse para o acampamento demarcado. Mas até o final da travessia não vi guardaparque em nenhum lugar (só lá nas Horquetas mesmo). Não continuei até o acampamento do Rio Turbio (50 minutos adiante) porque devia estar mais cheio. Nesse acampamento havia mesas de picnic e água podia ser coletada num riacho ao lado. O banheiro é uma casinha de madeira com porta e telhado. Dentro um assento de madeira com um grande buraco. Na cabana havia vaso sanitário mas a descarga não funcionava. Nessa noite havia mais três barracas nesse camping e dois malucos dormiram dentro da cabana. Altitude de 928m. Vale do Rio Turbio com o Cerro Peñón ao fundo e o selado do Passo Peñón à esquerda 31/01/18 - 2º DIA - da entrada oficial do parque ao acampamento El Bosque Duração: 5h30 (mais 1h20 ida e volta ao Glaciar Peñón) Distância: 11,2km (mais 3,5km ida e volta ao Glaciar Peñón) Maior altitude: 1453m Menor altitude: 915m Dificuldade: média se não houver muita neve no Passo Peñón A temperatura mínima da noite foi 2,9ºC. A direção geral desse segundo dia é sudoeste acompanhando principalmente as nascentes dos rios Turbio e El Bosque. Levantei acampamento às 11h12 e continuei pelo caminho bem marcado, agora convertido em trilha mesmo. Às 11h30 a visão se ampliou com a chegada ao vale pedregoso do Rio Turbio, cercado de montanhas rochosas com os cumes cobertos de neve. A primeira de muitas paisagens espetaculares dessa travessia. A sudoeste, à esquerda do Cerro Peñón, já podia avistar ao longe o selado do Passo Peñón, que deveria cruzar ainda nesse dia. E notei que havia um pouco de neve nele (um pouco?...) A sinalização continua por estacas amarelas na margem direita do rio e reentra no bosque. Às 12h05 encontro o acampamento do Rio Turbio, bem maior que o anterior, dentro do bosque, com mesas de picnic e banheiro, porém com chão de terra também. Às 12h38 cruzei por uma ponte o rio que nasce nas alturas do passo. Uns 60m depois parei numa bifurcação onde havia uma seta apontando para a esquerda e galhos jogados na trilha à direita (técnica que a Conaf usa para sinalizar que não se deve passar por aquela trilha). É que à direita era o caminho para o Glaciar Peñón onde nasce o Rio Turbio, que estava nos meus planos visitar. Fui então à direita e com 170m saí do bosque diretamente para uma grande área de pedras que acompanha o rio de degelo do glaciar, o próprio Rio Turbio. Havia trilha marcada, totens e balizas vermelhas para orientar. Claro que caminhar pelas pedras soltas demanda mais cuidado e o avanço é mais lento (pelo menos para mim). Às 13h19 alcancei um lago mas a geleira estava distante, bem para dentro. Havia cachoeiras caindo do Cerro Peñón à esquerda. Vale a pena esse desvio de 3,5km (ida e volta)? Se você está com tempo e o dia está bonito para fotos penso que sim. Lago formado pelo Glaciar Peñón Às 14h41 estava de volta à trilha principal e na subida comecei a notar os troncos inclinados das lengas, sinal de que estava atingindo o limite das árvores, onde a camada de terra é cada vez mais rasa. Às 15h17 saio do bosque e encaro de vez a subida do Passo Peñón, toda de pedras soltas. Esse passo se parece com um grande portal rochoso. A sinalização aqui foi feita com tinta vermelha e branca nas pedras. A neve, que inicialmente aparece nas laterais do caminho, começa a invadir tudo e logo estou subindo por ela. Felizmente a bota era impermeável, então sentia o frio mas os pés se mantinham secos. Atingi o ponto mais alto às 16h21. Altitude de 1453m. Do passo se vê o Morro Rojo à frente (sudoeste) com a Laguna Cerro Castillo à sua direita. Felizmente não havia vento forte. A descida pela neve era mais preocupante pois tinha receio de pisar em alguma parte com gelo duro e escorregar. Caminhei cerca de 20 minutos pela neve... muito mais do que eu imaginava... isso em pleno janeiro! Voltei a caminhar pelas pedras soltas mas não pude desviar de outra grande mancha de neve, felizmente menor. Caminhei mais 5 minutos por ela. De volta às pedras soltas a descida se tornou muito inclinada, exigindo muito cuidado para não rolar moraina abaixo. Cascatas despencam da face leste do Cerro Peñón à minha direita. Terminada a ladeira íngreme passei a caminhar pelo vale de pedras de um afluente do Estero El Bosque. Ali encontrei duas americanas que estavam fazendo o percurso ao contrário e me perguntaram sobre a subida ao passo. Elas eram precavidas e levavam crampons. Parei para descansar e observá-las naquela subida difícil. Mas enfrentaram numa boa, eram bem fortes. Cruzei todo o vale de pedras, reentrei na mata às 18h e 15 minutos depois atravesso o afluente do Estero El Bosque por uma ponte. Depois de cruzar mais dois riachos chego às 18h40 ao acampamento El Bosque, bem protegido do vento em meio ao bosque de lengas. Acampamento bastante espaçoso porém inclinado, com poucos lugares planos, e todo de terra, nada de grama. Mesmo padrão de mesas de picnic e banheiros. Água abundante do Estero El Bosque ao lado. Aliás água não foi preocupação nesse dia também, assim como no primeiro dia. Mesmo no passo havia várias fontes de água. Nessa noite havia mais seis barracas nesse camping. Altitude de 940m. Do Passo Peñón se vê o Morro Rojo com a Laguna Cerro Castillo à direita 01/02/18 - 3º DIA - do acampamento El Bosque ao acampamento Neozelandês Duração: 8h40 Distância: 13,1km Maior altitude: 1694m Menor altitude: 866m Dificuldade: média pois há bastante subida e descida por pedras soltas A temperatura mínima da noite foi 6,9ºC. A direção geral desse terceiro dia é sudoeste até o mirante da Laguna Cerro Castillo, depois oeste e sudoeste até o acampamento Los Porteadores e por fim norte até o acampamento Neozelandês. Aproveitei o dia ensolarado para fotos das montanhas ao redor do acampamento, como a face leste do Cerro Castillo e outros belos nevados da Cordilheira Castillo. Saí do acampamento às 12h subindo pelo bosque e tendo o Estero El Bosque à minha esquerda, porém em apenas 6 minutos atravesso um de seus formadores através de troncos para reentrar na mata na outra margem. A subida pela trilha me proporciona uma linda visão quando saio do bosque: para a frente o Cerro Castillo e para trás o Passo Peñón. Às 13h28 surge uma espetacular cachoeira à direita, diretamente da geleira do Cerro Castillo. As duas americanas que conheci no dia anterior me alcançaram pois estavam retornando (!?). É que foram até o acampamento Rio Turbio, acamparam e voltaram... Às 13h44 cruzo o rio formado pela cachoeira num ponto mais acima onde não precisei tirar as botas por serem impermeáveis (as americanas tiraram os tênis). Continuo subindo por caminho de pedra (e um pouco de capim) pela margem esquerda do rio que verte da Laguna Cerro Castillo e a vista do Passo Peñón para trás é cada vez mais bonita. Isso e mais a cachoeira foram as primeiras visões impressionantes de um dia repleto de paisagens incríveis. Cachoeira formada pela geleira do Cerro Castillo Parei para lanchar às 14h07 perto de um riachinho e voltei a caminhar às 14h22. Essa seria a última água corrente até o acampamento Los Porteadores. A visão para trás do Passo Peñón fica cada vez mais nítida e posso observar toda a extensão de neve que tive de atravessar no dia anterior. Às 14h33 alcancei o acampamento La Tetera (chaleira ou bule, em espanhol), este sim com um gramadão porém mais "rústico" que os outros, não cheguei a ver se havia banheiro. Já caminhando acima da linha das árvores, a subida continua pelo caminho de pedras e às 14h48 uma linda surpresa: a Laguna Cerro Castillo, de um azul maravilhoso e adornada por diversas cachoeiras que despencam diretamente do Cerro Castillo. Após um tempo de contemplação e muitas fotos encarei a subida de pedras soltas (moraina) ao sul da laguna. Isso após cruzar pelas pedras o riacho que é seu vertedouro. Alcancei o alto às 15h45 e havia mais de 30 pessoas num mirante admirando o lugar. Altitude de 1422m. É que há uma trilha que sobe diretamente de Vila Cerro Castillo a esse lugar, as pessoas fazem isso como um passeio de um dia. E serve como uma rota de fuga em caso de necessidade ou de não haver disponibilidade de mais um dia. Ali no alto portanto a trilha mais marcada era a que vinha da cidade. A trilha da travessia não era tão visível, mas algumas estacas amarelas davam a direção, que era oeste. Antes de continuar, larguei a mochila e caminhei 300m até a borda da montanha para tirar fotos do imenso vale do Rio Ibáñez com a Vila Cerro Castillo abaixo e no horizonte ao sul o Lago General Carrera. Voltei ao mirante, peguei a mochila e segui às 16h08 orientado pelas estacas amarelas. Desci e caminhei pela borda mais próxima à laguna mas depois encontrei a trilha bem marcada e segui por ela morro acima, no rumo oeste. Caminho todo de pedras ainda, neve apenas em pequenas manchas a uma certa distância. As americanas vinham um pouco atrás. Atingi o ponto mais alto às 17h05 e esperei as meninas para descermos juntos. Altitude de 1694m. A visão, além do Rio Ibáñez, Vila Cerro Castillo e Lago General Carrera, agora começa a se abrir para o vale do Estero Parada. Ponto mais alto da travessia Iniciamos a descida às 17h35 e foi com cuidado pois é um caminho todo de pedras soltas também. Uma delas caminhava mais lentamente. Nos orientávamos pelas estacas. Finalmente às 18h33 terminou a ladeira de pedras mas a descida, agora menos inclinada, continua em meio aos arbustos. A visão para o fundo do vale do Estero Parada permite apreciar o majestoso Cerro Palo. Numa bifurcação não sinalizada às 19h tomamos a direita pois a esquerda nos afastaria do acampamento. Em mais 7 minutos reentramos na mata. Numa bifurcação sinalizada às 19h16 tomamos a direita, cruzamos um riacho e chegamos ao acampamento Los Porteadores, pequeno e bastante cheio (contei 11 barracas). Altitude de 872m. As meninas resolveram ficar ali mesmo pois caminharam muito nesse dia, praticamente fizeram dois dias da travessia em um (e com o Passo Peñón nevado no meio). Mesmo esquema de acampamento com mesa de picnic, rio ao lado e banheiro com assento de madeira. Como havia mais 2h de luz natural, descansei um pouco e continuei para o acampamento Neozelandês. Me despedi delas às 19h34 e enfrentei a subida no rumo norte. Mata um pouco mais fechada e a visão de algumas montanhas da Cordilheira Castillo ao fundo. Muitas fontes de água pelo caminho. Cheguei ao Neozelandês às 20h42 e era o oposto do anterior: muito espaço e poucas barracas. Pude escolher um lugar à vontade. Igual aos outros: água bem próxima, mesa de picnic e banheiro. Tudo protegido dentro do bosque de lengas. Nessa noite havia mais seis barracas nesse camping. Altitude de 1146m. Cerro Castillo 02/02/18 - 4º DIA - do acampamento Neozelandês a Vila Cerro Castillo com subida à Laguna Duff Duração: 4h45 (mais 2h ida e volta à Laguna Duff) Distância: 14,3km (mais 4,9km ida e volta à Laguna Duff) Maior altitude: 1445m Menor altitude: 311m Dificuldade: média pois a subida à Laguna Duff é pela moraina (pedras soltas) A temperatura mínima da noite foi 9,5ºC. A direção geral desse terceiro dia é sul até a estrada de rípio e em seguida leste até Vila Cerro Castillo. Deixei a barraca montada e às 9h10 fui conhecer a Laguna Duff. Continuei subindo pela trilha por onde cheguei no dia anterior, que logo sai do bosque, se aproxima do Estero Parada e reentra em outro bosque. Ao sair definitivamente do limite das árvores às 9h32 é hora de enfrentar a longa subida de pedras soltas na direção nordeste. À esquerda (norte) despenca o Estero Parada, que brota da própria Laguna Duff. Do outro lado do vale é possível avistar outras lagunas aos pés do Cerro Punta El Olvido, mas parece não haver trilha marcada até lá. Às 10h13 alcancei a Laguna Duff, na cota dos 1445m. E o queixo caiu de novo. A laguna tem uma cor azul linda e diversos blocos de gelo flutuando. Mesmo assim havia alguns doidos ali com coragem para entrar naquela água congelante. As montanhas de pedra nevadas por todos os lados da laguna também impressionam, formando um cenário magnífico. Foi pra fechar com chave de ouro essa travessia. Cerro Palo e Vale do Estero Parada Às 12h35 estava de volta ao acampamento, almocei, desmontei a barraca e às 13h51 iniciei a descida para Vila Cerro Castillo. Sentido sul sempre até a estradinha de rípio. Voltei pelo mesmo caminho até o acampamento Los Porteadores, onde passei às 15h03, cruzei o riacho ao lado (última água fácil do dia) e tomei na bifurcação a trilha da direita, descendo. O caminho percorre o alto da encosta esquerda do Estero Parada. Às 15h43 passei por uma cerca com placa de bienvenido à reserva, ou seja, estava saindo dela mas ainda faltava muito chão para caminhar. A descida continua e às 16h tenho vista para o Rio Ibáñez à direita. Às 16h09 passo por uma tronqueira e 4 minutos depois me aproximo do Estero Parada. Logo a visão se amplia para a esquerda (nordeste), com o Cerro Castillo e a montanha por onde sobe a trilha que vai da cidade ao mirante da Laguna Cerro Castillo. A trilha continua bem marcada pelo capim, sigo os caminhos mais à direita até que às 16h35 alcanço uma cerca e uma estrada de rípio. Curiosamente há uma placa "recinto privado - no entrar". A cerca tem arame farpado, exceto num ponto onde há arame sem farpa, por onde se deve passar. Na estradinha fui para a esquerda. Essa estradinha de 6,4km corre pelo vale do Rio Ibáñez e é um final inglório para uma caminhada tão empolgante. Não fosse pelos calafates que comi ao longo do caminho teria sido um tédio só. Não passou um carro sequer para eu tentar uma carona. Parei uma vez para descanso e cheguei à entrada da trilha para o mirante da Laguna Cerro Castillo às 18h15. A casinha do guardaparque estava fechada mas o letreiro informava que o desnível é de 1000m. Continuei pela estrada e cruzei a ponte sobre o Arroyo El Bosque (o mesmo do acampamento da segunda noite). Há uma parede de escalada ali e alguns estavam praticando. Às 18h35 estava de volta a Vila Cerro Castillo, encerrando essa maravilhosa caminhada. Altitude de 337m. Laguna Duff Informações adicionais: Ônibus de Vila Cerro Castillo a Las Horquetas Grandes (segundo a tabela do posto de informações turísticas de Vila Cerro Castillo): seg, qua, qui, sex: 7h15, 8h, 11h30, 12h30, 14h30, 16h, 18h, 18h30 ter: 7h15, 11h30, 12h30, 14h30, 18h, 18h30 sáb: 8h30, 11h30, 12h30, 14h30, 17h, 18h30 dom: 11h30, 12h30, 14h30, 18h30 Preço da passagem: CLP 2000 (R$10,70) A entrada no parque custa CLP 5000 (R$27) mas os campings são todos gratuitos. Há guardaparque apenas na casinha em Las Horquetas Grandes e no início da trilha que sobe da cidade para o mirante da Laguna Cerro Castillo. Em Vila Cerro Castillo há pelo menos cinco mercadinhos para compra dos mantimentos para a caminhada. Cartucho de gás não procurei mas acho melhor comprar em uma cidade maior como Coyhaique. Há diversos hostais e também camping. O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago fevereiro/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  22. Vulcões Puntiagudo e Osorno ao entardecer Início: setor Anticura do Parque Nacional Puyehue Final: setor Águas Calientes do Parque Nacional Puyehue Duração: 3 dias Distância: 57,4km Maior altitude: 1928m Menor altitude: 385m Dificuldade: alta pois no segundo dia deve-se atravessar o escorial do Vulcão Casablanca sem trilha e com neve O Parque Nacional Puyehue (pronuncia-se pui-Êu-e) situa-se na região de Los Lagos, de número X (as regiões no Chile têm nome e número romano). Esse parque abriga e protege a área ao redor do Vulcão Puyehue, cuja erupção em 2011 (através do Cordón Caulle) causou o fechamento de aeroportos na Argentina, Uruguai e até na Austrália e Nova Zelândia. O vulcão é um grande atrativo mas eu estava interessado mesmo numa travessia que tangenciava um outro vulcão mais ao sul, este mais comportado, o Casablanca (inativo). Eu tinha uma descrição detalhada do percurso apenas do primeiro dia, de Anticura a Pampa Frutilla, no guia Trekking in the Patagonian Andes da editora Lonely Planet. Daí em diante tinha pouca informação (o LP fala apenas superficialmente da continuação de Pampa Frutilla a Águas Calientes). Essa travessia é uma das tantas que pertencem ao projeto Sendero de Chile, que visa contribuir com a proteção da natureza do país através da criação/manutenção de trilhas e caminhos para que as pessoas possam conhecer e valorizar o patrimônio natural do Chile. Matéria em que o Brasil ainda está muito atrasado. O Parque Nacional Puyehue foi criado em 1941 e é administrado pela Conaf, órgão florestal oficial do Chile. A Conaf mantém as trilhas, a sinalização e eventualmente fecha algumas delas se há incêndio florestal ou alto risco de haver algum. Salto de la Princesa 25/02/18 - Chegando ao Parque Puyehue Na cidade de Osorno (932km ao sul de Santiago) peguei o micro-ônibus das 17h para Anticura (ver horários abaixo em Informações Adicionais). Ele sai de um ponto na esquina das ruas Arturo Prat e Francisco Errazuriz, na extremidade oeste do Mercado Municipal da cidade. Na placa do para-brisa está escrito "Aduana Cardenal Samoré". A viagem até Anticura durou 2h07. Saltei na rodovia 215, que cruza mais adiante a fronteira com a Argentina pelo Passo Cardenal Samoré e vai a Bariloche. O motorista me deixou bem em frente à portaria do parque, que fica à direita da rodovia 215 (sentido Argentina). A entrada é aberta, não há um portão, e à direita está a guarderia, onde fica o guardaparque. Porém ela estava fechada, pensei que fosse pelo horário (depois me disseram que o guardaparque estava de férias). Havia um motorhome estacionado ali no gramado e perguntei ao casal sobre camping. Eles eram do Alasca e a mulher me disse que eu poderia acampar em qualquer lugar. Pensei: com a Conaf não é bem assim que funciona... Havia placas do parque do outro lado da rodovia e fui lá perguntar. Encontrei a área de acampamento, porém era de uma concessionária e cobravam por "sítio", ou seja, por espaços delimitados com mesa, tão grandes que dá para estacionar o carro ao lado da barraca. E o custo era de CLP 15000 (R$ 80), o valor que eu estava pagando num hostal com café da manhã em Osorno. Um absurdo. O máximo que eu havia pago num camping no Chile tinha sido CLP 5000 (valor para estrangeiro). Voltei ao outro lado da rodovia 215 e vi que havia algumas pessoas numa casinha ao fundo da portaria do parque. Fui lá conversar. Eram brigadistas. Expliquei a situação, disse que eu iria iniciar a travessia no dia seguinte, e eles me deixaram passar a noite ali nos fundos, atrás de um depósito. Me informaram também que a travessia para Antillanca e Águas Calientes estava aberta e sem problemas no percurso. Altitude de 385m. Salto del Pudú 26/02/18 - 1º DIA - Conhecendo o setor Anticura e início da travessia: de Anticura a Pampa Frutilla DADOS DA TRAVESSIA ANTICURA-PAMPA FRUTILLA Duração: 5h48 (já descontada a ida ao Salto Los Novios) Distância: 17,6km (já descontada a ida ao Salto Los Novios) Maior altitude: 1353m Menor altitude: 385m Dificuldade: baixa Um dos atrativos do setor Anticura do Parque Nacional Puyehue são as cachoeiras. Pode-se também subir o próprio vulcão Puyehue mas isso não estava nos meus planos. Parte das cachoeiras está do lado da portaria do parque e outra parte está do lado da concessionária do camping, sendo que neste lado eles cobram a entrada (CLP 1000 = R$ 5). Iniciei cedo o dia pois queria percorrer as cachoeiras todas e partir para a travessia, caminhando até Pampa Frutilla. Saí às 7h25 e o sujeito da concessionária estava esperando o ônibus para Osorno... que azar, pensei que ia passar batido pois ninguém acorda cedo no Chile. Ele aproveitou para me cobrar a entrada. Comecei a visita às cachoeiras pelo Salto del Indio, circuito de 1,1km. Depois o Salto de la Princesa com extensão até o Salto Repucura, numa trilha de 2,4km (ida e volta). Tentei explorar uma trilha que saía do Salto Repucura e ia em direção à rodovia 215 mas está sem uso e os bambus a fecharam a partir de um certo ponto. No retorno peguei a esquerda numa bifurcação sinalizada e passei por alguns chalés de aluguel muito bonitos. Todos os saltos visitados deste lado estão no Rio Golgol e são de altura média, não são grandes. Às 10h06 atravessei a rodovia 215 de volta e fui conhecer as cachoeiras e o mirante do lado da portaria do parque. Comecei pelo Salto del Pudú, o mais alto de todos, numa trilha de 2,6km ida e volta. Depois o Sendero Mirador El Puma, de 1,8km ida e volta. Altitude de 577m nesse mirante (desnível de 190m), mas sem visão do Vulcão Puyehue por causa do céu encoberto. Essa trilha continua mais 30m até uma fonte de água. No retorno passei pelo Salto Anticura, o mais próximo da portaria do parque e também de altura média. Salto Anticura Às 12h22 estava de volta para desmontar a barraca e partir para a travessia, que iniciei às 13h56 depois de almoçar e comer algumas framboesas no pé logo no início da trilha. Altitude de 385m. Às 14h38 cruzei um rio afluente do Rio Golgol pela precária Ponte Arauco e fui para a esquerda. Em 7 minutos cheguei a um caminho mais largo. As placas indicavam à direita Pampa Frutilla a 18km (o meu gps marcou 16,8km) e à esquerda a Ruta Internacional a 300m. Fui para a esquerda para explorar e marcar no gps em que altura da rodovia 215 iniciava essa trilha. Foram 920m até a rodovia (e não 300m). Dali aproveitei para ir conhecer o Salto Los Novios, a apenas 300m percorrendo o asfalto para a esquerda. O mirante do salto fica bem ao lado da rodovia mas há uma trilha curta que desce até o Rio Golgol. Voltei à bifurcação Pampa Frutilla-Ruta Internacional às 15h45 e segui em frente. É um caminho bem largo, uma estrada abandonada no meio da mata que sobe suavemente na direção sul e sudeste. Essa estrada foi construída pelo exército chileno nos anos 1970 num período de tensão com a vizinha (muito próxima) Argentina. Passei por três fontes de água, sendo que próximo do último riacho havia um telhado com duas mesas de picnic e restos de fogueira, isso no meio de uma grande clareira tomada por capim alto. Parei nesse lugar para lanchar por 20 minutos e saí às 17h09. Até aí havia sol. Reforçando pois é importante: essas são as últimas fontes de água corrente desse dia e do dia seguinte! A água das lagunas de Pampa Frutilla deve ser tratada antes de beber. A trilha passa a subir mais acentuadamente e uma forte neblina foi tomando conta da mata. Ao sair no aberto essa neblina me impedia de ver ao redor, me deixando sem visão das montanhas e sem referências. Fora da mata continuei pelo caminho largo agora por um terreno mais arenoso. Numa curva fechada para a esquerda às 20h04 notei à direita uma placa numa árvore em que se lia com dificuldade "Refugio Viejo a 800m". Esse seria meu ponto de referência para continuar a travessia no dia seguinte. A partir dali a estradinha sobe bastante. Queria chegar à primeira lagoa de Pampa Frutilla para acampar mas a noite foi chegando e com aquela neblina não enxergava mais nada. Já estava iniciando a descida para a lagoa mas o terreno era muito irregular e já estava perdendo a trilha. Resolvi procurar um lugar plano ali no alto mesmo antes que escurecesse de vez. Parei às 20h53. Altitude de 1324m. Laguna Los Monos 27/02/18 - 2º DIA - de Pampa Frutilla ao Vulcão Casablanca Duração: 10h22 Distância: 16,7km Maior altitude: 1928m Menor altitude: 1182m Dificuldade: alta pois deve-se atravessar o escorial do Vulcão Casablanca sem trilha e com neve Felizmente o dia amanheceu sem nuvens e pude enfim ver onde estava. E era um lugar lindo, com vista para montanhas para todos os lados. As lagoas de Pampa Frutilla estavam a apenas 1,6km de distância. Mas a maior surpresa foi na descida para as lagoas (10h29) encontrar uma outra barraca... num lugar isolado como aquele. E eu pensando que havia dormido sozinho naquele cenário fantasmagórico da neblina da noite anterior. Encontrei os donos da barraca pegando água na Laguna Los Monos, três aventureiros que chegaram um pouco antes de mim e acamparam ali no alto pelos mesmos motivos que eu. Eles estavam pegando a água e fervendo para colocar nos cantis. Dali iriam retornar a Anticura e não conheciam o caminho para o Vulcão Casablanca. Conversamos um pouco e depois eu fui conhecer a Laguna del Bosque, apenas 430m adiante. No caminho vi alguns pezinhos de morango com frutinhas para confirmar o nome do lugar (frutilla é morango em alguns países da América do Sul). Eu coletei água e tratei com pastilha de cloro. Às 12h06 saí das lagunas (altitude de 1211m), subi de volta ao local onde acampei e comecei a retornar pela estradinha. Minha direção hoje seria basicamente sudoeste com algumas variações durante o percurso. No alto tinha vista para o Cerro Tronador a sul-sudeste, vulcão inativo na fronteira com a Argentina e que é bastante visitado a partir de Bariloche. À minha frente (sudoeste) não podia ver o Vulcão Casablanca pois ainda estava atrás das altas colinas de areia vulcânica que eu subiria para me aproximar dele. Desci até a placa "Refugio Viejo a 800m", que marca o início de uma trilha discreta que sai para a esquerda. Dali em diante seria um percurso muito menos usado e havia o risco de ter muita neve nas partes mais altas, o que poderia me obrigar a voltar já que não levava equipamento para neve. Às 13h11 desci pela mata até um campo abaixo perfeito para acampar se tivesse água. Ali estava a 1182m de altitude e iria do ponto mais baixo do dia diretamente ao ponto mais alto. Reentrei no bosque e comecei a subir. E seria uma longa subida. Cerro Pantojo à direita Ao sair do bosque às 13h52 passei a subir pela areia vulcânica, um lugar seco e sem sombra. Essa areia e pedras resultantes da solidificação da lava de erupções vulcânicas são chamadas de escória vulcânica. Os setores cobertos por essa escória são chamados de escorial. Algumas estacas fincadas na areia serviam de orientação, mas eram bem poucas. Aos poucos o Vulcão Puyehue foi surgindo no horizonte ao norte. Passei a caminhar por uma encosta bem inclinada com areia solta em que estava bem difícil se manter em pé. Tive de descer um pouco para tentar encontrar lugar um pouco mais firme para pisar. Essa foi a primeira dificuldade. A segunda viria mais acima pois para atingir a crista dessa grande montanha de areia vulcânica eu teria que vencer uma encosta forrada de neve em quase toda a extensão. Isso em pleno fevereiro, imagine como deve ficar esse caminho no restante do ano! Subi até encontrar a neve às 16h09. Havia pegadas na areia para vários lados. Comecei tentando subir pisando na neve mas a inclinação tornava isso bem arriscado. A solução era subir pelo único trecho onde não havia neve, só areia, porém com uma inclinação muito forte. Mas tinha que ser ali. Fui subindo em zigue-zague porém cheguei num ponto em que a inclinação e a areia solta não me deixavam subir mais, nem escalaminhando. Me aproximei então de uma torre de pedra que havia à esquerda e aos pés dela a subida foi um pouco mais fácil já que havia algumas pedras para se apoiar. Devia ter subido em direção a essa torre de pedra desde o começo. No alto encontrei mais estacas fincadas e pegadas. A recompensa pelo perrengue foi uma vista estonteante para quase todos os lados, com montanhas e vulcões a perder de vista no horizonte. Mas ainda subiria uns morros de areia vulcânica mais, tendo de cruzar uma faixa de neve de cerca de 25m, mas com pouca inclinação e sem risco de escorregar. Às 18h05 finalmente atingi o ponto mais alto e a visão se abriu para oeste. Altitude de 1928m. Agora podia ver os vulcões Puyehue, Puntiagudo, Calbuco, Osorno, Cerro Sarnoso, Cerro Tronador e o Vulcão Casablanca bem ao lado. Também o Lago Constancia, Pampa Frutilla, Cerro Pantojo, Lago Rupanco e todo o trajeto desse dia e do dia anterior pela mata. Uma visão verdadeiramente extraordinária! A descida pela areia foi muito rápida, bastava dar um passo e escorregar vários ladeira abaixo. Continuei descendo pela crista daquelas imensas "dunas" de areia vulcânica seguindo pegadas. Porém mais abaixo, ao alcançar o terreno forrado de capim às 19h57, a trilha desapareceu por completo e segui orientado pelo gps. Quando o sol baixou, avermelhando a encosta do Vulcão Casablanca, tratei de encontrar um lugar plano e com menos pedrinhas para montar a barraca (20h51). Água? Só a dos meus cantis. A única fonte de água desse dia foram as lagunas de Pampa Frutilla. Em caso de necessidade se poderia derreter (e filtrar) a neve encontrada durante a subida. Altitude de 1195m. Vulcões Puntiagudo e Osorno 28/02/18 - 3º DIA - do Vulcão Casablanca a Águas Calientes Duração: 10h28 Distância: 23,1km Maior altitude: 1382m Menor altitude: 468m Dificuldade: média (pela distância) Mais um dia lindo de sol para aproveitar essa paisagem espetacular. Ao sair da barraca tinha os vulcões Puntiagudo, Osorno e Casablanca como pano de fundo para o meu acampamento... ô vida ruim... A parte mais difícil havia passado, como previsto encontrei neve nas partes mais altas no dia anterior mas ela não me impediu de continuar a travessia. Em outras épocas do ano deve-se considerar levar equipamento apropriado, como crampons, raquetes, piolet, etc Comecei a caminhar às 9h39 ainda sem trilha e seguindo o gps. Subi suavemente por aquele escorial coberto de capim baixo na direção de uma colina à direita de um grande buraco que parecia uma cratera. Direção noroeste para ser mais exato. Nessa colina havia um corte que subia da direita para a esquerda. Era o final da estrada que vem da estação de esqui de Antillanca. Ao alcançar uma placa onde se lia "Ingreso Sendero Gaviotas 400m" alcancei também o final da estradinha. Subi por ela no rumo sudoeste deixando o Vulcão Casablanca para trás. No alto às 11h13 uma bifurcação e um painel com mapa das trilhas da região e informações sobre a travessia Anticura-Antillanca, porém eram mais sobre a flora do local. Esse painel tinha o logo do projeto Sendero de Chile. Nessa bifurcação sobe um caminho largo à esquerda que se dirige para o sul e faz a travessia para o Lago Rupanco, uma outra opção de trekking. Mas o meu caminho era para a direita (norte), descendo em direção a Antillanca, já por estrada de rípio transitável. Dali já avistava o Vulcão Antillanca e à direita dele o teleférico da estação de esqui, obviamente parado pois era verão e não havia neve para esquiar. Cratera Raihuen e Vulcão Casablanca Mais abaixo pude ver no fundo do vale o hotel da estação de esqui. Desci mais e numa curva para a esquerda encontrei pessoas visitando a Cratera Raihuen, bem aos pés do Vulcão Casablanca. É uma cratera de fácil visitação pois está ao lado da estradinha e ao nível dela, não é preciso dar nem um passo, chega-se de carro. Mas também não é nada de mais, apenas um campo de escorial coberto de capim e circundado por paredes baixas. Mas ali inicia a trilha de ascensão ao Vulcão Casablanca e isso sim deve ser bem interessante. Porém não estava nos planos dessa travessia. Continuei a descida e 800m abaixo da cratera havia uma outra estradinha saindo para a direita e subindo. Seria o início do meu caminho a Águas Calientes. Mas continuei descendo pela estrada principal pois estava sem água e ia ao hotel pedir para encher os cantis. Porém não precisei ir até lá pois logo após uma curva da estrada entrei num caminho à esquerda e por sorte encontrei um reservatório de água. Eram 12h20 e aproveitei para almoçar. Nessa hora apareceram três gringos com mochila (franceses, suíços, não me lembro) que estavam subindo para acampar na cratera. Eles haviam passado pela guarderia da Conaf ali em Antillanca e o guardaparque disse que a travessia para Águas Calientes estava fechada. Pensei: pronto, lá vou eu partir para a clandestinidade... Eles pegaram água e continuaram. Eu saí logo depois, às 13h11. Já era um pouco tarde e a minha intenção era iniciar e terminar a travessia para Águas Calientes nesse mesmo dia pois não sabia se teria lugar para acampar no meio do caminho. Tinha a informação de que o Refúgio Bertin estava em ruínas e mesmo que não estivesse havia o risco do hantavírus dentro dele. O hantavírus é altamente mortal e há cartazes sobre o seu risco e prevenção por todo o sul do Chile. É transmitido pela urina e fezes dos roedores que se alojam em casas e galpões que ficam fechados por muito tempo. A recomendação é nunca dormir dentro de lugares fechados pelo risco de inalar o ar contaminado pelos dejetos com o vírus. Por isso não se deve trocar nunca a barraca por refúgios, casas e galpões fechados no meio da mata. Estação de esqui de Antillanca com o Vulcão Antillanca ao fundo Eu subi a estrada de volta para pegar aquela estradinha que saía para a esquerda (direita quando desci). Mas alcancei os gringos e eles me chamaram a atenção para um outro caminho, mais abaixo, onde havia uma placa. Era algo incerto e eu não podia perder tempo se quisesse chegar a Águas Calientes ainda nesse dia. Resolvi arriscar esse outro caminho e desci até a placa para ver o que estava escrito. E estava escrito apenas "Variante Joel Campos", não esclarecia nada. Entrei nessa trilha mesmo assim, às 13h47. Desci um pouco e logo estava caminhando por trilha bem marcada pela encosta de areia vulcânica do Vulcão Antillanca (que contornei da extremidade sul à norte). Havia estacas com cores azul e vermelho e também fitas azuis e amarelas. A subida foi gradativa e à minha esquerda vai se ampliando a visão de um grande vale. Até que às 14h45 a visão se abriu para noroeste para o Lago Puyehue e a trilha deu uma guinada para nordeste para subir a uma crista. Nessa crista atingi o ponto mais alto do dia, 1382m. Do alto podia avistar (pela última vez) os vulcões Puyehue, Osorno, Puntiagudo, Cerro Sarnoso, Cerro Tronador, Lago Rupanco e Lago Puyehue. Continuei pela crista contornando o vulcão no sentido horário até que avistei no alto o final do teleférico. As estacas continuavam crista acima na direção dele mas era o momento de eu baixar à esquerda para entrar no bosque. Uma grande seta feita de pedras no chão me deu a deixa para abandonar a crista e iniciar a descida em direção às árvores abaixo. As estacas continuavam crista acima porque seria uma outra variante de acesso a esse ponto, aliás devia ser o caminho que inicialmente eu tinha a idéia de tomar (aquela estradinha que saía da principal). Desci então a encosta de areia e caminhei em direção ao bosque. A entrada nele estava sinalizada por uma estaca vermelha com um círculo amarelo no alto, difícil não ver. Eram 16h08 e precisava apertar o passo pois tinha muito chão para chegar a Águas Calientes. A trilha desceu em zigue-zague e foram aparecendo diversos pontos de água, felizmente acabou a dificuldade de caminhar por areia vulcânica e sem água. Ao final do zigue-zague a trilha tomou a direção oeste e basicamente ia se manter na direção oeste e noroeste até Águas Calientes. Lago Bertin Às 17h13 uma placa sinalizava o Lago Bertin 20 minutos à direita. Não podia deixar de conhecer. Entrei nessa trilha e em apenas 9 minutos estava no lago. Um lugar muito bonito, rendeu boas fotos. Havia uma placa de "refúgio" no chão junto ao lago mas os restos dele estavam na verdade perto do início dessa trilha. Às 17h55 estava de volta à trilha principal e continuei em passo rápido. Às 19h me deparei com uma ponte em muito mau estado e passei com bastante cuidado. Outras pontes surgiram mas estas estavam em ótimo estado, sem risco, e a água era acessível. Às 19h40 a trilha desembocou numa estradinha de rípio. Começaram a aparecer chalés à direita, já estava chegando a Águas Calientes. Até que uma placa confirmou a minha clandestinidade: "Sendero cerrado temporalmente por peligro de incendios forestales - no ingrese". A estradinha terminou numa curva da estrada principal que vai de Águas Calientes a Antillanca (U-485) às 19h48. Altitude de 475m. Ali segui em frente (à direita nessa curva) seguindo a placa de "Osorno". Parei na entrada do camping e fui informado por uma família que o sítio custava a "bagatela" de CLP 28000 (R$ 150) !!! Aqui a concessionária cobra por sítio também, como em Anticura, porém o valor é absurdo para quem está sozinho e não encontra alguém para dividir o sítio (aceitam até 8 pessoas num sítio). Confirmei os preços pela tabela fixada na parede da casinha na entrada. Águas Calientes é uma estação termal superturística, por isso a concessionária coloca esse preço fora do normal. Eu não pensei duas vezes: voltei pela trilha por onde vim algumas centenas de metros e acampei selvagem numa clareira que encontrei. Altitude de 484m. Laguna El Espejo 01/03/18 - Conhecendo o setor Águas Calientes do Parque Nacional Puyehue Desmontei acampamento e fui ao Centro de Informação Ambiental pegar informações sobre as trilhas desse setor. O solícito guardaparque me deu todas as informações de que precisava e permitiu que eu deixasse a cargueira ali para percorrer as trilhas. Há uma grande maquete do parque com as trilhas desenhadas e vários painéis destacando a flora, fauna e geologia da região. Às 10h54 comecei pela trilha El Pionero que sobe a um mirante a 667m de altitude (228m de desnível) e tem 3km de ida e volta. As nuvens baixas não me deixaram ver toda a paisagem, mal podia ver o Lago Puyehue a noroeste. Dali se pode ver num dia limpo o Vulcão Antillanca. Continuei pelo mesmo caminho e desci até a Laguna El Espejo, mais 3km ida e volta, porém por uma trilha um pouco fechada pela vegetação, principalmente bambuzinhos. A laguna é parcialmente coberta por ninféias e fica na estrada Antillanca-Águas Calientes. Voltei pelo mesmo caminho e às 13h56 entrei na trilha El Recodo, de apenas 400m, mas que emenda com a Trilha Rápidos de Chanleufu junto à ponte. Esta tem 1,5km de ida e volta à ponte, é paralela ao Rio Chanleufu e termina numa cachoeira. A volta pode ser por uma variante. Às margens do Rio Chanleufu há algumas poças de água quente onde se banham as pessoas que não querem pagar para entrar nas piscinas. Mas são poças rasas e barrentas, não muito convidativas. Às 15h43 estava de volta à guarderia para pegar minha mochila. O ônibus para Osorno para bem em frente porém não é tão frequente quanto o guardaparque disse. Informações adicionais: Ônibus de Osorno a Anticura (empresa D&R): Osorno-Anticura: seg a dom - 17h Anticura-Osorno: seg a sex - 7h30 sáb e dom - 9h Preço da passagem: CLP 1600 (R$8,55) O preço do camping de Anticura é cobrado por sítio e custa CLP 15000 (R$80). O preço do camping de Águas Calientes é cobrado por sítio (máximo de 8 pessoas) e custa: . temporada alta: CLP 28000 (R$150) até 4 pessoas (pessoa adicional CLP 6000 (R$32)) . temporada média: CLP 25000 (R$134) até 4 pessoas (pessoa adicional CLP 5000 (R$27)) O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago março/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  23. Vulcão Lonquimay e Cratera Navidad Início: localidade de Los Pinitos Final: portaria Malalcahuello da Reserva Malalcahuello-Nalcas Duração: 5 dias Distância: 90,7km Maior altitude: 1883m Menor altitude: 915m Dificuldade: média (para quem está acostumado a trekkings longos) O Vulcão Lonquimay, seu escorial (sua extensa área de pedras e areia vulcânicas resultante de erupções) e os bosques ao redor estão protegidos por duas reservas florestais contíguas administradas pela Conaf, órgão florestal oficial do Chile. São elas a Reserva Nacional Malalcahuello (ao sul do vulcão) e a Reserva Nacional Nalcas (ao norte). A Conaf mantém as trilhas, a sinalização e eventualmente fecha algumas delas se há incêndio florestal ou alto risco de haver algum. O circuito ao redor do Lonquimay é uma das 31 caminhadas descritas no guia Trekking in the Patagonian Andes da editora Lonely Planet, a bíblia do trekking na Patagônia chilena e argentina (bem como em regiões um pouco mais ao norte). No caso do Lonquimay a região é a Araucanía, de número IX (as regiões no Chile têm nome e número). Esse guia teve sua última edição em 2009, já há muito tempo, porém trilheiros experientes têm retomado essa pernada nos últimos anos e deixado seus preciosos e detalhados relatos como atualização das informações do guia. Entre eles nossos colegas Renato Oliveira e Peter Tofte. Baseado na experiência dos colegas (que se depararam com a proibição de acampamento nessa reserva e o fechamento de algumas trilhas) e sabendo que a Conaf já estava fechando outras reservas pelo risco de incêndio florestal, eu desenhei um percurso que não entrava pelas portarias oficiais do parque, no máximo saía por elas. Se eu encontrasse algum guardaparque diria que não sabia do eventual fechamento da trilha. Portanto, assim como os colegas, seria mais um clandestino a caminhar pela reserva... Infração? Não encaro assim pois jamais faço fogueira durante uma caminhada, com certeza não seria eu o responsável por algum problema sério ali. Eu deveria apenas ficar atento a possíveis fumaças e focos de incêndio, o que me faria desviar ou retornar. Com a decisão de não entrar pelas portarias do parque não tive nenhuma informação concreta sobre a situação das trilhas e dos acampamentos ao longo do percurso. E ao final tive uma surpresa... Vulcão Lonquimay 24/03/18 - 1º DIA - de Los Pinitos aos pés do Vulcão Lonquimay Duração: 2h26 (já descontadas duas paradas longas) Distância: 8,5km Maior altitude: 1552m Menor altitude: 957m Dificuldade: baixa No Terminal Rural de Temuco tomei o micro-ônibus das 11h para Curacautín (ver horários abaixo em Informações Adicionais). Foram 2h até o terminal de Curacautín, onde peguei o ônibus das 13h30 para Lonquimay com a intenção de saltar na parada Los Pinitos, na rodovia 181 (rodovia que cruza a fronteira com a Argentina pelo Passo Pino Hachado). Acontece que eu dei uma "pescada" maior que devia e quando me dei conta já estava chegando a Malalcahuello. Pedi para descer imediatamente e voltei caminhando pela estrada. Com isso iniciei a caminhada na parada Los Pinitos somente às 14h43. Curioso é que nesse trecho de asfalto um senhor numa camionete parou e me ofereceu carona, sem eu pedir e sem ver a minha cara já que eu estava caminhando de costas para ele. Às vezes a carona no Chile vem até de forma inesperada... Entrei na estrada de rípio ao lado da parada de ônibus já com visão do Vulcão Lonquimay ao fundo, na direção norte. Altitude de 957m. Parei para um lanche numa boa sombra ao lado da estrada e quando retomei a caminhada me deparei com uma porteira às 15h39. Não estava trancada e não havia aviso de entrada proibida, então continuei. Passei por algumas casas mas não vi ninguém. Fui à esquerda numa bifurcação logo após uma casa (seria a última) e a estrada ficou mais precária. Cruzei uma porteira de arame farpado e fui em frente num cruzamento de caminhos. Às 16h08 cheguei à porteira da reserva com placa de bienvenido e um mapa me informando que estava no Sendero El Coloradito, com marcação feita por balizas amarelas. Araucárias Nessa clareira dos letreiros fui para a direita seguindo as estacas amarelas, ainda por um caminho largo. Havia setas nas bifurcações também, sinalização muito boa. Às 17h parei para pegar água num riacho que corria à direita pois não sabia se haveria acima e logo iria parar para acampar. Quando descansava perto do riacho passou um sujeito de uniforme numa moto. Pensei que fosse um guardaparque em ronda e o meu plano estava indo por água abaixo logo no início. Mas ele apenas assobiou e foi embora. Depois vi pelas placas que motos são proibidas na reserva, então não podia ser um guardaparque e era o sujeito quem estava fazendo algo errado. Na continuação às 18h38 subi por um bonito bosque de araucárias e outras espécies características da região como lengas e coigües. Aliás as lindas araucárias seriam minhas parceiras constantes nessa aventura e nem era preciso levantar a cabeça para notar a sua presença pois os pinhões no chão já me davam o aviso de que eu estava passando por baixo delas. Ao final do bosque a visão se abriu para o norte e pude fotografar o Vulcão Lonquimay bem mais perto. Cerca de 330m após sair do bosque alcanço às 18h55 o cruzamento desta trilha Coloradito (amarela) com a trilha Laguna Blanca (laranja). A trilha Coloradito (amarela) segue para o centro de esqui e será o meu caminho de volta. Nesse momento quebrei à esquerda e peguei a trilha laranja. A visão mais espetacular era do Lonquimay mas no horizonte também chamavam a atenção o Vulcão Llaima e a Serra Nevada, estes no Parque Nacional Conguillío. Pela proximidade com o vulcão o terreno ali era de areia vulcânica (formada de pedrinhas) e já estava me arrependendo de não ter acampado no gramado plano ao lado da água onde parei (olha a dica!). Subi um pouco mais pela trilha laranja e fui à esquerda numa bifurcação em que a sinalização apontava para a direita (19h25) para tentar encontrar um terreno mais plano e limpo. E encontrei 200m adiante. Observei ainda que essa trilha continuava mas não a explorei. Altitude de 1552m. Vulcão Llaima 25/03/18 - 2º DIA - dos pés do Vulcão Lonquimay ao Estero Laguna Verde Duração: 7h40 Distância: 15,8km Maior altitude: 1868m Menor altitude: 1552m Dificuldade: média (há pouco desnível mas o lugar é árido) A temperatura mínima da noite foi -0,6ºC. Às 8h30 fazia 5ºC. Saí da barraca de manhã pisando na terra congelada. Felizmente amanheceu mais um dia lindo de céu limpo. Levantei acampamento tardíssimo e voltei 200m até a última bifurcação sinalizada (onde saí do trajeto da travessia), seguindo para a esquerda. Ali às 10h49 iniciei uma subida em que tive o primeiro (e ainda discreto) contato com o escorial do Lonquimay. Às 11h08 alcancei o Passo Huamachuco (1712m de altitude), à direita do cerro (colina) de mesmo nome, e o panorama à frente era bem árido, de muita pedra, areia vulcânica e nenhuma sombra no caminho. Mas eu já sabia pelos relatos e fotos dos colegas que enfrentaria esse tipo de terreno e que sombra seria um presente que eu teria somente em alguns trechos da caminhada. Nesse Passo Huamachuco saio da área da Reserva Malalcahuello e somente na confluência da trilha laranja (Sendero Laguna Blanca) com a trilha lilás (Sendero Tolhuaca) é que entrarei na Reserva Nacional Nalcas. Esse trecho intermediário, apesar da sinalização feita pela Conaf, não está na área de nenhuma das duas reservas. Desci do passo e cruzei esse escorial ainda com visão no horizonte ao sul do Llaima e da Serra Nevada. Ao meu redor observei as formas curiosas das pedras resultantes da lava solidificada. Mas percebi logo que era complicado parar ali ou colocar a mochila no chão pela enorme quantidade de formigas, que logo invadiam tudo. Outra coisa estranha é que o solo era instável em alguns lugares e o pé afundava ao pisar, às vezes até o alto da bota, entrando areia nela. Aos poucos as gramíneas foram rareando e a subida ao Passo Pancutra foi na pura areia vulcânica e depois entre a lava petrificada. Alcancei o passo, de 1768m de altitude, às 12h57, e tive a primeira visão do majestoso Vulcão Tolhuaca, também coberto de neve. No caminho um escorial de pedras enorme que eu torcia em não ter que atravessar... doce ilusão. O nome desse passo consta no guia Lonely Planet mas não está nos mapas da Conaf. A descida do passo foi em direção a um bosque e aproveitei a sombra das primeiras araucárias para almoçar. Parei das 13h08 às 13h57. Na sequência a trilha desceu um pouco mais e entrou na borda do bosque. Às 14h13 encontrei um lugar plano em meio às árvores onde caberiam duas barracas. Água gotejava numa parede 30m à esquerda da trilha. É a primeira água desde o riacho da tarde anterior e ainda demoraria para aparecer outra, portanto é recomendável ter paciência e completar os cantis. Vulcão Lonquimay e seu escorial Às 14h26 a moleza acabou: a trilha saía do bosque e entrava diretamente no escorial. Por mais de duas horas seria uma caminhada entre a lava vulcânica solidificada em forma de pedras ásperas e até cortantes, grande parte em subida pela areia vulcânica, sem nenhuma sombra. Um lugar muito seco, uma paisagem quase lunar. Eu seguia a sinalização laranja de estacas e pedras pintadas da Conaf para avançar pelo caminho mais fácil no meio daquela pedreira toda. Sentar para descansar era difícil por causa das formigas. Interessante é ver o Vulcão Lonquimay mudando de forma, desde a face sul no Passo Huamachuco até a face norte ao final dessa trilha laranja. A Laguna Blanca estava a noroeste mas não era possível vê-la escondida bem abaixo. Depois da pedreira o caminho foi se tornando mais fácil por campo mais aberto e às 16h57 alcancei uma estrada de terra. Altitude de 1764m. Era o final da trilha Laguna Blanca (laranja) e início da trilha Tolhuaca, de cor lilás. Nesse ponto estava entrando na Reserva Nacional Nalcas. Fui para a direita pela estrada e parei um pouco abaixo para descansar. Quando olhei para cima havia uma camionete. Pensei que poderia ser da Conaf... mas logo deu meia volta e foi embora. É que essa estrada vem da rodovia 181 e passa pela Laguna Blanca. Notei que algumas pessoas percorrem esse trecho de carro como passeio. Na descida pela estrada fiquei impressionado com o escorial alto de pedras amontoadas bem à direita, junto à estrada (mas o que eu veria dois dias depois seria muito mais impressionante). Cruzei três riachinhos, as primeiras fontes boas de água deste dia. Mais à frente a paisagem se abre à direita para um incrível vale todo coberto pelo escorial. Me deparei com outra camionete e em seguida com a família que estava passeando por ali. A camionete estava parada ali por causa de dois deslizamentos na estradinha que impediam a passagem de carros, ou seja, dali em diante deveria voltar a ficar isolado. Voltando a caminhar em meio às árvores, me chamou a atenção uma enorme araucária com galhos grossos como se fossem novas árvores saindo do grande tronco principal, algo que nunca tinha visto. Depois apareceriam mais algumas como essa. E às 18h30 finalmente alcanço o Estero Laguna Verde, boa fonte de água com um gramado limpo e razoavelmente plano para a barraca um pouco antes. Altitude de 1601m. Vulcão Tolhuaca 26/03/18 - 3º DIA - do Estero Laguna Verde ao Rio Lolco Duração: 8h20 Distância: 18,4km Maior altitude: 1623m Menor altitude: 915m Dificuldade: baixa pois a maior parte do percurso é descida A temperatura mínima da noite foi 1,1ºC. Às 8h30 fazia 2ºC. Felizmente mais um dia de muito sol. Nesse dia eu caminharia por um terreno bem mais amigável, com bosques e várias fontes de água. Comecei a caminhar bem tarde de novo, às 10h50. Cruzei o Estero Laguna Verde (na verdade dois riachos paralelos) e continuei pela estradinha. Para trás tinha visão do Vulcão Tolhuaca e à direita do Lonquimay. Depois avistei a Laguna Verde, porém muito abaixo e aparentemente sem acesso. Às 11h50 um vale enorme e verdejante se abriu à esquerda e acima dele uma visão espetacular do Vulcão Tolhuaca com uma linda cachoeira resultante do degelo. À frente, bem distante, o Vulcão Callaqui. Caminho agora pela encosta direita desse vale enorme, que segundo o mapa é do Rio Nalcas. Depois de dois pontos de água, a estradinha já era uma trilha. Às 13h34 uma placa indica a continuação do Sendero Tolhuaca por uma trilha que sobe à direita e entra na mata, enquanto a trilha por onde vim desce numa curva à esquerda para o fundo do vale. E assim vou cruzando bosques, fontes de água e bons locais de acampamento até que às 16h40 desviei alguns metros à esquerda da trilha para conhecer a Laguna Uribe, pequena e quase seca. Não há placa na trilha principal indicando a existência da lagoa. Nesse trecho da caminhada pude observar bem a chegada do outono pois as folhas já estavam avermelhando, ficando com cor de ferrugem. Uma mudança de paisagem muito bonita. Depois de descer bastante cheguei às 17h13 a um riacho com pinguela. Apenas 90m depois dele havia ótimos lugares para acampar, mas eu continuei pois tinha a intenção de passar pela guarderia do Rio Lolco após 18h e ter menor risco de encontrar algum guardaparque. Passei por mais três fontes de água mas a segunda era na área de uma fazenda com gado que apareceu à esquerda. Às 18h39 alcancei uma estradinha e fui para a esquerda. À direita talvez seja o caminho para o Cerro Mocho Chico, não tenho certeza. Cinco minutos depois passei por uma casa à esquerda. Como havia cavalos e cachorros pensei que fosse uma casa particular, sede da fazenda de gado. Os homens estavam ocupados e não me falaram nada (devem ter me visto pois os cachorros latiram). O gps indicava a guarderia do Rio Lolco mais adiante, onde encontrei apenas um grande curral. Só 1,6km depois da casa é que percebi por uma placa que era ali mesmo a guarderia. Às 19h10 cruzei uma ponte e encontrei um ótimo gramadão para acampar, exatamente onde a estrada fazia uma curva fechada à direita. Havia água corrente porém muitas vacas. Ainda estava dentro da área da Reserva Nacional Nalcas. Altitude de 915m. Laguna Esmeralda 27/03/18 - 4º DIA - do Rio Lolco a Corralco com subida da Cratera Navidad Duração: 7h08 (com carona) Distância: 30,6km (com carona e subida da Cratera Navidad) Maior altitude: 1883m Menor altitude: 915m Dificuldade: para quem for fazer tudo a pé a dificuldade é alta pois a estrada sobe muito e o lugar tem pouca água A temperatura mínima foi -2,4ºC registrada às 8h05 da manhã. A barraca amanheceu congelada e tive de estendê-la um tempo ao sol para não colocá-la na mochila toda molhada. Voltei a caminhar pela estradinha às 10h43 e 350m à frente encontrei a placa de bienvenido à reserva, um mapa, uma ponte de madeira com porteira de ferro trancada e uma placa de "cierre preventivo y temporal del área - riesgo de incendio", o que me confirmava que eu havia feito a trilha Tolhuaca desde ontem como clandestino. Passei por uma tronqueira à direita da porteira de ferro saindo da reserva e ganhando uma estrada reta e cercada nos dois lados que desembocou na estrada principal de terra. Ali minha sorte estava lançada para conseguir uma sonhada carona pois teria uma estrada de 20km pela frente (até a Cratera Navidad) e não estava a fim de andar tudo isso por uma estrada seca, com pouca sombra e muita subida. Fui para a direita na estrada, passei por duas fontes de água e... apareceu a tão esperada carona! Mal fiz sinal e a camionete parou. Eram dois caras que estavam a trabalho. Às 11h50 cruzamos uma porteira e reentrei na Reserva Nacional Nalcas muito próximo de onde fica a trilha para o Salto La Holandesa, que queria muito conhecer porém não podia perder essa carona já que passam pouquíssimos carros nessa estrada. Vulcão Tolhuaca e o enorme escorial E daí em diante eu comecei a ter idéia da dimensão do escorial do Vulcão Lonquimay. É algo impressionante, nunca tinha visto nada igual. A lava petrificou numa área enorme e a estrada passa bem ao lado. O que se vê é uma parede assustadora de pedras que parece desabar sobre a estradinha. É preciso bastante cuidado ao dirigir nesse lugar. A Laguna Escorial também impressiona pela quantidade de árvores mortas com os galhos brancos acima da superfície da água. E aí a estrada começa a subir, subir, subir, com visão dos vulcões Lonquimay e Tolhuaca no horizonte e aquele "mar" de lava petrificada abaixo. Nessa subida longa, árida, poeirenta e exposta ao sol lembrei do relato do Peter, que não conseguiu carona e enfrentou, junto com o Ramon e a Paula, tudo aquilo na pernada. Às 12h18 passamos por um mirante em forma de plataforma à direita e no ponto mais alto da estrada (1843m) comecei a avistar a Cratera Navidad e sua trilha de subida, o que me pareceu bem difícil pela inclinação. Cinco minutos depois da plataforma saltei da camionete para subir a cratera. Já podia dispensar a abençoada carona pois estava próximo de Corralco e até lá seria só descida. Eles me deixaram bem no início da trilha para a cratera num local indicado no gps como sendo o limite entre as reservas Nalcas e Malalcahuello. Dali segui as estacas azuis e desci a uma baixada antes de iniciar a ascensão propriamente dita. O lugar ali parece outro planeta, totalmente sem árvores ou plantas, somente areia vulcânica e pedras, nada de água. Às 13h06 deixei a mochila próximo ao início da ladeira e comecei a subir. Cruzei com dois caras descendo e um deles me ofereceu o seu cajado, o que foi muito bem-vindo pois a subida pela terra solta e pedras era um passo para cima e dois para baixo. Às 13h30 alcancei a beirada da cratera. O que se vê é um grande buraco de areia e pedras com dois "olhos", dois buracos mais fundos e escuros. A última erupção do Lonquimay ocorreu em 1988 através dessa cratera. Como era 25 de dezembro ela foi batizada de Navidad (Natal, em espanhol). Dei a volta completa ao redor da cratera e a visão do escorial imenso abaixo continuava impressionante. O vulcão Lonquimay obviamente está bem ao lado, a noroeste o Tolhuaca e distante os vulcões Callaqui (norte) e Copahue (nordeste). A altitude no ponto mais alto da cratera é de 1883m. Cratera Navidad Às 14h26 iniciei a descida, resgatei a mochila e subi de volta à estrada por uma trilha que me levou um pouco mais ao norte. Ainda caminhei pela estrada voltando um pouco mais (direção norte) para fotografar o Vulcão Lonquimay com a cratera na frente, tal como havia visto da janela da camionete. Agora era descer a estrada seca e poeirenta de rípio até Corralco e procurar um lugar para acampar. Às 16h30 passei de novo pelo início sinalizado da trilha para a Cratera Navidad e era muito bonita a visão do Vulcão Llaima ao fundo. Mais abaixo comecei a visualizar as estações de esqui com seus teleféricos no meio da areia vulcânica e o Hotel Valle Corralco já na borda do bosque onde predominam as araucárias. Às 17h27 a estrada de rípio desembocou numa estrada de asfalto. À direita o asfalto terminava e era rípio também até as estações de esqui. À esquerda a estrada descia em asfalto a Corralco e à rodovia 181. Fui para a esquerda, mas procurava uma sombra para descansar e comer alguma coisa. Entrei então no bosque de araucária à direita da estrada que deve pertencer ao Hotel Valle Corralco. Eu queria evitar o encontro com qualquer funcionário do parque para não ter de dar explicações de onde eu vinha e por onde estava caminhando, como aconteceu com o Peter. Então pensei em descansar um pouco ali e passar pela portaria Corralco só depois das 18h como fez o Renato. A partir da portaria retomaria a trilha amarela, aquela do primeiro dia da caminhada, para me levar de volta à bifurcação com a trilha laranja e dali descer a Malalcahuello. Mas olhando o gps vi que a trilha amarela passava a 500m dali onde eu estava. Resolvi procurá-la. Não havia trilha nesse bosque de araucárias mas o avanço era bem fácil, sem nenhuma mata fechada impedindo. Com isso, encontrei a trilha amarela sem nenhuma dificuldade, o que me poria no caminho de volta no dia seguinte sem ter de passar pela portaria Corralco. Aproveitei para fotografar uma "araucária milenária" que havia ali. Mas onde passar a noite? Ali mesmo no bosque encontrei um lugar plano para a barraca, só tive de limpá-lo de pedras e gravetos. Fora do bosque o terreno era mais pedregoso e eu estaria mais exposto. Altitude de 1421m. Araucária milenária 28/03/18 - 5º DIA - de Corralco a Malalcahuello Duração: 6h48 Distância: 17,4km Maior altitude: 1796m Menor altitude: 954m Dificuldade: média pois há bastante subida A temperatura mínima da noite foi 2,2ºC. Às 8h fazia 12ºC, bem "quente" em comparação com os dias anteriores. Saí do acampamento às 9h08 e refiz o caminho até a trilha amarela (Sendero El Coloradito). Nele tomei a direita, me afastando do bosque de araucárias e passando a caminhar por areia vulcânica na direção do Vulcão Lonquimay (noroeste), que hoje estava encoberto pela primeira vez. As estacas amarelas me davam a direção, com o limite da floresta e uma vala profunda à minha esquerda. Essa vala escavava a terra da beirada da floresta causando o desabamento de algumas árvores grandes. À minha direita podia ver (e ser visto) o Hotel Valle Corralco e as estações de esqui, bem como a estrada por onde desci no dia anterior. Eu às vezes afundava o pé quase todo na areia, como acontecia no segundo dia de caminhada. A subida suave inicial foi se tornando mais inclinada em direção ao selado entre o Cerro Colorado (esq) e o Lonquimay (dir). Nessa subida vi que havia água corrente abaixo à esquerda, mas não desci para pegar. Atingi o Passo Colorado, de 1796m de altitude, às 10h22 e a visão para o outro lado era familiar: o local onde acampei na primeira noite e a subida ao Passo Huamachuco que encarei no início do segundo dia. Mas como decidi terminar a caminhada pela trilha Piedra Santa ainda faltava muito chão para caminhar. Desci do passo caminhando ainda pela areia vulcânica e alcancei o cruzamento da trilha amarela (Sendero Coloradito) com a trilha laranja (Sendero Laguna Blanca) às 10h54. Altitude de 1486m. Nesse cruzamento, na subida do primeiro dia, fui para a esquerda para entrar no Sendero Laguna Blanca. Agora descendo tomei a esquerda também, porém em sentido oposto pela mesma trilha Laguna Blanca (mais adiante ela se transforma em Sendero Piedra Santa, de cor azul celeste). Esse caminho me levaria à portaria Malalcahuello e, ao contrário do que eu imaginava, é longo, tem várias subidas e pouquíssima água. Mas felizmente tem bastante árvore. Araucária com galhos grossos como troncos Às 11h24 parei num riacho com ponte de madeira para fazer um lanche (não sabia que demoraria muito a aparecer outra água corrente e abundante como essa de novo). Às 12h04 apareceu um gramadão à direita onde caberiam muitas barracas (parece que há água nos arredores mas não procurei). Na subida seguinte observei que era possível avistar no horizonte não só o Passo Huamachuco como também o Passo Pancutra, ambos do segundo dia. Mas não era possível ver mais distante pela neblina que insistia em permanecer. Esse caminho está repleto de araucárias e o tronco de várias delas lembram não as araucárias brasileiras mas sim as árvores de tronco ressecado do nosso cerrado, cheio de gomos. Para quem imaginava que ia ser só descida até a rodovia, tal como no Sendero El Coloradito, me enganei totalmente. Esse caminho subiu acima dos 1700m de altitude por duas vezes antes de iniciar a descida. Haja perna! Nessa caminhada por cristas avistei em certo momento a rodovia 181 passando lá embaixo com casas ao longo. Às 13h19 cheguei a uma placa que informava o final do Sendero Laguna Blanca (laranja) e início do Sendero Piedra Santa (celeste). O caminho é o mesmo, não há nenhuma bifurcação que marque esses limites. O que muda é que a trilha celeste se interna de vez na mata e é praticamente só descida. Às 14h16 passei pelo primeiro mirante-plataforma com vista e texto sobre o Rio Cautín que corre bem abaixo no fundo do vale. A mata foi se tornando mais densa e comecei a notar as enormes árvores com troncos muito grossos bem ao lado da trilha. Às 15h o segundo mirante-plataforma com vista para o vale do Rio Coloradito, por onde subi no primeiro dia (a neblina não me deixou ver o Vulcão Lonquimay). Às 15h27 passei por um gramado à esquerda com espaço para várias barracas e água fácil ao lado, mas não creio que a Conaf permita acampar ali e estava a apenas 1,2km da administração. Cinco minutos depois outra fonte de água e mais 2 minutos fui à esquerda numa bifurcação com um mapa da reserva. Às 15h40 passei por um galpão à direita e finalmente às 15h56 cheguei à portaria Malalcahuello. Altitude de 954m. Se quisesse poderia ter saído sem ninguém me notar, mas queria saber se poderia acampar ali para fazer as trilhas mais curtas El Raleo, Las Araucarias e 3 Arroyos. A garota que me recebeu disse que essas trilhas estavam fechadas por falta de manutenção e que todas as outras estavam abertas, inclusive o circuito ao redor do vulcão! E que era permitido acampar em qualquer lugar ao longo do circuito... e aquela placa de "cierre preventivo y temporal del área - riesgo de incendio" que vi na portaria Rio Lolco? Ela tinha uma tabela com todos os horários de ônibus e vi que já ia passar um diretamente a Temuco, então não estendi mais a conversa e tratei de correr para o ponto para pegar o ônibus, que passou exatamente no horário (16h15). Dali foram 40min até Curacautín e mais 2h até Temuco. Vulcão Lonquimay Informações adicionais: Ônibus de Temuco a Lonquimay passando por Malalcahuello: . saindo do/indo para o Terminal Buses Bio Bio em Temuco: ver horários atualizados em www.busesbiobio.cl . saindo do Terminal Rural em Temuco: seg a dom: 7h30, 15h55, 18h25 Ônibus de Temuco a Curacautín: Temuco-Curacautín: . saindo do Terminal Buses Bio Bio em Temuco: ver horários atualizados em www.busesbiobio.cl . saindo do Terminal Rural em Temuco: seg a sáb: a cada 30min/1h das 6h25 às 21h dom e feriados: 8h, 10h, 13h, 14h30, 17h, 19h, 21h . saindo do Terminal Rodoviário de Temuco: seg a sex: 6h45, 7h25, 9h, 13h50, 15h40, 16h, 17h, 17h20, 18h25, 19h30, 20h sáb: 6h45, 9h, 13h50, 16h, 18h25, 19h25, 20h dom e feriados: 9h, 11h, 11h50, 15h30, 16h30, 18h, 20h10 Curacautín-Temuco: . indo para o Terminal Buses Bio Bio em Temuco: ver horários atualizados em www.busesbiobio.cl . indo para o Terminal Rural em Temuco: seg a sáb: a cada 15min/30min das 5h45 às 20h30 dom e feriados: 8h, 11h, 12h, 16h, 17h Ônibus de Curacautín a Lonquimay passando por Malalcahuello: Curacautín-Malalcahuello: seg a sex: 8h, 10h, 12h, 14h, 16h, 17h55 sáb: 8h, 10h, 12h, 14h, 17h55 dom e feriados: 10h, 17h55 (ver mais horários em www.busesbiobio.cl) Malalcahuello-Curacautín: seg a sáb: 7h, 7h45, 9h30, 10h, 12h15, 15h30, 15h40, 18h15, 19h50 dom e feriados: 9h15, 13h, 17h, 18h30, 19h50 (ver mais horários em www.busesbiobio.cl) Nome, cor e trajeto das trilhas que percorri: . Sendero Coloradito - amarelo - porteira Los Pinitos à portaria Corralco . Sendero Laguna Blanca - laranja - placa no final da trilha celeste ao início da trilha lilás (pés do vulcão Tolhuaca) . Sendero Tolhuaca - lilás - final da trilha laranja (pés do vulcão Tolhuaca) ao Rio Lolco . Sendero Piedra Santa - celeste - portaria Malalcahuello à placa no início da trilha laranja O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago março/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  24. Vulcão Descabezado Grande ao fundo Início: 4km além do acampamento 6 da Reserva Altos de Lircay Final: povoado de Radal Duração: 2 dias Distância: 34,7km Maior altitude: 2210m Menor altitude: 639m Dificuldade: média Esta é a segunda parte da travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay - Reserva Radal Siete Tazas que durou no total cinco dias. A primeira parte está em https://www.mochileiros.com/topic/74545-travessia-parque-tricahue-reserva-altos-de-lircay-chile-abr2018. Os três parques citados situam-se na região de Maule, no Chile, próximos às cidades de Molina e Talca, cerca de 215km e 270km ao sul de Santiago respectivamente. Eles não chegam a ter área contígua mas a proximidade é tão grande que me inspirou a querer cruzar os três num único trekking. 04/04/18 - 4º DIA - Travessia Reserva Altos de Lircay - Reserva Radal Siete Tazas - trilha bem marcada mas nenhuma sinalização Início: 4km além do acampamento 6 da Reserva Altos de Lircay Final: acampamento El Bolsón da Reserva Radal Siete Tazas Duração: 9h25 Distância: 14,8km Maior altitude: 2210m Menor altitude: 1635m Dificuldade: fácil A temperatura mínima da noite foi de -0,1ºC. Saí da barraca às 8h com 0,2ºC. Deixei o local de acampamento às 9h25 e logo após uma suave subida entrei num amplo vale onde encontrei o lugar que procurava na tarde anterior para acampar: uma infinidade de gramados planos ao lado de água boa e fácil. Se tivesse andado mais alguns metros... Água boa eu só encontraria novamente ao final desse dia, já chegando ao acampamento El Bolsón. Cordón del Guamparo A trilha me levou para o fundo desse vale, diretamente em direção aos belos paredões do Cordón del Guamparo. Após uma curta subida (na qual os paredões do cordón se mostram ainda mais bonitos) a trilha bifurcou às 10h58. Segundo o gps os dois lados estariam corretos, seriam apenas variantes, mas a trilha da direita (descendo) ganhou um pasto e começaram a aparecer trilhas de gado para todos os lados, me desviando do caminho certo. Voltei à bifurcação e tomei o lado da esquerda (direita na volta), que subiu, subiu e alcançou o alto exatamente onde havia outra bifurcação (também sem sinalização). Segundo o gps o lado da esquerda leva a uma tal Laguna Colorada (entre outros destinos), então fui para a direita na direção de um chapadão. Agora caminho sobre os paredões da extremidade leste do Cordón del Guamparo. Perdi a trilha por alguns metros mas a reencontrei bem marcada mais à esquerda. Um bonito gavião procurava comida entre as pedras e pude me aproximar um pouco para fotografá-lo. No final da subida, às 12h53, passei próximo a uma estrutura de ferro já meio tombada e sem uso. A trilha desceu e se alargou numa estrada abandonada, a qual subiu e desceu em direção a um gramadão. Aqui o caminho mais visível era a continuação da estrada abandonada para a esquerda, mas não. A travessia continuava por uma discreta trilha que sai para a direita alguns metros antes de iniciar o gramadão. Nenhuma placa ali também. Na sequência passei à direita de uma pequena lagoa onde pastavam cavalos (água ruim) e continuei por esse pequeno vale onde não encontrei água boa. Vi formações rochosas bem interessantes mais à frente e à direita parecia haver até um mini Enladrillado. Às 14h48 alcancei o ponto mais alto do dia (2210m) e a paisagem se abriu de maneira espetacular para a Reserva Radal Siete Tazas, podendo ver o acampamento El Bolsón, ainda muito distante, meu destino final nesse dia. Atrás dele a montanha chamada de Colmillo del Diablo (Dente Canino do Diabo). Para trás ainda podia ver quase todo o percurso do dia de hoje. No horizonte a sudeste ainda se destacavam os vulcões Descabezado Grande e Quizapú/Cerro Azul e à direita (mais abaixo um pouco) visualizava os paredões do vale do Rio Claro. Um mirante realmente de tirar o fôlego. Vulcão Descabezado Grande ao fundo A trilha de descida era bem visível na encosta à direita, mas o trecho inicial exige cuidado (e um bastão, de preferência) pois é bem inclinado e com pedrinhas soltas. Depois fica mais fácil, porém ao dobrar ao outro lado da encosta volta a piorar e se torna uma ladeira de terra e pedras soltas bastante cansativa e que parece não ter fim. Cheguei ao limite das árvores às 17h04 e logo caminhava por um bonito bosque. Cruzei um riacho por um tronco e conversei com um homem que estava ali arrumando a tralha para pôr nos cavalos. Por causa dos cavalos essa água não era confiável para beber. Nesse local registrei a menor altitude do dia: 1635m. Saí da mata, caminhei por uma trilha entre pedras e cruzei o profundo leito de um rio seco. Depois dele a única trilha que encontrei estava me levando na direção errada, então cruzei aquele chapadão de pedras sem trilha mesmo, apontando o gps para o El Bolsón (norte) para chegar logo. Um jovem a cavalo com uma espingarda me parou para perguntar se havia visto suas ovelhas e me pediu um cigarro. Às 17h56 cheguei a um rio que cruzei facilmente pelas pedras. Parei para um lanche rápido e matar a sede. Essa foi a primeira água boa desde o vale próximo ao local onde acampei. Continuei no rumo norte para o acampamento, atravessei uma estradinha de rípio, cruzei o límpido Rio Claro (esse é outro) pelas pedras e entrei assim na área do Parque Nacional Radal Siete Tazas. Fui para a direita após o rio e cheguei às 18h50 ao acampamento El Bolsón. Havia apenas uma barraca, depois chegou um casal chileno que vinha também da Reserva Altos de Lircay seguindo as minhas pegadas... Nesse acampamento há um chalé que funciona como refúgio, uma casa de pedra em estado precário, sanitários e duchas separados para homem e mulher, dois lavatórios. Água potável pode-se pegar no rio ou nas torneiras. Gramados para acampar são quase infinitos e os arbustos protegem do vento. Subi a um mirante próximo para fotos do Salto del Indio e do pôr-do-sol. Nessa hora passou um cavaleiro com seus cachorros. Mais ao fundo do gramadão de acampamento vacas pastavam. Será que estou mesmo num parque nacional?... Altitude de 1676m. Vulcão Quizapú/Cerro Azul 05/04/18 - 5º DIA - saída da Reserva Radal Siete Tazas e final da longa travessia Início: acampamento El Bolsón da Reserva Radal Siete Tazas Final: povoado de Radal Duração: 6h10 Distância: 10,4km de trilha + 9,5km de estrada Maior altitude: 1688m Menor altitude: 639m Dificuldade: fácil A temperatura mínima da noite foi de 0,5ºC. Saí da barraca às 7h50 com 5ºC. Se eu não tivesse que chegar a Santiago no dia seguinte (e tivesse comida para mais um dia) teria percorrido os pontos principais desse setor do parque, como a Laguna de las Animas, o Valle del Indio e o Colmillo del Diablo. No caminho para o acampamento Parque Inglês (caminho da saída do parque) havia ainda as trilhas La Montañita, Mala Cara, Chiquillanes e El Coigüe. E em outros setores do parque havia as famosas cachoeiras Siete Tazas (Sete Xícaras), La Leona e Velo de la Novia, mas nestas ainda poderia passar já que ficavam na estrada para o povoado de Radal, onde tomaria o ônibus para Molina e de lá a Talca (onde deixei parte da minha bagagem). Queria sair cedo pois iria tentar uma carona até Radal ou mesmo a Molina. Desmontei acampamento com muito frio pois o sol demoraria a chegar ao vale. Saí às 9h20 e cruzei pelas pedras um riacho 5 minutos depois. Uns 300m adiante passei por uma estaca que marcava 11km, distância que faltava para o acampamento Parque Inglês e a saída do parque segundo a medição da Conaf (o meu gps marcou 9,5km até o Parque Inglês). A trilha é bem marcada já que é muito usada e não gera dúvida pois é bem sinalizada. Percorre a encosta direita do vale do Rio Claro. Às 10h15 cruzei um riacho de água boa para consumo. Às 11h38 passei pela entrada da trilha La Montañita à direita (6h de duração). Às 11h54 passei pela entrada da trilha Mala Cara à esquerda (1h de duração). Às 12h passei pela entrada da trilha Chiquillanes à direita. Aí começou a chover e tive de guardar a câmera e vestir as roupas impermeáveis. Às 12h45 passei pelo acampamento Parque Inglês. Mais 150m passei pela administração e com outros 190m saí do parque. Na estrada de terra fui para a direita na esperança de uma carona até o povoado mais próximo, Radal. A chuva deu uma amenizada. Mas não havia movimento de carros nessa altura da estradinha. Poderia ter mais sorte a partir das Siete Tazas, atrativo muito visitado. Primeiro passei por um acesso particular às Siete Tazas e Salto la Leona, que é pelo camping Valle de las Catas, que cobra CLP 2500 (R$13) para visitar as Siete Tazas e as outras quedas do Rio Claro. Cerca de 650m adiante cheguei ao acesso oficial da Conaf, que cobra CLP 5000 (R$26) o ingresso de estrangeiros. Como chovia passei batido e continuei pela estrada para não perder alguma possível carona. Fiz sinal para quatro carros mas nenhum parou. Às 14h50 passei pela grande cascata Velo de la Novia, visível da estrada e sem cobrança de ingresso. Por fim, às 15h30 cheguei ao povoado de Radal. Altitude de 639m. A chuva havia parado. Ainda bem que foi tudo descida, nem pareceu que caminhei 20km. Ônibus para Molina só no dia seguinte às 7h30 (ainda é noite nesse horário). Havia diversas opções de camping, até por CLP 2500 (R$13). O camping da Conaf, na saída do povoado, era muito bonito e cobrava só CLP 4000 (R$21). Mas minha esperança de carona não morria. Tentaria até o final da tarde, se não conseguisse acamparia ali para tomar o ônibus no dia seguinte. Me posicionei num local de boa visão para os carros e continuei "haciendo dedo". Até que um carrão bonito e caro parou. Eram duas garotas colombianas e se dispuseram a me levar até Molina com a maior boa vontade. Imagine uma situação dessa no Brasil... No caminho ainda pegaram um casal da Venezuela que também dependia de carona para voltar a Santiago naquele dia. Chegamos a Molina às 17h33 e fui ao terminal de ônibus em frente ao mercado municipal tomar o ônibus das 18h10 para Talca, onde estava minha mochila pequena com as coisas que deixei no hostal. Vale do Rio Claro DADOS DA TRAVESSIA COMPLETA Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay - Reserva Radal Siete Tazas Início: portaria do Parque Tricahue setor Tricahue Final: povoado de Radal Duração: 5 dias Distância: 70,5km Maior altitude: 2233m Menor altitude: 490m Dificuldade: muito alta por não haver trilha definida no 2º dia Informações adicionais: Ônibus de Molina a Radal: Molina-Radal: jan e fev: seg a qui: 12h30, 18h15, 20h15 sex e sáb: 11h30, 12h30, 18h15, 20h15 dom: 7h45, 14h, 19h30, 22h resto do ano: 17h Radal-Molina: jan e fev: seg a qui: 7h10, 10h30, 15h45 sex e sáb: 7h10, 10h30, 15h45, 18h30 dom: 10h30, 13h30, 15h30, 18h45 resto do ano: 7h30 Ônibus de Talca a Vilches (para quem for diretamente à Reserva Altos de Lircay): Talca-Vilches: seg a dom e feriado: 7h15, 12h, 16h50 Vilches-Talca: seg a sáb: 7h15, 9h15, 17h10 dom e feriado: 9h15, 14h, 17h10 O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago abril/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  25. Laguna Chica Esta é a primeira parte da travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay - Reserva Radal Siete Tazas que durou no total cinco dias. A segunda parte está em https://www.mochileiros.com/topic/74549-travessia-reserva-altos-de-lircay-reserva-radal-siete-tazas-chile-abr2018. Os três parques citados situam-se na região de Maule, no Chile, próximos às cidades de Molina e Talca, cerca de 215km e 270km ao sul de Santiago respectivamente. Eles não chegam a ter área contígua mas a proximidade é tão grande que me inspirou a querer cruzar os três num único trekking. 31/03/18 - CONHECENDO O PARQUE NATURAL TRICAHUE Circuito Tricahue (El Motor - Los Picudos) Início e final: portaria do Parque Tricahue setor Armerillo Duração: 3h ida até a cachoeira, 3h45 volta Distância: 8,9km ida, 8,7km volta Maior altitude: 1230m Menor altitude: 490m Dificuldade: média (muita subida e pouca água) O Parque Natural Tricahue é uma reserva particular, diferentemente dos outros dois parques que são administrados pela Conaf, órgão florestal oficial do Chile. Tricahue é o nome de uma espécie de papagaio que habita essa região. O Parque Tricahue tem dois setores (Armerillo e Tricahue) e teoricamente duas portarias. Digo teoricamente pois no setor Tricahue encontrei apenas uma porteira de arame aberta e ninguém para me receber ou cobrar a entrada. Nele há algumas cabanas de aluguel. Já no setor Armerillo há uma família residente que cobra o ingresso e o pernoite em cabana ou barraca. Nesse setor estão as trilhas mais procuradas (El Tata e El Motor). Tomei no terminal rodoviário de Talca o micro-ônibus para o povoado de Armerillo às 7h30 (ver horários abaixo em Informações Adicionais). Ainda era noite, em abril só começa a amanhecer depois das 7h40. A viagem durou 1h18min. Pedi ao motorista que me deixasse no Parque Tricahue e ele erroneamente me deixou no Refúgio Tricahue, que fica entre os dois setores/portarias do parque. Voltei 1,2km a pé até a placa do parque (setor Armerillo) e bati na casa às 9h08. Todos dormiam. No Chile é costume das pessoas acordarem bem tarde. O homem que me atendeu me deu informações sobre as duas trilhas principais e quando falei que queria cruzar à Reserva Altos de Lircay ele desaconselhou e enfatizou que se eu fosse seria minha inteira responsabilidade. O caminho não estava bom, pouca gente fazia aquilo. Altitude de 490m. Montei a barraca, dei uma olhada rápida no museu com amostras da flora local e parti às 11h17 para o Circuito Tricahue (El Motor - Los Picudos), o mais difícil dos dois. Inicilmente é a mesma trilha do Tata, ao chegar ao anfiteatro ao ar livre há uma bifurcação: Motor à direita e Tata às esquerda. Altitude de 601m. Tomei a direita às 11h43 e daí em diante foi uma subida incessante até o Mirador Los Volcanes, a 1107m de altitude, de onde se divisam os vulcões Descabezado Grande e Quizapú/Cerro Azul. Felizmente a subida se dá pela sombra da mata. O caminho é largo, uma estrada abandonada. Após o mirante a trilha nivela um pouco e se torna bem mais fácil. Mas apesar da mata o terreno é seco, o dia estava bem quente e a única fonte de água estaria só mais à frente. Cascada El Chucao Às 13h52 tomei a esquerda na bifurcação sinalizada como "Cruze Bajada Tricahue". À direita será o caminho que pegarei na volta. Pouco antes dessa bifurcação alcancei o ponto mais alto da caminhada: 1230m. Com mais 7 minutos cheguei ao tal Motor, uma máquina a vapor arrastada até aquele lugar por bois numa época em que funcionava ali uma serraria. Mais à frente a trilha desce por um caminho de pedras e passa finalmente por uma fonte de água, 255m antes do Refúgio El Ciprés, onde se pode acampar também (não é permitido usar o interior do refúgio). Mais 480m e a trilha termina na Cascada El Chucao, aonde cheguei às 14h20. Altitude de 1134m. Apesar do feriado de Semana Santa só mais três pessoas chegaram à cachoeira. Lá no camping havia só mais uma barraca (aliás de um casal muito simpático). Certamente escolhi o lugar ideal para ter paz e sossego em pleno feriadão. Iniciei o retorno às 15h10 pelo mesmo caminho até a bifurcação Cruze Bajada Tricahue. Tomei a esquerda e de cara já deu pra notar a trilha estreita, bem diferente do caminho largo por onde subi. Essa trilha tinha sinalização de setas brancas e vermelhas somente em alguns pontos e é tão pouco pisada que chega a gerar algumas dúvidas. A descida se dá pela encosta e é preciso algum cuidado com a inclinação forte e com alguns locais onde uma queda seria desastrosa. Impressiona a quantidade da planta chagual, um tipo de bromélia, já com as flores secas nessa época. Se a trilha não é tão fácil quanto a outra (a que usei para subir) a paisagem compensa. Aos poucos os vales do rios Los Picudos e Los Tricahues se abrem à esquerda formando um belíssimo cenário. E bem no alto as montanhas chamadas Los Picudos. Só não se deve distrair com o panorama e não prestar atenção onde pisa. Cuidado! Num certo momento cruzei com uma aranha grande (caranguejeira ou parecida), bicho não muito fácil de se ver nas trilhas aqui do sudeste do Brasil. Depois entrei num bosque denso e essa descida não terminava nunca. A trilha desembocou num caminho largo em que fui para a direita. Me aproximei do leito do Estero Los Tricahues (única fonte de água fácil em toda essa descida) e às 17h48 uma placa causou mais confusão do que informação. A placa no chão apontava para a frente e dizia "Sendero Rojo" (trilha vermelha), enquanto uma trilha à esquerda vinha do rio. Segui em frente, para onde a placa apontava (mas depois vi que deveria ter entrado nessa trilha à esquerda e cruzado o rio para não passar por propriedades particulares). Segui em frente, cruzei uma cerca de troncos, depois uma cerca de arame farpado e percebi que não devia estar mais na área do parque. Mas continuei. Peguei uma estradinha mais ou menos paralela à estrada principal do vilarejo Armerillo que deu num portão alto (aberto) e um galpão. Cruzei essa propriedade sem ver ninguém e cheguei enfim à estrada principal, porém com um portão de ferro alto e trancado. Encontrei um ponto mais fácil de pular a cerca de arame farpado com alambrado e ganhei a estrada finalmente. Mais 180m à direita e estava de volta ao camping às 18h55, faltando 46 minutos para o pôr-do-sol. Vale do Estero Los Tricahues 01/04/18 - 1º DIA DA TRAVESSIA - Trilha El Tata e Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay (1ª parte) Circuito Trilha El Tata Início e final: portaria do Parque Tricahue setor Armerillo Duração: 2h35 Distância: 5km Maior altitude: 765m Menor altitude: 490m Dificuldade: fácil Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay (1ª parte) Início: portaria do Parque Tricahue setor Tricahue Final: cota dos 1174m Duração: 5h Distância: 8km Maior altitude: 1174m Menor altitude: 543m Dificuldade: esta 1ª parte foi fácil Saí às 8h57 e fui percorrer a Trilha El Tata. Esse é o nome de um exemplar de 526 anos de um coigüe (ou coihue). Tata em espanhol significa avô. Inicialmente a mesma trilha do Motor até a chegada ao anfiteatro. Ali tomei a bifurcação da esquerda. Subida rápida até o primeiro mirante, Mirador Armerillo, porém a neblina da manhã impedia a visão do largo vale e montanhas ao fundo. Ali a trilha inicia um circuito e o sentido sugerido é o anti-horário. Porém, como a neblina ia me tirar a visão nos mirantes seguintes, fiz o circuito ao contrário, descendo logo ao vale do Estero Armerillo, no sentido horário. Às 9h53 pude pegar água nesse estero (rio) e 6 minutos depois fotografei a bonita Cascata El Pozón. Às 10h09 cheguei ao velho coigüe. Um painel faz uma cronologia de acontecimentos relevantes no Chile ao longo da vida dessa incrível árvore de cinco séculos. Curioso é que o tronco tem uma parte oca tão grande que um adulto consegue entrar. Ali se pode pegar água facilmente do rio para um lanche e há até banheiros! Às 10h28 continuei o circuito para retornar ao camping, passando por dois outros mirantes, agora com céu aberto e sem neblina. Passei pelo anfiteatro e cheguei ao camping às 11h32. Almocei, desmontei a barraca, arrumei a mochila, conversei mais um pouco com meus simpáticos vizinhos e às 14h22 parti para a aventura não recomendada pelo dono do camping, a travessia para a Reserva Altos de Lircay. Pozón Eu tinha dois caminhos gravados no gps: um seria a partir do Motor, numa trilha quase apagada que explorei no dia anterior; o outro seria a partir da Entrada Tricahue do parque, distante 2,6km dali pela estrada principal do vilarejo. A primeira opção me pareceu talvez menos usada que a segunda e com a agravante de chegar à Reserva Altos de Lircay pela portaria, enquanto a segunda chegava pela Laguna del Alto, o que já me colocava a caminho do terceiro parque, o Radal Siete Tazas. Caminhei os 2,6km até a Entrada Tricahue e se não fosse o gps teria passado direto pois não há nenhuma placa indicando que aquela porteira de arame (aberta) é a entrada de um parque. Para chegar ali caminhei 2km a partir do camping pela estrada principal (de rípio) do vilarejo e entrei na rua à esquerda quando há uma curva de 90º para a direita e uma ponte. Há uma placa na curva indicando a entrada do Parque Tricahue a 400m. Cruzei por uma ponte de concreto o pedregoso Estero Los Tricahues e encontrei numa curva a porteira de arame aberta com uma placa dizendo "se arrienda cabaña". Era ali mesmo. Entrei às 14h58 e fui para a esquerda, passei pelas cabanas e encontrei um caminho largo que se dirigia ao rio, num local onde há várias caixas de abelha. Uma plaquinha com uma seta e a figura de um caminhante me confirmaram o caminho. Vi algumas pessoas que deviam estar hospedadas nas cabanas mas ninguém para cobrar a entrada ou dar orientações. Altitude de 543m. Segui por esse caminho largo no sentido norte, passei por uma placa "Al Pozón", numa bifurcação fui para a esquerda e às 15h53 cheguei a uma clareira à esquerda. A proximidade com o Estero Los Tricahues me fez ir buscar água e por acaso descobri o tal Pozón. Havia vários sinais de acampamento por ali e realmente é um lugar bem agradável para ficar, mas eu tinha um trajeto muito incerto pela frente e tinha que continuar. Saí do Pozón às 16h30 e a trilha estreitou por algum tempo, mas depois voltou a alargar, como uma estrada abandonada. Em determinado momento não notei um totem de pedras e uma seta azul celeste na árvore apontando para a direita e segui em frente. Cheguei a um desmoronamento e não era possível seguir. Até pensei que ali seria o fim da minha aventura mas no retorno vi a plaquinha e entrei na trilha bem marcada à esquerda. Ali começava uma subida que duraria o restante do dia e todo o dia seguinte, com todas as dificuldades que ainda vou contar. A direção geral da caminhada nessa hora muda de norte para nordeste pelo vale do Estero Los Tricahues. Às 18h12 a trilha alcança uma grande clareira gramada com pés de amora silvestre por todos os lados, um surpreendente espaço para acampamento onde caberiam muitas barracas, porém sem água próximo. A trilha volta a penetrar a mata ao final da clareira, à direita. Dali em diante, ao mesmo tempo que as amoreiras dão frutos doces para a gente se fartar, dificultam a passagem com seus muitos espinhos. Às 18h32, apesar de uma seta azul celeste na árvore apontar para a esquerda, continuei pela trilha principal em frente e só depois de quase 300m percebi que estava na direção errada, indo para sudeste, quando deveria sempre continuar para nordeste. Voltei e só então vi uma trilha bem apagada indo para a direita (esquerda na vinda). Quando passou das 19h comecei a procurar um lugar para a barraca, mas não estava fácil achar. Nessa procura me deparei com outra caranguejeira, essa bem maior que a do dia anterior. Por fim às 20h, 20 minutos após o pôr-do-sol, encontrei um espaço onde caberia a barraca e com bem pouca inclinação. Mas o que me fez ficar com a pulga atrás da orelha é que não encontrei a continuação da trilha, que já estava cada vez mais apagada. Altitude de 1174m. Vulcão Descabezado Grande 02/04/18 - 2º DIA - Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay (2ª parte) com muitas dificuldades de percurso Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay (2ª parte) Início: cota dos 1174m Final: próximo à Laguna Chica na Reserva Altos de Lircay Duração: 10h Distância: 7,5km Maior altitude: 2110m Menor altitude: 1146m Dificuldade: muito alta por não haver trilha definida Comecei o dia na expectativa de encontrar a continuação da trilha, que parecia morrer ali onde acampei. Depois de muito sobe-desce e vai-volta encontrei, e assim comecei a caminhar efetivamente às 9h56. Com 7 minutos encontrei uma ótima fonte de água. E com mais 5 minutos um excelente lugar para duas barracas com o rio ao lado. Pena que não consegui chegar a esse local no dia anterior. Havia sinais mesmo de acampamento (fogueira, mesinha e banco de troncos) e uma lata de tinta azul celeste usada na marcação da trilha. Mais à frente duas singelas quedinhas d'água seriam a última fonte de líquido até o final do dia. A trilha sobe para um bonito mirante e finalmente avisto o panorama acima das árvores, tanto para norte (meu destino) quanto para sul (de onde vim). Alguns totens continuam a aparecer, mas à medida que subo a trilha vai sumindo de vez. Logo estava procurando a trilha em meio a arbustos e touceiras de capim e bambuzinhos. As dificuldades começavam. E com o calor aumentando o cansaço não ia demorar a chegar. Segui nessa procura até que me deparei com uma matinha e nada de trilha para entrar nela. Ou seja, não havia mais caminho aberto. Nem sabia se estava na altura certa da encosta ou deveria procurar mais acima ou mais abaixo. Eram 12h23 e parei para um lanche e descanso. Em 3h procurando a trilha havia avançado apenas 2km. Temia pelo que viria pela frente num lugar como aquele em que ninguém passa mais, porém era cedo para pensar em desistir. Povoado de Armerillo já bem distante Descansei por quase uma hora. Depois entrei na mata sem a mochila e no vai-e-volta encontrei uma árvore pintada. Pelo menos estava no lugar onde um dia existiu uma trilha... Passei pela matinha (que felizmente era curta), subi um pouco e encontrei um rastro de trilha para continuar. Até que uma vala enorme me obrigou a subir a encosta de uma vez, tomando a direção sudeste por algum tempo. Alcancei o alto já sem trilha novamente e andei por uma crista, voltando ao meu sentido nordeste. Mas outra erosão enorme me deteve às 14h57 e tive que subir forte de novo para a direita (sudeste). Lá no alto voltei a encontrar uma seta azul celeste e pedras pintadas dessa cor. E com uma frequência que me fez tirar um pouco os olhos do gps e caminhar algum tempo orientado por essas marcações. Mas a alegria não durou muito pois cresceram moitas de ñirre exatamente onde passava a trilha. Esses arbustos são duros e era preciso abri-los para encontrar possíveis marcações. A essa altura me assombrava a idéia de encontrar algum impedimento no caminho e ter de voltar tudo aquilo que caminhei, com toda a dificuldade que já havia passado... Após o cinturão de ñirres e outras matinhas, o caminho se abriu e agora só tinha vegetação baixa e pedras pela frente. Parece que o pior havia passado. Cheguei enfim à crista dessa encosta e pude visualizar os vulcões Descabezado Grande e Quizapú/Cerro Azul a leste, além de uma paisagem incrível para todos os lados. Essa crista ainda ascendia bastante mas meu caminho (sem trilha) seria pela encosta mesmo, subindo suavemente. Aos poucos fui me aproximando de conjuntos de grandes blocos de pedra e me preocupava não conseguir passar por eles. Mas não houve grande dificuldade e finalmente às 18h46 alcancei um selado que me abriu visão para a Reserva Altos de Lircay! Estava entrando em sua área. Terminou a saga? Não, faltava chegar a alguma laguna para ter água para acampar... doce ilusão. Altitude de 2102m nesse mirante. Poucos metros antes o gps havia registrado a maior altitude do dia: 2110m, ou seja, desnível de 964m com todas as dificuldades de percurso. Continuei exatamente no rumo norte descendo por uma outra encosta. Passei por um novo cinturão de ñirres duros, pulei muitos blocos de pedra, mais ñirres, uma ladeira de pedras e do alto avistei a primeira laguna do parque, a Laguna Chica... totalmente cercada por ñirres!!! E a noite já ia chegar... Tentei o caminho mais direto mas os ñirres eram muito difíceis e havia uma vala funda no meio. Pensei em contornar todo o cinturão mas já caía a noite. Atravessei uma faixa de ñirres mais fácil e por sorte encontrei um lugar plano para a barraca às 19h50. Ouvi barulho de água mais abaixo e desci só com a garrafa e a lanterna para procurar. Encontrei o precioso líquido escorrendo numa grotinha... ufa! Subi de volta à mochila e voltei ao lugar plano já no escuro. A noite foi de lua cheia mas estreladíssima. Altitude de 1986m. Laguna del Alto 03/04/18 - 3º DIA - Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay (3ª parte) - como é bom voltar a caminhar por uma trilha! Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay (3ª parte) Início: próximo à Laguna Chica na Reserva Altos de Lircay Final: 4km além do acampamento 6 da Reserva Altos de Lircay Duração: 10h Distância: 20,3km Maior altitude: 2233m Menor altitude: 1657m Dificuldade: fácil A temperatura mínima da noite foi de 6,3ºC. A dificuldade desse dia no máximo seria chegar à Laguna del Alto pois dali em diante tinha certeza de que haveria trilha consolidada pois é um dos atrativos mais procurados da Reserva Altos de Lircay. Levantei acampamento às 9h32 e de cara tinha que procurar uma forma de contornar o cinturão de ñirres e alcançar a Laguna Chica. O caminho mostrado no gps era muito ruim. Desci então até o local onde peguei água e um pouco abaixo cruzei o riacho sem dificuldade. Na outra margem escalaminhei a encosta bem íngreme. Dali em diante chegar à margem da laguna foi moleza. E encontrei pegadas de cavalo, o que me guiou rapidamente à Laguna del Alto, maior e ainda mais bonita que a primeira, cercada por montanhas de pedra, com destaque para o Cerro Peine. Ali sim respirei aliviado pois sabia que a primeira etapa da travessia estava conquistada. De agora em diante não teria mais perrengue pois a ligação entre os parques Altos de Lircay e Radal Siete Tazas já está bem consolidada (pelo menos era a informação que me deram). Cruzei o riacho que é vertedouro da Laguna del Alto às 11h05 e por trilha bem marcada iniciei o caminho ao Enladrillado, outro grande atrativo desse parque. De cara uma longa subida (com água) e no alto fui à direita na bifurcação sinalizada (à esquerda desceria à administração). Caminhei pela borda de um imenso vale cuja vertente oposta foi meu ponto de chegada ao parque no dia anterior. Depois baixei a um amplo vale chamado de Vega El Arriero nos mapas e subi pelo lado oposto (havia muito pouca água ali). Após um percurso pela crista na qual alcancei a maior altitude do dia (2233m), já visualizando o vale do Rio Lircay bem abaixo à esquerda (norte), cheguei às 13h54 ao Enladrillado. Trata-se de um platô em que as rochas "cortadas" naturalmente em formatos regulares se dispõem de tal maneira que parecem ladrilhos. Não bastasse essa forma curiosa o platô está à beira do precipício que cai para o imenso vale do Rio Claro, sendo por isso um mirante espetacular para esse vale e as montanhas a perder de vista, com destaque para os vulcões Descabezado Grande e Quizapú/Cerro Azul. Altitude de 2182m. Enladrillado Saí de lá às 14h33 e imediatamente comecei a descida em direção ao Rio Lircay e ao acampamento da Reserva Altos de Lircay. A parte inicial da ladeira é um convite irresistível a um belo tombo pois é inclinada e repleta de pedrinhas soltas. A visão para esse quadrante norte também é bastante ampla e bonita. Às 15h43 entrei na mata e 7 minutos depois devia ter ido à direita numa bifurcação para chegar mais rápido ao acampamento. Fui para a esquerda seguindo a seta e caminhei bem mais. Foi distração... Às 16h08 passei direto pelo acampamento 6 da Reserva Altos de Lircay pois queria adiantar o máximo possível a travessia para a Reserva Radal Siete Tazas. Vi apenas 3 ou 4 barracas montadas. Não vi nenhum guardaparque e ninguém me questionou nada. Cruzei a ponte e continuei à esquerda na bifurcação da Vega Los Treiles. Mas havia tempo para conhecer o Mirador del Valle del Venado antes de prosseguir na travessia. Parei na bifurcação sinalizada desse mirante, escondi a cargueira na mata próxima e segui à direita na bifurcação às 16h25. Pensei em ir e voltar rapidamente sem mochila mas o caminho em grande parte é de pedras soltas, por isso levei mais tempo do que pensava (32min ida) e me cansei mais também. Cheguei ao mirante às 16h57 e fiquei até 17h24. A paisagem é parecida com a do Enladrillado porém de um ponto mais baixo. Do mirante desce a trilha para o próprio Valle del Venado e para o grande Circuito del Cóndor, de vários dias de duração e que também termina na Reserva Radal Siete Tazas. Às 17h57 peguei a mochila e tomei a esquerda na mesma bifurcação (a placa não informa nada sobre essa trilha da esquerda). Ao chegar à primeira mata há uma bifurcação sutil em que a trilha mais marcada vai para a esquerda, mas eu tomei o lado da direita, bem menos marcado. Nesse ponto e daí em diante não há mais sinalização alguma. Já estou fora da área do parque nacional segundo o gps. Só para informação, essa trilha da esquerda, a mais pisada, é a trilha Sillabur que leva ao acampamento Antahuara. Ao cruzar o riacho seguinte atenção de novo. Há trilha saindo para a direita e para a esquerda, mas deve-se ir para a esquerda. Havia vacas nas imediações mas peguei água limpa nesse riacho. Nele a menor altitude do dia: 1657m. Subi, cruzei um descampado, subi um pouco mais e ao visualizar a baixada seguinte já sabia que teria que acampar por ali pelo adiantado da hora. Cruzei a baixada e tentei encontrar mais adiante algum local plano e sem pedrinhas para montar a barraca, mas encontrava cada vez mais pedras. Voltei um pouco e acampei na baixada mesmo, às 19h40. No dia seguinte encontrei a poucos metros dali grandes gramados perfeitos para acampar e com água limpa bem ao lado. Fica a dica! Dessa maneira, consegui adiantar uma hora da caminhada do dia seguinte, o que foi importante. Altitude de 1725m. Vale do Rio Claro DADOS DA TRAVESSIA COMPLETA Travessia Parque Tricahue - Reserva Altos de Lircay - Reserva Radal Siete Tazas Início: portaria do Parque Tricahue setor Tricahue Final: povoado de Radal Duração: 5 dias Distância: 70,5km Maior altitude: 2233m Menor altitude: 490m Dificuldade: muito alta por não haver trilha definida no 2º dia Informações adicionais: Ônibus de Talca a Armerillo (a passagem custa CLP 1500 (R$8) e a viagem leva cerca de 1h20min): Talca-Armerillo: seg a dom e feriado: 7h30, 10h, 13h30, 16h30, 20h30 Armerillo-Talca: seg a dom e feriado: 7h10, 9h30, 13h25, 17h, 18h30, Ônibus de Talca a Vilches (para quem for diretamente à Reserva Altos de Lircay): Talca-Vilches: seg a dom e feriado: 7h15, 12h, 16h50 Vilches-Talca: seg a sáb: 7h15, 9h15, 17h10 dom e feriado: 9h15, 14h, 17h10 A entrada no setor Armerillo custa CLP 2000 (R$10,70) para quem vai só passar o dia. O camping custa CLP 3500 (R$18,70) por pessoa por noite e dá direito a percorrer todas as trilhas sem custo adicional. Há banheiros e ducha quente (a água só saía quente no banheiro feminino quando estive lá). Acampa-se entre patos, galinhas, gansos e perus, uma verdadeira sinfonia. O grau de dificuldade que coloco nos relatos é uma avaliação pessoal e considera que o trilheiro esteja acostumado a caminhadas de vários dias com mochila cargueira. Para um iniciante considere todas as trilhas como difíceis. Para um iniciante que não esteja em boa forma física é melhor procurar trilhas fáceis de um dia para ganhar experiência e condicionamento. Rafael Santiago abril/2018 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br Mirador Valle El Venado
×
×
  • Criar Novo...