Ir para conteúdo

payakah

Membros de Honra
  • Total de itens

    83
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

5 Neutra

Sobre payakah

  • Data de Nascimento 10-04-1980

Bio

  • Ocupação
    Engenheiro Civil

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Pessoal, esse pinga pinga entre taxis, vans e afins é feito diariamente? Outra coisa: onde consigo comprar as passagens de Rio Branco para Cuzco ou Puerto Maldomado pela internet?
  2. O blog surgiu da ideia de dois mochileiros que se conheceram, se casaram e agora querem dividir as experiencias da união de suas mochilas Os artigos são elaborados visando o leitor final, com dicas objetivas e práticas, buscando sempre roteiros não convencionais, dicas diferenciadas sobre lugares já conhecidos e manuais de como realizar sua viagem de forma efetiva Acesse, acompanhe e nos ajude a divulgar nossas dicas http://www.juntandomochilas.blogspot.com.br/
  3. Estive em Tarraco (que é mais conhecida nos guias como Tarragona) e a cidade é belissima. Existem diversos grupos de castelles humanos e em datas festivas eles se apresentam na praça do ayuntamiento. Vale a pena
  4. Acordei com uma ressaca inconveniente. Esfreguei os olhos algumas vezes e pensava naquele último dia. Além da ressaca da bebida também vinha a ressaca do término da viagem, tudo aquilo terminaria naquele dia e estaria eu de volta a minha rotina de trabalho. Virei o rosto e vi uma menina trocando de roupa bem despreocupada, apenas de roupas de baixo escolhendo o que vestir. Me levantei calmamente mas olhando para o lado contrário para que ela não entendesse que eu a estava olhando, porém a vergonha que eu imaginei que ela sentiria não existia. Ela veio em minha direção e me cumprimentou tranqui
  5. Acordei e fui logo terminar de arrumas as coisas. O Luan insistentemente pedia que eu não fosse pois aquele dia seria a festa de 4 anos do hostel, e viriam mochileiros de todos os hostels para a festa. Não queria arriscar, até então a viagem estava dando certo sendo bem amarrada como estava. Dessa vez não levei a mochila para perambular pela cidade, experiência essa que havia ocasionado o baita estralo nas de dias atrás, mas deixei-a no hostel enquanto caminharia pela cidade antes da hora de ir ao aeroporto. Sai pela cidade para me despedir de seu cotidiano e de sua rotina. Parada para visitar
  6. Acordei ainda cansado da viagem e do vinho do dia anterior, mas ainda sim me levantei cedo. Sai do quarto sorrateiramente e deu de cara com um som muito comum a mim, mas não onde eu estava: programa do mução. Para quem não conhece, o programa do mução é um programa de rádio, humorístico, muito famoso no nordeste brasileiro onde o personagem prega várias peças por telefone nos ouvintes. Mas como estaria ouvindo isso em Santiago?? O Luan estava na recepção e ouvindo o programa de forma atenta pela radio UOL. Mundo pequeno esse. O dia de hoje talvez nem merecesse ser relatado, na verdade pode se
  7. De uma coisa ninguém pode reclamar sobre minha pessoa, eu penso muito em não incomodar quem está a minha volta, especificamente com coisas que eu sei que me incomodaria ou até mesmo que não me incomodam mas faz parte de um “consenso incomodativo coletivo”. Por ter escolhido em todos os hostels que freqüentavam quartos coletivos como forma de economizar nas hospedagens, acordar de forma silenciosa para não incomodar o sono dos demais era a minha filosofia. Pena que a recepcionista do horário que eu necessitava acordar e que, por conseqüência, ficara incumbida em me acordar no horário que solici
  8. Acordei cedo para aguardar Elaine e seguirmos nosso roteiro naquele dia. Havia também combinado para ir com a Hilda, mas por algum motivo que não lembro, ela não pode ir. Marcamos no próprio Che lagarto e seguimos de metrô para o bairro Bellavista, ponto pouco mais distante onde se encontrava um punhado de atrações que iríamos visitar naquele dia. O primeiro ponto de parada foi o Morro (ou “Cerro”, em espanhol) San Cristóbal, segundo ponto mais alto da cidade e também o parque municipal. Nesse “complexo” esta localizado o zoológico de Santiago, um anfiteatro e um santuário. O caminho da subida
  9. Acordei ainda de madrugada, o sol nem havia nascido e eu com todo o cuidado do mundo tirava minhas coisas devidamente arrumadas do quarto para a sala, em silêncio e sob a luz do display do celular para não acordar os demais companheiros de quarto. Tomei café e pedi um taxi, paguei as contas e ainda cumprimentei o German que acordara cedo para ir ao banheiro. Mendoza iria deixar saudades, mas também frustrações, grande parte delas de minha inteira responsabilidade. Um sentimento de comodismo não me fez buscar mais diversão, talvez motivado pelo peso da grana que gastara em Buenos Aires, a falta
  10. Esse era o dia de mais um grande objetivo da viagem ser comprido. Havia reservado um passeio para fazer rafting no pé da cordilheira e acordei ancioso naquela manhã. Tomei café e aproveitei o tempo para acessar a internet e enviar algumas fotos. Guardei as garrafas de vinho e arrumei a mochila no armário de forma bem cuidadosa, afinal de contas minha curta jornada em Mendoza estava chegando ao fim, aquele seria o último dia em terras Argentinas e na manhã seguinte estaria seguindo viagem para o Chile. Minha condução chegou, da mesma forma com o motorista e um guia, porém o espírito era outro.
  11. Acordei meio quebrado, ainda com a dor nas costas da caminhada do último dia em Buenos Aires, estava preocupado com a hora do tour dos vinhos que havia separado para aquele dia. Tomei café e aguardei a van vir me buscar. Eu já havia tido os primeiros contatos com vinhos durante a minha viagem. Em alguma das conversas de fim de tarde no Pub do Che Lagarto, perguntei sobre vinhos a algumas pessoas e fiz algumas anotações, além de ter tomado algumas garrafas com Marcela e Carla, mas aquele dia seria inteiramente para me aprofundar sobre essa bebida que impulsionava o turismo da região e agradava
  12. Meus olhos se abriram com uma certa dificuldade. O sol se mostrava ainda omisso mas alguns raios resplandeciam no horizonte e eles me mostravam o que o mundo todo lembra quando se ouve falar na província de Mendoza: seus vinhais. Eram grandes e bem cuidados, pareciam não ter fim. Viajar pelo nordeste brasileiro em meios de transporte terrestre trazia as vistas uma paisagem de plantações e mais plantações de cana-de-açucar e essa mesma sensação eu estava tendo viajando pelas estradas de Mendoza, apenas trocando o produto plantado. À medida que o sol raiava a silueta da Cordilheira dos Andes se
  13. Ressaca novamente, com ela veio o atraso para o último dia de aula. Daria tempo de comer no hostel e me despedir de algumas pessoas. A viagem deveria seguir seu roteiro, porém havia gostado muito da semana em Buenos Aires e era triste deixar tudo para trás. Mochila arrumada e devidamente instalada nas costas, me despedi do José ainda no dormitório, acordando e me desejando boa viagem. Já havia pego o contato dele e de alguns que conheci ao longo dessa semana. Fiz minha refeição e paguei minha conta onde constava as estadias e os diversos chopps tomados nos 8 dias e fui para a aula já sem inten
  14. Difícil acordar, pior ainda ter descoberto que havia perdido a hora. Tomei um banho nas pressas e comi no hostel. - Maldita ressaca - Pensei. Atrasado estava eu, sai correndo para a IBL para ver o resto da aula, não perdi tanto assim, mas detestava ter planejando tanto tempo uma viagem na qual estudar era uma das principais tarefas e não estar cumprindo. Bom, acho que estava exagerando, deveria curtir ao máximo a viagem, afinal de contas quando viria novamente pra cá? Encarando dessa forma a ressaca ficava mais leve. Aula difícil de levar pra frente, mas mantive meus olhos abertos com ajud
  15. Depois da rotina de aula diurna, me planejei para a tarde ir para o lado de Palermo, bairro mais afastado para atividades de andarilho mas ainda no, digamos, “centro de interesse turístico” de Buenos Aires, parte da cidade onde se concentravam 90% das atividades de interesse dos turistas (vale lembrar que esse termo não é universal, acabei de inventar). Antes disso fui almoçar com o pessoal do curso. São vários os atrativos gastronômicos de Buenos Aires e escolher olhando um guia turístico por vezes apenas mais confunde do que esclarece. Eu já havia desistido e escolher um punhado de restauran
×
×
  • Criar Novo...