Ir para conteúdo

vôo_livre1502425706

Membros
  • Total de itens

    30
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que vôo_livre1502425706 postou

  1. Cara La Paz foi legal mesmo e subir o huayna potossi foi uma experiência e tanto só tem que estar bem aclimatizado e tomar cuidado com a dor de cabeça, pois se a dor ficar forte o melhor é descer, mas se estiver bem aclimatizado é tranquilo. Cara, logo que tiver um tempinho vou escrever a segunda parte que é sobre o passeio no Altiplano Boliviano que começou no salar de uyuni. Esse também foi sensacional. O visual é como se vc estivesse em outro planeta e as lagunas são incríveis. Valeu pelo apoio até mais.
  2. Irei dividir esse relato pelas cidades que passei nesses 36 dias de viagem. Hoje irei escrever sobre La Paz o início da viagem. Relevem os erros de português, pois tenho que escrever rápido. As fotos da viagem inteira estão no link: https://picasaweb.google.com/raimundo.14b 1º ) Dia: cheguei cedo em La Paz depois de um longo voo que começou no dia anterior de Brasília para Santa Cruz pela Gol e de Santa Cruz para La Paz pela AeroSur. O vôo para La Paz é lindo quando está chegando logo vc ver as montanhas enormes, nevados e o altiplano. É como se toda a terra tivesse subido. No aeroporto também se percebe a diferença de La Paz. Em Santa Cruz, 26 graus em La Paz estava quase zero pela manhã, quando se tenta subir uma escada com a mochila nas costas parece que vc subiu correndo uns dois andares de escada. É interessante esse negócio de altitude, mas não se preocupe porque logo se acostuma. No aeroporto peguei um minibus que passasse na avenida Ilhampu, pois é a avenida onde tem bastante hostels e agências de viagem. Fiquei no hostel Copacabana que para mim foi ótimo. Hostel tranquilo com bom atendimento e bem localizado. http://www.hostalcopacabana.com/. Depois de hospedado fui nas agências que ficam na avenida Sagárnaga com a Ilhambu, apenas duas quadras do hostel. Tem bastante agências e vc pode pesquisar o preço para todos os passeios que desejar fazer. Comprei um para o DeathRoad, me esqueci o nome da agência, mas tem para todos os gostos lá e a maioria creio que são boas. Passeio comprado, jantei no El Lobo, restaurante israelense, cheio de israelenses que fica na avenida ilhambu perto do hostel. 2º) Dia: Death Road. Acordei cedo e fui para a agência eu e mais um cara da Inglaterra outro da Austrália e uma menina dos EUA. Pessoal bacana fomos com nossas bikes até mais de 4000 metros e de lá teríamos uma descida até mil e poucos metros. Posso dizer que esse passeio foi um dos pontos altos da viagem, realmente vale a pena, a paisagem é linda, vc começa no meio das montanhas geladas e termina na Amazônia boliviana, começa cheio de casacos e termina de bermuda e sem camisa, passa por cachoeiras e paisagens surreais. Tudo muito lindo mesmo só é bom tomar cuidado para não exagerar na velocidade e tomar cuidado com as curvas, pois há precipícios por toda parte, mas é um passeio tranquilo que todo mundo pode fazer já que é só deixar a bicicleta descer. As fotos estão no link que falei no começo do relato. 3º)Dia: Chacaltaya, saí de La Paz em uma van com muitos brasileiros e bem cheia para a montanha. Esse passeio vc vai de van até a estação de esqui mais alta do mundo são quase 5000 metros, eu acho, o que realmente é bonito é a vista para o altiplano. Isso é incrível. Quando a van chega na estação vc pode ficar apenas na estação tirando fotos ou subir um pouquinho para ir mais alto e andar no gelo. Bem, no chacaltaya o efeito da altitude é muito pessoal, tem gente que não sente nada, eu senti um negócio meio estranho, na subida até o ponto que aparentemente é o mais alto e todos os turistas vão eu fui sem problemas, mas depois resolvi caminhar mais pouco para outro ponto onde não tinha ninguém e a ida foi tranquila, caminhando devagar e respirando bem, porém na volta me bateu uma tonteira que achei que não iria conseguir voltar, isso foi bem tenso, daí parei fiquei respirando com calma e esperando passar e depois fui caminhando bem devagar até voltar, o engraçado é que nessa volta passaram por mim um grupo de bolivianos correndo e brincando no gelo, quem está acostumado é outra coisa. Desci do chacaltaya na van com uma dó de cabeça bem chata, mas bem feliz por ter ido tão alto e ter visto uma vista muito bonita. É interessante a mudança de temperatura no chacaltaya estava no gelo com casaco e frio e depois em La Paz as pessoas estavam na rua tomando sorvete e baita calor, pelo menos para os padrões de La Paz, mas deveria está uns 30 graus. Isso eu achei bem legal é como se tivesse viajado do polo norte para o nordeste brasileiro em apenas uma hora. Vale a pena ir ao chacaltaya só recomendo deixar para o último dia em La Paz porque assim estará mais aclimatizado. 3º) Dia: nesse resolvi ir para Isla Del Sol no Lago Titicaca, até porque queria me aclimatizar mais para a subida do huayna potosi. Então, acordei cedo e peguei um taxi até o terminal que sai os ônibus para Copacabana. No hostel eles te explicam tudo direitinho, se quiser ir para Isla Del Sol no mesmo dia é bom sair cedo porque se não me engano o último barco para lá sai às 13:30 de Copacabana. Eu não fiquei em Copacabana porque queria apenas conhecer a ilha, então cheguei lá e já peguei o barco. Na ilha fui para a parte norte o intuito era ficar um dia na parte norte, caminhar o outro para a parte sul e pegar o barco para voltar, mas não foi isso que aconteceu, Cheguei na ilha e segui um grupo de israelenses para achar um hostel mais em conta. Fiquei em um bem barato de frente para praia, mas que estava em construção, então meu quarto era como uma obra mal acabada e o banheiro do lado de fora que era duro de ir á noite com o frio que fazia, porém tinha um monte de gente acampada na praia e deixava tudo muito festivo. 4º)Dia: Fui caminhar pela ilha. Tem um circuito clássico que todo mundo faz para ver as ruínas é muito lindo o lago Titicaca parece um mar de tão grande e com uma cor e uma paz que o torna mais bonito que o mar. O azul é perfeito, bem escuro, cercado de montanhas geladas. É um lugar sem comparação, muito bonito mesmo. É interessante caminhar nesse caminho das ruínas que pode te levar até a parte sul da ilha, acho que são duas horas e meia ou três de caminhada, mas o circuito é lindo todo com um visual incrível. No meu caso não consegui ir para a parte sul como o pensado, porque perdi muito tempo parado, sentado admirando o lago e as ruínas, assim voltei para o hostel e tive uma noite bem legal. Quando sai para jantar conheci uma galera do Brasil que estavam acampados na praia, depois combinei com um pessoal do hostel da argentina e Espanha para que fossemos para a praia à noite, enfim, galera animada compramos coca cola e muito rum e fizemos o Lual mais gelado de nossas vidas. A ilha é muito charmosa, não tem luz elétrica nas ruas e o céu estava lindo com a lua cheia parecia até uma praia no Brasil com a diferença que estávamos a uns 4000 metros e com um monte de casaco que, no meu caso, só aparecia os olhos. Era muito frio, mas a galera estava bem animada, cantamos, brincamos, bebemos e a festa tava tão boa que a galera acampada ao lado se juntou a nós e foi uma grande confraternização de gente de vários lugares do mundo. Muito legal! 5º) Dia: Esse foi um dia apenas para voltar para La Paz. Com um pouco de ressaca. 6º) Dia: Agora sim, a subida da montanha huayna potossi com seus 6085 metros de altitude. Estava bem assustado sem saber se daria conta e lembrando do que passei no chacaltaya, pra falar a verdade, achei que não iria conseguir e para piorar resolvi ser competitivo. Esse passeio geralmente é de três dias sendo que o primeiro é para aclimatização, mas a mulher da agência me disse que tinha um grupo de três meninas que iriam em dois dias. Daí eu falei se elas conseguem eu também consigo, como eu já estava cinco dias na Bolívia, resolvi ir em dois. No dia do passeio, fomos divididos em duplas e eu fiquei com um cara da Inglaterra que também iria fazer em dois dias. No começo, fiquei com medo dele não conseguir e me atrapalhar, depois, foi o inverso, fiquei com medo de que eu o atrapalhasse, pois se um desistir tem que descer os dois. Fomos no primeiro dia até o acampamento base que fica já em 5000 metros e nessa hora achei que não iria conseguir. Foi muito estranho. Chegamos no acampamento às quatro horas da tarde e sairíamos para atacar o pico à uma hora da manhã, para passar esse tempo, meu companheiro da subida com os outros foram jogar cartas e eu fui para o saco de dormir fiquei quietinho sem mexer um único dedo e com o coração disparado como se estivesse correndo em uma maratona. Isso foi muito estranho, achei que não fosse com eles para atacar o pico de madrugada, era tão difícil fazer esforço lá em cima que até para ir ao banheiro era difícil, tinha que descer uma escada sair do refúgio e pegar uma pequena descida na montanha. O problema era que para voltar faltava tanto ar que eu me arrependia de ter ido ao banheiro, deveria ter segurado mais um pouco. Muito bem, tomamos uma sopa e tentamos dormir às 07:00 da noite, claro que ninguém dorme, mas dá para descansar e nesse momento foi muito bom porque comecei a me sentir bem e às uma da manhã, na hora de subir, estava ótimo, comecei a subida realmente muito bem e era lindo ver as luzes de La Paz lá de cima em plena madrugada caminhando gelo. O céu era outro espetáculo com várias estrelas cadentes, me senti muito bem e empolgado na maior parte da subida o único problema que tive foi com os pés, pois estavam muito gelados e não sentia os dedos do pé, mas graças a Deus, isso melhorou e passei a sentir mais os meus dedos, uma dica: suba com três a quatro meias e que sejam térmicas. Continuamos a subida e no finalzinho a coisa fica mais difícil, é duro caminhar com pouco oxigênio e nosso guia mantinha o ritmo sem parar o que é bom, lembro que apenas ficava contando um, dois, três na mente para manter o ritmo, como em uma marcha e isso realmente ajudava, pois o consegui manter o ritmo do coração sem que ele disparasse e ficava atento com a dó de cabeça que não poderia ser forte, haja vista o risco do mal de altitude que pode levar a morte. Nesse ponto as meninas que resolveram fazer em dois dias desistiram, algumas outras pessoas também, mas uma galera continuou e assim fomos. A última parte realmente não é fácil, mas eu lembro que quando vi o sol nascer e consegui ver o pico, tudo ficou muito mais empolgante e nessas horas agente tira a última gota de energia e segue adelante. Os últimos metros, agente coloca a corda e tem que passar em lugar estreito o colega quase desistiu nessa hora porque ele ficou com tonturas, mas ele foi se esforçou e continuou para não estragar minha subida, pois se ele não fosse não poderia ir até o pico. Esforço feito e finalmente o pico a 6085 metros de altura vimos o nascer do sol mais bonito do mundo. Isso foi muito mágico e inacreditável, olhar todas as montanhas da cordilheira real abaixo de você, porque o huayna potossi é a maior delas, e com o sol vindo no horizonte com tudo iluminando o mundo ao seu redor é a coisa mais linda e impressionante do mundo. É emocionante e nunca vi nada igual. Hora da descida. Valeu muito a pena subir essa montanha, todo o esforço foi muito recompensante e recomendo a todos. A questão é fazer em três dias porque assim você se aclimatiza melhor e sobe mais tranquilo, não é uma montanha técnica é apenas uma caminhada no gelo, mas que pela altitude torna-se uma caminhada mais difícil e o finalzinho é um pouco mais difícil, mas a vontade de chegar no cume te dá força e tenha certeza de que não vai se arrepender. Nesse mesmo dia peguei um ônibus à noite em La Paz para o Uyuni para conhecer o deserto de sal e fazer o passeio de três dias pelo altiplano boliviano até a fronteira com o Chile para ir a São Pedro de Atacama. Depois continuarei com esses próximos relatos. Até mais.
  3. Irei dividir esse relato pelas cidades que passei nesses 36 dias de viagem. Hoje irei escrever sobre La Paz o início da viagem. Relevem os erros de português, pois tenho que escrever rápido. As fotos da viagem inteira estão no link: https://picasaweb.google.com/raimundo.14b 1º ) Dia: cheguei cedo em La Paz depois de um longo voo que começou no dia anterior de Brasília para Santa Cruz pela Gol e de Santa Cruz para La Paz pela AeroSur. O vôo para La Paz é lindo quando está chegando logo vc ver as montanhas enormes, nevados e o altiplano. É como se toda a terra tivesse subido. No aeroporto também se percebe a diferença de La Paz. Em Santa Cruz, 26 graus em La Paz estava quase zero pela manhã, quando se tenta subir uma escada com a mochila nas costas parece que vc subiu correndo uns dois andares de escada. É interessante esse negócio de altitude, mas não se preocupe porque logo se acostuma. No aeroporto peguei um minibus que passasse na avenida Ilhampu, pois é a avenida onde tem bastante hostels e agências de viagem. Fiquei no hostel Copacabana que para mim foi ótimo. Hostel tranquilo com bom atendimento e bem localizado. http://www.hostalcopacabana.com/. Depois de hospedado fui nas agências que ficam na avenida Sagárnaga com a Ilhambu, apenas duas quadras do hostel. Tem bastante agências e vc pode pesquisar o preço para todos os passeios que desejar fazer. Comprei um para o DeathRoad, me esqueci o nome da agência, mas tem para todos os gostos lá e a maioria creio que são boas. Passeio comprado, jantei no El Lobo, restaurante israelense, cheio de israelenses que fica na avenida ilhambu perto do hostel. 2º) Dia: Death Road. Acordei cedo e fui para a agência eu e mais um cara da Inglaterra outro da Austrália e uma menina dos EUA. Pessoal bacana fomos com nossas bikes até mais de 4000 metros e de lá teríamos uma descida até mil e poucos metros. Posso dizer que esse passeio foi um dos pontos altos da viagem, realmente vale a pena, a paisagem é linda, vc começa no meio das montanhas geladas e termina na Amazônia boliviana, começa cheio de casacos e termina de bermuda e sem camisa, passa por cachoeiras e paisagens surreais. Tudo muito lindo mesmo só é bom tomar cuidado para não exagerar na velocidade e tomar cuidado com as curvas, pois há precipícios por toda parte, mas é um passeio tranquilo que todo mundo pode fazer já que é só deixar a bicicleta descer. As fotos estão no link que falei no começo do relato. 3º)Dia: Chacaltaya, saí de La Paz em uma van com muitos brasileiros e bem cheia para a montanha. Esse passeio vc vai de van até a estação de esqui mais alta do mundo são quase 5000 metros, eu acho, o que realmente é bonito é a vista para o altiplano. Isso é incrível. Quando a van chega na estação vc pode ficar apenas na estação tirando fotos ou subir um pouquinho para ir mais alto e andar no gelo. Bem, no chacaltaya o efeito da altitude é muito pessoal, tem gente que não sente nada, eu senti um negócio meio estranho, na subida até o ponto que aparentemente é o mais alto e todos os turistas vão eu fui sem problemas, mas depois resolvi caminhar mais pouco para outro ponto onde não tinha ninguém e a ida foi tranquila, caminhando devagar e respirando bem, porém na volta me bateu uma tonteira que achei que não iria conseguir voltar, isso foi bem tenso, daí parei fiquei respirando com calma e esperando passar e depois fui caminhando bem devagar até voltar, o engraçado é que nessa volta passaram por mim um grupo de bolivianos correndo e brincando no gelo, quem está acostumado é outra coisa. Desci do chacaltaya na van com uma dó de cabeça bem chata, mas bem feliz por ter ido tão alto e ter visto uma vista muito bonita. É interessante a mudança de temperatura no chacaltaya estava no gelo com casaco e frio e depois em La Paz as pessoas estavam na rua tomando sorvete e baita calor, pelo menos para os padrões de La Paz, mas deveria está uns 30 graus. Isso eu achei bem legal é como se tivesse viajado do polo norte para o nordeste brasileiro em apenas uma hora. Vale a pena ir ao chacaltaya só recomendo deixar para o último dia em La Paz porque assim estará mais aclimatizado. 3º) Dia: nesse resolvi ir para Isla Del Sol no Lago Titicaca, até porque queria me aclimatizar mais para a subida do huayna potosi. Então, acordei cedo e peguei um taxi até o terminal que sai os ônibus para Copacabana. No hostel eles te explicam tudo direitinho, se quiser ir para Isla Del Sol no mesmo dia é bom sair cedo porque se não me engano o último barco para lá sai às 13:30 de Copacabana. Eu não fiquei em Copacabana porque queria apenas conhecer a ilha, então cheguei lá e já peguei o barco. Na ilha fui para a parte norte o intuito era ficar um dia na parte norte, caminhar o outro para a parte sul e pegar o barco para voltar, mas não foi isso que aconteceu, Cheguei na ilha e segui um grupo de israelenses para achar um hostel mais em conta. Fiquei em um bem barato de frente para praia, mas que estava em construção, então meu quarto era como uma obra mal acabada e o banheiro do lado de fora que era duro de ir á noite com o frio que fazia, porém tinha um monte de gente acampada na praia e deixava tudo muito festivo. 4º)Dia: Fui caminhar pela ilha. Tem um circuito clássico que todo mundo faz para ver as ruínas é muito lindo o lago Titicaca parece um mar de tão grande e com uma cor e uma paz que o torna mais bonito que o mar. O azul é perfeito, bem escuro, cercado de montanhas geladas. É um lugar sem comparação, muito bonito mesmo. É interessante caminhar nesse caminho das ruínas que pode te levar até a parte sul da ilha, acho que são duas horas e meia ou três de caminhada, mas o circuito é lindo todo com um visual incrível. No meu caso não consegui ir para a parte sul como o pensado, porque perdi muito tempo parado, sentado admirando o lago e as ruínas, assim voltei para o hostel e tive uma noite bem legal. Quando sai para jantar conheci uma galera do Brasil que estavam acampados na praia, depois combinei com um pessoal do hostel da argentina e Espanha para que fossemos para a praia à noite, enfim, galera animada compramos coca cola e muito rum e fizemos o Lual mais gelado de nossas vidas. A ilha é muito charmosa, não tem luz elétrica nas ruas e o céu estava lindo com a lua cheia parecia até uma praia no Brasil com a diferença que estávamos a uns 4000 metros e com um monte de casaco que, no meu caso, só aparecia os olhos. Era muito frio, mas a galera estava bem animada, cantamos, brincamos, bebemos e a festa tava tão boa que a galera acampada ao lado se juntou a nós e foi uma grande confraternização de gente de vários lugares do mundo. Muito legal! 5º) Dia: Esse foi um dia apenas para voltar para La Paz. Com um pouco de ressaca. 6º) Dia: Agora sim, a subida da montanha huayna potossi com seus 6085 metros de altitude. Estava bem assustado sem saber se daria conta e lembrando do que passei no chacaltaya, pra falar a verdade, achei que não iria conseguir e para piorar resolvi ser competitivo. Esse passeio geralmente é de três dias sendo que o primeiro é para aclimatização, mas a mulher da agência me disse que tinha um grupo de três meninas que iriam em dois dias. Daí eu falei se elas conseguem eu também consigo, como eu já estava cinco dias na Bolívia, resolvi ir em dois. No dia do passeio, fomos divididos em duplas e eu fiquei com um cara da Inglaterra que também iria fazer em dois dias. No começo, fiquei com medo dele não conseguir e me atrapalhar, depois, foi o inverso, fiquei com medo de que eu o atrapalhasse, pois se um desistir tem que descer os dois. Fomos no primeiro dia até o acampamento base que fica já em 5000 metros e nessa hora achei que não iria conseguir. Foi muito estranho. Chegamos no acampamento às quatro horas da tarde e sairíamos para atacar o pico à uma hora da manhã, para passar esse tempo, meu companheiro da subida com os outros foram jogar cartas e eu fui para o saco de dormir fiquei quietinho sem mexer um único dedo e com o coração disparado como se estivesse correndo em uma maratona. Isso foi muito estranho, achei que não fosse com eles para atacar o pico de madrugada, era tão difícil fazer esforço lá em cima que até para ir ao banheiro era difícil, tinha que descer uma escada sair do refúgio e pegar uma pequena descida na montanha. O problema era que para voltar faltava tanto ar que eu me arrependia de ter ido ao banheiro, deveria ter segurado mais um pouco. Muito bem, tomamos uma sopa e tentamos dormir às 07:00 da noite, claro que ninguém dorme, mas dá para descansar e nesse momento foi muito bom porque comecei a me sentir bem e às uma da manhã, na hora de subir, estava ótimo, comecei a subida realmente muito bem e era lindo ver as luzes de La Paz lá de cima em plena madrugada caminhando gelo. O céu era outro espetáculo com várias estrelas cadentes, me senti muito bem e empolgado na maior parte da subida o único problema que tive foi com os pés, pois estavam muito gelados e não sentia os dedos do pé, mas graças a Deus, isso melhorou e passei a sentir mais os meus dedos, uma dica: suba com três a quatro meias e que sejam térmicas. Continuamos a subida e no finalzinho a coisa fica mais difícil, é duro caminhar com pouco oxigênio e nosso guia mantinha o ritmo sem parar o que é bom, lembro que apenas ficava contando um, dois, três na mente para manter o ritmo, como em uma marcha e isso realmente ajudava, pois o consegui manter o ritmo do coração sem que ele disparasse e ficava atento com a dó de cabeça que não poderia ser forte, haja vista o risco do mal de altitude que pode levar a morte. Nesse ponto as meninas que resolveram fazer em dois dias desistiram, algumas outras pessoas também, mas uma galera continuou e assim fomos. A última parte realmente não é fácil, mas eu lembro que quando vi o sol nascer e consegui ver o pico, tudo ficou muito mais empolgante e nessas horas agente tira a última gota de energia e segue adelante. Os últimos metros, agente coloca a corda e tem que passar em lugar estreito o colega quase desistiu nessa hora porque ele ficou com tonturas, mas ele foi se esforçou e continuou para não estragar minha subida, pois se ele não fosse não poderia ir até o pico. Esforço feito e finalmente o pico a 6085 metros de altura vimos o nascer do sol mais bonito do mundo. Isso foi muito mágico e inacreditável, olhar todas as montanhas da cordilheira real abaixo de você, porque o huayna potossi é a maior delas, e com o sol vindo no horizonte com tudo iluminando o mundo ao seu redor é a coisa mais linda e impressionante do mundo. É emocionante e nunca vi nada igual. Hora da descida. Valeu muito a pena subir essa montanha, todo o esforço foi muito recompensante e recomendo a todos. A questão é fazer em três dias porque assim você se aclimatiza melhor e sobe mais tranquilo, não é uma montanha técnica é apenas uma caminhada no gelo, mas que pela altitude torna-se uma caminhada mais difícil e o finalzinho é um pouco mais difícil, mas a vontade de chegar no cume te dá força e tenha certeza de que não vai se arrepender. Nesse mesmo dia peguei um ônibus à noite em La Paz para o Uyuni para conhecer o deserto de sal e fazer o passeio de três dias pelo altiplano boliviano até a fronteira com o Chile para ir a São Pedro de Atacama. Depois continuarei com esses próximos relatos. Até mais.
  4. só mais uma dica: quando vc for de Paris para Londres vá de ônibus que é muito mais barato que o eurostar. A passagem de ônibus vc compra pela internet. Esqueci o site, mas é alguma coisa como eurobus. Procura aí que vc acha. O ônibus sai de uma rodoviária que vc chega de metrô e no final da tarde assim vc dorme no ônibus e de manhã, quando ele chega em Londres, já é possível sair para aproveitar a cidade. Aliás, essa foi outra coisa que eu fiz, sempre tentava viajar à noite para economizar com o hostel e aproveitar melhor o tempo. Vc não perde um dia viajando e economiza uma diária.
  5. eu acho que o seu roteiro está bom, mas veja a possibilidade de voltar para o Brasil direto de Israel, assim vc não têm que voltar para a Alemanha. Quando eu fui comprei a passagem de múltiplos destinos da air france. Dessa forma, eu fiz Brasil/Paris para ir na volta Cairo/Brasil. Logisticamente ficou melhor. Ah! O meu gasto que coloquei acima de 10 euros por dia, na verdade, era apenas com comida não inclui entrada em museu e etc. nem passagem de metro. at+
  6. CAra, eu entrei por Paris e foi super tranquilo. Quando cheguei estava maior fila e confusão daí para agilizar nem carimbaram meu passaporte, na verdade, a mulher fingiu que vi e disse que podia passar. rsrsrs Na europa, pode me chamar de murrinha, mas eu acredito que gastei tirando albergue e incluindo transporte uma média de 10 a 13 euros por dia. 45 pra mim é muito. Cara eu acho uma boa visitar muitos países, tudo bem que fica um pouco mais caro, mas vale a pena. Quando sai do brasil para europa com 20 dias me falaram para me concentrar em poucos países, depois vi que para mim e para o meu estilo de viagem isso não é legal, eu prefiro visitar o máximo de países e cidades, até porque cada um é uma surpresa e uma cultura diferente e isso é legal. meu roteiro se não me falha a memória foi assim, mas me arrependi de ficar muitos dias em paris, londres e roma. 7dias paris e vale du loire 5 londres 2 amsterdam 4 munique 1 venessa 5 roma
  7. Pessoal, recebi uma pergunta sobre custo de viagem no egito, pela mensagem privada do site, já respondi e também vou postar aqui, pois pode servir para mais gente. Olá zenjr. Quando eu fui, foi em setembro de 2008 e não estou bem lembrado do custo, mas vamos tentar lembrar. Quando falar em pounds, estou me referindo a libra egípcia e não a esterlina que deus me livre. A moeda de lá é bem desvalorizada em relação ao real, é bom dá uma olhada no site do banco central para vc ter uma idéia da cotação. Well, vamos lá Quando cheguei no Egito fui atrás de um táxi para a estação central de trem porque queria ir direto para luxor. (o trem sai, acho que 19:00 18:00 e até 22:00) esses horários eu nem sabia, quando cheguei pensei: se conseguir trem vou para luxor se não fico em algum albergue no cairo. O preço do táxi começou nas alturas, mas depois de muita conversa e ameaça de que vai pegar outro táxi e etc... Consegui reduzir. Ele cobrou 100 pounds e consegui abaixar para 25, mas o correto ainda é menos que isso. Já vai se acustumando no Egito é tudo negociação e os preços sempre começam 4 a 5 vezes a mais. O importante é sempre perguntar para uma pessoa local qual é o preço correto e assim vc vai ficando mais esperto. Táxi pago ( é bom pagar antecipado para evitar surpressas) fui à estação de trem. Comi uma espécie de miojo que foi bem barato acho que 5 pounds. Comprei a passagem de trem em uma cabine convecional e não lembro o valor mais sei que na época achei barato. Só para vc ter uma idéia na volta eu peguei o trem mais caro que todo mundo diz que é um absurdo de caro, mas já estava no final da viaje e resolvi gastar mais para ter mais conforto e chegar sem atraso na cidade do cairo. Paguei 100 dolares nesse super caro. Nada de tão absurdo para a distância que dura uma noite inteira saindo às 19:00. (é como uma passagem de ônibus no brasil para uma mesma distância) Cheguei em Luxor e já na estação consegui um albergue que era bom e superbarato. Algo em torno de 30p e tinha ar condicionado banheiro no quarto e ainda acabei ficando sozinho no quarto pq não tinha muita gente. Em Luxor a oferta de albergue e hotel é enorme e vc sempre consegue coisa boa e barata. Os demais gastos foram com passeios, nada de mais. Também não lembro mais os valores, mas lembro que fazia o câmbio na cabeça e sempre via que dava em torno de 80 reais. Preço de um bom passeio no Brasil. Fiz apenas um muito bom para o vale dos reis, mas lá tem muitas outras opções. Depois fui para o templo de Karnak que vc pode ir a pé ou de táxi e fiquei um dia inteiro lá. O ingresso não é caro e vale a pena. Comida, não é cara, eu sempre pedia alguns pratos que tivessem carne. Todos os pratos vinham com pão árabe na entrada e só isso com a carne já fazia uma refeição. Acho que se vc pensar em gastar 10 a 15 reais com comida já vai comer muito bem, mas eu não sou enxoado com comida, então para mim qualquer coisa tá boa, assim paguei mais barato ainda, mas, no egito, é bom também tomar cuidado para não ir em qualquer restaurante para não comer comida que possa te fazer mal. Aí sim vc perder a viaje e vai ser um prejuízo grande. Quando eu queria economizar e não confiava no restaurante eu pedia o miojão deles que, não sei o nome, mas parece um miojo, lembro que apenas apontava e eles me davam em uma cuia. Depois de Luxor fui para o Cairo no trem caro que te falei, na verdade, só peguei esse trem porque so teria mais dois dias no cairo e não queria perder tempo. Quando fui do Cairo para Luxor no trem convencional , cheguei em Luxor quase quatro horas da tarde pq toda hora o trem parava. Já nesse outro consegui chegar no Cairo às 07:00 da manhã em ponto e foi ótimo o conforto. Aliás eu gostei dos trens do egito. A cabine é espaçosa e somente o banheiro é bem sujo, mas a minha viagem de trem no egito foi muito melhor do que a viagem que fiz de venesa para Roma. Os trens da itália eu detestei. cabine apertada, nem conseguia me mexer, muito menos dormir. No egito foi legal e interessante. O guinche para compra é uma bagunça e parece aqueles filmes de idiana jones, depois quando entrei no trem a minha poltrona já tinha sido vendida para outro cara e aí eu fui para outra cabine onde encontrei uns egípcios simpáticos e fomos conversando até luxor. Isso foi bom. Voltando ao assunto. Cheguei no cairo e peguei o metro para o centro da cidade perto do museu. O metro é bem barato, acho que se fizesse o câmbio daria um real. No centro procurei um albergue que me deu um trabalho danado, mas achei um alberque chamado brothers, ou alguma coisa assim. Paguei bem barato também (vc pode ver os preços no hostelworld para ter uma idéia) Olha no egito eles são meio malandros. O dono do albergue consegui pegar minha senha do hostelworld e postou um monte de boas recomendações do albergue no site em meu nome rsrsrs. paciência, o bom foi que o hostel era legal e dei sorte. Fiquei sozinho em um quarto com cama de casal enorme, varanda, ar condicionado. Para falar a verdade, tive a melhor noite da viaje, estava me sentindo um faraó rsrsrs. Foi bem legal, embora tenham falado por mim no hostelworld. Bem, como estava no centro fui para o museu a pé, fiquei algum tempo lá dentro, mas não o dia todo como ficava nos museus da europa. Tem muita coisa no museu, mas boa parte já tinha visto no museu britânico e no louvre, por isso, não perdi muito tempo com múmias e etc... Fui logo na sala do tutankamo onde, ali sim, é bem interessante. A máscara de ouro e outros objetos encontrados na tumba são bem legais. Sai do museu e ainda peguei um táxi para a cidade velha., Onde tem a maior mesquita do egito. Nem sei direito como chequei lá. O táxi foi bem barato e esse lugar fica longe do centro. Como todo mundo já disse, no forum, o egito é muito bom para andar de táxi,só precisa negociar, se não vc vai pagar caro. Nesse lugar tem uma muralha antiga, museu do exercito e monte de coisas. Gostei do conjunto arquitetônico com aquelas muralhas antigas de frente para o deserto e a cidade atrás que vc ver do alto além da mesquita. Bem legal. Dali tentei ir a pé até o mercado que esqueci o nome, mas é super famoso. O mais famoso de lá e maior. A minha tentativa de ir a pé foi até cruzar duas ruas e pegar um táxi. Na verdade, é longe e complicado de se chegar. Cheguei no mercado a noite e fiquei por lá ate umas 21:00. Comi bem na feira e paguei apenas uns 20 pounds egípcios. Prato de entrada e tudo que tinha direito e mesmo assim foi super barato. Dali peguei mais um táxi e fui para o hostel. O impressionante desse dia é que tinha acabado o hamadam ( o jejum deles) e estavam todos em festas, as ruas todas lotadas, as pessoas vendendo tecido, música, buzina... Foi incrível nunca vi nada igual e nem vou esquecer a cidade toda em festa. Acordei cedo e nesse meu último dia fiz o checkout do hostel e fui para as piramides, meu vôo só iria sair às três da manhã. Peguei um táxi e comecei a me dá mal. Entrou um cara no táxi e começou a me enrolar. Disse que sabia um jeito de pagar mais barato para entrar nas piramides e etc.. e eu de burro cai na lábia do cara. Cai direitinho. Ele me disse que na entrada principal só tinha americano e que lá o preço era de turista e ele iria me passar como um local e etc. e etc... Resultado: fui para um lugar que era uma agência vagabunda de um amigo dele que me cobrou uma fortunua para entrar no parque. A promesa era de que eu iria ficar mais tempo que os outros turistas e todo esse papo. Paguei uns 500 pounds (pode chamar de burro) foi a coisa mais cara que paguei no egito, na verdade a única coisa que fez essa viagem ficar cara. Mas olha só o que aconteceu ainda. Algumas vezes, o pior de ser enganado é descobrir que está sendo enganado. Fiquei na agencia esperando o cara vir com os ingressos e nesse tempo cai na real. Se ele comprou os ingressos, porque não eu? O cara chegou e nos ingressos tinha o valor. Não lembro direito, mas sei que era muito barato. Daí fiquei puto da vida. Pedi meu dinheiro de volta, briguei, disse que iria chamar a polícia e nada de dinheiro de volta e, ainda, o parque já estava fechando. Daí resolvi assumir o prejuízo e entrar logo. Entrei com um guia da agência e um camêlo. Senti-me um turistão aposentado americano com aquele camêlo. Eu não queria camêlo e nem guia para ficar me enchendo. Queria somente apreciar as piramides e ficar na minha. No entanto, fiquei com um guia que a única coisa que ele falava era pedir gorjeta. Toda hora. No fim foi isso, prejuízo financeiro e uma baita raiva. A única coisa boa, e isso eu recomendo, foi que no final da tarde ele me levou em uma duna para ver o pôr do sol no deserto com as piramides na frente. Isso foi demais e poucos turistas fazem. Se quiser, não precisa contratar a agência picareta, é só seguir os muros do parque que no final ele acaba no deserto e aí vc tem um monte de dunas a sua disposição é só escolher uma, mas não se assuste, enquanto vc estiver seguindo os muros passará em lugares que parece favela, vielas estreitas, esgoto a céu aberto e etc... Nada que uma favela no Brasil não tenha, mas com um diferencial importante, lá não é perigoso, não vai encontrar ninguém com um fuzil na mão gritanto: perdeu, perdeu mané!!!! É tranquilo. Para ser preciso , o caminho é: olhando para as piramides, do portão principal, para sua esquerda. É um longo caminho e nem sempre o muro estará perto de vc, mas eu achei que valeu a pena. Só quero falar somente mais uma coisa importante. Depois que fui enganado fiquei com muita raiva dos egípcios, puto mesmo, logo eu que gosto tanto de conhecer novas culturas e das pessoas que encontro em minhas viagens. Eu não estava nem me reconhecendo, mas foi só entrar no avião para esquecer tudo e ver o tão especial foi minha viagem e que privilégio eu tive em ir para aquele lugar. Cultura extremalmente diferente e no fim foi tudo muito legal. O que eu quero dizer é que não fique chateado se tudo vc tem que negociar, ou se foi enganado aqui ou ali, a viagem de uma forma global é muito maior que essas pequenas coisas. Pessoas boas e ruins vc encontra em todo lugar e vale mais a pena guardar na memória as boas. Como as do trem do egito e muitas outras que me ajudaram no caminho. Aproveite a viagem, curta muito, pois cada segundo de uma viagem é muito especial, principalmente em uma como a que vc quer fazer. E não se preocupe muito com grana no egito porque lá tudo é muito barato. Acho que no final das contas, gastei em torno de 600 reais no egito (isso contanto, passeios, hospedagem, táxi, passagens de trem e ainda a roubada das piramides). Não é caro. Não se preocupe com o egito e sim com a europa, essa sim é terrível, e para os preços atualizados de hospedagem, eu recomendo o hostelworld.com hasta luego.
  8. Nicole quando fui, eu peguei multiplos destinos , daí fui para Paris fiquei 20 dias na europa e depois fui para o cairo de paris pela air france. Comprei o bilhete pela decolar.com, mas na época não tinha o hábito de consultar agência de viagens. TE aconselho a ir em uma agência e pedir para que eles pesquisem para vc a melhor opção, pois eles tem um tal de um sistema galileu(acho que esse nome tá errado) que ver as passagens de todas as companhias do mundo e ver qual melhor opção é bem legal. Outra opção: depois que chequei no Brasil fiz, ainda, uma pesquisa rápida e vi que se eu tivesse ido para Roma e em Roma tivesse comprado a passagem para o Cairo teria ficado muito mais barato. Então, vc pode pensar nisso também.
  9. Olha gorjeta e pessoal. Eu fiquei tão puto com os egípcios que não dei gorjeta nenhuma, mas eles são chatos vão ficar o tempo todo te pedindo gorjeta.
  10. Obrigado Cascia, Só mais uma perguntinha: é necessário mesmo acampar em pampa linda antes de subir para o refúgio ou é possível dormir em algum alberque lá. Se tiver que acampar vc sabe se lá há lugares para aluguel de barraca. Apesar de que eu vou para Chaltén e TDP para acampar, não levarei nenhum equipamentom, devo alugar tudo lá. obrigado.
  11. Muito Obrigado pelas informações, fiquei impressionado com as fotos. Que lindas!!!! só me deu mais vontade de conhecer esse lugar. Bem, depois de ler seu relato, gostei tanto que estou ajeitando aqui e ali para tentar acampar no cerro tronador. Está apenas no começo a idéia, mas dá umaolhada para ver se é possível. 1)Chegar em Bari às 15: 45 vindo de Calafate (Nesse dia pretendo ir ao cerro Otto. Será que é possível?) 2)Ir para Pampa Linda e acampar na base do cerro tronador 2)Subir até o refúgio, que eu esqueci o nome de novo rsrsrs, (nesse dia eu tenho dúvida se dá para voltar e dormir em Bariloche) 3)Bariloche/ Puerto Varas 4) Puerto Varas 5) Puerto Varas / Pucon 6) Pucon 7) Pucon Pucon 9) Pucon Santiago 10 ) Santiago / Brasília Coloquei três dias em Pucon para esperar o dia ficar bom e subir o Villa. Minha dúvida maior é no dia 2 se é possível voltar para Bariloche no mesmo dia e qual ônibus que eu pego. Se vc puder me ajuda nessa parte do roteiro, pois é a menos desconhecida para mim Obrigado, At Mais
  12. Olá, também fiquei muito empolgado com o seu roteiro. Minnha viagem é agora em outubro até dezembro. 33 dias pela patagônia. Vou passar pela região dos lagos vindo da astral e por isso devo ficar pouco tempo por lá, mas resevei 3 dias para pucon e 1 para puerto varas e mais 2 para bariloche, espero que seja bom. Sei que vc fez de carro, mas minha dúvida é se é possível em um dia, sem carro, ir em puerto varas para o salto de petrohue e depois subir o osorno de teleférico e voltar para puerto varas. Acho que com isso eu já ficaria satisfeito. Outro coisa que fiquei com "inveja" de vc. rsrsrs , foi que conseguiu ir ao cerro tronador e subir um négocio lá que eu não conhecia que dava um bom visual, segundo o roteiro. Bem o meu problema é que não conheço bariloche e terei, nessa viagem apenas dois dias, mas pretendo retornar no inverno. Bem a minha procura em Bariloche, agora no verão, é por bonitas vistas. O que vc me aconselharia nesses dois curtíssimos dias. Tinha pensado apenas no cerro chico e baseios básicos pela cidade, mas se for possível ir no cerro tronador e subir esse lugar legal do relato, estou dentro Obrigado e se possivel publicas as fotos de novo.
  13. Oi Paula, eu, assim como vc fez, pretendo ir para el chalten e TDP, eu vi que vc não acampou em chaltén e é possível que eu depois de TDP, também fique com preguiça e acabe não acampando. Minha dúvida é: todo mundo diz que para reservar albergue ou qualquer coisa em el chalten é necessário fazer tudo com muita antecedência, mas no seu caso eu acho que vc consegui sem fazer reserva, então, é fácil conseguir sem reserva? Valeu pelas respostas anteriores Um abraço
  14. Legal Paula. Obrigado pela sugestão do roteiro. Só queria te perguntar mais uma coisa: vai ser minha primeira viagem onde irei acampar. Nunca fiz nenhuma atravessia nem nada, por isso queria te perguntar sobre o que mais está me preocupando: a comida. Como vc fez seu planejamento do que levar para os 7 dias de trilha? E o que devo levar? Se tiver mais alguma dica, ficarei bastante grato. Abraço
  15. Oi Paula eu vi que vc fez o W do torre del paine em 7 dias. Eu também pretendo fazer o W lá e gostaria de saber se é possível fazer em 5 dias.
  16. Olá marcos, Gostaria de saber como vc fez com alimentação no W do terre del paine. vc disse que cafe da manha e jantar era no refúgio, mas eles que ofereciam ou vc que levou para preparar no refúgio? E o almoço como vc fazia? Parabéns pela viagem estou louco para conhecer também.
  17. passarinho, vc que acabou de voltar de buenos aires, vc sabe me dizer como andam as coisas lá sobre a gripe suína. É possível sair nas ruas sem problemas o que vc achou?
×
×
  • Criar Novo...