Ir para conteúdo

Dérien

Membros
  • Total de itens

    428
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Dérien postou

  1. Dérien

    Ilha de Marajó

    Estrelita, Tranquilo você chegar em Belém e pegar o ônibus às 20h00. São três horas de barca estourando. Chegando em Marajó não tem erro, um monte de vans esperando para levar onde quiser. O legal da Ilha do Marajó é que tem mototaxi lá então você não precisa de maneira alguma ficar dependendo de agência, guias, etc. Fiquei em Salvaterra e fiz sozinho todos os passeios, sem qualquer problema. Fique só atenta na maré baixa com as arraias de rio. Mas é só conversar com algum local na praia e ele te diz se dá pra entrar ou não.
  2. O Cormoranes fica sim um pouco afastado e no topo de uma longa subida. Tem também o problema de precisar sair em ambiente descoberto para voltar do banheiro pro quarto. O lugar é meio caído, sim. Mas tem a vista (tem uma varanda que é um mirante), é no caminho do Martial, e a cozinha é muito legal, grande, pra caber bastante gente, e a noite sempre tem festa, o pessoal se confraternizando, as paredes são cobertas de mensagens, desenhos, bandeiras, a verdadeira personificação de um albergue. Quando estive lá, surgiu um cara depois da meia-noite com um monte de flautas, dos mais diversos tipos, e começou uma tocação de flauta, foi muito engraçado. Mas fiquei feliz quando cheguei em Calafate e vi que era plano.
  3. Dérien

    Torres del Paine

    Tiago. Obrigado pelas informações. Que outras trilhas eu posso fazer partindo do acampamento chileno? Todos eles têm aluguel de saco para dormir e um lugar pra cozinhar ou refeição para comprar? Quero ficar três dias, para ir para Paine Grande qual seria o melhor caminho saindo do acampamento chileno? Bom, se puder dar uma força, agradeço de antemão. Dérien
  4. Dérien

    Torres del Paine

    Pessoal, estou com dúvidas atrozes quanto aos refúgios existentes em TDP. Na verdade, a dúvida é na relação refúgioXtrilha. O ônibus passa por todos os refúgios? Para fazer a trilha até as torres, em qual refúgio devo ficar? Todos têm saco de dormir para alugar (vi que o único que fornece roupa de cama, a um preço bem salgado, é o Paine Grande)? Na internet, a gente só encontra informação dos refúgios maiores (Paine Grande, Grey e Dickinson) e eu não sei como funcionam os outros, se tem que fazer reserva. Bom, tô cheio de dúvidas em relação a isso, se alguém puder ajudar . . .[info][/info]
  5. E aí , pessoal! Bom, sou de SP e desci de avião em Caxias, onde aluguei um carro (melhor coisa que fiz), com o qual acabaria rodando 1.000Km, passando por Gramado, Canela, Cambará do Sul, Praia Grande (SC), Torres e Bento Gonçalves. Em Gramado e Canela focamos nossa viagem nos atrativos naturais, ou seja, Parque da Ferradura e Parque dos Paredões (novo). O da Ferradura tem um visual impressionante, as trilhas são limpas e agradáveis e os mirantes muito bem localizados. Ali, no mirante da Ferradura, dei, finalmente, a aliança para minha esposa (seis anos morando juntos e um ano de casado no civil). Mas isso é uma outra história. Bom, no Ferradura a visitação, tirando uma trilha que é mais longa, leva umas duas horas. Nos Paredões, leva um pouco menos. Depois fomos ao teleférico (que, na minha opinião, substitui muito bem o Pq. do Caracol, pelo menos na vista da Cachoeira, ou seja, economia). Ficamos em Canela no Hostel, que achei caro para um Hostel (R$90,00 o casal). Depois, fomos para Cambará do Sul. No caminho, tem o Passo do Inferno, que agora se chama Pq. das Cachoeiras e, justamente por essa mudança, passamos batido sem conhecer o lugar, mas parece que vale a pena dar uma passada por lá, você faz o caminho dentro do carro, só curtindo o visu. Antes de chegarmos a Cambará, passamos pela Cachoeira dos Venâncios e Passo do S, que tem uns 10 km de estrada bem ruinzinha, mas passável, ainda mais quando o carro é alugado. A parte da estrada até a Cach. Venâncios é mais tranquila. Agora, como tudo em Cambará, sem carro, só de agência. Pra finalizar esse dia, fomos jantar no Galpão Costaneira: bifes grelhados c/ queijo coalho, farofa de pinhão, linguiça caseira, etc. Comi com louvor. No dia seguinte, fomos ao Fortaleza, a mais gigantesca paisagem que já vi em minha vida (até que os Glaciares em Calafate). Dia de sol e conseguimos ver Torres. Percorremos toda a borda, vagarosamente, e terminamos no ponto mais alto do Canyon, que muita gente parece não saber se acessível (principalmente porque não há qualquer sinalização no Fortaleza). A trilha do segredo é que foi mais complicada: sem sinalização, foi difícil entender que era preciso atravessar o rio em local tão próximo à queda dágua (por sinal gigante, a Cachoeira do Tigre). Entendam que a travessia é antes da queda. Mas é tranquilo, as lajes do leito do rio formam um caminho pelo qual dá pra passar e não há correnteza. Já do outro lado da margem, a trilha é segredo: muito mato, praticamente não há trilha e o negócio é pegar a direção em que está o alambrado de observação (estrategicamente vislumbrado ainda na outra margem) e seguir até lá. Dali em diante, o visual é de encher os olhos. Tremo só de pensar que quase não fizemos essa trilha. Em Cambará, fiquei na Pousada Simone. Barata (R$ 60,00 o casal), limpa e c/ um ótimo café da manhã. Já no Itaimbezinho não cometemos o mesmo erro do Fortaleza, ou seja, levamos uma garrafa de vinho, salame e queijo, desfrutados ao longo da trilha do cotovelo. Na verdade, acho que deveria ter ido lá primeiro, já que o Fortaleza é o clímax, o Grand Finale. O Fortaleza ainda é selvagem, não tem mirante construído, você fica mais em contato com a imensidão do lugar. As estradas, tanto de um quanto de outro, estão ruins, mas dá pra ir tranquilo. Então descemos até Praia Grande para fazer a Trilha do Rio do Boi. Íamos fazer a do Malacara, mas um casal que encontramos no Itaimbezinho disse que não era o que eles esperavam. Chegando lá, ficamos no Hostel Nativo dos Canyons, gente muito boa os donos, o hostel mais sociável que já fui. Não havia ninguém mais para dividir o guia, então morremos em R$ 100,00. Mas valeu muito a pena, realmente é sensacional, do começo ao fim. Isso sem falar que nosso guia tem um sogro, cozinheiro de mão cheia, que tinha acabado de abrir seu restaurante. Fomos até lá e não acreditamos na quantidade de comida por R$15,00/pessoa. Entre peixes, massas, farofas e saladas, destaque para a pizza de peixe, que se chama assim por serem duas camadas de filé de peixe (a "massa") cobertas por molho de tomate, muito queijo e brócolis. A Casa do Sabor é o nome do lugar. Dia seguinte pela manhã, e fomos para Torres, onde achamos muito caro os restaurantes de frutos do mar do Cais do Mampituba. Na sorte, um desses restaurantes estava com promoção de R$15,00 buffet de grelhados, massas e muito mais. Em Torres, subimos nas Torres, curtimos muito o visual das praias e dunas e, é claro, estava sol e então tomamos um banho de mar. Tentei entrar com o carro na Praia da Cal e quase me dei muito mal: errei no traçado para descer por uma rampa e o carro ficou com as duas rodas da frente no ar. Mas nada que a prestatividade gaúcha não pudesse resolver: rapidamente um surfista e um senhor que passavam por ali se prontificaram a ajudar e conseguimos improvisar uma rampa de madeira. De lá fomos para Bento Gonçalves e pudemos curtir o espetáculo que é a subida pela Rota do Sol. Chegando em Bento, ficamos aturdidos com a cidade grande que encontramos. Ficamos na Casa Mia, bom, barato e com um excelente café da manhã. Na Vinícula Garibaldi, encontramos com uma guia e então fomos levados no bico. Supervalorizando seu trabalho, ela estava com uma coreana de Curitiba, que ela disse ser enóloga com experiência internacional mas que na verdade depois descobrimos tratar-se apenas de uma apreciadora de vinhos. Disse que faria com ela um passeio no dia seguinte pela Salton, mas degustando vinhos diferenciados da degustação normal, o que não aconteceu, ou melhor, provamos apenas um vinho diferenciado, e muito a contragosto da guia da fábrica. Depois nos levou a uma cachaçaria, que ela dizia ser difícil de encontrar o caminho, o que mais uma vez provou ser mentira. Bom, no fim das contas, pagamos R$50,00 por uma guia que apenas dirigiu seu carro, nos levando a lugares que poderíamos ter ido por conta própria e de graça. Mas depois fomos ao Vale dos Vinhedos, Caminho das Pedras e Vale das Montanhas, e tudo ficou às mil maravilhas. Nesses lugares, parece que os jardins floridos nascem naturalmente da vegetação, dá vontade de passar o dia inteiro dirigindo o carro e curtindo a paisagem, a melhor definição real para a palavra "bucólico". Pra onde você olha, dá pra pintar um quadro. É tudo muito bem cuidado, são muitas cores, o povo é pra lá de hospitaleiro (que história a dos italianos naquela região!!). O lugar mais próximo do "Condado" de "O Senhor dos Anéis" que já conheci. Ali degustei muitos vinhos, proseamos com várias pessoas, aprendemos muito sobre a cultura do vinho. Nota 10!!! Bom, é isso aí. Adoramos o Rio Grande do Sul, seu povo, cultura, paisagens, comida, bebida. Os canyons foram marcantes e com certeza voltarei lá outra vez.
  6. Valeu Cesar, Essa na verdade era uma das pousadas que encontrei mais barata, depois de ter escrito o post (não desistir, nunca). Realmente, o preço está 50,00, só não sabia do aquecedor elétrico, o que melhora a situação. Outras pousadas que vi foram: POUSADA SABRINA – AV. GETÚLIO VARGAS, 876 – 3251-1147 – R$ 50,00 POUSADA ALVORADA – AV. GETÚLIO VARGAS, 920 – 3251-1284 – R$ 70,00 COM CAFÉ
  7. Bom pessoal, estarei em Cambará do Sul na próxima semana. Fui pesquisar hospedagem nos sites disponíveis e achei os preços muito caros ( + de R$100,00 a diária). Será que alguém tem qualquer dica de hospedagem na cidade que seja mais simples, mais barata, sem, é claro, ser suja e desconfortável? Té Dérien
  8. Pessoal, Vi muitos posts falando sobre as pousadas mais simples e baratas de Gramado, Canela e Bento Gonçalves. Liguei para todas elas, inclusive algumas que são albergues, e o preço mais barato que encontrei para casal foi R$ 100,00. Poxa, albergue e pousadinha, eu esperava preços entre R$ 60,00 e 80,00!! Como muitos já escreveram, é só pra dormir e tomar banho!! E isso porque não é alta temporada! Cara, realmente, tá muito caro! Como vou alugar um carro, estou pensando em dormir nele (rsrsrsrsrsr) Té Dérien
  9. Dérien

    [[Template core/front/global/prefix is throwing an error. This theme may be out of date. Run the support tool in the AdminCP to restore the default theme.]] Deserto de Atacama

    Olá, estou pretendendo ir ao Atacama agora em abril. Vocês sabem se existe alguma vacina a ser tomada para ir ao Chile? E para o Salar de Uyuni? Té Dérien
×
×
  • Criar Novo...