Ir para conteúdo

Márcia Bastos

Membros
  • Total de itens

    146
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Márcia Bastos

  • Data de Nascimento 12-07-1969

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    PARNASO-Teresópolis e Guapimirim, Vila de Trindade, Parati-Mirim, Ponta do Cajaíba, Cachoeira de Macacu, Arraial do Cabo, Sana, Lumiar, Ilha Grande , Sodrelândia (RJ)Ibitipoca, Carrancas, Aiuruoca,Serra da Canastra, Milho Verde, Ouro Preto (MG), Guarapari(ES), Bonito(MS), Pirinópolis, Chapada dos Veadeiros(GO), Chapada Diamantina, Salvador (BA), Aracaju(SE)
  • Próximo Destino
    São Gonçalo do Rio Preto (MG)
  • Ocupação
    Estudante de Filosofia
  1. Viagem Vale do Jequitinhonha MG

    Olá, mochileiros. Visitei o Parque Estadual do Rio Preto e fiquei totalmente encantada com a beleza natural do lugar e com a excelente administração do parque. Trilhas bem cuidadas e o comprometimento dos funcionários com a preservação ambiental, são detalhes que me impressioaram. Realmente percebe-se o compromentimento de todos, tanto na preservação do ecosistema quanto na integração do visitante ao local.A área de camping além de funcional é bonita, com uma bela fonte de água potável. Para chegar em São Gonçalo do Rio Preto : Pássaro Verde - Todos os dias, 6h30m, sai da rodoviária de BH um ônibus direto para São Gonçalo do Rio Preto. O último ônibus de Diamantina para SGRio Preto é às 15h (também pela Pássaro Verde). A distância entre Diamantina e SGRio Preto não é grande, além disso há transporte informal entre as cidades. Para chegar ao Parque : Em São Gonçalo do Rio Preto procurar informações na pracinha. Há uma boa equipe que faz o transporte informal. O valor (R$50,00) pode parecer abusivo, mas depois de percorrer a estrada dá pra entender. Devido à preservação ambiental a estrada de acesso ao parque não é aplainda, tem muitos buracos, e por isso os danos aos veículos são inevitáveis. Pousada Canto das Àguas : Estava dentro da minha programação, entretanto tive um problema de saúde e não pude cumprir com o roteiro.
  2. Petrópolis - Perguntas e Respostas

    Ôi, Gusta. Em Teresópolis vôce pode acampar em dois lugares. No camping Gato Maracajá, dentro do Parque Nacional da Serra dos Orgãos ou no Camping da Barra (http://www.campingquintadabarra.com.br). O camping da Barra fica praticamente no lado oposto ao Parque Nacional (que é a grande atração) mas tem mais "conforto", banheiros maiores, pscina e sauna. Em compensação acampar no Parque Nacional é sempre uma experiência maravilhosa mas não tem nenhum comércio por perto, por isso toda a comida tem de ser levada. Vibrações positivas,
  3. Chapada Diamantina - Perguntas e Respostas

    Olá,VAgnermr. Fui à Chapada Diamantina há alguns anos e é um lugar maravilhoso e com muitas atrações. As agências, para fazermos os passeios, centralizam-se em Lençóis e pelo que percebi não há muitos passeios que possamos fazer sem a intermediação das agências. Quando estive lá o pessoal da Lentur me impressionou, são muito legais, há "tipo" um atendimento personalizado. Se não me engano acho que eles também têm uma pousada. Quando fui me surpreendi com o frio no Vale do Capão mas só no período da noite, leve agasalhos. Lentur : Lençóis - Bahia - Brasil Tel: (75) 3334-1271 / 3334-1412 Cel: (71) 9127-0611 e-mail: [email protected] Boa viagem,
  4. Viagem Vale do Jequitinhonha MG

    Ôi, Bia. Preciso da sua ajuda. Pretendo ir para São Gonçalo do Rio Preto em julho (a partir do dia 10/07). Já obtive pela internet algumas informações básicas sobre hospedagem, alimentação, mas preciso dos seguintes detalhes : - há algum tipo de transporte de São Gonçalo do Rio Preto até o parque ?(gostaria também de acampar no parque. Adoro acampar...). Um táxi ficaria quanto mais ou menos? - È verdade que nos fins de semana de julho tem um tipo de ensaio para os festejos de agosto (N.Sra do Rosário? Marujada?) ? - Essa Vila do Alecrim , é um lugar maneiro , tem cahoeira, mato, árvores, algum camping ou pousadinha ? - Vc sabe os horários e dias de ônibus de Diamantina para São Gonçalo do Rio Preto e vice versa ? - Em São Gonçalo do Rio Preto tem alguma pousada tipo sítio, com mato, árvores, natureza ? Se puder me responder algumas dessas perguntas vai me ajudar muito. Agradeço pela sua atenção,
  5. Rio de Janeiro: Arquivo

    Olá. Nunca acampei em Cabo Frio, na verdade há 10 anos não vou lá. Entretanto nas pesquisas que fiz vi esse site, espero que ajude : www.pousadadunasdopero.com.br Caso alguém conheça o camping, postem comentários... Vibrações Positivas
  6. Macaé (Sana) - Perguntas e Respostas

    Agradeço pelas informações. Abraços,
  7. Macaé (Sana) - Perguntas e Respostas

    Olá, Mochileiros. Por acaso alguém tem informações sobre Glicério ? As informações básicas já obtive mas gostaria de saber sobre as impressões de quem esteve por lá. A cachoeira da Siriaca é legal ? Tem algum lugar para acampar com infra (banheiro, fogão) ? Há mais cachoeiras próximas ao vilarejo de Glicério ? Glicério é um vilarejo ou já está com as mesmas condições do SANA ? Agradeço pela ajuda. Vibrações positivas!!!
  8. Rio de Janeiro: Arquivo

    Olá,Ockilupo. Da Vila do Abraão para o SAco do Céu há local para camping selvagem na Praia de Fora na Enseada das Estrelas. Essa informação consta em sites da Ilha Grande e também em um mapa disponibilizado em alguns estabelecimentos na Ilha Grande. Porém não tenho mais detalhes. No mapa percebemos que um rio desemboca nesta praia. Se estiver por Praia Grande de Araçatiba recomendo a Pousada (camping) Bem Natural. O local é excelente , atendimento de primeira, comida boa e um lindo visual. Abraços,
  9. Mistérios, lendas...

    ôi Elinaldo, adorei a Cumadi Fulozinha! Excelente texto. Abraços,
  10. Mistérios, lendas...

    Saci Pererê A Lenda do Saci data do fim do século XVIII. Durante a escravidão, as amas-secas e os caboclos-velhos assustavam as crianças com os relatos das travessuras dele. Seu nome no Brasil é origem Tupi Guarani. Em muitas regiões do Brasil, o Saci é considerado um ser brincalhão enquanto que em outros lugares ele é visto como um ser maligno. É uma criança, um negrinho de uma perna só que fuma um cachimbo e usa na cabeça uma carapuça vermelha que lhe dá poderes mágicos, como o de desaparecer e aparecer onde quiser. Existem 3 tipos de Sacis: O Pererê, que é pretinho, O Trique, moreno e brincalhão e o Saçurá, que tem olhos vermelhos. Ele também se transforma numa ave chamada Matiaperê cujo assobio melancólico dificilmente se sabe de onde vem. Ele adora fazer pequenas travessuras, como esconder brinquedos, soltar animais dos currais, derramar sal nas cozinhas, fazer tranças nas crinas dos cavalos, etc. Diz a crença popular que dentro de todo redemoinho de vento existe um Saci. Ele não atravessa córregos nem riachos. Alguém perseguido por ele, deve jogar cordas com nós em sem caminho que ele vai parar para desatar os nós, deixando que a pessoa fuja. Diz a lenda que, se alguém jogar dentro do redemoinho um rosário de mato bento ou uma peneira, pode capturá-lo, e se conseguir sua carapuça, será recompensado com a realização de um desejo. Nomes comuns: Saci-Cererê, Saci-Trique, Saçurá, Matimpererê, Matintaperera, etc. Origem Provável: Os primeiros relatos são da Região Sudeste, datando do Século XIX, em Minas e São Paulo, mas em Portugal há relatos de uma entidade semelhante. Este mito não existia no Brasil Colonial. Entre os Tupinambás, uma ave chamada Matintaperera, com o tempo, passou a se chamar Saci-pererê, e deixou de ser ave para se tornar um caboclinho preto de uma só perna, que aparecia aos viajantes perdidos nas matas. Também de acordo com a região, ele sofre algumas modificações: Por exemplo, dizem que ele tem as mãos furadas no centro, e que sua maior diversão é jogar uma brasa para o alto para que esta atravesse os furos. Outros dizem que ele faz isso com uma moeda. Há uma versão que diz que o Caipora, é seu Pai. Dizem também que ele, na verdade eles, um bando de Sacis, costumam se reunir à noite para planejarem as travessuras que vão fazer. Ele tem o poder de se transformar no que quiser. Assim, ora aparece acompanhado de uma horrível megera, ora sozinho, ora como uma ave. voltar ao topo
  11. Mistérios, lendas...

    Saci Pererê A Lenda do Saci data do fim do século XVIII. Durante a escravidão, as amas-secas e os caboclos-velhos assustavam as crianças com os relatos das travessuras dele. Seu nome no Brasil é origem Tupi Guarani. Em muitas regiões do Brasil, o Saci é considerado um ser brincalhão enquanto que em outros lugares ele é visto como um ser maligno. É uma criança, um negrinho de uma perna só que fuma um cachimbo e usa na cabeça uma carapuça vermelha que lhe dá poderes mágicos, como o de desaparecer e aparecer onde quiser. Existem 3 tipos de Sacis: O Pererê, que é pretinho, O Trique, moreno e brincalhão e o Saçurá, que tem olhos vermelhos. Ele também se transforma numa ave chamada Matiaperê cujo assobio melancólico dificilmente se sabe de onde vem. Ele adora fazer pequenas travessuras, como esconder brinquedos, soltar animais dos currais, derramar sal nas cozinhas, fazer tranças nas crinas dos cavalos, etc. Diz a crença popular que dentro de todo redemoinho de vento existe um Saci. Ele não atravessa córregos nem riachos. Alguém perseguido por ele, deve jogar cordas com nós em sem caminho que ele vai parar para desatar os nós, deixando que a pessoa fuja. Diz a lenda que, se alguém jogar dentro do redemoinho um rosário de mato bento ou uma peneira, pode capturá-lo, e se conseguir sua carapuça, será recompensado com a realização de um desejo. Nomes comuns: Saci-Cererê, Saci-Trique, Saçurá, Matimpererê, Matintaperera, etc. Origem Provável: Os primeiros relatos são da Região Sudeste, datando do Século XIX, em Minas e São Paulo, mas em Portugal há relatos de uma entidade semelhante. Este mito não existia no Brasil Colonial. Entre os Tupinambás, uma ave chamada Matintaperera, com o tempo, passou a se chamar Saci-pererê, e deixou de ser ave para se tornar um caboclinho preto de uma só perna, que aparecia aos viajantes perdidos nas matas. Também de acordo com a região, ele sofre algumas modificações: Por exemplo, dizem que ele tem as mãos furadas no centro, e que sua maior diversão é jogar uma brasa para o alto para que esta atravesse os furos. Outros dizem que ele faz isso com uma moeda. Há uma versão que diz que o Caipora, é seu Pai. Dizem também que ele, na verdade eles, um bando de Sacis, costumam se reunir à noite para planejarem as travessuras que vão fazer. Ele tem o poder de se transformar no que quiser. Assim, ora aparece acompanhado de uma horrível megera, ora sozinho, ora como uma ave. voltar ao topo
  12. Botas são extremamente necessárias?

    Marcos, trilhas em locais muitos frios , tipo com neve ou quase, eu nunca fiz e não tenho muita vontade de fazer neste momento. Temperaturas muito baixas não são de minha preferência. Trilha com chuva torrencial também não combina com minha sandália da Timberland. Na trilha com lama a vantagem da sandália é expressiva. A bota , com solado grosso, pode fazer as vezes de uma prancha descontrolada nas descidas e exigir passadas mais fortes na subida para evitar a derrapagem. Já a sandália adere no lamaçal devido ao solado mais fino, quanto aos pontos de tração a sandália tem travas bem posicionadas dão equilíbrio ao corpo. O incomôdo fica na entrada de lama pelos vãos da sandália, a utilização de uma meia grossa miniminiza o problema. Quando há derrapagem na subida, ou "surfada" na descida, é mais fácil controlar o corpo, como o solado da sandália é mais fino não é preciso tanta força e por consequências as escorregadas são menos velozes. Vibrações positivas
  13. Botas são extremamente necessárias?

    Olá. Uso a Papete Timberland Del Fuego, ela é fechada na frente e diminiu as consequências das inevitáveis topadas. Vibrações Positivas!
  14. Cobras - Como Evitar?

    Eu acho que o medo atrai. Ao entrar "no mato" peço às energias do local que cuidem de mim. Até agora deu certo porque acredito nessas "energias". Nas poucas vezes em que vi , elas passaram rapidinho meio que com medo de mim conforme comentado em um post , elas não querem enfrentar o ser humano, querem é passar e seguir o caminho delas. Na Chapada Diamantina, descendo o Morro Pai João, o guia avistou uma caninãna e nos contou que essa cobra, apesar de não ter veneno, é muito agressiva. Segundo ele, ela se enrrosca no tornozelo da vítima e fica batendo com a cauda na perna do coitado. Dizem que essa "surra" , além de muito dolorosa, provoca inflamação no local. Alguém pode confirmar, ou não, essa informação? Vibrações positivas!
  15. Botas são extremamente necessárias?

    ótimo tema! Concordo com a importância da qualidade do produto para um desempenho seguro nas trilhas, principalmente as mais "pesadas". Não sei se algum de vocês passa pelo mesmo problema mas não me adapto as botas. Solados duros, além de me dar dor nas costas, provocam cãimbras nos meus pés (apesar de comer muita banana, sou chegada em cãimbras). O cano da bota não me fornece muita estabilidade em terrenos acidentados. Meu calçado de caminhada é uma sandália da Timberland, bem gasta por sinal, consigo ter mais "aderência", sinto melhor o chão e isso proporciona melhor equilíbrio ao corpo. Conversando com meu ortopedista, que não é praticante de caminhadas em trilhas, ele desaconselhou insistir no uso da bota. Se bem entedi, segundo ele, o cano da bota proteje de uma torção na junção do pé com o tornozelo mas "transfere" o desequilibrio para a junção do joelho com o a perna.
×