Ir para conteúdo

Sara_dantas

Membros
  • Total de itens

    43
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra

Sobre Sara_dantas

  • Data de Nascimento 31-10-1985

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Oi, Clarissa! Você foi há pouco tempo? Tem uma noção dos gastos diários em dólar? Eu vou pra Israel agora em fevereiro e na volta aproveito uma conexão pra passar 3 dias inteiros em Istambul. Vou ficar em hostel, usar transporte público, essas coisas, e apesar de gostar de comer bem, não procuro nenhum lugar luxuoso. Os dólares que tô levando pra viagem acho que não serão suficientes, então vou ter que usar o cartão de crédito em algum momento. Tinha pensado em deixar 300 dólares pra esses 3 dias em istambul (tenho que pagar uns 35 dólares do hostel), mas pelo que tô vendo, lá é bem mais barat
  2. Meninas, depois postem relatos e dicas, por favor? Vou agora em fevereiro/2019. Como vou sozinha e mal dirijo aqui no Brasil pra ter coragem de alugar lá (que seria a maneira mais barata, útil e livre pra fazer tudo o que quero), infelizmente tô pegando um monte de tours (caesarea, haifa, galileia, nazareth, cafarnaum, cisjordânia com belém e jericó - essa parte também por ser mulher viajando sozinha - e petra e wadi rum).
  3. Obrigada, Orlando! Você acha melhor então ficar só em Queenstown, fazer passeios bate e volta e depois pegar lá mesmo o voo pra Auckland?
  4. Gente, achei esse tópico com as dicas pro Felipe bem legal e é por isso que vou pedir ajuda aqui também, rs. Eu vou com uma amiga pra Austrália e pra aproveitar que vamos viajar pro outro lado do mundo decidimos estender a viagem pra uma semana na Nova Zelândia. Eu sei que é muito pouco tempo, mas é só isso que temos, infelizmente. Eu não pesquisei nada a fundo ainda (desculpem, como o nosso foco é a Austrália, por enquanto só tô vendo as coisas de lá), mas eu vou, não sou preguiçosa, juro! Eu só preciso de uma luz pra um roteiro básico pra poder pensar num voo também... Vou explicar: vamo
  5. Gente, fico muito feliz de saber que o relato foi útil pra vocês! Eu tenho que terminá-lo ainda, tem a parte Pretoria/Johannesburg. Mas acabei me enrolando por aqui e nunca mais vim no fórum. Vou tentar fazer essa parte. De qualquer maneira, como fiquei na casa de amigos, fiz muita coisa de carro com eles. Espero que a viagem de vocês seja ótima! A África é demais!!
  6. 10º dia – 29/04: eu marquei o transfer out na agência do hostel, por U$ 15, para as 11h. O meu voo para Johannesburg eras às 13h10, então fiquei preocupada com esse horário, mas me informaram que não haveria problemas. Esse transfer das 11h era tanto pro pessoal do meu voo quanto pra um da British airways, que era umas 14h. Como o aeroporto é pequeno e tem poucos voos, esses horários do transfer são padrão. Só que atrasaram, passaram no hostel umas 11h40 e ainda foram buscar mais gente (era um microonibus). Eu sou super tensa com horários, estava morrendo de medo de perder o voo, fui o caminho
  7. 9º dia – 28/04: acordei cedo e tomei café da manhã no Shoestrings Café de novo, junto com o Khan. Ele ia embora nesse dia umas 11h, mas como ainda havia tempo (não eram nem 8h ainda) foi conhecer comigo a ponte que divide o Zimbábue e a Zâmbia. A Amanda ia fazer um slingshot bungee jumping lá e já tinha saído. Levamos uns 20 minutos (talvez um pouco mais) andando do hostel. Como tava cedo, o tempo estava até fresquinho, então a caminhada foi bem tranquila. Pra chegar na ponte é preciso passar pela imigração do Zimbábue, mas eles dão uma autorização especial (que é na verdade uma pedaço de pap
  8. 8º dia – 27/04: Nem sei se posso falar que acordei, porque na verdade eu praticamente não havia dormido à noite. Acho que o menino que estava no meu quarto também não conseguiu dormir direito, ele se mexia toda hora. Mas levantei e depois de um banho gelado me senti melhor. Tomei café da manhã no restaurante do hostel (as mesas são ao ar livre). Pedi torradas, ovos mexidos e suco, não lembro exatamente quanto custou, mas acho que foi por volta de U$ 5. Falei pra mim mesma que eu iria aproveitar o dia e à noite, quando voltasse, via o que fazia da vida. Às 7h30 passaram nos hostel pra nos busca
  9. 7º dia – 26/04: o pessoal da recepção chamou um táxi pra mim e às 5h saí rumo ao aeroporto (300 rands). Era hora de dar tchau à cidade maravilhosa do Cabo. Comprei um sanduíche e um suco no Woolworths (uma rede de mercados que existe lá, inclusive tinha um perto do hostel e era onde eu comprava as minhas garrafas de água) pro café da manhã. O voo saiu pouca coisa atrasado. Sentei na poltrona F, pois me disseram que desse lado, na decolagem, dava pra ver as vinícolas de Stellenbosch. O voo foi tranquilo, serviram café da manhã (linguiça, iogurte, pão, café ou chá). Minha mala não apareceu na e
  10. 6º dia – 25/04: Dia de ir pra Cape Point! Acordamos cedo e antes das 8h já estávamos na Around About Cars, no centro de Cape Town, onde alugamos um carro. Um dos meninos do hostel falou que era um dos lugares mais baratos. Dividindo o aluguel pra 3, deu 132 rands pra cada uma. No fim, ao devolvermos o carro, enchemos o tanque e deu mais 37 rands pra cada uma. Se somarmos o valor do ingresso pra Cape Point, de 125 rands, deu 294 rands pra cada uma. O passeio pelo hostel custava 650 rands, então valeu muito a pena termos alugado o carro. Na volta fizemos o caminho pela Chapman’s Peak Drive e pag
  11. 5º dia – 24/04: de manhã cedo eu e a tati pegamos um táxi pras ferinhas do centro: Greenmarket square e St Georges Mall. Como muitos já deram a dica por aqui, os artigos são mais baratos que no waterfront. Eu comprei umas poucas lembrancinhas, porque prefiro comprar no fim, tanto pra não ficar carregando peso durante a viagem quanto pra gastar o que sobrou (se sobrar, hehe). Havia souvenirs bem interessantes, só que o ruim é que eles ficam abordando as pessoas sem parar, perguntando quanto querem pagar. Fomos andando pro Castle of Good Hope, que era ali perto, mas não chegamos a fazer a visita
  12. 4º dia – 23/04: acordamos cedo e o tempo já estava bem melhor, dava pra ver o azul do céu . Fomos pro waterfront pra pegar a linha vermelha do bus city sightseeing, que deixa na Table Mountain. No mesmo lugar onde havíamos comprado o passe do ônibus, compramos o ticket pro cable car da Table Mountain (240 rands), a fim de evitar a fila do guichê de lá. Chegando lá realmente as filas estavam grandes, tanto pra comprar o ticket quanto pra subir. Como nos 3 dias anteriores o tempo tinha estado bem ruim, parece que nessa manhã foi todo mundo desesperado pra Table Mountain (no café da manhã no hos
  13. 3º dia – 22/04: acordei cedo, tomei banho e fui para o café da manhã. Conheci a Karin, uma suíça que havia chegado na noite anterior, quando eu já estava dormindo. Ela tinha passado 2 semanas como voluntária em um parque em Zanzibar, na Tanzânia, cuidando de animais, e tomamos o café juntas. Depois ela foi procurar uma lavanderia e eu e a Tati fomos até o waterfront e lá compramos o ticket pro bus city sightseeing. Olha, eu sempre fui um pouco preconceituosa com esses ônibus, mas em Cape Town foi uma ótima opção, uma mão na roda. Nos levou a vários lugares, e como compramos o passe de 2 dias (
  14. Gente, uso o mochileiros para planejar as minhas viagens desde 2007 (como membro, desde 2008). Algumas dúvidas minhas já foram respondidas aqui e postei umas dicas também, mas é a primeira vez que vou deixar um relato de viagem. Nunca fiz antes porque não consigo ser muito detalhista com valores e informações de viagens, sou mais com experiências, impressões... Mas dessa vez consegui anotar algumas coisas e, como num geral, os relatos e dicas sobre a África são mais escassos (que Europa, EUA/Canadá e América do Sul, pelo menos), talvez o meu relato possa ser útil pra alguém. Como meu namorado
×
×
  • Criar Novo...