Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

paulodasilva

Membros
  • Total de itens

    6
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

paulodasilva venceu a última vez em Janeiro 22

recebeu vários likes pelo conteúdo postado!

Reputação

19 Boa

Sobre paulodasilva

  • Data de Nascimento 26-10-1982

Outras informações

  • Lugares que já visitei
    Argentina, Uruguai, Chile, Peru, Bolívia, Paraguai, USA, Alemanha, Itália, Portugal, Holanda, Bélgica, Áustria, República Tcheca, França, Inglaterra.
  • Próximo Destino
    O que aparecer e eu não conhecer.
  • Tópicos que recomendo
    Rio Grande do Sul
  • Ocupação
    Área comercial

Últimos Visitantes

93 visualizações
  1. paulodasilva

    De carro: Argentina, Chile, Peru e Bolívia

    Dia 11 - Antofagasta - San Pedro de Atacama Saímos de Antofagasta por volta de 8h em direção a San Pedro de Atacama, esse destino era um dos mais esperados na nossa trip e seriam 3 dias. Resolvemos que faríamos todos os passeios com o Tanque, apenas o Salar de Tara iríamos com agência porque existem alguns relatos de carros atolados na areia, então não queríamos arriscar. Chegamos em San Pedro por volta de 12h, logo na chegada da cidade já nos deparamos com uma paisagem bem legal com rochas, existe um mirador bem sinalizado ali, então paramos para tirar algumas fotos e já ficamos empolgados. Chegamos no hostel, check in feito fomos almoçar, após o almoço uma descansada e fomos no Vale da Lua. Nossa programação nesse dia seria vale da lua e da morte e a noite fazer o passeio astronômico, mas para nossa surpresa tinha Lua Cheia e com essa lua não fazem a visita porque a claridade da lua ofusca as estrelas, acabamos desistindo do vale da morte e resolvemos visitar as termas de puritama, coisa que faríamos no dia dos Gêisers, mas como era perto acabamos indo mesmo assim. Chegamos nas Termas 16:30h, na entrada havia uma guarita com tabela de preços, era 15 mil pesos a entrada, achamos muito caro e estávamos quase desistindo pois o horário de fechamento era 17:30h, então resolvemos ficar. O estacionamento é bem amplo, fomos entrando e ninguém nos cobrou nada, pegamos toalha e máquina fotográfica e fomos indo e indo e indo e ninguém nos interpelou, escolhemos umas das inúmeras piscinas naturais e ficamos ali nos banhando. Quando era 18h um senhor pediu para sairmos porque iria fechar o parque, assim subimos a longa e íngrime estradinha até o estacionamento (lembrando que são nas termas 3500m de altitude), pegamos o Tanque, passamos na guarita e ainda não havia ninguém, então fomos embora e não nos cobraram nada, não sei se foi pelo horário e aí não cobram, mas não pagamos. Na noite fomos beber em um bar com um preço muito justo na rua principal de SPA, esse bar só vende bebida mas tem cardápio que oferece alguns pratos que eles buscam em restaurantes parceiros, comemos uma ótima pizza nesse dia, bebemos boa cerveja. Lugar com bastante locais e turistas, camisas de futebol penduradas e clima descontraído, nome é algo como Chelakabur. DICA: Nesse passeio nas termas vale mais a pena passar pelo menos 1 turno, pois existem bons banheiros, mesas e bancos para sentar, então você pode levar caixa térmica e fazer um piquenique no lugar. Muitas pessoas lá estavam fazendo isso, pelo preço de entrada acredito ser o melhor a fazer. Dia 12 - San Pedro de Atacam (SPA) Nesse dia resolvemos fazer o Salar de Tara e dar um descanso ao Tanque, contratamos o passeio em uma agência. Muito cuidado pois os preços mudam bastante de uma agência para outra, na primeira agência que fomos o preço era um, 3 agências depois o preço era uns 10 dólares mais barato. Fechamos com a agência e o guia ficou de nos buscar no hostel. Entramos no veículo e tinha gente de todo lado e tudo que era agência, então vimos que tinha gente da primeira agência que pesquisamos indo no mesmo passeio que nós. As agência vendem os pacotes mas geralmente os guias são terceirizados, para fechar um passeio eles juntam clientes de várias no mesmo carro, isso é muito comum em cidades turísticas, mas vale então pesquisar o preço do passeio e pechinchar mesmo. O passeio em si é muito legal, logo na ida paramos para um café da manhã feito na hora pelo guia, tiramos algumas fotos e seguimos, mais algumas paradas no caminho e finalmente chegamos no Salar, o lugar é muito bonito e tem muitos Flamingos e Vicuñas e realmente foi bom não ter ido com o Tanque, alguns lugares que só 4x4 fazem. Voltamos e chegamos em SPA 15:30h, no passeio está incluso o almoço que foi em um restaurante, comida bem justa. Os passeios no Atacama são bem caros, pelo menos para nosso padrão, então fazer os outros passeios com o Tanque foi um alívio para o bolso, mas esse de Tara aconselho o guia, até pode-se chegar perto com carro normal mas não entra na parte mais legal. O Salar fica por volta de 4.400m de altitude, foi a mais alta que tínhamos pego até então, dei uma caminhada rápida em determinado momento e fiquei muito tonto, tive que sentar para não cair..hahahaha. Uma norte americana passou mal na volta e o guia a levou para o hospital, sintomas do famoso soroche. Quem quiser ver mais fotos da viagem, instagram: @diariodeltanque Estou postando por partes e meio devagar porque voltei a trabalhar essa semana e está meio punk, assim que der sigo.
  2. paulodasilva

    De carro: Argentina, Chile, Peru e Bolívia

    Dia 9 - 31/12/2017 No dia 31 saímos bem cedo em direção a La Serena, essa cidade litorânea é um dos lugares preferidos dos chilenos para suas férias de verão, então imaginamos que estaria cheio. Peguei a hospedagem pelo booking, uma cabana que ficava umas duas quadras da praia por algo na volta de 170 reais, tratando-se de reveillon na praia que lota, achei barato. La Serena foi meio escolhida por acaso, nosso foco era chegar em San Pedro e para isso precisaríamos duas noites antes de chegar ao destino, então achei a cidade simpática olhando pela internet. Nesse dia começou nossa subida pela Ruta 5 (Panamericana), essa ruta é muito boa de andar, tudo duplicado e bem sinalizado, essa comodidade toda cobra seu preço e não é barato, os pedágios nessa rodovia são constantes e bem caros, um dos mais baratos deu algo na volta de 14 reais, os outros desse preço pra cima, bem pra cima, então esteja preparado com os pesos no bolso. No entanto além de ser ótima rodovia acabamos familiarizando com a rede de postos COPEC, quase todos os postos dessa rede na rodovia contam com uma grande infra, ótimos banheiros, internet liberada, comidas e bebidas. Nesses postos também você sempre vai encontrar outros aventureiros, motociclistas, jipeiros e outros mais. Chegamos em La Serena por volta de 13h, a cabana ficava dentro de uma pousada com outras cabanas, nessa pousada tinha piscina e churrasqueira individual por cabana, como gaúcho não conseguia esconder a felicidade..rsrsrs. A cabana bem boa, tudo muito bom, fomos no mercado comprar carne e bebida para o Reveillon. Então La Serena lembrou nossas pequenas praias no Brasil, apenas 3 mercados grandes e os 3 com filas quilométricas, decidimos encarar a fila de um deles e ficamos 1 hora e meia. Conseguimos comprar tudo, largamos as coisas na cabana e fomos caminhar na praia, água gelada, areia suja e tudo que tem direito, mas um clima muito legal das pessoas na praia. Começamos a assar a carne na churrasqueira e deu uns 15 minutos aconteceu o que sempre acontece em praias pequenas lotadas, faltou luz e não teve jeito de voltar. Então ficamos no escuro mesmo, bebendo uma cerveja e comendo. Algumas cabanas estavam fazendo grandes jantares e acabaram beliscando nossa carne. rsrsrs. Terminamos de comer e fomos ver os fogos na beira da praia, aí vimos algo bem diferente, as famílias simplesmente levam mesas coletivas e todos apetrechos para beira da praia e ficam lá, como se fosse um restaurante gigante na beira da praia, tudo muito organizado e animado. Um pouco mais a frente havia um palco com shows e tudo mais, nesse show paramos e escutamos de tudo, até Xuxa, muita Xuxa. Eu sabia que argentinos adoravam Xuxa, mas os chilenos foi uma surpresa a maneira efusiva que cantavam as músicas. Acredito que só havíamos nós de brasileiros naquele momento e nos divertimos muito com a Xuxa. A festa seguiu com 18 minutos de fogos, foi bem bonito e divertido a festa toda, mas precisávamos dormir cedo porque no outro dia tinha mais estrada. Dia 10 - La Serene - Antofagasta Saímos por volta de 7h de La Serena em direção a Antofagasta, passamos por mais pedágios. A estrada segue da mesma forma até chegar em Copiapó, após essa cidade você segue em uma pista simples costeando o oceano. Também a paisagem vai mudando e o deserto vai se apresentando, nesse caminho paramos algumas vezes para fotografar pois até então aquela paisagem era novidade, estava ficando legal aquele contraste do oceano com paisagem árida. Os chilenos são muito coerentes, na parte de pista simples não existem praças de pedágios e o asfalto segue ótimo. Cheguei a conclusão que os pedágios são caros para bancar também a conservação das partes que não possuem praças e ficam mais distantes. Posso estar errado, mas achei coerente a teoria. Chegamos em Antofagasta por volta de 18h e demos sorte, ficaríamos em um hotel bem simples mas o tal hotel estava em reforma e nos colocaram em um hotel mais premium da mesma empresa, pelo mesmo valor, então deu uns 120 reais e ficamos no melhor quarto da viagem. Esse hotel ficava uma quadra da praia e fomos desbravar caminhando. A cidade possui um grande calçadão bem iluminado, a praia estava bem cheia e agitada. Antofagasta foi a primeira das cidades (depois terão mais) que ficamos tristes de não ter mais tempo para explorar e curtir, pareceu uma cidade bem legal, mas como ela seria apenas uma ponte para San Pedro, vimos o pôr do sol (nosso primeiro no pacífico), jantamos e fomos dormir.
  3. paulodasilva

    De carro: Argentina, Chile, Peru e Bolívia

    Dia 5 - Santiago 27/12/17 Bom, como falei no início não queríamos visitar vinícolas, então passear em Concha y Toro e derivados não estavam nos planos. No dia 27 fomos passear no centro, conhecer os prédios históricos e tudo que envolve o centro das grandes cidades. Na volta da Plaza de Armas se concentra grande parte do "centro nervoso" de Santiago, ali também você consegue pegar alguns Walking tour, o que melhora ainda mais a experiência. Fizemos esse passeio pela manhã bem cedo, o calor na cidade estava muito forte combinado com o clima seco e a poluição (muita poluição) minha rinite estava descontrolada, então fomos numas ruas chamadas Paris e Londres, essas ruas são oases no meio do trânsito e agito, ruas calmas com cafés e um clima muito amigável para relaxar, recomendo muito uma volta por ali. Nesse dia almoçamos no Mercado da cidade, muitos restaurantes e muitos garçons brasileiros, aqui vai uma dica, se estiver procurando lembranças da cidade o mercado tem de tudo, não é barato pois no centro não vimos nenhuma loja de lembranças e como sou colecionador de copinhos já estava ficando nervoso..hahahaha, mas no desespero é uma boa. Aqui vai outra coisa, as coisas em Santiago não são baratas, inclusive nos apavoramos com o preço de tudo, desde comida até souvenirs. Mas ok, almoçamos lá e fomos conhecer o museu de arte contemporânea e o Cerro Santa Lucia. Ainda sobre a questão da comida, como estávamos em apartamento, comíamos bem no almoço e jantávamos geralmente no ap. Nesse dia fomos conhecer a noite do bairro Bella Vista para beber, não mencionei ainda mas gostamos muito de cerveja, mas muito mesmo, então buscamos cervejas locais para experimentar. Dia 6 - Santiago 28/12/17 Esse dia tiramos para conhecer melhor a volta do bairro que estávamos, Providencia e subir o Parque Metropolitano, onde fica o funicular e os teleféricos. Para nosso azar o funicular estava em manutenção, mas os teleféricos estavam bem e mandam abraços. A vista do cerro é espetacular, inclusive para quem tiver com pouca grana aconselho subir lá e não precisa subir na torre espelhada da cidade, que o ingresso é um absurdo e a vista não vai ser nada de muito diferente. O parque é demais, existem piscinas públicas e lugares para piqueniques e afins, um ótimo passeio. Na descida fomos para a Bella Vista beber, quem curte cerveja artesanal tem dois bares muito bons na mesma quadra, a Cross e o Kunstmann, fabricação própria e preços justos. Saindo dali ainda tivemos um achado muito bom, o bar chamado "Loom". Esse bar tem cerveja prórpia com um preço muito justo, decoração legal e um pouco fora do rebuliço principal da Bella Vista, lugar mais estilo Rock'n Roll. Adoramos o lugar. Dia 07 - Bate volta Valparaíso 29/12/17 Nesse dia fizemos um bate volta até Valparaíso. Você quer dizer Valparaíso e Viña del Mar?? Não! Valparaíso mesmo. Não tínhamos vontade conhecer Viña porque sempre ouvimos que parecia uma Punta Del este, então não nos interessava muito. Chegamos em Valparaíso e tinha uma neblina incrível que não se enxergava nada, fomos até a Plaza principal e pegamos um Walking Tour, foi muito legal. O guia nos levou pelos funiculares e nos mostrou lugares que ainda não havíamos visto em fotos, lugares realmente incríveis. Recomendo muito esse tour porque via muito turistas perdidos caminhando nas vielas sem entender nada da arte que contempla as paredes do lugar. Com as explicações do guia todos os grafites faziam mais sentido e as paredes se "conversavam", a história do povo e da cidade estava ali. Almoçamos num "morte lenta" baratinho no centro e depois fomos para ver Vinã pois estávamos com tempo. Ja ia esquecendo, Valparaíso tem estacionamento subterrâneo bem na praça principal e com preço justo. Bom, passamos por Viña e não tivemos vontade de ficar, não somos jogadores de cassinos e as atrações de rua estava impossível estacionar por ser final do ano e muitos chilenos estavam na cidade de férias. Então decidimos voltar para Santiago. Dia 8 - Santiago 30/12/17 Esse dia nossos narizes estavam até sangrando, todos aqueles componentes que já citei estavam acabando com meu sistema respiratório..hahahah. Então fomos de leve. Pela manhã fomos conhecer a feira "Los Domenicos", essa feira fica na estação de trem de mesmo nome e fica dentro de uma mini vila toda estilizada. Lembram que falei de comprar lembranças no mercado?? Esqueça!! Comprem aqui, procurando de banca em banca acha as mesmas coisas por preços bem melhores. Aqui tem de tudo, desde artesanato até animais vivos como coelhos e galinhas. Gostamos muito da feira e pechinchando consegue bons negócios. Saímos de lá e fomos conhecer a rua Lastarria e tudo ao redor, nesse lugar existem muitas galerias de arte, cafés e artistas, lugar muito agradável para um passeio, nesse dia terminamos a noite jantando no restaurante Liguria, lugar que havíamos almoçado em um dos dias e tínhamos gostado bastante. Alguns pitacos: Achamos Santiago muito cara, mas existem opções baratas de rua, problema que essas opções tem horas que não entram mais..rsrsrs. Mas de modo geral gostamos bastante, achamos bem cultural e de fácil locomoção graças ao metrô. A poluição deve-se a cidade estar em uma espécie de vale, então não circula o ar, acabei sofrendo um pouco com isso e com o calor, ainda pretendo voltar em uma meia estação.
  4. paulodasilva

    De carro: Argentina, Chile, Peru e Bolívia

    Dia 4 - Mendoza - Santiago Acordamos cedo no quarto dia rumo a Santiago. Na medida que vai se aproximando as cordilheiras a paisagem vai ficando mais e mais bonita, nesse trajeto paramos para renovar o chimarrão e abastecer com comida, pois no caminho não existem muitos lugares para isso. Uspallata é um povoado que fica no caminho, ponto de partida para muitos aventureiros que fazem escalada na região, então existem mini mercados, postos de combustíveis e outros comércios. Saindo da cidade seguimos a estrada que é muito bonita e nossa próxima parada foi na Ponte Inca (foto), nesse caminho com subida já começamos a sentir o Tanque com algumas dificuldades e tendo que reduzir marchas. Chegamos na ponte e lá encontramos uma família de brasileiros que iria para o Sul do Chile, mais além paramos na entrada do parque do Aconcágua. Na fronteira havia uma fila de carros para entrar no Chile, o bom é que as aduanas são integradas então se faz tudo nos mesmos guichês. Ficamos por volta de 1 hora e meia no total, tivemos que apresentar os documentos e o SOAPEX (seguro contra terceiros), esse seguro fiz na HDI pela internet mesmo, deu algo por volta de 43 reais. Outra coisa boa dessa fronteira é que tem uma "casa de câmbio" bem na saída, então você já entra trocando o dinheiro pela cotação oficial. Assim seguimos na estrada e começamos a descer a estrada em caracol (foto), a visão é incrível então eu ia bem devagar e minha namorada tirava as fotos do jeito que dava,, não achei muito prudente parar por ali pois estava bem movimentado com caminhões. Não levamos GPS propriamente dito, baixamos os mapas no google maps, então estávamos nervosos de como chegar no apartamento de Santiago, na dúvida pagaria um táxi para nos levar. Mas deu tudo certo, conseguimos chegar no apt, a dona era uma querida e nos deu mil dicas da cidade, os cartões de metrô e nos deixou bem a vontade. Nesse dia estávamos cansados quando chegamos, aproveitamos a piscina do prédio, compramos vinho e cozinhamos na nossa primeira noite em Santiago.
  5. Boa tarde amigos, venho relatar aqui a viagem de 29 dias que minha namorada e eu fizemos por 4 países. Depois de muito pesquisar aqui no site acabamos fazendo o seguinte roteiro: Santa Fé, Mendoza, Santiago, La Serena, Antofagasta, San Pedro de Atacama, Iquique, Arequipa, Cusco, Puno, Copacabana, La Paz, Potosí, Uyuni, General Guemes, Alegrete. Somos de Porto Alegre e fizemos a trip com um Gol 1.000, sem direção hidráulica mas com um ar condicionado que funciona perfeitamente, chamamos o auto de "El Tanque". No total foram 11.070 Km, 17 hoteis/hostels/pousadas, 4 países, uma infinidade de novos amigos. O custo total ficou por volta de 17 mil reais, 8.500 para cada, levamos 2.900 dólares em espécie. Dia 1 - Porto Alegre - Santa Fé Saímos de Poa dia 23/12/17 ás 6h da manhã, esse primeiro dia era um dos trechos mais longos da viagem, podem imaginar que quase não dormimos pois estávamos ansiosos para sair, foram alguns meses de planejamento e muitas dúvidas ainda pairavam pois não achei nenhum roteiro completamente igual ao que iríamos fazer. Malas no Tanque, check list feito e chimarrão na mão. Vamos lá!! O trajeto Poa até a fronteira muito tranquilo, a aduana estava vazia e foi muito rápido, mostramos passaportes, carta verde e segue o baile. Na Argentina que começaram algumas complicações, assim que entramos na Ruta 14 fomos parados pela polícia, uns sujeitos com roupas de milicianos nos pediram documentos e para ver o extintor de incêndio, então disseram que o mesmo estava vencido, na verdade ele venceria 31/12. Um dos sujeitos me levou para uma sala uns 200m do carro e outro ficou com minha namorada na porta do carro, lá dentro inventou mil histórias e tive que desembolsar depois de muito negociar, paguei 20 dólares. Ao longo desse trajeto fomos parados mais 5x, todas as vezes pediram as mesmas coisas e nenhum deles falou que o extintor estava vencido, nessas outras 5 paradas os policiais que nos pararam estavam com coletes verdes e nos pareceram mais "sérios" que aqueles primeiros que tinha roupas de militares e cara de malandro. Chegamos em santa fé já era noite e ficamos num hotel que havia reservado pelo booking, no outro dia sairíamos cedo novamente e o trajeto também era longo. Dia 2 - Santa Fé - Mendoza Acordamos cedo novamente e na recepção do hotel encontrei um casal de brasileiros que estavam sem dinheiro porque haviam pago tanta propina na estrada que não sobrou quase nada, então fiquei um pouco mais aliviado por ter sido extorquido apenas 1 vez, pois passei o caminho todo com raiva daqueles primeiros policiais. Saímos 7h com destino a Mendoza, lá ficaríamos 2 dias. Aqui algumas considerações: não tínhamos interesse em visitar vinícolas, pode parecer estranho pois a região é propícia, mas a verdade é que no RS acabamos visitando tantas na Serra que acaba que o processo é todo o mesmo; nas vinícolas os preços de vinhos são na maioria das vezes mais caros que no mercado da cidade e pq estaríamos dia 25/12 lá, feriado, então poucas estariam abertas. Nosso estilo de viagem é mais lado B e conhecer pessoas. Caminho cansativo, alguns pedágios, mas termina na Ruta 7, aí quase dorme no volante. A estrada toda duplicada e desemboca dentro de Mendoza. Chegamos estava anoitecendo, era noite de natal e estava absolutamente tudo fechado, então acabamos comendo num restaurante bem "pega turista" no centro da cidade, menu de natal que era caro e ruim, mas estávamos cansados mesmo, comemos e fomos dormir. Dia 3 - Mendoza Finalmente acordamos em um horário "digno" e fomos conhecer a cidade, praças e afins. Como estávamos quase sem Pesos e as casas de câmbio estavam fechadas, resolvi ir sacar dinheiro em um caixa eletrônico, sempre libero meu cartão (débito e crédito) no exterior, assim qualquer aperto consigo dinheiro, eis que a máquina engole meu cartão que "nunca mais voltou" (nessa parte imagina o Tim Maia cantando), fiquei apavorado, era o cartão que levamos com limite mais alto, que seria fundamental em qualquer imprevisto mecãnico, médico ou sei lá o que. Bom, passado a frustração e depois de 10 chutes na máquina fui cancelar o cartão e pensar em plano B. Lembramos que o NuBank vc consegue gerar boletos sempre que quiser, assim poderíamos gerar, pagar e liberar mais crédito sempre que precisasse. Resolvido o drama fomos finalmente passear, fomos nas 5 praças menores e no parque da cidade, parque General San MArtin tem inclusive um estádio de futebol no meio, muitas famílias fazendo assado e tentando diminuir o calor nas sombras do mesmo. Foi muito legal e nos divertimos conhecendo o gigante parque, apenas uma loja de conveniência estava aberta, então compramos vinho, água e alguns petiscos e curtimos o feriado. Nota: Numa viagem dessas abridor de garrafas sempre é útil.
  6. paulodasilva

    De Criciúma até Porto Seguro de carro

    Também estou montando um roteiro saindo de Porto Alegre para o mesmo destino. A princípio quero partir dia 20/12 e retornar até dia 15/01/16. 20/12 - Poa - Curitiba (hotel pernoitar) 21/12 - Curitiba - Parati (camping) 24/12 - Angra (pousada) 27/12 - Cabo Frio (camping) 30/12 - Guarapari (camping) 02/01 - Caravelas 04/01 - Arraial D'Ajuda (pousada) 10/01 - Retorno com paradas em lugares não visitados. O grande problema nessas datas são os preços de hospedagem, por isso ficarei em camping em algumas cidades, procurei ver cidades com boa estrutura para barraca. Algumas cidades fico mais dias e faço de base para visitar cidades vizinhas. Na volta quero explorar o litoral paulista. Meu roteiro ainda está bem aberto, não bati martelo em nada, mas justamente pelas festas de fim de ano os preços aumentam e a capacidade de hospedagem diminui, então isso está pautando também.
×