Ir para conteúdo

Romário

Membros
  • Total de itens

    13
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Romário postou

  1. Amigos mochileiros, vou tentar fazer um relato sobre minha viagem ao Chile, da forma mais completa, com bastantes informações úteis, procurando ser sempre o mais objetivo possível. Fiz minha viagem do dia 27/12/2014 ao dia 03/01/2015, ou seja, tive 7 dias úteis, mais o dia da ida e da volta. Como pode-se ver, fiz a viagem num período de ano novo, onde os custos são muito mais altos e sem planejamento você provavelmente terá muita dificuldade em arranjar passagens num preço mínimo razoável, hotéis, carro para alugar, entre outras coisas. • Quantos dias necessito para conhecer Santiago e o litoral nas redondezas? Três dias são necessários para se fazer uma viagem com calma por Santiago, incluindo neste tempo uma visita a alguma vinícola na região. Mais 3 dias são necessários para uma boa viagem pelo litoral. Um dia para Isla Negra, um para Valparaíso e outro para Vinã del Mar. • Como levar o dinheiro para o Chile? Não existe uma modalidade ótima para se levar o dinheiro para o Chile. Ao contrário do ocorrido em Buenos Aires, onde o nosso dinheiro era muito bem quisto por lá, e a cotação no mercado paralelo era muito melhor que a cotação oficial, no Chile a coisa é bem diferente, a economia é bem mais equilibrada e o real não exerce a mesma atração por lá. Sendo assim a cotação do real nas casas de câmbio no Chile não são das melhores, porém aqui no Brasil a cotação do peso Chileno esta ainda pior. No meu caso a cotação oficial era de R$ 1,00 = 228 CLP, porém consegui uma taxa de câmbio por lá de R$ 1,00 = 200 CLP (12% menor que a taxa oficial). Também fiz saque direto da conta bancária com cartão de débito, a taxa de conversão do banco foi a mesma R$ 1,00 = 200 CLP e ainda vou ter que pagar IOF (dependendo do banco você ainda paga uma taxa por saque), então não recomendo esta modalidade, somente para situações emergenciais, não esqueça de desbloquear o cartão para saques no exterior. No cartão de crédito, você tem a conversão da sua compra em peso chileno na data da operação para dólar (esta é feita realmente pela taxa oficial) e depois você pagará a compra com a conversão do dólar no dia do fechamento da fatura. Porém o dólar que seu banco cobrará será é em média 10 centavos acima da cotação oficial e ainda será acrescido IOF de 6,38%. Resumindo, seu gasto em cartão de crédito ficará mais ou menos igual ao de você trocar seus reais por pesos em Santiago pela taxa desfavorecida que você consegue por lá. Então minha recomendação é você pagar seus gastos maiores com cartão de crédito (hotéis e restaurantes) e para gastos menores trocar seus reais por pesos em Santiago. As melhores casas de câmbio você encontra na rua Agustinas, entre as ruas Bandera e Ahumada (estação do metro U. do Chile). Lá você encontra umas 5 ou 6 casas uma ao lado da outra, são confiáveis, é só escolher a que tiver a melhor cotação. Troque também uns R$ 150,00 no aeroporto para as primeiras despesas, como taxi do aeroporto para o hotel e locomoção até a casa de câmbio. Pode trocar no aeroporto aqui no Brasil mesmo antes do embarque. Em Guarulhos a taxa de câmbio estava R$ 1,00 = 183 CLP (no aeroporto no Chile você não vai encontrar taxas muito melhores que esta). DICA: pague o hotel em dólar no seu cartão de crédito, que você ficará isento da taxa de 19% de IVA (imposto local) cobrado nesse tipo de serviço. • Hospedagem: Reserve um hotel próximo a estação de metrô, pois você poderá utilizar este meio de transporte para praticamente todas as suas locomoções por lá. As estações mais bem localizadas para a maioria dos passeios são Baquedano e U. Católica, tente reservar um hotel próximo a estas estações, pois sua noite provavelmente será por ali. Caso não consiga tente reservar entre as estações Los Heroes e Los Leones que você também estará bem localizado, pois se ficar longe, como o metrô fecha às 23h, o taxi na volta poderá ficar caro. Fiquei no Ibis da Estação Central, não era muito bem localizado, e o serviço do hotel prestado pelos funcionários era péssimo, por isso não recomendo. Porém já adianto que os serviços em geral no Chile são ruins, com exceção para uns lugares, vá preparado para não ter aqueles melhores atendimentos. • Passagens aéreas: Comprei minha passagem no início de outubro (3 meses de antecedência), paguei R$ 1.400,00 (ida e volta - sem taxas). O preço foi caro, mas para fim de ano, na época que comprei foi um achado. Sugiro para quem quer viajar a Santiago no final de ano comprar com 5 meses de antecedência (em agosto), lembro que as passagens estavam bem mais em conta. Para isso é realmente necessário um bom planejamento. • Roteiro de viagem em Santiago: Em Santiago com 3 dias você divide 2 dias para fazer a região central, e um terceiro dia para visitar uma vinícola. 1º dia – Centro Histórico - Comece o dia no Palácio la Moneda (estação do metrô La Moneda), às 10h, para ver o câmbio da guarda (às 11h se for fim de semana), é bom chegar uns 30 minutos antes para pegar um lugar legal e porque a guarda no meu caso entrou uns 10 minutos antes, por isso não chegue em cima da hora. Consulte no site do governo (http://2010-2014.gob.cl/la-moneda/cambio-de-guardia/ ) se neste dia vai haver a cerimônia pois ela ocorre dia sim, dia não. É uma cerimônia do tipo militar, dura uns 30 minutos, no final o mestre da banda ainda tocou uma aquarela do Brasil em homenagem aos brasileiros que estavam prestigiando e que neste dia deveriam ser 60% dos presentes. Após isso, aproveite para trocar seu dinheiro nas casas de câmbio, se ainda não trocou, pois ficavam na rua Agustinas, entre a Bandera e Ahumada, somente a 2 quadras do palácio. Após o câmbio (ou caso você já tenha feito, passe direto) tome um café nos famosos “café com piernas”, logo ao lado na rua Ahumada (entre as ruas Agustinas e Moneda), tem dois bem famosos um ao lado do outro, café Caribe e café Haiti, é só escolher. Após o pit-stop do café pegue a rua Bandera, e após mais uma quadra você estará no museu de artes Pré Colombiano (é dito ser o museu mais interessante de Santiago, sendo considerado o melhor museu deste gênero na América Latina). Depois, seguindo mais uma quadra pela rua Merced você estará na praça de Armas, onde você tem a catedral (muito bonita por dentro, vale a visitação), o prédio do correio, do museu histórico nacional e uma curiosa escultura de um boneco segurando a cabeça no meio da praça. Continuando, neste momento você já deve estar com fome, vá até o Mercado Municipal, seguindo pela rua Puente, mais 3 quadras, e tome uma boa cerveja chilena (marcas Austral ou Kunstmann) com uma empanada (ou petisco do tipo), sinceramente não vale a pena o almoço, é muito barulho, muita muvuca e você é muito mal atendido, vale a pena passar só para conhecer o ambiente local. Após o lanche no Mercado, pegue o metrô logo ao lado, na estação Cal y Canto e vá até a estação Santa Lucia, para visitação ao Cerro Santa Lucia. Um dos pontos altos da viagem, esta visita me surpreendeu. No início você encontra um casarão com um belo jardim, subindo você encontrará uma fonte belíssima (ao estilo Fontana de Trevi) e continuando a subida lá em cima você tem um mirante para uma ótima observação da cidade a da cordilheira dos Andes ao fundo. Após isso tudo você já deve estar cansado, então minha sugestão é retornar ao hotel, e se preparar pois a janta é cedo, você ainda sai do hotel de dia em torno de 20:30h a 21h, pois os melhores restaurantes fecham em torno do 22:30h a 23H (consulte sempre o horário quando fizer a reserva). Com exceção do pátio Bellavista, onde os restaurantes normalmente ficam abertos até às 2h. 2º dia - região do Pátio Bellavista – começe o seu dia no pátio Bellavista (estação do metrô Baquedano – saia da estação no sentido praça Itália), ali você encontra boas opções para café da manhã (caso seu hotel não tenha café da manhã incluso). Após o café, seguindo do pátio Bellavista, pela rua Contitucion, você andará duas quadras e estará na La Chascona (casa de Pablo Neruda em Santiago), para mim também foi um dos pontos altos da viagem. Você faz uma visita auto guiada com áudio em português, aonde você conhece a casa, as decorações bastante bizarras e um pouco da vida do poeta. É uma visita bastante excitante e engraçada pois o poeta tinha vários gostos bastante estranhos, recomendo a visitação. Após a visitação você já encontra o Cerro San Cristobal ao seu lado direito a uns 200 metros a frente seguindo pela rua Constitucion. Ali você encontra o funicular, melhor forma de subir. Caso esteja fechado, pegue um taxi, ele lhe cobrará 4.000 pesos para subir e mais 3.000 pela entrada ao parque. Não tente subir a pé, pela estrada ou pelas escadas, é muito demorado e cansativo. Lá em cima você encontra uma linda imagem da Virgem Maria e o maior mirante para observação da cidade, é bem bonito e você sente uma enorme sensação de paz, um dos pontos altos da visita também. Quando descer, você estará de volta ao Patio Bellavista, seguindo novamente pela rua Constitucion, uma excelente dica para seu almoço é o restaurante Como Água para Chocolate (Constitucion, nº 88) um restaurante ótimo, que até umas 2 horas da tarde é fácil chegar e comer sem precisar de reservas. Após o almoço, siga para o palácio la Moneda para fazer a visita interna ao palácio. Precisa de reservar antes por email ([email protected] ). Reserve com cerca de um mês de antecedência, pois as visitas são concorridas e os horários disponíveis são 9:30h; 10:30h; 15h e 16h, de seg. a sex. Por isso não pus a visita junto com a troca da guarda, pois não há compatibilidade de horário, e você precisará voltar uma segunda vez ao palácio para fazer esta visita. Dura em torno de uma hora e não tem custo. 3º dia – vinícola – hoje é o dia de fazer o passeio a vinícola. Existem diversas vinícolas na região, mas para quem é marujo de primeira viagem minha dica é fazer o tour na vinícola Concha y Toro, é a vinícola mais famosa, de onde você encontra as marcas de vinho mais conhecidas aqui no Brasil (é a segunda maior vinícola do mundo). Indico a vinícola não somente pela fama, mas também pelo fácil acesso, pois localiza-se no sul de Santiago e você não precisa de comprar tour organizado e pode ir por conta facilmente. Pegue o metrô, solte na estação Puente Alto (última estação da linha 4 – azul), ali é muito fácil pegar um taxi (pois tem muitos na estação do metrô) e vão te cobrar 4.000 pesos pela corrida até lá. Na vinícola tem dois tipos de tour principal: o tradicional – custa 9.000 CLP (18 dólares), você faz a visita pela vinícola, casarão principal, adegas e faz 3 degustações de vinho, dura uma hora. E o tour Marques de Casa Concha, custa 19.000 pesos (38 dólares) e após o tour pela vinícola (igual ao tradicional) você entra para uma salinha reservada aonde terá a degustação, dirigida pelo sommelier da casa, de mais 4 tipos de vinho com harmonização com queijos. Indico este tour para quem gosta de vinhos. Faça reserva também com boa antecedência (pelo menos 3 semanas) pelo próprio site da vinícola (http://www.conchaytoro.com/web/tour-en/cost-and-booking/ ) e tente marcar o tour para o horário das 10h ou 11h para começar o dia por aqui. Atenção: a vinícola é na extremidade sul da cidade, então saia do hotel com pelo menos 1 hora e meia de antecedência para chegar lá sem risco de perder o tour. Até porque quando você chegar ainda irá perder uns 10 a 15 minutos na bilheteria comprando seu ingresso. Após o tour, saindo da vinícola, dobre a esquerda e depois na primeira esquina a esquerda de novo, você já encontra o ponto de taxi. Solte do taxi na estação Puente Alto de novo e pegue o metrô até a estação Manquehue (linha 1 – vermelha). Você estará em Las Condes, um bairro bem burguês. Saindo da estação na direção da rua Rosário Norte, você andará 4 quadras até o Parque Araucano, e logo atrás se encontra o shopping Arauco. Não gosto de shopping, mas achei o lugar muito bacana, tem um excelente boulevard, onde você pode comer ao ar livre no restaurante que lhe for mais amigável. DICA: deixo como sugestão o restaurante La Perla del Pacífico, excelente lugar para tomar uma boa cerveja chilena (tomei muita cerveja por lá, pois durante o dia está sempre muito quente no verão, temperatura em torno dos 28 ºC) e comer as melhores empanadas que pude experimentar no Chile. Depois tome um sorvete na Freddo (também dentro do shopping), uma excelente sorveteria Argentina, os sabores de doce de leite ou chocolate com suas variações não tem erro. Após isso, voltando para o hotel, dê uma paradinha na estação U. do Chile para conhecer o bairro Paris – Londres, um bairrinho com estilo bem colonial em pleno centro de Santiago. Entre pela rua Paris e depois saia pela rua Londres, no final desta rua ainda tem a igreja de São Francisco de Assis, onde também vale a pena dar uma conferida. • Roteiro de viagem litoral Chileno (redondezas de Santiago): Para fazer a viagem ao litoral aluguei um carro. Vou fazer um post específico a respeito abaixo, e no momento vou me ater ao roteiro. Em três dias no litoral, você dedicará um dia para Isla Negra, um para Valparaíso e um para Vinã del Mar. Porém para facilitar a logística monte a base em apenas um dos locais. Sugiro que seja em Vinã del Mar, pois é próximo para ir a Valparaíso e é uma cidade mais organizada, limpa e florida. Então vamos ao roteiro: 4º dia – Isla Negra – comece a viagem por aqui, pois pegando o carro neste dia de manhã, sempre há uma burocracia na retirada e você não irá conseguir sair de Santiago cedo. Reserve o dia inteiro para o programa, pois você terá umas 2 horas de viagem até lá. Saia de Santiago pela ruta 68, depois um pouco antes de chegar a Casablanca, pegue a F-90 em direção a Algorrobo, chegando lá pegue a direção de El Quisco, e passando por ali, contunue a rota em direção a El Tabo. Passando por El Quisco já começe a perguntar, pois a entrada para Isla Negra é bem discreta, e eu não me lembro de ter visto placas. Chegando lá você ainda terá uma boa fila de espera (por isso é um programa para o dia inteiro). A fila vai demorar em torno de 1 à 2 horas, dependendo do dia. Mas vale muito a pena a espera, o lugar é lindo a visita a casa é surpreendente e o mar tem um azul na beirada impressionante. Após a visita tem um restaurante dentro da própria fundação com uma vista para o mar deslumbrante, vale muito a pena ficar ali relaxando, contemplando e almoçar com calma. Para Isla Negra você não vai de ônibus de linha, caso não esteja de carro teria que pegar um tour organizado em Santiago. Normalmente eles irão fazer um tour por uma vinícola também na região de Casablanca para depois ir à Isla Negra. Acho meio apertado o tempo, você ficaria com pouco tempo para desfrutar do local, mas é uma opção para quem está sozinho ou não gosta de alugar carro. 5º dia – Valparaíso – Começe o dia pela casa do Pablo Neruda – La Sebastiana – a casa tem uma vista muito bela da cidade e do litoral, e você terá bastante entretenimento nos 5 andares aonde estão distribuídos a casa. Sem falar na arquitetura, a casa parece um navio ancorado em terra. Para chegar a casa, chegue até o Plaza Victoria (onde tem a catedral de Valparaíso) e depois suba pela rua Ricardo Ferrari (cuidado: é uma subida bem íngreme), a casa fica lá em cima quase na esquina com a rua Alemania. Após siga o roteiro pela rua Alemania, você encontrará dois bons mirantes para fotos nesta rua, o mirante Camogli e na praça Bismark. Após siga até o final da rua Alemania e deixe o carro num pequeno largo no entroncamento das ruas Almirante Montt e Monte Alegre, e dali desça a pé pela rua Almirante Montt para explorar o Cerro Concepcion e o Cerro Alegre. Não vale a pena descer de carro, pois a rua é bem íngreme, estreita e você terá dificuldades para estacionar lá embaixo. Essa região é onde estão as famosas casinhas coloridas de Valparaíso (patrimônio histórico declarado pela UNESCO). O lugar é um misto de Caminito com Pelourinho, tem uma energia local bem intensa, vale muito a visita. Lá você vai encontra além das casinhas coloridas, muitos restaurantes (as ruas Pilcomayo, Abtao e Papudo, concentra boa parte deles), muitos mirantes e ainda o Palácio Babuzirra. Para almoço uma boa sugestão é o restaurante La Concepcion (rua Papudo, 541), o restaurante tem boa cozinha, uma excelente vista para o mar e um preço justo. Após o almoço pegue o carro e vá em direção a zona portuária da cidade (no canto esquerdo), deixe o carro num estacionamento privado na esquina da rua Márquez com Cochrane, depois siga a pé até a plaza Whellright (uma quadra), onde você encontrará o Ascensor Artilleria, que te levará até o Paseo 21 de Mayo, onde você terá o principal mirante com vista do porto e de toda cidade, uma feirinha de artesanatos e ainda o Museo Marítimo Nacional. Assim terminamos o dia pela cidade. Caso você não venha de carro, tem ônibus de linha e tour organizado saindo de Santiago, e metrô ligando até Vinã del Mar. O tour organizado saindo de Santiago sempre inclui Vinã del Mar num passeio de um dia, acho muito pouco, cada cidade merece um dia em separado. CUIDADO: Valparaíso tem fama de ser uma cidade perigosa (com problemas de roubos e furtos, nada diferente das grandes cidades Brasileiras ) por isso cuidado com os seus pertences, e quando parar o carro não deixe nada a mostra em cima dos bancos, guarde o GPS, e lá em baixo tem estacionamentos privados (indiquei um deles acima), então são recomendados para deixar o carro e evitar problemas. 6º dia – Vinã del Mar – Começe o dia pelo Relógio de Flores, bem na entrada da cidade (entroncamento da av. España com La Marina), um dos principais cartões postais da cidade. Após siga pela La Marina, aprecie a vista para o mar e vá até o Castelo Wulff (a outra sensação da cidade). Aquele castelo na beira mar, em estilo fraco-alemão, dá um ar como se você estivesse em alguma cidadezinha antiga europeia. Após siga em direção ao parque Quinta Vergara (dá para ir a pé, uns 15 minutos caminhando, se a cidade tiver muito cheia, é a melhor opção para evitar problemas de ficar procurando estacionamento todo momento). Lá você encontra o casarão principal da família Vergara e um lindo jardim, o lugar dá uma sensação como se estivesse no Jardim Botânico no Rio de Janeiro. Além disso, você pode fazer um bom pit stop na cafeteria do parque, para relaxar um pouco, respirar um ar puro e comer uma boa empanada. Em frente à cafeteria você encontra um monumental anfi-teatro, onde é realizado anualmente o festival de Vinã del Mar em fevereiro, já que esta em frente não deixe de dar uma olhada. Saindo dali, atravesse a ponte, pegue a avenida Libertad até a rua Três Norte, aonde você encontrará o casarão da família Carrasco, e bem atrás o museo Fonck, aonde você avista logo na entrada (ao lado de fora do museo) um legítimo Moai trazido da Ilha de Páscoa (um dos únicos localizados fora da ilha). Após a visita, siga pela mesma rua Três Norte em direção a rua San Martin, aonde você encontra o Cassino de Vinã del Mar. Se gosta de jogo é uma boa oportunidade para testar a sua sorte. Caso contrário, vale a pena visitar para dar uma olhada do requinte do local (pode sair entrando, não tem que pagar nada e nem pedir para ninguém se pode entrar). Vá até o segundo andar aonde você encontra um belo barzinho com uma linda vista para o mar. Tem bons aperitivos e os preços são justos, não são tão caros. Após o Cassino, vale pegar o carro, seguir direto pela San Martin até a praia da Reñaca para sentir o que de fato é uma praia Chilena, se puder ficar para o por do sol é uma excelente pedida para o final do dia. Outras informações úteis: • Reveillon: Pelo que havia pesquisado, o melhor reveillon chileno é no litoral, em Valparaíso e Vinã del Mar. É para aonde descem anualmente mais de 1 milhão de pessoas para assistir a queima de fogos. Escolhi passar o reveillon em Vinã del Mar, devido a ser mais tranquilo e menos tumultuado. Mas a queima de fogos é a mesma num lugar e no outro. Em Vinã del Mar o réveillon é na avenida Peru, em frente ao cassino. Não há ambulantes vendendo bebidas alcóolicas, então você precisa levar seu vinho ou espumante. É bom fazer um lanche cedo (lá pelas 9h da noite), porque após isso você terá bastante dificuldade para comer em qualquer lugar. Na meia noite houve uma queima de fogos muito bonita, foram por volta de 20 minutos de espetáculo. É um dos principais réveillon da América Latina. O réveillon no Chile é bastante interessante, tem a questão da queima de fogos, como no brasileiro, mas as pessoas vão às ruas vestindo máscaras, adereços a fantasias de carnaval e ainda soltam balões escrito com desejos para novo ano que se inicia. É um mix do nosso réveillon, carnaval e São João num só evento. • Aluguel de carro : Em Santiago você não precisa de carro, pelo contrário, o carro mais atrapalha do que ajuda. Tem um ótimo sistema de metrô que te leva para onde você quiser. Porém saindo de Santiago para o litoral, um carro é muito recomendado, pois lhe dará mobilidade para você montar seu roteiro de forma personalizada sem depender dos famosos city-tours. Quando for alugar, pesquise primeiro no site (http://www.rentalcars.com/Santiago‎), um buscador de preços para aluguel de carros (assim como é o decolar para passagens aéreas). Ali você verifica entre as locadoras cadastradas aquela que está com o melhor preço para o carro e período que você deseja. Verifique o tamanho da mala da sua esposa/namorada, e lembre-se que num carro categoria City Car, não cabe mala grande no porta malas, e nunca é bom viajar com malas expostas no banco traseiro para evitar problemas. Outra dica é o GPS, você estará saindo de Santiago, uma cidade de 6 milhões de habitantes (tamanho do Rio de janeiro), então para quem não conhece um GPS irá lhe ajudar bastante. Já reserve o GPS junto com o carro, pois caso contrário se deixar para ver isso na hora de pegar o carro a chance de você não ter nenhum disponível é bem grande. O custo do GPS é de CLP 3.500 por dia, vale o investimento para não ficar perdendo tempo e nem correndo nenhum tipo de perigo sem necessidade. Aluguei um sedan (Sail da Chevrolet) com ar e direção por 3 dias, na Chilean Rent a Car (rua Bellavista, 183, Providência). Paguei CLP 100.200 (incluindo o GPS e seguro). O carro era bem novo, e não tive nenhum problema com a locadora. Eles ainda têm atendendes que falam português. • Casas do Pablo Neruda: O poeta, escritor e político, Pablo Neruda, é hoje a maior personalidade da história Chilena. Existe uma fundação que cuida das casas onde o poeta morou. Hoje visitar suas casas é um dos pontos altos da viagem ao Chile. Ele possui 3 casas: La Chascona, em Santiago; La Sebastiana, em Valparaíso e a casa de Isla Negra. Todas elas possuem um áudio-guia em português, aonde você poderá percorrer os cômodos da casa fazendo uma visita auto guiada e escutando as histórias referentes a cada recinto, bem como o porquê de cada decoração. O tour em cada casa é totalmente diferente do tour nas demais, portanto visitar as 3 casas não será um programa repetitivo, pelo contrário, devido a qualidade da interatividade do audio guia e das histórias bizarras e curiosas do poeta, após você visitar uma casa com certeza ficará com desejo de visitar as demais. O que você precisa saber sobre as visitas as casas de Neruda:  é sempre bom fazer a visita próximo da abertura às 10h para se evitar filas;  agora não têm mais reservas. A visita é feita por ordem de chegada;  todas as casas fecham às segundas;  a visita auto guiada dura em torno de uma hora;  o ingresso custa 5.000 pesos. • Restaurantes no Chile: Seguem aqui algumas dicas do que é mais recomendado no Chile, não só por mim, mas por todos os blogs de viagem por onde me baseei para montar meu roteiro. Dos restaurantes listados aqui somente não visitei o Giratório (não consegui reserva) e o Astrid y Gastón (falta de tempo). Dos visitados recomendo todos os restaurantes listados, pois os que não gostei nem listei no post.  Como Água para Chocolate (Constitution, 88, Bellavista – reservas: +56227354511, [email protected] – consegue ser atendido até umas 2h da tarde sem reservas, depois é melhor reservar – metro Baquedano). A maior parte dos clientes são turistas brasileiros, boa comida, bom ambiente e bom atendimento. Prato: comi um fundido de camarões muito bom. Como sobremesa comi a Como Água para Chocolate, também recomendável.  Aqui está Coco (Calle la Concepcion 236, Providencia – reservas: +56 2 2235 8649 – somente com reservas – metrô Pedro de Valdívia). Restaurante muito requintado, ótimo ambinete e serviço. Prato: comi um prato de salmão com camarão muito bom. Porém acho que quase todos os pratos são bons, quase sem chances de errar.  Sur Patagonico (Jose Victorino Lastarria, 92-96, Centro – consegue chegar sem reservas – metrô U. Católica). Restaurante com boa carta de cervejas e chopps artesanais. Comi um Fettuccini a bolonhesa que estava muito bom.  La Perla del Pacifico (boulevard shopping Arauco – metrô Manquehue). Comi as melhores empanadas no Chile.  Divido Pecado (San Martín 180, Viña del Mar – consegue ser atendido sem reservas).O mais famoso e recomendado do litoral em todos os blogs. Fui lá, realmente muito bom.  La Concepcion (Papudo, 541, Cerro Concepción – Valparaiso – consegue ser atendido sem reservas). Tem uma vista panorâmica magnífica do mar de Valparaíso.  El Rincon del Poeta (Centro Cultural Museo Pablo Neruda, Isla Negra). O restaurante fica em anexo à casa de Neruda. Possui uma vista para o mar deslumbrante. A comida, rica em frutos do mar, também é muito boa. Vale muito a pena o almoço com calma após a visita a casa para apreciar toda a vista e sentir a energia local.  Astrid y Gastón (Antonio Ballet, 201 – Providencia. Reservas: 22650-9125 ou pelo site: http://www.astridygaston.cl - metrô Pedro de Valdívia). Restaurante especializado em comida Peruana.  Giratório (Av. Nueva Providencia, 2250 – piso 16 – Providencia – reservas: 2-2232-1827 ou 2-2251-5789 – metrô Los Leones). É o restaurante mais famoso de Santiago e também o mais concorrido. Reservas devem ser feitas com uma semana de antecedência. • Bebidas no Chile: Não vou nem falar dos vinhos Chilenos, que são mundialmente famosos e com qualidade conhecida por todos. Mas escrevo o tópico para falar sobre as cervejas Chilenas que não são conhecidas aqui no Brasil, porém são de excelente qualidade. Principalmente se você for visitar o Chile no verão, quando parar para descansar em meio ao calor acentuado durante o dia, certamente uma cervijinha Chilena lhe cairá muito bem. As marcas Austral e Kunstmann são muito boas. São cervejas mais encorpadas, puro malte, mais lupuladas, para quem gosta de nossas cervejas artesanais é uma excelente pedida. São tradicionais no Chile, você encontra em qualquer lugar. São mais caras que no Brasil pois não são comparáveis as nossas comerciais Skol e Brahma e sim a uma Baden-Baden, por exemplo. Também quero falar rapidamente sobre o Pisco Sour, uma bebida típica e famosa no Chile, é feita de Pisco (uma bebida destilada, um pouco parecida com nossa cachaça) com limão e açúcar, lembra um pouco nossa caipirinha, não deixe de experimenta-la por lá. • Taxi: Assim como em vários outros lugares, no Chile este setor também apresenta problemas com taxistas desonestos. Procure saber antes de embarcar (no seu hotel ou no restaurante que estiver) quanto sairá mais ou menos a corrida. Se estiver próximo a uma estação do metrô da linha 1 – vermelha, o taxista deve seguir obrigatoriamente pela av. Bernardo O’Higgins que continua com o nome de av. Providencia, se não tiver por estas avenidas provavelmente estará dando voltas. Nunca aceite ajuda do taxista, tipo: você esta sem dinheiro, e ele fala: - vamos que passamos no banco e depois te deixo no ponto aonde você quer chegar. Fatalmente você será enrrolado. Não vi taxista que aceitasse cartão de crédito para pagamento, portanto esteja com dinheiro. A boa notícia é que você só precisará do taxi para voltar do restaurante à noite, pois o metrô chega às 23h. • Documentos necessários no Chile: Você não precisa visto nem mesmo passaporte. Somente sua identidade brasileira, com menos de 10 anos de expedição, é suficiente. Carteiras profissionais ou de motoristas não valem como identidade por lá, principalmente para fins de entrada no país perante o serviço de imigração no aeroporto. Porém se for alugar um carro você deve estar munido de sua carteira de motorista brasileira, não precisando também de nenhuma carteira internacional para isso. • Guia de viagem: Utilizei o guia da Lonely Planet. Em Santiago, tinha mapas dos diversos bairros bem detalhados, atendia bem. Porém fora de Santiago os mapas eram ruins, e você precisa de mais algum mapa no local para complementar as informações. No geral o guia ajudou bastante, pois era uma fonte de consulta de informações sempre que precisava. O guia visual da folha de São Paulo também costuma ser bom, recomendo que tenha um dos dois guias em mãos durante a viagem. • Últimas considerações: No geral, a viagem me agradou bastante, é bem fácil andar por Santiago, o sistema de metrô eficiente e bem ramificado ajuda bastante. A culinária baseada em frutos do mar também me agradou muito e as bebidas são uma atração a parte. Como última dica, não deixe de apreciar pela janela do avião (alguns minutos antes da chegada ou após a saída de Santiago) a bela vista dos Andes. Visto de cima a cordilheira é muito bonita e o avião não voa muito alto, proporcionando um belo espetáculo lá de cima. Vá, faça a viagem da forma que mais lhe agradar e tire suas próprias conclusões sobre esta cidade que é a porta de entrada para um país que ainda tem muito mais para nos oferecer. Ainda quero voltar ao Chile muitas vezes para conhecer o Atacama, a Ilha de Páscoa, fazer o cruzeiro pelos lagos andinos, portanto Santiago ainda será meu ponto de passagem por muitas outras vezes. Espero ter ajudado a vocês um pouquinho com este relato. Abraços!
  2. Obrigado por responder. Então chegaremos em Buenos Aires dia 25 final de tarde e vamos embora dia 31 de julho no inicio da tarde, ou seja sem contar os dias de chegada e saida são 5 dias. Pelo que eu entendi Ushuaia e Bariloche não vale a pena ir até lá para poucos dias, então me restaria Mendoza, vale a pena uns dois dias por lá ? Boa noite EduL. Cara, vc vai ter 5 dias pra desfrutar em Buenos Aires, nao e muito tempo nao. Ao menos 3 dias vc precisa pra cidade. Nos outros dias, vc pode fazer passeios bate e volta, com base em Buenos Aires mesmo. Boas pedidas sao Tigre, Colonia ou Lujan. Vc teria muito pouco tempo pra aproveitar Mendoza, pois vc so teria 2 dias, e ainda tem que contar com a ida e volta, entao seriam dois dias pela metade, o que acho que inviabiliza o projeto, muito investimento, para fazer uma viagem super corrida e nao conhecer nada. No seu caso, sem nenhuma duvida, ficaria todos os dias em Buenos Aires, tirando 2 desses dias para fazer day trips as cidades visinhas. Espero ter ajudado.
  3. Oi Margarida! Montei todo o roteiro, pesquisei bastante, mas por alguns motivos particulares preferi deixar a viagem para o ano que vem. Como ainda não fui, não tenho relato, mas pesquisei muito, se tiver alguma duvida poste aqui, se puder lhe ajudar te respondo. Ou então pergunte para a Natpugliese, ela acabou de chegar de viagem agora. Quando for estarei indo de São Paulo, e entrarei no Italia por Milão ou Roma. Pelo que pesquisei mas vale voce entrar e sair pela mesma cidade, pois consegue passagens bem mais baratas. Se quer visitar a Toscana, alugar um carro, e montar base em Florença é uma otima ideia. Espero ter ajudado.
  4. Amigos Mochileiros, vou tentar fazer um relato bem completo, sem detalhes desnecessários, focando em informações úteis a sua viagem. Primeiro, fiz a viagem neste último feriado do trabalhador, do dia 30/04 à 05/05/14, com 4 dias úteis de viagem. E lá falo, não fiz compras, então não sei quase nada a respeito. • Quantos dias são necessários para conhecer Buenos Aires? Para se fazer uma boa viagem, com calma, conhecendo bem a cidade e fazendo pit stop para comer em bons restaurantes no meio do dia, são necessários 3 dias. Menos que isso fica muito corrido. Mais que isso, você pode tirar os outros dias para conhecer os entornos de Buenos Aires. No nosso 4º dia fomos para Tigres. Existem outras opções, igualmente populares e próximas como Lujan e Colônia (no Uruguai). • Como levar dinheiro para Argentina? Dica: Você deve levar em reais ou dólares (se já tiver guardado em casa), não troque dinheiro nenhum no Brasil, pois a Argentina passa por um momento de crise econômica, com uma política monetária que restringe a compra de dólares pela população local, então o câmbio paralelo por lá disparou, e você consegue uma taxa de câmbio mais favorável por lá. Como exemplo o câmbio oficial aqui no Brasil, dia 29/04/14 estava em 1 real = 3,60 pesos e lá no dia seguinte no paralelo trocamos a 1 real = 4,30 pesos. A casa de câmbio é a Cerrito Express, fica na Avenida Cerrito, nº 228, ou lado da Avenida 9 de julho, há duas quadras do Obelisco. Tem vários câmbios paralelos por lá, mas nem todos são seguros, corre-se o risco de pegar notas falsas. Esta casa de câmbio que indiquei funciona perfeitamente, você não terá este problema. Então se for trocar dinheiro no paralelo por lá, troque em algum lugar que você tenha referência. Informação: para passar uns dias bons por lá, comendo em bons restaurantes, você irá gastar, na média, 350 reais para 2 pessoas (casal) por dia. Dica: leve mais ou menos 500 reais por dia, assim você não fica fazendo contas, vai trocando aos poucos conforme sua necessidade, para também não chegar ao final da viagem cheio de pesos no bolso, porque eles aqui no Brasil não valerão nada. O dinheiro você deixa no cofre do hotel, é seguro, não tem stress. Saia com mais ou menos 1500 pesos no bolso, é suficiente para passar o dia, se não for fazer compras. O restante fica no cofre. • Hospedagem: Dica: na hora de reservar hotel, reserve um que você possa pagar lá quando chegar, assim você consegue um câmbio bem mais favorável, não paga IOF e demais encargos em seu cartão de crédito. Pegue um hotel também sem café da manhã incluso, acredite, é uma grande vantagem em Buenos Aires, assim você conhece os maravilhosos café da cidade, como o Café Tortoni, o La Biela, entre outros, como ponto de partida para o início do tour de cada dia. Minha sugestão que se encaixa perfeitamente no que falei acima é o Ibis, fica na Plaza del Congresso (end. Hipólito Yrigoyen, 1592). É bem localizado, no centro, próximo do metrô, e você não tem surpresa no que vai encontrar. Reservando com antecedência, e pagando lá com o câmbio melhorado, em pesos, paguei o equivalente a 81 reais a diária, excelente custo x benefício. Se quiser reservar, é só acessar o site do Ibis, é bem fácil fazer a reserva. • Passagens aéreas: As passagens promocionais, saindo de São Paulo, custam em torno de R$ 700,00, por pessoa, ida e volta (incluindo as taxas). Nos períodos de maior demanda – férias escolares e feriados – os preços costumam flutuar bastante. De um feriado para o outro, às vezes, os preços mudam muito, como foi o meu caso, deixei de viajar na páscoa, pois os preços estavam em R$ 1.500,00 e optei por viajar no 1º de maio (duas semanas após) pagando R$ 1.000,00 ida e volta por pessoa, o que achei um ótimo preço, se tratando de feriado. • Roteiro de viagem: Você divide seu roteiro por bairros, assim, no primeiro dia, você faz a parte central - Centro Histórico + Puerto Madero (sem a Plaza de Mayo) - no segundo dia a parte norte - Recoleta + Palermo - e no terceiro dia faz a parte sul da Cidade, indo a La boca, San Telmo e mais a famosa Plaza de Mayo. Deixe a Plaza de Mayo para fazer com a parte sul, pois senão ficaria muita coisa para se fazer no primeiro dia, ficando muito cansativo e pouca coisa para o último dia. Sendo que de San Telmo até a Plaza de Mayo, é só descer pela Calle Defensa mais 6 quadras, e você faz isso tranquilamente a pé. Roteiro dia-a-dia – por bairros 1º dia – Centro Histórico Começe o roteiro no café Tortoni (o café mais famoso e antigo da cidade, fundado em 1858 – aproveite para desfrutar de um chocolate quente que não há igual aqui no Brasil); Depois vá andando pela Av. de Mayo até a Plaza Del Congresso, são 7 quadras, mas esta é a avenida mais charmosa da cidade, com vários prédios antigos com uma arquitetura fantástica, a casa Rosada em uma extremidade e o Congresso na outra, vale a andada. Plaza del Congresso – você verá o Palácio do Congresso e uma grande fonte no meio da praça (na minha opinião a mais bonita da cidade, com várias esculturas de deuses, cavalos, anjos, muito bonita). Depois vá até o Obelisco, tirar uma foto num dos pontos mais famosos da cidade e aproveitar o visual da avenida 9 de julho (a avenida mais larga do mundo). São mais 11 quadras até lá. Conselho: da para ir a pé numa boa, mas se sua mulher estiver de bota para sair bem nas fotos, amigo é melhor você pega o metro (fica bem na praça e te deixa a uma quadra do Obelisco). Depois ao lado está o Teatro Colon. Se me perguntarem qual o melhor ponto turístico de Buenos Aires, sem dúvida, responderia é este. Tem uma visita guiada de uma hora em espanhol e inglês, custa 150 pesos. Parece caro, mas e o único ponto turístico da cidade em que você paga um valor considerável para entrar, o restante paga-se somente um valor simbólico. Mas ao final do tour você verá que seu dinheiro não foi jogado fora. O teatro foi inaugurado em 1908, e foi construído na época em que a cidade atravessava seus anos de ouro. Não perde nada em estilo e acabamento para os principais teatros Europeus. Suas escadarias de mármore, as paredes trabalhadas também em mármore e madeira nobre, seu teto com pinturas belíssimas e trabalhos em bronze e ouro certamente justificarão o preço do seu ingresso. Após, andando mais 5 quadras, pela Viamonte, você estará nas Galerias Pacífico (é um shopping, porém o prédio por fora é muito bonito). Você estará na Calle Florida – a rua famosa para compras – e na esquina com a Avenida Cordoba (em frente a galeria) haverá um café/bar legal para você tomar uma cerveja no meio do dia para repor as calorias gastas até aqui. Após isso siga mais 2 quadras, pela Calle Florida, e você estará na praça San Martin. Praça San Martin – muito bonita e arborizada convidativa para um pequeno relax, você terá ainda o Palácio Paz para dar uma espiada. Após isso provavelmente você deve estar cansado das andanças do dia, então pegue um taxi e vá almoçar em Puerto Madero. O taxi deve te custar em torno de 7 reais. 1º dia – Puerto Madero Chegando à Puerto Madero, minha dica para um excelente almoço carnívoro é o restaurante Cabana Villegas, fica quase em frente à Puente de la Mujer, no dique nº 3. O bife de chorizo é simplesmente delicioso, custa em torno de 120 pesos. Para quem não sabe, é o mais famoso bife argentino. É um bife bem grosso mais hiper macio, peça ao garçom para passar um pouco mais para não vir sangrando (isso se você prefere a nossa carne ao ponto). Pois o ponto da carne na argentina e o mau passado da gente. O almoço completo, com bebida, couvert e serviço sairá em torno de 100 reais por casal. Após o almoço, visite o Museu-Fragata Sarmiento, e um museu dentro de um grande barco veleiro, interessante, você já estará em frente. E aproveite para curtir o visual do local, você estará a poucos metros da Puente de la Mujer. Para finalizar, caminhe uns 300 metros em direção ao dique nº 4, e termine o dia com um bom sorvete na Freddo. O sorvete é delicioso, se tiver na dúvida quanto ao sabor, eles tem várias combinações com doce de leite e com chocolate que não tem erro. 2º dia – Recoleta Comece o dia com um bom café da manhã no La Biela (o chocolate quente de lá também é sensacional). Após você estará em frente à Igreja de Nossa Senhora do Pilar, é pequenininha, e vale a visita. Depois vá ao famoso Cemitério da Recoleta, você estará ao lado dele. Você pode até estranhar em fazer uma visita turística a um cemitério, porém não é um cemitério comum. É um cemitério aonde estão enterradas as pessoas mais ricas da cidade, onde em cada tumba foram construídos verdadeiros manzoléis, verdadeiros monumentos, que valem muito a pena a visita, devido a singularidade local. Após isso você andará uns 400 metros, em direção a Av. Figueroa Alcorta, e estará na famosa flor de Metal – a Floralis Genérica – uma obra de arte bem interessante, vale a foto. Ao lado você encontra o Museu de Bellas Artes. Para quem gosta de apreciar obras de arte, tem obras de Picasso, Van Gogh, El Greco, entre outros, seria um prato cheio. 2º dia – Palermo Após, tome um taxi e vá até o Jardim Japonês, em Palermo, a corrida lhe custará 5 reais. O ingresso custará mais uns 8 reais. O jardim é muito bonito e bem cuidado, vale a entrada. Após vá andando até o Parque 3 de Febrero, fica ao lado, e entre no Rosedal, é um jardim cheio de rosas coloridas, muito bonito. Depois você já deve estar com fome, tome um taxi e vá almoçar em Palermo Soho, no Don Julio (esquina da Gurruchaga com Guatemala). Comida muito boa, local agradável e bem decorado, um almoço completo irá custar uns 80 reais o casal. Após isso, tem uma sorveteria Freddo estrategicamente localizada a umas 3 ou 4 quadras dali, na rua de trás do restaurante. No bairro estão localizados os principais outlets da cidade, então para quem gosta de compras, seria uma boa diversão para o final do dia. 3º dia – La Boca Pegue um taxi até El Caminito, em La Boca, vai custar uns 11 reais saindo do centro. Comece o dia no Café La Perla, bem na chegada ao El Caminito, o café tem bem o espírito do bairro. Depois explore o lugar, com suas famosas casas coloridas, bem diferente, turístico e interessante. Dica: vai haver um monte de gente te chamando para tirar fotos em painéis daqueles que você só coloca a carinha, com dançarinos com roupas típicas de Tango. Não pare, não deixe nem eles abrirem a boca para falar nada, pois são um monte de espertalhões, vão falar que custa 10, depois que tira a foto falam que é 10 reais e não 10 pesos, que é 10 por foto, ou por painel, então para evitar aborrecimento é melhor não deixar eles nem abrirem a boca. Após a visita ao El Caminito, andando umas 5 quadras você chega ao famoso estádio de La Bombonera, do Boca Juniors. Lá você consegue fazer uma visita guiada ou normal. Embora o preço seja quase o mesmo, na visita normal você não precisa ficar esperando até sair o próximo grupo, e você ganha tempo, indo direto aos pontos aonde mais lhe interessa. Custa 70 pesos, e você pode visitar o museu, com a sala de troféus do time e a parte interna do estádio, onde você tem visualização do gramado e das arquibancadas. 3º dia – San Telmo Saindo de La Boca, pegue um taxi até o Parque Lezama, em San Telmo, aonde você tem o Museu Histórico Nacional. E um museu pequeno, em 20 a 30 minutos você faz o tour por ele, e você tem oportunidade de conhecer um pouco mais sobre a história do pais aonde você esta pisando, que por sinal é bastante interessante. Custam apenas 10 pesos a entrada. Após isso, ainda no Parque Lezama, você tem a Igreja Ortodoxa Russa, com sua parte superior que mais parece aqueles castelinhos de Walt Disney. Ela deve estar fechada, mas vale a foto da parte exterior, tirada do próprio Parque Lezama. Após isso siga pela Calle Defensa até a Praça Dorrego, são mais 4 quadras. Ali você estará no coração de San Telmo, e encontrará restaurantes com mesinhas na praça, gente dançando Tango no meio da praça, barraquinhas vendendo artigos antigos. Sugiro uma paradinha por ali para sentir o clima histórico do bairro, tomar uma cerveja, comer as famosas empanadas e relaxar um pouco. Dica: no domingo há a famosa feira de antiguidades de San Telmo, um monte de gente na rua vendendo antiguidades, em barraquinhas e espalhadas pelo chão mesmo. O lugar fica lotado, então se você gosta da coisa, ok, caso contrário, é melhor evitar este dia, é mais vazio e tranquilo. Dica: falam muito nessa área do restaurante Desnivel, sinceramente não recomendo, o lugar é abafado, com cara de sujo, sem nenhuma decoração e com serviço ruim. Da praça Dorrego seguiria a pé mais duas quadras pela Calle Defensa até o El Zanjon de Granados, é uma casa aonde foi descoberto um sitio arqueológico abaixo dela. O lugar pareceu interessante e diferente, porém não consegui entrar, pois estava fechado no dia. Saindo dali quase em frente tem a Casa Mínima. É uma casa super pequena, que por ser diferente também vale uma foto. 3º dia – Plaza de Mayo (centro histórico) Continuando andando pela Calle Defensa mais 6 quadras você chega a Plaza de Mayo, a praça mais famosa e importante da Argentina. Ali você tem basicamente 3 coisas a serem vistas: a Casa Rosada, a Catedral Metropolitana e o Museu do Cabildo. A casa Rosada possui uma visita guiada nos fins de semana, é gratuita com duração de uma hora, um dos mais famosos pontos turísticos da cidade, visita obrigatória. A catedral também é muito bonita, possui um estilo arquitetônico parecido aos antigos templos gregos, e você não paga nada para entrar. No museu do Cabildo, fico devendo as informações pois todas às vezes que passei por lá estava fechado, mais é um ponto turístico também famoso na cidade. 4º dia – Tigre Pega-se o metrô até a estação do Retiro, o ticket custa 5 pesos, para quem não tem aquela tarjeta especial, a qual eu não fui atrás, pois a passagem por si só já era muito barata, e o taxi também, então não achei necessário perder tempo com isso. Chegando ao Retiro, comece o dia com um bom café da manhã no Café Retiro, fica ao lado da estação (fique atento, pois não abre aos domingos). Depois disso pegue o trem para a estação de Mitre, são 30 minutos de viagem, aonde você poderá ter contato com um pouco da periferia da cidade, não há perigo nesta viagem. Chegando a Mitre, você irá atravessar a passarela e chegará até a estação de Maípu, onde irá pegar o famoso Trem de la Costa, são mais 30 minutos de viagem até Tigre, é um trem turístico (custa 10 pesos, tem gente vendendo na estação, mas irão cobrar mais caro, então vá direto a bilheteria). Chegando a Tigre, vá para o porto, e pegue um barco para conhecer a região do Delta do Rio Paraná. É uma região com dezenas de rios menores, muito irrigada e bonita. Minha sugestão é que pegue o barco para a localidade de Três Bocas, custa 56 pesos (ida e volta), e leva meia hora de barco até lá. Para aqueles que enjoam com barcos, não se preocupe, é só navegação fluvial, o barco não balança nada. Chegando a Três Bocas, almoçamos no restaurante El Hornero, fica a uns 5 minutos de caminhada do porto. Comi um pacu na brasa que estava divino, por 110 pesos. Depois disso, demos uma caminhada pela região, e voltamos ao porto, aonde ficamos tomando uma Quilmes, no restaurante ao lado, e olhando, esperando o barco de volta. Chegando de volta a Tigre, atravessamos a ponte, e andamos um pouco pela calçada turística, beirando o rio. O lugar é bem aprazível, e você ainda encontra alguns museus, do tipo: Museu do Mate, Museu da História Naval, Museu da Arte, onde se quiser ainda pode dar uma conferida. Na volta, você deve estar cansado, então pegue o trem de Tigre direto para Buenos Aires, e volte dormindo que é mais tranquilo. A estação do trem direto para Buenos Aires é bem próxima da ponte, no porto, e este trem leva uma hora de viagem até a estação do Retiro, em Buenos Aires. Outras informações úteis: • Show de Tango: Esta aqui uma dica para você economizar bastante dinheiro. Recomendo a você o show de Tango no Café Tortoni, é realizado no subsolo, num pequeno teatro. A funcionária da casa que agenda os shows, chega lá por volta das 11h da manhã, e a partir daí, você pode ir lá e agendar o seu show para a noite. Tem dois horários, às 20:30h e às 22:30h. O show dura aproximadamente 1 hora, e custa 180 pesos (aproximadamente 40 reais), sem jantar incluso. Enquanto isso, os famosos shows turísticos, tipo o Senõr Tango e o Tango Porteno, estavam cobrando em torno de 100 dólares (aproximadamente 230 reais), com um jantarzinho que, segundo comentários, costuma ser bem meia boca. Então por um preço mais de 5 vezes menor, não há nem o que pensar. E posso lhe dizer que o show do Café Tortoni é de boa qualidade. Achei um programa imperdível para quem esta visitando a cidade pela primeira vez. • Custo de vida: Achei super barato as coisas por lá, com exceção de dois itens básicos (água e cerveja), as outras coisas estavam bem mais baratas por lá. Seguem alguns preços mais importantes: Hotel Ibis – 80 reais Taxi entre bairros seguidos – média 5 a 8 reais Bife de Chorizo – 30 reais Vinho Argentino (oriundo de Mendoza) – 25 reais Cerveja (Quilmes ou Isenbeck) – média de 10 a 12 reais (caro, como havia falado) Jantar para 2 pessoas num bom restaurante, incluindo couvert, bebidas, sobremesa, e serviço – média 90 a 100 reais • Dicas de Restaurante: Já tinha indicado o Cabanã Villegas, em Puerto Madero (no relato do fim do 1º dia) e o Don Julio, em Palermo Soho (no relato do final do 2º dia), ambos muito bons para carnes. Agora indico um muito bom para massas, é o La Parolaccia, fica também em Puerto Madero, perto da Puente de la Mujer, ao lado do Cabanã Villegas. Um jantar para 2 pessoas você vai pagar nessa média de 90 reais pelo casal. • Comunicação: Não tente inventar um portunhol. Fale devagar em português, e deixe ele te responder em espanhol que vocês irão se entender muito bem. No restaurante, na hora de ver o menu, às vezes tem muitas palavras em espanhol que você não entende. Mas nos bons restaurantes sempre tem o menu em inglês, então se você entende um pouquinho de inglês, o ideal é que peça os 2 menus, pois um complementa o outro. • Taxi: Em Buenos Aires a má fama dos taxistas não é a toa. Se você pesquisou um pouco sobre a cidade, e sabe mais ou menos por onde esta andando, vai ver que toda hora algum deles vai vir com uma historia do tipo, não vai para esse lugar porque lá as atrações estão fechadas, mas conheço um lugar que é muito bom, e quando você vai ver, este lugar é bem longe, e ele está mesmo interessado em fazer uma boa corrida. Então muito cuidado com taxistas bonzinhos que se aproximam de você querendo ajudar o turista indefeso. E, é claro, a dica mais postada em sites sobre cuidados em Buenos Aires, não custa repetir: sempre pague o taxista com dinheiro trocado, nunca dê uma nota de 100 pesos. Se não tem trocado, antes de pegar o taxi compre uma bala na esquina e troque o dinheiro. Mas conheci um taxista que fugiu a regra, o nome dele é Equeziel, e o contato dele posto aqui – 1568914712, anote este telefone como de utilidade pública em Buenos Aires. O cara é um garoto, mas deu um show de honestidade em cima de todos os taxistas senhores que pegamos por lá. Conclusão da historia, safado também envelhece. Sem falar que dirige muito bem. Então fique com este telefone na carteira e quando sair do restaurante peça ao garçom para ligar para ele para você. No hotel você mesmo pega o telefone do seu quarto e liga. Es os preços das principais corridas de taxi, saindo do centro (valores aproximados): La Boca – 45 pesos Recoleta – 30 pesos Palermo – 45 pesos Aeroporto Aeroparque – 80 pesos – este aeroporto fica dentro da cidade, a 10 minutos do centro, então o taxista tem que estar com o taxímetro ligado, mas a maioria não quer ligar, principalmente quando você esta chegando e não sabe como funcionam as regras na cidade, então eles querem cobrar uma corrida a preço fechado pelo dobro do valor normal. Aeroporto Ezeiza – 270 pesos – este aeroporto fica fora da cidade, a 50 minutos do centro, então aqui o taxista deve incluir um valor adicional como taxa de retorno cujo valor é aproximadamente 50% do que foi marcado no taxímetro, dando mais ou menos uns 270 pesos (incluindo este retorno). • Documentos para entrada na Argentina: Você não precisa visto nem mesmo passaporte. Somente sua identidade brasileira, com menos de 10 anos de expedição, é suficiente. Carteiras profissionais ou de motoristas não valem como identidade por lá. • Gorjetas: O normal são 10% do valor da conta, igual no Brasil. A diferença é que lá, a gorjeta não vem inclusa na conta. Nos restaurantes quando você chega, eles também sempre te servem um couvert, que seria basicamente, um pão da casa com algumas pastinhas, geralmente picante ou com alho. Costumam também cobrar por isso, uns 25 pesos por pessoa. • Guia de viagem: Recomendo, o guia de viagem da Lonely Planet, ele já possui versão em português. Pegue o específico sobre a cidade de Buenos Aires (pois também há outro sobre a Argentina). Ele tem muitos mapas por bairros da cidade, tour a pé pelos principais bairros, e dá muitas dicas e informações úteis sobre a cidade. Me baseei nele para armar meu roteiro, e durante a viagem ele me era útil a toda hora. Assim, fiz tudo sozinho, no meu tempo, parando mais tempo aonde gostava mais, sem guia dizendo quanto tempo deveria ficar em cada lugar, e sem pagar os altos preços que eles cobram para fazer um city tour rapidinho de 2 à 3 horas por algum canto da cidade, coisa para tapiar turista. Você não precisa disso, a comunicação é fácil, e a cidade é muito tranquila de andar, bem servida de taxi e metrô, e a um preço bem barato. Não tive problemas de segurança, mas também tomei os cuidados básicos de bom Carioca, e não fiquei dando mole com coisas de valor. Então fica a dica, pesquise, arme seu roteiro, e conheça Buenos Aires do seu jeito, sem medo de ser feliz. Espero ter dado minha contribuição, e ajudado aos futuros turistas em Buenos Aires. A cidade superou minhas expectativas.
  5. Depois de muitas pesquisas que fiz atraves de um guia da Italia que comprei da publifolha (que achei muito bom pro norte ate Roma, deixando a desejar no sul da Italia), diversos blogs aqui na internet e atraves de duvidas e informacoes neste site, cheguei ao seguinte roteiro: dia 1 - saida do Brasil dia 2 - chegada a Roma no meio da tarde e embarque para Palermo (aviao) dia 3 - Palermo e visita e cadetral de Monreale dia 4 - Agrigento (base Taormina) dia 5 - Taormina dia 6 - vulcao Etna (base Taormina) dia 7 - Siracusa - volta e Palermo e embraque para Milao (aviao) dia 8 - Milao dia 9 - Como (base Milao) dia 10 - Verona (base Veneza) dia 11 - Veneza dia 12 - Veneza dia 13 - Veneza dia 14 - Padua (base Veneza) dia 15 - Bolonha (base Florenca) dia 16 - Florenca dia 17 - Florenca dia 18 - Florenca dia 19 - Siena e San Gimignano (base Florenca) dia 20 - Pisa e Lucca (base Florenca) dia 21 - Assis (base Napoles) dia 22 - Napoles dia 23 - Pompeia e Vesusio (base Sorrento) dia 24 - Ilha de Capri (base Sorrento) dia 25 - Positano dia 26 - Amalfi e Ravello (base Sorrento) dia 27 - Roma dia 28 - Roma dia 29 - Roma dia 30 - Roma dia 31 - Roma - volta ao Brasil fim do dia dia 32 - chegada ao Brasil Consideracoes: Transportes: pretendo alugar carro na Sicilia, usar aviao somente no trecho Roma - Palermo e Palermo - Milao e fazer e restante de trem. Na costa Amalfitana pra Positano pretendo ir de barco e para Amalfi naquele bus-tour. Duvidas: passagem de trem pode-se compra na hora por um preco legal, ou e melhor comprar antecipado? (lembrando que antecipado vc nao tem flexibilidade) Preferi colocar a Sicilia fora de ordem, pq como e longe de tudo, mesmo do sul, indo de aviao e diferenca seria somente alguns minutos e da uma intercalada nas ferias entre destinos de praia e historicos. Pesquesei separadamente roteiros para cada uma dessas cidades, alguns dias ficaram bem corridos, outros mais tranquilos, e essa intercalacao vejo como ponto positivo. Quero conhecer as cidades sem pressa, com calma, podemos me perder por ruas e vielas (claro que nem todo dia isto sera possivel). Caso alguem queira meu roteiro para uma cidade desta especifica posso postar aqui. Deixo meu roteiro para servir de base para quem como eu quer tirar umas ferias de 30 dias e conhecer somente a Italia, sem pressa, deixando o restante da Europa para outras oportunidades. Igualmente tambem gostaria que os mochileiros experientes pudessem dar sugestoes, e opinioes sobre o roteiro montado, que seriam muito bem analisadas por mim. Nunca fui a Italia, e tudo que sei e montei foi fruto de muita pesquisa, porem a vivencia dos amigos mochileiros e extremamente relevante para lapidar o roteiro. Obrigado!
  6. Romário

    Costa Amalfitana

    Boa tarde, amigos Mochileiros!!! Estou planejando uma viagem a Italia para novembro. Estava querendo fazer a parte sul da seguinte forma: 1º dia: saindo de Napolis para Sorrento - fazendo pit-stop em Pompeia. Pelo que pesquisei da para fazer isso de boa, porem estava querendo ir tbm ao vulcão vesusio e a duvida é: qual os meios de transportes disponiveis para fazer a subida ao vulcão, saindo de Pompeia? Sabem informar o preço e frenquencia? (mesmo de +ou-) 2º dia: Ilha de Capri - saindo de Sorrento - bate e volta de um dia Duvida: qual o melhor roteiro para um dia na ilha? o que é mais interessante fazer? Se for para fazer passeio ou trilha, por favor, de-me detalhes, tipo onde pegar o barco, ou como fazer a trilha, ou como chegar no ponto turistico tal? E preços tbm, pois fiquei sabendo que as coisas são caras por lá. 3º dia: Costa Amalfitana - saindo de Sorrento - bate-volta - visitando Positano, Amalfi e Ravello Duvida: em novembro consiguo fazer Positano-Amalfi de barco? Tem ainda aquele city-tour de onibus turistico? Qual o melhor roteiro para conhecer estas cidades indo de onubus? Que horas deveria estar saindo de cada cidade para a outra? (de-me sugestões).Tive vendo que os horarios de Ravello de volta para Amalfi são restritos. Desde já agradeço pela colaboração! Obrigado! Felipe
  7. Romário

    Tambaba

    Quem nunca foi a Tambaba, pode ir tranquilamente, encare o nudismo como uma coisa natural. Eu digo por experiencia propria, se vc fiquei constrangido, vai ser so nos 5 primeiros minutos, depois vc ja consegue encarar a coisa com naturalidade como eu estou lhes falando. A regra é clara, homem sem mulher não entra ( mulher sem homem é tranquilo), e não tem como dar um jeitinho brasileiro não, não pode e pronto. A menina q eu estava não quis entrar estava com vergonha, fui lá pra desenrrolar , dizendo q era de fora, queria conhecer, não iria ter outra oportunidade, mas na entrada tem um monitor e nada cola com ele, quase fiquei de fora, então em ultima hora tive a feliz ideia de tentar convercer a amiga dela q estava com a gente, logrei exito e carimbei meu passaporte de acesso. A praia la na parte nudista q realmente é bonita, realmente não tem graça ir a Tambaba e não conhecer essa parte, então perca a vergonha e encare isso com a maior naturalidade do mundo, ande pelo praia peladão (ou peladona), como se nada tivesse acontecendo ( e não vai estar mesmo), uma boa dica tambem, é ir de oculos escuros, isso ajuda a tampar a sua cara de vergonha. Pra quem tem medo de chegar la dentro naõ conseguir se controlar e ter ereção, nada q vc não consiga detectar o problema na hora e sair correndo pra tomar um bom banho frio...rsrs...depois de uns segundos vc ja fica tranquilo denovo e pode continuar a caminhada...rs Pra homem q ta sozinho, e mesmo assim queria ir conhecer, vai ate a praia, la vc acaba encontrando uma menina ou duas sozinhas q ficam ali pegando uma praia como quem não quer nada, chegando ali vc joga uma conversa, paga umas cervejas pela cia pra ela e vai la conhecer a praia. Sempre da pra arrumar um jeito de entrar, mas repito, sem cia feminina não entra.
  8. BOa tarde amigos, estou chegando de férias do Nordeste, fiquei dois dias em Pipa, e estou disposto a colaborar com as informações q os futuros viajantes precisarem. Vamos lá, fiquei dois, deu pra conhecer legal, é claro, se quiserem ou puderem ficar mais, aquilo lá é um paraiso, e qto mais melhor, mas em dois dias ja da pra conhecer legal o principal. Estou falando isso, pra galera q vem de Natal ou João Pessoa, e q quer ir lá só pra passar o dia, um dia é muito pouco, fora q fica muito cansativo, durma pelo menos uma noite em Pipa. Se vc for fora dos principais feriados nacionais, não se preocupe em reservar pousada, lá vc vai achar dezenas, uma ou lado da outra, vai barganhar e ficar na q mais agrade vc e o seu bolso. So a titulo de exemplo, eu fiquei em uma na beira da praia, com mais uma amiga e paguei R$ 90,00 o casal, com direito a cafe da manhã, de frente pro mar. A estrutura era muito boa, por isso achei super barata, chama-se pousada da praia, eu recomendo. No primeiro dia, ja cheguei o fui fazer o passeio de barco, pra não perder tempo, o passeio saiu +ou- 11h, me cobraram 30,00 por pessoa, como estavamos em dois e era fora da alta temporada, nego ta pegando cliente no laço, é claro então q forçei o preço pra R$ 50,00 (o casal) e sem resistencia do outro lado foi aceito. Vale a pena pra ver os golfinhos, vc ve varios deles, não é lenda não, pelo menos no dia q eu fiz, so não via golfinho quem era cego. Outra coisa legal era degustar uma boa caipirinha no barco a um precinho super modico de R$ 4,00 (em Sampa nem no boteco mais sujo vc acha nada perto disso). Dica tb, pra quem tem problema de enjoo no barco é bom tomar um dramin meia hora antes, ja fui da marinha, então não tive problemas, mas o barco joga um pouquinho e vi pessoas enjoadas, mas nada q um draminzinho não segure a onda. Depois fui pra praia do amor, uma praia maravilhosa, vc tem acesso descendo uma trilhazinha curtinha, onde vc tem uma vista maravilhosa da praia. De lá tb q vc avista a famosa pipa, q deu origem ao nome da cidade. So pra lembrar os desavisados é Pipa = barril de vinho , pois antes os portugueses chamavam os barris de pipa. Tem gente q fica procurando pipa, aquela q as crianças soltam...rsrs Depois ao fim do dia vai ate o chapadão antes do anoitecer, ali é um excelente mirante natural, vc tem uma excelente vista da praia do amor, das falésias, e no fim de um dia de sol o céu fica todo colorido, o q da um efeito ótico muito legal pra umas boas fotos. A noite a vida noturna da vila fica toda centrada na avenida dos golfinhos, então como dica falo pra pegar uma pousada q fica perto de lá, pra a noite não ter q ficar pegando carro, ate pq ali as ruas são estreitas e é difícil pra estacionar. A noite é bem eclética e vc encontra de tudo pra comer, e preços tb pra todos os bolsos, não se preocupe. No outro dia fomos ate o santuário ecológico, recomendo muito, ali vc paga uma taxinha pra visitação, e vc faz umas trilhazinhas bem pequenas e bem demarcadas ate uns mirantes animais, q vc tem uma visão da praia la em baixo muito bonita, e depois vc desce por ali mesmo ate a praia do madeiro, e ainda economiza no estacionamento. Depois , ao fim do dia, pegamos a estradinha ate Timbau do Sul, é linda, vc vê a praia de um lado com suas falésias e as dunas do outro, é uma visão muito linda. Chegando a Timbau do Sul, vc vai ate a famosa creperia, q fica dentro da lagoa, onde vc tem uma do por-do-sol animal. Essa creperia todo mundo em Timbau sabe dizer onde é, vc estaciona o carro no estacionamento do hotel, é grátis, e desce por uma escadinha ate a creperia q fica a beira da lagoa, o por-do-sol lá é lindo e altamente recomendável. Amigos, por fim é isso, fico a disposição pra quaisquer duvidas. Pipa é um lugar na face da terra q todos deveriam ir pelo menos uma vez na vida. Abraços a todos!!!
  9. Opá James tudo bem? Me tira uma dúvida, indo pelo Brasil passando em Cobija por aonde vc foi, tem como se chegar até Puerto Maldonado de carro. Estava vendo no mapa, não vi estrda. Tem estrada? Ou alguma balsa q leve o carro tb, para poder prosseguir a viagem rumo a Cuzco? Tira essa duvida pra mim, e muito obrigado pela atenção. Um abraço!!!
×
×
  • Criar Novo...