Ir para conteúdo

Marcelo Lopes

Membros
  • Total de itens

    268
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Marcelo Lopes postou

  1. Dia 2 – Montevidéu Aficcionado que sou por futebol, não poderia deixar de ir a MVD e não conhecer o Centenário, casa da Celeste. Minha grande surpresa foi o Museu do Futebol, anexo ao estádio, e a grande simpatia de Geraldo, o funcionário que, por vontade própria, nos ciceroneou pelo local falando em bom português e mos-rando profundo conhecimento de nosso futebol. Isso ele explica pelo fato de que, segundo ele, quase 80% dos visitantes daquele museu são brasileiros. O estádio é grandioso e ultrapassado, mas a emoção de estar ali é enorme. A visão do campo é muito boa de qualquer parte, a não ser das primeiras cadeiras encostadas ao fosso que separa as arquibancadas do campo de jogo. Já o museu me pareceu muito bem cuidado, com enormes fotos e referências ao Maracanazo de 1950. Fotos inclusive que eu nunca tinha visto, como uma visão plena do estádio do alto na final da Copa de 1950. E, claro, as fotos clássicas dos dois gols uruguaios. Estádio Centenário O estádio é próximo do terminal Tres Cruces – a rodoviária da cidade. Pode-se ir a pé para lá, e aproveitamos a proximidade para comprar nossa passagem para Colônia Del Sacramento ($185, só ida, pela Cot) e para Punta Del Este ($150, só ida, pela mesmo empresa). Os preços são iguais que na concorrente Copsa. Depois dali seguimos direto para o Mercado Del Puerto. Estávamos famintos e assim que entramos ficamos apaixonados pela gigantesca churrasqueira a céu aberto da Chacra Del Puerto. Claro, o garçom destinado a caçar clientes falava extremamente bem o português, inclusive traduzindo os pedaços de carne para nossa língua – vacío, baby beef, entrecort, asado etc. Ao final, escolhemos um espetacular asado de tira – acho que parecido com a nossa costela de boi, facilmente encontrada em grandes churrascarias brasileiras como o Porcão – a $200, que dá pra dois e vem com batatas de acompanhamento. Uma delícia! Juliana extasiada com a churrasqueira Asado de Tira A noite não resistimos e voltamos à praia. Mas dessa vez seguimos em direção a Punta Carretas, num restaurante bem romântico à beira mar – o Al viento y al Mar, bem na rambla do bairro. O grande charme do lugar é que se come dentro de uma espécie de cabana particular, em cima da areia – na verdade, grama – da praia e sentindo a brisa do mar. Em geral, a conta nesses lugares agradá-veis para uma refeição a dois não fogem muito disso: entre $400-500, sem esbanjamentos. Al Viento y Al Mar
  2. Olá Mochileiros, Me casei com minha esposa Juliana em janeiro de 2010. Depois de muitas discussões e planejamentos a respeito de onde curtiríamos nossa lua de mel – Nordeste, Europa, Caribe e Patagônia foram algumas opções por nós levantadas – resolvemos fazer um giro pelo Cone Sul. Adoramos esta região: eu já era mochileiro há 11 anos, com bom conhecimento do Chile (de norte a sul) e da Patagônia; Juliana ainda estava em início de carreira, mas já conhecera Buenos Aires e se encantara. Assim, mesclando custos mais reduzidos e um encanto natural pelo nosso destino, decidimos por uma viagem de 15 dias por Uruguai, Argentina e Chile, com um objetivo especial: comer muito! Como era lua de mel, não podia fazer um roteiro baseado nos hábitos mochileiros. Tinha que escolher bem o lugar onde ficar, balanceando um orçamento limitado e o romantismo da ocasião. Ao final das contas, tudo saiu muito bem: os gastos obrigatórios – diárias e transporte – para os dois custaram USD 1.260. Além disso, gastamos USD 1.520 com o resto – aí incluídos alimentação (esbanjamos), compras (relativamente poucas, pois não compramos mais do que seis peças de roupa e quatorze garrafas de bebidas, entre vinhos e champagne, além de recordações artesanais) e tours. Somados, exatos R$5.000, sem contar as passagens, que adquiri utilizando milhas aéreas. Dia 1 - Montevidéu Iniciamos nossa lua de mel pelo Uruguai. Chegamos num vôo da TAM. Não conhecia Montevidéu, a capital do país, e foi lá que desembarcamos por volta do meio-dia de uma segunda feira de calor asfixiante. O aeroporto de Carrasco fica uns 20-30 minutos do centro da cidade, e como eu nunca tinha entrado no país por ali, apenas por Colônia del Sacramento, tive dúvidas sobre a melhor forma de ir para o centro. Os táxis de tarifa fixa custavam um absurdo – 900 pesos uruguaios, numa época em que o câmbio, arredondando para facilitar as contas, era de R$1 = $10 e USD1 = $20. Li na internet que os ônibus que vinham de Punta Del Este passavam por Carrasco, de modo que corri atrás do balcão da Cot, uma empresa de ônibus local. O balcão fica do lado de fora do aeroporto. O custo era de $88, mas, por mais surreal que seja, a empresa vende a passagem mas não garante o ônibus! Foi isso que procurou me explicar a funcionária, dizendo que não era certo do ônibus de Punta passar em Carrasco – só o faria se algum passageiro vindo do balneário solicitasse. Eu já estava quase fazendo minha cabeça sobre pagar os $900 do táxi do aeroporto, quando a Juliana puxou papo com uma senhora local que nos deu dicas sobre os táxis. Ela foi bastante atenciosa, e chamou um taxista e começou a falar com o cara, dizendo que nós éramos familiares vindos de longe. O resultado foi que pagamos $370 numa corrida feita pelas ramblas de Mvd, uma estrada pela costa marítima que vai desde Carrasco até o Centro. O taxista explicou as características de cada um dos bairros pelos quais passávamos, fazendo menção inclusive aos donos das mansões do bairro Carrasco – entre eles o jogador Rubéns Sosa, famoso atacante da Celeste. Chegamos na hora do almoço no nosso hotel, o Holiday Inn, com diária de USD90. Ele fica na rua Colônia, a uma quadra da Plaza Independência, centro da cidade e porta de entrada para Cuidad Vieja. A escolha foi muito feliz, pois o hotel, apesar de caro, é um 4 estrelas muito bem cuidado. Fiquei em dúvida entre ele e o Days Inn, mas no final das contas achei a opção correta, pois apesar de um pouco mais barato, o Days Inn não me pareceu bem localizado – fica próximo da rodoviária. Outra boa opção me pareceu o Balmoral, também no centro. Mas depois de ter ficado três dias em Mvd, posso afirmar com segurança que o melhor lugar pra ficar é em Pocitos – região de praia a cerca de 10 minutos do centro e muito estilosa, que me lembrou um pouco (só um pouco...) a zona sul carioca. Nosso primeiro almoço foi num bar perto do hotel, sem muito glamour mas com muita comida. Logo descobrimos algo fantástico, que se encaixava perfeitamente no que procurávamos: no Uruguai, os pratos individuais são BEM fartos, e podem facilmente ser divididos por um casal. Nesses bares menos badalados uma milanesa sai por volta de $120-150, o que consideramos muito barato. Já a cerveja de litro era mais cara, saindo em torno de $60-100. Passemos pelas ruas de Cuidad Vieja, partindo da Puerta de La Ciudadela no início da calle Sarandí e seguindo até a região do porto. Aos apreciadores de sorvete, há uma sorveteria Freddo bem no começinho da Sarandí. Entretanto, o melhor do dia foi o bairro de Pocitos. A praia nem é tão bonita para os olhos de um casal de cariocas – até porque o mar é turvo, provavelmente em virtude do Rio da Prata, e a água é quente. Mas o mais interessante foi o clima descontraído da região, com muitos jovens subindo e descendo, esportistas correndo pela calçada, adultos e idosos com sua inseparável garrafa térmica e erva-mate. Chega-se facilmente ao bairro de táxi (de preferência pela rambla, para curtir o visual) ou ônibus urbano – que são extremamente lentos, irritantes mesmo – mas, se couber no bolso, não tenho dúvidas em indicar Playa Pocitos e Punta Carretas (bairro ao lado) como os melhores locais para se hospedar em Mvd. Visual de Playa Pocitos
  3. muito obrigado pela resposta, estive olhando o hotel em Granada e fiquei na dúvida entre o Dauro e o Meliá, ambos estão na casa de 60-70 euros. na verdade encontrei dois dauros, um da best western (Best Western Hotel Dauro II) e outro que me pareceu melhor, Dauro Hotel, a qual vc se refere? Acho que realmente vale mais a pena gastar mais tempo em Granada, tenho pretensões de tentar explorar de carro algumas cidadezinhas da sierra nevada se der tempo. valeu pela dica!!
  4. Pessoal, Terei 6 noites em Abril para conhecer a região da Andaluzia. A minha idéia é chegar lá por Sevilla (de AVE desde Madrid) e terminar em Granada. Quero fazer o percurso Sevilha - Granada de carro, ficando uma noite em algum povoado da região de pueblos blancos, possivelmente Ronda. Gostaria de ajuda de vcs para decidir como dividir minhas outras 5 noites: 3 em Sevilha x 2 em Granada ou ao contrário? além disso, vcs acham interessante tirar um dia para ir de Sevilha a Cordoba visitar a Mesquita? Nesses 5 dias, optei por tirar a noite em Córdoba (faria Madrid - Córdoba em AVE e no dia seguinte seguiria para Sevilha). Granada tem muito a conhecer além da Alhambra? Me refiro a própria cidade e povoados vizinhos na Sierra Nevada. Valeu!!
  5. Marcelo Lopes

    Madri

    Pessoal, Estarei chegando em Madrid, vindo de Granada, num ônibus da Alsa às 23:30h. O ponto de desembarque é a Estacion Sur. Sei que nesta estação tem um estação do Metrô anexa. A minha dúvida é: quanto ao aspecto segurança, seria complicado pegar o metrô com mala e ir direto para o aeroporto de Barajas? Além disso, alguém sabe dizer se o Terminal 4 fica aberto 24h? É que no dia seguinte tenho um voo que sai de Madrid as 06:55 para Paris. Obrigado pela ajuda!!
  6. Marcelo Lopes

    Mendoza

    Acaberi de voltar de lá. Os preços variam (puco) entre as agências. Fuiz pela Wanka Turismo. O alta Montaña me custou 110 pesos por pessoa. Fiz esse tour há uns 7 anos atrás pelo Campo Base e me pareceu melhor. O preço é o mesmo. O rafting me custou 70 pesos por pessoa - esse é delicioso, a dificuldade é baixa, mas a água cristalina e congelada são convidativas. Dos outros eu não sei. Abs
  7. Alguém tem alguma experiência na visitação de minas de cobre próximas de Santiago? Vale a pena? Dá pra fazer sem agência? Ouvi falar algo sobre El Teniente, mas queria mais informações de alguém que já esteve por lá... Abs
  8. Felipe, nunca passei pela situação, mas o que sei é que é imprevisível... dependente da intensidade da nevasca, tem vezes que fecha um dia só, outros mais dias... mas como normalmente a viagem a gente vai com tudo marcado, vôos etc., sem dúvida é um risco né... seria bom ter um plano b para caso ocorra...
  9. Galera, passei o olho rápido no tópico e não vi nenhum comentário de viajantes chegando a Aruba/Curaçao via Bogotá... algum problema com a rota? Consegui vôos Bogotá - Aruba - Curaçao - Bogotá por 360 dólares, não me pareceu caro... e pela Avianca, que imagino seja mais segura que outras cias... alguém comenta?
  10. Pessoal A ANAC acabou de liberar a concorrência em tarifas para voo para Europa. Até dezembro, as empresas poderão praticar preços com até 80% de desconto sobre os voos praticados hoje. Portanto, voces terão uma boa economia se optarem por comprar mais perto, pois os descontos serão progressivos - nos primeiros 3 meses, no máximo 20%; depois, 50% etc.. até abril de 2010 a liberdade será total!! abs
  11. A boa notícia tão aguardada por todos: finalmente foram liberados os descontos para as tarifas internacionais. Segue abaixo o link da página da ANAC com as boas novas: http://www.anac.gov.br/imprensa/ANACaprovaliberacaodeprecos.asp Abs
  12. Parabéns pelo seu relato!! Mas fiquei muito interessado em detalhes de preços...tem como vc colocar mais ou menos os gastos totais e nos deslocamentos, inclusive vôos? Mais uma vez parabéns!! Marcelo
  13. Olá pessoal Estou planejando minha primeira viagem a Europa. Depois de muito mochilar pela Am Latina, vou encarar o Velho Contiente, dessa vez com minha esposa. Meu roteiro deve ser: MADRID - SEVILLA - BARCELONA - PARIS - VENEZA - FLORENÇA - MILÃO Pretendo fazer em +- 21 dias, gastando uns 100 euros/dia, sem contar passagem RJ-Europa. Pelas pesquisas preliminares que fiz, alguns comentários: - A ANAC está lutando pra liberar descontos de tarifas nas cias aéreas internacionais que vão para Europa. Isso ía rolar agora em JAN/2009, mas TAM e Gol conseguiram barrar com uma liminar. Parece que a briga vai se desenrolar nos primeiros meses de 2009. Caso libere as tarifas, espero que os vôos pra lá barateiem (hj não consigo achar nada mais barato que 817 dólares - que é o valor praticado por todas (ibéria, airfrance, alitalia) - Ao contrário da ryanair, que usa só aeroportos secundários, a easyjet voa para os principais aeroportos. Realmente é bom considerar o deslocamento para esses aeroportos secundários. Em Paris parece que o tal de Beauvais é longe pra cacete. - Como são caros os trens!! Para quem já foi: estarei indo no inverno (fevereiro). Além do frio, alguma outra desvantagem em ir nessa época do ano? Abs
  14. limeira, com certeza convem vc levar saco de dormir. nao lembro dos refugios terem aquecedor. caso vc opte por voltar de uyuni p/ san pedro, certifique-se em que hostel vc vai ficar. nao fui pela colque, acho que fui pela atacama explorer, e o refugio da volta foi um casebre com paredes de barro.
  15. Celia, esta mto bom o teu roteiro. julho é inverno e vc poderá ver neve nas montanhas ao redor de santiago, o que da um charme a mais a cidade, o que no verão é impossível - o mesmo para bariloche. boa viagem!!
  16. ana, tanto pelo lado chileno qto argentino, um saindo de pt varas e outro de bariloche, vc faz quase todo o caminho do cruce, por conta própria e mto mais barato. só não tem o mesmo glamour.
  17. Ana, possivelmente nos outros dias vc vai passar... esperando o tempo abrir pra subir o vulcão!! Tem a cidade de villarica ali por perto, o lago, dá pra fazer uns passeios de barco por ele... ir nas termas ao redor da cidade... q eu me lembre é isso..
  18. celso, em ushuaia eu comprei minha passagem direta para pt natales, mas o onibus para em pt arenas e tem troca de veiculo. o tempo de espera netre um veiculo e outro e de umas 2hr. sai de madrugada de ushuaia e chega tarde da noite a pt natales, isso se a travessia do estreito de magallanes nao atrasar.
  19. gustavo, existem as duas opções. vc pode ficar ou pagar uns 30 dolares a mais para voltar a san pedro.
  20. dani, conheço ambas as regiões e se fosse vc escolheria ficar na região dos lagos. Além da travessia pelo Cruce de Lagos ser muito cara, a própria região de Pt Varas, Frutillar e Lagos Todos los Santos é muito bonita, e eu dedicaria uns 3 dias para conhecê-la. Pucón é uma jóia, e quatro dias vc tem que ficar por lá: parque nacional, termas, vulcão etc. Acho que ir até a Argentina e depois voltar vc perde muito tempo e não acaba dedicando os dia snecessários para conhecer bem a região.
  21. Marcelo Lopes

    Mendoza

    Ilbas, tente entrar no site do Campo Base e se informar por lá. Eles tem um link para reservas.
  22. Marcelo Lopes

    Cuba

    Seria interessante se alguém que tivesse contato com venezuelanos fizesse uma investigação sobre isso. Li recentemente na Folha de S. Paulo um artigo que dizia que realmente há esse convênio entre Cuba-Venezuela para vôos à Havana, e citaram a empresa aérea Conviasa. Entrei em contato via mail com eles esta semana e me responderam dizendo que eles ainda não tinham essa rota comercial.
  23. Marcelo Lopes

    Cuba

    Maria Ivani, parabéns pela viagem e pelas fotos, que estão ótimas. Nós temos um fórum sobre Relatos de Viagem, e ainda não há nenhum sobre Cuba. Que tal você inaugurá-lo? Aposto que vc tem muito pra passar sobre essa aventura! Perguntinha: quanto você pagou no aéreo? Pelo que vi nas fotos você foi de Cubana, e como foi a experiência? Te pergunto isso pq tenho trauma até hj daquela cia. Um beijo e uma vez mais parabéns!
  24. Marcelo Lopes

    Cuba

    maria, por favor passe essas suas info via fórum, será muito útil para muitas pessoas. obrigado.
  25. Marcelo Lopes

    Puerto Varas

    spbr, vc consegue fazer mais ou menos o percurso do cruce pagando muito menos e por conta própria: no lado chileno, vá até petrohué e lá tem vários barcos do sindicato que percorrem boa parte do lago todos os santos; no lado argentino, desde bariloche, faça o tour a puerto blest com lago frías, que percorre quase todo o lado argentino do cruce.
×
×
  • Criar Novo...