Ir para conteúdo

digitaljeff

Membros
  • Total de itens

    25
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Bio

  • Ocupação
    Técnico Mecânico

Outras informações

  1. Olá rafalobis, Bom... eu pratico mergulho e também sou fotógrafo amador, mas ainda não tive a oportunidade de misturar essas duas paixões... (rs) O meu pai tira algumas fotos com a Sea & Sea Motormarine II dele, e o que eu posso dizer é que: 1. O flash potente é fundamental, mas sempre disparado num ângulo inclinado de pelo menos 45 graus em relação ao plano do filme. Isso, para que as partículas suspensas não apareçam na foto e para que o assunto não fique "lavado". 2. Na água, tudo se parece 30% maior do que realmente é. Aquele peixão que você está vendo, na verdade não é tão grande assim. [] 3. Na água, tudo parece estar 25% mais próximo do que realmente está. Então aquele peixão que você está vendo, nem é tão grande assim, e nem está tão perto assim. [] É só o que sei... [] Abraços, Jeffrey www.pbase.com/digitaljeff
  2. Olá, Creio que tudo se resume às três características a seguir: 1. Treino 2. Equipamento 3. Paciência O que eu quero dizer com treino, é o treino do olhar, o estudo da composição fotográfica, das características das aves a serem fotografadas: seu habitat, suas manias, seus horários. Da parte de equipamento, eu diria que o ieal seria uma câmera reflex - filme ou digital, tanto faz - com uma lente tele ou telezoom entre 200mm e 600mm e CLARA, tipo f/2.8 a f/4. São lentes caríssimas, mas é o que os profissionais usam. A paciência é fundamental. Já tive a oportunidade de acompanhar um fotógrafo em Torres del Paine. Ele estava há pelo menos três horas na mesma posição, usando roupa camuflada (inclusive com uma capa camuflada para a lente!) esperando um condor sair do ninho para buscar comida para os filhotes. O bicho estava lá, poderia tirar a foto e ir embora (como eu fui - não tenho essa paciência toda...), mas o fotógrafo queria que ele ABRISSE as asas. E ele ficou lá... É isso aí, Jeffrey www.pbase.com/digitaljeff
  3. Olá a todos, Tenho uma digital Canon EOS 10D. Levei um tempão pra pagar o brinquedinho, mas vejo que valeu a pena. id="Tahoma">
  4. Foi mal, galera, mas a minha ida ao Pico do Paraná foi cancelada devido à chuva. Seria interessante mesmo testar a barraca na chuva e no vento forte que faz lá perto do cume, mas como a minha meta principal é fotografar, a viagem foi cancelada. Compro uma barraca e não consigo usar... [!] id="Tahoma">
  5. Olá, Eu comprei esta barraca, e vou estreá-la no sábado no Pico do Paraná, se tudo der certo. Depois eu envio um relatório. Abraços, Jeffrey www.pbase.com/digitaljeff id="Tahoma">
  6. Ilton, Você prefere câmeras fotográficas de filme compactas ou reflex? Ou câmeras fotográficas digitais compactas ou reflex? Não concordo com o que o vendedor te falou. Praticamente todas as marcas possuem lentes excelentes, boas, médias e ruins. Boas fotos, Jeffrey id="Tahoma">
  7. 1. Band-Aid, gaze, esparadrapo, cotonetes; 2. Água-oxigenada; 3. Tylenol (dores), Floratil (diarréia), Neocarbon (intox. alimentar); 4. Gelol, Hipogloss (pra passar entre os dedos do pé); 5. Multivitamínico, Aminoácidos em cápsulas, Glutamina em pó. id="Tahoma">
  8. Veja Trota, A dica é não usar o flash desnecessariamente e nem ficar conferido a toda hora as fotos no monitor LCD. Só aí você economiza um monte de carga das pilhas. E sempre as leve num bolso interno, próximo ao calor do corpo. Creio que você está levando o suficiente.
  9. ilton, Nunca fui à Ásia, mas um dia irei. Quero conhecer a Índia, o Nepal, e o Tibete, em especial. Sua viagem à China atiça a curiosidade. É outra cultura, outro modo de se fazer as mesmas coisas, outro ritmo de vida, outros valores, outro TUDO. Torço para que você tire boas fotos. E que faça uma boa viagem. Se bem que, voltando vivo, toda viagem é boa... (rs) Equipamento fotográfico é caro. Andar com tudo isso realmente exige uma atenção a mais. Mas não posso ficar paranóico com isso, senão nem saio de casa, né? Nunca fiz curso de fotografia. Não é por não querer, mas sim por pura falta de tempo. Aprendo na marra. Ouço críticas e sugestões. Leio revistas e fuço os fóruns especializados da internet. Estou tremendamente grato pelos elogios. Abraços, Jeffrey www.pbase.com/digitaljeff Curitiba-Pr id="Verdana">
  10. Nooossa... este tópico voltou das cinzas! Bom... em Curitiba, o melhor lugar pra se comprar e revelar filme é na Diafilme (Rua Nestor de Castro nº?). Atendimento profissional. Também recomendo a Sakura, perto da Praça Rui Barbosa. Já vi resultados muito bons com o Kodak ProImage 100, também recomendo. Não esqueça o cabo disparador e um bom tripé, leve porém rígido. Não precisa ter uma câmera profissional. O importante é saber regular/ajustar a câmera que você tem. Não conheço a Olympus Stylus, então não posso emitir opinião a respeito disso. [continua...] id="Verdana">
  11. Amigos, Na minha opinião, ao invés de gastar R$ 2700 em uma digicam Canon Powershot G5, mais R$1000 com 1gb de memória, mais R$750 com três baterias BP-511 extras (o mínimo para 4 ou 5 dias de caminhada "longe da civilização"), eu preferiria comprar uma câmera reflex analógica Canon EOS 30 por R$ 1900 e uma lente Canon EF 28-135 f/3.5-5.6 IS USM por R$2000. Com o resto da grana, você compra rolos e mais rolos de filme de boa qualidade, como o Kodak Pro-Image, ou a Fuji Superia. E também um punhado de baterias "normais", que durarão meses! Veja... uma digicam como a Powershot G5 tem a seu favor toda a praticidade da tecnologia digital, mas o tato, a rapidez na resposta, a precisão dos ajustes você só terá usando uma câmera reflex, tanto digital quanto analógica. Se o preço de uma reflex digital ainda está muito alto, convém ir usando uma reflex analógica até que os preços das D-SLR abaixem e ao mesmo tempo ir montando o seu jogo de lentes. Resumindo: já que a grana é curta, convém adquirir uma câmera analógica excelente no lugar de uma boa câmera digital. Abraços, Jeffrey Curtiba-Pr http://www.pbase.com/digitaljeff
  12. Eu só conheço os laboratórios de Curitiba, então não sei te informar sobre a qualidade dos serviços do laboratórios de SP, do RJ... Quanto à calibragem dos periféricos (monitor, impressora, etc.), vale a pena dar uma lida neste artigo: http://www.ricciardi.eng.br/Artigos/Calibragem_de_Dispositivos.htm'>http://www.ricciardi.eng.br/Artigos/Calibragem_de_Dispositivos.htm Aliás, o site todo do Ricciardi é muito útil para quem gosta de fotografia: http://www.ricciardi.eng.br/ Gosto de fuçar estes dois fóruns brasileiros de fotografia também: http://forum.brfoto.com.br/ http://www.europanet.com.br/euro2003/forum/index.php?f=7&cat_id=45
  13. Bom... as lojas que oferecem serviços de impressão de fotos digitais geralmente possuem uma minilab da Noritsu ou da Fuji Frontier, que é o mais comum. Os preços estão por volta de R$1,00 para impressão de foto 10x15cm e R$3,00 para foto 15x21cm. Você pode escolher o tamanho do papel, bem como o tipo (brilhante, fosco, metálico, com ou sem borda, etc...) e até pedir pro operador do minilab fazer algumas correções. É um mercado em expansão. Procure ver se a sua cidade tem. Se não tiver, há muitos laboratórios em SP e RJ que podem imprimir as tuas fotos (você as envia por email) e entregá-las via Sedex. Compre a revista Fotografe Melhor, onde tem várias propagandas de laboratórios que oferecem esse serviço à distância. Imprimir em casa? Só se você tiver uma impressora realmente boa. Do calibre das Epson 2200 ou Canon i900, no mínimo. Não adianta imprimir nessas HP Deskjet caseiras que usamos para imprimir relatórios de faculdade porquê a foto, pra começar, nem tem a qualidade fotográfica (mesmo que esteja escrito no manual que é pra fotografia), e segundo, a tinta desbota em 1 mês ao ser exposta ao sol. Terceiro, geralmente as tintas dessas impressoras comuns não são à prova d´água. As boas impressoras fotográficas (Epson 2200 e cia ltda...) já são melhores até que a Frontier, da Fuji. Só que o custo é bem alto. Tem o preço exorbitante do papel, das tintas (pigmentos), e até o custo do equipamento para calibração do monitor e impressora. Veja este link: http://www.ricciardi.eng.br/Artigos/Inkjet.htm Resumindo... procure tirar o máximo proveito dos recursos da sua câmera, estude a teoria da composição fotográfica, da profundidade de campo, da medição de luz, use o Photoshop para corrigir suavemente algum erro ou para fazer retoques (não exagerando a ponto de virar chuncho!), e imprima-as num laboratório de confiança enquanto o preço das impressoras jato-de-tinta não abaixa. É um longo aprendizado. Abraços, Jeffrey Curitiba - Pr
  14. Ôpa @ndre! Espero estar lhe ajudando, e não te confundindo mais as coisas, certo? Quanto às baterias... realmente é cara, mas gastar aquela grana toda com elas é menos cruel na alma do que a frustração de estar num dos lugares mais lindos do planeta com uma câmera excelente, com lentes excelentes, só que com baterias esgotadas. É um peso morto! Agora... quanto aos cartões de memória: sempre tire fotos na melhor qualidade possível, geralmente no modo JPG large+fine ou em RAW. Isso vai lhe consumir mais megabytes mas lhe vai garantir uma foto de melhor qualidade. Você vai poder imprimí-la em tamanhos maiores. Lembre-se que você sempre vai poder reduzir facilmente uma foto depois, e isso qualquer software merreca faz. Agora... aumentar a "resolução" de uma foto pequena é extremamente complicada, pois tal procedimento é feito com softwares específicos que interpolam os pixels (ou seja, "criam" pixels com base no padrão de pixels existente à sua volta) e aí entram critérios técnicos que não cabem aqui, entende? O dimensionamento dos cartões de memória é semelhante ao das baterias: compre a quantidade que você acha que vai poder usufruir até a próxima oportunidade de recarregamento (no caso das baterias) ou de descarregamento (para gravação em CD, no caso das fotos dos cartões de memória). A fotografia digital tem suas recompensas, mas é MUITO mais cara que a fotografia convencional. Abraços, Jeffrey Curitiba - Pr
×
×
  • Criar Novo...