Ir para conteúdo

gusta

Membros
  • Total de itens

    135
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que gusta postou

  1. To numa duvida terrivel, resolvi comprar uma maquina nova pra mim. Só q dessa vez não quero uma point&shoot, depois de muita pesquisa encontrei 2 modelos da canon, dentro do meu orçamento a g10 e a sx10is. Achei algumas nikon como a d60, mas ta muito cara pra mim A G10 eh compacta, mas utiliza bateria. A sx10 a + robusta, mas em compensação o visor gira e utiliza pilhas e tb eh + barata. Aceito sugestões!!!!!
  2. Se naum tiver previsão de chuva soh o saco de dormir ou uma rede ja basta. E tb td dependo do qunato vc bebeu, eu ja vi num camping uma vez um kra q levou barraca e bivacou tds as noites pq acho q ele naum conseguia entrar na barraca de taum bebado q ela ficava de noite.
  3. Eu comprei um pedaço de tela e pedi pra uma costureira fazer pra mim, ela pegou um pedaço de tecido e costurou nas laterais da tela e ficou otimo.
  4. gusta

    Barracas AZTEQ

    Só q a nepal não tem mtos estabilizadores. Sera q eu poderia criar/costurar novos estabilizadoores nela sem problemas? Ainda naum usei aminha novamente, das ultimas vezes q acampei levei minha falcon msm, ja q o tempo estava bom.
  5. gusta

    Barracas LAFUMA

    JulioSelles Sobre o frio, oq vai te proteger msm eh o saco de dormir. Compra um -5Cº que dai vc pode acamapar em praticamente qquer lugar do Brasil.
  6. Da umas dicas de acamp la. Soh fui la uma vez e tb foi no bate-volta, nossa descer aquilo com uma cargueira nas costas deve ser foda!!!
  7. gusta

    Barracas LAFUMA

    No site eu ja vi, eu quero fotos dela montada!!!
  8. gusta

    Barracas LAFUMA

    Alguem tem uma foto da travel 3 montada? eu gostaria de ver, pra comparar com minha nepal da azteq!!!
  9. gusta

    Barracas LAFUMA

    Se vc for usar co colchão inflavel, vai de T&R, pois ela eh um pouco maior e isso faz uma puta diferença, pois se o colchão enconsta na lateral da barraca em dia de chuva vc ta ferrado. E sobre o peso, soh faz diferença se vc for fazer uma trilha muito longa com ela. Eu iria de T&R, nesse caso
  10. O grande problema das barracas Nautika em relação a chuva é o pequeno espaço entre a teto da barraca e o sobreteto...se não tiver paciência pra montar e arrumar direitinho...não adianta, vai entrar água. Pra camping elas estão abaixo da média, tendo como exemplo uma trilhas e rumos... Dessa vez q entrou agua na minha falcon, eu tinha montado ela, direito. Durante o dia, q estava muito quente ela estava sem o sobre teto, mas qndo o tempo começou fechar no final da tarde, eu montei o sobre teto bem esticado, inclusive esticando os estabilizadores e a chuva naum foi das + fortes q eu ja peguei com outras barracas. Vou compra um desses impermeabilizantes em spray,pra ver se resolve esse problema. katish No custo beneficio, ela realmente eha melhor pra treking, mas sempre leve uma lona pra caso de uma chuva um pouco + forte.
  11. gusta

    Barracas AZTEQ

    Pareçe ateh loucura, mas eu to louco pra pegar um tempo ruim no proximo acamp pra ver o qnto a nepal resiste. Oq eu senti falta nela foi de estabilizadores, poderia ter +, a travel 3 da lafuma, eh bem parecida coma nepal e tem varios estabilizadores, , mas eh quase o dobro do peso por um espaço interno soh um pouco maior, nessa caso sim eu pegaria uma manaslu. O fato dela não ser auto-sustentavel, não me atrapalha mto. Sendo leve e tendo uma boa imperamibilização, pra mim ja basta.
  12. 1º dia Dia 21 de fevereiro de 2009 Chegada a Pouso do Cajaiba numa excursão, onde eu estava acompanhado de uma galera q retornaria a São Paulo no final do carnaval. Nesse dia apenas montei a barraca eu fui, procurar cerveja. 2º dia Fomos até a Praia da Sumaca de barco, achando q o barco nos deixaria bem próximo a praia, mas após desembarcarmos num local onde se cobrava r$2,00 para poder passar, ainda estávamos a 30 minutos da praia e pra completar fiz essa trilha revezando o carregamento de uma gigantesca caixa de isopor cheia de cerveja. Depois de curtir o mar, beber cerveja e almoçar retornamos pro barco, não sem antes quase se perder no caminho (nessa hora eu comecei pensar que nos próximos dias teria uma puta caminhada pela frente que estaria sozinho, portanto não poderia nem pensar em me perder novamente). Quando chegamos de noite comecei a me preparar pra minha festa de aniversário. 3º dia Meu aniversário, dia 23/02. Fomos até a Praia grande da Cajaiba, novamente de barco, eu até tentei achar uma companhia pra ir a pé, mas não consegui. Novamente e enorme caixa de cerveja foi junto. Fomos até a cachoeira, lá eu e o Wagner começamos a subir uma parte do rio onde já não tinha mais ninguém, era o sinal pra voltarmos, mas continuamos logo depois fomos atacados por um enxame de abelhas, mas ainda bem q não houve nada de grave, conseguimos no livrar rápido delas. Retornamos ao Pouso de Barco e de noite fui terminar de comemorar meu aniversário, mesmo com algumas marcas de picada de abelha pelo braço pescoço e uma na orelha. 4º dia O pessoal foi embora e fiquei sozinho pra começar minha jornada, fui conversar com uns caiçaras pra me informar das trilhas, estava interessado em ir até o farol da Juatinga, mas eles me falaram q ficava muito longe, pra mim ir no outro dia, então fui apenas até a Praia da Toca. 5º dia O melhor café da manha q eu tomei de todos os dias que fiquei em Paraty, pois depois que o pessoal foi embora, deixaram muita coisa, até granola. Resolvi tentar Subir a Pedra das Araras no lugar do Farol, não deu certo, pois o caminho em certa parte ficou muito fechado e como eu estava sozinho, voltei para praia. Como já estava tarde pra desmontar barraca e fazer a trilha até Martins de Sá e montar acampamento lá novamente, resolvi voltar a Praia Grande por trilha pra passar pelas praias q eu tinha visto apenas do barco. No final foi ida e volta a pé, pra compensar os dias de ociosidade e começar a me acostumar com a idéia de andar muito. Cheguei exausto, tomei banho, jantei e fui dormir, mas antes coloquei o celular pra despertar cedo. 6º dia No outro dia só levantei depois de uma hora depois que o celular tocou e ainda demorei pra tomar o café da manha e arrumar minhas coisas, me fud..., pois peguei a trilha pra Martins de Sá depois das 9h. Cheguei me arrastando a Martins de Sá próximo ao meio-dia Depois de uma conversa rápida com o Sr. Maneco, montei minha barraca e fui almoçar. Logo depois do almoço fui dar uma volta pela praia, próximo a campinho de futebol, pra minha infelicidade, tava faltando uma pessoa pra formar 2 times o pessoal insistiu e fui jogar (pra quem me conhece sabe o tanto q gosto de futebol e minha habilidade com a bola), mas até q não fiz tão feio quanto eu imaginava, joguei melhor q um cone de estacionamento e isso porque eu tinha acabado de fazer uma trilha de + de 2 horas. Depois de dar + uma volta pela praia encontrei novamente o Sr. Maneco, até esse momento eu ainda tava pensando em partir já no outro dia pra Ponta negra, mas ele me convenceu a partir um dia depois e utilizar o outro dia pra explorar a região, afinal tinha algumas cachoeiras ali por perto. Sobre Martins de Sá e Sr. Maneco Martins de Sá esta entre uma das praias mais lindas que eu já conheci outra coisa que me agradou muito por lá foi a tranqüilidade do lugar. Lá é um camping familiar e a família do seu Maneco é evangélica, portanto lá não vende bebida alcoólica e barulho em geral. Se quiser curtir um som, tocar um violão faça na praia e não no camping. O seu Maneco conhece a região como a palma da mão e também sabe dar explicações muito bem. 7º dia Acordei tarde. Fui a até o escorrega e o poço e também até o encontro, faltou um mirante q disseram ter na região!!! Nesse dia descobri uma cara que iria no outro dia um outro cara também iria fazer a trilha pra ponta negra. Encontrei o cara, o Topre, conversamos um pouco e marcamos de sair as 7h. De noite após, ser convidado pra jantar, arroz com marisco e peixe frito, com uns bombeiros que estavam por lá pescando. Tomei com eles umas doses de sagatiba q havia sobrado na minha mochila, afinal eu tinha que diminuir meu peso pra próxima etapa da trilha. Fui dar uma volta na praia encontrei novamente o Topre com umas garotas, ficamos conversando até tarde tomando um resto de vodka eu ainda tinha, novamente deixei a mochila mais leve. 8º dia Depois de um atraso de 1:30h do meu guia partimos pra parte + difícil da caminhada. Quando chegamos a Cairuçu das pedras, onde fizemos uma pequena parda pra descanso e pra umas fotos, já estava bem quente e nessa hora eu senti q estava ferrado, pois a partir daquele ponto até o cume seria somente subida. Após muita caminhada e a varias paradas pra descanso e beber água, comer umas barrinhas de cereal e uns “power gel”, repositor energético, conseguir chegar ao cume, depois dali, foi super tranquilo terminar a trilha e chegar a Ponta negra. Após o almoço, fomos ao camping da Branca. Chegando lá já fui logo procurar informações sobre a cachoeira do saco bravo saco bravo, eles não sabiam como chegar, mas conseguiram a informação pra mim e disseram que me levariam lá no outro dia. Após montar a barraca e tomar umas brejas, fui dormir. 9º dia. Após acordar e tomar café da manha, fui para o saco bravo, junto com o filha da dona do camping, mais 2 garotinhos e mais o Luan um outro paulista q estava no camping. A trilha foi um pouco cansativa pra mim, mas quando cheguei la o visual valeu a pena, definitivamente a cachoeira mais bonita que eu já vi na vida, não sei se em toda costa brasileira existe outra cachoeira do gênero q deságua diretamente no mar como aquela. Voltei para o camping e fui almoçar, depois fui tirar um cochilo nas pedras. Voltei para o camping fui jogar xadrez com o Fabinho, dono da vendinha que tem no camping, perdi feio 2 vezes, depois joguei com filho dele de uns 10 anos +ou-, ganhei, mas foi apertado, pois o molequinho jogava muito bem. 10º dia Estava descido a ir embora pra praia do sono, mas alem de ter acordado tarde, o pessoal do camping me convenceu a ficar + um dia, pois nesse dia eles iriam pescar e fazer um churrasco de peixe à noite. Depois do almoço fomos pescar. Eu, Luan e + um garotinho ficamos no barco enquanto outros 2 caiçaras ficaram mergulhando e trazendo os peixe pra gente no barco. Depois eles me emprestaram o snorkel, pra mim mergulhar um pouco e vale muito a pena quando for pra la levar um, la o fundo mar é muito bonito. Dica quando for pra la compre um snorkel, vale muito a pena. Depois da pescaria fomos caçar pitu, depois de muito esforço consegui pegar uns 3 pitu, enquanto o pessoal caiçara já tinha pegado mais de 10. Depois de noite fomos comer peixe e pitu frito, com caipirinha, pois o gelo tinha acabado e não dava pra gelar breja. 11º dia Acordei cedo me despedi do pessoal e fui junto com o Luan pra Praia do Sono, chegando por la, conheçemos um chileno muito gente fina. Só ficamos no sono tempo suficiente pra tomar uma breja e fomos pra Laranjeiras pegar o ônibus pra Paraty. Chegando la a primeira coisa que fomos procurar foi almoço, depois de almoçar fui procurar um lugar pra passara noite. Eu fiquei no albergue Casa da Aventura, o Luan foi pra casa de um amigo dele. Depois de deixar minha coisas no albergue, fui comprar a passagem de volta pra São Paulo, encontrei novamente com o Luan. Mais tarde o pai do Amigo dele nos levou até a cachoeira da Pedra Branca. De volta a cidade, fui para o albergue tomar banho e trocar de roupa e conversar com o pessoal que estava hospedado por la, mais tarde sai com 2 cariocas pra dar uma volta pela cidade, mas como era uma terça feira não tinha muita coisa pra fazer por la, sem contar isso já era depois da meia-noite. Achamos um bar aberto onde comemos um lanche e tomamos uma cerveja. 12º dia Dia 4 de março. Acordei tarde e fui pra Trindade, por encontrei o Luan e o Chileno, depois de andar pela praia fomos tomar umas brejas e comer alguma coisa, eles me convenceram a ficar mais um dia por la, mas eu já estava com a passagem comprada e minha coisas estavam no albergue em Paraty, retornei para Paraty pra tentar trocar a passagem, mas não consegui, então voltei no albergue pra pegar minha coisas e retornar a São Paulo, não sem antes comprar um pinga de recordação da cidade. A Principio era pra mim ter terminado minha travessia em Cambury das pedras em Ubatuba, mas devido aos meus atrassos na Cajaiba e e Ponta Negra, não consegui, mas ainda faço essa pequna travessia ainda essa ano.
  13. katish, Alem da minha nepal q acabei de comprar tambem tenho uma Falcon 3, q consegui ela num rolo q eu fiz com uma lancer q eu tinha (como eu nunca gostei do avanço dela e depois q começeia fazer trilhas mais longas o peso deal começou a me atrapalhar), peguei essa falcon q por sinal eh muito pior q a lancer, se for usar uma com chuva leve uma lona.
  14. Desisti dela principalmente por causa do peso, comprei uma nepal da azteq. Qndo eu for comprar um barraca pesada, vai ser uma pra 4 pessoas, mas pra poder colocar colchão inflavel de casal, qndo eu for acampar em praias q não se prescisa pegar trilha muito longa, junto com namorada.
  15. Vou comprar la fora, mas via meus primos primos q moram la, ou alguem tras pra mim em julho ou mandam por correio aberta declarando um preço menor!!! Valeu pelas dicas
  16. gusta

    Barracas AZTEQ

    Galera adorei a barraca, da pra montar sosinho. Peguei pouca chuva e pouco vento, portanto ela ainda não foi exigida desta vez, achei bem espaçosa por dentro, adorei o porta-treco do teto, os bolsos laterais tb são grandes, os avanços tb ajudam bastante. A minha veio com a aquela saia, to pensando em dobrar ela passar silvertape, ela soh atralapalha. Eu tb achei q a barraca naõ ficou mto esticada, parecia q ela tava meio frouxa e q naum aguentaria chuva, daproxima eu tento montar melhor.
  17. Pro meu equipamento de camping ficar legal e bem leve agora soh me falta um mochila. Estou com uma barraca nova A nepal da azteq. Saco de dormir MICRON X-LITE + EVA Aprendi com tempo diminuir o peso da mochila tirando intens desnecessarios e quantidades do necessarios. Roupas agora soh tactel e dryfit (isso no verão) e toalha super-absorvente. A unica coisa pesada q eu não dispenso são meus coturnos, afinal não caregos eles na mochila e sim nos pés. Das mochilas q foram comentadas aqui no topico, stou quase descido pela http://www.rei.com/product/780218 O maior problema eh q ela eh bem + cara q as outras duas q eu me interessei http://www.ula-equipment.com/ohm.htm http://www.golite.com/Product/proddetail.aspx?p=PA5264&s=1 Vale a pena os quase u$ 100,00 de difrença? Mesmo assim se conseguir q meus primos q moram no EUA truxerem pra mim qndo eles virem em julho vai sair o preço de uma curtlo.
  18. gusta

    Barracas AZTEQ

    Amanhã vou estrear minha nepal. Comprei pela internet, no Walmart por r$465,00, no boleto, sem pagar frete. Por tudo q li aqui no topico estou tranquilo em relação a qualidade dela. Uma ultima duvida, espero q alguem responda antes q eu viaje, da mto trabalho monta ela sosinho? Pois por ela não ser auto-sustentalvel não deu pra montar ela em ksa, ja q meu quintal é todo cimentado.
  19. Eu votei na nautika porque é a q tenho a + tempo e foi minha primeira mochila cargueira compradaas as presas no dia da viagem, uma laguna 60. Depois comprei uma t&R Crapon 44, para ser uma opção qndo eu não for levar muita coisa. Agora pretendo comprar esta daqui http://www.rei.com/product/780218 e tambem uma mochila da ataque, provavelmente uma quechua.
  20. Tenho 2. Uma nautika laguna 60 e uma T&R Carapon 44 Pretendo vender a nautika assim q eu conseguir comprar essa Osprey Exos 58 http://www.rei.com/product/780218
  21. No momneto com uma Lancer 2/3 da Nautika, mas pretendo comprar outra pra fazer travessias, pois a minha pesa 3,1kg!!!
  22. Ola pessoal. Começei a frequentara região de Paranapiacaba no ano passado, desde então retorno sempre q posso e ultimamente não tenho ouvido relatos de assaltos nas trilhas. A trilha da cachoeira da fumaça e a das 7 cachoeiras, sempre esta muito movimentada nos finais de semana. A ultima vez q fui na fumaça encontrei pelo menos umas 30 pessoas no caminho espalhadas em diversos pontos das trilhas.
  23. Barraca Vende - Pureland Como nunca vi essa marca relacionada no forum Barraca 3 estações, tipo meia-montanha, perfeita para os ambientes onde as condições climáticas costumam exigir muito da barraca, provando a cada momento seu projeto estrutural... Varetas em alumínio 2 Entradas-Saídas Link p/ figura da barraca http://www.flickr.com/photos/[email protected]/3294799010/in/set-72157602512440187/
  24. Foi mal, minha barraca eh uma lancer e não uma indy
  25. Eu estava procurando uma barraca q resistise ao clima de montanha e ao frio, achei esse modelo de 3 estações, pelo preço p/ barracas desse tipo esta barata, só achei ela um pouco pesada, mas para quem ja tem uma indy 2/3 da nautika, q pesa 3kg. segue o link http://www.emporioaventura.com.br/loja/home/
×
×
  • Criar Novo...