Ir para conteúdo

DeDau

Colaboradores
  • Total de itens

    80
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Bio

  • Ocupação
    Fotógrafa documental
  1. Seja bem-vinda. Pergunte e eu responderei da melhor maneira que puder. O Endereço na via Riusticucci, na planilha, é o da sede da Canção Nova em Roma. OLHA A QUI AS FOTOS DO ROTEIRO DAS FONTANAS!
  2. Olá, Mariane! Estamos em casa, então! Sou fotógrafa e revisora iconográfica e meu marido é psicanalista. Ambos apaixonados por História. Começo te convidando a olhar os clipes com as fotos de nossas visitas a Roma (2012 e 2014). Dentro de um mês volto a passeio e trabalho para o Norte da Itália (são vários, coloquei um de cada viagem como referência). Já falei do Roma Pass ali em cima, é uma dica importante e responde sua pergunta a respeito de compra de bilhetes. Meus roteiros são quase todos a pé. Por exemplo, do Termini até Santa Maria maggiore é uma caminhada de poucas quadras. E de lá até o Coliseu se anda mais para pegar o metrô do que para ir a pé... Estamos falando de contruções antiquíssimas e dentro da perspectiva da cidade o que era longe para eles é perto para nós. Está tudo junto e embolado. Bom, Roma tem tantos monumentos, locais históricos, museus, de tantas épocas diferentes que pode se tornar uma experiência caótica se você não criar algum tipo de roteiro que faça sentido. Pensando nisso, em 2012, pesquisei a localização das principais fontanas de Roma e montei um roteiro colocando as fontanas em ordem para evitar vai-e-vem. Anexei para você o planejamento que compartilhei com os amigos que nos encontraram em Roma (Nós tínhamos acabado de passar pelas eleições no Egito.). Também anexei o planejamento de dias de 2014. Desta feita levamos um casal de amigos e minha sogra, de 72 anos. Acho que equivale a viajar com um nenê no sling e você verá que é um planejamento de moderado a leve. Fomos ao Vaticano na quarta, pois é o dia de catequese. Caso resolva ir, fique na cerquinha dos fundos, o Papa também passa por ali (veja no clipe com fotos no Youtube) e você sai mais rapidamente. Se ficar no meio da praça será envolvida pela multidão. Neste mesmo dia visitamos os Museus do Vaticano e aqui te dou uma DICA DE OURO: faça a prenotação no site dos museus! http://biglietteriamusei.vatican.va/musei/tickets/do?action=booking&codiceLivelloVisita=9&step=1 Você gasta 4 euros a mais e não enfrenta a fila quilométrica. Nós marcamos a visita de 2014 para as 11:30 (não pode se atrasar) e assim que o Papa terminou a catequese e enquanto aconteciam as traduções nós fomos caminhando até os Museus muito antes que o restante do povaréu saísse da Praça de São Pedro. Basta caminhar os 900m até a porta dos museus e mostrar a sua prenotação impressa para o guarda (-Buon giorno, prenotazione) e eles te mandam entrar enquanto a multidão te olha com inveja. Em 2012 fizemos a visitação noturna. Maravilhosa, mas os bilhetes se esgotam rapidamente. Almoçamos na lanchonete dos Museus (um taglio de pizza e um refri, uns 7 euros) e de lá fomos ver a Basílica de São Pedro (enquanto o povo estava nos Museus...). Reserve um dia para o Vaticano. Pode fotografar, desde que sem flash. Perto do Coliseu há uma Basílica pouco conhecida e você, como historiadora, vai pirar! É a BASÍLICA SAN CLEMENTE. Nela você pode pagar um ingresso (preço na planilha) e descer dois mil anos na História! Leve sua câmera. No piso com os afrescos obviamente é proibido fotografar. Mas nos níveis inferiores pode, sem flash. O Pantheon é belíssimo de dia e de noite. Costumamos visitar durante o dia, jantar no Dakota Cafe que fica ali pertinho (comida boa e lugar legal sem ser caro) e depois vemos a praça e o Pantheon de noite. O mesmo vale para Piazza Navona, ali perto. Um museu belíssimo (e um dos três que recomendo que se visite primeiro com o Roma Pass) é o Vila Borghese. Muitos Caravaggio, um teto pintado em uma incrível técnica "3D". Mas é "longe" e ruim de chegar de ônibus ou metrô. O outro museu que recomendo que esteja entre os primeiros (gratuito com o Pass) é o Capitolinos (tenho vídeo com fotos dele no Youtube). São dois templos romanos e um edifício renascentista na praça que foi o último projeto de Michelangelo. Mas, não sei iluda. Roma é Bernini. Ah, como amo Bernini! Catacumba de São Calixto, na Via Appia e Tre Fontane são opções caso você queira sair do miolão de Roma. mas acho mjelhor faze-lo com um carro. Vou compartilhar contigo os mapas de cada dia, pois você também se hospeda perto do Termini. lembre que, como toda região perto de um terminal rodoviário, a região não é bonita. Mas nunca tive problemas por lá. CUIDADO com os batedores de carteira em todos os lugares. Nossas mochilas tem pequenos mosquetões prendendo os zíperes e a carteira também fica presa com mosquetão no fundo da mochila. Onde você vai se hospedar? Uma boa dica é sempre bem vinda. Pode seguir perguntando. Adoro compartilhar e aprender! PLANILHA DIAS PARA COMPARTILHAR.doc
  3. Sim, tem razão! Você ainda vai passar uns dias em Roma! Para ir do Termini ao Fiumicino há a linha de ônibus Terravision, bem barato. No subsolo do Termini há um supermercado bem grande e bem abastecido. Costumo comprar pão, queijos, frurtas... E sempre levo uma sacolinha comigo para não pagar pelas sacolas plásticas. Já tem roteiro de Roma? Posso indicar alguns, pois fui várias vezes para lá!
  4. Olá, Giacon. Roma é sua cidade de saída? Se for, devolva no aeroporto!
  5. Concordo plenamente: ROMA DE CARRO É FURADA. Você pode, por exemplo, comprar o Roma Pass que te dá ingresso gratuito nos 2 primeiro museus (escolha entre Coliseu+Fórum/Museus Capitolinos/Vila Borghese que é longe) e andar gratuitamente nos ônibus e metrôs de Roma. http://www.romapass.it/ No ano passado enfrentei um dilema: de Firenze a Veneza de trem? De busão? De carro? Uma exaustiva pesquisa me levou até a Garage San Marco (http://www.garagesanmarco.it/). Ela fica já depois da ponte e pertinho do ponto de saída do vaporetto. Mas, atenção! Só estaciona com prenotazzione, a reserva antecipada. Custa 30 euros o dia e você escolhe se paga na saída. Eu acho uma boa saída. Chegamos, estacionamos e pegamos o vaporetto até quase a linha final bem depois da Piazza San Marco. Descemos e voltamos caminhando por Veneza. Como a garagem é paga por diária chegamos de noite e pegamos o carro aproveitando bastante o nosso dia em Veneza. Alás, em Abril próximo repito a dose, indo 2 dias, porque estarei hospedada em Padova. Aliás, com esta solução fica muito mais barato se hospedar em Padova e passar o dia em Veneza do que se hospedar em Veneza (onde o fator turismo multiplica os preços por 2 ,3, 4...) Quer dar uma olhada no meu dia em Veneza? Eu AMEI Assis, quase tanto quanto amei Sarlat e Saint Michel (FR). É uma cidade medieval e vale um dia de caminhadas por ruelas muito bem conservadas. Vale a pena pesquisar um pouco antes de ir para saber onde ficam as ruinas romanas, por exemplo. Quer ver um pouco de minha andança por Assis? Foi na correria, pois chegamos no final do dia e já a caminho do aeroporto. Existem vários estacionamentos não muito caros. O que fica na parte mais alta de Assis fica perto do convento de Sta Clara e, ao contrário da maioria das cidades medievais, a Basílica de S Francisco fica na parte mais baixa. Tendo tempo, estacione na parte alta e vá descendo até as Basílicas superior e inferior. Ou pare nos estacionamentos mais baixos. Tudo depende do seu tempo. Quando planejava a viagem li que não havia muito para se ver ou fazer em Assis e deixei pouco tempo para a cidade. Mas me arrependi, pois amo História e aquelas ruas são uma viagem no tempo. Aliás, fora as cidades onde se tem local garantido para estacionar (Em Firenze sempre me hospedo no B&B Nuovo Palazzo di Giustizia por causa do estacionamento gratuito e ônibus quase na porta) a Europa apresenta um grande problema: onde parar o carro? Uma dica preciosa é: escolha hotéis com estacionamento gratuito! Você está ciente de que locação de carro pegando em uma cidade e devolvendo em outra é mais cara do que pegar e devolver na mesma cidade,certo? Planeje o roteiro pensando nisso e vendo se vale a pena uma viagem circular (começa e termina na mesma cidade) ou várias locações pegando carros diferentes em cada localidade. Leve o GPS e regule para estradas não pedagiadas. A viagem é mais longa porém, muito mais bonita. Eu costumo usar o Mappy para simular os trechos e descobrir se economizo poucos euros e alongo demais a viagem, ou não... http://fr.mappy.com/#/2/M2/TItinerary/IFRRome%2000118%20-%2000199%20(Italie)|TOVenezia%20Mestre%20(Gare)%2C%20%2030171%20Venise%20(Italie)|MTtrue|GP1.298|RTlength/N151.12061,6.11309,42.56932,37.14472/Z2/ Outra dica IMPORTANTÍSSIMA: os sites raramente disponibilizam locação de carro tendo seguro SEM FRANQUIA. Faça a locação e depois ligue no 0800 solicitando esta alteração. São poucos dólares a mais na locação e muita tranquilidade. Um amigo meu não fez isto e acabou pagando 500 euros por um amassado pré existente no carro.
  6. Olá Tartufo! Meu marido e eu somos da turma que ama História, de shopping centers nós passamos longe (já acumulamos 4 dias inteiros passados no Louvre e voltaremos para mais!). Concordo contigo, só comi uma pizza bacana na Itália (em uma trattoria na Piazza del Popolo) de resto, mais parecia bolacha com queijo em cima. Vamos experimentar a dica dos bares. Curiosos como somos, vamos provar um pedacinho de cada tapa e sair rolando pela noite... Rs! O Museu Da Vinci muito me interessa (embora minha paixão seja Bernini. No ano passado fomos ao túmulo dele dizer um "valeu, cara!) Prestaremos muita atenção ao seu comentário a respeito dos margnais perto dos terminais, pois temos que estar no Malpensa as 20 horas e estaremos a caminho no anoitecer. Temos bastante cuidado com os pip-pockets (nossas carteiras são presas dentro das mochilas). Obrigada!
  7. Gracias, Tartufo! Já corrigi minha postagem (como eu deixei de especificar qual era o aeroporto? Credo...). Agradeço pelas dicas e se quiser contar mais do que você conhece em Milão e arredores, sou toda ouvidos!
  8. Saudações! Apesar de já ter ido várias vezes à Europa esta é a primeira vez em que não alugo um carro e planejo fazer todos os percursos de trem ou ônibus. Gostaria de saber se é necessário comprar as passagens de ônibus com antecedência ou se basta comprar na hora. De trem já sei que é preciso comprar com antecedência para garantir preços mais baixos. -Vocês podem me indicar um site onde posso pesquisar os preços de passagens de ônibus entre Padova, Veneza, Verona e Milão? -Desembarco em Veneza as 18:40 e pretendo seguir diretamente para Padova. Onde posso pegar o ônibus? É preciso comprar esta passagem com antecedência? -Do centro histórico de Milão até o aeroporto Malpensa (desculpem, corrigido!), posso ir de ônibus? Custo? tempo de viagem? Grata!
  9. DIA 4 ÀS COMPRAS!!! Uma boa pedida é fazer algumas compras (perfumes, maquiagem...) nas Galerias lafayette. Se você não tem um tostão para gastar vá assim mesmo, mas escolha a sede que fica na 40, Bd Haussmann. É um prédio histórico, com uma abóbada em vitrais simplesmente deslumbrante e um terraço de onde se pode apreciar uma bela vista de Paris! Para dar uma espiada nos preços e mercadorias ofertadas pelas Galerias lafayette, passe por aqui: http://www.galerieslafayette.com/c/fin+de+collection Depois de alguns delírios de consumo dignos de Becky Bloom podemos retomar a vida normal e visitar o Museu D'orsay (http://www.musee-orsay.fr/) que fica na 1, rue de la Légion d'Honneur. Este museu é "cria" do Louvre e lá você encontrará as coleções mais recentes que vieram para cá por falta de espaço físico no Louvre. Como tantos outros locais em Paris, só a arquitetura do D'Orsay já vale a visita. Sem falar da chance de ver de perto A Porta do Inferno, de Rodin, na versão mármore (a versão bronze está no Museu Rodin), as bailarinas de Degas, descorir por que as pinturas de Van Gogh são tão famosas... Acredite, ve-las de perto é completamente diferente de ver a reprodução em um livro de arte ou em um documentário. Não é permitido fotografar dentro do museu, você terá que deixar sua câmera no escaninho. Mas nem tudo está perdido! Logo a seguir vá ao Museu Rodin onde poderá fotografar "à la vontê", como dizia o falecido colunista Ibrahim Sued. Visitar este museu na primavera tem uma vantagem extra: o jardim lotado de roseiras em flor! Já depois da porta de entrada vem o perfume maravilhoso enquanto eu caminho pelas alamedas e encontro obras maravilhosas de Rodin. Quem não conhece O pensador? Uma coisa bastante comum nos museus franceses é o grupo de crianças aprendendo a respeito de arte. Cultura que vem de berço. Do outro lado da rua fica o Invalides, com o Museu do Exército (não, não tem só carro anfíbio e canhão e tem armaduras medievais lindíssimas) e a Tumba de Napóleão. Apesar de perto, deixo esta visita para outro dia. Depois de um mergulho no mundo de Rodin e Camille Claudel atravesse a Ponte Alexandre III, considerada uma das mais emblemáticas de Paris. Ela foi concluida em 1900 e leva até os prédios do Grand Palais e petit Palais, perto dos Champs Elysées. O Grand palais na realidade é O Grande Palácio de Belas Artes e foi construido para abrigar a exposição de 1900. Abriga exposições, concertos, teatro... Vale a visita nem que seja só pela arquitetura. O hall do Grand Palais é um assombro! Caso você tenha comprado o Paris Museum pass, pode entrar aqui sem pagar também. Agora, perambular um pouco pelas ruas, ver o anoitecer, jantar e cama. Porque amanhã tem mais andança.
  10. DIA 3 LOUVRE Vamos combinar uma coisa: o Museu do Louvre não tem sua fama à toa. Depois do setor Egípcio do Louvre o Museu do Cairo ficou basiquinho. Então, reserve ao menos um dia para o Louvre. Foi o que fiz em 2010 e agora em 2013 reservei um dia e meio (quarta e sexta, porque fecha mais tarde). O ingresso custa 9 euros. Uma merreca se comparado ao custo de uma Eurodisney, de um jantar no Moulin Rouge... No Louvre você encontra bancos e poltronas para sentar e assim dar um descanso para seus pés durante as caminhadas pelos kilômetros de corredores cheios de maravilhas a sua espera. Não gosta de pintura e prefere escultura? Lá está a Vitória Alada de Samotrácia. Ah... prefere antiguidades egípcias? Deleite-se! Nem um nem outro, prefere arte mesopotâmia? Nada disso te interessa mesmo? Ande pela Grande Galeria, cenário de abertura do Código Da Vinci, Dan Brown... E já que está por ali, não tira pedaço olhar as belas pinturas... Em resumo, você só não acha o que fazer no Louvre se for admirador incondicional de arte moderna e não dá nenhum espaço para qualquer coisa fora disso. No site oficial do Louvre você encontra todas as respostas necessárias para uma visiya tranquila (http://www.louvre.fr/en/getting-here). Existem várias entradas para o Louvre. Eu prefiro a do Carroussel do Louvre, que te leva através das escavações das muralhas do castelo medieval desembocando abaixo da Pirâmide de vidro. Aliás, segundo o Dan Brown os restos de Maria Madalena... A pirâmide de vidro eu deixo para a saida. E nem assim, depois de horas percorrendo os corredores do Louvre, esgotaram-se as possibilidades. Saia pelo Arco do Carroussel do Louvre em direção aos Jardins de Tuileries. Em Maio anoitece bem mais tarde, sente-se nas cadeiras e aprecie o movimento... Caminhe pelos Jardins até a Praça da Concórdia, onde você poderá ver a Agulha de Cleópatra. (Eu vi o irmão gêmeo deste obelisco em Luxor, 2012). Ah, sim, a Pont Del'Alma, local do acidente de Lady Diana, fica aqui pertinho... E TEM MAIS POST AMANHÃ!
  11. DIA 2 VERSAILLES Coloquei Versailles no segundo dia de viagem por uma razão bem simples: estamos no começo da viagem e pés descansados aguentam melhor a andança pelos Jardins de Versailles. Não que os aposentos abertos ao público no Palácio de Versailles sejam assim tão vastos. Na verdade, temos o Salão dos Espelhos, a capela, aposentos dos delfins, quarto do rei e da rainha e mais umas algumas coisas para ver. Mas... se quiser visitar Petit Trianon e Grand Trianon (aposentos particulares dos Reis e mais tarde de Napoleão) você terá que andar até o final do espelho d'água e mais um tanto a direita. Localize-se na foto... Caso você não tenha comprado o Paris Museum Pass e vai comprar o ingresso, recomendo que você compre o mais caro (aproximadamente 19 euros e incui um audioguide que pode ser em Português de Portugal). Dá direito a entrar no Petit e no Grand Trianon. . Os aposentos dos reis no castelo de Versailles eram um local público, onde qualquer um entrava a qualquer momento. Nos trianons Maria Antonieta e Luiz XVI realmente moraram. Estes aposentos e mais a caminhada pelos jardins de Versailles já ocupam uma boa parte do seu dia, sem contar os aposentos dentro do próprio castelo de Versailles. Durante a Revolução Francesa e Luiz VVI e Maria Antonieta moravam neste castelo que é um dos maiores do mundo. Depois da queda dos reis de França cogitou-se queimar o castelo, pois ele ela o símbolo da monarquia. Porém, os habitantes de Versailles pediram que ele fosse poupado e usado como hospital, escola... Ainda assim os aposentos foram pilhados e seu conteudo leiloado a preços irrisórios. No século XX o milionário americano John D. Rockefeller doou 60 milhões de francos e com isso começou o processo de restauração de alguns aposentos do castelo que tem mais de 700 quartos! É impossível não ficar deslumbrado com a beleza do salão dos Espelhos. Embora a multidão presente atrapalhe um pouco a experiência. Assim... se não poder olhar para a frente, relaxe e olhe para cima! Estude um pouco a Revolução Francesa antes de embarcar e veja o balcão onde Maria Antonieta curvou-se diante da multidão. Você pode dar mais de uma passada pelos aposentos de Versailles. Em cada uma encontrará um detalhe diferente e encantador. Leve suco, água e sanduiches na mochila. Há lanchonetes dentro dos jardins, mas como todo bom local turístico os preços são bem assustadores... Depois de percorrer os jardins, sem esquecer a parte inferior com todas as laranjeiras e limoeiros (frutos amarelos, dignos do rei Sol) saia do castelo e faça um lanche da cidade de Versailles. Há bons "bares a tapas" no caminho. E se te sobrar um gás, vá até o Centre Pompidou e seu museu de arte moderna (que fecha mais tarde) olhar os telhados de Paris de outro ângulo. Volte para o hotel e descanse, amanhã são 18km de corredores dentro do Louvre.
  12. Este relato de viagem inclui informações de minha ida a França em Maio/10 e da próxima, agora em Maio/13. A DESCRIÇÃO DE DIAS E ATRAÇÕES A VISITAR ESTÃO NA PLANILHA ABAIXO. Não, o mês de Maio não é mera coincidência. É o início da primavera quando os dias são bonitos mas ainda fresquinhos, os jardins estão floridos mas as ruas ainda não estão entupidas com os turistas das férias de verão. Uma pergunta que aparece com frequência: três dias são suficientes para Paris? A resposta é um enorme NÃO! Como visitar uma das cidades mais bonitas do mundo (e olhe que viajei bastante e concordo com o título) em tão pouco tempo? Aqui, a planilha que montei para a próxima ida à França (um relato estilo déja-vu?): planilha roteiro diasMOCHILEIROS.doc DIA 1 CHEGADA E MONTMARTRE Eu gosto de me hospedar em Montmartre. É a região perto da da Catedral de Sacré Coeur, que tem uma linda vista de Paris e tem o Moulin Rouge, com vida noturna bem movimentada. Lá eu fico no ibis budget Paris Porte de Montmartre (http://www.ibis.com/pt-br/hotel-2597-ibis-budget-paris-porte-de-montmartre-ex-etap-hotel/index.shtml) que fica a duas quadras no metrô St Ouen e me dá estadia com o café da manhã a 65 euros o casal. Também acho interessante comprar o PARIS MUSEUM PASS que custa 65 euros por 5 dias e me dá ingresso livre na esmagadora maioria dos museus e atrações da cidade (incluindo Versailles). Facilite sua vida e compre antes de sair do aeroporto. Como meu marido e eu gostamos de caminhar (se usar muito o metrô acaba perdendo as belas vistas da cidade) nós não compramos o passe de transportes e sim um pac com 10 passagens de metrô, e cada viagem acaba custando 1,25 euros, quando necessário. Preste atenção ao horário de funcionamento do metrô: em média, entre as 5h30 e 00h30 (não abuse da sorte, ou acabará trancado dentro de alguma estação...). O PARIS PASS não vale a pena para o meu perfil. Inclui degustação de vinhos e passeio de bateau pelo Sena mas custa 195 euros por cinco dias! As atrações estão agrupadas na planilha a fim de evitar andanças desnecessárias e colocadas em ordem de acordo com o fechamento dos locais. Conforme o dia da semana e a época do ano algumas coisas fecham bem mais tarde. É o caso do Louvre, que nas quartas e sextas fecha as 21 horas em maio. Em 2010 eu reservei apenas um dia para o Louvre e faltou muita coisa. desta vez reservei um dia e meio (já que o Paris Museum Pass dá ingressos ilimitados) Verifique os horários nos sites oficiais de cada atração (mesmo Igrejas e capelas os possuem na França). O site do Paris Museum pass também fornece estas informações (http://en.parismuseumpass.com/rub-museums-monuments-by-name-5.htm). Assim, chegamos a Paris, pegamos o trem e o metrô até St Ouen. Largamos as malas no hotel evamos ver o entardecer em Montmartre aos pés da Cacré-Coeur. Fizemos todo o caminho do hotel até Sacré-Coeur a pé, com escadarias íngremes mas lindas, e na volta eu passei por uma porta aberta. Lá dentro vi uma cozinha limpíssima. Tratava-se do restaurante Restaurante paquistanês Kohinoor (178 Rue Marcadet) onde tivemos um jantar delicioso a preços interessantes (frango ao curry e acompanhamentos 16 euros). Tornou-se nosso point habitual em Paris. Com isso encerramos o primeiro dia na França. Agora, uma boa noite de sono porque amanhã tem Versailles.
  13. Paris não recebe o título de cidade mais bonita do mundo à toa. Reserve NO MÍNIMO mais um dia para ela. Passar correndo por Londres e Paris é desperdício de tempo e dinheiro. Lembre que os dias de traslado entre as capitais é um dia quase perdido (sair/trem/chegar/hotel...) para quê colocar tantos locais e tão pouco tempo neles? A princípio seu toreiro parece estar tirando o máximo proveito mas, na realidade, não está...
  14. Concordo com AdrianoLB. Paris é uma das cidades mais lindas do mundo e não recebe este título em vão. Não queime seus cartuchos tendo uma estadia curta em paris. Cada dia valerá a pena!
×
×
  • Criar Novo...