Ir para conteúdo

Mau-santos

Colaboradores
  • Total de itens

    231
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Bio

  • Ocupação
    Historiador e Guia de Turismo

Outras informações

  1. Vamos até São Roque de Minas em julho, em 2 carros. Um Palio e uma Tucson. Como estão as condições das estradas? Um Palio vai de boa pelos caminhos do parque? Obrigado. :'>
  2. Mau-santos

    [[Template core/front/global/prefix is throwing an error. This theme may be out of date. Run the support tool in the AdminCP to restore the default theme.]] Deserto de Atacama

    Penso q saindo da cidade, mesmo q a pé, e se distanciando das luzes elétricas, já dê pra ter uma boa visão do céu. Qdo estive lá optei por não fazer esse "passeio astronômico", e não vou dizer q tenha me arrependido, mas alguns conhecidos q fizeram declararam ser bem bacana. Como não fiz, não sei, mas foram relatos de pessoas, para mim, confiáveis.
  3. Uma dica bacana de comida na capital panamenha, é o chinês LUNG FUNG. http://www.degustapanama.com/restaurante/lung-fung_44.html Aqui no Brasil abriu recentemente uma franquia londrina especializada em DIN SUN, q são algo como pequenos "petiscos" chineses, cozidos, assados ou fritos (pessoalmente, prefiro disparado os cozidos) com formatos variados, mas q podemos comparar com raviolis em termos de tamanho. Infelizmente essa franquia rapidamente encerrou atividades, e em São Paulo é difícil encontrar restaurantes q sirvam isso. Até onde pesquisei, apenas o Wan Wan, na Liberdade, serve. http://yakissobanao.wordpress.com/2012/01/18/dim-sum-petiscos-chineses-originais-por-menos-de-r15/ O din sun possui vários formatos e recheios. Ele é comido como café da manhã, e no Lung Fung são servidos apenas até as 10h da manhã. No Panamá é tradicional ocorrerem cafés da manhã para discutir negócios, e geralmente há gente de terno e roupas de trabalho, se acabando de comer os tais din suns (qual o plural disso??? ). O negócio é bom demais, mas nas vezes em q fui estava acompanhado de panamenhos, q conhecem os nomes, então sem essa assessoria pode ser q a gente apanhe um pouco nas escolhas. Recomendo fortemente. Outro lugar q gostei muito é o Mi Ranchito, restaurante típico, talvez um tanto turístico, localizado no CauseWay. http://www.restaurantemiranchito.com/ A comida é muito boa, e não é um lugar caro.
  4. Tenho uma Alpinist já há vários anos, e finalmente, depois desse tempo todo, a sola começou a descolar. Também entrei em contato com a fábrica através do meio disponibilizado pelo site deles, mas até agora nada. Uma pena, pq já li vários relatos mais antigos de gente satisfeita com o atendimento até então prestado aos usuários e fãs da marca.
  5. Estive no Panamá em setembro de 2011, e agora no começo deste mês. Qdo vamos para lá, ficamos em Bethania, na casa de parentes de um amigo meu. Como é esquema de visita a familiares, não rolam muitos passeios inusitados, mas o legal é q temos hospedagem e carro na faixa. A cidade tem um trânsito terrível, calçadas não existem (imagina a dificuldade dos cadeirantes panamenhos...), mas o centro moderno cresce a olhos vistos, com com vários edifícios de mais de 70 andares. Qdo estivemos lá em 2011, aproveitamos uma promoção do Booking, e passamos a última noite no Trump Hotel. Pagamos uns 170 reais para nos hospedar num 35º andar, com um visual bonito do mar. Do lado oposto da baía da cidade há o Causeway, um aterro feito de material retirado do (primeiro) Canal do Panamá, unindo algumas pequenas ilhas, onde o povo vai caminhar, pedalar, patinar, passear enfim, e onde existem restaurantes e bares, alguns até com algum requinte. Uma das coisas q mais impressiona aí no Causeway é o visual do Skyline da capital. Diferenças óbvias à parte, lembra um pouco aquelas vistas de grandes cidades americanas localizadas à margem de rios ou baías. Tudo lá é bastante americanizado, moeda local, Balboa, só existe em metal, já q dinheiro em papel é o dolar americano. Para compras só perde dos EUA em termos de preços, e os produtos, ao menos nas lojas da capital, são confiáveis. Dizem q em Cólon, saída do canal no Atlântico e zona franca, q não conheci, possui outro "clima", e eventuais compras não são tão tranquilas, necessitando-se tomar certos cuidados. Para compras na capital, o Albrook Mall deve ter mais de 1Km de lojas, mas o Multiplaza, por exemplo, no centro novo, tbém tem bons preços e lojas de grifes "chiques", até então inexistentes no Albrook, já q neste último reçém inauguraram uma nova ala, chamada de Koala, com lojas de marcas mais caras. Para comer, existe um aplicativo para celular, e acho q tbém existe o site deste aplicativo, chamado Disfruta, com inúmeras boas dicas de restaurantes. Nos shoppings há quiosques de Cinnabom, um pão doce com canela e noz pecã delicioso, q não existe no Brasil. Uma dica imperdível é comer din sun no café da manhã (até as 10h da manhã) num restaurante chinês chamado Lung Fung. É costume lá tomar café da manhã de negócios neste restaurante, e o povo vai de terno e trajes de trabalho. Pensa num rango bom, q dificilmente se encontra no Brasil, já q abriram por aqui uma franquia chamada Ping Pong, em SP, q fechou. Din Sun, pra quem não sabe, seriam mais ou menos canapés, ou "tapas" espanholas, q podem ser cozidos, assados ou fritos. Nesse Lung Fung só comemos os cozidos. Bom demais! Visitas ao Canal são imperdíveis. Lá existe um mirante, um museu, local para comer, q não experimentei. Há tbém um passeio, q não fiz, e q parece custar caro, algo como cento e poucos dólares por pessoa, onde se embarca numa embarcação turística q sobe por uma das eclusas. Em 2011 fomos de Avianca, com escala em Bogotá. Era um Airbus 330 confortável e com uma traquitana tecnológica em cada assento, com filmes, seriados, jogos, etc, q te fazem nem dormir durante o vôo. Desta última vez fomos de Tame, do Equador. Aviões sem nenhum recurso tecnológico, mas de SP a Guayaquil fomos num Airbus 319 de configuração extremamente espaçosa, e de Guayaquil a Panamá num Embraes 170 já com certo tempo de uso, mas dotado de bancos de couro espaçosos. O ruim aqui é q avião menor sacode mais. O serviço de bordo é de primeiríssima, e o rango absurdamente melhor q o miserê da Gol e da Tam. O q peca é o serviço de terra, q não te dá muita assistência. Vai ver pq a empresa opera no Brasil desde pouco tempo....acho q começaram por aqui em fevereiro. Depois q voltamos pro Brasil, o casal amigo q foi conosco ficou mais uns dias por lá, e passaram um final de semana (sexta, sábado e domingo) hospedados num resort ao norte da capital, eles dois mais a filhinha de 4 meses, com TUDO incluído, comida e bebida, ao preço de 700 dólares. Pelo q vi nas fotos, ficou barato. Enfim, nem tudo por lá é barato, mas no geral, brasileiro passa muito bem. O atendimento nem sempre é top, mas em geral os panamenhos são amistosos. Sou suspeito pra opinar, pq como disse, fiquei em casa de amigos, daquele tipo q te contrange, de tão bem q te tratam. Bom....peço perdão pelo texto longo e sem muito foco, mas é q apenas dei uma "geral" no assunto.
  6. Mau-santos

    [[Template core/front/global/prefix is throwing an error. This theme may be out of date. Run the support tool in the AdminCP to restore the default theme.]] Deserto de Atacama

    Vinte dias em SPA é muito....conforme todos já adiantaram. Penso q 1 semana tá de bom tamanho. Passagens são no site chileno da Lan Chile. Eu e minha mulher fizemos isso em abril do ano passado e deu muito certo. Ninguém nos indagou absolutamente NADA NADA NADA. Pode ir tranquilo. Cheguei a tentar pela SKY, mas foi o maior embaço.....uma moça me mandou um e-mail se dizendo da empresa e eu devia pagar pra ela as passagens....só q a preços de estrangeiro, ou seja, bem mais caras do q o anunciado no site. Uma opção seria Iquique, Arica e Antofagasta, mas embora não as conheça, talvez em algumas delas não se tenha muuuuita coisa pra fazer. Eu fiquei uns dias em Santiago e curti demais. Fiquei com gostinho de quero mais, mesmo não tendo sido minha primeira vez na cidade. Santiago é uma cidade muito bacana! E de Santiago dá pra ir pra Viña del Mar e demais cidades litorâneas, por exemplo, pras vinicolas, e dependendo da época, até pra montanha ver a neve. Seria uma forma de "completar" os 20 dias sem ser algo enfadonho.
  7. A bota mencionada acima, da Tribo dos Pés, é a que é (ou era) considerata top de linha deles, uma de cor laranja, e parcialmente feita de neoprene. Deve ser bem confortável. O problema é q a Tribo dos Pés havia encerrado atividades......sinceramente não estou informado se voltaram ou não..... Hoje de manhã (24/04/2010) no Globo Universidade, programa q passa todo sábado cedo, o assunto foi o curso de Geologia e em grande parte foi gravado na Caverna do Diabo e principalmente em Santana. Até o Ditinho apareceu, todo gaiato! hehehehehehe. Muito legal a metéria, por sinal. Pena o horário ingrato. Se vacilar, eles aproveitam a empreitada e logo logo rola um Globo Repórter ou algo assim sobre o assunto, num horário mais "civilizado"!
  8. Mau-santos

    [[Template core/front/global/prefix is throwing an error. This theme may be out of date. Run the support tool in the AdminCP to restore the default theme.]] Deserto de Atacama

    Na minha humilde opinião, Atacama é Atacama, Uyuni é Uyuni....pra ficar 4 dias, ou um, ou outro...
  9. Eu uso um desses aí q o Cacius tá usando na foto e já quebra um baita galho. Fora q custa uns 10 reais na moamba!
  10. Mau-santos

    [[Template core/front/global/prefix is throwing an error. This theme may be out of date. Run the support tool in the AdminCP to restore the default theme.]] Deserto de Atacama

    Cara Em SPA eu trocava dólares numa loja de artigos de cobre.....tipo uma joalheria. A cotação era ligeiramente melhor que nas agências de viagem. Aliás, lá, ao menos qdo fui, era facinho de trocar dólares. E qto ao aeroporto, ESQUEÇA! A menos q precise de um pouco, pro transporte até onde for ficar hospedado. O q tá ruim é q no comércio em geral das cidades maiores, como Calama e Santiago, qdo fui no ano passado não estavam aceitando pagamento em dólares. Numa vez anterior em q fui, dava pra pagar tudo em dólar igual na Argentina. Acabou a mamata!
  11. Mau-santos

    [[Template core/front/global/prefix is throwing an error. This theme may be out of date. Run the support tool in the AdminCP to restore the default theme.]] Deserto de Atacama

    No Tatio tem uma lagoa de água quente represada q quase q só entra gringo.....qdo fui estava 7 graus negativos e não havia NEM UM brasuca dentro da água.... O mais engraçado é q a gringaiada se troca na buena, sem pudores, e os brasucas ficam do lado de fora, olhando com cara de bobos! hehehehehehehehe. Aí a água é bem quente e tirando o ENTRAR e o SAIR, deve ser bem gostoso. Na Laguna Cejas, q é a lagoa salgada onde a gente boia, se ao invés de ficar deitado vc ficar boiando em pé, vc não afunda nem até o pescoço. Da altura do estômago pra cima a água é fria pacas, mas do estômago pra baixo a água é super quentinha e agradável. Se minha mulher, a maior friorenta que eu conheço, aguentou entrar, então qquer um entra e curte. Vale MUITO a pena. A quem não entrou, asseguro q perdeu um ótimo divertimento. Nesse passeio da Laguna Cejas, logo depois dessa lagoa salgada os passeios vão até os OJOS DEL SALAR, um par de buracos bem redondinhos de uns 30 metros de diâmetro no meio do nada, com água doce e gelada, e vc pode saltar das bordas. Estive lá em abril e consegui entrar, mas no inverno tem de ser gringo ou muito macho pra entrar! rs Logo em seguida o passeio termina na Laguna Tebenquiche, um salar q mais parece um rinque de patinação, ao contrário do restante do Salar do Atacama, q é todo cheio de altos e baixos. São passeios q a meu ver vale a pena!
  12. Já fui bastante pra GYN. Cidade muuuito legal! Lá há muitas opções de barzinhos, alguns tradicionais, como o Piquiras e o Cerrado (não tão antigo) e outros mais recentes. Mas apesar da fama q tem com o pessoal do eixo RJ/SP, é uma cidade grande e urbana, e o pessoal NÃO anda a cavalo pelas ruas, muito pelo contrário. Conheci inúmeros goianos e goianas q jamais andaram a cavalo, por exemplo. Próximo à cidade (próximo pros padrões dos goianos, acostumados a distâncias maiores, visto que o Estado é grande) conheci, entre outras, Goiás velha e Pirenópolis. São cidades lindas! Goiãs tem uma área histórica maior e absurdamente impressionante. Qdo vc acha q não tem mais de onde babar, aparece uma novidade. Mas acho q estrutura de restaurantes e bares não muito boa. Mesmo nas vezes em q lá estive por ocasião do FICA, Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental, com a cidade lotada chegava uma hora em q ñão era muito fácil encontrar onde comer. Pirenópolis tem uma parte histórica aparentemente bem menor que Goiás velha, mas tem uma estrutura e bares e restaurantes maior, em minha opinião. As opções de laser estão mais evidentes do que em Goiás velha, com inúmeras cachoeiras e trilhas , e toda essa diferenciação talvez se deva à grande presença de turistas de Brasília q aumentam consideravelmente o dinheiro circulante na cidade. Ambas ficam relativamente próximas a Goiânia, assim como Caldas, ponto tradicionalíssimo de turismo dos goianienses.
  13. São Domingos não fica em Piranhas? Se tem São Domingos em Caiapônia, tem outra em Piranhas tbém! Ia muito pra lá uns anos atrás, ajudando uma tia q ficou viúva e tinha uma fazenda no município.
  14. Mau-santos

    [[Template core/front/global/prefix is throwing an error. This theme may be out of date. Run the support tool in the AdminCP to restore the default theme.]] Deserto de Atacama

    Qdo estive lá eu vi, daqui do Brasil, várias motos e UM carro particular, no caso um X-Terra com chapas de SP, pelos passeios (nao to falando da cidade). Alguns dá pra ir de boa. As indicações a meu ver não são das mais "definitivas", mas se vc seguir o fluxo, chega nos locais. Não espere uma "são paulo", onde há trânsito, se vc errar uma rua geralmente é necessária uma volta grande pra chegar onde se queria, mas onde tbém há placas indicativas para todo canto. Eu diria até q é arriscado, pq lembro q a volta da Laguna Tebenquiche, citando apenas um exemplo, é feita a noite por um trecho bastante longo e sem NENHUMA indicação do caminho. Pra piorar, no meio do caminho vc sabe q há 2 grandes buracos redondos (Ojos del Salar), fundos e cheios de água. O suposto caminho de volta passa bem no meio deles, distantes uns 25m um do outro....se vc errar, dançou.......... Além disso, como saber pra onde ir? O motorista me disse q eles se guiam por uma única árvora alta, distante váááááááários quilômetros da tal Laguna Tebenquiche, até chegar novamente na rodovia. Sei lá....achei algo vago e arriscado demais. A independência de estar no próprio veículo é irresistível, reconheço, mas nesse caso especificamente, penso ser bastante complicado. Se perder numa zona rural ou numa cidade grande é uma coisa. Se perder no deserto pode até ser fatal.
  15. OPA! Essa dica do esparadrapo eu não conhecia. Vou testar! Até então, para nao ter esse problema eu usava uma cueca de algodão (só uso de algodão) e por cima colocava uma daquelas "cuecas de perninha" pra proteger a parte interna das coxas. Por cima disso, a bermuda ou a calça. Na próxima testarei sua dica....valeu!!
×
×
  • Criar Novo...