Ir para conteúdo

Renan Campi

Colaboradores
  • Total de itens

    268
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra

Sobre Renan Campi

  • Data de Nascimento 10-10-1984
  1. O meu da Quechua, que infelizmente não está mais sendo vendido no Brasil (700 raid), está impresso Made in Italy. Na duvida, ficaria com o Quechua, pois Kailash, Big Wall, Nautica, ou o que for, provavelmente todos vem dos mesmos fabricantes Xing Ling.
  2. Um lugar bom para fazer lanche e que costuma ser bem recorrente no centro de São Paulo, é o Rei do Mate. Não terá nenhuma fartura de lanches, mas vale a pena tomar o Mate com Cacau e Leite. Não lembro se próximo à pinacoteca tem algum, mas deve ter nos arredores. Se não tiverem retirado, na estação de metro São Bento havia uma loja do Rei do Mate.
  3. Sandro, o link para a legenda ta aparecendo aqui como quebrado. Tem como você postar novamente???? Abração
  4. RDC, essa marca BIG WALL, é uma marca da centauro. É aquele esquema: eles compram os produtos de diversas empresas, e mandam gravar o nome Big Wall neles. Existem botas da nomade vendidas com essa marca, mochilas da curtlo, e etc. Se olhar bem no Bastão, talvez veja quem é o real fabricante, e ai sim, poderá avaliar melhor se é uma boa compra. Na duvida, pega um bastão na decathlon. Abraços!!
  5. Luciano, não desmerecendo o Tang, pois também gosto de levá-lo em trilhas, mas acredito que o que influenciou ai, foi mais a questão dos açucares ingeridos com o suco, do que as vitaminas. Ingerir açucares durante atividades intensas, dá um gás bem legal no organismo. Abraços!!!
  6. Raí, recomendo esses sites: snake-x-nomade-t27262.html e botas-quais-comprar-t27581-885.html#p567725 Um deles, por sinal, você já enviou a mesma mensagem que postou aqui. Tenha paciencia, que logo, alguém responderá. Ou então, leia o tópico todo, pois terá mais conhecimento e poderá escolher qual se enquadra melhor no que quer. Use o Tópico das Botas Nomades, para duvidas referentes às botas nomades apenas, e não para comparação. Abraços!!
  7. Raffa, também tenho esse problema com miojo. Ele preenche na hora que é comido, mas uma hora depois, parece que você não comeu nada. Gosto mais de levar arroz ou macarrão!!
  8. Boa dica, RED. Essas receitas são clássicas de quem tenta sair do miojo. Mas a do pão de queijo achei sensacional!!! Abraços!!
  9. Dunena, acampar no calor é punk mesmo!!! Dificilmente não vai sentir calor dentro da barraca. Mas, o fato do sobreteto ter ficado colado com a parte interna da barraca, provavelmente contribuiu para o aumento do calor. Basicamente é o mesmo principio do problema de condensação: Teto colado não ventila e condensa mais. Na proxima vez, caso haja a possibilidade, e dependendo de onde estiver acampado, tente deixar a porta da barraca aberta. Em janeiro sofri na ilha do mel por causa do calor, e fui obrigado a deixar a porta aberta. O pior era a chuva, que não permitiu deixar o sobreteto aberto também. Tenta descolar um ventilador de pilha, hehe!!! Abraços!!
  10. Roberto, tenta colocar no fundo da espiriteira, um pouco de lá de vidro. Mas cuidado que essa porcaria pode te fazer coçar todo!! Ela vai absorver o alcool, que durará mais tempo. Abraços!!
  11. George, não sou especialista no assunto, mas acredito que, o máximo que acontecerá, será as madeirinhas cozinharem um pouco. Mas o calor não seria suficiente pra torrá-las. Por isso tem que ficar atento ao lado correto do aluminio, pois, um dos lados, aceleraria uma "gratinação" das madeiras. Acho que, o aluminio do lado certo, demoraria algumas horas pra queimar. O que seria pouco provavel de acontecer, devido o tipo de uso destinado à este aparato. Nas vezes que usei, cheguei a ficar 40, 50 minutos, com sol, e aparentemente não afetou nada internamente. Abraços!
  12. Isa, essa barraca da Quechua é bem interessante e com estrutura bem parecida com a Super esquilo da T&R. Varetas em fibra de vidro, e a impermeabilização acho que é a mesma da SE. Eu não lembro se já vi deste modelo que citou, porém, a T3 ultralight eu já vi e é bem legal, com o diferencial de ter varetas em aluminio. Os produtos da Quechua costumam ser bons e bem próximos, as vezes melhores, dos que "são fabricados no Brasil". Caso decida por comprá-la, tente ligar na decathlon e negociar a venda por telefone. Já vi relatos de muitas pessoas que compraram produtos da Decathlon desta forma. Procure também modelos da Marca Nautika e Hummer, caso queira pagar pouco, e tenha menor qualidade, ou então alguma importada. Tudo depende do uso que dará a ela!! Abraços!
  13. Pessoal, vamos lá!!! Acho que o Rodrigo nem vai mais pro lugar, mas mesmo assim vou tentar organizar isso aqui para futuras referencias. Raulzito, o que o Rodrigo queria era ficar por lá alguns dias, ta falado numa mensagem lá em cima. Pois bem, em geral a grande diferença de preço nesses serviços está relacionada ao tempo da viagem. As voadeiras, que acredito serem essas de custo altíssimo que o Rodrigo citou, dizem chegar lá em menos de 1 hora, e cabem 5 pessoas. As escunas, chegam a demorar 3 horas. Essa informação foi retirada do site da associação de moradores de Marujá: A Dersa tem um serviço de lanchas, que vai para Ariri e passa por Marujá e Pontal. Custo: R$53,10 cada viagem Segundo o site http://www.cananeiatur.com/, os horários são: Horários do Barco IDA Dia----Cananéia----Marujá----Pontal----- Ariri Seg ----13h00-------15h30-----------------16h00 Qua ----8h00--------10h00-----------------11h00 Quin ---8h00--------10h00-----12h00-----13h00 Horários do Barco VOLTA Dia------Ariri------Pontal------Marujá------Cananéia Ter -----6h00------7h00--------8h00--------11h30 Qua ----13h00------------------13h30-------16h30 Sext ----8h00-------------------8h30--------11h00 Não liguei para a Dersa para confirmar esses horários, e o site também não estipula nada. Mas, para quem interessar, vale dar uma ligada. Para passeios de barco na ilha, visitação de golfinhos e coisas deste tipo, em geral as empresas e os proprios barqueiros combram um valor bem salgado. Muitas vezes, contando com serviço de guia. Com certeza, não fica por menos de 100 reais cada um. Claro que tem as exceções, com preços mais baixos e os passeios não oficiais, sem segurança, sem guia, com um barco em estado de manutenção duvidoso, enfim, são diversas opções de "aventura". Abraços!
  14. Fala Rodrigo, tudo beleza?? Então, as barcas da ilha do mel são bem organizadas. Não sei ao certo qual o nome da empresa, mas certeza que não era a DERSA, senão, vc pagaria um rim para poder atravessar (vide pedágios de rodovias administradas pela dita cuja em São Paulo). Mas, quanto a ser bem organizadinho, acho que lá naqueles lados, não tem nada. Inclusive a Ilha do Mel, que é uma bagunça só. Não recomendo!! Quanto a Cananeia, no inicio do ano, o SPTV fez uma série de reportagens falando sobre o litoral de São Paulo, e Cananéia, é claro, foi o primeiro tópico. Lembro deles falando sobre as barcas para ilha do cardoso serem administradas por um tipo de cooperativa de habitantes da região que são barqueiros e pescadores, inclusive, citando os problemas tipicos deste tipo de transporte, como falta de manutenção dos barcos, numero indevido de coletes Salva-vidas, etc. Eu tenho aqui um guia de trilhas de bike que tem uma cicloviagem fazendo o trajeto desde o Paraná, passando pela Ilha do Cardoso, encerrando o percurso em Iguape. Vou dar uma conferida nele mais tarde, e vejo se tem algo válido e útil para vc, caso ainda queira. Kiki O que disse, foi apenas para esclarecer a informação que você passou, dizendo ser obrigatória a ida e volta do viajante no mesmo dia. Sem ressentimentos!!! Abraços!!
×
×
  • Criar Novo...