Ir para conteúdo

Hendrik

Membros de Honra
  • Total de itens

    439
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Hendrik postou

  1. E lembrar que aclimatar não é passar o dia parado. Caminhar, mesmo que por poucas horas, devagar, sem pressa, mochila mais leve, é garantir mais ainda aclimatizar. A trilha Lukla-Namche é UMA trilha. A província nepalesa habitada pelos sherpas onde essa trilha se encontra na verdade é formada por VÁRIAS trilhas. A região toda é uma rede de trilhas que levam de vilarejo prá vilarejo. Enquanto aclimatisando em Namche, vale a pena caminhar em volta. Se quiser, pode até tentar um 4000 metros indo prá vila de Thami, dormir lá e descer no dia seguinte prá dormir em Namche de novo. O mosteiro budista que eles tem encravado numa encosta é massa!
  2. "Você que esteve no EBC, mora na Europa, saindo da Paraiba, me diz o que é mesmo o "Down Jacket"." Só tenho conhecimento teórico, cara. Nunca usei uma down jacket. Especificamente, trata-se de um casaco de um tipo de pena (down: http://en.wikipedia.org/wiki/Down_feather ). Se você tem condiçõe de comprar um casaco desses, pode crer que frio não vai passar. As alternativas são os sintéticos, mais baratos, mais frios. Tem sintético de marca também. Mas uma terceira camada pode ser outro tipo de casaco também. Eu, por exemplo, usei um quebra-vento Nort-Fake que comprei em Namche. Adorei, porque suava menos. "Me parece que é essencial na parte mais alta, ou nos momentos de parada, quando o corpo esfria." Depende. Exposto ao vento, esfria, mas o sol é forte, meu amigo! protetor solar fator alto, viu? um belo dia olhei pros braços e tava cheio de bolhas enormes! Esses casacos mais pesados a gente usou mais quando terminava alguma montanha, como o Chokung, Kokyo ou Kala Pattar (Kalla Patar?). Por conta do vendo, a sensação térmica era bem baixa mesmo, hehehehehe. "Tenho olhado muitos sites de forum. Fico sempre na dúvida sobre qual roupa levar." 3 camadas, sempre 3 camada. Dependendo da situação do momento, cê vai adicionando ou tirando camadas. Basicamente: Camada 1, base. Camada 2, central. Camada 3, isolante. 1) Material transpirável e térmico. Função de manter calor e exepelir o suor prás camadas superiores. Viajamos com uma camada-base mínima e me arrependi amargamente. Nessas paradas de topo de montanha, o suor gelava. A camada básica boa é como uma segunda pele, sem atrapalhar o movimento. Podem ser de materiais diferentes e para situações diferentes. A tal camada básica que me referi se limitava a UMA camisa de manga de um preço módico, nada sensacional. Mas foi ótima. Tem camada básica para tudo: pés, pernas, tronco e mãos. Eu daria atenção especial aos pés e às mãos. Não por causa de frostbite, que achei difícil de ter na temporada alta e se não estiver perdido no meio da noite, mas porque tem horas que o vento pode castiga-los mesmo e se cê tiver umas boas camadas, vai ser melhor. O pé é seu transporte por dias e dias. 2) Camada média. Essa eu achei a mais simples de todas. Eu concluí que apesar de extras coisas, como se casaco down é média ou não. Prá mim, camada média = fleece. Isso eu acho que é algo que você não deveria poupar. Um bom fleece achei mais importante que um bom casaco down. Esse material é mágico mesmo. Se comprar daqueles grossões de marca, acho que cê frio não vai passar. Mas fleece não pára vento. Fleece cria um micro-clima e deixar passar o suor, mas deixa passar vento também, que meio que diminuí MUITO seu uso sem um quebra-vento ou casaco. Nesse caso seria o down ou similares. Pessoalmente, esse "cobre-fleece" a gente usava como terceira camada. Mas tinham hora que eram dois fleeces (eram meio finos). 3) Essa é a "isolante": Não passar vento, não passar neve, não passar água, não passar gelo... Nesse caso depende de sua viagem. No Nepal um quebra-vento me era terceira camada satisfatória. Meu irmão usava um casaco gorotex, outra falsificação comprada em Kathmandu. Foi suficiente, mas não deixava passar o suor. Eu tinha uma igual, que troquei no meio do trek pelo quebra-vento de Namche, menos quente, mais ventilado (eu tinha um calor da porra durante o dia. Dava 10 passos e tava suando). "E não consigo "traduzir" nas lojas brasileiras o que seria "Down Jacket". Não me parece ser "insulada". Enfim, também fico na dúvida se levo algo mais impermeável e ao mesmo tempo "respirável". Goretex ou melhor (qual?). Onde comprar? Brasil ou KTM?" Olha eu não conheço o mercado brasileiro, mas sei que tem aí uma companhia nacional, a Manaslu, que é especializada em material de montanha e seus produtos são de qualidade comparáveis aos europeus. Não sei se eles terão tudo, mas se bem me lembro eles tinham uns casacos massa e que COM certeza serão melhores que as imitações de Kathmandu. Não que não se ache coisa boa lá, mas então vai ser preço dos EUA. Minha dica é que se quer algo, tipo um fogareiro da MSR por um preço "módico", compre em Kathmandu. Lembro que quando fui, o modelo XGK, o original com mais de 20 anos de uso com desempenho considerado ótimo, tava por 100 doletas. Morri de pena de não ter comprado. Então se não achar coisa por aí, pode deixar prá Kathmandu sim. Só sugiro levar do Brasil suas botas, bastões e mochila amigos de fé, irmãos camaradas, como diria o Rei. Se EU fosse fazer o trek de novo, levaria umas boas camadas básicas (bem quentes) - 3 para os pés, 1 para a perna, 3 para o tronco e 1 para as mãos. Camada média, uns dois fleeces prá camada média, uma mais fino prás altitudes mais baixas e outro grossão prá meter nas superiores. Prós pés é mais fácil, já que as meias são fáceis de identificar pela espessura e pelo uso a que se determinam. Nas mãos uma luva de dedos. Eu levaria uma impermeável. Isolante: um quebra-vento e uma boa jaqueta, sintética ou de pena. Prá cabeça, um bom gorro. Mesmo que de material vagabundo, adorei os vendidos nas ruas de Kathmandu, estilo Inca. De pêlo de yak, eram bem quentinhos. Um cachecol de fleece seria bom também. Idem: em Kathmandu se vende. Assim como pode lá comprar umas imitações de mitones. Nada espetacular, mas se ajudarem a manter o vento fora, já esquentam prá caramba! "O carinha "Espaceman347" no http://trekinfo.com/forums/showthread.php?t=3066&page=4 refez todo o seu material, o que levaria ou não, eliminado muita coisa. Foi em Dezembro (bem mais frio do que quando vc foi), pelo visto é muito calorento, talvez um australiano que ia suar muito no Brasil..." Não, eu acho que não. A gente levou MUITA coisa desnecessário em nosso trek. Por exemplo: barraca e fogareiro. Inúteis. A primeira coisa que fiz depois de voltar foi arranjar outra mochila, de 60l. A do Nepal era de 90 e enchi ela até o bico! Vi uma turma de israelenses fazendo o trek com mochila escolar! Tá certo, podiam estar vindo direto de Kathmandu de avião e iam fica só os 14 dias padrões (Lukla-Kala Pattar-Lukla). Bom, não sei se ajudei ou compliquei. Mantenha simples e não se preocupe muito. Bota e mochila são as duas coisas que cê precisa ter 100% certeza que não vão lhe deixar na mão. O resto pode ser improvisado/arranjado. Claro, quanto menor seu orçamento, menos conforto.
  3. Hendrik

    Barracas Importadas

    MSR é conceituada... bem conceituada.
  4. É possível conhecer a Chapada usando transporte público sim, mas precisa de mais tempo, claro. Entre Lençóis e Palmeiras era bastante regular. Agora, claro que se tem pouco tempo, quer conhecer quase tudo, tem grana e quer conforto, carro é a solução.
  5. Hendrik

    Barracas Importadas

    Mas, haole, essim você fica com uma solo pesada que não vai usar e compra um solo/duo "leve" de qualidade duvidosa, embora provavelmente adequada pros morros brasileiros. No site da Hilleberg para as Américas ( http://estore.websitepros.com/1764795/Categories.bok?category=Tents ): 1) Akto: - $385 - 2,70m de comprimento interno por 60cm de largura - 1,5kg de peso total - 90cm de altura (dá prá sentar, né?) - Vestíbulo - Varetas aluminium de 9mm - 10 anos no mercado, amplamente testada e usada até em condições para as quais não foi planejada. 2) Soulo: - $525 - Geodésica - 2,1kg - 2,10m de comprimento interno por 105cm de largura - Vestíbulo - Varetas 9mm
  6. Hendrik

    Barracas Importadas

    Por que não vende sua Manaslu, bota mais um dinheirinho, perdão, dinheirão, e compra logo uma "top", tipo Warmlite, Lightwave, Hilleberg, Fjalraven, Hoglöfs...?
  7. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, e sua Manaslu não dá conta das montanhas nacionais?
  8. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, se fosse eu, compraria algo de alguma qualidade direcionado à necessidade mais próxima. Mas também tem o caso de que possa comprar algo não para a necessidade próxima, mas para uma futura, nem que seja pela simples razão de que seja AGORA que tenha grana, então se vou investir em algo, que seja do "mais" importante e a praia pode ser encarada com uma de supermercado mesmo. Tenho agora uma de média montanha, que foi testada acima dos 3000m e com certa exposição aos ventos. Gotaria de ter outra, prá mato mesmo, direcionada à pé d´água, galho, calor, essas coisas. Se o mato for numa região fria, creio que a minha atual dê conta. Com sua cor azul celeste e boa ventilação, talvez até seja adequada ao Brasil, mas não queria jogar barraca de quase 500 Euros assim. Essa do mato então pode bem ser uma nacional. E outra barraca prá praia, descartável, de supermercado. Nem gosto de acampar em praia, mesmo...
  9. Hendrik

    Barracas Importadas

    Bom, haole, então entra o dilema: - Geodésica leve e forte, que são caras Ou - Geodésicas fortes e pesadas, que são mais baratas Mas eu acho que essas da Marmot ou Eureka! são de qualidade inferior à Manaslu...
  10. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, o ser túnel ou geodésica não sei se é tão importante pro clima aí. É verdade, eu não tenho expericência e o vento da Chapada quase esmagava minha supermercado estrangeira no chão. Sob um chuva fina, vento forte e areia finininha, finhinha.... parecia farinha... grudava que era uma beleza... ainda mais em quem tava suado, molhado e com baba de capim sei-lá-do-quê no corpo todo e nas roupas... Enfim, a gente amarrou ela toda, em tudo que era âncora e naylon e pedra e pau e pino. Mas a bicha senti que sofre nas bases. Então o ser geodésica pode não ser tudo. Talvez se fosse uma túnel, a regulagem fosse muito demorada e... penosa. A não ser, claro, que se envista numa geodésica estrangeira de marca ou uma geodésica nacional de marca, as da Manaslu - o ogum tem uma e parecia estar bem satisfeito - só que algo mais pesadas que as estrangeiras. O ideal seria desistir Da Barraca e se acostumar com As Barracas, indo atrás de cada de acordo com o surgimento da necessidade. Ou da vontade, como no minimalismo do ogum, que me parece bem prático prá andar em mato, o que sinceramente não me atrai muito. Pro Brasil, vou decidir se vou de nacional recomendada ou, se a grana tiver curta, de européia de supermercado ou Decathlon, que duram mais que eu desejo e eu acabo gastando o dinheiro da barraca ideal pro momento...
  11. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, não é o que está pensando. É que eu achei ter lido que cê tava atrás de algo que suportasse bem as chuvas do Brasil e prá praia. Aí uns posts depois, cê tá atrás de barraca com "saias". Essa característica acho que é prá acampamento de alta montanha, acima da linha de neve, onde o pessoal quer evitar da neve acumular por baixo contra a parede externa, piorando a inevitavel condensação. No Brasil, inclusive, pode ser que piore a ventilação.
  12. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole e ogum, cês tão começando a falar dos cadillacs das barracas, hehehehe. Warmlite, Lightwave... Só faltou a Hilleberg. Eu tava pesquisando essas e ainda sonho em ter minha solo geodésica da Hilleberg, pau prá toda obra. Menos praia. Uns 700 Euros, acho... algo nessa faixa, mais centena, menos centena. Vento forte, Haole, eu acho que a melhor solução é ancorar ela bem. Realmente, faz uma grande diferença... Agora, se a barraca for meio mixuruca, é capaz das costuras cederem, não? Até nas de super-marca acontece, vez ou outra.
  13. Hendrik

    Barracas Importadas

    Acho que me perdi. Cê tá indo prá onde mesmo?
  14. Hendrik

    Barracas Importadas

    Sério??? Coleman aqui não tá com essa bola toda. Pelo menos não em seus modelos mais baratos.
  15. Hendrik

    Barracas Importadas

    Tem a marca Coleman... eles fazem baracas também.
  16. Hendrik

    Barracas Importadas

    E olha que Eureka! não é nenhuma "grande marca"... Mas tipo túnel é mais leve mesmo. Ei ogum, tá virando minimalista é?
  17. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, já pensou numa tipo túnel? Em geral são mais compridas... Olha essa: http://www.eurekaeurope.com/en/tents.php?group=2&product=5 1,6kg 2,71x0,86m Eu amigo meu tinha uma boa barraca, não lembro a marca, mas ele tinha de dormir atravessado nela...
  18. Hendrik

    Barracas Importadas

    Ah... e não tem no site da Decathlon? No site da UK tem para uma T4 Superlight pro. Não sei se é essa: http://www.decathlon.co.uk/EN/t4-ultralight-pro-3244992/ 3,9kg Duas entradas 450L/h/m2 (água) Varetas aliminium 8,5mm O site francês tem mais opções: http://www.decathlon.fr/FR/tentes-camp-de-base-3093179/ Agora são mais de T4.1, T4+ e T4XL. A grande moda da Quechua agora são as auto-montáveis.
  19. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, a Quechua não é de supermercado, mas é de loja de departamento (a Decathlon). A boa notícia é que é uma loja de departamentos de... esporte. Mas não deixa de ser algo menos especializado. quando comprei minha Quechua vagabunda de 25 Euros 5 anos atrás, era isso mesmo: vagabunda. Mas aguentou legal o que joguei nela e ainda está viva, depois de reparos básicos de varetas. Nenhum rasgão. Que tipo de vareta tem essa T4? ventila bem? que cor? Quechua gosta de fazer suas barracas em vermelho, por alguma razão misteriosa, e eu acho vermelho quente prá burro..., como é o chão dela? A boa notícia é que Quechua tem melhorada prá caramba nos últimos anos, já vendendo material de maior qualidade.
  20. Hendrik

    Barracas Importadas

    DaniB0y, não sei quanto aos outros, mas "profissional é que não sou. Mas já levei umas porradas de barraca. Assim que se aprende... EV2 prá praia é jogar dinheiro fora e pedir por desconforto. E imprático. A EV2 é uma barraca de expedição, de galera que vai pros polos, prá glaciares, prá locais frios e de condições extremas. Com certeza ela vai te proteger de qualquer chuva ou vento de praia ou da Chapada Diamantina, mas também vai ser QUENTE prá cachorro, vai ser MUITO mais complexa prá armar e vai atrair todos os insetos num raio de 200km com esse amarelão dela. Na praia, você estaria deixando corroer uma pequena fortuna que ela custa, pois areia, água, sal e vento de praia não perdoa barraca alguma. A Tadpole23 da TNF é legal para solo, mas na praia seria, de novo, dinheiro jogado fora, embora na Chapada você poderia dormir tranquilo. Maaas... bom... nunca use Tadpole23 e era uma das barracas que namorava quando estava atrás de algo "de qualidade". Até que entrei nela. Achei muito apertada. E pesada prá categoria solo. Se seu lance é praia e os platôs brasileiros, eu acho que estaria bem servido com as nacionais. Prá praia, pegaria uma de supermercado ou veria se as nacionais tem algum modelo específico. Praia gasta mais a barraca, mesmo que logo depois você a lave (sabão neutro e nada de escovas!). Infelizmente não existe a barraca perfeita, que topa tudo em todo canto. Cada barraca terá seu campo de atuaçõ, que com os devidos cuidados podemos ampliar. O negócio é pesquisar e ver. Como vai prá Chapada, a barraca tem de aguentar toró, que podem cair lá sem aviso, e vento relativamente forte. Assim, veja se a barraca é bem selada, possui uma coluna d´água razoável, tem varetas fortes, sobreteto e pontos de ancoragem. Varanda e refletores são exras bem-vindos, pelo menos prá mim. A "banheira" pode ser importante também. Banheira é aquela parte do chão que sobe um pouco pelas paredes internas, do mesmo material do chão, logo com coluna d´água maior. Você pode vê-la nessa foto da MH que postou. O Haole já deu uma idéia do que sejam as "estações" que as barracas gringas sempre dizem ter. Tipo "Expedição" são as mais fortes, e pesadas. Prá aguentar o juízo final... em condições MUITO frias e extremas. Em geral feitas para aguentarem muitos dias ou semanas nessas condições. Mas há algumas para ataques. Tipo "4 Estações" são versões mais leves da "Expedição", logo mais fracas também. Em geral para alta altitude, treks em montanhas... Tipo "3 Estações" são pra altitude também, mas para condições mais suaves. Nada extremo. Tipo "2 Estações", para climas quentes, verão e chuva. Creio que as nacionais sejam quase todas tipo "2 Estações". Tipo "Superleves", em geral topam tudo, mas só possuem o básico do básico. Como disse o Haole, você tem de ver prá que quer a barraca e quais sua axigências. Pesquisar e mais pesquisar. Eu usei bastante sites estrangeiros com fórum, onde podia ler o pessoal discutindo essa ou aquela barraca. Por exemplo: http://www.outdoorsmagic.com/ Mas considere as nacionais. Como você mesmo disse, gostou do desempenho de uma delas.
  21. Hendrik

    Barracas Importadas

    Ogum, já tinha colocado. Tá umas páginas mais atrás. http://www.fjallraven.com/Products/product.asp?ItemId=16287&SectionName=yes&Menu=menu8&SectionId=3042 O sobre-teto tem 4.000mm e o piso... 10.000mm! 5 pontos de ancoragem... Ah, sim! outra coisa que achei fantástico nela foi o saco, que é em foma de V, facilitando MUITO, MUITO, MUITO, o penoso e humilhante processo de "socar" a barraca dentro dele. No post que disse estar mais atrás tem uns links com fotos dela. Se não, tá no meu álbum: http://picasaweb.google.com/HendrikvanDingenen/Alpes2008 Tem duas fotos dela empacotada que talvez dê prá ter idéia do volume. Numa está o lado de um daqueles frasquinhos de vidro de desodorante líquido. No outro, ao lado do saco-de-dormir, mas o saco é mais volumoso (-30). Modelo Keino R/S 2. Mas ainda assim, um dia terei minha Hilleberg Soulo ou Akto, barracas solo.
  22. Hendrik

    Barracas Importadas

    Pois é, tinha muitas barracas na lista, mas infelizmente a maioria não tinha para vistoria, apenas para compra via Net. Eu não sou bom comprador, mas se ia gastar 600 ou 700 Euros numa barraca, achei que pelo menos tinha de vê-la ANTES de comprar, mesmo tendo certeza que as marcas que estava namorando eram de qualidade. Mas queria entrar, ver como era por dentro, se me sentia bem no interior, comprovar o espaço, ver uma demostração de como se arma, essas coisas. Optei então por uma Fjäll Rävel, sueca (acho). Custou quase 500 Euros e é prá duas pessoas. 2,6kg Varetas de aluminium Sistema de cores para as mangas, prá não ficar procurando que vareta vai em que manga Free-standing Azul celeste! adorei. MUITO tranquila de se estar nela. Terraço grande o suficiente prá mochila, botas e cozinhar Ótimo sistema de tensão e ancoragem generosa Compacta Ela aguentou bem os Alpes. Vamos ver o Aconcágua. É 3 estações. Boa ventilação. A armação é beeeem diferente das supermercado que eu estava acostumado a usar. Mas é isso aí: costume.
  23. Hendrik

    Barracas Importadas

    Provavelmente. Nesse caso a referida Doite deve aguentar as chuvas do Brasil tão bem quanto as nacionais. Mas eu daria preferência às nacionais, por talvez serem mais adequadas ao clima nacional em geral, como o calor.
  24. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, eu estou sempre vindo aqui, mas como são poucos os tópicos que acompanho, não participo. Sua questão era que barracas estrangeiras não suportam tanta chuva quanto as nacionais. Por experiência própria, observei o contrário. A referida Doite diz no site ter 5000mm no chão, mas não achei nada sobre as cobertas. Isso é outro ponto que considero deva ser importante: as cobertas. Nos meus acampamentos, notei que as nacionais eram quase todas de teto único, enquanto as estrangeiras são em sua maioria de teto duplo. Teto duplo é quente prá caramba, mas eu acho que protege mais da chuva. Agora, claro, uma coisa é comparar uma estrangeira de supermercado com uma nacional de marca. A referida Doite me parece estar num nível bom, visto o preço. Eu apena me pergunto se ela seria adequada para o Brasil, visto a descrição informar ser de montanha. E é amarela. Amarelo atrai inseto, raros em montanha mas abundantes no Brasil. Certa vez, numa expo de barracas que teve aqui no verão, vi as amarelinhas da NorthFace coberta de insetos... Agoooora, se pegar um estrangeira de marca e comparar com uma nacional de marca, creio que a estrangeira ganha, tirando a Manaslu, que me parece serem de ótima qualidade, embora pesadas. Sobre o pessoal ter tito problema porque armou mal a barraca, bom... então um MONTE de gente armou mal. Eu COM CERTEZA estava em barraca mal armada e mal posicionada. Mas tive menos problemas.
  25. Hendrik

    Barracas Importadas

    Haole, eu discordo, por experiência própria. Todas as vezes que acampei no Brasil e peguei chuva (algumas bem fortes), foram com barracas estrangeiras. E sempre com modelos ou marcas pebas. Na Chapada Diamantina a minha Quechua de uma pessoa, vareta quebrada - o que fez parte do sobreteto encostar no teto, sem varanda e piso de lona vagabunda, aguentou um toró que inundou a maioria das outras barracas. É verdade que o piso deixou passar um pouco, mas foi culpa minha, que armei a barraca em cima de onde passava água. Em Bonito, Pernambuco, estava com uma ilustre desconhecida da Suíça, marca e modelo de uma loja departamento - cosmética, casa, cama, mesa, banho - que pegou outro toró a noite toda. Permaneceu seca a noite toda. Inclusive, foi a única do acampamento, sendo o resto, todas nacionais. Mas essa mesma barraca, na Chapada, teve sérias dificuldades de aguentar o vento do Morrão, sendo necessário ancorá-la. Não conheço a marca Doite, que é chilena, né? Mas me parece feita para ambientes mais frios e altos. Se for assim, ela: - Deve aguentar um bom vento - Deve ser quente - Pela cor, vai atrair inseto - Aguenta o suficiente de chuva Repare que alguns sites a colocam como 4 estações. Ou seja, mais quente ainda.
×
×
  • Criar Novo...