Ir para conteúdo

patriciayoneda

Membros
  • Total de itens

    9
  • Registro em

  • Última visita

Sobre patriciayoneda

  • Data de Nascimento 26-06-1974

Conquistas de patriciayoneda

Novo Membro

Novo Membro (1/14)

0

Reputação

  1. Amei seu relato! Vou para Austrália e Nova Zelândia em maio e adorei as dicas, vou repetir muitas coisas. Estou em dúvida de como fazer o passeio pelo Uluru, vi um roteiro bem rústico em que o pessoal dorme no meio do deserto ao relento e vi um bem sofisticado, com hotel bacana e tudo, a diferença de valor é considerável. Pesquisei a agência que você mencionou AAT Kings, mas só consegui acessar os valores em libras (só a versão UK do site está funcionando), você se lembra quanto custou?
  2. Eu estou planejando ir para Australia em maio, e me interessei por esse tour, só que estou bem preocupada o quão rústico é. Pelo que entendi, não rola banho e nem banheiro, mesmo nesse calor dá para encarar? E dormir ao relento? Fico um pouco preocupada com bichos, insetos, etc (sou a caipira da cidade, sabe...). Parece ser bem mais rústico que todas as minhas outras experiências. Como foi para vc?
  3. Oi pessoal, Deixe-me aproveitar para dar umas dicas, afinal tentei fazer este trekking há dez dias, e ainda estou aqui em Kathmandu. Eu fechei um pacote com uma agencia local a http://www.highmountaintrek.com - para 12 dias de trekking por usd600, essa foi uma das agencias que um dos mochileiros recomendou aqui e que gostei bastante. A negociação foi bem clara e cumpriram com tudo que foi combinado, ficamos em bons lodges e não tivemos problemas com comida. Muito importante a preocupação com a altitude. Não adianta, para nós brasileiros, por mais que a gente faça todos os procedimentos, testes, etc... o risco de sofrer o mau da montanha é imprevisível. Eu já havia realizado trekkings no Peru e no Equador a mais de 4800m, mas cada lugar é diferente, cada dia seu corpo pode responder de uma forma diferente, enfim, fiz tudo certinho, seguindo todas as recomendações, mas infelizmente, no dia em que iria avançar até o Base Camp meu corpo não conseguia reagir a altitude, de um dia para o outro eu cheguei na terceira escala e tive que ser removida às pressas de onde estava, carregada nas costas do guia, pois eu não conseguia ficar em pé e mal conseguia me comunicar. Foi uma situação dramática, pois tivemos que descer mais de 500m até um posto médico (em distância horizontal, nem faço ideia de quanto andamos, só lembro que parecia não chegar nunca), chegando em Periche, os médicos recomendaram fortemente que eu fosse removida de helicoptero imediatamente a Katmandu pois eu já estava com sintomas de edema cerebral (por isso a falta de coordenação geral). Por sorte, meu marido também estava comigo e providenciou tudo junto com o guia, e fui levada de volta para Kathmandu as pressas, onde fiquei internada por 2 dias até que minha coordenação motora voltasse ao normal, assim como a fala e também todos os indicadores vitais voltassem ao normal. Não quero que entrem em panico e desistam de vir, pelo contrario, eu ainda vou voltar para completar essa missão, pois os médicos disseram que não há nenhuma objeção e que talvez na próxima tentativa não haja problema algum. Só peço para que fiquem bem alertas para qualquer sintoma estranho e avisem seus respectivos guias ou companheiros de trilha se sentirem qq coisa diferente, por mais boba que seja, e se puder, façam o seguro de viagem que cubra a remoção por helicoptero, pois eu não sabia que existia essa possibilidade e desembolsamos uma grana danada, pelo que vi depois, parece que é possível fazer por usd200. Por conta dessa reviravolta na viagem, acabei remarcando a passagem de volta para o Brasil varias vezes e agora estou na fila de espera dos proximos voos, pois as vagas de economica estão cheias, então estou de "castigo" em Katmandu até semana que vem, se alguem tiver alguma dica de passeio por aqui, agradeço, pois estou ficando entediada... rs...
  4. Não sei se esse é o post correto para colocar essa informação, mas como me perguntaram a partir dele, aí vão minhas dicas sobre as hospedagens em que ficamos ao longo da transiberiana: BEIJING Beijing City Central Youth Hotel Site/reserva: http://www.centralhostel.com Diária: 278 yuans (casal em quarto duplo - suite) Comentário: bem localizado, ao lado da principal estação de trem (de onde parte o trem da transiberiana), é possível ir/vir do aeroporto por uma linha de onibus. Dois dias antes do meu embarque, enviaram um e-mail confirmando a reserva e todo o roteiro para chegar do aeroporto até lá de onibus ou trem, e mais um mapinha das ruas ao redor. É um hostel limpo e organizado, o café da manhã, assim como em outros países asiático, é como uma refeição normal, com arroz, legumes, etc. (claro, tudo apimentado), além das frutas e pão. Também tem alguns computadores com internet gratis, mas cuidado ao sair do micro, não esqueça de apagar sua senha, pois eles deixam com a opção de salvar senhas ativa, só descobri isso no dia seguinte. ULAN BATOR UB Guest House Site/reserva: http://www.ubguest.com Diária: 16 dólares (casal em quarto duplo) Comentário: fazendo a reserva com antecedência, eles vão te buscar na estação de trem. Nós não haviamos feito reserva, encontramos eles esperando outros hóspedes e perguntamos se ainda tinha vaga e eles prontamente se ofereceram para nos levar até lá para conhecer sem compromisso. Confesso que a aparencia externa e os arredores não nos animaram muito, mas vimos que ele estava listado no Lonely Planet e tinham muitos gringos lá, ou seja, tinha uma chance de ser bom. Tem qualidade e limpeza padrão hostel, mas o atendimento é excelente, sem falar no dono que é muito simpático e te dá muitas dicas para vc não ser feito de turista otário tanto nas lojas quanto nos passeios, etc. O nome dele é Kim, e por coincidencia, pegou o mesmo trem para a Russia quando saimos de lá, e pudemos ouvir muitas outras historias e causos. Eles também vendem uns pacotes de passeios, foi com eles que compramos o passeio a Terelj, onde pudemos dormir em um ger - esse passeio com as refeições, traslados e passeio a cavalo inclusos, custou USD40 por pessoa, achei razoável, embora tenha ouvido que alguns conseguem fazer isso por menos de USD20, preferimos não arriscar. IRKUTSK Irkutsk Downtown Hostel Site/reserva: http://www.hostel.irkutsk.ru Diária: 1200 rublos (casal em quarto coletivo) Comentário: eles também buscam vc na estação de trem. Fomos para esse, por recomendação do Kim (UB Guesthouse), ele também fica em um prédio feio, mas percebemos que isso é comum a Russia e Mongolia, todos esses prédios são bem antigos e parecem verdadeiros bunkers, com portas pesadas, sem identificação. Do lado de dentro, é bem diferente, parece ser uma casa, com pé direito alto, janelões estilosos, quarto amplo com beliches bem espaçados. Local limpo, organizado e bom atendimento. Ao usar a copa, parece que vc esta usando a copa da sua casa, abre a geladeira, pega manteiga, nutella, leite, serve-se, depois guarda de volta o que sobrou, bem legal essa atmosfera, pode usar o fogão e os utensilios domesticos a vontade, e se sobrar ingredientes que vc não quiser levar, pode deixar na caixa de "intercambio", nós não chegamos a usar nada dessa caixa, mas deixamos nossas contribuições (uns biscoitos que não aguentavamos mais comer, entre outras coisas). Fica bem localizado, tem um ponto de bondinho bem em frente ao predio, de onde vc consegue se deslocar para vários pontos da cidade. Nosso trem só sairia a noite, e a dona deixou que ficassemos la até chegar a hora do embarque sem cobrar diária extra, pois teoricamente venceria às 12h, também nos deixou a vontade para usar o chuveiro, internet e cozinha até o fim da nossa estada. NOVOSIBIRSK Tsentralnaya Hotel Site/reserva: não há - reservamos através da agência que nos vendeu as passagens de trem, pois avisaram que era arriscado não encontrar vagas, principalmente, porque nosso trem chegaria bem tarde. Diária: 88 libras (quarto para casal, como a agência ficava em Londres, pagamos em libras) Comentário: como se trata de uma cidade grande, não há opções baratas e nem hostel, esse é um dos hoteis mais baratos da cidade, fica bem localizado, quarto bem grande e confortável, tem até uma sala de estar, mas só tem 1 funcionário que fala inglês mais ou menos, por turno. YEKATERINBURG Bolshoy Ural Hotel Site/reserva: fomos direto no balcão Diária: 3400 rublos (quarto para casal) Comentário: não acreditei quando disseram que não existia hostel nessa cidade, então tentamos encontrar na sorte, é claro, não encontramos, e procuramos pela opção mais barata disponivel, sim! acredite! esse preço absurdo era um dos menores que conseguimos encontrar disponível. Pelo preço e tamanho do hotel esperava um super quarto, mas foi uma tremenda decepção. O quarto é tão grande quanto o de Novosibirsk, mas como é um hotel muito antigo, estava com papel de parede descascando, mofo em alguns cantos, lençol furado, um horror, pior que muito hostel que a gente ja ficou. Era limpo, mas muito decadente. Sinceramente, deveriamos ter gastado um pouco mais e ficado em algum mais novo. Outro problema, só tinha uma funcionária que falava ingles, e ela estava de folga, então a atendente ligou no celular dela para que pudessemos entender o preço e se havia vagas, etc. MOSCOW Moscow Home Hostel Site/reserva: http://www.booking.com/hotel/ru/moscow-home-hostel.pt.html Diária: 102 dolares (casal em quarto duplo com wc compartilhado) Comentários: bem localizado, limpo, na área comum tem mais integração entre os hóspedes, bom atendimento. O preço parece alto para hostel, mas em Moscou esse valor para hospedagem é uma pechincha, acredite! O banheiro é bem apertado, você praticamente tem que pular a privada para conseguir entrar no box do chuveiro, mas era limpo. Por fora, também é estranho, pois é um predio quadradão, sem janelas e sem identificação na porta, ou melhor, tem um adesivo minusculo ao lado da campainha com o nome do hostel, mas dentro é ok, e fica próximo a um avenidão que dá acesso a duas estações de metro e fica entre Arbat e o Gorki Park (aquele da musica do Scorpions...). ST.PETERSBURG Arina R. Hotel Site/reserva: http://www.hotel-arina.ru Diária: 2900 rublos (casal em suite) Comentários: bem localizado, limpo, confortável, bom atendimento. Esse hotel era tão bom que me deu mais raiva ainda do hotel de Yekaterinburg...rs... esse foi o melhor banheiro que tivemos ao longo de toda viagem, pode parecer um comentário ridiculo, mas mesmo para mim que tenho apenas 1,50m de altura, alguns deles eram bem apertados. Uma curiosidade desse hotel, é que ele fica em um predio onde cada andar é um "hotel" diferente. E cada hotel, nada mais é que um conjunto de quartos com uma recepção. Esse nós reservamos com a ajuda de um amigo russo e nem chegamos a procurar hostel, pois era o último trecho da viagem e queriamos ter um pouco mais de conforto, como se fosse uma espécie de recompensa. Essas foram nossas hospedagens ao longo da transiberiana, isso não quer dizer que são as melhores, algumas a gente teve que arranjar no escuro, pois as informações são bem escassas e muitas vezes apenas em russo. De todas as citadas, só não recomendo a de Yekaterinburg, pelas razões já descritas. As demais, foram ok, lembrando que nosso foco era limpeza, preço e localização.
  5. Oi Dorly, vai depender muito de qual(is) cidade(s) vc pretende visitar e que tipo de coisas pretende fazer. O Japão é um país caro em linhas gerais, especialmente em Tokyo.
  6. Antes de viajar Seguem algumas dicas para seguir antes da viagem: Vistos Como as leis e regras costumam mudar a toda hora, as dicas que dou aqui são apenas um orientativo, por favor, não deixe de pesquisar as informações diretamente nos consulados pela internet e telefone (recomendo que verifique sempre por telefone também, pois em geral, as informações nos sites estão desatualizadas, principalmente com relação aos 3 países abaixo). Rússia Desde o dia 04/06/2010 não é mais necessário visto para entrar na Rússia, como a lei de Murphy impera, minha viagem terminou exatamente no dia 04/06/2010, ou seja, tive que correr atrás de toda a burocracia russa para obtenção de visto, dá um trampo danado, ainda bem que isso acabou para as viagens de turismo. Não deixe de consultar o consulado, pois apesar de não necessitar de visto, talvez ainda seja necessário fazer o registro de turista nas cidades que vc visitar e as regras costumam mudar a toda hora, então é importante ficar atento. Quando eu fui, funcionava assim, sempre que vc fosse ficar mais que 2 dias úteis em uma determinada cidade, era necessário registrar o seu visto, que podia ser feito no próprio hotel ou hostel onde vc se hospedar. O preço variava muito conforme a hospedagem, em hotéis, eles geralmente cobravam 2 rublos por dia de estada, já nos hostels chegavam a cobrar até 400 rublos, o que nos explicaram é que existe uma diferença nos tipos de estabelecimento (acho que fiscalmente são diferentes), e que geralmente os hostels precisam terceirizar o serviço de registro por isso sai tão mais caro. Dependendo do hotel eles nem cobram pelo registro, mas vc verá que só pelo preço da diária é até uma vergonha cobrar 2 rublos do hóspede. Se vc não efetuar esse registro e for parado por algum policial na rua, pode levar uma multa. Não sei se chega a ter alguma outra dor de cabeça além dessa, mas por via das dúvidas, registrei meu visto em todas as cidades por onde passei, pois vc verá que os policiais russos não são nada amigáveis e li/ouvi de várias pessoas que muitos policiais são corruptos e estão doidos para encontrar um turista atrapalhado e arrancar um dinheiro dele (inclusive os russos te alertam para tomar cuidado com os policiais, parece absurdo ouvir isso, mas convenhamos, isso também acontece aqui, infelizmente). Mongólia Não existe um consulado propriamente dito aqui no Brasil, mas tem uma agência de viagens na Rua 7 de abril em São Paulo, onde vc consegue providenciar o visto. É bem simples e rápido. Só precisa preencher uma ficha, levar foto e obviamente, pagar a taxa. Recomendo que vc vá de metrô, pq só tem estacionamento pago (e caro!). Não é necessário ir pessoalmente, vc pode enviar um portador, ou se vc estiver indo em grupo, uma única pessoa pode ir e levar todos os pedidos. China Em São Paulo, fica na Rua Estados Unidos, é bem tranquilo de solicitar, basta preencher a ficha, levar foto e pagar a taxa. Eu levei cópia das passagens, confirmação de reserva de hotel, etc. mas nem precisou. Manuais e guias É recomendável aprender pelo menos a identificar o alfabeto cirílico, nem que vc carregue uma folhinha com o alfabeto "traduzido", isso ajudará tanto na Rússia qto na Mongólia. Na China, esqueça! Vc não vai conseguir ler nada, o importante é decorar os ideogramas que significam: entrada, saída, proibido, homem, mulher... mas não estresse, geralmente essas palavras vem acompanhada de desenhos auto-explicativos, pelo menos nos locais de maior circulação de turistas. Tenha sempre em mente que o inglês não é o idioma universal. A menos que vc saiba falar o idioma local, esteja preparado para em algumas situações, voltar aos seus 2 anos de idade, quando em vez de falar o que vc queria, vc apontava e olhava atentamente para a outra pessoa esperando desesperadamente que ela entenda e atenda o seu pedido, muitas vezes não vai funcionar, mas tente ser o mais gentil possível, pois ao contrário, vão proferir algumas palavras que vc também não entenderá e te virarão as costas. Para tentar ajudar nessas horas, levei manuais de conversação das 3 línguas e decorei as palavrinhas mágicas: obrigado, por favor, com licença e saudações em todos os idiomas. Para não pesar na mala, comprei aqueles do Publifolha que são pequenos, leves e tem o essencial, além de ter um guia de pronúncia que ajuda bem. Também recomendo os seguintes guias: - Lonely Planet - Trans Siberian Route : ótimo para planejar suas paradas, onde ficar, onde comer e ter uma idéia de despesas (não confie nos valores, pois mesmo usando a última versão de 2009, alguns valores estavam totalmente desatualizados, principalmente na Rússia, onde alguns valores de entradas em museus chegaram a ser o dobro do valor do guia). - Handbook Trans Siberian Route: se o seu foco é a ferrovia, essa talvez seja a melhor opção, pois ele conta trecho a trecho o que vc pode ver pela janela do trem, infelizmente, eu não comprei esse, só conheci em um hostel na Rússia, aproveitei e copiei as informações que eu não tinha no outro guia, e me decepcionei ao descobrir que um dos hóspedes furtou esse guia no último dia em que estive no hostel. - Lonely Planet - Rússia: muito bom para planejar suas estadas, caso vc pretenda descer do trem e conhecer algumas cidades, principalmente Moscou e St.Petersburgo. Vcs verão que todos os guias acima são gigantescos, então recomendo que vc tire uma cópia dos mapas e das páginas que possam te interessar, para não carregar peso morto, no meu caso, como ganhei/comprei os guias em cima da hora de viajar, não tive tempo de fazer isso e carreguei o primeiro da lista, ao longo de toda viagem, mas valeu a pena ter as informações na mochila, pois eu não reservei nenhuma hospedagem aqui do Brasil. Se eu tivesse tido tempo, iria scanear as páginas ou baixar do site para meu netbook, que aliás me ajudou muito durante toda a viagem. Além dos guias e deste site, também recomendo este: http://www.seat61.com/ Neste site vc encontrará informações valiosas a respeito de cada trem e dicas, isso é fundamental, pois o nível de serviço e preço muda muito de trem para trem, então é bom se informar antes para não ter nenhuma surpresa. Itinerário Para ter certeza que conseguiria pegar todos os trens nos trechos e períodos planejados, preferi comprar as passagens com antecedência através de uma agência especializada em Londres. Evite as agências brasileiras, pois são ainda mais caras. O site deles é bom, pois mesmo que vc não queira comprar a passagem por intermédio deles, vc pode usar o planejador online para verificar disponibilidade de assentos, preços e horários, veja em: http://www.realrussia.co.uk/ Com certeza é mais barato comprar direto nos guichês, vai depender da flexibilidade que vc tem para viajar ou se vc tiver algum amigo morando na Rússia, ele pode comprar para vc, eu paguei entre 10 e 20% a mais por cada trecho (pelo menos é o que eu vi nos bilhetes), mas como eu tinha um itinerário e tempo pré-definidos, preferi não arriscar. Sobre o itinerário, o meu foi assim: - 3 dias em Beijing (se tivesse mais tempo, teria ido além de Beijing) - 3 dias em Ulan Bator (foi suficiente para conhecer um pouco da capital e passar uma noite em um ger em Terelj - vale a pena, não deixe de vivenciar isso). - 2 dias em Irkutsk (um dia para a cidade e um dia para conhecer o vilarejo de Litsvyanka às margens do Lago Baikal - fantástico) - 1 dia em Novosibirsk (somente para uma parada técnica, pois é uma cidade grande, não tem muita coisa diferente para se ver, e para piorar, nevou). - 2 dias em Ekaterinburg (aqui vc começa a ver as construções com "cara" de Rússia e também conhecerá a verdadeira história da Anastasia) - 3 dias em Moscou (nem parece que pertence ao mesmo país que vc começou a visitar há 5 dias ou mais, se vc quiser ir além das atrações principais, reserve mais tempo, vale a pena) - 3 dias em St.Petersburgo (só no Hermitage vc gasta um dia inteiro, mais um dia para ir até Petergof, mais um dia para as atrações principais e epa! acabou? mas ainda falta tanta coisa para ver...) Se tiver tempo, vale a pena fazer algumas paradas para conhecer as cidades ao longo da ferrovia, pois além de ser interessante, dá um fôlego para mais 20~30h de viagem, essa era a média de tempo entre uma parada e outra, no itinerário acima - exceto entre Moscou e São Petersburgo, onde a viagem pode durar de 3 a 8h, dependendo do horário e trem que vc escolher.
  7. Bem galera, eu estava tentando organizar todas as fotos e infos da viagem para poder compartilhar de maneira mais organizada com vcs, mas pelo jeito, não vou conseguir fazer isso tão rápido quanto queria, então vou postar aos poucos, pq é melhor que deixar todos esperando, pois vi que tem muita gente a fim de realizar essa viagem incrível. Vou postar sempre nesse mesmo forum para que possam encontrar todas as informações no mesmo lugar, ok? Também deixarei as informações separadas por títulos para facilitar. E aí vão as primeiras dicas/infos dessa viagem: Um pouco sobre a minha viagem Viajei durante o mês de maio de 2010, saindo de Beijing em direção a Moscou, com extensão a St.Petersburgo. Esse era um sonho antigo, mas apesar de tantas pesquisas e planejamentos, acabou saindo um tanto improvisada, pois não sou uma mochileira profissional, a cada nova viagem descubro mais coisas que facilitariam minha vida, espero lembrar-me de contar todas para que a sua viagem seja mais tranquila. Como disse, apesar de ter feito essa viagem no bom esquema mochilão, prezo pelo conforto, então pelo menos no trem, preferi viajar de primeira classe, nem tanto pelo conforto da cabine (em alguns casos nem é tão melhor assim), mas mais por segurança, pois nessa classe as cabines são para 2 pessoas, no meu caso, viajávamos apenas eu e o meu recém-marido. Ops! Acho que cabe aqui um parenteses para uma história pré-viagem. Nós planejavamos fazer a transiberiana há tempos, até que no fim de 2009 decidimos ir em maio desse ano. Estavamos nos organizando como se fosse uma viagem de férias normal, mas 2 meses antes do embarque acordamos com vontade de oficializar nosso casamento e tinha que ser no dia de aniversário de "namoro" (namoro de 13 anos, diga-se de passagem...) e no final uma coisa emendou na outra, férias, casamento, viagem e enfim, lá fomos nós para a viagem de férias/lua de mel. Nossos amigos até hoje fazem graça conosco, pois os casais em lua de mel, procuram lugares mais românticos, cheio de conforto e mordomia, onde nada pode dar errado, todos os ambientes são lindos e perfumados (inclusive os banheiros), todos são super amáveis, gentis e atenciosos e contrariando tudo isso, nós praticamente colocamos nosso amor à prova nessa viagem, pois são mais de 130h de trem, com todas as coisas boas e desagradáveis acontecendo ao longo de toda viagem, se vc se irritar não tem para onde ir, nem alguém para ligar (o sinal de celular é bem ruim em alguns trechos), nem sempre encontramos pessoas dispostas a nos ajudar, nem tudo sai como vc prevê, por outro lado, vc conhece pessoas e culturas incríveis, aprende um pouco mais sobre história, aprende que Baikal não é só o nome de um vodka, Gengis Khan não é só um grupo musical dos anos 80, que não adianta decorar os nomes que aparecem no cardápio do China in Box pois em chinês o nome dos pratos são completamente diferentes e o tempero também, que a Anastasia do filme da Disney existiu de verdade, mas infelizmente, foi assassinada junto com toda a família e que o verdadeiro Strogonoff russo é bem diferente do nosso, além de ter o prazer de ver paisagens incríveis passando pela janela do trem, dormir vendo o deserto de Gobi e acordar com o lago Baikal congelado na sua frente. Enfim, o importante é que vivenciamos e sobrevivemos a tudo, o que provou que fizemos as coisas certas, tanto o casamento, quanto a viagem. Não encontramos nenhum brasileiro nesse trajeto, aliás, como somos descendentes de japoneses, era difícil convencer as pessoas que éramos brasileiros, em geral, causavamos estranheza, mas depois viam nossos passaportes, guias de viagem, etc. e achavam engraçado. Tem gente de todo mundo em ambos os trajetos da ferrovia, vc acaba fazendo amizade com alguns e até acaba se encontrando em alguns lugares ao longo da viagem, mesmo sem combinar ou sair junto. Uma desvantagem de ter viajado na primeira classe é que o contato com outras pessoas é mais limitado, pois na maioria são pessoas que de fato, não estão muito a fim de bater papo com "desconhecidos", ao contrário da segunda e terceira classe, que mesmo que vc não queira papo, não tem como não conhecer os companheiros de cabine e/ou corredor.
  8. patriciayoneda

    Transiberiana

    Oi pessoal, Acabei de fazer a rota. Ainda estou organizando as informações para postar aqui, mas se alguém já estiver em vias de embarcar e precisar de alguma informação específica, pode ir postando as perguntas que na medida do possível responderei. De fato, desde o dia 04/06/10 não é mais necessário tirar o visto russo, o que é uma mão na roda, pois era muito burocrático, caro e trabalhoso. Infelizmente, eu embarquei antes, ou seja, já fui sentindo o gostinho da burocracia russa antes mesmo de sair do Brasil... rs... Essa viagem é fantástica, uma experiência única, recomendo a todos que têm vontade, que realmente façam essa viagem. Fiz o trajeto de Beijing para Moscou, e depois estendi até St.Petersburgo. Consegui completar esse roteiro em 18 dias, pois fiz algumas paradas ao longo da ferrovia. Em breve, coloco mais informações, fotos e dicas.
  9. patriciayoneda

    Transiberiana

    Tambem estou me programando para fazer a rota transiberiana em maio 2010 e estou com dificuldade em planejar. Alguem sabe onde posso encontrar informacoes a respeito dos horarios e preco do trem? P.S.: desculpe a falta de acentuacao e outros caracteres, mas nao consigo encontrar as teclas corretas neste teclado.
×
×
  • Criar Novo...