Ir para conteúdo

mochileiraencardida

Membros
  • Total de itens

    41
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que mochileiraencardida postou

  1. Você pode acampar na Cachoeira da Formiga. Na Mumbuca também, isso se antes alguém não te levar pra casa e te tratar como rei 😀 eles são muito receptivos e simpáticos por lá. Em São Félix vc pode acampar na beira do rio. Acho que na prainha do Rio Novo também é permitido, mas aí não tem infraestrutura.
  2. Já ouvi falar muito bem da Ashoka. Entra no site deles e veja se não tem algo por lá.
  3. Eu escolheria Camburi das Pedras sem nem questionar 😃
  4. As agências de expedições pro Jalapão tem roteiro de 4,5,6 e 7 dias. Recomendo fortemente a Nortetur, fui com eles em 2014 e foi maravilhoso. Desrecomendo fortemente a Korubo, empresa coxinha que não deixa 1 real pras comunidades locais (o povo de lá fala muito mal da Korubo).
  5. Oi Breno. Você pode trazer até 50 charutos por pessoa, somando bagagem de mão e despachada (informe-se na cia aérea da não obrigatoriedade de despachar). Mas por favor, não traga charutos falsos 🙄 compre nas Casas del Habano credenciadas. Vai ter muita gente te oferecendo charutos mais baratos na rua, contando historinha de que trabalha na fábrica portanto consegue os charutos por fora, mas são todos falsos, inclusive podem fazer mal à saúde. Até mesmo as pessoas que oferecem as hospedagens em casa vão te oferecer, não caia nessa. P.S: se quiser trazer charuto pra mim, saiba que eu gosto de Montecristo rsrsrsrsrs
  6. Fujam dessa macumba pra gringo! Lugarzinho caro e nada demais, se comparado com outras cachoeiras nos arredores de Brasilia. O almoço é triste de tão ruim. Não há liberdade para desfrutar da cachoeira que mais agradar, pois é preciso seguir o grupo, mesmo a trilha sendo fácil. Em fins de semana normais tem a cara de pau de cobrar 100 reais, e no feriado a facada é de 130. Com esse dinheiro, melhor almoçar num restaurante estrelado de Brasilia e depois ir aproveitar o parque da Agua Mineral.
  7. Esse lugar é a maior macumba pra turista de todo o Distrito Federal. Fui num feriado e paguei 130 reais por um almoço muito, mas muito ruim, pra ver uns bichos tristes no cativeiro e, bem, as cachoeiras são lindas, mas próximo dali existem outras tão lindas quanto que não cobram esse assalto. Fujam!
  8. "bah, coca-cola essa época do ano é dificil" Mano! Esse é o relato mais engraçado que eu já vi nesse fórum. To rindo sozinha aqui no trabalho.
  9. Relato sincero e caprichado, Robsonnnn. A Chapada das Mesas é muito massa, mas tem umas coisas que vou te contar. Pra começar essa palhaçada da Pedra Caída. Quando fui cheguei lá umas 8:30 da manhã, paguei os fucking cinquentão, pra descobrir que a visita às cachoeiras somente guiada e que sai de hora em hora a partir das 10:00!!! Achei os guias meio pedantes. Não quis ficar esperando, mas pelo menos um guia foi comigo até a portaria e pediu pra me devolverem o dinheiro. Frustrada, peguei uma carona até a cachoeira do Dodô (que fica praticamente do lado da Pedra Caída, bem bonita, com um mini canion) e acho que aproveitei bem mais. Inclusive com direito a chuva de borboletas amarelas cortando a estradinha de acesso, mó lindo, adoro borboleta. Outra coisas que me injuriou foi a falta de controle de visitantes no Poço e Encanto Azul. Parece que pra eles, quanto mais gente melhor. Na minha visita foi o contrário: o Encanto Azul estava vazio e o Poço Azul não dava pra ver a cor da água de tanta gente. Adivinhe qual gostei mais. E por último, o que é aquele cimentão do deck dos bares em Itapecuru invadindo o rio??? Sim! Cimentaram a margem do rio pros botequeiros terem mais conforto! Achei uó. Acredito que o cara que vai pra um lugar de belezas naturais queira ver as coisas mais roots possível. Afinal, cimento e concreto já tem de sobra nas grandes cidades. Enfim, a região é excepcionalmente bonita, mas a forma como os proprietários dos atrativos tratam a questão é meio brochante pro pessoal que vai querendo aproveitar a beleza do local.
  10. Estive em Mambaí há 2 semanas. Todos os atrativos, exceto o Paraíso do Cerrado, estão precisando de contratar guia. A cachoeira do Alemão já foi acessível sem guia, mas hj em dia eles colocam um cadeado na porteira, e só o pessoal das agências (Cerrado Aventura e Mambaí Adventure) tem a chave. Os outros lugares como Poço Azul, Cachoeira do Funil, Lapa do Penhasco, Borá, necessariamente precisam de guia, pois é muito complicado ir sozinho. O preço do guia gira em torno de 35 por pessoa. Também está aumentando o número de pousadas na cidade. Ficamos, eu e meu companheiro, na Luar Encantado, que também é camping e tem muito mais conforto que as demais. Sobre minhas impressões: a comida do Paraíso do Cerrado realmente é excelente, também ganhamos cafezinho moido na hora Os atrativos todos valem muito a pena a visita, mas o bom mesmo é que tanto Mambaí quanto a Terra Ronca ainda preservam sua rotina de interior, sem aquela pirotecnia toda pra atrair turista, do tipo bares e restaurantes sofisticados, pessoal tentando vender "de um tudo" pra turista, e coisas assim. Isso, pra mim, tem um charme todo que está se tornando raro achar por aí. É pra quem gosta de lugar roots, lugar autentico mesmo. O preço disso: esqueça caixa eletronico, wifi boa, comodidade de cidade grande. Pra mim, não fez falta
  11. Só uma coisa importante: não vá de Korubo. Tem a Nortetur, que é muito melhor e mais barata. Tem também a Dona Lazara e o Seu Belêco, em Ponte Alta, que fretam suas 4x4 e fazem um passeio mais personalizado. Tem o Junior (63) 8435-2011 ou (63) 3215-2733. Tem aluguel de 4x4 em Palmas. Por que não de Korubo? Porque só ouvi nativo falando mal, muito mal dela.
  12. Olá. As hospedagens mais baratas são em torno de R$40/50. Em Ponte Alta fiquei na pousada da Dona Lázara, fica em frente à praça da cidade e se chama Planalto. Em Mateiros tem varias pousadinhas baratas e ajeitadas, também acredito que não precise reserva (eu não fiz). Em São Félix procure o Seu Paulinho, ele tem pousada e também serve café, almoço e janta. Da pousada dele dá pra ir a pé no fervedouro e na prainha. Por lá é tudo bem caseiro, você se sente um convidado, e não hóspede. Aproveite o passeio!
  13. Excelente relato, Louis. Houve assédio de vendedores de charutos nas ruas? Próximo à fábrica? Sabe dizer se nas fábricas ainda é permitida a compra de uma quota de charutos? Vale à pena? Cuba parece ser realmente diferente de qualquer outra viagem. Abraços.
  14. McCandless, é você?? Sem brincadeira agora, se joga! Uma coisa a menos pra vc se arrepender quando ficar velho.
  15. Oi Fabio Tenta a Casa da Sucupira. Tem quarto e tem barraca pra alugar, acho que nesse valor.
  16. Olá danicdv Já viajei 8 meses ininterruptos com uma mochila Conquista 45 litros. Mais do que isso é canseira, tendo em vista a quantidade de roupas que você pensa em levar. Aliás, com o tempo vc vai se desapegando e levando ainda menos coisas Em Porto Alegre certamente você vai encontrar mais opções de botas, assim como mais opçoes de roupas de frio, que creio não serem tão necessárias por conta da época da viagem. Aliás, será que as botas são realmente necessárias? Eu viajei por praticamente a America do Sul inteira, sempre levando tenis de corrida e allstar, e não senti falta de botas ( muito pesadas, inclusive). Uma dica: como sua viagem é longa, compre camisetas/regatas bem baratinhas e em vez de lavá-las, vá jogando fora pelo caminho. Uma vantagem extra é que vc não vai sair sempre com a mesma roupa em todas as fotos Boa viagem.
  17. Oi Fabricio Nunca fiz RS à Bahia numa pegada só. Na época em que eu caronava com mais frequencia morava em Curitiba. Então tinha vezes que descia até Poa, tinha vezes que subia até o Rio. E teve a vez que fui de Curitiba a Arembepe, se não me engano foram 24 dias ida e volta, parando bastante. Dessa vez passei por Niterói, Campos, Guarapari, Vila Velha, Prado (Cumuruxatiba), Trancoso, Ilhéus, Itacaré, Salvador. Em alguns lugares parei na ida e outros na volta, pra deixar as distâncias mais confortáveis (não pego carona à noite). A 101 é cheia de postos de combustíveis e outros pontos de carona. Tem posto da PRF que deixam pedir carona, tem outros que não. É só conversar. Boa viagem
  18. Eu fiz a BR 101 de carona do Rio Grande do Sul a Salvador. Não foi tudo na mesma viagem, fiz alguns trechos subindo, outros descendo, e alguns deles nos dois sentidos. Na Rio-Santos caronei várias vezes, tanto Norte-sul quanto Sul-Norte. Não vi dificuldades, apesar do já citado número reduzido de caminhões, pois a região tem muito morador gente boa, então vc vai acabar pegando carona com carro sem muitos problemas. Até van e microonibus de turismo dão carona por ali. E se rolar perrengue, tem sempre os ônibus urbanos pra socorrer. É uma região onde se pode ficar parado em qualquer lugar, com uma plaquinha, que funciona. Quanto ao trecho entre o Rio e a Bahia, fiz ele uma vez só, indo e voltando pela 101. Chegando ao Rio lembro que atravessei pra Niterói, e de lá, no terminal urbano, peguei o ônibus pra Manilha, pedindo pra me deixarem na BR. O resto foi fácil. Quando se chega ao ES e Bahia, é normal haverem alguns "pontos de carona" nas cidades menores. Lembro de dois deles, um em Serra-ES e outro em Pedro Canário-ES, com muita gente parada no acostamento esperando a sua vez. No ES é bom tomar cuidado com os "graniteiros", caminhões que circulam muitas vezes irregularmente, carregando uma pedra de granito maior que sua capacidade. A meu ver, a BR 101 é a mais generosa do Brasil pra caroneiros, e o trecho da Rio-Santos é meu preferido, estou sempre lá tentando repetir os momentos maravilhosos que tive nos meus primeiros anos de caroneira.
  19. Excelentes dicas! Lembrei de uma vez, em Barcelona, que tive meu armário arrombado no hostel. O ladrão não levou nada, pois não encontrou os 500 euros que estavam dentro de uma caixinha de remédio. Bem enroladinhos na bula.
  20. Oi Marcos O Catavento é super bom, mas tem também a Casa da Sucupira e a Maloca da Maluca em São Jorge. Tem facebook? Se tiver, entra lá em "Conexão Chapada-BSB - Transporte Solidario". Lá tem gente oferecendo carona de Brasilia pra Chapada e vice-versa.
  21. Também quero dar meu nobre pitaco: pra sair sem nunca mais voltar tem que ser muito macho (ou macha, pra não discriminar as meninas). Meios pra se manter, só mesmo trabalhando. Alguns trabalhos de "maluco": garçom, artesão, operador de geringonças da construção civil (a vida anda me apontando a direção desse último). E se quiser dar uma passada em casa no Natal, já sabe. As tias vão sempre perguntar por que você não para com essa loucura e não vai estudar pra concurso público. Os irmãos vão sempre olhar de cima porque, afinal, eles se esforçaram e hoje saem pra trabalhar às oito com o nó da gravata perfeitamente ajustado. É uma escolha que, como toda escolha, tem suas consequências. Mas na boa, com o caos da pós-modernidade, louco mesmo é o cara que leva a sério essas convenções sociais e essas necessidades morais e materiais ultraestressantes. Ando gostando daquela famigerada frase: 'Toque o foda-se e seja feliz'.
  22. Há 10 anos era um só. Foram pipocando pela cidade toda, e hoje somam mais de 50 hostels. Tem gente que gosta dos mais tranquilos, outros preferem aqueles que tem festa o tempo todo. Tem com piscina, sem piscina, com e sem café da manhã, perto do metrô ou não. Tem até hostel de luxo! Em qual você se hospedou e por que o escolheu? Se tiver história pra contar, melhor ainda.
  23. Parem com esse negócio de dizer que pra mulher é mais difícil. Eu já fiz mais de 10.000km sozinha de carona, no Brasil e fora dele, e nada me aconteceu. A grande lição que tirei das caronas é que existe mais gente boa do que ruim nesse mundão. Taí a caroneirams que não me deixa mentir. Perigo mesmo é ficar apodrecendo em casa, com tanto lugar legal pra ir.
  24. Exatamente. Os preços em eventos geralmente aumentam na DATA e LOCAL do evento em questão. O que vemos no Brasil atualmente está muito além disso. Mas aí a discussão já se desloca para temas bem mais complexos, como a sucessão no governo, os programas assistenciais, a corrupção. Interessa a todos, mas não exatamente em um fórum sobre viagens. Mas o que está claro é: nós, viajantes, não estamos nada satisfeitos com a Copa do Brasil, ao contrário do que se poderia supor, já que um evento de grande porte deve (ou deveria, pelo menos) incrementar a infra-estrutura e tornar nossas viagens mais acessíveis. Nesse sentido, estou começando a "planejar a fuga".
  25. Salve! Passagens aéreas, hospedagem, e até mesmo a comida e a moradia em cidades que não tem nada a ver com as partidas da Copa. Tá tudo ameaçando ficar desgraçadamente caro. Como está na sua cidade? E quem tá programando viagem pra aquela época, tá rolando? Fugir ou lutar bravamente? (porque eu to pensando em vazar pouco antes da Copa e só voltar quando a sanidade mental da nação estiver restabelecida).
×
×
  • Criar Novo...