Ir para conteúdo

Vinidive

Membros
  • Total de itens

    2
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra

Sobre Vinidive

  • Data de Nascimento 25-02-1977
  1. Dia da ida até Jericoacoara. Como combinado, às 13hs, o Guilherme estava na porta do quarto. Contratamos o serviço por telefone, e havia um certo medo do cara não aparecer. Mas tudo correu bem. O plano era cruzar os aprox 550 km entre Caburé e Jeri no mesmo dia. Outra opção é fazê-lo com paradas em Parnaíba e etc, mas tudo fica muito mais caro, e sinceramente, queríamos chegar em Jeri sem mais pausas. Guilherme, um brasileiro nascido em Portugal, se divertiu quase tanto quanto a gente, dirigindo a Land Rover nas praias, lagoas, dunas, estradas, rios, estradas sem estrada e etc., que cruzamos. Existem lugares em que simplesmente tem que se fazer a estrada. Boa gente, bom motorista e excelente serviço. Os transfers de Caburé pra Jeri podem custar até 1100 reais e o preço médio da viagem direta como a nossa é 550 pelo carro. O segredo é pechinchar muito pra tentar salvar algum dinheiro. Senão, a opção é ir de ônibus de linha, o que vai tomar dois dias, mas custará cerca de 90 reais /pessoa. (Transfer Guilherme, (98) 8819-1112) Chegamos em Jeri à noite, bastante cansados. E fomos direto pra pousada. Outro acerto. Uma área imensa, cheia de árvores e poucos chalés espalhados no terreno. Os quartos eram um tanto quanto pequenos, o que é facilmente compensado pela simpatia da Renata (gerente do lugar). Pousada do Caju, 100 reais/casal. Pra jantar, nos encontramos com Guilherme no Bistrogonoff. O lugar é uma surpresa. Tem um menu com pratos que vão de um PF a pratos bastante mais elaborados (prove o PF. Por 12 reais, será o melhor custo benefício de Jeri). Muito boa comida. No outro dia como planejado tínhamos que mudar pra recém inaugurada Pousada Araxá. Infelizmente, mão de obra em Jeri não é das mais comprometidas, e a obra acabou atrasando. Alberto, o dono italiano, devolveu o dinheiro e pediu imensas desculpas. Ele precisaria de mais um dia, e nós não estávamos dispostos a barulhos no nossa estada em Jeri. Apesar disso, vi os quartos – Fantástico. Com certeza, das melhores opções na faixa de preço. Acabamos por nos hospedar na Casa na Praia. Praticamente o mesmo valor, com quartos menores (mas ainda muito bons), e na frente da praia. Outro acerto. O atendimento simpático e alegre da equipe é o destaque, junto com a vista da duna do por-do-sol, a boa piscina e o café da manhã. Jeri é toda bonitinha com seu pôr-do-sol lindo e a pedra furada como ponto obrigatório, assim como a volta à noite por bons restaurantes e a parada na padaria do Inazio (outro italiano) que faz uns doces que são de jogar qualquer dieta no lixo. Além disso, é um dos melhores lugares do mundo pra praticar Wind e Kitesurf. Mas ainda assim me desapontou. Esperava uma das praias mais lindas do mundo, e achei uma outra praia, barulhenta, com motos passando na areia, suja já que os cavalos dos passeios transitam na praia sem cerimônia e não são raros os vazamentos de fossa e caixas de gordura correndo no meio da praia. Tomara que dêem logo jeito nisso. De Jeri pra Fortaleza, pode-se fazer de transfer, ônibus de linha ou minivan. Pelos horários disponíveis, decidimos fazer de transfer, rachando com mais um casal. Custo de R$ 100/pessoa. O onibus (que parece ter A/C) custa 29, ou seja, muito mais barato. Chegamos em Fortaleza depois de 4 horas de viagem, passando por alagados, pontes a cair, asfalto bom e ruim. And trip was sadly over.
  2. Minha primeira ação de planejamento da viagem foi ligar pra algumas agências e perguntar quanto sairia o pacote fechado de todo o percurso (São Luis-Lençois Maranhenses-Jericoacoara-Fortaleza). O preço inicial foi de 2100 reais por pessoa e o melhor foi de 1900 - incluindo hotel, transporte e passeios - e estes valores me fizeram começar o planejamento por conta própria. No final, o custo “próprio" ficou em 1350 reais por pessoa, ficando em pousadas melhores ou iguais às dos pacotes, sem eliminar os passeios essenciais e ainda sobrando tempo pra realmente fazer nada na praia. Mas vamos à viagem: A viagem toda começa descobrindo aquilo que é mais difícil. Locomoção. Se os vôos para São Luis já são caros, o transporte terrestre não fica melhor. Em geral, pouco conforto e altos preços. Mas, enfim depois de 36 horas, cheguei à São Luis, de onde tomaríamos um ônibus para Barreirinhas. O ônibus (4,5 horas de viagem) é a opção mais barata para ir de SL para Barreirinhas, e era nossa escolha, se existissem lugares (compre com antecedência de pelo menos 3 horas em relação à partida. Caso contrário, conte com a sorte ou comece a buscar outras opções). Nossa segunda opção eram táxis compartilhados (3,5 horas de viagem) que vc pode pegar na rodoviária, onde eles passam buscando os possíveis passageiros, ou através da cooperativa – (98) 32589239. A outa opção são as vãs, que parecem não custar mais caro que o táxi. Em geral o preço da viagem se fecha ao redor de 35 reais por pessoa, mas o pedido inicial é de 50). O conforto não é o mesmo que o ônibus, afinal, o táxi é sempre dividido entre 4 passageiros (grandões, preparem-se para pernas apertadas) mas as estórias são excelentes. Povo local, contando estórias sobre o povo local é imperdível. Boas risadas garantidas. No nosso caso, pegamos um na rodoviária. O Alan, com uma risada contagiante, e 45 irmãos (dos quais, ele decorou o nome de 24) foi o nosso motorista. Digamos que os dons automobilísticos do rapaz não são dos melhores, mas os causos e as piadas vão fazer a viagem bem mais rápida. (Telefone Alan – (98) 88793403 – Custo 35 reais/pessoa) Dia da chegada a Barreirinha - Chegamos a Barreirinha, A cidade é muito pequena e não tem muito o que se fazer ou ver, e a não ser que vc queira ficar escravo dos passeios a melhor opção é ficar em alguma pousada na beira do rio Preguiças. Foi a nossa opção. Subimos no barco que em 4 minutos nos levaria até o cais da pousada. Só essa primeira viegem de barco, com um céu todo estrelado já dizia que nossas escolhas estavam certas. A pousada é exatamente aquilo que queríamos. Pequena, charmosa e confortável, com os donos simpáticos e sempre presentes (Josiane, a chef maranhense, e Michael, o faz tudo suíço). 5 chalés, ao redor do jardim, extremamente espaçosos. Uma praia privativa no rio. Um cais para dar uns bons mergulhos e tomar sol. Enfim, acertamos na mosca. Além disso, o restaurante da pousada que só atende aos hóspedes, tem uma comida excelente e por um bom preço. Pelo menos um dia, ficamos sem fazer nada, no píer, na rede, no píer de novo. (Pousada Sossego do Cantinho (98) 33490753; http://www.sossego-do-cantinho.com. Custo 130/casal/dia) Dia do passeio aos lençois - Debaixo de uma chuva torrencial, partimos na Toyota da Agência com destino a Lagoa Bonita. Apesar da chuva do caminho, o sol brilhava, quando chegamos 30 minutos depois às dunas. E aí tivemos a visão do que é provavelmente, o lugar mais bonito que já vi na minha vida. Dunas amarelas e brancas. 1, 2, centenas de lagoas azuis. E não acreditem nas fotos que vcs viram. Por mais bonitas que sejam não conseguirão refletir a beleza desse lugar. O agendamento foi feito direto pela pousada, e o custo é de 50 reais por pessoa. Dia de passeio de barco até Caburé. Levantamos cedo, e Michael nos levou de barco até o local onde a agência nos pegaria. E lá fomos nós, pra outro barco, num passeio de cerca de 3 horas até Caburé. No caminho, florestas, mangues, Igarapés, dunas, etc. Vale muito a pena, mas pra quem tem que voltar no mesmo dia, deve ser bastante cansativo. Nós já havíamos decidido dormir em Caburé e partir no outro dia pra Jericoacoara. Caburé é uma pequena vila de pescadores com o rio de um lado e o mar do outro, e muita, muita areia. O lugar que tinha tudo pra ser fascinante, mas o lixo espalhado pela areia e o excesso de pousadas diminuiu em muito a magia do lugar. De qualquer forma, a luz ainda acaba às 22hs e vc poderá ver o céu mais incrível da sua vida. Ficamos na Pousada Buriti num quarto simples mas confortável, de frente pro mar, e bem ventilado. Aqui tudo é muito simples, portanto, se vc precisa de ar condicionado e banho quente, Caburé não poderá fazer parte dos seus planos. O restaurante da pousada tem toalhas sujas e a comida não é razoável. (Pousada Porto Buriti, 144 reais/casal). Outras opções são, Pousada do Mirante e do Paulo. Não esqueça de trazer dinheiro. Cartões não são aceitos por aqui por uma razão óbvia: vc está no meio do nada e sem energia elétrica.
×
×
  • Criar Novo...