Ir para conteúdo

Humberto-DF

Membros
  • Total de itens

    5
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Humberto-DF

    Huayna Potosí

    Quem tiver Orkut, pode ver algumas fotos de alta montanha na minha página: [email protected]
  2. Humberto-DF

    Huayna Potosí

    Pelos comentários de quem teve a experiencia, vê-se que o buraco é mais embaixo ... Em relação ao Huayna Potosi, a primeira vez que fui não estava bem aclimatado. Insisti em carregar tudo, sem carregadores (aliás, sempre fiz assim), junto com minha esposa. Estávamos muito bem preparados fisicamente, mas sem aclimatação. Contratamos o melhor guia em La Paz, mas ele imprimiu um ritmo forte demais para nós, e não tivemos pausa para comer até o campo das rocas. Nessa época não havia abrigo por lá. Eu ainda cheguei bem, mas ela ficou mal e tivemos que voltar mais embaixo para pegar a sua mochila. Deveríamos descansar até a meia noite e sair de madrugada para o cume, chegando ao amanhecer. Aí as coisas inverteram e eu é que fiquei mal, com taquicardia e sem conseguir comer nem dormir. Às 3 da manhã desistimos de ir ao cume e decidimos com o guia ir até o Campo Argentino ou até a Palla Grande e voltar. Aí eu ja havia me recuperado, então fomos até lá e voltamos pro acampamento. Como o guia tinha compromisso em La Paz, desceu até o BC e ficou de mandar seu irmão, que era guia "junior" e nós ficamos sozinhos sem mais ninguem já que não havia mais nenhuma expedição naquele dia. Ficamos sem água, sem comida e sem fogareiro. O outro só chegou no dia seguinte. Mesmo assim decidimos ficar mais um dia na montanha e tentar o cume naquela noite. Fomos até a Palla Grande, já cansados, mas então fomos apanhados por uma nevasca muito forte. Nos perdemos, tivemos inicio de congelamento. Quase descemos por um precipício no "whiteout". Com muito custo chegamos no campo das rocas, as barracas arriadas com o peso da neve. Pensamos em ficar até a próxima noite, mas a nevasca aumentou e decidimos descer de qq jeito. Levamos algumas quedas, pq haviamos tirado os crampons, nos ferimos mas chegamos ao BC. A vontade era de nunca mais voltarmos à montanha, mas fomos prá Urmiri, proximo ao Ilimani, descansamos e achamos que era questão de honra voltarmos ao Huyana Potosi. Depois de muitas peripécias (que incluiu um resgate de uma alemã praticamente morta, abandonada entre o c. argentino e as rocas) finalmente chegamos ao cume, com direito a cair numa crevasse (fenda) na volta (ainda bem que encordados). Viram quanta roubada, quanta falta de estratégia e de equilibrio para tomar decisões ? E assim, todas as vezes houve uma história pra contar, meio dramática. Montanhismo é risco, mas precisa de haver preparo para dosar esse risco com inteligencia.
  3. Humberto-DF

    Huayna Potosí

    Uma das agencias mencionada em comentários, que fica na Calle Illampu, próximo a Sagarnaga, é de um cara que trata melhor os brasileiros, amigo do Niclevicz. Ele tem a concessão do abrigo no Huayna Potosi, agora não me lembro do nome dele nem da agencia. O curso fica por uns US$1.000, tudo incluido, duração de uma semana e a aula final é a ascenção do Huayna Potosi. Mas se vc conseguir entrar numa vaga extra em um grupo de europeus, por exemplo, pode sair muito mais barato. Como no Brasil, lá tudo se dá um jeito. Vou dar uma dica preciosa. Garimpando as coisas, vc pode conhecer um instrutor dessas agências, e contratá-lo por fora, assim como o equipamento, a condução, etc, tudo com a ajuda dele, formar um grupo (ou ir sozinho) e ter a mesma qualidade do curso por muito menos. Um bom guia custa cerca de US$30 por dia. Nos outros paises é de US$100 a US$300, dependendo de onde se vai. Lembre-se do ditado: "Quem tem boca vai a Roma". Outra dica: viaje fora da alta temporada (junho e julho, na Bolívia), melhor em agosto, as coisas estão mais baratas, mais disponíveis e tem menos gente procurando as coisas e tb nas montanhas. Montanha cheia de gente é roubada. Uma coisa: não faça nada pesado antes de uns 10 dias de aclimatação na altitude, dependendo do seu organismo, tem pessoas que aclimatam mais rápido, outras mais lentamente. E nada de tomar esses remédios loucos ou qq outro. Nada de dexametazona ! Corre risco de vida se tomar. Nem chá de coca, nem qq coisa que não esteja já habituado. Na altitude os remédios dão reações imprevistas, dependendo do organismo.
  4. Humberto-DF

    Huayna Potosí

    Leia os comentários anteriores e verá algumas dicas de agencias que dão cursos. Em La Paz existem centenas de agencias e guias independentes. Mas todo cuidado é pouco, pq senão vai ser explorado ou entrar numa roubada. Continuo pensando que antes de fazer curso de escalada em alta montanha, é melhor ralar um pouco em trilhas primeiro e fazer amizade com quem tem experiencia e estudar. Uma sugestão é fazer a travessia de Petrópolis a Teresópolis pelo Parque Nacional da Serra dos Órgãos. Lá vai ter uma pálida idéia dos requisitos para fazer montanhismo. Se achar que foi muito pesada, nem pensar em alta montanha. Nunca fui a uma montanha que não fosse perigosa. Mesmo na Serra dos Órgãos tem havido acidentes e mortes. E lá vc não chega nem a 3.000 m de altitude. A temporada na Bolívia praticamente já acabou, agora só a partir de maio. Ir agora é muito arriscado de pegar mau tempo. Para viajar de agora em diante, é melhor o Chile, onde tem muitas opções de trilhas em montanhas. Para quem quer gastar pouco, sugiro ir na região do Cajón del Maipo, mas é bom saber que o Chile é muito mais caro que a Bolívia em quase tudo, embora sempre se encontre soluções alternativas, basta garimpá-las. Por outro lado, o Chile tem equipamentos bons e baratos e é menos arriscado de ser assaltado em plena cidade como na Bolívia.
  5. Humberto-DF

    Huayna Potosí

    Já fui à Bolivia várias vezes fazer alta montanha. Não aconselho ninguem a subir montanha sem experiencia. E experiencia começa com trilhas em lugares altos, como Machu Pichu, ou a trilha do Salcantay, no Peru tb. Na Bolivia tb tem várias opções para trilhas. Depois de conhecer seu corpo na altitude, acima dos 4.000 msnm, vc pode iniciar o montanhismo. Embora o Huayna Potosi seja uma montanha sem grandes exigencias tecnicas, tem acontecido acidentes e mortes por lá. Brasileiro tem má fama pq costuma amarelar e tb pq não avalia direito o que pretende fazer. Em bom portugues, é irresponsável mesmo. Jamais suba montanha com quem vc não conhece, pq ele pode colocar vc numa fria ou vice versa. Todas as montanhas nevadas exigem estar encordado, vc vai se encordar com quem nunca viu antes ? Na Bolivia tem gente competente para te guiar, e tem muito picareta tb. Assim, um ponto básico é ter referencias. Embora o Huayna Potosi seja considerada uma montanha fácil (fácil ??) penso que o melhor lugar para aclimatar e iniciar-se no montanhismo é o Condoriri. O ideal é vc fazer um curso de escalada em gelo. Vai gastar um pouco mais mas vai aprender mesmo, e não improvisar na montanha, com todos os riscos. Sem experiencia, vc não tem como avaliar nem os equipamentos - descobrir que não prestam ou não se adaptam em vc já na altitude é fria. O montanhismo não é turismo, é esporte sério e exige preparação, conhecimento e experiência. Portanto, aconselho os pretendentes a começarem lendo e estudando bastante o assunto e procurar alguem com experiência. Fora disso, vc tem uma grande chance de se decepcionar ou sofrer inutilmente. Com uma atitude correta, a subida do Huayna Potosi, ou outras, é uma experiencia memorável. Mas exige esforço e concentração. Espero ter sido útil a todos e peço desculpas a quem tenha decepcionado, por não aconselhar turismo em altas montanhas.
×
×
  • Criar Novo...