Ir para conteúdo

Andre>->-O

Membros
  • Total de itens

    209
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra
  1. Na boa, Rodrigo, Acho perda de tempo e/ou dinheiro tentar fazer 3 parques num só dia. E mesmo se for tentar dois, teria de escolher bem quais. Eu fui duas vezes por lá (já tem tempo - em 98 e em 2000) e acho que a única dobradinha que fizemos foi Sea World com Hollywood, que eram os menores. Considere que em Agosto vc ainda deve pegar algumas filas loooongas e que os parques não só um aglomerado de brinquedos mas também de ambientações, pocket-shows, etc. pensados para entreter até quem vai para passar o dia todo. Epcot é muito grande. Mesmo que vc só dê um rolé pela parte inicial, a área das nações (que só abria à tarde) toma um tempo razoável. E é complicado deixar de dar uma passadinha num "país" e ficar com uma pulga atrás da orelha, na dúvida de estar perdendo uma atração bacana logo no que vc dispensou. Magic Kingdom é o mais infantil, mas tb o mais icônico. Dá pra dispensar muitos brinquedos, sim. Mas é dos que mais trazem a sensação de imersão em mundo de fantasia. Hollywood Studios era menor, pode ser mais fácil resumir às 4 ou 5 atrações essenciais. E todos esses três parques têm shows de encerramento. O Universal, na minha opinião, foi o que ficou mais sem graça numa segunda visita. Não sei hoje, como está. O Islands of Adventure é muito legal. Vale o dia, sim. O Sea World eu fiquei fã, mas pq eu curti os shows com os animais quase todos, além dos brinquedos radicais. Se vc não fizer questão de ver golfinhos, orcas e leões marinhos fazendo estripulias, então não tem sentido vc ir lá só pela montanha-russa (que é ótima) e brinquedos do tipo, pois vc acha em outros parques. E, no quesito montanhas-russas e carrinho-que-sai-passeando-e-despenca-na-água, Busch Gardens é O parque.
  2. Ainda dá tempo de dar mais uma opinião? Eu fiquei 8 dias em Paris e o Mont Saint-Michel era o único day-trip que pretendia fazer (não dá pra contar Versailles como day-trip) e, chegando lá, eu abri mão. Inicialmente, minha ideia era dormir lá. Para pegar as mudanças de maré e para caminhar por lá à noite como a t-tresch e o Marcos falaram... E eu ainda iria pegar uma noite de lua cheia. Desisti dessa ideia ao ver os horários dos trens. Eles são muito limitados - o que fica ainda pior se vc pretender ir e voltar no mesmo dia. Não sei como seria um passeio contratado, mas indo por conta própria vc visitaria o lugar com um olho no monte e outro no relógio. Tive várias sugestões de trens e ônibus, mas os horários eram limitadores, tendo inclusive de observar as baldeações (vc tem de ir até Pontorson e pegar um busão que só sai em certos horários para o Monte, a 10km). A não ser que vc vá de carro alugado... E acredite: com oito dias, não faltou o que fazer em Paris, mesmo me desiludindo com a cidade. Ao contrário, faltou foi tempo. No final, eu guardo o Mont Saint-Michel como um motivo para eu voltar à França.
  3. Andre>->-O

    Bruxelas

    Deusmelivre. A chegada lá é triste, passando por zonas de prostituição (um Red Light District definitivamente não-turístico),por áreas comerciais decadentes e terminando nessas estações. Mas a cidade é bacana. Gostei de caminhar pelos Parques (o do Cinquentenário é legal, um pequenininho atrás do Parlamento Europeu também, o bosque ao lado do Atomium...). Engraçado como são as opiniões: para mim, a Grand Place dá de dez a zero na Piazza San Marco. Em termos de praças não arborizadas, acho que é a mais bonita que vi na vida. Já o bonequinho mijão, aquilo deve ser gozação com os turistas, só pode.
  4. A princípio eu tinha imaginado que seria o preço. Além disso, em todo lugar que eu leio a sugestão de se ficar em Mestre, ao invés de em Veneza, sempre sugere o percurso de busão. E foi o que fiz lá, seguindo esses conselhos. Mas relendo o post do Russo145 eu vi que o preço do trecho de trem está a 1,20 Euros (entendi direito?). Não creio que a passagem de busão seja muito menor que isso e certamente não é mais rápida. Interessante. E agora fiquei sem entender pq as sugestões de se fazer de busão.
  5. Fiquei curioso, agora. Por que vc quer ir de trem de Mestre a Veneza (e não de busão), Rafael?
  6. Andre>->-O

    Bruxelas

    Slisb, A chegada, vindo de Amsterdam, me assustou um pouco e os arredores daquela Estação principal, tb. Parecia que eu estava na cidade baixa, em Salvador. E eu ainda fiquei num B&B numa travessa com uma população meio esquisita. Mas... O manager do B&B (que por fora era só um portão parecendo de garagem ou oficina, mas por dentro era todo estiloso) me assegurou que a vizinhança não tinha perigo (na chegada eu havia sido abordado por um pedinte drogado, que ouviu um não e foi embora em seguida), eu confiei e não tive problemas. Vale, claro, você ser precavida, não ficar marcando bobeira e tal, até porque algumas áreas turísticas e de Museus se mesclam com áreas comerciais/financeiras, que vão perdendo movimento após o fim do expediente. Mas não deixe de ir, não. Sobre seu bate-e-volta, eu fiz Brugge e Ghent num só dia. Saiu meio corrido, mas quebrou o galho. Comprei uma passagem Bruxelas>Brugge>Ghent>Bruxelas, passeei um bocado em Brugge, almocei, andei outro tanto. Por volta das 16h voltei à estação, segui para Ghent. Aqui, vc pega um busão até o centro e lá tem um centro de informações onde te dão um mapa com um trajeto a ser feito andando, com informações sobre as praças, construções e etc. Por volta de 20h eu voltei a Bruxelas e ainda deu tempo de passear antes de voltar ao B&B. Claro, que se eu dedicasse um dia inteiro a Brugge ou uma tarde inteira a Ghent não seria tedioso e se vc gosta de ficar 2h sentada num pub, vai ficar apertado. Mas dá pra ter uma noção... Como era início de junho, só anoitecia após as 22h - o que ao mesmo tempo é bom e ruim. Bom porque dá pra andar muito com dia claro. Ruim pq o que fechar às 19h fechará às 19h do mesmo jeito e a claridade engana. Cansei de dar com a cara na porta dos lugares.
  7. Marco, É bem como o Marcos falou. Só não digo pra vc ir de trem de Milão até Veneza e deixar para iniciar a locação do carro a partir de lá, pq o carro pode ser de grande valia se algo te interessar nesse trecho (ex.: Lago de Como, Verona...). Mas se nada disso está no seu programa, considere a possibilidade e passeie um pouco de trem, tb. Se vc ficar em Veneza dois dias, vai ser o período equivalente sem uso do carro. Dependendo do valor das diárias e despesas associadas, pode ser até interessante vc alugar um carro em Milão, devolver em Mestre, andar por Veneza, alugar outro e seguir viagem. Abçs.
  8. André, É difícil responder essa pergunta, pq depende do albergue e do site agregador. Ano passado eu fiz minhas reservas pelo Booking e não tive problemas. Mas tomei o seguinte cuidado: depois que recebi um e-mail do Booking informando a reserva eu enviei um pro albergue pedindo confirmação.
  9. Rapaz, achei lindas as fotos. No meio da leitura já tinha resolvido te perguntar se vc usou uma dessas câmeras comuns mesmo ou se uma semiprofissional pra cima. Mas vi no final qual foi o modelo. Acho triste que BsAs esteja neste estado. Eu estive lá duas vezes: na minha primeira viagem internacional, em 1996 - antes da crise, portanto -, e em 2008 - depois dela. A diferença era palpável. Na primeira vez, rapaz de interior e escaldado com a falta de segurança de nossas grandes cidades que sou, fiquei encantado ao casais sexagenários e famílias com crianças pequenas passeando tranquilamente nos calçadões do Centro às 11:30h da noite. E o movimento só foi cair lá pras 2h da matina. Na segunda, a pessoa que recepcionou eu e meu irmão no aeroporto nos encheu de recomendações. Deixamos nossas coisas no Hotel e fomos providenciar um lugar para tirar fotocópia do passaporte/identidade para não ficar saindo com os originais (uma das recomendações dadas). Era umas 19h, o hotel ficava a uns 100m da Plaza de Mayo, numa rua diagonal e as lojinhas próximas já estavam fechadas. Ao pedir informação a um transeunte sobre o trajeto para a Rua Florida o cara disse "segue ali, vire assim depois assado. Tomem Cuidado.". Eu pensei comigo, "que p* é essa??". Meu irmão, que nunca tinha viajado, ficou todo nervoso. Só no outro dia, depois de andarmos um bocado pela cidade, vimos que, para quem já anda em algumas cidades daqui, não precisava tanto. Mas, também, nunca voltávamos muito tarde para o Hotel.
  10. Debizinha, Por curiosidade: qual a periodicidade desse shuttle? qual a duração da viagem? Onde ele para na cidade? Pergunto isso pq muita gente passa por aqui dizendo que vai ficar X horas esperando conexão no Fiumicino e querendo saber se dá tempo dar uma volta em Roma.
  11. Eu já acho 4 dias um pouco demais para Florença (a não ser em viagens sossegadas, sem tempo tão contado). Concordo com os 4 dias em Roma. Ou, se vc realmente quisesse dar uma espiada na outra, passar 3 dias em Roma e 1 em Florença, só para andar pelas ruas e atrações abertas, mesmo.
  12. Andre>->-O

    Amsterdam

    Ano passado fiz esse mesmo trajeto até Luxemburgo, só que de lá fui pra Paris. Quanto à Holanda: Três dias inteiros em Amsterdam dá pra ver muita coisa (sempre recomendo que as pessoas prestem atenção em quantos dias inteiros vão passar em cada lugar). Fiquei 4 ou 5 dias lá. Desses, tirei um pra ir a Delft e poderia ter tirado outro sem grande prejuízo. Quanto aos outros países: Fiquei 2 1/2 dias na Bélgica. Dediquei um a Bruxelas e outro a Ghent + Brugge. Claro que se tivesse mais um dia ou dois eu teria o que fazer, ou faria o que fiz com mais folga, mas saí satisfeito com o que fiz/vi. Fiquei 1 1/2 em Luxemburgo. Caminhei pra c*r*lho, fiz os 3 trajetos recomendados de caminhada num dia só, mais as casamatas (imperdíveis), e saí de lá com um sorrisão de satisfação na cara. Só não rodei pela área mais moderna. Um dia a mais pode servir para dividir as caminhadas - mas isso se vc fizer questão de fazer as 3, que tem muitos trechos em comum.
  13. Andre>->-O

    Amsterdam

    Acho apertado para 2 dias. A Casa de Anne Frank pode demorar bastante, principalmente pela fila (eu fiquei mais de uma hora nela). Entre o Museu Van Gogh e o Ryjks (ambos pertinho do Vondelpark), eu prefiro 10x o Ryjks, mas isso é pessoal. Mas como são próximos, dá pra fazer os dois fácil. Já a Biblioteca, se me lembro bem, é muito contramão. Como vc mesmo diz em outro post, o Museu do Sexo é meio pega-turista, mesmo. Tirando umas peças antigas esculpidas com situações eróticas (tipo cinzeiros, cerâmicas) e uns bonecos animados pra divertir (calma, eles só ficam mostrando "as partes") vc vai ver muito é foto (e vc acha zilhões delas aqui na net, né?). A seção de fetiches é até ridícula, um quarto de 3mx3m com plaquinhas com o nome da fantasia e meia dúzia de fotos embaixo, retiradas de revistas. Não fui no da Maconha, mas não duvido que seja pega-turista, tb. Não fui no Heineken, mas já vi quem adorasse e quem saísse decepcionado. Eu escolheria uns 2 ou 3 museus e curtiria as ruas e praças.
  14. Andre>->-O

    Milão

    Em um dia dá pra vc explorar bem a atração principal (o Duomo), rodar pela Galeria Vittorio emmanuelle que fica bem ao lado, e até passear pelo Castelo Sfozesco. Fica complicado, mas não impossível, ver o afresco da Santa Ceia. E nem é pelo tempo, já que a visita só dura 15 minutos, mas pela concorrência para agendar prum dia específico.
  15. Andre>->-O

    Amsterdam

    Putz, Eu passei 20 dias na europa em junho deste ano, com amsterdam (+daytrip), Bruxelas (+daytrip p/Bruges e Ghent), Luxemburgo e terminando com 8 dias num apartamento alugado em Paris. Economizei mais que devia em algumas coisas e soltei o cartão em outras. No final, saiu tudo por cerca de 7, R$ 7.500 mesmo. Com 20.000 eu faço duas viagens bem confortáveis pra lá, talvez até três. Ou, tendo tempo, programando bem e mantendo o conforto no aceitável, rodo o continente quase todo.
×
×
  • Criar Novo...