Ir para conteúdo

fabiohgb

Membros
  • Total de itens

    58
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que fabiohgb postou

  1. Boa observação, Matheus! Agora fugindo um pouco das lojas dos Shoppings existe a Zona Libre de Colon, que se localiza cerca de 1h30 da cidade do Panamá ... e por lá se consegue encontrar um preço abaixo dos shoppings para algumas categorias de produtos. A única ressalva é que se trata de uma região bem perigosa (os locais dizem que tem muitos assassinatos por lá, basicamente devido ao tráfico de drogas) aonde é bem normal ver soldados do exército com metralhadoras nas ruas e imediações (obs - a zona livre é relativamente tranquila, mas a cidade de Colon que é onde chegam os ônibus e tudo mais é onde existe mais perigo). Mas antes de ir para lá tente pegar um guia com as lojas e sua localização ... porque a zona livre é bem grande, e caso você não seja específico dificilmente conseguirá visitar tudo em um dia.
  2. Esse é o nível intelectual de nossa elite financeira, cuja principal leitura de cabeceira é a revista Caras! Mas deixa eu contar um exemplo de minha viagem! Quando eu estava por lá, encontrei o JR Duran, para fotografar umas modelos para o catálogo XY ou Z. Obviamente não o reconheci, mas umas meninas histéricas que estavam no mesmo hotel que eu e foram jantar no mesmo restaurante o reconheceram de imediato. Alguns dias depois do restaurante vi ele trabalhando por lá com as modelos. O irônico é que as fotos das moças não continham a paisagem do local, mas sim elas foram tiradas junto as pedras da região. Aí eu me perguntei se precisava viajar até lá para tirar fotos junto a "pedras", e não do mar ... poderia ir pra qualquer outro lugar ou fazer tudo em um studio ... mas para a "marca", o "status" de fazer o ensaio em Noronha trazia mais retorno. Eu acho que isso já diz muito, rs. Obs - hoje dei uma passeada pelos outros tópicos que falam de noronha neste site, e vi um povo bem diferente do que costuma frequentar e postar. Até isso é diferente, rs.
  3. Olá Carol, A mudança de roteiro que comentei que ocorreu em um passeio foi justamente no Atalaia, pois corais alguns corais estavam morrendo. Então decidiram "fechar" uma área por 5 ou 10 anos para sua recuperação. Ao menos nesse caso tomaram uma atitude, mas ainda não estão atacando a raiz do problema já que os turistas agora estão "destruindo" outra piscina natural, que em breve precisará também de 5 ou 10 anos deste "descanso". com relação aos turistas, eu concordo com você que deveria ser implantada uma cultura real de sustentabilidade. Mas discordo um pouco da capacidade de adaptação das pessoas, principalmente burguesia (classe média alta) brasileira, que foi o que eu mais vi por lá. Quem está acostumado com Miami e Shopping Centers dificilmente trocará o carro por caminhada ... não irão tomar banho frio, nem economizar água, etc etc etc. Creio que a solução seria uma atuação mais forte do estado ... criando limitações, barreiras, e até mesmo multas pesadas para quem desrespeita a lei. Mas isso vai diretamente contra o tipo de turismo que se implantou por lá, que é o modelo de massa ... e no Brasil sabemos que manda quem "paga a conta', que neste caso são os empresários de turismo da região. ... e com tudo isso eu não acredito em mudanças que alterem significativamente a dinâmica do turismo de lá ... O turismo de massa é o grande vilão da destruição da natureza ... tanto em Noronha como em boa parte do NE (como por exemplo em Itacaré) ... é um modelo que sempre tem que oferecer novas opções e locais, que significa a destruição de uma nova praia ou bosque para a construção de um ressort, empreendimento este que em poucos anos "saí de moda". E o pior é que seus hospedes nem frequentam a praia que foi destruída para a construção do hotel ... ficam fazendo massagem na piscina, apenas admirando a vista. Mas vamos ter esperança que isso um dia mude!
  4. Fui para Noronha em agosto de 2009, e no meu voo de retorno sentou-se ao meu lado um senhor que foi um antigo "governador" (indicado pelos militares) da ilha. Ele também era engenheiro, se não me engano especializado em saneamento básico, e ex-professor da universidade federal de Recife. Conversamos sobre a realidade da ilha e seus problemas ecológicos. Ele me contou que a maior parte da verba paga ao IBAMA pelos turistas é utilizada apenas para retirar o lixo da Ilha e levá-lo até Recife (a quantidade diária de lixo era enorme, sendo necessário um barco a cada 2 ou 3 dias para levá-lo). Além disso, apesar do "controle", o número de turistas que frequenta a ilha é extremamente elevado, principalmente durante o verão quando cruzeiros desembarcam por lá, o que traz um grande impacto negativo. Há excesso de carros, que também cria alguns problemas, e energia gerada por combustíveis fósseis. Em alguns locais, como a trilha do atalaia, eles já tiveram problemas como a destruição de corais, o que resultou em uma mudança na rota para permitir a recuperação dos mesmos. E também há problemas com esgoto. Estes problemas não são muito nítidos hoje (apenas para quem observa bem), mas caso não seja feito nada ele me adiantou que em 5 anos eles trarão consequências para os habitantes e turistas da ilha. Pessoalmente achei a ilha um lugar lindíssimo! Pontos como a Baia dos Porcos são imperdíveis, e pode-se ficar por horas mergulhando com snorkel vendo a grande quantidade de vida que tem por lá. Os turistas que frequentam por lá são bem desinteressantes ... pessoas que aparentemente estão por lá mais pelo "status" (para falar para os amigos, etc) que a viagem trás, do que propriamente pelo contato com a natureza. Achei um povinho bem esnobe e fresco, e boa parte dos problemas da ilha devem-se a eles, já que exigem muita qualidade e diversidade nos serviços. A regra do "quem tem dinheiro pode mais" também vale por lá. Em alguns casos, investidores de outros estados usam um nativo como "laranja" para fazer um empreendimento. O exemplo típico disso é a "Pousada Maravilha", que tem dentre outros sócios o Luciano Hulk (acho muito bom dar o nome aos bois) . Esta possui preços exorbitantes para os hospedes e foi construída em uma área de proteção permanente, onde obviamente não seriam permitidas pousadas, mas que com $$ e "jeitinho" a obra foi finalizada. Conheci alguns habitantes da ilha ... todos trabalhavam com turismo (guia e instrutores de mergulho). Eram bem simpáticos, mas em geral favoráveis a este turismo especulativo, pois o mesmo trás um bom retorno para eles. Percebi que eles (principalmente os mais jovens) perderam a simplicidade que encontramos no povo do NE, e tornaram-se também um pouco "esnobes". Com relação ao preço ... concordo que são elevados devido à distância da ilha para o continente. Entretanto, percebo também que não existe uma "livre concorrência" por lá, e que a dinâmica de mercado se assemelha mais com carteis. Provavelmente os comerciantes devem combinar "precos mínimos" ou até mesmo de cobrarem os mesmos preços, tudo para manter a sua rentabilidade elevada. Um exemplo disso são as operadoras de mergulho ... quando fui a saída custava R$ 230 reais (com mais o aluguel dos equipamentos sairia tudo por 290 ou 300) e não havia diferença de preço entre as duas principais operadoras (Águas Claras e Atlantis). Uma outra mais simples (Noronha Divers) possuia preços apenas R$ 10 mais barato. Adorei mergulhar por lá! Mas com "profissionalismo" exagerado, que tornou a experiência um pouco insípida. Trata-se de um lugar onde hoje em dia todos querem aproveitar e faturar ... começando por companhias aéreas, que tem passagens mais caras para Noronha do que para NY ou California ... companhias de turismo com seu modelo de negócio predatório, como a CVC que já invadiu a ilha ... donos de estabelecimentos como pousadas e restaurantes ... e tudo mais por lá. Desculpe o jeito confuso de escrever ... iria fazer um pequeno relato que se extendeu sem muito planejamento. Se quiserem paisagens (e principalmente) um mar bonito eu recomendo a viagem! E visitem logo, pois a depredação tem aumentado nos últimos anos. Agora não procure interação humana por lá, pois as pessoas tem muito pouco a oferecer, principalmente os turistas.
  5. Oi Carol, No Arenal eu fiquei em La Fortuna, que é a cidade mais perto do vulcão. Um quarto para 2 pessoas num hotel bem arrumadinho saiu por uns US$ 30,00 por dia (bem negociado, pq o preço melhor era entre 35 e 40). Existem uns hoteis na estrada de acesso para ele (bem mais próximas que a cidade), mas estes são bem luxuosos e caros. Então ... em minha viagem eu saí do Arenal para as praias do Pacífico ... mas acredito que vc tenha 2 alternativas: 1 - a mais barata é pegar um onibus para San Jose, e de lá um outro para Puerto Viejo (obs - só se informe se ambos saem da mesma estação rodoviária, pq em San Jose tem mais de uma). 2 - Existe um sistema de transporte privado por lá (shuttle voltado para turistas). Deve ser meio caro (em torno de uns 50 ou 60 dólares), mas se ele existir (e dependendo dos horários dos onibus) talvez você ganhe um dia na viagem. Abs
  6. Vamos lá de novo, Carol !!! Então ... uns 3 dias está bom para o Arenal (no meu caso eu fiquei 4) ... a região é bem legal, e tem muita coisa para fazer. O único ponto negativo é o clima, porque acho que o tempo fica nublado por lá uns 300 dias por ano, rs ... e aí fica difícil ver a lava, que está sempre jorrando do vulcão. Uma coisa bem legal pra vc fazer no fim da tarde por lá é ir nas águas termais ... tem um lugar que você paga uns 30 dólares para ficar aproveitando as águas num hotel, além de estar incluúdo um jantar ... mas existe um lugar meio escondido (foi onde eu fui) onde passa um rio público com águas quentinhas! Dá pra ficar hooooras por lá! Se interessar eu explico como se chega lá! Então ... em Puerto Viejo eu fiquei num hostel bem legal chamado Rocking Joe´s ... tinha muita gente e era bem agitado, mas em compensação os sanitários não eram muito limpos, e os ralos dos chuveiros viviam entupidos ... como vc vai com seu marido não sei se é a opção ideal de hospedagem, mas tem vários hosteis e pousadas por lá. Lá em Puerto Viejo eu gostei das praias de Salsa Brava (mais surf) e a Manzanillo (fica há uns 10 ou 15 kms lá de Puerto Viejo). Com relação aos parques, o melhor na regiao nesta região é o Cahuita (fica uns 10 ou 15 kms ao norte de Puerto Viejo, que é a direção oposta de Manzanillo). Eu fiz tudo isso de onibus público, mas dá pra alugar umas bikes e pedalar até lá! Então ... no centrinho de Puerto Viejo tem algumas baladinhas, barzinhos e restaurantes ... inclusive a balada mais legal que fiz nessa viagem foi por lá (com gringos bêbados e loucos, ahhahahahah) ... tem também umas lojinhas e um pessoal vendendo artesanato na orla da praia. Como você ficará poucos dias existem várias opçoes e vc não vai repetir nenhum lugar. É isso ... qualquer coisa me avise de novo.
  7. Olá Fabiana, Putz ... com relação ao tempo é difícil opinar ... porque você quer comprar muuuuitas coisas, e pesquisar preços toma um pouco de tempo, principalmente em Shoppings que você nunca fui. Eu fui tanto no Albrook como no Multiplaza, e pessoalmente preferi o MultiPlaza (algumas pessoas do forum acho que preferem o Albrook) ... minha preferência foi por este ser menor (e mesmo assim ter todas as lojas que procurava), e por encontrar preços melhores por lá (o que é estranho já que o Multi é um shopping mais elitizado, e o Albrook mais popular). Boa sorte!
  8. Olá de novo Carol, Eu fiz boa parte da Costa Rica no início do ano e conheci boa parte do país. Fui para Tamarindo e Manuel Antonio (duas das praias mais famosas do pacífico) e sinceramente me frustrei um pouco com elas. Não porque eram feias ou ruins, mas porque as considerei bem parecidas com as praias que eu frequento aqui no Brasil. Achei um pouco semelhante a Maresias, com uma certa estrutura de lojas, pousadas e baladinhas. Em Tamarindo tinham muitos americanos (eles invadem guanacaste) e em Manuel Antonio o público era mais diversificado. Conheci também Montezuma (em guanacaste também) que gostei bastante ... era uma praia mais tranquila e de acesso mais difícil, e com várias cachoeiras por perto. E se vcs gostarem de surf tem a Roca Bruja bem no norte do país (perto da fronteira com a guatemala). Puerto Viejo eu gostei bastante ... era mais "roots" que as praias do Pacífico ... uma infra estrutura menor, mais arvores e mato, e um povo bem diferente (o pessoal é rasta por lá). Qualquer dúvida é só perguntar ... e devo ter umas fotos dos lugares também!
  9. Olá Carol, Fiz um roteiro semelhante ao seu em minha viagem do começo do ano (fui para a Costa Rica e Panamá), e encerrei ela com San Blas, e em seguida a Cidade do Panamá (aonde fiz umas comprinhas, rs). Como já te falei, em minha viagem para San Blas eu me hospedei no Carti Homestay (que fica na Ilha Carti) ... eu fiz a reserva por e-mail mesmo e diretamente com o Fernan (email: [email protected]) ... custou US$ 25 por dia, contando a hospedagem, 3 refeições e o passeio. E cheguei a fechar com ele também o transporte, que paguei também US$ 25 por trecho. O site deles é http://www.cartihomestay.info/ (talvez os preços tenham aumentado porque mostra um valor maior no site). Você pode também tentar contato com o Eulogio (dono da casa) cujo e-mail é [email protected] e o celular 50765179850. Qualquer dúvida me avise. Bjs
  10. Olá Matheus, Eu passei na região do Casco Viejo durante a noite e achei um pouco perigosa, principalmente se você estiver sozinho. A parte mais central de lá (onde tem mais restaurante, barzinhos, etc) é um pouco mais tranquila, mas as extremidades são vizinhas de uns bairros um pouco sombrios. Ahhhh ... e acabei não comendo por lá ... achei os restaurantes caros! Abs
  11. Olá Carol, Tudo depende do que você vai fazer por lá ... mas acho que entre 2 ou 3 dias você já irá conhecer tudo ... eu fiquei 3 no total (um para um tour, outro para mergulhar, e no 3o eu não fiz quase nada, rs). O que você pretende fazer na cidade do Panamá? Em uma manhã você pode conhecer o canal ... de tarde pode ir para Casco Viejo ... e tirar mais um ou dois dias para compras. Pelo que vi no tópico você irá para San Blas, né? Se eu fosse você priorizaria o tempo por lá, porque é o paraiso! Bjs Obs - em San Blas eu fiquei no Carti Homestay ... se quiser eu te passo o contato de lá para vc pesquisar.
  12. Olá Matheus, Gostei de Bocas, mas San Blas é muuuuuuuuuuuuuuuuuuuito melhor do que lá. Se tiver de optar vá para San Blas! Com relação aos gastos tudo depende do padrão de hospedagem, se vc vai comprar comida ou cozinhar, como vai viajar, etc. Mas acho totalmente viável ficar por lá com essa grana. Na cidade do Panamá (assim como Bocas) estava com outra pessoa, e gastamos aproximadamente US$ 25 por um quarto (privativo e com banheiro). Em restaurantes é viável você fazer uma refeição por uns 5 dólares (esquema fast food) e cheguei a comer uma lagosta em bocas (com fritas, arroz, etc) por 11 ou 12 ... e caso você opte por supermercado e cozinhar dá pra ficar por lá por menos. Abs
  13. Carol, Como o Matheus falou é só vc ir para Changuinola que já estará na Costa Rica (tem uma pequena ponte que separa os dois países), na região de Limon. Em minha viagem eu fiz o caminho oposto. Saí de Puerto Viejo e fui para Bocas del Toro. Como estava com a agenda um pouco apertada fui por um serviço de van que tinha no hostel (cobrou mais ou menos US$ 25 por cabeça) ... mas o ponto positivo é que foi muito rápido nos postos de fronteira (ao contrario do TIca Bus que peguei da cidade do Panama até San Jose) e por fim toda a viagem (incluíndo o water taxi) demorou cerca de 2 hrs. É isso, rs!
  14. Eu fiquei num hostel chamado Casa verde em bocas: http://pt.hostelbookers.com/albergues/panama/bocas-del-toro/51530/ Era bem localizado (na ilha principal de bocas) ... uma espécie de casa, cuja parte traseira tem um deck que dá para o mar! Não vi quartos coletivos por lá e achei o hostel bem tranquilo (para ir caso não procure muita agitação) ... e o gerente malucão (Juan) é muuuuuuuuuuito gente boa! Caso você procure mais agito eu recomendaria o Acqua (tem uma balada bem legal nesse hostel) e ele vive entupido de gente, rs ... o ruim dele é que fica em uma ilha separada (e nesse caso vc tem que pegar o water taxi toda vez que quiser ir e voltar para lá, e ele custa US$ 1 ou 2 por trecho). Só tente entrar em contato com os hosteis de bocas antes de ir para lá ... e se possível fazer uma reserva (quando eu fui estavam todos cheios de gente, e algumas pessoas tiveram muita dificuldade para achar um local para ficar). Eu não ouvi nada sobre roubos por lá ... achei a avenida principal segura, mas em algumas partes mais distantes da ilha principal eu ficava mais esperto, rs ... e de madrugada também ... acho que só teve ter roubo para quem vacila muito, rs!
  15. Não levei nada, e não vi ninguem dando nada também ... mas no fim da viagem deixei uma pequena "gorjetinha" com ele pq fui muito bem atendido, e achei que aquele dinheiro faria mais diferença com eles do que comigo ... Usar celular do Brasil é mto caro por lá ... uns americanos que conheci em San Blas me falaram que vale a pena comprar um celular pré-pago panamenho, e usá-lo para fazer as ligações para o seu país ... eles compraram um de US$ 25 e me haviam dito que estavam usando há 2 semanas (falavam rapidinho com os familiares nos EUA) e ainda tinha crédito ... Eu não cheguei a fazer isso pois descobri esse "esquema" no fim da viagem ... mas procedeque a tarifa telefônica no Panamá é uma das menores da América ... já fiz trabalhos para toda América Latina usando Central Location de lá e saiu muuuuuuuuuuuuuuito menos que no Brasil.
  16. Olá Matheus, No dia que cheguei havia um grupo de 3 argentinos. Eles sairam no dia seguinte e chegou um pessoal do leste europeu e uma menina alemã. Na minha viagem eu tomei vacina para febre amarela (que se não me engano é obrigatória para a viagem no Panamá), mas nada para malária. Em Carti não tinha nenhum mosquiteiro na cama ... no andar de cima (aonde ficam os turistas) é bem aberto, e entra uma brisa bem agradável durante a noite ... e sinceramente não fui incomodado pelos mosquitos (nem usei o repelente que levei, mas recomendo que você compre e leve). O único lugar aonde fui incomodado por mosquitos em San Blas foi no ponto de chegada dos 4x4 e aonde aguardamos o traslado para as ilhas ... lá tinha muuuuuuuuuuuuuuuuuitos! Abs
  17. Olá Matheus, Fiquei em Carti alguns dias no fim do mês de janeiro deste ano. Eu tive o mesmo receio que você, com relação à "falta" de comida, e posso te dizer que a minha alimentação em San Blas fui bem acima das expectativas. O café da manhã era simples (com uns paes de coco, geleias, manteiga, suca, café, leite, etc) mas bem completo! Em alguns dias teve até Nutella, rs (não sei se algum turista largou o pote por lá ou se é costume por lá mesmo). Mas em geral eu era um dos primeiros a tomar o café da manhã, e sinceramente não sei se chegava a faltar algo para os últmos que comiam. O almoço e jantar era uma espécie de marmitex (aquela embalagem redonda de papel alumínio), como tem aqui no Brasil ... em geral era arroz, feijão, uma carne (normalmente frango), e um pouco de salada. Vinha tudo numa boa quantidade, e se você não come muito é suficiente par apassar o dia. Uma dica bem legal é comprar peixe com a população local das ilhas em que você estiver fazendo o tour ... eles pescavam e assavam na hora, e era muito barato e delicioso (pagamos 2 atuns que devia dar mais de 2 quilos por US$ 5 no total, se não estou enganado). Uma dica já colocada aqui é para você levar bastante água ... caso não consiga comprar na cidade do panamá, existem alguns locais em carti que vendem (se não me engano era 3 ou 4 dólares por uma daquelas garrafonas de uns 8 litros). Mas uma coisa legal de você levar (caso você goste) são barras de cereais, bolachas, etc para fazer uma sobremesa ... pois não encontrei muita coisa dessa vendendo por lá. Uma observação caso você leve comida é para não deixa-las nos quartos embalados com sacos plásticos. Um colega que esteve hospedado por lá fez isso, e seu saco de pao, bananas e bolachas apareceram com pequenas marcas de mordidas redondas (sinal que um rato entrou na casa em algum horário do dia e fez um "lanchinho" com suas compras, rs) ... então peça para os kunas para colocar na geladeira, ou em algum armário. Espero ter ajudado ... Abs Observação - mudando de assunto, encontrei um outro mapa bem legal com a localização de algumas ilhas! E olha só ... existe uma publicação de mapas náuticos do Panamá (http://www.sailorsnet.com/Panama_Cruising_Guide_Index.htm), que possivelmente deve ter todos os mapas de San Blas e outras regiões.
  18. cdechery, Caso você procure algumas praias mais aventureiras eu recomendaria Puerto Viejo (Limon) e Montezuma (Guanacaste), que foram as praias que mais gostei na viagem. Um porém é que a infraestrutura é pior do que outros locais do país, e também não vi hoteis luxuosos por lá. Puerto Viejo fica no Caribe (próximo da fronteira com o Panamá) e muitos Costariquenhos brincam que lá se parece muito mais com a Jamaica do que a Costa Rica. Lá perto também tem uma reserva (ou parque nacional) que se chama Cahuita. Montezuma (algumas pessoas brincam e chamam o local de Montefuma) é uma praia bem tranquila que fica em frente ao Golfo de Nicoya. Tem algumas cachoeiras e trilhas para fazer por lá. Dentre as praias mais conhecidas da Costa Rica fui em Tamarindo, que não achei muito diferente das praias brasileiras. E Manuel Antônio, que possivelmente é o destino preferido de praia dos turistas que visitam a Costa Rica, mas que pessoalmente não me encantou tanto (achei bonito, gostei do parque nacional, mas nada de extraórdinário). Recomento também você pesquisar os hoteis que existem no Golfo de Papagayo, que dizem ter um dos melhores ressorts do país. E caso você goste de mergulho neste golfo existem os melhores pontos da Costa Rica. Abs
  19. Boa noite! Posso te falar a respeito do Panamá e Costa Rica, que são os 2 países que visitei. No Panamá você não terã problema nenhum, pois a economia é totalmente dolarizada. A moeda local tem o mesmo valor do dólar (equivalente), que circula normalmente. Para ser sincero eu só vi moedas made in Panamá, porque as notas eram todas americanas mesmo. A Costa Rica possui uma moeda local (chamada Colone). A maioria dos estabelecimentos aceitam dólares e moedas locais, mas existem algumas exceções que aceitam apenas uma. Porém, o meu conselho é sempre você andar com uma pequena quantidade de cada moeda. O que acontece é que alguns preços são definidos em colones, e outro em dolares. E caso você queira pagar na outra moeda os comerciantes na maioria das vezes fazem um cambio pior do que aquele encontrado nos bancos. Acredito que nos outros países caribenhos que possuam moedas próprias aconteça a mesma coisa, mas não posso afirmar pois não os visitei. Abs Obs - esqueci do cartão de crédito! No meu caso os débitos vieram como moeda local do país, e no dia do vencimento os mesmos foram transformados em dólares para aparecer em minha fatura. No caso do Panamá como a economia é dolarizada os debitos vêm em US$. Opssssssss ... acho que falei demais ... vi agora que vc só vai pro Panamá, e o Silnei já respondeu tudo!
  20. Acho que a consequência imediata é que um número maior de panamenhos passe a frequentar as ilhas (quando fui para San Blas em janeiro cheguei em um fim de semana, e vi um bom número de carros de "locais" parados no fim da estrada) já que com a estrada e a ponte, um 4x4 já não será tão necessário, além do menor tempo para chegar ao destino. Talvez o custo do traslado para os turistas caia também, mas não sei se isso acontecerá já que o mesmo é controlado por poucas famílias. Mas não sei ... com a chegada do "progresso" acho que o número de turistas aumentará, e consequentemente ocorrerá um processo de degradação em muitas ilhas. Sò espero que os kunas tenham sabedoria para lidar com isso!
  21. Olá Silnei, Quando estive por lá no início do ano boa parte da estrada estava asfaltada, e a ponte estava em construção. Mas deixei alguns "amigos" por lá que me mandaram estas fotos, mostrando que a ponte está concluída e disseram que a estrada já está praticamente toda asfaltada. Perguntei sobre o "praticamente" e me disseram que a estrada já está toda asfaltada, mas ainda estão sendo realizados serviçoes de acabamento em alguns pontos. Não existe propriamente um pedágio na estrada, mas ao entrar na reserva dos kuna o carro faz uma breve parada (é numa casa bem rústica, creio que ela aparece numa das fotos que enviei na margem da estrada) onde são cobrados os impostos para entrar na região (não me lembro o valor exato, mas acho que eram uns US$ 6 por pessoa) e também pode ser necessário mostrar o passaporte (mas em geral eles cobram apenas no retorno para a cidade do Panamá, pois precisam ver se ninguém entrou pelo mar e sem ser registrado no Panamá). Ou seja ... estrada e ponte concluídas e sem pedágio, mas necessário o pagamento de impostos para entrar na reserva. Abs
  22. Pessoal, No início do tópico lembro que alguém questionou com relação aos mapas de San Blas, e ninguém possuia os mesmos. Consegui um mapa mostrando um pouco da estrada e a localização de algumas ilhas (obviamente falta muuuuuuuuita coisa), mas já é um começo, rs. Abs
  23. Os únicos veleiros que conheço são aqueles que fazem o trajeto de Cartagena (Colômbia) até San Blas (Panamá). Acho que a viagem custa em torno de uns US$ 400 e dura entre 3 e 4 dias, mas posso estar enganado. É desse barco que você queria informações, Nilton?
  24. Péssima notícia ... Meus "informantes" em San Blas avisaram que a ponte já está concluída (vcs irão ver nas fotos os carros passando) e o asfalto praticamente terminado em toda a estrada. Seguem fotos para terem uma idéia de como ficou. Provavelmente agora o acesso vai estar muito mais fácil para todos Quando fui (com boa parte do asfalto pronto) o traslado da cidade do Panamá até San Blas era de aproximadamente 2,5 horas. Incluindo mais meia hora para pegar o barco e ir para as ilhas teríamos umas 3 no total. Abs a todos
  25. Durante todo o mês de janeiro viajei pela Costa Rica e Panamá, fechando o roteiro com San Blas! Posso dizer que praticamente tudo que está escrito neste blog corresponde a verdade encontrada nas ilhas, que realmente são paradisíacas e com um povo acolhedor. Fiquei na ilha Carti (Carti Homestay) onde fui super bem recebido e atendido pagando US$ 25 de diária, incluíndo 3 refeições (que achei bem servidas ao contrário do que outras pessoas comentaram) e um passeio diário ... no último dia optei por dormir em uma ilha pagando mais US$ 20 por isso. O acesso a ilha pelos 4x4 foi mais fácil do que imaginei e custou US$ 25 por cada trecho (mais a taxa para entrar no território kuna, e US$ 1 ou 2 pela canoa até Carti). A notícia ruim é que o governo do Panamá está pavimentando a estrada de acesso, e essa construção já está em estágio adiantado (até uma ponte está sendo construída no fim da via) o que irá facilitar o acesso para o arquipélago ... Se tiverem dicas ou dúvidas estou a disposição para ajudar !!! []s
×
×
  • Criar Novo...