Ir para conteúdo

fabriciocarv

Membros
  • Total de itens

    36
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que fabriciocarv postou

  1. Boa noite, amigos mochileiros! Bem, cá estou eu, enchendo a paciência de vocês com uma tonelada de perguntas. Após o mochilão que eu fiz do Prata ao Pacífico em Março(ainda devo o relato, mas irei faze-lo em breve), agora começo a me movimentar para finalizar o grande sonho da minha vida: conhecer o velho continente. Apesar de estar um pouco distante a data (mas, sabe como é: classe C emergente, não posso me dar o luxo de viajar na hora que "dá na telha", rssss), já comecei as pesquisas. O roteiro que eu pretendo fazer é o seguinte: - Paris (5 noites) - Londres (5 noites) - Roma (5 noites) - Barcelona (4 noites) - Madrid (4 noites) Preferi optar por poucas cidades, porém, ter a oportunidade de conhecer melhor as principais capitais europeias e numa próxima viagem incluir o norte da Europa e o Leste Europeu. Além do orçamento para passagens (Brasil/Europa e deslocamente entre as cidades) e hospedagem que estou calculando à parte, pretendo levar aproximadamente 80 euros para despesas com alimentação, atrações turísticas, transporte público e alguma balada (enfim, ninguém é de ferro e eu sou sou apaixonado por música eletrônica, ir a Londres e não ir a Ministry of Sound ou não ir à Pacha Barcelona, seria "a big, big, mistake" hahah). Vocês acham que com 80 euros dias dá para passar bem? Uma dúvida é de como me vestir para o inverno europeu. Com uma botinha (dessas da timberland), uma segunda pele térmica, gorro, cachecol e um casaco eu consigo sobreviver ou vou precisar comprar algo mais sofisticado? E se for o caso, é melhor comprar no Brasil ou lá? Para ir de Barcelona a Madrid é mais vantajoso o trem ou pegar um voo low cost da Vueling? Outra dúvida que eu tenho é envolve as reservas nos hostels e imigração. A imigração só considera as reservas aquelas que são pagas com antecedencia? Por exemplo, se eu reservar por e-mail e receber a confirmação do hostel (porém para realizar o pagamento no momento do check-in) eles aceitariam essas reservas como comprovante de hospedagem ou não teria nenhuma validade para eles? Em relação ao meu roteiro, vocês acham que eu deveria incluir mais alguma cidade? tipo, Amsterdam ou Berlim? Sem estrapolar o orçamento. Por ora, uma última dúvida: Alguém já reservou hostel usando o VTM? aquele valor de 15% que eles retem além da reserva, eles devolvem apenas no momento do check-out ou depois que o hostel confirma a reserva eles já devolvem... Enfim, galera, obrigado pela atenção e desculpem a amolação. Se alguem estiver planejando fazer um roteiro parecido nesta mesma época, estou aceitando companhias. Eu garanto que sou super gente boa. hahahha.
  2. Pessoal, só gostaria de deixar um alerta sobre o Hostel La Casa Roja É o pior hostel que eu fiquei em toda a minha vida. Este hostel deixou um gosto amargo na minha última viagem ao Chile. O que era para ser uma experiência bacana, acabou de tornando um pesadelo. Tenho que concordar que as instalações do hostel não são nada mau. Os quartos amplos, o banheiro te proporciona uma certa privacidade na hora do banho, há uma piscina, uma sala de vídeo, a cozinha é bacana... Enfim... Mas, para por aí. O hostel fica num bairro extremamente decadente, o Bairro Brasil. Apesar de nas proximidades ter vários barzinhos, o lugar é sem graça, mal frequentado, longe do centro, decadente e perigoso à noite. A anda-se um bocado para se chegar à estação de metrô mais próxima (Cummings). O staff do hostel se faz de desentedido ou são lerdos de nascimento. Havia pagado por 5 noites, acontece que na minha 4° noite fizeram o meu check-out e quando eu chego ao meu quarto, surpresa: já havia outra pessoa dormindo na minha cama. Depois do perrengue, e do pequenos barraco na recepção, tive que esvaziar o meu locker, juntar as minhas coisas e ir para um outro quarto e ficar numa cama recém liberada que se quer teve os lençois de cama trocado (e no outro dia tb ninguém foi lá trocar, apesar de eu haver pedido). O hostel não tem regras. Havia um grupo de americanos que fazia bagunça a noite inteira, bebiam, gritavam nos corredores, esmurravam as portas dos quartos e o staff simplesmente não fazia nada. Sem contar que no meu quarto havia um grupo usando cocaína, o cara do staff entrou no quarto, viu a situação e se quer repreendeu o grupo. Houve uma noite que um casal de americanos estavam transando literalmente no meio do quarto e apesar de reclamarmos, nada foi feito. A limpeza do hostel simplesmente não existe. O banheiro é pior que o de rodoviária. As camas não são arrumadas... E olha, dúvida que haja troca regular de lençois. O café da manhã é pago. Custa a bagatela e CLP 2.000 (ou seja, compensa vc ir ao Mc Donald's e pedir um lanche) por um café, pão, e torradas. Só que você não é avisado no momento do check-in. Ou seja, vc acorda de manhã, pronto para tomar café, aí vem uma mocinha não tão simpática e te dá um cardápio. Os quartos não tem refrigeraçã e nem calefação. Se em pleno o verão eu sentia frio no quarto, imaginem no rigoroso inverno santiaguino? Enfim, só um aviso. Fujam do La Casa Roja, pelo mesmo preço vocês podem ficar em outro hostel mais bem localizado e organizado. Abs
  3. Seu orçamento está perfeito, com o mesmo orçamento fiz um roteiro mto parecido com o seu, só que em 28 dias, com a diferença de trocar o norte da Argentina pelo sul. Desci até El Calafate, Bariloche, subi até Mendoza e depois atravessei para o Chile. O teu tempo está perfeito e o orçamento está excelente. Vai na fé que vai dar tudo certo e qualquer dúvida que surgir estou a sua disposição. Agora, vai se preparando psicologicamente que vc vai encarar um frio de cortar a alma. hahaha. abços
  4. Uruguai Montevideo (de 03/03 a 08/03) Finalmente o grande dia havia chegado. Após meses de muita pesquisa, muito esforço, mais um sonho da minha vida estava se realizando. Às 09:25 da manhã embarquei em Guarulhos, e como previsto, às 13:00 (os uruguaios estavam no horário de verão) o meu voo chegou ao aeroporto de Carrasco. Fiz o procedimento de imigração tranquilamente, peguei minha mala e fui “bisbilhotar” o free shop que é imenso e tem infinitamente mais coisas do que o duty free de Guarulhos. O aeroporto de Carrasco é super moderno e eficiente. Bate em qualquer aeroporto brasileiro. Uma das minhas grandes preocupações ao chegar ao Uruguai era com o câmbio. Como era sábado à tarde, as casas de câmbio estariam fechadas e no aeroporto o câmbio é impraticável. Mas, aí, veio a grande luz: trocar apenas o necessário no aeroporto, tomar um ônibus até a rodoviária de Tres Cruces e trocar na Indumex que funciona todos os dias da semana das 06hs às 24hs. E foi assim, troquei R$ 50,00 no aeroporto por uma taxa absurda de R$ 1 = UY$ 8 (pesos uruguaios). Enquanto na Indumex do terminal Tres Cruces a taxa foi de R$ 1 = UY$ 10,30. Para ir ao terminal Tres Cruces tomei um ônibus da COT (o escritório deles fica ao lado direito saindo do aeroporto), que me custou UY$ 111,00 e levou cerca de uma hora. Porém, tive que esperar um tempo absurdo debaixo de um sol que beirava os 33°C. Há outra empresa que faz este trajeto, a Copsa, e o preço não foge muito disso. O táxi do Terminal Tres Cruces até o Red Hostel (Calle San Jose y Santiago de Chile) custou UY$ 117,00 e o senhor que foi dirigindo foi super gentil comigo (como a maioria dos uruguaios) e deu várias dicas legais sobre a cidade. A diária no Red Hostel saiu a US$20. O hostel é amplo, limpo, tem um excelente café da manhã e está super bem localizado, próximo à Intendencia de Montevideo na Avenida 18 de Julio. O atendimento não foi um dos melhores, mas isso é algo subjetivo, vai da percepção de cada um. O preço é justo e o nível de serviço é bom, apesar do ar condicionado que não funcionava no meu quarto e nem haver um ventilador para amenizar o calor sufocante que fazia naquele início de março na capital uruguaia. Apesar dos pesares, recomendo. Fiquei cinco noites na capital uruguaia, queria fazer tudo com calma. Mas, em dois dias e meio dá para conhecer Montevideo sem correr muito. Larguei minhas coisas no hostel e saí caminhando pela Avenida 18 de Julio, passando pela Plaza de Cagancha (o marco zero rodoviário do Uruguai), a Plaza Fabini, chegando até a Plaza Independencia ( o cartão postal de Montevideo com o Palacio Salvo ao fundo), segui pela Peatoanal Sarandí (onde ficam os badalados bares de Montevideo) até a Plaza de la Constituición (onde está o Cabildo de Montevideo e a Catedral) e de lá fui a Escollera Sarandi que é um píer que se estende por uns 500 metros adentro da baia de Montevideo. Vi várias famílias pescando, bebendo e relaxando sob o sol. Daqui se tem uma vista maravilhosa de Montevideo. Na volta, como já estava no final da tarde, resolvi tomar um taxi até a Fortaleza del Cerro para ver o sol se pondo. O táxi saiu meio salgado (UY$ 230 a ida), mas, estava satisfeito, pois ver o pôr do sol na baía de Montevideo a partir do Cerro era o que eu mais queria. Para minha infelicidade ao chegar ao Cerro o museu militar já estava fechado, mas isso não me desanimou, afinal, eu ainda tinha a bela vista da baía de Montevideo. E perdi a noção do tempo ali, a cidade é realmente linda vista desde aquela colina, o Rio de la Plata assume um azul profundo e ver o vai e vem dos navios no porto e a imensidão do Prata, são sensações inigualáveis. Saí de lá quando o sol estava bem fraquinho e então, dei-me conta de que não havia nenhum táxi próximo e muito menos um ponto de ônibus. Resolvi descer a pé o cerro, e o bairro é realmente muito estranho, estava literalmente perdido, e para completar escorreguei e levei o maior tombo. Depois de quase uma hora andando, consegui tomar um taxi até o hostel. Depois da pequena aventura, cheguei ao hostel passando mal (resultado de uma noite quase não dormida, mais a viagem de avião, mais mau alimentação, mais ter andado horas debaixo de um sol escaldante), então, tive que me contentar em tomar um banho, um analgésico e ir dormir, em plena noite de sábado. Todos os meus planos de badalação estavam falidos. Mas, ao menos, estava me recuperando para o próximo dia. Após uma noite bem mal dormida devido à festança dos meus companheiros de quarto (Acostume-se, a última coisa que você irá fazer na sua viagem é dormir bem), tomei café sem pressa e segui pela Avenida 18 de Julio até a Plaza de los 33 Orientales onde também está o quartel general dos bombeiros que é lindíssimo e rende belíssimas fotos. Seguindo pela avenida passei enfrente a Universidad de la Republica e já era possível avistar o movimento da “Feria de Tristan Narvaja”. A feira é super legal, uma mistura de feira livre com gente vendendo animais, velharias, artesanatos e até réplicas de relógios, roupas de grife e óculos escuro. A feira se estende por toda calle Tristán Narvaja e arredores. No período da tarde, tomei um taxi até o Puerto de la Playa de Buceo e segui andando pelas ramblas passando por pontos como: museo naval, playa de pocitos, o farol de punta carreta, o shopping de punta carretas, o memorial do holocausto, o parque Rodó (onde eu ouvi até a exaustão “Michel Teló” e “Gustavo Lima”), a sede administrativa do Mercosul e finalmente assisti um belíssimo por do sol na Rambla Republica Argentina. Os bairros da zona sul de Montevideo como Pocitos e Punta Carretas lembram bastante a orla carioca, são modernos e com muita gente bonita circulando pelas ramblas, é passeio obrigatório. A minha caminhada totalizou uns 16kms e debaixo de um sol de 37°C cravados, não foi fácil. Mas é compensador. O meu terceiro dia em Montevideo foi chuvoso. De forma que eu só consegui sair do hostel no meio da tarde, então, decidi visitar os museus da ciudad vieja. Visitei o museu pedagógico, o palácio piria, o ateneu de Montevideo, o Teatro Solis (UY$ 20,00 a visita guiada em espanhol, fique atento ao horário de visitação), a catedral de Montevideo, a plaza Zabala, depois fui andando até a região do porto e entrei no mercado do porto. Bem, há refeições para todos os gostos e bolsos. Porém, estava tão mal que só o cheiro de carne assada estava me fazendo passar mal, então, resolvi comer um lanchinho mais leve mesmo. Fui andando pela Rambla, comprei uma Patrícia (não deixe de provar a cerveja uruguaia, é muito boa) e fiquei sentado, esperando o sol se por. Um belo espetáculo para alma e para os olhos. À noite voltei para o hostel, fiz um lanche e fui ao Shanon Irish Pub na ciudad vieja, cerveja boa, atendimento legal, tinha uma bandinha tocando um som bacana e não se gasta muito. Resolvi dar uma corrida no meu último dia em Montevideo. Levantei cedo e fui andando até o Palácio Legislativo. Uma construção neoclássica linda. Não estava aberto à visitação, porém, havia um grupo de turistas alemães entrando. Dei aquele jeitinho brasileiro e consegui ver pelo menos o hall principal. A riqueza de detalhes do local é impressionante. Saindo de lá fui até a torre da antel (o prédio mais alto de Montevideo), porém as visitas ao mirante (ou mirador como se diz lá), só aconteceria às 15hs. Voltei até o palácio legislativo onde tomei um ônibus até o parque Prado. O parque é imenso, lindo, tranquilo. Lá está o rosedal de Montevideo. Fiquei horas lá, sentado, apreciando o silêncio e a paisagem do local. Depois tomei um ônibus de voltar até o centro, passei no hostel e aproveitei para subir no “mirador” da Intendencia. A visita é gratuita (fique atendo aos horários, basta pedir informação no centro de informação turística ao lado da intendência) e a vista lá do alto é sensacional. Depois, fui ao estádio centenário (visita obrigatória também) e visitei o museu do futebol, que é bem interessante. Apesar da glorificação daquela fatídica vitória do Uruguai sobre o Brasil em 1950, há bastante objetos ligados ao futebol brasileiro, e eles retratam nosso futebol com muito respeito. Saindo do museu do futebol, dei um tempinho no parque Battle e depois tomei um ônibus até o centro, onde pude apreciar o meu último pôr do sol em Montevideo. À noite voltei ao hostel, peguei a minha roupa na lavanderia e fui jantar numa pizzaria na 18 de Julio e depois tomei sorvete no La Cigale. Super recomendo. No outro dia, fiz o meu check-out e segui para Colônia do Sacramento. Dica importante: Andar de ônibus em Montevideo é muito prático. A tarifa é muito barata (o equivalente a R$1,10 nas linhas centricas) e as pessoas sempre tentam te ajudar. Para pesquisar os itinerários e horários de ônibus usei este site: http://www.montevideo.gub.uy/aplicacion/como-ir O site é extremamente prático. Aeroporto de Carrasco Vista da baía de Montevideo desde a Fortaleza del Cerro Quartel Genral dos Bombeiros na Praça dos 33 Orientales Playa de Pocitos Plaza Independencia com o Palácio Salvo ao fundo Teatro Solis Palacio Legislativo Parque Prado Vista de Montevideo desde o "Mirador" da Intendencia de Montevideo Estadio Centenário Por do Sol no Rio da Prata visto da Rambla Rep Argentina
  5. A pré-viagem Comecei efetivamente a me movimentar para fazer a viagem cerca de um ano antes. Pesquisando passagens, meios de locomoção, hosteis... Enfim, tudo o que faz uma viagem acontecer. Fiz uma estimativa de gasto e estipulei uma quantia por mês e depositava religiosamente todo quinto dia útil na minha conta. Claro que isso implicou numa certa mudança de hábitos, como: não ir à baladas, não gastar com roupas caras, gastar estritamente o necessário e uma disciplina fenomenal vinda de um consumista incorrigível... Mas, valeu a pena. A quatro meses da viagem, ou seja, em novembro/11, comprei as passagens no site da TAM por R$ 782,00 (ida São Paulo/Montevideo e volta Santiago/São Paulo), o que foi extremamente barato. É chover no molhado, mas fica a dica: maior a antecedência você comprar a passagem, menos irá pagar. Não sei se é regra, mas neste caso, viajar durante o final de semana saiu muito mais barato do que um voo durante a semana. Durante os meses que antecederam a viagem, estudei firme espanhol. O que fez toda a diferença. Estudava sozinho e às vezes contava com o auxílio de alguns amigos. O esforço valeu a pena e fez toda a diferença na viagem. Facilitou muito a minha vida, e foi fundamental na minha socialização. Com um mês de antecedência reservei os hosteis. O que adiantou muitíssimo a minha vida. Economiza-se um tempo precioso (em não precisar saindo procurando um local para ficar, numa cidade estranha e carregando uma mochila nas costas) e te dá mais segurança. Só não caia na besteira de pagar por todas as noites no primeiro dia, como eu fiz, porque caso você não goste do hostel, no outro dia você tem a possibilidade de procurar algo melhor. E vamos ao que interessa...
  6. Tomei coragem e estou escrevendo este relato. Acredito que aqui nos mochileiro existam outros relatos mais completos e interessantes que o meu. Mas, escrever este relato, é uma maneira de agradecer a todos que responderam as minhas dúvidas e que me encorajaram (direta ou indiretamente) e também estimular outras pessoas que tenham o mesmo sonho a concretiza-lo. Deixo aqui o meu agradecimento especial ao LeoRj, foi lendo o relato da viagem dele pela Argentina, num dia chuvoso de 2009, que eu me inspirei e deixei apenas de sonhar com as minhas viagens e comecei a me movimentar no sentido de torna-las reais. O meu roteiro foi: Montevideo> Punta del Este > Colonia del Sacramento > Buenos Aires > El Calafate > Bariloche > Mendoza > Santiago do Chile > Viña del Mar e Valparaíso. Ao longo do relato vou detalhando os gastos em cada local e algumas dicas. Não tenho a pretensão de criar um relato-referência, mas apenas um relato que ajude as pessoas a terem alguma noção sobre a minha “expedição”. Vou tentar ser bem sucinto (coisa um pouco difícil), qualquer dúvida que surgir estou à disposição. PS: Como a viagem foi longa e passei por muito lugares, vou postando o relato em pedaços. Qualquer dúvida será um prazer ajuda-los.
  7. Galera, Boa Noite No terminal do Buquebus de Buenos Aires tem casa de câmbio? Em caso afirmativo até que horas eles funcionam? Obrigado
  8. Gente, alguem pode indicar um bom "boliche" de música eletrônica em Montevideo? Assim como em Buenos Aires a noite começa tarde em Montevideo por volta das 2hs da manhã?
  9. Boa Noite, Pessoal, estou indo para Punta del Este num esquema de bate e volta. Estou pretendendo chegar a Punta no meio da manhã e ficar lá até o anoitecer. Bem, para eu conseguir ver o pôr do sol a partir da casa pueblo (me falaram tanto do pôr do sol lá que se eu não ver acho que eu tenho um "taquicardia" kkkk) eu teria que pegar o city tour no final da tarde, certo? Gostaria de saber neste meio tempo o que eu consigo ver em Punta del Este sem precisar deslocar grande distâncias (não posso alugar carro) ? Outras sugestões são bem vindas! ABços
  10. Galera, preciso de uma orientação. Alguém já trocou reais por dolares em Buenos AIres. Estava vendo no site do dolar hoy e tem algumas casas de cambio oferecendo as seguintes taxas: compra 1.65 venda 1.72 Como eu estou indo tb ao Chile e lá no momento está mais vantajoso trocar dólares por pesos, então se esta informação for verdadeira mesmo, estou pensando seriamente em deixar para comprar dólares em Baires... O q vcs aconselham?
  11. fabriciocarv

    Mendoza

    Boa Noite, amigos! Um dos motivos que me levam a Mendoza é para conhecer as Bodegas da Família Zuccardi e a Trapiche (eu sei que existem outras melhores e que merecem visita, mas é que eu sou fã dos malbecs produzidos por estas duas vinículas). Existe algum tour que inclua as duas bodegas? Existe uma outra opção que é pegar um coletivo até Maipu e depois pegar um taxi (remise) para visitar as duas viniculas. Alguém sabe me dizer se isso é viável? ficaria muito caro? Se alguém puder ajudar ficaria extremamente grato.
  12. Segue em anexo uma planilha que eu fiz com a estimativa de gasto com hospedagem, deslocamentos e com os passeios em El Calafate. Fiquem a vontade para analisar. Expedição do Prata ao Pacífico.xls
  13. Caros Colegas Em primeiro lugar gostaria de agradecer a atenção de todos que nos últimos meses tem respondido às minhas questões. Bem, finalmente está chegando o dia de eu embarcar (estou em contagem regressiva fazem uns 4 meses, hahah) e estou com algumas dúvidas em relação a roteiro, gastos e a melhor forma de aproveitar ao máximo os lugares que eu vou passar. Afinal de contas, desde 2009 estou planejando esta viagem. Bem, qualquer dica, sugestão, crítica e afins serão muito bem vindos. O roteiro é o seguinte: Montevideo (3 noites) Punta del Este (1 dia - volto para MVD à noite) Colonia del Sacramento ( 1 dia - no final da tarde vou para Baires) Buenos Aires (5 noites) El Calafate (3 noites) Bariloche (3 noites) Mendoza (3 noites) Santiago do Chile (5 noites) Viña e Valpo (1 dia - bate e volta) Montevideo - 1º dia: Chego por volta das 12hs. Fazer check-in no hostel e conhecer as imediações da plaza cagancha e plaza independencia no final da tarde ir ao Cerro de Montevideo para ver o pôr do sol (eu queeeeeroooooo muiiiiiiiiitooooooooooo, rs). À noite jantar (algo típido uruguaio), socilizar no hostel e depois ir tomar "unos tragos" no Shannon Irish Pub ou ir a algum "boliche" de música eletrônica. Sugestão: Alguém indica um bom lugar para curtir música eletrônica em Montevideo? - 2° dia: Visita a Feira Tristán Navarra, Parque Rodo (fiquei com com vontade de ir na roda gigante que tem lá), continuar visita pela Ciudad VIeja, explorar as Ramblas e Imediações do Mercado del Puerto, final da tarde na escollera Sarandí, noite para descansar. - 3° dia: Ir ao estádio Centenário, visitar o museu do futebol, almoçar no mercado do porto depois explorar Punta Carreteras e Buceo até à noite. Punta del Este - Chegar pela manhã, reservar o city tour, e explorar a cidade até a hora do city tour. Voltar à noite para Montevideo Dúvidas: Que horas eu devo fazer o city tour para ver o por do sol na casa pueblo? E até a hora do city tour o que dá para ver em Punta? Colonia del Sacramento - Visitar o centro histórico, um pouco das ramblas e pegar o buque no início da noite para Buenos Aires. Buenos Aires - Esta é a minha segunda vez na cidade, então, quero ver aquilo que deixei de ver. Fazer comprar e claro, badalar. Como são cinco dias na cidade, eu aceito sugestões de coisas que podem ser visitadas, algo fora do roteiro turístico e que encante. El Calafate - 1° dia: Vou chegar no meio da tarde a cidade. Fazer Check-in no hostel, reservar os passeios, alugar roupa, conhecer o centrinho da cidade... - 2° dia: Fazer o Minitrekking - 3° dia: Navegação todos glaciares - 4° dia: Check-out pela manhã. Tenho até às 16:00 livre. Preciso de sugestão de como preencher esse tempo. Bariloche Estou completamente perdido. Ir a Bariloche em pleno verão nem era meu plano. Mas tem uma atração na cidade que eu gostaria muito fazer: "O caminho dos Sete Lagos", bem, isso preenche 1 dia do meu roteiro. Mas preciso, desesperadamente de dicas e sugestões de coisas que seja possível fazer em Bariloche no verão e que não seja aquela facada... rs Mendoza - 1° dia: Chego na cidade pela manhã. O dia vai ser para conhecer a cidade, reservar alguns passeios e visitar o parque San Martín - 2° dia: Alta Montaña tour - 3° dia: Bodegas e ir para Santiago à noite Dúvida: Qual é o roteiro pelas Bodegas que passa pela vinicula da Família Zuccardi (sou apaixonado por vinhos e malbec é o meu favorito e sem dúvidas a família zuccardi produz um dos melhores malbecs argentinos). SUgestões para Mendoza são super bem vindas Santiago do Chile Outro caso em que eu estou perdido também. Dos cinco dias que reservei para Santiago, três serão exclusivamente da cidade. Em um dia quero fazer Viña e Valpo (provavelmente em esquema de city tour) e um outro dia para ir a Vinicula ou a Concha y Toro ou a Undurraga. Queria ir a Isla Negra, mas acredito que o não vai dar tempo. Bem, gostaria mesmo de sugestões para Santiago, pois ainda estou muito perdido, mesmo. Bem, as passagens aereas comprei com 4 meses de antecedencia. A grana para hospedagem, deslocamento entre as cidades e para os passeios em El Calafate já está reservada. Agora, grana para alimentação, baladas (não muuuuuuuiiiiitas, mas sabe como é? ) e passeios nas cidades, eu estou levando por volta de R$2.200,00. E aí vem a pergunta que todo mundo se faz quando pleneja uma viagem: Vocês acham que dá para passar esses dias com esse valor?
  14. Belissimas fotos, ótimo relato. Parabéns! Posso te fazer algumas perguntas? Você lembra o dia da semana em que fez este passeio por todos los glaciares em El Calafate? Sabe me dizer se a saída deles é diário? A segunda pergunta é se para fazer o minitrekking é necessário algum equipamento especial como: botas, segunda pele, jaqueta impermeável? Obrigado e mais uma vez parabéns pelo relato
  15. Alguém tem mais ou menos noção de quanto estão pagando por real nesta casa de câmbio no aeroporto e quanto estão pagando por real nas casas de cambio do centro de montevideo? abs
  16. Boa tarde, pessoal Bem, já vi que é mais vantajoso levar dolares para o Chile, dei uma pesquisada na net e vi que em média as casas de câmbio em Santiago estão pagando 240 pesos por real e em média 500 pesos por dólares. Mesmo comprando o dólar aqui no Brasil com a taxa de dólar turismo, no final das contas a gente sai ganhando mesmo. Mas, a pergunta minha é se é possível trocar dinheiro na fronteira da Argentina com o Chile, já que eu devo sair de Mendoza em direção a Santiago e devo fazer esta travessia durante a noite.
  17. Galera, Boa Noite Estou com um problemão na verdade. Meu vôo está programado para chegar em Montevideo no sábado à tarde. A questão é onde fazer o câmbio a um preço bacana já que eu vou precisar de uma quantia considerável para passar o final de semana. Alguém sabe me dizer se aos sábados tem alguma casa de câmbio aberta em ciudad vieja ou se tem alguma agência do BROU (Banco de la Republica Oriental del Uruguay) no aeroporto de Carrasco. Brigadão...
  18. Pessoal, estou com algumas dúvidas em relação ao que vestir para fazer o minitreking. Por exemplo, o uso de botas de trekking é obrigatório? É necessário o uso da segunda pele? (bem, no meu caso estou indo em março finalzinho do verão/começo do outono austral) Posso ir com um jeans ou o uso de calças impermeável é obrigatório também? Em relação aos preços são uma facada mesmo, o pessoal do hostel glaciar del libertador me mando um email com os valores dos passeios e não fugiu mto destes da hielo y aventura. Só o passeio por todos os glaciares de barco que deu uma diferencia , o deles sai por AR$ 500,00. Se interessar, está em anexo a tabela deles. E mais uma vez, obrigado pela atenção galera. Desc. de Excursiones.doc
  19. Boa noite, mochileiros. Irei ao Uruguai o ano que vem, fazendo o seguinte roteiro: 2 dias e meio em Montevideo 1 dia inteiro em Punta del Este 1 dia inteiro em Colônia del Sacramento Tenho algumas dúvidas Vocês acham que este tempo é suficiente? Em Punta del Este compensa comprar um daqueles city tours? Vocês sabem quanto custa em média? Ou eu consigo conhecer tudo por lá de forma independente? (detalhe: Não posso alugar carro visto que eu tenho apenas a permissão provisória) Em Colônia del Sacramento é dúvida é a mesma, compensa comprar um city tour ou eu consigo fazer os principais pontos sozinho mesmo? (em Punta eu chego pela manhã e a tarde eu sigo para Bs Aires). O custo de alimentação e os passeios são caros no Uruguai? Como que é a noite de Montevideo? ALguém poderia me indicar uma boa balada de música eletrônica em MVD? Em março o burburinho de Punta del Este já passou? rsrs Obrigado
  20. Pessoal, agradeço a todos que responderam a este tópico. Houve uma mudança de 180° nos meus planos nestas últimas semanas e estou embarcando para Buenos Aires na próxima quarta-feira. Bem, só poderei ficar 5 dias na capital argentina, já que devo voltar semana que vem para começar no meu novo trabalho. As informações que me passaram serão muito úteis numa próxima viagem, já que eu não desisti deste roteiro. Prometo que quando cehagr, posto um relato aqui no mochileiros para partilhar todas as informações e aventuras minhas. ¡ Hasta luego, chicos!
  21. Boa Noite, Pessoal Tem algum banco que eu consiga trocar dinheiro no Aeroparque? Alguém sabe me dizer se caso eu chegar lá após Às 20hs eu consigo fazero cambiar? Obrigado
  22. fabriciocarv

    Mendoza

    Pessoal, estou com duas dúvidas em relação a Mendoza: 1- Estes dias pesquisando na net (http://www.todoturismo.com.ar/ski-de-verano-en-las-lenas-mendoza/) , vi que em 2007 era possível esquiar em las Leñas durante o verão. Bem, alguém sabe me dizer se este "ski de verano" ocorre todos os anos ou foi excepcionalmente no verão 2007/2008 que foi precedido por um inverno/primavera abundante em neve? 2 - Aquele passeio pelas vinícolas de um dia inteiro só tem de bike mesmo? Não existe uma outra opção que inclua todas as vinícolas visitadas neste biketour para aqueles que são desajeitados com a magrela??? (hahahha) 3 - Alguém fez aquele passeio a cavalo no parque nacional do Aconcagua? Vale a pena mesmo? 4 - Durante o mês de janeiro eu consigo ver (e mais importante: ter contato) com neve em algum ponto das imediações de Mendoza? Obrigado
  23. E aí galera, tdo beleza? E como anda o planejamento da viagem de vocês? Vamos manter contato aí... Abços!
  24. Alguém sabe me dizer em qual dia da semana sai onibus de Santiago do Chile para São Paulo pela Crucero del Norte?
×
×
  • Criar Novo...