Ir para conteúdo

LiviaAlcantara

Membros
  • Total de itens

    14
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

1 Neutra

Bio

  • Ocupação
    Um eterno viajante

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Pessoal, acabo de voltar de uma viagem ao Maranhão e como recorri aos relatos aqui, vou deixar minha contribuição. A viagem foi do dia 1 de agosto ao 11 de agosto de 2014. Vou tentar atualizar os preços e descrever os lugares pelos quais passeis,pois tive dificuldade com estas duas coisas nos relatos que encontrei por aqui. Vou tentar não repetir informações que já existem em outros posts. 1. TRAVESSIA (Santo Amaro, Queimada dos Britos, Baixa Grande, Canto de Atins) Existem diversas rotas de viagens dentro do parque dos Lençóis Maranhenses. Eu fiz a que vai de Santo Amaro para Canto de Atins (passando por Queimada dos Britos e Baixa Grande). A melhor direção para fazer a travessia é a contrária do que realizei, por conta da direção do vento e da formação das dunas. Mas como eu queria terminar a viagem em Canto de Atins e dar uma relaxada lá, preferi ir contra o vento e contra as dunas. Foi bem mais tranquilo do que eu supus. Guia O guia com quem viajei foi Beziquinho. Super gente boa, muito simples e um grande conhecedor das dunas. Ele nasceu na região e hoje tem uma casa em Queimada dos Britos, que serve de ponto de apoio para os viajantes fazendo a travessia. O lugar é super bonito, a casa toda feita folhas de arvores e madeira. Dorme-se na rede em uma tenda linda. Havia um rio bem na porta da casa, onde era possível tomar banho e passar o tempo. Contato: 98 3369 - 1005 e 98 9609 - 2199 Facebook: https://www.facebook.com/biziquinho.lencois?ref=ts&fref=ts Outros guias: - Fagner 98 9190 3335 (guia que encontrei na caminhada e fizemos juntos uma parte do caminho). - Carlos Queimada 98 8734 0615 (guia famoso, que conversei pelo tel, mas que não estava disponível na data que eu precisava) Preço do guia: Até 3 pessoas paga-se 150,00 a diária. De 4 - 10 paga-se 200,00 a diária. (que pode ser dividida entre o grupo). Contactei o guia na região mesmo. Perguntando de boca em boca. Mas pode-se ligar antes e perguntar. Lugares: - Santo Amaro: é uma cidadezinha que cresceu com a exploração do petróleo. De lá tem como fazer vários passeios curtos, de uma tarde, por exemplo. Não os fiz, pois estava interessada na travessia. Tive a impressão de que é menos caótica do que Barreirinhas. Fiquei na Pousada fé em Deus:, que é gerida por Dona Graça, uma figura. 98 8707 0983 / 8870 9596 / 3369 1116 Queimada dos Britos É uma comunidade no meio das dunas, entre a vegetação. Moram algumas poucas famílias longe umas das outras. Lá vi um por do sol incrível, acompanhada pelo filho do Biziquinho de 5 anos. Nas comunidades se come bem simples: uma galinha matada na hora (deliciosa), arroz, feijão e macarrão - com muita fartura. Baixa Grande Fiquei na casa da Dona Dete. Aqui já haviam mais turistas. Uma cabana grande cheia de redes. Já havia também uma espécie de refeitório. O legal deste lugar é que perto da casa tem várias lagoas que dá para ir andando. Vi lagoas incríveis lá e o pessoal da casa é muito agradável. As comunidades já tem estrutura para banho e as redes para dormir. Canto de Atins Canto de Atins está na praia, mas as pousadas estão longe. A praia não é legal, mas as pousadas estão em frente a uma faixa de dunas incrível e com lagoas que dá para ir a pé. É impressionante como cada lugar é único, apesar de ser tudo duna e lagoa....O que não gostei daqui é que existem apenas duas pousadas: a Luzia e a do irmão dela. Ambos competem pelo maior preço. Fiquei na Luiza, que é famosa pelos camarões na brasa. Realmente a comida é gostosa, mas tem vários problemas neste lugar. Paga-se muito caro para comer e nada é farto. Apesar da comida ser gostosa, senti uma relação de exploração muito grande. Cada prato custava 30,00 e não havia sequer arroz à vontade. Não vendiam água de 1,5l, só garrafinhas a 3,00. Depois ainda dificultaram nossa saída do lugar, quando poderiam facilitar para seus próprios hospedes. Conclusão, vale a pena dar uma passada e até dormir uma noite, visto que você chega muito cansado de três dias de caminhada. Mas saia o quanto antes. De Canto de Atins até atins são 1,5 horas andando. Dá para ir, mas depois de três dias de caminhada não animei e peguei uma carona com um dos transportes que levam para passeios nas lagoas. Atins Atins é bem legal. É uma cidadezinha com ruas de areia ainda. Tem muitas pousadas bonitas e tal, mas o clima é bem leve. Lá fiquei na pousada do Melo (98 8843 3968), que é a mais barata (60,00 o quarto para casal). O bar do do Chico foi bem legal também. Vai toda a galera da região e é bom para tomar uma cerveja e bater papo. Lá também serve comida e o Chico é uma figura. A praia em Atins é linda. Uma das mais bonitas que já vi. Passei o dia todo lá. Também saem passeios, que não fiz, pois já tinha feito a travessia. Se alguém quer ir para ficar em um só lugar e de lá fazer passeios curtos, indico Atins. Atins é o intermédio das comunidades no meio dos lençóis e as cidadezinhas de entrada no parque (Santo Amaro e Barreirinhas) DICAS PARA A TRAVESSIA Não é possível fazer a travessia com uma mochila grande. Para a caminhada você deve levar: - um par de roupa para caminhada e um para a noite - água que você vai comprando nas comunidades - alguns biscoitinhos, barrinhas de cerais e frutas (pouca coisa) - protetor - óculos de sol - band aid e esparadrapo para bolhas (caso ocorra) - avaianas e um par de meia. Não leve sapatos. As meias podem servir em caso de bolhas. - roupa de banho e canga Não indico levar barraca e saco de dormir na travessia. Dorme-se em redes, que convém mais com o clima e com a própria estrutura montada para recebê-los nas comunidades. O que fiz foi despachar a mochila com o restante das roupas e utensílios com um amigo do guia que ia para Canto de Atins de carro. Ele deixou a mochila na pousada em que chegaríamos, que o guia tinha costume de levar o pessoal. PREÇOS Um panorama dos meus custos: - Guia 150,00 a diária (450,00 no total) - Dormida nas comunidades com café da manhã: 25,00 (75,00 três dias) - Dormida em Santo Amaro com café 60,00 para duas pessoas (1 noite 30,00) - Dormida em Canto do Atins 60,00 para duas pessoas (2 noites 60,00) - Dormida em Atins 60,00 para duas pessoas (2 noites 60,00) - Comida nas comunidades: 25,00 a refeição (75,00 três dias. Era muita comida!!!) - Comida em Santo Amaro: 30,00 para duas pessoas (15,00) - Comida em Canto de atins: 30,00 para uma pessoa (45,00) - Comida em Atins: 30,00 para duas pessoas (60,00) - Trasporte São Luis - Sangue - Santo Amaro (Van): 50,00 - Trasporte Canto de Atins para Atins: 10,00 (canora em um transporte de turistas) - Transporte Atins - Barreirinhas: 25,00 - Transporte Atins - São Luis: 50,00 (taxi coletivo) - Água: uma garrafa de 1,5: de 3,5 a 6,00 - dependendo de onde você estiver DESLOCAMENTOS E TRANSPORTE São Luis - Santo Amaro: peguei uma van que sai do aeroporto. Tem várias que saem para Santo Amaro e Barreirinhas as 3:30h, que parece ser o horário que chegam vários voos. É possível agendar. Liguei para Tomas 98 8836 4099. fui com ele, mas não sei se o fato de ter ligado influenciou. Você vai de van até Sangue e de lá pega um 4x4 coletivo com o pessoal da comunidade. Preço: 50,00 Tempo: 5h de viagem Santo Amaro - Queimada dos Britos: A saída é as 3:30 h da manhã para que a maior parte da caminhada não seja em sol quente. Tempo: são cerca de 8h de caminhada. Queimada dos Britos - Baixa Grande Tempo: são 4h de caminhada, saindo as 7h da manhã. Baixa Grande - Canto de atins Mais 8h de caminhada, sendo parte nas dunas e parte na beirada da praia. Pode-se fazer este percurso de motociclo, que os moradores tem e cobram. Tempo: 8h de caminhada. Atins - São Luis: O percurso é feito de 4x4 e depois taxi, van ou ônibus - como preferirem. Tempo: cerca de 5h (total) Preço: 25 (4x4 de Atins a Barreirinhas) + 50 (taxi de Barreirinhas - São Luis). O bom é que o taxi te deixa no hostel para onde vc vai ou no centro histórico, caso você ainda vá procurar lugar. O ônibus é apenas 10,00 mais barato (não compensa, pois demora 2h a mais e ainda vai te deixar na rodoviária). Dias Santo amaro: 1 Travessia: 3 Canto de Atins: 1 Atins: 2 :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: SÃO LUIS DO MARANHÃO São Luis é uma capital decadente. A maior parte dos prédios históricos está abandonada. De um lado tem a parte histórica, onde compensa ficar e na outra tem a parte litorânea. Nessa está tudo cheio de prédios, casas e comércio. Mas no centro histórico não tem muita coisa. Acho que uma tarde ou um dia em São Luiz é suficiente. O movimento mais pesado parece ser na sexta feira. Sábado e domingo o centro histórico morre. Não sei como é dia de semana. Mas tem coisas interessantes. Fiquei hospedada no centro histórico, que compensa. Você fica perto das principais coisas que tem para fazer: - Hostel Solar das Pedras, que fica na rua da Palma (centro histórico): 80,00 quarto para dois; 35 individual compartilhado. - Comer no restaurante da Criola. é um selv-service com comidas típicas. Muitos mariscos, arroz de cuchá, torta de carangueijo.... Custa cerca de 40,00 o kg. Achei mais em conta do que os outros restaurantes no cento histórico. - Tambor de Crioula: o mais famoso e acessível é o do Mestre Amaral. Fica próximo ao hostel em um lugar muito bonito, com uma vista incrível. - Reggae que dança coladinho! Tem vários. Tem um famoso, no bar do Nelson, que rola aos sábados. Mas não fui. - Mercado Central: é um lugar bem bacana. Lá vende de tudo. Dá para comprar camarão e cozinhar no hostel, castanha de caju, sapatos feitos na região, açaí! Gostei bastante do lugar. ALCÂNTARA Li várias discussões se vale ou não a pena ir para Alcântara. Passei apenas uma tarde lá e conheci o centro histórico. A viagem depende da maré, pois SL é uma ilha e quando a maré baixa, não tem como sair do porto. Os barcos saem por volta das 7h da manhã e é melhor comprar passagens no dia anterior - que custam 24,00 ida e volta. Tome cuidado com os guias. Eles compram passagens para revender e tentar fazer você comprar o pacote que inclui o guiado. Não botei fé nos guias. As duas experiências que tive foram com caras que ameçam que você vai ficar sem passagem, que não conseguir fazer nada sem a ajuda ele. Decidi fazer o recorrido sem guia e foi ótimo. Depois, conversando com um dos donos do restaurante, descobri que são todos ruins mesmo. Os amigos que contrataram um guia chegando em Alcãntara se arrependeram e até brigaram com os caras. Eles ganham te levando nos restaurantes caros, sem te perguntar se você quer ou não. O centro histórico é muito pequeno e com um pequeno mapa (que comprei por 7,00) você pode se orientar e dar um rolé. Achei o lugar bem legal e com várias possibilidades não exploradas. Na ilha tem vários quilombos e tem pousadas também (vi uma que era o mesmo preço do hostel de SL). Se eu voltasse passaria uma tarde em SL e me mandaria no outro dia cedo para Alcântara (essa é minha dica!). Tentaria ir para algum quilombo e conhecer os 50 km (?) de praia que existem. Encontrei várias pessoas com quem troquei ideia e me pareceu um lugar muito receptivo. Lá vi uma igreja dos escravos que foi incrível. Pura história de Resistência. Com vários São Beneditos, para quem o tambor de criola é feito. Lá nos quilombos, acredito ser possível ver Tambor de Criola também! E em um formato diferente da cidade.... PREÇOS Hostel São Luiz 160,00 + 40,00 (meia diária) para dois por duas noites: 100,00 Almoço Criola: 25,00 (com suco) Almoço na praia 80,00 (para dois): comi numa barraca na praia e não valia o preço. Almoço Alcântara: 15,00 pf Barco São Luiz: 24,00 Taxi Aeroporto: 40,00 (O próprio hostel fez o translado. Dividi com outro menino que também ia viajar) Dias São Luiz: 2
  2. Thais, não sei o que você quer dizer com "favela tour". Se for aqueles passeios de gringos nas favelas do Rio de Janeiro, talvez haja alguma semelhança. Pois é um monte de gringos (nós ) vendo como os mineiros trabalham em condições sub humanas, conhecendo realidades difíceis e que comovem momentaneamente. Quanto a ser tranquilo, se você se refere à famosa violência das favelas que os gringos vem experimentar no Brasil, não há uma correspondência. Os mineiros estão em trabalho e muitos nem falam espanhol. Mas existem algumas crianças, filhas de mineiros e que residem nas proximidades vendendo pedrinhas e aceitando qualquer tipo de ajuda financeira. Crianças trabalhando lembra a favela que está em todas as nossas ruas né?! Espero ter respondido.
  3. Thais, fui com uma mochila fuleira comprada no oiapoque (camelôs de Belo Horizonte). Esta mochila era de 60 litros. Em La Paz comprei outra, já na volta porque fui com a intenção de comprar mesmo. Daí comprei uma que a marca é Doite. Uma mochila de de 60 litros dá para ir tranquilo. Na volta, se vc comprar muita bugiganga você compra uma sacola grande e reforçada (de muambeiro) que dá para você trazer a bagagem excessiva e é baratinha. Eu meço 1,62m e peso 54kg. Achei de boa carregar a mochila. Mas se você for fazer a trilha Inca vc n vai levar a mochila inteira. Vai levar apenas uma mochilinha bem pequena com apenas os pertences indispensáveis para a sobrevivência
  4. Olha, eu não fui para o Salar. Em janeiro você tem que levar todo tipo de roupa mesmo. Na fronteira e em Santa Cruz é muito muito quente. Já em Cochabamba, que está a 2 800 m de altitude, a temperatura é mais amena. Faz frio algumas horas e calor outras. La Paz é bem frio, mas não cheguei a utilizar roupas térmicas. Incluzive fui para o Chacaltaya (ponto mais alto de La Paz "que neva") e não usei roupas térmicas, apesar de estar muito frio. O máximo de roupa que precisei foi calça fio 80, calça de moleton e duas blusas grossas de frio. É interessante tb pensar que lá você vai querer comprar roupa. Então, leve apenas uma blusa de frio (tipo um moleton quentinho) e lá você compra uma outra blusa. ah! E em La Paz você pode comprar agasalhos e roupas térmicas num preço mais em conta que no brasil. Mas se você vai para o Salar, eu não sei se vai precisar. Procure se informar com outras pessoas. Acho bom levar algumas blusas de alça sim, blusas de manga e algumas 3/4 para colocar por baixo. Leve calça de moleton e calça mais leve tb. Uma meia fina (fio 80 que é mais grossa) salva tb! Não esqueça manteiga de cacau e protetor solar (pois no frio em altitude elevada você queima mais que na praia. Luvas e adereços para esquentar a cabeça são bem vindos. Não esqueça o cacheol. Acho falei um monte de coisa. Não sei se respondi. Resumindo: Leve roupas de todo tipo, mas não exagere. Pense que você vai querer comprar roupas lá. Faça a mala pensando nisto!
  5. Suelen, eu levei a carteirinha da minha universidade mesmo. E rolou de boa. Só usei para entrar em Machu Pichu, que realmente sai pela metade do preço: 68 soles, em janeiro de 2010. Meu amigo esqueceu a dele e fez lá. Se você tiver da sua universidade, não precisa fazer a internacional. Se não tiver, acho bom fazer pq, mesmo que fique o mesmo preço (que eu acho que é o que acontece), você já tem ela para próximas viagens e pode acabar usando de alguma forma. Qualquer coisa é só dá um toque!
  6. Ei Cibele, essa rota por santa maria é bem legal porque a paisagem é linda. mas é trampo pq é uma viagem de onibus e tem que fazer baldeação. mas eu não me arrependo de ter ido por ela. Vc sai do terminal de quillabama, não é longe do centro de cuzco. Vai até santa maria, e lá sempre tem vam até a hidrelétrica. Daí tem que sair bem cedinho de cuzco...quanto mais cedo melhor: aí vc garante que vai conseguir pegar a vam e ainda faz o caminho até aguas callientes de dia. Tem muitas empresas que fazem até quillabama, como vc vai perceber que é comum na bolivia e no peru. Mas lota sim. Lembro que tinham muitos horários...tipo, quase de meia em meia hora. Mas é bom comprar antes para ir bem cedinho. Eu sai de la já eram quase 8h...acabou que escureceu comigo na trilha. Não tem guia, mas vai ter um monte de gente indo também...muita gente mesmo...a trilha é movimentadissíma. É bom levar uma lanterna e pouco peso. Os hosteis em cuzco deixam vc guardar a bagagem para ir até manchu pichu. E a trilha é nos trilhos do trem...então não tem mato. Quanto a machu pichu, vc chega lá e compra na hora. Depois procura hotel. Realmente tem um limite. ah! E não dá mole com carterinha de estudante, se for o seu caso. Eles não aceitam qualquer uma. Eu entrei coma minha da UFV tranquilo...e meu amigo com uma de estudante internacional. Mas teve um poco que não conseguiu (nao sei direito pq) e pagou a entrada toda. E uma dica, se vc n for de madrugada para machu picho (subir a pé e esperar os portões abrirem) ... n vai tao cedinho. Eu acordei as 4h da manha (quem espera o portao abrir la em cima vai tipo meia noite) ... fui de onibus já... peguei fila no onibus, fila p entrar...e chegou la tava tudo com neblina ... Se vc vai mais tarde consegue pegar mais sol e aproveitar mais. abraço,
  7. nao sei anexar algo aqui. como faz? acho q dependendo do navegador n abre o arquivo do 4shared
  8. Pessoal, respondendo algumas dúvidas enviadas para meu e-mail: Vc. está dizendo 24 dias, mas pela sua planilha tem 15 fora ida e volta pra P. Quijaro...? São 24 dias na estrada, contando ida e volta...até porque faz parte da viagem e tem custos.... Vc. gastou pela planilha 1 dia em Cuzco? tá certo? Certo, não fiquei mais em Cusco porque queria retornar à La Paz para a posse do Evo. Mas Cusco é uma cidade para se ficar 6 dias... e é mais caro q a bolívia, mas nem tanto como povo fala. Fiquei num Hostel ótimo por 15,00 soles (30 bolivianos) e comi por 3 soles nos mercados...comida simples, bem temperada e melhor q a dá Bolívia. Os gastos em M. P. está em soles? tem que agendar antecipado ou não? Os gastos na coluna da esquerda estão detalhados (em soles ou dolar). Mas para fazer as contas, na coluna da esquerda, coloquei tudo em boliviano. Potosi 3 dias? A cidade necessita mesmo de 3 dias ou vcs. Eu, particularmente adorei Potosí. Apesar de mais alto, na época estava mais úmida. Mas não precisa de três dias. Eu fiquei três dias porque estava fazendo uma matéria sobre os mineiros...O que tem para conhecer mesmo é a mina, que vc faz em uma manhã. foram a Uyuni? Não fomos porque tinhamos duas opções: ficar mais dias em La Paz para a posse do Evo ou ir para Uyuni. Ficamos com o Evo. Mas não perca a oportunidade, dizem q é mara. Abraços....
  9. Pessoal o relato da viagem Bolívia e Peru, com destino final Machu Pichu está no blog Bangalô de Flores http://bangalodeflores.blogspot.com/search/label/Viagem%20Bol%C3%ADvia%20Peru dicas da viagem: bolivia-e-machu-pichu-baixo-custo-500-dolares-t40996.html (incluindo planilhja de custos! 500,00 dólares em toda a viagem!)
  10. Olá pessoal. Em janeiro de 2010 viagem para Bolívia e Peru bolivia-e-machu-pichu-baixo-custo-500-dolares-t40996.html. E em janieor de 2011 estou pensando em ir para Colômbia e depois subir o caribe. Mas preciso fazer isto com pouco dinheiro... Sugetões de rota? Quanto se gasta na colômbia? Vi que a moeda é desvalorizada, mas os cutos são altos... Alguém já conseguiu desconto de passagens aéreas de SP para Bogotá ou Cartágena?
  11. Não postei os relatos aqui porque eles não são bem RELATOS de viagem. Não falam de hotéis, de rotas, não dão dicas de passeios, não falam de custos... Tem um texto de cada lugar que ficamos do ponto de vista do blog, que é sobre os movimentos sociais! Consertei o link da planilha, que não estava funcionando. Parece que não abre em todos os navegadores. Tentem em mais de um. abraço!
  12. Pessoal, viajei para Bolívia e Machu Pichu agora em janeiro de 2010 (6-30 de janeiro). Levei dinheiro na carteira interna mesmo. Levamos 600,00 dólares cada um em notas de 100. Na medida que íamos precisamos trocávamos 100,00 dólares. Alguns amigos deixaram no banco e tiveram problema. Simplesmente não conseguiram sacar....mo trampo para resolver o problema. obs: relato da nossa viagem em: bolivia-e-machu-pichu-baixo-custo-500-dolares-t40996.html [email protected] www.bangalodeflores.blogspot.com
  13. Olá Pessoal! Fiz a rota Bolívia Machu Pichu em janeiro de 2010 com pouquissíma grana. Como o Mochileiros me ajudou muito, vou tentantar compartilhar aqui as experiências e as dicas que acumulei. A rota: (duração 24 dias - de 6 de janeiro a 30 de janeiro de 2010) Puerto Quijarro - Santa Cruz de la Sierra Santa Cruz de la Sierra - Cochabamba Cochabamba - La Paz La Paz – Copacabana - Cuzco Cuzco – La Paz La Paz - Potosí Potosí - Sucre Sucre – Santa Cruz de La Sierra Santa Cruz de La Sierra - Puerto Quijarro Os relatos da viagem estão publicados no blog Bangalô de Flores, que tem um cunho político social. As fotos estão no flickr do blog. Organizei os custos da viagem numa planilha. Aqui o link novo, pq o outro não funcionava http://www.cijoint.fr/cj201010/cijrzDa7Jq.pdf O que levar na mochila? Levar o mínimo de coisas é sempre recomendável. A bagagem sempre volta 50% maior! Lembrando que viajei no verão, portanto, apesar de pegar temperaturas baixas, elas foram amenas do que no inverno. Fui com uma mochila de 60 litros. O que não levar: jeans (pesa muito, não esquenta e demora para lavar e secar) O que levei: -3 calças de malha finas -1 calça de moletom -2 bermudas de cóton -Produtos de higiene pessoal: creme para o corpo e para o rosto (o clima seco e o frio faz a pele descascar), protetor solar (use mesmo nos lugares frios) e outros produtos de higiene pessoal. Atenção, é possível comprar estes produtos na Bolívia, mas é bom levar. -Muitas calcinhas -5 meias -1 chinelo -1 tênis bom para caminhadas. Se você não vai fazer a trilha Inca ou outros passeios radicais não precisa de tênis ou bota específico. -10 camisetas lisas -2 camisetas de manga -3 blusas de manga longa (finas) -1 blusa de frio. Comprei uma na Bolívia. É bom pensar nisto...se você vai comprar algolá, não leve excesso. -1 cachecol -1 par de luvas -Remédios: leve uma farmacinha...É bom levar aqueles pacotinhos de soro, remédio para diarréia, dor de cabeça, febre...termômetro. -Repelente, apesar de eu não ter usado IMPORTANTE Lembre-se que na Bolívia e no Peru a energia é 220v ....então cuidado com os eletrônicos para carregar. Leve carregadores de pilha 220v -Lanterna Trocar dinheiro na Bolívia e no peru - moleza Pessoal, não se preocupem em como vão trocar dólar por boliviano ou sololes. Em cada esquina existe milhões de plaquinhas e pessoas com um monte de dinheiro na mão trocando dinheiro. Quando você desce do ônibus em Puerto Quijarro, no mínimo umas 5 pessoas vem até você oferecendo para trocar dinheiro. qualquer coisa é só perguntar
×
×
  • Criar Novo...