Ir para conteúdo

elisavolpato

Membros
  • Total de itens

    24
  • Registro em

  • Última visita

Conquistas de elisavolpato

Novo Membro

Novo Membro (1/14)

0

Reputação

  1. Olá! Fiquei 9 dias na República Domicanana, acabei de chegar. Vou contar tudo aqui, porque tive dificuldade para achar algumas informações e acho que isso pode ser útil para outras pessoas. 1. VOO para Santo Domingo Fomos eu meu namorado trocando milhas da Gol. Foram 15 mil milhas cada trecho. Era o lugar mais longe para o qual conseguiríamos viajar por milhas. O voo é direto e foi tudo ótimo. 2. Chegando em Santo Domingo Tentei achar opções de transporte para o hotel, mas não achei nada. Chegando lá, fomos a um balcão de informação e a moça nos falou que só táxi, mesmo. Aliás, os táxis na república dominicana são um capítulo a parte. A grande maioria não tem identificação de táxi (só vi um com "TAXI" escrito) e nenhum tem taxímetro. É tudo de acordo com uma tabela ou combinando na hora (combine antes!). Eles cobram direto em dólar. Do aeroporto, basta falar pra que hotel você vai e eles têm uma tabela lá. Como fomos para a Ciudad Colonial, deu 40 dólares. 3. Câmbio Li em vários lugares que na RD os dólares são muito aceitos, mas... acho que isso vale se você quiser fazer as coisas padrão de turista e só pegar táxi para se locomover. Para pegar ônibus e transportes, era tudo em dominicano. Alguns lugares aceitavam cartão, mas não dá para contar com isso o tempo todo. No centro de Santo Domingo (Calle El Conde) tem várias lojinhas com plaquinhas de câmbio, mas deu medo de entrar ali. Trocamos em um banco (não esqueça de levar passaporte!). A taxa é quase sempre a mesma - quando fomos, 40 dominicanos para 1 dólar. 4. Santo Domingo Santo Domingo tem uma pequena área histórica que é bonitinha e interessante. Saindo dali, é uma bagunça, muita pobreza e sujeira. Ficamos num hotel na Zona Colonial chamado Beaterio (http://www.elbeaterio.com/). Não era o mais barato, mas era bem localizado e ficava num antigo mosteiro, o que achei legal. O café da manhã era simples, mas bem gostoso. Em Santo Domingo, é legal a rua Conde, mas mais próxima ao Parque Colón, que é uma praça com a primeira catedral das américas e vários bares / restaurantes com mesinhas na rua. A maioria tem um esquema de happy-hour 2 por 1 das 17h às 20h. E olha que a bebida já é barata normalmente! Uma Caipirinha era menos de 10 reais, e tomamos em dobro. Também recomendo a Plaza de Espanã que tem o Alcazar Colón. Tem uns prédios bacanas e é um lugar legal para ir ao noite, nos restaurantes que ficam com as mesinhas na praça. Santo Domingo, assim como Salvador, tem um Mercado Modelo. Mas ó, não recomendo de jeito nenhum. É um lugar apertado, com os vendedores gritando e te chamando o tempo todo. Tem os mesmos produtos que você acha em todas as lojas de souvenir da cidade e o preço é igual o maior. O esquema mesmo foi comprar as bebidas que a gente queria (RUM) no supermercado. Procure algum grande, que não tem erro. Preço mais baixo e sossego. 5. De Santo Domingo para Punta Cana Aqui começou a novela dos transportes - de longe, a parte mais complicada da viagem. O que concluímos é que ou você paga horrores para pegar táxi para todos os cantos, ou se f* em transportes apertados, demorados e confusos. Bom, mas este até que foi o trecho mais tranquilo. Pegamos o Expreso Bavaro, que tem uns 5 horários por dia e leva umas 4h para chegar em Punta Cana. Eles têm site, mas a página do Facebook tem muito mais informação (e vale a pena olhar, porque tem dicas engraçadas): https://www.facebook.com/Transporte16. Custou 300 pesos por pessoa (não aceita dólares). Eles têm dois escritórios na cidade, o principal, na Calle Juan Sanchez Ramirez (um pouco longe) e uma segunda parada, no Parque Enriquillo, Calle Ravelo. Este é bem mais perto da Zona Colonial e os ônibus passam ali meia hora depois. Mas acho que vale a pena chegar bem antes do horário do ônibus. Chegamos 1 hora antes, compramos e ficamos esperando (tem ar condicionado). Depois de algum tempo a moça já começou a falar que não tinha mais passagem para aquele horário. Chegando em Punta, o ônibus pára de hotel em hotel, o que achei ótimo. No caso do nosso, que era o Resort Barceló, tivemos que pegar um táxi na entrada para chegar à nossa recepção (é muito grande!), que deu 5 dólares. 6. Resort em Punta Cana Olha, eu não sou de frescura e sempre fico em hostel, coisa sussa. Mas valeu a pena mil vezes pagar por um resort all-inclusive em punta cana e recomendo. E ainda achei o preço bem justo pelo que oferece, comparando com o Brasil. Ficamos no Barceló Bavaro Beach, que é só para adultos, mas que dá acesso ao Barceló Deluxe. Somando tudo, é um resort enorme, com muitas piscinas (algumas com jacuzzi no meio!), bares e comida à vonts, um monte de esportes (tênis, futebol, beisebol, vôlei de praia, vôlei na piscina, mini-golf, caiaque, windsurf, nem sei mais o quê). 7. De Punta Cana para Bayahibe Aí foi sofrido. Ninguém no hotel sabia explicar direito, só indicavam táxi (de U$ 120 a U$ 150). Pegamos um táxi até La Friusa, uma estação de ônibus, por U$ 20. No caminho o taxista ofereceu levar a gente até Bayahibe por U$ 80, mas fomos teimosos e continuamos de ônibus mesmo. Paramos numa estação com vários ônibus. O expresso para La Romana tem uns 6 ou 7 horários durante o dia, e se paga dentro do ônibus, mesmo. Também tem a opção de ir até Higuey e depois até La Romana, mas daí seria treta demais, resolvemos esperar o expresso. Custou 225 pesos, levou 1h30 mais ou menos. Como a moça do hotel tinha sugerido, pedimos para descer no ponto mais próximo de Bayahibe para pegar outro um ônibus (um guagua), já que ir até La Romana seria dar uma volta. Mas o ponto mais próximo era na estradaQuando vimos, o motorista tinha largado a gente no meio do nada, em uma encruzilhada de estradas, embaixo de um viaduto. E veio um enxame de motoqueiros em cima da gente, oferecendo "táxi", "táxi". Passado o medo e vendo que não passava ônibus nem táxi por ali (só vimos ônibus levando funcionários para hotéis), resolvemos ir com as motocas mesmo. De chinelo, mochila nas costas e sem capacete (como quase todos os motociclistas da RD). O rolê de moto levou 15 minutos, deixaram a gente na porta do hotel. 150 pesos cada um. 8. Praia Dominicus, em Bayahibe A vila de Bayahibe tem duas praias: Dominicus, que pelo mapa é maior e mais cheia de resorts, e Bayahibe, que é onde fica a vila propriamente dita. Ficamos em Dominicus, em um hotel "normal", o Cabana Elke. Simples,mas bacana: com quarto grande, piscina e restaurante (nada incluso, desta vez). A praia é bonita, mas como é muito dominada de resorts, não é tão bacana. E, para falar a verdade, achei mais bonita a praia de Punta Cana. Em Dominicus a praia é meio de barranco e fica difícil de andar. Afunda rápido e não tem como andar bastante na água e ainda estar rasinho, sabem? E quando saímos da área de resorts fica tudo meio sujo, cheio de sargaços e sem estrutura para quem tá ali de forma independente. Não achamos nenhum restaurante, lanchonete ou barraquinha de coco. Até vimos um na entrada praia pública (sim, tem isso), mas tava fechado, talvez por ser baixa temporada. Mas isso foi bem chato: a gente foi lá esperando ficar num boteco de praia comendo peixe frito e cervejando, mas tivemos que comer bolachas cream cracker que compramos na vendinha. A vantagem de Bayahibe em relação a Punta Cana é o por-do-sol, que é no mar. Em Punta, era atrás da gente, nos prédios, como acontece no Brasil. Ah, e uma coisa engraçada é que Bayahibe é totalmente dominada por italianos e franceses. Em muitos lugares a gente entra e nem falam com a gente em espanhol. É 'ciao' direto. 9. Passeio a Ilha Saona Foi o ponto alto da viagem. Como estávamos em Bayahibe, saimos dali mesmo (se você estiver em Punta Cana, tem passeio que te leva também, passando por Bayahibe antes). Pegamos o passeio que vai para o povoado de Mano Juan e à praia Canto de La Playa, pela Pro Excursions. Custou U$ 89, e já tinha reservado aqui do Brasil, mas também dá para reservar no local, acho. O povoado em si foi meio sem graça, pelo menos pra gente que tá acostumado a ver casinhas de praia, coisas do interior e tal. Mas acho que os franceses que estavam com a gente gostaram. Eu teria preferido ficar ali pela praia. O pior foi que levaram a gente para ver um ringue de briga de galo. Mas enfim, a praia era bonita e teve churrasco de lagosta com bebidas à vonts. Depois fomos para Canto de La Playa, que foi a praia mais bonita que eu já vi. Água verdinha, clarinha, calminha e quentinha, com formações de coral com vários peixinhos pra ver (o pessoal do passeio fornecer snorkel). Foto aqui embaixo. No final do passeio, passamos por mangues (ok, sem graça para quem já foi ao nordeste) e em uma piscina natural, rasinha no meio do mar. Foi legal para ver os corais e pegar estrelas do mar. Voltando de Bayahibe para Santo Domingo Pra pegar o voo de volta, vamos para Sto Domingo e passamos a tarde e noite (o voo saiu 1h30). De novo, foi uma via sacra. Pegamos uma van (guagua) perto do hotel em dominicus, mas esse só levou a gente pra Bayahibe, onde trocamos de van. Era uma van muito velha e apertada, dessas que são ilegais no Brasil. E não tinha nenhuma plaquinha indicando para onde ia - é na base da perguntação, mesmo. Custou 60 pesos e demorou uma meia hora. Pedimos para o motorista deixar a gente no lugar em que saía o ônibus para Santo Domingo. Em La Romana, paramos numa praça e, perguntando (não tem placa de nada!), um moço nos indicou um ônibus que estava de saída. Mas esse só levou a gente até um terminal. De lá, gritaram indicando o ônibus certo. Ah, você só paga dentro do ônibus, quando passa um cobrador ou na saída. E no caso desses que só te levam até outro ônibus, não precisa pagar, acho que tá embutido. O ônibus para Santo Domingo parava de cidade em cidade. Era velho, mas pelo menos tinha ar condicionado. Levou quase 2 horas e custou 150 pesos. Pedimos para descer perto da Ciudad Colonial e ele deixou a gente no Parque Enriquillo, mesmo lugar em que pegamos o ônibus para Bavaro, no começo da viagem. Bom, havíamos combinado com o hotel em Santo Domingo para deixar as malas ali durante a tarde. Passeamos um pouco pela cidade e ficamos bebendo em um bar na parte histórica. Por fim, pegamos um táxi para o aeroporto (40 dólares negociados). Dica: o serviço do aeroporto de Santo Domingo foi beeem enrolado (e bem truculentos, achei). A maioria dos free shops estava fechada a essa hora, mas tinha uma loja pequena aberta. E quando falamos que queríamos comprar um monte de rum o vendedor foi lá e abriu a loja principal só pra gente.
  2. Cris, Eu tô achando que seu roteiro pode até economizar nos transportes por não incluir avião, mas você vai perder um baita tempo em uns transportes bem chatos. Pra mim a pior parte da viagem foi pegar ônibus de um lugar para outro - e aí você tá pegando duplicado, né? Bom, uma dica: ouvi dizer que em oruro não tem nada de bom, e o trem é frio e bizarro (eu passei do lado dos trilhos e achei sinistro mesmo). Tem um ônibus noturno direto de uyuni para la paz - acho que deve ter o contrário tb. É um ônibus meio tosco (não acredite quando disserem "bus cama"!), mas pelo menos é de uma vez só. E de uyuni você chega em san pedro. Se puder dê uma paradinha por lá, que tem uns passeios legais pra fazer. E depois você segue para Santiago. Mas se ligue que Santiago não é pertinho dali não, viu!
  3. Gente, fiz a trilha dia 29 de abril, com a kintu expeditions / trebol (tá mudando de nome, não sei mais qual o certo: http://www.kintuexpeditions.com/). Mas fechei por meio de uma agência brasileira, a El dorado (http://www.trilhainca.com.br/). Paguei 260 com a carteirinha de estudante (porque cotei em março). Tinha ficado meio desconfiada por não ter muita informação sobre as el dorado e kintu na internet, mas fiquei MUITO satisfeita. A el dorado me atendeu muito bem sempre, super educados. E a kintu também. Eu cheguei lá, me orientaram sobre tudo e deram várias dicas. A gente (eu e meu namorado) ia com um casal de americanos, mas na última hora eles desistiram e fizeram a trilha só com a gente, sem problemas. O guia, Gilbert, era muito simpático e explicou várias coisas, super amigo. Mas também deixou a gente tranquilo quando percebeu que queríamos ficar mais em silêncio. A comida foi muita boa (e muito farta!). Além das refeições, ganhamos frutas, chocolates e sucos de caixinha para o comer durante a trilha. Enfim, valeu muito a pena. Foi relativamente barato, deu tudo certo e me senti super segura do começo ao fim. Sei que muita gente aqui recomenda a marisol e a pumas trek, mas eu tentei contato com eles e eles demoraram milênios para responder. Com essa confusão de ter vaga na trilha e não ter, eu não toparia contratar alguém com quem eu não conseguisse entrar em contato, muito stress. O atendente da el dorado até ficava no msn boa parte do dia, e me avisou assim que fez a inscrição, depois me avisou quando já podia conferir nossos nomes no site do inc. Além disso, o site deles é super detalhado, com várias faq, contrato da trilha especificando tudo, muito organizadinho.
  4. Gente, aproveitando pra dar meu relato. Fui de puno para cusco de onibus "cama" pela empresa san martin. Não é igual leito no brasil, mas até que era bom. Peguei o das 21h30, mas tinha tb 21h e 20h, acho. Mas assim: não recomendo. Apesar de o ônibus ser confortável até (eu fui no andar de baixo, que era melhor), não dava pra dormir. Primeiro porque parou várias vezes (?) e acenderam as luzes. Depois porque resolveram passar um filme pra galera (uhu! GI JOE! super filme bom pra relaxar). E depois o motorista ESQUECEU DE DESLIGAR O DVD. Eu tentei ir lá falar com ele pra avisar, mas não dava, porque a porta por que a gente entra é diferente da porta do motorista, e ainda tinha um aviso DEIXE O MOTORISTA TRABALHAR. Resultado: passamos 5 horas de viagem ouvindo a musiquinha do menu do dvd. E eu, que tava no primeiro lugar, bem embaixo da tv, não dormi quase nada. Se eu fosse lá de novo, tentaria o onibus turistico de puno para cusco. É bem mais caro, mas pelo menos não ficaria moída de sono no dia seguinte. E de quebra dá pra visitar as coisas legais perto de puno, que eu nem vi.
  5. É hoje! Ufa, tô empolgada e aliviada aqui. http://www.andina.com.pe/Espanol/Noticia.aspx?id=h1m+7W8zDxM= reabre hoje Machu Picchu para o mundo e recebe turistas com música e folclore Turistas em Cuidadela Machu Picchu. Foto: Arquivo ANDINA / Alberto Orbegoso Lima, de Abril. 01 (Andina) .- A cidadela inca de Machu Picchu, considerada uma das maravilhas do mundo agora está aberto novamente para o turismo local e internacional, com uma cerimônia com a presença de autoridades, convidados especiais, incluindo a atriz Susan Sarandon , e muitos turistas. Os visitantes serão recebidos com uma caravana de boas-vindas no qual as crianças participam em trajes tradicionais e flores, bem como música e grupos folclóricos para dançar danças tradicionais de Cuzco.
  6. Pessoas, alguém sabe me dizer se vale a pena pegar o ônibus turístico de puno a cusco, aquele que vai parando nos lugares? Sei que alguns aqui já citaram que há transporte de puno para cusco à noite, mas tô achando bem difícil encontrar informações nas agências (cada site ruim, vixe!).
  7. Gente, até saiu na folha! http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u714806.shtml
  8. elisavolpato

    Cusco e Valle Sagrado

    A idéia era ficar 2 dias e meio em cusco, incluindo o passeio. Tava pensando mais ou menos assim: dia 27/04 - chego em cusco de tardezinha, vindo de puno. dia 28/04 - passeio vale sagrado de 29/04 a 02/05 - trilha inca dia 03/05 - passear pela cidade, city tour à tarde dia 04/05 até 13h (meu vôo de volta é 16h) - passear pela cidade Eu tenho a opção de ficar um dia a menos no lago titicaca (copacabana e puno = 2 dias e meio) para ficar em cusco. Mas assim, eu não faço questão de ver todas as coisas de cusco. Fico com receio de acabar vendo muita coisa parecida em cusco, e me arrepender.
  9. elisavolpato

    Puno

    Pessoas, alguém sabe como verificar os horários de transporte de copacabana para puno? Estou planejando ficar 1 dia e meio em copacabana, ir para puno (de noite ou de manhã) e ficar 1 dia em puno para ver as ilhas, e tal. Mas só achei opção de ônibus que sai de copacabana 11h30 e chega em puno 16h, o que fica bem ruim pra mim.
  10. elisavolpato

    Cusco e Valle Sagrado

    Olá, pessoas. Li o tópico todo, e não vi muitos comentários sobre a cidade de cusco. Ou não entendi que em vários momentos estavam falando sobre a cidade, mesmo. ;P É que eu pretendo ficar dois dias e meio em cusco, e queria saber se há coisas para fazer na cidade que valham a pena ficar mais um dia. Vi fotos legais da catedral, do mercado, do pôr do sol... Mas nada como a opinião de quem está lá, né?
  11. Pessoas, parece que machu picchu vai mesmo abrir no primeiro dia de abril (não é mentira!). http://www.andina.com.pe/Espanol/Noticia.aspx?id=p/o3bofUoRE= (fico aliviada porque já estou com a trilha marcada pra dia 29). Turismo em Cusco começa a inverter dura tempo vivido pelas chuvas 16:50 Ministro Perez confirma que a 1 de Abril será reaberta cidadela inca de Machu Picchu Ministro do Comércio Externo e Turismo, Martin Perez, inaugurou o Peru feira gastronómica, mucho gusto, na cidade de Cusco. Foto: ANDINA / Carlos Lezama. Por Victor Veliz, enviado especial Cusco, Ter 20 (ANDINA) .- O ministro de Comércio Exterior e do Turismo, Martin Perez, confirmou hoje que a cidadela inca de Machu Picchu será reaberta aos visitantes, a partir de 1 de Abril, e disse que o turismo em Cusco começa a reverter a difícil tempo gasto até o final deste atrativo como resultado das chuvas. Ele argumentou que, embora a reabertura da ligação ferroviária entre Pisaducho (82 km) e Águas Calientes (110 km) está agendada para 29 de março, apenas de 1 de abril você pode entrar na cidadela. Ele disse que essa diferença de tempo pode ser explorada por pessoas locais, a fim de embelezar Machu Picchu Pueblo (também conhecida como Aguas Calientes), e que mesmo os turistas podem ficar lá, pois ele mantém a oferta hoteleira. O ministro convidou os operadores turísticos, para evitar confusão entre os visitantes e não vendem pacotes que indicam que 29 e pode visitar a cidadela inca. Em outro momento ele disse que há uma tendência de valorização do turismo na Cidade Imperial, de Cusco coloca campanha, lançada em fevereiro passado. "A percepção das pessoas que trabalham neste sector, é claro, sinto que há um ponto de viragem, uma tendência que está começando a reverter a mais", disse em declarações à agência de notícias Andina. Ele lembrou que a campanha coloca a Cusco, que é oferecido pelo alojamento e bilhetes de avião, foi de locais para a América Latina, e de 1 de abril se estenderá à América do Norte e Europa. Perez participou na tarde desta Peru justo mucho gusto, conduzido por Promperú na Cidade Imperial, onde oferecem a variedade gastronômica Cusco, com a ajuda de chefs nacionais e estrangeiros. (END) VVS / JOT
  12. Gente, notícia recente na Agência Andina. powered by google translator. -- Ministro dos Transportes e Comunicações, Enrique Cornejo Ramírez, confirmou hoje que os turistas nacionais e estrangeiros pode acessar de trem até a cidadela inca de Machu Picchu a partir deste 29 de março, entre o trecho da Piscacucho (82 km) e Aguas Calientes (km 110). "Alguns dias antes o que dissemos (1 de Abril), os turistas nacionais e estrangeiros pode pegar um ônibus em Cusco, ir pela estrada para Cuzco e de lá através de um trajeto de 10 km, vá para o km 82 ( Piscacucho) e embarcar no trem para Machu Picchu ", disse ele. Ele lembrou que as chuvas torrenciais que ocorreu em janeiro passado afetado os trilhos do trem sul e sudeste da estrada de ferro, que é por isso que ordenou o encerramento temporário da cidadela de Machu Picchu, no Peru ícone turístico. A seção do sudeste da estrada de ferro "foi quase que inteiramente em causa ao longo dos 110 quilômetros que variam entre Cusco e Machu Picchu. Havia uma centena de eventos de diferentes graus de dificuldade, incluindo um no km 79, ele realmente é muito difícil trabalho a curto prazo. " Ele acrescentou que uma vez que o fluxo do rio Vilcanota baixo ele começou a trabalhar na reabilitação de estradas e "agora" porque podemos assegurar que recentemente foram verificados e que o presidente do Conselho de Ministros, em Cusco, que a 29 deste mês teremos reabilitada a estrada entre km 110 (Machu Picchu ou Aguas Calientes) e km 82 (Piscacucho). Isto sem prejuízo de continuar a reabilitação de 82 km de Cusco, que "sem dúvida, a parte mais difícil, nós estimamos que, até Junho ou Julho pode ser totalmente reabilitada. "Isso significa que, além da chamada normal ou na dianteira do Sul está tentando permitir que outra frente para uma ocasião futura, tivemos uma quebra na estrada que segue entre Cuzco e Machu Picchu, temos uma alternativa km 110 (Machu Picchu) à Usina Hidrelétrica onde há um caminho que já está habilitado ", afirmou. Infelizmente, ele disse, desde que usina hidrelétrica de Santa Teresa e daí para Santa Maria "temos problemas muito envolvimento na terra que era antes da inundação, por conseguinte, que o norte da frente, embora, agora temos a Lista de ferrovia, precisamos melhorar e reabilitar a zona da estrada entre Santa Maria, Santa Teresa e energia hidrelétrica. " O ministro dos Transportes disse que há atualmente nove pontos de impacto, duas delas muito graves, porque o rio foi através da fuga e "ficamos com a rocha. Não precisa ser feito com o trabalho de dinamite para permitir que a pista". Ele acrescentou que a ferrovia opera doze máquinas pesadas. "Esperamos ter, em abril, permitiu que a linha de Santa Teresa, que seria uma segunda escolha", disse ele. Cornejo disse que arranjou para o desenvolvimento paralelo de estudos definitivos que possamos ter em trabalhos futuros, com túneis na rota do Santa Teresa Usina Hidrelétrica. Dessa forma, acrescentou, o percurso não será apenas restaurada, mas melhorou de uma segunda alternativa de acesso a Machu Picchu. Sichuan Além disso, o ministro disse que já está operacional-estrada Cusco, que foi cortado em várias seções, devido à subida do rio Vilcanota e inundações em várias zonas da estrada perto de Cusco. O ministro dos Transportes oferecidos estes conceitos em resposta à questão colocada pelo deputado Victor Mayorga. Cornejo, perto da cabeça do Gabinete e outros ministros de Estado, responde à "Estação de perguntas" no Congresso, que consiste de 51 questões formuladas pelo Congresso, de todas as bancadas.
  13. Fivetech, Brigada pelas notícias locais! Tô ansiosa aqui pra marcar a data da minha viagem. Então: machu picchu só em 12 de abril, mas é certeza que será possível dia 12? O que você acha?
  14. Gente, mais uma notícia boa! http://www.andina.com.pe/Espanol/Noticia.aspx?id=aisL9d8iqH0= Estima presidente regional de Cusco 16:22 Turistas ingresarán a Machu Picchu en segunda quincena de marzo
×
×
  • Criar Novo...