Ir para conteúdo

rafamaral81

Colaboradores
  • Total de itens

    15
  • Registro em

  • Última visita

Conquistas de rafamaral81

Novo Membro

Novo Membro (1/14)

0

Reputação

  1. Parabéns , viagem fantástica. Fui uma vez ao Atacama como mochileiro na cara e coragem. Pretendo fazer este roteiro de carro, e seu relato me deu mais coragem pra isso kkk Voce teve algum problema mecânico no carro em lugar inóspito? Tem serviço de socorro nas estradas?
  2. E coibir a bandidagem e os drogados que la frequentam nada ne? Apreender direto os equipos sem antes orientar nao sei se é correto ainda mais se nao tiver uma placa informando explicitamente que seja proibido.
  3. entao thaahh .... eu so fiz os principais passeios mas tem muita coisa legal que pulei quanto a planilha de gastos vou ver se acho tudo ai posto pra terem uma ideia
  4. Planejamento... Bem pessoal pode parecer poucos dias porem procurei focar os principais lugares destes paises pois nao tinha muito tempo. Em termos financeiros o que mais pesa seguramente são as passagens aéreas, porém eu já tinha alguns créditos na cia aérea e apenas complementei com muito pouco, por isso não me pesou tanto. De resto gastei em torno de U$$1500,00 Sozinho ou acompanhado, eis a questão!! Nos dois casos existem vantagens e desvantagens, ir com alguém dá mais segurança em caso de acontecer alguma coisa, além de ter com quem compartilhar todos os momentos. Eu fui só, e foi uma experiência de vida única, além de total liberdade para ir e ficar onde quiser... Preparando a Mochila Aqui é o início de tudo. Procurei não comprar coisas muito técnicas, até porque não sei quando vou poder fazer uma outra viagem dessas, então analise o que é realmente necessário e se o que quer comprar vai poder usar depois ou ficar encostado no armário. O que levei daqui do Brasil: - Mochila Quechua 50 litros - - Mochila de ataque - (Mochila normal hoje uso no dia a dia) - Flecce Quechua - (Flecce é indispensável) - Blusa de Moleton - (Tambem ajudou) - Conjunto UnderWear ou segunda pele - (Outra coisa que é importantissima te ajuda muito no frio - Bota BullTerrier - (Bota de treeking normal, não impermeável, e deu conta do recado) - 5 camisas Dry - (Camisas Dry tambem foram importantes, evite algodão) - 7 pares de meia - (algumas de algodao, outras térmicas) - 3 calças - 1 jeans e 2 sintéticas - (calça jeans realmente é outra furada) - 1 chinelo - (so usava no hostal) - bermuda - (não usei nenhuma vez, era inverno) - Kit de higiene pessoal - camera digital e outras bugigangas eletronicas o que comprei na Bolivia: -Um casaco impermeável e corta vento. (indispensavel principalmente no salar de Uyuni) -Calça sintética da Puma -luvas e gorros -Oculos de Sol (UV300) Dos itens acima fiz uma economia nao muito inteligente em relação a mochila, apesar de ter dado conta em algumas situaçoes me faltou espaço, então o que recomendo é no minimo uma de 60 litros. Minha ideia era mandar lavar as rooupas mas asvezes demoram pra te entregar. O resto deu conta perfeitamente. 1º dia - São Paulo - Sta Cruz de la Sierra Peguei o vôo da Gol saindo de Guarulhos com destino a Sta Cruz de la Sierra com escala em campo Grande. Sai de São paulo as 22 horas e chegamos ao aeroporto de Sta Cruz as 2 da manhã. Esse horário era o único e diga se de passagem muito ruim. O aeroporto de Viru-Viru em s.c de la Sierra, em termos de localização é semelhante ao de Guarulhos, não tem nada perto, então resolvi dormir lá mesmo até amanhecer e aí procurar um onibus até La Paz. Dica: as cadeiras do piso superior são mais confortáveis e ficam perto da TV. Assim que amanheceu peguei um taxi até a cidade, mais precisamente ao terminal de onibus pois meu tempo era curto. Santa Cruz de la Sierra é uma cidade que não vejo nenhum atrativo para se ficar nela, cidade feia e suja além de um transito caótico. 2º Dia - Sta Cruz de la Sierra - La Paz Cheguei ao terminal de onibus de Santa Cruz e logo fui comprar a passagem até La Paz, o que não foi nada dificil visto que além de ter muitos guichês de empresas há muitas pessoas gritando "La Paz, la Paz"...bem aí é so voce escolher... Comprei uma passagem para as 15 hrs com previsão de chegada a La Paz as 8 da manhã do dia seguinte. (Eu mal sabia que esta seria apenas uma das muitas longas viagens rodoviarias que iria enfrentar). Paguei 140 bs (equivalente a 45 reais), em onibus semi leito... Enquanto esperava dar o horario fui comer algo e aí pude constatar que realmente a higiene na Bolivia não é uma prioridade. A maioria dos restaurantes em Sta Cruz seriam facilmente fechados pela vigilancia sanitaria aqui no Brasil. Bem, mas quando a fome aperta nós ficamos menos seletivos em relação a isso e aí fui comer em um lugar que parecia ser menos sujo. Paguei 15 bs no almoço caprichado, e depois dei uma volta pela cidade e as 14 hrs voltei a rodoviaria para pegar o bendito onibus. Dica: Além da passagem voce tem que pagar uma taxa na rodoviária para poder embarcar e isso é feito em um guichê a parte e eles não te instruem em relação a isso. 3º Dia - Chegada em La Paz Apesar das longas horas de viagem o onibus fez uma unica parada em um restaurante na beira da estrada. O lugar era deserto e cheirava esgoto, e logo vi porque tinha aquele cheiro,... Assim que descemos do onibus(por volta das 9 da noite), uns começaram a se afastar um pouco e começaram a fazer suas necessidades (Nº1 e Nº2 também), ali mesmo, em um terreno que ficava ao lado...Acredite, isso lá é mais comum do que se imagina. Conheci no onibus um Peruano chamado Carlos, que morava em São Paulo mas estava indo para La Paz visitar sua familia, uma pessoa realmente muito bacana. Bem sempre li nos relatos que os motoristas corriam muito na Bolivia, no meu caso peguei um motorista roda presa...lerdo mesmo...mas a viagem em si foi tranquila e as 9 da manha cheguei em La Paz. Peguei as coisas e fui procurar um hostal...rodei um pouco e logo a altitude começa a me dar boas vindas...cansaço e dor de cabeça. Achei o hotel Torino por 80 bs a diaria, e fui descansar pois estava muito mal, dormi o resto do dia.... O que tive foram apenas nauseas, porém teve um brasileiro que conheci, que teve de retornar ao brasil porque seu nariz não parava de sangrar, vai depender muito do organismo de cada um. Dica: Para contornar os sintomas da altitude você pode usar o método "natural" que é tomar o chá de coca, que lá é muito comum, ou então as chamadas Soroche Pills, eu preferi estas pílulas que são de efeito mais imediato. Tome 1 a cada 8 horas. Só para desmistificar o que muitos pensam acerca do chá de coca, ele não é droga e não te deixa alucinado ou "brisado" e é uma tradição milenar dos povos andinos. É consumido lá por adultos e crianças como uma bebida qualquer. 4º Dia - La Paz No dia seguinte apos tomar umas pilulas chamadas Soroche melhorei um pouco dos sintomas da altitude e saí para conhecer melhor a cidade. O transito a exemplo de Sta Cruz tambem é caótico, tudo lá é na base da busina, semáforo é apenas um detalhe e se voce vacilar é atropelado. La paz faz muito frio, fica praticamente em um vale, tem inumeras agencias para os mais diferentes passeios, entao fechei um passeio para o dia seguinte Chacaltaya + Vale de la Luna por 80 bs. Depois fui ate a calle llampu comprar uma Jaquetta corta vento ja que o cara da agencia disse que no Chacaltaya fazia muito frio. O resto do dia visitei o mercado das bruxas, vi os fetos de lhama que eles vendem (horrivel mesmo) comprei alguns artesanatos e a noite em um restaurante na calle llampu. La Paz Fios de eletricidade e "gatos" Mercado das bruxas: A venda Fetos de Lhama Em primeiro momento é meio chocante de ver, porém precisamos entender e respeitar a cultura deles, muitos acreditam que ter um desses em casa traz prosperidade. "El Alto", ao fundo La Paz 5º Dia - La Paz Chacaltaya As 7 da manhã conforme combinado aparece a Van da agencia para nos levar até o Chacaltaya. Ao entrar na van, muitos brasileiros que iriam para lá tambem. O trajeto foi bem agradavel e divertido, em nosso grupo tinha 1 americano, 1 espanhol, 2 francesas e o resto era em torno de 9 brasileiros, que como sempre fizeram muita bagunça. Antes de começar a subida paramos para comprar agua e chocolate, segundo orientações do nosso guia. Todos lá estavam pouco aclimatados com a altitude e logo nos primeiros passos o cansaço era enorme... Aí fomos subindo aos poucos até chegar ao topo do Chacaltaya. Faz realmente muito frio e a temperatura lá oscila muito e de forma absurda, mas a paisagem compensa qualquer esforço, pois é muito linda, pelo menos eu achei fantástica. Apos muitas fotos descemos, para quem não sabe descida de montanha é tao cansativa quanto a subida. Nossa proxima parada seria o Vale de La Luna, que nada mais são do que rochas desgastadas pela erosão. O vale de La Luna fica dentro da cidade de La Paz, ao contrário do Chacaltaya que é afastado da cidade, e lá tb faz muito calor, por isso se vista sempre por camadas. Ao fim do passeio fomos ate uma agencia e compramos passagens para o dia seguinte em direçao a Copacabana. Devido a falta de tempo e medo do dinheiro não dar, não fiz o DownHill que depois me arrependi muuuuuito de nao ter feito.... La Paz tem muitos lugares para ir, vale a pena investir um tempo lá. A caminho do Chacaltaya Vista do topo Dica: A calle llampu em La Paz é praticamente o "point" dos mochileiros, lá tem lojas de roupas, restaurantes e muitos hostals, vale a pena dar uma andada por lá e comprar algumas coisas. 6º Dia - La Paz - Copacabana - Isla do Sol As 7:30 da manhã a moça da agência nos pega no hostal até o onibus, e então partimos até Copacabana com uma parada rápida. As 13 horas chegamos em Copacabana, cidadezinha interessante , então conheci outros brasileiros que estavam no mesmo onibus e resolvemos fechar todos juntos um pacote que incluia: Passagem de Barco somente ida até a Isla do Sol, e no dia seguinte passagem de Onibus até Cusco, incluindo uma parada em Puno para visitar as ilhas flutuantes, com direito a transfer e barco até elas tambem, tudo por 210 Bs (em torno de R$70 reais). E aí embarcamos até a ilha do Sol Parte Sul, para dormirmos lá. Apos quase 1 hora de barco, pelo lindo lago Titicaca chegamos na Ilha do Sol, logo na entrada fomos recebidos por moradores locais que nos cobraram 5 bs. Esta é a entrada da Ilha do Sol, logo quando se sai do barco os locais já te cobram 5 Bs, mas é até justo, pois eles moram lá e vivem disso, sem contar que a estrutura é boa. Por do Sol Fantástico..... Ao cair da noite procuramos um hostal bem no alto da ilha, com uma vista perfeita para o lago Titicaca, pois queriamos pegar o nascer do Sol no dia seguinte. 7º Dia - Ilha do Sol - Copacabana - Puno Acordamos as 7 da manha e ficamos esperando o sol nascer sobre os Andes. Ficamos quase 1 horana espera mas valeu a pena. Presenciamos ele nascer sobre a Cordilheira dos Andes e se refletir sobre o lago Titicaca...coisa linda mesmo. Sol nascendo nos Andes............ A Ilha do Sol a primeira vista parece que não tem nada, mas a estrutura lá é muito boa para atender o turista, para ter uma idéia, lá nos comemos pizza, e os hostals em geral sao bem organizados. Depois descemos a ilha para comer alguma coisa e esperamos nosso Barco para voltar até Copacabana, pois nosso onibus para Puno sairia as 13 horas. Copacabana - Puno As 10:30 pegamos o barco até Copacabana, este demorou mais de 1 hora para chegar, mas assim que chegamos em Copacabana, paramos para comer e esperamos o onibus que nos levaria até Puno, já em território Peruano. As 13:15 o onibus chega e assim deixamos a Bolivia em direção a Puno, no Peru, passamos pela migração e chegamos as 16 horas em Puno, e logo pegamos um transfer até a embarcação que nos levaria até as Ilhas Flutuantes. Mais un 40 minutos de barco chegamos nas Ilhas Flutuantes, que são artificiais, feitas a muito tempo por nativos da regiao com uma especie de palha retirada do proprio lago Titicaca...muito legal mesmo, infelizmente nesse dia minha máquina tinha descarregado a bateria e não pude tirar fotos. Ficamos lá com outros brasileiros e muitos estrangeiros, visitamos as ilhas, conversamos com os moradores locais e partimos de volta a Puno. Em Puno Conheci a "Famosa" INCA COLA rsrss e é boa... Puno - Cusco As 21 hrs no terminal de onibus de Puno pegamos o onibus que nos levaria até Cusco. saimos de lá as 21:30 e chegamos em cusco as 6 da manha. 8º Dia Cusco Assim que chegamos em Cusco, me separei dos Brasileiros e segui até um hostal. Me acomodei, dormi um pouco e fui procurar um passeio até Machu Pichu que era meu objetivo principal. Pesquisei mas não achei para o dia seguinte, e quem me arrumou foi a propria recepcionista do Hostal em que estava. Logo um amigo dela apareceu e me arrumou um pacote que incluia: -Transfer de carro: Cusco - Poroy - Cusco -Passagem de trem pela PeruRail: Poroy - Aguas calientes -Onibus Para subir até Machu Pichu _Entrada para Machu Pichu Mais tarde sai para conhecer Cusco... Digo que Cusco é uma coisa e resto do Peru é outra, cidade limpa, organizada e com muitos atrativos, e cheia de turistas. 9º Dia - Machu Pichu As 7 da manha a van passa no albergue para me levar até Poroy, na estação de trem rumo a Aguas calientes, parada final até Machu Pichu. O embarque foi rápido e tranquilo, e como já era de se esperar, muitos estrangeiros no trem. A viagem até aguas calientes leva em torno de 3 horas, no trem eles dão um lanche e vendem algumas coisas também. Fui pela PeruRail. No caminho o trem passa por paisagens fantásticas, vales, florestas, lagos, que já valem a pena tirar fotos. Ao chegar em Aguas calientes, há a opçao de subir até Machu Pichu a pé ou ir de onibus, muitos gostam de se aventurar a pé mesmo, pelo meio das montanhas, eu subi de onibus e apos uns 15 minutos cheguei a famosa Machu Pichu O lugar realmente impressiona, era tudo oque eu esperava e um pouco mais.... Reunimos em grupos, geralmente eles separam por idiomas, Ingles e espanhol, obviamente eu e muitos brasileiros que encontrei lá tambem escolhemos espanhol. Nosso guia, foi explicando cada detalhe...o tour durou mais de 2 horas em meio ás ruínas, pedras e monumentos... e apos muitas muitas fotos, retornei até a estação de trem ao fim da tarde. Com certeza um dos pontos altos da minha viagem, Machu Pichu ficará pra sempre gravada em minha mente, e certamente voltarei lá. Dica: Leve uma garrafa de agua porque lá é quente e as coisas sao lá carissimas, para entrar em Machu Pichu são necessarios ingressos, e os onibus que sobem até lá a partir de aguas Calientes saem a cada 20 minutos. Geralmente a agencia em que fechar o passeio ja te da todas as coordenadas. 10º Dia - Cusco - Tacna No dia seguinte após Machu Pichu era hora de seguir viagem.... Fui até a rodoviaria e comprei uma passagem por 160 soles até Tacna, quase fronteira com o Chile. Peguei o onibus com destino a Tacna, esta foi uma das piores viagens rodoviarias que enfrentei, o motorista encheu o onibus de pessoas, inclusive nos corredores, e ao meu lado se sentou uma peruana imensa e cheirando mal, com uma criança que ficou me "pentelhando" durante toda a viagem. Apos 14 horas de viagem, e raiva tb, cheguei em Tacna. No trajeto, passei por lugares de muita pobreza, e pessoas trabalhando em condiçoes deploráveis. Em Cusco mesmo, muitos trabalhadores são praticamente explorados por conta do turismo. Um exemplo dessa exploração são os "porteadores", pessoas que carregam as bagagens para os turistas, nas trilhas que as agencias vendem. Estas pessoas passam 3, 4 até 5 dias carregando 20 kilos e em alguns casos 30 kilos nas costas durante todo o dia, levando utensilios e objetos para o conforto dos turistas nos acampamentos, tudo isso com pouco descanso, e por um salario de fome. Sao eles que fazem a trilha Inca, a Salkantay e outras menos trilhas menos famosas acontecerem. Porteador carregando objetos para a trilha. Nesse meio há botijão de gás, utensilios, galões etc. Note que além disso, eles se vestem bem simples, não usam nenhum equipamento ou vestimenta especial. Segundo um deles disse, não podem entrar em machu Pichu. Em meio aos fascinios que os passeios proporcionam a seus visitantes, estas pessoas passam despercebidas, são tratadas literalmente como "burros de carga". Não condenando o trabalho em si mas a condição em que ele é imposto, sem qualquer regulamentaçao e muito menos se importando com a saúde do trabalhador. 11º Dia Tacna - Arica TACNA é um cidade que fica no meio do deserto ha uns 20 minutos de carro da fronteira com o Chile. Já em Tacna ainda em territorio peruano procurei onibus até Arica no Chile, visto que são cidades próximas. Acabei pegando um "taxi" de um chileno, ou melhor, um carro que levava pessoas para o Chile, e devido a rapidez e pouca diferença de preço do onibus, fui com este rapaz, e mais uma familia de Peruanos. Chegando na fronteira após quase 1 hora de tramites para entrar no país, finalmente cheguei em Arica. Comprei uma passagem até São Pedro de Atacama com uma parada em Calama, porém meu onibus sairia as 21 horas, entao passei o dia todo conhecendo a cidade. Arica, é uma cidade bonita, lá eu pude contemplar pela primeira vez o Oceano Pacifico, fiquei acompanhando todo o cair da tarde na beira do mar, muito bonito o sol se por no Pacifico. Ficou como outro lugar especial. Visao geral da praia em Arica 12º Dia - Calama - São pedro de Atacama Cheguei em Calama por volta das 7 da manhã, fiquei na cidade até as 11 horas quando saia outro onibus até San Pedro. nao cheguei a conhecer muito Calama, so comi alguma coisa lá e dei umas voltas,....e as 11 horas fui até San Pedro de atacama. Chegando na cidade achei o hostal La Florida, onde tive que compartilhar o quarto com 3 americanos San pedro de Atacama é uma cidade no deserto do Atacama, de lá saem varios passeios, e por este motivo é sempre repleta de turistas.... Tudo lá é muito caro, a água é bem racionada, visto que o Deserto do Atacama é o mais seco do mundo entao água la só o necessario mesmo. Bom, apos me acomodar fui procurar a COLQUE TOURS, uma das varias agencias que fazia expedicoes até o salar de Uyuni. Por 170 dólares fechei passeio de 3 dias e 2 noites, até o salar de uyuni na Bolivia, atravessando deserto em carros 4x4, com direito a refeiçoes e pernoites em abrigos da propria agencia no meio do deserto. Tudo fechado, fui comer alguma coisa e descansar para o dia seguinte, afinal ja faziam 2 dias que eu nao sabia o que era uma cama de verdade. 13º Dia - Vale de la Muerte e Vale de la Luna As 7 da manha conforme combinado pegamos o onibus até o abrigo na fronteira com a Bolivia, para ai entrar nas Pick Ups que atravessariamos o Deserto. No caminho conheci 2 brasileiros que iam fazer o passeio, logo nos juntamos. Porém um dia antes teve uma tempestade de areia muito forte no meio do deserto que impediu os carros chegarem no abrigo em tempo hábil para nos buscar. Neste dia enfrentamos a temperatura mais baixa ate entao, -20º (isso mesmo, 20 abaixo de zero), o que tornou inviavel pernoitar no abrigo, entao tivemos que retornar a San pedro de Atacama para voltar no dia seguinte. Porém o que era para dar errado foi bom, pois qdo retornei a san Pedro encontrei os 2 brasileiros e juntos fechamos um passeio para a tarde que incluia: -SandBoard no Vale de la Muerte -Montanhismo no Vale de la Luna o SandBoard descemos as dunas do Vale de la Muerte no Atacama com pranchas de SnowBoard.... e a visita ao Vale de la Luna tb foi inesquecivel... San Pedro de Atacama tem muitos passeios interessantes e que valem a pena ser vistos, tive a infelicidade de pegar a cidade em meio a tempestades de areia o que impediu muitos passeios de serem realizados. 14º Dia - Deserto do Atacama e Deserto de Siloli Finalmente as 7 da manha saimos novamente com destino ao abrigo que seria o nosso ponto de encontro com os carros 4x4 para a travessia do deserto. saimos do Chile e entramos pelo sul da Bolivia. Neste dia estavam agradaveis 5 graus negativos, Chegando no abrigo os grupos foram divididos e acabei indo no melhor carro, No meu grupo tinha o nosso motorista/guia Faustino, a cozinheira da expediçao, eu e mais alguns ingleses, alem de um irlandes cachaceiro. Partimos e nosso primeiro dia em especial foi passar pelo vulcão Licancabur, Laguna Branca, Laguna Verde e Geisers Fronteira para entrada na Bolivia no meio do deserto As margens da laguna Branca congelada Laguna Verde Ao fim da tarde o guia nos leva até o abrigo, que são alojamentos bem confortaveis, nos deram uma refeição leve e fomos durmir para o segundo dia. Um fato curioso: Quando chegamos no primeiro abrigo, apareceu uma velhinha fazendo cambio de moedas. Como estavamos recem chegados do Chile, tinhamos muitos pesos chilenos e precisavamos trocar por Bolivianos. Esta senhorinha pegou o dinheiro de todo mundo, trocou uma parte e disse que voltaria depois com o resto.....não é preciso dizer que nunca mais vimos a velhinha pilantra!! 15º Dia - Deserto de Siloli As 8 da manhã do dia seguinte entramos nos carros e partimos. Nosso roteiro para este dia seria rochas e Canions, passando pela Laguna Colorada. Neste dia mais uma vez enfrentamos tempestades de areia no Deserto, o vento estava fortissimo e o carro balançando demais, parecendo que ia ser levado, não se via nada na frente só areia, porém nosso motorista como sempre muito competente contornou a situação. Ao fim do dia chegamos ao abrigo da Colque Tours, muito aconchegante. Esta seria a ultima parada antes do Salar de uyuni. O Deserto de Siloli é um lugar fantástico e cheio de vida. Conforme vamos andando pelo Deserto surgem novas paisagens, lagos e animais.... 16º Dia - Salar de Uyuni acordamos as 7, tomamos um café reforçado e preparamos nossas coisas para visitar o maior deserto de Sal do mundo, o Salar de Uyuni. No abrigo haviam varios grupos, porém a estrutura lá é muito boa. As 8 em ponto saimos e apos 1 hora de carro, chegamos ao Salar de Uyuni. Não tenho nem muito o que dizer, o Salar é algo diferente de tudo que já vi, uma imensidão branca que não tem fim....algo surreal mesmo e com certeza outro ponto alto da minha viagem. Não ouse ir pra lá sem uma jaqueta corta-vento e um bom óculos de Sol, pois fica dificil abrir os olhos... No mesmo dia visitamos a ilha Incahuashi e seus cactos gigantes, que fica no Salar, também muito legal. O Salar de Uyuni é parada obrigatória para qualquer mochileiro que vá para a Bolivia. Não esqueça de comprar manteiga de cacau, eu comprei, porem não faça como eu kkkkkk a minha era Rol-on e acabou congelando, o resultado foram meus lábios completamente rachados. No ultimo dia mal abria a boca. Cidade de Uyuni - Oruro Após o Salar partimos para a cidade de Uyuni que seria o ponto final da nossa expedição. Chegamos em Uyuni as 14 hrs. A cidade estava completamente sem eletricidade, devido aos fortes ventos no deserto, as torres de energia haviam desabado. Eu teria que chegar em Sta Cruz de la Sierra em 2 dias, porque tinha voo marcado para Buenos Aires, na Argentina. Comprei uma passagem com destino a Oruro (por 80 bs) que sairia as 20 horas. Conversando com um morador local ele disse que em uyuni não se compra nada antecipado, pois existem muitas agencias que vendem passagens e nao honram o compromisso....porem tive sorte, meu onibus saiu no horario correto com destino a Oruro. Minha recomendação seria: não perca tempo nesta cidade, alem de estranha, tem pouquissimas opcoes de acomodação, e segundo os proprios moradores é uma cidade com muitos ladrões 17º Dia Oruro - Cochabamba - Sta Cruz de la Sierra Oruro Agora era uma luta contra o tempo, tinha pouco mais de 24 horas para chegar em Sta cruz de la Sierra senao perderia meu vôo. Assim que cheguei em Oruro não perdi tempo, fui atras de um onibus com destino a Cochabamba porém me indicaram os "rapiditos",que nada mais são do que conhecemos aqui como vans ou lotações. Apos 4 horas de viagem cheguei em Cochabamba. Cochabamba Cochabamba é uma cidade grande e aparentemente desenvolvida, e o trânsito lá é um pouco mais organizado. Fui ate a rodoviária e peguei um onibus até Sta Cruz de la Sierra. Nestas 2 cidades estive apenas de passagem não tive tempo conhece-las de verdade.... ...de volta a Sta Cruz de la Sierra Cheguei em Sta cruz por volta das 19 horas, me acomodei em um hotelzinho "boca de porco", e amanheci lá para as 7 da manha ir para o aeroporto com destino a Buenos Aires. 18º Dia - Sta Cruz de la Sierra - Buenos Aires As 9 da manhã do dia seguinte peguei o vôo da AeroSur com destino a Buenos Aires. Após 4 horas de vôo cheguei em Ezeiza, logo que voce desembarca há muitos taxistas se oferecendo para levar ate a capital, já que o aeroporto de Ezeiza fica a uns 40 minutos de Buenos Aires. Procure o guiche de uma empresa chamada MANUEL TIENDA LEON, que é um serviço de onibus que te leva até Buenos Aires e lá eles te colocam num carro e te deixam onde voce quiser, tudo isso por um preço muito abaixo dos taxis. paguei exatos 40 pesos. Em Buenos Aires achei um hostal proximo ao centro, me acomodei lá e sai a noite para andar um pouco na cidade. Na chegada em Buenos Aires o cachorro da Policia Argentina cismou com minha mochila quando ela passou na esteira do aeroporto, o resultado foram minhas coisas reviradas e muita raiva daquele vira lata 19º Dia - Buenos Aires Sai para visitar os pontos turísticos da cidade, lá encontrei um amigo brasileiro que haviamos marcado de se encontrar. La bombonera Recoleta Ao fim do dia compramos uma passagem com destino a la Plata por miseros 10 pesos, e apos 1 hora de viagem chegamos na cidade 20º Dia - La Plata Chegamos em La Plata e ficamos em um albergue na Calle 18. Lá tinha muitos brasileiros tambem. La Plata é uma cidade bonita e organizada, praticamente um polo estudantil, lá existem muitas faculdades e pessoas de varios lugares estudando na cidade. Tudo é muito caro (acho que por isso se chama la Plata), não fizemos nada de especial lá, ficamos mais 2 dias, conhecemos, fizemos novas amizades e retornamos diretamente para Ezeiza, para retornar a Santa Cruz de la Sierra e ai voltar ao Brasil no dia seguinte. Perdi as fotos que havia tirado em La Plata, por isso não postei. INFORMACOES UTEIS (OU INUTEIS) - Você pode entrar em qualquer um destes países tranquilamente com sua carteira de identidade. Eu mesmo não levei passaporte e em momento algum tive problema com isso. Porém reza a lenda que o prazo máximo de emissão do RG deve ser de 10 anos, ou seja, se tiver aquele RG amarelado e com foto de quando era criança pode ter problemas. - Para entrar na Bolivia você deve tomar vacina contra febre Amarela e eles te pedem a carteira Internacional de Vacinação. E não é esta que recebemos nos postos de Saúde, é uma que você tira nos postos da ANVISA...na verdade so me pediram esta carteira na entrada ao sul pelo Chile. - Fiz o VISA TRAVEL MONEY que funciona como um Cartão de Crédito pré pago. Carreguei ele aqui no Brasil em reais e saquei diretamente no exterior em moeda local. Além do que foi aceito em qualquer estabelecimento que tinha bandeira VISA. Dinheiro em espécie mesmo levei muito pouco. - Se o seu cartão do banco onde tem conta corrente tiver no verso a bandeira CIRRUS ou PLUS, você conseguirá sacar dinheiro no exterior que será convertido em moeda local e debitado diretamente de sua Conta Corrente aqui no Brasil. Para habilitar este serviço é só ligar no Banco. -90% dos meus deslocamentos de uma cidade para a outra, eram feitos durante a noite, assim alem de economizar com hospedagem, voce nao perderá um dia inteiro dentro do onibus. -Se não souber espanhol ou ingles, use a abuse da mímica..... Eu em nenhum momento me senti só, fiz muitas amizades com pessoas de varias partes do mundo e tambem muitos brasileiros... Cada cidade que chegava, não sabia nem onde iria dormir, comer, não sabia sequer onde estava direito, minha primeira atitude era sempre pegar o mapa do lugar para me localizar.... Não segui absolutamente nada do roteiro que havia feito aqui no Brasil, foi totalmente o oposto, porém graças a Deus tudo sempre deu certo. Quem tiver receio de viajar só, eu digo por experiencia própria, vá sem medo, e irá se surpreender com você mesmo. Não tenha medo de se perder, arrisque, ouse, vá onde tem vontade de ir e não dependa de ninguém pra nada, não observe nada de longe, vá até lá e pise com seus próprios pés...
  5. Fiz um roteiro bem parecido com este ano passado e sozinho Coloquei no meu blog, espero que ajude www.rafamaral81.blogspot.com
  6. Fala renato td bem?? Belissimas suas fotos e achei que tudo foi valido sim!!! Como vc, o Aconcagua para mim tambem é um sonho que pretendo realizar, claro, com planejamento tb... me add [email protected]
  7. Parabens cara otimo relato.. Assino embaixo no que voce disse, tive a oportunidade de conhecer esta linda cidade ano passado e realmente eles sao muito educados, atenciosos quando se precisa de alguma informacao, alem da cidade ser limpa e organizada.. Tambem so tenho elogios aos argentinos e essa rivalidade "burra" imposta pelos meios de comunicacao que nos faz ter uma visao totalmente errada das coisas.. Pretendo voltar a Buenos aires, e outras cidades na argentina assim que eu puder
  8. Pessoal vou fazer Bolivia - Peru e chile no mes de julho, entre outras coisas estao no roteiro o Chacaltaya, trila inca e uyuni Sera meu primeiro mochilao e minhas duvidas em relaçao a botas se resumem em: -E realmente necessario um calcado de cano longo para esse tipo de viagem?Vi uns tenis de trekking muito bons da timberland -O calcado Tem que ser impermeavel?
  9. Seu relato esta muito bom!!!! Continua ae que eu to acompanhando abs
  10. Sei la se encontrar brasileiro no mochilao ficarei feliz isso sim rs Dizem que argentino eh metido, qdo fui a buenos aires, os argentinos que conheci sao atenciosos procuram te ajudar e td mais... realmente nada a reclamar daquele pais Espero que o pessoal nao fique com uma impressao negativa dos paulistas rsrss
  11. ae teu roteiro esta bem parecido com o meu inclusive na mesma epoca me add [email protected]
×
×
  • Criar Novo...