Ir para conteúdo

thiagobdi

Colaboradores
  • Total de itens

    278
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutra

Sobre thiagobdi

  • Data de Nascimento 14-06-1980

Bio

  • Ocupação
    Analista de Sistemas.

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. @tchterra o fórum aqui é para retirar dúvidas e compartilhar experiências. Talvez uma companhia você encontre mais fácil na parte de "Companhias para Viajar". Foi só uma dica.
  2. Boa tarde @VAL1910. Eu não acho que lá tem trechos tão técnicos mas trechos que exigem maior atenção e orientação. Acho que dá para encarar de boa, só tentar reduzir o peso da sua cargueira e levar o necessário para a travessia + situações de emergência. Em Abril vou estar de férias e estou pensando em encarar essa travessia. Caso seja do seu interesse podemos agendar a mesma data e encarar a empreitada. Qualquer coisa mande msg no privado. Abraços.
  3. Goulartinho eu já fiz a travessia da Serra dos Órgãos por 2 vezes (3 dias e 2 noites)e a travessia do Marins x Itaguaré (um fim de semana) uma vez fazendo o ataque aos 2 cumes. São percursos bem diferentes. A travessia da Serra dos Órgãos é mais técnica, se sobe/desce muitas lajes de pedra onde não há trilha e somos orientados pelos toténs, caso a pessoa não tenha GPS. Alguns locais a travessia é mais delicada e alguns grupos até fazem uso de cordas, exemplo: Cavalinho no Vale da Morte. Nas vezes que fiz o guia não era obrigatório e não vejo problemas em realizar a travessia solo. Se você vir algum grupo ou pessoa fazendo o percurso, junte-se a eles e aí só sucesso. A travessia da Serra Fina eu fiz solo, mas no segundo dia encontrei com 2 montanhistas do Rio. Então fizemos um trio e foi sucesso. O que é recomendável é que você deixe uns 50% da sua coragem em casa, para evitar o excesso de confiança, ser mais paciente nos pontos críticos, realizar a transposição dos obstáculos com atenção e controlar o psicológico se der alguma situação adversa. Qualquer dúvida, estamos aí....
  4. Boa tarde tabatajac. Eu fui tem muito tempo mas quando fui o custo de fechar o pacote em Cuzco era infinitamente menor do que fechar aqui no Brasil. Quase dois por um. Eu recomendaria você fazer contato com agências peruanas para estimar esse preço. Uma coisa que fiz foi fechar tudo lá em Cuzco praticamente na véspera. Com isso consegui fazer um bom leilão e ter um bom preço. No fim das contas a agência brasileira vai acabar contratando o serviço da agência peruana.
  5. Cátia, de Roncesvales a SJPP você pode ir pela rodovia (carretera), e depois voltar pelos Pirineus. Muitos ciclistas da região andam de speed por aquelas bandas. Quando eu fui, consegui um busão de Pamplona até SJPP mas também pensava na hipótese de ir pedalando. Dependendo do horário que você fizer esse bate x volta, dá para fazer isso em um dia. Caso contrário, melhor pernoitar em SJPP e começar o Caminho no dia seguinte. No Google Earth ou Maps vc consegue ver esse caminho pela rodovia facilmente. :'>
  6. Lá perto do começo da trilha tem umas propriedades rurais, na beira do rio, de povo simples e acolhedor. Tem uma que até tem que atravessar o rio, mas antes do rio tem um pastão com muito espaço e rola de deixar lá. Acho que é só chegar, mostrar o que você vai fazer e pedir se pode deixar o carro la perto, num pasto algo assim. Geralmente não tem erro, pessoal é de boa. Quando retorno, costumo dar uma grana por gratidão, mas aí é de cada um. Tá pensando em fazer bate-volta ou pernoitar lá?
  7. Fino... Dei uma olhada preliminar e o caminho parece ser esse mesmo. Porém o cara marcou desde Nova União. Dá para avançar bem, até depois de Altamira, de carro, para fazer praticamente só o percurso da trilha mesmo. Vou comparar com o tracklog que tenho em casa mas pelo visto está bem parecido com o seu. O começo da trilha é tranquila e bem definida, uma estrada de terra que termina em trilha e depois em uma trilha de pedras. A partir daí só seguir o tracklog mesmo. Não tem trilha muito definida mas como disse a região é de vegetação baixa e dá para ir pelo rumo do tracklog. Eu já fiz uma corrida de aventura na região, e passava pelo alto da serra de Altamira, só com carta topográfica, aí nem tem rasga mato. Vou ver o meu track log e te falo. Abraço,
  8. É, não vai não!!! O negócio lá é chegar de carro até bem perto dos atrativos, então fazer um pequeno deslocamento a pé. O maior deslocamento a pé que eu conheço lá é da parte Alta da Casca D'Anta até a parte baixa, e vice versa, são 3km de trilha.
  9. Cara, eu já fiz esse percurso... São cerca de 12km para ir. A vegetação tipica da Serra do Cipó é baixa e os rasga matos são raros. Exceto quando tem que atravessar algum rio ou um brejo maluco e não der para dar a volta. Não existe trilha definida até lá... só no começo, para a saída de Altarima. Porém lá na Serra do Cipó sempre tem aquele solo cheio de pedras brancas o que faz com que cada pedaço seja uma trilha. Se quiser, me mande o seu track log e eu dou uma olhada e faço algumas considerações q possam ser úteis para vc., :'>
  10. Cara, eu tenho tracklogs mas são dos acessos a cachoeiras e atrativos da região. Eu desconheço algum tipo de travessia na região e os trekkings são curtos e sempre em direção aos atrativos.
  11. Alex, leia o tópico de trás para frente, assim você pega informações mais atualizadas. E a sua pergunta sobre o roteiro, ai vai uma dica, já pintou aqui no post. Eu mesmo coloquei. kkkkk Se vc não achou, refine sua pesquisa.
  12. Olá Fred... Qual época do ano você pretende ir? É só para eu saber o tipo de orientação que posso te dar.
  13. su_morgado, acho que dá para fazer coisa boa sim. Chegando em São Roque de Minas por volta das 16h, como estamos em horário de verão e o dia vai claro até umas 19:00, vá direto para o Capão Forro. Lá tem 3 cachoeiras e fica bem perto da cidade. Dá para curtir legal. São Roque é a cidade mais próxima da nascente do rio São Francisco e se quiser ver a nascente, terá que ver a parte Alta da Casca D'Anta no mesmo dia. São 40km de distância. Caso queira ver a parte baixa, também são 40km de distância no sentido oposto, aí não dá para ver a nascente. Se cabe uma dica, visite a parte alta, é muito mais legal, dá para aproveitar muito mais e ainda você contempla o parque e pode ver animais selvagens. Carro de passeio dá para fazer sem problema. Porém é sempre bom vc consultar a condição da estrada na entrada do parque. Com as chuvas tudo muda e ninguém melhor que os funcionários do parque para passarem a condição de momento. A estrada até São Roque de Minas é muito boa. Saindo da MG-050 é uma estrada de pista simples mas em boa condição de manutenção. Aproveite!!!
  14. Bom, poder ir você pode... A questão é tentar se informar sobre as condições climáticas da região, principalmente as regiões serranas. Pode estar com um frio muito acima do que estamos acostumados, e neve.... e com isso tem-se que carregar mais roupas de frio e logicamente mais peso, o que desgasta mais durante a viagem. Também durante o inverno, deve-se saber se o Caminho fica com um bom público. Eu sei que fora de época alguns albergues, principalmente em cidades pequenas (pueblos) ficam fechados dado o pequeno número de peregrinos. Vale a pena pesquisar se no inverno fica assim. Você pode começar o Caminho de qualquer parte, desde que comprove que caminhou pelo menos os últimos 100km para conseguir a sua Compostela. Começar no sul da frança, caracteriza o caminho Frances, mais tradicional. Mas vc também pode começar em Pamplona, ou qualquer outra cidade. Já vi de pessoas que começaram no Cebreiro, um local já próximo de Santiago. Tudo depende da sua disposição e programação. Abraços,
  15. Cara, eu não fiz no inverno, fiz em setembro, de bike. Eu acredito que deve ser super tenso a questão do frio e a travessia dos Pirineus e Cebreiro. Também tem a questão dos albergues, muitos não abrem no inverno então o peregrino pode ficar na mão. Tem que ser uma viagem muito bem planejada....
×
×
  • Criar Novo...