Ir para conteúdo

Pericles David

Membros de Honra
  • Total de itens

    674
  • Registro em

  • Última visita

  • Dias Ganhos

    1

Tudo que Pericles David postou

  1. Parabéns pelo relato!! Bastante completo e com anotações de valores, que ajudam muito outros mochileiros!! Fiquei doido na história do furto da mochila!! Sou neurótico com minhas coisas kkkk Pra vc ter uma idéia eu ando com meus documentos em uma bolsa de plastico pendurada no pescoço, por dentro da roupa, tipo um porta crachá! Cabe certinho meu passaporte e carteira internacional de vacinação!! Além desse porta crachá eu uso sempre uma doleira na cintura, por baixo da calça! Fui roubado uma vez na Argentina, levaram meu celular, mesmo eu tendo tanto cuidado!! A gente tem sempre que estar de olho em tudo!! Ah, preciso muito fazer uma pequena correção! O vulcão majestoso que fica em Arequipa se chama El Misti. É o meu vulcão preferido!! kkkkk Abração! Bons ventos!!
  2. Parabéns pelo relato!! Me fez viajar novamente!! Gosto demais de relatos divertidos e bem escritos!! Quando eu fui pela primeira vez, em 2011, fiquei nada menos que 16 meses juntando informações!! Li mais de 100 relatos, além de sites e vídeos do youtube!! Acabei fazendo até uma apostila com 72 páginas...kkkkk (relato aqui: Acho importante demais disponibilizar informações da forma como vc fez aqui!! Me fez refletir muito sobre como nós perdemos poder de compra, como nosso Real está desvalorizado! Pra vc ter uma idéia, em 2011 um Real comprava 4 bolivianos e 1,85 Soles!!! E em 2010 o Real comprava 7 bolivianos!!!!!! Cada dia que passa fica mais difícil juntar uma grana pra viajar! Lendo seu relato percebi que mudaram mais uma vez a sistemática de entrada em Machu Picchu! Da primeira vez que eu fui vc comprava o boleto pra entrar no sitio arqueológico e não pagava mais nada pra subir o Huainapicchu! Bastava chegar bem cedo e ser um dos 400 autorizados a subir! Quando fui pela segunda vez havia o boleto com opcional de pagamento pra subir o Huaina... Mas poderia ser qualquer horário! Agora pelo que vi, para entrar no sitio vc tem que decidir se entra de manhã ou a tarde!! Assim fica mais complicado ainda... Cara, revivi muitas coisas e só aumentou mais minha vontade de mochilar por aquelas bandas mais uma vez!! Ah, vi que vc vai pra Colômbia e Equador ano que vem, né? Eu fui em 2013! Os valores mudaram, mas as dicas de passeios ainda valem! Se quiser alguma informação é só dar um grito!! (Relato aqui: Vou te add no Insta e se vc quiser, me segue de volta e a gente troca umas informações por lá! Abração! Bons ventos!
  3. E aí Samir, blz? Cara, já fui para a Bolívia várias vezes, mas antes de ir a primeira vez li centenas de relatos e em muitos fiquei sabendo de diversos golpes aplicados tanto por bandidos como por policiais (nesse caso bandidos também). Uma vez um policial que disse ser da Interpol me parou na rodoviária de Santa Cruz para umas perguntas! Ele estava sem uniforme e sem identificação então eu nem dei moral pra ele. Ele insistiu muito e eu simplesmente respondi o básico, pois li vários relatos sobre falsos policiais. Então, depois que ele saiu, fui perguntar sobre ele a um funcionário em um guichê de passagens e ele me confirmou que o cara era realmente policial. Mas como ele viu que eu não tava nem aí ele acabou me deixando quieto! Bolívia é sensacional, já passei mil perrengues lá, mas quantas vezes eu puder voltar eu voltarei!! forte abraço! Bons ventos!
  4. Renato, não lamente!! Eu comecei a mochilar em 2009, aos 35 anos!!! Eu não comecei mais jovem por pura "bundamolice"!! Então, vc ainda tem dez anos de vantagem em relação a mim!! Curta sempre ao máximo! E vá sempre que puder! Bons ventos!
  5. Pois é Camila, esse ano, por uma dessas surpresas do destino, vou voltar aos 5 países em duas viagens bem diferentes! Na primeira, agora em julho, vou para Uruguai e Argentina, com minha esposa e filhos, pela primeira vez eles irão conosco pra lá! Depois, em setembro, embarco com a galera fubazenta que tá sempre viajando com a gente, para Bolívia, Peru e Chile. Vamos fazer o Canion do Colca, Atacama e Uyuni. De quebra a galera toda quer fazer o Downhill de novo!! Vai ser massa!!
  6. Completando 3 anos da viagem que marcou a minha vida para sempre!! (com uns dias de atraso, mas tá valendo). Vá em frente! Siga seu sonho! Não desista! O que focamos acabamos alcançando! Bons ventos a todos!!
  7. ACABOU!! É TETRA!!! KKKKKKKKKKKKKKKKK Brincadeirinha Camila, teu relato ficou show!! Por isso a insistência pra vc terminar! Valeu pelas dicas de lugares que ainda estão na minha listinha!! Abraço!
  8. Muito obrigado!! Eu também sou um super apaixonado pela América do Sul!! No começo eu também ficava pensando em um roteiro superar outro, mas fui aprendendo que cada viagem tem sua importância e seu significado nas nossas vidas, então eu tiro o máximo proveito de cada roteiro novo e isso tem sido sensacional. Quando a gente cria muita expectativa, pode ser que a gente se frustre, mas quando deixamos cada lugar nos surpreender, aí é sempre muito prazeroso! Quanto aos gastos eu não fiz um cálculo preciso, mas uma extimativa geral é que gastamos uns R$ 5.500,00 por pessoa. Lembrando que compramos passagens em diversos momentos e isso não garantiu o melhor preço. Se vc vai viajar sozinha ou com uma pessoa, tenha um planejamento engatilhado e espere uma boa promoção. Esses dias eu vi uma promoção saindo de BSB direto pra San Andrés por menos de 900 reais!!! No mais, vá sem medo! Equador e Colômbia são demais!!! Vc vai adorar! Abraço.
  9. Marifaguiar, se tiver um voo pra Arequipa, que chegue no meio da tarde seria o ideal. Aí vc pega o busão mais tarde possível pra Tacna. Chegando lá, vc vai pegar um taxi coletivo que vai passar com vc pela migração (às vezes tem que esperar abrir) e depois te leva pra Arica. Só que aí é que tá o problema!! Eu sinceramente não sei se tem busão matutino pra Calama! Se não tiver vc vai ter que esperar o busão noturno. Detalhe: a viagem de Arica até Calama dura umas 9 a 10 horas!!! Então, mesmo que vc saia imediatamente de Arica, não vai conseguir chegar a Calama antes de um dia inteiro de viagem desde a sua saída de Cusco! Sendo assim, sinceramente eu acho que não compensa pegar o voo. Vá de ônibus o trajeto todo! Abraços.
  10. E aí grande Pedrada!! Cara, Equador é daqueles países que vc, quando visita diz: "poxa, pq não vim antes!" É como eu disse, um lugar maravilhoso, cheio de opções pra todos os gostos e com certeza pra todos os bolsos! Pode subir na sua lista, sem medo de ser feliz! Abração!
  11. Muito bom relato!! Pra quem é vidrado na Bolívia como eu é sempre bom alguém ter essa atitude positiva em relação a esse país tão pobre financeiramente e tão rico de cultura! Para colocar as fotos no relato olhe esse link: como-inserir-fotos-nas-mensagens-t79090.html Abraço.
  12. Muito obrigado kdusandes! Que bom que vc gostou e teve paciência de ler! Eu voltaria facim facim pro Equador! País incrível, com inúmeras opções de roteiros (ainda quero conhecer Galápagos, Montañita e outros lugares...) Se vc pretende ir pra lá não pense duas vezes! Vá pq vc não vai se arrepender. E pra deixar tudo mais legal ainda, os preços são super baratos! Dá pra fazer um mochilão muito bom e gastar pouco! Abraço.
  13. Valeu Maria Emilia!!! Então... as idas e vindas a Bogotá foram realmente muito truncadas! Em parte por conta dos perrengues com os voos perdidos/cancelados e em parte pq quando compramos as passagens aproveitamos as promoções e por isso não deu pra comprar a ida e volta por cidades diferentes, o que economizaria muito do nosso tempo!! Abração.
  14. Oi Luiza, se vc me permite vou ajudar o Humberto... Humberto, eu utilizei o celular somente onde tinha wi-fi, para usar o Whatsapp e Facebook como ferramenta de comunicação em geral. Mas para falar com meus filhos eu utilizava as cabines telefônicas que vc paga por minuto e são muito baratas!! O grande problema é que no Equador elas não são tão fáceis de se encontrar como na Bolívia ou Peru. Mas nas cidades maiores vc tem mais facilidades. Pra vc ter uma idéia eu consegui um telefone fixo/celular no topo do vulcão Quilotoa!!! Vc pode usar a seguinte estratégia: para as pessoas te localizarem peça pra que mandem msg via Whats ou Face e depois vc retorna utilizando essas mesmas ferramentas ou o telefone mesmo! Então pode ir sossegado que vc vai conseguir se comunicar tranquilamente e sem precisar gastar muito! Abração Luiza! Abraço e boa viagem Humberto!
  15. E aí Camila, blz? Ainda tá na estrada? Ow.. bora terminar o relato! Tá muito show! Tô esperando o restante. E teu relato me deu várias idéias pra passear com a patroa e as crianças... hehehehe Abraço.
  16. Valeu maozinha03! Obrigado, abraço. Valeu Maria Emilia! O relato tá muito extenso mesmo, mas é a forma que encontro de poder relembrar de tudo quando se passa um bom tempo depois...hehehe. Abraço. Muito obrigado Camila. E que ânimo heim?? Ler tudo de novo? Êita!! kkkkkkk Abraço. Legal Barbara. Viajar junto faz parte! Antes dessa aventura eu tb viajei muito nos relatos da galera que foi pra lá! Abraço.
  17. Opa, blz riquao? Obrigado pela força! Que bom que vc gostou do relato. Cara, peço desculpas, mas não fiz uma soma dos gastos totais, pq a gente começou a comprar as passagens (em Reais) a partir de Janeiro de 2013 e fomos comprando até agosto (já em pesos colombianos...) Mas pra ter uma noção geral, além das despesas com passagens aéreas que eu calculo que foram em torno de R$ 6.000,00 para os dois (foram 14 trechos!), tivemos o gasto de U$ 2.100,00 + R$ 250,00 aproximadamente, para os 2. Esses valores são referentes a tudo: hospedagem, alimentação, passeios e compras. Vale lembrar que o Equador, juntamente com a Bolívia, são os dois países mais baratos da América do Sul. Já a Colômbia não é um destino dos mais econômicos. Se vc vai para Peru e Bolívia o montante de gastos é bem diferente! Espero ter ajudado. Abraço.
  18. Pois é Letícia, faço igual a Samantha Vasques, relato super completo!! kkkkkk Aos poucos vou postando as fotos. Abração.
  19. 13/10 – Bogotá – São Paulo – Campinas – Dourados. Eu to voltando pra casa outra vez.... À 1:30h da madrugada pedimos um taxi, que levou menos de 30 minutos até o aeroporto El Dorado. Era a última vez passando por aquele aeroporto, no total passamos por ele 7 vezes somente nessa viagem! Antes de fazer o check-in fomos até o guichê para verificação e talvez a necessidade de pagamento da taxa de saída do país. Como ficamos menos de 10 dias, contados a partir da nossa segunda entrada no país, não precisamos pagar. Ficamos por ali, aguardando a hora do embarque. Assim que permitiram o acesso a sala de embarque, nós entramos. No free shop havia uma loja de diversos produtos colombianos, entre eles uns chocolates rechados com várias frutas típicas. Para divulgação desses chocolates tinha uma vasilha com amostras para cada tipo. Devia ter uns 12 a 15 tipos diferentes então, fizemos a festa kkkkkkkkkkkkk. Aproveitamos para “degustar” todos os tipos, mas no final, claro, eu comprei um pacote do chocolate recheado com uchuva que é uma fruta bem típica da Colômbia e que, particularmente, eu gosto bastante (COP 21.000). Finalmente chegou a hora do embarque. O primeiro trecho do vôo seria até Lima, no Peru, cidade que ainda quero conhecer, pois nas duas oportunidades que tive de viajar ao Peru não consegui chegar até Lima. Sem atrasos partimos. O vôo levou 3 horas e foi o pior de todos os diversos vôos da viagem toda! Dessas 3 horas cerca de uma hora e meia foi de turbulência ininterrupta! O restante do tempo tivemos momentos de turbulência, mas para quem não gosta de voar, como eu, uma hora e meia é uma eternidade quando se trata de turbulência! Finalmente aterrissamos em Lima e desembarcamos rapidamente para poder fazer a conexão. Enfrentamos uma fila imensa para passar pelos raio-x e pela segurança novamente. Não foi preciso fazer novo check-in. Ficamos bem pouco tempo na sala de embarque, onde a Tina gastou os 10 Soles que a gente encontrou em casa, ainda de 2012! Deu para comprar um capuccino e só (SOL 9,50)! Em poucos minutos embarcamos com destino ao Brasil!! Agora a gente já tava mais perto de casa! Foram 4 horas de vôo razoavelmente tranqüilo até São Paulo, com pouquíssima turbulência. Aproveitei pra terminar de assistir um filme que eu tinha começado no vôo da ida e ainda deu pra ver mais um filme inteiro. Finalmente aterrissamos em solo brasileiro! Que alegria estar de volta! Eu sempre digo que viajar é bom demais, mas voltar pra casa também é bom! Assim que desembarcamos resolvemos perguntar a um taxista quanto ficaria pra levar a gente até o terminal da Barra Funda e, pra nossa surpresa seria mais barato que ir de ônibus. O taxi ficou em R$ 105,00 enquanto que o busão ia sair um total de R$ 148,00 para nós 4. Foi um translado mais confortável e mais rápido. Como era domingo o trânsito tava super tranqüilo, então chegamos em, no máximo, 35 minutos, contra 1:15h de ônibus. Do terminal da Barra Funda saíam os ônibus da Azul até o aeroporto de Viracopos, em Campinas. Quando chegamos para embarcar vimos que o próximo só ia sair dali uma hora. Tinha 4 pessoas na fila, então ficamos ali, esperando. Quando o busão chegou a fila já tava imensa! Garantimos nosso embarque e assim que o busão saiu eu apaguei. Só acordei chegando em Viracopos. A gente ainda tinha um bom tempo antes de embarcar no último vôo da viagem, então aproveitamos pra jantar. Eu fui ao wc e tomei um banho de gato hehehehehe. Troquei a camiseta e quando cheguei na praça de alimentação a Tina já tava com um belo prato de lasanha me esperando (R$ 27,80). É sempre uma dúvida eterna se vai ter mesmo vôo ou não, pq nosso aeroporto municipal é ainda despreparado pra vôo por instrumentos. Mas graças a Deus tudo tava ok e logo embarcamos. Foram duas horas de vôo bem tranqüilo até nossa cidade. Quando o avião tocou o solo e rolou suave pela pista, lá de dentro a gente conseguiu ver nossos filhos grudados na janela igual adesivos! Meu Deus, que nó na garganta! Que saudade imensa! Desembarcamos e antes mesmo de pegar as cargueiras, dentro da sala de embarque, a gente conseguiu abraçar eles, meio contra a vontade da fiscal que cuidava a porta, mas quando ela viu o tamanho da saudade não implicou!! Aquele abraço forte, aquelas lágrimas de reencontro fizeram a gente pensar e repensar muito sobre nossos planos para 2014! Uma viagem planejada nos mínimos detalhes e com orçamento já separado, para a Europa em Abril/14 foi cancelada! A partir de agora nossas aventuras terão que incluir os dois! Sabemos que é um grande desafio, mas aí é que está a graça! Agradeço enormemente a Deus por mais essa oportunidade de poder conhecer mais dois belíssimos países sulamericanos. Espero que apareçam mais chances como essa! Agradeço também aos nossos amigos, companheiros de aventura, sem os quais a viagem não teria a mesma graça! Agradeço também aos nossos pais (meus e da Tina) por cuidarem tão bem do nosso maior tesouro! E vamos lá! Sempre em frente! Bons ventos a todos!
  20. 12/10 – Bogotá. Pra cima da montanha! Último dia em Bogotá, na Colômbia e também último dia de viagem. Faltava ainda conhecer um dos principais atrativos da cidade, o Cerro Monserrate. (COP 15.800). Depois tivemos que esperar em outra fila para subir pelo funicular. Existem 3 formas para subir: o funicular, o teleférico (que estava parado naquela hora) e a trilha a pé. Achei bem interessante esse funicular, que além de ser bem íngreme, quando chega perto do topo faz uma curva. Normalmente funiculares seguem em linha reta. (O Santuário no topo de Monserrate) Chegamos a estação e ainda tivemos que subir um pouco a pé. A vista de Bogotá é magnífica. No ponto mais alto do cerro há um santuário e, principalmente nos finais de semana acontecem missas em curtos intervalos de tempo. Quando chegamos a missa das 10:00h já tinha começado, então eu e a Tina decidimos participar da próxima missa, que seria as 11:30h. Enquanto isso ficamos observando os artesanatos e aproveitamos pra almoçar. Só que comemos apenas lanches (COP 16.900) muito ruins na lanchonete do local. Depois comemos um arroz doce igual ao que temos no Brasil. Como o Wesley e a Janete não quiseram participar da missa, combinamos de nos encontrar depois, no hostel. E quando eram 11:30h fomos para o santuário. A missa foi bastante emocionante. Aproveitei para agradecer a Deus por toda a viagem e pedir por nossos filhos que já estavam sentindo muito a nossa falta. Quando a missa terminou o padre chamou aos visitantes, principalmente os de fora de Bogotá, para uma bênção especial. Nós dois fomos até perto do altar pra receber a bênção e fechar com chave de ouro nossos dias maravilhosos nesses dois países incríveis. (A incrível vista de Bogotá do alto de Monserrate) Assim que saímos do Santuário fomos direto ao funicular para descer. Quando chegamos na portaria a Janete estava nos esperando. Ela queria ir até o mesmo lugar que a gente, no centro de artesanatos.... pra comprar umas últimas lembranças. Então pegamos um taxi (COP 5.500 total) e fomos até lá. Compramos mais algumas lembranças e eu encontrei uma bandeira da Colômbia do tamanho que eu queria e com brasão. Bandeiras são as lembranças que eu compro pra mim a cada país novo. Não só aquelas pequenas, para bordar na mochila, mas umas maiores de uns 30x45cm, de preferência bem detalhadas. Até hoje sempre consegui comprar em todos os países que fui. Seguimos até a mesma galeria próxima do Museo Del Oro, a Casona Del Museo. Aproveitamos o último dia para garantir as lembranças que faltavam (no nosso caso é quase uma obrigação levar umas lembranças para colegas de trabalho, amigos e familiares). Como muita gente sabe, e quem assistiu o filme “Tudo por uma Esmeralda”, com Michael Douglas (tá bom, o filme é de 1984, mas tem gente que assistiu na sessão da tarde!) sabe bem que a Colômbia é um dos maiores produtores de esmeraldas do mundo, se não for o maior. E há lojas de jóias feitas com esmeraldas por todos os cantos. Resolvi presentear a esposa com um anel. Ela então escolheu e eles ajustaram na hora. A Tina ficou faceira demais com o presente e engana-se quem pensa que é muito caro. Há diversos anéis, brincos, colares, com esmeraldas verdadeiras e certificadas, a partir de U$ 40,00. A Janete gostou da idéia e resolver dar a si mesma um presente e também comprou um anel. Logo em seguida tomamos um café e fomos caminhar um pouco mais. Eu queria comprar um objeto de artesanato que era uma gravura da Última Ceia em cerâmica, com traços mais contemporâneos, bem bonita mesmo, mas estava super caro (mais que o anel!). Então durante a caminhada acabei encontrando uma dessas gravuras bem pequena e, obviamente, mais barata. Mesmo assim saiu cara pelo tamanho (COP 12.000), mas valeu a pena. Era algo que eu tinha gostado desde o primeiro dia que chegamos e eu ia me sentir frustrado se não tivesse comprado pelo menos aquela pequenina. E esse foi o último “presentinho” comprado na viagem. Voltamos para o hostel onde o Wesley já estava descansando e resolvemos fazer o mesmo. Como nosso vôo seria somente às 4:00h da madrugada eu já tinha conversado com o Eduardo na noite anterior para que ele deixasse a gente ficar no quarto sem ter que pagar uma diária a mais, pois a gente ia sair 1:30h da manhã. Ele disse que não via problemas, e que era para eu avisar a menina que estaria na recepção. Pois bem, eu fui falar com ela e não teve acordo. Ela cobrou e ainda por cima foi diária cheia (COP 50.000) pra gente ficar poucas horas a mais. Ficamos meio chateados, mas fazer o que? A gente não queria ficar na rua até a hora do embarque e precisávamos descansar um pouco, pq o retorno ia ser punk. Então passamos o restante da tarde dormindo, já que passaríamos 24h sem dormir. Mais tarde, acordamos e já devia ser umas 20:00h. tomamos um banho e saímos pra jantar. Dessa vez resolvemos ir até um dos restaurantes próximos do hostel (que nos outros dias já estavam fechados). Escolhemos um que tinha só uma pequena portinha e entramos. Era um lugar muito aconchegante com um nome muito diferente “El Son de los Grillos” e não tinha nenhum cliente ainda. Logo depois entrou um casal. Fizemos nossos pedidos e a proprietária, antes de servir os pratos colocou uma “chimenea” que é um tipo de lareira de mesa, ou seja um objeto com fogo que se coloca na mesa para aquecer, mas preferimos que ela colocasse na mesa ao lado, pq não estava tão frio assim! O jantar de despedida estava ótimo apesar do preço salgado (COP 88.600 para os 2). (Nosso último jantar na Colômbia) Voltamos para o hostel e terminamos de arrumar as mochilas. Agora era só aguardar a hora de partir. Dali em diante não dormimos mais.
  21. 11/10 – Bogotá – Zipaquirá – Bogotá. Pra debaixo da terra! Mais uma vez acordamos cedo e conseguimos tomar café no próprio hostel. Em seguida já fomos a pé mesmo até uma das estações de ônibus que o Eduardo explicou. Pegamos um ônibus em direção ao terminal norte, que fica praticamente no limite da cidade de Bogotá. Esse trajeto levou quase uma hora pra ser percorrido. Assim que desembarcamos já vimos os ônibus que iam pra Zipaquirá. Embarcamos e pagamos as passagens (COP 4.100) depois que saímos. Em menos de uma hora chegamos até a pequena, mas muito acolhedora cidade de Zipaquirá. Decidimos ficar por ali um pouco, pq já era quase hora do almoço e seria melhor almoçar antes de ir para a mina de sal. Encontramos um restaurante muito simples, especializado em frango, com preços muito bons. Então resolvemos comer ali mesmo. Eu e a Tina pedimos meio frango com batatas e refrigerantes (COP 8.500 para os dois) e veio muita comida! O detalhe mais interessante é que a gente não recebeu talheres pra comer. Recebemos luvas de plástico transparente!! Taí uma boa idéia, assim é menos louça pra lavar... kkkkk. Estava muito bom e acredito que foi o almoço mais barato dentro da Colômbia. Depois do almoço aproveitamos que ao lado tinha cabines telefônicas e fizemos ligações para o Brasil. Aí já partimos para o passeio da mina. (Uma das 14 estações dentro da mina) Fomos caminhando a pé até lá. Compramos os ingressos (COP 20.000 cada) somente para a Catedral de Sal pra mim e para a Tina e com passeio até a mina para o Wesley e a Janete. Vimos que há mais opções de ingressos, com mais complementos, dependendo muito do interesse de cada um. Quando chegamos até a entrada vimos que a gente tinha que esperar até formar um grupo e um dos guias chamar esse novo grupo. Ficamos aguardando no máximo uns 10 minutos e logo um guia jovem veio chamar o grupo. Na noite anterior o Eduardo disse para a gente não se prender aos grupos guiados, que seria melhor a gente ver o interior por conta própria, no nosso ritmo. Ele estava super certo, pq o guia do nosso grupo era um mala gigantesco! Além de ficar enrolando demais nas explicações, ele não admitia que ninguém saísse mais que 2 passos de distancia e nem tirasse fotos enquanto ele falava. Nesse início há uma via sacra, esculpida nas galerias da mina e o grupo vai visitando cada uma das estações. Na segunda estação a gente já estava de saco cheio do guia e resolvemos seguir o conselho do Eduardo e seguir em frente por nossa conta. Aí sim! Fomos no nosso ritmo e tiramos nossas fotos à vontade. Não há mistério na Catedral de Sal, nem mesmo grandes curiosidades a ponto da gente precisar do guia. Sobre a Catedral é uma construção bem interessante e por ser um passeio fácil de fazer eu recomendo. (A Catedral de Sal) Depois de tirar várias fotos da catedral andamos até umas galerias onde funcionam cafés e lojas de souvenirs. Percebi em uma galeria lateral que havia uma iluminação diferente no teto. Então vimos que haveria uma apresentação dentro de instantes e as pessoas estavam se sentando em cadeiras nas laterais da galeria. Em poucos minutos começou um show de luzes e sons muito bonito. Na verdade as luzes do teto era um gigantesco painel de leds que formavam lindas imagens da natureza colombiana, entre outras. A apresentação dura pouco mais de 5 minutos e acontece a cada meia hora. Pra quem já está lá, vale a pena. Logo depois a Tina quis comprar um CD de músicas cristãs, que estava tocando no som ambiente da galeria. Ficamos um pouquinho mais e depois resolvemos sair. Quando estávamos indo embora avistamos a Janete e o Wesley que já estavam iniciando o passeio secundário na rota da mina, onde teriam explicações sobre o trabalho dos mineiros, que ainda hoje acontece, em galerias mais afastadas da Catedral de Sal. Avisamos que a gente ia aguardar eles na pequena praça de alimentação do lado externo. Enquanto a gente esperava os dois saírem do outro passeio aproveitamos pra comer uma mini-pizza (COP 12.500) e ficamos olhando os artesanatos. Mais ou menos uma hora depois eles saíram da mina. Retornamos para o centro da cidade e fomos direto até a rodoviária. Da mesma forma que aconteceu na vinda, o ônibus para Bogotá já estava de saída e entramos. Pagamos a passagem com o ônibus em movimento. A volta foi tranquila novamente. Chegando ao terminal norte pegamos o transmilênio em direção ao centro. No caminho perguntamos para outros passageiros em que estação a gente tinha que descer pra ficar o mais próximo possível da Zona Rosa. As informações foram desencontradas e ficamos sem saber direito o que fazer. Então decidimos descer em uma estação que foi mais indicada. Assim que descemos fomos atrás de um taxi pra levar a gente até a Zona Rosa. O Wesley parou um taxista e perguntou quanto ele cobrava pra levar a gente até lá. O taxista deu uma risada e disse: “mas vocês já estão não Zona Rosa”! Ficamos felizes e então começamos a caminhar meio sem rumo. Nossa intenção era conhecer o bairro e quando fosse um pouco mais tarde ir jantar no Andre’s Carne de Res, o famoso restaurante colombiano. Nesse dia e, mais exatamente, naquela hora, estava acontecendo o último jogo pelas eliminatórias da copa e estavam jogando Colômbia e Chile. Pelas ruas parecia que a população toda de Bogotá estava de camisa da seleção. Paramos pra ver as imagens do jogo na frente de um dos vários restaurantes lotados de torcedores. O jogo ainda estava 0x0. Continuamos caminhando quando ficamos sabendo que o Chile tinha marcado um gol. Dali alguns minutos, mais um gol para o Chile. O povo começou a ficar com o semblante desanimado. Mais um tempo e mais um gol! Três a zero, parecia que a derrota já era certa! Enquanto isso a gente chegou ao shopping Atlantis Plaza e o Wesley e a Janete quiseram ir ao Hard Rock Café que ficava bem na entrada. Nós resolvemos ir até uma loja de brinquedos ver alguns para as crianças. Enquanto a gente via os brinquedos a Colômbia marcou 2 gols. Estava muito legal ver a animação, muito parecida com a nossa. Tinha uma galera, umas 30 pessoas sentadas em um hall, bem em frente a uma TV bem grande e a cada lance o pessoal fazia o maior auê. De repente, o terceiro gol, bem no final do jogo! Que legal! Saí cumprimentando os colombianos e já desejando as boas vindas ao Brasil para a Copa! Essa foi a quarta vez que acompanho um importante jogo de um país, estando nesse país (os outros foram Paraguai, Peru e Uruguai). O nosso destino final era o restaurante André´s Carne de Res que ficava em outro shopping, bem perto dali. Então quando já estava na hora de jantar fomos até lá. Realmente, ir a Bogotá e não comer nesse lugar é deixar uma experiência fantástica de lado. (Decoração do André's Carne de Res) Fomos até o segundo piso do restaurante, que já estava lotado! A garçonete (Indira) encaminhou a gente para uma mesa que achamos bem ruim, pq era escondida e embaixo de uma escada. Logo conseguimos mudar para uma mesa melhor e aí foi só alegria. Como o próprio restaurante avisa é “Bueno, Bonito e Carito”! A comida é muito boa, assim como as bebidas, mas os preços são bem mais caros que a média de preços da cidade. Pedimos pratos mais simples, mas muito bons (74.000). De repente aparece uma bandinha tocando pra nós. Colocaram coroas e faixas de visitantes ilustres (tá, fazem isso com todos kkkk). Foi bem divertido! Espero que um dia a gente possa voltar! Pegamos um taxi de volta ao hostel (COP 8.000 total) e quando chegamos já pagamos a outra diária (COP 50.000). Fomos dormir, afinal o dia foi bem cansativo.
×
×
  • Criar Novo...