Ir para conteúdo

gibajunqueira

Colaboradores
  • Total de itens

    15
  • Registro em

  • Última visita

Sobre gibajunqueira

  • Data de Nascimento 26-11-1978

Bio

  • Ocupação
    Comerciante

Conquistas de gibajunqueira

Novo Membro

Novo Membro (1/14)

0

Reputação

  1. Marcos: Se vc tiver o carimbo de israel no seu passaporte esqueça..não entrará nem no líbano nem na sirya. Tendo o da sirya acredito que vc não entra em israel. Tendo o da jordânia e/ou egito vc entra sem maiores problemas.
  2. Oi Pedro, blz? então, eu vou comprar por lá essas coisas mesmo que vc citou e provavelmente algumas delas de qualidade inferior. agora outras que poderei usar em outras trips vou investir mesmo em coisas boas. as meias boas aqui estão de R$60,00 à R$ 75,00 o par...regula mais ou menos com as de lá... andei pesquisando alguns down jackets da North face e vou encarar , acho que o investimento vale a pena né... abraços
  3. Luiz, Namaste aonde vc tirou essa última foto aí (das montanhas) ? que é isso cara..que luz !! parabéns mesmo, ficou irada demais Quanto aos equipamentos penso em levar somente a bota, a mochila, um fleece 400 e algumas peças de segunda pele que eu já tinha. Agora as meias, down jacket, um anorak, bastões e outras coisas vou comprar em KTM mesmo. Vou separar uns U$ 1000 para as compras pq quero comprar produtos de qualidade alta, daqueles que durarão muitas viajens e não coisas descartáveis... Você pode me passar por favor uma noção de preço das coisas (sejam elas das falsas ou de boa qualidade) só para eu poder me programar. obrigado
  4. Anna: Essa questão do visto para os países do Oriente é sempre um pouco confusa. O visto da Sirya eu tirei no consulado deles aqui em SP(Av Paulista, 326 -cj 61 tel. 3285-5578/ 3288-0060 das 09:00 às 14:30 hs), O visto aqui custa U$ 45,00 e sai em uma semana. Se você for para a Jordânia tb aproveite que os dois consulado ficam no mesmo prédio na Paulista. Quando eu fui era sim possível tirar lá no aeroporto, mas como vc perceberá o aeroporto de lá é uma visita ao tunel do tempo dos anos 60. Me lembrou o do filme de terror Langoliers. É velho, caindo aos pedaços, com poucas placas de informação, uma bagunça...o "banco" que recebe a taxa de visto e troca dinheiro por siryan pounds parece uma barraca de festa junina da minha escola aqui em SP. Fora a fila....tome cuidado com suas bagagens porque qualquer um entra na area de desembarque onde chegam as malas, mesmo que vem de fora do aeroporto. Se eu fosse voce pagava um pouco mais aqui e já ia resolvida. O do Libano por exemplo me foi negado aqui em SP e consegui tirar na fronteira dos países, numa espécie de base militar de fronteira...tipo um posto de controle mesmo... Qualquer dúvida estou a sua disposição.
  5. Oi Pedro, eu tb cotei com essa Unique path e outras mais caras tb....mas no fim valeu mesmo sua indicação. mais próximo da viagem vou falar para ele sobre meu interesse específico de conhecer monastérios e quem sabe ele não programa mais visitas né? quanto ao hotel eu gostei mesmo, está ótimo para os padrões do Nepal. vou comprar as coisas por aqui com calma lembrando daquelas dicas que voce me passou por e-mail...e vou deixar para comprar por lá algumas coisas de qualidade que durarão muito anos, como um down jacket na N.Face, um anorak deles tb e umas meias boas...o resto levarei daqui. assim já consigo avisar o Jyoti com antecedência sobre o saco de dormir e alguma outra coisa que eu possa vir a precisar. se tiver mais infos peço a gentileza de postar ! valeu abraços, giba
  6. Fala Pedro ! blz? Então, hj eu mandei o e-mail para ele confirmando que farei com a Ecotrek. Achei bom que ele foi um dos poucos, se não o único, que não pediu um depósito adiantado para confirmar a reserva do roteiro Fui mais pela indicação que vc deu a respeito do cara e dos serviços prestados, além do que senti confiança nele nas trocas de e-mail e inúmeras dúvidas...ele foi bem atencioso mesmo. Só o preço dele que achei meio caro . Ele pediu U$ 1390 para as 20 noites, sendo 16 de trekking e 4 em KTM no hotel Holy Himalaya. Tu acha que tá fora ou o preço é esse mesmo ? Além desse em Tengboche há outros por lá que posso visitar ? abraços, giba
  7. eu não conheci Hama, mas parece ser uma cidade com poucas atrações...o que vale muito mesmo é o Crac outra coisa que eu lembrei: em Damasco, se puder gastar um pouquinho mais numa refeição especial, vá até as montanhas Qasion...há alguns restaurantes lá...não são tão caros mas tb não é barato...a vista panorâmica de toda damasco é incrível !
  8. Oi Pedro, bom dia. Seguindo sua indicação, estou praticamente fechado com a Ecotrek do Jyoti. Pelo percurso que ele me passou por e-mail, o itinerário prevê passagem por alguns vilarejos que possuem monastérios. Há tempo habil, é possivel visitá-los ? Ou apenas passa-se por eles sem poder conhecer? Sobre a possibilidade de fazer a viagem através de uma agência brasileira, o custo aumenta em quase ou até mais(dependendo da escolhida) de U$ 2000,00 ...cotei com a Venturas, com a Highland(a mais cara) e outras menos conhecidas e a " comissão" que ele põe em cima é altíssima. obrigado e abraços
  9. Eu tentei tirar o visto aqui no consulado em SP e foi negado sem motivo nenhum. Quase desisti de ir quando a própria funcionária do consulado (Dona Lina) me disse para ir sem susto. Fui. Seguindo o conselho de várias pessoas, peguei um táxi em Damasco com permissão para rodar no Líbano e pedi que me levasse para lá. Na fronteira foi a melhor escolha, pois o taxista cuido de todo o desembaraço e nem a minha mala eles abriram, apenas espiaram o porta mala do carro a 10 metros de distância. Fui até o guiche só para o militar libanês ver minha cara e conferir se batia com a pessoa do passaporte. Detalhe: era o dia da independência do Líbano e achei que tudo seria mais difícil pelo feriado nacional mas não foi. O visto de entrada tem que ser pago em moeda libanesa que pode-se troca no câmbio negro e ruim na própria fronteira. Não lembro quanto paguei mas este valor de LP25.000 que disseram me pareceu familiar. No aeroporto pode-se conseguir tb. Como disseram, quem tem o selo de Israel não entra e se o passaporte for muito novo será motivo de desconfiança (acharão que foi trocado porque no velho havia o selo).
  10. Como vc vai em abril estará frio ainda e não vale a pena ir a Latakia. Em uma semana concentre em Damasco, Allepo e Palmira. Se vier do Brasil vá pela Air France pois tem os melhores preços geralmente. Você precisará de 3 a 4 noites em Damasco para conhecer bem mesmo todas as principais atrações sem correria. Os pontos que o MauroBr citou são fundamentais pra você poder dizer que conheceu a cidade. Não economize tempo no souk principal( al hamidyya), dentro da Medina, já que terá que passar por ele para alcançar a mesquitas dos Ommeyas/Tumba de Saladino. Não muito longe deste centro histórico há bairros comerciais (próximos ao Hotel Cham)com ruas fechadas aos carros com lojas de roupas baratas, docerias com aquelas delícias árabes, lojas de perfumes, eletrônicos, casas de sucos, restaurantes, etc... Na maioria dos restaurantes mais acessíveis os garçons não falam inglês e o cardápio tem os preços em árabe (é facil de aprender) e a conta vem em árabe também. Nos restaurantes dos hotéis e nos mais caros na rua pode-se ler, pedir e checar a conta em inglês. Taxistas tb tem dificuldades em se comunicar com ocidentais. Quanto aos hotéis eu fiquei em dois em Damasco: primeiro no Damascus International (bem localizado, barulhento, velho, simples, com comida boa e de pouca variedade no café e jantar, não muito caro) e depois no Fardos Tower (bem localizado também, bem mais novo, bem mais confortável, de comida infinitamente melhor e mais caro, lógico !). Por U$ 30,00 você encontrará lugares bem simples mesmo. Te aconselho a investir um pouco mais na sua noite de sono. De Damasco vá para Palmira, não é longe. Tente chegar cedo e passe o dia todo por lá, vendo tudo com calma, inclusive as tumbas decoradas que ficam um pouco afastadas do sítio principal e o castelo também. A cidade moderna de Palmira é bem pequena e fácil de andar. Basicamente uma rua principal onde estão as lojas, cafés, alguns hotéis e lan houses. Há umas quatro ou cinco paralelas de cada lado sem nada pra ver/fazer e umas várias perpendiculares que vão se afastando da "entrada" da cidade e vão ficando mais residenciais. Em Palmira você pode conseguir hotéis por este preço e serão simples também. Eu fiquei no Villa Palmyra se não me engano. É bom até, simples mas com uma belíssima vista das ruínas no café e no jantar ( o sítio fica iluminado, é lindo). De lá siga para Allepo. Segunda maior cidade, merece mais noites. Umas três na minha opinião. Tem mesquitas(uma versão dos ommeyas tb), a cidadela(imperdível), os mercados labirínticos (perca-se uma tarde por lá). Eu fiquei no Mirage Palace (muito bom, bem localizado, excelente comida, bons quartos, e um pouco caro se me lembro bem, mas valeu cada centavo !). Há uma visita na Syria imperdível: o Crac des Chevallier (castelos dos cavaleiros cruzados). Informe-se sobre ele, que fica próximo a Homs e no seu caminho de volta para Damasco. Outra: as ruinas romanas de Apamea (tb no caminho). Com tempo eu recomendaria tb os mosteiros de Santa Tekla e São Sérgio
  11. Em resposta ao tópico original que pergntava se é melhor ir por conta própria ou pacote não tenho a menor dúvida que por conta própria. Existem poucos países em que a diferença de viajar por conta própria é tão grande em relação aos pacotes de mercado que Perú e Bolívia. Fiz esta viagem em quase um mês, durante o ano 2000 e gastei U$ 1100,00 com direito a compras, baladas, várias idas a bares e bons restaurantes além de alguns hotéis com mais conforto em Lima e Arequipa. Fuja dos pacotes!
  12. Andrea: As dicas que o Maurobr e o Mike deram aí acima estão perfeitas...o que o Mauro resumiu como pontos importantes, se você conseguir visitá-los, terá visto praticamente tudo de mais importante no país. Se tiver pouco tempo concentre-se em Damasco, Allepo e Palmira. Em uma semana, com um pouco de pressa, pode-se fazer isso. O ideal para cobrir todos os pontos citado pelo Mauro, com calma, são duas semanas. O país é super-seguro, inclusive para mulheres, que não serão incomodadas desde que respeitem as boas maneiras islâmicas de vestimentas. Nada de decote, mini-saia, shortinhos curtos, ombros e colo de fora. Vista-se com bom senso e provavelmente o máximo que atrairá serão olhares curiosos. Nunca soube de alguém que tenha sido assaltado por lá. As distâncias não são tão pequenas como parecem, nada comparado ao no país, claro. O transporte público é bem caótico nas cidades e como os taxis são muito baratos, recomendo usá-los bastante para as distâncias em que a pé seria cansativo. Observe que o trânsito é completamente caótico e sem regras. Quanto você pretende gastar com hospedagem?
  13. só não entendi uma coisa: eu tenho que indicar aqui neste espaço quais os grupos em que posso contribuir com informações ? ou depois eu vou navegando e escolhendo os grupos? tenho bons conhecimentos em Marrocos (sobretudo Marrakech e deserto) Amsterdam Líbano (Beirut) Buenos Aires Peru (de Lima ao Sul) Bolívia (La Paz e lago Titicaca) Egito (do Cairo para o Sul) Sirya (quase todo o país)
  14. sim, eu aceito, com muito prazer em poder compartilhar um pouco do que já vi e fiz pelo mundo
  15. Gostaria de registrar aquii publicamente meus agradecimentos a dois colaboradores do site: Hendrik e Pedro Coelho ! obrigado aos dois pelas dicas, orientações, conselhos , etc...e quero dizer tb que foi em parte pelos relatos do Hendrik que me motivei a fazer essa viagem ..coisa que eu já pensava há alguns anos e que agora vai sair do papel !! em Outubro estarei por lá abraços pra galera do site
×
×
  • Criar Novo...