Ir para conteúdo

vcoelho

Membros
  • Total de itens

    131
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que vcoelho postou

  1. Paula, Estou precisando de indicações de hospedagens próximas ao aeroporto, você tem algumas para me indicar? Pelo que vi no mapa, os locais que você mencionou estão um tanto longe. Valeu!!! Vítor
  2. Fala galera mochileira, tudo bom?! Êh Bahia abençoada por Deus... só de ler as dicas daqui dos Mochileiros já dá ansiedade para viajar logo! Minha esposa e eu estamos precisando de indicações de hospedagens (pousadas, hostels ou hotéis padrão mochileiro) próximas do aeroporto. Nosso voo de volta a BH sai às 08h30 e já gostaríamos de dormir a última noite perto do aeroporto para não precisar acordar tão cedo. Alguém me ajuda? Valeu!!!
  3. Só troquem nota grande em estabelecimentos: farmácia, supermercado, etc. Nunca passe nota de 50 e 100 na rua ou táxi porque corre o risco de a nota ser trocada, ou então de darem o troco em nota falsa. Sempre deixem uns trocados para o táxi. Outra dica importante é memorizar os três últimos números das notas que você entrega, para poder confrontar o taxista e dizer que você não entregou aquela nota que ele diz ser falsa. Os três últimos números das cédulas já vem destacados (maiores e em negrito) justamente para facilitar a identificação. Esse golpe também acontece em restaurantes. Abraço, Vítor
  4. Poxa, também quero saber onde você conseguiu na Calle Flórida, tem o número, nome do lugar??? A cotação de USD 1 = 4,50 é a oficial. Olhei no banco la nacion hoje e tá perto de 4,60. Vlw Na Florida eu cambiei em dois lugares diferentes: em uma loja, dentro de uma galeria, que vendia cédulas e moedas antigas e em uma banca de revistas em uma esquina. Infelizmente não vou saber explicar direito onde fica nenhuma das duas. Mas é muito fácil fazer câmbio por lá: tem uns caras que ficam gritando "câmbio" sem nenhuma discrição. É só abordar um deles e perguntar qual é a cotação e onde ele faz o câmbio. Evidentemente, quanto mais mal encarado for o sujeito, mais ele vai pagar pelo seu dinheiro. As dicas que dou é solicitar notas de 50 pesos, que são comumente menos falsificadas que as de 100, e principalmente cambiar com alguém a serviço de um estabelecimento comercial, pois você sabe que se der algum problema ele estará no mesmo lugar no dia seguinte. Evite os caras mal encarados que tiram o dinheiro do bolso para te pagar. Cambiei mais de R$ 2.300,00 e quase US$ 700,00 na Argentina e não tive problema algum. Abraços, Vítor
  5. Pessoal, Voltei da Argentina agora no início de agosto/2012. Lá, como acontece em todos os países onde há valorização artificial da moeda local, existe o mercado paralelo. Os argentinos o chamam de "câmbio negro", assim como nós. Em Buenos Aires cambiei no paralelo BRL 1,00 = ARS 2,20 no Caminito e BRL 1,00 = ARS 2,60 na Calle Florida. Também cambiei USD 1,00 = ARS 6,00 na Calle Florida, que como podem ver é o melhor local para esse tipo de transação. Para efeito de comparação, a cotação oficial estava BRL 1,00 = ARS 1,90 e USD 1,00 = ARS 4,50. É muito fácil fazer o câmbio paralelo: basta procurar pelos caras que ficam dizendo "câmbio" abertamente pela rua. É arriscado? Evidentemente, há um risco envolvido. Algumas dicas para quem se dispuser à aventura: somente faça negócios com algum ponto comercial (loja, hostel, banca de revistas etc) e dê preferência para as notas de 50 pesos, que sofrem menos falsificações que as de 100 pesos. Quanto maior o volume de dinheiro você cambiar, maior será a cotação utilizada (mediante negociação, claro). Quanto mais mal encarado for o sujeito que estiver te vendendo pesos, também. Aí, cada um que faça a sua avaliação. Cambiei mais de BRL 2.000,00 e USD 700,00 e não tive problema nenhum. Minha conclusão: se voltasse à Argentina nos próximos meses, eu compraria dólares em espécie no Brasil para cambiar no paralelo na Florida. Abraços, Vítor PS1: Se for inevitável pegar notas de 100, sempre quando for utilizá-las guarde os três últimos dígitos do número de série que ficam em destaque na cédula. Um golpe comum que se aplica na Argentina é a pessoa trocar sua cédula original por uma falsificada, dizendo que você pagou a conta com a nota falsificada. PS1: Em Bariloche consegui cambiar BRL 1,00 = ARS 2,30 na Calle Mitre.
  6. Pessoal, Gostaria da opinião de vocês. Tenho apenas 3 dias completos em Bariloche e estou em dúvida quanto ao preenchimento desses dias. Pensei no seguinte: Dia 1: Cerro Catedral e Circuito Chico Dia 2: Piedras Blancas e Cerro Otto Dia 3 (aqui é que está complicado): Puerto Blest e Rocca Negra ou Cerro Tronador e Vetisqueiro ou Isla Victoria e Bosque de Arrayane? Esquiar não é o objetivo principal.O que vocês sugerem? Obrigado e um abraço para todos, Vítor
  7. Pessoal, Alguém saberia me dizer qual é a duração dos passeios Lago Huechulafquen e Hua Hum com Cascada de Chachin? Dá para fazer os dois em apenas um dia? Em caso negativo e tendo que optar por apenas um deles, qual vocês recomendariam (agora em julho)? Valeu, moçada!!! Abraços, Vítor
  8. Galera, Uma dica para quem vai fazer a travessia Uruguai - Argentina (ou vice-versa) de barco: compre as passagens em pesos uruguaios, através dos sites uruguaios das empresas. Os preços em UYU convertidos para BRL são bem melhores que os ARS convertidos para BRL. Abraços, Vítor
  9. Pessoal, Li aqui no Mochileiros que parte do IVA pago no Uruguai é automaticamente reembolsado na fatura do cartão de crédito quando se usa essa modalidade de pagamento. Mas alguém saberia me dizer como (e onde) fazemos para pegar o reembolso do IVA quando a compra é feita em dinheiro ou no cartão de débito? Valeu!!! Abraços, Vítor
  10. Pessoal, Há no Aeroparque aquele lugar onde se resgasta parte do IVA pago na Argentina? Em caso positivo, como se faz para pegar o $$$ de volta? No Uruguai, quando se compra com cartão de crédito a devolução do IVA é automaticamente creditada na sua fatura. Existe algo semelhante na Argentina? Valeu!!! Abraços, Vítor
  11. Pessoal, Lendo o tópico de dicas de moedas no Uruguai, fiquei sabendo que quando se compra com cartão de crédito há a devolução automática de parte do IVA cobrado no país diretamente na fatura do cartão. Alguém sabe se existe essa mesma política na Argentina? Abraços, Vítor
  12. Pessoal, Já li em diversos relatos que Colônia é uma cidade bem pequena. Lá tem casa de câmbio? E aqueles caixas eletrônicos que permitem o saque em pesos diretamente da sua conta corrente brasileira, tem lá? Outra coisa: para quem vai sair do Uruguai por Colônia e prosseguir com a viagem pela Argentina, onde é o melhor lugar para se cambiar os pesos uruguaios em argentinos para as despesas mais imediatas (táxi, por exemplo)? Seria em Colônia ou no porto de Buenos Aires? Valeu!!! Abraços, Vítor
  13. Excelente dica, Abvasconcelos! Alguém saberia dizer com mais precisão quais os tipos de estabelecimento em que há essa devolução automática de IVA? Seriam, por exemplo, restaurantes, hotéis/hostels, free shops, lojas de departamentos, supermercados etc? Outra coisa: muitos já disseram que a cotação da casa de câmbio de Carrasco é ruim. No aeroporto há desses caixas automáticos que permitem o saque em pesos direto da sua conta corrente brasileira? Abraços, Vítor
  14. Pessoal, Várias pessoas citaram que há caixas eletrônicos do Itaú e do HSBC em Buenos Aires. Mas e quanto ao Bradesco e ao Banco do Brasil, alguém se lembra de ter visto caixas eletrônicos desses bancos por lá? E com relação a Bariloche e a San Martín, você também tiveram facilidade em sacar pesos diretamente de suas contas bancárias nos caixas eletrônicos locais? Existem caixas do Bradesco e/ou do Banco do Brasil nessas cidades? Valeu!!! Abraços, Vítor
  15. Supermercados são uma boa dica, obrigado! O free shop do Aeroparque também também seria uma boa opção? Alguém já comprou vinhos lá? Abraços, Vítor
  16. Pessoal, Alguém indica uma boa (e acessível) casa de vinhos para se comprar uns malbecs em Buenos Aires? Valeu!!! Abraços, Vítor
  17. vcoelho

    Belo Horizonte

    Marcos, Chegue à Praça da Liberdade antes das 12h00 para você pegar a visita guiada (gratuita) dentro do Palácio da Liberdade. Vale à pena! Abraços, Vítor
  18. vcoelho

    Belo Horizonte

    Ivinaq, Nos sites abaixo você encontra boas informações: http://www.descubraminas.com.br/Home/Default.aspx http://www.turismo.mg.gov.br/ Dê uma pesquisada, qualquer dúvida pode perguntar! Abraço, Vítor
  19. Bruna, Conversando com uma pessoa que vive nas vizinhanças da Chapada me pareceu que o problema não é ocasionado por microorganismos, mas por causa dos minerais presentes na água. Sei lá se é isto mesmo: nem quis arriscar! Abraço, Vítor
  20. Isaacmm, Fui à Chapada com meu carro (um Ford Ka) em janeiro/2010 e o único passeio guiado que fiz foi à Cachoeira do Buracão, em Ibicoara (parêntesis: a cachoeira mais bonita que já vi). Nesta realmente não dá para chegar sem guia, mais por causa da estrada do que por causa da trilha. Também não me aventurei pelo Paty ou pela Fumaça por baixo, pois prefiro fazer trilhas bate-e-volta, de um dia só. Mas todos os outros são tranquilos. O único que talvez não seja recomendável para iniciantes é o Caim, mas se você já tem um mínimo de experiência em andar no mato pode ir sem medo. Dica daqui do Mochileiros, muito útil: lembre-se de levar água mineral nas caminhadas, pois a água da Chapada costuma provocar dor de barriga. Abraços, Vítor
  21. Pessoal, Alguém tem mais informações sobre este ônibus que faz a Ruta de los 7 Lagos, saindo de Bariloche e chegando a San Martín? Pedrada, Obrigado pela resposta. Sua sugestão realmente seria a ideal, pois vou ficar umas 3 noites em San Martín. O problema para se alugar um carro em Bariloche é que meu voo sai de San Martín, então não voltarei a Bariloche para devolvê-lo. Aliás, gostaria até de uma sugestão: quantos dias você recomendaria passar em San Martín? Tenho 6 dias para dividir entre Bariloche e San Martín, sendo que 1 dia já será dedicado à Ruta de los 7 Lagos. Obrigado e abraços, Vítor
  22. Pessoal, Alguém sabe se há outra maneira de se fazer a Ruta de los 7 Lagos sem ser alugando um carro ou contratando o passeio em uma agência? Agora em julho vou passar uns dias em Bariloche e outros em San Martín de los Andes, de onde pegarei um voo para BsAs. Alugar carro em Bariloche não vai rolar, pois não retornarei à cidade, e agência de turismo não costuma ser uma boa opção financeiramente falando. Será que existe alguma linha de ônibus comercial que vai de Bariloche a San Martín passando pela Ruta de los 7 Lagos? Valeu!!! Abraços, Vítor
  23. vcoelho

    Belo Horizonte

    Renata, A Pampulha pode ser visitada no dia em que você chegar a BH, se o dia ainda estiver claro. Ela fica entre Confins e o seu hotel, desde que você opte passar pela Av. Pedro I. Após passar pela Cidade Administrativa na rodovia que liga Confins a BH, siga sempre nas faixas da direita da pista principal e você cairá na Av. Pedro I automaticamente . Você deve gastar aproximadamente 1 hora no trajeto Confins - Pampulha, devido às obras que estão acontecendo na Pampulha. Chegando lá você tira as fotos clássicas de BH, na Igrejinha, e ainda aproveita para visitar a Casa do Baile (perto da Igrejinha) e o Museu de Arte (um pouco mais distante da Igrejinha). Se ainda tiver pique, termine o dia em algum dos barzinhos da orla da lagoa. Os melhores são o Juscelino (perto da Igrejinha) e o Cocana (perto da Toca da Raposa, a sede do melhor time de futebol do Brasil). Sugiro que você deixe o Domingo para conhecer a Praça da Liberdade pela manhã e o Mangabeiras à tarde. Na Praça da Liberdade visite pelo menos o Palácio da Liberdade (aberto até as 12h30, somente aos Domingos) e o Memorial de Minas. Já no Mangabeiras, visite a Praça do Papa, a Rua do Amendoim (desligue o carro, solte o freio de mão e veja-o subir a rua sozinho) e o Mirante. Se der tempo, conheça também o Parque das Mangabeiras. Outra dica é trazer de casa ou alugar um GPS para o carro. Infelizmente BH não é uma referência em sinalização de trânsito, vários turistas se queixam da escassez de placas indicadoras de caminhos quando chegam aqui. Abraços, Vítor
  24. vcoelho

    Santiago

    Pessoal, Vejam a reportagem da Exame com sugestões para quem tem apenas 2 dias para passear em Santiago: http://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/viagens/noticias/48-horas-em-santiago-do-chile OBS: Apesar de estar nos meus planos, ainda não conheço Santiago. Desta maneira, nem adianta me fazerem perguntas porque não saberia respondê-las. Abraços, Vítor
  25. vcoelho

    Belo Horizonte

    Renata, Aconselharia a você seguir o seguinte roteiro: 1. Sábado: Dependendo da hora que você chegar aproveite para visitar o Mercado Central e o Parque Municipal, nesta ordem de prioridades. Ambos ficam abertos até as 18h00, se localizam no centro da cidade e o Mercado está a apenas 4 quarteirões do hotel. Passear pelo Mercado Municipal é fazer um mini tour gastronômico por Minas Gerais. Lá você vai encontrar produtos típicos de todo o estado. Já com relação ao Parque Municipal, estacionar nas suas imediações pode ser um pouco complicado. Outra dica legal é fazer uma parada na Cidade Administrativa, atual sede do Governo de Minas, que fica na rodovia que liga Confins a Belo Horizonte. Vale a pena tirar umas fotos do projeto mais recente do Niemeyer. 2. Domingo: Feira Hippie e Praça da Liberdade. A Feira Hippie é a feira de artesanato da Av. Afonso Pena que você quer conhecer. Chegue bem cedo, pois à medida que a manhã avança ela vira um formigueiro. Já quanto a Praça da Liberdade, tente chegar antes das 12h00 para você poder visitar o Palácio da Liberdade (antiga sede do Governo de Minas). Vale a pena! Após a visita ao Palácio, aproveite para tirar umas fotos na própria Praça e visitar os museus que ficam ao seu redor. Recomendo especialmente o Memorial de Minas, que fica na esquina da Praça com a Rua Gonçalves Dias. Na Feira Hippie você vai ter dificuldade de estacionar o carro, mas na Praça da Liberdade é tranquilo. 3. Segunda: Pampulha e Região do Mangabeiras. Passe a manhã na Pampulha e logo após o almoço siga para a Região do Mangabeiras. São dois extremos da cidade e a região da Pampulha ainda está em obras, então saia cedo para poder perder umas 3 horas no trânsito ao todo. Na Pampulha vá à Igrejinha, à Casa do Baile e ao Museu de Arte, todos projetos do Niemeyer. No Mangabeiras, visite a Praça do Papa, a Rua do Amendoim (desligue o carro e solte o freio-de-mão para vê-lo subir a rua sozinho) o Mirante e, se ainda der tempo, o Parque do Mangabeiras. Veja o pôr do Sol na Praça do Papa ou no Mirante. Estacionamento tranquilo em todos os lugares. 4. Terça: Inhotim. Não sei se você terá o dia todo para passear, já que o Inhotim é um passeio que dura o dia inteiro, mas vale muito a pena conhecê-lo! Uma dica boa que alguém postou aqui é alugar o carro ainda em no Aeroporto de Confins, pois um táxi de lá até o seu hotel deve ficar em uns R$ 90,00. Abraço, Vítor
×
×
  • Criar Novo...