Ir para conteúdo

fematarucco

Membros
  • Total de itens

    164
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

0 Neutra
  1. Minha memória não é lá das melhores, mas se não me engano foi coisa de 25/35 euros cada passagem. hahaha Segunda metade de Setembro teoricamente é exatamente no fim da Alta Temporada (Junho à Setembro, com pico entre segunda metade de julho e primeira de Agosto) e a partir dali começam as esvaziar mais os lugares. Sugiro tu buscar alguem que foi nessa época, porque eu, mão de vaca que sou, sempre vou na baixa temporada hahaha.
  2. Olá Fabrício, Obrigado pelo comentário, espero que meu relato tenha te ajudado de alguma forma hehe. Ah sim, agora que é tudo parte da União Européia, não existe mais essa coisa de para na fronteira, entrega documento e etc etc, tudo tranquilo, pode dormir em Budapeste e acordar em Cracóvia. Sim, eu comprei assim que cheguei na cidade (já que chegava de trem e estava por lá já hehe), por ter viajado em baixa temporada eu poderia comprar na hora que ainda iria praticamente sozinho no vagão, mas já em Setembro seja mais complicado, por isso vale a pena comprar o quanto antes. E é tranquila tambem, talvez a atendente nao fale ingles muito bem mas nada que um pouco de mímica não resolva, preferível pagar em dinheiro local. Se tiver mais dúvidas é só falar .
  3. Paulo, Muito obrigado pelos elogios!! E olha que eu nem tinha uma câmera decente nessa haha. Quanto à decisão de ir de ônibus, eu preferi fazer isso por achar muitos escassos os horários dos barcos (já que a estação de trem fica do outro lado do lago e de lá só de barco pra chegar em Hallstatt) e também porque de ônibus pude aproveitar bem as paisagens incríveis no caminho . Apesar de que, se eu pudesse indicar, diria para ir de onibus e voltar de barco, assim tu faz as duas coisas e pode aproveitar o que cada jeito de ir e vir de lá te agrega na viagem.
  4. @sobralludmila: Comprei a GoPro 3 Silver. Não é tao barato quanto nos EUA, mas comparado com os 1800 reais cobrados aqui no Brasil está excelente o preço!!
  5. Ótimo relato!!! Pergunta rápida, essse Maple Syrup é tão bom quanto realmente fala? todos que conheço que passaram pelo Canadá se apaixonaram pelo negócio hahha Se eu estiver só a passeio em Toronto, quantos dias tu acha que consigo ver as partes interessantes e ter um "feel" da cidade? Estava pensando em 2 ou 3 dias mas não sei se é muito pouco ou não
  6. Muito bom o teu relato, peguei várias dicas boas aqui!! E,olha, acho que vou pegar emprestada essa idéia do Pink Floyd em Pompéia haha. Vai dar um "up" genial no passeio, com certeza!
  7. @Celso: Cartagena não tem praia decente, quer dizer, tem uma em Bocagrande que tá mais p/ uma versão Colombiana do Guarujá do que qualquer outra coisa. Porém, saindo de barco, nas Islas Rosário e Baru (Playa Blanca) existem várias praias incríveis, então você poderia incluir Cartagena para aproveitar essas praias também. Porém, se seu negócio é praia mesmo, ao invés de ir para Cartagena você poderia ir até Providência (se nao em engano, pela jornada de barco de um pouco mais de 5h você paga cerca de 60.000 COP) e ficar uns dias por lá, as praias são fantásticas e o lugar é bem mais calmo e vazio que San Andrés. @Amanda: Você vai aproveitar bastante, fica tranquila haha Certeza que vai ser um cenário diferente desse cheio de neve aí que tu encontrou em Toronto
  8. Além do Monopod, uma opção legal é o Gorillapod da Joby. Ele é bem pequeno e é totalmente flexível, podendo armar o tripé em superfícies irregulares para fazer as fotos. Eu paguei 50 dólares no meu (meu chefe comprou nos EUA) que é original já que nao queria confiar minha camera num tripé chingling hahaha O site dos caras é : http://joby.com/gorillapod/focus Por exemplo, a foto que eu tirei abaixo, eu usei o gorillapod para estabilizar a câmera na superfície nada reta de um buraco nas muralhas de Cartagena, aí foi só acertar e fazer uma mini longa exposição (4seg só) de Bocagrande (Berrini colombiana hahaha). Bocagrande por fe matarucco, no Flickr A Vantagem do monopod é que ele é um pouco de nada menor, então dependendo da mochila que você usa, não fica nada muito estapafúrdio de se carregar por aí. Po, lendo teu relato outra vez, estava antes animado pra ir até o Vesúvio, agora ao invés de fechar passeio antes como pretendia vou deixar para ver na hora, p/ evitar subir e dar de cara com nada, ou com um frio cruel.
  9. Como diria o poeta, vamos por partes, vou tentar responder todo mundo, e mil desculpas por demorar tanto À fazer isso ;( - Muito obrigado Frank, Jenifer, Maria Helena e Olivia!! fico feliz que tenham gostado do relato! -Celso: Cara, como eu gostei mais de San Andrés, diria para deixar por último, porém, já que gostas de fazer esse tipo de compras, o ideal seria deixar Cartagena ou Bogotá (caso esteja incluso no teu roteiro já) para o fim, já que essas cidades tem tudo quanto é tipo de loja e mercado, sendo que em San Andrés você só vai encontrar lojas moldadas no esquema "Duty Free" da ilha (que, diga-se de passagem não achei nada demais já que tudo que tinha em San Andrés eu encontrei no incrível Duty Free de Bogotá, que me supreendeu pela variedade de produtos vendidos). -Amanda: Os passeios você até pode fechar com alguma agência, mas vai sair muito mais caro, o negócio é fazer como eu fiz por lá (e creio que a maioria das pessoas fazem), ir conversando com o pessoal, e, SEMPRE, pechinchar já que não existe preço fixo pra nada, eles simplesmente te jogam um preço alto e aí tu precisa ir pechinchando p/ conseguir um desconto aqui e acolá. Então, de acordo com o que quiser fazer, vai sair muito mais em conta ir vendo com o pessoal do hotel;hostel os melhores e mais economicos lugares para fechar os passeios. -Glaugane: As empresas de mergulho em San Andrés praticam quase todas o mesmo preço, a diferença vai ser de no maximo 20.000 pesos por pessoa, aí a diferença mesmo é no serviço que eles te oferecem. Eu fiz na Blue Life e, apesar dos problemas no ouvido e ter um "mergulho falho" achei eles increvelmente prestativos e os instrutores eram ótimos, eu recomendaria fazer com eles. Mas caso também te recomendem outro dive center, pode ir sem problemas, o pessoal de lá é bem simpático e creio eu que vocÊs serão bem atendidos em qualquer escola de mergulho séria e profissional
  10. Ótimo relato! E as fotos, então, melhores ainda! haha Bonito é um desses lugares que está na minha mira para os próximos 3 anos, só espero ter uma oportunidade boa (promoção de passagem, per favore )
  11. CARTAGENA DIA 1: CASTILLO SAN FILIPE BARAJAS E CENTRO HISTÓRICO MEu vôo chegou em Cartagena lá pelas 21:00, e depois de uma corrida rápida de táxi (10.000 COP), cheguei no Blue House, que é um hostel com serviço e facilidades duvidosas porém com preços ótimo e uma localização excelente. Digo que o serviço é duvidoso pois nem todos os funcionários sabiam falar inglês e alguns nem sabiam dar indicações do que fazer ou de onde comer no centro da cidade. Como a única coisa que fiz foi tomar banho e dormir, só pude conhecer algumas pessoas do quarto no dia seguinte (digo isso pois alguns mal vi a sombra), e basicamente conversei um pouco com duas gurias de Bogotá que foram à Cartagena para pegar uma praia e um Chico Chileno chamado Felipe que era muito gente boa, que até me emprestou o celular um pouco para que eu avisasse o pessoal lá de casa da cagada que eu fiz. Ao sair em Cartagena, sofri com o calor demais, pois San Andrés também é quente, só que tem ventos fortes o tempo todo (o que torna a ilha um lugar ótimo para Kite Surfing). Já em Cartagena só existe o Calor, calor esse que faria lúcifer pedir penico em 10 minutos, com certeza. No começo, fiquei um pouco perdido com as ruas confusas do Centro de Cartagena, mas depois de alguns minutos encontrei um centro de informações turísticas, peguei um mapa (que depois do segundo dia nem precisaria mais pois conheceria as ruas do centro da cidade de cor) e fui na direção do Castillo San Filipe. Pelo mapa parecia perto, e na verdade era bem perto, mas o calor estava forte demais, a cada sombrinha que eu encontrava, parava um pouco e descansava para não passar mal debaixo daquele sol nervoso. Para a minha sorte, justamente do lado do Castillo tinha um shopping com um ar condicionado orgasmático. ntrei, fui no banheiro, lavei o rosto e renovei meu filtro solar e me toquei para a Fortaleza. Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr O Castillo é uma Fortaleza incrivelmente antiga, de fato, a mais antiga das américas ainda em pé, e é uma construção incrível e imponente. Ele começou a ser construído ainda em 1.536!, e depois, no século XVII foi expandido! Só isso é o suficiente para perceber a magnitude do lugar. Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr A Entrada é 17.000 COP, e se quiser, por mais 10.000 COP pode pegar um audioguia, mas caso pesquises na internet, não perderá quase nada se não usar o audioguia. Enfim, acho que fiquei umas três horas quase na Fortaleza, explorando ela de ponta a ponta, depois tentando encontrar as ligações subterrâneas construídas para ajudar os soldados a irem de uma ponta a outra da fortaleza sem serem atingidos, e também os corredores tinham saliências aos lados, que era onde se podiam guardar barris cheios de pólvora. Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr Aproveitei a volta para testar minha Gorillapod e não poderia ter gostado mais do tripé, ele sempre ficava firme, apesar do vento forte que tinha ali na fortaleza, e consegui tirar umas fotos minhas bem legais sem ter que ficar pedindo para os outros . Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr Castillo San Filipe Barajas por fe matarucco, no Flickr DSC04245_6HDR.jpg por fe matarucco, no Flickr Saindo do Castillo, estava já com fome, mas a vontade de não morrer com aquele sol das 13:00 me forçou a entrar no shopping novamente e procurar por lá algum lugar para comer. Encontrei uma Pizza brotinho com sorvete e refrigerante por 15.000 COP, enrolei um pouco até as 15:00 e fui andar pelo centro da cidade, que é simplesmente incrível. As ruas estreitas apertadas dentro de uma muralha me fazem lembrar de Fussen, mas a arquitetura de Bogotá é totalmente diferente, com as casas naquele estilo colonial espanhol, com varandas e casas com não mais de 2 andares e um terraço, praticamente qualquer rua é lugar perfeito para serem tiradas várias fotos sensacionais, ou simplesmente sair caminhando e admirando a beleza do lugar. Cartagena por fe matarucco, no Flickr Cartagena por fe matarucco, no Flickr Cartagena por fe matarucco, no Flickr Iglesia de San Pedro por fe matarucco, no Flickr Como o dia estava razoavelmente claro e sem nuvens, lá pelas 16:50 encostei nas muralhas, armei aampamento e fiquei esperando sol se por. Nessa, conheci um casal de Gaúchos que estava morando em Sampa que tinha a mesma intenção de capturar o sol se pondo, ficamos conversando e quase perdemos o sol sumindo através de uma nuvem que estava exatamente ali acima da linha do horizonte! Nuvem trolladora fdp! Tirei umas fotos, mas nada demais ;(. Bocagrande view from Cartagena Walls por fe matarucco, no Flickr Sunset in Cartagena - HDR por fe matarucco, no Flickr Após o sol se por, continuei andando pela cidade, e encostei no lado de fora das muralhas para tentar pegar umas fotos de Bocagrande, com seus prédios de alto adrão, todo iluminados, como fiz com os prédios em Puerto Madero, e graças ao tripé portátil, consegui umas fotos muito boas. Bocagrande - Cartagena de Índias (Colômbia) por fe matarucco, no Flickr Bocagrande por fe matarucco, no Flickr Nessa brincadeira de wannabe de fotógrafo, já eram quase 10 horas da noite e estava com mais fome ainda, então decidi encostar no Hard Rock Café e matar a saudade do orgasmático Chicken, Mac & Cheese, que é tipo a segunda melhor comida do mundo (obviamente, nada se compara a um bom kebab), e foi uma janta excelente, apesar de cara (42.000 COP), pois escutei um bom rock and roll (e umas farofadas de vez em quando), comi muito bem e ainda pude ver um pedaço de Broncos e Chiefs. De volta ao Hostel, fiquei conversando com o Chileno até umas 3 da manhã e fui dormir pois precisava acordar cedo se quisesse ir até alguma das ilhas. Vale ressaltar que nessa conversa com Chileno, ele me contou o quanto ele levava uma vida "sem emoções", estava morando com uma guria que estava namorando desde 2007, porém no começo desse ano eles haviam se separado, e ele, sem muito o que saber da vida, foi mocilar na patagônia chilena por uns tempos, se apaixonou pela bagaça e agora está viajando sempre que possível e testando e aprendendo coisas novas, então começou aulas de dança, fez mergulho e bungee jumping e por aí vai. CARTAGENA DIA 2: PLAYA BLANCA Nesse dia, não sabia se iria para Rosario, ou Baru, ou as duas, abraçei a idéia de deixar as coisas um pouco mais "livres", sem muita pressão para cumprir n coisas em pouco tempo, mas também não 100% "slow travel" ainda, então saí e fui caminhando até o cais que tem ali do lado de fora da torre do relógio, e no caminho fui abordado por um cara que me ofereceu vários passeios diferentes, e eu me interessei por um à Playa Blanca, que mei deixaria lá e depois me buscava lá pelas 16:00, o que, honestamente me parecia ótimo, já que estava mais inclinado a ficar procrastinando em uma praia do que ficar naquele passeio hop-on hop-of por várias ilhas, estava com mais vontade de descansar do que levar um dia corrido. O custo era 45.000 COP pelo transporte mais lanche, mas o último barco havia acabado de sair. Meu dia estaria perdido, se não fosse pelo cara que quis me vender o passeio, que foi comigo até um outro cais (táxi 7.000 COP), e me arranjou um lugar em um barco que iria para a Playa Blanca por 25.000 COP. IA sair um pouco mais caro que o passeio acordado pois eu teria que me virar para arranjar a volta. No Barco, conheci uma geóloga bahiana que estava passando um mês de férias na Colômbia, que estava reclamando do calor de Cartagena (Ou seja, estava tao quente que até alguem da Bahia não estava aguentando!!). Ela iria passar duas noites dormindo em uma rede em um mini acampamento lá na Playa Blanca. Também conheci um chileno que tambem iria lá um señor de Porto Rico com seus 40 e muitos anos chamado Luís, que tinha uma história de vida interessante: Ele levava uma vida comum até receber um pé na bunda de sua esposa, desde então ele se mudou de Porto Rico para Miami, aprendeu a velejar, comprou o seu veleiro e está a mais de um ano viajndo pelo caribe no veleiro, ficando por muito tempo em cada lugar antes de seguir caminho, pelo menos o suficiente para aprender bastante sobre cada país. E, novamente, podemos perceber que, um pé na bunda é talvez o maior motivo para mudança na vida de alguém!! Sério, o que encontrei de gente que mudou a vida depois do término de um relacionamento longo e hoje está muito mais realizada do que antes não é brincadeira não viu! Talvez até yo possa me incluir nessa lista. Durante os 40 minutos até Playa Blanca, o Luís nos falou muito sobre a Colômbia, Porto Rico e o Caribe também. Com ele, só confirmei aquela impressão que eu tive que o pessoal na Colômbia realmente tem muito pouco $$, e pela conversa, ficou até plausível entender porque quando encontram turistas os colombianos tentam vender tudo o que for possível, afinal, eles ganham muito pouco e sobrevivem basicamente dos auxílios governamentais (em muitos lugares o governo banca água, luz, gás e até internet para a população) . Enfim, ele falou muita coisa interessante (tanto que eu e o Chileno mal piscávamos haha), mas vou evitar de comentar tudo aqui para não ficar algo muito comprido. E já pularei para quando cheguei na Playa Blanca. Como cheguei cedo, andei um pouco para frente do lugar onde paravam os barcos para ficar sem muito assédio dos vendedores, e consegui isso! Depois de uns 5 minutos caminhando na direção do Hotel Decameron, encontrei uma árvore enorme bem perto do mar onde me encostei e deixei minhas coisas ali debaixo da sombra da árvore e entre no mar por um tempo, principalmente pois precisava me refrescar um pouco do sol que estava forte. Playa Blanca por fe matarucco, no Flickr Playa Blanca por fe matarucco, no Flickr Playa Blanca por fe matarucco, no Flickr Depois, me sentei ali debaixo da sombra da árvore e fiquei de bobeira das 11:00 até umas 13:30, meditando, pensando na vida ou simplesmente admirando os pequenos detalhes de um lugar tão incrível como aquela praia. Quando estava comendo, um casal de franceses com uma guria belga (Pauline), e conversei com ela um bocado e até perdi noção do tempo, o resto do dia passou muito rápido e logo os barcos partiriam para Cartagena, então me despedi dos três e fui em direção ao Muelle. Chegando lá, por mais 15,000 COP consegui minha volta numa lancha rápida com um cara que deveria ser o irmão perdido do LL Cool J haha! No barco, conheci 3 americanos, um casal de Wisconsin e um cara de Denver, que eram também pessoas bem educadas e curiosas a respeito do Brasil... Respondi um bocado de perguntas, já que o casal iria para o Rio antes de voltar à Madison. Bocagrande por fe matarucco, no Flickr Já de volta em Cartagena, comprei umas tranqueiras para jantar e ainda aproveitei para andar mais um pouco pela cidade. Incrível o fato de que, depois de me perder no centro histórico da cidade no primeiro dia, no fim do segundo dia já não precisava mais de mapa para andar pela cidade J. DIA 3: BOCAGRANDE No último dia em Cartagena, estava em dúvida se iria ao convento La Popa (que fica em uma colina onde se tem uma visão panorâmica da cidade), mas como só se chega de táxi por lá e eu estava quase sem um puto sobrando no bolso, optei por ir até Bocagrande, que era mais ou menos meu plano B. Chegar em Bocagrande é tranquilo, mas debaixo daquele sol de Cartagena foi complicado, precisei parar p/ pegar uma sombra pelo menos umas duas vezes até chegar no começo da praia. Honestamente falando, Bocagrande é como se aqueles prédios gigantes e envidraçados da Berrini se mudassem para o Guarujá. Andei um bocado pela praia, cheguei até a ponta dela na verdade, mas não achei nada demais. Na volta para o centro histórico, eu estava sendo completamente tostado, então precisei parar em um Juan Valdéz Café (a.k.a. Starbucks colombiano) e em um mercado para comprar água. Chegando no centro histórico, quase morrendo de calor, encostei na muralha para pegar um pouco de sombra, e foi aí que conheci um senhor de 70 anos (todos eles orgulhosamente vividos em Cartagena), chamado Maurício, que puxou conversa comigo, e ficamos conversando ali por quase 40 minutos! Ele, ao descobrir que eu era brasileiro, começou a falar de futebol, e até sacou uma foto do Pelé em preto em branco, tirada ainda nos anos 50, quando ele foi à Cartagena (não sei se foi com o Santos ou com a seleção). Conversa vai conversa vem ele me contou o quanto era complicado morar na Colômbia, o quanto ele sofria para conseguir os 30 dólares diários necessários para manter sua casa, e que a única solução encontrada após se aposentar como professor de história foi seguir como guia turístico na cidade. Pois é, no fim das contas somos muito mais parecidos do que achamos. Voltei ao Hostel para fazer o check-out e deixar minha mala guardada para meu voo à noite, e saí para procurar algo para jantar quando encontrei um restaurante que tinha Kebab!!! Para quem não sabe, Kebab significa amor em árabe haha. Brinks a parte, sem nem pestanejar, me sentei e comi um True Kebab, coisa que eu não fazia desde meu último Kebab em Viena, no começo do ano. Poderia fazer odes intermináveis à delícia do Kebab, mas isso só me traria saudades. Então vou continuar esse fim de relato... Brinks, não tem muito mais o que falar depois do meu kebab, andei um pouco mais para tentar algumas fotos de longa exposição e fui para o Aeroporto, onde meu pegei um vôo para Bogotá e virei a noite escrevendo esse relato que vocês aqui estão vendo! Cartagena por fe matarucco, no Flickr Bocagrande por fe matarucco, no Flickr caso tenham dúvidas ou queiram indicações, escrevam aí embaixo!
  12. A minha viagem para a Colômbia foi curta, porém intensa, com tantas coisas memoráveis acontecendo que preciso escrever sobre tudo isso o mais rápido possível, antes que, após voltar a rotina de São Paulo, meu cérebro esqueça os detalhes. VOANDO E VIRANDO A NOITE NO AEROPORTO Voei com a LAn Colômbia, e para ser sincero, achei o vôo excelente. Avião novo, confortável, comida oferecida muito boa (OK, estava com fome, as vezes exagerei nesse MUITO boa), e uma boa opção de conteúdo multimídia oferecido ao longo das 5 horas de vôo. Chegando em Bogotá, teria que esperar até as 07:30 do dia seguinte para ir à Cartagena, por isso optei por passar a noite no aeroporto. Obviamente, estava cometendo uma cagada terrível! O Aeroporto de Bogotá é novo em folha, feito nos moldes dos grandes aeroportos atuais como Schipol, e muito bem estruturado. Só que, para a minha desagradável surpresa, muitos setores ao redor da área de embarque ainda estavam em reforma, ou seja, não adiantava eu procurar procurar e procurar até encontrar o assento perfeito escondido no cantinho do aeroporto ou simplesmente me aconchegar no piso do aeroporto e torcer por Morfeu me levar à terra dos sonhos o quanto antes que, uma hora ou outra, aquela infernal sinfonia de picaretas, pás, marteladas, furadeiras e afim iria disparar e me despertar. Eu tentei, juro que tentei, mas se dormi por mais de 2 horas foi muito. Esse negócio de dormir em aeroporto é quase uma técnica Jedi. Existem diversos sites que procuram agregar dicas sobre aeroportos ao redor do mundo para os carcamanos de plantão como eu, que querem economizar uns trocados e arriscar trocar uma noite de sono garantida por algo um tanto quanto duvidoso. Honestamente, se me perguntassem se faria isso novamente, faria. Afinal, uma vez carcamano, sempre carcamano!! No começo do dia seguinte, passei para a áre ade embarque e fui à Cartagena, o que resultou em outro vôo tranquilo, sem problemas. Apesar de que, quando desci em Cartagena, achei que alguém havia ligado o forno e esqueceu a bagaça ligada, tal era o calor quase infernal em Cartagena (Não vou dizer infernal, porque acho que até o tinhoso teria pedido penico se descesse ali naquele dia estupidamente quente e abafado). Já em Cartagena, eram quase 10:00 e meu vôo para San Andrês (agora operado pela Copa Airlines) estava com o check-in aberto. Fui encostar no balcão para deixar minha mala quando vi que, para todos destinado à San Andrés, havia um balcão especial com um guri do exército fazendo aquele glorioso Cara-Crachá e te cobrando uma taxa de 45.000 COP (quando viajei, a taxa estava em torno de R$1,25 para cada 1.000 COP). Paguei minha taxa e fui embarcar. Depois do Vôo para San Andrés nos pequenos jatos Embraer da Copa Airlines, tive a sorte de pegar um bom trecho com tempo claro e pude apreciar o céu limpo que se mesclava com o azul absurdamente fantástico do Mar do Caribe. Mas conforme chegava em San Andrés, O avião entrou em um mar de Neblina que nos acompanhou por mais de 30 minutos até o avião aterrissar em San Andrés. Era tanta Neblina que mais parecia que iríamos parar na Ilha de Lost ou em algum remake barato de Silent Hill. Mas, felizmente, ou infelizmente dependendo do quão mórbida é a tua mente, cheguei em San Andrés. SAN ANDRÉS: DIA 1 O Desembarque em San andrés é um pouco enrolado, pois é necessário preencher uma papelada (afinal, a ilha tem um tratamento diferenciado do governo Colombiano, assim como Fernando de Noronha aqui em terras BR) grande e esperar em uma fila por pelo menos uns trinta minutos até conseguir sair do Aeroporto. San Andrés é uma ilha muito pequena, então dependendo de onde se hospedar até é possível andar a pé do Aeroporto ao Hostel, mas como estava levemente apertado, peguei um táxi (10,000 COP) e cerca de 5 minutos depois cheguei no Blue Almond Hostel. Bom, em San Andrés só existem 2 Hostels, praticamente falando, o Blue Almond e o El Viajero. Como quase todas as pessoas que li relatos de viagem falaram do El Viajero, decidi por ir atrás do Blue Almond para ver qual a vibe do lugar, e não poderia ter feito uma escolha melhor! O dono do Hostel, Juan, e sua namorada, Jennifer, são pessoas excelentes e sempre disposto a ajudar a fazer da sua estadia a melhor possível! Eles, se preciso, fazem até cambio de Dólares e Euros a uma ótima taxa (apesar de que, no Aeroporto de Bogotá encontrei a melhor taxa de câmbio, por incrível que pareça). Como o Hostel é bem pequeno (são três quartos, sendo um deles single, o outro um double e o terceiro um dormitório para 4 pessoas), então no fim das contas todos acabam se conhecendo bem e fica algo mais intimo, como se fosse a tua casa. No Hostel, conheci meu quarto e fui apresentado aos meus roomates, um Escocês grafiteiro apelidado de Andy e um Holandês que estava em San Andrés fazendo o curso de mergulho para pegar a certificação, chamado de Anni (ou Heineken, para os mais chegados haha). Um pouco depois que cheguei conheci o casal que estava no quarto duplo, que eram os dois argentinos mais birutas que já vi na minha vida! A guria era de boa, mas o guri era uma mistura de Trasgo com Homer Simpson, falava alto e era meio desengonçado, mas era um ótimo sujeito! Depois de conversar com o pessoal do Hostel, fui até o centro para conhecer a praia principal de San Andrés, e apesar do dia feio, não me decepcionei! Essa história de mar de 7 cores do Caribe, que parece ser slogan de agência de turismo, é realmente verdade, e mesmo em um dia feio e nublado como aquele, fiquei besta com a beleza da praia, apesar dela não ser tão bonita como a nossa boa e velha Praia Grande (sarcasmo, obviamente). Dei umas voltas ali pelo centro, dando uma olhada nas lojas de "Free shop" de San Andrés (que são só um pouco mais baratas que os preços que encontrei em Cartagena, mas com menos opções, era só câmera Canon e Nikon, notebook Vaio e Iqualquer coisa nessas lojas, nem tinha PS4 para que eu pudesse bater uma foto para o meu Ostentagram). Caminhei por umas 2 horas quase, até que a barriga começou a roncar e encontrei um fast-food de hambúrgueres com aquele jeito de Big X Picanha chamado El Corral. PAguei 26.500 COP por um combo completo (com papas e gaseosa) e preciso dizer que quase não consegui terminar o lanche de tão grande que ele era!! Para quem curte algo mais gorduroso, fica a dica! Além da comida vir em uma proporção boa, o lugar tem uma vista excelente do começo da praia principal, e tu pode sentar ali, se matando com um hamburguer enquanto disfruta de uma ótima vista. SanAndrés Downtown Beach por fe matarucco, no Flickr SanAndrés Downtown Beach por fe matarucco, no Flickr San Andrés Downtown Beach por fe matarucco, no Flickr Ao terminar o lanche, o sol já estava se pondo, e eu, cansado como estava depois de passar uma noite praticamente em claro (e estou fazendo a mesma coisa enquanto escrevo esse relato, mas agora aguardando meu vôo de volta para terras BR) e estava a tempo demais acordado. Como estava com muito sono, voltei ao Hostel e fiquei conversando com o Andy e o Anni, altos papos cabeça e muita teoria da conspiração, que se prolongaram por algumas horas e foram de política às preferências de mulher do Andy (ele é o típico europeu que é chegado numa mulata, deve ser um daqueles que se "divertiria" bastante em um carnaval no Rio, em SP ou Salvador), chegamos a trocar até algumas noções sobre a situação de cada país e etc (na boa, acho que essas é uma das melhores partes de se ficar em hostels mais tranquilos, já que mesmo nos party hostel é difícil encontrar gente que tenha cabeça e vontade para discutir coisas mais sérias). Nem lembro que horas eram quando, quase apagado me retirei para tentar dormir um pouco mais e torcer para o dia seguinte melhorar o clima. SAN ANDRES: DIA 2 (chuva, muita chuva, e rally com carrinho de golf) No meio da minha primeira noite, mesmo estando incrivelmente cansado, acabei acordando com relâmpagos monstruosos e uma chuva torrencial digna de um dia de janeiro paulistano que caia sem parar. Acontece que, essa chuva começou lá pelas 11 da noite do dia anteriro e só foi parar depois das 16:00 do dia seguinte, assim melando meus planos de fazer o tour pelo Acuario e Johnny Key que o Juan havia me indicado. Fui no mini mercado que fica a uma quadra do Hostel para comprar meu café da manhã (O Hostel não oferece essa refeição, então tens que comprar algo), que foi um pacote enorme de bolachas do tipo "água e sal" por 3.000COP, já que no Hostel tinha água a vontade (a falta disso no Hostel em Cartagena me deixou puto, mas me ajudou a fazer a descoberta do século, Kola Roman, mas isso fica para o próximo episódio). Enquanto saia do mini mercado, a chuva havia se acalmado, então decidi ir até os muelles do centro da cidade para tentar encontrar algum barco que ainda fizesse o trajeto Acuario-Johnny Key e tentar negociar um preço decente (A Colômbia é como a Bahia ou a Índia, tirando as redes de supermercado e fast-food, não existe preço fixo para as coisas e cabe à sua capacidade de pechinchar para conseguir preços bons), mas não contava com a astúcia da chuva, que aparentemente só esperou eu estar em um lugar mais descampado e caiu loucamente (honestamente flando, parecia que alguém virou um balde de água na minha cabeça, de tanta água que caia naquela hora), ou seja, fiquei preso e ensopado perto do Hotel Sunrise,e quando a chuva acalou um pouco mais lá pelas 11:00, voltei correndo para o Hostel para secar um pouco (San Andrés é tão quwnte, que a chuva até refresca mais do que incomoda, mas chega uma hora que o caboclo nao aguenta!). Já no Hostel fiquei conversando sobre fútbol com o argentino, obviamente, sem entender muito bem o que ele falava, mas sempre fazendo o "sorria e acene" e concordando com que ele dizia. Mas no fim das contas, o que consegui entender é que ele estava puto com a Fifa, que liberou mais ingressos para os japoneses e americanos do que para os argentinos (afinal, entre receber turistas com pesos argentinos e turistas com dólares, a segunda opção é mil vezes mais atraente) e sobre seu time de coração, o Atlante da terceira divisão argentina, que tem uma trajetória curiosa, era uma equipe forte até ser rebaixada pela primeira vez muitos anos atrás, e depois disso só piorou, mas apesar da torcida diminuir, ela só aumentou e o time agora tem muitos mais torcedores do que antes (hipter please). Quando a chuva dminuiu um pouco mais, lá pelas 12:30, eu saí em busca de fazer algo para nao perder o dia (afinal, se fosse para ficar coçando apenas, teria ficado em casa) e decidi alugar um carrinho de golf. Por culpa da chuva, a maioria não estava sendo alugada já que os carrinhos eram pequenos demais para encarar lamas a afins, então só me restou alugar um carrinho turbinado da Kawasaki por 90.000 COP. Feito isso, saí para dar uma volta na ilha, e pude reparar no quanto a população de San Andrés é carente de condições de vida decente. São muitas famílias que convivem com a pobreza e muitas casas caindo aos pedaços ao longo do caminho que eu percorri, que foi quase todo ao redor da ilha e um pouco por dentro que que peguei para chegar na Loma. Golf Cart por fe matarucco, no Flickr Nessa volta rápida pela ilha que eu antecipei (afinal, gostaria de fazer isso no meu último dia em San Andrés), pude passar por várias praias, algumas "simples", outras com aquele toque de Caribe (areia branca, água com uma cor absurdamente bonita), mas o que mais me divertiu foi poder passar por uma buraqueira ocasionada pela chuva com o carrinho, que não era um Hummer mas se saiu muito bem! Subi na Loma (3.000 COP) e pude apreciar uma visão em 360 graus da Ilha, foi quando realmente percebi o quão pequena ela era, e mesmo em um dia com clima horroroso que nem aquele, era possível ver as águas claras dos recifes de coral que ficam no redor da ilha. on the road por fe matarucco, no Flickr Playa San Luís in HDR por fe matarucco, no Flickr Depois de me sujar todo nessa volta (parecia que eu saí de algum rally ou corrido de Moto Cross de tão sujo que eu fiquei), devolvi o carrinho lá pelo fim da tarde e fui ao hostel tomar um banho para procurar algo para jantar, quando encontrei com o Guilherme, que era o brasileiro hospedado no quarto single, que foi à San Andrés somente para fazer mergulho, e fiquei batendo um papo com ele enquanto ele me explicava as técnicas de mergulho e etc, eu, que já estava interessado em fazer o mergulho pedi mais algumas dicas, e depois que eu tomei banho, fui com o Guilherme até o centro de mergulho para ver se teria algo para amanhã. Chegando no Centro de mergulho (Chamado Blue Life, fica do lado do Hotel Sunrise, e totalmente recomendado), vi que teria mergulho amanhã e me "alistei" para participar da mini-aula as 09:00 e do mergulho. Tendo feito isso, me despedi do Guilherme, já que ele ia no centro dar uma olhada nos eletrônicos, e fui atrás de algo para comer. Andei um bocado e decidi por ir no Interstate 80's, que era uma das salinhas comerciais abaixo/do lado do Hotel Sunrise, assim como o centro do MErgulho. A Comida do Interstate 80's é bem mediana, não tem nada demais, mas a decoração era excelente!! Vários pôsteres de filmes, capas de CD (Say You Say Me!), e até um NES pendurado do teto, enquanto em uma TV passavam uns clipes dos anos 80. Afinal, não tem como se interessar por um lugar em que você pode jantar enquanto escuta 99 luftbaloons. Pedi um hamburguer, que nao era ruim mas não era bom, e uma Pepsi, e a conta deu 19.000 COP. SAN ANDRÉS DIA 3: (tentativa de) mergulho, Acuario e um Escocês muito bêbado No terceiro dia em San Andrés, me levantei cedo e fui ao centro de mergulho para fazer o que mais estava ansioso/curioso para fazer. Ate aí, tranquilo, primeiro eles passam um vídeo institucional sobre os níveis dos certificados de mergulho e depois ensinam o básico do básico, como técnicas para compensação na descida, sinais de comunicação e por aí vai. Depois de assinar um monte de papelada dizendo que se eu morrer a culpa é minha e mimimi, fui à piscina do Hotel praticar. No começo foi meio estrnho, mas depois de uns cinco minutos eu consegui mais ou menos pegar a manha para me locomover e tudo o mais. Fiquei uns 30 minutos praticando e parecia que estaria tudo certo. Então fui ao deck do Hotel esperar o barco. Enquanto isso, fui atrás de algo para amarrar a GoPro que havia comprado no Free Shop de Bogotá por 370 Dólares, e esperei. Sunrise Hotel por fe matarucco, no Flickr No barco, eu mergulharia sozinho com o instrutor e um casal de BR's (Ronaldo e Aline), iriam mergulhar com um instrutor italiano. Obviamente, ao descobrir que o guri era italiano, já começei a falar com o meu excelente sotaque italiano da Móoca "Ah, mi piace molto parlare Italiano, ma Io capisco alcune parole", se eu descobrisse isso antes do começo do mergulho, teria ficado menos ansioso/nervoso e isso talvez mudasse um pouco o outcome daquele mergulho. Tudo parecia lindo na hora que caí no mar, abaixei um pouco e vi um monte, mas é sério, um monte de peixes passando por todos os lados, e a água era tão limpa e clara que a visibilidade deveria ser de uns 8 metros ou mais (de acordo com o que o Guilherme havia me dito, visibilidade que no Brasil só se encontra em Fernando de Noronha e olhe lá), e até havia sacado algumas fotos com a GoPro. San Andrés *-* por fe matarucco, no Flickr Diving in San Andrés - Piramide por fe matarucco, no Flickr O problema foi quando a descida começou... Nos primeiros metros consegui compensar bem, mas depois de uns 4,5m, meus ouvidos começaram a doer MUITO, e mesmo eu tentando subir um pouco para tentar compensar e aí descer novamente, nada parecia acabar com essa dor. PAra ajudar, estava começando a entrar muita água do mar pela minha máscara, e na dor, acabei puxando ar com o nariz e respirei muita água do mar. Tive que subir até a superfície, e o instrutor tentu me ajudar denovo a descer, mas dessa vez, numa profundidade menor meu ouvido voltou a doer, e parecia que ele iria explodir a qualquer momento! Descidi, então, parar por aí e voltei ao barco para esperar o casal BR voltar do mergulho. Fiquei muito chateado, mas depois que subi, conversei um pouco com o cara que estava pilotando a lancha (irmão perdido do J Jones), falei um pouco sobre fútbol e pude aliviar um pouco a frustração por não ter conseguido fazer o mergulho todo. By the way, os colombianos gostam de fútbol muito mais que nós brasileiros, pqp, todo lugar que ia, ao descobrirem que eu era BR, já me perguntavam do Mundial, de que a Colombia iria ganhar, que o Falcao era melhor que o Neymar e por aí vai. Depois de uns 40 minutos, o casal de BR's e o italiano subiram no barco e voltamos ao deck do Hotel, e enquanto eu parlava loucamente com o Italiano, perguntei se era possível me deixarem no Acuario, e com ma resposta positiva, o casal BR se interessou também e acabamos os três indo ao Acuário, chegando lá pelo meio-dia e com carona marcada para as 15:30, tudo isso por 20.000 COP. San Andrés - Colômbia por fe matarucco, no Flickr Poderia ficar horas e horas colocando os adjetivos mais inventivos, copiados de algum conto de Eça de Queirós, mas não adianta, NADA vai explicar ou demonstrar o quão fantástico é aquilo... conforme tu vai chegando no Acuário, o mar vai mudando de cor e cada vez te aparece um tom totalmente novo e que tu nunca viu antes! Tentei ao máximo ajeitas as fotos da GoPro para que elas refletissem ao menos um pouco da realidade daquele lugar, mas não adianta, as fotos não chegam nada perto, e simplestemente tens que ir e ver para crer! El Acuario Isla San Andrés por fe matarucco, no Flickr Acuario Isla San Andrés por fe matarucco, no Flickr Acuario San Anrés por fe matarucco, no Flickr O Acuário é bem pequeno, é uma porção de areia bem pequena envolta em uma praia azul turquesa, e bem ao lado existe a Haynes Key, onde tu pode atravessar para chegar nessa ilha a pé (no máximo do máximo a água vai chegar no teu peito), e lá do outro lado tem várias opções para comer. E, após caminhar um pouco com o Ronaldo e a Aline conversar com os Rasta que iriam cuidar das nossas malas (3.000 COP) e me emprestaram um daqueles sapatos para se usar na água (5.000 COP), atravessamos o Acuário para Haynes Key em busca de um almoço. O nossos amigo J. Jones havia indicado um restaurante que só tinha peixe, mas nem eu nem a Aline gostávamos, portanto decidimos ir a outro restaurante chamado Mama Africa, que pelo menos tinha pratos com Arroz! Acuario San Anrés por fe matarucco, no Flickr Acuario San Anrés por fe matarucco, no Flickr O Prato de Arroz com Filé de PEscado, que, junto de uma garrafa de água saiu por 25.000 COP (não havia mais frango) demorou um pouco para ficar pronto, mas não desapontou, até eu que não gosto de peixe achei a mistura daqule prato boa! Ainda vnha com uma salada básica e um arroz doce meio bizarro (arroz banhado em água de coco, fala sério!!). Enquanto a comida não chegava, conversei com o casal e trocamos algumas experiências de vida, eu contando algumas coisas sobre meu mochilão e eles sobre as viagens para fazer mergulho, realmente posso dizer que tive um "good time" conversando com eles, me diverti e guardei altas dicas (Se quiserem mergulhar, Cozumel é o melhor lugar que há, aparentemente). Acuario San Anrés por fe matarucco, no Flickr Acuario San Anrés por fe matarucco, no Flickr Com o almoço terminado, andamos um pouco mais mas não chegamos a fazer snorkeling, até que J. Jones encostou com o barco e voltamos ao hotel Sunrise. Eu, depois de conversar um pouco mais com eles e pagar minha tentativa de mergulho (fui cobrado em 80.000 COP, que é o valor do mini curso sem mergulho, e o valor com mergulho é de 150,000 COP), e após me despedir do Ronaldo e da Aline, voltei ao Hostel para tomar um banho e tirar o bendito sal do corpo, mas obviamente que no término disto já estava com fome novamente, então encostei num restaurante que tem ao lado do Interstate 80's chamado Lupita e comi um Burrito de Carne muito foda! Porém, esse não foi o ápice da minha janta pois na hora de escolher a bebida, chutei algo diferente e pedi uma Kola Roman, e não poderia ter feito coisa melhor!! Cara, a Kola Roman é basicamente se suco de groselha virasse refrigerante, é algo tão épico que não precisa de mais explicações, e apenas degustações. Se alguém estiver na Colômbia ou em qualquer outro lugar que possa ter Kola Roman, vai comigo que essa é certeza! Jantado, e devidamente pronto para ir dormir, ao chegar no Hostel, o Juan me chamou para em um bar (que era justamente do lado do Lupita, onde eu havia jantado) para tomar umas doses e aparentemente todos do Hostel iriam, entao para não ficar forever alone topei o rolê. Já lá no Hostel, vi que tinha uma guria nova hospedada, uma francesa chamada Emilie, que era simplesmente uma pessoa sensacional. Super simpática e com tantas qualidades que se eu prolongar isso mais vai parecer um trecho de Romeu e Julieta do que um relato de uma viagem. Enfim, chegando no bar (Bonzai), tdos pediram uma rodada de drinks, eu peguei um Daikiri que era algo que conhecia (sim, só gosto de drinks que são "fruity"), e fui conversando mais com o Andy e a Emilie enquanto isso. Depois de uma hora e meia, o Juan nos chamou para uma rodada de shots, eu fui mas não tomei porque achei que era Tequila, que no me gusta, mas como havíamos combinado de cada um comprar uma rodada de shots para os 4 (Andy, Juan, Emilie e eu), entrei na brincadeira... Nem me lembro direito dos drinks que tomei, a maioria era sem graça, tirando a JaggerBommb que era muito foda (uma dose de Jaggermeister dentro de um copo de Red Bull, se não me engano), e quando foi a minha vez de comprar a rodada de shots (4 shots por 20.000 COP), os outros três já estavam meio altos, mas eu acho que estava bem, pelo que me lembro, só havia ficado um pouco mais extrovertido. Saindo do Bar (isso deveria ser umas 2 da manhã quase), O Juan e sua decidiram ir em uma "festa" de locais, que estava meio morta apesar do lugar ser muito bom e a birita barata. Eles pediram uma aguardente que era uma porcaria e ficaram bebendo entre si, enquanto eu e a Emilie não tomamos. Conversa vai conversa vem começou a tocar alguma rumba alternativa, como éramos em 3 homens e 2 mulheres, alguem teria que ficar de fora sempre, logo, eu fui o primeiro, depois dancei um pouco com a Jennifer e, já quase no fim puxei a Emilie para dançar, e aí sim o negócio ficou interessante . Tivemos que parar o que estávamos fazendo pois o escocês (Andy) estava, como se pode dizer, fucking wasted, loco del coco, borracho, mai loco que o batman, cachaçado, ou seja lá qual for sua expressão favorita. E, por ele estar assim, em estado de PT triplo, voltamos para o Hostel, porém, parando no Bonzai denovo para uma última rodada de shots. Como a Emilie estava quase chamando nosso amigo Hugo, ela ficou de fora da rodada e todo mundo tomou uma mais. Eu, honestamente, não entendo porque o pessoal ficou alto tão fácil... Eu nunca fui de beber muito, mas no máximo do máximo me senti um pouco zonzo e olhe lá. E, preciso dizer, o estado do Andy era tenso, ele falava sozinho, fazia posições de kung fu ou whatever seja aquilo no meio da Rua, quando não recitava algum trecho de Star Wars como se estivesse declamando Shakespeare, entre outras coisas. Esse tipo de bêbado, apesar de ser o mais engraçado de se encontrar, é o pior de ser, fato! Chegando no Hostel, o dia ainda não havia terminado, pois ao escovar os dentes, A Emilie escorregou, caiu, e ao tentar se apoiar, levou a pia junto, inundando o Hostel todo. O registro de água foi fechado rapidamente, então sem problemas, além do susto de parecer ter entrado em uma cena de Jumanji e de um galo gigante na cabeça da Emilie (ela não sabe se bateu a cabeça na pia ou no chão, na verdade). SAN ANDRÉS DIA 4: VOLTA PELA ILHA E UM CELULAR PERDIDO PARA O MAR Meu último dia em San Andrés começou bem tarde, pois já que havíamos chegado depois das 4 da manhã, só criei forças para me levantar da cama lá pelas 10:30, e lá pela mesma hora a Emilie acordou, então rapidamente nos arrumamos e saímos em direção ao centro da cidade, já que havíamos combinado que esse meu último dia em San Andés seria compartilhado em um carrinho de Golf com ela. Conseguimos um carrinho bem básico por 70.000 COP (35 mil cada) e saímos para dar uma volta pela ilha. Paramos na praia do centro primeiro, e eu honestamente não esperava muito por já ter passado por lá no meu primeiro dia em San andrés, mas com céu limpo e sem chuva, a praia estava muito, mas muito melhor! Tiramos algumas fotos, e ela largou a Canon dela de lado quando viu que a minha Sonyzinha estava batendo fotos melhores (Filtro Polarizador estava dando o charme na coisa), então a partir do Centro, sa´mos em busca da Igreja da Loma e sua vista panorâmica que deveria estar sensacional naquele dia limpo, e enquanto eu dirigia ela batia fotos com o carrinho em movimento e tudo. Playa central San Andrés por fe matarucco, no Flickr Playa central San Andrés por fe matarucco, no Flickr Playa central San Andrés por fe matarucco, no Flickr Ao andar pela parte interna da ilha, ficou mais notada ainda a miséria dos habitantes locais (isso eu já sabia, mas ela acabou percebendo isso), e isso era expresso ao passar pelas casas com portas abertas e dar uma leve espiada dentro e constatar que não existiam posses algumas dentro (Já diriam os poetas, apesar de que as riquezas são diferentes e diferenças, no fim das contas miséria é miséria em qualquer canto! ). Iglesia La Loma por fe matarucco, no Flickr Depois de uns 15 minutos chegamos na Loma, mas ela estava fechada pois teria um culto logo mais, então para a nossa decepção não pudemos subir no topo da igreja, entao seguimos caminho até o mar lá pelos lados da Cova de Morgan (que é tipo um museu fajuto com um restaurante ruim e overpriced, a vulga pokebola para turistas), e de lá seguimos até a Playa San Luís, parando em vários lugares para sacar fotos e em um momento para invertemos a situação e ela ficar de motorista. e eu me encarregar das fotos. Isla San Andrés por fe matarucco, no Flickr Isla San Andrés por fe matarucco, no Flickr Isla San Andrés por fe matarucco, no Flickr Isla San Andrés por fe matarucco, no Flickr Isla San Andrés por fe matarucco, no Flickr Isla San Andrés - Road along the coast por fe matarucco, no Flickr Em San Luís, encostamos o carrinho e decidimos entrar um pouco no mar antes de almoçar. Não sei porque, esqueci de tirar o celular do meu bolso da bermuda, e só fui perceber isso depois de um bom tempo no mar, ou seja, mefu! Quando senti o peso do celular na bermuda, saí correndo mas já era tarde demais, meu celular disse adeus. De qualquer forma, continuamos um pouco mais no mar para aproveitar aquele sol sensacional. Playa San Luis por fe matarucco, no Flickr Saindo de lá, correria para conseguir trocar os Euros dela por Pesos Colombianos (só encontramos um lugar no centro), e depois andamos de novo até a ponta Sul da Ilha, onde existia um restaurante com o criativo e sugestivo nome de Ponta Sur, que o Juan havia nos indicado, e foi excelente! DSC04114.jpg por fe matarucco, no Flickr Comemos um Pollo na Grelha, e o Frango mais a divina Kola Roman saíram por 25.000 COP. A comida é boa e o lugar tem uma ótiam vista, pois ele tem um deck superior de onde é possivel ter uma visão prolongada do oceano e uns pedaços da Playa San Luís também. Comemos, tiramos umas fotos (a minha foto acima é de lá) e voltamos ao Hostel, pois eu precisava pegar minhas malas e ir à Cartagena, a própria Emilie se ofereceu para me deixar no aeroporto, mas estávamos bem na marca do pênalti e nao podíamos mais atrasar a entrega do carrinho, então deixamos o carrinho, nos despedimos (foi difícil!) e fui de táxi (8.000 COP) até o aeroporto. post abaixo contem parte do relato referente à Cartagena
  13. Depois de ler esse relato, estou cada vez mais certo de passar minhas próximas férias em 2015 na Nova Zelandia. Apesar de que, provavelmente, terei só uns 17 dias... será que tem como ainda fazer um roteiro legal? tu fez tanta coisa sensacional que estou com vontade aqui e não quero ter que excluir nada do roteiro haha
  14. Boa noite Bruna! Você poderia ser um pouco mais específica no seu pedido de ajuda? hehe Quer dizer, A Itália tem muita coisa para se fazer, e dependendo do interesse e di$po$ição de vocês, é possível bolar um roteiro ótimo incluindo várias regiões como Toscana, Sicília e os Vênetos nesse mês, Caso queiram ir à Grécia, existem boas opções de low fares saindo de quase toda a Itália, mas principalmente de Roma e Nápoles. Só que, uma vez na Grécia, quantos dias gostaria de ficar? Só quer conhecer Athenas ou quer ir para Santorini e afins? Enfim, fale um pouco mais para que seja possível ajudar você e a tua amiga de uma forma melhor
  15. Hmm, Paris está OK, mas dependendo de como você vai se locomover entre Munique, Praga e Viena, vai te sobrar pouco tempo em alguns lugares. Você já sabe ou tem idéia a que horas vai se locomover entre cada lugar? é durante manhã, tarde ou noite? Isso pode mudar muita coisa. De Munique a Praga ônibus é uma boa, não demora muito e é menos de 30 euros. de Praga a Viena tem trem normal e noturno também. Maas, dependendo do que te interessa ver acho que seu tempo nas três cidades vai ficar um pouco apertado (mas nada impossível, caso você tenha bastante disposição ). Anyway, o que quero dizer é que, talvez seja melhor retirar uma das cidades do roteiro e dividir o tempo entre as outras duas, assim te dando mais tempo para explorar muito mais a cidade base e te dar mais tempo para fazer algum bate volta (Saindo de Munique tens Dachau e Fussen; Saindo de Praga tens Cesky Krumlov, Karlovy Vary, Kutna Hora e de Viena tens Bratislava e até Salzburg). Outra opção viável seria trocar Praga por Salzburg (decisão logística apenas, pois Praga é a cidade mais incrivel que já conheci na vida haha), assim Fazendo Munique/Salzburg/Viena, que é uma rota que tem trens saindo praticamente a cada hora e que o deslocamento Munique-> Salzburg leva menos de 2h e Salzburg->Viena menos de 2h30', assim te dando mais opções de horário para poder adaptar bem melhor teu roteiro de acordo com o te interessaria visitar em cada lugar. Salzburg também é uma ótima cidade base para váriso bate-voltas, como Werfen, Hallstatt ( ), Konigssee, Wolfgangssee e Herrenchiemssee. Espero ter ajudado, qualquer coisa, é só perguntar
×
×
  • Criar Novo...