Ir para conteúdo

Fred Michel

Membros
  • Total de itens

    41
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Fred Michel postou

  1. Gastos na Jordânia A Jordânia saiu muito mais cara do que a gente esperava! Ficamos só por uma semana, o que também concentrou os gastos de atrações e transporte. Mesmo assim, achamos que seria barato, mas foi longe disso... Gastos médios em dólares por dia e por pessoa: Hospedagem: $17. Ficando em lugares bem simples e com banheiro compartilhado, mas qto privado. Não vimos mtas opções de dormitórios. Transporte: $8. Tem q procurar os ônibus e forçar pra pagar um preço parecidos com o q os locais pagam. É comum turista alugar um táxi pra viajar passando pelos pontos turísticos, mas sai bem caro. Alimentação: $7. Aí sim... comemos bem e barato, principalmente em Aman. Atrações: $20. Só pra entrar em Petra foram 60 euros pra 3 dias. Só um dia sai por 50 euros e é mto pouco pra lá! Total: Mais de $50 por dia e sem luxos. Preço de Europa!
  2. Cara, duas realidades bem diferentes: Os albergues na China são SENSACIONAIS!! Os melhores que vimos em toda viagem! O preço do qto privado é mto parecido com duas camas no dormitório, então, fomos quase sempre nessa opção. E são qtos de hotel, novos, bem decorados, ar condicionado, bons banheiros. Mto bom mesmo! A gente dava uma checada nos dormitórios e vimos q o padrão era um pco mais baixo, mas ainda assim blz. E a infra dos albergues tb é boa, com umas áreas comuns bacanas. No sul é baratasso e mais pro norte sobe o preço, principalmente Shanghai e Beijing. Aliás, em Beijing é que o padrão cai um pco. Não chega a ser ruim não, mas não é a mesma coisa q em outras cidades q passamos. De modo geral, grande oferta de boas opções em todo país! Já na Índia, são sujões mesmo... Se vc for pras opções mais baratas, prepare-se pro pior. Subindo um pco o orçamento, a coisa melhora, mas tenha em mente q o padrão deles do q é "limpo" é bem diferente do nosso. E tem q pesquisar!! Mesmo lugares mais caros, podem ser bem ruins. Encontramos lençóis mto sujos, banheiro nojento e até rato dentro da nossa mochila. Ossos do óficio de viajante... As recomendações do lonely planet são péssimas na maioria dos casos. O hostelworld é BEM mais confiável. Mas, dá pra levar sem drama. O perigo da falta de higiene tá na comida, o resto é só procurar por um lugar menos sujo e relaxar eheheeh Abs
  3. Ué, não tiramos não... Vou dar uma conferida lá, estranho... Valeu!! Abs
  4. JORDÂNIA, abril de 2011 Chegamos à Jordânia de ferry a partir de Nuweba, no Sinai. A viagem que deveria durar 5 horas atrasou em quase 3 horas a saída e ainda levamos mais quase 2 pra começar a desembarcar! Como eles dizem... “egyptian time”. A imigração na Jordânia foi bem confusa e tomou muito mais tempo do que o comum. O resultado é que não tinham mais ônibus pra Wadi Mousa, que é a base pra visitar Petra. Então, tivemos que pegar um táxi, o que é bem caro. Saiu por 40 euros depois de muita negociação (são umas duas horas de viagem). Então, uma boa dica é procurar outras pessoas pra dividir o táxi com vc já no ferry, se não der pra pegar o ônibus. Ou dormir por lá, que tem boas oportunidades de mergulho. Afinal, é o Mar Vermelho. Ah, e se liguem: nós fomos informados pela embaixada da Jordânia no Brasil de que a gente precisaria fazer o visto antes, pagando caros R$250. Bobagem! Não tinha nada disso. Mas, como essas coisas mudam e a própria embaixada não é uma fonte confiável, não sei bem onde seria possível verificar isso... Petra Petra é SENSACIONAL!!! E muito, muito grande! O valor da entrada é bem alto. Pra um dia de visita o preço era de 50 dinars (na época = 50 euros). Pra dois dias, passava para 55 dinars e três ou quatro dias, 60 dinars. Esses preços têm subido a cada ano. Para conhecer tudo é necessário pelo menos dois dias. Resolvemos aproveitar com calma esse lugar único e visitá-lo durante 3 dias. As caminhadas são longas e os dias em Petra bem cansativos. Mas, valem todo o sacrifício... um dos lugares mais incríveis em todo o mundo! A primeira imagem do Tesouro aparecendo nas frestas do espetacular desfiladeiro é uma cena pra guardar pra sempre na memória... O desfiladeiro vira uma cidade, cheia de tumbas, teatros e antigas avenidas. Depois de uma longa subida, o Monastério é a coroação de Petra. ANIMAL!!! Não bastasse tudo isso, tivemos um dos mais lindos finais de dia do ano. Tudo ao som do já tradicional som das mesquitas. Especial! Aman De Petra partimos para Aman, a capital da Jordânia. Tentamos ir por uma estrada chamada Kings Road, que passa por alguns castelos e dizem ter vistas incríveis, mas o táxi sairia muito caro e resolvemos seguir de ônibus mesmo pelo caminho tradicional. Aliás, a Jordânia não é um país barato como a gente imaginava. Aman é moderna e até agradável, mas não tem grandes atrativos. Menos confusa do que o Cairo, por exemplo. Pra visitar, vale ir no Teatro Romano e na Citadel. Mar Morto Aman também pode servir como base pra passeios a lugares próximos. Fechamos com um taxista um dia em que passamos por Madaba, por alguns pontos sagrados, como o Monte Nebo e seguimos até o Mar morto. Rachamos com outro hóspede do alberga que a gente ficou. Sinceramente a única atração bacana do dia foi o mar morto, que é demais! E, apesar do preço ok, pra ir só até lá, dá pra pegar um ônibus numa boa ou alugar um carro. O mar tem tanto sal que é impossível afundar... Divertidíssimo! Tem mais sobre a nossa passagem pela Jordânia em http://mochilandopelomundo.wordpress.com/2011/05/04/a-cidade-perdida-de-petra/ Daria pra ir boiando ou praticamente “andando” sobre a água até Israel, logo do outro lado. Mas, provavelmente a recepção não será muito calorosa se vc tentar entrar no país assim... Então, seguimos pelo jeito tradicional, pegando alguns ônibus e passando pela trabalhosa imigração israelense...
  5. Valeu, marioluc! Consigo levantar uma média dos gastos nesses países. Já calculei aqui os primeiros dois destinos na África já comentados aí pra trás nesse relato: Marrocos e Egito. Hoje mesmo coloco Jordânia e calculo os gastos por lá tb. Vou fazer assim, na medida em que for subindo os relatos, levanto os números, blz?! Estamos dando um gás pra deixar mais em dia esse negócio!! Média aproximada de gastos POR DIA, POR PESSOA (em DÓLARES): MARROCOS (Total: $50 a $55 por pessoa por dia) - Dá pra apertar e gastar menos, mas não é um lugar super barato não! - Hospedagem: $20. Ficando em albergues. Muitas vezes com quarto privado (casal), mas com banheiro compartilhado. Marrakesh e Fez são especialmente caras. Lugares tranquilos e bem "mochileiros" como Chefchouen e Essaoira são enormemente mais baratos. - Comida: $17. Também não é barato, mas se come muito bem (embora o cardápio não varie muito) - Transporte: $12. Rodando pelo país inteiro em ônibus comum. As viagens podem ser bem longas e desconfortáveis! - Atrações: $6. A maioria das atrações é de graça. EGITO (Total: entre $35 a $50 por pessoa por dia) - Hospedagem: $8. Logo após a revolução, pode ser que estivesse mais barato do que o normal. Ficamos a maioria das vezes em quarto privado com banheiro. Não existem mtos albergues fora do Cairo. - Alimentação: $10. Dá pra comer bem por mto pco no Egito. - Transporte: $5. Rodamos muito (trem e ônibus), mas ficamos um mês, o que diluiu esse custo... - Atrações: $25. Aí é que o bicho pega. Mas, não dá pra pensar em ir no Egito e não visitar as atrações. Valem cada centavo, mas são muuuitos centavos! Mas, com uma observação: nós mergulhamos VÁRIAS vezes no Sinai. E mesmo sendo o preço do mergulho por lá menos da metade do que custaria no Brasil, ainda assim é um negócio BEM caro. Fez a média subir. - Atrações (gastos com a parte histórica: pirâmides, templos, ruínas etc.) devem ficar em uns $15 por dia. Vou colocando as próximas na sequência. Abs.
  6. Relax na Península do Sinai De Luxor, partimos pra uma viagem de 20 horas de ônibus até Dahab, reduto de mochileiros na península do Sinai. A viagem é bem cansativa e fazer esse trecho voando pode ser uma boa ideia, mas sairia muito mais caro. Dahab é DEMAIS!!! Super relaxante com muitas boas opções de hotéis, albergues e restaurantes com ótimos preços. A água transparente e os vivíssimos corais do Mar Vermelho fazem com que Dahab seja um excelente ponto de mergulho. Os cursos também são bem mais baratos que no Brasil (fizemos o Advanced Open Water lá). Mergulhamos no naufrágio Thistlegorm, um navio da 2ª guerra mundial que foi abatido ainda carregado com tanques de guerra, pequenos caminhões, motos e artilharia. O mergulho nesse naufrágio é como uma visita a um museu sob o mar. Além do parque marinho Ras Mohammed. Por sinal, fizemos esse mergulho com o Guerra, que tb dava dando uma volta ao mundo. A gente acompanhava os relatos dele no Mochileiros e por pura coincidência nos conhecemos no barco, Sensacional!!! O relato dele ta aqui no site: rtw-volta-ao-mundo-10-meses-inicio-01-de-dezembro-de-2010-t49369.html . E essa foto aí minha mergulhando foi ele quem tirou! Mesmo só de snorkel, Dahab é um tesão. Dá pra ver muita coisa, como o Blue Hole, Canyon, Golden Blocks Light House etc!! Além do clima relaxado, bem mochileiro mesmo. Nada a ver com a sofisticação de Sharm el-Sheikh ali perto. Partindo de lá, também dá pra programar uma visita ao Monte Sinai. Saímos lá pelas 23hs, rodamos na estrada até umas 2 ou 3hs da manhã pra chegar no pé do monte. Daí em diante, é hora de começar a subida durante a madrugada pra chegar ao topo a tempo de ver o sol nascendo. A paisagem é espetacular! Na descida, dá pra visitar o Mosteiro Santa Catarina, o único no mundo em que convivem devotos judeus, cristãos e islâmicos. Tem mais do Sinai nesses dois links aí: http://mochilandopelomundo.wordpress.com/2011/04/20/mergulhando-no-mar-vermelho e http://mochilandopelomundo.wordpress.com/2011/04/27/dias-especiais-no-sinai . Planejamos passar 5 dias em Dahab e acabamos ficamos duas semanas! Era difícil demais ir embora!!! Mas, era preciso continuar e de lá rumamos para Nuweba de onde pegamos um ferry até Aqaba, na Jordânia. Logo mais subimos um post com a continuação...
  7. Oasis de Bahariya, Deserto Branco e Deserto Negro Partimos pro Oásis de Bahariya para conhecer os incríveis Desertos Branco e Negro. A viagem de ônibus dura cerca de 5 horas a partir do Cairo, passando pelo cenário bem monótono do Saara. O oásis propriamente dito é ok, nada de muito especial. Tem mta água brotando do chão e o resultado é um palmeiral improvável no meio daquela sequidão. Demos um rolê por lá de tuc-tuc. No nosso hotel mesmo acertamos um giro de dois dias pelos desertos. Aí a coisa é SENSACIONAL!! O visual do Deserto Negro: E do Deserto Branco, surreal! Dormimos uma noite "acampados" no Deserto Branco. Acampados em termos, extendemos o saco de dormir no relento e pronto. É demais a luz no final do dia e o sol nascendo por lá. Vale demais fazer isso!! Tem mais em: http://mochilandopelomundo.wordpress.com/2011/04/08/oasis-vida-no-deserto/ A princípio pensamos em ir de ônibus pulando de oásis em oásis de lá até Luxor. No final, resolvemos pro Cairo e de lá pegar de trem pra Assuan. E foi uma ótima ideia! Nas margens do rio Nilo: Assuan e Luxor Do Cairo pegamos um sleeping train para Assuan. São cerca de 12 hs de viagem, mas fomos em cabine privativa (apenas duas camas) com direito a jantar e café da manhã, e mesmo nos deslocando, foi possível ter uma ótima noite de sono por um preço camarada. Compramos a passagem na estação mesmo, tranquilo. O pôr do sol no Rio Nilo em Assuan é um clássico! Um dos pontos altos de Assuan é a ilha de Filae, tem que ir! Ir no Museu Núbio por lá é bem interessante. Já o obelisco inacabado é famoso, mas meio decepcionante. Agora, o que mais marcou, sem dúvida, foi o passeio que fizemos até Abu Simbel. São 4 horas para chegar lá, em um micro ônibus que fechamos com o hotel em que estávamos hospedados. Esse ônibus sai de Assuan às 3 da matina. Passamos cerca de 2 horas apreciando os enormes monumentos e mais 4 horas pra voltar. Apesar de cansativo, um dos lugares mais incríveis que visitamos em toda essa peregrinação mundo a fora. Cruzeiro pelo Nilo De Assuan, nosso próximo destino foi Luxor, que fica a menos de duas horas de trem ou a várias horas de navio. A região do rio Nilo é repleta de cruzeiros que fazem o trajeto Luxor – Assuan – Luxor, parando nas incríveis atrações pelo caminho. Fazer um cruzeiro desses pode ser bem caro, mas a saída que encontramos pra poder viver o luxo de uns dias num cruzeiro foi pegar um desses navios no trajeto da volta (Assuan – Luxor), quando eles oferecem as bacanas cabines vazias por cerca de US$50 (por dia pra duas pessoas!) com café da manhã, almoço e jantar incluídos. Curtimos dois dias de muito sol, piscina e as incríveis paisagens do Egito passando nas margens do Rio Nilo. Não é um negócio oficial. Você tem que ir entrando nos navios ancorados e ir perguntando. Entre uma cerveja e outra na piscina do barco, a gente seguia curtindo o cenário. Luxo no meio da viagem!! Luxor Em Luxor, foi preciso voltar a dura realidade de mochileiro e procurar um hotel bom e simples. E nós achamos uma pousadinha de uma inglesa com um ótimo custo benefício chamada Little garden. Os dias lá foram intensos com inúmeras atrações, como: o Museu de Luxor, o Templo de Luxor e o espetacular (e gigantesco) Complexo de Karnak. Luxor tem que o há de melhor em Egito Antigo, se você quiser ver algo além das pirâmides. É impressionante!! Templo de Luxor no final do dia Karnak, uma das maiores obras da humanidade Do outro lado do rio Nilo, existem outras diversas atrações como o Vale dos Reis, Vale das Rainhas e Del el-Bahari. Além dos Colossos de Memnón, Medina Habu e o Ramesseum. Uma boa e econômica ideia é alugar uma bicicleta após atravessar o rio pro lado oeste (aliás, nada de pagar os tubos pra fretar um barquinho. Vai no barco com a galera pq dura 3min. e sai por uma fração do preço). É bom começar bem cedo e seguir direto pro Vale dos Reis porque o calor é desesperador e é preciso encarar alguns trechos de subida até lá. Depois, o resto do dia é só curtir a liberdade de rodar com a magrela. Mais detalhes no http://mochilandopelomundo.wordpress.com/2011/04/13/as-margens-do-nilo/ ou post aí um comentário!
  8. Ficamos um longo tempo sem postar nossos relatos aqui no Mochileiros. Vida de mochilão pode ser dura, vcs sabem. Tendo sempre que correr atrás de um monte de coisas, acabamos deixando o relato aqui ficar bem atrasado. Vamos tentar tirar o atraso, dando pelo menos uma ideia geral de onde passamos e algumas dicas que possam ser úteis. No nosso blog, tá tudo mais detalhado, mas não conseguimos manter os dois lugares no mesmo pé. EGITO, março e abril de 2011 Passamos exatamente um mês no Egito e fomos pra tudo quanto é canto. Cairo, oásis, as cidades na margem do Nilo, um cruzeiro pelo rio e a Península do Sinai. Tem que ter certa atenção com malandro querendo te passar a perna na rua, mas dá pra levar o assédio numa boa. Não há hostilidades. Cairo Chegamos ao Cairo no final de março de 2011, logo após a revolução. No início estávamos um pouco apreensivos porque não sabíamos se país estaria 100% seguro. Mas, ao chegar lá percebemos que estava tudo tranquilo... Tranquilo mesmo! Praticamente sem turistas pudemos curtir todas as atrações da cidade sem as tão faladas enormes filas. Logo no primeiro dia visitamos o Museu do Cairo. O museu é absurdamente grande, com as obras antiquíssimas empilhadas por todos os lados. Não é permitido entrar com câmera, então se você não quiser deixá-la no guarda volume, é melhor nem levá-la (embora seja seguro deixar lá). No acervo estão expostas estátuas gigantescas, sarcófagos, jóias, ferramentas com 4.000 anos etc . Destaca-se a sala com o tesouro de Tutankamón, além de uma sala paga à parte expondo as múmias dos reis (caro!). Como podemos ver múmias em outros museus optamos por não pagar essa taxa extra. Outras atrações por lá são o Cairo Islâmico, onde está situada a bela mesquita Al-Azhar e logo ao lado, está Khan al-Khalili, uma região histórica cheia de ruazinhas e comércios que lembra muito às medinas do Marrocos. Valem ser visitadas se estiver com tempo disponível na cidade. Mas, as grandes atrações do Cairo são, é claro, as pirâmides. Para visitar apenas o complexo de Gizeh (aquele com a esfinge na frente das grandes pirâmides), você pode ir metrô. Mas, vale muito à pena conhecer as pirâmides mais antigas em um passeio de um dia inteiro. A melhor forma é alugar um taxi e ficar com ele o dia todo. É impossível tentar fazer via transporte público e sai mais em conta do que pode parecer. Os principais destinos são Saqqara (Pirâmide Escalonada), Memfis (a antiga capital do Egito onde resta pouca coisa), Darshu (Pirâmide Vermelha) e Gizeh. O dia foi super puxado, sem pausa pra almoço, mas foi sensacional!! Tem mais nesse endereço: http://mochilandopelomundo.wordpress.com/2011/04/02/o-egito-todo-so-pra-gente Ou então, posta a dúvida aí, que se a gente souber, responde!
  9. Valeu edtrindade e Elter!!! Realmente, fiquei mto tempo sem atualizar o post. Mas, agora vai. Vou aos poucos, mas vou subindo aqui os últimos meses. Estamos agora na Índia, mas desde Madrid já passamos por Egito, Jordânia, Israel, Grécia, Itália, Holanda, Inglaterra, África do Sul, Namíbia, Botswana, Zimbábue, China, Tibet e Nepal!! Então, mta história pra contar...! eheheeh Valeu pela força, abraços!!
  10. Guerra, não sei se vc viu, mas colocamos algumas fotos q vc tirou no nosso mergulho no Sinai no nosso blog. Elas têm sido mto elogiadas! ehehehe Abs!
  11. De fato, entramos por Aqaba com o visto vencido e não pagamos nada. Saímos hoje da Jordânia e na saída sim há uma taxa de 8JD (mais ou menos 8 euros) pra qq estrangeiro deixando o país.
  12. MADRI, março 2011 Nós imaginamos que passar uns dias em Madri sairia muito caro. Os primeiros albergues que pesquisamos custavam pelo menos 16 euros por pessoa, a comida é cara e lembramos dos preços das atrações em Barcelona, que é altíssimo! Ficamos até na dúvida sobre realmente ficar lá. Até porque a princípio a gente não pararia na Espanha. Viajamos esses trechos entre Marrocos e Egito com a passagem da One World e Madri era só uma escala. Mas, começamos a ver umas alternativas e, no final, por incrível que pareça, foi uma das semanas mais em conta da viagem até agora. Ficamos no International Hostel, muito bem localizado e por 9 euros por cabeça. Baratasso! Só q em quarto com 14 pessoas e apenas dois banheiros no albergue inteiro. Ou seja, filas demoradas de manhã e no final do dia pra usar... E tb não tem áreas comuns. Só uma cozinha pequena, que nós usamos na maioria dos dias pra fazer nosso rango comprado no supermercado. E aí, curtir Madri pode sair bem em conta, porque não se paga pra andar na rua. Nessa foto aí, tá o Palácio das Cibeles. Dá pra fazer um roteiro mto bom nessa região, é bem bonito e gostoso de circular. Se deixar pra chegar no Museu do Prado depois das 18hs, é de graça! No Reina Sofia tb é de graça tb depois das 19hs. E tem mtas exposições e galerias q tb são free. Em qq ponto de informação pra turistas dá pra pegar a programação completa, mapas e outras dicas. Vale à pena ir logo no primeiro dia. Outro lugar pra ir é o parque Bom Retiro. Mto bonito! O q pode te custar uns euros a mais é a noitada, que em Madrid é boa demais. Ainda assim, informando-se no albergue sobre os bares de tapas certos, dá pra levar. Por lá, como em mtos lugares da Espanha, vc paga pela cerveja e leva os petiscos junto. Relaxamos em Madrid, porque o Marrocos tinha dado uma canseira. E aí, seguimos pro Egito pra ficar um mês.
  13. Inacreditável, Guerra!!! Pensar que qdo sua viagem começou, a gente ainda estava em casa na expectativa pra nossa partida. Ficamos acompanhando os seus relatos e pensando: “daqui a pco é a gente q tá lá...!” Vc saiu pra um lado do mundo, nós fomos pro outro. E quem diria q a gente iria se encontrar mesmo no meio do caminho, sem combinar nem nada. No mesmo barco e ainda no mesmo grupo de mergulhadores. Sensacional!! Mto bom te conhecer, parceiro! O lance da foto, eu agradeço. Vou jogar na conta do anonimato, hahaha! Quem sabe não encontramos em Petra? Nós estamos aqui em Wadi Mousa e o lugar é fantástico! Reserve pelo menos dois dias, é enorme e vale à pena. Se a gente não se ver por aqui, nos vemos pelo mundo (ou no Brasil). Boas viagens, parabéns pela sua jornada, q tá mto legal! Seguimos te acompanhando aqui. Abração! Fred e Letícia
  14. Exatemente, heka: ponto pra descanso! Estamos numa vigem bem longa q chegou agora aos 2 meses. Viemos pra ficar uns 5 dias e já estamos há mais de 10. Saímos do Brasil com visto pra Jordânia e preferimos deixá-lo vencer a ir embora... Mas, agora té chegando a hora. Ainda tem mto mundo pela frente!
  15. Fala Sandero! Q belo roteiro! Estou viajando pelo Egito há quase um mês e posso te falar como eu me resolvi por aqui. Eu e minha mulher passamos pelo Cairo, Oásis de Bahariya (desertos Branco e Negro), Asuán, Abu Simbel, Luxor e Sinai. Em primeiro lugar, o Egito tá bem vazio e isso é mto bom, aproveite! Pelo q vi, vc passa no Cairo, Luxor e Nuweiba. No Cairo nós ficamos na Pension Roma. Bem localizado, limpo, agradável e com preço bem justo (+ou- R$35 pro casal com banheiro compartilhado e café da manhã). Nos restaurantes frequentados pelos locais, vc tb pode comer bem e barato e pagar R$3 no almoço - bebida incluída! Em Luxor esses gastos tb não mudam mto. O rango é q fica mais caro pq é mais difícil fugir de lugares mais turísticos. Mas- , dá pra comer com menos de R$10. Lá ficamos num hotel chamado Little Garden. +ou- R$25 pro casal num qto bem arrumadinho com ar condicionado, banheiro privativo e café da manhã. Mas antes de fazer as contas, saiba q o q custa mais caro no Egito são as entradas pras atrações. Essas não são baratas e o preço não caiu com a sumida dos turistas. No final, eu calcularia uns US$40 a US$50 por dia se vc estiver pensando em viajar no modo econômico, mas sem deixar de visitar os lugares alucinantes q vai passar. Com mais uns US$20 por dia, vc relaxa e passa mto bem. Considere tb q em Luxor nessa época vai tá um calor absurdo, prepare-se! Sobre o Sinai, ouvi falar q Nuweiba tem uma praias bem bonitas. Mas, pense na possibilidade de vir a Dahab. Aqui é lugar de mochileiro, o q não se vê tanto no resto do Egito. A vibe da cidade é sensacional, com praias alucinantes e pontos de mergulho ainda mais reconhecidos, como o Blue Hole. Com grana curta se vive como rei. Os mergulhos custam cerca de R$40, incluindo aluguel de equipamentos, o q é bem em conta. E com rango e hospedagem se passa mto bem com R$50 dia. Daqui, nós tb vamos seguir pela Jordânia e Israel. Mas, com roteiros mais curtos q o seu nesses países, principalmente em Israel (só Jerusalém e Mar Morto). Vou usar sua dica sobre por onde entrar no país. Sabia do lance do carimbo, mas não desse ponto específico da fronteira. De repente, antes de vc partir, posso te falar como foi. Boa viagem!
  16. Valeu Eiter! Continuando a atualizar o relato: MARROCOS, março 2011 O Marrocos foi o primeiro país árabe e islâmico do roteiro. E quando a coisa começou a ficar bem interessante. As diferenças culturais são fortes, principalmente qdo se sai dos pontos mais turísticos. As paisagens no interior são alucinantes, as cidades são surpreendentes e a vida do visitante não é fácil. O Marrocos tem de tudo pra amar e pra odiar (talvez nisso se pareça com a Índia). De um lado, é animal vivenciar um pco de outra cultura. De outro, tem muita gente tentando tirar proveito dos extrangeiros e vendedores excessivamente insistentes. Também é mais caro do que a gente esperava. Nada disso seria motivo pra não ir lá. É apenas o caso de se preparar pra dias intensos e ficar bastante atento o tempo todo. A tradicional burca é o traje obrigatório para as mulheres mulçumanas. No mínimo, cobrindo os cabelos. Chá com menta em uma casa beduína. Esse chá é bebido em toda parte e é uma delícia. Cena do interior do país. Onde tem água, crescem as cidades. Nessa foto tem um camponês usando a roupa mais comum entre os homens, uma espécie de capa do mestre dos magos. Litoral Chegamos por Agadir e, sinceramente, a cidade não chega a ser especial. É um balneário voltado pro turismo europeu, mais ocidentalizado que a maioria do país. Como de praia nos entendemos mto, não dá pra comparar. Encontramos uns amigos que moram na Alemanha e seguimos pra Essouira. Lá sim, foi mto bom! Foi a primeira medina que visitamos. Uma espécie de centro histórico fortificado bem característico. É cheio de lojas vendendo coisas típicas, como essa aí embaixo que vende ervas e temperos. O ambiente é mais relaxado que em outros lugares de lá e descolamos um bom albergue. Cerveja não é fácil de achar, o mulçumano não bebe e raramente vende. Mas, procurando bem, encontra. Não é cheia de pontos turísticos. O negócio é matar o tempo rodando a medina e descansar antes de partir pra cidades maiores. Marrakesh Sei que corro o risco de me tacarem pedras, mas achamos Marrakesh estressante. Tá certo que vale à pena, com a medina enorme, com encantadores de serpente e outros personagens exóticos nas praças. Mas, aqui, a apurrinhação e a malandragem passam dos limites. As montanhas em volta e as torres das mesquitas vistos do terraço do albergue. Quando fomos pras ruas, era impossível não se perder. Dá pra realmente não encontrar o que vc saiu a procura e nem conseguir fazer o caminho de volta. Não conte q um mapa vá resolver o seu problema e peça informação nas lojas. Se perguntar pra alguém na rua, vai acabar dentro de uma loja ou tendo q pagar pela "ajuda". De qualquer forma, nem pense em ir ao Marrocos e pelo menos não passar lá. Também é uma boa opção pra agendar uma excursão ao Saara. Você pode fazer isso diretamente em uma cidade lá mais perto, mas o caminho é cheio de coisas pra fazer que vão dentro do pacote. Só não reserve antes, fazer isso lá é mto mais barato. O interior Rodamos de ônibus o tempo todo e chegamos a gastar 13hs pra rodar 400km. É um destino sensacional pra quem curte viajar de moto ou de carro. Os cenários são inesquecíveis e, se tomar cuidado na estrada e com as loucas regras do trânsito, é tb bem seguro. A cadeia de montanhas do Atlas corta o país e chegamos e ficar presos em uma nevasca. A cidade de Ouarzazate. Excelente! Desfiladeiro de Todra, paraíso pra escaladores. Saara Se qdo falam em acampar no Saara com os bedúinos, vc se imagina sozinho vagando de camelo pelo deserto, vai ficar um pco decepcionado. São grandes grupos de turistas em um esquema mais ou menos bem estruturado. Não q tenha conforto, dorme-se em umas tendas cheias de areia. O que vale mesmo é o visual. O sol nascendo e as dunas dorados é um espetáculo a parte. E bem ou mal, duas horas de camelo irão te levar, no mínimo, pra bem longe da civilização. Fez Embora seja até maior, Fez é mais tranquila que Marrakesh. Tem menos pentelhação, mesmo q se perder tb seja a regra dentro da medina. Arquitetura arábe Tanneries Encara? Chefchouen Chefchouen fica no norte do Marrocos e lá dá pra ser bem feliz. O preço despenca em relação às cidades maiores e o ambiente é bem mochileiro e relaxante. A cidade é azul. Tudo tem essa cor. Lugar pacato, bom pra matar o tempo rodando dentro da medina ou na região, que é bem bonita. Pra quem curte um clima de montanha, é prato cheio! Casablanca A visita à Casablanca vale realmente à pena por conta de bela Mesquita Hassam II. Fora isso, não há mto o q fazer. Mas, a mesquita é incrível! De Casablanca, embarcamos pra Madrid. A princípio, a gente iria apenas fazer uma escala lá a caminho do Egito. Mas, não conseguimos tirar os vistos antes e também resolvemos passar um tempo na capital espanhola. Então ficamos uma semana por lá, que eu coloco algumas fotos em breve.
  17. GRENOBLE - França, março 2011 Saímos de Barcelona pro sul da França, em Grenoble. Fomos principalmente porque temos um grande amigo morando lá. A França é realmente um lugar mto caro e pra nós só foi viável pq ficamos na casa dele. Ainda assim, o custo não foi baixo... Mas, valeu à pena. Lugar bonito aos pés dos Alpes, cheio de visuais sensacionais por perto. Na cidade mesmo, não existem mtas opções. Mas, um bom programa é subir pro alto de la Bastille. A vista justifica o frio e os euros do teleférico! Pra quem curte esportes de neve, o lugar é o paraíso. Tem uma dúzia de estações por perto, algumas delas estão entre as maiores e melhores da Europa. Já até sediou olimpíadas de inverno. Tb é bom lugar pra voar de paraglider ou asa delta, programa predileto desse brother nosso. Fora isso, é uma cidade pequena e universitária. Tem um ritmo lento, gostoso. Mas, sempre com algum boteco pra matar o tempo. Passamos uns bons dias de descanso antes de embarcar pro Marrocos. Lá a vida foi mais dura...!
  18. Algumas fotos da trip: PORTUGAL, fevereiro 2011 Lisboa Sintra Guimarães Braga Porto
  19. Pois é, Heiter... Vc viu os outros posts sobre o Marrocos no Blog? No final, minha impressão até melhorou, mas achei mto cansativas as cidades grandes por lá. Enquanto as menores, valeram bem mais à pena... Vou tentar subir umas fotos aqui, pelo menos do começo da viagem e colocar um relato sobre França, Marrocos, Madrid e Egito, que onde estamos já há uns 20 dias. Abraço
  20. Fala Heiter! Já fomos e voltamos do Marrocos. Passei um tempo sem acessar aqui e fiquei sem as suas dicas. Fica pra próxima, blz? Nas últimas semanas fomos pra Barcelona, pra uma cidadezinha no sul da França e pra vários lugares no Marrocos. Agora estamos em Madrid. Vamos ficar aqui alguns dias antes de embarcar pro Egito. Aliás, se alguém puder confirmar como está a situação por lá, principalmente se for notícia boa, me avise! A gente não esperava, mas passamos frio em Barcelona. Na semana que ficamos lá, a temperatura despencou. Se não deu pra pegar praia, ainda existem mtas opções na capital catalã. Eu tinha ido lá há mto tempo e vale à pena voltar outras mil vezes! A cidade é compacta, então com boa disposição, dá pra fazer tudo a pé – a melhor pedida. Destaque pras obras de Gaudí, arquiteto modernista e maluco que projetou algumas das construções mais incríveis que podem ser vistas em qualquer lugar do mundo. O cara é sem igual, na sua lista estão o Parque Guell, Casa Batlló, La Pedrera e muito mais. Além, é claro, do maior cartão postal de Barcelona, a Sagrada Família. Pra quem não sabe, essa catedral megalomaníaca começou a ser construída no começo do século passado e ainda está na metade do caminho. Já é gigantesca e vai ficar descomunal!! Ficamos num albergue perto das Las Ramblas, um calçadão cheio de artistas com suas performances em busca de umas moedas. Tb tá cheia de restaurantes e turistas. Mtos turistas! Todo canto da cidade vive lotado de gente visitando, tirando fotos etc. E tem que ficar ligado nos batedores de carteira, é mto comum... Rodamos tb pelo Bairro Gótico, Barceloneta, a região do estádio olímpico (que tem várias atrações, como a Fund. Miró e o Palau Nacional) e outras vezes rodamos meio sem rumo mesmo, curtindo o cenário. É caro comer em Barcelona. Então, fizemos mto rango no albergue. Mas, dá pra ir na La Boqueria, um mercado sensacional que fica nas Ramblas e com várias opções deliciosas a um preço justo. E uma graninha vai embora de noite com tapas e cerveja, não dá pra perder! Outra fonte inevitável de gastos são as atrações. Quase td é pago e quase nada é barato. Então, tem q selecionar e ficar de olho nas promoções, como museus de graça nos primeiros domingos do mês. Uma coisa q fizemos foi ir a um show de guitarra espanhola no Palau de la Musica Catalana, mto bom!! Tô devendo e vou correr atrás. Vou tentar escrever logo sobre a França e o Marrocos e tb ver se coloco aqui algumas fotos.
  21. Agora estamos em Barcelona e pra cá deixamos 6 dias. Melhor assim pq dá pra curtir td com calma! Depois, eu coloco mais sobre o q estamos fazendo por aqui...
  22. Atualizando o relato da viagem... Estamos na segunda semana e chegamos hj em Barcelona. Vou falar um pco desses últimos dias q passamos em Portugal. Aliás, saímos com uma excelente impressão do país. Eu já tinha ido lá há 2 anos, mas pra passar só uns 3 dias em Lisboa. Dessa vez, voltei com mais tempo e não me arrependi! Lisboa é fantástica. Bem organizada, com bom transporte público (pelo menos, pro nosso padrão brasileiro é mto bom e fácil de usar!), com as construções antigas mto bem preservadas e com várias atrações novas surgindo. Mto gostoso andar meio sem rumo pelo centro histórico, deixando os casarões, igrejas e largos surpreenderem. Mas, tem q subir até o Castelo de São Jorge. Tanto pq o castelo é fantástico, como pq a vista de lá é espetacular. No final do dia, dá pra ver o sol se pondo no rio Tejo, com a ponte 25 de Abril e os telhados vermelhos brilhando. Tb é obrigatório ir até Belém. Tem as atrações tradicionais, o Mosteiro dos Jerônimos q é imperdível, a Torre de Belém e o Padrão dos Descobrimentos. E tem coisas novas, como a Casa de Cultura Belém e o novo Museu do Coche, ainda em construção. E é claro, é lá q se come o famoso Pastel de Belém. O original, é só lá! Outra atração relativamente nova é o Parque das Nações. Um bairro moderno, construído pra Expo 98. Parece outro lugar. As construções antigas e bem conservadas dão lugar a prédios modernos, torres quase futuristas e um monte de atrações (oceanário, museus, parque de águas etc.) Mto bonito, mto organizado. Já nos arredores de Lisboa, fomos apenas pra Sintra. Cheia de montanhas e vales, é um lugar sensacional! Um monte de palácios e castelos, um mais espetacular q o outro. Principalmente o Palácio da Pena. Nosso erro foi já chegar de tarde. Tem mta coisa pra fazer e valeria um dia inteiro, sem dúvida! Nós ficamos na casa de um amigo português q não estava lá. Salvamos uma grana com albergues. Parte dela foi pra tomar umas ginginhas, uma bebida tradicional dos tugas, e tb pra tomar umas cervejas no Bairro Alto. Tem q ir no Bairro Alto de noite, de preferência num fds. Os caras não fazem nada demais, ficam tomandos suas cervejas e ginginhas no meio da rua, mas uma multidão invade aquele bairro pra fazer isso. Apesar das confusões normais da bebedeira da galera, td é mto seguro o tempo todo. Aliás, se pode andar mto tranquilo em qq uma das cidades de Portugal q nós passamos. Saímos de Lisboa de trem (ou comboio, como eles falam) até Guimarães, no norte, perto do Porto. Guimarães é pequena e mto bonita. Dá pra conhecer em 1/2 dia mas, se puder, fique mais! Parece q vc voltou no tempo enquanto almoça em algum largo entre o q um dia foram as muralhas q cercavam a cidade. E é mais bonita q Braga, cidade "rival" próxima, mas q ficou um pco descaracterizada com a construção de prédios novos no meio do centro histórico. Só q Braga tem a igreja de Bom Jesus, q é sensacional!! Com uma escadaria cheia de estátuas e fontes e um visual nota 10. Então, tem q ir, nem q seja pra ver a igreja, subir (ou descer) sua escadaria e voltar. No último dia, fomos pra Porto. Começamos cedo pq um só dia pra Porto é pco. Mas, deu certo. Andamos pra burro, mas vimos mtos lugares q valiam à pena. O ar é mais decadente e boêmio e as construção não estão tão bem preservadas como em Lisboa. A maior beleza fica por conta da caminhada pelas margens do Rio Douro, com a cidade empoleirada nas encostas, com suas incontáveis igrejas e casarões e as colossais pontes de ferro ligando os dois lados. Atravesse uma dessas pontes, de preferência a Luis I e vá experimentar o vinho do Porto direto da fonte. A degustação é grátis! Nesses dias em Guimarães, nós ficamos na casa de uma amiga brasileira q tá fazendo um doutorado por lá. Com isso, toda noite era mto vinho e risada até tarde. Como hj acordamos cedo pra pegar o trem pro Porto e depois um vôo pra Barcelona, estamos pregados, mas felizes. Está começando a segunda etapa: Espanha! Vamos ficar por aqui 5 ou 6 dias. Dou mais notícias depois...
  23. Saí hoje de Guimarães. Dormi 3 noites lá. Mto bom!!! Fui de ônibus a Braga, 45 min. por 1,4 euro. E de trem pro Porto, 1h15 por 2,3 euros. Estou agora em Barcelona, mas vou sentir saudades dessa cidade, toda mto bem preservada, recomendo tb a visita ao castelo, é de graça!
×
×
  • Criar Novo...