Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para 'pico dos marins'.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 86.331 registros

  1. Olá! Vou estar na chapada dos veadeiros nos dias 26/11 a 30/11. Se alguém estiver por lá nesses dias e quiser fazer algum passeio junto ou tiver dicas de passeios e atrações só dar um toque. Abraço!
  2. Oi Jana, Estou planejando fim de maio e início de junho, já comprei ingresso para um show na Italia mas ainda não defini o restante dos países. Não quer antecipar um pouquinho a sua viagem? =P
  3. Salve, mochileiros! Estou montando um roteiro de mochilinho na terra do pão de queijo, e pretendo incluir a subida ao Pico da Bandeira, obviamente por Alto Caparaó. Pela experiência de quem já foi, quanto tempo, em média (dias) devo reservar para ir a Alto Caparaó, acessar o parque, fazer a subida ainda de dia, montar acampamento, chegar ao cume na madrugada do dia seguinte, e descer?
  4. Morretes DDD (41) Período: 03 a 10/12/2018 Cidades: Morretes, Antonina, Paranaguá e Quatro Barras* A região turística Litoral do Paraná engloba as cidades de Morretes, Antonina, Guaraqueçaba, Paranaguá, Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná. São cerca de 100 km de litoral, destacando-se a Ilha do Mel e o Parque Nacional do Superagui. Nas praias, ilhas e baías, podem ser avistados golfinhos e muitas aves. Além dos encantos do mar, há cachoeiras na maior área contínua brasileira de Mata Atlântica. Somando-se às belezas naturais, destacam-se as cidades históricas como Guaraqueçaba, Morretes, Antonina e Paranaguá e os caminhos históricos das ligações entre o litoral e o planalto como o Caminho do Itupava, a Estrada da Graciosa e a Estrada de Ferro Paranaguá-Curitiba. Suas riquezas também estão na cultura caiçara das canoas de bordadura, do fandango e na culinária típica do barreado e da banana servida na forma de bala, cachaça e chips. Confira abaixo as dicas e o relato de viagem. Fiquei hospedada no centro de Morretes, de onde parti para conhecer Antonina e Paranaguá. A infraestrutura turística é pequena, pois atende majoritariamente os turistas que só vem almoçar e passar parte da tarde na cidade, mas é suficiente para atender quem desejar pernoitar. * Quatro Barras, na verdade, faz parte de outra região turística, a Rotas do Pinhão. Obs.: ATENÇÃO: Não possuo nenhum vínculo com hotel, restaurante, agência, loja e qualquer outro tipo de estabelecimento divulgado nos meus relatos de viagem. Alguns dos pontos turísticos listados, bem como alguns estabelecimentos, não foram visitados por mim e as informações foram obtidas de guias ou funcionários de CITs ou são provenientes de pesquisa. Portanto, recomendo que antes de utilizar qualquer serviço, verifique com a secretaria de turismo da cidade e/ou outras fontes idôneas e confiáveis, como sites oficiais do governo ou órgãos de ensino/pesquisa, se os dados são atualizados e/ou verossímeis. Verifique também as datas dos relatos; algumas informações permanecem válidas com o passar dos anos, porém outras são efêmeras. Esse site não se propõe a ser um guia turístico, trata-se apenas de um relato de viagem e um apanhado de observações, experiências vivenciadas e opiniões de cunho pessoal que não têm a pretensão de ser uma verdade absoluta, pois retratam apenas uma faceta ínfima do diversificado e amplo universo histórico e cultural que um destino de viagem proporciona. Vá, experimente, vivencie e encontre a sua verdade. **************************************** Nanci Naomi http://nancinaomi.000webhostapp.com/ Trilhas: Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté Relatos: 23 dias no PR - dez/2018 - Parte 1: Natal de Curitiba | Parte 2: Morretes 15 dias em SC - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas 3 dias em Monte Verde - dez/2014 21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro 11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo 21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi 21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú 8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est 25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010 Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009 Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009 19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal 10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008 De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008 Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007 Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes 9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul
  5. Fala Galera, finalmente to tomando coragem pra fazer minha primeira viagem sozinho. Sempre fiquei dependendo de ter alguém pra viajar comigo mas datas, orçamentos e disposição nunca bateram, e nunca consegui viajar. ACHO QUE AGORA VAI, tenho um certo receio de estar por conta própria, mas acho que faz parte da experiência. Sempre quis viajar pra Argentina e há anos tenho pesquisado e feito vááários roteiros que nunca se concretizaram. Agora, pesquisando preços de passagens, achei valores que achei incrivelmente baixos e antes de reservar, queria confirmar com vocês se meu (pouco) planejamento até agora está nos conformes e se os valores realmente valem a pena. Bem, moro em Florinópolis/SC, mas achei as seguinte passagens: Porto Alegre para Buenos Aires FLYBONDI Ida: 14/04 (19:25 - 20:10) Volta: 30/04 (17:05 - 18:40) Total: R$426,91 A Flybondi não tem bagagem incluída, porém eles mencionam isto: A piece of hand luggage of up to 6kg is included. If you are flying to or from Brasil, 10kg are included for hand and cabin luggaged combined. Então eu teria 10kg para levar na cabine. Vocês acham que é possivel passar 16 dias (no possível frio de Bariloche) com 10kg de bagagem só? Eu teria que pagar 110 reais por trecho pra levar mala de 20kg. Buenos Aires para Bariloche AEROLINEAS ARGENTINAS Ida: 17/04 (13:00) Volta: 29/04 (15:25) Total: R$316,43* *Aqui que pega, esse voo não inclui nenhuma bagagem, apenas "mochila que caiba embaixo do assento", não achei peso nem nada, porém para poder levar bagagem adicional, que também não sei ao certo o peso, pelo site da Cia, seria cerca de R$50 por trecho, então o total poderia ficar em R$ 416 +-. O que acham? HOSPEDAGEM: No Booking.com, encontrei o Hostel HOPA-Home Patagonia Hostel & Bar, a 1,1km do centro (no site deles diz 700m). 12 dias - R$371 + R$78 de ISS (Quarto compartilhado com 8 camas) Alguém já se hospedou neste hostel? Parece ser bom e bem completo, porém queria opiniões da galera daqui. O preço está ok também? O QUE FAZER: Bem, aqui eu teria que com tempo reler meus guias, comprar guias novos (o que tenho é de 2013), e meus roteiros antigos, porém tenho uma boa noção do que quero conhecer, até locais mais distantes, como El Bosón, Ventisquero Negro, Rota dos 7 Lagos, etc. O problema é que dessa vez meu planejamento vai ser sem carro, e estou 100% desatualizado em como tá a situação lá pra usar Uber, 99, Bla bla car, etc, qualquer tecnologia que facilite transporte. Ou se ainda devo me focar em tours, passeios contratados pra conhecer certos lugares, tipo fazer o circuito chico, grande, rota dos 7 lagos, e idas pra lugares mais longe. E até mesmo transporte dentro da cidade. Vocês poderiam me dar um help nisso? Eu queria muito conhecer alguém lá e fazer esses passeios juntos. Mas enfim, para conhecer bem Bariloche e região, vocês acham que 11, 12 dias dá com tranquilidade? Não sei que tipo de viajante sou, mas sei que quero apreciar muito o lugar. E também, coloquei uns 3 dias para Buenos Aires, acho que vai ser meio corrido, mas como meu foco é Bariloche mesmo, acham que é suave deixar esse tempo pra capital? Eu queria muito incluir Mendoza e o Aconcágua nessa viagem, mas acho que encareceria muito, mas fazia parte do meu roteiro dos sonhos, mas acho que fica pra uma próxima. Desculpem o post longo, mas tentei organizar o máximo possível! Valeu galera!
  6. Existem várias cachoeiras grandes a uma distância relativamente baixa de São Paulo, e várias delas tem alguma estrutura que permite o acesso por pessoas que geralmente não fazem trilha, seja por problemas de locomoção, ou por simplesmente não gostar. Acho que é importante existir lugares para todos, quem deseja aproveitar o dia na cachoeira com a família toda, e quem deseja andar por horas para ter uma cachoeira mais vazia. O importante é que a natureza seja preservada, e que os locais, com estrutura para visitação ou não, sirvam de canal para conscientizar as pessoas sobre a preservação. Eu prefiro cachoeiras vazias, que geralmente são encontradas depois de trilhas, mas nem sempre rola visitá-las. Então visitei duas cachoeiras em Joanópolis, e tentei aproveitá-las da forma que mais me fizesse bem. Na Cachoeira Escondida, fui até a queda e aproveitei o clima fresco que as árvores e a água trazem, e na Cachoeira dos Pretos eu quis evitar a quantidade de pessoas que faziam a visita, então aproveitei vendo de longe, com uma vista incrível dos seus 154 metros. A viagem é mais importante que o destino. Gastos: 80 reais de gasolina (o carro é um Ka 2004 1.0) Tomamos café em casa, e almoçamos na volta (40 reais dividido entre 2 pessoas) De pedágios fica em torno de 10 reais, ida e volta somadas. Entrada na Cachoeira Escondida: 5 reais por pessoa. Joanópolis é a cidade do lobisomen, então você vai encontrar diversos bonecos e estátuas de lobisomens pela cidade. Vídeo da viagem: Good trip!
  7. Olá pessoal, Estou a procura de um grupo que irá realizar a travessia dos Lençóis Maranhenses partindo dia 11/06 para raxarmos os custos de guia e que tenham interesse em realizar uma parte do primeiro dia de carro, pois estarei com minha guria e ela esta com receio de fazer o percurso todo trilhando. Já aproveitando queria também tirar algumas dúvidas. Para realizar a travessia o que devo OBRIGATORIAMENTE levar? E uma bolsa de 75 litros é muito grande para fazer a travessia, qual seria a ideal? Se tiverem contatos de algum guia será de bastante utilidade. Se alguem tiver alguma dica sobre a travessia também é de grande utilidade. Agradeço desde já.
  8. Gente, acabei de voltar de uma viagem pela Costa Amalfitana, na Itália, e estou ansiosa para compartilhar o que eu considerei a melhor descoberta da trip. Todo mundo sabe que a estonteante Costa Amalfitana não é dos lugares mais baratos da Itália. A imensa maioria dos passeios é pago, o que, às vezes, se torna inviável para quem está com o orçamento contado. Muita gente diz que os passeios de barco são a melhor maneira de ter uma ideia da grandiosidade dessa parte do litoral italiano, cenário de filmes e romances. Eu concordo que é um passeio bacanérrimo, mas descobri que não é a única maneira de ter uma vista privilegiada da região. Fica a dica: gastando menos de 10 euros, faça a trilha “Sentiero degli Dei”. Em português, isso quer dizer “Caminho dos Deuses”. Sem exageros, é quase assim que nos sentimos quando estamos lá em cima dos penhascos, percorrendo caminhos de terra estreitos, à beira de abismos e com uma visão total do mar azul, das casas encravadas nas montanhas, das plantações do famoso limão siciliano e do céu. Eu digo que é a vista mais privilegiada porque caminhamos bem pertinho das nuvens, em meio a muito verde e num silêncio relaxante. Às vezes, só interrompido pelos béééé de cabras ou algum pássaro. A trilha dura cerca de 3 horas. Ela começa num vilarejo chamado Bomerano e termina em Nocelle, um vilarejo perto de Positano. Não é de grande dificuldade, mas requer alguma familiaridade com trekkings porque há trechos em que o terreno é bem acidentado. Com cuidado e calma, pode ser feita pela maioria dos aventureiros. Posso dizer que o almoço-piquenique que fiz lá do alto, debaixo de uma árvore e soboreando um sanduíche de queijo Fior di Latte (tradicional da região) e presunto Parma, que comprei numa salumeria no vilarejo de Bomerano, onde começa a trilha, ficará para sempre na minha memória. Vamos às informações sobre a logística, porque, chegar ao paraíso, claro, exige esforço. A trilha começa na vila de Bomerano, em Agerola, uma cidadezinha da Costa Amalfitana, perto de Amalfi. Para chegar até lá, terá que pegar em Amalfi um ônibus comum urbano com destino a Pomeriggio. Os tickets são vendidos no quiosque de informações turísticas na praça principal de Amalfi e custam menos de 2 euros. A viagem dura uns 40 minutos. Peça para descer no ponto de Bomerano. Quando eu fui, o ônibus quase inteiro desceu nessa parada. Daí, você terá que caminhar (5 minutinhos) até o centro da vila, que se resume a uma praça, com padaria, café e uma salumeria divina. Tem uma placa bem grande em frente ao ponto de ônibus indicando a direção. Eu recomendo que você compre na salumeria o queijo Fior de Latte, o presunto Parma e o pão de focaccia e peça para a atendente montar o sanduíche pra você. Eles são muito gentis e fazem isso numa boa. Fatiam o quanto você quiser de queijo e do presunto e preparam o sanduíche. Sem fazer economia nos ingredientes, paguei 5 euros por dois sanduíches. Inesquecível!!!! Compre também água. Na trilha, há locais para reabastecer o cantil. Com a mochila pronta, comece a caminhada. A trilha sai dali pertinho da igreja e é bem sinalizada. De resto, é só afiar as canelas e contemplar. Quando chegar em Nocelle, tem ônibus para Positano. Há quem faça o caminho na ordem inversa, começando por Nocelle. Mas precisa saber que a trilha é mais árdua, porque é subida. Para mim, acabou sendo um passeio de dia inteiro, porque, como estava hospedade em Positano, precisei me deslocar até Amalfi (optei pelo ferry-boat a 8 euros e dura 20 minutos). Comecei a caminhar por volta do meio-dia e terminei depois de mais ou menos 3 horas. Sem pressa, parando para fotos, descanso e piquenique.
  9. Comprei passagem para chegar em Brasilia 19/12/2019. Pelo que pesquisei, o melhor proveito, é realmente alugar carro devido a falta de transporte público nos ramais e estradas de Alto Paraíso e arredores, principalmente neste período de baixa temporada onde as caronas são mais difíceis. Se eu conseguir pelo menos 1 pessoa pra dividir o aluguel do carro, fica mais tranquilo o valor e mais proveitosa a viagem. Senão, irei de ônibus e verei no que dá. rsrs Qualquer coisa, whatsapp (92) 98261-1992
  10. Galera, nunca fiz relatos aqui, por relaxamento mesmo (rsrsrsrs), mas esse achei legal postar, quem quiser ver fotos pode me seguir no instagram (aldoluizcs) que sempre posto lá varias fotos, e qualquer duvida que possa esclarecer estou a disposição. Abaixo segue meu relato da experiência incrível que tive nos Lençóis Maranhenses, e acredite vale muito apena! Os Lençóis Maranhenses ficam a cerca de 260 km de São Luís - MA, o parque foi criado em 1981, e tem aproximadamente 160 mil hectares, com dunas de até 40 metros de altura e lagoas de água doce e cristalina sensacionais. Um dos principais acessos ao parque é através da cidade de Barreirinhas (roteiro que fizemos), também pode ser iniciado por Santo Amaro, a grande vantagem de começar por Barreirinhas é a de sempre andar a favor do Vento. O Contato de guias pode ser feito com os guias independentes, no entanto existem poucas informações e paginas destes na internet (vai ter que cavar muito pra achar), então o melhor mesmo é entrar em contato com a Cooperativa de Santo Amaro (santoamarocoop), no telefone (98) 98861-7358 ou pelo email: [email protected], e também no Facebook da cooperativa. O nosso guia o Ribeiro, é natural dos Lençóis, nascido e criado na Baixa Grande, conhece muito o caminho das dunas, e tem um senso de orientação absurdo, é muito gente boa, o contato dele é no telefone: (98) 99617-1708, o valor cobrado para a travessia foi de R$ 200,00 a diária para até 4 pessoas, acima disso R$ 50,00 por pessoa extra, se for um grupo maior pode se negociar o valor. A Travessia dos Lençóis Maranhenses tem um Grau de dificuldade moderado/Alto (Tem que estar em boa forma, se tiver sedentário vai sofrer como eu, rsrsrsrs) devido ao terreno de areia fofa das Dunas, mangues e lagoas, o que em dados momentos dificulta um pouco a locomoção desgastando muito os pés. Uma opção legal para minimizar o desgaste dos pés é fazer a rota de papete de trekking ou sandália confortável, com ou sem meias, ou apenas de meias, ou até descalço é uma opção para poucos quilômetros, acredito que o ideal é ir testando todos, andei muito descalço e abri duas bolhas enormes nos dedões, e como se cruzam várias lagoas e mangues as vezes o calçado atrapalha, então revezamento é a palavra. Recomendo levar apenas uma roupa pra caminhar, eu fui de calça leve, camisa manga longa UV, protetor de rosto e boné, ajudou bastante com o sol, na caminhada durante o dia. Se não se cuidar vai queimar feio, e levar também uma roupa extra para usar para dormir. Levar apenas isso ajuda muito no trajeto pois carregar peso nesses terrenos é muito complicado, pode até se levar um mochilão e despachar ela de Barreirinhas para Santo Amaro, e você levar apenas o essencial numa mochila de ataque., fizemos isso e deu certo, a mochila ficou na casa do Guia em Santo amaro e pegamos na volta. Nosso roteiro de 3 dias se deu da seguinte forma: São Luís /Barreirinhas Chegada na Quarta Feira e Saída na Quinta pela manha para Barreirinhas! Chegamos em São Luís e ficamos em um hotel próximo a rodoviária, o Hotel Itatiaia, diária do quarto quádruplo que pegamos ficou R$ 200,00 dividido para nos 4, saindo de São Luís, pode pegar ônibus (Foi nossa opção), Van ou Carro privativo, optamos pelo Ônibus da Cisne Branco, com passagem no valor de R$ 53,00, essa viagem dura cerca de 4 horas até chegar em Barreirinhas, com uma parada de uns 15 a 20 min em um restaurante no caminho para tomar um café. Como pegamos o ônibus das 6:00 deu pra dar uma cochilada na viagem, o ônibus não é semi leito, mas da pra ir "Confortável", a Cisne Branco tem saídas as 06:00, 08:45, 14:00 e as 19:30. Barreirinhas/Atins/Canto de Atins Chegada em Barreirinhas na Quinta antes de meio dia e saída para Canto de Atins no inicio da tarde! Encontramos o Ribeiro em Barreirinhas no Ponto da Cisne Branco no centro da Cidade, ele nos levou para almoçar em um restaurante local com comida simples e extremamente saborosa, as opções eram Peixe ao Molho (Sensacional), Mocotó, Filé de Frango e Fígado, depois do almoço pegamos um Bandeirantes 4x4, e seguimos para cruzar o Rio Preguiça em uma Balsa (5min pra travessia), então seguimos por aproximadamente 1:30, até chegar no Restaurante da Luiza (Fica entre as dunas e a praia) onde Jantamos e dormimos (redário), nesse restaurante/pousada da Luiza tem o famoso Camarão dos Lençóis, como sou alérgico não provei, mas todo mundo elogiou muito, e o Peixe Grelhado não fica atrás, tem um sabor incrível, o Jantar tem um valor Fixo de R$ 36,00 por Pessoa, e a dormida (redário) custa R$ 40,00 numa rede limpinha e gostosa e com lençol cheirosinho. Também encontramos Cerveja geladinha (Heineken) a um valor de R$ 15,00 a garrafa de 600 ml, o que pra mim ta valendo dada a dificuldade de chegar até esse local. Fomos nesse fim de tarde a primeira Lagoa que fica a uns 10 min do restaurante da Luiza, essa lagoa fica escondida atrás de uma duna de aproximadamente uns 25 metros e tem suas águas de cor verde clara, com vários peixes pequenos e bem relaxante, daqui também da pra curtir um por do Sol sensacional, numa mistura de praia e Dunas que putz, não da pra descrever, só indo conferir. Canto de Atins/Baixa Grande Primeiro dia de caminhada, acordamos as 02:30 da madrugada e tomamos um café simples, (pão, manteiga, tapioca, café e leite) e as 3 da madrugada saímos para nossa jornada incrível de 32 km até a Casa dos Pais do Ribeiro em Baixa Grande, 8 horas de caminhada. A caminhada começa pela praia com um terreno mais firme pra andar, com o barulho do mar como trilha sonora, o clima ajuda bastante a andar e ainda ganhamos de presente um nascer do Sol na praia muito show de bola. Caminhamos umas 3:30 pela praia rumo ao caminho das dunas, jornada pesada, mas que é compensada a cada duna e cada lagoa que é vista pelo caminho. As paisagens dos Lençóis são únicas e deslumbrantes, a cada duna que se sobe do outro lado você encontra uma surpresa, seja uma Lagoa gigantesca, uma cabana de pescador com porcos e bodes correndo próximo ou até um conjunto de dunas que parecem desenhados a mão. Neste dia chegamos na casa do seu Domingos e Dona Maria, que são os pais do nosso Guia o Ribeiro, pessoas simples, altamente receptivas e felizes, o local parece um Oasis no meio do deserto é muito bonito, com árvores frutíferas (Caju, mirim e murici) o Rio Negro ao lado da casa e uma duna gigantesca de onde pode se ver um pôr do Sol muito show. Aqui pagamos R$ 35,00 cada refeição (Almoço e Jantar), R$ 40,00 pela dormida (redário) e café da manhã, e também disponibilizam lençol super macio e cheiroso. Uma curiosidade aqui é que NÃO EXISTEM mosquitos, é impressionante mais não vimos mosquito lá, aqui também podemos encontrar Cerveja (Skol Latinha) e refrigerante R$ 5,00 cada, não tão gelados mas ta valendo, também vendiam água aqui por R$ 3,50 (500 ml). A energia elétrica é a base de Gerador (Diesel), então só é usada poucas vezes a noite quando tem turistas hospedados, então não esperem cerveja geladíssima aqui, cerveja em Garrafa também pode ser encontrada aqui, basta pedir para o Guia providenciar. Comemos aqui no almoço um Bode guisado ao leite de coco que estava muito gostoso e a noite comemos um Peixe grelhado também muito saboroso. Dormimos e relaxamos depois da longa jornada de 32 km, tratamos os pés e a noite fomos presenteados com uma fogueira nos fundos da casa onde podíamos deitar na areia macia e ver as estrelas, e que céu esse dos Lençóis, recomendo muito que deixem uma horinha da sua noite para admirar as estrelas. Baixa Grande/Queimadas dos Britos Segundo dia de caminhada seria mais tranquilo, pois saímos um pouco mais tarde já que a caminhada é de apenas 8km até a Queimada dos Britos (ou Queimada dos Paulos, outra família do local), saímos as 08:30 daqui seguindo para a Queimada dos Britos. Esse trecho particularmente é o que tivemos as mais belas paisagens e lagoas até então, de cara depois de subir/cruzar uma duna animal que fica na saída da Baixa Grande de cara você já vê um mar azul enorme, é apenas a primeira de varias lagoas maravilhosas nesse caminho. Passamos também por uma parte de mangue cortada por lagoas com vegetação bem típica da localidade, depois de cruzarmos essas lagoas e o mangue chegamos a Queimada dos Britos/Paulos, onde nos hospedamos na casa do senhor Maximiliano e Dona Maria de Jesus, pessoas simples porem muito compromissadas com os turistas. A recepção dos moradores é uma coisa totalmente impar, Dona Maria de Jesus recebe todos no redário da casa, o local é muito bem cuidado e aconchegante e mesmo com a areia das dunas aqui esta sempre limpo e bem varrido. O Senhor Maximiliano nos trouxe logo uma Coca Cola e Cerveja Skol bem geladinha, difícil resistir (risos), conversamos um pouco e fomos tomar um banho no rio/lagoa que fica por trás da casa deles, aqui eles tem uma estrutura simples, as casas são feitas com palha, e onde dormimos tem o chão de cimento, nos demais é chão de terra batida, mas tem um banheiro bem arrumadinho com chuveiro e tudo mais. Pagamos R$ 35,00 cada refeição (Almoço e Jantar) e R$ 40,00 pela dormida (redário) e café da manhã, coca cola e Cerveja, custavam R$ 5,00 e tinham água também a 7,00 (1,5L). Também saímos para ver o por do Sol e tomar banho em uma lagoa imensa que fica a uns 15min de caminhada da cada do Maximiliano e Maria de Jesus, foi o Por do Sol mais bonito que vi nos lençóis ate então. A noite novamente recebemos o presente de uma fogueira muito gostosa para podermos sentar ao redor e jogar conversa fora admirando as estrelas. Queimada dos Britos/Santo Amaro. Terceiro e ultimo dia, e posso dizer que o mais desgastante devido as caminhadas nos dias anteriores, e as bolhas nos pés (Cuidem bem dos seus pés!). Nesse dia saímos também as 3:00 em direção a Santo Amaro, levantamos as 2:30 mais ou menos e a Maria de Jesus já estava preparando nosso café, com tapiocas e bolachas. Nos despedimos de Dona Maria de Jesus e seguimos nossa caminhada sentido Santo Amaro, nessa altura passamos praticamente por todo ecossistema existente nos lençóis, desde praia, dunas e os mangues, nessa saída encontramos um caminho entre árvores frutíferas locais e sobre um mangue caminhamos praticamente na água na canela por uns 30min, e depois iniciamos o caminho pelas dunas novamente, a cada duna encontrávamos uma lagoa que sob a luz da lua ficavam ainda mais bonitas, e após algumas horas de caminhada nos deparamos com o nascer do sol em meio os lençóis que deixam sem palavras para descrever, o Sol nascendo escondido em meio as dunas e refletindo nas lagoas fez toda diferença nas sensações e emoções que a experiência de quem faz a Travessia dos Lençóis Maranhenses traz. Caminhamos e curtimos as lagoas pelo caminho até encontrarmos a ultima grande lagoa, que era junto a uma das Sondas da Petrobras que ainda permanecem lá, inativas mais ainda estão no meio dos lençóis, assim como ainda restam explosivos (Dinamites) perdidas por lá. Nosso Guia contou que já aconteceram acidentes com pescadores que encontravam essas dinamites e utilizavam pra pescar ou até mesmo ao guardar em suas mochilas acabavam detonando e morrendo. Ficamos numa lagoa gigante de águas verdes claras uns 3 km após a Sonda da Petrobras relaxando, conversando e aguardando nossa carona chegar. Como a partir daqui não existiam mais lagoas Cheias, apenas uma única já na saída para Santo Amaro (Lagoa das Andorinhas), que é uma das lagoas turísticas mais visitadas, ou seja, cheia de turistas, decidimos chamar o Carro para nos buscar uns 5km a frente e dar uma apreciada nessa lagoa que se diferenciava de todas as nossas lagoas até então exclusivas para nós. Na chegada do carro seguimos para Santo amaro onde ficamos na casa do nosso guia curtindo uma coca cola gelada, uma sombra gostosa e um rede pra relaxar, depois do almoço seguimos viagem para Sangues onde pegamos nosso transporte para São Luís. Dicas Importantes sobre a Travessia - Cuide dos seus pés, o percurso é pesado e desgasta muito eles. - Leve dinheiro trocado, lá o pessoal não aceita cartão. - Procure sempre um guia local, existe a opção de fazer a travessia sem guia (Usando GPS e mapa do Wikilok) no entanto as dunas e lagoas mudam muito e isso pode dificultar sua jornada. - Leve bastante água e Clorin caso precise beber das lagoas, no entanto recomendo que sempre que possível comprem água nas casas locais, existem muitos bode e porcos soltos pelos lençóis. - Leve o mínimo peso possível, uma roupa pra caminhar e outra pra dormir esta de bom tamanho, uma mochila de ataque já esta ótimo para travessia, caso precise levar mais roupas pode despachar e pegar em Santo Amaro. - Cajado (eu não levei e arrebentei meu tornozelo); - Medicamentos (relaxante muscular é imprescindível, esparadrapo para bolhas também); - Lanches (barra de cereais, barra de proteínas, castanha, banana desidratada, etc…); - Meias de compressão ajudam bastante nas caminhadas longas. - Use muito protetor Solar, ou roupas pra se cobrir todo.
  11. Época para ir: de Maio à Setembro (lagoas cheias) Período da viagem: 31 de Agosto - 11 de Setembro No período de 11 dias foi possível fazer toda a “Rota das Emoções”, trecho turístico do norte do nordeste brasileiro que inclui, basicamente, Lençóis Maranhenses, Delta do Parnaíba e Jericoacoara. Inicialmente, a viagem (a casal) previa passar todo este tempo apenas na região do Maranhão. Entretanto, nos quatro primeiros dias da viagem foi possível conhecer e aproveitar as lagoas mais bonitas do deserto maranhense, realizando a travessia a pé de Santo Amaro até a Queimada dos Britos, e de lá até Canto de Atins. Com isso, lá mesmo, decidimos partir para os outros dois destinos cobiçados da região, mas o foco aqui no relato será em como realizar a travessia dos Lençóis Maranhenses da maneira mais proveitosa possível. Agências de turismo, revistas de viagem e reportagens de TV tratam a cidade de Barreirinhas como “a principal porta de entrada dos Lençóis Maranhenses”. ESQUEÇA ISSO! Barreirinhas é uma cidade que fica próxima ao deserto, mas para quem deseja curtir a essência do lugar, não aconselho usá-la como base: carros, escola, caos, abarrotada de turista e absolutamente nada de legal para se fazer por ali (a não ser um pequeno cais com uns bares e restaurantes), além de se localizar no extremo oposto das lagoas mais bonitas da região. Para quem gosta de aventura, Barreirinhas é incogitável como opção para usar de base. Além disso, todo dia que você quiser ir aos Lençóis Maranhenses, ficará na dependência de um transporte de agência de lá (que metem a mão para os passeios mais legais), estando impossibilitado de explorar por conta própria. A cidade-base para iniciar a jornada e usufruir ao máximo do melhor que o lugar tem a oferecer é Santo Amaro, localizada no extremo oeste do parque. Primeiramente, a passagem a ser comprada deve ser para o aeroporto de São Luís (MA), e é bom estar ciente que as vans que saem do aeroporto da capital rumo a Santo Amaro possuem apenas dois horários: 12:00 e 2:00am. Sua reserva deve ser feita com o Saulo, da Malheiros Viagens: (98) 98745-9614 | (98) 98713-6472 | (98) 98734-6020. 31 de Agosto - Chegada em Santo Amaro: Chegamos no aeroporto de São Luís na hora do almoço, e após cinco minutos de espera, a van da Malheiros passou para nos buscar. De lá, foi uma viagem de três a quatro horas até um povoado chamado Sangue, e de lá fomos transferidos para jardineiras (veículos utilizados na região, com bancos improvisados na caçamba), e partimos por uma “estrada” de areia rumo a Santo Amaro. São mais três horas balançando na areia fofa, em meio a galhos de árvores resvalando na cara, pequenas lagoas, etc. Chegamos em Santo Amaro já de noite após uma longa jornada que começou às 6 da manhã no Rio de Janeiro. A cidade de Santo Amaro é mínima, e é focada em turistas que querem aproveitar exclusivamente o dia (de noite não há nada badalado, a cidade é bem pacata), estando próximo das principais belezas dos Lençóis Maranhenses. Indico a Pousada Cajueiro, onde nos hospedamos por três noites antes da jornada rumo à Queimada dos Britos (dica: o quarto 14 é o melhor, com vista pro Rio Alegre). 1º de Setembro – Missão Andorinhas: Como pretendíamos fazer a travessia do deserto maranhense sozinhos, com a ajuda apenas de uma bússola e um GPS da Claro (que pegou perfeitamente bem na região, até mesmo nas áreas mais remotas), utilizamos o primeiro dia da viagem para um “desafio”, que seria imergir no parque por conta própria, partindo de Santo Amaro, e encontrar a Lagoa Andorinhas. Não se assuste muito com os relatos e conselhos alheios dos locais de que “é perigoso ir explorar o parque sozinho, pois volta e meia há turistas que ficam horas, e às vezes dias, perdidos andando em círculos”, pois não precisa de muita instrução pra saber que o sol nasce no leste e se põe no oeste, e dando uma leve estudada no Google Maps antes, com auxílio de uma bússola, se situar em prol da sobrevivência por lá não chega a ser um problema. Senso de orientação, informação e utensílios básicos são o suficiente. Entretanto, apesar de ser fácil imergir e voltar para Santo Amaro, encontrar a Andorinhas, que fica a aproximadamente 5km para dentro do deserto, não é fácil, pois uma coisa é orientação para não se perder e conseguir voltar de onde veio, outra coisa é encontrar uma lagoa alheia, sem referência alguma de onde ela fica. Passamos pela entrada do parque às 10:30 e, com um pouco de sorte, encontramos a Andorinhas lá pras 15:30, regressando para Santo Amaro às 19:00. O passeio foi maravilhoso, parando de lagoa em lagoa, se banhando, descansando, nadando pelados, sem pressa, e tudo completamente deserto, como se tivéssemos privatizado as lagoas apenas para a gente (bem diferente da região de Barreirinhas, por exemplo). O paraíso inteiro era nosso, sem uma alma viva, com exceção de aves, peixes e alguns bois. No caminho, passamos pela Lagoa Gaivota, que infelizmente já estava seca nesta época do ano. Após a longa caminhada, pizza em Santo Amaro e repouso pra visitar a Betânia no dia seguinte (desta vez, pela distância, com uma jardineira contratada, da Malheiros). 2 de Setembro – Lagoa Betânia: A Betânia é a maior lagoa dos Lençóis Maranhenses, localizada no extremo sul do deserto, longe suficiente para ser necessária a contratação de guia (com veículo). O Sansão (irmão do Saulo, da Malheiros) nos cobrou R$ 200,00 pelo passeio (R$ 100,00 para cada um) de forma exclusiva, apenas nós dois. Importante ressaltar que este passeio pode ser dividido por até 10 pessoas e que o valor normal é R$ 300,00 (ou seja, pode chegar a apenas R$ 30,00 por pessoa, se tiver um grupo grande). A região da Betânia é um grande complexo de lagoas, dunas e vegetação, com infraestrutura de restaurante e tudo, em que, após uma caminhada até chegar num ponto onde a vista é excepcional, pode-se almoçar uma galinha caipira “executada” na hora pelos locais. Após a refeição, descansamos na sombra das árvores com os pés na lagoa, voltamos para curtir o pôr do sol no topo de uma duna e retornamos para Santo Amaro. 3 Setembro – A TRAVESSIA (Santo Amaro - Queimada dos Britos): Uma das conclusões a que chegamos nesta viagem é que não vale a pena ir para os Lençóis Maranhenses se não for realizar a caminhada até a Queimada dos Britos (passando pelas Lagoas Emendadas e das Cabras), que é o ápice do roteiro, permitindo contemplar os Lençóis Maranhenses em sua essência. A Queimada dos Britos é uma região remota localizada exatamente no meio do Parque Nacional, isolada de tudo, cercada por vegetação e lagoas, onde residem cerca de 30 famílias. O esquema para ir lá é o seguinte: contrata-se um guia local, morador da Queimada (no caso, indico MUITO o Cleiton, contato que consegui através da Malheiros Viagens, com o Saulo e o Sansão) que dará todo o suporte: passará na pousada de Santo Amaro às 03:30 da manhã e levará as bagagens mais pesadas em seu quadriciclo até a Queimada. Se quiser, pode ir junto com ele (optamos por deixar ele ir na frente para irmos depois, sozinhos mesmo) parando quando quiser para descansar, se banhar nas lagoas, etc, enquanto ele fica consideravelmente à frente, no limite de onde a vista alcança, permitindo uma maior privacidade (principalmente se for à casal...). Veículos motorizados como o do Cleiton são permitidos apenas para moradores da Queimada dos Britos ou da Baixa grande, que são as duas áreas remotas dos Lençóis Maranhenses. Para se chegar mais rápido ao destino, não é muito difícil para quem estudou o mapa da região antes: basta, saindo de Santo Amaro, seguir para o leste (cerca de 6 horas andando). Com bússola, GPS e saindo de madrugada bem antes do sol nascer (para ter o nascer do sol como referência e também não correr o risco de pegar o sol de 12:00) não tem erro. Porém, a necessidade de um guia são outras: primeiro, o peso das bagagens, pois você dificilmente fará uma viagem para lá apenas com uma mochila pequena de mão (o quadriciclo dele é essencial, a não ser que haja uma vontade de realizar um treinamento físico, cruzando o deserto com um mochilão mais pesado nas costas), segundo pelo fato de pernoitar no terreno do Cleiton, na Queimada dos Britos, podendo tanto acampar com sua própria barraca quanto dormir nas redes de descanso, com fartas refeições sendo servidas. E terceiro porque, indo com ele, será possível desviar um pouquinho da rota e passar pelas Lagoas Emendadas (onde vimos o nascer do sol em dunas que chegam a mais de 40 metros de altura) e Lagoa das Cabras, que são as duas consideradas, pelos próprios nativos, como as mais bonitas de toda a região do lençóis. Neste passeio, saímos às 3:30 da manhã e chegamos na Queimada perto de 12:00, tempo para montar a barraca, descansar e aguardar o almoço (macarrão, molho à campanha, salada e peixe a vontade, pescado pelo pai do Cleiton). A caminhada é tranquila para qualquer tipo de pessoa, pois o ritmo é você quem dita, a areia de lá, em quase todo o percurso, é dura, facilitando a caminhada. O problema maior são as bolhas nos pés. E caso esteja cansado e queira adiantar uma parte do caminho, basta alcançar o Cleiton e montar na garupa do quadriciclo (comporta, com folga: ele e mais duas pessoas, dois mochilões, uma barraca de camping e 9 litros de água). Pude dirigir o quadriciclo para “brincar” entre as dunas e lagoas no entorno da Queimada dos Britos. Cleiton é figurassa, super tranquilo, deixa você dirigir numa boa! Após o almoço, descanso pelo terreno com vista pra lagoa, esticada de pernas na barraca e, final de tarde, passeiozinho básico até uma lagoa próxima para ver o pôr do sol do topo de uma duna da região. Retorno à Queimada para janta caseira e cochilada para acordar às 5 da manhã e seguir rumo ao Canto de Atins. 4 de Setembro – Canto de Atins: Seguimos a jornada bem cedo, em direção à praia, onde pude dirigir o quadriciclo do Cleiton novamente em alta velocidade, beirando o mar, em um trecho que não é tão legal quanto o primeiro (por isso, optamos por não perder tempo caminhando esta parte), mas onde brincar com o quadriciclo é legal, devido a areia rígida e lisinha. Cleiton nos contou que, neste trecho, é comum encontrar turistas despreparados que tentam atravessar os lençóis e acabam passando mal por desidratação (gringos principalmente), que tentam fazer a caminhada no sentido contrário (Atins em direção à Queimada). O sol do meio do dia por lá é assassino. Chegamos em menos de duas horas no Canto de Atins, base que fica no extremo oposto de Santo Amaro, à leste do Parque Nacional. Cleiton nos deixou na pousada do Sr. Antônio, que também conta com um restaurante famoso, onde vende o melhor camarão do nordeste. Acertamos com o Cleiton: R$ 400,00 (dividido por dois: R$ 200,00 cada), que incluiu todo o suporte como guia, o quadriciclo, o pernoite, almoço, jantar e café da manhã. Costumo achar tudo muito caro, mas sinceramente, este esquema valeu cada centavo! Canto de Atins é um ponto bem sossegado, ainda na área do deserto maranhense, que conta apenas com umas barracas de palha e algumas lagoas que, em Setembro, já não estavam tão cheias, mas que deu pra se divertir bastante, servindo como despedida dos quatro dias maravilhosos que foram esta jornada pela região. Contato do Cleiton: (98) 9983-3442. Como é raro conseguir sinal lá, caso não consiga o contato, esquematizar o passeio através do Sansão ou alguém da Malheiros, que consegue na hora estabelecer o contato com ele. BÔNUS: Jericoacoara e Delta do Parnaíba: Como havíamos planejado uma viagem de 11 dias por lá, e em quatro conseguimos “varrer” os lençóis, conhecendo as melhores lagoas e usufruindo do melhor passeio, decidimos que iríamos aproveitar o resto da viagem completando a “Rota das Emoções”, e iniciamos a missão de chegar em Jericoacoara. Saímos de Canto de Atins às 5 da manhã e tivemos que ir andando com mochilão nas costas por duas horas até Atins. De lá, jardineira para Barreirinhas (1h e meia). De Barreirinhas, outra jardineira para Paulino Neves (2h). E seguiríamos pingando de transporte em transporte até Jeri. Porém, em Paulino Neves, descobrimos que havia uma Hilux de uma agência de Jericoacoara que estava procurando exatamente mais duas pessoas para encher o carro que havia sido fretado de Caburé (praia próxima de Atins) até Jericoacoara por três europeus, e que ia passar por ali onde estávamos para saber se haviam surgido duas pessoas interessadas em ir para Jericoacoara. Esperamos por cerca de 1 hora, e apareceu o Mariano, dono da Bora Turismo, e cobrava R$ 250,00 por pessoa para levar de Caburé até Jeri (cerca de 6 horas de viagem, indo direto). Como já estávamos em Paulino Neves e ele já ia pra lá de qualquer jeito com dois lugares vagos no carro, consegui desenrolar por R$ 300,00 eu e minha namorada, ao invés de R$ 500,00, que seria o preço normalmente cobrado para duas pessoas. O investimento valeu muito a pena, pois chegaríamos em Jeri na noite daquele mesmo dia, ao invés de continuar a missão fazendo de transporte público: Paulino Neves-MA  Tutóia-MA  Parnaíba-PI  Camocim-CE  Jijoca-CE  Jericoacoara. Para quem deseja economizar ou não tiver esta sorte, saiba que este é o trecho a ser feito dos Lençóis Maranhenses até Jericoacoara, tendo que pernoitar em alguma das cidades (Parnaíba provavelmente, para fazer o passeio do Delta, algo que acabamos deixando para o final). Chegamos dia 5 de Setembro à noite em Jeri e ficamos até o dia 8. No primeiro dia deu para curtir a praia, fazer a trilha até a Pedra Furada (indo pelo lado da orla e retornando por cima) e assistir o pôr do sol na duna. No dia 7, fizemos Lagoa do Paraíso e Lagoa Azul; onde é possível estabelecer naquele clima clássico de lá, tomando cervejinha deitado nas redes que ficam dentro das lagoas, com mesas e sombreiros a poucos metros de distância. Em Jeri tudo costuma ser bem caro, mas como ficamos em camping e conseguimos pagar um preço especial (R$ 45,00 cada um por três noites) não foi a facada que esperávamos, ainda mais levando em conta que chegamos bem no final de semana do feriado de 7 de Setembro, com a vila lotada. Ficamos no Camping Flaco, mas o mais famoso de lá é o Camping Natureza que, devido ao feriado, parecia um campo de refugiados, não havendo espaço nem para entrar no terreno de tantas barracas grudadas umas nas outras. Gostaríamos de ter ficado pelo menos mais um dia em Jeri para ter feito o passeio à Tatajuba, mas como queríamos fazer o Delta do Parnaíba, saímos de Jeri dia 8 na hora do almoço e fizemos o percurso de transporte público de volta: Jeri  Jijoca  Camocim  Parnaíba. É fácil se informar por lá como pegar estes ônibus para estes destinos, basta pedir informação em qualquer agência ou em sua hospedagem. Chegando em Parnaíba, conseguimos duas diárias na Pousada Porto das Barcas, que é a melhor para quem está passando na cidade apenas para o passeio do Delta das Américas, pois ela fica ao lado das agências turísticas que fecham pacotes para o passeio do Delta, e na ruazinha do centro histórico, local bem pequeno e aconchegante, perfeito para estabelecer por lá. Chegamos dia 8, à noite, e conseguimos fechar o passeio de dia inteiro para o dia seguinte, com um grupo que já estava formado. Saímos da pousada de manhã bem cedo com a van da agência turística rumo ao Porto dos Tatus, de onde saem os barcos, e fizemos todo o trajeto do Delta, parando em mangues, dunas, praias e na Pousada Casa de Cabocla para almoçar, a única hospedagem localizada dentro do Delta. Na parte da tarde, o guia nos levou a um ponto específico para assistir a revoada dos guarás, que é um show à parte. Ao anoitecer, outro ponto do rio para procurar jacarés... Conseguimos visualizar um, que chegou ao lado do nosso barco, além de umas duas cobras penduradas em árvores. Regressamos à pousada em Parnaíba, dormimos, e dia 10 estávamos retornando para Barreirinhas (ônibus de Parnaíba para Paulino Neves, e de lá jardineira para Barreirinhas) descansar às margens do Rio Preguiça e regressar de ônibus para o aeroporto de São Luís no dia 11 (companhia Cisne Branco, que faz o trajeto Barreirinhas – São Luís e passa quase em frente ao aeroporto).
  12. RELATO TEXTÃO 😜 da minha travessia pelos lençóis maranhenses, com o grande "tchan" de ser a ideal para sedentários (que tenham disposição, claro)! (Mais fotos e outras viagens no Insta: @marcos.nak 😉) Você é do tipo que fica esbaforido ao subir uma duna? Eu sou, quase todo mundo é. Mas, se ao chegar ao topo e ver as lagoas, seu cansaço se transforma em encantamento e vontade de fazer de novo, então você consegue fazer este trekking! Todos os relatos que eu havia encontrado mostravam uma travessia longa de 3 dias de duração, saindo de Atins, mas eu tinha receio de ficar muito cansativo e acabar perdendo o objetivo, que era curtir, e não "sofrer"😎! Então, dado que eu só tinha 2 dias e estava em Santo Amaro, e depois de conversar com o guia, decidi fazer como ele indicou. Não me arrependo de jeito nenhum! Ficou assim: . 1) Fomos de Santo Amaro até a lagoa de Emendadas de quadriciclo, e lá vimos o sol nascer (14 km). A cena foi linda, e a escolha da lagoa se deu pela duna imensa, de onde se tem a vista mais panorâmica. É sério, debaixo da duna você já fica maravilhado, pela imponência. Lá de cima, não fosse o vento muito forte, poderia passar horas. Depois do belo nascer do sol, começamos a caminhada. 2) Andamos até Betânia, passando pela incrível lagoa do Junco (18 km). Eu sei, falar em andar 18 km na areia, subindo e descendo, sem sombra, parece loucura, mas eu fiz numa boa e não sei explicar por quê. É um misto de encantamento e empolgação que faz a caminhada ser fácil. Além disso, cara, cansou? É só deitar na areia e rolar, que logo vc cai numa lagoa 😂😂😂! A lagoa do Junco só é acessível a pé, e por isso a maior beleza do parque está exclusiva aos poucos corajosos que encaram a caminhada. No caso, eu tive ela e infinitas outras só pra mim! No caminho, encontramos ninhos de gaivotas e rastros de vários animais. Um fato interessante é que a lagoa do Junco é nova. Eu havia lido vários relatos de que a lagoa das cabras era a mais linda de todas, e o guia prometeu me levar até ela. Aí, num momento em que cruzávamos uma areia molhada com plantas, ele disse: "Você está em cima de onde já houve a lagoa das cabras!" 😮 QUIK_20180913_181331[1].mp4 3) No horário do almoço, chegamos a Betânia, onde passei a tarde e a noite. Na verdade eu nem conheci o vilarejo de Betânia, pois fiquei hospedado num restaurante isolado entre uma mata e um rio. É o mesmo restaurante onde os turistas do passeio a Betânia almoçam. Chegamos e já almoçamos. O guia disse que eu teria a tarde livre para descansar na rede e curtir o rio, mas eu não quis saber, pedi pra ir pra alguma lagoa (como se eu já não tivesse tomado muito banho de lagoa hehe). Aí (ele tinha um acordo de pegar caiaque gratuitamente no restaurante), atravessamos o rio de caiaque e ele me deixou numa lagoa incrível, onde uns turistas inconvenientes faziam algazarra 🙄. Aproveitei pra fazer uma caminhada pelas dunas ao redor, e assim que eles partiram eu tive a lagoa inteira só pra mim, onde fiquei horas curtindo, até o sol começar a descer. Foi delicioso! O guia chegou para me acompanhar no pôr do sol, subimos uma duna e ficamos até escurecer, e passamos um tempão apreciando o céu mais estrelado que já vi na vida! 🤩Ele tem um celular foda e é um excelente fotógrafo, e tirou fotos incríveis e me mostrou os planetas e as constelações num aplicativo que vc aponta pro céu e reconhece as estrelas. Depois, voltamos de caiaque pelo rio, num breu quase absoluto, pois a lua também havia se posto. Paramos um pouco de remar pra curtir o silêncio e o céu, e foi sensacional. Ao chegarmos ao restaurante, acredite!, havia uma belga e uma alemã (muçulmana, todo coberta), que também estavam em travessia e passariam a noite lá. Nosso "quarto" era uma palhoça com redes onde os clientes descansam após o almoço. Não tem paredes, o que fez as gringas passarem trezentos tipos de repelentes, mas a dona garantiu que, sabe-se lá por quê, não há pernilongos ali, e de fato nenhum inseto nos incomodou. Foi muito engraçado quando a belga subiu na rede e descobriu que a rede balança. Logo ela e a alemã estavam tomando impulso e se chocando uma na outra! É claro que eu filmei e coloquei no vídeo! 😂😂😂 QUIK_20180913_203058[1].mp4 QUIK_20180913_203058[1].mp4 4) De manhã, passeamos pela região (8 km) Depois de uma noite mal dormida na rede (não tenho costume e sou fresco pra dormir), acordei às 4h para ver o sol nascer. Mais uma vez atravessamos o rio a caiaque e subimos uma duna para apreciar o espetáculo, que infelizmente mais uma vez foi prejudicado pelas nuvens. Percebi que o dia amanhece meio nublado e as nuvens se dissipam durante a manhã. Outra coisa impressionante é a variação térmica da água, que amanhece gelada e anoitece morninha. Depois de clareado o dia, andamos 8 km pela região curtindo novas lagoas. Voltamos à hora do almoço (caiaque) e dei uma relaxada na rede e curti um pouco o rio. 😎 5) Voltamos a Santo Amaro (9 km) Partimos às 15h30. A volta foi bem tranquila, mas como meu pé começava a reclamar, eu preferi fazer mais paradas e ficar menos tempo em cada lagoa (não se assuste, é só um pequeno cansaço). O guia me levou a uma duna alta já no fim da tarde, para curtirmos o pôr do sol. Depois que escureceu e curtimos um pouco o céu estrelado, caminhamos alguns minutos no breu total e chegou um amigo dele pra nos dar carona até a cidade. QUIK_20180913_180443[1].mp4 QUIK_20180913_180443[1].mp4 Foi uma experiência inesquecível. Cada parte teve uma importância imensa pra mim: o dia, a noite, o cansaço, o descanso, a companhia das meninas e do guia, os momentos a sós (confesso que temi sentir solidão, levei vários ebooks e filmes no celular, e nem encostei nele. Simplesmente eu consegui amar ficar horas sem pensar em nada nem ninguém, só curtindo o momento). . Os lençóis maranhenses são uma beleza única no MUNDO e mesmo assim poucos conhecem. E o que mais impressiona é a abundância de belezas, por isso quando me peguei pensando: "Ah, a lagoa X eu não gostei muito!" eu lembrei: "Isso porque são infinitas lagoas pra eu poder escolher minha favorita. Se fosse só areia e houvesse só essa lagoa X, eu diria que é incrível! Aliás, se fosse só o rio que eu pouco aproveitei já valia o passeio!" 😂 . O melhor de fazer a travessia em vez dos passeios coletivos é poder ter o contato exclusivo com a natureza, seja a areia, as lagoas, o céu, o rio, o sol... tudo está lá pra você, e sem pressa de ir embora como nos coletivos porque "temos um monte de lugar pra ir e tirar foto e aquele turista inconveniente do grupo tem que voltar mais cedo pra não perder a van"... Sabe?
  13. “no meio do caminho havia uma pedra E essa pedra era um quartzo rosa gigante Com um parque que vivia em cima dela” ~Parque nacional da chapada dos veadeiros Inicio o relato com essa frase, o que resume em grande parte a história e a cultura da região. E não é para menos! Passei uma semana maravilhosa desbravando alguns dos inúmeros lugares existentes nesse mundo repleto de boas vibes, misticismo e natureza. O objetivo do relato é passar informações atualizadas acerca do lugar para os futuros visitantes, e tentar descrever a experiência de outro ponto de vista, para diferenciar um pouco dos muitos relatos do mesmo local. Eu gosto de detalhar um pouco nos textos, então alerta de textão, ein (!) É importante ressaltar que, em outubro do ano passado, um grande incêndio criminoso assolou o lugar, repercutindo nas grandes mídias. Graças aos esforços dos moradores, brigadistas, e voluntários de diversos lugares, o fogo foi combatido, e o cerrado, um bioma forte, para dizer o mínimo, se recupera gradativamente como uma fênix surge das cinzas. Pensei que veria um cenário de certa forma seco e feio, mas me enganei, e ainda bem que me enganei. A flora do Cerrado é acostumada com incêndios, o ciclo de vida de algumas plantas e animais gira em torno disso. Ainda vemos marcas do incêndio de 2017. Para resumir as infos básicas, reservei 7 dias da minha vida apenas para conhecer o lugar (é o tempo mínimo, na minha honesta opinião, se vc quiser conhecer bem a chapada, e sempre vai ficar faltando lugar pra visitar, o que motiva mais ainda para uma próxima visita ), e sobrou mais um final de semana para conhecer Brasília (se der para emendar, emende porque Brasília é RICA em opções do que fazer), estipulei um gasto médio de R$ 1.500,00 (barato, comparado com outras chapadas, vai por mim), e aluguei um carro com mais 4 viajantes (dá para ir sem carro, mas vc fica sem poder ver muita coisa dependendo do seu tempo lá, fora o risco de perder vôo, ficar preso em cidade ou vila tal, enfim). Ah, optei pelo mês de maio, por ser o final das chuvas, ou seja, ainda veria o cerrado mais verde e com os cursos d'água volumosos, perfeito. Partiu? 1º dia: chegada à chapada A viagem mesmo iniciou no dia 5 (um sábado), depois de meses de expectativas e conversa com mais 4 pessoas com o mesmo objetivo em comum. Saímos pela manhã do sábado (a viagem leva entre 2 e 3 horas de BSB à chapada se não houverem imprevistos). Basicamente eu tinha elaborado um roteiro para essa trip, sabe como é, tentar “devorar” essa maravilha ao máximo, sem ficar perdido nem nada. Incrível que dos 5, só eu tinha isso graças a ele deu para curtir quase tudo, sem maiores imprevistos. Saímos, acho que umas 10 horas de Brasília, mas a viagem custou um pouco, tivemos que fazer compras, fora que paramos para almoçar no Rancho do Waldomiro, para provar a tão famosa matula. Comida caseira ok, com licores e umas cachaças de diversos sabores para degustação (e quem sabe compra). Ah, o Rancho agora conta com um camping, que te dá acesso a trilhas para subir o conhecido morro da baleia, era uma coisa que queria fazer, e muito, mas acabou não dando pela falta de tempo kkkk Paisagem apaixonante de um dos morros que cercam o rancho do Waldomiro. A priori era começar a aventura em São Jorge, e deixar Alto Paraíso por último. Iríamos para o quilombo kalunga conhecer a Santa Bárbara, no meio da semana, então logisticamente era melhor começar em SJ, depois Cavalcante x quilombo para retornar e ficar em Alto paraíso. Isso pouparia tempo e combustível. Mas foi um planejamento meu, vocês decidem o que é melhor para vcs . Enfim, atrasamos bastante, chegamos em São Jorge quase às 16:00 e descobri que muitos dos atrativos fecham as portas cedo (Raizama às 15:00, Morada do Sol às 16:00, Vale da Lua às 16:00 se não me engano), então meio que perdemos o dia para boa parte das atrações. Fica a dica: Tentem ir cedo para os banhos, fecham cedo para dar o tempo para as pessoas retornarem, já houveram muitos acidentes em alguns lugares, então esse controle é um pouco justificado. Mas há lugares que não fecham cedo! As termas do Éden e do Morro vermelho (basicamente clubinhos com piscinas de água quentinha) ficam abertas até a noite, então o grupo partiu para ter um pouco do sábado disponível. No meio da estrada, parada para tirar fotos em uma vista maravilhosa da região. Se na estrada já é bonito assim, imagina nos lugares, não? Quase qualquer foto rola com um plano de fundo desses Diga xis Passamos umas horas nas termas do morro vermelho (R$ 20,00, vc fica até de noite), e retornamos para São Jorge. Cara, a vila é um charme. Simples, com ruas de terra, basicamente tem uma grande rua principal, onde rola o “tudão” do dia e noite da pacata vila. Lembranças, mantimentos e um chopp gelado, td funciona ali. No sábado costuma ser BEM animado, pensei que estava rolando uma festa em particular mas não, simplesmente separam os sábados para os bares, o tal do forró, e a vila fica cheia de gente e carro circulando nas ruas (pode andar sem medo, é mais fácil uma dupla na moto te dar uma flor do que te assaltar). Gente alternativa aqui e ali, indígenas, hippies, desenhos estranhos em algumas casas, é uma vibe bem diferente da cidade grande. Típica noite na vila A rua principal Pista de pouso para OVNIS? O primeiro et da chapada a gente nunca esquece kkkkkkkkk vai se acostumando Fato que não vi em relato algum: a chapada costuma ser F R I A pela noite, e olha que estávamos no início da época seca. É tipo assim: sol de rachar o dia todo e noites frias da peste. Todo mundo andando agasalhado, vc se sente numa cidade sulista confesso que sofri no camping, levei pouquíssima roupa pro frio tbm. E como sou do norte, acostumado com a “quentura”, aí já viu Mas, há chuveiro elétrico em praticamente todo lugar. Leve roupas para o frio, caso vc não for acostumado(a). Lugar pra repousar não falta, eu e o Ricardo (um dos viajantes) escolhemos o camping Aracoara, Ambiente show de bola, vibe super positiva, e o dono é um cara mega humilde e gente boa, e guia também. Existem lugares para todos os bolsos, hostel, camp, até camping mais “gourmet” como o Ricardo falou , e do camp onde fiquei não tenho do que reclamar. 2º dia: compensando o dia anterior Estipulei dois dias para conhecer o parque Nacional da Chapada, e é o recomendado, no mínimo, pq as trilhas são longas, você vai querer ficar nos locais para banho por um bom tempo, fora as fotos, que você tira mais de 8000. Então, um dia para cada trilha é bom (existem 4 principais, saltos e corredeiras, cânions e carioquinhas, Seriema e travessia das 7 quedas.). A seriema pode até ser emendada com alguma outra, por ser a menor. Por ora, a única coisa cobrada no parque é o estacionamento (15 temeres), há boatos de que o parque será privatizado, aí vc já viu ne. Mas até então é 0800. E o parque é do lado de São Jorge, se vc está hospedado(a) na vila, poupe o combustível e faça um aquecimento indo a pé. Ah, o parque abre às 8:00 e fecha as portas às 12:00 ou quando alcança o limite diário de pessoas, que esqueci agora LOL Finalmente nessa delícia de lugar O domingo foi de Saltos e corredeiras. A trilha no cerrado é magnífica, te dá uma experiência maravilhosa de conhecimento, eu que estou acostumado com floresta amazônica, fiquei maravilhado com a flora do lugar (fauna também, mas dos mascotes do cerrado mesmo, só consegui ver 1, e no final da viagem). A trilha é autoguiada. Você praticamente só se perde se quiser Mimosa A imensidão desse espetáculo da natureza é de encher os olhos, sério O primeiro ponto é o salto de 120m. De lá vc tem uma vista TOP DOS TOP do vale x cânion da região, se vc tem um olho de águia, consegue até deduzir onde deve estar o mirante da janela. Essa cachoeira não é acessível, mas a visão por si só já é o suficiente. Chuchu beleza, um dos cartões postais da Chapada Logo em seguida vc chega no salto de 80m. Nesse sim vc pode nadar, a água é FRIA PACAS, mas não chega a ser a mais fria da chapada (!). Dá para passar umas boas horinhas aqui. Há limite de lugares para o nado, é bom respeitá-lo, ok? A maravilha de 80 mts. As cordas de segurança estão por um motivo ali, então seja consciente. Lugar perfeito para se concentrar na confecção de arte, n eh msm? Por fim, a trilha acaba nas corredeiras que alimentam as cachus, vc volta um pouco até a bifurcação na trilha principal. O acesso a este ponto se dá por uma trilha suspensa em madeira, isso é MUITO LEGAL para a acessibilidade de pessoas de idade, ou PNE’s (o parque tem até uma cadeira adaptada para se fazer a trilha, o que achei foda demais, sabe, fé na humanidade restaurada). Rumo às corredeiras E o passeio fica cada vez melhor! A água dança e renova a vida no meio das pedras Terminada a trilha, uma boa notícia: ainda havia tempo para conhecer mais um lugar. Decidimos conhecer o famoso vale da lua, que pelo que vc já deve estar careca de saber, tem a aparência de uma superfície lunar. Entrada 20 contos, vc dirige um pouco no ramal de acesso, mas a trilha da entrada é mega fácil e rápida. Eu não recomendaria ir a pé. De bike até pode rolar. Gravidade zero em solo lunar é bonito, mas cair ali é a última coisa que vc iria querer Show de bola. O Vale é lindo, misterioso, e também fatal para os desavisados. Os buracos e grutas submersas oferecem perigo de morte a quem cair ali. Muito cuidado, e se possível vá de bota, por oferecer maior estabilidade no passo. O vale não abre em caso de chuva, até pq é comum formarem trombas d’água em muitos locais (veja um vídeo de tromba d’água num youtube da vida pra vc ver que não é brincadeira). Água também super gelada, no final há um poço para nadar e tirar fotos show de bola. Engraçado que nesse dia dei de cara com mais um rapaz que conheci no mochileiros, mas pelo grupo já estar completo no carro, não deu para viajar junto. Eu nadando de boa e ele perguntando do nada se meu nome era tal, confesso que foi mega engraçado aliás, espero que sua estadia na chapada tenha sido ótima, amigo! Começa o toque de recolher às 17:15: e por sorte o sol estava começando a descer, ou seja, dava para dar um bate e volta no Jardim de Maytrea para ver o espetáculo da mãe-terra. Super obrigatório ver o pôr do sol ali. Atração 0800, é fácil achar, só ver o monte de carros parados no acostamento da estrada Alto Paraíso – São Jorge. Se lembra daquela primeira fase do primeiro donkey kong? Veio na cabeça, rs Massa, ne. Camping ae deve ser coisa de outro mundo O dia super rendeu, compensamos o que não podemos fazer no sábado, e com juros. E a noite ainda não tinha acabado. Fomos para a pizzaria Canela d´ema, na principal de São Jorge, não tem erro. Pizza ok, meio carinha, mas rachando pra um grupo fica de boa. A decoração é show, toda temática com os famosos alienígenas da chapada, bebidas variadas, e tem karaokê, ainda por cima! Todos beberam e foram roubar a cena cantando, mas como eu sou cantor de chuveiro, e não de barzinho, resolvi ir dormir cedo para o dia seguinte. E ae, amigo. Ets hoje, ets amanhã, ets sempre 3º dia: trilhas difíceis e final de tarde sussa. Nas segundas o parque da Chapada não abre, MAS é possível fazer a trilha do famoso mirante da janela, que te dá uma visão dos dois saltos do parque. É possível ir sem guia? Até é, mas é arriscado pq o caminho tem partes pedregosas que podem confundir, então pessoalmente sugiro que de primeira, contrate um guia. Vc decora o caminho, e das próximas vezes, show de bola. Contratamos o Rodrigo, do camping Aracoara (mais uma vez, super recomendo), e tratamos de sair cedo, para pegar pouco sol (pois é sol o dia todo, e essa é uma trilha de nível difícil). Ah, se vc vai com guia a entrada sai um pouco mais barata (15 reais), fora o valor do guia (geralmente em torno de 150 reais até 5 pessoas). Pegar estradinha de terra na traseira da Pick up não tem preço, me senti o rei do gado agora kkkkk O Rodrigo vai explicando de tudo um pouco: história da chapada, o lance dos ets, a geologia do lugar, histórias curiosas, um resumo da flora local... descendo um pouco chegamos na casa do guardião da trilha, um senhor humilde e gentil. Dá pra beber água para pegar um pique também. Encontramos uma cobrinha na trilha, mas fora isso, nenhuma surpresa. A parte fácil da trilha acaba quando chegamos nas proximidades da cachoeira do abismo. Ela já estava seca, e a água meio feinha, então seguimos. A caminhada é intensa, mas visões assim te enchem de determinação A caminhada exige um pouco, é um sobe e desce em pedras medonho, mas o esforço é recompensado com uma visão de reis do parque! Eu poderia passar o dia só sentado ali, contemplando toda aquela paisagem de cartão-postal e pensando em toda a minha vida =D Cara.....a gente estava ali ontem... A foto tradicional da janela, mas com uma pequena variação Como a chapada é magnífica, cara! Se a ida foi cansativa, a volta foi uma via sacra para algumas pessoas kkkkkkkkk o sol da tarde em cima da sua cabeça, mais o cansaço da vinda cobram seu preço na volta. Para quem não está condicionado(a) com trilhas, é possível ir, mas vc pode passar mal, então tente se condicionar um pouco com caminhadas antes de viajar. Ah sim. É possível ir ver o pôr do sol no mirante, o que deve ser uma coisa muito show. Fica para a próxima. Ainda havia tempo de visitar mais um lugar, então resolvemos conhecer a Morada do Sol. Na maioria dos relatos essa atração costuma ficar de fora, mas garanto que a visita vale. Paga 20 pila para entrar, chegue antes das 16:00 e fica de boa. Mas às 17:00 já precisa retornar, então se puder chegue às 15:00 no máximo. Tem uma trilha fácil em mata fechada no início, e consta de três ambientes: Morada do sol, um pequeno cânion para contemplação, apenas, e uma corredeira de águas calmas no final. Show de bola para descansar, nadar, tirar fotos. uma parte do cânion (vale das andorinhas) O final da trilha, bom para mergulhar e ser mordido por peixinhos A morada do sol propriamente dita. Super tranquila de nadar, mas pode haver tromba d'água na chuva Chegando a São Jorge, demos de cara com uma caravana de voluntários realizando o cursinho de brigadistas, particularmente isso deu um certo sentimento de esperança na humanidade, sabe..... de tempos em tempos o parque abre editais, então fica a dica, se puder ajudar, faça a sua parte, ok; A noite foi para descansar. Dia bem aproveitado. 4º dia: se despedindo de São Jorge =’( Como era terça, o parque estava aberto novamente! Então, partiu parque. Poderia ter rolado cachoeira do segredo por parte dos meus colegas, mas como eu já estava no parque adiantando a trilha, não tivemos como discutir juntos, talvez rolasse um desencontro e eu ficasse preocupado com eles, então o dia foi de parque mesmo. Cachoeira do segredo que me aguarde na próxima ida! Mais uma vez, atração 0800. A trilha dos cânions e Cariocas é a vermelha, e coincide com a trilha dos saltos por quase 2 km. Essa trilha é mais “plana” e fácil que a trilha dos saltos, porém é maior, vc anda, anda, e anda, e pensa que não vai chegar kkkkkk, mas só a paisagem de cerrado é o suficiente para vc se distrair e devorar o momento 😃 em uma parte vc tem a bifurcação, tanto nos cânions quanto nas cariocas vc pode se banhar, mas os cânions são mais para contemplação, aí vai de vc. O famoso chuveirinho do cerrado Os cânions são cercados por estruturas de pedra milenares, mais que milenares, datam de tempos pretéritos da terra, e dão mesmo a impressão de que pelo menos um vulcão poderia ter passado ali, não; lindo o lugar, só tome muito cuidado, pois há perigo de acidentes, e o parque não dispõe de serviço de resgate. Aprecie com cuidado Lindo Sim, eu usei bandana e óculos praticamente a viagem toda. Sol infinito, meus amigos! Depois teve as cariocas, que consiste de um paredão aquático muito bonito, espaço de sobra para nadar, muitos peixinhos te mordendo, e uma piscina acima, que dá um bom banho também. Dá para ficar um dia inteiro fácil ali. Visão de encher os olhos mesmo. Nessa cachu meu cel caiu num poço com água o coração quase sai pra fora, mas felizmente ele resiste um pouco à água, e ficou de boa kkkkk imagina queimar e perder umas 1500 fotos Magnífico tesouro do Parque Só de olhar da vontade de pular dentro e se molhar, não? Voltamos cedo para São Jorge, curioso que a vila fica bem pacata durante a semana, só abrem as lojas de lembrancinhas mesmo, e olha lá. O agito é aos sábados, feriados, e quando os colegas alternativos resolvem festejar algo (ali é uma mistura de culturas, tá ligado irmão?). Com isso, nossa estadia em São Jorge estava, por ora, encerrada. Triste, mas algo mais bonito estava nos esperando no dia seguinte. 5º dia: a menina dos olhos da chapada. Nesse dia, pegamos o rumo a Cavalcante x Quilombo dos Kalungas, no sertão do cerrado goiano. Objetivo: Santa Bárbara. Para isso, precisamos passar por Alto Paraíso, aproveitamos para reabastecer o vrum vrum pq a viagem custa. Saímos relativamente tarde, umas 9 horas, em alta temporada isso poderia nos custar um dia de espera, mas por sorte era dia de semana, e não estávamos em alta temporada, então foi tudo perfeito. Dica: na dúvida vá cedo. No caminho passamos pela entrada da cachoeira dos Cristais (que não visitamos), o jardim zen de pedras e o suposto paralelo 34 (que também não deu pra visitar), e o poço encantado (adivinha? não deu também kkk). Obs: você não para em Cavalcante, apesar de muita gente associar a cach. Santa Bárbara a Cavalcante. Isso é mito, ela é vizinha dos quilombolas, apesar de que há atrações próximas de Cavalcante, também. Passando da pequena cidade, você anda um pouco numa estrada de terra, meio complicado de chegar, mas com visões do cerrado e serras que compensam a viagem. Após umas 2 horas de carro, de alto paraíso, chegamos no pequeno engenho II, sede dos guias quilombolas. Nessa hora temos um choque cultural, vemos a realidade de um povo guerreiro, que vive de forma simples e aposta no turismo e venda de produtos para ganhar seu suado dinheiro, diante das dificuldades. Então aqui fica uma dica do tio, que com certeza já foi falado em outros relatos: contratem guias quilombolas direto da comunidade. Eles costumam ser mais baratos do que os guias de Cavalcante, e você está fomentando a economia do pequeno vilarejo, ajudando os habitantes. Sério. Aqui, confesso que você gasta um pouco, mas vale cada centavo: 30 reais para a associação responsável pelos passeios (mas vc pode fazer umas 3 cachoeiras de uma vez!), mais 100 trocados para o guia, e mais 10 para o pau de arara, caso seu carro não aguentar a estrada de terra para a Sta. Bárbara (mas até Uno caixinha vi na entrada, então se vc manja de volante e se garante, pode poupar esse cash). Os guias quilombolas contam diversas histórias, e no geral estão dispostos para tirar quaisquer dúvidas. Contratamos o Sr. Jesuíno, super gente boa, discutiu diversos assuntos, contou sobre seu ponto de vista do incêndio que assolou a região também. Ah, é possível encomendar um almoço para ser consumido na volta, comida caseira derivada da terra e trabalho dos próprios quilombolas. Nada de nutella, conservantes ou enlatados. 30 reais para comer à vontade. Tem coisa melhor? Até o posto militar tem um design rústico no engenho, simples e bonito. Mais trilha aberta Você já ouviu a expressão “um oásis no deserto”? pois é. Santa Bárbara é isso e muito mais, de longe a mais linda da chapada. De tão azul e cristalina, nem parece natural, mas com certeza dá de dez a zero em qualquer piscina criada pelo homem. Aproveite cada segundo, pois há um limite de tempo de uma hora no local, além do limite de visitantes. O motivo: causar o mínimo de impacto natural possível. O horário mais disputado é o do final da manhã, pois o sol bate bem em cima da água, realçando o efeito das cores. As fotos parecem pinturas feitas a dedo. É. A chapada e suas jóias. A Santa Barbarinha. Que cor de água é essa, cara? Obrigado a Deus, grande Mãe, Gaia, Iemanjá, Espaguete Voador, qualquer um que tiver criado isso merece meu agradecimento! As únicas fotos submersas que prestaram foram aqui. Pq será? Legendas para isso serão poucas para descrever essa maravilha Após Santa Bárbara, fomos para a cach. da capivara, que emendamos com o guia. Dá para fazer Sta. Bárbara, Capivara e Candaru no mesmo dia, com o guia, como chegamos meio tarde, ficaria meio corrido de fazer as 3 e aproveitar bem. Capivara tem uma piscina com borda infinita, um piscinão para banho mais embaixo, e um cânion imenso para contemplação em seguida. Show de bola também. Outro tesouro guardado pelos quilombolas Piscina em Dubai? Nah, eu dispenso Chegamos cansados, os demais colegas com fome, foram almoçar/jantar, enquanto que eu tratava de administrar a memória dos celulares. Levei 3 aparelhos, e ainda precisei comprar um cartão pra armazenar mais fotos e vídeos Voltamos ao anoitecer, a estrada é um breu. Vá com cuidado e sem pressa que você chega lá. É possível dormir em Cavalcante, ou ir de uma vez para Alto Paraíso. Fica a seu critério. Em Alto, ficamos todos no Jardim da Nova Era, hostel e camping bem estruturado, equipe organizada e disponível para tirar dúvidas. Seria nosso lar nos próximos dois dias. Com tempo sobrando, aproveitei para dar uma volta na cidade. Alto Paraíso é aquela cidade de interior com seu toque alternativo. A Av. Ary Valadão é a principal para o turista, uma mistura de sons, cores e cultura. Aparentemente às terças e quartas ela fica mais parada, enquanto que nos finais de semana ela começa a “bombar”. Noite parada, aproveitei para provar os pastéis da vendinha 1961, point tradicional de pastéis e comidas mais completas, costuma dar gente quase todo dia. Infelizmente não tinham sucos regionais na ocasião, mas isso não desanimou meu estômago Lanche a luz de velas, isso pede uma companhia, ne Sabe quando eu disse que faz frio na chapada? Pois é. Em Alto é ainda mais frio do que em São Jorge todo mundo agasalhado como se estivesse numa Nova Iorque de inverno, e eu de calça e camisa normais. Não chega a incomodar para sair de noite, mas para dormir sim. E olha que dormia de calça, camisa de manga e capuz, saco de dormir, e acordava de madrugada reclamando do bendito frio. Com isso eu pensava. “P%#*@, como que eu vou fazer a travessia da praia do cassino, ou subir o monte Roraima, Pico da Bandeira e afins no futuro, onde a temperatura é mais baixa ainda? Tou lascado bicho”. 6º dia: Ets em todo o lugar.....e a água mais gelada da chapada (na minha opinião) Alto Paraíso é uma cidade segura. Vc sai de madrugada para andar, sem maiores preocupações. Nos dias em que fiquei lá já levantava às 5 (sangue tem que correr ne), e ia conhecer um pouco da cidade. Podia virar uma rotina sair para caminhar ou correr todo dia nesse horário que por mim estava de boa. Temperatura na faixa dos 18,20 graus, ok. Nascer do sol bonito, procurava sempre um lugar bom para assistir o raiar do dia, até numa torre de um posto de gasolina abandonado subi Menino barrigudo me encarando Um amanhecer desses, bicho O que vc tá olhando? Como é de conhecimento geral, a chapada tem fama de energia mística, que possivelmente atrai seres de outros planetas pra cá. A cidade tem referências de Ets em todo o lugar, o que deixa a coisa toda mais divertida. O portal da cidade é uma nave espacial, po. Será que isso sairá do chão um dia? Para o dia, o combinado era loquinhas + Cristais. Eu sempre vi a Loquinhas como uma cachu secundária, sem muita coisa pra ver, passeio de umas horinhas. Como estava enganado também. Ela é fácil de chegar, de dentro da cidade, anda por um ramal ok, chega na entrada da fazenda e desembolsa 30 mangos. Parece caro, mas assim, o lugar de fato é estruturado, e as trilhas são suspensas, até mirante e local para descanso ou piquenique tem. E a loquinhas é uma das trilhas, A cachoeira mesmo é a das esmeraldas. vai por mim, rola O poço do sol, que de sol não tem nada, gelado que nem o cão isso aí O poço do sol é um bem conhecido nas fotos, e o último da trilha loquinhas, ele é semelhante à da Santa Bárbara no quesito cor da água, mas este é esverdeado ao invés de azul. E ele é tão lindo quanto G E L A D O! Saía da água com o corpo dormente, em nenhuma de São Jorge tinha acontecido isso *lerigo.....go....* Ah, que coisa boa As trilhas são compostas de pocinhos, alguns ok, alguns bem sem graça e alguns lindos e fundos para nadar. Além do poço do Sol, adorei o poço da xamã, da trilha loquinhas, o poço do Saci, da trilha violetas, e o tranquilitas, da trilha rubi. Achei o poço da Xamã o mais bonito do local, tbm. O magnífico poço da Xamã O poço do Saci. Será que foi o Saci que botou esses totens? Tranquilitas. O grupo ficou uma boa parte do dia aqui, cochilamos até, no poço tranquilitas (olha o nome também ne), decidimos que a Cristais não seria bem aproveitada no dia, então voltamos para o hostel e camp mais cedo. Com tempo de sobra, tratei de procurar aluguel de Bike. Eu perguntei no fórum, há uns tempos atrás, mas ninguém me respondeu, então cabe a mim a decência de dizer: HÁ ALUGUEL DE BIKE SIIIM!!! Tanto em São Jorge quanto em Alto. Aluguei uma no paraíso das bikes pq precisava pedalar na cidade, e curtir o pôr do sol na estrada de São Jorge (que aliás, possui uma ciclovia bacana). Já me sentia um só com o cerrado, um lobo-guará em formação, correndo pelos campos de gramíneas e arvoretas...melhor sensação do mundo, vai por mim. Estacionamento errado, chapa! Indo para o jardim. O ar esfria mas o sangue ferve de excitação Pôr do sol na estrada com a magrelinha Após isso, só restava dormir cedinho, e pensar no quanto a semana estava sendo bacana, com tanta coisa para conhecer. O dia seguinte tecnicamente seria o último dia de chapada, então a tristeza, saudade de casa, entre outras coisas, começavam a se misturar. Noite afogada em pensamentos, quase não dormi. 7º dia: Fechando com chave de ouro num cartão postal Nesse dia, ficou decidido que visitaríamos a badalada catarata dos couros. Ela é um pouco problemática, pois fica no meio do cerrado e de ramais de fazendas, assentamento de sem-terra, campos de milho e abdução, e outras coisas mais. Guia é uma boa para essa, mas eu fui no CAT e nada de aparecer guia na manhã. Então surge a nossa salvação: um casal de moças resolveu ir “na cara e na coragem” usando o Waze (obrigado desde já e sempre, casal do Waze, vcs são fodas demais ), me meti na conversa, perguntei se podíamos acompanhar elas, por elas tudo bem. Eu já sabia que a trilha estava no google maps, mas como vc anda por uma hora dentro de ramais e ramais em território desconhecido, um erro e vc para na casa do leatherface kkkkkkk então era melhor ir de guia. Mas como tempo é precioso... Conseguimos. Por uns instantes pensamos que estávamos perdidos, mas enfim chegamos. Eu vou deixar uma dica aqui, mas que seja nosso segredinho, senão a associação dos guias de Alto bate aqui em casa, ok? há pouquíssimas placas da cachoeira nos ramais, mas vc pode usar o rancho da dona Luzia como referência, há referências no caminho, se vc estiver indo ao rancho da Luzia vc está no caminho. Vimos uma Seriema no final, mas não deu pra tirar foto. No estacionamento tem umas banquinhas pra vc comprar água ou comida, e paga um valor simbólico pro guarda cuidar dos carros. Acho super justo uns 15 reais simbólicos. A trilha é fácil a média, você chega primeiro na cachoeira da muralha, que é linda e a melhor para o nado. Pode ser deixada por último, para vc andar menos. La muralha Show de bola pra nadar Para ir para couros, só seguir a trilha do lado esquerdo do rio, há lugares nas corredeiras para tirar boas fotos e nadar também. Lindo, mas o melhor estava por vir Eita poha Cheio de curvas e poços para o banho....mas aguenta coração ae Caraca! Não imaginava que a imponente Couros fosse tão grande! Você precisa descer um tantinho para chegar na base dela, e dependendo da época do ano, ficar na base dela é arriscado, realmente o lugar é perigoso, pq um passo em falso e vc é arrastado para os níveis inferiores, fraturas e afogamentos não devem ser difíceis ali, então tome muito cuidado. Se Choveu, melhor sair fora. aviso dado. Para vc ter uma idéia do tamanhinho da bichinha Nível inferior, rola um banho, mas com cuidado. Passamos um tempo em todos os lugares, e no final da tarde, retornamos, enfim, para Alto. Se vc for sem guia, é bom que memorize as referências dos ramais, há sempre uma porta, placa ou peculiaridade de uma bifurcação que pode te ajudar. Dá para se perder sim, então leve combustível suficiente para evitar perrengue. A noite de sexta se resumiu em afogar as mágoas (os lugares badalados estavam abertos), e andar mais pela cidade, há sempre algo novo para se ver. Percebi que o povo goiano gosta muito de açaí e caldos diversos. Bem legal isso. Caldo combina com o frio, também, ne... Ah sim, há muita opção vegan e alternativa de comidas, também. Enfim.....a Chapada dos Veadeiros é mágica, misteriosa, repleta de histórias, uma verdadeira aquarela da humanidade, com tantas culturas e caras diversas em um só ponto, é um lugar onde passaria meus anos finais de vida, com certeza. O globo repórter fez uma ou duas matérias sobre o lugar, mas sabe.....aquilo só te dá uma noção mega superficial do ato de estar chapado pela magia daquele ambiente sobre a grande placa de quartzo. E com certeza será local de férias em oportunidades futuras. 😃 Agora as infos básicas: Transporte: Como é sabido, de BSB para alto vc pode pegar um ônibus da Real Expresso, a viagem é demorada, diz que os bus costumam atrasar.....para são Jorge existem viações e transportes específicos, pelo que vi num ponto da vila. Mas a cultura da carona existe. No Face existem vários grupos. Só entrar e anunciar. Em alto Paraíso existe uma parada de ônibus perto da nave espacial da cidade, é o point de carona. Em são Jorge o point é numa parada de ônibus na entrada da vila. Mas a melhor opção sem dúvida é carro próprio. Hospedagem: isso não chega a ser um problema se vc não está indo em temporada alta, em casa esquina há um hostel ou camp, alguns ok, outros meia-boca, e outros de excelência, vai do seu gosto. Custos: olha, rachando em grupo vc gasta menos do que o esperado, mas de uma maneira geral essa chapada tem um ótimo custo-benefício. Levei R$ 1.500,00 em espécie, fora o cartão, e ainda sobrou, e olha que gastei loucamente em algumas besteiras. Sendo mais “Julius”, poderia ter gastado em torno de 1.200,00, e isso incluindo um final de semana em Brasília que fiz após a viagem! Levo dinheiro ou cartão? Leve ambos, em muito lugar de alto e São Jorge vc pode passar o cartão. Eu achei tudo bem seguro ali, então levar dinheiro em espécie (devidamente guardado) é super de boa. Posso confirmar que tem itaú e casa lotérica em alto paraíso e banco do brasil em cavalcante (mas não confie muito nos serviços). Não cheguei a ver caixa em São Jorge. melhor época: o mês de maio é uma transição entre a época úmida e seca, então chega a ser uma boa pois vc vai pegar cachus caudalosas e céu limpo. E ainda não será alta temporada. Por que não ir no verão: cachoeiras e poços mais secos, sol mais forte. Por que não ir no inverno; Atrações fechadas pelo risco de trombas d’água, água não tão cristalina. Lá pro meio do ano rola o tal encontro de culturas, então se vc é caça-festa, acho que vai encontrar a chapada bem animada. O que levar: além do básico pra viagem, recomendo roupa pro frio (para andar de noite e dormir), protetor solar e labial forte (estou com ferimentos nos lábios até agora em virtude da secura, e olha que usei protetor labial e me mantive hidratado), MUITA, muita água mesmo, e lanchinhos para as trilhas (vc vai passar o dia fora, dependendo do lugar, com os lanches certos vc nem chega a passar fome, comidinhas com fibras, sementes, sucos, frutas e sanduíches são uma boa). Quanto tempo ficar: olha, mesmo com uma semana, faltou conhecer muita coisa. Eu não fui na cristais, almécegas, raizama, que são bem conhecidas, entre outras, a chapada é IMENSA, opção não falta, para todos os bolsos, pra isso, faça uma pesquisa prévia a respeito do que lhe interessou. Tem canionismo, tirolesa, vôo de balão, a pessoa que vive em 220v (que nem eu) fica bugada com tanta alternativa Se não conheceu tudo, já reserve uma visita futura, quem sabe vc não vê os etzinhos... Ah, devo contratar uma agência? NÃO PRECISA! Essa chapada te dá uma liberdade que muitos lugares não dão, vc pode ir de boa para muitos lugares por conta própria. Aproveite. Então é isso, gente boa. Permita-se, e seja abduzido(a) também 😃
  14. Então viajantes, se tiver alguém afim de passar 04 dias nos lençois nesta data, avise, estarei saindo de São Luis dia 13 em direção a Barreirinas, devo, neste mesmo dia seguir até canto do atins, almoçando por lá, e no final da tarde seguir viagem, a ideia é acampar nas dunas durante a travessia, realizei esse percurso em 02 oportunidades , a primeira com Ram_Allen e Mochileiro Peregrino em 2010, tendo a oportunidade de aprender muito com os dois, depois em 2017 sozinho, este ano pretendo encontrar alguém pra ir comigo, se alguém estiver disposto, diga sim e vamos alinhar , posso mudar a data se necessário, escolhi esta por ser em lua cheia. É isso.
  15. rodrigoschemes

    Ilha de Superaguí

    O trecho de Mata Atlântica localizado entre os Estados do Paraná e de São Paulo é uma das regiões de onde a riqueza biológica encanta pesquisadores e turistas. O Parque Nacional do Superagüí, localizado no município de Guaraqueçaba, é tido como um dos ecossistemas costeiros mais importantes do país,servindo como criadouro natural de aves, moluscos e peixes. É formado pelas ilhas das Peças e do Superagüi, constituídas de formações costeiras arenosas, forradas por mata atlântica, restingas e manguezais. Está integrado ao complexo biológico formado pelas cidades paulistas de Cananéia e Iguape e a paranaense Paranaguá, região conhecida como Lagamar. O Parque foi criado em 1989 atendendo ao pedido de grupos ambientalistas, que desejavam preservar os recursos naturais de ecossistemas costeiros. No caso do Parque Nacional do Superagüí, seus recursos são base de sustento de várias comunidades de pescadores, que vivem dentro e nos seus entornos. Entre as aves destacam-se algumas espécies ameaçadas de extinção, como o aracuã, a saracura e o papagaio chauá, o colhereiro, o tiê-sangue e os tangarás. Os mamíferos são representados pelas pacas, veados, cutias, bugios, jaguatiricas e onça-parda. O mico-leão-da-cara-preta, descoberto na região em meados da década de 90, é uma espécie típica da região. Também podem ser encontrados animais peçonhentos como cobra coral e jararacas. A vegetação do Parque é caracterizada por formações típicas da Mata Atlântica. Há duas espécies de manguezais (mangue-vermelho e mangue-branco), além de uma grande diversidade de espécies de orquídeas. Entre as árvores de maior porte estão as maçarandubas e figueiras. Atrações A maior atração do Parque Nacional do Superagüí é a Praia Deserta, com 38 Km de areias claras, que podem ser apreciadas em caminhadas a pé. Ao entardecer, aproveite para apreciar a revoada dos papagaios-da-cara-roxa, na Ilha do Pinheiro. Golfinhos são outros dos animais que sempre visitam a região. A melhor maneira de observá-los é contornando a ilha de caiaque ou canoa. Localização e acesso O Parque fica no município de Guaraqueçaba (PR). O acesso é feito pela rodovia BR-227, a partir de Curitiba, até o município de Antonina. Depois se segue pelas PR-440 e PR-405 até a cidade de Guaraqueçaba, percorrendo-se um total de 180 Km. A partir de Guaraqueçaba o acesso à unidade só pode ser realizado através de embarcações. Outra opção é seguir pela BR-227 até o município de Paranaguá e de lá por via marítima até o Parque. Outras Informações Área: 21.400 ha Temperatura média anual : Entre 23 e 25 graus Mais informações : F: (41) 3482-1262
  16. Roteiros sugeridos: O Litoral pode ser associado a outras regiões turísticas como as Rotas do Pinhão com acesso via aeroporto de São José dos Pinhais. O tempo requerido vai muito da intenção de fazer um roteiro ou mais profundo ou superficial e também de quantas cidades pretende abranger. Para quem está hospedado na Ilha do Superagui: Roteiro 1: Caminhada da Praia Barra do Superagui a Praia Deserta - sugestão: ir pela trilha e voltar pela praia Roteiro 2: Passeio de barco: Ilha das Peças, Vila de Barbados, Vila de Sebuí e Ilha do Pinheiro Observações: a duração dos roteiros depende do quanto quiser caminhar, parar para banho, etc. **************************************** Nanci Naomi http://nancinaomi.000webhostapp.com/ Trilhas: Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté Relatos: 23 dias no PR - dez/2018 - Parte 1: Natal de Curitiba | Parte 2: Morretes | Parte 3: Guaraqueçaba | Parte 4: Ilha do Superagui 15 dias em SC - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas 3 dias em Monte Verde - dez/2014 21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro 11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo 21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi 21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú 8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est 25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010 Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009 Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009 19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal 10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008 De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008 Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007 Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes 9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul
  17. Dicas gerais: Recomenda-se tomar a vacina da Febre Amarela com no mínimo 10 dias de antecedência da viagem, principalmente para quem tem pretende fazer trilhas e/ou visitar parques e reservas A cidade é bem pequena. A Av. Ararapira concentra supermercados, lojas, Estação Rodoviária (Viação Graciosa) e alguns restaurantes. Na Praça William Michaud se concentram restaurantes, pousadas e algumas lojas Passei no PIT que fica no trapiche. Tinha pouco material, apenas alguns folders e propaganda. Não tinha nenhum mapa da Secretaria de Turismo e/ou da associação comercial da cidade, mas o funcionário deu informações Não há agência do Banco do Brasil, mas o Banco Postal nos Correios funciona bem. Parece mais banco do que Correio, tudo com placas amarelas do BB, segurança, senha para atendimento, alguns bancos para sentar. Funciona. Não tinha fila quando fui, mas vivia cheio. Pior no início e final de mês, mais lotado, segundo o funcionário. Tem lotérica que também fica bem cheia. Parece que tem Bradesco na praça principal e Itaú na descida à praça A maioria dos estabelecimentos aceita cartão, mas precisará de dinheiro para pagar os passeios Tem hospital, mas trata de casos mais simples. Todos os outros casos são transportados de barco a Paranaguá e, se necessário, levados a Curitiba. Antes os pacientes eram transportados pela estrada, com casos de óbito e parto no meio do caminho Descobri que a Claro não tem cobertura na cidade. Daí para frente, ficamos sem sinal praticamente até voltar à capital. Só funcionava no wifi da pousada e dos restaurantes **************************************** Nanci Naomi http://nancinaomi.000webhostapp.com/ Trilhas: Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté Relatos: 23 dias no PR - dez/2018 - Parte 1: Natal de Curitiba | Parte 2: Morretes | Parte 3: Guaraqueçaba 15 dias em SC - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas 3 dias em Monte Verde - dez/2014 21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro 11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo 21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi 21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú 8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est 25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010 Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009 Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009 19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal 10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008 De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008 Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007 Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes 9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul
  18. A cidade: Guaraqueçaba está localizada na região litorânea do estado e tem área de 2.020,080 km². Tem 7.871 habitantes (dados IBGE 2010) e faz limite com as cidades de Antonina, Paranaguá, Campina Grande do Sul, Cananéia-SP e Barra do Turvo-SP. Possui clima subtropical úmido. Como chegar: Guaraqueçaba tem acesso, por meio de transporte rodoviário ou marítimo. Está localizada a 165 km da capital. O aeroporto mais próximo está na cidade de São José dos Pinhais. Estação Rodoviária, Av. Ararapira, s/n, 3482-1232 Trapiche, Praça William Michaud, s/n, Centro Transporte Curitiba/Morretes/Antonina/Guaraqueçaba: Linha de ônibus da Viação Graciosa: Curitiba/Morretes/Antonina/Guaraqueçaba, seg, qua e sex, às 7h (em Morretes às 8h25, em Antonina às 9h05), com duração de 5h30min. O retorno sai às 17h de Guaraqueçaba. Aceita cartão de débito/crédito Existe mais um horário da Viação Graciosa: Morretes/Antonina/Guaraqueçaba, seg, qua e sex, às 17h55 (em Antonina às 18h40). O retorno sai às 6h30 de Guaraqueçaba Transporte Paranaguá/Guaraqueçaba: Barco Paranaguá/Guaraqueçaba: diar às 9h (Barco Friends I e II, 99125-9666 / 98433-3725) e seg-sáb às 13h30 (Barco Marujo Tu, Marcos 98424-7974 / 99647-3110); 3h de travessia; partida da R. da Praia, s/n (perto do Aquário ou do Restaurante Danúbio Blu) Barco Guaraqueçaba/Paranaguá: seg-sáb às 7h (Barco Marujo Tu) e diar às 14h (Barco Friends I e II) Dicas e comentários sobre transporte: Confirmar horários de ônibus e barcos previamente, pois pode ter cancelamentos e alterações de linhas Geralmente, moradores e turistas preferem ir de barco de Paranaguá a Guaraqueçaba, pois o traslado de ônibus é bastante demorado. Não é tão distante, mas a partir de Antonina, tem um longo trecho de estrada de terra que é bem bonito, cortando uma grande área preservada de Mata Atlântica. Fui de ônibus, pois estava em Morretes e achei mais fácil embarcar no ônibus e seguir direto. Gostei da experiência. A estrada de terra estava em bom estado de conservação, mas dependendo da época do ano, pode estar ruim. O ônibus também demora bastante, pois os moradores dos bairros da zona rural de Guaraqueçaba usam a linha como se fosse um circular para ir à cidade, então o ônibus vai pingando de ponto em ponto e a linha só opera 3 vezes por semana. Pelo que entendi não existe outra linha que atenda os bairros da cidade. Para um turista, acho que vale a pena experimentar tanto o ônibus quanto o barco, vá de um jeito e volte de outro. No final das contas, Guaraqueçaba fica parecendo uma ilha, inclusive algumas de suas comunidades, apesar de localizadas no continente, tem acesso apenas por barco, pois não há estradas **************************************** Nanci Naomi http://nancinaomi.000webhostapp.com/ Trilhas: Grupo CamEcol - Caminhadas Ecológicas Taubaté Relatos: 23 dias no PR - dez/2018 - Parte 1: Natal de Curitiba | Parte 2: Morretes | Parte 3: Guaraqueçaba 15 dias em SC - fev/2018 - Parte 1: Vale Europeu | Parte 2: Penha Paraty e Ilha Grande - jul/2015 - Parte 1: Paraty | Parte 2: Araçatiba e Bananal | Parte 3: Resumão das trilhas 3 dias em Monte Verde - dez/2014 21 dias na BA - fev/2014 - Parte 1: Arraial d'Ajuda | Parte 2: Caraíva | Parte 3: Trancoso | Parte 4: Porto Seguro 11 dias na BA - dez/2013 - Parte 1 e 3: Salvador | Parte 2: Costa do Dendê - Ilha de Boipeba e Morro de São Paulo 21 dias em SE e AL - fev-mar/2013 - Parte 1: Aracaju | Parte 2: Maceió | Parte 3: Maragogi 21 dias em SC - jul/2012 - Parte 1: Floripa | Parte 2: Garopaba | Parte 3: Urubici | Parte 4: Balneário Camboriú 8 dias em Foz do Iguaçu e vizinhanças - fev/2012 - Parte 1: Foz do Iguaçu | Parte 2: Puerto Iguazu | Parte 3: Ciudad del Est 25 dias desbravando Maranhão e Piauí - jul/2011 - Parte 1: São Luis | Parte 2: Lençóis Maranhenses | Parte 3: Delta do Parnaíba | Parte 4: Sete Cidades | Parte 5: Serra da Capivara | Parte 6: Teresina Um final de semana prolongado em Caldas e Poços de Caldas - jul/2010 Itatiaia - Um fds em Penedo e parte baixa do PNI - nov/2009 Um fds prolongado em Trindade e Praia do Sono - out/2009 19 dias no Ceará e Rio Grande do Norte - jan/2009 - Parte 1: Introdução | Parte 2: Fortaleza | Parte 3: Jericoacoara | Parte 4: Canoa Quebrada | Parte 5: Natal 10 dias nas trilhas de Ilha Grande e passeios em Angra dos Reis - jul/2008 De molho em Caldas Novas - jan-2008 | Curtindo a tranquilidade mineira de Araxá – jan/2008 Mochilão solo: Curitiba e cidades vizinhas - jul/2007 Algumas Cidades Históricas de MG - jan/2007 - Parte 1: Ouro Preto | Parte 2: Tiradentes 9 dias nas Serras Gaúchas - set/2005 - Parte 1: Gramado | Parte 2: Canela | Parte 3: Nova Petrópolis | Parte 4: Cambará do Sul
  19. TREKKING LIGHT PELOS LENÇÓIS - PERNOITE EM QUEIMADA DOS BRITOS. Queridos amigos mochileiros, vim compartilhar minha viagem pela Rota das Emoções, embora tenham muitos relatos aqui sobre o assunto, porque acredito que talvez alguns irão gostar da ideia de fazer como fizemos: sair do tradicional, com pouca grana, muita disposição e pouco tempo disponível. Saída do aeroporto Navegantes dia 28/08 - 13:30h - Chegamos 10:30h em São Luís (MA) alugamos um FIat Mobi para devolver em Fortaleza em 04/09. Utilizei o link da reserva da Latam e consegui desconto da taxa de devolução em outra loja gratuita. Fizemos no balcão o seguro de vidros e pneus. Foi um valor de R$12,90 por dia, mas salvou a viagem: A estrada está péssima entre Camocim e Fortaleza. Leva 3h para fazer apenas 57km. Na verdade, trata-se de uma rodovia de buracos com algum asfalto ao longo da via. Na devolução em Fortaleza foi verificado uma roda amassada, uma picada de pedra no parabrisa e arranhões na calota. Que o seguro cobriu. Partimos para o Hotel Santos Dumont SLZ - 0,9km do aeroporto - diária casal sem café - 103,19- Suíte dupla com ar. Limpo e confortável. 5h da manhã partimos rumo à Santo Amaro. Aqui vem o pulo do gato: Não fizemos o tradicional... depois de ler o relato do: Seguindos as informações e o contato que Mario disponibilizou resolvemos fazer um meio trekking. Saímos de Santo Amaro com o Sr. Zeca e o Fábio (moradores de Queimada dos Britos) que vou falar mais adiante, de quadriciclo e seguimos até onde é permitido o trajeto de carro, na Lagoa das Emendadas e depois seguimos com o Fábio a pé pelo Parque rumo a Queimada dos Britos e casa do Sr. Zeca e da Dona Evanira. RUMO AO PARAÍSO ESCONDIDO DOS LENÇÓIS MARANHENSES Chegar em Santo Amaro é tranquilo pelo asfalto foi só seguir o Waze, mas o asfalto está em obras e tem muitos animais na pista é bom ter cuidado. O Waze nos deixou em frente ao Estacionamento Municipal de Santo Amaro - gratuito e muito bem vigiado. De lá pegamos uma jardineira para atravessar o rio - 50,00 o casal. A travessia pelo rio já é é uma aventura. Esta foto é da volta que não tinha jardineira então pegamos um trator. Pernoitamos em Santo AMaro e acordamos às 3h, encontramos nosso guia e seguimos pela área permitida até as Emendadas e de lá um quadriciclo levou nossas coisas, nós levamos apenas uma mochila pequena com água, protetor, toalhas e meias. DICAS: Use chapéu que seja possível amarrar no pescoço, meias, roupas compridas com proteção UV, mochila com capa para atravessar os rios. Chinelos, tênis e toalhas só atrapalham. Primeira lagoa que visitamos Chegamos na casa do Sr. Zeca e da D. Evanira. Um amor de casal que nos recebeu muito bem, com almoço pronto. Galinha caipira (criada no quintal deles), arroz, macarrão, salada, macaxeira, feijão e cabrito ensopado. Sobremesa: caju, melancia, banana e tangerina. Suco de caju que mais parecia sorvete. Depois deitamos na rede, curtindo uma paisagem surreal. Paz e tranquilidade enquanto esperávamos o calor baixar e seguir para a Lagoa do quintal do Sr. Zeca que não tem nome, mas apelidamos de Esplendorosa. No caminho.... Ficamos até o entardecer, subimos a duna mais alta para ver o por do sol, foi quando avistamos um casal que vinha de Baixa Grande sentido Santo Amaro, uma holandesa e o seu guia. Ela tirou essa foto maravilhosa enquanto estávamos na duna no pôr-do-sol. Uma Lagoa entre tantas que visitamos Lagoa dos fundos da casa do Sr. Zeca À noite D.Evanira nos esperava com um peixinho e um café preparado na hora. Depois uma boa conversa sobre cultura e costumes da região, cachaça com cobra para curar picada de cobra... e outras histórias regadas na cervejinha gelada. ELe tem placa solar onde é possível carregar os celulares (só para fotos não tem nada de sinal). Ele nos contou que seu bisavô materno foi quem descobriu a região numa viagem de caixeiro viajante, se encantou e ali fez sua morada. Hospedagem do Sr. Zeca Cachaça de Cobra coral - Remédio para eles. Assim passamos 3 dias e 2 maravilhosas noites, vendo o céu estrelado como nunca tinha visto antes. Após um curso de como dormir em rede, dormimos feito anjos... acordavámos e íamos para as lagoas ali próximas, víamos o sol se por e íamos para casa de lanterna (20min).Por dois dias tivemos os Lençóis só para nós. Uma vida fácil de se acostumar... Me arrependi de não ficar mais um dia e ir até à Praia de Atins. Lá Sr. Zeca tem um barraca onde pesca e prepara o peixe e é possível até dormir. Fica a sugestão de 3 dias para a região. Oque você deve fazer se quiser ficar ali na Hospedagem do Sr. Zeca QUEIMADA DOS BRITOS - Zeca e Evanira (98) 99810-9494 - Zeca (98) 98604-0016 - D. Evanira (98) 99217 - 8945 - Jonas (filho do Zeca) Donos dos Paraíso Perdido Sr. Zeca, D. Evanira, Michelle (holandesa) Sérgio, o guia. Telefone de antena então um sempre estará desligado. Vá tentando até conseguir... Melhor horário por volta das 19h. Nós pagamos: R$40,00 (rede com café da manhã) *Redes limpas e cheirando a sabão em pó. Não passamos nem frio, nem calor. Banho de chuveiro com banheiro masc e fem super limpos. R$30,00 jantar por pessoa R$ 40,00 almoço por pessoa Transporte: A negociar (ele pode buscar em Barreirinhas de 4x4 só para dormir, sem fazer a travessia. Coloque sua intenção e ele dará um jeito de buscar você. ) De 4x4, a pé, de Quadriciclo, de jumento, do jeito que for, mas não deixe de conhecer os verdadeiros Lençóis Maranhenses. Simples, rústico, mágico e maravilhoso. Saímos de lá e fomos para as Lagoas de Barreirinhas (consideradas postais: Lagoa Bonita e Lagoa Azul) e as achamos sem graça depois de ter ficado em Queimada dos Britos. Fizemos o caminho inverso aproveitando cada minuto. Atravessamos o Rio de Trator pegamos nosso carro e seguimos para Barreirinhas. BARREIRINHAS - CIRCUITO LAGOA BONITA. Seguimos viagem para Barreirinhas para curtir os restaurantes na beira rio. Ficamos na Pousada Parque dos Lençóis. (98) 98805-4811 Sany. ELes tem um espçao para trailers. Com sombra para o carro. Cavalo, papagaio e cachorro. Ótima! Limpa e aconchegante e bem localizada. Fizemos os passeios agendados com a Bella Turismo. Pousada Parque dos Lençóis Rio Preguiças - Travessia da Balsa. VIsta da Lagoa Bonita Barreirinhas Sobre Barreirinhas: As Lagoas já estão com a água morta (gíria do Sr. Zeca) ali mergulhar de olhos abertos arde, bem diferente das lagoas de Queimada onde a água é limpa e não arde. A visão de cima do parque vale a visita. Aprox 1 hora sacolejando na jardineira. Na saída da balsa é possível comer uma deliciosa Tapioca com café por R$ 5,00. A noite é só escolher um restaurante perto do rio e curtir a vista. Tem para todos os gostos e bolsos. Ficamos só uma noite. BARRA GRANDE - PIAUÍ Normalmente, as pessoas seguem para o Delta para os passeios pelo Delta do Parnaíba, mas eu optei por praia. Já fizemos Jalapão, Bonito, Mangues em Boipeba e Morro na Bahia e achei que seria mais do mesmo, mangue, pássaros, caranguejos e cavalos marinhos... Fomos para Barra Grande. A estrada de Barreirinhas até Barra Grande está razoável, foi recentemente recapeada e é possível trafegar facilmente de carro comum. No caminho paramos para visitar a usina Eólica e os pequenos Lençóis, mas o tempo era curto só tiramos algumas fotos, pois nada mais impressionava ali... Em Barra Grande ficamos hospedados no Guest Hostel Barra Grande nas tendas Pé na areia. Amei!!!! (86) 3369-8050 ou (86) 98134-5902 diretamente com eles o café é incluso na diária e ainda tem 10% desconto que pelo Booking. Fale com o Kennedy. Amei a praia. Os kites ficam colorindo o céu azul em uma praia semi deserta com águas limpas e mornas. De frente ao Hostel fica o melhor ponto da praia, barracas com espreguiçadeiras que servem na praia e wifi, paramos ali para informar a família que ainda estávamos vivos. 😁 JERICOACOARA - CE - De carro 1.0 por dentro do Parque Nacional de Jericoacora Depois de 01 dia e meio em Barra Grande deixamos o lugar com gostinho de quero mais. Praia linda! De madrugada pegamos a estrada rumo a Jeri. Estrada péssima depois que saimos de Piauí. Vergonhosa a situação da BR. Deplorável! 3h para percorrer 57 km e ainda o governador tem coragem de colocar radares na rodovia. Caminhões desviando de crateras na contra-mão... Absurdo mesmo. Chegamos em Preá, o Waze leva até o centrinho de Preá. Lá fomos abordados por um guia que prometeu nos levar ao Parque com o Mobi. Com medo, mas arriscamos. Ele esvaziou os pneus - 15lb - abastacemos e partimos para o estacionamento na entrada da vila em Jeri. Fomos pela areia com o Mobi, atolamos só uma vez e foi super divertido. Ele tirou fácil. No caminho tiramos foto na árvore da Preguiça completamente vazia. Já que os passeios de jardineira passam ali de manhã. Nosso guia Matheus - (88) 98871-0490 Àrvore da Preguiça - Preá Marcamos o passeio para as 8h do dia seguinte. No contra-fluxo dos outros turistas que saem as 9h e vão para àrvore da Preguiça, depois lagoas do Paraíso e Azul. Paramos na Lagoa do AmÂncio que esta bem cristalina, mas nem entrei...Fomos direto para a Lagoa do Paraíso. Chegamos com ela vazia escolhemos o melhor sofá do Lounge e curtimos até as 11h da manhã quase vazia. Depois chegaram amontoados de jardineiras com centenas de turistas. Saímos e fomos para a Lagoa Azul que devido as chuvas está muito cheia e não mais tão azul, lá tem um parque aquático com piscinas e estrutura de parque aquático. Bem legal! R$ 5,00 a travessia de barco e entrada no parque. Comida bem acessível. WhatsApp: (88) 99752-1337 WhatsApp: 088 98862-7842 Instagram: @lagoaazuljeri Em Jeri, foi uma aventura dirigir pela areia, indo aonde queríamos e ficando o tempo que desejávamos sem aglomeros por apenas 120,00 do guia Matheus. Gastaríamos 60,00 por pessoa em Jardineiras ou 300,00 o bugue compartilhado. Assim fizemos o nosso horário e nosso roteiro. Super recomendo o Matheus. Não se arrisque a ir sem guia. Vimos Hillux e Duster atoladas, enquanto os carros comuns atravessam com guia e ainda paravam para ajudar a empurrar. Ali tem que ter a manha, como diz o Matheus, guia e nascido na região. Em hipótese alguma circule na vila de Jeri com carro, a multa é cruel e o carro do Detran circula pra cima e pra baixo em busca de desavizados. Para os passeios Lado Leste (Paraíso e Azul) e o Oeste (Mangue e TObogã) não tem problema nenhum ir de carro. A pedra furada é apenas a pé por cima do morro do Serrote ou pela praia na maré baixa. Baixe o aplicativo das marés para escolher os melhores horários e leve muita água para a subida da Pedra. Na Pedra Furada tem um jovem, Erivelton, que tira as melhores fotos de pedra furada em troca de comprar um dindin. Paguei o profissional e fiquei na fila, mas as melhores fotos foram dele. Caminho para a Lagoa do Paraíso Telefone do Matheus: (88) 98871-0490 - Guia. FORTALEZA- CE - PRAIA DO FUTURO. Passamos nossa última noite na Maravilhosa Vila de Jeri e seguimos para Fortaleza. Estrada péssima, mas já um pouco melhor que a de Camocim. Fomos até o Crocobeach, almoçar, tomar um banho de mar em Fortaleza e preparmos tudo para voltar para casa. Praia do Futuro - CE Barraca do Crocobeach - CE O crocobeach tem estrutua de resort. Almoço buffet por 79,00kg , combo de 3 cocos por 10,00. Chuveiros e mesas pelo consumo. Muitos ambientes para fotos. Ás 4h pegamos o carro e uma fila enorme para devolver o carro na Locadora. Assim terminou nossa viagem. Embarcamos para Santa Catarina com 39 graus em Fortaleza, descemos em Navegantes com 11 graus e chuva....Mas foi inesquecível. Espero que inspire outros viajantes e amantes da Natureza. Sobre custos: Hospedagem: SLZ Santos Dumond - 103,40 - 1 noite Sto Amaro - Queimada dos Britos com guia excluisvo e alimentação inclusa - R$ 1255,00 -3 dias e 2 noites Barreirinhas - Parque dos Lençóis - 144,00 Barra Grande Guest House Hostel - 100,00 - S/ café com café 120,00 - 1 noite Jeri - Airbnb - Villa Mar - 169,00 diária - 2 noites Média de Jantar - 70,00 a 90,00 peixe ou camarão no abacaxi, peixe na brasa - Romã e Marisol em Jeri. Maoumé em Barra Grande e Bambu em Barreirinhas. Almoço PF 15,00 em Barra Grande e Jeri - Pizza com refri 29,00 - Crocobech 79,00 kg Tapioca com café - 5,00 em Barreirinhas Dindin 0 5,00 - picolé 7,00 Coco gelado - 1,00 em Fortaleza - 3,00 em Barra Grande Passeios e transfer Trator - gorjeta 10,00 Jardineira - 50,00 Guia exclusivo - 120,00 Jeri Lagoa Paraíso - 20,00 pessoa entrada no The Alchymist Beach Club Lagoa Azul - 5,00 por pessoa Circuito Lagoa Bonita - R$ 60,00 por pessoa - Bella Turismo Carro: - 530,77 Combust- Etanol - 275,00 1,160 km rodados em 8 dias Total gasto aprox: R$ 3.200,00 para o casal - 8 dias "A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos, não é o que vemos, senão o que somos." Fernando Pessoa SOARES, B. Livro do Desassossego. Vol.II. Lisboa: Ática. 1982. 387p.
  20. Pessoal, acabo de voltar de uma viagem ao Maranhão e como recorri aos relatos aqui, vou deixar minha contribuição. A viagem foi do dia 1 de agosto ao 11 de agosto de 2014. Vou tentar atualizar os preços e descrever os lugares pelos quais passeis,pois tive dificuldade com estas duas coisas nos relatos que encontrei por aqui. Vou tentar não repetir informações que já existem em outros posts. 1. TRAVESSIA (Santo Amaro, Queimada dos Britos, Baixa Grande, Canto de Atins) Existem diversas rotas de viagens dentro do parque dos Lençóis Maranhenses. Eu fiz a que vai de Santo Amaro para Canto de Atins (passando por Queimada dos Britos e Baixa Grande). A melhor direção para fazer a travessia é a contrária do que realizei, por conta da direção do vento e da formação das dunas. Mas como eu queria terminar a viagem em Canto de Atins e dar uma relaxada lá, preferi ir contra o vento e contra as dunas. Foi bem mais tranquilo do que eu supus. Guia O guia com quem viajei foi Beziquinho. Super gente boa, muito simples e um grande conhecedor das dunas. Ele nasceu na região e hoje tem uma casa em Queimada dos Britos, que serve de ponto de apoio para os viajantes fazendo a travessia. O lugar é super bonito, a casa toda feita folhas de arvores e madeira. Dorme-se na rede em uma tenda linda. Havia um rio bem na porta da casa, onde era possível tomar banho e passar o tempo. Contato: 98 3369 - 1005 e 98 9609 - 2199 Facebook: https://www.facebook.com/biziquinho.lencois?ref=ts&fref=ts Outros guias: - Fagner 98 9190 3335 (guia que encontrei na caminhada e fizemos juntos uma parte do caminho). - Carlos Queimada 98 8734 0615 (guia famoso, que conversei pelo tel, mas que não estava disponível na data que eu precisava) Preço do guia: Até 3 pessoas paga-se 150,00 a diária. De 4 - 10 paga-se 200,00 a diária. (que pode ser dividida entre o grupo). Contactei o guia na região mesmo. Perguntando de boca em boca. Mas pode-se ligar antes e perguntar. Lugares: - Santo Amaro: é uma cidadezinha que cresceu com a exploração do petróleo. De lá tem como fazer vários passeios curtos, de uma tarde, por exemplo. Não os fiz, pois estava interessada na travessia. Tive a impressão de que é menos caótica do que Barreirinhas. Fiquei na Pousada fé em Deus:, que é gerida por Dona Graça, uma figura. 98 8707 0983 / 8870 9596 / 3369 1116 Queimada dos Britos É uma comunidade no meio das dunas, entre a vegetação. Moram algumas poucas famílias longe umas das outras. Lá vi um por do sol incrível, acompanhada pelo filho do Biziquinho de 5 anos. Nas comunidades se come bem simples: uma galinha matada na hora (deliciosa), arroz, feijão e macarrão - com muita fartura. Baixa Grande Fiquei na casa da Dona Dete. Aqui já haviam mais turistas. Uma cabana grande cheia de redes. Já havia também uma espécie de refeitório. O legal deste lugar é que perto da casa tem várias lagoas que dá para ir andando. Vi lagoas incríveis lá e o pessoal da casa é muito agradável. As comunidades já tem estrutura para banho e as redes para dormir. Canto de Atins Canto de Atins está na praia, mas as pousadas estão longe. A praia não é legal, mas as pousadas estão em frente a uma faixa de dunas incrível e com lagoas que dá para ir a pé. É impressionante como cada lugar é único, apesar de ser tudo duna e lagoa....O que não gostei daqui é que existem apenas duas pousadas: a Luzia e a do irmão dela. Ambos competem pelo maior preço. Fiquei na Luiza, que é famosa pelos camarões na brasa. Realmente a comida é gostosa, mas tem vários problemas neste lugar. Paga-se muito caro para comer e nada é farto. Apesar da comida ser gostosa, senti uma relação de exploração muito grande. Cada prato custava 30,00 e não havia sequer arroz à vontade. Não vendiam água de 1,5l, só garrafinhas a 3,00. Depois ainda dificultaram nossa saída do lugar, quando poderiam facilitar para seus próprios hospedes. Conclusão, vale a pena dar uma passada e até dormir uma noite, visto que você chega muito cansado de três dias de caminhada. Mas saia o quanto antes. De Canto de Atins até atins são 1,5 horas andando. Dá para ir, mas depois de três dias de caminhada não animei e peguei uma carona com um dos transportes que levam para passeios nas lagoas. Atins Atins é bem legal. É uma cidadezinha com ruas de areia ainda. Tem muitas pousadas bonitas e tal, mas o clima é bem leve. Lá fiquei na pousada do Melo (98 8843 3968), que é a mais barata (60,00 o quarto para casal). O bar do do Chico foi bem legal também. Vai toda a galera da região e é bom para tomar uma cerveja e bater papo. Lá também serve comida e o Chico é uma figura. A praia em Atins é linda. Uma das mais bonitas que já vi. Passei o dia todo lá. Também saem passeios, que não fiz, pois já tinha feito a travessia. Se alguém quer ir para ficar em um só lugar e de lá fazer passeios curtos, indico Atins. Atins é o intermédio das comunidades no meio dos lençóis e as cidadezinhas de entrada no parque (Santo Amaro e Barreirinhas) DICAS PARA A TRAVESSIA Não é possível fazer a travessia com uma mochila grande. Para a caminhada você deve levar: - um par de roupa para caminhada e um para a noite - água que você vai comprando nas comunidades - alguns biscoitinhos, barrinhas de cerais e frutas (pouca coisa) - protetor - óculos de sol - band aid e esparadrapo para bolhas (caso ocorra) - avaianas e um par de meia. Não leve sapatos. As meias podem servir em caso de bolhas. - roupa de banho e canga Não indico levar barraca e saco de dormir na travessia. Dorme-se em redes, que convém mais com o clima e com a própria estrutura montada para recebê-los nas comunidades. O que fiz foi despachar a mochila com o restante das roupas e utensílios com um amigo do guia que ia para Canto de Atins de carro. Ele deixou a mochila na pousada em que chegaríamos, que o guia tinha costume de levar o pessoal. PREÇOS Um panorama dos meus custos: - Guia 150,00 a diária (450,00 no total) - Dormida nas comunidades com café da manhã: 25,00 (75,00 três dias) - Dormida em Santo Amaro com café 60,00 para duas pessoas (1 noite 30,00) - Dormida em Canto do Atins 60,00 para duas pessoas (2 noites 60,00) - Dormida em Atins 60,00 para duas pessoas (2 noites 60,00) - Comida nas comunidades: 25,00 a refeição (75,00 três dias. Era muita comida!!!) - Comida em Santo Amaro: 30,00 para duas pessoas (15,00) - Comida em Canto de atins: 30,00 para uma pessoa (45,00) - Comida em Atins: 30,00 para duas pessoas (60,00) - Trasporte São Luis - Sangue - Santo Amaro (Van): 50,00 - Trasporte Canto de Atins para Atins: 10,00 (canora em um transporte de turistas) - Transporte Atins - Barreirinhas: 25,00 - Transporte Atins - São Luis: 50,00 (taxi coletivo) - Água: uma garrafa de 1,5: de 3,5 a 6,00 - dependendo de onde você estiver DESLOCAMENTOS E TRANSPORTE São Luis - Santo Amaro: peguei uma van que sai do aeroporto. Tem várias que saem para Santo Amaro e Barreirinhas as 3:30h, que parece ser o horário que chegam vários voos. É possível agendar. Liguei para Tomas 98 8836 4099. fui com ele, mas não sei se o fato de ter ligado influenciou. Você vai de van até Sangue e de lá pega um 4x4 coletivo com o pessoal da comunidade. Preço: 50,00 Tempo: 5h de viagem Santo Amaro - Queimada dos Britos: A saída é as 3:30 h da manhã para que a maior parte da caminhada não seja em sol quente. Tempo: são cerca de 8h de caminhada. Queimada dos Britos - Baixa Grande Tempo: são 4h de caminhada, saindo as 7h da manhã. Baixa Grande - Canto de atins Mais 8h de caminhada, sendo parte nas dunas e parte na beirada da praia. Pode-se fazer este percurso de motociclo, que os moradores tem e cobram. Tempo: 8h de caminhada. Atins - São Luis: O percurso é feito de 4x4 e depois taxi, van ou ônibus - como preferirem. Tempo: cerca de 5h (total) Preço: 25 (4x4 de Atins a Barreirinhas) + 50 (taxi de Barreirinhas - São Luis). O bom é que o taxi te deixa no hostel para onde vc vai ou no centro histórico, caso você ainda vá procurar lugar. O ônibus é apenas 10,00 mais barato (não compensa, pois demora 2h a mais e ainda vai te deixar na rodoviária). Dias Santo amaro: 1 Travessia: 3 Canto de Atins: 1 Atins: 2 :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::: SÃO LUIS DO MARANHÃO São Luis é uma capital decadente. A maior parte dos prédios históricos está abandonada. De um lado tem a parte histórica, onde compensa ficar e na outra tem a parte litorânea. Nessa está tudo cheio de prédios, casas e comércio. Mas no centro histórico não tem muita coisa. Acho que uma tarde ou um dia em São Luiz é suficiente. O movimento mais pesado parece ser na sexta feira. Sábado e domingo o centro histórico morre. Não sei como é dia de semana. Mas tem coisas interessantes. Fiquei hospedada no centro histórico, que compensa. Você fica perto das principais coisas que tem para fazer: - Hostel Solar das Pedras, que fica na rua da Palma (centro histórico): 80,00 quarto para dois; 35 individual compartilhado. - Comer no restaurante da Criola. é um selv-service com comidas típicas. Muitos mariscos, arroz de cuchá, torta de carangueijo.... Custa cerca de 40,00 o kg. Achei mais em conta do que os outros restaurantes no cento histórico. - Tambor de Crioula: o mais famoso e acessível é o do Mestre Amaral. Fica próximo ao hostel em um lugar muito bonito, com uma vista incrível. - Reggae que dança coladinho! Tem vários. Tem um famoso, no bar do Nelson, que rola aos sábados. Mas não fui. - Mercado Central: é um lugar bem bacana. Lá vende de tudo. Dá para comprar camarão e cozinhar no hostel, castanha de caju, sapatos feitos na região, açaí! Gostei bastante do lugar. ALCÂNTARA Li várias discussões se vale ou não a pena ir para Alcântara. Passei apenas uma tarde lá e conheci o centro histórico. A viagem depende da maré, pois SL é uma ilha e quando a maré baixa, não tem como sair do porto. Os barcos saem por volta das 7h da manhã e é melhor comprar passagens no dia anterior - que custam 24,00 ida e volta. Tome cuidado com os guias. Eles compram passagens para revender e tentar fazer você comprar o pacote que inclui o guiado. Não botei fé nos guias. As duas experiências que tive foram com caras que ameçam que você vai ficar sem passagem, que não conseguir fazer nada sem a ajuda ele. Decidi fazer o recorrido sem guia e foi ótimo. Depois, conversando com um dos donos do restaurante, descobri que são todos ruins mesmo. Os amigos que contrataram um guia chegando em Alcãntara se arrependeram e até brigaram com os caras. Eles ganham te levando nos restaurantes caros, sem te perguntar se você quer ou não. O centro histórico é muito pequeno e com um pequeno mapa (que comprei por 7,00) você pode se orientar e dar um rolé. Achei o lugar bem legal e com várias possibilidades não exploradas. Na ilha tem vários quilombos e tem pousadas também (vi uma que era o mesmo preço do hostel de SL). Se eu voltasse passaria uma tarde em SL e me mandaria no outro dia cedo para Alcântara (essa é minha dica!). Tentaria ir para algum quilombo e conhecer os 50 km (?) de praia que existem. Encontrei várias pessoas com quem troquei ideia e me pareceu um lugar muito receptivo. Lá vi uma igreja dos escravos que foi incrível. Pura história de Resistência. Com vários São Beneditos, para quem o tambor de criola é feito. Lá nos quilombos, acredito ser possível ver Tambor de Criola também! E em um formato diferente da cidade.... PREÇOS Hostel São Luiz 160,00 + 40,00 (meia diária) para dois por duas noites: 100,00 Almoço Criola: 25,00 (com suco) Almoço na praia 80,00 (para dois): comi numa barraca na praia e não valia o preço. Almoço Alcântara: 15,00 pf Barco São Luiz: 24,00 Taxi Aeroporto: 40,00 (O próprio hostel fez o translado. Dividi com outro menino que também ia viajar) Dias São Luiz: 2
  21. @FCRO Fiz o Pico das Agulhas Negras, com o guia Reginaldo, profissional muito bem recomendado, mas ele nao estah atendendo no momento. Esse pico so pode fazer com equipamentos especificos, pois tem rapel e escalada, portanto tem que ter bastante experiencia. Ate o falso pico ateh da pra ir(mas tem uma regiao que exige corda e experiencia), mas no pico verdadeiro eh impossivel sem esses equipamentos. Mas acho que nao autorizam ir ateh o falso cume sem guia. Na portaria, tem que pegar bracadeira para ir ateh la. Lembrando que tem um numero de pessoas que dao bracadeira para cada dia, parece que sao 60 por dias, tem que chegar bem cedo para pega-las, pois na alta temporada lota. Na trilha ate a base do Pico das Agulhas Negras, tem uma placa bem grande, explicando, que aa partir dali, soh eh autorizado pessoas com equipamentos especificios e com experiencia. Se nao tem experiencia, contrate um guia.
  22. Siete Picos Início: Cercedilla Final: Cercedilla Duração: 5 dias Maior altitude: 2427m no Pico Peñalara Menor altitude: 1027m na ponte sobre o Rio Manzanares Dificuldade: média para quem está acostumado a trilhar com mochila cargueira. Há muita subida e muita descida todos os dias, com desníveis positivos (subidas) que chegam a 1227m (4º dia) e 1435m (1º dia). A Serra de Guadarrama se localiza a cerca de 70km a norte-noroeste de Madri e é avistada tanto dessa cidade quanto da cidade de Segóvia. Para proteger seus recursos naturais foi criado o Parque Nacional de la Sierra de Guadarrama. É um parque bastante novo, criado em junho de 2013. Há vários roteiros possíveis de caminhada pelo parque, com durações que vão de um a vários dias, porém o acampamento selvagem é proibido (neste e em todos os parques da Espanha), sendo permitido apenas o bivaque acima dos 2100m e somente por uma noite. Eu escolhi fazer um trajeto de forma circular a partir da cidade de Cercedilla que percorresse seis dos cumes mais altos da serra: Peñalara (2427m), Cabeza de Hierro Mayor (2376m), Bola del Mundo ou Alto de las Guarramillas (2254m), La Maliciosa (2219m), Siete Picos (2117m) e Peña Águila (2011m). Essas altitudes parecem bastante modestas, inclusive se comparadas às montanhas mais altas do Brasil, porém todos esses picos ficam cobertos de neve no inverno, o que obriga ao uso de equipamentos apropriados. A maior parte desse trekking acontece dentro da área do parque nacional, porém não há nenhuma sinalização nas trilhas indicando os limites do parque. Por não ter essa informação exata, prefiro não mencionar no texto onde possivelmente entro e saio dele. Vista do Pico Peña Águila 1º DIA - 17/06/19 - de Cercedilla a Puerto de Cotos com subida do Pico Peña Águila Duração: 8h05 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2011m no Pico Peña Águila Menor altitude: 1140m na ponte do Rio de la Venta, em Cercedilla Resumo: nesse dia encarei as primeiras subidas da caminhada com desníveis de 871m desde Cercedilla ao Pico Peña Águila, depois 149m até Puerto de la Fuenfría e 415m da rodovia CL-601 até Puerto de Cotos Na estação Chamartín, em Madri, tomei às 8h10 o trem Renfe com destino à pequena cidade de Cercedilla, aonde cheguei às 9h20. Demorei algum tempo para encontrar o início da trilha para o Pico Peña Águila pois não havia indicação e a trilha não era nada óbvia. O trajeto é o seguinte: saindo da estação do trem deve-se descer a rua à esquerda por 100m até sua guinada para a esquerda, onde passa num túnel por baixo da linha férrea - exatamente na guinada deve-se cruzar a ponte (Rio de la Venta) e o estacionamento em frente para encontrar sob as árvores a trilha com placas de Sendero Ródenas (toda pichada) e Camino Puricelli (com mapa). Outra alternativa é caminhar a partir da plataforma da estação ao longo da linha férrea para oeste e encontrar a mesma trilha num ponto acima das citadas placas. A partir das placas a trilha sobe em zigue-zague até uma rua de terra que deve ser tomada para a direita, subindo (a trilha que sai à direita antes da rua não serve). O casarão bem em frente à trilha funcionava como Albergue El Colladito, mas agora é uma escola infantil. Dali já avistei os Siete Picos, o Pico Bola del Mundo (Alto de las Guarramillas é o nome verdadeiro) e Pico La Maliciosa, meus objetivos para os próximos dias nesse trekking, todos a nordeste. Eram 10h20. Caminhei 640m por essa rua de terra (ignorando um caminho que sai para a direita logo no início dela) e às 10h32 entrei numa trilha à direita onde há uma placa de Parque Regional de la Cuenca Alta del Manzanares. É um atalho que me levou a caminhar entre muros de pedra e subir a uma clareira alta com a primeira visão ampla para as serras, com destaque para os Siete Picos. Caminhando na direção de uma casa vazia à esquerda reencontrei a estrada de terra e segui nela para a direita, mas por apenas 200m pois entrei na trilha à esquerda, subindo entre pinheiros. Ali há um cocho de pedra com água corrente. Nas árvores há marcações de PR (Pequeño Recorrido = Percurso Pequeno), que são duas faixas horizontais, uma branca acima e outra amarela abaixo. Para mais informações: es.wikipedia.org/wiki/Pequeño_Recorrido. Às 11h55 cruzei uma estrada de terra (com círculos vermelhos pintados nas árvores) e continuei subindo pela trilha. Alcancei enfim às 12h09 a crista da serra e nela uma bifurcação em T, onde fui para a direita (norte). Nesse ponto estou entrando na famosa e longa trilha GR 10, que vai de Valência a Lisboa (as marcações em tinta branca e vermelha vão aparecer mais acima). Para mais informações sobre as trilhas GR: es.wikipedia.org/wiki/Sendero_de_Gran_Recorrido. Não cruzo o muro de pedra da crista por enquanto. Deixo para trás a floresta de pinheiros e continuo paralelamente ao extenso muro de pedras. Já avisto o cume do Pico Peña Águila, com as encostadas tomadas pelo tapete amarelo das flores piorno. A trilha cruza finalmente o muro de pedras apenas 140m antes do cume, aonde cheguei às 13h17. Visão espetacular num dia de céu limpíssimo: La Pinareja e Montón de Trigo ao norte (cumes da Serra Mujer Muerta); Peñalara a nordeste; Siete Picos, Cabeza de Hierro Mayor, Cabeza de Hierro Menor, Bola del Mundo (esses três em Cuerda Larga) e La Maliciosa a leste. Altitude de 2011m e desnível de 871m desde Cercedilla. O vento estava forte e bem frio e usei o muro de pedra como proteção para tomar meu lanche. Pico Peña Águila com piornos floridos Às 14h iniciei a descida no sentido oposto ao que cheguei (nordeste) e em 12 minutos caí numa estradinha de terra muito chata. Caminhei por ela até um portão de ferro que cruzei às 14h42 e fechei com atenção seguindo a recomendação da placa (para o gado não fugir). Ali passava uma estrada tediosa de terra, mas procurei por trilha e encontrei uma no sentido nordeste, não muito óbvia no começo. A ela entroncou uma outra vindo da direita chamada Camino Viejo de Segovia. Atravessei uma ponte de madeira (água boa), outra ponte (quase sem água) e à direita surgiu a trilha conhecida como Calzada Romana. A Calzada Romana faz uma curva para a direita e eu preferi me manter no Camino Viejo de Segovia por ser mais direto, por isso segui à esquerda. Porém 190m depois fui à direita e passei a caminhar pela larga Calzada Romana, mas por menos de 100m pois alcancei uma estrada de terra às 16h06. Esse é um importante cruzamento de caminhos, inclusive de uma das rotas do Caminho de Santiago: Puerto de la Fuenfría. Observação: se tivesse caminhado à esquerda na estrada tediosa teria continuado na GR 10 e chegado a esse mesmo lugar. A partir dali a GR 10 toma a direção sul. Um dos significados da palavra puerto em espanhol é "paso entre montañas" ou "collado de montaña", portanto os puertos costumam ser lugares altos que dão passagem de uma vertente a outra da serra/montanha. Após a subida até esse puerto iniciaria uma suave descida. Há diversas placas nesse local indicando e explicando os muitos caminhos que por ali passam. Tantas placas que levei algum tempo para encontrar qual seria a continuação do meu caminho em direção a Puerto de Cotos. Mas era só continuar no meu sentido nordeste por uma estradinha de terra entre pinheiros. Um cocho de pedra tinha água corrente. Na primeira bifurcação fui à direita e na segunda, à esquerda. Às 16h44 a estradinha vira trilha e passo a caminhar pelo Carril del Gallo (sem placa mostrando essa informação). Às 17h41 cheguei a uma grande clareira usada como pasto e parei para descansar por 17 minutos com uma vista bastante ampla e bonita. Continuei no sentido sul (e depois leste) e reentrei na mata de pinheiros. Cruzei uma ponte de troncos e 130m depois alcancei uma estrada de terra, que tomei para a esquerda (norte) (aqui fui explorar uma alternativa à estrada mas não deu em nada, a trilha fechou; gastei 40min nisso). Desprezando as trilhas que nasciam dessa estradinha, às 19h11 cheguei ao asfalto da CL-601, exatamente num local chamado Las 7 Revueltas. Cruzei a cancela e desci à esquerda até uma cancela igual (à direita), onde tomei a estradinha de asfalto entre pinheiros. Altitude de 1409m. Parei para descansar por 22 minutos. Nas bifurcações continuei no asfalto até encontrar às 20h35 uma estradinha de terra à direita com placa de Puerto de Cotos a 3,2km. Passei por quatro riachos e alcancei as casas de Puerto de Cotos às 21h33, ainda com luz do dia (o sol estava se pondo às 21h45). Altitude de 1824m (desnível de 415m desde o asfalto da CL-601). Puerto de Cotos não chega nem a ser uma vila, o lugar se resume a uma estação de trem onde funciona um refúgio de montanha (El Refugio de Cotos), o Centro de Visitantes do Parque Nacional Sierra de Guadarrama e um bar-restaurante (Venta Marcelino). Como é proibido acampar de forma livre e não há camping pago busquei hospedagem no refúgio, onde fui o único hóspede da noite já que era uma segunda-feira (no final de semana estava lotado). Lá fui atendido pelo Carlos, que me preparou um saboroso jantar. O único problema ali foi o banho pois a água não esquentava de jeito nenhum. Além do trem há ônibus ligando Puerto de Cotos a Madri (veja nas informações adicionais). Laguna de los Pájaros 2º DIA - 18/06/19 - Pico Peñalara Duração: 5h20 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2427m no Pico Peñalara Menor altitude: 1816m na estação de trem de Puerto de Cotos Resumo: circuito passando pelo cume do Pico Peñalara a partir de Puerto de Cotos num desnível de 611m Após o café da manhã no Refugio de Cotos e uma boa enrolação saí às 11h36 para subir o Pico Peñalara com mochila de ataque apenas. Meu plano era subir pela crista do lado sul-sudoeste e descer pelo lado norte-nordeste, retornando pela face leste do pico. Passei pelo Centro de Visitantes Peñalara do Parque Nacional Sierra de Guadarrama para pegar informações e continuei no sentido nordeste por 370m. Logo após a curva do Mirador de la Gitana continuei pela trilha principal, a RV2, à esquerda (voltaria pela trilha da direita, a RV8). Após vencer um desnível de 611m desde o refúgio, com trechos em zigue-zague e grandes manchas de neve próximas ao caminho, alcancei o cume do Pico Peñalara às 13h34. Ele é o ponto mais alto da Serra de Guadarrama e das províncias de Madri e Segóvia. Dali se avistam Cabeza de Hierro Mayor, Cabeza de Hierro Menor, La Maliciosa e Bola del Mundo ao sul; Siete Picos, Peña Águila, Montón de Trigo e La Pinareja a sudoeste; Segóvia a noroeste. Iniciei o retorno às 14h46 seguindo a crista no sentido norte-nordeste. Cerca de 540m depois, num trecho com grandes blocos de pedra, desci pela face direita da crista, mas estava errado, o caminho foi sumindo e a descida se complicando. Voltei e desci pelo lado oposto, à esquerda da crista, onde havia uma trilha mais fácil. Observei depois que algumas pessoas continuavam pelo alto da crista, mas pelo que vi é preciso saltar grandes blocos de pedra bastante expostos. Desci por trilha bem marcada e alcancei às 16h45 a Laguna de los Pájaros, onde uma placa alerta para a proibição de banho e a permanência a menos de 3m da margem para evitar a mortalidade de anfíbios, entre outros motivos (porém poucos minutos depois encontrei vacas pastando livremente às margens de outras lagoas). Ali tomei a trilha da direita (sul) e efetivamente iniciei o retorno a Cotos. Cruzei com um grupo grande com mochilas cargueiras que pretendia bivacar no Peñalara sem nenhum medo do vento frio da noite. Às 18h13 parei para fotos no Mirador de Javier e tomei o atalho que sai à direita dele para alcançar em 12 minutos a Laguna Grande de Peñalara, que é cercada com um cabo de aço para evitar a aproximação. Saindo da Laguna Grande às 18h54 desci por uma passarela de madeira e depois trilha até a casinha de vigilância e continuei na trilha em frente (ignorando as trilhas da direita e da esquerda). Reentrei na mata, passei por uma bica e reencontrei a trilha da ida (RV2) às 19h38. Passei pelo Centro de Visitantes, pela Venta Marcelino (fechada) e estava de volta ao refúgio às 20h10. La Pedriza 3º DIA - 19/06/19 - de Puerto de Cotos a La Pedriza Duração: 7h50 (descontadas as paradas e erros) Maior altitude: 2376m no Pico Cabeza de Hierro Mayor Menor altitude: 1478m no acampamento em La Pedriza Resumo: subida de Puerto de Cotos ao cordão montanhoso Cuerda Larga num desnível de 560m e descida ao "parque" rochoso de La Pedriza num desnível de 898m Há dois caminhos possíveis para subir à crista de Cuerda Larga a partir de Puerto de Cotos. Um deles sai diretamente para o sul e passa próximo ao Albergue El Pingarron, o outro sai para leste e é 1,3km mais longo, porém foi o que escolhi (talvez tenha menos sobe-e-desce). Saí do refúgio às 10h53 no sentido leste e atravessei todo o estacionamento que fica ao longo da rodovia M-604. No final do estacionamento desci uma escada de madeira e encontrei na mata a trilha que me levaria a Cuerda Larga. Porém ao sair da mata, apenas 170m depois, a trilha sumiu. Cruzando o campo na direção sudeste, entrei em outra mata e reencontrei a trilha junto a uma pequena ponte de tábuas. Uma outra trilha entroncou nessa vindo da rodovia também. Um círculo amarelo pintado nas árvores confirma o caminho. Tomo o rumo sul e depois sudeste, direções que manterei por algum tempo. Cruzo um riacho pelas pedras e desemboco numa estrada, na qual vou para a esquerda, descendo. Atravesso a ponte sobre o Arroyo de las Cerradillas. Encontro outra estrada às 12h01 e desta vez vou para a direita, subindo por um vale com o Arroyo de las Cerradillas à direita. Surgem caminhos à esquerda que exploro tentando evitar a monotonia da estrada, mas foi só perda de tempo (apesar dos sinais vermelhos pintados nas árvores). Felizmente logo a estrada vira trilha (na bifurcação vou à direita), cruzo três pontes, a trilha dá uma guinada para o norte e chego a uma bifurcação com placas às 14h34. Da direita vem a trilha do Albergue El Pingarron, o outro caminho de Cotos. Eu sigo para a esquerda retomando o rumo sul. Cruzo quatro riachos em sequência, formadores do Arroyo de las Cerradillas. Alcanço o limite das árvores (1825m) e passo a subir por entre moitas de piornos floridos. Depois vem a parte mais inclinada da encosta da serra com a dificuldade de caminhar por um terreno chamado de canchal (em espanhol) ou scree (em inglês), uma ladeira de pedras desmoronadas. Cruzo um riacho para a direita às 15h26 e essa será a última água até descer para a outra vertente no final do dia. La Pedriza Às 16h40 alcanço enfim a crista de serra conhecida como Cuerda Larga. Desnível de 505m desde as placas. Dali avisto as formações rochosas de La Pedriza, a cidade de Manzanares El Real, meu objetivo deste dia, e bem distante no horizonte a capital Madri. Sigo para a esquerda (nordeste) na bifurcação em T às 17h02. O Pico Cabeza de Hierro Menor (2374m segundo a Wikipedia), segundo mais alto de Cuerda Larga, fica apenas 300m à direita dessa bifurcação, mas não fui até ele. Seguindo pela crista (PR-M 11), um desvio de apenas 40m à esquerda me leva ao cume mais alto de Cuerda Larga, o Pico Cabeza de Hierro Mayor, com 2376m de altitude pelo meu gps. Ele é o segundo em altitude da Serra de Guadarrama, perdendo apenas para o Peñalara. Avisto lá do alto o estacionamento de Puerto de Cotos onde iniciei a caminhada desse dia e também as montanhas: Peñalara ao norte; La Pinareja, Montón de Trigo, Siete Picos, Peña Águila e Bola del Mundo a oeste; La Maliciosa a sudoeste; La Pedriza e Manzanares El Real a sudeste; e ao sul-sudeste os prédios de Madri. Desnível de 560m desde o refúgio em Puerto de Cotos. Continuando pelo sobe-e-desce da crista no sentido leste passo pelos outros cumes de Cuerda Larga: às 18h08 pela Loma de Pandasco (2247m, segundo a Wikipedia, não fui medir cada um), às 19h06 por Navahondilla (2234m) e às 19h15 por Asómate de Hoyos (2242m). Nesse trajeto tive o primeiro contato com as cabras montesas e estavam em grande número, mas são mansas e ariscas. Cerca de 310m após o último cume sigo os totens e faixas pintadas à direita e abandono a crista de Cuerda Larga, que segue para nordeste, em favor de uma crista secundária a sudeste que me leva ao "parque" rochoso de La Pedriza. O lugar é incrível, com formações fantásticas de granito, algumas lembrando o nosso Parque Nacional de Itatiaia. Há inúmeros caminhos em La Pedriza, muitos deles usados por escaladores para acesso às pedras e suas vias. Vários outros levam ao vale do Rio Manzanares, o qual eu deveria percorrer para alcançar o Camping El Ortigal, a caminho da cidade de Manzanares El Real. Dos muitos caminhos ao Rio Manzanares optei pelo mais direto, passando pelo Refugio Giner de los Rios (PR-M 2). Após descer 330m (de altura) desde a crista de Cuerda Larga pela PR-M 2, às 21h02 chego a uma bifurcação em T em Collado del Miradero e vou para a esquerda (ainda PR-M 2), reentrando no bosque de pinheiros cerca de 100m depois. Voltam a aparecer as fontes de água e com elas os locais propícios para o bivaque para quem se aventura escalando as muitas pedras do entorno. Já estava começando a anoitecer (quase 22h) e o camping ainda estava muito longe, então parei no primeiro local plano que encontrei, na altitude de 1478m, para pernoitar. Sierra de los Porrones 4º DIA - 20/06/19 - de La Pedriza a Puerto de Navacerrada Duração: 8h10 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2254m no Pico Bola del Mundo Menor altitude: 1027m na ponte sobre o Rio Manzanares Resumo: descida de La Pedriza ao Rio Manzanares, em seguida subida aos picos La Maliciosa e Bola del Mundo e descida a Puerto de Navacerrada. Diferença de 1227m entre os pontos mais alto e mais baixo do dia. Esse dia e o dia seguinte são de escassez de água. É preciso reabastecer os cantis nas poucas fontes encontradas no começo desse dia para durarem até a tarde do dia seguinte (a menos que se consiga água em Puerto de Navacerrada, que não foi o meu caso). De manhã fui explorar o entorno do local onde acampei e encontrei um lajedo com pedras de diversos formatos e tamanhos, uma miniatura do Lajedo do Pai Mateus de Cabaceiras(PB). É bom lembrar que o acampamento selvagem nos parques da Espanha é proibido, mas eu montei a barraca já à noite, desmontei logo cedo e não deixei nenhum vestígio do meu pernoite no local. Comecei a caminhar às 8h18 ainda descendo. Apenas 340m depois do local de pernoite, aos 1433m de altitude, encontrei um cruzamento de trilhas mas fui em frente pois era o caminho mais rápido ao Refugio Giner de los Rios e depois ao Rio Manzanares. Continuo na PR-M 2. Aos 1256m encontrei a primeira água do dia. Às 9h28, na altitude de 1179m, uma placa aponta para o refúgio à esquerda, num desvio de 150m da trilha principal. Cruzei uma pequena ponte e depois uma clareira para subir ao refúgio, que encontrei em bom estado porém trancado. A bica ao lado estava quase seca. A clareira tem espaço de sobra para acampar porém logo cedo já começam a passar os trilheiros e escaladores uma vez que há um estacionamento a 2km dali. Voltei à trilha principal às 10h08. Às 10h39 cheguei ao Punto de Información Canto Cochino, mas estava fechado (só abre de sábado, domingo e feriado das 9h às 17h). Esse é o ponto de convergência de pelo menos quatro trilhas que descem de La Pedriza e as placas indicam esses caminhos. Foi também o local onde vi mais gente. Dali tomei a direção sul por um calçamento e cruzei às 10h58 a ponte sobre o Rio Manzanares, encontrando do outro lado uma estrada e um pequeno estacionamento. Essa ponte é o ponto de menor altitude do dia e de todo o trekking (1027m) e a última água do dia. A estrada quebra para a direita e ao fazer uma curva para a esquerda encontro dois grandes estacionamentos e um ou dois bares (se fosse ao Camping El Ortigal teria que tomar a direção sul aqui). Ao final dos estacionamentos cruzo o asfalto e entro na trilha em frente (oeste). Na bifurcação uns 35m depois vou à esquerda (pois a direita morre no asfalto mais à frente). Cerca de 1,1km depois da bifurcação chego às 11h31 a um cruzamento de trilhas, onde vou para a esquerda, quase voltando. Meu objetivo é subir à crista da Sierra de los Porrones e descer à cidade de Puerto de Navacerrada para pernoite. Sierra de los Porrones Não percebi uma trilha saindo para a direita e subi até um muro de pedras que fui contornando para a direita até reencontrar a trilha no sentido oeste novamente. Às 12h21 cruzei uma estrada de terra e parei para descansar e me refrescar do forte calor. Os insetos também estavam incomodando um bocado. Nesse ponto há algumas placas e uma delas apontava para o Pico La Maliciosa, meu destino. Faixas amarelas e brancas pintadas indicam ser uma rota de Pequeño Recorrido, nesse caso a PR-M 16. Havia um cocho de pedras mas as bicas estavam secas. Às 13h05 retomei a caminhada agora subindo bastante. Nessa subida pela encosta norte da Sierra de los Porrones tive de fazer mais algumas paradas longas porque o calor estava me tirando a energia. Às 15h53 atingi a crista da serra e fui à direita na bifurcação, subindo, pois a trilha da esquerda desce pela vertente sul da serra. Às 17h22 avistei uma grande formação rochosa à frente e uma nítida trilha subindo ao seu cume: era o Pico La Maliciosa, uma dura subida ainda a enfrentar. As árvores desaparecem. Alcancei o cume de La Maliciosa às 18h57 e havia mais duas ou três pessoas. Conversei com um rapaz de Madri que veio fazer um bate-e-volta desde a capital até esse pico e já ia retornar! La Maliciosa é o pico mais alto da Sierra de los Porrones, com 2219m, e dali se avistam: Bola del Mundo e Pico Peñalara ao norte; Cabeza de Hierro Mayor e Cabeza de Hierro Menor a nordeste; La Pedriza a leste; Manzanares El Real e o reservatório Embalse de Santillana a sudeste; Madri ao sul-sudeste; Navacerrada a sudoeste (não é Puerto de Navacerrada, que fica mais acima e não se vê dali); Peña Águila e Siete Picos a oeste. Retomei a caminhada às 19h18 em direção a Bola del Mundo e suas horríveis antenas parecendo três foguetes prestes a ser lançados. Continuei pela crista da serra por mais 520m no sentido noroeste e tomei a direita (norte) na bifurcação onde a esquerda desce a vertente sul em direção à cidade de Navacerrada. Desci por um caminho de pedras com bifurcações mantendo a direita e cruzei na parte mais baixa uma outra trilha que corria no sentido leste-oeste. Subi a encosta oposta por caminho largo e cheguei a Bola del Mundo, ou Alto de las Guarramillas, às 20h32. Aqui retorno ao cordão montanhoso Cuerda Larga já que esse pico é o mais ocidental dele, com altitude de 2254m. Mas aquelas antenas causam tanto incômodo que não parei, segui para oeste, agora por estradinha concretada (350m a leste de Bola del Mundo se situa o Ventisquero de la Condesa, local onde nasce o Rio Manzanares, mas não fui até lá para conferir se seria fácil coletar água abaixo do nevado). Desci 850m pela estradinha e cheguei a um bar-restaurante que deve funcionar somente no inverno, quando a pista de esqui da face oeste da montanha entra em atividade. Ao lado do bar-restaurante fica a chegada do teleférico que parte de Puerto de Navacerrada, mas a inclinação e o terreno de pedras soltas dificultam a descida direta por ali. Tive de descer pela estradinha de concreto mesmo, com todas as suas curvas e zigue-zagues. Às 21h35 cruzei a cancela ao lado do ponto de partida do teleférico e com mais 5 minutos cheguei a Puerto de Navacerrada, cortada pela rodovia M-601. Altitude de 1862m. Procurei hospedagem no Albergue Peñalara, mas estava fechado. O único lugar aberto e funcionando era o Hotel Residência Navacerrada, porém a mulher fez uma cara de assustada quando me viu entrar de mochila cargueira nas costas e foi logo dizendo que o hotel estava lotado. Já era noite. A única saída era acampar. Procurei o início da trilha do dia seguinte, desviei para dentro da mata com lanterna e encontrei um lugar plano, espaçoso e muito discreto para montar a barraca a menos de 300m da rodovia. Há trem e ônibus ligando Puerto de Navacerrada a Madri (veja nas informações adicionais). Siete Picos 5º DIA - 21/06/19 - de Puerto de Navacerrada a Cercedilla Duração: 6h05 (descontadas as paradas) Maior altitude: 2117m no Pico Somontano, em Siete Picos Menor altitude: 1149m na ponte do Rio de la Venta, em Cercedilla Resumo: subida de Puerto de Navacerrada aos Siete Picos num desnível de 255m e descida a Cercedilla num desnível de 968m Desmontei acampamento e voltei à rodovia para ver se havia algum lugar aberto para tomar um café da manhã, mas continuava tudo fechado. Iniciei a caminhada do dia às 8h45 entrando na trilha sinalizada como "Sendero Arias" e "Estacion Ferrocarril" localizada entre o Hotel Residência Navacerrada e o estacionamento dos restaurantes/cafeterias mais acima. Após uma plataforma de teleférico à esquerda o caminho trifurca e fui para a direita. Cruzei uma cancela de ferro e subi à direita e depois esquerda na bifurcação. Cheguei a uma cerca de troncos finos que delimita uma pista de esqui pequena (talvez para iniciantes) e parei para tomar meu desjejum. Às 9h41 continuei subindo pela floresta de pinheiros e alcancei uma grande clareira com outro teleférico. À frente (oeste) já avisto toda a extensão dos Siete Picos. Percorro no sentido sudoeste por 230m um caminho largo que vem do teleférico mas o abandono para tomar um outro um pouco mais estreito à esquerda que me leva à formação rochosa com a pequena estátua da Virgen de las Nieves. Dali se avistam o Pico Peñalara, Bola del Mundo, Puerto de Navacerrada e La Maliciosa. A trilha continua a partir dali e corre paralela ao caminho largo que abandonei. Às 10h48 chego a uma grande clareira gramada onde caberiam muitas barracas, ainda com um lindo mirante uns 100m depois (porém não há água). Retomo às 11h07 o caminho largo que havia abandonado e ele começa a se estreitar ao cruzar uma outra trilha - continuo em frente (noroeste) e tomo a esquerda na bifurcação 45m depois. Começo a subir em direção aos cumes de Siete Picos. Nos 2109m de altitude vou à esquerda numa bifurcação em T e 165m depois já estou no ponto mais alto, o pico conhecido como Somontano, de 2117m, às 11h44. Desnível de 255m desde Puerto de Navacerrada. Porém uma forte neblina havia tomado conta do lugar, mal me deixando ver a formação rochosa do pico, o mais oriental do conjunto. Piornos floridos Às 12h12 continuo pela trilha da crista, que se divide em várias, mas tento sempre me manter na mais alta. Passo por mais um dos cumes, ainda com muita neblina, e às 12h38 surge uma bifurcação em que se deve continuar à esquerda pois a direita desce a vertente norte da montanha. Na bifurcação seguinte vou para a esquerda e passo por mais um dos cumes. A neblina começa a se dissipar e o dia volta a ficar perfeito para fotos. Paro por 46 minutos para almoçar e curtir o visual. Antes de descer a encosta sul da montanha faço um desvio de uns 50m para alcançar mais um dos cumes às 14h37. A partir desse ponto inicio a descida e aos poucos reentro na mata de pinheiros. Na altitude de 1906m saio da trilha principal para subir (escalaminhar) o Pico de Majalasna (1935m), o mais ocidental dos cumes de Siete Picos e um tanto afastado dos outros que se encontram na crista. Do seu alto, às 15h36, avisto La Maliciosa e Peña Águila (as nuvens não me deixam ver mais que isso). Só retomo a caminhada às 16h33. Continuando a descida passo por duas fontes de água mas com muito pouca vazão. Essas fontes são a primeira água que encontro desde o Rio Manzanares, na manhã do dia anterior. Às 17h46 cruzei uma estrada de terra com diversas placas e seguindo 120m para oeste encontrei uma bica com mais água sob um abrigo de pedras (Refúgio del Aurrulaque). Parei para descansar e beber bastante água. Ao cruzar essa estrada de terra estou cruzando novamente a GR 10. A partir do abrigo tomei às 18h35 a Vereda Alta: desci no rumo noroeste, cruzei outra estrada de terra e na bifurcação abaixo fui à direita (à esquerda um X pintado numa árvore). Às 18h59 parei em mais uma fonte de água. Surgem trilhas vindo da direita e sigo por 115m um muro de pedras, mas ele continua à direita numa bifurcação em que vou para a esquerda. Às 19h41 chego a uma clareira com muitos caminhos para todos os lados. Fica até difícil descrever em detalhe o que fiz, para resumir tomei a direção sudoeste e alcancei o Caminho del Agua, uma trilha bem larga em que há um cano semi-enterrado. Às 20h13 vou à direita numa bifurcação e já começo a marcar algum lugar discreto para acampar em caso de necessidade, porém logo encontro um portão de ferro e depois algumas casas. Às 20h30 chego à periferia de Cercedilla. Primeiro cruzo uma rua e continuo na trilha em frente. Mais abaixo a trilha termina no asfalto da M-966, onde vou para a esquerda. Com mais 290m, às 20h47, estou na estação ferroviária de Cercedilla, onde tudo começou cinco dias atrás. Ainda havia trens e ônibus para Madri mas eu não tinha reservado nenhum hostel lá e ia chegar muito tarde (o trem sairia 21h33 e deveria chegar a Madri às 22h37). Procurei hospedagem em Cercedilla mas só encontrei lugar caro. O jeito foi me meter na floresta de novo e encontrar um lugar afastado para montar a barraca. No dia seguinte peguei o trem das 8h30 e cheguei às 9h35 à estação de Chamartín, em Madri. Há opções de ônibus também (veja nas informações adicionais). Siete Picos Informações adicionais: . site do Parque Nacional Sierra de Guadarrama: www.parquenacionalsierraguadarrama.es . trens na Espanha: www.renfe.com . ônibus 680 - Madri-Cercedilla-Madri: www.crtm.es/tu-transporte-publico/autobuses-interurbanos/lineas/8__680___.aspx . ônibus 684 - Madri-Cercedilla-Madri: www.crtm.es/tu-transporte-publico/autobuses-interurbanos/lineas/8__684___.aspx?origen=2 . ônibus 691 - Madri a Puerto de Navacerrada e Puerto de Cotos www.crtm.es/tu-transporte-publico/autobuses-interurbanos/lineas/8__691___.aspx . Refúgio em Puerto de Cotos: 32 € o quarto coletivo com café da manhã e jantar, banheiro no corredor. Mais preços no site elrefugiodecotos.com. . roteiro adaptado a partir das informações do guia Lonely Planet Walking in Spain, 3ª edição, 2003 Rafael Santiago junho/2019 https://trekkingnamontanha.blogspot.com.br
  23. Fala galera, então! Me Chamo Bruno e estou junto com um irmão, a sair pelo Brasil a fora no final de novembro, sendo mais exato, na semana do dia 25/11. Sendo assim, peço algumas.dicas sobre mochila roots, tanto quanto cuidados a ter com esse tipo de viagem, como o que fazer para auto sustento. Queria algumas dicas também sobre o Wordpackers, baixei mas queria entender melhor como funciona. Para conclui o post, deixo aqui também meu convite para essa jornada, será minha primeira vez na estrada desta forma, e qualquer ajuda será valida! (61) 98317-1261 (Meu contato, para troca de experiências)
  24. Ter uma história com uma Kombi é bem comum entre os brasileiros. Eu mesma me recordo das histórias de infância, onde uma Kombi era utilizada como transporte escolar na minha cidade. Tenho certeza que que muitos de vocês já se depararam com uma Kombi com aquela faixa amarela escrito “ESCOLAR”, não é mesmo?! Kombi Escolar Nenhum outro veículo já produzido tem tantas histórias para contar como a Kombi. No Brasil ela foi fabricada de 1953 a 2013, completando 60 anos de produção, sendo um dos veículos que mais participou da vida dos brasileiros. Uma “senhora” com mil e uma utilidades, que vão desde sua utilização no comércio à fins particulares. Diversos jornais e revistas vinham em kombis, assim como outros segmentos que a utilizaram: aviação, correios, imprensa, exército, hospitais, supermercados, entre outros. Hoje é muito comum vermos Food-Trucks (traduzido do inglês para “caminhão de comida”) ou MotorHomes (“Casa sobre Rodas”) sendo adaptados em Kombis. A versatilidade desse veículo não tem limites! Food Truck A criatividade do povo brasileiro em usar a kombosa vai além de “casas sobre rodas” ou “carros de comida”. Hoje já existem Kombi adaptadas como estúdios fotográficos, choperias móveis, lojas ambulantes, escritórios sobre rodas e uma infinidade de usos que revelam que mesmo que a produção desse veículo tenha se encerrado, sem dúvida continuará participando de nossas vidas por muitas décadas. No entanto, uma das facetas da “Kombi” que mais vem chamando atenção nos últimos anos é a sua utilização como “motorcasa”, ou como já é conhecida popularmente: Kombihome. É cada vez mais comum vermos notícias de pessoas que decidiram transformar a Kombi em Motorhome e utilizá-la para viajar ou até mesmo morar dentro desse veículo adaptado. E os motivos desse “movimento” estar ocorrendo, particularmente no Brasil, entrelaça a história da Kombi com as características do nosso povo. Antes de mais nada, é importante ressaltar que a cultura dos Motorhomes nunca foi muito popular na nossa terrinha. Diferente dos Estados Unidos e Europa, o Brasil possui poucas fábricas especializadas em construção de Motorhomes (a maioria localizadas na região sul do nosso país). Não consultei nenhum artigo ou pesquisa que explique essa realidade brasileira, mas poderia “chutar” algumas razões, como: estradas mal cuidadas, postos de gasolina sem infraestrutura, o preço dos combustíveis, falta de segurança, e talvez o principal motivo na minha opinião, que é a situação financeira e a renda per capita do trabalhador brasileiro. Afinal, pra quem ganha um salário mínimo (a maioria da nossa população), adquirir um veículo apenas para viajar com a família é um sonho muitas vezes inalcançável. Típico Motorhome Americano Os valores variam muito, mas a média de preço de um motorhome básico está na casa dos R$70.000,00. Isso porque esses veículos muitas vezes são adaptados em vans ou chassis de caminhão, o que já torna o custo inicial muito elevado. No entanto, o brasileiro parece ter “redescoberto” um veículo barato, com razoável espaço interno e muito popular em nosso país: a Kombi. As vantagens dessa velha senhora não param por aí: mecânica simples, fácil acesso a peças de reposição e principalmente: manutenção barata. Para se ter uma ideia, certos reparos no sistema de transmissão de uma van são mais caros que o motor inteiro de uma kombi. E é por se adaptar a realidade financeira da população brasileira, que as Kombihomes estão virando febre por aqui, e ganhando cada vez mais o coração das pessoas. Nós adquirimos a nossa em março de 2017. Trata-se de uma Kombi ano 2010/2011, modelo Standard, motor flex 1.4. Inicialmente estávamos de olho em modelos mais antigos, fabricados entre 2003 e 2009. No entanto, as opções que encontramos não estavam bem conservadas, apresentando pontos de ferrugem na lataria e alguns problemas mecânicos. Ao encontrarmos com a Chica (nome carinhoso com que batizamos nossa Kombi), foi amor à primeira vista. E mesmo com o preço de venda estando um pouco acima do planejando, acabamos ficando com ela. Levamos ela para a casa por R$20.500,00, pagos à vista. Muitos parentes e amigos questionaram a escolha da Kombi, em detrimento de veículos com maior espaço interno, como as Vans, ou com motores mais potentes, como as caminhonetes 4x4. A verdade é que a Kombi foi a escolhida por ser a única que se encaixava no nosso orçamento. Apesar das boas lembranças que eu e meu marido tínhamos da Kombi, não nos considerávamos “fãs” do veículo, assim como alguns colecionadores e amantes de Kombi. Basicamente o que nos levou a escolher a Kombi foi seu baixo custo. Claro que depois de 1 ano viajando, a Chica acabou se tornando parte da família, recebendo muito mais carinho que um carro comum está acostumado. Entretanto, nem tudo são flores! Assim como qualquer veículo, a Kombi também tem seus pontos negativos. Mas isso é assunto para o próximo post... Mesmo não sendo o melhor, o maior ou o mais bonito motorhome, a Kombi vem atendendo perfeitamente nossas demandas de uso e nos proporcionando a oportunidade de realizar o sonho de viajar por nosso país. Para saber mais sobre o universo de motorhomes e Kombihomes, acesse nosso canal no Youtube ou nosso perfil no Instagram. Eu tenho certeza que você vai se encantar com esse estilo de vida que vem seduzindo cada vez mais pessoas. Kombihome Chica - Na Estrada Youtube:https://www.youtube.com/naestrada Instagram: https://www.instagram.com/naestradadekombi
  25. Pretendo detalhar as trilhas, viagens e locais interessantes de se conhecer por meio de um simples "diário de bordo", quem quiser tirar dúvidas será um prazer. 😁✌️ Pra acompanhar, ver mais fotos, dar apoio e compartilhar informações segue lá no Instagram ➡️ @guiint _____________________________________________ Pico do Jaraguá - Parque Estadual do Jaraguá - SP. . Esperávamos quase com descrédito que o sábado seria de Sol. Chegado o dia escolhemos o caminho mais fácil de transporte público para o parque: trêm da Barra Funda até a Estação Vila Clarice (Linha Rubi). Saindo da estação há 3 opções de ônibus (8040 Jaraguá/ 8047 Jaraguá/ 8696 Jaraguá) que deixam na entrada do Parque Estadual do Jaraguá de entrada franca. . Aproveitamos que o Solzão finalmente deu as caras e fizemos duas trilhas leves pra aquecer (Trilha da Bica ~1,5km e Trilha do Silêncio ~800m). Já no pique pra começarmos a subida do monte iniciamos enfim a Trilha do Pai Zé. . A trilha curta com quase 3,5km ida/volta de pedras e terra batida é úmida no início/meio e árida no final conta com generosas subidas, principalmente chegando ao seu final quando terminamos em um pequeno deck de madeira com ampla visão da paisagem. Um preparo físico inicial é MUITO bem vindo pois a subida é um pouco íngreme e desgastante. . "Tão perto, mas tão longe" foi a primeira coisa que me veio a cabeça ao subir os pesados 250 degraus até chegar finalmente ao topo do Pico do Jaraguá, as pernas já não aguentam mais subir degraus, por Deus! Aos pés das enormes antenas de transmissão fizemos o nosso merecido descanso, já pensando em um rota tranquila para descer. . Escolhemos voltar pela Estrada Turística do Jaraguá e sua suave descida de 5km entre os paredões rochosos e o vale arborizados. Caminho tranquilo, caminho formooooso, caminho bem feito! Terminamos o percurso maior em menos tempo do que a subida pela trilha. Novamente na entrada do parque, coincidentemente, pegamos o mesmo ônibus pelo qual viemos da estação. . Os 1135 metros do Pico foram vencidos!
×
×
  • Criar Novo...