Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''camping''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 31 registros

  1. Alguém planejando uma viagem de bicicleta de Buenos Aires para o Chile querendo parceria (Durante o mês de Novembro)? De preferência para dormir acampando ou em hostels, mas de preferência em barraca de camping.
  2. Para mais detalhes técnicos e fotos acessem: https://youtu.be/TjBYTc0ifUs Confiram neste vídeo um review completo da Barraca Nautika NTK Cherokee GT 5/6 e também o passo a passo tutorial de montagem. Muito mais fácil do que você imagina! Para quem já possui uma família com no mínimo 3 integrantes (pai, mãe e filho(a)) vai aqui uma excelente dica de barraca para comprar. A marca Nautika dispensa comentários, impregnou-se (no bom sentido) em nosso país sempre pioneira na arte do campismo e com bons preços. Não sou um expert no campismo, mas para o básico quando vêem até mim querer saber um bom modelo sempre me limito a indicar dois pré requisitos: Que a barraca tenha 1000 mm de coluna d'água e que o sobre teto alcance no MÍNIMO meia altura da barraca, e é o caso deste modelo que minha amiga comprou para 6 pessoas (Cabe ela, mãe, pai e irmão pequeno com espaço de sobra). Confiram meu Blog, chamado reZenhando, falo sobre bastante coisa referente ao campismo no link: https://rezenhando.wordpress.com/category/camping/
  3. Salve salve mochileiros! Segue o relato com as dicas para fazer trilhas, cachoeira e conhecer três praias em um bate e volta de 2 dias bem perto da cidade de São Paulo. Este relato será baseado na minha última visita a Prainha Branca porém contém dicas e fotos de todas as vezes que fui neste paraíso! 1º Dia: Ida - 29/04/18 - 11h00min - São Paulo x Bertioga x Guarujá - Metrô e Trem R$4,00 - Vans e Carros R$25,00 - Empresa de Ônibus Viação Breda R$26,00 - Camping Tabajara R$30,00 Partindo de São Paulo do bairro de Perdizes, peguei o METRÔ de SP na estação Vila Madalena (linha verde) até a estação Paraíso (linha Azul) para baldear até a estação Sé (linha Vermelha) e depois até a estação Brás (linha Vermelha). Aguarda por alguns minutos pelo trem da CPTM com sentido a estação Guaianazes (linha Coral) onde acontece a troca de trens (se dirija ao primeiro vagão do trem, pois no desembarque você poderá ter problemas por causa do fluxo contrário). Feito a troca é só pegar sentido estação Estudantes (linha Coral) com tempo de aproximadamente 1h10min este primeiro trecho. Na estação Estudantes existe um terminal de ônibus com passagens para Bertioga por R$26,00 e com tempo estimado em 1h30min. A linha é a Mogi x Bertioga e o tempo de descida depende de como está o fluxo do trânsito no dia. Em feriados prolongados e datas festivas acontece muito fluxo por essas estradas e o tempo de descida pode demorar um pouco mais para chegar até Bertioga, então fiquem ligados. No mesmo terminal assim que você sai das catracas da estação Estudantes de trem, algumas pessoas vão te oferecer o mesmo caminho feito por carros ou vans pelo valor de R$25,00 por pessoa. É só aguardar por alguns minutos até fechar a quantidade de um carro (4 pessoas) ou van (10 pessoas) que acontece a descida (nos feriados, reveillon e carnaval a espera é bem rápida pois muitas pessoas fazem este percurso, então vale a pena esperar). Chegando em Bertioga fomos até a balsa para fazer a travessia até o lado do Guarujá, onde fica a trilha para a Prainha Branca. A travessia de balsa dura aproximadamente uns 15 minutos e chegando é só seguir poucos metros para o começo da trilha para Prainha Branca pois fica bem perto da balsa. A trilha de nível fácil hoje está calçada até a vila ficando de fácil acesso inclusive em dias de chuva, dando um tempo de aproximadamente 10 a 20 minutos. Pronto, chegando na vila da Prainha Branca onde tem toda infraestrutura da praia com padaria, mercadinhos, camping, pousadas e alguns restaurantes, tudo bem simples mas bem receptivos. Chegando na praia seguimos para o lado esquerdo e caminhamos por uns 10 minutos até o Camping Tabajara que fica quase no final da praia. Fechei o valor de R$30,00 por pessoa com banheiros, chuveiro quente, cozinha compartilhada (fogão, geladeira, mesa, cadeiras e alguns utensílios de cozinha), com Wi-fi e uma bela área para acampar. O camping fica a poucos metros da praia então você dorme com o som das ondas a noite quando o silêncio do lugar prevalece. www.campingtabajara.com/ Acampamento montado, mochila guardada bora curtir o dia na Praia Branca. Como era um feriado prolongado e muitos iriam trabalhar na segunda-feira, a praia não estava nem muito cheia e nem muito vazia, estava meio a meio. Ficamos o resto do dia nesta praia com um por do sol nas montanhas fantástico com cores muito fortes e assim que o sol se foi uma Lua digna de uma pintura se levantou no céu ainda azulado. Ela parecia que nascia de dentro do mar iluminando cada vez mais enquanto se erguia no céu. Horas de contemplação para esse momento pois era de uma beleza única! Fui informado que aconteceria um Luau na praia mais a noite, então fomos para o camping para pegar alguns drinks e bora pro luau que aconteceu no meio da Prainha Branca e foi sensacional, a lua iluminando toda praia ao som de uma banda que só tocava os sons que você mais gosta, foi muito boa a vide e o clima do pessoal. Na praia mesmo existem algumas barracas com porções de peixe, batata frita, calabresa, cervejas e drinks mas seus preços são um pouco salgados por estarem localizados na areia da praia, então vale a pena dar uma pesquisada antes. Após comer um belo peixe frito e tomar uma bela garrafa de vinho fomos para o camping descansar pois o dia seguinte teria que acordar cedo para fazer as trilhas para conhecer as outras duas praias e a cachoeira. 2º Dia: Volta: 30/04/18 - 21h30min - Guaruja x Bertioga x São Paulo - Metrô e Trem R$4,00 - Vans e Carros R$25,00 - Empresa de Ônibus Viação Breda R$26,00 - Almoço Restaurante Lipe Point R$15,00 a R$20,00 Por volta das 6h00 da manhã com nascer do sol maravilhoso na Prainha Branca tomamos nosso café da manhã, aprontamos nossas mochilas com alimentos e água e bora trilhar. Andamos a Prainha Branca até o final e como ainda a maré estava baixa, teve a possibilidade de conhecer a ilha que fica bem pertinho da praia a pé mesmo atravessando pelo mar. Tem um trilha que corta a ilha atravessando do outro lado tendo uma vista muito linda. Voltamos e fomos em direção a entrada da trilha para a Praia Preta que fica no canto do último restaurante da praia. Ou se não encontrar é só perguntar pro pessoal do restaurante que te informarão onde fica. A trilha é de nível fácil também e leva aproximadamente uns 15 a 20 minutos até a Praia Preta. Quando estiver quase chegando, quando você conseguir ver e ouvir o mar, vai ser quando aparecerá uma bifurcação, vá para o lado esquerdo descendo a trilha, pois se continuar reto irá chegar na cachoeira que fica uns 20 minutos a frente. A cachoeira não é muito grande, mas da pra tomar um belo banho na sua queda para renovar as energias. Descemos a trilha e ficamos contemplando a Praia Preta que geralmente fica vazia pois não tem nenhuma infraestrutura na praia e nem se pode acampar por lei, mas algumas pessoas ainda sim acampam. Eu mesmo já acampei uma única vez na Praia Preta em uma outra vez e fui surpreendido pelo helicóptero da Polícia Ambiental que desceram na praia e mandaram desmontar a barraca imediatamente ou seria multado pelo crime previsto na lei ambiental. Ficamos algumas horas na praia preta e de lá fomos para mais uma trilha, agora para a Praia do Camburi. A entrada da trilha fica no final da Praia Preta, é de nível fácil e leva uns 25 minutos até a Praia do Camburi. A praia é cortada por um rio de água doce que faz um contraste lindo com o mar. A praia também não tem infraestrutura nenhuma porém existe uma casa de um senhor que dependendo do seu humor ele pode te arrumar um lugar para acampar, tudo bem barato. Mas lembre - se, isso só acontece se o humor do senhorzinho que reside lá estiver bom rsss. Contemplamos por horas esse pedacinho de paraíso, como chegamos de manhã na praia, ficamos com ela somente para nós. Esta sensação de estar sozinho em uma praia é maravilhosa, te dá a sensação de liberdade! Ficamos horas nesta praia contemplando cada pedacinho de paraíso ali. Pra voltar para a Prainha Branca onde estava o camping é só fazer o mesmo caminho, não tem erro. Chegando na prainha branca almoçamos em um restaurante que fica nas pequenas ruas da vila chamado Restaurante e Pousada Lipe Point, pedi um tipo de prato feito que vem em um bandejão por R$15,00 a R$20,00. Barriga cheia e pé na areia! Fomos direto para a praia, dormi algumas horas de frente para aquele mar fantástico, com um céu azul, um sol lindo ai foi só encontrar uma boa sombra debaixo das árvores para algumas horas de sono. Corpo descansado ficamos por alguns estantes na praia até o anoitecer, quando recebemos de presente o nascer da lua ainda mais linda que na noite anterior. Ela estava fantástica iluminando mais uma vez toda a praia e a vila da Prainha Branca. Foi emocionante! Após este presente da natureza retornamos ao camping para levantar acampamento e fazer a trilha de volta para a balsa para poder voltar a São Paulo. Assim que você sai do camping ao invés de retornar até a vila para fazer a trilha de volta, dentro do próprio camping já tem uma outra trilha que se encontra com a principal e corta um bom caminho, fazendo com que não tenha necessidade de andar nas areias com mochila nas costas, o que é muito cansativo. Então quando for sair do Camping Tabajara se informe com o proprietário do camping, o Marcelo, onde fazer a trilha para a balsa. A trilha é de fácil acesso e te leva até a trilha principal para retornar a balsa. Chegando na balsa é só aguardar alguns minutos para que a balsa possa ter o número de carros e pessoas para a travessia até Bertioga. Chegando em Bertioga é só caminhar até as feirinhas e perguntar onde fica os guichês da empresa de ônibus Viação Breda que sai de Bertioga até a Estação Estudantes pela Mogi-Bertioga. O valor da passagem é de R$26,00 e tem a duração de 1h30min dependendo do trânsito no dia. Sugiro que comprem as passagens de volta antecipadamente em feriados ou datas festivas pois corre o risco de acabar. Chegando na estação/terminal Estudantes (linha Coral) é só pegar o trem sentido Guaianazes (linha Coral), trocar de trem e pegar sentido estação da Luz, ai faz a baldeação para a Estação Paraíso (linha Azul) e de lá para a Estação Vila Madalena (linha Verde). Pronto nosso bate e volta de dois dias ao litoral saindo de São Paulo esta feito! Espero ter ajudado em algumas dicas e fico a disposição para qualquer dúvida. Vlw Facebook: https://www.facebook.com/tadeuasp Instagram: https://www.instagram.com/tadeuasp/
  4. Confiram mais imagens e na íntegra em: https://rezenhando.wordpress.com/2018/03/19/camping-motos-e-rock-nroll-no-11o-aniversario-dos-tigres-guerreiros/ Confiram mais imagens e na íntegra em: https://rezenhando.wordpress.com/2018/03/19/camping-motos-e-rock-nroll-no-11o-aniversario-dos-tigres-guerreiros/ O título já dá a deixa, e sim, é a combinação perfeita ainda mais que o evento foi justo na cidade onde moro, Matão interior de São Paulo. Foi para celebrar o aniversário do Moto Clube Tigres Guerreiros que também são da cidade e sempre executam boas ações por aqui, respeito e confraternidade entre os demais motos clubes espalhados pelo Brasil. Confiram este breve e singelo relato, no qual fomos em dois casais e muito bem recepcionados por todos, mesmo não fazendo parte de nenhum (por enquanto ksksksks) regado a bastante cerveja, comida boa, amigos e agitados shows. Praticamente um Woodstock matonense… Siga-nos no WordPress – https://rezenhando.wordpress.com/Siga-nos no Twitter – https://twitter.com/BiroviskySiga-nos no Instagram – https://instagram.com/BiroviskyCurta no Facebook – https://www.facebook.com/rezenhandoaculturapopaz/Inscreva-se no Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCCfmjZm3KuEE-XsNhfBnqvQ
  5. São Thomé das Letras/MG – Feriadão de set/2017 São Thomé das Letras fica em Minas Gerais, a cerca de 340km do Rio de Janeiro. Fomos num grupo de três pessoas, de carro, seguindo o Waze/GPS. Saímos depois das 23h de quarta, no dia 6/9, e chegamos lá quando estava quase amanhecendo, fazendo menos de 1h de parada no trajeto. Tiveram dois pedágios de um pouco mais de R$14 no caminho. Na cidade tem várias opções de camping e pousadas. Fiquei no Camping do Cid e recomendo. Banheiro sempre limpo, com água quente, geladeira e fogão, bem localizado (dá para ir a pé para o Centro), Wi-Fi, próximo a um supermercado grande. Não tem estacionamento, mas foi tranquilo estacionar na rua. Ficou R$100 por pessoa (4 pernoites). São Thomé é considerado um lugar místico, há várias construções a base de pedras (até o ponto do ônibus), uma praça com a vida noturna agitada (pelo menos no feriado estava), muitas lojas de artesanato e até shows. O clima realmente é agradável na cidade. De carro, você anda bem devagar por causa das estradas de pedras. QUINTA Na quinta saímos umas 10h do camping para conhecer a região, que tem várias grutas, cachoeiras e trilhas (é melhor sair mais cedo, saímos esse horário porque tivemos que dormir um pouco). Fomos primeiro à Praça da Igreja da Matriz, que fica no Centro de São Thomé, onde está a maioria dos restaurantes, bares e lojas, tem um supermercado também. É onde o povo se encontra a noite para beber, comer, cantar, tocar, comprar artesanatos... Mas de manhã poucos estabelecimentos abrem, vários guias ficam próximo a igreja ofertando passeios. Procuramos pelo Receptivo turístico (se não me engano fica subindo a rua do Caverna Pub, virando depois na segunda à esquerda), pedimos um mapa lá e foi bem útil, porque informava a distância, dava uma noção da localização, indicava se a atração era paga, se era necessário guia, etc. Decidimos pegar uma das estradas para cachoeiras e começar da mais longe para a mais próxima do Centro, então pegamos a direção da Cachoeira de Antares, que fica na estrada que vai para a cidade de Conceição do Rio Verde. Fomos seguindo novamente o GPS, o caminho é em direção à rua do portal de entrada da cidade, subindo direto passa por um posto de gasolina e logo mais acima tem placas com indicações das cachoeiras. Com o GPS você acha a maioria dos lugares, alguns são sinalizados ao longo do trajeto, outros são super mal sinalizados. Caso não tenha acesso a GPS é interessante procurar um guia, há pacotes de passeios que visitam vários lugares com van, passeios para grutas com fornecimento de equipamento, etc. Os preços não são absurdos, mas resolvemos ir com a cara e a coragem e foi legal, nem tudo foi como o esperado, mas faz parte . A Cachoeira de Antares fica a 16km de São Thomé, a maior parte do trajeto é por estrada de terra, tem uma queda de mais de 10 metros, que tava com pouco volume de água, mas dava um poço ótimo. Porém, a água é con-ge-lan-te! O acesso é por uma trilha rápida, praticamente só uma descida, que inicia próximo ao Restaurante Antares, que é bem simples. Leve sempre um saco para lixo porque em alguns lugares não tem coleta regular e eles pedem para retornarmos para o Centro com o que levarmos. Em seguida retornamos pela estrada que estávamos e paramos na entrada, que tem um barzinho/portaria, para as Cachoeiras Véu da Noiva (trilha à direita) e Paraíso (trilha à esquerda). Fomos primeiro ao Véu da Noiva, que é de fácil acesso e tem cerca de 20m de altura. É uma cachoeira linda, onde a água percorre as pedras, fazendo várias quedas e formando uma piscina natural. Tem bastante sombra. É cercada por árvores lindas. Seguimos então para a Paraíso, que achei ainda mais linda. Tem uma areia como se fosse uma prainha e uma pequena queda, mas bem forte, formando um poço fundo. O acesso é bem fácil também. No meio da tarde já estávamos indo para última cachoeira que visitamos, a do Flávio, a 6km do Centro, acho que por isso estava bem mais cheia que as outras. Na parte de cima da queda tem uma piscininha natural. Para descer, há uma trilha pequena fácil, através de degraus. Tem um poço raso e as quedas servem como duchas naturais. Passamos ainda em frente a entrada da Cachoeira Eubiose, mas como queríamos ver o pôr do sol não entramos. Quem tiver tempo pode acrescentar ela no roteiro. Paga-se uma taxa de R$5 para entrar. Parece ficar bem cheia também, pois é ainda mais próxima do Centro. Passamos no camping e seguimos depois para a pirâmide para o famoso pôr do sol da cidade. Realmente parece que todos os visitantes se reúnem lá e no Cruzeiro (fica no mesmo lugar praticamente). Apesar de ficar lotado, o clima é bem agradável, havia pessoas tocando violão e cantando, além de ambulantes vendendo bebidas. É possível levar seu cooler/isopor, pois o caminho não é difícil nem longo. Quem quer assistir ao espetáculo do topo da pirâmide tem que chegar cedo, mas há bastante espaço para sentar no entorno. É bom levar um casaco, pois quando o sol se esconde a cidade fica um gelo!!! A noite demos uma volta no Centro, mas acabamos ficando mais no camping mesmo. Fomos apresentados à Cachaça do Gnomo por um colega que conhecemos lá, é docinha, uma delícia, famosa por lá! SEXTA Na sexta-feira pegamos o sentido da cidade de Três Corações e começamos visitando as cachoeiras mais próximas. Fomos primeiro a Cachoeira de São Thomé, que estava vazia, mas é bem bonita. Depois seguimos e chegamos na Cachoeira Vale das Borboletas, a 4km da cidade, e lá já estava bem cheio. Tem duas quedas que ficam como chuveirões e formam uma piscina natural, e uma pequena gruta onde é comum a prática de empilhar pedras para brincar e meditar. Decidimos ir para Cachoeira de Shangri-lá, que seria a mais longe que iríamos nesse dia, a 9km da cidade. Lindíssima e com vários poços para banho, a água estava menos gelada que nos outros lugares também. Amei. Que energia! Em seguida, passamos na Cachoeira da Gruta, mas estava com pouquíssima água, nem ficamos por lá. Alguns moradores nos disseram que a região estava seca mesmo. Depois fomos à famosa Ladeira do Amendoim, onde o carro desce pra cima.rs Isso mesmo! Devido a ilusão de ótica, você desliga o carro, coloca em ponto morto e ele sobe a ladeira. Incrível. Com GPS chegamos lá com facilidade. É uma ladeira com chão de terra, a menos de 2km do Centro. Fomos assistir ao pôr do sol dessa vez na Pedra da Bruxa, mas nem conseguimos chegar por causa do horário e paramos numa pedra do trajeto mesmo e foi ótimo. Assim que o sol se pôs, demos uma volta no Centro e retornamos ao camping. SÁBADO Sábado curtimos um pouco a vista do camping de manhã, é linda e dá para ver muitos pássaros. Depois seguimos o GPS até a Gruta da Bruxa e foi a única vez que isso não deu muito certo. Fomos parar num terreno sem muita vegetação, pedimos informações e nos indicaram um caminho estranho, parecia uma pedreira abandonada. Andamos pra caramba, atravessamos uma mata e saímos no lugar que teríamos que ter chegado de carro. Cruzamos com um guia e um casal que tava vindo da gruta e disseram que é incrível, a mais bonita da região, mas que não é recomendado ir sem guia. Teimosos como somos, decidimos encarar. Pegamos uma trilha louca, descemos por uma cachoeira no meio das pedras e da mata e chegamos na gruta. Olhamos pelo buraco estreito e escuro e vimos trocentos morcegos e voltamos (depois descobrimos que achamos a saída do passeio que é feito na gruta). Mas o lugar era bonito! E também valeu a aventura, mas estávamos doidos por uma cachoeira nessa altura do campeonato. Passamos depois pelo Centro de Sobradinho, onde tem uma igrejinha, paramos numa lanchonete e depois seguimos para a Cachoeira e as piscinas do Sobradinho. Nesse local já há uma infraestrutura melhor, com restaurante e banheiros. É um lugar lindo. Com diversas piscinas e poços maravilhosos, mas bem gelados. Adorei! Depois fomos ao Poço das Esmeraldas, que é belíssimo. Também vale muito a pena. E depois seguimos para a Cachoeira da Lua, que estava bem movimentada, com uma galera sentada em cangas no gramadinho. Tem um camping e um bar em frente. Pareceu bem legal. A cachoeira faz um poção fundo que o pessoal até pula da parte de cima da queda. Voltando para o Centro, demos uma parada na cachaçaria que tem em frente a Cachoeira Eubiose, tem degustação e muita variedade, além do preço mais em conta. Em seguida, fomos até o mirante da cidade, que fica em um dos lugares mais altos do Parque Antônio Rosa, que dá a vista mais completa de São Thomé, inclusive o Cruzeiro e a Pirâmide. Vale a pena ir lá no final da tarde e ficar para o pôr do sol. Lindo! O trajeto não é difícil e é rápido. Fomos de carro até a subida da trilha que leva ao mirante. Depois do pôr do sol voltamos ao camping para tomar banho e ir depois fomos ao Centro visitar as lojas de artesanato e beber. Que cidadezinha maravilhosa! E a cachaça... aiai. Comemos no Thomé Café, que fica próximo a igreja do Centro. Tem hambúrgueres maravilhosos, que recomendo muito. Na manhã seguinte voltamos para casa. Mais relatos no Instagram @viajagora e na minha página do facebook: Sobre Lugares e Destinos (@sobrelugaresedestinos)
  6. Confiram mais imagens e na íntegra em: https://rezenhando.wordpress.com/2017/10/19/camping-caminho-caipira-em-borborema/ “Escolha a vida. Escolha o Facebook, o Twitter, o Instagram e espere que alguém em algum lugar se importe. Escolha olhar para os velhos tempos, querendo ter feito tudo diferente e escolha ver a história se repetir. Escolha seu futuro. Escolha programas de reality show, humilhar mulheres, usar pornô como vingança, escolha um contrato de trabalho sem mínimo de horas, uma ida de duas horas para chegar ao trabalho. E escolha o mesmo para seus filhos, só que pior, e alivie a dor com uma dose desconhecida de uma droga desconhecida feita na cozinha de alguém e então… Respire fundo. Você é um viciado, por isso se vicie. Vicie-se em outra coisa. Escolha o que você ama. Escolha seu futuro. Escolha a vida”. Espero que o post influencie vocês a irem e depois comentem o que acharam do lugar. Seu comentário sempre é muito importante, é o que dá alma ao Blog. Siga-nos no WordPress – https://rezenhando.wordpress.com/ Siga-nos no Twitter – https://twitter.com/Birovisky Curta no Facebook – https://www.facebook.com/rezenhandoaculturapopaz/ Inscreva-se no Youtube – https://www.youtube.com/channel/UCCfmjZm3KuEE-XsNhfBnqvQ
×
×
  • Criar Novo...