Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''istambul''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos
  • Companhia para Viajar
    • Companhia para Viajar
  • Relatos de Viagem
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Lugares que já visitei


Próximo Destino


Ocupação

Encontrado 15 registros

  1. rapazvr

    Turquia: Istambul (4)

    A quarta e última parte da minha sequência de Posts sobre Istambul. Espero que gostem https://realidadeextraordinaria.wordpress.com/2019/02/17/turquia-istambul-4-turkey-istanbul-4/ https://www.instagram.com/ruiadamasioalvites_/?hl=pt
  2. rapazvr

    Turquia: Istambul (3)

    Aqui fica a terceira parte dos meus posts sobre a Turquia e Istambul, continuando a falar dos monumentos de Sultanahmet https://realidadeextraordinaria.wordpress.com/2019/02/10/turquia-istambul-3-turkey-istanbul-3/ https://www.instagram.com/ruiadamasioalvites_/?hl=pt
  3. rapazvr

    Turquia: Istambul (1)

    O meu primeiro post sobre o mês que passei na Turquia e as coisas que conheci em Istambul e não só Espero que gostem. https://realidadeextraordinaria.wordpress.com/2019/01/27/turquia-istambul-1-turkey-istanbul-1/ https://www.instagram.com/ruiadamasioalvites_/
  4. raquelmorgado

    ISTAMBUL (TURQUIA)

    O que fazer em Istambul? TUDO!!! Comecemos pelo óbvio, a cidade é gigante, tem dezenas de mesquitas, museus, bazares e outras atrações, conforme a disponibilidade, gosto pessoal e vontade de cada um. Nós temos por hábito esgotar o tempo diário, principalmente diurno, de forma a fazer e ver o máximo possível, o que é muito cansativo, mas não nos arrependemos de fazer este tipo de férias mais culturais. Apesar de regressarmos cansados, voltamos de cabeça fresca. Vamos dividir as atrações por bairros. Sultanahmet - é um bairro com mais atrações, mais cultural, mais calmo. Aqui encontram a história da cidade: Mesquita Azul (em obras, mas aberta) Hagia Sophia (em obras, mas aberta) Grande Bazar Cisterna Basílica (em obras, mas aberta) Palácio Topkapi (em obras, mas aberto) Hipódromo Eminönü - o bairro junto ao mar, onde se encontra a ponte Galata: Bazar das Especiarias Ponte Galata Mesquita Süleymaniye Mesquita Rüstem Pasa (fechada para obras até meados de 2019) Fatih: Museu Chora (em obras, com visitas condicionadas) Igreja Ortodoxa Beyoglu - o bairro mais cosmopolita, para quem gosta de conhecer a vida noturna da cidade: Torre Galata Praça Taksim Museu de Arte Moderna Museu Madame Tussauds Rua Istiklal Besiktas - a zona da cidade onde fica o terminal de ferries Kabatas e o nosso monumento preferido. É bastante acessível de transporte público da praça Taksim: Estádio e museu do Besiktas Mesquita Dolmabahçe Palácio Dolmabahçe Harem do Palácio Dolmabahçe Torre do Relógio Üsküdar e Kadiköy - do lado asiático há muitas atrações ignoradas pela maioria dos turistas. É a zona mais recente da cidade e apenas percebemos isso no dia em que atravessámos a região para chegar ao aeroporto: Mesquita Mihimah Sultan Mesquita Rumi Mehmed Pasha Palácio Beylerbeyi Estádio Sükr Saraçoglu do Fenerbahçe Esta é apenas uma listagem das principais atrações, mas existem muito mais, a maioria abrangidas pelo Museum Pass. Aí vão consultar centenas de locais que podem ser visitados. Prometemos falar sobre isso noutro post. 365 dias no mundo estiveram 15 dias na Turquia, de 30 de setembro a 14 de outubro de 2018 https://365diasnomundo.com/2018/11/07/atividades-istambul/
  5. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafes e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de ISTANBUL. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro TRY - Lira Turca Depois de 3 noites incríveis em Goreme, na região da Capadócia, segui minha viagem até Istanbul. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada. 4º dia de viagem: Goreme -> Kayseri -> Istanbul (11 de Setembro de 2018) Meu vôo chegou no aeroporto de Ataturk por volta das 13h30. Fiquei de enviar uma mensagem via WhatsApp para o Emre, meu anfitrião, assim que eu chegasse. É muito difícil achar um sinal de wi-fi aberto lá no aeroporto. Aliás, fui descobrir mais tarde que é bem difícil achar em qualquer lugar de Istanbul. Sem alternativa, tique comprar um café no Mado Café do aeroporto (13TRY por um espresso, um absurdo!) para poder usar o wifi deles. Na hora de pedir a senha ao garçom que me servia, ele pediu para ele mesmo digitá-la e eu não ver qual era a senha. Ok. Assim que tive acesso à internet enviei uma mensagem ao Emre avisando que estava a caminho. Existe um um ônibus, o HAVABUS, que vai até o centro da cidade, na TAKSIM SQUARE e tem um preço rasoável: 12TRY (mais barato que o café que havia tomado!). Comprei o ISTANBULKART que é o cartão de transporte. Com ele vc tem acesso ao metrô, ônibus e trams. Custa 6TRY e a máquina não volta troco. Ou seja: se vc colocar uma nota de 10TRY vai receber o cartão com 4TRY de crédito. Uma forte chuva caía e fomos sair as 14h30. Depois de 10min o ônibus parou. A rodovia estava interditada por conta de uma enchente na pista. Procurei algum sinal de wifi mas o único disponível pedia um número de celular para enviar um SMS com uma senha que liberaria o sinal. Perguntei para um rapaz turco que estava no ônibus se ele poderia receber esse SMS para mim e passar a senha. Ele disse que OK e consegui acesso à internet no ônibus. Avisei meu anfitrião que iria atrasar por conta da enchente. Depois de uns 15 minutos o ônibus deu meia volta e seguiu por um caminho alternativo. Fui chegar à Taksim Square por volta das 16h e pouco depois o Emre chegou para me buscar. Fiquei hospedado no bairro de Besiktas (15min da Taksim Square, de ônibus) numa área cheia de bares e restaurantes. Esse bairro não é tão radical com relação aos costumes muçulmanos então há uma grande concentração do pessoal mais jovem que se encontram lá pra beber, fumar narguilé e conversar. No caminho passamos num supermercado e compramos umas cervejas. Chegando na casa conheci uma amiga do Emre, a Gökçe. Ficamos conversando e bebendo as cervejas quando por volta das 20h o Emre precisou sair para um compromisso.Deixei a casa com ele e fui até o supermercado MIGROS pra comprar o café da manhã: 4 pães, “mortadela” turca, queijo e 1 suco de Laranja - 43TRY. Estava morrendo de fome e comi um KEBAB e tomei uma coca no MATRAK (18TRY). ***Dica: As comidas de rua (street food) são muito populares em Istanbul. E podem comer sem medo que tudo (ao menos o que eu experimentei) é muito bom! Fui para um pub chamado AYLAK e tomei 4 Carlsberg (chopp 500ml) por 17TRY cada. Voltei pra casa às 23h15, tomei banho e fui dormir 0h. Distância percorrida no dia: 7,5km🚶‍♂️ 5º dia de viagem: Istanbul (12 de Setembro de 2018) Acordei as 9h, tomei café e por volta das 9h30 estava saindo. Fui caminhando até a VODAFONE ARENA, estádio do time de futebol Besiktas. O próximo tour (40TRY) no estádio era as 10h30, mas o guia só falava turco. Paguei mais 25TRY e peguei um áudio-guia. Antes do tour começar vc tira uma foto na qual eles irão fazer uma montagem e te oferecer no final do passeio. O problema de fazer esse tour com o audio-guia é que as informações que vc escuta nele não são tão rápidas quanto o guia turco. Então, em certos momentos, vc ainda está escutando a explicação de um determinado lugar da arena e o guia segue em frente, te obrigando a ir com ele uma vez que vc não pode ficar sozinho lá. Depois de reclamar que eu estava deixando alguns setores do estádio sem ter terminado a explicação do áudio, deixaram uma guia comigo. Passamos pelas arquibancadas, vestiários, sala de coletiva de imprensa e bancos de reservas à beira do gramado. No final do tour vc ganha um certificado. Também te oferecem a montagem da foto que vc tirou no início do tour. Tem vc com jogadores, segurando uma taça, etc… mas por um preço absurdo. Não lembro o valor, mas não comprei. Para ter acesso ao MUSEU do BESIKTAS tem que pagar mais 15TRY. Vale a visita (assim como todo o estádio) apenas para os fanáticos por futebol. Deixei o museu e segui caminhando até a TAKSIM SQUARE (uma subida considerável). Lá peguei um metro e um bonde até SULTANAHMET e fui até a HAGIA SOPHIA. A Hagia Sofia já foi uma igreja, uma mesquita e hoje é um museu. A entrada custa 40TRY (aceita cartão) mas vale muito a pena. Ela é muito grande e imponente. Há vários símbolos muçulmanos, escritas em árabe antigo e, incrivelmente, há também uma imagem da Virgem Maria com o Menino Jesus em seu colo (lembra que ela já tinha sido uma igreja?). Lá dentro também se encontra a COLUNA DOS DESEJOS onde dizem que se vc passar a mão nela no sentido horário, seu pedido será realizado. Deixei o museu e vi que na lateral da direita há um acesso gratuito às tumbas dos imperadores. Quase em frente à mesquita há uma pequena lanchonete. Comi um KURUM TOAST (8TRY) e tomei uma coca (3,5TRY). Era um pão em forma de baguete, com uma carne não sei do quê, picles, maionese e ketchup. Claro que na foto o lanche estava BEM melhor, mas deu pra matar a fome. Comi o lanche num banco sob uma árvore, descansei um pouco e fui pra MESQUITA AZUL, que fica de frente com a HAGIA SOFIA. Na entrada vc tem que tirar o calçado e é dado uma sacola de plástico pra colocar eles. A mesquita estava sendo reformada então muita coisa estava coberta. Ela me pareceu bem menor que a Hagia Sofia. Sai da Mesquita Azul e fui para a CISTERNA DA BASÍLICA que fica ao lado esquerdo da Hagia Sofia. A entrada custa 20TRY e não aceitam cartão de crédito ou outra moeda que não seja Lira Turca. A cisterna da basílica consiste em 12 x 28 colunas de sustentação (fica debaixo de Sultanahmet) e foi um enorme reservatório de água que hj está vazio. Posteriormente fiquei sabendo que quando a cisterna estava ativa haviam peixes nela. Motivo: saber da qualidade da água. Se os peixes começassem a morrer é que tinha algo errado nela. Passei pela CRYING COLUMN e a MEDUSA’S HEAD que fica na base de uma das colunas. Por volta das 17h fui até o TOPKAPI PALACE (40TRY, aceita cartão). Lá dentro passei por uma coleção de relógios antigos, uma coleção de armas de guerra (armaduras, lanças, arcos, espadas, revólveres todos muito ornamentados, etc). O palácio tem um enorme jardim central. Ao fundo, alguns cômodos e um deles parecia uma biblioteca. Passei pela por um setor que tinha itens de cozinha: pratos, louças, porcelanas, panelas, etc. Deixei o local às 18h50 e voltei pra casa. Chegando lá tomei um banho e conversei um pouco com o Emre. Por volta das 21h fomos a o encontro semanal do Couchsurfing num bar chamado SYMBOL CAFE. Fica próximo a Taksim Square, em uma travessa da Istiklal Street que é cheia de lojas, bares e restaurantes. Conheci pessoas de vários países no encontro. Trocamos ideia até umas 23h30 e fomos para outro bar: JAMES JOYCE PUB. No terraço do bar havia uns turcos dançando umas músicas latinas. Mas o som estava muito ruim e decidimos ir embora. No caminho de volta compramos mais 2 cervejas EFES. Chegamos em casa, tomamos as cervejas e conversamos até 2h30 quando fui dormir. Distância percorrida no dia: 21km🚶‍♂️ VODAFONE ARENA HAGIA SOPHIA HAGIA SOPHIA MESQUITA AZUL MESQUITA AZUL CISTERNA DA BASÍLICA TOPKAPI PALACE 6º dia de viagem: Istanbul (13 de Setembro de 2018) Acordei às 9h25, tomei café e sai as 9h50. Voltei até SULTANAHMET e fui atrás do FREE WALKING TOUR, que começou às 11h. A guia falou sobre a MESQUITA AZUL, sobre os banhos turcos que alguns podem custar até 60EUR por hora. Passamos ao lado da HAGIA SOPHIA e paramos num jardim em frente ao TOPKAPI PALACE. A guia comentou que nos anos 30 foi costituída a REPÚBLICA DA TURQUIA e os sultões deixaram de existir. O Topkapi Palace hj pertence ao governo e há alguns anos uma tetraneta de um dos sultões tentou pegá-lo de volta na justiça mas não conseguiu. A guia também comentou que Istanbul tem cerca de 3000 mesquitas. Deixamos o palácio e fizemos um coffee break num café ali perto. Passamos pela entrada da CISTERNAS DA BASÍLICA e nos falaram que ela foi construída para que a cidade, que era murada, tivesse acesso à água caso estivesse sendo atacada e não podendo abrir seus portões. De lá passamos pelo HIPÓDROMO, que hoje é uma praça mas tinha corridas de cavalos e bigas na época que foi dominada pelos romanos. Lá perto tem um monumento trazido do Egito. Mas o obelisco era muito alto então tiveram que cortar ele pela metade e pegaram só a parte de cima. No final do tour paramos atrás da Mesquita Azul, num restaurante que tinha um “preço especial” para quem fez o tour: 8EUR por um almoço com sopa, salada e prato principal. Não tinha muita fome então não fui ao restaurante. Ali perto encontrei o ARASTA BAZAR que tem só uma rua de uns 200 metros. Voltei ao ponto e peguei um trama até o GRAND BAZAR. Esse sim é GIGANTESCO, com muitas lojas e muitas pessoas. Mas é o maior “tourist trap” de Istanbul, então apenas passei olhando as lojas e não comprei nada (até mesmo pq não cabia mais nada em minha mochila). Cheio de corredores e com lojas bem semelhantes uma das outras, não é difícil se perder nele. É praticamente impossível sair pela mesma porta que vc entrou. A fome bateu então resolvi comer alguma coisa ali mesmo. Comi um TABKTA KEBAB (26TRY) e tomei um suco de romã (8TRY). Deixei o Grand Bazar e caminhei por uns 10 minutos até chegar a MESQUITA SULEYMANIYE. Ela fica no alto de um morro e tem uma vista linda lá de cima. Por dentro ela é maravilhosa e, segundo um voluntário que trabalha nela, tem capacidade para 8000 pessoas. Esse voluntário me deu uns impressos em português, entre eles um alcorão. Sai da bela mesquita e caminhei mais uns 10 minutos até o SPICE BAZAR, que é o Bazar das Especiarias. Ele é bem menor que o Gran Bazar uma vez que é em forma de “L”, mas achei mais bonito e conservado. Algumas lojas dão amostras grátis de seus doces e o colorido e cheiro das especiarias fazem aquele lugar ainda mais peculiar. Em uma das saídas desse bazar está a NEW MOSQUE que também estava em reforma e não tinha muito o que ver nela. Ali perto está a GALATA BRIDGE que tem uma vista legal do ESTREITO DE BÓSFORO. De lá peguei um tram até KABATAS, um funicular subterrâneo até a Taksim Square e um ônibus até Besiktas. Passei num mercado, comprei umas cervejas e voltei pra casa. Cheguei em casa e o Emre fez um macarrão com atum pra gente. Tomamos as cervejas, jantamos e ficamos conversando até umas 23h quando fui dormir. Distância percorrida no dia: 14km 🚶‍♂️ GRAND BAZAR MESQUITA SULEYMANIYE SPICE BAZAR 7º dia de viagem: Istanbul (14 de Setembro de 2018) Acordei as 8h50, tomei café e as 9h30 estava saindo. Caminhei até o DOLMABAHÇE PALACE, que fica em frente à Arena Vodafone (estádio do Besiktas). A entrada no palácio + harem custa 90TRY. O palácio é muito bonito! Cheio de adornos, decorações e luminárias gigantescas. Também há algumas armas e utensílios de cozinha utilizados antigamente. O harém também é igualmente bonito e nele há um acesso a um dos banheiros. Uma pena não poder tirar foto em nenhum desses dois lugares. Do lado de fora tem uma galeria de pintura mas para entrar tem que pagar mais 20TRY. Deixei o palácio, passei pela DOLMABAHÇE MOSQUE, uma mesquita ali perto. Fui até o ponto de Kabatas e peguei o T1 (tram 1) até próximo a GALATA TOWER. Havia uma fila de 20 minutos pra subir na torre (35TRY). Enquanto esperava pra entrar, comi um SIMIT que é um pão com gergelim em forma de argola (1,50TRY). ***Dica: Há carrinhos de SIMIT espalhados por toda Istanbul. Bateu uma fominha? Simit! Melhor custo-benefício que vc vai encontrar nas ruas. A torre foi construída em 562 e lá de cima vc tem uma vista 360º da cidade. O tempo estava nublado então as fotos não ficaram muito boas, mas vale conhecer. De lá eu caminhei uns 10 minutos até TUNEL que é uma linha de metrô com apenas duas estações e é uma das mais antigas da Europa. A estação da outra ponta me deixou no começo da Istiklal Street e caminhei por ela toda até a Taksim Square. Lá eu acessei o wifi do Starbucks e vi como chegar no estádio do FENERBAHÇE. Era 16h e vi que o último tour seria às 17h30 Além dos ônibus, Istanbul também conta com um tipo de lotação chamada DOLMUSH e a tarifa varia de acordo com o ponto que vai descer: quanto mais distante, mais caro. O estádio fica do outro lado do estreito de Bósforo, no lado asiático da cidade. Levei 1 hora pra chegar lá. Entrei na loja do clube e perguntei a um vendedor sobre o tour. Ele foi muito grosso e ríspido dizendo “Não tem tour! Estádio fechado!”. Daí eu perguntei se havia ao menos um museu ou outra coisa que poderia visitar e ele: “Não! Tudo fechado!”. Então tá… Sai do estádio e não consegui nenhum sinal de wifi. Tive que achar meu caminho de volta da “forma antiga”: perguntando para as pessoas na rua. Primeiro pedi informação para um cara e ele pediu para eu seguir ele pq ia para a mesma direção. Pegamos o mesmo ônibus e ele me disse que ponto deveria descer pra pegar outro ônibus pra Besiktas. Desci num pequeno terminal com vários pontos, mas não achei informação de onde passaria o meu ônibus. Perguntei pra duas garotas e elas me mostraram onde era meu ponto. Chegando no ponto perguntei para um cara qual ônibus pra Besiktas e ele disse que estaria indo pra lá que poderia ir com ele. Descemos no mesmo ponto. Agradeci o rapaz e segui meu caminho ***Nota: Percebi uma coisa interessante sobre o povo de Instanbul: as pessoas que teoricamente deveriam ser educadas com vc (garçons, vendedores, etc) não são. Mas, por outro lado, as pessoas que não teriam obrigação nenhuma de ser educadas, são super legais! Praticamente todo mundo que pedi informação na rua foram extremamente educadas e solícitas. Passei no supermercado, comprei umas cervejas e voltei pra casa. Cheguei lá por volta das 19h e tomei umas cervejas com Emre e a Gökçe. Umas 20h saímos para uma ver uma exposição de arte de uma amiga do Emre. Passamos pela exposição e depois fomos comer num restaurante que servia só sopas. Tomei 2: uma de IOGURTE e outra de TOMATE. Estavam muito boas e paguei 14TRY em cada. Fomos a um apto de uma amiga da Gökçe, a Elif. No caminho compramos umas cervejas. Ficamos bebendo e conversando até umas 2h. Decidimos dormir por lá mesmo pq era muito tarde. Distância percorrida no dia: 17,5km 🚶‍♂️ DOLMABAHÇE PALACE GALATA TOWER VISTA DA GALATA TOWER 8º dia de viagem: Istanbul (15 de Setembro de 2018) Acordamos as 8h50 e deixamos a casa da Elif. Caminhamos até a Taksim Square e pegamos uma Dolmush de volta pra casa. Chegamos 9h30 e fui dormir mais um pouco. Acordei as 10h30, tomei café e fui para o centro. Através do Couchsurfing eu tinha combinado de encontrar outro couchsurfer local, o HAMZA. Por volta do meio dia encontrei com ele em Sultanahmet. Ele me apresentou um amigo (que tb é couchsurfer) chamado FATIH. Ambos são estudantes de Ciência Política e estavam muito curiosos pra saber qual era a situação política do Brasil naquele momento. Caminhamos pelo PARQUE GÜLHANE (ao lado do Topkapi Palace) e fui tentando explicar o turbulento período político que nosso país estava passando. Chegamos à beira do canal e lá decidimos fazer o BOSPHORUS TOUR (20TRY). Existem vários barcos que fazem esse tour e não deve ser muito diferente um do outro. Mas, definitivamente, foi o melhor custo-benefício de Istanbul. O passeio pelo Bósforo é muito lindo e dei sorte do tempo estar bom (fazia muito calor e sol) e ter 2 guias locais me explicando tudo desde onde ficava Sede Militar e Naval da Turquia até as escolas e universidades particulares, públicas e militares. Depois de mais ou menos 1h e meia de passeio deixamos o barco e caminhamos uns 20 minutos até um KAHVE DÜNYASI, que é uma rede de café local estilo “Starbucks”. Tomei um café turco que estava muito forte mas muito gostoso. Depois pedi 2 bolas de sorvete: 1 de nozes e 1 de damasco. ***Dica: Não deixem de provar esse sorvete de damasco da Kahve Dünyasi! Eu não gosto da fruta em si mas decidi experimentar por ser uma fruta tradicional local. E não me arrependi! É muito, mas MUITO bom! Conversamos muito sobre política, religião e futebol. Por volta das 17h decidimos ir embora. Fomos até uma estação de tram onde nos despedimos e voltei pra casa. No caminho encontrei vários torcedores do Besiktas indo ao estádio e fiquei sabendo que o jogo seria às 20h. Na EAGLE SQUARE (Praça da Águia) havia uma enorme aglomeração de torcedores. Passei no supermercado e comprei 4 cervejas BONMONTI (8,50TRY cada). Cheguei em casa, tomei as cervejas com o Emre e decidimos ir ver o jogo do Besiktas em algum bar ali perto. Todos os bares estavam lotados e depois de 10min procurando achamos umas cadeiras na calçada em frente a uma TV. Nos cobraram 15TRY para SENTAR NAS CADEIRAS e 18TRY por cerveja! Como não tínhamos escolha, aceitamos. Tomamos apenas 1 cerveja e no intervalo fui ao supermercado comprar mais pela metade do preço que estavam nos oferecendo lá. O jogo foi horroroso e terminou 2x1 para o Besiktas. Fomos comer um kebab no MATRAK e de lá fomos a um bar ali perto chamado ROCK N’ ROLLA. Tomei 1 Guinness e 1 Toubourg. No caminho de volta passamos no supermercado e compramos mais 4 cervejas. Chegamos em casa umas 1h e ficamos bebendo e conversando até umas 2h30 quando fui dormir. Distância percorrida no dia: 13,5km 🚶‍♂️ Fim do relato de Istanbul. Próximo relato: BUCARESTE. BOSPHORUS TOUR
  6. Pessoal, passei quase 1 mês na Turquia, esse país incrível. É um país super interessante, cheio de coisas pra fazer, rico em história, com praias maravilhosas e uma cultura muito interessante. Nesses 26 dias eu passei por: Istambul: 5 dias Selçuk e as ruínas de Éfesos: 2 dias Pamukkale: 1 dia Capadócia: 6 dias Konya: 1 dia Antalya: 3 dias Fethiye: 4 dias Bodrum: 4 dias O que nao pode faltar aí em uma viagem pra Turquia é Istambul e Capadócia, os pontos mais famosos do país. Como eu tenho tempo eu comecei a adicionar várias outras coisas, como a parte histórica (Selçuk), a parte de belezas naturais (Pamukkale), a parte religiosa (Konya) e as praias fantásticas (Antalya, Fethiye e Bodrum). Vou colocar alguns posts aqui e espero que ajude a viagem de vocês.
  7. Antes de sair perguntando eu viajei com bastante tempo e nada melhor que voltar a Istambul para uma mini temporada, na primeira vez que estive em 2015 fiquei 4 dias inteiros, desta vez resolvi ficar 10 e explorar com mais calma algumas regiões novas. Vamos aos números que muita gente gosta de saber. O Roteiro TURQUIA - IRÃ - VIETNÃ - LAOS - TAILÂNDIA - MALÁSIA - SINGAPURA - FILIPINAS - COREIA DO SUL - RÚSSIA Dias: 10 Noites em Hostel: 3 Couchsurfing: 7 Valor Gasto em Real: R$291,60 ($91,13) Média Diária em Real: R$29,60 ($9,11) Planilha com todos os gastos: https://goo.gl/btbLUM Vale ressaltar que estive hospedado com couchsurfing que acaba gastando muito menos, como não paguei para ver atrações turísticas o valor é este mesmo. Como eu já tinho ido a vários lugares pagos em 2015 não achei necessário repetir, além de caro não seria nenhuma surpresa para mim. Peguei um voo direto de Varsóvia (Polônia) para Istambul, a primeira coisa para ser fazer na cidade é um cartão transporte que vale no metrô, bondes e ônibus, você vai precisar, nem adianta tentar pagar com dinheiro. O mês foi início de setembro com um clima impressionante perfeito, acho que peguei apenas 1 dia nublado e com temperaturas acima dos 25 graus. Fonte de Tophane, durante o século 18 serviu de fonte de água pública Minha sugestão para 3 ou 4 dias na cidade é dividir em setores, não somente em Istambul mas qualquer cidade gigante, não faz sentir se matar de andar em dois dias para tirar foto e ir embora. Andar pelo centro histórico (apesar de praticamente toda a cidade ser histórica) é fácil, o trânsito é assustador principalmente nos horários de pico, então fica a dica para evitar deslocamento nestes horários. Os dois primeiros dias fiquei em um hostel na região de Karaköy, custou por volta de $8,33 dólares, só valeu mesmo por estar perto de onde gostaria de explorar, por este preço não espere grande coisa em Istambul. Mas serviu principalmente para não ficar subindo a descendo os morros de Karaköy, por lá fui fácil até a Praça Taksim. A Praça Taksim é um dos point durante o dia, várias opções para comer por menos de 10 Liras Igreja Santo Antônio de Pádua, uma igreja católica no centro de Istambul Uma das atrações principais da cidade é a Torre de Gálata, onde você vai deixar algumas liras para subir nela, nenhumas das duas vezes senti curiosidade, mas as fotos na internet são bem interessantes, tem fila até mesmo no inverno mas é tranquilo. Não espere conseguir uma foto dela sem uma lente de ângulo aberto, pois a bichinha é grande mesmo com mais de 66 metros de altura. A Torre de Gálata de 1348, foi fez parte da expansão da colônia genovesa de Constantinopla A Torre de Gálata se destaca até mesmo do outro lado do Rio Bósforo A Avenida İstiklal é uma boa pedida para quem deseja comprar produtos de marcas e comer em bons restaurantes, existe um bondinho clássico fazendo uma rota até a Praça Taksim, mas desta vez estava em reforma e nem vi a cor dele. Nestes dois primeiros dias eu andei com muita calma na região e garanto que foi uma ótima escolha ficar hospedado ali. Apesar de não estar exatamente perto do meu hostel resolvi ir até Beşiktaş, por lá encontrei centenas de pescadores e gatos tentando roubar os peixes. Por lá também tem a Ponte do Bósforo que une o lado Europeu o Ásiatico da cidade, mas não pode cruzar a pé, então tire o seu cavalinho da chuva. Meu primeiro couchsurfing da viagem pela Ásia, um casal que sabe como ninguém fazer uma jantar Consegui um casal para ficar em sua casa, eles moram pertinho do aeroporto Atatürk, o que não é exatamente perto mas fácil para chegar ao centro. A recepção dos Turcos foi em grande estilo, extremamente simpáticos e simples como todos que conheci durante a minha viagem. Tempo colaborando decidi explorar o Distrito de Sultanahmet, onde se encontra as principais atrações da cidade e também claro um monte de turistas, lembrando que a Turquia é um país seguro para viajar, mas podem acontecer atentados terroristas sim. Fiz com calma a Mesquita Azul, Hipódromo e seus arredores, Basílica de Santa Sofia que é paga eu não entrei, o mesmo para a Cisterna da Basílica e o Palácio de Topkapı, os quais visitei na minha viagem para Istambul em 2015. A Mesquita Azul é um dos pontos mais visitados entre os turistas O interior da Mesquita Azul é de impressionar Hipódromo de Constantinopla foi o centro esportivo e social da capital do Império Bizantino Pode anotar uma coisa, na sua primeira vez para ver esta pequena região você vai precisar de um DIA INTEIRO, não adianta inventar moda que é quase impossível especialmente pois o Palácio é bem grande, uma dica minha é terminar o dia comendo um sanduíche de peixe ali na Ponte de Gálata, custava uns 10 Liras em 2017, é bem simples tipo pão com peixe e deu, acredite você vai voltar para comer outras vezes. Dentro destes coloridos barcos tem sanduíche de peixe, uma tradicional delícia de Istambul Continuando a explorar partes não lotadas de orientais resolvi andar por Fatih, uma antiga região da Constantinopla que fica uns 30 minutos andando de Sultanahmet. Separei uma tarde inteira e sem um gps você acaba se perdendo nas centenas de curvas e subidas, em baixo existe uma rua principal para os turistas. Alguns moradores parecem não gostar muito da presença de gringos, bom para observar locais de verdade. Lá existe um colégio grego, algumas igrejas em reformas devido a sua idade e um mirante com vista para a torre de Gálata, o bom mesmo é andar sem guia e ir descobrindo cada canto de Fatih. Prepare-se para encontrar muitas subidas em Fatih Algumas mulheres escolhem cobrir o corpo todo, não é uma obrigação religiosa Aqueduto de Valente, do ano 368 era responsável para a chegada de água até Constantinopla Se quiser combinar no mesmo dia é possível com uma caminhada até o Spice e Grande Bazar, como o nome fala são dois enormes lugares onde você pode comprar de tudo, eu falei tudo mesmo dentro de uma normalidade, joias, roupas, brinquedos, chás, tapetes, louças, decoração em geral. Se você vai com a intenção de comprar algo só digo boa sorte, algumas horas do dia se torna irritante andar por ruas entupidas de gente, como da foto abaixo. Espere encontrar turcos e árabes falando bom dia para você, afinal de contas Brasileiros são facilmente reconhecidos, também preços nas alturas para você treinar o seu poder de barganha, o normal é começar com 3 ou 4 vezes mais caros que o normal. Se você não fala Turco não tem problema, os vendedores sabem quem comprar souvenir é gringo, e eles vão fazer o possível para lhe vender, quase comprei um tapete e eles mesmo enviam para o Brasil, coisa fina. Não espere encontrar muito espaço para andar no Grand Bazaar de Istambul Chá é coisa séria na Turquia, e eles são incríveis. Também espere pagar bem caro O Grand Bazaar é enorme sendo impossível ver todas as lojas, mas tudo é separado por tipo O Grand Bazaar fica aberto até umas 7 da noite, melhor mesmo é ir bem cedo Comer em Istambul é muito fácil, desde uma simples torrada, kebab, peixe ou arroz com frango você vai encontrar opções baratas até bem caras. Como sempre eu gosto de economizar e comer onde os moradores vão, com 10 Liras é possível fazer um almoço regular. Fica humanamente impossível falar o que e onde comer na cidade, só não vale ficar indo em fast-food na Turquia. Nos meus últimos 4 dias na cidade acabei ficando na casa de uma brasileira que trabalha com turismo, voltando para Gálata por sinal, com um razoável sistema de metrô é possível de deslocar pela cidade, uma pena que ônibus seja mais funcional, ou pelo menos tenta pelo horrível trânsito. Entendo que como Istambul seja muito antiga é difícil construir metrô para todas as regiões. Uma volta durante a noite é altamente recomendável, especialmente para conferir as iluminações das várias mesquitas, no verão eu garanto que foi muito melhor que em janeiro, onde o vento foi complicado. Muito comum este copos com saladas serem vendidos perto da Ponte de Gálata, 2 Liras Basílica de Santa Sofia A Mesquita Azul fica mais bonita durante a noite Resumo da ópera, Istambul não é uma cidade para apenas 2 ou 3 dias e muito menos para uma visita na vida. Mesmo quem não goste de cidade grande acho difícil não se apaixonar por este lugar, não espere uma Europa organizada ou limpa, espere sim encontrar muita gente legal pelo caminho, especialmente quem hospeda viajantes pelo couchsurfing. Foi minha segunda visita na cidade, onde os 10 dias passaram voando. Não escrevo dicas do que fazer pois isto vai depender do gosto de cada um, considero mais importante viver o clima de uma cidade e suas pessoas, do que apenas ficar visitando pontos turísticos. Aproveite e me siga nas redes sociais, os vídeos tem no Youtube! ► Facebook - https://goo.gl/ImCxnH ► Google - https://goo.gl/VWWAIH ► Instagram - https://goo.gl/Dhr0To ► Youtube - https://goo.gl/t7psfL
  8. Istambul é uma cidade tão cheia de vida, que é difcíl explicar em palavras. Com seus mais de 10 milhões de habitantes, temos opções muito diversificadas. É uma espécie de turismo para além dos museus, a história está na rua e em seus habitantes. Também é bem convidativa para quem quer conhecer um pouco mais sobre o Islã e quebrar preconceitos. A Turquia é um país fascinante e Istambul é um pedacinho disso tudo. Aonde ficar? Para os turistas, existem dois pontos "cruciais" na cidade: Sultahnamet e Taksim. O primeiro bairro, que foi escolhido por nós, é aonde se concentram as principais atrações "históricas" da cidade, além de ter ótimas opções de parques para descansar durante o dia e um pouco da culinária local. Já Taksim remonta um lado mais metropolitano, permeado de restaurantes, lojas e até shoppings (com preços que valem muito a pena). Quem se hospeda lá fica mais próximo ao "point" noturno da cidade, à Gálata Tower e à praça taksim, que foi cenário dos protestos que levaram milhares de turcos às ruas em 2013. Informações úteis Brasileiros não precisam de visto no país. Existem dois aeroportos principais na cidade: o internacional de Atatürk, que recebe os principais voos, e o Sabiha Gökcen, que fica longe para um cacete e costuma fazer os voôs internos da Turquia. Portanto, se forem fazer algum tipo de conexão ou pegar algum voô para outra cidade, fiquem atentos, pois o aeroporto de Sabiha é de difícil acesso, principalmente para quem está com pressa (até mesmo de taxi demora). Já o aeroporto internacional pode ser acessado de metrô. Detalhe: a maioria dos hoteis e hostels oferecem transfer, que, diga-se de passagem, não é um absurdo: 5 euros para Atatürk e 10 euros pro Sabiha. Você pode, facilmente, se deslocar andando (caminha-se bastante) ou de ônibus, só precisa se informar bem - MUITO BEM! - com alguém que fale em inglês, já que se comunicar por mímicas no meio da rua não é uma tarefa fácil. Quanto mais você se embrenha na Turquia ou se distancia dos pontos históricos,menos os turcos falam inglês (até nos hotéis), então baixem um daqueles apps tradutores ou se informem beeeem antes de saírem andano por aí (passamos alguns perrengues por causa disso). A Guia Turca foi uma dica da querida Babi Cady, que já sigo no instagram desde o começo de sua jornada pelo mundo. A Gonca (guia turca) é uma brasileira residente em Istambul que sabe a história da cidade como a palma de sua mão. Infelizmente, a Babi só passou pela cidade em outubro, então só fiquei sabendo disso depois da minha estadia por lá, mas #fikdik pra vocês <3 O que é o Ramadan? É o nono mês do calendário lunar islâmico, um mês considerado festivo para os muçulmanos, que fazem jejum durante o dia como uma forma de respeito à Allah. Nossa passagem pela cidade se deu exatamente nesse período, em que o final do dia se enchia de pessoas e famílias nas praças para fazer a refeição. Além disso a Mesquita ficava totalmente iluminada e, durante o dia, tocava uma canção em determinados momentos para lembrar aos fiéis de rezar, muito interessante, diferente (para mim, claro) e bonita a prática. O que fazer? Vou fornecer essas informações com base no meu roteiro de 4 dias (sendo o primeiro de chegada no final da tarde) pela cidade e tentar falar mais algumas dicas que li e escutei. Lembrando que os preços são de junho de 2016. Istambul tem suas principais atrações: Hagia Sophia (ou Basílica de Santa Sofia): construída para ser, inicialmente, catedral de Constantinopla, ao longo da história ela foi igreja católica, mesquita até se tornar o museu que é hoje. Também passou por destruições e reconstruções. É de deixar o queixo caído. Sua entrada custou 40 LT. Cisterna da Basílica: perto da hagia Sophia, foi utilizada para ser cisterna de água, mas hoje é outra atração turística, que ajuda a se esconder um pouco do verão ensolarado da Turquia e tem o grande atrativo das cabeças das Medusas, aonde voce pode jogar uma moeda e fazer aquele desejo. Entrada? 20 LT. Mesquita Azul: uma das mesquitas mais imponentes de Istambul e também a mais visitada pelos turistas. Não se preocupe com a roupa, pois lá eles disponibilizam algo para você se vestir adequadamente para entrar numa mesquita. Entrada gratuita por ser um templo religioso. Loja de Tapetes do Ridvan (El Rincón de Fehmi em Sultanahmet): apesar de não ser para o "bico" de mochileiros, vale a pena entrar e conhecer essa loja e o Ridvan, um turco (de etnia curda) muito simpático, que nos recebeu muito bem, nos explicou um pouco de cenário político do país e contou a linda história dos tapetes turcos que (pasmem) são mais trabalhados que os famosos tapetes persas (ou iranianos), já que são feitos com 2 nós e não apenas 1 como no país vizinho. Ah, o melhor? Isso tudo foi em português, já que ele costuma vir para o Brasil vender seus tapetes! Grande Bazar: ok, você pode ser o mochileiro que for, estar na estrada a meses ou ter ido só para uma viagem de férias, mas esse lugar é imperdível. Além da arquitetura incrível, o lugar é um dos maiores mercados fechados do mundo e era abastecedor para outras cidades ou pequenos produtores. O nome das ruas do mercado correspondem às atividades que aí se desenvolviam. Fora as lembrancinhas, dá vontade de comprar tudo (e olha que não sou de gastar!). Tinham várias porcelanas pintadas à mão, tapetes, souvenir,... Ah, e as casas de câmbio de lá tinham os melhores preços de Istambul. Suleymaniye Mosque: uma mesquita no estilo da Blue Mosque, mas com menos turistas. Achei muito melhor para vivenciar um pouco a paz de uma Mesquita e entender um pouco melhor sobre o Islã. O preconceito, muitas vezes, vem da reprodução de um discurso de algo que não conhecemos, então é super importante mergulhar nessa experiência. Além de ser mais calmo, lá tinha uma mulher explicando um pouco sobre a religião, bem interessante. Não me lembro de emprestarem vestimentas adequadas, apenas o véu para tapar a cabeça ao entrar. Bazar de Especiarias: bem próximo à Suleymaniye Mosque e essencial para quem quer ver os doces e temperos turcos. Apesar de serem vendidos por toda a cidade, lá eles são mais baratos. Confesso que me decepcionei um pouquinho, já que esperava algo diferente. Os doces pareciam com uma espécie de jujuba (eu juro, hahaha). Estreito de Bósforo: a não ser que queiram aquelas breguices de barcos com músicas românticas com um preço bem salgado que começa em 15 euros, existe um barco público que faz esse roteiro (por apenas 12 LT). Topkapi Palace: fica em Sultanahmet. Infelizmente, não posso descrever o quanto esse lugar (parece) é mágico, porque tive o azar dele estar fechado por um problema que não compreendi muito bem no dia que fui visitá-lo. Mas, com certeza, é parada obrigatória para quem vai à Istambul. Parque Gulhäne: um lugar perfeito para dar uma relaxada depois do almoço ou para comprar uma frutas e tomar café da manhã. São flores para todos os lados, muita vida, crianças, pequenos animais. É para colorir seu dia! Taksim Square: palco das manifestações, em 2013, que levaram 3 milhões de turcos às ruas. Essa região é conhecida como Istambul Moderna, aonde se concentram grandes centros comerciais, casas de câmbio. Lembra algo mais "ocidentalizado". Gálata Tower: é uma das torres mais antigas do mundo, foi usada como forte e como ponto estratégico na cidade. Tem uma vista panorâmica, que vale muito a pena, apesar da entrada ser bem salgada (25 LT). Museu da Inocência: apesar de não ter conseguido ir, é interessante e até uma forma de prestígio a um dos mais famosos escritores turcos, Orham Pamuk. O museu leva o nome de um de seus livros mais conhecidos. Além desse, ele tem clássicos como "Istambul" e "Meu nome é vermelho". Ilhas no estreito de Bósforo (exemplo: Princess Islands): para quem curte andar de bike, vale a pena pegar um dos ferrys até essas ilhas e passar o dia relaxando (principalmente para quem tiver um roteiro menos corrido que o meu). Lado asiático de Istambul: Kadikoy é o lugar do lado asiático mais conhecido, principalmente por suas ruas agradáveis e barzinhos (também não deu tempo de conhecer). O que comer? Sei que não sou a maior especialista em comida turca, já que foi muito pouco tempo para descobrir e me aprofundar mais nessa cultura tão rica, mas existem alguns pratos que, literalmente, são I-M-P-E-R-D-Í-V-E-IS! Ah, os restaurantes turcos tem uma tradição que eu simplesmente amo: servir entrada de pães com pastinhas (de graça <3). -Kebab (bem famoso na culinária turca, no Grand Bazar era bem servido por um preço bem razoável de +- 7 liras por pessoa). -Ali Nazic, uma espécie de Kabab com molho de alho e beringela (de lamber os beiços) -Doces turcos. Apesar de não ter gostado, é uma experiência local prová-los. -Chá turco, tem gosto de essências, como canela, mas é uma delícia. O único problema é a temperatura (você se queima real), que não é nada agradável, muito menos no calor do verão de Istambul. Istambul, apaixonante A verdade é que Istambul é uma cidade linda, cheia de vida e cultura. Apesar de todos os preconceitos que ouvimos diariamente acerca da Turquia, posso dizer que, em questão de segurança pública, Istambul ganha de 1000 a 0 do Rio. Chegamos a dormir numa praça com nossa câmera largada ao lad, andávamos feito "turistas" pelas ruas (com mapa na mão e câmera no pescoço). Não deixem de ir pelo "medo", que nada mais é que um desconhecimento sobre a verdadeira realidade do país e da cidade. O povo é muito receptivo, sempre disposto a ajudar - um bom lugar para tentar fazer couchsurfing. Apesar que os hostels são bem baratos. Acredito que conhecer a cidade no inverno também deve ser incrível (vendo as ruas nevadas). Se tiverem qualquer dica para complementar o roteiro ou qualquer dúvida, podem entrar em contato!
  9. Os últimos dias da viagem haviam sido ótimos. Istambul, em pouco tempo, conquistou meu coração de viajante e, devido às suas particularidades e exotismo, havia se tornado meu destino preferido. Eu já nem lembrava mais que durante o planejamento cheguei a questionar se deveria ou não visitá-la, pois tinha receio do que poderia encontrar na, até então, desconhecida Turquia. Portanto, metade de mim estava deixando a cidade com a tristeza de quem sai de casa sem saber quando e se um dia irá voltar. A outra metade estava feliz por ter conquistado mais um objetivo e por estar dando continuidade à jornada com um sentimento de dever cumprido. Um dia antes, eu havia passado na estação para comprar a passagem até Bucareste, pois sabia que meu passe de trem não tinha cobertura para alguns trechos. No guichê, informei o destino final apresentando meu Eurail Global Pass. A atendente o examinou, me deu preço e eu paguei pela passagem complementar. Na hora do embarque, me despedi de Carlijn, Evan e Jitske que fizeram questão de me acompanhar até a estação e entrei no trem que me carregaria pelas próximas 19 horas – saindo da Turquia, atravessando toda a Bulgária e chegando na Romênia. A viagem teve um mau começo. Na mesma cabine, que era para seis pessoas, só havia um senhor – até aí tudo bem. Um senhor que fumava um cigarro atrás do outro, e não era um cigarro comum, era uma espécie de palheiro – forte e fedorento. Pra piorar ele fechava a porta, e eu suspeitei que era por causa da fiscalização. Mas bastava ele acender o cigarro que eu a abria novamente. E esse ritual foi repetido várias vezes. O pessoal do trem entrou por várias vezes na cabine para abordá-lo e parecia que o motivo envolvia dinheiro. Não tenho certeza se ele não tinha passagem ou era outro motivo. Em uma das abordagens chegaram a, inclusive, revistar sua mala. Eu, desconfiado, viajava com a mochila em cima da cama, aos meus pés. E nessa noite em especial, cheguei a amarrá-la, passando as tiras em volta da minha perna. Eu já tinha lido vários relatos de furtos em trens noturnos e não queria dar a menor chance pro azar. Durante a madrugada, o balançar do trem não era nada em face ao cheiro horrível do palheiro que não me deixava dormir. A solução que encontrei foi me cobrir inteiro com o lençol até a cabeça para que a fumaça e o cheiro não entrassem pelas minhas narinas. Funcionou. Quando, enfim, consegui dormir o trem parou. Estávamos na fronteira. Tive que desembarcar do trem com meu passaporte para receber o carimbo de saída do país. Do lado de fora o breu só era quebrado pelas luzes fracas e amarelas do escritório de imigração. Com o carimbo estampado no passaporte, voltei ao trem e adormeci novamente. Sempre com a mochila presa à perna e coberto da cabeça aos pés. Mas não demorou muito para eu ser acordado mais uma vez. Agora tínhamos chegado à fronteira da Bulgária. Felizmente, dessa vez, o oficial levou o passaporte para ser carimbado e eu não precisei descer do trem. Essas foram apenas duas vezes entre muitas que meu sono foi perturbado. Não sei dizer ao certo quantas vezes houve checagem de passagens durante a noite e o velho fumador era sempre requisitado – e interrogado. Mas teve um momento em que cheguei à exaustão e dormi pra valer. Acordei quando o sol já havia nascido e tive uma ótima surpresa: estava sozinho na cabine! Até me diverti ouvindo Dragostea Din Tei (a versão original da Festa no Apê, do Latino, cantada pelos romenos do grupo O-Zone) e Tic Tic Tac (aquela do Carrapicho, alguém lembra?) numa versão búlgara, acredito eu. Pois bem, bastou eu achar que tudo ia muito bem para ser abordado por um búlgaro. Ele chegou acompanhado por uma mulher e ambos estavam checando os bilhetes dos passageiros. Até aí nada de diferente, certo? Errado. Quando entreguei meu passe ele disse que estava faltando algo, não sei como entendi isso, pois ele só falava búlgaro. Entreguei-lhe meu bilhete (aquele que comprei em Istambul), confiante de que era aquilo que ele queria ver, certo? Errado. Também não sei como entendi, mas ele disse que aquele era apenas uma reserva para a cama. Eu não sei se era mais difícil entendê-lo ou entender como funcionava a venda dos bilhetes. Pelo que entendi, eu deveria ter comprado, na Bulgária, um bilhete que cobrisse todo o trecho que passaria pelo país. Mas como eu poderia fazer isso de dentro do trem? Ninguém entrou pra vender, nem ao menos para perguntar. Todas as vezes que checaram minhas passagens estava tudo ok. Enquanto ele tentava me explicar em búlgaro, a mulher que entrou com ele insistia em ler meu passe para ter certeza de que ele não era válido para aquele país. E no meio de tanta explicação e tanta gesticulação, a minha cabeça começou a latejar de dor. No começo da abordagem até cheguei a pensar que queriam uma propina, mas depois descartei essa possibilidade e vi que eles estavam realmente fazendo o correto, mas isso não quer dizer que eu estava errado, pelo contrário, eu não tive culpa nenhuma e muito menos má intenção – o que não fez muita diferença. No final da história eu tive que pagar €50 de multa – e ele fez a notinha e tudo. A multa ficou cara perto do preço que deveria custar uma passagem naquela região deserta da Bulgária. O que me deixou mais aliviado foi que ele saiu da cabine e minha cabeça foi, aos poucos, melhorando e, após as intermináveis 19 horas dentro da cabine do trem, cheguei a Bucareste, a capital romena. Leia o post original com fotos: http://viajanteinveterado.com.br/multado-no-trem-a-interminavel-viagem-de-istambul-a-bucareste/ Este é o 39º post da série Mochilão na Europa I (28 países). Leia os outros posts da série: http://www.viajanteinveterado.com.br/category/grandes-viagens/mochilao-na-europa-i-28-paises/
  10. Assim que desembarcamos na estação de trem, tive uma ótima primeira impressão dos turcos: um taxista além de nos dar informações, sugeriu que fôssemos a pé até Sultanahmet (região central da cidade, que concentra vários albergues) – acho que esse foi o cúmulo da honestidade. Após uma breve caminhada encontramos mais de uma dezena de albergues e hoteis baratos. Pesquisamos alguns e escolhemos o Sydney Hostel que tinha um terraço interessante, vaga para nós quatro e um restaurante bacana logo embaixo. As construções nessa região são parecidas, com uns quatro andares que terminam, quase sempre, em um terraço com vista para Istambul e o Bósforo. Nem bem saímos para explorar a misteriosa capital turca e já demos de cara com a imponente Mesquita Azul que era justamente o ponto que eu mais queria conhecer – mas tive que esperar. Fizemos uma breve pausa para fotos e continuamos, pois a primeira parada era no Grand Bazaar, que dizem ter em torno de 5.000 lojas e ser o primeiro e o maior centro de compras do mundo – há quem conteste, mas o que importa mesmo é visitá-lo e apreciá-lo e, se não for o primeiro nem o maior, talvez seja o mais interessante de todos. O complexo possui quatro entradas principais (num total de 18) e recebe diariamente cerca de 250 a 400 mil pessoas. Suas lojas possuem de tudo um pouco: guloseimas tradicionais (deliciosas), roupas, objetos de decoração, narguilés, kebabs, joias, acessórios diversos, louças, tapetes, luminárias, e mais uma infinidade de coisas. Se for comprar alguma coisa, é fundamental negociar pois, além de fazer parte da tradição, a pechincha pode valer metade (ou até mais) do valor inicial. Antes de continuar o passeio, paramos em uma lanchonete do lado de fora do Grand Bazaar, onde comi um kebab et dürüm, aquele enroladinho como um wrap. Enfim, era chegada a hora de visitar a Mesquita Azul. Confesso que desde que li as primeiras palavras sobre essa mesquita, alguns anos antes, ela exerceu um certo fascínio sobre mim, talvez tenha sido por sua beleza, por sua grandiosidade ou por sua história. Essa obra de arte foi construída entre 1603 e 1617, durante o comando de Ahmed I, sultão do Império Otomano. Olhando por fora, ela se destaca por ser a única mesquita da cidade a possuir seis minaretes. Entramos seguindo as exigências, todos descalços e as meninas com um véu cobrindo cabelos e ombros. Seu interior tem o piso forrado de carpete predominantemente vermelho, em suas paredes e teto formam-se mosaicos, assim como em suas cúpulas e sua iluminação durante o dia é fundamentalmente de luz solar que atravessa suas 260 janelas. Atravessamos um belo e bem cuidado jardim até chegar em outra importante mesquita, a Ayasofia, construída entre 532 e 537. Originalmente era a Catedral de Constantinopla e foi a maior igreja do mundo por oito séculos, quando tornou-se mesquita devido à tomada dos otomanos. Desde 1934 virou um museu com arte cristã e muçulmana. Pegamos um bonde com sentido a Beyoğlu, uma parte mais moderna de Istambul. De funicular, chegamos à Galata Square, de onde seguimos para Istiklal Caddesi, o calçadão mais movimentado da cidade com uma grande oferta de restaurantes e comércio. É fácil encontrar boas opções para comer, incluindo kebabs, doces turcos (de ótima qualidade), sorvetes, e também lojas de grifes internacionais, galerias com produtos locais e shopping center. Vale a pena prestar atenção nas vitrines dos restaurantes, onde ficam expostas as suculentas produções recém preparadas. Também é muito comum encontrar barraquinhas de rua que vendem castanhas e simit (pão típico, em forma de rosquinha) À medida que caminhávamos, íamos fazendo pequenas pausas para experimentar as iguarias, geralmente deliciosas. Cortando esse calçadão, corre um bonde sobre trilhos – útil para voltar da caminhada que pode durar horas. No caminho de volta, apreciamos a vista na margem do Estreito de Bósforo que liga o Mar Negro ao Mar de Mármara e divide Istambul e os continentes europeu e asiático. Próximo dali estranhei ao me deparar com uma loja de armas na entrada do metrô. Essa noite jantamos no restaurante que ficava embaixo do albergue. O prato que escolhi era generoso e vinha com arroz, salada, frango e batata – tudo muito bem temperado. Para acompanhar pedi a cerveja Efes. Após a refeição, foi servido o famoso çay (que significa chá, e se pronuncia tchai). Após o jantar, caminhei até a Mesquita Azul para tirar algumas fotos noturnas. Depois, sentei-me no terraço do albergue para relaxar enquanto avistava a poucos km, do outro lado do Bósforo, a Ásia. Começamos o outro dia indo até a estação de trem, onde eu garanti minha passagem para Bucareste, capital da Romênia. Dali seguimos para o Spice Market (Mercado de Especiarias, também conhecido como Mercado Egípcio). É uma profusão de cores, cheiros, formas e sabores, aguçando nossos sentidos. Experimentei, entre baklavas e künefes, um doce que era uma espécie de gelatina dura recheada de nozes que era uma delícia. Continuando as aventuras gastronômicas, comi uma espécie de quibe cru muito picante com alface e pão sírio, feito na hora por um senhor de idade que se estabelecia, aparentemente, improvisado em uma das portas do mercado. A cada mordida eu sentia aumentar a ardência causada pela pimenta e a solução foi tomar um suco natural de laranja em uma das várias lojas desse tipo que se encontram pelas proximidades daquele mercado. Pela primeira vez, vi pessoalmente os fiéis muçulmanos chegando às mesquitas e lavando seus rostos, mãos e pés nas torneiras que ficam do lado de fora. Cinco vezes por dia eles são convocados a orar por meio dos alto-falantes que ficam presos aos minaretes das mesquitas, Ezan (que significa oração em turco) é nome dessa chamada, desse som parecido com um canto, que domina os céus de Istambul e nos envolve pela audição. A primeira oração é feita ao nascer do sol, a segunda é ao meio-dia, a terceira por volta das 15h30, a quarta oração ocorre durante o pôr do sol e a quinta, e última, deve ser feita até a meia-noite. Entramos no Topkapi Palace, constituído por vários prédios que formam um verdadeiro labirinto e guarda relíquias como pertences do profeta Maomé e o diamante Kasikci de 86 quilates e abraçado por 40 brilhantes. Apesar de ser o museu mais visitado do país, não achei o Palácio tão deslumbrante assim. O destaque vai para as salas do Harém, mas deixo claro que não consegui visitar todas as salas. O mais curioso é que, ainda nas dependências do Palácio, quem virou atração fui eu. Certamente confundido com alguma personalidade, muitas pessoas pediram para tirar fotos comigo, incluindo turcas muçulmanas. Em uma das fotos cometi uma gafe ao tocar uma delas nas costas – não se pode tocar uma mulher muçulmana. Acostumado em abraçar as pessoas para tirar fotos, fui alertado pelos meus amigos e imediatamente lhe pedi desculpas, mas ficou tudo bem e continuamos com os flashes! O almoço foi tardio mas no melhor estilo turco. Sentados sobre tapetes e almofadas, comemos sobre uma mesa baixa, enquanto escutávamos uma banda ao vivo, dentro do restaurante. Saboreei meus dois pratos: um de pimentões recheados e salada de alface, cenoura e beterraba e o outro, o tradicional gözleme, o crepe turco. Esticamos a caminhada e fomos mais uma vez até a margem do Bósforo – como optamos por não fazer o passeio de barco, popular entre os turistas, ficamos ali, apenas olhando e eu, particularmente, curtindo meus últimos instantes em Istambul – e últimos também com meus amigos, pois eu daria continuidade ao meu roteiro sem eles. Mas a despedida tinha que ser mais animada, afinal queríamos celebrar a bela amizade que nos manteve juntos por esse período da viagem, que começou no ferry entre Itália e Grécia e nos levou até a Turquia. Encontramos um barzinho bacana, com tapetes e almofadas espalhados pelo chão. Pedimos Efes e narguilé (cortesia da casa) enquanto conversávamos e relembrávamos os bons e engraçados momentos da nossa viagem. Um tempo depois, corri para o albergue e peguei minha mochila. Quando fui me despedir, fiquei surpreso pois todos fizeram questão de me acompanhar até a estação de trem. Feliz por ter feito novos amigos mas triste por deixá-los, embarquei no que seria a minha viagem mais longa de trem de todo o mochilão, de Istambul a Bucareste, na Romênia. Leia o post original com fotos: http://viajanteinveterado.com.br/a-extraordinaria-istambul/ Este é o 38º post da série Mochilão na Europa I (28 países): http://www.viajanteinveterado.com.br/category/grandes-viagens/mochilao-na-europa-i-28-paises/
  11. Eram 10h51 quando o nosso trem deixou a estação de Lárissa, na capital grega. Evan (o americano) e eu estávamos indo até a cidade de Tessalônica, no norte da Grécia, para encontrar as holandesas e partirmos, todos juntos, até Istambul. Foram seis divertidas horas dentro do trem, ouvindo os mais engraçados toques de celulares, observando uma senhora que não conseguia evitar a queda frequente de sua bandeja e rindo a cada anúncio feito nos alto-falantes, pois não entendíamos uma palavra sequer – você, provavelmente, conhece aquela expressão que dizem quando não entendem nada sobre o assunto: “você está falando grego”. Pois é, faz todo sentido! Impossível deixar de comentar sobre as belíssimas paisagens avistadas durante a viagem, mesmo num dia nublado. Aliás, como boa parte do país estava debaixo de nuvens, acabei me conformando por ter deixado a visita a Meteora para uma próxima viagem – pois aquele lugar sem o céu azul não teria tanta graça. Chegamos a cidade de Tessalônica, encontramos as holandesas Carlijn e Jitske e fomos almoçar. Eu estava sem fome e optei por uma magnífica salada grega – a melhor de toda a minha vida. Caminhamos até o albergue que elas estavam hospedadas para que pegassem suas bagagens e, novamente, trainspotting até chegar a nossa vez de embarcar. Nosso trem para a capital turca partiu às 20h e tive uma agradável surpresa: a cabine era ótima. Havia duas camas, sofá, mesa, pia, prateleira, espelho, era completa. Não demorou para que apelidássemos a cabine de palace, o pequeno sofá com a mesa-pia na frente virou living-room e o degrau da porta tornou-se balcony. A verdade é que a viagem era longa e tínhamos que nos divertir de alguma forma. Ouvimos música, jogamos cartas e “tentamos” dormir. Já era de madrugada quando chegamos à fronteira. Fomos acordados pelos policiais gregos para entregarmos nossos passaportes. Após realizados os trâmites de saída da Grécia, sem descermos do trem, os passaportes nos foram devolvidos. Dormi. Não demorou muito e o trem parou outra vez. Estávamos no posto de controle da Turquia. Os policiais turcos entraram, checaram os passaportes e, entre nós quatro, eu fui o único a permanecer no trem, pois os demais precisavam de visto. Sim, o americano e as holandesas tiveram que descer do trem e pagar uma taxa para obter o visto de entrada. Enfim, de manhã, conseguimos dormir em paz. Mais tarde, com os olhos grudados nas janelas, avistei os primeiros minaretes das mesquitas apontando para o céu. Estávamos em Istambul! >>> LEIA O POST ORIGINAL COM FOTOS: http://viajanteinveterado.com.br/no-trem-de-atenas-para-istambul/ Este é o 37º post da série Mochilão na Europa I (28 países) Leia o post anterior: Mykonos Leia o post seguinte: Istambul
  12. Oi! Foi uma viagem INCRÍVEL! Eu queria aproveitar bem minhas férias, mas não queria gastar muito dinheiro. Daí pesquisando, achei muito dificil comprar várias passagens de ônibus e agendar os tours por mim mesma. Daí conheci a Bonita Tour, que é puro amor <3 Falei com o Fatih, dono da agência, e ele fez um esquema ótimo pra mim. Foi assim: 1ª PARADA: ISTAMBUL >> ônibus noturno >> Kuşadası Chegamos em Kuşadası as 6h, um transfer nos pegou na rodoviária e fomos pro hotel. No mesmo dia, as 9h, fomos pra EPHESUS conhecer as ruínas e a casa onde, segundo a lenda, Maria morou até a morte. Tivemos o dia todo, as ruínas são lindas e tem gatos em todos os lugares! Chegamos no hotel só as 17h e tivemos a noite livre pra andar pela cidade e jantar. No dia seguinte, fomos pra PAMUKKALE, uma trilha de cidades em ruínas com teatro grego, que termina num conjunto de piscinas naturais aquecidas e lindas de morrer. Há quem diga que Cleópatra passou a lua de mel por lá. 2ª PARADA: Kuşadası >> ônibus >> FETHIYE Chegamos em Fethiye ao anoitecer, conhecemos a cidade e jantamos. No dia seguinte embarcamos num CRUZEIRO MAIS MARAVILHOSO de quatro dias, que passava por Kaş, Kekova e Simena. Pôr do sol lindo na ilha de St. Nicholas, mergulho na água transparente do Vale das Borboletas, comida boa no barco, dormir vendo estrelas, lindo lindo lindo! Depois de quatro dias, desembarcamos em Demre 3ª PARADA: DEMRE >> ônibus >> ANTALYA Antalya parece aquelas cidades grandes de praia. É gostoso, tem calçadão pra andar, ficamos num hotel maravilhoso dentro das ruínas, que é a parte antiga da cidade. Lá tem um museu bacana que conta muito da mitologia grega e dos sítios arqueológicos que tem por toda Turquia (a galera da Turquia curte umas pedras) 4ª PARADA: ANTALYA >> ônibus noturno >> CAPADÓCIA Chegando em Göreme, ficamos num hotel muito maravilhoso, o Cappadocia View Hotel. Como chegamos super cedo, dá pra ver o show de balões sobrevoando a cidade e a vista do hotel é incrível! Nesse hotel deixaram a gente fazer o check-in antes e ainda ganhamos um café da manhã! A Capadocia é um lugar CHEIO de histórias, visitamos cidades subterrâneas de até TRINTA ANDARES (ok, andamos só nos oito andares escavados e liberados pra turisma, mas é bem legal imaginar que ainda tem muitos andares pra baixo da terra). Nosso guia era expert no assunto, era professor e escreveu várias teses. Também nos levou por dentro do Ihlara Valley, onde teve umas filmagens de Star Wars, e no Parque Nacional de Göreme, onde tem as casas feitas de pedra. No dia seguinte a gente voou de balão e foi lindo, lindo, lindo. Tinha mais de 120 balões voando com a gente, não deu medo nenhum e foi super seguro! PASSEIO OBRIGATÓRIO! 5ª PARADA (e a última, volta Turquia): CAPADÓCIA >> ônibus noturno >> ISTAMBUL Chegando em Istambul fomos tomar chá com o Fatih, que organizou esse tour puro amor pra gente. Como fomos em outubro, ele nos avisou que mais pro fim do mês começa a chover e tínhamos que jogar os passeios mais legais pro comecinho. Não choveu nenhum dia porque Fatih nos salvou a vida! Ele mudou as datas dos passeios pra que a gente pudesse aproveitar o máximo e só pegamos chuva já em Istambul. Istambul é cidade grande, tem muita coisa pra ver. O que eu acho imperdível e que pouca gente vai, pq é meio desorganizado e tem muita fila, é o Palácio Dolmabahçe, onde os sultões viveram até a revolução. É incrível. Nunca tinha visto tanta riqueza assim. O tour pelo Harém é bem legal e custa só 10 TL a mais. Vale também a visita a Mesquita Süleymaniye, que tem uma vista linda de Istambul. Façam o tour do Bósforo que é bem lindo e não deixem de ir na parte oriental Minha viagem foi bem intensa e low cost a meu pedido. O que eu fiquei mais feliz foi que a Bonita Tour (e o Fatih, claro) me atenderam super bem e fizeram tudo do jeito que eu queria. E ainda: salvaram meu cruzeiro e meu voo de balão! Vão pra Turquia, o lugar é lindo, o povo adora brasileiro e se come bem gastando bem pouco
  13. Eu sou leitora deste site há muito tempo, mas só este ano efetuei meu registro. Resolvi fazer o relato retroativo de uma viagem realizada por mim e o marido antes do meu registro aqui no site pela relevância que ela teve para mim e com o objetivo de divulgar o destino, que é mágico! E tb tem algumas pessoas que me escrevem MP pedindo dicas, então já ficam todas dadas! PRÉ-VIAGEM Quando comecei a pensar para qual destino seria esta viagem (ocorrida em junho de 2013), só tinha em mente que queria ir “pra um lugar diferente”. Eu sempre sonhei em viajar mundo afora... então escolher um único destino quando vc quer conhecer o mundo todo, é tenso! A ideia inicial era Jordânia e Egito, abandonada em pouco tempo por falta de orçamento. Aí fiquei naquela... sem saber pra onde ir sem gastar um rim. Eu acompanhava muitos blogs de viagens e promoções, como o MD, e era fato que, graças ao sucesso de uma novela que passava na Globo à época, a Turquia estava em alta. Eu não assistia novela, mas sabia que a Turquia era um país islâmico, que continha a fantástica cidade de Constantinopla (hj Istambul) e tinha paisagens de outro mundo... e só. Aí fui dar uma olhada mais a fundo. Em meia hora eu tinha decidido que eu ia morrer se não fosse pra lá urgente!! Meu marido achou a ideia ótima, então bora! ROTEIRO O roteiro é o que está no título! Circular! Fizemos toda essa maratona de busão, com exceção da travessia do mar de Mármara, feita de Ferry. Mas tem como otimizar muito! HOSPEDAGEM Ficamos hospedados nas seguintes cidades: Istambul: hotel Ramada (não recomendo) Avanos (Capadócia): hotel Suhan (legal...) Pamukkale: hotel Tripolis (recomendo) Kusadasi: Euphoria Resort (recomendo) GASTOS A moeda local é a lira turca, que na época estava praticamente pareada com o real. Levamos dólares pra trocar lá. Tenha LIRAS TURCAS. Troque seus euros ou dólares por liras. Não fiquei correndo atrás de cotação, troquei no hotel e em locais aconselhados pelos turcos nas ruas. O lance de ter lira é que os mercados e comércio de rua até aceita euro e dólar, mas a cotação é muito desfavorável. Tinha coisa que custava UM, independente da moeda, kkkk... 1 lira (= 1 real) ou 1 dolar (= 2 reais) ou 1 euro (= 3 reais)... portanto, tenha liras! Uma refeição normal custava em torno de 20 liras por pessoa. Só que os preços variam muito... como tudo é muito turístico, tem hora que a coisa fica sem controle. Em alguns lugares uma garrafa de água de 500ml custava 3 euros... uma coca light 4 euros... no mercado ou posto de gasolina era cinquenta centavos de lira a água de um litro!!! O gasto total com a viagem foi cerca de 14 mil pro casal, 12 dias. Mas fiz muita bobeira. Por inexperiência em viagens deste tipo, comprei passagens caras e contratei serviços desnecessários. Além de ter simplesmente amado o país, também aprendi uma lista de coisas “a não repetir”. Hoje se fosse fazer a mesma viagem gastaria muito menos... veja abaixo as principais coisas a não fazer: 1) Passagens: paguei 5700 reais para dois adultos, pela Swiss, Gru > Istambul, com conexão em Zurich. Achei o serviço da Swiss espetacular, mas depois de ter aprendido a comprar passagem, tive ciência de que paguei caro demais. Mas valeu a pena, renomeei essa tontice como “aprendizado”, kkkkkkkk... hoje estou “craque” em comprar passagens! 2) Comprei um chip “global” ainda em Guarulhos pq a moça era muito boa em me dizer que era necessário... não é, não compre, kkk... é caro. 3) Passeios guiados: eu nunca tinha ido tão longe, meu inglês é meia boca, eu tinha receio de não saber me comportar em um país islâmico, e por isso, contratei visitas guiadas. Mas esta opção foi um “aprendizado” que não considero “tontice”. Eu estava insegura, precisava disso. E não foi de todo ruim. Repetiria a escolha em países em que não me sentisse segura, tipo Egito ou Índia. Mas na Turquia é totalmente desnecessário!! De qualquer forma, os pontos altos foram: deslocamentos eficientes, o guia (sabia muito de tudo, era historiador), as pessoas que conheci. Os pontos baixos: o tempo marcado, o tempo desperdiçado com atividades que eu não tinha interesse e o guia (kkk, ele era bom, mas era muito mal humorado). Agora... a viagem!
  14. Eaí galera, Minha viagem começou bem antes, então saí de Tel Aviv - Israel, para Istambul. Passagem aérea custou $200 dolares, ou algo em torno disso. Fui com uma doida muito gente boa que conheci na Tunísia! A jú. 1 dia: chegamos no aeroporto e de lá pegamos um bus que leva até o centro da cidade por mais ou menos 12 reais. Tem que ser com esse bus pq é muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito longe, vc vai pagar os dois rins se for de táxi. A moeda deles tem quase o mesmo peso da nossa. São liras turcas. Era um centavo mais cara. Isso em março de 2014. Demoramos uma vida para achar o hostel que até que valeu a pena. De primeira vc se assusta é bizarro. ahhahaha Um senhor muito louco é o dono. Figura. Não é de muitas palavras, mas para o que precisar ele dá um help. O nome do hostel é____________. É baratoooooo. Meu, o hostel é muito bem localizado. É uma zona que tem muito hotel/hostel.. então nao vai ser difícil vc achar algum lugar p ficar por aí.. pelo menos a localização vai fazer bem. Ficamos num quarto misto de 9. Foi de boa. Não é ounnn que maravilha, mas dá pra dormir, cagar e tomar um banho.. não necessariamente nesta ordem. O foda que aconteceu é nas duas últimas noites um japa muito porco chegou no hostel e ficou no nosso quarto, gente ele peidava, arrotava e roncava sem o menor pudor. Nojento! Mas é rir p nao chorar né!! O outro cara que tbm tava no nosso quarto acordava elee direto e dava bronca e eu só ria! aiuHUIHAUIHAUIAH Aproveitamos o resto do dia para caminhar pelo calçadão e conhecer bem a região. Fica bem perto da estação de metro. (que não é muito barato, tipo, vc paga uns 3,50 por ticket e as vezes vc tem que comprar dois quando muda de estação. Então é uma facada. Tem que planejar bem o roteiro pra nao ficar gastando toda hora 4 tickets por dia de ida e volta. Se não vc vai ficar out of money soon! Nesse calçadão, tem o famoso sorvete chicletão que aparece direito no FB ou cata aí no youtube. Não é muito bom, mas vale a pena experimentar. Essa parte da cidade é bem bohemia, vários bares, restaurantes, pubs, boates. Perca-se na noite. Vale a pena. Tem tbm um restaurante toooop de comidas típicas e o preço é bem razoavel. Fica na direita de quem entra na avenida Istiklal, nas primeiras quadras. Vale a pena. Há tbm uma Igreja lindona para visitar. Perca-se, caminhe, e descubra as ruas deste centrinho. Tem bastante artesanato, chás, feiras, lojinhas. É gostoso demais bater perna sem rumo aí. 2 dia:: Cedão, pegamos o metro e fomos conhecer o Palácio Topkapi, Basílica de Santa Sofia, Mesquita Azul e o projeto era já conhecer o Grand Bazar. Não deu tempo porque o Topkapi nos comeu mais da metade do dia, gente pra caralhoooooo! Lembro que nao foi barato pq eu e jú choramos muito. Mesmo com meia entrada, tem vários tickets que não aceitam meia entrada. Ah os caras são mercenários. Bueno, a fila tava gigante e tive que dá um migué, me fiz de louca.. fiquei ratiando na área proibida, enquanto a jú me esperava na fila oficial. "oh turista perdida, don't understand, what, where, why, I can't stay here?! Lady you have to go to the end of the line, no cú que eu vou meu querido" enfim, furei uma puta fila quilométrica me fazendo de retardada, cada um se vira como pode! HAHAHAHAHA Saímos de lá(palácio) numa baita fome!!! Aí tinha duas carrocinhas na saída do Palácio uma vendendo suco de romã e outra vendendo Solep, Salop.. não lembro mais, mas é por aí o nome do trem.. é uma delícia, tomamos os dois e tá feito o almoço. hhahaahhahaha Daí é so caminhar em linha reta que vc ja chega na santa sofia e na blue mosquee. Na real pega um mapa que tem uma pá de coisa pra ver ali na volta. Eu não me lembro o nome de todos os lugares, mas qualquer guia top 10 istambul já ajuda. E tem mapa tbm na central de informações turísticas, quando vc usar o metro, tem uma estação que para em uma estação de trem (repetitivo, mas é) ali do lado tem um centro de informações turísticas. Pèga uma mapa lá na primeira passada. Ahh nesse dia, tínhamos achado um panfleto com apresentação dos carinha que dançam girando sabe? Poisé na vdd o trem tem a ver com a religiao deles, a música que toca na vdd é uma representação do alcorão, e segundo eles, a dança representa um transe que eles entram por ficarem em paz e relaxados escutando as palavras de Allah. Foi 50 reais, por duas horas de apresentação. Vale a pena. Fui sozinha.. a jú não tinha mais muita grana e preferiu não gastar com isso e gastar no balão. Sábia escolha. 3 dia: Ponte de gálata, Bazar de especiarias, Cisternas. Bueno esse dia foi muito engraçado pq eu a Jú precisávamos comprar tenis novo urgente, o meu tava podre, usei o mesmo all star durante 4 meses, então imagina o fedor. Sério gente foi humilhante, fedia demais e eu nunca tive problema de chulé, JUROOOOO pra vcs, mas eu tava num nível que eu tinha que tirar os tenis fora do quarto deixar na rua, botar as meias fora, tomar banho e passar perfume, só nao fiz simpatia pq nao deu tempo. E os da jú por sua vez, cada vez que ela passava numa possa dágua, ficava uma esponja, o fundo do tenis tava descolando.. UIAHAUIHAUIAH ia cair o fundo do tenis a qlqr momento. É foi tenso demais e engraçado ao mesmo tempo. Mas o fedor dos meus tenis estava insuportável. achei até que meus pés iam apodrecer, sem brincadeira. Eis que na avenida istiklal tinha duas lojas da converse!!!! comprei um allstar toooop de coro e de cano curto por 90 reais e a ju comprou o dela. Só que pensa, pés inchados, destruídos, fedidos e de tenis novo. A porra dos pés estavam parecendo o bolo da vó quando bota fermento demais e sai fora da forma.. galeraaa pé grande era piada. Dai que resolvemos caminhar pelo Grand Bazar, que no fim nao era o Grand Bazar, (mas isso explico mais tarde). Resumindo, depois da cisterna (10 reais, linda demais) e da ponte, fomos catar o tal grand bazar, chegamos "lá" depois de bater perna o dia inteiro, e a jú não aguentou, olhou pra mim e disse: Mim (apelido meu), n dá mais, vou ter que tirar os tenis (gente só pra esclarecer, agora eu estvaa com um estoque de meias novas e um tenis novo, nao fedia mais haiuhauihaui), e eu, ah jú tira, ngm nos conhece mesmo! foda-se. Pronto o que já é muito comum (turista ser abordado no bazar) ficou ainda pior. Foi uma comédia. Eis que um cara de uma loja de tempero e chá, pergunta se eramos brasileiras. E eu, respondi, sim. Ah entra na minha loja bla blá blá eu puta da cara, com dor nos pés loca por uma coca bem gelada e botar o pés pra cima, assim como a jú, indignada: nao quero comprar nada. E ele, nao mas eu nao quero vender entra entra, e eu pensei: FDP nao quero comprar nada, Mas que inferno. respondi de novo, nao quero comprar nada. Daí ele se indignou: eu sou o dono da loja, não preciso te vender nada, só entra que eu quero te mostrar uma coisa. noooosssa moço, pra que essa agressividade?! hahaah Entramos. Cara, o magrão era fissurado pelo Brasil, tinha coleção de havainaas, tinha vindo pra cá passar umas férias, me mostrou fotos de artistas brasileiros na loja dele, nos ofereceu chá e amendoas. Foi um querido!!!!!!!! nao compramos nada! fiquei até mal por ter sido um cavalo antes.. ahuahauha mas é que é foda, eles geralmente enchem muito o saco pra vender.. daí chega uma altura da viagem que vc quer matar qlqr um. Ele nos convidou pra passar lá depois do expediente que ele queria nos levar pra tomar o salep, solep, sei lá, em um lugar especial e tal.. Como nao tinhamos nada a perder, arriscamos, confiamos (nunca façam essas coisas, é muito perigoso) e voltamos lá no horario combinado. O cara nos levou num restaurante top na beira do bósforo, de onde dava pra ver a ponte toda iluminada, pagou o tarequinho que nos tomamos, pagou o taxi de volta pra área do hostel, e daí nos convidou pra tomar uma cerveja num bar tradicional ali perto. Fomos, um amigo dele nos encontrou lá, o bar era muito legal, tocou musica tradicional, eles nao bebem pq são muçulmanos, tomaram chá (broxante, hahaahha), pagaram nossas bebidas. efim queriam o nosso corpo nú.. HUAIHAUIHAIUA só que, brasileira não é bagunça meu bemmm!!!! Demos boa noite e muito obrigada pela economias do dia. HUIAHIUHUIHAUIAHIAU Um dos dias mais baratos em Istambul. Coisas que só acontecem em viagens e com pessoas irresponsáveis como nós. Anyway, dessa vez foi tranquilo. 4 dia:: descobrimos que o bazar em que tínhamos ido, era o das especiarias e nao o grand bazar, o que foi um alívio.. pq tinhamos achado decepcionante o grand bazar, já que so tinha tempero e chá. Olha o nível de imbecilidade nos animais . Ocorre que decemos na estação errada no dia anterior, pelo mapa, tinhamos que ter decido numa antes. Ta, mas vai. Acontece. Então fomos conhecer o grand bazar. realmente não deixa a desejar é grande pra caralho lindoooooooo, nos perdemos várias vezes e tem muuuuuita quinquilharia legal pra vender! Nesse dia fizemos tbm o banho turco! Uma paulada, fomos numa casa bem tradicional 90 conto. Foi um choque gente. Achávamos que a geral ia de sutiã e calcinha e tal, quando eu e a ju entramos foi um choque. Mulherada com as tetas abanando, deitadas todas em cima de uma baita plataforma de pedra, tipo uma sauna gigante toda em pedra, com umas 20 loucas peladinhas, com mais um monte de mulher de biquini esfregando toooooodas as partes da mulherada. Bizarro. Foi quase um filme pornô. Haha, mas vc homem ou mulher que está lendo este relato e está super imaginando uma coisa sexy! NÃOoooo! São mulheres de todas as idades, inclusive uma parecida com aquela sua tiazona de 70 anos, com 150 kg, que não se depila há 10 anos! Poisé, acabei com seu sonho! HUAHAUIAHUAHAIUAHUIA sei que quando entramos eu nem olhei pra jú, só falei: jú, achei que era diferente.. e ela.. poisé eu sei, eu tbm.. HAIUAHAUIHAUIHAUIA Mas foi super bom, depois do primeiro impacto, a mulher manda tirar a toalha, deita aí!!!! e faz uma putaaaa esfoliação, sai quilos de pele morta, que a gente nem imagina que tem! uma massagem e depois vc pode ficar relaxando num ofurô! É galera. Anti higiênico pakas, mas é a cultura deles lá e olha, até hj nao deu nada! Valeu a pena, tanto que fiz outro na capadócia pq era bem mais barato e elas fazem uma massagem muito boa. Tem pra homens tbmm viu gente! Tínhamos bookado uma passagem de bus noturno para goreme p esse mesmo dia, numa agencia perto do hostel (capadócia), nossas mochilas já estavam prontas e partimos. 12 h overnight. Saiu 70 reais se nao me engano. Continua... virão fotos e o restante do relato (e o nome do hostel que eu vou postar depois, me esqueci, tenho que procurar)
  15. Fiz uma viagem de 15 dias pela Turquia e pela ilha grega de Rhodes, por conta da proximidade com a costa turca. Meu roteiro ficou assim: Istambul: 4 dias Capadócia: 2 dias Pamukkale: 1 dia Rhodes: 3 dias Bodrum: 3 dias A Turquia é um país relativamente barato, porém achei o preço das atrações em Istambul um pouco caros, uma entrada chega a custar 30 liras em lugares como Topkaki, Dolambahçe, etc) Outro detalhe é em relação ao preço das bebidas, especificamente da cerveja, achei bem cara!! Istambul Tive um pouco de dificuldade em relação à comida, mas acabei me virando bem nas proximidades do mercado de especiarias. Uma dica de hotel é o Buhara, encontrei no site budgetplaces.com, cerca de 50 euros por noite, quarto com banheiro e café da manhã. Este hotel fica perto da Praça Sultanahmet, e este é um dos melhores lugares para ficar, pois a maioria das atrações é ali perto. Para as mais longes pode-se tomar o tram e ir até Erminou ou Kabatas (onde está o Palácio Dolmabahçe) Em relação às atrações achei tudo fantástico, fiz o basicão: Mesquita Azul, Hagia Sophia, Torre de Galata, Ponte de Galata, Mercado de Especiarias, Grandbazaar, banho turno no Cemberlitas, Cruzeiro pelo Bosforo, Topkaki, Dolmabahçe e Mesquita Suleymanie (aliás esta mesquita é bem legal, tem um gramado e é um bom lugar pra dar uma relaxada depois de um dia de caminhada, adorei) Também conhecei a Praça Taksin e a avenida Istkal, onde tem tudo também. Istambul é uma cidade moderna, onde o islamismo é moderado e vc vê mulheres com e sem burca. O preço da alimentação varia de 8 a 25 euros, encontra-se coisas baratas, acho que o melhor é sair da região turística. Achei o tram meio carinho, 4 liras, e pra ir de Sultanahmet a Avenida Istkal tive que pagar duas vezes, não existe uma integração pelo que entendi. Também fui ver uma apresenação dos derviches, achei muito interessante, foi no rodpasha, que é uma espécie de centro cultural. Pelo que entendi a noite rola na região da Praça Taksim, achei algumas boates por lá e tudo é bem divertido. Achei os turcos bastante receptivos!! Capadocia, Fui de Pegasus, por 80 reais (Istambul a Nevsehir) escolhi Goreme por ser a cidade mais charmosa na minha opinião, estando lá gostei de Avanos também, de repende seria uma boa ficar por lá. Em Goreme contratei dois tours para os dois dias que estive lá, não sei, mas me pareceu meio complicadinho andar lá sem guia. Fui para lugares longe, por exemplo nas cidades subterrâneas, onde rodamos mais de 50 km Gostei muito do atendimento da New Goreme, acertei com eles também o passeio de balão, caro mas imperdível! Adorei as paisagens da Capadocia. O Museu a céu aberto está a pouco mais de 1 km de Goreme, dá pra ir caminhando. Em Goreme, tem um supermercado "Dia", tudo barato e por lá comprava coisas para o café da manhã ou mesmo lanches para jantar. Os almoçoes foram oferecidos pela empresa de turismo e já inclusos no pacote. Deve ser legal alugar um carro por lá, acho que com um bom mapa dá pra se virar muito bem. O Monks Valley é lindo, impressionante! Também o vale do amor, da imaginação, Uchisar, Mustafa Pasa, tudo incrível. Aconselho ir no verão, pois os dias são lindos e claros, as fotos ficam show!! Apesar de ser um calor escaldante. Fiquei na Kose Pension, foi ótimo, tem uma piscina bem legal pra relaxar depois dos passeios. Pamukkale, A cidade pode ser feita num dia, fiquei no Kale Hotel, pois cheguei as 7 da manhã e o nosso onibus partia as 22 Paguei mas não dormi, foi só um lugar pra ficar antes e depois de caminhar pelas piscinas de Pamukkale O lugar é realmente especial, com destaque para as ruínas de Hierapolis. Leve água pois é muito seco, e o preço da mesma dentro do parque é caríssimo. Vá de chinelo, bermuda ou roupa de banho para aproveitar as piscinas. Não pode andar com calçado pelo mármore. Rhodes, Fui a Rhodes desde Marmaris, gostei muito, já conhecia a Grécia, no entanto a cidade é bem diferente por causa da cidade medieval. Um destaque para Lindós, e para praia atrás da Acropole, maravilhosa, onde um rochedo forma um mar-piscinão Fiquei no Parthenon Hotel, bem legal, 28 euros o casal, com piscina e quartos bem espaçosos. Bodrum, Bodrum é onde a noite turca pega fogo, uma cidade bem legal cheia de baladas e praia, um pouco mais caro que as outras. Usei Bodrum como base para descansar, curtir praia e piscina. Tem um comércio enorme na cidade, e é bem legal passear pela marina e pelo castelo de Bodrum. Fiquei no Angora Hotel com uma piscina incrível!! De Bodrum voltei a Istambul de Pegasus, por mais ou menos 90 reais. Os voos da pegasus chegam no aeroporto Sabiha que é do lado asiático, bem longe do centro, cerca de uma hora. Caso utilize este aeroporto se programe com bastante antecedência pois demora bastante por conta do trânsito. Fique esperto dos horários do onibus de Bodrum para o aeroporto, o terminal é bagunçado e não é claro de onde o onibus sai. Fique esperto!! A viagem do centro de Bodrum até o aeroporto leva 45 minutos. Adendo: Fiz dois trechos em ônibus na Turquia: Goreme - Pamukale e Pamukale - Marmaris e posso dizer que foi a pior experiência com ônibus que já tive na minha vida, as cias foram Suha e Pamukkale. Bom, pq foi tão ruim ? Seguinte, mesmo para viagens longas o ônibus não tem banheiro, e não espere o conforto dos ônibus brasileiros, são super ruins. Não existe aquela divisão entre o motorista e os passageiros, o que acho super desconfortável, como se não bastasse isso, os turcos viajam em 4 no ônibus?1 motorista, dois auxiliares e um comissário de bordo. Pensando assim até parece que temos acessoria mas é horrível, o comissário de bordo (que usa até gravatinha) fica a noite inteira andando pra lá e pra cá, e parece que o objetivo dele é não te deixar dormir. O motorista e os outros dois que não servem pra nada, ficam conversando a noite inteira, falando no celular e tive a exata percepção que queriam irritar os passageiros. Num determinado momento levantei pra estivar as pernas, e o chato do comissário foi perguntar o que queria. Ninguém falava inglês. O comissário de bordo ficava limpando o ônibus o tempo todo, recolhendo saquinhos, latas e fazendo muito barulho. O ônibus parava muitas vezes e toda vez lavavam os vidros (achei tudo muito estranho). Num determinado momento o ônibus estava vazio e sentei numa outra poltrona sozinho, e de forma muito mal educada o comissário me obrigou a sair de lá, dizendo que não estava no meu assento. As duas experiências foram péssimas, não recomendo a ninguém ônibus lá, pois existem cias aéreas com preços baratíssimos, como a Pegasus. A única coisa boa é ter wifi no ônibus, mas isso todos têm. Fiquei com saudades do Cometa Campinas - Rio de Janeiro, capoto na rodoviária e acordo só no Rio, confortável, rápido e com banheiro. Galera, qualquer coisa é só falar, estou com todas as informações, preços e dicas anotados. Valeu!!
×
×
  • Criar Novo...