Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''leste europeu''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas Rápidas
    • Perguntas e Respostas & Roteiros
    • Cupons de Desconto
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação


Próximo Destino

Encontrado 21 registros

  1. Boas Viajantes! Segue minha ultima atualização de roteiro para o Leste Europeu entre Maio e Junho de 2020. Diante de infinitas possibilidades, este roteiro me agradou, tanto pela economia quanto pelos lugares. Prefiro mil vezes passar a noite dormindo (durmo muito bem aliás) em um ônibus do que perder meio dia indo e voltando de aeroportos, optei por viajar principalmente à noite e por via terrestre. Alguém já fez essas rotas, poderia acrescentar alguma observação? 06.05.2020 - São Paulo - Roma - Varsóvia. 07 a 09.05 - Varsóvia - Polônia - 2,5 DIAS 09.05 - Noite - Ônibus (Lux Express) para Vilnius 10.05 - Vilnius - Lituania - 1 DIA 11.05 - Manhã - ônibus (Lux Express) para Riga 11 e 12.05 - Riga - Letônia 1 DIA 12.05 - Tarde - ônibus (Lux Express) para Tallinn 12 a 14.05 - Tallinn - Estônia - 2 DIAS 14.05 - Noite - ônibus (Lux Express) para São Petersburgo 15 a 18.05 - São Petersburgo - Russia - 4 DIAS 18.05 - noite - Trem para Moscow 19 a 23.05 - Moscow - 5 DIAS 23.05 - noite - Onibus para Kiev (Ainda a definir empresa) 24 a 26.05 - Kiev - 3 DIAS 26.05 - noite - Onibus para Krakow ( Ainda a definir a empresa) 27 a 30.05 - Krakow - Polônia - 4 DIAS 30.05 - noite - Onibus (Flixbus) para Budapeste 31.05 a 02.06 - Budapeste - 3 DIAS 02.06 - noite - Onibus (ainda a definir empresa) para Praga 03 a 05.06 - Praga - 3 DIAS 05.06 - Noite - Onibus (FlixBus) para Verona 06 e 07.06 - Verona - 2 DIAS 07.06 - Noite - Trem para Mestre (Veneza) 08 a 10.06 - Veneza - 2 DIAS E MEIO 10.06 - 18h00 - Aeroporto Marcopolo Veneza - Roma - São Paulo Valew a todos!
  2. Fala, galera! Esse é o resumo de um mochilão de 50 dias pelos Bálcãs e Império Austro-Húngaro entre outubro e dezembro de 2019. Quem quiser saber mais sobre cada um desses lugares ou sobre os mais de 100 países que já conheci, acessa meu blog de viagem: Rediscovering the World Dia 1 Aproveitando mais uma baita promoção do site Melhores Destinos, paguei milão (980 reais, pra ser mais preciso) em uma passagem de ida e volta com a TAP de Guarulhos para Milão, comprando com 9 meses de antecedência. Em 16 de outubro de 2019, peguei minha mochila média e parti de Floripa com a Azul. Consegui aproveitar um pouco a sala VIP da Smiles antes de seguir para o embarque internacional na cia portuguesa. Dia 2 Dormi pouco, pois o assento quase não reclinava. Após brevíssima conexão com imigração em Lisboa, continuei até Milão-Malpensa. Primeiro comprei um rango no Carrefour do terminal 1, pegando em seguida o ônibus gratuito para o terminal 2. Lá, passei um tempo (ao menos o wi-fi é liberado) e tentei dormir num dos bancos, mas não deu muito certo. Dia 3 Às 6 da madrugada, pesquei durante todo o voo de EasyJet até a ilha grega de Míconos, por 42 euros. Ao desembarcar, segui a pé até a cidade de Chora, a principal. Passei por diversas locadoras de veículos até chegar ao moinho de vento que fica em um mirante, de onde se vê a bela cidade toda de branco no litoral abaixo. Caminhei em suas agradáveis vielas decoradas até atingir o albergue MyCocoon. Fiquei hospedado em um quarto modular de 32 camas (!), por 90 reais a diária. Como logo percebi, Míconos é uma ilha bem cara. Sem sucesso em achar um almoço, parei no Sakis, uma lanchonete de "gyros", que é o lanche típico grego (pão pita, carne de porco desfiada, batata-frita, tomate, cebola, molho "tzatziki"). Comi um grande com 4 euros. À tarde, peguei um ônibus do terminal de Old Port até a praia de Elia (2,3 euros) e à vizinha Agrari. Mar bonito, além de serem praias de nudismo. No final da tarde, aguardei o pôr do sol entre a cópia de Veneza (Little Venice) e o conjunto de moinhos em frente ao mar. Jantei o mesmo do almoço e passeei mais um pouco nas ruas movimentadas. Enquanto relaxava em minha cama, ocorreu uma cena inusitada: um cara vomitou continuamente quase ao meu lado. Passada a nojeira, a ocasião serviu para que eu conhecesse o pessoal do albergue, muitos deles latino-americanos, e até uma brazuca. Dia 4 Se não bastasse o episódio do vômito, ainda rolou um show sonoro de sexo no quarto. Peguei o barco das 10h até a ilha de Delos (20 euros ida e volta). Meia hora depois, desembarcamos. A entrada do enorme sítio arqueológico, Patrimônio da Humanidade, custa mais 12 euros, mas vale o investimento. Passei 3 horas explorando ruínas preservadas de templos religiosos, moradias e prédios públicos, na ilha que atualmente é quase desabitada, embora tenha sido um importante centro comercial e religioso no último milênio antes de Cristo. Também há um museu que guarda as peças aqui encontradas. Ranguei e depois peguei no terminal de Fabrika um ônibus para a praia de Paragas (1,8 euros). Essa praia também não me chamou a atenção, já que o tempo estava nublado, mas como encontrei a brasileira Carol, fomos caminhando pelo costão até a praia Paradise. O som rolava solto nos dois clubes de praia que estavam abertos, mas não havia tanta gente naquele final de tarde em fim de temporada. Escolhemos o Tropicana para tomarmos uns drinques (2 por 16 euros no happy hour) e curtirmos os sons, em maioria latinos. Ao deixar a praia à noite, compramos no minimercado uma garrafa de 2 litros de vinho por 10 euros, para tomarmos logo mais. Antes disso, jantamos no restaurante vazio Salt&Sugar, onde fiquei com uma pizza por 10 euros. Nos juntamos ao pessoal do albergue e ficamos até umas 4 da madrugada conversando e bebendo coisas estranhas, como "ouzo", a bebida grega ruim à base de anis. Dia 5 Acordei meio zonzo a tempo de fazer o check-out, comi qualquer porcaria e peguei o "ônibus aquático" do porto velho ao porto novo, onde às 13:45 h eu embarquei na gigantesca e confortável balsa da GoldenStar com destino ao porto de Rafina, próximo a Atenas. O translado custou 29 euros. Cinco horas depois foi a chegada. Imediatamente, peguei um ônibus para a capital grega, por 2,6 euros. Em cerca de meia hora, desci na estação de metrô Nomismatokopio, onde peguei as conduções até a parada Akropoli. Um bilhete custa 1,4 euros, mas se você comprar em maior quantidade, esse valor diminui. Cansado de comer "gyros", pedi uma salada de 4,5 euros na lanchonete Everest. Depois, fui até o albergue da vez: Athens Backpackers. Paguei 19 euros por diária num quarto de 6 camas com banheiro privativo e café, mas a qualidade do conjunto deixou um pouco a desejar. Dia 6 Um fato tragicômico aconteceu nessa madrugada. Como havia uma cama livre quando fui dormir, roubei o travesseiro porque um só não era suficiente pra mim. Só que alguém chegou no meio da noite, e ficou sem o travesseiro. Quando acordei, vi que era o Léo, brasileiro que conheci em Míconos. Que coincidência! O café da manhã até que foi decente. Depois me despedi do Léo e segui ao primeiro cemitério da Atenas moderna, onde vi uns mausoléus. Em seguida, entrei num dos muitos sítios arqueológicos de Atenas, que fazem ela rivalizar com Roma. O ingresso múltiplo para várias dessas atrações é de 30 euros. Olympieio é um desses sítios. Apresenta algumas colunas gregas inteiras e banhos romanos, mas não mais que isso. O que visitei em seguida teve um gosto especial para um amante dos esportes como eu. Por 5 euros (incluso audioguia), ingressei no estádio Panatenaico. É um estádio antigo erguido todo em mármore, berço das Olimpíadas modernas. Também conta com as tochas dos jogos em seu pequeno museu. Comi um salgado e tomei um bagulho numa lanchonete, seguindo por dentro dos jardins nacionais, não muito interessantes, até o Lykeion. Uma pena que aqui seja pobre em artefatos, pois é nada menos que a escola de Aristóteles, um dos maiores pensadores da humanidade. Passei em frente às construções imponentes do palácio presidencial, parlamento e catedral metropolitana. Fiz uma boquinha num supermercado e subi o morrinho até o Areopagus, de onde admirei o pôr do sol, entre a Acrópole, a Ágora e as construções menos antigas de Atenas. Peguei uma salada e segui pro terraço panorâmico do albergue. Dia 7 Tomado o café, segui norte aos demais sítios arqueológicos: ágora romana, biblioteca de Adriano, ágora ateniense e Kerameikos. O primeiro é uma área de comércio baseada num fórum romano, a segunda continha os pergaminhos, mas atualmente só restaram paredes e algo a mais. Já a ágora ateniense é uma área maior e com mais detalhes. Destaque para o conservado templo de Hefestos e para a estoa de Átalo. Em Kerameikos fica a entrada principal da Atenas antiga, um cemitério da época e muitos jabutis. Entre essas visitas, passei por várias lojas em Monastiraki e almocei uma saborosa mussaca (prato típico que é uma lasanha com berinjela, carne e batata) no restaurante Kyklamino, por 6 euros. Cheguei na entrada da Acrópole às 15:45 e lá fiquei até fechar às 18 horas. Em suas encostas há algumas estruturas interessantes, como o Odeão de Herodes, mas o que restou no topo da cidadela religiosa dedicada à deusa Atena me deixou um pouco decepcionado. Há basicamente o grande Parthenon, em obras, e mais duas estruturas em pé - o resto foi destruído nas invasões. A vista lá de cima é excelente; dá para ver praticamente todos os pontos de interesse da capital. Para uma vista da própria Acrópole, subi rapidamente a colina Filopapo, antes que o sol baixasse no horizonte. Desci e parei para jantar outro "gyros", dessa vez no Ath Souvlaki, por 4,3 euros na versão grande. Aqui a adição de salsinha e páprica deram um gosto a mais. O albergue tava morto nessa noite, então fui dormir relativamente cedo. Dia 8 Acordei cansado. Visitei 3 museus nesse dia, começando pelo museu da Acrópole (10 euros). É onde ficam todos os achados arqueológicos do tal lugar; interessante. Na rua que passa em frente à entrada da Acrópole, há diversas barracas que vendem ímãs por um bom preço, a partir de 30 centavos de euro! Garanti o meu. De última hora, mudei de ideia. Entrei no museu Herakleidon (Eureka). Custa 7 euros, e sua temática é a tecnologia desenvolvida pelos gregos. Peguei o metrô até uma região mais ao norte, onde já foi possível ver o contraste com a área mais turística. Pelo avançar da hora, peguei uns salgados e um suco no caminho e caminhei até o museu nacional arqueológico (10 euros no verão e 5 no inverno). Ali fiquei até a noite, vendo seus inúmeros e variados artefatos, com ricas descrições históricas. Comprei mais um rango num supermercado e voltei ao Athens Backpackers. Dia 9 Na praça Syntagma, peguei o ônibus direto ao aeroporto (6 euros). Cinquenta minutos depois, entrei nele e fui para o embarque no rápido voo de 39 euros com a Volotea até Heraclião, capital da enorme ilha de Creta. Ao desembarcar, retirei o Punto reservado na AbbyCar. Foram 214 reais para 4 diárias. Guiei até o palácio de Knossos. Custa 15 euros o acesso a só esse sítio arqueológico, ou com 1 euro a mais, ao museu que fica em Heraclião. Aqui funcionava o maior palácio da civilização minoica, anterior à grega. Também é onde se acredita que fique o mítico labirinto do Minotauro. Esse sítio turístico é mais interessante por causa da restauração exagerada feita quando foi escavado, há quase um século. Assim, há bastante cor. Parei num supermercado pra comprar uns mantimentos, antes de pegar a rodovia até Malia, onde há outro sítio arqueológico. Esse, sem turistas, custa 6 euros e tem atributos diferentes do anterior. Com o céu já escurecendo, cheguei a Agios Nikolaos. Dei uma olhada ao redor da cênica Laguna e depois comi um "gyros" de falafel no Pizza Uno Gyros, por 4 euros. Fiquei hospedado no decente apart hotel Ammoudara Beach Hotel, na mesma cidade, por 26,5 euros. Dia 10 Dia longo, tanto que eu não fiz refeição alguma, só comi no caminho o que eu já tinha comprado. Tirei uma foto na praia Voulisma, conhecida como praia dourada. Tem um mar bonito, mas estava quase sem faixa de areia. Logo mais, embora não pretendesse adentrar outro sítio minoico, acabei visitando Gournia (2 euros), pois a "arquitetura" era diferente. Prossegui entre o litoral e a serra, parando algumas vezes rapidamente. Só nesse caminho que descobri que toda porção leste de Creta faz parte de um geoparque, então há uma infinidade de atrações geológicas. Já era quase meio-dia quando cheguei ao vilarejo da garganta Richtis. Como decidi percorrer a trilha pela parte de baixo, tive que descer uma via estreita e sem proteção que serpenteia o desfiladeiro. A trilha em si é agradável, sempre ao redor de um curso d'água, vegetado até mesmo com plátanos. Parei na fascinante cachoeira de 20 metros. Regressei, dei carona pra uns alemães morro acima, e continuei pro leste. Passei pela cidade de Sitia, por uma ou outra praia, até chegar ao monastério de Toplou. É gratuita a visita da construção de pedra, que conta com um acervo de obras. O sol já estava quase se pondo quando cheguei ao fim da terra a leste, na praia Vai, famosa pela floresta de palmeiras. Não havia uma alma viva lá. Assim que o dia terminou, eu ainda precisei dirigir por 3 horas e meia até chegar ao hotel que eu havia pago, no lado sul da ilha! E olha que estava cheio de radares no trajeto. O hotel foi o também completo Dimitris Villa, no qual paguei 26 euros pela suíte com café da manhã incluído. Ao chegar, devorei o resto de um pote de Nutella que deixaram numa mesa exterior, tomei um banho e capotei. Dia 11 Café da manhã agradável na beira da piscina. Fiz o check-out e fui à praia da Matala. Do lado direito ficam tocas escavadas no morro de calcário - antigas tumbas romanas. Já do esquerdo, sobe-se um caminho que leva à Red Beach. Não é fácil chegar, mas a cor da areia dourada e do mar azul-esverdeado compensam demais. O visual de cima é irado. Até encontrei um sítio fossilífero aqui. Peguei a estrada, em seguida, até Agios Pavlos. Em frente à praia Finikidia, paguei 5 euros pra comer um tal de "dakos", um tipo de brusqueta grega. Subi a escadaria até a divisão entre essa e a praia de Cape Melissa. Além de dunas cinzentas, há formações rochosas impressionantes ali. Passei um bom tempo as fotografando. De volta à estrada, tive que abastecer o carro num dos caros postos que cobram acima de 1,6 euros por litro. Passei por uma ou outra igreja velha e atravessei a ravina de Kourtaliotiko, onde uma ventania sem fim começou. Como a praia de Preveli, onde há palmeiras e um rio, já estava na sombra, prossegui até Plakias, para admirar o sol se pôr no mar. Jantei um prato de sardinhas grelhadas e acompanhamentos por 8,5 euros + uma cerveja Mythos 0,5 l por 3 euros, isso no restaurante Το Ξεχωριοτό, em frente ao mar. Ainda parei num supermercado, antes de me retirar na hospedagem do dia, o Elena Rooms (25 euros). Assim como os anteriores, também é um quarto completo. A outra coisa em comum é o sinal de wi-fi: sempre fraco onde estou. Dia 12 Se eu morasse aqui botaria uma turbina eólica na casa - o vento não deu trégua a noite toda. Ao menos dormi bem, e ganhei uma hora a mais por causa do fim do horário de verão. Esse dia teve as estradas mais cênicas, pelo alto dos morros contornando o litoral, bem como pela garganta de Imbros. Visitei ainda o forte do século 14 de Frangokastello, da época em que os venezianos dominavam Creta. Paga-se 2 euros para acessar seu interior quase vazio. No começo da tarde, passei um tempo na bela praia de Falassarna. Já o final da tarde, foi na Elafonisi, famosa por ter areia rosada (quase não dá pra perceber). Fica em uma península calma que contém uma restinga preservada com espécies endêmicas. Antes de ver o pôr nessa última praia, adentrei o monastério de Chrysoskalitissa. A construção é interessante e há um museu dentro, mas é cobrado uma entrada de 2 euros. Já escuro, retornei o caminho até o vilarejo de Kefali, onde fiquei com um flat reservado pelo AirBnb. Jantei na única taverna disponível, pagando 6 contos num prato de comida e 3 na cerva. O difícil é apreciar a refeição, já que os gregos não vêem problema algum em fumar em ambientes fechados - fato que se repetiria nos países seguintes - onde inclusive os funcionários fumam enquanto preparam a comida ou atendem os clientes. Dia 13 Peguei o caminho de volta ao aeroporto de Heraclião, parando em alguns pontos interessantes ao longo do trajeto. Subi a sagrada caverna de Agia Sophia. Felizmente, não se cobra entrada e você pode caminhar à vontade dentro dela, sem guia. Há um monte de pombos e espeleotemas. Almocei com vista pro bonito Lago Kournas, o único de Creta. Uma mussaca saiu por 6,5 euros. Muitos quilômetros adiante, entrei na capital Heraclião, apenas para visitar seu museu arqueológico. Graças ao feriado do Dia do Não (quando a Grécia recusou ajudar a Itália na Segunda Guerra Mundial; por consequência, esta entrou em guerra com a outra), a entrada estava liberada. É um baita museu, repleto de antiguidades de Creta, com destaque para o período minoico. Devolvi o carro no aeroporto, em seguida. Em frente, peguei um ônibus até a capital (1,2 euros). Lá, comprei o bilhete para a viagem de 2 horas e 45 minutos até Chania (15,1 euros). Pena que não deu tempo de conhecer o litoral de Heraclião, cheio de fortificações venezianas, pois o ônibus só sai uma vez por hora, e o sol já estava se pondo. Ao chegar em Chania, fui caminhando até o Cocoon City Hostel. Me hospedei lá por 16 euros num quarto coletivo de 3 beliches. Dia 14 No café da manhã (5 euros), conheci uma brasileira e um brasileiro. Fiquei conversando um pouco com eles, antes de sair a explorar Chania a pé. A agradável orla fortificada foi erguida pelos venezianos no século 16, quando ocupavam Creta. Nota-se a arquitetura típica das casas. Além de ser fotogênico, há um monte de restaurantes caros, lojas de lembranças e alguns museus. Entrei no marítimo (3 euros). É bem interessante, pois conta através de maquetes de barcos e outros artefatos, toda a história militar naval de Creta. Passei pelo mercado da ágora, e comi um crepe de queijo feta e cogumelos (3,3 euros). Ainda passei no supermercado, antes de pegar o ônibus do terminal central para o aeroporto (2,5 euros) - tão pequeno que em 5 minutos fui do ponto de ônibus até o portão de embarque. Pouco depois, o avião da OlympicAir decolou rumo a Tessalônica, a segunda maior cidade grega, situada na região da Macedônia. Ao chegar, tomei o ônibus X1 (2 euros) até próximo do albergue Stay Hybrid Hostel, onde passaria duas noites por 10 euros cada. Antes disso, dei uma volta nos arredores e jantei num tal de Boom um prato de falafel com arroz (depois de 2 semanas comendo batata, finalmente achei arroz) e salada por 5,8 euros. Dia 15 Esse dia foi cansativo, pois tive que ver o centro histórico inteiro de uma das principais cidades antigas de uma vez só. Tomei meu café da manhã, quase sempre com iogurte grego e frutas, e parti. Na primeira das atrações, comprei o ingresso combinado, que permite ver uns quantos lugares por 15 euros. Um deles é a ágora romana. O quarteirão de ruínas, com banhos e teatro, é completo por um museu subterrâneo. O problema é que uma infinidade de turmas escolares resolveram visitar ao mesmo tempo que eu. Tessalônica foi a segunda cidade mais importante do império bizantino. Com isso, o número de igrejas medievais é enorme. O ruído infinito dos sinos me levou à primeira delas, a Agios Dimitrios. Posteriormente, ainda veria outras, como Panteleimon, Acheiropoietos e Agia Sophia; todas essas bem preservadas e gratuitas. Subindo o morro, cheguei ao mosteiro Vlatadon. É o mais antigo ainda em funcionamento. Através das muralhas bizantinas, ainda parcialmente erguidas, cheguei à torre Trigonou. Também não se paga para entrar nesse mirante. No topo de tudo, jaz o Eptapyrgio, forte bizantino/otomano, que depois virou prisão. Grátis. O único instante em que sentei foi para o almoço. Escolhi o restaurante Fat Mamma's Brunch 'n Lunch, cheio de estudantes, já que se situa junto a uma universidade. Optei por um espaguete à carbonara (5 euros) que me deixou satisfeito até a janta. Em seguida, paguei 2 euros pelo ingresso da Rotunda. É um monumento arredondado que apresenta afrescos e mosaicos originais. Uma via leva ao arco de Galério e ao sítio arqueológico desse mesmo imperador. Está incluído no ingresso combinado. A torre Branca também. Fica em frente ao mar, e seu interior é um museu sobre a cidade, além do mirante no topo da torre. Pelo agradável calçadão à beira-mar, fui até o museu da cultura bizantina, outro do combo. Com salas amplas, apresenta artefatos sobre a religião e a vida no período bizantino. Correndo, consegui ainda visitar o último museu, o arqueológico, antes que fechasse às 8 horas. Esse é mais completo que o anterior, mas como eu já tinha visto bastante arqueologia grega nessa viagem, ficou um pouquinho repetitivo. No caminho de volta, comprei uma salada por 3,2 euros. Doze horas depois de deixar o albergue, finalmente descansei. Dia 16 Cedo, peguei um ônibus até o terminal internacional, por 1 euro. Lá, às 9 horas embarquei no busão da AlbaTrans até Korçë (20 euros), já em território albanês. A viagem teve duração de 5 horas e meia, por causa da longa imigração. Eu era o único turista entre um bando de albaneses de meia idade que não falavam inglês. Conforme ascendia em altitude e latitude, às florestas temperadas com coloração outonal surgiam, embelezando a paisagem. Ao chegar, fui recebido por uma macarronada na casa/hospedagem Xharshe. Ninguém mais estava hospedado. Os donos são bem simpáticos, as instalações são decentes, mas fica afastado do centro. Paguei 18 euros por 2 noites, troquei dinheiro na cotação de 121,9 lek por euro e subi na bicicleta emprestada para explorar o centro da pequena cidade, que tem até ciclovia. Acontece que eu acabei perdendo a chave do cadeado, então passei um tempão indo e vindo pela mesma rota, só que não a achei. E enquanto isso caiu um toró que encharcou minhas meias. Visitei dois museus, que funcionam em horários estranhos. Um foi o arqueológico (200 lek) e o outro de arte (cristã) medieval (700 lek). Achei ambos simples demais, principalmente o primeiro. Ainda conheci a bonita catedral ortodoxa de Korçë - a proporção de cristãos é quase a mesma de muçulmanos na Albânia. Ao escurecer às 4 e meia da tarde, me dirigi ao centro histórico, mais precisamente ao bazar da era otomana. Há diversos bares e restaurantes ao redor de uma praça. No Shënd e Verë, comi pimentões recheados com queijo (300 lek), espaguete à bolonhesa (400 lek) e tomei a cerveja local, que foi a primeira do país (200 lek por 500 ml). Foi a única vez em que consegui pagar algo com cartão de crédito na Albânia. Voltei com frio pra hospedaria. Dia 17 Acordei com o quarto balançando. Pela primeira vez na vida, encarei um terremoto. Ainda bem que foi fraco. Infelizmente, poucas semanas depois de eu deixar a Albânia, houve outro terremoto, só que dessa vez com resultado catastrófico... Café da manhã meio fora do padrão saudável, mas deu pro gasto. Suplementado com "rakia", a bebida típica dos Bálcãs que chega a ter 50% de álcool. Um gole pra mim e outro pro dono, muçulmano (na Albânia eles são liberais). Comecei então o dia de caminhada e trilha. Desde o começo na estrada que leva à trilha, a subida já foi intensa, então fiquei meio suado, pois levava roupa pro frio. Ao entrar no Parque Nacional dos Abetos de Drenovë, atravessei um vale, já com vista pra esses pinheiros sempre-verdes que dão nome ao parque. À continuação, subi uma encosta com rochas expostas, para chegar na floresta temperada. A coloração de outono é fantástica. Continuei a elevação, em terreno úmido, com o tempo todo nublado. Eis que do nada eu cruzo com uma salamandra, pela primeira vez na vida. Fiquei encantado em encontrar esse anfíbio rabudo e lento, logo ali. Ainda vi mais 3 ao descer a montanha úmida. No topo, a 1800 m, fazia frio e a névoa estava intensa. Sentei uns minutos pra tomar meu lanche, antes de prosseguir. Como eu estava avançando mais lentamente que o previsto, precisei acelerar na descida cênica para não estar no meio da trilha ao escurecer. Passei por uma mina abandonada, onde vi o único humano no trajeto dentro da unidade de conservação. Com o sol se pondo, atingi a saída através do vilarejo de Drenova. Finalmente, cheguei no centro de Korçë, num total de 31 km de caminhada! Meu par de tênis velho praticamente se desintegrou depois dessa aventura, então foi o primeiro de alguns trajes que descartei nessa viagem. Na Taverna Pazari i Vjeter, tomei uma cerveja (150 lek) e comi filé de frango (600 lek). Retornei cansadão à hospedaria, mas ainda conversei com o proprietário, que me deu mais "rakia" (mesmo contra a vontade), e com um recém-chegado senhor motoqueiro espanhol. Dia 18 Café mais saudável nesta manhã. Me despedi e fui até a estação de vans. Assim que cheguei, estava saindo uma para Tirana, então pulei nela. A viagem levou 3 horas, ao custo de 500 lek. Ao saltar na capital albanesa, o único lugar onde não pude tomar água da pia, entrei no restaurante Coco para comer um rango. Devorei um sanduíche grande com tudo no recheio (200 lek), além de um milk-shake (200 lek) que não estava grandes coisa. Por isso, peguei ainda um sorvete na doceria ao lado (80 lek). Fiz o check-in no English Hostel (14 euros para 2 noites com café). Apesar do preço barato, é um lugar bacana e amigável. Antes que escurecesse, dei uma volta no centro. Fiquei impressionado com a beleza arquitetônica mista da época comunista com a contemporânea, além do monte de intervenções artísticas. Entrei no museu BunkArt (500 lek), que fica em um bunker construído pelos comunistas para aguentar um ataque químico ou nuclear. Suas salas contam a história das forças de segurança do passado, especialmente a trágica ocupação comunista. Comi um "burek", salgado folhado recheado típico (80 lek). Depois passei num mercado para comprar líquido; por sorte, encontrei chocolate Milka com o preço mais barato que já vi na vida: 160 lek pela barra de 270 gramas (quase vencida)! Voltei ao albergue, onde fui convidado por um tcheco e dois franceses para sair. Primeiro fomos no bar Kaon, que tem como característica uma árvore no seu interior, além de ser barato: cerveja (150 lek), espetinho de carne (120 lek). Em seguida, ficamos na praça principal (Skanderbeg), onde rolava um festival retrô bacana, com exposição de veículos antigos e show de rock, tudo gratuito. Dia 19 O café da manhã tava joia. Ao terminar, fui ao museu nacional de história (200 lek). Mesmo sendo barato, é um baita museu. Conta a história desde os povos ilírios, passando pelas ocupações romanas, bizantinas, otomanas e comunistas. Pena que uma parte expressiva não estava traduzida. Almocei um crepe salgado (260 lek) e um doce (120 lek) na Happy, uma das muitas creperias da cidade. Sorveterias também há de monte. Enquanto perambulava pelo Blloku, ex-quarteirão exclusivo da elite comunista, tomei um por 50 lek. Cheguei a encontrar um lugar onde cada bola custava apenas 40 lek! Também atravessei o grande parque de Tirana, onde fica um lago, pistas e instalações esportivas. Ao contrário de todas as outras capitais, achar lojas de souvenir foi difícil. Caminhei o centro inteiro e vi apenas 3 delas. Comprei apenas um prato por 500 lek. No Segafredo, jantei um prato de risoto, por 300 lek. Até que estava bom, mas a porção era pequena. Passei a noite no albergue com a galera. Calvin, o proprietário, nos serviu "rakia" de graça, até não ser possível tomar mais dessa bebida forte. Dia 20 Com a chuva que fazia, fiquei de bobeira com o pessoal no albergue. Na hora do almoço, me despedi. Comi um prato feito grego por 480 lek no Sufllaqe Pita Gyros. A sobremesa foi sorvete. Depois, caminhei até a estação internacional de ônibus, que é basicamente um estacionamento de ônibus. Às 15 h, segui rumo a Prizren, em Kosovo, pagando 10 euros na passagem. O ônibus velho da Metropol estava vazio: 54 lugares para 7 passageiros. A duração estava prevista em 3 horas, mas levou mais de meia hora somente pra sair do trânsito da cidade, então o total foi de 4 horas. Só que o motorista não me disse que eu tinha que saltar antes e pegar uma van até o centro. Quando eu percebi, ele já estava a caminho de Pristina, e me deixou no meio do nada. Precisei caminhar 5 km até chegar à cidade... Ao menos fui bem recebido com umas castanhas portuguesas pelo proprietário e por macarrão por uma colega de quarto de Hong Kong. Dei então entrada no albergue M99. Cada noite no estiloso e espaçoso dormitório de 6 camas com café da manhã me custou 10 euros e meio. Dia 21 Comecei o dia com um café da manhã típico com o pão do Kosovo, queijo de cabra, "ajvar" (patê de pimentão vermelho e óleo) e geleia. O museu arqueológico foi a primeira parada. Por apenas 1 euro, você ganha uma explicação e pode ver alguns artefatos antigos achados na construção, que por si só já vale a visita. É uma ex-casa de banho turco, onde foi instalada uma torre de onde se vê a cidade quase toda. O museu da liga albanesa de Prizren é grátis, mas não tem muita informação. Aqui ficava a sede desse movimento pela independência de Kosovo do império otomano. Almocei no restaurante Palermo o que deveria ser um goulash, mas estava aguado demais, então não curti muito a sopa de carne (2,5 euros). De sobremesa, sorvete (0,5 euro cada bola) na doceria Shëndeti. Vi uma porção de mesquitas e igrejas. Apesar de aqui haver uma proporção maior de muçulmanos, eles também são liberais. Quase não se vê mulheres de véu nas ruas. Como estava quente, troquei para roupas curtas, para subir o calçamento até o castelo de Prizren, acima da cidade. Essa fortaleza em ruínas foi parte do império sérvio na Idade Média. Não se paga nada para entrar. Além do mirante nas muralhas, há uma sala com os objetos arqueológicos. Enquanto o sol baixava, desci pela trilha Marash, que contorna o morro vegetado pelo lado oposto. No fim, há um plátano gigante de cerca de 5 séculos de vida. Uma pena que o rio que corta a trilha e, posteriormente, a cidade, esteja entupido de lixo, principalmente plástico. Um programa governamental de reciclagem seria muito bem-vindo aqui... Jantei um prato com carne e complementos por 7 euros no restaurante Te Syla. A cerveja (1,5 euros por 0,3 l) que pedi (Peja) é produzida no próprio Kosovo. Meu segundo par de tênis faleceu, então tive que ir atrás de algum substituto no shopping center. Achei um que fosse suficiente pro resto da viagem por 30 euros. Dia 22 O café da manhã foi com "burek" e "ayran", iogurte aguado turco. Depois, peguei a condução de 4 euros para Pristina. Precisei apenas esperar na frente do albergue, por um dos muitos ônibus que partem até a capital do Kosovo. Pouco mais de 2 horas depois, cheguei na cidade grande. Almocei a caminho do albergue, no Friends Coffee and Food: risoto (2,5 euros) + salada grega (2 euros) + limonada (0,5 euros). Deixei a mochila na hospedagem, que estava vazia, e fui até o terminal de ônibus próximo, onde peguei o ônibus para Gjilan. Por apenas 50 centavos, desci em Gračanica, para conhecer o monastério que é Patrimônio da Humanidade. A entrada é grátis, mas além de uma igreja do século 14 bem ornamentada e com afrescos no interior, não há muito mais a ver. Por isso, decidi seguir a pé os 2 km até o sítio arqueológico de Ulpiana. Também gratuito, eu acho, pois não havia ninguém no local. Apesar disso, está muito bem cuidado. São ruínas do período romano e começo do bizantino. Retornei, e de ônibus fui até o shopping Albi, onde peguei um cinema (3,9 euros). Ainda, antes tomei um milk-shake (2,7 euros) e, posteriormente, um macarrão com frango e salada (4,9 euros). Mais 2 km a pé, e ingressei no Bus Station Hostel. Foram 8 euros por noite no dormitório. Nele, conheci o egípcio Reda e a búlgara Ioana, que estavam viajando pelos Bálcãs. Dia 23 Acordei resfriado. Sob chuva, saí para conhecer a cidade com eles. Vimos primeiro a homenagem a Bill Clinton, que ajudou Kosovo na guerra de independência. Em seguida, a catedral em referência à Madre Teresa, que era de etnia albanesa. Continuando, uma igreja ortodoxa sérvia que foi interrompida pela guerra. E em frente a ela, uma construção bizarríssima que abriga a biblioteca nacional. Chegamos a conhecer o interior, que também guardava uma exposição de mal gosto sobre a Coreia do Norte. O brunch foi "iskender", uma baita porção de várias comidas por somente 3,5 euros. Pedimos isso no Ben Tatlises Doner. Após o monumento Newborn, atravessamos o bulevar Madre Teresa e entramos em uma mesquita e dois museus, ambos gratuitos: Kosovo Museum e Ethnographic Museum. No velho bazar, nos deram algumas frutas que eu nunca havia provado. Me despedi da dupla e fui pro cinema de novo. Jantei no mesmo quiosque da noite anterior, o Green Salad. E depois voltei caminhando também. Dia 24 Parti numa van velha pra Escópia, por apenas 5,5 euros. Ainda bem que minha mochila é pequena o suficiente para caber nos pés, pois todas as vans que peguei não tinham bagageiro. A imigração foi rápida, então 2 horas e meia depois, cheguei no terminal da capital da Macedônia do Norte. De volta a um alfabeto não-latino, no caso, o cirílico. Caminhei diretamente à hospedagem, Get Inn Skopje Hostel. Cada noite no dormitório me custou 7 euros, já incluso café da manhã. No shopping GTC, fiz o câmbio: 61,4 dinares da Macedônia por euro. Em seguida, fui diretamente à praça central, onde fica uma estátua gigante de Alexandre (aquele grande). Só que a estátua não pode ser nomeada porque a Grécia detém os direitos autorais do nome. Esse mesmo rolo fez com que o país precisasse incorporar "do Norte" ao seu nome. Há outro monumentos e os próprios edifícios simulam o período clássico da Macedônia, mas tudo foi feito há menos de um século, após um grande terremoto. Na mesma praça, almocei no bar e restaurante Kolektiv. Optei por uma tradicional caçarola de carne (390 dinares) + uma cerva IPA 0,5 l (190 dinar). Paguei caro na comida, conforme eu descobriria posteriormente. Enquanto seguia para o antigo bazar turco, tomei um sorvete baratíssimo e cremoso na sorveteria Piccolo Mondo (20 dinares por bola). Passei por alguns caravançarais, antigas hospedagens. Depois, a mesquita principal. Em sequência, ingressei na fortaleza acima da cidade velha. É grátis. Subi em suas muralhas para ver o dia terminar. Jantei hambúrguer a 150 dinares no restaurante Teteks. Por fim, fiquei pela hospedaria. Enquanto dormia, ocorreu um fato bastante inesperado: do nada, uma moça potencialmente alcoolizada surgiu na minha cama! O desenrolar dessa história é segredo... Dia 25 Acordei cedo, tomei o café e fui até o terminal de ônibus, onde às 8:45 peguei o número 60 para Matka - lá fica um cânion. Me venderam um cartão de ida e volta por 150 dinares, mas achei meio suspeito esse preço. Aos trancos e barrancos, o busão velho nos deixou na entrada do cânion, onde fica a represa. Na entrada, você pode optar entre passeio de barco, aluguel de caiaque ou trilha. Escolhi a última opção. O caminho mais básico é ao longo do cânion pelas paredes rochosas, atravessando algumas matas, durante 3,5 km (mais isso pra voltar). A paisagem é sensacional, especialmente nessa época. Pra escapar dos preços abusivos do único restaurante do cânion, caminhei até fora dele para almoçar no restaurante Macedonian Cave Matka: carne grelhada mista (300 dinares) + salada à Macedônia (130 dinares). O ônibus pouco frequente que deveria vir não apareceu, então depois de um tempão à espera, eu e mais 3 rachamos um táxi de 700 dinares até o centro. Assim que saímos, o ônibus chegou… Passei no bazar pra comprar um souvenir e tomar sorvete, antes de ir ao albergue tomar banho. Depois saí pra jantar no próximo La Tana (cerva Skopsko 0,5 l por 80 dinares e frango com arroz e vegetais por 200 dinares). Tava apetitoso. Por fim, tomei o vinho nacional que estava sendo distribuído gratuitamente no albergue. Dia 26 Como os museus estavam fechados antes das 10, acabei entrando no memorial judeu para a Macedônia (100 dinares). Triste, mas bem interessante. Em seguida, fui a mais um museu arqueológico (150 dinares). Quem vê o edifício suntuoso neoclássico pensa que esse museu é enorme, mas não é bem isso por dentro. Almocei no terraço de um restaurante estiloso chamado Austrian Palace. Comi uma barca de vitela por 180 dinares. Só que tentaram me passar a perna na hora de pagar a conta. De sobremesa, o sorvete de sempre. Peguei minha mochila e segui à estação de ônibus, rumo a Ócrida, Patrimônio da Humanidade. Alguns minutos antes da partida, por 750 dinares eu comprei ida e volta pela empresa Galeb. Três horas depois, já noite, desembarquei. Me hospedei na Villa Ohrid Anastasia. Dezesseis euros para 2 noites no dormitório coletivo. Saí a caminhar em direção ao centro da cidade. Achei ela meio escura e vazia, embora ainda fosse 6 horas. Na praça em frente ao porto, parei onde tinha um agito, no Instinct Bar. Tomei meio litro de cerva por 140, e uma pizza com frutos do mar por 290. Assisti uma celebração que ocorria na beira do lago, mas com o frio tive que retornar. Passei ainda num supermercado pra comprar o café da manhã. No albergue, fiquei conversando com um companheiro de quarto americano. Dia 27 Estava caminhando pela cidade velha, quando decidi de última hora pegar o passeio de barco das 10 h até o mosteiro do religioso mais negativo de todos, o Santo Naum (piada boa). O custo do transporte foi de 600 dinares. Caminho cênico, rendeu boas fotos. Uma das cenas foi a baía dos Ossos, onde ficava um assentamento em palafitas bastante antigo, hoje um museu. Ao desembarcar, visitei brevemente o monastério. Depois, segui pela trilha que cerca as nascentes que deixam a água numa cor e transparência ótimas, parecendo com a da região de Bonito. O barco chegou pelas 3 h em Ócrida, então foi possível ainda passar pelo promontório onde ficam diversas igrejas medievais, a fortaleza do czar Samuel, o sítio arqueológico de Plaoshnic, o teatro romano. Vi o sol se pôr acima da igreja de São João Teólogo. Vnuska foi o restaurante onde jantei. Como não havia almoçado, resolvi esbanjar um pouco escolhendo o gostoso prato de peixe (500 dinares). Dia 28 Voltei ao centro de manhã. Fiquei perambulando aleatoriamente para passar o tempo, mas o vendaval não ajudou. Bati um rango em frente ao terminal de ônibus, antes de começar a jornada até Sófia, na Bulgária, onde cheguei apenas à noite, após conexão em Escópia. Tive que pagar uma taxa em cada terminal que eu não estava ciente (30 em Ócrida e 50 em Escópia). O segundo trecho custou 17,5 euros, comprando pela internet. Assim que o busão chegou, troquei rapidamente um pouco de dinheiro na própria estação (cotação desfavorável) e corri pro metrô, pois estava quase fechando à meia noite. Paga-se 1,6 lev no bilhete único, não importando a distância. Logo mais, cheguei no 10 Coins Bed+Tours, a hospedagem da vez. Fica afastado do centro, mas me custou 12 lev por noite, ou seja, 6,1 euros. Só que a qualidade deixou bastante a desejar. Dia 29 Dia de conhecer o centro histórico. E haja história, pois há uma infinidade de construções de arquitetura de séculos anteriores, além do sítio arqueológico da cidade romana de Serdica. Outro destaque são os diversos templos religiosos, principalmente cristãos ortodoxos, imponentes. Depois de perambular um bocado, achei algumas casas de câmbio com a cotação bem melhor (1,95 lev por euro). Com a grana em mãos, fui atrás de um restaurante para almoçar. Foi difícil achar, pois a maioria dos lugares de comer são de fast food. Enfim, achei um tal de Brunch, onde escolhi alguns pratos na bancada, totalizando 8,80 lev para uma refeição bem substancial. Caminhei um pouco pelos vários parques, em seguida. Num deles, tomei um milk-shake (3,2 lev). Uma coisa que tenho percebido é que a população desses países dos Bálcãs não pratica exercícios físicos. Ainda consegui visitar o museu mineralógico (Earth and Man National Museum). Entrada de 6 lev. Tem uma rica coleção que abrange cerca de 40% de todos minerais da Terra, além de cristais gigantes subtraídos do Brasil! Jantar no restaurante Bkуснaта Kухня. Acabei me dando mal nessa de apontar pratos sem saber o que são, pois um deles continha fígado. Total de 6,10 lev. Por fim, adentrei o grande Palácio Nacional de Cultura, para assistir o show do pianista húngaro Peter Bence (40 lev). O cara é tão bom que nem usa partitura. Dia 30 Tinha planos de caminhar nas montanhas ao redor, mas o tempo chuvoso e a diminuição de transportes com o fim da temporada fez com que eu tivesse que ir para um plano alternativo. Peguei o metrô até a estação final Vitosha, e lá o ônibus #64 até a igreja Boyana, patrimônio UNESCO. Me decepcionei. A igreja é bem pequena, não se pode tirar fotos e custa 10 lev para entrar. Ao deixar o lugar, fui caminhando até o museu nacional de história. Só ao chegar, descobri que existe um ingresso combinado com a igreja anterior, num total de 12 lev. Como eu não tinha o comprado, acabei tendo que pagar mais 10 lev no museu… Pelo menos este é suficientemente grande e interessante. Conta desde os povos antigos da Trácia, até a liberação otomana pelos russos. Até que enfim uma coisa boa aconteceu; quando eu estava prestes a pagar pelo ônibus seguinte, uma boa alma me deu um bilhete grátis. Assim, cheguei no jardim botânico. Há uma estufa cheia de espécies, para a qual se paga 4 lev. Já a parte externa, gratuita, estava abandonada. Peguei mais uma condução com wi-fi, até a estação de metrô Vitosha. Como ainda chovia e eu estava verde de fome, entrei no shopping Paradise para o almoço/janta. Paguei 7 lev num prato feito búlgaro. Aproveitei pra dar uma olhada, já que o shopping é grandão. Depois, comprei minha janta e café da manhã no supermercado Villa, por 11 e pouco. Ainda bem que meu cartão de crédito reserva funcionou, pois o principal já não estava mais operando (foi clonado). De volta ao albergue. Se não bastasse o clima estranho nele, instalações precárias; tanto que precisaram dedetizar o quarto em que eu estava sozinho. Talvez esse seja o motivo de umas perebas que apareceram nos meus tornozelos... Dia 31 Saltei do metrô na estação do Palácio Nacional da Cultura, pois queria vir caminhando pela principal rua pedestre de Sófia, a Vitosha Boulevard. Só que de manhã, não havia muito movimento. Continuei a passeada até o terminal de ônibus, onde tomei um ônibus da Eurolines/Karat-S até Plovdiv (9,5 lev). Duas horas e pouco depois, chegada na eleita capital europeia da cultura em 2019. Almocei num shopping no meio do caminho até o albergue, que fica dentro da cidade velha. A própria casa onde fica o Hostel Old Plovdiv é do século 19. Quarenta e três lev para 2 diárias com café. Saí a caminhar pelas ruas de pedra. Só parei ao chegar ao topo do monte Bunardzhik, onde fica uma estátua. Lá eu admirei o pôr do sol, bem como a vista de toda a cidade ao redor. Só que na pressa, acabei perdendo meu óculos de sol. Ele estava todo riscado, mas eu ainda iria usá-lo até o fim dessa viagem… Passei a noite conversando com as pessoas na hospedagem, incluso um brasileiro. Dia 32 A fim de conhecer um pouco mais sobre os 8 mil anos de Plovdiv, chamada Filipópolis no período romano, comprei um ingresso combinado de 5 atrações por 15 lev. A primeira atração foi a basílica em ruínas, cujo destaque são os mosaicos. A segunda parada foi o antigo teatro, bem preservado e usado ainda hoje. As outras 3 eu só conheceria na manhã seguinte. Comprei um salgado por 1,6 lev no Marti's Fast Food, para abocanhar enquanto andava ao redor das ruínas do fórum romano e do parque dos chafarizes dançantes. Na principal via pedestre, comi dois crepes de chocolate de sobremesa, a apenas 1 lev cada. Um pouco depois, encontrei meus colegas de quarto. Fomos aproveitar o festival de vinhos que ocorria nesse final de semana, para degustarmos vários tipos de diversas vinícolas da região. Paguei 4,5 lev para ter acesso a 6 estandes. Ficamos lá até à noite. Depois, peguei um "kebab" (4,5 lev) e retornei ao hostel, onde continuamos o papo. Dia 33 Tomei o café da manhã e me despedi. Ainda visitei 3 casarões do século 19 (Balabanov, Hindliyan e Boyadzhyev). Seus interiores são repletos de móveis antigos e obras de arte. Quando passava em frente à praça principal, em direção ao terminal de ônibus central, vi que ocorria uma apresentação de música e dança japonesa. Fiquei apreciando até a hora em que o ônibus estava prestes a partir. Retornei a Sófia, só para tomar o ônibus das 16 h rumo a Niš, na Sérvia, terra natal do imperador Constantino. Paguei 24 lev na Niš Ekspres. Quase 3 horas e meia depois, chegada. Se o cirílico russo já é meio complicado, na Sérvia eles adicionaram mais algumas letras ao alfabeto pra deixar pior. Ao menos, tanto o búlgaro quanto o sérvio ainda tem alguma similaridade com o idioma russo, o qual eu consigo ler alguma coisa. Na frente da rodoviária, troquei euros na cotação de 117 dinares pra cada. Depois, fui caminhando até o Sweet Apartments, onde peguei um quarto privado com banheiro compartilhado por mil dinares. Saí para jantar. No calçadão, encontrei um tal de Night & Day Caffe Pizzeria. Por 310 dinares, pedi uma boa macarronada de frutos do mar de meio quilo. Continuei perambulando ao redor do centro, vendo algumas igrejas e monumentos. Por fim, comprei meu café da manhã no supermercado e me retirei. Dia 34 Comecei conhecendo a fortaleza otomana. Aberta sem precisar pagar, atualmente é um parque com alguns comércios e poucas edificações antigas, de períodos romano, bizantino e otomano. Como era segunda, infelizmente todas as demais atrações da cidade estavam fechadas, então só me restou tocar para Belgrado mais cedo que o previsto. Já que a viagem levaria 3 horas, parei pra almoçar no mesmo local onde jantei. Assim que cheguei na estação, um ônibus estava para partir. Comprei o bilhete rapidamente por 1310 dinares e embarquei na Niš Ekspres. O ônibus tinha wi-fi. Na chegada à metrópole, a temperatura estava agradável a ponto de eu quase colocar uma manga curta - e pensar que há exato um ano, nevava em Belgrado! Caminhei até o albergue Che. Passaria ali 3 noites com café por 33 euros. Saí logo para apreciar o crepúsculo na grande fortaleza otomana. Depois, andei pelas ruas movimentadas da região central, já com decoração natalina. Comi uma fatia grande de pizza (120 dinares) num dos locais que me indicaram, o Kod Mašinca. Boa, mas não tem onde se sentar. Admirei alguns dos edifícios monumentais, como o da assembleia, mas o vento frio me fez parar a certo momento e retornar. Passei num supermercado pra pegar mais um rango e me desloquei pro albergue. Dia 35 Fui em direção ao museu do Nikola Tesla, mas como o tour só começaria em meia hora, dei uma passadela no mercado de rua próximo, principalmente de alimentos e sem souvenires. O museu conta a história de vida e os inventos desse gênio "sérvio", que revolucionou a eletricidade. Custa 500 dinares. Após isso, segui até a enorme igreja ortodoxa de São Sava, uma das maiores do mundo. Não deu pra ver seu interior, pois estavam instalando o mosaico da cúpula, mas ao menos a cripta luxuosa estava disponível para visita gratuita. Almocei em outra recomendação de um amigo, o restaurante Zavičaj. Comida caseira e decoração bacana. Provei um goulash (690 dinares) e um chope Lav (260 por 500 ml). Em seguida, retornei à fortaleza, para ver com mais detalhes. Esperei o sol se pôr por lá também, mas o tempo tava nublado. Botei uma jaqueta e saí pra uma volta aleatória. Parei numa livraria. Depois comi um "gyros" (340 dinares) no Chicken Box e voltei pra hospedagem. Dia 36 Acordei com o sino da igreja ao lado, que toca o tempo todo. Passei o dia útil inteiro em dois museus. O primeiro foi o nacional (300 dinares). Com um rico material, conta a história da ocupação do território sérvio, resumidamente por romanos, eslavos, otomanos, até a Iugoslávia. Há uma seção de arte também. Almocei em mais uma indicação, o restaurante Ognjiste. Serve comida caseira a quilo. Meu prato gostoso e substancial saiu por 700 dinares. Mais uma vez, retornei à fortaleza, para visitar o museu militar. Em seu exterior gratuito, há algumas dezenas de armas de artilharia. Já o interior (200 dinares), é um corredor infinito que demonstra armas e outros artefatos de todas as épocas da Sérvia. Só falta ter mais explicações em inglês. Sem ter com quem conversar, peguei uma pizza no mesmo lugar do outro dia e fiquei coçando o saco na hospedagem. Dia 37 Bem quando chegou uma companhia, já estava na hora de partir. Segui ao terminal e comprei um bilhete pra Novi Sad por 760 dinares. Os ônibus são bem frequentes, então não precisei esperar nada. Uma hora e meia depois, já estava caminhando em direção ao albergue em posição central. Paguei 1330 dinares por uma noite no Nomad Hostel, um estabelecimento decente mas vazio. Na lanchonete Crna Maca, almocei uma "pljeskavica" grande, um tipo de hambúrguer deles. Custou 290 dinares. Continuando, atravessei a ponte em direção à fortaleza austríaca de Petrovaradin, passando pelo bairro antigo com casarios no caminho. Lá de cima da fortificação eu vi a cidade abaixo através do rio Danúbio. Tirei umas fotos noturnas, em seguida. Quando passava pela praça central, notei que algo ocorria. Bem nesse dia estava começando a Winterfest, um festival de inverno. Aproveitei para comer uma guloseima, tomar quentão (150 dinares) e ouvir as crianças da árvore de Natal cantante e uma banda de rock de Belgrado. Bem bacana. Dia 38 Deixei meu quarto "particular" de 6 camas para conhecer a cidade. Caminhei entre parques, não muito interessantes, e a praia Štrand. Lotada no verão, deserta nessa época. Voltei ao centro, composto de várias casas antigas coloridas, museus e alguns palácios e igrejas. Gastei meus últimos dinares numa lembrança, num sanduíche de almoço (150 dinares) e na taxa de embarque do terminal (130 dinares), para onde fui em seguida. Embarquei no bom ônibus da FlixBus e aguardei o trajeto até Budapeste. O controle de fronteira na Hungria foi excessivamente longo, apesar de não haver fila, então a duração total do trajeto foi de umas 6 horas e meia. Fora da estação de ônibus de Népliget, peguei o metrô. Comprei na máquina com cartão de crédito por 350 forint (pouco mais de um euro). Acreditam que não há catraca na entrada? Desci ao lado do albergue Avenue Hostel. Pagamento de 9 euros por diária no dormitório com café da manhã. O lugar é bem movimentado, e a limpeza poderia ser melhor. Ao redor do albergue, há diversas opções para refeições. Fui no chinês Wok n' Go Noodle House e pedi uma sopa de bolinhos de porco apimentados por 1880 forint. Tava boa. Depois, tomei uma cerveja no bar do albergue (330 forint por 300 ml). Dia 39 Levei um susto na hora do café da manhã, pois tinha umas 50 pessoas lá. Fiz o câmbio, na cotação de 330 forint por euro. Depois, caminhei até o parque Városliget. Repleto de turistas, é cheio de atrações, como museus, um castelo e ringue de patinação. O problema é que os banheiros da cidade são pagos, e não saem por menos de 250 forint. Peguei um metrô até o museu nacional, mas antes de entrar nele eu almocei um prato de comida de verdade no Kálvin Fast Food (1450 forint). A entrada do imponente museu custou 2600 forint. Fiquei quase 4 horas nele, aprendendo sobre a história dos diversos povos que já ocuparam a Hungria. Já noite, cheguei às margens do rio Danúbio. Das pontes, é bacana a vista dos prédios e monumentos iluminados, principalmente o castelo de Buda. Fui da rua Váci, cheia de lojas de souvenires, à praça Vörösmarty, onde rolava uma feira de Natal com palco pra shows. Tive que voltar ao albergue para aproveitar o jantar gratuito. Tomei uma cerveja artesanal (600 forint) no bar do hostel, enquanto passava a final da Libertadores da América na TV. Nessa hora, conheci um bando de latino-americanos. Fomos parar numa balada chamada Instant. Não se paga pra entrar e o lugar tem várias pistas com ritmos diferentes. Estava cheio! Uma cerva de 0,4 l custou 600 forint lá. Dia 40 Voltamos com o dia quase amanhecendo, então nem deu pra dormir o suficiente. Levantei meio-dia pra almoçar, sem voz. Escolhi o turco Török Étterem, onde um prato cheio no buffet saiu por 1250 forint. Depois, fui em direção ao Danúbio, na região do castelo de Buda. Vi por fora a basílica de Santo Estevão e o parlamento gótico, antes de cruzar a ponte metálica e subir o morro já com o sol baixo. Lá em cima, além dos mirantes para ambos os lados do morro, há outras coisas a se ver, como a igreja gótica de Matias (paga como os demais templos religiosos famosos da cidade). Passeei um pouco a esmo, em meio aos tantos turistas que ainda se encontravam na cidade. Ao descer e parar na feira de Natal, reencontrei (Romi e Julieta) duas argentinas do bando que saiu comigo na noite anterior. Ficamos tomando quentão por lá. Saímos em bando novamente mais tarde. O lugar foi o Morrison's. Bem menor e menos cheio que o anterior. O "mojito" tava 1600 forint. Dia 41 Saí em mais um dia ensolarado. Passei pela sinagoga luxuosa (e cara: 4500 forint), no caminho até o mercado central. Numa estrutura fechada, há um andar de alimentos e outro de souvenires. Preços pra turista. Almocei ali e subi o morro Géllert, o mais alto da cidade. Lá apreciei o sol se pôr, vendo uma ampla faixa do Danúbio ir mudando de coloração. Quando voltei, ainda dei uma passada na loja Decathlon. Ao chegar ao albergue, esqueci que havia janta grátis naquela noite e acabei pegando 2 sandubas no McDonald's. Azar, depois de um bom banho eu comi um pouco mais. Pra variar, com alguns integrantes a mais e outros a menos, fomos pra mais uma noite de festa. Acabamos parando na mesma balada de 2 noites atrás. Dia 42 Dormi pouco novamente, pois tive que fazer o check-out e me despedir da rapaziada. Peguei um rango pro caminho e fui de metrô até a estação de ônibus e trem de Kelenföld. Lá, embarquei na RegioJet até a Eslováquia. Até que enfim uma condução de qualidade; além de internet e tela de vídeo, até serviço de bordo tinha. Sem ter que passar pela imigração, a viagem durou 2 horas e meia. Eis meu país de número 100! Dei uma volta para ver o centro histórico iluminado. Nas duas principais praças ocorria uma feira de Natal. Provei um dos alimentos que lá vendiam, a "placka". É literalmente uma placa vegetal fritada até não poder mais. Comprei o café da manhã num supermercado e me assentei no albergue Patio Hostel. Nove euros por noite. Dia 43 Dormi bem, finalmente. Ao amanhecer, saí de ônibus em direção à floresta da cidade, mas me confundi um pouco com o sistema de transporte que cobra por tempo e não distância, e que não pode ser pago dentro da condução. No parque, há diversas trilhas e facilidades pra população, mas como as árvores já estavam desfolhadas, não achei muito interessante. Vi um pica-pau, ao menos. Almocei na base do morro, longe do centro, numa tal de City Cantina. Meu prato saiu por 6,5 euros. Já no centro histórico, conheci rapidamente todas as construções relevantes, como igrejas e palácios. Com a noite no ar, dei uma passada no shopping Eurovea. Por fim, parei no albergue e fui tomar a cerveja grátis inclusa no check-in. Acabaram me embebedando com doses patrocinadas de "spiš" de ameixa (40% de álcool) e Tatratea, uma bebida com 72% de álcool! Dia 44 Com uma leve ressaca, tomei um ônibus na manhã até Devín. É onde ficam interessantes ruínas de um castelo medieval, destruído por Napoleão em 1809. Bem na confluência dos rios Morávia e Danúbio, a vista de cima é bela. Pra entrar, paga-se 2 euros. O almoço foi a algumas quadras dali, na pizzaria Valentian. Tomei uma sopa e comi uma pizza pelo total de 5,5 euros. Depois, outro busão me deixou em Sandberg. É uma maciço de arenito que se destaca na paisagem que já foi um mar, e hoje guarda centenas de espécies de fósseis. Caminhei um pouco pela trilha do geoparque, até que o dia se foi e eu retornei a Bratislava. Jantei no Subway próximo ao albergue (7,2 euros pelo sanduíche de 30 cm com bebida). Depois disso, rolou uma sessão de filmes na hospedagem. Dia 45 Conheci o castelo de Bratislava pela manhã. Há uma boa vista de lá, como da torre que parece um disco voador, mas não acho que tenha valido pagar 10 euros pra ingressar no confuso museu de história. Na saída, almocei no buffet livre chinês Panda por 5,5 euros. Satisfeito, fui até a estação central de ônibus, onde peguei um FlixBus até Viena. Como comprei de última hora, saiu por 6 euros a passagem. Uma hora e pouco depois, cheguei na estação central de trem e ônibus, bem ao lado do albergue onde eu passaria 4 noites por 70 euros (sim, Viena é caro), o Do Step Inn Central Hostel. Todo automatizado, nem cheguei a ver recepcionista. Já escurecendo, passei por diversas feiras de Natal nas praças ao redor de igrejas enormes. Tudo bem cheio de gente. Mas os preços exagerados fizeram com que eu jantasse no McDonald's. Depois disso, passei num supermercado e voltei pro albergue. Dia 46 Temperatura despencou; as mínimas de outrora seriam as máximas de agora, então tive que tirar da mochila a camada térmica de fleece pela primeira vez. Conheci um bocado da cidade, começando pela bizarra Hundertwasserhaus. É um edifício residencial expressionista dos anos 80. Atravessei o rio pra conhecer o Prater. Esse é o primeiro parque de diversões do mundo, de 1766! Na praça mexicana onde fica uma baita igreja, encontrei um "kebab" de 2 somente euros; esse foi meu almoço. Saltei de metrô até a parte mais movimentada no centro. Na igreja de São Pedro, tive a sorte de presenciar uma apresentação musical japonesa. Posteriormente, enquanto o céu escurecia, passei pelo palácio presidencial de Hofburg, saindo em frente a Rathaus, a prefeitura, onde rolava mais uma de tantas feiras natalinas. Adquiri minha janta e muitos chocolates baratos em uma das unidades do supermercado Penny. O barrão de Milka, por exemplo, estava custando 1,69 euros. Insano! Passei o resto da noite na hospedagem. Dia 47 Comecei indo de metrô até a principal atração de Viena: o palácio Schönbrunn. Antiga residência de verão da dinastia Habsburgo, contém nada menos que 1441 quartos. Que desperdício! Para o almoço, reencontrei Gael, um francês que eu havia conhecido a 3 anos na Moldávia, além de sua cônjuge. Comemos no Subway mesmo. Em seguida, caminhei com eles até o museu de história militar. Como era o primeiro domingo do mês, visita gratuita. Além de todos os artefatos e história (a maioria só em alemão), havia uma feira medieval ocorrendo por lá. Enquanto víamos a iluminação natalina, jantamos um salgado frito de batata numa das feiras. Depois me despedi deles e segui para o Blue Bar, onde reencontrei Romi, uma das argentinas de Budapeste. O bar é pequeno, mas aconchegante e com drinques baratos, a partir de 3,9 euros. Dia 48 Noite levemente abaixo de zero. Mais uma caminhada matinal no frio. Objetivo do dia: Museu Nacional de História Natural (12 euros). Achei demais esse museu, tanto que só deixei ele 5 horas depois, por motivo de fome maior. Almocei já à noite no havaiano 'O Io Poké, uma tigela de "poke" por 9,8 euros. Em seguida, passeei pela Mariahilferstrasse e peguei um "yakisoba" na Lucky Noodles para mais tarde, por 4,2 euros. Missão cumprida, retornei ao albergue para me preparar para partir de vez. Dia 49 Peguei um trem (4,2 euros) que rapidamente chegou no aeroporto, onde voei de Wizz Air sobre os Alpes até Milão, por ridículos 15 euros. Lá, poucas horas depois, segui de TAP até Lisboa, onde precisei passar a noite para continuar ao Brasil. No aeroporto, peguei o metrô (50 centavos pelo cartão + 1,5 euros por viagem) até a brasileira MaHouse Guest House, onde dormi por 25 euros, pois as outras hospedagens mais baratas já não atendiam mais na hora em que eu chegaria. Dia 50 De manhã, tomei o bom café da manhã incluído e o voo da TAP para Guarulhos. Ao final da tarde, finalmente a chegada em Floripa com a Gol (125 reais). Fim de viagem! Se você chegou até aqui, que tal conferir meu site agora? Rediscovering the World
  3. Estivemos outras duas vezes pelo Leste Europeu. Os relatos podem ser vistos nos links abaixo: De Helsinque a Lubljana Leste Europeu II - Romênia, Sérvia e Bósnia A escolha dos três países foi circunstancial. Eram países que ainda não conhecíamos. Nos arredores da região também estavam na lista Montenegro, Albânia e a costa croata, que acabaram excluídos por questões logísticas. Encontramos passagens promocionais pela Norwegian para Londres, e aqueles saudáveis preços baixos com as low cost locais para o Leste. Ideia inicial era começar em Dubrovnik, mas acabei gostando mais da logística que prevaleceu. Foram duas semanas de férias, partindo num sábado e voltando num domingo. Cidades e países Pristina, Prziren (Kosovo) Ohrid, Skopje (Macedônia) Sofia, Veliko Tarnovo, Plovdiv (Bulgária) Além disso, passamos um dia inteiro em Londres na volta. Gastos Menos de 50 euros/dia por pessoa no Leste. Exclusive passagens aéreas somente. Incluindo algumas esbanjadas nas jantas (nos permitimos, sobretudo pq não almoçamos). Em Londres, mais de 100 euros/dia por pessoa. Londres é cara demais. Hospedagens Nome – Onde - $$ dia Ibis budget Luton - Londres – 35 GBP Sleep Inn Prishtina - Pristina - 21,25 EUR Guesthouse Hotel My Home - Prziren – 23 EUR Ivanoski Studios and Guest Rooms - Ohrid – 23 EUR Hotel Old Konak - Skopje – 28 EUR Rooms43 - Sofia – 51 BGN Hostel Pashov - Veliko Tarnovo - 35,7 BGN Gramophone Hostel - Plovdiv – 50 BGN ibis budget London Whitechapel - Londres - 80,75 GBP Passagens Rio – Londres – Rio (Norwegian) = 2,8 KBRL cada Londres – Pristina (Wizz) = 51 USD cada Plovdiv – Londres (Ryanair) = 78 EUR cada Em todos os voos apenas compramos o assento, além da passagem. Dispensamos refeições e não despachamos bagagem, viajamos com mochila de mão. Os ônibus internos custavam em média 10 euros por cabeça, salvo engano. Não anotei cada um. Exceto de Skopje para Sofia que, salvo engano, custaram quase o dobro. Relato Chapei de sono durante quase todo o voo da Norwegian. Galera reclama de ser tudo cobrado e de ter poucas opções de entretenimento. Na boa, eles avisam que é *tudo* cobrado. Inclusive água. Não tem travesseiro, cobertor, essas coisas. E nem me fez falta. Compramos água no aeroporto e foi tudo numa boa. Viva a Norwegian (enquanto mantiver esses bons preços)! Dia 1 - Londres Nosso dia 1 resumiu-se a chegar em Londres no Gatwick e pegar um trem até Luton, onde dormiríamos perto do aeroporto para no dia seguinte seguir viagem para Pristina, Kosovo. Houve algum contratempo com o trem, parece que houve um acidente na linha que pegaríamos. Sem galho, fomos redirecionados a outra e seguimos viagem. Como o vôo chega às 16hs em Londres, chegamos a Luton já de noite. Sob chuva. Ainda me meti a tentar ir andando da estação até o Ibis Budget, mas isso revelou-se um erro. Não é área afeita a pedestres. Logo voltamos e identificamos que o ônibus que conecta a estação com o aeroporto para perto dos hotéis, e a ida está inclusa no bilhete de trem. Simples assim. Enfim, ibis budget, janta e dormir. Dia 2 – Pristina, Kosovo Acordamos de madrugada 3am e fomos andando para o aeroporto (sempre acho um luxo ir andando para o aeroporto!). Coisa de 15 minutos. Novamente chuvinha, que não deve ter parado desde nossa chegada. Nosso voo partiu às 6 e levou umas 3,5 horas até Pristina. O Kosovo é o país mais recente da Europa e um dos mais recentes do mundo. Tornou-se independente em 2008, com grande apoio dos EUA. Mas diversos países (Brasil entre eles) ainda não reconhecem a independência. Sobretudo o país de quem o Kosovo se libertou, a Sérvia. As reverências aos EUA aparecem em algumas homenagens: estátua do Bill Clinton, rua George Bush, estátua da Madeleine Albright. Foi o que vimos. O Kosovo tem forte influência albanesa (é a língua do país), e viveu história semelhante à da Bósnia em relação aos sérvios (isso para simplificar MUITO a coisa). É um país com forte cultura islâmica, com diversas mesquitas. Desde minha ida à Turquia em 2012 que passei a adorar o azham, a chamada para a oração. Adoro toda vez que ouço a chamada pelos minaretes das mesquitas. No Kosovo ouvimos muito. Tempo completamente diferente no Kosovo. Céu azul, aberto. Chegamos, perguntei nas informações sobre preço de taxi para o centro (15 euros fixos), e partimos. Tinha lido sobre motoristas que tentavam cobrar 20 ou 30. Taxi nos deixou na avenida principal de pedestres, nossa pousada era em algum canto paralelo a ela. Encontramos rapidamente. Não havia comunicação em inglês, mas nos entendíamos. Foi a melhor hospedagem da viagem, tudo novo e ótima localização. Largamos mochilas e saímos para explorar a cidade. Em poucas horas já havíamos percorrido os principais pontos turísticos da pequena capital kosovar. Eu sabia que, para nosso ritmo, um dia seria suficiente. Mas queria evitar de já começar viagem saltando de lugar em lugar, então optamos por esticar nossa estadia em Pristina. Nesse dia demos longos rolês, chegamos até a repetir algumas áreas. Foi bem bacana. Curtimos um ótimo pôr do sol do alto da torre (campanário) ao lado da igreja moderna. E jantamos no badalado (e muito bom!) Liburnia, com direito a uma taça de vinho muito guerreiro local. Meu prato foi um lamb tradicional, que estava ótimo. Dormimos mais cedo nesse dia. Dia 3 – Pristina, Kosovo Dormimos muito, mas merecidamente. No dia anterior estávamos acordados direto desde às 3am de Londres. Dentro do conceito de slow travel desses primeiros dias, fomos tomar café na rua principal e rodar mais pela área. Em Pristina vi que os carros estacionam em qualquer canto disponível, tal qual vi na Rússia em 2012. Mas em geral param na faixa para os pedestres. Outra coisa que reparamos foi o cumprimento entre pessoas: são 3 beijos no rosto. Às 11am fomos fazer o free walking tour, que foi bacana. Bem informativo. Passou pelos lugares que já havíamos visitado antes, ahahaha, mas agora com mais contexto. Era uma 2ª feira, dia de museus fechados. No domingo estivéramos num museu nacional, que achei meio decepcionante. Belo externamente (vale passar para vê-lo de noite também), mas sem muito interessante o que ver dentro. Depois do tour, pegamos um taxi para Gracanica (7eur). Patrimônio Unesco, lugar lindo. Afrescos sensacionais, que não podem ser fotografados. Admiramos muito o lugar. Voltamos de busum. Havia alguma troca no meio do caminho, e não conseguimos nos comunicar em inglês, mas a galera simpática nos ajudou com mímica. Entendemos que era para esperar com eles e seguirmos o mesmo caminho. De busum era beeeem mais em conta, 0,5 eur. Nesse dia rolaria um jogo importante para o Kosovo contra Montenegro, uma qualificatória para a Eurocopa. Era no estádio local, bem perto de onde estávamos. Mas o guia do walking tour avisou que já estava esgotado (alguém do grupo confirmou que não conseguiu encontrar ingressos), e sugeriu de irmos um local perto do estádio cheio de bares e alguns com telões para a galera assistir. Fomos num de cervas artesanais e curtimos o Kosovo vencer por 2 x 0, com a galera local (ao que me pareceu) celebrando. Bem bacana. No bar vimos diversos vendedores ambulantes entrando para vender coisas (amendoim, cigarros). E vimos pedintes entrando também. Coisas a que não estamos acostumados no Rio. Jogo acabou tarde, e havia poucos restaurantes ainda abertos. Felizmente caímos num que foi muito bom. Dia 4 – Prizren, Kosovo Acordamos e saímos cedo, fomos andando até a rodoviária. Prizren. Galera orientou a esperar no box 5, que é de onde partem os ônibus para Prizren. Não precisava comprar antes, paga no próprio ônibus. O nosso saiu às 8:20. Nada de cinto de segurança. Nem mesmo p motorista usava, ou tinha. Viagem saiu por 4 euros cada. Chegamos em Prizern, e optei por garantir logo nosso busum que sairia às 5 da matina no dia seguinte para Skopje. 10 Euros. Depois fomos andando até o centro histórico para nossa pousada. O cara da pousada falava português, muito simpático. Ele tinha morado em Moçambique. Prizren é muito charmosa no centrinho histórico. A ponte lembra Mostar, mas beeem menor. Era outro lindo dia. Eu tinha um roteiro de caminhada que percorria os pontos turísticos da cidade, e que esticava por uma trilha mais longa até a fortaleza, que foi o que fizemos. Passamos por igrejas sérvias destruídas pelos albaneses em 2004, e que até hoje estão fechadas para a visitação. Cercadas com arame farpado. Em frente a uma delas, que é patrimônio Unesco, um simpático menino veio falar conosco. Aquela coisa, Brasil, futebol, etc. Ainda o nosso melhor embaixador, o futebol. A longa trilha é bem bacana, passando por bonitos lugares no caminho. Até o belo visual da Fortaleza. Curtimos bastante. Depois ficamos de relax pela cidade, fazendo café crawl, e depois cerva crawl. Ainda subi novamente a Fortaleza, pela trilha mais rápida, para o pôr do sol. Jantamos, demos nosso rolê noturno, e fomos dormir um pouco mais cedo. Madrugaríamos novamente. Uma coisa que me recordo do Kosovo é que raramente via bebidas (e respectivos preços!) no cardápio. Era meio que na base da confiança, e os preços eram meio que uniformes mesmo.
  4. Fala viajantes, Fiz um roteiro completo sobre Viena na Áustria, ficou show !! bom eu acho rs Quem quiser ler e pegar várias dicas da uma olhada lá. https://vaicombruno.com.br/viena-austria
  5. Oiii gente. Tudo bem? Gostaria da opinião de vocês. Em maio de 2020 pretendo passar uns 20/25 dias mochilando sozinha pelos seguintes países: Itália(Não irei ficar muito, passarei por lá para pegar ônibus de Roma para Eslovênia), Eslovênia, Hungria, Eslováquia, Polônia e Alemanha). Vocês acham que R$10 mil dá para tudo? Pretendo ficar em hostel barato e fazer as minhas refeições nos hostels. Irei de um país para o outro de ônibus, vi que os preços desse roteiros são em conta. O que vocês acham?
  6. De grandes vales a montanhas cobertas por neve, de cidades ricas em história a pequenas vilas que enchem nossos olhos, de pessoas simpáticas e acolhedoras e de uma gastronomia maravilhosa, a Geórgia é um dos destinos mais fantásticos da Europa, principalmente para quem busca uma conexão com a natureza. Não, não estamos falando do estado americano! A Geórgia é um pequeno país localizado no cruzamento da Europa e da Ásia. Ao sudeste possui fronteira com o Azerbaijão, ao sul, com a Armênia e a Turquia, e ao norte, com a Rússia. Já tendo feito parte da União Soviética e do Império Russo. A população do país é de 3.720.000 pessoas dentro de um território de com área total de 69.700 quilômetros quadrados . Com mais de 40 áreas protegidas, a Geórgia possui uma ampla parte do país ocupada pela natureza intocada! O que irá lhe surpreender a todo momento.A Geórgia é de fato um paraíso na terra! A natureza e a diversidade deste país foram a fonte de inspiração para muitos escritores e poetas. Aqui temos tudo que o viajante pode sonhar: montanhas com neve, lagos, cavernas, imenso vales cercados de montanhas, cânions, desfiladeiros naturais, águas minerais e piscinas de água sulfurosa. A cada ano que passa, o país torna-se um destino ainda mais almejado para muitos escaladores, trilheiros e esquiadores à procura de aventura. Em nosso mochilão de 1 ano e 2 meses, fizemos uma Road Trip por alguns dos mais incríveis locais da Geórgia, com foco na natureza. E depois de quase 2 meses explorando o país, produzimos exclusivamente o melhor e mais completo Guia do país, mostrando os melhores locais para se explorar, principalmente para quem AMA natureza! Além disso, também um mapa no maps.me com todos os pontos por onde passamos. É um roteiro de viagem para 25 dias de atividades, com hikings espetaculares em meio a vales, montanhas e geleiras, passando por algumas das mais antigas igrejas do mundo e muita cultura local. Quem ainda tem dúvidas se vale a pena ou não visitar a Geórgia, se liga no vídeo que produzimos: Quer saber mais e adquirir o eBook: Fala com nós lá no insta: @mundosemmuros Abraços e bons ventos!
  7. Boa noite! Gente, estou programando uma viagem para o leste europeu, mas saindo de Paris, pois tenho familiares estudando lá. Pretendo passar 35 dias entre os meses de novembro a fevereiro, ainda não comprei as passagens. Gostaria de saber se esse roteiro que montei tem sentido, tempo e o que aconselhariam tirar/acrescentar, contando que o período é bastante frio rss. Paris, Bruxelas, Amsterdam, Praga, Viena, Bratislava, Cracóvia, Budapeste, Liubliana, Veneza, Verona, Zurique, Strasbourg, Paris.
  8. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de PRAGA, CESKY KRUMLOV e PILSEN. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro CZK - Coroa Tcheca Depois de 3 dias em Cracóvia segui minha viagem até Praga. A capital da Rep. Tcheca foi a única cidade de toda a minha viagem que não consegui usar o Couch Surfing. 29º dia de viagem: Praga (Sexta-feira, 5 de Outubro de 2018) O ônibus foi chegar na rodoviária por volta das 6h e ainda estava escuro. Fiquei esperando até umas 6h30 na estação e saquei CZK 1000 (não saiu trocado, apenas uma nota de CZK 1000). Caminhei por uns 15 minutos até OLD TOWN HOSTEL. ***Dica: Sempre viajo com uma lista de ao menos 3 hostels por cidade que vou visitar. Isso independente se consegui lugar para ficar pelo Couch Surfing ou não. Mesmo se já tiver um lugar no Couch Surfing, imprevistos podem acontecer e cancelarem minha estava. Portanto tenho sempre um “plano B”. Uso o site Hostel World (www.hostelworld.com) e seleciono os 3 melhores hostels levando em consideração preço e localização. Não tinha mais vagas no Old Town Hostel e o cara da recepção me sugeriu o SAFESTAY HOSTEL. Esse não estava na minha lista, mas resolvi não arriscar a andar até algum da minha lista e não ter vaga. Caminhei por uns 20 minutos. Só tinha vaga até segunda-feira (iria ficar em Praga até quarta) mas resolvi ficar lá e depois procurar um outro hostel até o fim da minha estada. O atendente disse que não era possível fazer a reserva no balcão e teria que fazê-la pela internet. Usei o wi-fi de lá e paguei CZK 1134 pelas 3 noites via cartão de crédito. O SAFESTAY é bem localizado e organizado. Fica 5 minutos do metrô Národní třída e uns 20min de caminhada do centro velho. Fiquei num quarto misto com 4 beliches e tanto o quarto como o banheiro estavam limpíssimos. Meu amigo Júlio (brasileiro que conheci em Varsóvia) tinha falado muito bem de um hostel chamado HOSTEL ANANÁS, que também não estava na minha lista mas era bem perto de onde eu estava. Cheguei no Hostel Ananás e me informaram que as reservas com antecedência não poderiam ser feitas no balcão, apenas via internet. Acessei o wifi do hostel e tentei fazer a reserva, mas não consegui. “Deve ser pq acabei de fazer uma reserva no Safestay então o sistema de segurança do cartão não liberou outra transação na sequência. Tento fazer amanhã.” - pensei. Deixei o hostel e fui até um TESCO que tem ao lado do metro Narodni Trida. Comprei 2 sanduíches e 1 iogurte (CZK 16). Caminhei até o RELÓGIO ASTRONÔMICO ORLOJ que fica na praça central. De hora em hora há uma “apresentação” de bonecos que saem da torre do relógio. Era 9h e não tinha tanta gente, mas conforme vai ficando mais tarde vai lotando. Vale a pena ver! ORLOJ Passei pela TYN CHURCH que é muito bonita mas não pode tirar fotos. Depois fui à ST. JAMES BASILICA que é igualmente bela. ST. JAMES BASILICA Peguei o FREE WALKING TOUR OLD TOWN & JEWISH QUARTER das 11h que sai ali da praça central. ***Dica: De todos os lugares que eu passei nessa viagem, Praga foi o lugar com maior quantidade de pessoas oferecendo “Free Walking Tours”. No local de saída havia ao menos uns 4 ou 5 guias com guarda-chuvas de cores diferentes, cada um de uma empresa. Fique atento se vc reservou alguma coisa antes. Nossa guia foi a Tereza e ela explicou como funciona o relógio astronômico (mas eu não entendi bulhufas). Passamos pela ESTÁTUA DE FRANZ KAFKA no JEWISH QUARTER e por algumas sinagogas também. Terminamos o tour por volta das 13h45 em frente à casa de concertos THE RUDOLFINUM. ESTÁTUA DE FRANZ KAFKA Caminhei por uns 10 minutos até a CHARLES BRIDGE, mas não cruzei para o outro lado. Voltei para o hostel para descansar um pouco e chegando lá me avisaram que o cartão não tinha aceitado a minha transação. Tive que sair e trocar EUR 100 (CZK 2480) para pagar a minha estada. CHARLES BRIDGE Cochilei até umas 17h30. Tomei um banho e fui encontrar com o Julio (brasileiro que conheci em Varsóvia e estava morando em Praga). No caminho comi uma fatia de pizza e tomei uma Pilsner 500ml (CZK 89). Combinamos de nos encontrar na estação Karlovo náměstí e ali perto está a DANCING HOUSE. Conheci os amigos de trabalho do Julio: o Irka (tcheco) e o Sasha (bielorusso). Fomos um bar que ficava num barco ancorado às margens do rio Moldava. O lugar era bem legal e a cerveja tinha um preço justo: CZK49. Ficamos bebendo e conversando até umas 23h quando fui embora. DANCING HOUSE Perto do hostel comi mais 2 fatias de pizza (CZK 35 cada) e passei num bar chamado LONDON UNDERGROUND, que fica em frente à estação Národní třída. Havia um som ao vivo: um cara tocando uma guitarra e seu laptop fazia o resto da banda (bateria e baixo). Ao lado uma moça com uma roupa sadomasoquista dançava sensualmente. Achei bem legal o lugar e vale uma visita se estiver passando por lá. Tomei 2 Pilsner (CZK 72 cada) e voltei para o hostel. Fui dormir 0h30. Distância percorrida no dia: 21,5km 🚶‍♂️ 30º dia de viagem: Praga (Sábado, 6 de Outubro de 2018) Acordei 8h50 e tomei café no hostel (CZK 50): pão, manteiga, cereais, frios, café, iogurte, suco de laranja, etc. Muito bom! Tentei (via internet) fazer mais uma vez minha reserva no Hostel Ananás mas não consegui. Fui até lá pra ver o que poderia estar acontecendo. O atendente sugeriu tentar fazer a reserva pelo Booking.com e deu certo! Paguei CZK 410 por 2 noites. Fui para o centro e peguei FREE WALKING TOUR PRAGUE CASTLE e nossa guia foi a Katharina. Em certo momento do tour tem que pegar um tram então todos têm que ter ao menos um bilhete. Os guias vendem antes de começar o tour (CZK 24). Fomos caminhando até o pé da colina que se encontra o castelo. Passamos pela CHARLES BRIDGE que estava LOTADA. Levou uns 15 minutos pro grupo todo cruzar a ponte. Pegamos o tram 22 em frente à ST. NICOLAS CATEDRAL. Antes de entrar pelos jardins do castelo há uma revista: as bolsas passam por um raio-x (igual aos do aeroportos) e passamos por um detector de metal. Cruzamos os jardins do castelo e chegamos até a CATEDRAL DE SÃO VITO. Havia uma pequena fila pra entrar (3 min.) e muita - mas MUITA - gente lá dentro. Até a guia comentou que não era normal tanta gente assim naquela época do ano. Mas a igreja é maravilhosa e vale muito a pena conhecer! CATEDRAL DE SÃO VITO Deixamos a igreja e caminhamos por uns 5 min. até um mirante onde o tour terminou (14h30). Tirei algumas fotos da cidade vista pelo alto e desci de volta até a St. Nicolas Cathedral. Tinha que pagar CZK 70 para entrar e a catedral ainda estava em reforma. Não entrei e segui caminho de volta pela Charles Bridge. Parei para almoçar no restaurante KOZLOVNA APROPOS e pedi um BOHEMIAN GOULASH W/ DARK BEER AND DUMPLINGS (CZK 195) e tomei 2 cervejas KOZEL 500ml (CZK 45 cada). A comida (carne de porco com molho de cerveja preta e pão tipo “dumpling”) estava muito boa. Voltei para o centro antigo e encontrei um pub chamado LION AND BALL, onde havia várias TV’s passando diferentes jogos de futebol. Conheci uns caras de Wolverhampton (Inglaterra) que estavam todos fantasiados de Wally (do “Onde está o Wally?”) por conta da despedida de solteiro de um deles. Fiquei conversando com eles e vimos o Wolverhampton 1 x 0 Crystal Palace, pela Premier League. Enquanto via o jogo deixei minha mochila no chão do pub e quando fui pegá-la novamente estava encharcada de cerveja! ***Dica 1: Praga é um destino muito comum para quem está fazendo despedida de solteiro, principalmente aos finais de semana. Me deparei com vários grupos de amigos “comemorando” em vários diferentes pubs. Algumas vezes eles são bem inconvenientes principalmente com mulheres. ***Dica 2: Nunca, NUNCA deixe sua mochila no chão de um pub. Voltei para o hostel e dei uma descansada até 20h30. Tomei banho e fui encontrar com o Julio num bar chamado ANONYMOUS. No caminho comi um pedaço de pizza (CZK 40). Econtrei com o Julio e o Sung, seu flatmate. Não tinha mais mesa nesse bar então fomos ao CHAPEAU ROUGE. Mais uma vez me deparei com um monte de ingleses bêbados. Depois de umas 3 cervejas deixamos o Chapeau Rouge e fomos para outro bar que eu não anotei o nome. Tomamos a saideira e fomos embora. Cheguei ao hostel 2h e fui dormir. Distância percorrida no dia:18,5km 🚶‍♂️ 31º dia de viagem: Praga (Domingo, 7 de Outubro de 2018) Acordei 8h30, tomei café da manhã no hostel (CZK 50) e fui para a estação FLORENC procurar passagens para CESKY KRUMLOV e PILSEN. Comprei na empresa REGIO JET e paguei CZK 390 para Cesky Krumlov e CZK 200 para Pilsen. Caminhei até o COMMUNIST MUSEUM (CZK 290). Lá fala da formação do estado da Tchecoslováquia em 1918 após a I Guerra Mundial e como o comunismo se instalou no país após a II Guera Mundial. Também mostra a Guerra Fria e a Corrida Espacial. É bem interessante e é passagem obrigatória pra quem gosta de história. COMMUNIST MUSEUM Acessei o wifi do museu e recebi uma mensagem do Julio falando que ele tinha comprado ingressos do jogo do Slavia Praha para aquele mesmo dia (CZK 310 cada). Combinei de passar na casa dele às 16h30. Voltei caminhando até o centro e precisei trocar mais dinheiro. Fui a casa de câmbio EXCHANGE (Rua Kaprova 14/13) que fica próxima a IGREJA DE ST. NICHOLAS. Troquei EUR 50 (a cotação estava EUR 1 = CZK 25,30, sem comissão). Passei pela Igreja de St. Nicholas que é bem pequena, mas bonita. Alí pelo centro comprei um daqueles TRDELNÍK: são sorvetes que, ao invés de serem servidos em casquinhas ou copos, vêm numa massa assada em forma de cone. É uma bomba calórica? Sim! Mas é uma delícia! Pedi um de massa recheada de chocolate, 1 bola de baunilha e 1 bola de café (CZK 150). Segui caminhando até o MUSEU NACIONAL mas estava fechado para reforma. Andei mais um pouco pelo centro e às 15h30 voltei ao hostel para deixar minha mochila e ir para o jogo. No caminho passei no Tesco e comprei uma cerveja Budvar (CZK 31). Peguei o tram 22, mas errei o sentido. Sorte que percebi logo e já desci do tram pra trocar de direção. Cheguei ao apto do Julio e tomei uma cerveja Pilsener com ele e com o Sung. Pegamos novamente o tram 22 e 2 pontos depois estávamos no estádio. Fomos à bilheteria e retiramos nossos ingressos. Havia uma aglomeração de pessoas do lado de fora e decidimos ficar lá tomando umas cervejas (CZK 40 cada) antes da partida começar. Faltando uns 15 minutos para o início do jogo resolvemos entrar. Nossos lugares eram excelentes: na lateral do gramado e muito próximo ao campo. Fui comprar uma cerveja e me surpreendi positivamente: estavam vendendo pelo MESMO preço da do lado de fora do estádio. A única coisa que vc pagava CZK 50 para ter um copo de acrílico e se o retornasse ao final da partida, receberia os CZK 50 de volta. ESTÁDIO DO SLAVIA PRAHA A partida terminou 4x1 para o Slavia Praha e a experiência foi incrível! Tudo muito seguro e organizado. Não sei como pode ser um clássico, mas jogos “pequenos” eu recomendo ir ver sim! Na saída achei um copo jogado no chão. Peguei ele e ganhei mais CZK 50. Me despedi do Julio e peguei o Tram 22 de volta. Comprei uma fatia de pizza 4 queijos (CZK 45) e parei num bar nos arredores do centro antigo. Tomei umas 3 cervejas e conheci um “chinês-holandês” que morou no Brasil e falava português. O cara falou pra cacete e depois, do nada, sumiu. Voltei para o hostel, tomei banho e fui dormir 0h30 Distância percorrida no dia: 23km 🚶‍♂️ 32º dia de viagem: Praga -> Cesky Krumlov -> Praga (Segunda-feira, 8 de Outubro de 2018) Acordei às 7h, arrumei minhas coisas e deixei o Safestay Hostel. Fui até o Hostel Ananás, que iria me hospedar pelos próximos 2 dias. Era muito cedo para fazer o check-in (7h40) então deixei minha mochila lá e saí. Era quase 8h da manhã, estava no centro da capital da República Tcheca e não tinha UMA PADARIA aberta. Inacreditável! Por volta das 8h15 abriu um quiosque de fast-food. Comi 1 hamburger e 1 coca (CZK 90) e peguei o metro até a estação ANDEL. A plataforma da REGIOJET fica na última saída à esquerda. Por volta das 9h peguei o ônibus e fui chegar à Cesky Krumlov por volta do meio-dia. Caminhei por uns 10 minutos até chegar ao castelo de Cesky Krumlov. Paguei CZK 180 para ver o museu e subir na torre. O museu tem algumas pinturas e objetos antigos. Há também a reconstituição de alguns cômodos com quartos e sala de jantar. Vi também os restos mortais (um esqueleto horroroso) de um tal de St. Reparat. No final há uma pequena sala de exibição passando filmagens antigas da cidade. Para subir na torre é só o código de barras do bilhete numa cancela eletrônica. Lá de cima tem uma belíssima vista da cidade em 360º. Desci e segui a “Rota do Castelo”. Passei por uma ponte com outra bela vista da cidade. Conheci o CASTLE GARDENS, com belos jardins, fonte e um lago. VISTA DA CIDADE CASTLE GARDENS CASTLE GARDENS Deixei o castelo e segui caminhando pela cidade. Parei num bar chamado ZAPACATE. Tomei uma cerveja local (CZK 60) e conversei com um local que sentou ao meu lado. Comentei com ele se era normal aquela quantidade de chineses visitando a cidade. Ele disse que era assim o ano inteiro e só diminuía durante as festividades do ano novo chinês. Segui andando pelas ruas da cidade até chegar a IGREJA DE ST. VITUS. Notei que nela havia uma placa com uma concha símbolo do Caminho de Santiago de Compostela. Conversei com uma funcionária da igreja e ela confirmou que por lá passa uma das rotas do Caminho (detalhe: essa igreja está 2.200km distante de Santiago de Compostela). Continuei caminhando pela rua que passa ao lado da igreja e cheguei numa praça com um lindo mirante. No final da mesma rua há um supermercado COOP. Comprei 1 sanduíche de salame, queijo, picles e ovo (CZK 31), 1 salgadinho (CZK 13) e 2 cervejas (CZK 19 cada). Voltei à praça do mirante e fiz meu lanche lá. MIRANTE DA PRAÇA Voltei caminhando para o ponto que tinha chegado. Notei que não tinha ninguém lá. Um senhor, que não fala NADA de inglês me perguntou: “Praga?”. Respondi que sim e ele me apontou para uma direção para outro ponto pois o ônibus para Praga não saía dali. Agradeci o Sr. e andei por uns 5 min. até o ponto correto. Serviram um delicioso cappuccino no ônibus e por volta das 21h estava de volta à Praga. Fiz check-in no hostel e saí. Comi uma fatia de pizza de pepperoni (CZK 39) e parei no bar POTREFENA HUSA e tomei 3 Strapopanen (CZK 49 cada). Vi uma cena constrangedora no bar: um cliente tentou roubar uma caneca mas um dos garçons viu ele colocando-a numa bolsa. O garçom chegou nele e pediu gentilmente pra ele tirar a caneca e devolver. Voltei ao hostel, tomei um banho e fui dormir 0h. Distância percorrida no dia: 18km 🚶‍♂️ 33º dia de viagem: Praga -> Pilsen -> Praga (Terça-feira, 9 de Outubro de 2018) Acordei 8h15 e fui para o supermercado Tesco e comprei 3 salgados, 1 chocolate e 1 iogurte: CZK 75. Peguei o metro às 8h55 na estação Narodni Trida e por volta das 9h20 estava chegando na estação ZLICÍN, de onde saía o ônibus para Pilsen. Desta mesma estação sai o ônibus número 100, que vai para o aeroporto e a viagem leva 15 minutos. Tomei meu café da manhã que tinha comprado no Tesco e às 10h estava indo para Pilsen. Cheguei 11h20 e vi no google maps que o ônibus 11 passava pela CERVEJARIA PILSENER URQUELL. Não encontrei nenhuma informação na rodoviária e também não achei nenhum lugar para comprar bilhetes de transporte local. Peguei o ônibus 11 achando que conseguiria comprar o ticket dentro dele, mas só havia as máquinas de validar o ticket e não para comprá-los. Segui viagem sem pagar. Por volta das 11h50 cheguei na cervejaria e comprei o próximo tour em inglês que iria sair às 13h. Comprei um “combo”: tour na cervejaria + MUSEU DA CERVEJA por CZK 256. Se for comprar separado o tour sai por CZK 250 e o museu da cerveja CZK90, totalizando CZK 340. Há um restaurante e um bar na cervejaria. Tomei 1 Pilsener Urquell enquanto esperava dar 13h. O tour dura mais ou menos 1h40 e o guia fala sobre a origem da cervejaria e o começo de sua produção. Pegamos um ônibus dentro da fábrica que nos leva para ver a linha de produção. Depois passamos por uma sala de exibição de um filme falando do início da cervejaria. Passamos por umas salas cheias de cevada e lúpulo e o guia encoraja a gente a cheirar e experimentar esses ingredientes. Passamos também por uns tanques de cobre no subsolo e ao fim do tour experimentamos a cerveja. FÁBRICA LINHA DE PRODUÇÃO DA FÁBRICA CERVEJA NO FIM DO TOUR A fábrica tem 600 funcionários e no final do expediente eles podem comprar 0,5L de cerveja por CZK 1, ou aproximadamente R$0,20! Depois de provar a cerveja o guia nos deixa na loja de souvenirs, onde termina o tour. Fui para o MUSEU DA CERVEJA e no caminho passei pelo estádio do VIKTORIA PILSEN. Tentei entrar para tirar algumas fotos mas não deixaram. Na entrada do Museu da Cerveja vc ganha um vale-cerveja de 0,3L. O museu fala da história da cerveja desde sua origem na mesopotâmia até os dias de hj. Há também alguns maquinários antigos e objetos usados na sua fabricação. MUSEU DA CERVEJA Deixei o museu e fui ao restaurante ao lado tomar a cerveja que tinha ganhado. Acabei tomando mais uma de 0,5L (CZK 49). PILSEN Segui caminhando pela cidade até a IGREJA DE ST. BARTOLOMEU e paguei CZK 50 para subir na sua torre. Lá de cima tem uma vista incrível da cidade! Desci e peguei o tram 2 para voltar à rodoviária. VISTA DA TORRE Chegando à rodoviária tomei uma Stapropanen 10 (CZK 30) enquanto esperava o ônibus. Por volta das 19h20 estava de volta à Praga. No caminho de volta ao hostel passei no Tesco e comprei uma comida pronta: Chilli Concarne (CZK 59) e 2 cervejas. Chegando ao hostel esquentei a comida no microondas e comi bebendo as cervejas. Tomei banho e fui ao CROSS CLUB (sugestão de um amigo que tinha já visitado Praga). A balada fica ao lado da estação NADRAZI HOLESOVICE e é bem legal e o melhor: não paga nada pra entrar! A decoração é cheia de luzes e ferros retorcidos, estilo steampunk. Há 2 pistas: 1 de música eletrônica e outra para show ao vivo. Dei muita sorte pq vi 2 bandas de metal: DEAD DANIELS e BLACK MAJESTY. Som de primeira! A cerveja custa CZK39 e vc deixa CZK 30 de depósito para usar o copo deles. Não aceitam cartão, mas tem um ATM lá dentro. CROSS CLUB Tomei várias cervejas vendo os show e fui embora por volta das 23h40. Na hora de pegar o metrô resolvi arriscar e não validei meu ticket, assim eu poderia usá-lo no outro dia para ir ao aeroporto. Me dei mal: havia um fiscal no final da escada rolante e ele me pegou. Tive que pagar uma multa de CZK 800! Tentei argumentar que eu era turista e que não sabia como funcionava o sistema de validação mas não adiantou. Ele me seguiu até uma ATM na entrada da estação onde tive que sacar o dinheiro e pagar ele. ***Dica: Peguei vários transportes durante toda minha estada na Rep. Tcheca e até então nunca tinha visto um fiscal sequer. E todas as vezes estava com um ticket válido. Na única vez que eu não tinha, um fiscal me pegou. Portanto andem sempre com seu ticket validado pq o valor das passagens é barato comparado com a multa que vc pode tomar. Cheguei no hostel e fui dormir 0h30. Distância percorrida no dia: 13km 🚶‍♂️ 34º dia de viagem: Praga ->Londres (Quarta-feira, 10 de Outubro de 2018) Acordei 8h15, arrumei minhas coisas e 8h35 estava deixando o hostel. Passei no Tesco e comprei o café da manhã e um sanduíche para o almoço (CZK 125). Fui até a estação Narodni Trida, comprei um bilhete válido por 90min (CZK 32) e peguei o metro sentido ZLICIN. Cheguei lá 9h35 e peguei o ônibus 100 que vai ao aeroporto. O aeroporto de Praga tem 3 terminais: Terminal 1: para países que não fazem parte do ESPAÇO DE SCHENGEN, Terminal 2 para os países do ESPAÇO DE SCHENGEN e o Terminal 3 para vôos particulares. A viagem do metrô ao aeroporto leva apenas 15 min e por volta das 9h50 estava chegando. Despachei minha mala, passei pelo controle de passaporte e enquanto esperava meu vôo fui contar o quanto de Coroa Tcheca tinha me restado: exatamente CZK 99 em moedas. Fui a uma loja de cosméticos e a atendente aceitou trocar tudo por uma nota de CZK 100 e me desfiz de um bom peso. Às 13h20 estava deixando Praga e indo para Londres. Fim do relato de PRAGA
  9. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de CRACÓVIA. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro PLN - Zloty Polonês Depois de 3 dias em Varsóvia segui minha viagem até Cracóvia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada. 25º dia de viagem: Varsóvia -> Cracóvia (Segunda-feira, 1 de Outubro de 2018) Cheguei às 11h na estação Krakow Glowny. Deixei meu mochilão no left luggage da estação (PLN 14). Há armários também, mas custa o dobro do preço. Acessei o wifi da estação e vi o caminho até a cidade velha (15min de caminhada). Fui até a agência KRAKOW CITY TOURS para ver os preços dos passeios para Auschwitz e Mina de Sal em Wielszca (PLN 155 e PLN 150 respectivamente). Achei melhor pesquisar em outras agências. Menos de 30m dali estava começando o FREE WALKING TOUR OLD TOWN KRAKOW e nosso guia foi o PAVO (ou Pablo). Passamos pela praça central onde antigamente havia um importante mercado. Depois fomos até a 1ª universidade da Polônia, a JAGIELLONIAN UNIVERSITY, onde estudaram Nicolau Copérnico e o Papa João Paulo II. Terminamos o tour às 14h30 no CASTELO DE WAWEL, que na verdade leva esse nome pois a colina que ele fica se chama Wawel. Lá em cima também tem a CATEDRAL DE WAWEL. Após o fim do tour entrei na Catedral. Nela estão enterrados os maiores líderes da Polônia, incluindo o presidente que morreu em um acidente aéreo em 2012. Há também uma capela dedicada ao Papa João Paulo II. Ali perto está o DRAGON’S DEN (PLN 3). Que é uma passagem para descer da colina. Primeiro vc desce uma escada em espiral bem apertada. Daí vc chega em uma pequena caverna e na saída dela está a estátua do DRAGÃO DE WAWEL. É possível ver a estátua sem precisar passar pelo Dragon’s Den, mas eu recomendo fazê-lo! Voltei caminhando até a praça principal e parei pra comer no restaurante SPHINX. Pedi uma SHOARMA CLASSIC: carne picada e temperada com páprika, fritas, pão, salada de repolho, beterraba e outra que não consegui distinguir. Tomei uma cerveja Tyskie. A conta ficou em PLN 47 e estava tudo muito bom. Ainda na praça central passei na ST. MARY CHURCH que estava em reforma, então só podia entrar no começo dela e não podia tirar foto. Parei no bar LITTLE BRITAIN que fica ao lado da igreja e tomei uma Tyskie (PLN 8 - preço de happy hour). Voltei pra estação, comprei o café da manhã num supermercado que tinha lá dentro (pão,presunto, queijo e iogurte - PLN 11). Peguei meu mochilão e fui até o ponto de tram. A Ilona (minha anfitriã) já tinha me passado as coordenadas pra chegar à casa dela e teria que pegar o tram 52. Era 19h30 quando o tram chegou e fui acompanhando pelo Google Maps. Depois de 30 min. de viagem desci no ponto e no caminho da casa comprei 2 cervejas Perla (PLN 3 cada). Fiquei conversando com a Ilona e bebendo cerveja até as 23h30. Fui tomar banho e dormir. Distância percorrida no dia: 21km 🚶‍♂️ MERCADO CENTRAL JAGIELLONIAN UNIVERSITY VISTA DE WAWEL DRAGÃO DE WAWEL ST. MARY CHURCH 26º dia de viagem: Cracóvia (Terça-feira, 2 de Outubro de 2018) Acordei 8h30, tomei café e vi que uma fina garoa caía lá fora. Saí às 9h10 e 9h50 estava nas ruas da cidade velha procurando excursões para Auschwitz e Mina de Sal. Parei na agência CRACOW VISIT os preços estavam PLN 145 e PLN 135. Resolvi arriscar. Paguei no cartão e os tours sairiam nos dias seguintes. Segui caminhando até a praça central e tentei entrar no UNDERGROUND MUSEUM, mas por ser terça-feira a entrada era gratuita e os ingressos estavam esgotados. A moça da bilheteria me disse que havia outros dois museus que eu podia visitar e que a entrada também era gratuita: o MUSEU DE HISTÓRIA DE CRACÓVIA e o MUSEU DE POMORSKA STREET. O Museu de História de Cracóvia tinha uma pequena exposição (chamada Krakow Time & Space) falando dos primeiros assentamentos da cidade. Havia maquetes, pinturas e alguns objetos da época da fundação de Cracóvia. Consegui ver tudo em menos de 40 min. Depois caminhei por uns 15 minutos até o Museu de Pomorska Street. No caminho comi um OBWARZANEK (PLN 1,5) que é uma rosca salgada muito parecida com o simit da Turquia. ***Dica: Há vendedores de obwarzanek por toda parte. Então se bateu uma fome coma um desses pra dar uma enganada no estômago. Foi um pouco difícil achar a entrada do museu pq sua fachada estava em reforma. A exposição mostra as pessoas que foram perseguidas, torturadas e mortas pelos nazistas durante sua ocupação. Havia muitos textos e algumas fotos de gente enforcada. Vi tudo em 30 min., mas se for ler todos os textos sugiro reservar mais de 1h. Voltei até a praça central e parei no BULLDOG PUB. Tomei 2 cervejas Perla (PLN 10 cada) e às 15h peguei o FREE WALKING TOUR JEWISH QUARTER que saia em frente a igreja St. Mary. Passamos pela OLD SYNAGOGUE, JEWISH CEMETERY, IGREJA DE SAINT JOSEPH, BRIDGE OF LOVE e terminamos o tour no HEROES OF GUETTO SQUARE. O tour é bem interessante e altamente recomendável. Durante o tour conheci um brasileiro chamado Lucas e voltamos juntos pro Bulldog pub. Bebemos 2 cervejas e fui embora. Passei no Burger King e comi um 1 double whopper (PLN 21,5). No caminho pra casa comprei 4 cervejas pra tomar com a Ilona. Fui chegar às 21h30. Tomei as cervejas sozinho pq a Ilona tinha que terminar um projeto. Tomei banho e fui dormir 0h30. Distância percorrida no dia: 22km 🚶‍♂️ IGREJA DE SAINT JOSEPH PRAÇA CENTRAL 27º dia de viagem: Cracóvia -> Wieliczka Salt Mine -> Cracóvia (Quarta-feira, 3 de Outubro de 2018) Acordei 7h20, tomei café e 8h35 estava chegando no local combinado. A van chegou 8h40 e seguimos para as minas de sal. O motorista nos deixou na entrada do tour em inglês que começaria às 10h. ***Nota: Vi na bilheteria que o ingresso custava PLN 89 (tem que pagar uma taxa extra de PLN 10 pra poder tirar foto dentro da mina). Paguei PLN 150 para a agência, sendo assim foram PLN 61 para a van me levar e me buscar. Dá pra ir lá sozinho usando transporte público? Dá, mas acho que não vale a pena. Descemos por mais de 300 degraus (leva uns 5min.) e lá embaixo começa o tour. Passamos por várias corredores e câmaras. A guia vai falando muito rápido e você tem que ser ligeiro pra tirar as fotos. Há estátuas de sal de vários personagens importantes da história da Polônia como Nicolau Copérnico e, claro, do Papa João Paulo II. Tem uma belíssima igreja nas profundidades da mina onde algumas missas e até casamento são celebrados lá. Passamos por lagos e moinhos que eram puxados por cavalos (tinha um elevador só pra eles). Chegamos a ficar 135m abaixo da superfície. No final do tour tem um restaurante mas não comi lá pq os preços estavam muito salgados ( 😆 ha!). Há também um cinema 3D com um pequeno documentário falando da importância do sal e como a mina se originou. O processo de volta até a superfície leva uns 20 minutos e cheguei em cima da hora combinada pra pegar a van de volta. Deixamos a mina de sal às 13h e às 13h30 estávamos de volta ao centro de Cracóvia. Fui até o UNDERGROUND MUSEUM (PLN 21), que tem esse nome pq ele fica embaixo da praça principal da cidade. O museu mostra o que foi encontrado lá durante escavações: cerâmicas, facas, ferraduras, moedas e até esqueletos humanos. Vi tudo muito rápido e levei 1 hora. Se for ver tudo com calma pode reservar até 2 horas lá dentro. Voltei ao Bulldog pub e tomei mais uma cerveja (PLN 10). Fiquei lá até 17h30 quando resolvi ir num restaurante ucraniano que a Ilona tinha recomendado. O KALEJDOSKOPE fica numa passagem subterrânea próxima à estação central. A atendente não é nada simpática e falam mal inglês, mas a comida é muito boa. Comi um tipo de hamburguer de peru, pure de batata e salada. Bebi um suco de não lembro que e a conta ficou PLN 20. Passei no Carrefour da estação central e comprei o café da manhã do dia seguinte. No caminho pra casa achei um mercado que vendia cervejas de micro cervejarias locais e comprei 2: 1 APA e 1 BLONDE ALE (PLN 14 cada). Cheguei em casa, conversei com a Ilona e bebemos as cervejas. Fui tomar banho e dormir 0h. Distância percorrida no dia: 13km 🚶‍♂️ ESCADARIA DA MINA DE SAL IGREJA DA MINA DE SAL RESTAURANTE DA MINA DE SAL CINEMA 3D DA MINA DE SAL 28º dia de viagem: Cracóvia -> Auschwitz-Bikernau -> Cracóvia -> Praga (Quinta-feira, 4 de Outubro de 2018) Acordei 6h e ainda estava escuro. Tomei café e preparei um lanche pra comer mais tarde. Saí às 6h30 e 7h20 estava pegando a van para Auschwitz. Passamos pra pegar mais 4 pessoas e chegamos lá às 9h. Durante a ida o motorista foi nos alertando que aquele lugar de respeito pois muitas pessoas morreram lá. Então ele pediu para não ficarmos tirando “stupid selfies” e ter o máximo de respeito pelas almas que sofreram naquele campo de concentração. Nosso tour começou às 9h30 e nossa guia foi a Anna. Ela ia falando num tom bem triste, porém muito claro e bem explicado. Não vou detalhar aqui o vi lá, mas eu aconselho fortemente pra quem for à Cracóvia visitar o complexo Auschwitz-Birkenau. Terminamos o tour em Auschwitz às 11h e nossa van nos levou até Birkenau, que é 7x maior. Foram só 5 min., mas pra quem for à pé é uma caminhadinha… Depois de mais ou menos 1h30 terminamos o tour em Birkenau. E a van nos levou de volta. Pedi pro motorista me deixar próximo ao museu da FÁBRICA DE OSCAR SCHINDLER e ele me deixou na porta. Comprei o ingresso (PLN 24) mas antes de entrar comi o lanche que tinha preparado no café da manhã. Entrei às 15h. O museu conta a história da fábrica e tem uma mini sala de cinema que mostra relatos de ex-funcionários que sobreviveram ao holocausto. Fala também de toda ocupação nazista na Polônia. Deixei o museu às 16h30 e peguei o tram 3 para voltar ao centro. Fui tomar uma cerveja - adivinhem só no Bulldog pub! Enquanto bebia uma Perla conversava via WhatsApp com um amigo meu do Brasil que conhece bem a Polônia. Ele me sugeriu um restaurante chamado POLSKIE SMAKI, que ficava 300m de onde eu estava. Chegando ao restaurante pedi um PLACKI ZIEMNIACZANE, que são panquecas de batata com um molho tipo bolonhesa. Estava uma delícia! Tomei uma cerveja e a conta deu PLN 24 - preço justíssimo para uma refeição boa e farta. Voltei pra casa e fui chegar às 19h30. Conversei com a Ilona enquanto preparava 2 sanduíches pra minha viagem. Arrumei minhas coisas, tomei banho, me despedi da Ilona e deixei o apto às 20h55. Cheguei no terminal rodoviário às 22h e peguei o ônibus pra Praga às 22h20. FIM DE CRACÓVIA Próximo relato: Praga AUSCHWITZ AUSCHWITZ AUSCHWITZ BIRKENAU BIRKENAU
  10. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de VARSÓVIA. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro PLN - Zloty Polonês Depois de 4 dias em Budapeste (Hungria) segui minha viagem até Varsóvia, na Polônia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada. 22º dia de viagem: Budapeste -> Varsóvia (Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018) Cheguei no aeroporto de Varsóvia às 9h20 e saquei PLN 200 no ATM. Os passes dos transporte público são por tempo, ou seja: vc compra um com um tempo pré definido (15, 30, 45, 75 minutos) e pode pegar quantas conduções quiser nesse tempo. Comprei um de 75 minutos (PLN 4,40), peguei o ônibus 175 e em 30 minutos estava chegando na estação WARSZAWA CENTRALNA. Deixei meu mochilão no LEFT LUGGAGE da estação por PLN 10 (há armários também, mas são mais caros: PLN14 por 24h). Passei num mercado e comprei 1 água e 1 iogurte (PLN 8 )para comer com o resto do pão do meu café da manhã. Peguei o ônibus 160 para a cidade velha (15min). Passei pela SIGISMUND COLUMN, ST. JOHNS CATHEDRAL, IGREJA GRACIOSA MÃE DE DEUS e fiquei dando umas voltas pelas ruas do centro antigo até às 13h30, quando peguei o FREE WALKING TOUR VARSÓVIA NA 2ª GUERRA MUNDIAL. Nossa guia foi a GOSKA e ela contou os horrores que a cidade sofreu durante a guerra e a ocupação nazista. Mais de 80% da cidade foi destruída! Os judeus tiveram seu dinheiro confiscado e foram para os guetos que tinha a densidade populacional maior que a ilha de Manhattan. Ela também falou do UPRISING (Levante) contra as tropas nazistas. Esse tour é altamente recomendável! Terminamos por volta das 15h30 no MONUMENTO AO LEVANTE que fica em frente à CATEDRAL DO EXÉRCITO POLONÊS. Voltei para a cidade velha e visitei a ST. ANNE CHURCH. A guia comentou que os jovens costumam se confessar nessa igreja pq os padres de lá não são tão “rígidos”. Voltei para o ponto de ônibus que tinha chegado e ao lado dele tinha uma máquina de bilhetes. Comprei o WEEKEND PASS que vale de sexta a domingo para todos os transportes (ônibus, tram, metro). Paguei PLN 24 e a máquina aceita cartão de crédito. Peguei o ônibus 160 e voltei à estação central. Conversei com a Marta (minha anfitriã) via WhatsApp e combinamos de nos encontrar no HARD ROCK CAFÉ que fica em uma das saídas da estação. Tomei 3 cervejas (PLN 42) esperando e assim que ela chegou fomos pegar minha mochila no left luggage. Chegamos no apto dela, deixei minhas coisas e já saímos para um bar chamado SAME KRAFTY. Tomei várias cervejas artesanais e comemos uma pizza (½ fungi, ½ carbonara) que estava simplesmente deliciosa! A conta deu PLN 98 e deixamos o bar por volta das 23h30. De volta ao apto, tomei um banho e fui dormir. Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️ SIGISMUND COLUMN MONUMENTO AO LEVANTE IGREJA GRACIOSA MÃE DE DEUS 23º dia de viagem: Varsóvia (Sábado, 29 de Setembro de 2018) Acordei 9h e a Marta tinha feito um café da manhã delicioso! Pão, um excelente patê de CHRZAN (uma raiz forte, que lembra wasabi), omelete e chá. Às 10h estava no centro para pegar o FREE WALKING TOUR OLD TOWN. O tour foi bem legal e a guia foi a Goska, mesma do dia anterior. No tour conheci o Júlio, um brasileiro que mora em Praga e estava passando o final de semana em Varsóvia. O tour terminou por volta das 12h30 e eu e o Júlio fomos almoçar no ZAPIECEK. Esse restaurante é especializado em comidas típicas polonesas. E, apesar de estar num ponto bem turístico, tem preços justos. Pedimos 2 pratos de PIEROGI (um frito e outro cozido) e tomamos 1 chopp (500ml) cada. A comida estava excelente (pierogi é um dos pratos mais tradicionais da Polônia e é uma delícia) e o chopp igualmente bom. A conta deu PLN 35 pra cada. Comentei com o Júlio que naquela noite eu e a Marta iríamos fazer um bate-volta numa cidade ali perto chamada LODZ. Iria ter o LIGHT MOVE FESTIVAL , um festival de luzes que acontece lá 1 vez ao ano. Ele acessou a internet pelo celular e conseguiu comprar as passagens para ir com a gente. Depois do almoço fui sozinho para o ESTÁDIO NACIONAL. Peguei ônibus 111 e depois de um momento achei que estava indo pro lado contrário. Desci do ônibus e notei que estava indo pro lado certo. Daí eu vi no Google Maps que estava próximo ao CHOPIN MUSEUM e decidir ir pra lá. O museu fica num prédio muito bonito e ornamentado (entrada PLN 22). As exposições são bem interativas e é possível conhecer a vida e a obra de Chopin. Voltei para o apto e me encontrei com a Marta. De lá fomos até a estação Warszawa Młociny pegar o Flix Bus (USD 6, somente ida, comprado antecipadamente, via site). A volta iríamos fazer de trem. Encontramos com o Júlio na estação e seguimos viagem. ***Dica: É cobrada uma taxa de USD 2 por compra no site da Flix Bus. Se vc já tiver seu itinerário completo, compensa comprar todas as passagens de uma vez. Assim será cobrado apenas uma vez a taxa. Chegamos em Lodz (se pronuncia “woodz”) por volta das 19h e o centro da cidade estava com a luzes apagadas. Em alguns prédios eram projetados animações cheias de cor e movimento. Havia MUITA gente na rua e a maioria delas com algum tipo de coisa “piscante” (colar, chifres de unicórnio e de diabo, braceletes, etc). Comi um pão com patê e picles de uma barraca na rua (PLN 5) e paramos no bar pra tomar uma cerveja (PLN 12). Passamos por um parque para ver uma apresentação de luzes sobre um lago. As luzes eram sincronizadas com músicas e uma fumaça artificial dava um efeito legal por cima do água. Vale MUITO a pena conhecer esse festival. Caso esteja em Varsóvia nessa época do ano, reserve uma noite pra ir até Lodz. Vc não vai se arrepender. Pegamos o trem de volta à Varsóvia às 23h. Fomos chegar por volta das 1h30. Chegamos no apto às 2h e fui dormir Distância percorrida no dia: 18km 🚶‍♂️ OLD TOWN CHOPIN MUSEUM LODZ - LIGHT MOVE FESTIVAL LODZ - LIGHT MOVE FESTIVAL 24º dia de viagem: Varsóvia (Doming, 30 de Setembro de 2018) Acordei 8h30 e tomei café da manhã com a Marta (panquecas e chá). Fui para o UPRISING MUSEUM e tinha combinado de encontrar com o Júlio lá. Para chegar lá peguei um tram e um ônibus e assim que cheguei vi um monte de policiais em frente ao museu. A entrada estava fechada e iria reabrir só de tarde. Não consegui saber o que estava acontecendo mas acho que alguém muito importante estava visitando o museu e, por motivo de segurança, fecharam a entrada. Nessa confusão toda me desencontrei com o Julio. Consegui achar um sinal de wifi aberto e falei com ele. Ele estava na estação Rondo Daszyńskiego e fui encontrá-lo lá. Decidimos então ir visitar o KATYN MUSEUM. Pegamos um tram e descemos na estação Dworzec Gdański. Caminhamos por uns 10 minutos e chegamos ao museu. O Katyn Museum foi criado em homenagem a centenas de milhares de oficiais poloneses que foram mortos em várias cidades diferentes durante os tempos de guerra. Há vários pertences das vítimas: pentes de cabelo, escova de dente, sapatos, jogos de xadrez e dominó, etc. Vale a visita pra quem curte essa parte da história. A entrada é gratuita e o audio-guia custa PLN 10. Pegamos o tram de volta ao Uprising Museum. Antes de entrar, passamos no mercado para comprar algo pra comer. Peguei 1 sanduíche, 1 coca e 1 chocolate Mars (PLN 13). Paramos num pequeno parque, comemos e seguimos para o museu. Quando chegamos lá a fila estava GIGANTE. Aos domingos a entrada é gratuita mas mesmo assim tem que ir até o caixa para retirar o ticket de entrada. Depois de 45 minutos de espera enfim conseguimos entrar (já era 14h30). O museu é incrível e tem 4 andares (subsolo, térreo, mezanino e 2º andar). Tem uma sala de cinema 3D com capacidade para 24 pessoas e o filme é um vôo sobre Varsóvia totalmente destruída após a II Guerra. Tem outra sala de exibição mostrando filmagens reais da cidade durante a ocupação naxista. No meio do museu há uma réplica de um avião LIBERATOR B-24J e réplicas dos túneis de esgoto usados como rota de fuga pelos judeus perseguidos pelo exército nazista. Esse museu é visita OBRIGATÓRIA pra quem passa por Varsóvia. Fomos sair de lá era mais de 17h. Entramos em contato com a Marta que nos sugeriu um restaurante chamado KRAKEN RUM BAR. Chegamos lá e eu pedi camarão com linguiça e baguette, pra tomar 1 chopp 500ml (PLN 40). Estava muito bom. De lá fomos encontrar com a Marta num bar chamado JABEERWOCKY. Havia vários tipos de cerveja e a média de preço era PLN 13 (copo com 500ml). Assistimos ao jogo final da Liga Mundial de Volêi e vimos o Brasil ser MASSACRADO pela Polônia por 3x0. Havia alguns torcedores no bar vibrando como nós brasileiros vibramos com o futebol. Cada ponto era equivalente a um grito de “gol” nosso. Dureza… Deixamos esse bar e passamos em outro, o PIJALNIA WODKI I PIWA que é um bar retrô da era comunista. É bem interessante e vale a pena conhecer, principalmente para experimentar os shots. A Marta nos pagou um shot de vodka de sabor que estava uma delícia. Tomei mais uma cerveja (PLN 8 e fomos embora. Pegamos o último metrô das 0h15. Chegamos de volta, arrumei minhas coisas e fui dormir 1h30. Distância percorrida no dia: 17km 🚶‍♂️ UPRISING MUSEUM 25º dia de viagem: Varsóvia - Cracóvia (Segunda-feira, 1 de Outubro de 2018) Acordamos as 7h20 e 7h45 estávamos deixando o apto. A Marta foi comigo até a estação central (ela iria pegar um trem tb). Me despedi dela e fui comprar meu café da manhã: 1 sanduíche de salame, 1 donut de marmelada e 1 iogurte (PLN 14). Tomei o café da manhã na plataforma esperando o trem, que partiu pra Cracóvia às 8h45 FIM DE VARSÓVIA Próximo relato: Cracóvia
  11. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de BUDAPESTE. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro RSD - Dinar Sérvio HUF - Forint Húngaro Depois de 3 dias em Belgrado (Sérvia) segui minha viagem até Budapeste, na Hungria. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada. 18º dia de viagem: Belgrado -> Budapeste (Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018) Cheguei na estação de Budapeste Népliget às 14h. Fui procurar um locker e algum lugar para trocar euros por forint. A cotação na estação estava muito ruim EUR 1 = HUF 280 então resolvi sacar HUF 15.000 num ATM no subsolo da estação. No mesmo subsolo há lockers mas tem que ser pago com moedas e a quantidade tem que ser exata (não volta troco). Troquei HUF 1000 em moedas e paguei HUF 800 pra deixar meu mochilão no locker. Há uma estação de metrô em Napliget e lá comprei um ticket válido por 72 horas (HUF 4.125). Não há catracas pra acessar o metrô mas sempre tem fiscais conferindo o ticket antes de chegar nas plataformas. Fui até o centro e dei uma volta até chegar a BASÍLICA DE ST. STEPHEN, mas ela estava fechada pois haveria um concerto lá dentro (HUF 3500 a entrada). Caminhei mais um pouco e passei no supermercado pra comprar o café da manhã do dia seguinte e 2 cervejas (HUF 1300). Fui até a estação de FERENCVAROS pra pegar o trem até DUNAHARASZTI, que uma outra cidade, aproximadamente 20km de distância. A família que iria me hospedar (via Couchsurfing) morava lá. As informações de trens na estação de Ferencvaros são bem confusas e está tudo em húngaro. Perguntei para uma moça qual era a minha plataforma e ela me indicou. O trem que teria que pegar era o S25. Às 18h29 chega meu trem. Entrei nele, sem problemas. Foi quando eu acessei o google maps no celular e vi que tinha pegado para o sentido contrário. Quando me dei conta estava chegando na estação final e esperei lá até às 19h21 para pegá-lo de volta. Fui chegar à estação de Dunaharaszti 20h. Por uma incrível coincidência o Georg (meu anfitrião) estava passando de carro ali por perto e resolveu ir até a estação. E foi coincidência mesmo: não havia combinado com ele nada! Entrei no carro e conheci a Blanka, sua filha mais nova. Chegamos à casa deles e tomei uma sopa de abóbora que estava boa, porém um pouco doce. Em seguida chegou a Kata, esposa do Georg, que nos serviu um tipo de arroz de forno com carne e beterraba. Muito bom tb, mas de novo um pouco doce… Conversei bastante com o casal e conheci a Bori, a filha do meio. Tomei banho e fui dormir por volta das 0h30 Distância percorrida no dia: 13km 🚶‍♂️ BASÍLICA DE ST. STEPHEN BASÍLICA DE ST. STEPHEN ESTAÇÃO DE FERENCVAROS 19º dia de viagem: Budapeste (Terça-feira, 25 de Setembro de 2018) Acordei 8h, tomei café e deixei a casa às 8h40 e caminhei por 1km até a estação de trem. Fui chegar ao centro por volta das 10h e voltei até a Basílica de St. Stephen e dessa vez consegui entrar. O interior é maravilhoso e vale muito a pena conhecer. Peguei o FREE WALKING TOUR das 10h30 que saía de frente à Basílica e nosso guia foi o SZABI. Passamos pela Elizabeth Square, Chain Bridge, Buda Castle que fica em cima de um morro (subimos pela escada e foi super tranquilo (uns 5 minutos) e o funicular custa HUF 1500). Lá em cima vimos a residência do presidente e a troca da guarda. Terminamos o tour na MATHIAS CHURCH que fica ao lado do FISHERMAN’S BASTION. Entrei na Mathias Church (HUF 1500). Ela é bem bonita e tem um pequeno museu. Há um busto da Rainha Elizabeth (sim… ela era xará da outra, da Inglaterra) que também era conhecida como Sissi e uma réplica da coroa com a cruz torta (no Free Walking tour o guia explica o pq da cruz torta na coroa). O Fisherman’s Bastion é um mirante que tem uma vista linda para o lado “Peste”. O lugar rende boas fotos! Pra voltar de lá peguei o ônibus 16 e desci no início da Chain Bridge. Peguei um tram até a COLINA GALLERT. Subi até o monumento de Gallert (não fui até o topo), tirei umas fotos lá de cima e voltei. Voltei para o lado “Peste” pela ELIZABETH BRIDGE e peguei o tram 2 até o PARLAMENTO HÚNGARO. O prédio é muito bonito e foi inspirado no Parlamento Britânico (impossível não notar a semelhança). Fui ver os horários dos tours no parlamento mas os em inglês e espanhol já estavam esgotados. Acessei o wifi de la e vi que os tours para esses idiomas já tinham se esgotados para os próximos 2 dias! ***Dica: Agende com antecedência os tour para conhecer o Parlamento Húngaro. Os idiomas mais concorridos são inglês e espanhol e esgotam rápido. Há também tours em alemão, italiano, francês, russo, etc. Mas esses não são tão frequentes. Acesse aqui para saber mais: https://www.jegymester.hu/eng/Production/480000/Parliament-visit Voltei para o centro caminhando pelo leito do rio Danúbio e passei pelo monumento “SHOES ON THE DANUBE” que é uma homenagem aos judeus que foram mortos à beira do rio. Parei pra comer num restaurante/lanchonete chamado MARKET BUDAPEST. Pedi 1 hamburger com chilli e 1 cerveja (HUF 2200). Tanto o lanche quanto a cerveja estavam excelentes! Depois de comer passei pela SINAGOGA DE BUDAPESTE que é a 2ª maior do mundo (a 1ª é a de NY). Ela estava fechada devido a um feriado judeu mas via que pra entrar tem que pagar HUF 6000! Ali perto está o RUIN PUB mais famoso da cidade: o SZIMPLA KERT. O lugar é bem “descolado” mas cheio de turistas. Tomei uma cerveja SOPRONI (500ml por HUF 700). O bar aceita EUR mas a cotação é péssima. Voltei pra casa e fui chegar por volta das 20h. A Kata tinha ido a um açougue local e comprou umas linguiças e embutidos típicos da Hungria. Um deles era um embutido feito de intestino e outras partes menos “nobres” da vaca. Comi todos com um pedaço de pão e gostei de tudo. Fiquei conversando com o Georg e a Kata até umas 0h30, quando fui tomar banho e dormir. Distância percorrida no dia: 25km 🚶‍♂️ MATHIAS CHURCH MATHIAS CHURCH MATHIAS CHURCH PARLAMENTO HÚNGARO BANDEIRA EM FRENTE AO PARLAMENTO HÚNGARO SHOES ON THE DANUBE 20º dia de viagem: Budapeste (Quarta-feira, 26 de Setembro de 2018) Acordei 8h10, tomei café e fui para a HEROES SQUARE. Lá tem um monumento que na base tem 7 cavaleiros representando as 7 tribos que formaram a Hungria. Próximo dali está PARQUE VAROSLIGET ou “City Park”. Nele há o CASTELO VAJDAHUNYAD que foi construído para a EXPO 1896 e ao redor dele há outras construções além da ANONYMUS SZOBOR ou Estátua de Anonymus. O parque tem um imenso gramado e muitas árvores: lugar perfeito pra fazer um picnic! Nesse mesmo parque encontra-se o BALNEÁRIO SZÉCHENYI. Nele tem o BEER SPA, onde fica numa banheira com água quente e vão adicionando os ingredientes da cerveja. Ao seu lado tem uma chopeira e vc pode se servir de cerveja à vontade por 45 minutos (EUR 30). Apesar da vontade resolvi não ir e segui caminho de volta ao centro. Fui até a estação Hősök Tere e peguei linha 1, que é uma das mais antigas do mundo. Desci na estação Vörösmarty utca e fui para o HOUSE OF TERROR (HUF 3500), que é um museu que fala sobre as atrocidades sofridas pelas pessoas que iam contra o regime comunista. São 3 andares repletos de vídeos (algumas imagens são bem fortes), itens e textos. Paguei HUF 1500 para pegar um áudio guia em inglês. No subsolo tem uns lugares onde as pessoas eram torturadas e presas - o lugar é bem aterrorizante. Deixei o museu e segui caminhando pela ANDRASSY UT também conhecida como a “Champs-Elysées Húngara”. Cheguei até a ÓPERA DE BUDAPESTE mas ela estava em reforma. Mesmo assim, resolvi pagar pra conhecê-la por dentro (HUF 2500). Na hora de comprar o bilhete me informaram que, devido à reforma, não era possível acessar o salão principal. Visitamos apenas as antessalas (salas de espera, locais onde as pessoas iam fumar, etc…). O tour levou apenas 20 minutos e no final teve uma pequena apresentação de ópera improvisada nas escadarias de acesso ao salão principal. Foram mais uns 15 minutos de apresentação de um homem e uma mulher. Apesar de ser improvisado eu gostei bastante. Deixei a ópera e segui caminhando até um lugar chamado RETRO LANGOS BUFET. “Langos” é uma comida típica húngara que parece uma “mini-pizza”: uma massa frita arredondada com vários tipos de recheio. Pedi um de sour cream, queijo, cebola e linguiça húngara (HUF 950) e tomei uma cerveja SOPRONI 500ml (HUF 450). Estava uma delícia e vale experimentar! Ao lado tinha a estação de Arany János utca e de lá fui até a estação Lehel tér. Caminhei uns 10 minutos até chegar no FLIPPERMUZEUM (http://www.flippermuzeum.hu/en/ ), que é um lugar cheio de máquinas de fliperama, sendo mais de 90% de pinball. São mais de 130 máquinas pra vc jogar à vontade por HUF 3000. Joguei os pinball do “De Volta para o Futuro”, “Indiana Jones”, “Attack from Mars” e a minha favorita: “White Water”. Também tinha os clássicos do arcade: Double Dragon e X-Men. Vale muito a pena conhecer, se vc gostar de fliperama é claro. Fiquei lá por 2h e meia mas parecia que tinha passado apenas 15 minutos. Deixei o Flipper Muzeum por volta das 18h30 fui novamente ao Simpla Kert, dessa vez encontrar uns couchsurfers que tinham feito contato comigo via site. Ficamos bebendo e conversando até umas 22h quando resolvi voltar pra casa. Cheguei na estação de Ferencvaros e perdi meu trem por 2 minutos! Fui para uma loja de conveniência ali perto e tomei 2 cervejas e comi um amendoim (HUF 1000) esperando o próximo trem. Fui pegar o trem das 23h30 e cheguei em casa mais de meia-noite. Tomei banho e fui dormir. Distância percorrida no dia: 22km 🚶‍♂️ PARQUE VAROSLIGET PARQUE VAROSLIGET LANGOS FLIPPERMUZEUM 21º dia de viagem: Budapeste (Quinta-feira, 27 de Setembro de 2018) Acordei às 8h10, tomei café e vi que a Kata tinha deixado pra mim um chocolate húngaro chamado Túró Rudi. Trata-se de um tradicional doce daquelas bandas mas tem um gosto bem esquisito: pq tem queijo cottage. Não curti muito não, mas quem for pra lá tem que experimentar. Fui para o centro e saquei mais HUF 5000 (o Banco do Brasil cobra uma taxa de HUF 920 por saque!). Peguei o tram 2 e desci no ponto final que fica na Margaret Bridge. Essa ponte dá acesso à MARGARET ISLAND. Caminhei por toda a ilha e passei pelo MINI ZOO, TEATRO A CEU ABERTO, JARDIM DAS ROSAS e JARDIM JAPONÊS. O dia estava ensolarado então foi tudo tranquilo. Mas aconselho evitar o local em dia de chuva. Há uma linha de ônibus que passa pela ilha. Peguei o ônibus no final e voltei por onde tinha entrado: a Margaret Bridge. ***Dica: Notei que tinha umas bicicletas para alugar assim que cheguei lá na ilha, mas achei que seria desnecessário. Porém a caminhada foi bem extensa (e cansativa!) e talvez se tivesse feito de bike teria ganhando um tempo. Acho que vale a pena alugar uma pra dar um rolê por lá. Peguei novamente o tram 2 em direção ao GRAND MARKET. Esse mercado lembra um pouco o Mercado Municipal de São Paulo. Há várias lojas vendendo frutas, verduras, queijos, embutidos, etc. No andar de cima havia muitas lojas de souvenirs (chaveiros, imãs de geladeira, camisetas). Havia também umas barracas com comidas típicas. Parei no K4 (era esse o número, não lembro o nome) e pedi uma STUFFED CARBAGE. Daí o cara ia montando o prato e perguntando se eu queria um monte de coisa. O bestão aqui foi falando “sim” pra tudo e no final pedi uma cerveja. No final a conta ficou caríssima: HUF 6430! Pior que a comida nem estava tããão boa assim. Mas a quantidade dava para um casal comer tranquilamente. Segui rolando (de tanto comer) para o centro e fui para o FREE COMMUNIST TOUR. O local de partida tb foi em frente a St. Stephen Basilica e começou as 14h30. Nosso guia foi o GABOR e ele explicou muita coisa sobre a era comunista na Hungria. Muita coisa que ele falou eu já tinha visto no Museu of Terror. Passamos por vários pontos da cidade que remetiam ao comunismo: LIBERTY SQUARE, SOVIET MONUMENT, ESTÁTUA DE IMRE NAGY, etc. O tour é muito interessante mas o sono que sentia prejudicou um pouco o rolê. ***Dica: Depois de comer feito um boi, não vá fazer nenhum tipo de atividade que exija concentração. Vc vai morrer de sono. Acredite em mim. Depois do tour fui até o JEWISH QUARTER e passei pelo ruin pub MAZEL TOV. Mas achei “chique” demais - tinha até uma hostess! - e resolvi procurar outro lugar. Parei no ILLEGAL que fica na mesma rua do Szimpla Kert. Tomei 2 cervejas de fabricação própria deles (HUF 580) que estavam muito boas. Passei em outro bar chamado ORDOG KATLAN que fica no centro e tomei uma cerveja DREHER (HUF 490). Por volta das 20h voltei pra casa e no caminho passei no supermercado pra comprar o café da manhã. Chegando em casa a Kata nos serviu um macarrão e 3 tipos de linguiça: 1 de chouriço, outra de fígado e outra “normal”. Comi também uma alcachofra de jerusalém, que dá no quintal da casa deles. Ficamos conversando até umas 23h quando fui tomar banho e depois dormir. EMBUTIDOS Distância percorrida no dia: 28km 🚶‍♂️ 22º dia de viagem: Budapeste -> Varsóvia (Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018) Acordei às 5h45 e às 6h a Kata me levou até o aeroporto. Quando fui fazer o check-in descobri que tinha que ter feito ONLINE e pra fazer no aeroporto iam me cobrar uma taxa de EUR 45! ***Dica: Sempre verifique se há necessidade de fazer o check in online ao menos 24h antes de pegar seu vôo para não ter imprevistos como este. Deixei Budapeste às 8h20, sentido Varsóvia. FIM DE BUDAPESTE Próximo relato: Varsóvia
  12. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: São Paulo - Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de BELGRADO. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro BGN - Lev Búlgaro RSD - Dinar Sérvio Depois de 3 dias em Sofia (Bulgária) segui minha viagem até Belgrado, na Sérvia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada. 15º dia de viagem: Sofia -> Belgrado (Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018) Peguei um vôo de Sofia para Belgrado. Como o vôo levou 1h e a diferença de fuso também era de 1h, então cheguei no mesmo horário que sai: 16h10. Saquei RSD 6.000 num caixa eletrônico e fui para o ponto de ônibus que fica logo do lado de fora do aeroporto, do lado esquerdo. O ônibus que vai para o centro é o 72 e é possível pagar a passagem direto com o motorista. Não anotei o preço, mas deve ter sido algo em torno de RSD 150. Nesse site é possível consultar as rotas de ônibus em Belgrado: www.eway.rs/en/cities/beograd O casal que iria me hospedar morava no bairro de Nova Belgrado e a viagem durou uns 30 minutos. Cheguei no apto e o Madlen estava me esperando. Ele e a esposa Andjela tinham um compromisso naquela noite e ela já estava lá. Tomamos uma cerveja e logo em seguida o Madlen teve que ir. Tomei um banho e fui até o supermercado MAXI. Comprei o café da manhã, o jantar (1 lasanha de microondas) e 4 garrafas de cerveja 500ml. A caixa me avisou que iria cobrar pelo vasilhame das cervejas (eu tinha que ter trazido 4 garrafas vazias) mas se eu trouxesse eles de volta ela devolveria o valor cobrado. Voltei para o apto, comi a lasanha. Depois fiquei bebendo as cervejas e reorganizando minha mochila que estava uma bagunça. Fui dormir 0h30. Distância percorrida no dia: 15km 🚶‍♂️ 16º dia de viagem: Belgrado (Sábado, 22 de Setembro de 2018) Acordei 8h50, tomei café e saí. Passei no supermercado para devolver o vasilhame das cervejas e a caixa me devolveu RSD 75. Peguei o ônibus 65 (RSD 150) para o centro e fui até a REPUBLIC SQUARE, onde às 10h começou o CITY CENTER FREE WALKING TOUR e nossa guia foi a Natália. Passamos por vários locais históricos das cidade e lugares mais turísticos como o BOHEMIAN QUARTER. Quando estávamos próximos ao Zoológico da cidade a guia nos contou a história do chimpanzé SAMY que conseguiu escapar de lá DUAS VEZES. Depois passamos pela BELGRADE FORTRESS e vimos quando o Rio Sava encontra com o Rio Danúbio. Terminamos o tour por volta das 12h30 na HOLY ARCHANGEL MICHAEL CATHEDRAL. Segui para o centro e comi um lanche que tinha feito no café da manhã e tomei 1 coca (RSD 75). Tinha feito contato via o APP do Couchsurfing com a Brianna, uma americana que estava morando na Macedônia e estaria em Belgrado nos mesmos dias que eu. Ela visitava a capital sérvia com mais 2 amigos americanos e eles queriam ir a um estádio ver um jogo do campeonato local. Combinei de encontrar com eles nessa mesma tarde. Mas antes, fui ao MUSEU NACIONAL. O Museu Nacional fica na Republic Square, onde começou o free walking tour. Ele tem várias coisas sobre a Sérvia. Há uma “linha do tempo” que mostra o início das primeiras civilizações que habitaram o país. Há também quadros do MATISSE e MONDRIAN. Vale muito a visita! Saí do museu e fui encontrar a Brianna e seus amigos. Encontrei eles num bar no Boehmian Quarter. A Brianna, o Sam e o Andrew trabalham dando aulas de inglês na Macedônia e tiraram o final de semana pra conhecer a Sérvia. Eles tinham comprado ingressos para o jogo entre Partizan x Estrela Vermelha no dia seguinte. Resolvi ir com eles mas só compraria o ingresso quando chegássemos ao estádio. Conversamos e tomamos algumas cervejas até umas 19h, quando voltei pra casa. Cheguei por volta das 19h50 e a Andjela tinha feito com arroz com frango muito bom. Fiquei conversando com ela e com o Madlen até quase meia-noite, quando fui dormir. Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️ BOHEMIAN QUARTER BELGRADE FORTRESS BELGRADE FORTRESS 17º dia de viagem: Belgrado (Domingo, 23 de Setembro de 2018) Acordei 8h50, me arrumei e deixei o apto. Fui ao supermercado MAXI e comprei meu café da manhã: 1 iogurte, 2 croissants “Seven Days” e 1 chocolate MARS. Comi esperando o ônibus no ponto. Cheguei ao centro e fui até o PARLAMENTO SÉRVIO. É um prédio muito bonito mas não pode entrar nele. Voltei para a Republic Square e acessei o wifi do Museu Nacional. Vi uma mensagem da Brianna falando que ela ia ao MUSEU NIKOLAS TESLA. Vi na internet que o ônibus 27 ia pra lá. Peguei ele e por volta das 11h30 estava na porta do museu. O museu só tem visita guiada e a próxima em inglês seria 12h. Por volta das 11h45 Brianna e seus amigos chegaram e fomos para o tour (RSD 500). Primeiro vimos um filme de aproximadamente 15 minutos sobre a vida de Nikolas Tesla, que foi um defensor do uso da corrente alternada. Ele também criou o motor elétrico por indução. Depois do filme nos mostraram um exemplo de transmissão de energia sem fio. Alguns voluntários seguravam umas lâmpadas fluorescentes e quando ligavam um aparelho as lâmpadas se acendiam rapidamente. Na sequência mostram um experimento com um barco de controle remoto, mas tinha muita gente na minha frente que não consegui ver nada! Após o término desse experimento nos deixaram ver o restante museu. Mas ele é muito pequeno e dá pra ver tudo em 20 minutos. Confesso que fiquei um pouco decepcionado com o museu e esperava mais. Mas como não tem muito o que ver em Belgrado, acho que vale a visita sim. Deixamos o museu por volta das 13h e caminhamos até a Fortaleza de Belgrado. Demos umas voltas por lá e fomos a uma sorveteria chamada CRNA OVCA que fica ali perto. Tomei 1 bola de limão com manjericão e 1 bola de café (RSD 270). ***Dica: Quando forem à Belgrado, não deixem de experimentar o sorvete da CRNA OVCA ("Ovelha Negra", em português). É delicioso! Seguimos caminhando pela cidade até voltar ao Boehmian Quarter onde fomos almoçar. Paramos num restaurante na simpática SKADARSKA STREET. Comi um cheeseburger e tomei 2 chopps (RSD 1100). De lá pegamos um taxi até o albergue que os americanos estavam ficando. Passei num mercado e comprei uma cerveja de 2 litros (RSD 180) e ficamos tomando no quintal dos fundos do albergue. Por volta das 17h pegamos um táxi para o PARTIZAN STADIUM ver o clássico local. Havia um bloqueio policial impedindo o acesso às bilheterias. Esperamos uns 10 minutos e liberaram o acesso. Fiquei uns 5 minutos na fila e já consegui comprar meu ingresso (RSD 1500). Tomamos mais uma cerveja e seguimos para ver o jogo. ***Dica: Havia uma severa revista nos torcedores antes de entrar no estádio. Os policiais estavam confiscando TUDO que poderia ser arremessado no gramado: de isqueiros até moedas. Portanto se for ver algum jogo de futebol em Belgrado certifique-se que não tenha nada de valor nos bolsos que, dependendo do que for, pode ser confiscado. Não levei a minha máquina fotográfica e tirei as fotos do meu celular. Sentamos na arquibancada lateral e as torcidas organizadas (tanto do Partizan quanto do Estrela Vermelha) estavam atrás dos gols. As torcidas acendiam sinalizadores e por alguns momentos era impossível enxergar o campo devido à fumaça. O jogo terminou 1x1 e foi muito legal sentir o clima de um clássico do futebol sérvio. Apesar da rivalidade entre as duas equipes, foi bem tranquila a chegada e saída do estádio. Depois do jogo paramos num bar nos arredores. Tomei um chopp (RSD 210) e usei o wifi do bar para achar um ônibus que me levasse de volta pra casa. Me despedi dos americanos e segui até o ponto de ônibus. Esperei uns 20 minutos e o ônibus me deixou à umas 5 quadras do meu apto. Cheguei por volta das 22h e conversei com o Madlen e a Andjela até umas 0h30, quando fui dormir. Distância percorrida no dia: 23km 🚶‍♂️ PARLAMENTO SÉRVIO MUSEU NIKOLAS TESLA PARTIZAN STADIUM 18º dia de viagem: Belgrado -> Budapeste (Segunda-feira, 24 de Setembro de 2018) Meu ônibus para Budapeste sairia da Estação Central às 8h. Acordei 6h30, tomei café e arrumei minhas coisas. Me despedi do Madlen, Andjela e Irina (linda filha de 2 anos do casal) e deixei o apto às 7h. Fiquei no ponto de ônibus esperando o 65 (ônibus que me deixaria próximo a rodoviária) até 7h30 quando decidi pegar um taxi. Assim que eu parei o taxi uma mulher que também estava no ponto pediu para ir junto. Disse OK e entramos. Depois de uns 5 quarteirões a mulher pediu pra descer e não deixou sequer uma parte da corrida paga! Filha da p****!!! Cheguei na rodoviária às 7h45 e a corrida deu RSD 500. Só tinha RSD 150, que era o dinheiro que tinha reservado pra pagar a passagem de ônibus até a rodoviária já que eu estava deixando o país. Perguntei se eu podia pagar com EUROS e o motorista disse que sim. Dei EUR 10 (aproximadamente RSD 1200) e o motorista me devolveu RSD 500 de troco. Assim que entrei na rodoviária fui informado que teria que pagar RSD 180 de TAXA DE EMBARQUE e ter acesso à plataforma do ônibus. Depois tive que pagar mais RSD 100 pela minha bagagem. ***Dica: Eu sei que é ruim deixar um país com um valor considerável de sua moeda, mas sempre deixe uma quantia para eventuais imprevistos. Não fosse o troco do taxista eu não sei o que faria para pagar as taxas de embarque e de bagagem… O ônibus saiu às 8h em ponto e se eu não tivesse pegado o táxi, teria perdido. Por volta das 10h40 chegamos à fronteira com a Hungria. Um oficial entrou no ônibus e pegou os passaportes. Depois ele nos devolveu carimbados com a saída da Sérvia. O ônibus andou um pouco e dessa vez tivemos que sair para passar pelo controle de entrada da Hungria. Por volta das 11h40 seguimos viagem. Ao meio-dia paramos num restaurante na beira da estrada. As refeições eram cobradas em EURO e um omelete custava EUR 4. Para usar o banheiro cobravam RSD 50. Comi uns chocolates que tinha comprado durante a viagem e tomei um suco de caixinha que nos deram no ônibus. Voltamos pra estrada umas 12h30. Cheguei em Budapeste por volta das 14h. FIM DE BELGRADO Próximo relato: Budapeste
  13. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafés e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de SOFIA. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro RON - Leu Romeno BGN - Lev Búlgaro Depois de 3 dias em Bucareste (Romênia) segui minha viagem até Sofia, na Bulgária. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada. 12º dia de viagem: Bucareste -> Sofia (Terça-feira, 18 de Setembro de 2018) Por volta das 23h30 meu ônibus Flixbus (USD 12,70) estava deixando Bucareste com destino à Sofia, capital da Bulgária. O ônibus não é NADA confortável e foi muito difícil dormir nele. Ao menos o wifi funcionava razoavelmente bem. Por volta das 2h o ônibus parou na fronteira mas nem precisamos descer: pegaram nossos passaportes, deram saída da Romênia e entrada na Bulgária e depois nos devolveram. Distância percorrida no dia: 20km 🚶‍♂️ 13º dia de viagem: Sofia (Quarta-feira, 20 de Setembro de 2018) Por volta das 6h30 estava chegando em Sofia. A estação principal fica ao lado da estação de chegada do ônibus da Flixbus. Entre as duas estações há um banheiro (BGN 0,6) e uma casa de câmbio. Dentro da estação central há também uma casa de câmbio, mas a cotação estava pior do que a do lado de fora. Fui no câmbio de fora e troquei RON 40 (peguei BGN 16,50) e EUR 50(BGN 95). Comi na estação central um salgado (BGN 1,30) e tomei 1 capuccino e 1 mocaccino numa máquina automática (BGN 0,6 cada). No subsolo da estação há um LEFT LUGGAGE e deixei minha mochila lá por BGN 2. Deixei a estação às 8h15 e fui caminhando até o centro. Depois de uns 30 minutos de caminhada passei pela estátua de SAINT SOFIA. Pouco á frente cheguei até o PALÁCIO DA JUSTIÇA. Ao lado fica a CATEDRAL DE SVETA-NEDELYA. Entrei nela e estava tendo uma missa com um canto gregoriano (?) muito bonito. Tirei umas fotos e saí. Segui caminhando pelo centro e passei pela IGREJA DE SÃO NICOLAS. Andei mais um pouco e voltei para o Palácio da Justiça, onde iria começar o FREE WALKING TOUR. Quem conduziu o tour foi o KRIS e ele foi um dos melhores guias que eu encontrei em toda a minha viagem. Passamos por umas ruínas romanas encontradas na escavação da estação de metro SERDIKA. Ali perto está também a PRAÇA DA TOLERÂNCIA, que tem esse nome pq fica próxima a 1 igreja ortodoxa, 1 igreja católica, 1 sinagoga e 1 mesquita. Passamos por vários outros lugares históricos.Terminamos o tour da Igreja de SANTA SOFIA que dá o nome a cidade. Depois do tour fui até o Centro de Informação Turística que fica passagem subterrânea da estação SOFIA UNIVERSITY. Peguei uns mapas da cidade e o rapaz que me atendeu escreveu um bilhete em búlgaro para me auxiliar a comprar o SOFIA CARD, que é o cartão de transporte. O guichê de compra do cartão fica ao lado do centro de informação turística. Comprei o cartão válido por 3 dias e paguei BGN 12. Ali perto da estação fica o KNYAZHESKA GARDEN onde tem o MONUMENTO AO EXÉRCITO SOVIÉTICO. Do outro lado do parque está o ESTÁDIO NACIONAL VASIL LEVSKI. Não há nenhum tour, museu ou centro de informação. Pedi para alguns guardas para entrar e tirar umas fotos mas nenhum deles deixou. Voltei para a estação Sofia University e peguei o metrô até Serdika. Fui até um supermercado chamado BILLA e comprei 1 sanduíche de salame e verduras, 1 pacote com 3 chocolates Mars e 1 cerveja DAMBURGER (BGN 5,20). Fiz meu almoço num banco em frente ao supermercado e por volta das 14h fui até o MUSEU DE HISTÓRIA REGIONAL. Para entrar custa BGN 8 e se quiser tirar foto tem que pagar mais BGN 15. Só paguei a entrada e deixei minha mochila num armário de lá. O museu fala como a cidade de Sofia foi formada e tem algumas peças da civilização que viveu lá há muitos anos. Deixei esse museu e fui para outro: o MUSEU DE ARQUEOLOGIA. Lá tem várias peças de quando a Bulgária fazia parte do Império Romano e de até muito antes disso. Vi jarros, estátuas, potes, jóias, espadas, esculturas, etc. Saí do museu e fui descansar um pouco no CITY GARDEN, que é um parque que fica em frente ao TEATRO IVAN VASOV. Fui para a estação central e peguei a minha mochila. Voltei para o Palácio da Justiça e atrás dele fica um ponto de bondes. Peguei o tram 5 que ia para a casa do Slavi, meu anfitrião em Sofia. Fui acompanhando o caminho do tram no Google Maps do celular. Um rapaz ao meu lado percebeu que eu não era de lá e disse que me avisaria quando chegasse a estação que eu deveria descer. Desci na estação certa e agradeci o rapaz. Fui chegar no apto do Slavi por volta das 19h. Ele me apresentou sua esposa, a Maria que nos serviu um delicioso jantar: feijão branco, almôndegas, pão, antepasto de pimentão, azeitonas e queijo branco. Depois de comer fomos num bar ali perto. Tomamos umas cervejas, conversamos bastante e voltamos. Tomei banho e fui dormir por volta das 23h. Distância percorrida no dia: 27km 🚶‍♂️ SAINT SOFIA CATEDRAL DE SVETA-NEDELYA MONUMENTO AO EXÉRCITO SOVIÉTICO 14º dia de viagem: Sofia (Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018) Acordei 8h50 e por volta das 9h estava saindo em direção ao centro. Resolvi visitar com calma os lugares que eu havia passado com o Free Walking Tour do dia anterior. Primeiro fui até a MESQUITA BANYA BASHI, que é bonita mas como havia passado por várias outras em Istanbul não me chamou muito a atenção. Depois fui SINAGOGA DE SOFIA. Para entrar há um guarda que faz uma revista nas bolsas e mochilas e é cobrado BGN 4. A sinagoga é muito bonita mas estava em reforma então tinha muita coisa coberta. Saí da sinagoga e fui para a ST. GEORGI ROTUNDA CHURCH que é a igreja católica mais antiga de Sofia. Depois fui até o teatro Ivan Vasov mas estava fechado. Caminhei até a CATEDRAL DE ST. ALEXANDER, que é a 2ª maior catedral ortodoxa dos Balcãs e uma das 5 maiores do mundo. Nela cabem até 10.000 durante a missa. A entrada é gratuita, porém tem que pagar BGN 10 para tirar foto. A catedral é muito bonita e imponente. Ali perto está a Igreja de Santa Sofia que não é tão grande, mas é bonita. Sob a igreja há um museu arqueológico. Depois fui até um supermercado BILLA que fica na passagem subterrânea da estação Sofia University e comprei 1 salgado de salsicha, 2 waffles tipo “bis” e 1 cerveja ASTIKA. A conta toda ficou em apenas BGN 1,78! Fiz meu lanche numa mesa do McDonald’s que tem ao lado do supermercado. Peguei o metrô até a estação DIMITROV e fui até o MUSEU DE ARTE SOCIALISTA. Caminhei uns 10 minutos e o museu fica meio escondido, ao lado de um prédio comercial com um café no térreo. O museu (entrada é BGN 6) tem 3 partes: um jardim com estátuas de líderes socialistas ao céu aberto, uma pequena sala de exibição que passa 2 filmes (aprox. 15 min. cada) sobre as conquistas e desenvolvimento do socialismo na Bulgária. A 3ª parte é uma sala que exibe vários pôsteres de propaganda socialista e outros eventos ligados como: A queda do muro de Berlin, Primavera de Praga, fim da I Guerra Mundial, etc. Eu gostei muito desse museu e recomendo a visita! Voltei ao centro e fui até o Palácio da Justiça pegar o COMMUNIST TOUR que saiu às 16h. Nosso guia foi o VASIL (ou VASCO) e ele foi muito bom! Explicou muita coisa sobre a era comunista da Bulgária, desde a arquitetura dos prédios e as manobras que o governo fazia para manter a população longe das igrejas. Os principais líderes comunistas foram GEORGI DIMITROV e THEODORE JIVKOV. O tour terminou por volta das 19h30 no belíssimo PARQUE PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA. ***Nota: Como o nome diz, os Free Walking Tours são gratuitos e vc não tem obrigação nenhuma de dar a gorjeta no final. No entanto, a maioria dos guias depende exclusivamente dessa atividade para viver. Eu costumo dar de gorjeta algo em torno de EUR 10 (ou esse valor convertido na moeda local). Mas isso, claro, vai de cada um. Caminhei pela VITOSHA BULEVARD até o ponto de tram atrás do Palácio da Justiça. No caminho peguei uma fatia de pizza de pepperoni no GRAB N’ GO (BGN 2,20). Cheguei em casa e conversei um pouco com o Slavi. Saí para comprar umas cervejas e uns salgadinhos para assistirmos o jogo entre LUDOGORETZ (time da Bulgária e tem vários jogadores brasileiros) x Bayern Leverkusen. Assistimos ao jogo que terminou Ludogoretz 2 x 3 B. Leverkusen. Antes de dormir me despedi do Slavi pois eu iria partir no dia seguinte e não iria mais ver ele. Distância percorrida no dia: 21km 🚶‍♂️ CATEDRAL DE ST. ALEXANDER CATEDRAL DE ST. ALEXANDER MUSEU DE ARTE SOCIALISTA 15º dia de viagem: Sofia -> Belgrado (Sexta-feira, 21 de Setembro de 2018) Acordei as 8h50 e as 9h30 estava deixando a casa do Slavi e da Maria. Como meu vôo para Belgrado era só às 16h, fui até a estação central e deixei minha mochila mais uma vez no guarda-volumes. Peguei o metrô até o PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA (a estação se chama NDK). A entrada é pelo lado esquerdo do prédio mas só tem acesso à bilheteria. Até pedi para ver como era o prédio por dentro mas não deixaram. Caminhei pela parque em frente (onde terminou o Communist tour do dia anterior) e voltei à Vitosha Bulevard. Peguei uma fatia de pizza (BGN 2,20) e comprei uma cerveja num supermercado na rua paralela (BGN 1,20). Enquanto fazia meu almoço um bêbado veio falar comigo. Apesar de não falar coisa com coisa, ele mandava muito bem inglês. Por volta das 13h voltei para a estação, passei no supermercado BILLA e comprei uns chocolates (BGN 2,50) e às 13h30 estava pegando o metrô para o aeroporto. A viagem do centro ao aeroporto leva uns 45 minutos e fui chegar lá 14h15. Fiz check-in e 16h10 estava decolando sentido Belgrado. FIM DE SOFIA Próximo relato: Belgrado PALÁCIO NACIONAL DA CULTURA
  14. Entre Setembro e Outubro de 2018 viajei para a Turquia, Balcãs e Europa Central. Meu roteiro foi esse: Goreme - Istambul - Bucareste - Sófia - Belgrado - Budapeste - Varsóvia - Cracóvia - Praga. ***DICA IMPORTANTE: Levei o meu celular e usei MUITO o Google Maps. Mesmo sem um chip local, eu consegui internet em quase todos os lugares usando redes wifi abertas. Além dos bares, cafes e restaurantes, muitos transportes públicos também oferecem esse serviço. Uma vez que vc acessa o Google Maps estando online, ele carrega o mapa da região. Depois, mesmo OFFLINE, é possível ver sua localização no mapa e achar os lugares que procura. Farei o relato de toda viagem, mas em partes. Neste falarei de BUCARESTE. LEGENDA USD - Dólar Americano EUR - Euro BRL - Real Brasileiro TRY - Lira Turca RON - Leu Romeno Depois de 5 dias na fantástica cidade de Istanbul, segui minha viagem até Bucareste na Romênia. Lá eu fiquei no esquema Couchsurfing então nesse relato não há nenhuma dica ou avaliação de hostel, hotel ou pousada. 9º dia de viagem: Istanbul -> Bucareste (Domingo, 16 de Setembro de 2018) Acordei as 7h, tomei café, arrumei minhas malas e me despedi do Emre, meu anfitrião em Istanbul. Fui até a Taksim Square e lá eu peguei o HAVABUS (14TRY) das 8h e por volta das 8h40 estava chegando ao aeroporto de ATATURK. ***Dica: o Havabus não sai EXATAMENTE da Taksim Square, mas de um ponto há umas 3 quadras de lá. Mas se vc perguntar em qualquer hotel ao redor da praça vão saber te indicar o ponto. Meu avião decolou às 10h40 e 11h40 estava chegando e, Bucareste. Peguei minha mochila e fui consultar as casas de câmbio no aeroporto. Todas estavam com uma cotação muito ruim então saquei 300RON no caixa eletrônico (meu cartão é do Banco do Brasil e cobrou uma tava de 14RON). O Vlad, meu anfitrião que iria me hospedar em Bucareste, já tinha me alertado sobre os táxis de lá. Disse para não pegar os táxis comuns e, ao invés disso, chamar um UBER. Tentei acessar o wifi aberto do aeroporto mas não estava funcionando. Fui até uma cafeteria SEGAFREDO que tem no saguão principal e pedi a senha do wifi. A caixa, muito simpática, me passou a senha e consegui chamar um UBER. A corrida me custou 36RON e no GPS do Uber marcava uma distância de 23km do aeroporto até o apto que eu iria ficar. Cheguei por volta das 13h no apto do Vlad, mas ele não estava lá. Já havia me informado disso e que um amigo dele chamado Mihai iria me receber. Deixei minhas coisas no apto e fui para o centro com o Mihai. Pegamos o bonde 21 até o centro. O percurso levou 30 min e chegando lá comprei um cartão para usar o bonde com 4 passagens por 10RON. Me despedi do Mihai e segui para o centro. Fui até a CIDADE VELHA, que é cheia de pubs, bares e restaurantes. Decidi almoçar num restaurante chamado EXCLUSIVE. Comi um hambúrguer de gorgonzola acompanhado de batatas wedges e tomei 2 chopps da casa por 65RON. Passei pela IGREJA DE SÃO DEMÉTRIO e depois no MUSEU NACIONAL DE HISTÓRIA, que tinha uma exposição bem legal sobre a Romênia na II Guerra Mundial. Caminhei até o ATHENEUM onde fui pegar o COMMUNISM vs MONARCHY FREE WALKING TOUR. Nossa guia se chamava DANIELA e além do inglês impecável, ela também falava muito bem português. O tour passa por vários monumentos e prédios históricos, entre eles o MINISTRY OF INTERNAL AFFAIRS. A monarquia na Romênia começou quando o país ficou independente do Império Otomano. Tiveram apenas 4 reis quando NICOLAE CEAUSESCU assumiu o poder e começou a era Comunista. Com o final dessa era em 1989, Ceausescu e sua mulher foram fuzilados! O tour terminou numa praça próxima ao gigantesco parlamento romeno. Cheguei em casa por volta das 21h30. O Vlad e sua namorada foram chegar só às 23h30. Ficamos conversando e bebendo cerveja até as 1h30 quando fui dormir. Distância percorrida no dia: 22km 🚶‍♂️ MINISTRY OF INTERNAL AFFAIRS 10º dia de viagem: Bucareste (Segunda, 17 de Setembro de 2018) Acordei as 8h50 e como não tinha comprado nada para o café da manhã, fui comer na rua. Passei no supermercado MEGA IMAGE e comprei 3 salgados, um achocolatado Mars e 1 água (16RON). Tomei um cappucino de máquina que tinha no supermercado (2RON). Terminei meu café da manhã e segui para o centro. Chegando na Cidade Velha peguei o free tour OLD TOWN LEGENDS & STORIES. Passamos por vários pontos na cidade velha: A IGREJA E MONASTÉRIO DE STAVROPOLEOS, PASSAGEM VILLAROSSE (ou “Valley of the Kings, como é conhecida), estátua LUPA CAPITOLINA. A guia explicou que a Romenia é a união de 3 regiões: Transylvania, Moldavia e Wallachia e que Vlad The Impaler, também conhecido como Drácula, era na verdade de Wallachia e não da Transylvania como o lenda conta. A guia também nos contou que quando Bucareste tinha 150.000 habitantes chegou a ter 300 igrejas. O tour terminou 12h30 e fui com o Iris (brasileiro que também fazia o tour) fomos no restaurante CARUCU BERE. Como tinha batido um café da manhã reforçado, resolvi apenas beber 2 cervejas (22RON). ***Nota: O CARUCU BERE é tradicional restaurante romeno no coração da cidade velha. O ambiente é agradável e a cerveja estava ótima (não posso falar da comida pq não comi nada). Mas o atendimento é MUITO LENTO. A minha 2ª cerveja levou 30 minutos pra chegar. Então, acho válido uma passada lá desde que vc não tenha pressa. Deixamos o restaurante às 14h30 e fomos até o MUSEUM OF SENSES. No site do museu havia apenas o endereço, sem nenhuma referência. Olhei no google maps e vi a estação de metro mais próxima de lá. Pegamos o metro em Piata Romana e fomos até a estação Politehnica. Depois de caminhar pela área fomos ficar sabendo que o museu fica dentro de um Shopping. A entrada custa 35RON e o Iris decidiu ir embora. O Museum of Senses, como o nome diz, explora nossos sentidos. Há várias ilusões de ótica bem legais e o staff do museu foi muito simpático e solícito. O espaço não é grande e dá pra ver tudo com calma em menos de 1 hora. Deixei o museu e fui até o CISMIGIU PARK. O parque é interessante e tem um lago com patos e outros pássaros. Muitas pessoas passeiam com seus cachorros e correm por ele. Por volta das 19h30 voltei pra casa. No caminho de volta passei no supermercado e comprei cerveja e salgadinhos (46RON). Jantamos um delicioso suflê preparado pela Alex. Depois do jantar lavei a louça e ficamos bebendo e conversando até 1h, quando fui dormir. Distância percorrida no dia: 24km🚶‍♂️ MUSEUM OF SENSES MUSEUM OF SENSES 11º dia de viagem: Bucareste -> Sofia (Terça, 18 de Setembro de 2018) Acordei 8h50 e fui ao supermercado Mega Image tomar café. Comi 2 salgados e tomei um café com leite de máquina (6RON). Peguei o tram 21 por volta das 10h estava chegando ao centro. Caminhei por uns 30 minutos até o PARLAMENTO ROMENO. Existem 2 tipos de tours para conhecer o parlamento: o STANDARD (40RON) e o STANDARD+UNDERGROUND (45RON). O próximo tour Stantard em inglês era às 12h e o Standard+Underground só as 14h15. Decidi pegar o primeiro. O tour começou as 12h em ponto e para entrar no prédio passamos por uma segurança igual de aeroporto com detectores de metal e raio-x para as mochilas. O Parlamento Romeno é o 2º maior prédio do mundo, ficando atrás somente do Pentágono nos EUA. Ele tem 1.100 salas e custou USD 3 BILHÕES para ser construído. Como ele foi feito em uma área que era residencial, cerca de 40.000 pessoas tiveram que se mudar e suas casas foram demolidas. Passamos pelo salão de apresentação que parecia uma ópera, pelo escritório do Ceausescu, escadarias e uma gigante sacada que dá vista a uma avenida que seria uma réplica da Champs Elyseés de Paris. O custo de manutenção do parlamento é de EUR 5 MILHÕES por ano. O tour levou uns 40 minutos e vimos apenas 4% de todo o prédio. Super recomendada a visita a esse gigantesco prédio! Sugiro tentar fazer a reserva do tour antecipadamente nesse site: http://cic.cdep.ro/en/visiting/visiting-routes Deixei o parlamento por volta das 13h e fui até a MANSÃO CEAUSESCU. Peguei o metro na estação de IZVOR e desci na AVIATORILOR. Caminhei por uns 10 minutos até chegar na Mansão. Peguei o tour em inglês das 14h (50RON). A mansão que serviu de residência para Nicolae Ceausescu, sua esposa e 3 filhos é muito ornamentada. Cada filho e até a Elena (esposa) tinha seu próprio quarto. Há também uma adega de vinhos, cinema, jardim de inverno, spa, jardim de verão e uma piscina de 20 metros. Apesar de ser um pouco caro eu acho que vale uma visita. Deixei a mansão e peguei o metrô até a estação PIATA ROMANA. Caminhei por uns 15 minutos até o MUSEU NACIONAL DE ARTE DA ROMÊNIA. A entrada custa 15RON e ele tem 3 andares e 2 alas. Havia pinturas de artistas romenos e de outros países também, desenhos, móveis antigos, tapeçaria, louças, porcelanas, esculturas, etc. Deixei o museu as 17h30 e voltei pra casa. No caminho passei no supermercado e comprei umas cervejas. Eu, Vlad e Alex ficamos bebendo as cervejas até às 20h quando a Alex preparou pra gente uma deliciosa sopa de iogurte. Por volta das 22h o Vlad me levou até a estação rodoviária onde peguei o ônibus (Flix Bus - USD12,70) para Sofia, Bulgária. Distância percorrida no dia: 20km🚶‍♂️ PARLAMENTO ROMENO PARLAMENTO ROMENO MANSÃO CEAUSESCU FIM DE BUCARESTE. Próximo relato: Sofia
  15. Olá Viageiros!!! Vou contar um pouco da minha passagem por Riga, capital da Letônia, que foi o início da minha viagem pela Europa, que ainda teria Ucrânia, Polônia, Alemanha e Holanda. Para mais detalhes e fotos, visitem o meu blog: www.profissaoviageiro.com Agora uma novidade: Um novo canal no Youtube com todos os vídeos das viagens e muitas outras coisas que pretendo mostrar por lá! Youtube: Profissão Viageiro Agradeço muito quem puder se inscrever por lá! Então, eu não sou um cara muito Europa para falar a verdade... Acho que lá o turismo é mais fácil e quase tudo que eu faria lá agora, posso fazer quando estiver mais velho. Já outros lugares do mundo, ou é agora, ou provavelmente não vai rolar, pois exigem mais do meu físico e capacidade de me adaptar aos lugares. De qualquer forma, não preciso dizer o quanto a Europa é linda e em cada esquina tem algo bonito para ver ou fazer. Riga é assim, uma cidade muito bonita, cheia de prédios antigos e cheios de história. Vamos lá... Cheguei em Riga no início da noite em um voo vindo de Amsterdã. O voo durou pouco mais de duas horas e foi bem tranquilo. Transporte Riga é bem tranquilo de se locomover. Eles têm muitos ônibus, metrô e bondes. Certamente você irá encontrar uma linha que te atenda Eu fui do aeroporto ao centro da cidade, perto de minha pousada, em um ônibus que sai do Aeroporto e chega em poucas paradas no centro da cidade. O ponto fica logo atrás do estacionamento do Aeroporto, bem tranquilo de encontrar. Hospedagem Bom, como em quase todos os lugares tem opções para todos os bolsos. Como meu orçamento é bem apertado, fiquei em uma pousada em um prédio no centro da cidade, na avenida Satekles Iela. Nesse prédio tem um McDonald’s e uma “padaria” no térreo! Bem cômodo, principalmente porque era um dos poucos lugares abertos no final da noite. O Rolê Quando eu fui era Outono, final de Novembro, e já estava muito frio! E para piorar o sol nascia altas horas. Foi bem estranho isso... 8 da manhã ainda era noite e não tinha ninguém na rua. Nenhum comércio aberto e sequer um lugar para tomar café da manhã. Se não me engano a maioria dos lugares abria depois das 8:30. Bom, saí para andar no centro antigo, no escuro, com frio e fome! Era muito curioso... Não tinha quase ninguém na rua! Era dia de semana, mais de 8 da manhã e ninguém fora de casa ainda! Tudo vazio!!!! Depois de andar um pouco achei um lugar bem bacana que já estava aberto para tomar meu café. Alimentado, segui o rolê pelo centro... Aí fui em direção ao Rio Duína Ocidental, que corta a cidade. Ali que eu vi uma movimentação maior de gente. A avenida estava bem carregada. Voltei então para o centro para curtir aquele lugar lindo! Aqui meu conceito das pombas mudou! Estava -1 grau e as pombas estavam tomando banho na poça praticamente congelada... Vou falar, chamar de sujo um bicho que toma banho nesse frio me parece algo bem errado!!!! Aqui é uma das artes mais charmosa que achei... E foi isso! Bora pegar o ônibus de volta para o aeroporto! A próxima parada é Kiev! Qualquer dúvida que eu puder ajudar, é só falar!!! Valeu! Abraço, Felipe Instagram: @profissaoviageiro
  16. Olá amigos viageiros! Aqui vai o relato de minha visita à Chernobyl! Mais detalhes lá no: www.profissaoviageiro.com Para me seguir lá no Insta… Instagram: @profissaoviageiro Só um aviso, se apagar a luz você vai perceber que esse relato brilha no escuro!!! Visitar Chernobyl foi algo sensacional! Um passeio único com muitas experiências diferentes e histórias da União Soviética que são incríveis! O que me levou a visitar um lugar desse? Aquilo é uma amostra do que aconteceria com a Terra se do dia para a noite os humanos simplesmente fossem embora daqui. A natureza voltaria a tomar conta do que é dela, engolindo a bagunça que deixamos para trás. Impressionante ver um lugar daqueles e ouvir tantas e tantas histórias do que rolou naquele lugar. Essa visita foi feita em 23/11/2017 Esse tour só é permitido com uma agência de turismo regulamentada. Existem algumas que oferecem o passeio. Não tem tanta diferença de uma para outra e a maioria delas oferece a opção também de passar a noite dentro da zona de exclusão. Bom, vamos lá… Para quem não sabe, em 26 de Abril de 1986 o reator 4 da Usina Nuclear de Chernobyl explodiu e causou o pior acidente nuclear do mundo até hoje. O governo soviético tentou esconder o ocorrido até que outros países da Europa, como a Suécia (beeeem longe de lá), por exemplo, perceberam que algo estava bem errado. Só aí eles admitiram o acidente. Tinha muita coisa acontecendo completamente fora do controle deles. Após alguns dias eles evacuaram as cidades vizinhas à usina e posteriormente criaram 2 áreas de exclusão. Em um raio de 30km da usina inicia a primeira área de exclusão. A segunda a 10km da usina, com uma contaminação bem pior. São tantas histórias insanas que escutamos lá que nem sei se consigo reproduzir todas aqui… Mas o negócio foi bem tenso. A usina ficava a menos de 3km da cidade de Pripyat, uma cidade modelo que a União Soviética usava como exemplo de como o patético regime socialista “funcionava muito bem”. O Governo sempre levava delegações de outros países para se hospedarem lá, tentando impressionar com a estrutura da cidade. Morar em Pripyat era muito bom mesmo. Segundo a nossa guia, lá surgiu o primeiro supermercado da União Soviética inteira e era o único lugar que o governo sempre abastecia para não deixar faltar alimentos e outros itens. Inclusive isso estava causando algum desconforto para os moradores de Pripyat, pois pessoas de outras cidades da União Soviética viajavam centenas de quilômetros para fazer compras lá, o que gerava filas intermináveis nesse mercado que se alongavam pelo meio da cidade! Como em todo bom regime socialista/comunista as pessoas não tinham nada em suas cidades e preferiam isso a passar fome ou necessidade de itens básicos. O governo demorou mais de 24 horas para iniciar a evacuação de Pripyat, e só fez isso quando a radiação já estava em níveis absurdos. O governo preferiu não falar a verdade para a população. Os moradores foram informados que a evacuação era temporária e por isso alguns não levaram muito mais do que a roupa do corpo… Nunca mais voltaram para casa. Por isso que ainda se vê muitos itens pessoais nas casas do jeito que foram deixados a mais de 30 anos atrás. As histórias do que se refere ao controle do acidente, como conter as chamas do reator e isolar a radiação, são bizarras. As pessoas ainda não entendiam muito bem os efeitos da radiação. Esse trabalho foi feito por voluntários e membros do exército (que não tinham muita escolha). Impossível imaginar que algum deles saiu sem sequelas desse trabalho. As pessoas responsáveis por esse trabalho receberam o nome de Liquidadores. Diziam que a radiação era tão forte que até a cor dos olhos mudava nos trabalhadores que ficavam dentro da usina depois de algumas horas de trabalho. Máquinas chegavam a quebrar devido a exposição da radiação. Foi algo absurdo! Bom, vamos à visita… O Tour começa em Kiev logo cedo. Pegamos uma van e vamos em direção norte. O primeiro check point é para entrada na zona de exclusão do raio de 30 Km. Temos que parar, descer e sermos identificados pelos membros do exército que ficam lá. Dentro dessa parte da zona de exclusão a radiação ainda não muda muito no ar. O principal problema está no solo. Durante todo o tour não podemos apoiar nossas coisas no chão, encostar em plantas ou qualquer outra coisa. Vamos então parando em alguns vilarejos no caminho para ver o que sobrou deles. Basicamente todas as casas que eram feitas de madeira foram demolidas e enterradas. Não é possível descontaminar madeira, então o jeito foi demolir e enterrar. As de alvenaria ainda estão de pé. Existem alguns cachorros soltos dentro da zona de exclusão que são alimentados basicamente pelos turistas e trabalhadores de lá. Também existem muitos outros animais soltos, inclusive se não me engano lá é um dos poucos lugares do mundo que existem cavalos selvagens. Eu não vi nada além de cachorros e pássaros. Aqui as tábuas de madeira foram arrancadas. Aparentemente até boas tábuas de madeira não era fácil de conseguir, então elas podem ter sido tiradas para serem reutilizadas em outro lugar. Outra explicação é que as pessoas na época não colocavam seu dinheiro no banco, pois o justíssimo sistema socialista poderia confisca-lo sem grandes explicações. Então as pessoas escondiam o seu dinheiro em baixo do piso de suas casas. Como durante a evacuação muitos saíram correndo e nem levaram seus pertences, algumas pessoas voltaram paras as casas abandonadas e tentavam achar dinheiro em baixo dos pisos para roubá-lo. Paramos em umas 2 ou 3 vilas antes de chegar na cidade de Chernobyl. Lá até que está conservada, porque as pessoas que trabalham dentro da zona de exclusão usam Chernobyl como base, além do hotel que se pode passar a noite também ficar lá. Então é um visual um pouco diferente do que se vê no resto do passeio. Chernobyl até que está “arrumadinha”. A foto está péssima, mas esse é um monumento onde cada uma das vilas dentro da zona de exclusão está representada por esses círculos. Na verdade o resto do monumento está atrás de mim. Aqui estão os nomes de todos os moradores de Chernobyl que tiveram que deixar a cidade durante a evacuação. Nosso almoço foi servido aqui, no refeitório de uma “pousada”. Não se pode comer nada ao ar livre aqui. Toda a comida que é servida tem que vir de fora da zona de exclusão. Só por garantia deixei meu medidor de radiação (Contador Geiger) ligado do lado das coisas que estava comendo! Depois do almoço fomos tirar umas fotos com os uniformes e equipamentos do pessoal da nossa agência. No meu tour também estava incluído dirigir o carro deles, um Lada top de linha que um Ucraniano que estava no passeio contou que um modelo daquele na época da União Soviética tinha fila de espera de até 20 anos!!! Viva o socialismo!!!! Bom, pisaram na bola e não teve o rolê no Lada. No final do tour eu reclamei formalmente sobre isso. Mas pelo menos tirei umas fotos no carro! Bom, depois disso que começa a parte mais tensa do passeio. Entrando dentro da zona de exclusão do raio de 10Km. Mais um lugar que temos que sair do veículo e o pessoal do exército de novo confere um por um. Desse ponto para frente a radiação no ar já aumenta, e sobe muito em determinados lugares. Muito mesmo! Vamos em direção a Pripyat, fazendo algumas paradas no caminho. Esse é um lugar bem famoso, onde sempre vemos fotos sobre Chernobyl. Aqui era uma escola primária. É um dos lugares mais tristes de se visitar. Depois paramos em um lugar já pertinho de Pripyat onde conseguimos ver os reatores da usina que estavam em funcionamento e também do outro lado os 2 outros reatores que estavam sendo construídos. Essa imensa estrutura metálica é o sarcófago novinho em folha que serve para conter a radiação do reator 4. Ele foi construído para substituir o primeiro sarcófago que havia sido construído para durar 30 anos. Esse novo sarcófago foi criado para durar 100 anos e o que eles esperam é que até lá já se tenha descoberto novas formas de conter essa radiação de uma forma mais eficaz e definitiva. Com o conhecimento e tecnologia de hoje, acho que isso era o melhor que dava para fazer! Aqui dá para ver as chaminés dos outros reatores… O 1 e o 2, da direita para a esquerda, são essas chaminezinhas lado a lado com uma chaminé grande entre eles. O 3 está dentro dessa casinha e o 4 dentro do sarcófago. Aqui as obras nunca terminadas dos reatores 5 e 6. Chegamos então na entrada de Pripyat! A cidade foi inaugurada em 1970 e evacuada em 1986. Tinha aproximadamente 48.000 habitantes na época. Quando entramos na cidade é algo realmente muito louco. A guia ia mostrando as fotos de como era a cidade e nós vamos vendo como está agora… É impressionante! Esse que é o primeiro supermercado da União Soviética! Vamos entrando em diversos prédios com muito cuidado para não cair em um buraco ou o piso ceder com a gente em cima. Aqui material político dos soviéticos!!!! Imagina entrar em um lugar desses de noite!!!!!!! Esse era o ginásio de esportes da cidade! Fomos então para o famoso parque de diversões. Essa é a roda gigante que nunca foi utilizada. Sua inauguração estava marcada para alguns dias após o acidente nuclear. Hoje ela é um dos grandes símbolos de Pripyat e ninguém nunca deu uma volta nela! Essa aqui é a avenida principal da cidade… Assistimos um vídeo dentro da van de como era isso aqui antes… Não dá para acreditar que estamos no mesmo lugar! Aqui era um outro complexo esportivo. Depois disso fomos para o ponto mais próximo do reator. Ficamos a 300 metros de distância da usina que causou o maior acidente nuclear da história!!!!!! Isso é muito louco!!!! Quando saímos de lá passamos pela área mais contaminada por radiação do planeta terra: A Red Forest. Eu realmente não queria que nossa van quebrasse alí! Quando estamos chegando perto, a nossa guia sem falar nada só liga o medidor de radiação dela e fica mostrando para nós. Meio que sem entender muito todo mundo deixa o próprio medidor ligado… De repente ela começa a fazer a leitura e todos os alarmes dos nossos medidores começam a apitar… E ela vai lendo… Dois ponto três… Cinco……. Doze……… Quatorze………. Dezessete…….. Dezoito……… Vinte e dois……….. E o negócio não parava de subir… Isso tudo no meio daqueles alarmes tocando sem parar. Foi insano! Só como referência, uma radiação considerada “normal” é de 0,1 nessa unidade que nossos aparelhos mediam. Mas foi tudo muito rápido. De repente já tínhamos passado a Floresta Vermelha e tudo voltou ao normal! Pena que ela não avisou antes e preferiu fazer o mistério, se não teria filmado isso! Sério, foi bem louco! Mas foi bacana também o suspense!!!!! Isso porque estávamos dentro da van. O veículo protege muito da radiação. As diferenças que eu media de dentro para fora da van eram imensas nos lugares que descíamos. Mesmo dentro das casas o nível de radiação já caía bastante. Eu fico imaginando a radiação desse lugar, mesmo mais de 30 anos depois do acidente….. De lá partimos para a última grande parada do tour… Uma antena! Mas não era qualquer antena… Era a DUGA, ou DUGA 3! Essa anteninha foi construída com propósitos militares em um esquema ultra secreto do governo soviético. O local nem endereço tinha e na estrada que levava até o local da antena eles tentaram dar a impressão que se tratava de um local de acampamento estudantil. É como se aqueles filmes de espionagem começassem a ganhar vida! Para eles aquela história toda era muito real… Realmente se alguém descobrisse aquilo, ia ser difícil de convencer que era só uma anteninha tentando captar uma rádio de sertanejo universitário aqui no Brasil, por exemplo!!!! Olha o ponto de ônibus perto de lá com um ursinho desenhado! A entrada era só esse portão, para não chamar muito a atenção. Essa antena também ficou conhecida como o pica-pau russo, pois causava interferência de rádio em ondas curtas com um som parecido de um pica-pau por todo o hemisfério norte! Algumas teorias de conspiração achavam que eram os russos tentando entrar na mente das pessoas!!! Na verdade ela servia (ou deveria servir) para identificar lançamentos de mísseis de países inimigos a uma longa distancia, dando tempo de se prepararem para sua defesa. Aparentemente ela não funcionava muito bem, dando alarmes falsos, por exemplo, o que não deixou o pessoal de lá nada satisfeito, uma vez que o custo para construir aquilo foi algo estratosférico! Eu é que não queria ser o responsável pelo projeto em uma hora dessas !!!!! No final das contas o que eles deixaram foi uma estrutura bem bonita e imponente, ainda mais em um dia ensolarado de outono!!! Essa placa de radiação é só enfeite… O local não possui contaminação especialmente significativa! Aqui a nossa guia e o atual guardião da antena! Mesmo sendo Outono estava muito frio e já nevava bastante por lá. Após as instalações ultra secretas do governo soviético, foram só mais duas paradas rápidas…. Uma para ver algumas máquinas utilizadas no trabalho de isolamento do reator na época da explosão: E um monumento em homenagem aos liquidadores e bombeiros que foram responsáveis por todo o trabalho de combater o incêndio e conter a propagação da radiação: Depois disso só paramos nos check points para medição de radiação em nosso corpo e roupas… Eram máquinas muito velhas! Espero que estivessem funcionando bem e não deixaram eu voltar para casa com um tênis cheio de radiação! E foi isso! Foi assim meu dia em Chernobyl. Um dia cheio de experiências, histórias e aprendizado! Valeu demais o passeio!!!!!! Nota 10!!! Se alguém tiver alguma dúvida ou quiser alguma dica, é só falar! Abraço!!!!! Felipe www.profissaoviageiro.com Instagram: @profissaoviageiro Enjoy Chernobyl… … Die Later!
  17. Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/o-que-fazer-em-praga/ Visitamos Praga em um fim de semana ensolarado de setembro, ficamos hospedados na casa da amiga de uma prima, que nos levou para conhecer a cidade junto com seu lindo cãozinho yorkshire. A capital da Republica Tcheca é encantadora, fácil de se locomover, de se comunicar (em inglês) e o melhor, barata! A moeda é a coroa tcheca e a cotação aproximada é: 1EUR = 27,11CZK / 1BRL = 6,19CZK. O metrô funciona bem, o bilhete é adquirido por tempo, as maquinas para comprá-los são um pouco complicadas, mas nada impossível, e pelo que me lembro só aceitam moedas. Aqui estão alguns pontos interessantes pra conhecer por lá: Castelo de Praga O lugar é na verdade um enorme complexo de prédios, jardins, ruas e igrejas que dão ao conjunto o título de maior castelo do mundo! É um dos pontos mais importantes de Praga, sendo que o destaque é com certeza a imponente Catedral de São Vito, em estilo gótico! Nós não compramos o ticket, por isso não visitamos os atrativos lá dentro, mas é possível subir e circular por alguns lugares sem nenhum custo, e como o conjunto fica em uma colina, a vista da cidade é privilegiada! Uma das vantagens é que o lugar fica aberto até bem tarde, sendo possível programar a visita de forma bem flexível. Super indico uma passadinha noturna pra ver tudo aquilo iluminado! Para saber mais sobre valores e horários acesse o site oficial: https://www.hrad.cz/en/prague-castle/prague-castle-tourist-information/visit-of-prague-castle.shtml Relógio Astronômico (Orloj) Na movimentada Praça da Cidade Velha, entre outras maravilhosas construções, fica a torre da antiga prefeitura, onde está o relógio mais incrível do mundo! A coisa toda é bem complexa, mas o importante é saber que ele não marca apenas as horas mas também a posição do sol, da lua e das estrelas, o calendário zodíaco, a hora babilônica, entre outras coisas (!!!). Como se não bastasse, diariamente a cada hora cheia entre 09h e 21h há um showzinho super disputado pelos turistas, mostrando bonecos de madeira dos 12 apóstolos. Muitas noivas aproveitam o cenário para uma sessão de fotos (muitas mesmos, acho que em pouco tempo que ficamos por lá vimos umas 3). Aqui no site oficial é mostrado de uma forma bem didática como ele funciona, vale a pena conferir: http://www.staromestskaradnicepraha.cz/en/astronomical-clock/ Torre de observação Petrin Ela é uma irmã mais nova da Torre Eiffel em Paris, bem menor e menos conhecida, é claro! Mas é um ótimo ponto para ter uma vista panorâmica da cidade. Ela fica no topo de uma colina, portanto é necessário força nas pernas se quiser passar pelo meio de um agradável parque ou simplesmente pegar o funicular pra subir. Na Torre não tem jeito, a subida é pelas escadas mesmo, é um pouco cansativo, mas vale a pena. Ponte Carlos A principal e mais antiga ligação entre a Cidade Velha e a região de Malá Strana sobre o Rio Moldava é a Ponte Carlos, uma fantástica construção do século XIV que reúne uma galeria de esculturas em toda sua extensão. Torres de diferentes estilos arquitetônicos guardam as entradas de ambos os lados. Por ser um dos pontos mais famosos de Praga, a ponte fica lotada de turistas, músicos de rua e vendedores de souvenirs. Atravessá-la no momento do pôr-do-sol torna a experiência ainda mais interessante! Malá Strana (Lesser Town) Esse bairro localizado abaixo do Castelo guarda alguns segredinhos! Entre eles o John Lennon Wall, um muro todo grafitado com homenagens ao integrante dos Beatles. Quando fomos um músico de rua fazia a trilha sonora adequada para a visita dos fãs. Também por ali fica a pequena (pra não dizer minúscula… e um pouco sem graça) ponte do Canal Certovka onde casais colocam cadeados e jogam a chave fora para eternizar o amor. Ali atrás há uma roda de moinho com a escultura de um duende, meio enigmático. Próximo ao rio há uma série bastante inusitada de esculturas do artista David Černý que são mostras do que pode ser visto no Kampa Museum, focado em arte moderna. Ali também fica o Before i die Wall, assim como em outros países, é um muro coberto com tinta de lousa para que as pessoas completem com giz a frase Before i die i want to… (provavelmente minha frase foi …travel all the world Jardins de cerveja Passamos uma noite agradável em um desses lugares maravilhosos onde a cerveja é incrível e barata! Eles são meio parecidos e agora não tenho muita certeza em qual deles fomos, mas se não me engano foi no Riegrovy Sady, ele fica dentro de um parque homônimo, de onde se tem uma vista perfeita da cidade, incluindo o Castelo de Praga. Se você gosta de cerveja, pre-ci-sa ir num desses! Bairro Judeu (Josefov) Por conta das perseguições religiosas, os judeus de Praga se viram obrigados a viver intramuros na cidade por séculos, tendo apenas este bairro destinado a eles. Por esse motivo o lugar concentra diversas sinagogas e um cemitério, que é considerado o cemitério judeu mais antigo do mundo. Segundo contam, as pessoas eram enterradas ali em camadas, pois o espaço ia acabando com o passar dos anos, por isso as lápides são todas sobrepostas umas sobre as outras. Para ter acesso a ele é necessário comprar um ingresso (bem salgado!) que dá acesso também a algumas sinagogas. É proibido fotografar a não ser que você pague uma taxa adicional, mas essa é baratinha. A sensação é de estar dentro do cenário de um filme de terror! Marionetes Praga é muito conhecida pela tradição dos teatros de marionetes, hoje um dos mais famosos é a ópera Don Giovanni de Mozart, no Teatro Nacional de Marionetes. Não tivemos a oportunidade de assistir mas quando voltar certamente o farei! Por conta dessa fama, a cidade tem muitas lojas de marionetes e é simplesmente irresistível entrar em uma delas e se encantar com os bonecos perfeitos, cheios de detalhes. Dica imperdível! No último dia em Praga a amiga tcheca da minha prima nos levou a um restaurante incrível, dentro de um barco ancorado no Rio Moldava e com vista para o Castelo de Praga. Quando chegamos ao Marina Grosseto Ristorante logo pensei “não devia entrar aqui, não condiz com meu orçamento”, mas já estávamos lá, entramos… e foi uma surpresa quando vimos os preços, é MUITO BARATO! Na verdade Praga, como em todo o leste europeu, é uma cidade barata, é claro que você vai encontrar outros restaurantes mais em conta, mas 9 euros por uma pizza e 4 por uma taça de vinho por exemplo são valores super acessíveis! Não tenho fotos do lugar então vou usar as do próprio site: http://www.grosseto.cz/en/marina/gallery Ps. apesar de ter um aspecto super refinado não é um daqueles lugares onde pessoas “normais” se sentem ETs por estarem de tênis Ah, e não, não balança! Vou parar por aqui, mas claro que ainda há muito mais o que fazer em Praga! Nunca deixe de observar a arquitetura dos prédios, independente do estilo são sempre surpreendentes! Repare também em algumas estátuas inusitadas como uma de Freud pendurado pelo braço no topo de um prédio (Rua Husova x Praça Betlémské). Experimente as cervejas locais, extremamente baratas e a culinária, claro (e os doces, hummm!)… Viva Praga o máximo que puder, não vai se arrepender de conhecer uma cidade tão encantadora! Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/o-que-fazer-em-praga/
  18. Post original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/budapeste-onde-ficar/ O leste europeu está em alta! Tanto pelo custo, que costuma ser mais baixo do que em outros países da Europa, quanto pela beleza, que está sendo pouco a pouco descoberta e desejada. Assim como Praga e Zagreb, Budapeste, a capital da Hungria, é uma dessas cidades encantadoras que surpreendem os visitantes. Mas, como decidir onde ficar? O básico a saber é que a cidade é dividida pelo Rio Danúbio em duas partes, Buda e Pest, a ligação principal entre elas é a Ponte das Correntes. A primeira é a parte alta, onde fica o esplendoroso Castelo de Buda, o Bastião dos Pescadores e de onde se tem várias vistas panorâmicas da cidade. É o lado mais tranquilo, não tem tanta vida noturna, até tem alguns restaurantes e é possível (e lindo) subir ao castelo a noite, mas é sem dúvida um lado mais diurno. Já o lado Pest, como bem sugere o nome, é mais agitado. É onde ficam a maioria dos pontos turísticos, como a Basílica de Santo Estevão e o Parlamento Húngaro, quase tudo é acessível a pé e o metrô cobre as áreas mais distantes. A noite é bastante viva, com vários bares, restaurantes e lojas. Ah, e a cerveja é super barata, então, aproveite! Ou seja, se quer tranquilidade, fique em Buda, se quer mais proximidade com os pontos turísticos e vida noturna, escolha Pest. Nós ficamos no Hostel Casa de La Musica, em Pest, achei fantástico! O lugar é simples mas é lindo, todo coloridinho e alegre, pegamos um quarto duplo com banheiro compartilhado, tudo super limpo e tranquilo. No primeiro dia rola um welcome drink no Bikini Beach, o bar do hostel que costuma ficar bem cheio. Inclusive conhecemos na escola em Paris uma húngara que frequentava o bar, então acho que tem uma mistura bem legal de turistas e locais. O custo benefício foi bem bom (como a maioria das coisas em Budapeste), a localização era ótima e me senti bastante segura andando por lá a noite, mesmo passando por ruas um pouco desertas.
  19. Relato original com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/brela-e-baska-voda-paraisos-escondidos-na-croacia/ Brela e Baska Voda, uma do lado da outra, são minúsculas cidadezinhas na Croácia que escondem praias verdadeiramente paradisíacas banhadas pela imensidão azul do mar adriático! Na verdade mesmo, não havia nada pra fazer lá, o único atrativo era uma ilhota de pedra com árvores no meio do mar que parecia incrível no Google Images (e que praticamente foi o motivo de escolhermos esse lugar tão fora do roteiro) e que ao vivo era bem menos pitoresca. Mas havia calmaria, simpatia sincera e cenários que fazem meu coração palpitar até hoje, e o melhor, tudo isso só pra nós dois, ou quase. Depois de passar pelas paisagens mais lindas das estradas croatas (fizemos praticamente a costa toda nessa viagem), chegamos em Baska Voda. Nosso “hotel” era na verdade era um flatzinho que os próprios moradores alugam (já falei um pouco sobre isso aqui no post de Split), o nome era Haus Bilic e reservamos pelo Booking.com. O lugar era grande e super aconchegante. Aliás, entrando na cidade já era possível sentir o clima de aconchego que pairava por lá. A mulher que veio nos receber era de uma simpatia extrema, deixou uma cestinha com bananas e ainda se ofereceu para lavar nossas roupas. Muito amor, muita simpatia! Como eu disse, não havia muito o que fazer, foi um dia totalmente relax (o único, em uma intensa programação de 30 dias e aproximadamente 10 cidades) e foi maravilhoso! As vezes, tão bom quanto um dia cheio de novidades e cultura é parar e simplesmente andar a toa, sentar nas pedras (lá não tem areia, são praias de pedras), ouvir o mar e se sentir totalmente realizada, naquele momento não queria estar em nenhum outro lugar além daquele! Passamos pelo modesto porto, algumas lojinhas e uma estátua virada para o mar que ainda estou tentando buscar o significado. Andando pelas poucas ruas da cidade vimos muitos carros modelo Renault 4, muito comuns na época comunista, antes da antiga Iugoslávia se desmembrar em países separados, sendo um deles a Croácia. Antes do pôr-do-sol pegamos o carro para ir até Brela e ver a tal pedra! Parece até mentira de tão poética a paisagem que íamos tendo no caminho, as casas em frente a gigantes montanhas com seus topos encobertos por nuvens. O visual do sol se pondo então, foi espetacular! Aliás, a Croácia está lá em cima na minha lista de pores-do-sol maravilhosos! Voltando para Baska Voda, já de noite, observamos um caixa eletrônico no meio do “calçadão”, é engraçado pra nós que estamos sempre preocupados com segurança a ideia de tirar dinheiro assim, tão “abertamente”… é outro modo de viver! Pra terminar nosso day-off da viagem do melhor jeito possível paramos num restaurantezinho pra tomar uma cerveja e comer os melhores cogumelos-recheadinhos-de-queijo-sobre-arroz do mundo! (não faço ideia do nome desse prato e também nunca mais achei igual em outro lugar, mas era divino). O Dan foi de carne de porco com fritas, bem tradicional por lá. E assim foi um dia pacato, numa cidade pequena e totalmente desconhecida do qual não vamos nos esquecer jamais.
  20. Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/ No caminho entre a capital Zagreb e Dubrovnik, a pérola do Adriático, se encontra a pequena Split, a capital da região da Dalmácia e segunda maior cidade do país, destino comum para quem visita a Croácia. Muita gente a inclui no roteiro exclusivamente como acesso para uma das inúmeras ilhas, mas não foi nosso caso. Alugamos um carro em Zagreb e descemos até Split fazendo uma rápida parada em Zadar, para conhecer o intrigante órgão marítmo. As estradas croatas são bastante boas, e usando o GPS não tivemos nenhum problema. Chegando na cidade, comecei a ficar meio preocupada, quase desisti de parar por lá, isso porque a parte turística e histórica se concentra exclusivamente dentro do antigo palácio do imperador romano Diocleciano, declarado patrimônio da humanidade pela UNESCO. Fora deste domínio ela não é nada atrativa! Com alguma dificuldade encontramos o estacionamento (que fica na parte de fora do palácio, não circulam carros por lá) e partimos para uma missão dificílima, encontrar o hotel! Na verdade, não era um hotel, era um apartamento, esse esquema de hospedagem é muito comum por lá, usamos duas vezes reservando pelo Booking.com e foram boas (e baratas) experiências. O lugar em si não era mais que um quarto com banheiro e frigobar, mas para uma noite, está ótimo (e dentro do palácio). É difícil encontrar pois são várias vielas com apartamentos não muito bem identificáveis, e claro, com nomes impronunciáveis. Uma dica é reparar nas portas, geralmente há uma placa azul com um ícone de hospedagem e o termo “sobe”. Na entrada da cidade velha, próximo ao Portão de Ouro (cada lado do palácio tem um portão: ouro, prata, ferro e latão) está a gigante estátua do bispo Gregório de Nin, que lutou para que os serviços religiosos fossem divulgados também na língua eslava, para que todos pudessem entender, já que na época era usado para estes fins apenas o latim. A tradição manda esfregar a mão no dedão de seu pé esquerdo para trazer sorte. O palácio de pedras brancas da ilha de Brac foi construído a mando do imperador Diocleciano, que nasceu nesta região e comandou Roma de 284 a 305, quando abdicou voluntariamente de seu cargo. Era conhecido pela fama de perseguidor de cristãos. Ele encomendou aos arquitetos Filotas e Zotikos a então luxuosa construção onde passou seus últimos anos de vida. Após sua morte, o palácio virou residência do governador e foi usado ainda para escritórios administrativos. Em 615, refugiados de Salona, vizinha de Split, se abrigaram no palácio já abandonado, após ter sua cidade destruída pelos avaros e eslavos. Neste momento, começa a surgir a cidade de Split, que com o passar dos anos foi se expandindo para além dos domínios do palácio. Caminhar por lá é como mergulhar no passado, áreas muito bem conservadas convivem em harmonia com ruínas, colunas coríntias greco-romanas, esfinges egípcias, esculturas e roupas penduradas para fora das janelas. Estilos artísticos e arquitetônicos se misturam, do gótico ao renascentista. Todas as ruas, praças e casas desta região tem ares italianos, o que não é exatamente uma surpresa, já que a cidade foi ocupada por Veneza durante um período. Saindo pelo portão de latão, a Riva, grande calçadão branco com palmeiras imperiais, margeia as águas do porto (Split é uma cidade basicamente portuária, sem praias na região central). Há uma maquete do palácio em alto relevo e diversos cafés e restaurantes beira-mar. Vale a pena subir no alto da torre do campanário da Catedral de São Domnius. O trajeto é longo, cansativo e claustrofóbico, mas a vista da cidade e do espetacular azul do mar adriático compensam o esforço. O local era o antigo mausoléu do imperador, quando a religião católica ganhou liberdade, foi transformado em catedral onde foram colocados os restos mortais de São Domnius, padroeiro de Split, e Santo Anastácio, ambos mortos a mando de Diocleciano. No vestíbulo, que fica próximo ao campanário, costumam acontecer apresentações musicais. Diz-se que as galerias subterrâneas foram usadas como depósitos de lixo na ocupação da cidade pelos refugiados de Salona e que foi isso que conservou a estrutura. Hoje no local ficam diversos stands vendendo de tudo um pouco, é um bom lugar para encontrar souvenirs. A noite paramos para comer no Restaurant Central, na Praça do povo (Narodni Trg) que fica fora das muralhas, com alguns restaurantes, lojas e um intenso fluxo de turistas. É também onde ficam a prefeitura e a torre da guarda, com um relógio em sua fachada. Para os carnívoros, a pedida é o porco, muito consumido pelos croatas. Já eu preferi uma massa com funghi (os cogumelos também são muito frequentes na culinária local) e foi uma das melhores coisas que já comi na vida, que delícia! O vinho croata, assim como a cerveja, também não deixa nada a desejar. Na manhã seguinte tomamos café em uma pekara (padaria) próxima à marina e quando percebemos estava tocando Gustavo Lima!… Até na Croácia! Ainda passeamos mais um pouco por lá e partimos para Baska Voda, uma praia paradisíaca e desconhecida. Leia o relato completo com fotos aqui: http://www.queroirla.com.br/split-uma-cidade-dentro-de-um-castelo/
  21. 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos. Sabe aquelas listas de “Lugares para conhecer antes de morrer”? Bom, esse é um deles! Estávamos em Zagreb (capital da Croácia) e o planejado era passar o dia no Parque Nacional dos Lagos de Plitvice. Pesquisei bastante antes de ir, uns diziam que o melhor era ficar hospedado lá por uma noite pra conseguir ver tudo, outros defendiam que um bate-volta era suficiente, ficamos com a segunda opção. Suficiente não foi, pois não chegamos a ver tudo (o lugar é enorme!), mas acho que foi realmente a melhor opção. De carro o trajeto dura aproximadamente 1:30. Acordamos bem cedo, passamos em um café perto do hotel (onde descobri que “jabuka” é maçã em croata rsrsrs) e partimos pra estrada. No caminho é possível ver marcas de balas em muitas das casas que ainda não foram reformadas, os croatas preferem investir primeiro na parte de dentro das casas (especialmente com sistemas de aquecimento), por isso é normal que muitas delas por fora estejam inacabadas mas por dentro sejam maravilhosas. Em uma determinada parte da estrada fica o museu a céu aberto da guerra (independência da Croácia, de 1991 a 1995), uma grande área com casas completamente destruídas, aviões e tanques de guerra. Um lugar tenso, que realmente impressiona, vale a pena parar alguns minutos por lá. Ao chegar na região do parque, há uma enorme placa onde você pode escolher entre algumas opções de trilhas de acordo com o tempo que pretende ficar e a dificuldade da trilha, escolhemos a nossa e depois de alguns minutos de caminhada já estávamos perdidos! A ideia das trilhas é ótima, mas faltam placas e as que tem são um pouco confusas (essa da foto por exemplo), então acabamos indo aleatoriamente, o que não foi nenhum problema, pois conseguimos ver grande parte das coisas. Ah, apesar do croata ser uma língua incompreensível pra nós, lá quase todos falam inglês, eles estão em uma crescente no turismo então donos de lojas, funcionários de museus, parques, restaurantes etc realmente se esforçam para atender bem os turistas. Nosso primeiro contato visual foi nada menos que este ai! Ou seja, já nesse momento deu pra entender o motivo do parque ser patrimônio nacional da UNESCO. E vale avisar que as fotos não conseguem captar nem metade das cores e tons perfeitos deste lugar. Confesso que fiquei meio medrosa andando nas estreitas passarelas, mas ai passavam grupos e mais grupos de velhinhos andando tranquilamente, muito mais rápido que eu… tive que fingir que estava tudo tranquilo né?! Rsrsrs É o tipo de lugar que pede calma e contemplação, cada passo dado é uma nova paisagem, entre águas de um azul indescritível, bosques de árvores multicoloridas, calmas piscinas naturais, cavernas, paredões e pequenas cachoeiras, um dos pontos altos do parque é a grande queda, uma enorme cascata onde se concentram muitas das pessoas espalhadas pelas diferentes trilhas. Tudo estava realmente maravilhoso, mas o tempo começou a virar (fomos em abril, estava um sol delicioso mas, bem frio!), decidimos pegar um dos barquinhos de travessia para conhecer o outro lado, ali as coisas já eram mais “selvagens”, estava muito mais vazio, começava a chover e ficar escuro, estávamos perdidos de novo e começava a bater um leve desespero. Nesse momento eu só pensava no que um croata havia nos dito no dia anterior; se vocês virem um urso, corram para baixo pois eles tem as patas da frente mais curtas e vão rolar caso tentem ir nesta direção. =0 Sim, porque havia a real possibilidade de existirem ursos soltos no local! (Rara, mas havia) Tem um ponto no parque onde se pode observar-los (de longe), mas acabamos não tendo tempo de ir lá. Ah, ainda uma última coisa sobre eles, em croata, a tradução para “Urso” é “Medo”… propício não? Bom, depois de pouco mais de 3 horas chegamos ao fim do passeio, pegamos o barquinho de volta para o local do estacionamento e saímos de lá com a certeza de termos conhecido um dos lugares mais incríveis do planeta Terra! Ainda na Cróacia, estivemos também em Zagreb, Split, Baska Voda e Dubrovnik, é tanta coisa maravilhosa que não dá pra falar tudo de uma vez só, mas quero já neste primeiro relato agradecer a Marília, do blog Uma brasileira na Croácia, nos encontramos com ela e seu marido em Zagreb e posso dizer que sem eles a viagem não teria sido a mesma coisa! Algumas informações úteis: Site do parque: http://www.np-plitvicka-jezera.hr Moeda: Kuna | 1,00 BRL = 2,43 HRK Preços: Variam muito de acordo com a idade e época do ano, mas no site tem tudo detalhado. Horários: O parque abre diariamente das 07:00 às 20:00 (mas os estacionamentos e os transfers de barcos tem outros horários) Leve um lanche e água pois não há muitos pontos de venda por lá, e sinceramente, acho que nem vale a pena perder tempo com isso, levamos um sanduíche que comemos contemplando as águas azuis. 😃 📷 Clique aqui para ler o texto original com fotos.
×
×
  • Criar Novo...