Ir para conteúdo
  • Cadastre-se

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''lowbudget''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Mochileiros.com

  • Perguntas e Respostas
    • Perguntas e Respostas
    • Destinos - Perguntas e Respostas
  • Relatos de Viagem
    • Relatos de Viagem
  • Companhia para Viajar
  • Equipamentos
  • Trilhas e Travessias
  • Nomadismo e Mochilão roots
  • Outras Formas de Viajar
  • Outros Fóruns

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Sobre mim


Ocupação

Encontrado 3 registros

  1. Esse roteiro descreve a viagem para o Chile na baixa temporada de 1 à 11 de outubro de 2018. 01: Na chegada ao aeroporto, logo após encontrar a mala fomos trocar R$ 100 para despesas emergênciais como a passagem do aeroporto até nossa primeira hospedagem. Foi a pior cotação, sendo 146 pesos/1 real + taxa de 945 pesos, ou seja para se ter uma idéia de quão desvantajoso foi: Câmbio Aeroporto -> R$ 100 = 14.600 + taxa (945) = 13.654 Câmbio Centro -> R$ 100 = 16.400 + taxa (0) = 16.400 A diferença foi $ 2.746 pesos ou um café da manhã (simples) ou Quesadilha ou Cachorro quente Tomamos o Centropuerto o qual pagamos $ 1.800 para cada um, descemos na parada ULC (Universidade Luterana do Chile), que a propósito, fica em frente a Universidade Católica 🤔. Seguimos até a estação de trem o qual pagamos $ 1550 pelo cartão mais 1450 para as passagens. Chegando no Hostel Che Lagarto (que faz parte de uma rede de franquias ao redor do mundo) foi feito o checkin US$ 12 na reserva mais $ 31.000 pesos para as 3 noites. Fatos curiosos da vida de um viajante é saber que a moça que nos recepcionou estava trabalhando até 3 meses atrás na mesma empresa que eu e morava na minha cidade natal o qual faziam 3 anos que havia me mudado. 🎡. Neste mesmo dia fomos ao restaurante italiano Piccola Italia, que possui um ótimo custo benefício. Foi pago $ 9.997 para um prato bem servido acompanhado de um chopp Cristal. 02: Acordamos relativamente cedo e fomos ao mercado comprar os ingredientes para o café. Encontramos tudo que temos no Brasil com ainda mais variedade de comida e vinho barato. Gastamos $ 14.771 no mercado Unimarc (Mantequilla, leche, cafe, huevos, yoghurt, salame, queso, jamon y pan). Depois, passeio até o Palácio de La Moneda, algumas fotos e seguimos para o Centro Cultural Plaza de La Moneda (free), entre várias coisas, a ficamos sabendo da história das caças às baleia (muito interessante). Seguimos até o Cero Santa Lúcia, altamente recomendado, no mirante é possível ter uma visão de 360 graus de Santiago. Foi neste lugar que encotramos o Jean, um brasileiro que estava no horário de intervalo, sim, ele trabalhava em uma empresa de turismo (Morandê), e foi com ele que conseguimos nosso cartão de internet de 2GB por 7 dias (free), Vale dizer que esse mesmo cartão estava por U$ 60 no aeroporto e foi ai que pensei, vou conseguir por bem menos que isso (e tem gente que não acredita em física quântica, lei da atração ou lei da termodinâmica, ou...). Compramos o pacote para o Vale Nevado com transfer $ 40.000 para os dois. Tudo certo, fomos ao mercado central para comer nosso primeiro Ceviche no Donde Augusto por 13.060 com propina (gorjeta). Em seguida fomos ao bairro Lastarria (local boêmio) o qual ficamos até às 22 no Urriola em que foram gastos $ 18.150 com propina para tomar 6 chopps. No caminho para casa fizemos uma parada de emergência para tomar um helado (sorvete) por $ 350 no Doggis. 03: Acordamos as 5:30, tomamos um café e às 6:30 já estávamos a caminho do Vale Nevado, parada para alugar roupas (botas, calça, casco e luvas). $ 50.000 para os dois conjuntos. Continuamos a subida de 60 curvas, são 40 até a entrada de Farellones (que já estava fechado neste dia) e mais 20 até o Vale Nevado, para os motoristas de plantão percebemos que é necessário muita experiência ou calma para fazer este trajeto, devido a quantidade de gelo e a possibilidade de enjoar. Chegamos ao topo e fomos alugar o equipamento (prancha de Snowboard e botas), $ 76.000 para os dois conjuntos. Depois foram mais $ 50.000 para os ingressos, (sendo $ 10k para os cartões e os + $ 40k para o ingresso), vale avisar que tem desconto para cartão MasterCard (pelo menos havia quando fomos). A idéia era esquiar, porém a curva de aprendizagem não seria tão rápida quanto esperávamos, logo foram muito tombos 🏂. Depois de 4 horas descendo e subindo a montanha incluindo um esperiência de Skibunda as forças se esgotaram. Dedicamos um tempo para curtir o cenário maravilhoso e ter a experiência da refeição mais cara da minha vida, apesar que não é todo dia que come um quesadilla e um choripan chilleno acompanhado de uma cerveja em temperatura ambiente no topo do Valle Nevado, quanto ao preço foram $ 27.000, justo, não? Às 3 da tarde iniciamos nosso regresso para o centro. Após devolver as roupas parada para um café na Starbucks já que a Kaká não conhecia. Foram 6.890 por um café e dois brownies. No caminho de "casa", uma parada para conhecer a vida cotidiana, o qual fomos obrigado a entrar em uma loja grande de panela de pressão, esse pessoal deve fazer muito feijão... Passamos no Unimac (é um mercado muito comum lá) e pagamos $ 2.985 com $250 de ahoro (desconto), não entendi, mas me parece que é comum também por aqui. Tomamos banho e a noite formos a Lastaria aproveitar a noite. Econtramos outros brasileiros que no passaram muitas dicas de lugares. A noite custou $ 34.650 sendo 1.150 de propina. 04: Neste dia a programação foi de um Walk tour pela região histórica de Santiago. Começamos pela Plaza de Armas, onde Nelay (nosso guia) nos apresentou os detalhes da cidade, como o de Pedro Valdívia, o conquistador espanhol morto por Lautaro que conforme a lenda, além de morto, foi torturado e le arrancado o coração, que foi comido junto dos "Toquis", que é o título dado aos "mapuches" (pessoas originalmente do chile) aos líderes militares. A verdade é que isso não é um ato canibal, pois eles somente o faziam com os guerreiros extraordinários, para obter a força dos seus donos originais. Depois fomos aos centros financeiros, até chegar a Lastaria, onde conhecemos o helado do Empório La Rosa (2 bolitas por $ 2790). Nos despedimos do nosso guia e continuamos um novo roteiro começando com um funicular por $ 6.820 para os dois até o topo do Cero San Cristóbal, concluímos o passeio no Shopping Costanera onde provamos uma Vienesa domino/italiana por $ 3690. Voltamos de Uber até o novo local, fomos ao mercado Líder que faz parte do grupo Walmart e compramos tudo do bom e do melhor por $ 36.933. 05: Acordamos tarde e aproveitamos para descansar e fazer planos para os próximos dias. Foi um dia de ócio produtivo. Foi preparada uma massa acompanhada de um bom vinho chileno. No final do dia fomos conhecer o a vida agitada do bairro Bella Vista, são incontáveis os números de opções para comer, beber e dançar. Paramos para comprar um energético ($ 1900) e se preparar para a festa. Comemos no Shopdog uns petiscos, daikiri e um chopp Kusman por $ 12.958. Por volta da 1 da manhã fomos buscar uma entre as várias opções de clube e ficamos no "Club Mandala" na rua Antonia Lopez de Bello, quase esquina com a Pio Nono. Pagamos $ 1000 com direito a dois drinks e uma cerveja e mais 500 na rouparia. O agito durou até às 5h, agora é hora de recarregar a energia. 🎵💃🕺 06: Hoje, acordamos e tomamos um café reforçado. Antes do meio dia estávamos na rua procurando o que mais a cidade tinha para nos oferecer. Quase 4 horas da tarde chegamos ao mercado central onde paramos no mercado Richard para comer um ceviche com direito a prova de Pisco Sawer Chileno (Outra versão para nossa caipirinha), optamos em pedir somente um prato que acompanhado das entradas, drink e cerveja foi o suficiente, gastamos $ 14.300 com os 10% de propina. Fomos caminhar para buscar "La Bicleta Verde", chegamos no local 30 minutos antes de fechar, pois o funcionamento era das 9h às 18. Então fomos ao Museo Nacional de Bellas Artes, com entrada franca, a única despesa seria uma moeda de $ 100 do armário, mas é devolvida depois de entregue a chave. Foi ai que caminhamos, muito, mas muito, muito mesmo, até a sorveteria Emopório La Rosa (culpa do GPS 😎), a propósito, esse sorveteria ficou classificada como uma das 25 melhores sorveterias do mundo 🙇‍♂️ (conforme propaganda do local ). Foram $ 5580 para duas casquinhas com 2 bolitas. Regressamos e compramos pão e água $ 1160. Ao chegar em casa eu podeia ouvir minhas pernas dizendo: obrigado, obrigado... 🛌 07: Chegamos ao que tudo indica nossa última hospedagem, um apartamento divino onde as anfitriãs Camila e Marta que nos receberam muito bem. Já saímos pela manha e fomos ao "GAM" onde supostamente teria um dia inteiro de atividades de Yoga, chegando lá descobrimos que estávamos uma semana adiantado 👀. Como já estávamos no bairro Lastaria fomos comer uma empanada de cordeiro e provar o "Mote con Huesill" e mais um suco de maracuja com frutilla, tudo por $ 8.360 e outra empanada de queso por $ 2.100. Depois fomos novamente a "La Bicleta Verde" o qual alugamos por 4 horas $ 5.000 por bicicleta. No final do dia, uma parada básica no Emporio La Rosa e provamos o "Barquillo con 2 bolitas" $ 5580. Depois paramos em no "La Vuelta" na rua Monjitas e provar o "Terremoto" por $ 3960 (gostei). Antes de chegar em casa paramos no Supermercado "Los Paisas" em frente de casa para comprar os ingredientes para a janta $ 8.428. Também passei na botellaría para pegar umas cervejas especiais $ 3.780. Chegando em casa, preparamos e jantar e nos juntamos com as Anfitriãs e seus amigos que estavam comemorando a partida semanal de basquete ball. 08: Acordamos com tempo suficiente para tomar café e pegar nosso transfer com a Morandê às 9 horas em direção a vinícula Concha y Toro 🍷, uma das mais importantes do mundo desde 1883. Custou $ 25.000 por pessoa com direito a uma pequena amostra de vinho e a taça da vinícula. Comprei uma garrafa de Concha y Toro por $ 4.490. No retorno paramos no restaurante "Piedras del Cusco" para comer outro Ceviche, drink e cerveja por $ 16.500. Paramos no Café Haiti e provei o "Café de Pernas" por $ 1.400 enquanto a Kaka ficava me acompanhando. Em seguida fomos a Feira Artesanal Santa Lucía. Eu gastei $ 13.500 em presentinhos (regalos). Depois fomos ao Backstage onde cada um gastou $ 3.548 para mais um ceviche junto da nossa amostra de vinho e um petisco. De lá fomos a "La Cerveceria" onde eu tomei os 16 shots da casa por $ 8.690 para finalizar o dia 🍺. 09: Hoje o passeio foi para ao Vinã del Mar y ValParaízo 🏝️($18.000 cada um). Na ida paramos para uns aperitivos free, o qual aproveitei os preço e peguei mais 3 garrafas mais azeite de oliva por $28.670 além de um doce de leite por $ 2.500. Depois de uma caminhada pela praia Reñaca e paramos para almoçar e dividimos um ceviche onde cada um gastou $ 6.760. No retorno depois de conhecer a casa de Pablo Neruda, as casas mentirosas, o porto, andar de funicular ($ 100/pessoa) fomos ao empório La Rosa pedir 3 bolitas $ 3.590. Depois formos ao centro para mais uma caminhada encontrei o Max World, onde comprei um presente para minha afilhada que fez sucesso na festa de aniversário, pois todas as crianças queriam brincar com ele. Encerramos o dia no Ponta Leon Restaurante peruano para comer o que, o que, sim, mais um Ceviche que custou $ 5.775 cada. 10: Último dia, fomos ao Cajón de Maipo e visitamos o Envalse de Eiso, lugar simplesmente incrível, logo antes de voltar, paramos para um picknic que foi um pouco corrido devido a neve e o frio. Descemos na Costaneira onde comprei um telefone novo por $ 206.990 (HUAWEI, que não tinha no Brasil), comemos no Crepe Cafe e aproveitamos para fazer a carga do chip do Trem de 2.200 para chegar até a estação. Como era último dia, resolvermos comer no pátio Bella Vista um ceviche😂 , é que esse acompanhava camarão equatoriado e mais duas margaritas e um daikiri de framboesa, tudo por 21.100 em dinheiro, voltamos para casa e nos preparamos para retorno 😔. 11: Tomamos o metro até a estação do Centro Puerto, chegamos ao aeroporto, como perdemos o avião, estamos no deciliciando com duas águas por 2.200. Duas empanada e 2 muffin O Donutts, mais um suco 7.500 (dinheiro). Às 16:30 partimos e chegamos a buenos Aires, saímos para jantar no Solermo Soho e demos mais uma voltar para conhecer o A.J Bradley 315. Tomamos um Uber de volta para o Aeroporto por 200 pesos argentinos. Fomos até o Tienda León e com a impressão do Voucher emitido pela internet e impresso no própria aerolíneas argentinas conseguimos fazer o transfer do aeroporto Ezeiza para o Aeroparque. Agora estamos esperando a abertura do guiche para fazer o check in (Junto com Daniela Mercury, que estaria no mesmo avião) 🎉 E aqui, segue um resumo destes 10 dias no Chile através deste pequeno vídeo.
  2. Olá, viajantes! Estou terminando a faculdade e tenho economizado dinheiro há algum tempo para realizar o sonho de desbravar o mundo. Para tanto, estou engatinhando nos primeiros passos de planejamento de uma viagem. A ideia, de início, seria tirar de quatro a seis meses para mochilar pelo menor custo possível (até porque não tenho muita grana) por países como Índia, Nepal, Tailândia, Indonésia, Austrália e Nova Zelândia. Vocês teriam algum buscador de passagens para buscar meios de transportes mais baratos na Ásia e na Oceania? A exemplo do GoEuro e da Rome2Rio... Qualquer dica é muito bem vinda.
  3. Fala galera, vim aqui compartilhar como foi minha experiência de 9 dias na cidade do rio de janeiro, indo e voltando de onibus (partindo de sp), com pouco dinheiro, ficando 5 dias em um hostel em copacabana e 5 dias na casa de uma conhecida. Estava combinado de irmos embora dia 10 às 11 a.m, entretanto meu amigo pegou uma intoxicação alimentar na sexta feira (dia 8 ) e passou a madrugada inteira no hospital muito mal, então resolvemos vir embora no dia 9 de madrugada, o que não fez muita diferença também. Recomendo muito viajar de madrugada, para mochileiros é bom porque não perdemos o dia no ônibus. É cansativo dormir sentado, mas fazendo um esforço o corpo aguenta o primeiro dia de boa (logicamente se não for uma atividade muito hard). Como disse, eu e meu melhor amigo somos estudantes e gostamos de conhecer os lugares com a maior veracidade que conseguimos, por isso sempre optamos por acampar (prefiro mais do que hostel), mas como muita gente nos assustou com a violência do rio, resolvemos ficar no hostel. No final das contas a violência não é como dizem, só não pode vacilar... Eu preferiria ter ficado em um camping mesmo... Gastamos 300$ no hostel (5 dias); 200$ no ônibus ida/volta SP-RJ; e eu gastei cerca de 600 reais nos 10 dias incluindo alimentação, passeios e presentinhos. Achei uma quantia aceitável para a quantidade de dias, fiquei feliz porque finalmente consegui "controlar" meu orçamento. (geralmente eu sou daquelas que gasta tudo nos 3 primeiros dias). Tivemos que filtrar o que realmente queriamos fazer, então deixamos de fora alguns lugares que também queriamos ir mas que eram mais tranquilos: morro da urca, cachoeira dos primatas, trilha para o cristo redentor, jardim botânico. Não queriamos gastar 44 reais para subir o pão de açucar tampouco 77 para ir para o cristo de bondinho. O intuito da nossa viagem era outro, fica pra próxima. ================================================================================================================================ Dia 1 Saimos de SP às 23h30 e chegamos na rodoviária novo rio em torno das 6h. Pagamos 107 reais na passagem, pela expresso do sul. A rodoviária fica no centro da cidade, então ir para qualquer zona, de uber, não da mais de 30 reais. Vale muito a pena, pois encarar o transporte público carioca, de primeira, com malas, eu não recomendo. A cada da nossa conhecida ficava na zona norte do rio, perto da estação de metro "engenho da rainha" e após nos arrumarmos lá, já fomos em busca de conhecer o local. Nosso primeiro destino foi "A pedra bonita", em são conrado. Para chegar até lá, pegamos o metrô até a estação São Conrado, depois um ônibus "maracai" que sobe o morro e nos deixa na entrada da trilha. Primeiramente, para quem vai utilizar o transporte público, dou a dica de ir atras do "rio card" que é um bilhete único que vale para ônibus, metrôs, trens e brt (um tipo de ônibus que tem uma faixa exclusiva para ele, logo, nao pega trânsito.). Minha namorada tinha me dado o rio card dela, então eu sai na frente; já meu amigo, adquiriu o "giro", cartão que só funciona para o metrô, a acabou colocando dinheiro no meu cartão para os outros meios de transporte. No rio, não existe a possibilidade de comprar um passe de metro que nem em são paulo, ou pagar e simplesmente entrar. Tudo lá funciona com esses cartões que eu citei e mal tem funcionário trabalhando nas bilheterias, pois estão substituindo tudo por máquinas. Salvo o ônibus, que é o unico local no qual o motorista aceita o pagamento em dinheiro. Pois bem, fizemos a trilha para a pedra bonita e foi lindo! (Queria postar as fotos aqui, mas dessa vez ficarei devendo). Se vocês curtirem essa vibe de trilheiros, vai aí algumas dicas também: tentem sempre chegar no começo da trilha antes das 10 a.m, para sofrerem menos com o sol carioca e aproveitarem mais a vista, o mais cedo possivel, melhor. E também tentem sempre ir de dia de semana, pois se não algumas trilhas lotam e o que era pra ser lindo fica levemente estressante. Levem frutas, barrinhas de cereal e sempre no mínimo 2L de água. Lá existe a possibilidade para saltar de asa delta, o que custa 500 reais, então não fizemos infelizmente. Depois descemos de carona o morro e passamos o resto do dia na praia de São Conrado. É linda, vazia, mas um pouco cara e o mar é bem de tombo, então é perigoso. Dia 2 Fomos passar o dia na praia do Leblon (a minha favorita). Descendo na estação "Arquero de Quental", a praia fica a 5 min caminhando. Lá é ótimo porque: o mar é tranquilo, é uma praia mais cheia então não é preciso tanta preocupação com a violência, o aluguel de cadeiras e guarda sol foi o mais barato que eu encontrei no rio e tem uma vista linda para o morro dois irmãos. Pagamos 10 reais no guarda sol e 5 reais em cada cadeira de praia. Dia 3 Fomos fazer um freewalking tour pelo centro histórico (praça mauá, pier restaurado, pedra do sal, etc). Esse tour foi muito bacana, pois eles não tem um preço fixo, então você contribui com o que pode. E além disso eles fazem essa tour que fala sobre a versão africana da história, o que foi algo que muito nos interessava. http://www.riofreewalkingtour.com/?gclid=Cj0KCQiAvqDiBRDAARIsADWh5Telz6uSiMN5Ozwrk42PwL_XYiSesO_NW3FFA8vyUSS_sYuKGNMnVlgaAvUmEALw_wcB Depois almoçamos em um bar sujo por 15 reais (incluindo dois latões de antartica). É só perguntar para um taxista ou para alguém na rua aonde tem um restaurante bom e barato que a galera indica com prazer. Dia 4 Nesse dia, pegamos o metro ate o Arquero de Quental e fomos andando até a entrada do morro do vidigal (cerca de 1,2km; deu uns 30 min). Foi escolha nossa ir andando, da pra pegar um busão tranquilamente. Fomos fazer a famosa trilha do Morro Dois Irmãos. Chegando na entrada do vidigal, pagamos 5 reais/cada no mototáxi para eles nos deixarem na entrada da trilha. Fomos no domingo pra essa trilha, e começamos a subir a trilha em torno das 10h, o que foi um erro rude por 2 motivos: por ser mata fechada, o sol não bate direto, mas mesmo assim fica muito abafado o que diminui muito o nosso rendimento na trilha. Foram uns 40 min de subida, o que pra mim foi bem cansativo e ao chegar no pico, tinha mais de 15 pessoas tirando foto etc e tal o que foi um pouco decepcionante, porque perde a paz da vista. Depois aproveitamos o resto do dia no Leblon. Dia 5 Nesse dia tinhamos combinado de ir para a pedra do pontal. É bom deixar bem claro, se for pedir informações, que vc quer ir pra PEDRA DO PONTAL e nao para o PONTAL apenas, pois aparentemente são dois lugares diferentes e o segurança nos disse (quando chegamos no pontal errado) que quase todo mundo comete esse erro. A pedra do pontal fica no recreio, que é mais ou menos depois da barra da tijuca, então é bem longe pra quem está hospedado na zona norte. Pegamos o metro até o jardim oceanico (estação final) e depois começou a saga para chegarmos até lá... Do jardim oceânico há a integração para os onibus do BRT. Entretanto, a galera que trabalha lá é meio confusa ao passar informações, erramos o caminho diversas vezes e como estavamos com celular só para tirar foto, não tinhamos como olhar em aplicativo. O que eu indico é: baixem o aplicativo Moovit e sigam o que ele diz, por mais que as vezes demore mais que o esperado, da certo. De qualquer jeito, pegando qualquer BRT que vá até a alvorada (um dos pontos finais), é só pegar outro BRT e descer na estação gláucio gil (e não estação "pontal"). Aí depois é só andar uns 20 min e a pedra do pontal estará a sua frente. Como erramos o caminho, ficamos na praia da macumba, na qual pagamos cerca de 35 reais em duas cadeiras e guarda sol. Por ser uma praia mais vazia, não passam muitos ambulantes vendendo matte gelado, sacolé, esfiha, empada etc (que são a diversão da praia). Ah, esqueci de falar que quase sempre almoçavamos uma famosa "quentinha" por 10 reais: era o melhor negócio! comida gostosa, barata e em boa quantidade. Dia 6 Foi dia de irmos mais uma vez com o free walking tour, mas dessa vez para conhecer o centro, os arcos da lapa, o disco voador, a escadaria selarón etc Depois almoçamos em um pfzao por 8 reais com os gringos que conhecemos! No final do dia fomos para o hostel, em copacabana. "Hostel solar 4u" que alias é bem mediano, não recomendo, pois o preço para 5 diárias foi 300$. Com certeza devem haver hosteis melhores, por mais que esse fosse bem localizado. Não valeu a pena, pois o lugar tinha bastante pó (sei porque tenho alergia), o cheiro não era agradável, o café da manhã incluso foi bem meia boca e as pessoas nem foram acolhedoras, parecia que não estavamos lá. Como no verão o sol se põe às 20h, conseguimos assistir ao espetáculo que é o Pôr-do-sol na pedra do Arpoador, na praia de Ipanema. É um por do sol em coletivo, ou seja, a pedra fica LOTADA de pessoas, mas é tudo bem sinalizado e zero dificuldades para subi-la. Tem escadinha e tudo. Vale muito a pena. Depois ficamos assistindo uma roda de capoeira, porém decidimos ir embora porque já tinha ficado escuro e iamos andando até o posto 4 em copacabana. O que da mais ou menos uns 30 min de caminhada. Dia 7 DdDe manhã, resolvemos pegar um uber e ir até o "Museu do Inconsciente", no engenho velho. Somos muito fãs da Nise da Silveira e foi lindo ver todo o trabalho dela de perto e também os frutos que ela deixou. O museu é vivo, ou seja, os artistas pintam lá dentro e conversam, interagem conosco. É bem incrível e impressionante. Depois almoçamos em uma pensão lá do lado, que o segurança nos indicou por 15 reais e pegamos um ônibus para o centro para depois pegarmos o metrô. Passamos a tarde em Copacabana, que ficava a uns 5 min do hostel a pé. A praia é normal, comparada com as outras praias maravilhosas do rio. Na verdade chega até a ser um pouco suja, tem muitas pombas (o que eu odeio), mas todas as barracas aceitam credito, mesmo que seja mais caro para alugar guarda sol e cadeira. Lá cada cadeira é 10 e o guarda sol é 20. Conseguimos pechincha das cadeiras a 7 reais. Depois jantamos em um PF ótimo que encontramos lá e fomos andar na orla, é muito agradável pois tem muitos vendedores vendendo desde caipirinha até passeios turísticos e ao fundo temos as músicas ao vivo dos quiosques que vão desde samba a rock. Paramos em um quiosque, bebemos duas caipirinhas por 20 reais e depois voltamos para o hostel porque o dia seguinte seria o mais puxado. Dia 8 Acordamos cedo, compramos um cacho de banana, dois litros de água e pegamos o metrô até o jardim oceânico. Nossa próxima parada seria a barra de guaratiba, mais especificamente a pedra do telégrafo. Finalmente pegamos a condução certa, qualquer BRT até o terminal alvorada e depois o ônibus 12 "pingo d`agua" o ponto "ilha de guaratiba" (fica ainda depois da praia do pontal e do recreio). Descemos e eu, como já estava farta de pegar ônibus e demorar para chegar nos lugares, sugeri que fossemos de mototáxi até a entrada da trilha (ficou 30 reais para os dois). Foi uma pequena viagem de uns 25 min bem agradável e nada estressante, mesmo quando chegamos na parte de morro em que o motoqueiro falou para eu segurar nele ou a moto cairia hahaha no final deu tudo certo... Em guaratiba, além das praias selvagens (do perigoso, do meio e outra que eu não lembro agora), temos a pedra do telégrafo e a pedra da tartaruga. A pedra do telégrafo é famosa pelas fotos com ilusões óticas e a da tartaruga é conhecida porque a galera faz rapel lá. A trilha é tranquila e sinalizada até a bifurcação que tem para a esquerda as praias selvagens (3km) e para a direita a pedra do telégrafo (1km). Como queriamos ir primeiro para a pedra, fomos pela direita. Fizemos a escolha infeliz, todavia, de desviar para a próxima bifurcação a direita, que dizia "pedra da tartaruga", pois não queriamos uma trilha engarrafada como estava a do telégrafo. Aí o bagulho ficou sério, a trilha ficou imensa, cansativa, traiçoeira e muito mas muuuuuuuuito longa. Chegamos na pedra da tartaruga quase meio dia, mortos de fome e de cansaço (foi quando descobrimos que deveriamos ter trazido mais comida). Tiramos fotos, ficamos um pouco por lá e resolvemos voltar cerca de 1/3 da trilha para pegar a bifurcação para a praia do meio. Entretanto, a trilha era só de subida, algumas escaladinhas em pedras e eu simplesmente não aguentava mais, estava entrando em fadiga muscular, sol a pino no rosto, perdendo eletrólitos desde o começo da trilha... Conversamos com uns trilheiros que estavam voltando e eles disseram que ainda tinha cerca de 30 min de SUBIDA para chegar na praia do meio, para depois pegarmos outra trilha para ir pra pedra do telégrafo. Não aguentei e nem o meu amigo, resolvemos ativar o modo retirada e voltamos a trilha toooooooooooooda, exaustos. Finalmente chegamos na entrada da trilha, depois de quase 2h de subidas frenéticas, e ai descemos o morro e voltamos de ônibus até o BRT. O nosso erro foi não ter levado mais frutas, gatorade, barrinha de cereal etc e também não ter conversado com os nativos para entender como funcionavam as trilhas. Lá não tem nenhum mapa ou coisa do tipo e depois que você entrou na trilha, basicamente está por conta de deus, pois dificilmente há uma alma viva também. Fizemos o trajeto que geralmente as pessoas fazem para voltar, que é passar por todas as praias e depois pela pedra da tartaruga. Aí a galera vai pela trilha do telégrafo que é mais tranquila. Enfim, aceitamos o ocorrido e voltamos satisfeitos por ter aguentado e visto as praias de cima, lá na pedra da tartaruga. Depois desse dia desistimos de ir para a pedra da gávea, achamos melhor voltar em outro momento com a grana para alugar um guia (+/- 200/pessoa) e ir pela P4. E eu, sinceramente, não queria encarar a carrasqueira com a minha musculatura cansada de final de viagem. Dia 9 Acordamos tarde, almoçamos lá para as 15h no mesmo lugar de sempre e depois ficamos de boa, passeamos na orla e compramos algumas coisas. Nosso ônibus saiu as 23h da rodoviária novo rio.
×
×
  • Criar Novo...